Ministério da Ciência e Tecnologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério da Ciência e Tecnologia"

Transcrição

1 Ministério da Ciência e Tecnologia

2

3 ÍNDICE INTRODUÇÃO À DISCIPLINA PRINCÍPIOS DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO:COMPETÊNCIAS EM MATÉRIA AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS Princípios gerais do direito ambiental Competências constitucionais Competência legislativa Competência material A POLÍTICA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE Sistema Nacional de Meio Ambiente - SISNAMA Instrumentos da Política Nacional de Meio Ambiente Tipos de Instrumentos de Política Os instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente Padrões de qualidade ambiental Zoneamento Ambiental Avaliação de impactos ambientais Licenciamento Ambiental e EIA/RIMA Sistema Nacional de Unidades de Conservação - SNUC Sistema Nacional de Informações Sobre o Meio Ambiente - SINIMA Outros instrumentos da Política Nacional de Meio Ambiente POLÍTICA NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO Saneamento e Urbanização Princípios da Lei para as diretrizes e a Política Federal de Saneamento Básico i

4 4.1.2 A responsabilidade dos titulares dos serviços A regulação dos serviços Atendendo às demandas com serviço de qualidade Elementos para a elaboração da Política Federal de Saneamento Básico POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS Dominialidade das águas Bens públicos Critérios para definição do domínio dos cursos d'água Fundamentos, objetivos e diretrizes da política de recursos hídricos Instrumentos de gestão Planos de recursos hídricos Enquadramento dos corpos d'água Outorga de direito de uso da água Cobrança do uso dos recursos hídricos Sistema de informações sobre recursos hídricos Sistema Nacional de Gerenciamento dos Recursos Hídricos Considerações iniciais Órgãos gestores da Política Nacional de Recursos Hídricos Órgãos formuladores da Política Nacional de Recursos Hídricos Órgãos executores diretos da Política Nacional de Recursos Hídricos órgãos executores indiretos da Política Nacional de Recursos Hídricos EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO Introdução Educação ambiental e a Política Nacional de Meio Ambiente O processo de inserção da Educação ambiental no Brasil A educação ambiental e a Constituição Federal Brasileira ii

5 6.5 O Programa Nacional de Educação Ambiental - PRONEA A Educação ambiental e a Lei De Diretrizes E Bases Da Educação (LDB) A Política nacional de educação ambiental A regulamentação da Política Nacional de Educação Ambiental A Educação ambiental e o Plano nacional de educação A INTEGRAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAIS: OS DESAFIOS DA GESTÃO A importância da integração dos instrumentos das políticas nacional de meio ambiente e de recursos hídricos BIBLIOGRAFIA iii

6 iv

7 I NTRODUÇÃO À DISCIPLINA Políticas e legislação ambiental Rosangela Sampaio Reis Dra. Ciências da Engenharia Ambiental, EESC/USP Esta disciplina foi desenvolvida utilizando como material de apoio os conteúdos elaborados para o Curso de Especialização em Gestão de Recursos Hídricos UFSC/UFAL, com financiamento do CNPq, no ano de INTRODUÇÃO À DISCIPLINA OBJETIVOS DA DISCIPLINA Apresentar os fundamentos e instrumentos da Política Nacional de Meio Ambiente do Brasil. Apresentar os fundamentos e instrumentos da Política Nacional de Recursos Hídricos brasileira. Apresentar os fundamentos e instrumentos da Política Nacional de Educação Ambiental no Brasil. Analisar e discutir os elementos de integração entre as três políticas para apoiar a Gestão de Recursos Hídricos. OBJETIVO DE APRENDIZADO: Conhecer criticamente as bases legais que estruturam as Políticas de Meio Ambiente, de Recursos Hídricos e de Educação Ambiental no Brasil e suas possíveis integrações para qualificar as ações de Gestão dos Recursos Hídricos no âmbito de atuação Nacional, Estadual e municipal. 1

8 I NTRODUÇÃO À DISCIPLINA A disciplina de Políticas e legislação ambiental está estruturada em 7 capítulos que tratam dos elementos jurídicos que definem os fundamentos, as competências, os agentes diretos e indiretos e os instrumentos das três políticas nacionais, a de Meio ambiente, a de Recursos Hídricos e a de Educação Ambiental. Os 7 capítulos da disciplina Políticas e legislação ambiental: Políticas e legislação ambiental no Brasil. Princípios do direito ambiental brasileiro: competências em matéria ambiental e de recursos hídricos. A política nacional de meio ambiente. A política nacional de saneamento básico. A política nacional de recursos hídricos. Educação ambiental: aspectos da legislação. A integração das políticas nacionais: os desafios da gestão. Os conteúdos de todos os capítulos dessa disciplina abordam os aspectos de legislação que constituem o arcabouço legal para a realização dos processos de Gestão na área ambiental, de forma ampla, e das áreas de saneamento, recursos hídricos e educação ambiental, de uma forma mais específica de atuação sobre o âmbito do meio ambiente. Seguindo a proposta de interação pedagógica do Curso, nesta disciplina também estão definidos os três instrumentos de apoio para sua construção de sínteses, de conhecimento teórico-prático e de sistematização dos aprendizados. Em cada capítulo você encontrará o tópico final que destaca os Principais Temas Estudados. Esses elementos de síntese são importantes guias de apoio à revisão de seus registros e à sistematização de seu processo de estudo da disciplina. Também, é fundamental que você realize as atividades de fixação dos conteúdos e de aproximação de sua realidade local, compartilhando os resultados com os colegas e a tutoria do Curso. Lembre-se que ao final de cada capítulo estão as folhas específicas para a realização de suas anotações cotidianas de estudo e composição de seu "Caderno de estudos e práticas". Vamos então avançar em mais essa disciplina do curso. Bons estudos e boas práticas virtuais! 2

9 NO BRASIL 1 POLÍTICAS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL OBJETIVOS DO CAPÍTULO Traçar um breve panorama da legislação, dos instrumentos de gestão ambiental e de recursos hídricos no Brasil e apresentar o conteúdo que será abordado na disciplina. OBJETIVO DE APRENDIZADO: Aproximar o estudante das temáticas referentes às políticas e legislações ambientais brasileiras preparandoo para o aprofundamento que será trabalhado ao longo da disciplina. 3

10 NO BRASIL Para tratar dos aspectos jurídicos relacionados às águas no Brasil, iniciaremos a disciplina com a explanação de noções sobre os princípios gerais do Direito Ambiental e as competências estabelecidas na Constituição Federal de Na sequência, faremos um histórico sobre a política ambiental e sua relação com o panorama internacional. Os conhecimentos prévios tratados nesta introdução são necessários para uma melhor compreensão dos assuntos que serão abordados posteriormente, quais sejam: a Política Nacional do Meio Ambiente; o Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA; a Política Nacional de Recursos Hídricos - PNRH e o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos SINGERH; a Educação Ambiental e o Sistema Nacional de Unidades de Conservação - SNUC. Iniciamos nossa abordagem fazendo referência aos princípios fundamentais ao entendimento das questões referentes às Políticas ambientais e à legislação ambiental de apoio, entendendo que os princípios são normas jurídicas impositivas de uma otimização, compatíveis com vários graus de concretização, consoante os condicionalismos fácticos e jurídicos. Permitem o balanceamento de valores e interesses, mas não obedecem, como as regras, à lógica do tudo ou nada, consoante o seu peso e ponderação de outros princípios eventualmente conflitantes (CANOTILHO, 2008). Alguns desses princípios serão apresentados a seguir, lembrando-se que eles estão apoiados em declarações internacionais e, algumas vezes, se transformaram em normas jurídicas oriundas de convenções. PRINCÍPIO DE CARÁTER INTERNACIONAL O princípio do direito à sadia qualidade de vida considera, no seu contexto, o estado dos elementos da Natureza águas, solos, ar, flora, fauna e paisagem, de modo a propiciar o bem-estar e a boa qualidade de vida ao homem. O princípio do acesso equitativo aos recursos naturais deve ser analisado com base na razoabilidade do uso e não na vontade ou na possibilidade tecnológica de aproveitá-lo. 4

11 NO BRASIL O princípio do direito à sadia qualidade de vida foi discutido nas Conferências das Nações Unidas sobre o Meio ambiente, na Declaração de Estocolmo/72 e na Declaração Rio de Janeiro/92. O princípio do acesso equitativo aos recursos naturais foi, e é, discutido em encontros internacionais sobre o meio ambiente como a Convenção para a Proteção e Utilização dos Cursos de Água Transfronteiriços e dos Lagos Internacionais, de Helsinque, Nesse sentido o Direito Ambiental tem a tarefa de estabelecer normas que indiquem como verificar as necessidades de uso dos recursos naturais. Dentre esses princípios relacionados com as questões ambientais, foram destacados por LEME (2006): - o princípio do usuário-pagador e poluidor-pagador; - o princípio da precaução; - o princípio da prevenção; - o princípio da reparação, - o princípio da informação; - o princípio da participação; e - princípio da obrigatoriedade de intervenção do Poder Público. A política ambiental brasileira se desenvolveu a partir desses princípios, embora tenha se estruturado de forma tardia se comparada às demais políticas setoriais brasileiras, como a econômica e a social. Essa política deu-se basicamente em resposta às exigências do movimento ambientalista internacional. A evolução da política ambiental brasileira pode ser descrita através de grandes acontecimentos internacionais ocorridos a partir da segunda metade do século XX, que influenciaram o curso das políticas ambientais no mundo e, consequentemente, no Brasil. Os conceitos e ações quanto às questões ambientais no país sofreram modificações significativas ao longo do tempo que podem ser resumidas em três diferentes etapas: a etapa corretiva (preponderante nos anos 1970), a etapa preventiva (preponderante nos anos 1980) e, finalmente, a integradora (característica dos anos 1990), que forneceu a base teórica para a elaboração das ações políticas ambientais atuais. 5

12 NO BRASIL Observando essas questões de contexto histórico de forma setorial, podemos observar que em relação à participação do Poder Público, os direitos e deveres em relação às águas, no Brasil, foram disciplinados pelo Decreto n.º , de 10 de julho de 1934, conhecido por Código de Águas, que dispõe sobre a dominialidade, ou seja, a quem elas pertencem; o aproveitamento das águas públicas, comuns e particulares; águas subterrâneas; águas pluviais e nocivas. Trata também da regulamentação da energia hidráulica e seu aproveitamento, concessões, autorizações, fiscalizações e penalidades, bem como de outras disposições gerais. De acordo com esse Decreto as águas eram consideradas de domínio público e particular, sendo que, no caso de domínio público, elas eram de dominialidade da União, dos Estados e dos Municípios. Com o advento da Constituição Federal de 1988, a água passou a ser tratada como bem de domínio público, federal e estadual, não mais fazendo parte do domínio municipal e particular. Assim, a Constituição Federal de 1988, atualmente vigente, modificou substancialmente essa dominialidade, bem como determinou que fosse instituído o sistema nacional de gerenciamento de recursos hídricos e fossem definidos critérios de outorga de direitos de seu uso, conforme disposto no inciso XIX do art. 21. Com o intuito de implementar a nova ordem constitucional, no que tange a essa matéria, foi promulgada a Lei n.º 9.433, de 08 de janeiro de 1997, que reconhece a água como um bem público e um recurso natural limitado, estabelecendo a Política Nacional de Recursos Hídricos - PNRH e criando o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. A Lei n.º 9.433/97 definiu objetivos, diretrizes e fundamentos para implementar a nova política e elencou os instrumentos de gestão, que são: os planos de recursos hídricos; o enquadramento de corpos d'água, segundo os usos preponderantes; a outorga dos direitos de uso dos recursos hídricos; a cobrança pelo uso dos recursos hídricos; a compensação a municípios; o sistema de informação de recursos hídricos. Para sua implementação, a PNRH elegeu, como integrantes do Sistema Nacional de Gerenciamento, o Conselho Nacional de Recursos Hídricos, os Conselhos de Recursos Hídricos Estaduais e Distrital, os Comitês de Bacia, as Agências de Água e os órgãos públicos federais, estaduais, distritais e municipais, cujas competências 6

13 NO BRASIL se relacionem com a gestão de recursos hídricos. Em 2000, através da Lei n.º 9.984, foi inserida, nesse Sistema, a Agência Nacional de Águas - ANA. Muitas inovações vieram com a promulgação da Lei n.º 9.433/97, pois ela instituiu mecanismos para se fazer a gestão das águas. Associada ao conhecimento sobre quais são os direitos e deveres de todos em relação ao uso e conservação das águas, existia a necessidade de se determinar a quem compete a implementação da política pública hídrica. Entre as descentralizações das decisões, elegeu-se a bacia hidrográfica como unidade administrativa de planejamento e gestão. Nesse contexto, a tomada de decisões deve-se dar de modo participativo, através dos órgãos colegiados, como os Conselhos Nacional e Estaduais de Recursos Hídricos e os comitês de bacias hidrográficas. A Política Nacional de Recursos Hídricos encontra-se em implementação, de modo que alguns de seus instrumentos ainda não foram devidamente operacionalizados. Contudo, vem ocorrendo uma grande mobilização, jamais vista, no sentido de promover a organização das representações da sociedade civil, do poder público - nos seus diversos níveis, e dos usuários da água, para que seja otimizado o uso da água, de modo a atender às demandas da sociedade e para que sejam resolvidos os principais conflitos existentes no país. É bem verdade que se trata de um movimento não uniforme, que ocorre de modo desigual devido às grandes diferenças regionais quanto aos conflitos existentes, quanto às demandas pelo uso dos recursos hídricos, bem como quanto à disponibilidade hídrica, que varia muito em todo o território nacional. Existem regiões com forte demanda pelo uso das águas e com pouca disponibilidade hídrica, ao passo que outros trechos do território nacional apresentam uma grande abundância hídrica e pouca demanda pelo uso. Além disso, existem circunstâncias em que há disponibilidade hídrica, porém, a água se encontra com qualidade que não permite o seu uso para as atividades humanas e econômicas. Verifica-se, portanto, que além de instituir a política hídrica nacional, a Lei n. 9433/ 97 criou os mecanismos necessários para que se efetive a gestão das águas, estabelecendo um marco institucional de como se deve proceder essa gestão, sempre de modo descentralizado e participativo. A gestão das águas, com seu arcabouço legal estabelecido em 1997, tem que ser vista em um contexto mais amplo, que é a gestão ambiental, estabelecida na Lei n.º 6.938, de 31 de agosto de 1981 Política Nacional de Meio Ambiente. 7

14 NO BRASIL No capítulo seguinte vamos abordar aspectos da gestão ambiental, detalhando alguns dos seus princípios, instrumentos e aspectos institucionais. A integração entre a gestão ambiental e a gestão dos recursos hídricos, ainda não se efetuou do ponto de vista legal, institucional e operacional, no entanto, ambas vêm se dando de forma participativa e descentralizada constituindo-se em marcos políticos em busca do aprimoramento dos mecanismos democráticos. LIGANDO AS IDEIAS Procure analisar na Lei orgânica de seu município os princípios vinculados à preservação, conservação e gestão dos recursos hídricos locais. Registre suas descobertas em seu "Caderno de Estudo e Práticas", comentando as particularidades que forem identificadas. 8

15 NO BRASIL DESTAQUES DOS TEMAS ESTUDADOS 1.- São princípios de caráter internacional: o princípio do direito à sadia qualidade de vida e o princípio do acesso equitativo aos recursos naturais. 2.- São princípios fundadores do direito ambiental no Brasil: o princípio do usuário-pagador e poluidor-pagador; o princípio da precaução; o princípio da prevenção; o princípio da reparação, o princípio da informação; o princípio da participação; e princípio da obrigatoriedade de intervenção do Poder Público. 3.- Com o advento da Constituição Federal de 1988, a água passou a ser tratada como bem de domínio público, federal e estadual. 4.- A Lei n.º 9.433, de 08 de janeiro de 1997, estabeleceu a Política Nacional de Recursos Hídricos - PNRH e criou o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. 5.- A PNRH elegeu, como integrantes do Sistema Nacional de Gerenciamento, o Conselho Nacional de Recursos Hídricos, os Conselhos de Recursos Hídricos Estaduais e Distrital, os Comitês de Bacia, as Agências de Água e os órgãos públicos federais, estaduais, distritais e municipais. CONSTRUINDO CONCEITOS Para que você conheça o conteúdo dos principais instrumentos normativos (Leis, Decretos e resoluções), que regem a Política Nacional de Recursos Hídricos, aconselhamos a leitura e a análise dos textos legais que se encontram relacionados ao final da disciplina. Esses materiais podem ser acessados nas páginas eletrônicas indicadas e também na biblioteca do Campus Virtual. Não se esqueça de anotar suas descobertas e considerações no "Caderno de estudos e práticas" 9

16 NO BRASIL 10

17 CADERNO DE ESTUDO E PRÁTICAS 11

18 NO BRASIL 12

19 PRINCÍPIOS DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO:COMPETÊNCIAS EM MATÉRIA AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS 2 PRINCÍPIOS DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO:COMPETÊN CIAS EM MATÉRIA AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Apresentar as premissas que regem o Direito Ambiental e a repartição do poder de legislar e administrar o meio ambiente e as águas no Brasil. OBJETIVO DE APRENDIZADO: Conhecer as premissas que regem o Direito Ambiental, bem como a repartição do poder de legislar e administrar as águas e o meio ambiente no Brasil. 13

20 PRINCÍPIOS DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO:COMPETÊNCIAS EM MATÉRIA AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS 2.1 PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO AMBIENTAL Na década de 60, teve início o debate acerca da relação entre economia, consumo, meio ambiente e desenvolvimento. O discurso de John F. Kennedy em defesa dos direitos do consumidor, o lançamento da obra de Rachel Carlson Primavera Silenciosa, o relatório do Clube de Roma Limites do Crescimento e o Movimento da Contracultura são alguns dos elementos integrantes desse cenário e fomentaram as discussões dos anos seguintes. O livro Silent Spring (A Primavera Silenciosa), de Rachel Carlson, foi lançado em Nele sua autora mostrou como o DDT penetrava na cadeia alimentar, acumulando-se nos tecidos gordurosos dos animais, inclusive do ser humano, chegando a oferecer riscos de câncer e dano genético aos seres vivos. A grande polêmica que o livro gerou não foi só pela denúncia aos riscos de uso indiscriminado do DDT, mas também ao questionamento da confiança cega da humanidade no progresso tecnológico. A questão ambiental ganhou destaque a partir de 1972 com a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, em Estocolmo, a qual, segundo Figueiredo e Rodrigues (2002), é o marco histórico do nascimento do Direito Ambiental Internacional. Segundo Meirelles (2001), o Direito Ambiental é o estudo dos princípios e regras tendentes a impedir a degradação dos elementos da natureza. Esse conceito não considera as questões do meio ambiente artificial e cultural, detendo-se apenas ao meio ambiente natural. Para Carvalho (2001), o Direito Ambiental é um conjunto de princípios, normas e regras destinadas à proteção preventiva do meio ambiente, à defesa do equilíbrio ecológico, à conservação do patrimônio cultural e à viabilização do desenvolvimento harmônico e socialmente justo, compreendendo medidas administrativas e judiciais, com a reparação material e financeira dos danos causados ao meio ambiente e aos ecossistemas, de modo geral. O Direito Ambiental vem se firmando como um ramo específico do Direito em razão de que possui seus próprios princípios, que vêm se aperfeiçoando a cada encontro internacional da ONU: Estocolmo 1972, Eco 92 e Johannesburgo

21 PRINCÍPIOS DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO:COMPETÊNCIAS EM MATÉRIA AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS Atualmente, decorridos trinta e dois anos que nos separam da Conferência de Estocolmo, podemos destacar inúmeros princípios, dentre os quais os que seguem: PRINCÍPIO DO USUÁRIO PAGADOR E POLUIDOR-PAGADOR O princípio do usuário-pagador ou do poluidor-pagador é definido no inciso VII do art. 4º da Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente. Tal princípio traz a obrigatoriedade de recuperação do dano e/ou indenização pelos danos causados por parte da pessoa física ou jurídica que venha a poluir ou degradar o Meio Ambiente e também a contribuição pela utilização de recursos ambientais com fins econômicos. No caso do poluidor-pagador, o princípio possui o caráter preventivo e repressivo. O caráter preventivo evidencia-se na imposição, ao poluidor, de arcar com os custos da prevenção, minimização e diminuição dos riscos de dano ao meio ambiente. O caráter repressivo evidencia-se na obrigatoriedade de reparação do dano, bem como na possível cobrança de indenização pelo dano causado, bem como na responsabilização na esfera penal. No caso do usuário-pagador, a utilização gratuita de recursos naturais para fins econômicos se constitui em verdadeiro enriquecimento ilegítimo de quem os utiliza, uma vez que priva os demais da utilização, apropriação e usufruto do bem. A definição desses princípios de "pagador" deve ser observada levando em conta que: não podemos interpretar esse dispositivo normativo com uma autorização para poluir mediante pagamento; não se pode excluir o acesso da população de baixa renda aos recursos naturais, principalmente daqueles que são de importância vital, por exemplo, a água; o pagamento pela poluição ou uso dos recursos naturais não se trata de punição, pois o pagamento pelo uso ou poluição dos recursos naturais não está atrelado à comprovação de cometimento de faltas ou infrações; o pagamento de investimento para prevenção de danos, bem como o de tarifas ou preço público não isentam o degradador da responsabilidade de reparar o dano. 15

22 PRINCÍPIOS DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO:COMPETÊNCIAS EM MATÉRIA AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS PRINCÍPIO DA PREVENÇÃO E PRECAUÇÃO A Constituição Federal de 1988 adotou o princípio da prevenção ao instituir como dever do Poder Público e da coletividade a proteção e a preservação do meio ambiente para as presentes e futuras gerações. Ademais, a Lei da Política Nacional do Meio Ambiente (Lei n.º 6.938/81) estabelece, entre seus objetivos, a compatibilização do desenvolvimento econômico-social com a preservação da qualidade do meio ambiente e do equilíbrio ecológico, bem como a preservação e restauração dos recursos ambientais com vistas à sua utilização racional e disponibilidade permanente, concorrendo para manutenção do equilíbrio ecológico propício à vida (incisos I e VI do Art. 4º). Podemos ver a materialização do princípio da prevenção através de instrumentos como o estudo de impacto ambiental, a exigência de licenças ambientais, das sanções administrativas e qualquer ato do Poder Público que vise ao desestímulo ou repressão à degradação. Contudo, o dano ambiental é dificilmente corrigível e, muitas vezes, não indenizável. Afinal, como recuperar um ecossistema que seja destruído em razão da construção de uma barragem para geração elétrica, como é o caso do Parque Nacional de Sete Quedas pelo reservatório da Usina de Itaipu? Também não há como indenizar uma espécie extinta. Portanto, é imprescindível impedir o dano ambiental, através da prevenção e precaução. PRINCÍPIO DA PARTICIPAÇÃO O princípio da participação traz a possibilidade da participação da sociedade na tomada de decisões e na responsabilidade pela gestão dos interesses da coletividade. Essa participação se dá principalmente através dos órgãos colegiados, por exemplo, Conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA, Conselho Nacional de Recursos Hídricos - CNRH, Conselhos estaduais, Comitês de Bacias hidrográficas, entre outros. O princípio da participação vem transformar os cidadãos de espectadores em colaboradores e participantes ativos nas decisões e na responsabilidade pela gestão dos interesses da coletividade. A participação também pode-se dar de forma repressiva através das ações judiciais como a ação popular, ação civil pública, mandado de segurança coletivo etc. 16

23 PRINCÍPIOS DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO:COMPETÊNCIAS EM MATÉRIA AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS PRINCÍPIO DA COOPERAÇÃO O princípio da cooperação sugere a soma de esforços e ação conjunta dos atores envolvidos na gestão ambiental. O princípio da cooperação é um princípio de suma importância na questão das águas, uma vez que o Meio Ambiente e o sistema hídrico constituem um sistema uno e não respeitam fronteiras físicas ou políticas. As Conferências Internacionais de Meio Ambiente com a de Estocolmo, em 1972; Mar Del Plata, em 1977; Rio de Janeiro, em 1992; Paris, em 1998 e tantas outras enfatizam a importância da cooperação entre os povos e países no que diz respeito ao Meio Ambiente. No Brasil, a Constituição Federal de 1988 estabelece a cooperação entre o Poder Público e a coletividade no que se refere ao dever de defender e proteger o Meio Ambiente. A Lei n.º 9.433/97, que cria a Política Nacional de Recursos Hídricos e o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, também estabelece a necessidade de cooperação entre os entes governamentais. A Lei n.º 9.605/98, além de dispor sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas, também trata do intercâmbio quanto à produção de provas, exame de objetos e lugares, informações de pessoas e coisas, presença temporária de pessoas presas cujas declarações tenham relevância para a decisão em vigor ou pelos tratados de que o Brasil seja signatário, ou seja, temas ligados à cooperação internacional. PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Partindo da premissa de que os recursos naturais não são inesgotáveis, o princípio do desenvolvimento sustentável prega o equilíbrio entre a economia e o meio ambiente, de modo a garantir às gerações futuras o acesso aos recursos naturais. O que se busca não é a estagnação do desenvolvimento econômico em prol do meio ambiente protegido e, sim, um ponto de equilíbrio entre o crescimento econômico e a utilização dos recursos naturais. Alguns autores, como Figueiredo & Rodrigues (2002) e Derani (1997), consideram que o pressuposto do desenvolvimento sustentável sobre a necessidade de que a 17

24 PRINCÍPIOS DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO:COMPETÊNCIAS EM MATÉRIA AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS justiça social atinja todos os povos do mundo é utópico. O neoliberalismo e a globalização estão permitindo que as grandes economias mundiais se tornem cada vez mais hegemônicas em detrimento dos povos mais pobres. O contexto de desigualdade entre as nações do mundo, com o alastramento da pobreza absoluta, tende a dificultar a efetiva implantação de modelos economicamente sustentáveis. 2.2 COMPETÊNCIAS CONSTITUCIONAIS O Brasil é um país federado, cujo processo de descentralização se apoia em três níveis de Governo: - Federal; - Estadual; e - Municipal. Graças ao Federalismo, o Brasil se manteve com suas dimensões territoriais, de caráter continental, pois as autonomias política, financeira, administrativa, legislativa foram, pouco a pouco, sendo garantidas nos níveis nacional, regional e local, favorecendo a manutenção da sua integridade territorial. Caso tivesse sido diferente, teríamos em nossa terra, circunstâncias que teriam levado ao separatismo, podendo, inclusive, ter se fracionado em diversos outros países. No Brasil, o Federalismo foi aplicado de forma especial com a inserção dos municípios como entes federados autônomos, além da União e dos Estados/Distrito Federal, havendo, assim, a descentralização do exercício do poder. Dessa forma, a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios possuem as capacidades de auto-organização, autogoverno, autoadministração e autolegislação e, para que as esferas de poder não se sobreponham, a Constituição Federal estabelece a partilha constitucional de competências. Para tanto, a técnica utilizada foi a enumeração das competências, de modo que tudo quanto não for competência 18

25 PRINCÍPIOS DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO:COMPETÊNCIAS EM MATÉRIA AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS da União e dos Municípios, de forma expressa ou implícita, é de competência remanescente dos Estados. Na Administração Pública não há liberdade nem vontade pessoal, já que se tem a ideia de gerir coisa alheia, de terceiros (da coletividade), sendo toda atividade condicionada ao atendimento da lei, segundo o princípio da legalidade (Meirelles, 2003). Segundo Abrão & Castro (2005), a Constituição Federal de 1988, por ser a base que fundamenta todo o sistema jurídico brasileiro, selou a relevância da preocupação ambiental, abrindo o caminho e incentivando uma série de leis e normas infraconstitucionais de proteção ambiental, principalmente no que tange à Administração Pública de tal bem. A Constituição Federal/88 estabeleceu competências de caráter legislativo e de caráter administrativo, conforme SILVA (2003 e 2004). A competência legislativa foi subdividida em "privativa, concorrente e suplementar". A competência de caráter administrativo, também chamada de competência material, foi subdividida em "exclusiva e comum". 2.3 COMPETÊNCIA LEGISLATIVA A competência para legislar se refere à capacidade de instituir normas e, em se tratando de águas, podemos classificar a competência legislativa em privativa, concorrente e supletiva. A competência privativa, prevista no art. 22 da Constituição Federal de CF/ 88, é a enumerada como própria de uma entidade, todavia passível de delegação e suplementação de competência. As matérias referentes às águas, no Brasil se encontram nesse tipo de competência, ou seja, somente à União cabe estabelecer direitos e deveres sobre as águas, podendo, no entanto, delegar essa competência aos Estados, caso considere necessário. A competência concorrente, enumerada no art. 24 da Constituição Federal de 1988, possibilita que todos os entes federados legislem sobre determinada matéria, porém, 19

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais

Legislação Ambiental

Legislação Ambiental Legislação Ambiental Ação Civil Pública Agrotóxicos Poluição Mineração Crimes Ambientais Desapropriação Educação Ambiental Estações Ecológicas e Áreas de Proteção Ambiental Florestas Temas Infrações Adm.

Leia mais

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.747, DE 5 DE JUNHO DE 2012 Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas PNGATI,

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Já alterada pela Lei nº 7804 de 18 de julho de 1989. O Presidente da Republica. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Texto Atualizado Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

ASPECTOS INSTITUCIONAIS DA GESTÃO AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

ASPECTOS INSTITUCIONAIS DA GESTÃO AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL ASPECTOS INSTITUCIONAIS DA GESTÃO AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL Giuliano Marcon* Departamento de Saúde Ambiental, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei:

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei: Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Faço saber

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL Política Nacional do Meio Ambiente Direito Ambiental Constitucional Direito Ambiental Constitucional

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Com a edição da Lei nº 6.938/81 o país passou a ter formalmente uma Política Nacional do Meio Ambiente, uma espécie de marco legal para todas as políticas públicas de

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI FEDERAL N 6.938, de 02 de setembro de 1981 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Congresso Internacional de Segurança da Água Brasília,

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação

Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação Sequencia Tendências Conceitos de Política Ambiental Instrumentos Caso Brasileiro Implementação Caso Gestor

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil

Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil Nelson Neto de Freitas 8º Seminário Água, Comunicação e Sociedade XVI ENCOB - Maceió, 23 de novembro de 2014 A Política e o Sistema Nacional de Gerenciamento

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 I Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Brasília, 29 de março de 2012 SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - SISNAMA O

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL DIREITO NO BRASIL CONTEXTO NACIONAL Ordenamento Jurídico; O meio ambiente na constituição federal; Política Nacional do Meio Ambiente; SISNAMA; Responsabilidades civil; Responsabilidade penal ambiental;

Leia mais

SUMÁRIO. Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15

SUMÁRIO. Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Capítulo 1 PROPEDÊUTICA DO DIREITO AMBIENTAL... 17 1. Conceito de Direito Ambiental... 17 2. Objetivo do Direito Ambiental...

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002 Dispõe sobre a Política Municipal do Meio Ambiente, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA RS, FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona a seguinte L

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

SISNAMA Sistema Nacional de Meio Ambiente Rodrigo Agostinho SISNAMA Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981, estabeleceu a Política nacional de meio ambiente e criou o SISNAMA; SISNAMA: Conjunto de órgãos e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE 2000 (Publicada no D.O.U de 11 de abril de 2000) (Modificada pela Resolução nº18, de 20 de dezembro de 2001, e pela Resolução nº 24, de 24 de maio de 2002) O Conselho

Leia mais

Gestão Ambiental Compartilhada

Gestão Ambiental Compartilhada Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Departamento de Articulação Institucional Gestão Ambiental Compartilhada Discussão: Licenciamento Ambiental de empreendimentos e atividades com características

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves IFSC Instituto Federal de Santa Catarina DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL Política Nacional de Recursos Hídricos (LEI Nº 9.433/1997)

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Contextualizando... Adaptação do produtor rural sem condições novos critérios de uso da terra impostos aleatoriamente sem alicerces

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE Docência assistida: Prof.º Fábio Remy de Assunção Rios

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

IT 179 Saneamento Básico

IT 179 Saneamento Básico 2. AÇÕES GOVERNAMENTAIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A Organização das Nações Unidas (ONU), formada por quase todos os países do mundo, realiza reuniões para discutir sobre temas importantes para a humanidade

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

Introdução. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Introdução à Legislação Ambiental e Política Nacional de Meio Ambiente - PNMA

Introdução. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Introdução à Legislação Ambiental e Política Nacional de Meio Ambiente - PNMA Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira Introdução à Legislação Ambiental e Política Nacional de Meio Ambiente - PNMA O mar humildemente coloca-se abaixo do nível dos rios para receber, eternamente,

Leia mais

14/05/2010. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Niro Afonso Pieper. Diretor Geral - SEMA

14/05/2010. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Niro Afonso Pieper. Diretor Geral - SEMA 14/05/2010 Niro Afonso Pieper Diretor Geral - SEMA 1 O Sistema Integrado de Gestão Ambiental no Rio Grande do Sul Concepção e Histórico Requisitos para a Habilitação Princípio da Melhoria Contínua Enfoque

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.340, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta artigos da Lei n o 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil Módulo 3 Gestão ambiental no Brasil 1. Introdução No encontro Rio +10, o Brasil, saiu fortalecido globalmente, assumindo definitivamente um papel de liderança regional dentro da ONU. No plano nacional,

Leia mais

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil - Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil ASPECTOS CONSTITUCIONAIS Organismos de bacia Histórico Constituição de 1988 estabeleceu, entre outros aspectos, que as águas são bens públicos,

Leia mais

Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências.

Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Decreto n 99.274 de 06 de junho de 1990.

Decreto n 99.274 de 06 de junho de 1990. Decreto n 99.274 de 06 de junho de 1990. Dispõe sobre Estações Ecológicas, Áreas de Proteção Ambiental e Política Nacional de Meio Ambiente. DECRETO N 99.274, de 06 de junho de 1990 Regulamenta a Lei n

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS, FERRAMENTAS, RISCOS E ESTRATÉGIAS. José Antonio Gugelmin COPEL PARTICIPAÇÃO

LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS, FERRAMENTAS, RISCOS E ESTRATÉGIAS. José Antonio Gugelmin COPEL PARTICIPAÇÃO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GIA - 08 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XI GRUPO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Ciências Rurais CCR Departamento de Engenharia Rural - DER. CAR - Cadastro Ambiental Rural

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Ciências Rurais CCR Departamento de Engenharia Rural - DER. CAR - Cadastro Ambiental Rural Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Ciências Rurais CCR Departamento de Engenharia Rural - DER CAR - Cadastro Ambiental Rural SANTA MARIA - RS 2014 UNIDADE 1 INTRODUÇÃO 1.1 - Introdução

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Lei No. 6.938/81

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Lei No. 6.938/81 POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Lei No. 6.938/81 ANTECEDENTES HISTÓRICOS CONCEITOS PRINCÍPIOS OBJETIVOS DIRETRIZES INSTRUMENTOS SISNAMA CONAMA PENALIDADES GENERALIDADES ANTECEDENTES HISTÓRICOS Liga

Leia mais

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente LEI Nº 4366 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E DE MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM-ES. A Câmara Municipal de Cachoeiro de

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e Regulamento mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81)

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 1. LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1.1 NATUREZA JURÍDICA: Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) 1.2 CONCEITO: Segundo o art. 1º,

Leia mais

A Legislação Brasileira e a Responsabilidade Social das Empresas. Cartilha Meio Ambiente. Segunda Edição

A Legislação Brasileira e a Responsabilidade Social das Empresas. Cartilha Meio Ambiente. Segunda Edição A Legislação Brasileira e a Responsabilidade Social das Empresas Cartilha Meio Ambiente Segunda Edição LSA Social Cartilha - Meio Ambiente Lopes da Silva & Associados - Sociedade de Advogados tem orgulho

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL CADERNO ADVOCACIA PÚBLICA

DIREITO AMBIENTAL CADERNO ADVOCACIA PÚBLICA DIREITO AMBIENTAL CADERNO ADVOCACIA PÚBLICA Baseado nas aulas Advocacia Pública CERS 2015 Prof. Frederico Amado Direito Ambiental Professor Frederico Amado CERS (Advocacia Pública) 2015 1. Definição e

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 42 DE 17 DE AGOSTO DE 2012 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL, FIXA

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL E ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL E ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL E ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO AMBIENTAL 1. Introdução: Decreto 99.274 de 6 de junho de 1990 - artigo 17: A construção, instalação, ampliação e funcionamento de atividades utilizadoras

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Regulamentação do SIGERH Decreto nº 13.284, de 22/03/1997

Regulamentação do SIGERH Decreto nº 13.284, de 22/03/1997 Regulamentação do SIGERH Decreto nº 13.284, de 22/03/1997 Regulamenta o Sistema Integrado de Gestão de Recursos Hídricos - SIGERH, e dá outras providências. O Governador do Estado do Rio Grande do Norte,

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS. MOÇÃO N o 59, DE 20 DE SETEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS. MOÇÃO N o 59, DE 20 DE SETEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS MOÇÃO N o 59, DE 20 DE SETEMBRO DE 2011 Recomenda ações no âmbito da Bacia Hidrográfica do Rio Acre. O CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS,

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

PATRIMÔNIO AMBIENTAL

PATRIMÔNIO AMBIENTAL PATRIMÔNIO AMBIENTAL PATRIMÔNIO Conjunto de direitos e obrigações de uma pessoa PATRIMÔNIO Bem ou conjunto de bens culturais ou naturais valor reconhecido para determinada localidade, região, país, ou

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil 1

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais