ANÁLISE DE PRÁTICAS AMBIENTAIS: UM ESTUDO COMPARATIVO EM DUAS USINAS SUCROALCOOLEIRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE PRÁTICAS AMBIENTAIS: UM ESTUDO COMPARATIVO EM DUAS USINAS SUCROALCOOLEIRAS"

Transcrição

1 ANÁLISE DE PRÁTICAS AMBIENTAIS: UM ESTUDO COMPARATIVO EM DUAS USINAS SUCROALCOOLEIRAS Andreia Marize Rodrigues (FCAV-UNESP ) Renata Bombonato Strini Paixao (FCAV-UNESP ) Marcelo Giroto Rebelato (FCAV-UNESP ) Tendo em vista a ascensão da variável ambiental no cenário dos negócios, cada vez mais o setor sucroalcooleiro utiliza-se de práticas ambientais para diminuir o impacto negativo de suas operações e, desta maneira, melhorar o aproveitamento dos recursos advindos do processo. Para isso, houve a busca por configurações de modelos de Gestão Ambiental no intuito de controlar seus efeitos sobre o meio ambiente. As práticas ambientais, quando bem direcionadas, podem trazer vantagens econômicas, ambientais e de imagem corporativa. Nesse sentido, este artigo tem como objetivo principal o levantamento e análise comparativa das práticas ambientais relativas ao setor industrial de duas usinas sucroalcooleiras selecionadas. Utiliza-se, para tal fim, o método de estudo de casos. Esta pesquisa levantou os aspectos gerenciais e estratégicos no tocante às práticas para a formalização de um Sistema de Gestão Ambiental, ressaltando projetos, certificações e educação ambiental, além da divulgação e as motivações para os investimentos dessas práticas. Foi observado que as usinas analisadas possuem práticas ambientais distintas e com graus diferentes de envolvimento com as estratégias das empresas. Palavras-chaves: práticas ambientais; Gestão Ambiental; Sistemas de Gestão Ambiental; setor sucroalcooleiro

2 1. Introdução Segundo Campos e Melo (2008), acidentes ambientais e conferências internacionais sobre meio ambiente contribuíram de forma significativa para o aprimoramento das regulamentações ambientais sobre as empresas e para o aumento das pressões da sociedade por produtos e processos que não agridam o meio ambiente, sendo a sustentabilidade das operações considerada atualmente uma responsabilidade das organizações (DONAIRE, 1999). Neste contexto, muitas empresas passaram a dispensar maior atenção a técnicas e a processos produtivos com uso racional dos recursos naturais e com menor impacto ambiental, havendo a busca por configurações de modelos de Gestão Ambiental e de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) para o controle de suas ações sobre o ambiente. No entanto, para um sistema obter sucesso é necessário o comprometimento de todos os níveis da organização e o desenvolvimento de uma política ambiental com objetivos e metas, que estabelecem práticas ambientais necessárias para melhorar o seu desempenho ambiental (SANCHES, 2000). Desta maneira, o meio ambiente passou a ser considerado nas decisões das organizações, passando a ser importante elemento na elaboração de suas estratégias. Assim, muitos setores produtivos passaram a ocupar seu lugar nas reflexões sobre produção e meio ambiente. Este é o caso do setor sucroalcooleiro, no qual as usinas sempre lidaram com problemas ambientais desde o plantio até o processo produtivo. Entretanto, esse cenário vem se modificando pela adequação de técnicas de produção tanto no processo agrícola quanto no industrial visando ao reaproveitamento de resíduos e à redução de impactos ambientais das atividades, além da adoção de práticas para a conscientização sobre as atitudes da empresa frente a esta nova realidade. Mediante este contexto, tornam-se interessantes pesquisas que tenham por intuito a apuração de como as empresas vêm conduzindo suas ações ambientais e a relação destas ações com a estrutura estratégica das empresas. Desta maneira, o objetivo do presente artigo consiste na análise comparativa das práticas ambientais relativas ao setor industrial de duas usinas sucroalcooleiras. 2

3 Para tanto, este trabalho se divide em cinco tópicos, a contar com esta introdução. Nos tópicos dois e três são brevemente expostos os conceitos relacionados à temática, quais sejam Gestão Ambiental e a questão ambiental no setor sucroalcooleiro. No quarto tópico é realizada a explanação dos dados coletados em ambas as usinas estudadas. Por fim, o tópico cinco traça as considerações finais do trabalho. 1.1 Metodologia O estudo trata-se de uma pesquisa descritiva e qualitativa com a interpretação e análise de dados utilizando descrições e narrativas de acordo com o ambiente em questão, baseada no método de estudo de caso. Para a realização deste trabalho, optou-se pela sua divisão em seis etapas, a saber: Etapa 1: levantamento bibliográfico de assuntos relacionados a Gestão Ambiental, Sistemas de Gestão Ambiental e certificação ambiental; Etapa 2: construção de um roteiro semiestruturado de pesquisa para auxílio na coleta dos dados pretendidos. Este roteiro teve sua divisão nos seguintes assuntos: a) estratégias ambientais; b) certificações ambientais; c) educação e projetos ambientais; d) divulgação das práticas ambientais; e) balanço das práticas ambientais; e f) motivação e resultados obtidos com os investimentos em práticas ambientais. Etapa 3: seleção das empresas participantes da pesquisa. Foram selecionadas duas empresas pelo caráter comparativo do trabalho. As usinas foram selecionadas a partir do critério conveniência; Etapa 4: realização das entrevistas, conduzidas pessoalmente com o diretor industrial de cada empresa; Etapa 5: Análise e descrição dos dados coletados. 2. Gestão Ambiental: definição e características A Gestão Ambiental pode ser definida como uma série de medidas e procedimentos que visam à redução e ao controle dos impactos introduzidos por um empreendimento sobre o meio ambiente (ARAÚJO, 2001; MAIMOM, 1996; DIAS, 2006). Cada empresa possui uma postura com relação a seu gerenciamento ambiental. Neste sentido, Barbieri (2007) propõe três diferentes abordagens relacionadas à Gestão Ambiental: 3

4 Controle da poluição: postura reativa visando ao cumprimento da legislação e respostas às pressões da comunidade; Prevenção da poluição: postura tanto proativa quanto reativa, apresentando ações corretivas e preventivas. A preocupação básica centra-se no uso eficiente dos insumos; Estratégica: postura proativa cuja preocupação básica centra-se na competitividade. Envolvimento permanente e sistemático da alta administração. No mesmo sentido, Hunt e Auster (1990) abordam a Gestão Ambiental através de uma classificação em cinco estágios. O primeiro estágio é determinado pela ausência ou limitação de programas de ambientais. O segundo estágio é formado por um apoio centralizado da organização, que auxilia na resolução das crises ambientais. No terceiro estágio a organização considera somente relevante a prevenção de acidentes e para isso existe um departamento ambiental formado por especialistas, porém sem poderes para fazer mudanças efetivas. No quarto estágio, os problemas ambientais já são gerenciados através de departamentos com experiência, financiamento e autoridade, onde são avaliados riscos ambientais e desenvolvido o treinamento em educação ambiental. Por fim, no quinto nível as questões ambientais passam a ser englobadas às metas, políticas e estratégias da empresa, considerando o impacto ambiental de seus processos e produtos. Na adoção de qualquer modelo de Gestão Ambiental é necessário dispor de ferramentas ou instrumentos para alcançar as metas ambientais. Nessa direção, emerge a demanda de empresas em busca de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA), que possa ser aplicado no gerenciamento e no controle das ações das empresas sobre o ambiente, visando minimizar problemas ambientais advindos do sistema produtivo (BARBIERI, 2007). O SGA pode ser conceituado como uma parte de um sistema de gestão que compreende a estrutura funcional, responsabilidades, práticas, processos, procedimentos e recursos para a realização e construção da política ambiental da empresa. Para sua implantação, a empresa deve seguir etapas como construir juntamente com os funcionários a conscientização ambiental; efetuar uma análise ambiental preliminar de todas as atividades da empresa; definir a política ambiental que deverá ser adotada; e elaborar um programa ambiental, para que norteie ações dentro do planejamento empresarial (ARAÚJO, 2001). Os métodos utilizados para a efetivação do SGA são inúmeros e diferentes entre si; porém, todos visam menor impacto no ambiente e a vantagem competitiva em relação aos 4

5 concorrentes. Dentre estes se encontram as normas da série ISO 14000, que se propõe a servir como um guia para que as empresas possam criar, documentar, implantar e manter um sistema efetivo de Gestão Ambiental (CAGNIN, 2000). O objetivo dessas normas de Gestão Ambiental é fornecer às organizações elementos de um SGA eficaz, capaz de ser integrado a outros aspectos da gestão, auxiliando no alcance dos objetivos ambientais. Desta maneira, é esperado que as normas da ISO se apliquem a todos os tipos e portes de organizações adequando-se em diferentes condições geográficas, culturais e sociais (ABNT, 2004). 3. Setor sucroalcooleiro e a questão ambiental De acordo com Rossetto (2008), na década de 1970 a indústria sucroalcooleira apresentava um elevado potencial poluidor. Nas décadas seguintes, os movimentos ambientalistas começam a tomar força e, impulsionadas pelo novo conceito de desenvolvimento sustentável, as usinas sucroalcooleiras passaram à uma nova atitude frente aos problemas ambientais. Desta forma, a imagem do setor de degradador do ambiente foi migrando para o uso de técnicas mais sustentáveis, com a utilização de novas tecnologias, o atendimento a políticas públicas e a uma nova consciência ambiental. Neste sentido, as certificações ambientais passaram a constituir em uma das formas adotadas pelas empresas do setor para atestar a adoção de parâmetros sustentáveis, seja para o atendimento a legislações ambientais ou para atestar práticas ambientais voluntárias (FERRAZ, 2007). Além da ISO14001, muito utilizada para atestar um Sistema de Gestão Ambiental nas organizações, a seguir são apresentadas as principais certificações ambientais encontradas no setor sucroalcooleiro. a) Certificação Mesa Redonda Biocombustíveis Sustentáveis (RSB): certificado internacional desenvolvido para garantir a sustentabilidade dos biocombustíveis medida por toda cadeia produtiva. A norma RSB possui uma abordagem holística à sustentabilidade e é aprovada pela Comissão Europeia por atender aos requisitos da diretiva de energia renovável; b) Bonsucro: surgiu através da Better Sugarcane Initiative, uma associação dedicada a reduzir os impactos ambientais e sociais da produção de cana-de-açúcar, sendo exclusivamente voltada ao setor sucroalcooleiro; c) Greenergy Bioethanol Sustainability Programme: é emitido o pela Greenergy International Ltd, fornecedora líder de biocombustível no Reino Unido. É um selo 5

6 validado por toda Comunidade Europeia, que atesta uma produção de etanol anidro da forma sustentável além de maximizar economias de emissão de gases de efeito estufa; d) Protocolo Agroambiental: atesta a adequação ao Protocolo desenvolvido pelo Governo do Estado de São Paulo, pelas Secretarias de Estado do Meio Ambiente e de Agricultura e Abastecimento e pela União da Indústria Sucroalcooleira (UNICA). O Protocolo pertence ao Projeto Etanol Verde, que estimula ações de sustentabilidade na cadeia produtiva de açúcar e bioenergia; e) Certificação de Projetos de MDL: decorrentes dos projetos atestados pelo Conselho Executivo de MDL, que comprovam a redução dos gases do efeito estufa na atmosfera ou a capacidade de capturá-los; f) Environmental Protection Agency (EPA): certificado norte-americano, necessário para exportar etanol para aquele país; g) International Sustainability and Carbon Certification (ISCC): se refere à biomassa e bioenergia de acordo com os parâmetros obrigatórios para todos os países-membros da União Europeia; h) Roundtable on Sustainable Biofuels (RSB): iniciativa internacional de partes interessadas criada para garantir a sustentabilidade dos biocombustíveis mediante ao entendimento e aceitação da RSB às partes interessadas e aos clientes; i) Global Reporting Initiative (GRI): utilizada como metodologia para a elaboração de Relatórios de Sustentabilidade; padrão internacional de relato que engloba um conjunto de indicadores acerca das práticas, da gestão e do desempenho nos âmbitos econômico, social e ambiental. 4. Resultados e discussões Neste tópico são expostos os resultados da análise comparativa de duas usinas do setor sucroalcooleiro no âmbito das questões ambientais que as envolvem. Ambas as empresas são analisadas com relação às práticas ambientais adotadas. Com relação às usinas estudadas, a Usina A é a maior processadora de cana de açúcar no mundo, processando mais de 8 milhões de toneladas por safra. Já a usina B se caracteriza por uma estrutura organizacional familiar e processa por safra em torno de 4 milhões de toneladas. 4.1 Estratégias ambientais 6

7 A empresa A, quando da definição de seu planejamento estratégico, leva em consideração a questão da preservação do ambiente, procurando realizar um número maior de projetos ambientais do que as obrigações da legislação ambiental. A empresa busca por tecnologias que minimizem a quantidade de resíduos emitidos e possui o cuidado de cumprir as metas estabelecidas para seus projetos ambientais. Como essa usina discorda da suficiência do cumprimento apenas da legislação para a preservação ambiental, a empresa tem investido em melhorias em processos, tecnologias e iniciativas para melhorar também sua eficiência operacional. A usina B, por sua vez, entende que o cumprimento da legislação ambiental seja suficiente para proteção do meio ambiente. Este fato foi justificado pela severidade das regulamentações em alguns pontos que envolvem o processo produtivo do setor. A usina alega que estas regulamentações se mostram como parte da motivação da empresa em encontrar melhores tecnologias e inovações para cumpri-las. Porém, a empresa alegou estar ciente da necessidade em se buscar por mais práticas sustentáveis, principalmente pelas vantagens produtivas e econômicas por elas geradas. Ocorreram mudanças no planejamento estratégico da usina A devido às questões ambientais, que podem ser percebidas em sua missão, visão e valores. A partir de 2010, houve a reestruturação estratégica derivada do conceito de desenvolvimento sustentável, sendo possível conceber a organização por meio da sua gestão da sustentabilidade. A partir da valorização da variável ambiental a empresa alega ter alcançado a oportunidade de realização de novos negócios, de reduzir custos operacionais e aumentar a eficiência das suas operações. Quanto à usina B, não foi possível identificar a mesma inclusão da variável ambiental na definição de suas estratégias. Desta forma, constatou-se pela pesquisa que a empresa aborda a questão apenas a partir da adequação de práticas ambientais às suas estratégias, como forma de alcançar melhor desempenho ambiental para cumprimento de eventuais necessidades regulamentadoras. A empresa A possui grupos de trabalho que representam sua chamada Gestão da Sustentabilidade através de um Assessor de Tecnologia Ambiental e dos Assistentes de Meio Ambiente, que possuem como função integrar e coordenar ações de cunho ambiental além de fiscalizar o cumprimento da política ambiental. A empresa B conta com um departamento 7

8 ambiental em sua estrutura organizacional para poder centralizar e dar suporte às questões ambientais. Quanto ao Sistema de Gestão Ambiental, somente a usina A alegou dispor dessa sistematização formalizada, demonstrando seu empenho em promover sua eficiência ambiental atribuindo responsabilidades, processos e objetivos gerais a serem alcançados. A usina B aplica técnicas no gerenciamento e no controle das ações sobre o ambiente, visando minimizar problemas ambientais advindos do sistema produtivo, mas não as atestou conforme algum referencial. Perante a postura da empresa A frente à Gestão Ambiental, a abordagem estratégica, propostas Barbieri (2007), consiste na classificação que mais se enquadra no seu grau de envolvimento com as questões ambientais. A empresa leva a cabo suas estratégias ambientais além de repassar a toda organização as responsabilidades ambientais. Já a usina B, por não contemplar a variável ambiental em seu planejamento estratégico e por apresentar uma postura reativa frente aos impactos ambientais, se enquadra no estágio da abordagem da prevenção da poluição. De acordo com a classificação proposta por Hunt e Auster (1990), a empresa A pode se enquadrar no quinto estágio, uma vez que as questões ambientais estão englobadas em metas e práticas disseminadas por toda organização e há educação para os seus integrantes nesse âmbito. No entanto, a empresa B se enquadra no quarto estágio por já dispor de um departamento ambiental formalizado e comandado por especialistas e por investir na educação ambiental. 4.2 Certificações Ambientais No domínio ambiental, as certificações da usina A são: Greenergy Bioethanol Sustainability Programme; Protocolo Agroambiental; Environmental Protection Agency (EPA); Atestado da empresa Shell como consequência do selo da Greenergy. Já a usina B é certificada apenas no Protocolo Agroambiental. Ambas as usinas não dispõem dos Sistemas de Gestão Ambiental mais comuns nas empresas do setor, como o caso da ISO e do Bonsucro. A empresa A destacou que, apesar de não 8

9 estar certificada pela ISO 14000, seu Sistema de Gestão Ambiental funciona plenamente, além de ser formalizado com quesitos semelhantes. Quanto à certificação Bonsucro, as empresas alegaram que esta certificação se constitui em uma meta, sendo que a usina A já se encontra em fase de adequação para as próximas safras. 4.3 Educação e Projetos Ambientais Questionadas a respeito dos projetos que incentivam a busca por novas soluções ambientais, as usinas destacaram a relevância da educação ambiental como um requisito nos projetos ambientais. Dentre os projetos ambientais da empresa A estão: Centro de Educação Ambiental (CEA): objetiva conscientizar estudantes, colaboradores e a comunidade em geral sobre a importância da manutenção e do respeito ao meio ambiente; Projeto Viva a Natureza: recuperação e proteção de nascentes e mananciais, além de minimizar os riscos de assoreamento nos cursos d água nas áreas que abrangem a usina através da recuperação de matas ciliares; Projeto Viveiro de Mudas: produz milhares de mudas de diversas espécies nativas para serem usadas nos projetos da própria empresa ou doadas a comunidades e governos locais; Concentração da vinhaça: projeto que concentra a vinhaça através de evaporadores, reduzindo o custo de transporte; Preservação do Solo: monitoramento e preservação das condições do solo, através de ações como o uso de mecanização na colheita, formulação da adubação em laboratórios para evitar desperdícios e controle biológico de pragas. Já a usina B também destacou projetos relacionados à educação ambiental, mas somente voltados para funcionários, além de contar com projetos de reciclagem e recuperação ambiental vistos nas seguintes práticas: Mutirão do lixo eletrônico: recebe e destina corretamente todo o lixo eletrônico gerado pela empresa e seus colaboradores; 9

10 Educação Ambiental: enfatiza-se a problemática do ambiente rural, incentivando a adoção de posturas de conservação, de preservação e de interferência benéfica ao meio ambiente; Projeto Ambiental 3R (reduzir, reutilizar e reciclar): objetiva conscientizar os colaboradores através do conceito de que pequenas ações podem contribuir de forma positiva para o meio ambiente, tais como a substituição de copos descartáveis por canecas plásticas individuais; Levantamento da Flora e da Fauna: objetiva o levantamento da flora e da fauna visando checar se alguma espécie de planta ou animal está em risco de extinção; Gerenciamento de resíduos diversos: resíduos como baterias, pneus, tambores, óleos e resíduo ambulatorial são gerenciados e destinados a empresas certificadas para receber esse tipo de material; Antecipação da cana queimada: uso de tecnologia para ter sua colheita totalmente mecanizada. Ambas as usinas também possuem projetos de conservação de matas ciliares, preservação de Áreas de Proteção Permanente (APP s) e reflorestamento, sendo muitas delas necessárias para o cumprimento de normas ambientais. 4.4 Divulgação das práticas ambientais A empresa A divulga as ações ambientais para seus acionistas e investidores, funcionários, fornecedores, clientes e consumidores além da comunidade do entorno, autoridades públicas, associações de classe e organizações da sociedade civil relacionadas às atividades da companhia ou a seus impactos. Para alcançar esse público ela conta com a divulgação em outras línguas e os canais utilizados são a intranet, internet, folders, palestras, visitas, semana de tecnologia e encontros. Nesta usina foi possível perceber uma grande preocupação em divulgar dados de desempenho ambiental para acionistas e foi também por esse objetivo que se desenvolveu o Relatório de Sustentabilidade de acordo com as diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI), demonstrando indicadores do desempenho socioambiental da empresa. A usina B realiza a divulgação para o mesmo público da empresa A, mas sem contar com a comunicação divulgada em outras línguas, além de ser mais restrita ao seu jornal organizacional interno e ao site da empresa. A empresa também confeccionou o Relatório de 10

11 Sustentabilidade (GRI) para demonstrar seu desempenho socioambiental através da exposição dos seus projetos. As usinas demonstraram preocupação com a comunicação da importância dos seus projetos ambientais dentro dos seus limites, sobretudo por meio da conscientização dos funcionários. Para elas é uma questão que ocasiona mudanças na cultura organizacional através de novos valores e atitudes em todos os níveis funcionais. 4.5 Balanço das práticas ambientais A Usina A avalia o desempenho de suas práticas e projetos ambientais de acordo com os resultados provenientes da sua política ambiental e Sistema de Gestão Ambiental, vistos muitas vezes nos seus indicadores ambientais divulgados através do seu Relatório de Sustentabilidade. Para a empresa, o controle desses indicadores é muito importante para mensurar seu impacto no ambiente e identificar gargalos e melhorias em suas práticas e políticas. Esses indicadores abordam: materiais utilizados na cadeia produtiva; consumo de energia por fontes renováveis e não renováveis; emissões de gases do efeito estufa mediante ao inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs) no formato Protocolo GHG; descarte da água e suas destinações; disposição e quantidade gerada de resíduos; e conformidade com regulamentos ambientais. Desta forma, a usina A consiste em uma empresa organizada e com alto nível de controle ambiental demonstrado por seus indicadores. Entretanto, não foi possível identificar o mesmo nível de controle na usina B, cujas mensurações são focadas somente no volume das emissões de gases do efeito estufa, na demanda de água utilizada em seus processos industriais e na eficiência energética. Desta maneira, a usina B limita-se à percepção das melhorias ambientais mediante as consequências das práticas ambientais que realiza. 4.6 Motivações e resultados dos investimentos ambientais Ambos os entrevistados mostraram interesse na ampliação da venda de açúcar e etanol no mercado externo, o qual faz exigências para práticas com maior qualidade e preocupação com o meio ambiente em suas operações. Desta forma, quanto às motivações investimentos em questões ambientais nas suas estratégias e operações, a usina A enfatiza a abertura de mercado, a sustentabilidade do negócio e o incremento em credibilidade e lucratividade da 11

12 empresa. Para a usina B, as motivações centraram-se na abertura de mercado proporcionada pela melhoria na imagem organizacional e pelo atendimento das exigências do mercado. 5. Considerações finais O presente estudo buscou apurar a postura de duas usinas sucroalcooleiras frente a uma nova realidade permeada de preocupações e fortes regulamentações ambientais. O setor sucroalcooleiro sempre foi alvo de críticas de cunho ambiental. Entretanto, nos últimos anos, o setor conseguiu reverter esse cenário mediante fortes regulamentações e a um maior comprometimento com a realização de práticas ambientalmente adequadas. Assim, percebeu-se nesta pesquisa que as usinas estudadas demonstraram a partir de suas ações as transformações do ambiente em estudo e a nova realidade setorial. Destaca-se que a motivação encontrada para a adoção de novas posturas com relação ao meio ambiente não é fruto somente de uma conscientização ambiental dos empresários ou do cumprimento das regulamentações deste âmbito. As empresas estudadas foram obrigadas a assumir novas atitudes também por pressão de clientes e fornecedores para produtos e processos mais sustentáveis. Portanto, a adoção das práticas ambientais por essas empresas também pode ser vista como uma estratégia de mercado para a abertura de novos negócios e para obtenção de maior credibilidade advindas com a melhoria da imagem organizacional. Ambas as usinas pesquisadas possuem Sistemas de Gestão Ambiental formalizados, mas utilizam-se de distintos processos sustentáveis que variam de acordo com a estratégia gerencial e recursos disponíveis. Portanto, foi visto que, apesar de estarem inseridas em condições setoriais similares, ambas adotam diferentes estratégias empresariais com práticas ambientais muitas vezes distintas ou abordadas de maneiras diferentes dentro da organização. As usinas do setor sucroalcooleiro utilizam práticas ambientais e se organizam em Sistemas de Gestão Ambiental formalizados ou não. Porém, foi visto que, apesar das certificações ambientais possíveis no mercado sucroalcooleiro, as usinas estudadas possuem poucas certificações, especialmente a usina B, que formalizou suas práticas e estratégias ambientais somente mediante ao chamado Protocolo Agroambiental. Já a usina A mostrou maior preocupação nesse quesito, pois atestou suas práticas em certas certificações, algumas até sendo requisitos para exportação países como os Estados Unidos e União Europeia. 12

13 As empresas analisadas demonstraram forte preocupação com a educação ambiental para os funcionários como medida estratégica e com a divulgação de suas práticas ambientais para os meios interno e externo. Porém, a divulgação utilizada pela usina A é mais ampla e completa, destinada principalmente aos seus acionistas. É por meio dessa ação que foi possível observar que seus indicadores de desempenho ambiental são também mais amplos face à usina B. É possível concluir que a usina A possui desempenho ambiental diferenciado com relação à usina B, pois foi possível perceber pelo estudo maior atenção dispensada à execução de suas práticas ambientais, sobretudo na inclusão da variável ambiental em suas estratégias. Agradecimento: Os autores agradecem à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) pelo apoio financeiro à pesquisa. REFERÊNCIAS ARAÚJO, R. M. S. Análise da gestão ambiental em empresas agroindustriais de usinas de açúcar e álcool no Mato Grosso do Sul. Dissertação (Mestrado em Administração), Escola de Administração, UFRGS. Porto Alegre, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). ABNT NBR ISO 14001: requisitos com orientações para uso. Rio de Janeiro: ed. BARBIERI, J. C. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumento. São Paulo: Saraiva, ed. CAGNIN, C. H. Fatores relevantes na implantação de um Sistema de Gestão Ambiental com base na norma ISO Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), UFRGS. Porto Alegre, CAMPOS, L. M. S.; MELO, D. A. Indicadores de desempenho do Sistema de Gestão Ambiental (SGA): uma pesquisa teórica. Revista Produção, v. 18, n. 3, pp , DIAS, R. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas, DORNAIRE, D. Gestão ambiental na empresa. São Paulo: Atlas, ed. FERRAZ, J. M. G. Painel 4: Gestão Ambiental. In: Anais do Workshop de pesquisa sobre sustentabilidade do etanol. São Paulo: APTA, HUNT, C. B.; AUSTER, E. R. Proactive environmental management: avoiding the toxic trap. Sloan Management Review. EUA: Putnam, Hayes & Bartlett, Winter MAIMON, D. Passaporte verde: gestão ambiental e competitividade. Rio de Janeiro: Qualitymark,

14 ROSSETTO, R. A cana-de-açúcar e a questão ambiental. In: DINARDO-MIRANDA, L. L.; VASCONCELOS, A. C. M.; LANDELL, M. G. A. Cana-de-açúcar. Campinas: Instituto Agronômico, SANCHES, C. S. Gestão ambiental proativa. Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 1, pp ,

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2);

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2); A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, BASEADO NA NBR ISO 14001:2004 - UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DO POLÓ CLOROQUIMICO DE ALAGOAS José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa

Leia mais

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS 2015 E m um período de profundas mudanças socioambientais, torna-se ainda mais estratégico incluir a sustentabilidade

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO SETOR SUCROALCOOLEIRO

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO SETOR SUCROALCOOLEIRO CANA SUL 2008 RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO SETOR SUCROALCOOLEIRO Maria Luiza Barbosa Campo Grande, 23 de agosto de 2008 RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL É a forma de gestão que se define pela

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

A Fundação Espaço ECO

A Fundação Espaço ECO www.espacoeco.org Sustentabilidade que se mede A Fundação Espaço ECO (FEE ) é um Centro de Excelência em Educação e Gestão para a sustentabilidade, que mede e avalia a sustentabilidade por meio de metodologias

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS 1 GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS Murilo Fortunato Dropa (UTFPR) mfdropa@hotmail.com Ivanir Luiz

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Brasília, 19 de abril de 2011 BLOCOS TEMÁTICOS COMPROMISSO PLANEJAMENTO E GESTÃO DESEMPENHO SUSTENTÁVEL CONTRIBUIÇÃO COM O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS.

BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS. BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS. Dágon Manoel Ribeiro¹, Hânia Cardamoni Godoy 3, Gustavo

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ROTEIRO DE PESQUISA PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL EM EMPRESAS INDUSTRIAIS

ELABORAÇÃO DE UM ROTEIRO DE PESQUISA PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL EM EMPRESAS INDUSTRIAIS ELABORAÇÃO DE UM ROTEIRO DE PESQUISA PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL EM EMPRESAS INDUSTRIAIS Caio Henrique Zeviani (FCAV-UNESP ) caio_zeviani@hotmail.com Andreia Marize Rodrigues (FCAV-UNESP ) andreiamarize@fcav.unesp.br

Leia mais

Gestão dos Gases de Efeito Estufa

Gestão dos Gases de Efeito Estufa Gestão dos Gases de Efeito Estufa Um Novo Mercado para Pequenas e Médias Empresas 29 de Outubro 2013 FIBRA COMPONENTE 2 Gestão dos Gases de Efeito Estufa: Desenvolvimento e Implementação do Programa de

Leia mais

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 149 USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Aline da Silva Leonardo¹; Carolina

Leia mais

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres Nas últimas décadas, o mundo tem testemunhado o desenvolvimento da consciência ambiental em diferentes setores da sociedade,

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Conceitos e Premissas Evolução Tecnológica: Impacto Social Ambiental Conceitos e Premissas Esforço Governamental políticas e ações de mercado

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a Definição Processo de articulação das ações a dos diferentes agentes sociais que interagem em um dado espaço, visando garantir a adequação dos meios de exploração dos recursos ambientais às especificidades

Leia mais

Abioeletricidade cogerada com biomassa

Abioeletricidade cogerada com biomassa bioeletricidade Cana-de-Açúcar: um pr energético sustentável A cana-de-açúcar, a cultura mais antiga do Brasil, é hoje uma das plantas mais modernas do mundo. A afirmação é do vice-presidente da Cogen

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 1 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental A auditoria ambiental consiste em processo sistemático de inspeção, análise e avaliação das condições

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR, PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA (MAIO/2015) Dimensão Mudanças Climáticas

VERSÃO PRELIMINAR, PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA (MAIO/2015) Dimensão Mudanças Climáticas VERSÃO PRELIMINAR, PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA (MAIO/2015) Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO...

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL. A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental.

AUDITORIA AMBIENTAL. A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental. AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental. O SGA depende da auditoria para poder evoluir na perspectiva de melhoria contínua. Ao se implementar um

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

POLO ARAGUAIA UNIDADE MORRO VERMELHO PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL PGA"

POLO ARAGUAIA UNIDADE MORRO VERMELHO PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL PGA POLO ARAGUAIA UNIDADE MORRO VERMELHO PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL PGA" Informações Unidade Morro Vermelho UMV: Razão social: BRENCO Companhia Brasileira de Energia Renovável S.A. Endereço: Rodovia GO 341

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Federação das Indústrias do Estado da Bahia FIEB. Conselho de Meio Ambiente COMAM

APRESENTAÇÃO. Federação das Indústrias do Estado da Bahia FIEB. Conselho de Meio Ambiente COMAM APRESENTAÇÃO A FIEB, através do seu Conselho de Meio Ambiente - COMAM, vem realizando desde o ano de 2000, o Prêmio FIEB Desempenho Ambiental. Em suas duas primeiras edições o Prêmio abrangeu as categorias

Leia mais

Implantação do Sistema de Gestão Ambiental Segundo a NBR ISO 14001:uma pesquisa de campo em empresa do ramo metalúrgico

Implantação do Sistema de Gestão Ambiental Segundo a NBR ISO 14001:uma pesquisa de campo em empresa do ramo metalúrgico Implantação do Sistema de Gestão Ambiental Segundo a NBR ISO 14001:uma pesquisa de campo em empresa do ramo metalúrgico Jaqueline Fonseca Rodrigues (UTFPR) jaqueline_rodrigues@brurbo.com.br Nathalie Rodrigues

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Etapas Necessárias para Implantação de um Sistema de Gestão Integrado

Etapas Necessárias para Implantação de um Sistema de Gestão Integrado Etapas Necessárias para Implantação de um Sistema de Gestão Integrado Jonathan Lucas Schwambach Fernandes (FAHOR) jf000554@fahor.com.br Fernando Busanello (FAHOR) fb000982@fahor.com.br Magnus Luis Beilke

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Gestão Ambiental e Gerenciamento de Riscos

Gestão Ambiental e Gerenciamento de Riscos CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Gestão Ambiental e Gerenciamento de Riscos Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Julho 2009 Sobre a GSS Empresa com atuação focada no desenvolvimento de projetos e prestação de consultorias

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Solidia Elizabeth dos Santos 1 Co-autores: Prof. Dr. Cleverson V. Andreoli 2 Prof. Dr. Christian L. da Silva 3 RESUMO

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS Cláudio Alexandre de Souza José Manoel Gonçalves Gândara Katleen Nairene Rolan Biavatti

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

SUSTENTABILIDADE 2014

SUSTENTABILIDADE 2014 SUSTENTABILIDADE 2014 Rutivo de no CONSTRUIR, PLANTAR E TRANSFORMAR Nosso objetivo vai além de ser responsável pelo processo construtivo de nossas obras, procuramos estimular e disseminar o conceito de

Leia mais

Planejamento e gestão ambiental. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365

Planejamento e gestão ambiental. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Planejamento e gestão ambiental Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Aula 7 SérieISO 14000: definição, breve histórico, escopo, terminologia,

Leia mais

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Estudo de Caso MCDonald s Autores: Alexandre Formigoni Enio Fernandes Rodrigues Viviane Alves Belo Tatiane Neves Lopes Marcelo Rabelo Henrique

Leia mais

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini GESTÃO AMBIENTAL EM SUBESTAÇÕES AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL COM VISTAS A PRESERVAR A IMAGEM DA CIA E GARANTIR A SUSTENTABILIDADE DE SEUS NEGÓCIOS José Mario Dionizio

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares Faculdade de ciências e tecnologia do maranhão-facema Caxias/MA pedroftb@hotmail.com.br/coor.educacaoambiental@facema.edu.br

Leia mais

Mercado global. vive momento de mudanças

Mercado global. vive momento de mudanças DATAGRO Mercado global vive momento de mudanças A indústria mundial de açúcar e etanol, setor no qual o Brasil figura como um dos principais líderes, vive um cenário de transformações. Enquanto no país

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol. Etanol - Sustentabilidade - Relatório Final Unicamp 30 de Outubro de 2009

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol. Etanol - Sustentabilidade - Relatório Final Unicamp 30 de Outubro de 2009 Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Etanol - Sustentabilidade - Relatório Final Unicamp 30 de Outubro de 2009 OE3. Subsídios para a agenda nacional e internacional de certificação

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS Juliana da Cruz Ferreira 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 UEMS Caixa Postal 351, 79804-970 Dourados MS, E-mail: julianacruz_gnr@hotmail.com

Leia mais

POLO GOIÁS UNIDADE RIO CLARO PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL PGA

POLO GOIÁS UNIDADE RIO CLARO PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL PGA 1 POLO GOIÁS UNIDADE RIO CLARO PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL PGA 2 Informações Unidade Rio Claro - URC: Razão social: Endereço: Rio Claro Agroindustrial S/A Fazenda Santo Antônio, s/n 0 Zona Rural Caçu - GO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO

CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO MARIA ROSANA DANTAS LOPES RESUMO Este trabalho teve como objetivo mostrar a importância da contabilidade como fonte de informação de uma empresa, e o seu

Leia mais

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade Versão para público externo Mensagem da alta administração Em 93 anos de história da Votorantim, temos mantido a consistência na geração de valor, pautando

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Diretoria de Projetos Socioambientais

Diretoria de Projetos Socioambientais Objetivo Diretoria de Projetos Socioambientais Objetivo do Projeto Ecoeventus Projeto Ecoeventus é o alicerce de um Programa de Educação Ambiental Formal adotado com intuito de mobilizar participantes

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Apresentação O Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS ocorrerá nos dias 13, 14 e 15 de outubro de

Leia mais

2 Documento de Referência CarbonOk

2 Documento de Referência CarbonOk 2 Documento de Referência CarbonOk SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 PROGRAMA CARBONOK... 6 2.1 Missão... 6 2.2 Objetivos... 6 2.3 Valores... 7 2.4 Metodologia... 7 2.5 Atuação... 8 2.6 Responsável... 9 3

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

Regulamento de Avaliação da Conformidade para Etanol Combustível

Regulamento de Avaliação da Conformidade para Etanol Combustível Regulamento de Avaliação da Conformidade para Etanol Combustível Alfredo Lobo Diretor da Qualidade Rio de Janeiro, 14/08/2008 ções Desenvolvidas pelo Inmetro no Programa de Avaliação da Conformidade para

Leia mais

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Sumário Objetivo... 2 Parte 1 - Entendendo o Inventário de Gases

Leia mais