CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE VIANA DO ALENTEJO. Relatório de Avaliação do Plano de Acção 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE VIANA DO ALENTEJO. Relatório de Avaliação do Plano de Acção 2009"

Transcrição

1 CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE VIANA DO ALENTEJO Relatório de Avaliação do Plano de Acção 2009 Aprovado em Reunião Plenária a 22/11/2010

2 ÍNDICE Nota Introdutória 3 1. Eixo 1 Família e Comunidade 4 2. Eixo 2 Equipamentos e Repostas Sociais Eixo 3 Educação, Formação e Empreendedorismo 13 Avaliação da Implementação do Plano de Acção 16 Relatório de Avaliação do Plano de Acção 2009

3 NOTA INTRODUTÓRIA O presente documento constitui-se como um Relatório de Avaliação e pretende expressar a forma como decorreu a execução do Plano de Acção 2009, o primeiro Plano de Acção resultante do Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Viana do Alentejo para o triénio de Neste sentido, pretende-se avaliar os constrangimentos identificados na execução das actividades e permitir o eventual reajuste de práticas e redefinição de objectivos e actividades. Este documento tem como principal objectivo avaliar a execução das actividades planeadas e os seus impactos. A metodologia utilizada consistiu na indagação junto dos parceiros responsáveis pelas actividades incluídas no Plano de Acção 2009, tendo esta informação sido recolhida, sistematizada e tratada pela Técnica da Rede Social. Não sendo elaborado numa perspectiva crítica, o presente Relatório visa divulgar os resultados das acções, identificar condições de sucesso e constrangimentos e, sobretudo, melhorar o planeamento e as intervenções futuras, nunca esquecendo a base de todo este trabalho de intervenção social: a concretização efectiva das parcerias. Relatório de Avaliação do Plano de Acção 2009

4 1. EIXO 1 FAMÍLIAS E COMUNIDADE Sub-eixo 1: Famílias Vulneráveis Objectivo Geral 1 Até 2011, dotar as famílias vulneráveis do Concelho, de competências pessoais, sociais e parentais Acção Actividades Público-alvo Estado da Actividade Execução Instituição Responsável/Parceira de Acção Sensibilização para a aquisição de competências profissionais, pessoais e sociais Atendimentos nos serviços sociais do Concelho Famílias Vulneráveis Atendimentos na : 446 (média de 37 atendimentos mensais) - sendo 212 dedicados à Acção Social e 234 aos beneficiários de RSI Terra Mãe - GASAL Centro de Saúde Terras Dentro Realização de uma acção de formação: Ter filhos ou sermos pais O tempo de crescer Beneficiárias de RSI e pessoas em situação de pobreza e/ou exclusão Realização de sessões quinzenais entre Fevereiro e Maio com a participação assídua de 5 mães Terra Mãe GASAL Formação para a inclusão Candidatura ao POPH, medida 6.1, para a realização da acção de formação: Aprendizagem partilhada na prestação de cuidados aos filhos Apresentação de Candidatura aprovada para 2010 Organização de sessões de despiste e explicação dos processos no âmbito da igualdade de género e violência doméstica Comunidade 2 Sessões dirigidas à comunidade escolar (Viana do Alentejo e Alcáçovas) sensibilização igualdade de Género e Oportunidades - abrangendo 38 alunos. 1 Sessão dirigida a adultos em contexto formativo Sensibilização Igualdade de Género 11 formandos Terras Dentro Projecto Miga 1.3 Acompanhamento de famílias vulneráveis Atendimentos/Visitas domiciliárias integradas a realizar pelos serviços sociais do Concelho Famílias Vulneráveis GASAL Média de 34 atendimentos mensais (acompanhamento continuado de 40 famílias) Terra Mãe GASAL Centro de Saúde Relatório de Avaliação do Plano de Acção

5 Acção Actividades Público-alvo Estado da Actividade Execução Instituição Responsável/Parceira de Acção Atendimento/acompanhamento multidisciplinar ao agregado familiar Famílias, crianças e jovens CPCJ 30 processos I.P - Acompanhamento de 57 casos CPCJ Intervenção Precoce Comemoração do 20º Aniversário da Convenção dos Direitos da Criança Comunidade Educativa Demonstração cinotécnica pela GNR; Workshop A Prevenção da violência através do relaxamento físico ; Elaboração e distribuição de um calendário alusivo aos direitos das crianças CPCJ 1.4 Promoção dos direitos das crianças e jovens Comemoração do 2º Aniversário CPCJVA Técnicos Publicação de artigos temáticos, no âmbito da prevenção de maus tratos, nos meios de informação local e jornal do Agrupamento de Escolas de Viana Encontro de Técnicos Prevenção da Violência na Família CPCJ Associação Chão dos Meninos Núcleo Mulher e Menor GNR - Évora Comunidade em geral CPCJ Sessões terapêuticas em salas de Creche ou JI Crianças Acompanhamento de 23 crianças Apoio a crianças, no âmbito de medidas em meio natural de vida Seminário A nossa pequenada Dos pais aos filhos Participação na Feira D Aires Crianças e jovens Comunidade em geral Não Falta de recursos humanos/ indisponibilidade de tempo dos técnicos Apresentação de Placard s alusivos à CPCJVA Intervenção Precoce Centro de Saúde CPCJ Intervenção Precoce Terra Mãe Terra Mãe GASAL CPCJ 1.5 Participação na 4ª Semana de Prevenção de Maus tratos Infantis organizada pela Associação Chão dos Meninos Subprojecto do GASAL Semana da Pequenada Alunos do 1º Ciclo e JI do Concelho Trabalho de artes plásticas com vista à elaboração de galhardetes alusivos à prevenção da violência, distribuição e pintura de desenho sobre o bom trato, dinâmica de grupo caixa de bombom, jogo caça ao tesouro e distribuição de folhetos; Apresentação de teatro alusivo ao conceito de ser criança Ter filhos ou sermos Pais: Tempo de crescer Terra Mãe GASAL, IP Oficina da Criança - Acção de sensibilização Violência Não Alunos do 3º Ciclo da EBI/JI de Alcáçovas Dirigida por técnicos da Associação Chão dos Meninos Terra Mãe GASAL Exposição com trabalhos sobre a Temática da Violência Comunidade em geral Exposição com trabalhos elaborados por alunos da EB 2/3 Dr. Isidoro de Sousa CPCJ Distribuição de Kit Informativo sobre a temática Comunidade Escolar do Concelho Relatório de Avaliação do Plano de Acção

6 Objectivo Geral 2 Até 2011, promover a inclusão de famílias vulneráveis do Concelho Acção Actividades Público-alvo Estado da Actividade Execução Instituição Responsável/Parceira de Acção Elaboração de candidatura ao IEFP para a implementação de um Gabinete de Inserção Profissional População desempregada do Concelho Candidatura aprovada com implementação do Gabinete em 2010 Terras Dentro 20 pessoas encaminhadas para cursos EFA; 2.1 Divulgação de oportunidades de emprego, formação e contratos de emprego-inserção Disponibilização de informação e encaminhamento de pessoas desempregadas para diferentes medidas de emprego (CEI, formações, emprego), através dos atendimentos nos serviços sociais do Concelho População desempregada do Concelho Admissão de um Estágio na Área de Auxiliar Administrativo no âmbito do protocolo de Formação em Contexto de Trabalho entre a Terras Dentro e a Associação de Paralisia de Évora : - 13 Acções de colocação em mercado de trabalho; - 17 Acções de Prog. Ocupacional Carenciados; - 5 Acções de Prog. Ocupacional Subsidiados Terra Mãe - GASAL IEFP Terras Dentro Reuniões de Núcleo Local de Inserção Famílias Vulneráveis s 10 Reuniões de NLI com a participação das entidades parceiras Terra Mãe - GASAL Centro de Saúde 2.2 Contratualização de planos de inserção com famílias vulneráveis Abranger agregados familiares em programas de inserção - Assinatura e revisão de acordos Rendimento Social de Inserção Famílias Vulneráveis Acordos de Inserção Assinados: 88 Número de Beneficiários abrangidos: Autonomização de famílias em risco e/ou exclusão Atendimentos nos serviços sociais Beneficiários de RSI Autonomização de 23 beneficiários Relatório de Avaliação do Plano de Acção

7 Objectivo Geral 3 Até 2011, garantir o acesso das famílias em risco e/ou em situação de pobreza aos apoios existentes Objectivo Geral 4 Até 2011, qualificar a intervenção dos agentes locais Acção Actividades Público-alvo Estado da Actividade Execução Instituição Responsável/Parceira de Acção Apoio económico a pessoas em situação de carência, através de atendimentos nos serviços sociais Pessoas em situação de carência económica Apoio a 42 famílias em situação de carência: rendas de casa, aquisição de medicação, despesas mensais fixas Disponibilização de informação e encaminhamento para os vários apoios existentes no Concelho Apoio no acesso a géneros alimentares (PCAAC e Banco de Apoio) Apoio no acesso a ajudas técnicas SAPA (cadeiras de rodas, canadianas, andarilho, entre outras) Comunidade Geral Terra Mãe apoiadas 27 famílias com cabazes alimentares de modo regular; 20 famílias pontualmente Banco Alimentar Apoiadas 14 famílias com as ajudas técnicas: cadeiras de rodas manuais; próteses dentárias e auditivas; fraldas Terra Mãe Santa Casa da Misericórdia de Viana e Alcáçovas Apoio no acesso a outras ajudas (Apoios inerentes ao tratamento de toxicodependência, HIV; Banco de Apoio roupas, equipamentos; Cartão Viana Social) Famílias vulneráveis Cartão Viana Social deferidos 2 cartões em 2009 Terra Mãe - GASAL 3.2 Fórum com pessoas em situação de pobreza e/ou exclusão social Fórum concelhio Pessoas em situação de pobreza e/ou exclusão social Famílias vulneráveis Participação de 10 pessoas em situação de pobreza e 5 técnicos Terra Mãe REAPN - Évora 3.3 Comemoração do Dia Mundial da Erradicação da Pobreza Fórum distrital Pessoas em situação de pobreza e/ou exclusão social Comunidade REAPN Acção Social Escolar Abranger todos os alunos de famílias vulneráveis, que reúnam os requisitos, com Acção Social Escolar Famílias vulneráveis, crianças em meio escolar Abrangidos no total 170 alunos dos quais 92 com escalão A e os restantes 78 com escalão B Escolas 4.1 Qualificar a intervenção social Realização de acções de sensibilização sobre igualdade de género e prevenção da violência doméstica Técnicos com intervenção na área social Sensibilização em Igualdade de Género participação de 10 Técnicos Terras Dentro Projecto MIGA Relatório de Avaliação do Plano de Acção

8 Sub-eixo 1.2: Promoção da Saúde e Estilos de Vida Saudáveis Rede Social de Viana do Alentejo Objectivo Geral 1 Até 2011, promover hábitos e estilos de vida saudáveis junto da população concelhia Acções Actividades Público-alvo Estado da Actividade Execução Instituição Responsável/Parceira de Acção Rastreio da Diabetes População em geral Realizado em Viana e Aguiar à comunidade e em Alcáçovas junto da comunidade escolar 145 participantes Centro de Saúde Rastreio da Hipertensão População em geral Realizado em Maio e Outubro com 156 participações no total Centro de Saúde Prevenção de doenças Rastreio do Colesterol População em geral Realizado em Outubro com 96 munícipes caminhada e pik- nik Centro de Saúde Rastreio e Prevenção da Obesidade medição do índice de massa corporal e distribuição de folhetos nas escolas Comunidade escolar Duas sessões com 1º Ciclo de Viana 97 alunos Cinco sessões com 1º Ciclo em Alcáçovas 90 alunos Centro de Saúde Escolas Comemoração do Dia Mundial da SIDA, através da realização de sessões de esclarecimento junto da comunidade escolar, que previnam comportamentos aditivos Comunidade escolar s 3 sessões com alunos 10º, 11º e 12º ano Total 48 participantes Centro de Saúde CRI de Évora s 12 sessões de Prevenção da Gripe H1N1 abrangendo 398 alunos do concelho Sessões de Educação para a Saúde Crianças e jovens s 5 sessões dirigidas a pais e enc. De educação abrangendo 165 pais e encarregados Centro de Saúde Escolas Saúde Oral nas Escolas s 9 sessões de Saúde Oral 186 alunos do 1º Ciclo Promoção da saúde Atendimentos nos Gabinetes de Saúde existentes nas Escolas do Concelho Crianças e jovens Sessões de educação para a saúde: Educação Sexual - 42 alunos; Métodos Contraceptivos - 62 alunos; Para uma vida sem Tabaco 267 alunos; Sentimentos e emoções 56 alunos. Centro de Saúde Escolas Sessão de informação/sensibilização, com a temática: Saúde do Coração e Actividade física População em geral s duas sessões com 150 participantes Centro de Saúde/ Marcha do Coração População em geral Com a participação de 100 munícipes Comemorações Dia Mundial da Diabetes Conferência: Prevenir a Diabetes e Caminhada População em geral Com a participação de 80 munícipes Centro de Saúde Caminhadas no Concelho População em geral Centro de Saúde Relatório de Avaliação do Plano de Acção

9 Objectivo Geral 2 Até 2011, promover o tratamento de indivíduos do Concelho com comportamentos aditivos Acção Actividades Público-alvo Estado da Actividade Execução Instituição Responsável/Parceira de Acção Sensibilização para a importância do tratamento de casos de toxicodependência ou alcoolismo, através de atendimentos a realizar nos serviços sociais Indivíduos com comportamentos aditivos GASAL Centro de Saúde 2.1 Prevenção de comportamentos aditivos Acompanhamento de indivíduos com comportamentos aditivos através de atendimentos nos Serviços de Acção Social do Concelho e encaminhamento para o Centro de Respostas Integradas de Évora Indivíduos com comportamentos aditivos Número de Acções de desintoxicação contratualizadas: -3 Alcoolismo; -2 Toxicodependência CRI de Évora Apoio económico a indivíduos carenciados através do acompanhamento e atendimento nos Serviços de Acção Social Indivíduos com comportamentos aditivos Apoio a 3 famílias no Pagamento Comunidade terapêutica Relatório de Avaliação do Plano de Acção

10 2. Eixo 2 Equipamentos e Respostas Sociais Objectivo Geral 1 Até 2011, aumentar a cobertura dos equipamentos e respostas sociais na área da infância e juventude Objectivo Geral 2 Até 2011, aumentar a cobertura dos equipamentos e respostas sociais para idosos Objectivo Geral 3 Promover a melhoria das condições de vida das famílias que integram idosos e pessoas dependentes Acção Actividades Público-alvo Estado da Actividade Execução Instituição Responsável/Parceira de Acção Criar um Centro de Acolhimento de Crianças e Jovens Elaboração de candidatura ao QREN Crianças e Jovens Não Em 2009 não abriu nenhum projecto legível ao QREN. Foi apresentada Candidatura ao PRODER 1ª Fase do projecto Sede da Associação Associação Terra Mãe Alargar o espaço do Centro Social e Paroquial das Alcáçovas Elaboração de candidatura ao PRODER Crianças e Jovens Apresentada candidatura com vista ao alargamento de espaço do Centro Centro Social e Paroquial das Alcáçovas 1.3 Conclusão de uma Creche no âmbito do PARES Finalização da construção da Creche na Freguesia de Aguiar com capacidade para 25 crianças Crianças Não Aguarda conclusão do processo de fiscalização Santa Casa da Misericórdia de Viana do Alentejo Concluir o Centro de Convívio da Associação de Reformados de Viana do Alentejo Reuniões com a, no âmbito da conclusão do Centro de Convívio Idosos do Concelho As reuniões resultaram no acordo da verba a ceder pela Segurança Social à Ass. de Reformados Associação de Reformados de Viana do Alentejo 3.1 Criação de uma unidade de longa duração e manutenção no Concelho Entrada em funcionamento da unidade Idosos e pessoas em situação de dependência 95 Idosos/ pessoas em situação de dependência abrangidas pela unidade de longa duração e manutenção Companhia dos Avós Aguiar ARS 3.2 Qualificação dos S.A.D. na freguesia de Alcáçovas Elaboração de candidatura ao PRODER Idosos e pessoas em situação de dependência Apresentada candidatura com vista à remodelação de espaços, de apoio e aquisição de equipamentos Santa Casa da Misericórdia de Alcáçovas Relatório de Avaliação do Plano de Acção

11 Objectivo Geral 4 Até 2011, promover a qualificação dos equipamentos e respostas sociais existentes no Concelho Objectivo Geral 5 Até 2011, melhorar as condições de vida da população idosa Acção Actividades Público-alvo Estado da Actividade Execução Instituição Responsável/Parceira de Acção 4.1 Promover a qualificação dos equipamentos e respostas sociais existentes no Concelho Recepção de Candidaturas no âmbito do PRODER à medida Serviços Básicos para a População Rural Parcerias reduzidas através de contrato de parceria entre entidades privadas sem fins lucrativos ou entre entidades públicas e privadas sem fins lucrativos; IPSS, ONG s Foram apresentadas e recepcionadas 6 candidaturas de Entidades do concelho Terras Dentro GAL - PRODER 4.2 Levantamento de necessidades de formação Estudo de necessidades de formação dos recursos humanos das respostas sociais concelhias Recursos humanos Não Levantamento agendado com os técnicos das IPSS para 2010 Rever o Regulamento do Cartão Social do Reformado, Pensionista e Idoso e proceder a alterações Aprovar o Regulamento com novas alterações 5.1 Novos benefícios para a população idosa Abranger os idosos com novos benefícios Idosos do Concelho Reduções no pagamento de despesas: 50% no pagamento de água, taxas e serviços da ; 50% nos bilhetes de cinema; entrada gratuita nas piscinas municipais e oficina domiciliária; Cartões atribuídos: 68 (dos quais 16 beneficiam de oficina domiciliária) Passeio anual de convívio Passeio às Ruínas de S. Cucufate com a participação de 320 idosos Semana do Idoso Actividades desenvolvidas de 5 a 10 de Outubro para ocupação da população idosa Convívio de Natal Junta de Freguesia de Viana do Alentejo 5.2 Promoção de iniciativas de ocupação de tempos livres Hidroginástica Idosos do Concelho Participação contínua de 35 inscritos Ginástica de Manutenção Participação contínua de 30 inscritos Marcha da Liberdade Junta de Freguesia de Viana do Alentejo Marcha da Primavera Junta de Freguesia de Aguiar Relatório de Avaliação do Plano de Acção

12 Objectivo Geral 6 Até 2011, desenvolver, no Concelho, pelo menos 6 iniciativas que promovam a ocupação dos tempos livres de jovens nas férias escolares Acção Actividades Público-alvo Estado da Actividade Execução Instituição Responsável/Parceira de Acção Elaboração de pelo menos duas candidaturas ao Instituto Português da Juventude - OTL Jovens do Concelho Candidatura da Associação Terra Mãe Uns dias de Verão em Alcáçovas Parte VI -participação de 30 crianças Junta de Freguesia de Alcáçovas Terra Mãe Adaptação ao meio aquático na Piscina Municipal de Viana do Alentejo Crianças e jovens Adaptação ao meio aquático com início em Julho de 2009 participação de 70 crianças 6.1 Iniciativas de carácter lúdico para crianças e jovens nas férias escolares Colónia de Praia Famílias, crianças Colónia de Praia no mês de Agosto (Freguesias de Viana e Alcáçovas com a participação de 63 e 61 munícipes, respectivamente) Terra Mãe - GASAL Colónia de Férias Crianças de famílias desfavorecidas Encaminhamento de 4 crianças Fundação Bissaya Barreto Noite radical em Aguiar Bandas de Garagem Jovens GAJA BTT Nocturno 2ª Maratona BTT Clube BTT de Aguiar Relatório de Avaliação do Plano de Acção

13 3. Eixo 3 Educação, Formação e Empreendedorismo Sub-eixo 3.1: Promoção da Educação e Aprendizagem ao longo da Vida Objectivo Geral 1 Até 2011, Aumentar o nível de qualificação escolar e formação profissional de 72 indivíduos do Concelho Acção Actividades Público-alvo Estado da Actividade Execução Instituição Responsável/Parceira de Acção CEF, 3º Ciclo Auxiliares de Acção Educativa CEF, 3º Ciclo Mecânica de Motociclos Jovens em risco de abandono escolar Decorreu em Viana do Alentejo com 23 formandos Decorreu em Viana do Alentejo com 13 formandos Agrupamento de Escolas de Viana do Alentejo CEF, nível Secundário Instalação e manutenção de sistemas informáticos Jovens Decorreu em Viana do Alentejo com 13 formandos 1 Qualificar a população concelhia, dinamizando vários cursos que permitam combater o insucesso escolar dos mais novos, bem como elevar os níveis de qualificação de base da população em geral Curso EFA, nível Secundário Técnico/a de Acção Educativa Curso EFA, nível secundário Técnico/a de Turismo Rural e Ambiental Centro de Novas Oportunidades - RVCC População com idade igual ou superior a 23 anos Desempregados Com o 9º ano ou 10º ano incompleto Decorreu em Viana do Alentejo com 12 formandos do concelho Decorreu na freguesia de Santiago do Escoural com 5 formandos do concelho Inscreveram-se no CNO, em 2009, 75 munícipes do concelho de Viana do Alentejo. Tendo obtido certificação 55 destes adquirindo a equivalência ao 6.º ano 2 formandos; equivalência ao 9.º - 25 formandos e 28 com o nível secundário Terras Dentro Executar as UFCD (Unidades de Formação de Curta Duração com 25 ou 50 horas) Acções de Formação que vão de encontro às necessidades dos adultos inscritos/instituições parceiras ou outras a realizarem-se por toda a Zona de Intervenção da TD População adulta s 14 acções modulares no concelho, abrangendo 178 formandos Elaboração de Candidaturas ao POPH, no âmbito do Eixo prioritário 2 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida Relatório de Avaliação do Plano de Acção Realização de 3 candidaturas às medidas: 2.1 Reconhecimento e Certificação de Competências (CNO); 2.2 Cursos de Educação Formação de Adultos; 2.3 Formações Modulares Certificadas

14 Objectivo Geral 2 Até 2011, aproximar os pais/encarregados de educação da comunidade escolar Objectivo Geral 3 Até 2011, proporcionar um acompanhamento de orientação vocacional nas Escolas do Concelho Objectivo Geral 4 Garantir a igualdade de oportunidade de acesso a espaços educativos de dimensão e recursos adequados ao sucesso educativo Acção Actividades Público-alvo Estado da Actividade Execução Instituição Responsável/Parceira de Acção 2 Aproximar os pais da escola Sessão dirigida aos pais com a temática: Afectos e sexualidade Sessão dirigidas aos pais com a temática: Aprendizagem da Matemática Pais/Encarregados de Educação Agrupamento de Escolas de Viana do Alentejo Sessão de sensibilização: Internet Segura Associação de Pais da EBI/JI de Alcáçovas 3 Acompanhamento Vocacional Garantir que os alunos de 9ºano das Escolas concelhias tenham orientação vocacional e profissional ao longo do ano lectivo Jovens s sessões de acompanhamento vocacional aos alunos da Escola EB 2,3/ S Dr. Isidoro de Sousa, com a periodicidade semanal Escolas Centro de Emprego de Évora 4 Construir novo espaço educativo Elaborar e submeter candidatura a um Centro Escolar Crianças Candidatura elaborada e submetida 4.1 Criação de um recurso educativo para a igualdade de género Concepção do recurso Comunidade escolar Não Acção não realizada apenas em Viana no sentido da concepção por motivos de ajuste de agenda com o inicio do ano lectivo Terras Dentro Projecto MIGA Relatório de Avaliação do Plano de Acção

15 Sub-eixo 3.2: Promoção do Empreendedorismo Objectivo Geral 1 Até 2011, promover o Empreendedorismo junto da população juvenil Objectivo Geral 2 Até 2011, estimular o Empreendedorismo no Concelho junto dos empresários locais e potenciais investidores Acção Actividades Público-alvo Estado da Actividade Execução Instituição Responsável/Parceira de Acção 1.1 Educação para o Empreendedorismo Realizar acções nas escolas do Concelho que incidam sobre as noções de Empreendedorismo Alunos do 1º, 2º e 9º ano Não Devido a questões alheias às entidades parceiras, nomeadamente, no que diz respeito à entidade responsável pela formação dos Técnicos a aplicar as acções nas escolas concelhias EBI/JI de Alcáçovas Terras Dentro 2.1 Estimular o Empreendedorismo no Concelho junto dos empresários locais e potenciais investidores Elaboração de Candidatura ao PACA (Programa de Aquisição de Competências e Animação) PRODER Subprograma 3, Medida 3.5 Funcionamento dos GAL, Aquisição de Competências e Animação, com vista à divulgação das candidaturas a efectuar pelos empresários locais e potenciais investidores Entidades que presidem os GAL (Grupos de Acção Local) reconhecidos como organismos intermédios de Gestão do PRODER Apresentação da candidatura no início de 2009 e aprovação da mesma pelo PRODER no final de 2009 Terras Dentro Divulgação e Informação das medidas PRODER a que se poderão candidatar (na página Web da TD) Empresários locais e potenciais investidores Iniciada em 2009 Relatório de Avaliação do Plano de Acção

16 AVALIAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2009 A análise da informação apresentada permite-nos retirar algumas conclusões gerais, bem como apresentar algumas sugestões ou recomendações futuras. De um modo geral as actividades planificadas para o ano de 2009 foram executadas pelas entidades competentes. Importa aqui referir que muitas destas actividades já se incluíam anteriormente nos planos de actividades das próprias entidades, factor que contribuiu para a elevada taxa de execução das actividades planeadas. Em seguida apresentar-se-á de modo conclusivo, por cada Eixo de Intervenção, a concretização das actividades delineadas, indo de encontro aos objectivos e metas definidas no Plano de Desenvolvimento Social Eixo 1 Famílias e Comunidade Em relação às actividades traçadas para o ano de 2009, no âmbito das prioridades de intervenção consideradas no Sub-eixo 1.1 Famílias Vulneráveis deste Eixo, podemos constatar a concretização da generalidade das actividades previstas e consecução dos objectivos definidos inicialmente. Com o intuito de dotar as famílias vulneráveis do Concelho de competências sociais, pessoais e parentais foi promovida a sensibilização para a importância da aquisição destas competências, por via dos atendimentos nos serviços sociais do Concelho às famílias em risco e/ou em situação de exclusão, de modo a permitir a estas famílias uma maior autonomia e qualidade de vida. Para a prossecução deste objectivo contribuíram os atendimentos e acompanhamentos efectuados pela equipa do GASAL, realizados diariamente na freguesia das Alcáçovas e os atendimentos realizados pelo Serviço Local de, na freguesia de Viana do Alentejo, trabalho este de extrema relevância, ao prestar apoio a todos os que estão numa situação de maior necessidade e fragilidade. As restantes entidades parceiras efectuaram igualmente este apoio às famílias concelhias ainda que estes dados não sejam contabilizados pelas mesmas. Relatório de Avaliação do Plano de Acção

17 No âmbito do objectivo de formação para a inclusão, apostando na formação ao nível do desenvolvimento de competências, foi submetida a candidatura ao POPH, Medida 6.1, pela Associação Terra Mãe, para a realização da acção de formação Aprendizagem partilhada na prestação de cuidados aos filhos. Esta candidatura foi aprovada para realização em 2010, destinada às beneficiárias de RSI e pessoas em situação de pobreza e/ou exclusão. A mesma entidade promoveu ainda uma acção de formação Ter filhos ou sermos pais O tempo de crescer, destinada a este mesmo público. Foram ainda desenvolvidas pela Associação Terras Dentro sessões de sensibilização para a Igualdade de Género e Oportunidades dirigidas à comunidade escolar de Viana do Alentejo e Alcáçovas e a adultos em contexto formativo. Com a finalidade de promover os direitos das crianças e jovens do Concelho actuou a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens, através dos seus atendimentos, do apoio a crianças, no âmbito de medidas em meio natural de vida, e através da realização acções de sensibilização dirigidas quer à comunidade educativa, quer à comunidade em geral, nomeadamente pela publicação de artigos temáticos, no âmbito da prevenção de maus tratos, nos meios de informação local e jornal do Agrupamento de Escolas de Viana, pela elaboração e distribuição de um calendário alusivo aos direitos das crianças, entre outras actividades. O trabalho desenvolvido pela Equipa Directa de Intervenção Precoce contribuiu igualmente para criar condições facilitadoras do desenvolvimento global da criança. Esta equipa tem vindo, através das suas sessões terapêuticas e pela sua actuação, a optimizar as condições de interacção da criança/família, envolvendo a comunidade no processo de intervenção de forma contínua e articulada, optimizando os recursos existentes e as redes formais e informais de inter-ajuda. No que respeita à inclusão de famílias vulneráveis do Concelho, facilitando o acesso às oportunidades de qualificação e emprego, foi elaborada pela uma candidatura ao IEFP para implementação de um Gabinete de Inserção Profissional. Esta candidatura foi aprovada e o Gabinete encontra-se actualmente em funcionamento. Prevendo igualmente a inclusão destas famílias foram disponibilizadas, no decorrer de 2009, informações e encaminhadas pessoas desempregadas pelas várias entidades parceiras através dos atendimentos nos serviços sociais do concelho, ainda que nem todas as entidades contabilizem esta informação. Relatório de Avaliação do Plano de Acção

18 De modo a garantir a satisfação das necessidades básicas dos agregados familiares vulneráveis e favorecer a progressiva inserção social e laboral dos seus elementos foram assinados vários acordos de inserção abrangendo beneficiários em programas de inserção, sendo igualmente promovida a autonomização de beneficiários de RSI, recorrentes dos serviços de acção social do Concelho. Para garantir o acesso das famílias em risco e/ou em situação de pobreza aos apoios existentes disponibilizaram-se, através dos atendimentos prestados pelas diversas entidades parceiras na Rede Social de Viana do Alentejo, vários apoios para a população mais carenciada, tendo sido prestados apoios económicos, apoios no acesso a géneros alimentares e no acesso a ajudas técnicas a pessoas em situação de carência. Foram igualmente beneficiados os alunos das escolas do Concelho, cujos rendimentos do agregado permitiam receber apoio no âmbito da acção social escolar. Com a finalidade de qualificar a intervenção dos agentes locais com interferência no território concelhio, através de momentos de reflexão, foi realizada pela Terras Dentro, integrada no Projecto MIGA, uma sessão de trabalho referente à temática Igualdade de Género dirigida a técnicos com intervenção na área social. No que respeita ao Sub-eixo 1.2 Promoção da Saúde e Estilos de Vida Saudáveis, planificaram-se para 2009 actividades de prevenção de doenças por via de rastreios e algumas sessões de sensibilização para promover hábitos e estilos de vida saudáveis junto da população concelhia. Foram promovidos vários rastreios, nomeadamente o rastreio da Diabetes, da Hipertensão e do Colesterol. Estas acções dirigiram-se à população na sua generalidade, tendo o Centro de Saúde incidido igualmente a sua intervenção de promoção da saúde nas escolas do concelho através de Sessões de Educação para a Saúde, Saúde Oral e pelos atendimentos nos Gabinetes de Saúde existentes nas escolas do Concelho. Desenvolveram-se igualmente iniciativas de sensibilização da população no que respeita à promoção de exercício físico, reduzindo os comportamentos de inércia ainda prevalecentes, para o qual contribuíram as várias caminhadas promovidas pelo Centro de Saúde em parceria com a. Reforçando a articulação entre as entidades locais, potenciando a rentabilização dos recursos existentes, foram desenvolvidas através dos atendimentos das entidades parceiras,, GASAL e Centro de Saúde, com o objectivo de promover o tratamento de indivíduos do concelho com comportamentos aditivos, acções de sensibilização/informação para a importância do tratamento de casos de toxicodependência ou alcoolismo. Relatório de Avaliação do Plano de Acção

19 Considerando as metas definidas para este Eixo de Intervenção, identificadas no Plano de Desenvolvimento Social , e mais concretamente aquelas que foram definidas para o ano de 2009, podemos concluir que as entidades parceiras actuaram no sentido da prossecução dos objectivos delineados. Sendo que, em traços gerais, se alcançaram os resultados pretendidos: Consciencialização das famílias vulneráveis para a importância da aquisição de competências como garantia da sua autonomia, apostando ainda na formação ao nível do desenvolvimento de competências; Promoção dos direitos das crianças e jovens do Concelho; Facilitar o acesso às oportunidades de qualificação e emprego; Garantir a satisfação das necessidades básicas dos agregados familiares e favorecer a sua progressiva inserção social e laboral; Promover a autonomia de famílias vulneráveis recorrentes dos serviços de acção social do Concelho; Assegurar apoios económicos a famílias em risco e/ou em situação de pobreza; Assegurar a atribuição de apoios pontuais a famílias em risco e /ou e situação de pobreza (géneros alimentares, roupas, ajudas técnicas, entre outros); Apoiar as famílias, com filhos em idade escolar, no âmbito da acção social escolar; Realização de momentos de reflexão e partilha de boas práticas dirigidos aos técnicos com intervenção na área social; Divulgar e realizar acções de rastreio e prevenção de doenças, dirigidas à população em geral do Concelho; Realizar acções de sensibilização e informação junto da comunidade; Manter em funcionamento os Gabinetes de Atendimento aos Adolescentes nas Escolas do Concelho; Prevenir a prática de comportamentos aditivos através de acções de sensibilização/informação; Sensibilizar todos os indivíduos do Concelho com comportamentos aditivos, para a importância de um tratamento e acompanhamento. Relatório de Avaliação do Plano de Acção

20 Eixo 2 Equipamentos e Respostas Sociais Relativamente às actividades previstas para colmatar as necessidades identificadas no Eixo 2, a respeito do aumento da cobertura dos equipamentos e respostas sociais na área da infância e juventude, foi submetida uma candidatura ao PRODER pela Associação Terra Mãe, ainda que a actividade planificada consistisse na elaboração de uma candidatura ao QREN, não tendo aberto em 2009 nenhum projecto legível, esta entidade prosseguiu com o objectivo de criar um Centro de Acolhimento de Crianças e Jovens, principiando pela construção da sede da Associação. No que respeita ao alargamento de espaço do Centro Social e Paroquial das Alcáçovas foi igualmente submetida uma Candidatura ao PRODER por esta entidade. Relativamente à conclusão da creche na freguesia de Aguiar, esta aguardava em 2009 a conclusão do processo de fiscalização para finalização da obra. Com o intuito de aumentar a cobertura dos equipamentos e respostas sociais para idosos foram estabelecidas as reuniões entre os representantes da Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos de Viana do Alentejo com a, no âmbito da conclusão do Centro de Convívio desta Associação, estipulando a verba a ceder pela para conclusão do mesmo. Com vista a promover a melhoria das condições de vida das famílias que integram idosos e pessoas dependentes foi criada, no decorrer do ano de 2009, uma Unidade de Longa Duração e Manutenção no Concelho, entrando em funcionamento na freguesia de Aguiar pela responsabilidade da Companhia dos Avós. Com vista à melhoria das condições de vida destas famílias, a Santa Casa da Misericórdia de Alcáçovas submeteu igualmente uma candidatura ao PRODER com vista à remodelação de espaços, de apoio e para aquisição de equipamentos, promovendo a qualificação dos serviços de apoio domiciliário na freguesia de Alcáçovas. Com vista à promoção da qualificação dos equipamentos e respostas sociais existentes no Concelho a Associação Terras Dentro efectuou a recepção de candidaturas no âmbito do PRODER à medida Serviços Básicos para a População Rural, sendo estas candidaturas destinadas a parcerias reduzidas através de contrato de parceria entre entidades privadas sem fins lucrativos ou entre entidades públicas e privadas sem fins lucrativos, Instituições Particulares de Solidariedade Social e Organizações Não Relatório de Avaliação do Plano de Acção

21 Governamentais. Foram recepcionadas por esta entidade seis candidaturas no âmbito desta medida, no decorrer do ano 2009, entre as quais as candidaturas da Associação Terra Mãe, Centro Social e Paroquial de Alcáçovas e Santa Casa da Misericórdia de Alcáçovas referidas anteriormente. No sentido de promover a qualificação dos recursos humanos das respostas sociais do Concelho previa-se em 2009 efectuar, junto das IPSS do concelho, um levantamento das necessidades de formação destes recursos. Esta actividade obteve a sua concretização apenas no início de 2010, encontrando-se actualmente a produzir efeitos no que diz respeito à formação dos recursos humanos das respostas sociais do Concelho, nomeadamente na Santa Casa da Misericórdia de Viana do Alentejo e Santa Casa da Misericórdia de Alcáçovas. No sentido de melhorar as condições de vida da população idosa quer em termos de atribuição de novos benefícios quer em termos de ocupação de tempos livres, procedeu-se à alteração do Regulamento do Cartão Social do Reformado, Pensionista e Idoso, aprovando-se o mesmo de modo a abranger os idosos com novos benefícios, nomeadamente reduções no pagamento de despesas. No que concerne à promoção de iniciativas de ocupação dos tempos livres da população idosa foram desenvolvidas no decorrer do ano de 2009, pela intervenção de várias entidades parceiras, inúmeras actividades de ocupação da população idosa, tais como o passeio anual de convívio, as aulas de Hidroginástica, as actividades inseridas na semana do idoso, entre outras. No que diz respeito ao objectivo de promover iniciativas de ocupação dos tempos livres de jovens nas férias escolares, foi elaborada uma candidatura ao Programa de Ocupação de Tempos livres por parte da Associação Terra Mãe em parceria com a Junta de Freguesia das Alcáçovas. Foi igualmente promovida pela a adaptação ao meio aquático na piscina de Viana do Alentejo, com início em Julho, e a Colónia de Praia, realizada no mês de Agosto, possibilitando aos munícipes momentos de entretenimento e lazer. Foram ainda realizadas outras iniciativas de ocupação de jovens promovidas pelo Clube de BTT de Aguiar, Associação GAJA e ainda o encaminhamento de 4 crianças de famílias desfavorecidas pela Associação Terra Mãe para a Colónia de Férias da Fundação Bissaya Barreto. Relatório de Avaliação do Plano de Acção

22 Relativamente às metas definidas para este Eixo de Intervenção podemos concluir que as entidades parceiras actuaram no sentido da prossecução dos objectivos delineados: Cobrir o Concelho com 3 novos equipamentos e respostas sociais na área da infância e juventude; Aumentar, no Concelho, a cobertura dos equipamentos e respostas sociais para idosos, com a conclusão de um Centro de Convívio; Promover a melhoria das condições de vida das famílias que integram idosos e pessoas dependentes: Através da oferta de internamento de longo prazo para idosos e pessoas com dependência; Através da qualificação dos Serviços de Atendimentos Domiciliário na freguesia de Alcáçovas; Melhorar as condições de vida da população idosa: Alargando os benefícios do Cartão Social do Idoso, Pensionista e Reformados de Viana do Alentejo; Promovendo a ocupação dos tempos livres da população idosa; Assegurar a ocupação dos tempos livres dos jovens no período de férias escolares através de candidaturas ao IPJ e da realização de actividades desenvolvidas pelos vários parceiros locais; Promover a qualificação dos equipamentos e respostas sociais existentes no Concelho; Eixo 3 Educação, Formação e Empreendedorismo No que diz respeito às prioridades identificadas neste Eixo, nomeadamente no que se refere ao Sub-eixo 3.1 Promoção da Educação e Aprendizagem ao longo da Vida, foram leccionados no Agrupamento de Viana do Alentejo no ano lectivo anterior, dois Cursos de Educação e Formação com equivalência ao 3.º ciclo, dirigidos a jovens em risco de abandono escolar e um Curso de Educação e Formação com equivalência ao nível secundário. Pela entidade formadora Terras Dentro, igualmente com o objectivo de aumentar o nível de qualificação escolar e formação profissional de indivíduos do Concelho, nomeadamente da população com idade igual ou superior a 23, desempregados e indivíduos com o 9.º ou 10.º ano incompleto, foram promovidos dois Cursos de Educação Relatório de Avaliação do Plano de Acção

23 e Formação de Adultos: um em Viana do Alentejo com a frequência de 12 formandos do concelho e um outro na freguesia de Santiago do Escoural com a frequência de 5 formandos do concelho. No ano de 2009 inscreveram-se no Centro de Novas Oportunidades 75 munícipes do concelho de Viana do Alentejo, tendo sido certificados 55 formandos. Foram ainda realizadas 14 acções modulares no concelho de Viana do Alentejo abrangendo 178 formandos. Prosseguindo o intuito de aproximar os pais/encarregados de educação da comunidade escolar, foram promovidas pelo Agrupamento de Escolas de Viana do Alentejo e pela Associação de Pais e Encarregados de Educação da EBI/JI de Alcáçovas sessões dirigidas aos pais os pais/encarregados de educação, promovendo o debate, reflexão e troca de experiências sobre temáticas relacionadas com o desenvolvimento da criança/jovem no sentido de os sensibilizar para o acompanhamento educacional. Com vista a garantir que os alunos inscritos no 9ºano das Escolas concelhias usufruam de orientação vocacional e profissional ao longo do ano lectivo, foram promovidas, no decorrer do ano lectivo de 2008/2009, sessões de acompanhamento vocacional pela Psicóloga do Agrupamento de Escolas de Viana do Alentejo/Aguiar com a periodicidade semanal. Esta profissional acompanhou igualmente os alunos da EBI/JI de Alcáçovas no término do ano lectivo, orientando-os para a selecção futura do seu percurso escolar e profissional. De modo a garantir futuramente a igualdade de oportunidade de acesso a espaços educativos de dimensão e recursos adequados ao sucesso educativo, foi submetida pela a candidatura ao Programa Nacional de Requalificação da Rede de 1.º Ciclo do Ensino Básico e da Educação Pré-escolar para criação de um Centro Escolar no concelho de Viana do Alentejo. No âmbito da criação de um recurso educativo para a igualdade de género, integrado no Projecto MIGA Terras Dentro, previa-se durante o ano de 2009 a concepção deste recurso nas escolas do Concelho. A concepção do recurso foi desenvolvida, conforme previsto no projecto, com a escola EBI/JI de Alcáçovas, não tendo sido possível desenvolvê-la, no sentido da concepção, durante o ano lectivo anterior na escola de Viana do Alentejo por motivos de ajuste de agenda com o início do ano lectivo. Com vista realizar acções nas escolas do Concelho que incidam sobre as noções de Empreendedorismo, referente ao Sub-eixo 3.2 Promoção do Empreendedorismo, devido a questões alheias às entidades parceiras, nomeadamente, no que diz respeito à entidade Relatório de Avaliação do Plano de Acção

24 responsável pela formação dos Técnicos a aplicar as acções nas escolas concelhias, a actividade não obteve concretização no decorrer do ano de Coma finalidade de estimular o Empreendedorismo no Concelho junto dos empresários locais e potenciais investidores a Associação Terras Dentro elaborou uma candidatura ao Programa de Aquisição de Competências e Animação PACA (PRODER), Subprograma 3, Medida 3.5 Funcionamento dos GAL, Aquisição de Competências e Animação, com vista à divulgação das candidaturas a efectuar pelos empresários locais e potenciais investidores. Esta acção destina-se a entidades que presidem os GAL (Grupos de Acção Local), reconhecidos como organismos intermédios de Gestão do PRODER. Esta entidade iniciou igualmente, em 2009, através da sua página Web a divulgação e informação das medidas PRODER a que se podem candidatar os empresários locais e potenciais investidores. No que concerne às actividades planeadas e objectivos traçados neste Eixo de Intervenção para o ano de 2009, foram identificados alguns constrangimentos na execução das actividades, nomeadamente no que diz respeito à articulação entre entidades. Ainda que estas tenham desenvolvido esforços no sentido de concretizar as acções planificadas estas não se concretizaram pelos motivos anteriormente referidos. Salvo estas excepções foram desenvolvidos esforços conjuntos entre as entidades parceiras no sentido de alcançar os resultados propostos inicialmente no Plano de Desenvolvimento Social , nomeadamente: Aumentar o nível de qualificação escolar e formação profissional de 72 indivíduos do Concelho; Aproximar os pais/encarregados de educação da comunidade escolar; Proporcionar um acompanhamento de orientação vocacional aos jovens do Concelho; Garantir a igualdade de oportunidade de acesso a espaços educativos de dimensão e recursos adequados ao sucesso educativo; Estimular o empreendedorismo no concelho junto dos empresários locais e potenciais investidores; Relatório de Avaliação do Plano de Acção

25 Efectivamente podemos constatar que o envolvimento da generalidade das entidades parceiras do CLAS na execução do Plano de Acção conseguiu produzir óptimos resultados. Denotou-se, por parte de todas as entidades, o profundo conhecimento das responsabilidades assumidas neste documento, assim como na execução das actividades planeadas. No que respeita às actividades que não foram executadas, deverá insistir-se, por exemplo, nas acções de promoção do Empreendedorismo junto da população juvenil do Concelho. A Educação para o Empreendedorismo tem efectivamente o objectivo de tornar útil e dinâmico o potencial existente em cada um de nós, por conseguinte, fortalecer este ideal junto dos mais jovens seria uma aposta a concretizar. No entanto não deverá também ser descurado no Eixo III Educação, Formação e Empreendedorismo, o estímulo do empreendedorismo no Concelho junto dos empresários locais e potenciais investidores, captando o investimento para o Concelho, através de acções de sensibilização/informação a respeito dos sistemas de incentivo existentes. Das actividades de continuidade destacam-se, por exemplo, a dinamização de Cursos de Educação e Formação que permitam combater o insucesso escolar dos mais novos, bem como elevar os níveis de qualificação de base da população em geral. Deverá ser dado especial enfoque aos objectivos definidos no Eixo II Equipamentos e Respostas Sociais, no sentido de aumentar, no Concelho, a cobertura dos equipamentos e respostas sociais na área da infância, juventude e para a população idosa, melhorando igualmente as condições de vida desta população, apostando ainda na promoção de actividades de ocupação dos tempos livres da população idosa e assegurando a ocupação dos tempos livres dos jovens no período de férias escolares. Relativamente aos objectivos previstos no Eixo I Famílias e Comunidade deverá apostar-se na continuidade das actividades anteriormente desenvolvidas pelas entidades parceiras, de modo a dotar as famílias vulneráveis do Concelho de competências pessoais, sociais e parentais, promovendo igualmente a sua inclusão, assegurando os apoios económicos e a atribuição de apoios pontuais a famílias em risco e/ou em situação de pobreza. Revela-se ainda de extrema importância a continuidade dos esforços desenvolvidos pelo Centro de Saúde e entidades parceiras na promoção de hábitos e estilos de vida saudáveis junto da população concelhia. Relatório de Avaliação do Plano de Acção

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23 1 Indice Implementação do Cartão Social..... Pág. 3 Implementação da Oficina Doméstica.. Pág. 4 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida.. Pág. 5 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida...

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação Rede Social de Pombal de Pombal Plano de Acção Ano 2011 Avaliação Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos básicos de cidadania)

Leia mais

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17 CLAS de Boticas ÍNDICE Introdução página 2 Resumo do página 3 Eixo I Promoção da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis página 7 Eixo II Qualificação e Empreendedorismo página 13 Eixo III Dinamização

Leia mais

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Nome: Centro Social de Cultura e Recreio da Silva Natureza Jurídica: Associação - Instituição

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE ACÇÃO 2012 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 6 PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

Entidades parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de Borba): Maria do Carmo Cavaco Agrupamento de Escolas do Concelho de Borba

Entidades parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de Borba): Maria do Carmo Cavaco Agrupamento de Escolas do Concelho de Borba 2015 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2015 s parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de ): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação PDS Plano de Acção 2005 Relatório de Avaliação Rede Social CLAS de Vieira do Minho Introdução Este documento pretende constituir-se como um momento de avaliação e análise do trabalho que tem vindo a ser

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA O FAZ DE CONTA PROJETO ANUAL DA LUDOTECA ANO LECTIVO 2014/2015 Inês Matos ÍNDICE I- INTRODUÇÃO 3 II- PROJETOS 5 2.1. Semana da Alimentação 4 2.2. Formação Técnica 6 2.3. Acompanhamento às famílias 6 2.4.

Leia mais

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas Introdução A Freguesia de Odivelas é uma realidade complexa que a todos diz respeito, uma realidade que deve ser alvo de uma intervenção de todos que nela participam para que seja executado um trabalho

Leia mais

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL 1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL Objectivo Geral Objectivo Especifico Medida Meta Indicador de Eecução % Responsavel Prestar Apoio técnico às CSF Reuniões semestrais com CSF 3 CSF em funcionamento, com

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009. Março 2009

PLANO DE ACÇÃO 2009. Março 2009 PLANO DE ACÇÃO Março Plano Acção Plano Acção Acções Actividas Elaborar e aprovar o Plano Acção Actualização do Diagnóstico Social do Concelho Reuniões trabalho para elaborar o Plano Acção Apresentação,

Leia mais

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa.

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa. Administração Regional de Saúde do Alentejo, IP Centro de Saúde de Montemor-o-Novo Crescer Saudável O Programa de Educação para a Saúde Crescer Saudável surge no âmbito do Programa Nacional de Saúde r

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013

Regulamento Interno de Funcionamento Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013 1 Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013 2 Anexo F Normas de Funcionamento do Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO Introdução O Centro para a Qualificação e Ensino Profissional (CQEP) do Agrupamento de Escolas nº1 de Gondomar encontra-se sedeado na Escola-sede do Agrupamento, a Escola Secundária

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

6 Plano de Acção 2005/2006

6 Plano de Acção 2005/2006 1 6 Plano de Acção 2005/ A Rede social iniciou actividades efectivas em em 2003, tendo sido realizado, até 2004 o Pré-Diagnóstico, o Diagnóstico Social, o Plano de Desenvolvimento Social e o Plano de Acção

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto Planeamento Familiar e Educação Afectivo-sexual No quadro normativo nacional, aplicável à Região Autónoma

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010 1 1- INTRODUÇÃO Depois de serem analisados os problemas e de terem sido definidos prioridades tendo em conta os recursos disponíveis e a possibilidade de intervenção dos parceiros, definiram-se os. Eixos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

10. Equipamentos e Serviços Sociais

10. Equipamentos e Serviços Sociais 68 10. Equipamentos e Serviços Sociais A rede de equipamentos e serviços sociais existentes no concelho de Vidigueira constitui uma realidade resultante do esforço e envolvimento de entidades de diversa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

ACTUAR NOS CONDICIONANTES VIVER A VIDA: MAIS E MELHOR. Reduzir as desigualdades em saúde. Promover a saúde das crianças, adolescentes e famílias

ACTUAR NOS CONDICIONANTES VIVER A VIDA: MAIS E MELHOR. Reduzir as desigualdades em saúde. Promover a saúde das crianças, adolescentes e famílias ACTUAR NOS CONDICIONANTES VIVER A VIDA: MAIS E MELHOR Reduzir as desigualdades em saúde Garantir um ambiente físico de qualidade Promover a saúde das crianças, adolescentes e famílias Melhorar a saúde

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

Plano de Actividades 2011

Plano de Actividades 2011 Plano de Actividades 2011 Associação de Reabilitação e Integração Ajuda PLANO DE ACTIVIDADES 2011 No ano de 2011, a Direcção da ARIA, continuará a desenvolver a missão estatutária da Instituição, promovendo

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Cria o Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Exposição de motivos A Escola defronta-se hoje com uma multiplicidade de tarefas a que a sociedade e principalmente

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA )

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Preâmbulo O regulamento da Universidade Sénior de Almada (USALMA) foi aprovado pela Associação de Professores do Concelho de Almada (APCA) em reunião

Leia mais

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136 Contribuinte n.º 512 007 136 PLANO DE ACTIVIDADES ANO DE 2009 I INTRODUÇÃO A Casa do Povo de Porto Judeu, como instituição de solidariedade social, e com algum peso no desenvolvimento desta freguesia no

Leia mais

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Despacho Conjunto n.º 891/99 No domínio da intervenção precoce para crianças com deficiência ou em risco de atraso grave de desenvolvimento,

Leia mais

Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede

Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede Promoção da Saúde A promoção da saúde é o processo que permite capacitar as pessoas a melhorar e a aumentar o controle sobre a sua saúde (e seus determinantes

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DO MTSS - 2009

PLANO DE ACTIVIDADES DO MTSS - 2009 1.4 UNIVA 2.4 Intervenção Comunitária Apoiar educandos na definição e desenvolvimento do seu percurso de inserção ou reinserção no mercado de trabalho Promover o desenvolvimento sustentado e a inserção

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares

Regulamento de Transportes Escolares Regulamento de Transportes Escolares PREÂMBULO Considerando que, A descentralização de competências da Administração Central do Estado, através da atribuição de mais competências às autarquias locais,

Leia mais

Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa

Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa Direcção Municipal de Recursos Humanos Responsabilidade Social na Semana da Responsabilidade Social, Lisboa 03 a 07 Maio 2010 Sumário da Apresentação Quem Somos Programas de Apoio à Comunidade Iniciativa

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013 2015 AVALIAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Social constitui um documento estratégico concelhio em matéria social, e integra, a um nível local, os problemas prioritários

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Disposições gerais) A Associação para o Planeamento da Família (APF) - Instituição

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

O QREN e a Coesão Social em Portugal

O QREN e a Coesão Social em Portugal 8 de janeiro de 213 O QREN e a Coesão Social em Portugal 1. A coesão social no âmbito do QREN A coesão social constitui uma das cinco prioridades estratégicas do Quadro de Referência Estratégico Nacional

Leia mais

1.3. Envelhecimento Activo. 1.4. Plano de Actividades dirigido à população Idosa. 1.5. Semana Sénior

1.3. Envelhecimento Activo. 1.4. Plano de Actividades dirigido à população Idosa. 1.5. Semana Sénior Rede Social de Pombal de Pombal Largo do Cardal 3100-440 Pombal Plano de Acção Ano 2011 Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos

Leia mais

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola Uma estratégia para O Projeto Educativo Local Famalicão Cidade Educadora Vila Nova de Famalicão, cidade educadora, aderente ao movimento das Cidades Educadoras,

Leia mais

EPSS Equipa de Políticas de Segurança Social. www.gep.mtss.gov.pt

EPSS Equipa de Políticas de Segurança Social. www.gep.mtss.gov.pt EPSS Equipa de Políticas de Segurança Social A Informação Estatística sobre Deficiência e Incapacidade Lisboa, 01 de Junho de 2009 Estrutura da Apresentação A informação estatística no contexto do planeamento,

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia Parte 6.1 Equipamentos sociais e respostas da acção por freguesia Acção Social A acção social é um

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DO AGRUPAMENTO

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DO AGRUPAMENTO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DO AGRUPAMENTO Pré-Escolar, 1º, 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico, Cursos de Educação Formação e Cursos EFA Ano letivo 2012/2013 1 I - CARATERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO 1- Contexto sociocultural

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Dezembro 2007 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e objecto 1. O presente regulamento visa definir as normas e

Leia mais

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada FREGUESIA DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS JUNTA DE FREGUESIA Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada A intervenção social visa prestar apoio aos agregados familiares

Leia mais

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA,

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, PROTOCOLO Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL e MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2/7 A aposta na qualificação dos portugueses constitui uma condição essencial

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013/2014

PLANO DE AÇÃO 2013/2014 Plano de Ação 2013/ PLANO DE AÇÃO 2013/ 1 Plano de Ação 2013/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social de Vila Verde Regulamento Interno Regulamento Interno do Concelho Local de Acção Social de Vila Verde Preâmbulo A Rede Social é uma medida activa de política social criada

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3 ÍNDICE: 1. Introdução. 1 2. CONTEXTUALIZAÇÃO - Caracterização do meio 2 - Caracterização do espaço ATL... 2 3. Grupo - Caracterização do grupo. 3 - Caracterização da equipa/horário. 3 4. OBJETIVOS: - Objetivos

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, n.º 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência e funcionamento das Comissões

Leia mais

Plano de Ação 2015. Plano de Ação 2015

Plano de Ação 2015. Plano de Ação 2015 Plano de Ação PLANO DE AÇÃO DOCUMENTO ELABORADO PELO: Núcleo Executivo da Rede Social do Concelho do CONTACTOS: Câmara Municipal do Rede Social do Concelho do Av. Dr. Francisco Sá Carneiro 2550-103 Tel.

Leia mais

Ensino Básico. Regulamento da Competição

Ensino Básico. Regulamento da Competição ESCOLA + Promoção de Eficiência Energética entre Escolas do 1º Ciclo de O Projeto Escola + Ensino Básico Regulamento da Competição Ano Letivo 2014-2015 O Projeto «Escola +» é uma iniciativa da Lisboa E-Nova

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

Centro Social de Amareleja PLANO DE ATIVIDADES

Centro Social de Amareleja PLANO DE ATIVIDADES Centro Social de Amareleja PLANO DE ATIVIDADES Página 1 de 18 Índice Conteúdo Introdução... 3 Missão, Visão e Valores... 4 As respostas sociais... 5 Estrutura Residencial para pessoas idosas... 5 Serviço

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ACÇÕES CONJUNTAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DO SEIXAL NA ÁREA DA INFÂNCIA 2009 Elaborado por: Isabel Rosinha Seixal, 28 de Setembro de 2009 Página 1 de 19

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

Apresentação do Projecto

Apresentação do Projecto Apresentação do Projecto Projecto de intervenção sócio pedagógica de promoção social das crianças, jovens e familiares dos bairros sociais de Ramalde e Campinas Freguesia de Ramalde, Concelho do Porto.

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo tem por objetivo definir a metodologia e os critérios de apoio da Câmara Municipal da Nazaré

Leia mais

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental SUMÁRIO EXECUTIVO Optimização das políticas públicas de apoio ao empreendedorismo e inclusão social: estudando o acesso dos microempreendedores às medidas de promoção do auto-emprego 2 Sumário Executivo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação engloba um conjunto de ações consideradas relevantes para a execução do Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 (PDS) e para o funcionamento da Rede Social de Aveiro,

Leia mais

FREIXO MARCO DE CANAVESES

FREIXO MARCO DE CANAVESES PROJETO EDUCATIVO FREIXO MARCO DE CANAVESES TRIÉNIO 2012-2015 Conteúdo 1. Caracterização da Escola Profissional de Arqueologia... 2 1.1. Origem e meio envolvente... 2 1.2. População escolar... 2 1.3. Oferta

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

PROJETO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS - 2013 - PROJETO DINAMIZADO PELA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE ESPINHO PROJETO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO Espinho, 2 de Maio de 2013 ÍNDICE Página Introdução 3

Leia mais

Rede Social PLANO DE AÇÃO

Rede Social PLANO DE AÇÃO Rede Social PLANO DE AÇÃO 2011 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO 1 Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do PLANO DE ACÇÃO 2011 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de Vila

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012 O que é? Um Plano de Desenvolvimento Social é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do desenvolvimento social local. Tem em vista não só a produção

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares Título: Educação em Números - Portugal 2008 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério

Leia mais

_FICHA TÉCNICA PLANO DE AÇÃO 2015. Título Plano de Ação 2015. Documento elaborado por Núcleo Executivo CLAS da Amadora

_FICHA TÉCNICA PLANO DE AÇÃO 2015. Título Plano de Ação 2015. Documento elaborado por Núcleo Executivo CLAS da Amadora _FICHA TÉCNICA Título Plano de Ação 2015 Documento elaborado por Núcleo Executivo CLAS da Amadora Ana Moreno Coordenadora Ana Costa & Rute Gonçalves & Sónia Pires Técnicas de Apoio António Venâncio & Helena

Leia mais

3. Actividade Pedagógica e Cientifica. 1) Experiência no Ensino Superior Ao Nível do 2º Ciclo do Ensino Superior:

3. Actividade Pedagógica e Cientifica. 1) Experiência no Ensino Superior Ao Nível do 2º Ciclo do Ensino Superior: 1. Informação Biográfica Naturalidade: Coimbra (Sé Nova) Data de Nascimento: 10 de Fevereiro de 1970 Bilhete de Identidade: 8832094 de 12/10/2004 Coimbra Nacionalidade: Portuguesa Estado Civil: casada

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO. FAQ s - Lista de Questões Frequentes

Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO. FAQ s - Lista de Questões Frequentes Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO FAQ s - Lista de Questões Frequentes 1 - Já escolhi o curso superior quero frequentar. Devo ainda assim inscrever-me no Programa

Leia mais

Normas e Critérios de Apoio ao Movimento Associativo Cultural do Concelho 1 - INTRODUÇÃO

Normas e Critérios de Apoio ao Movimento Associativo Cultural do Concelho 1 - INTRODUÇÃO 1 - INTRODUÇÃO O desenvolvimento cultural constitui um dos elementos estruturantes da democratização do país, para o qual o Movimento Associativo Cultural (MAC), de base popular, tem dado um contributo

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto. Instituto de Apoio à Criança Projecto Rua - em Família para Crescer

Ficha de Caracterização de Projecto. Instituto de Apoio à Criança Projecto Rua - em Família para Crescer Ficha de Caracterização de Projecto Instituto de Apoio à Criança Projecto Rua - em Família para Crescer 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto IAC Projecto Rua em Família para Crescer Promotor:

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide. Programa Rede Social.

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide. Programa Rede Social. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide Programa Rede Social Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide (período 2006-2009) Julho de 2006 Projecto co-financiado pelo Fundo

Leia mais

CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL

CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL REGULAMENTO INTERNO CENTRO SOCIAL DA PARÓQUIA DE MIRAGAIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I (Objeto) O Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais