Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006"

Transcrição

1 FORMAÇÃO SUPERIOR EM GEOPROCESSAMENTO: O RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA POSITIVA NO CEFET-PB GRADUATION IN GEOPROCESSING: THE STORY OF A POSITIVE EXPERIENCE AT CEFET-PB RUFINO, I. A. A. 1 ; FALCÃO, E. C. 2 ; PASSOS, I. D. C. F. 3. RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar de forma sucinta algumas das principais características do curso superior de Tecnologia em Geoprocessamento do Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba. Para tanto, é apresentado um breve histórico da implantação do curso, descrevendo desde a análise mercadológica local que resultou na sua escolha como proposta viável, passando pelas reformas curriculares e avaliações que já foram implementadas no decorrer de sua existência. Também são realizadas algumas análises da situação atual e apresentadas como um reconhecimento de que este curso tem sido uma referência no ensino de geotecnologias em nível de graduação na região Nordeste e consequentemente um marco na formação dos profissionais desta área. PALAVRAS CHAVE Ensino de Geotecnologias, Graduação Tecnológica e Formação Profissional em Geoprocessamento. ABSTRACT This work presents a view of the Graduation Course of Technology of Geoprocessing in the Federal Center of Technology Education of Paraiba. For in such a way it presents a brief history of beginning of this course and it describes the local analysis that proved the viability of that initial proposal. It also presents the changes of the course and the frequent evaluations realized along this years. The current situation is presented and there is a concern that this course has been a reference for the teaching of geographic technologies in Northeast Region of Brazil and for the formation of the professionals in this work area. KEYWORDS Teaching of Geographic Technologies, Technologic Graduation and Professional, Formation in Geoprocessing. INTRODUÇÃO: O Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba tem como base de atuação junto à sociedade as atividades de ensino, pesquisa e extensão, que o fazem contribuir de forma efetiva 1 Doutora em Recursos Naturais, Mestre em Arquitetura, Engenheira Civil Mestre em Engenharia Agrícola, Engenheiro Civil. 3 Mestre em Engenharia Elétrica, Analista de Sistemas. Professores do Curso Superior de Tecnologia em Geoprocessamento do Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba. Av. Primeiro de Maio, 720. Jaguaribe. Fone/Fax (83) / CEP: João Pessoa - PB.

2 com a melhoria da qualidade de vida do meio social ao qual se vincula. Atualmente, o CEFET-PB oferece três modalidades de ensino técnico integrado, técnico subseqüente e tecnológico, todos em consonância com a linha programática e princípios doutrinários consagrados na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (BRASIL, 1996). O ensino no nível tecnológico tem se apresentado como uma alternativa importante às pessoas que almejam alcançar uma oportunidade de trabalho, com formação tecnológica condizente com as exigências de um mercado cada vez mais seletivo. Essa prática tem se mostrado evidente na formação profissional no Brasil, que, segundo a política de ensino profissionalizante do Ministério da Educação tem estruturado e estimulado o atendimento à expectativa de uma parte significativa da população. Neste contexto, o tecnológo em geoprocessamento caracteriza-se atualmente, como um profissional com uma formação diferenciada e altamente especializada frente aos profissionais que já atuam no mercado das geotecnologias com formações muitas vezes adaptadas ao mercado de trabalho através de cursos de pós-graduação e de extensão. O Curso Superior de Tecnologia em Geoprocessamento, inserido na área profissional de Geomática, surgiu como mais uma demonstração evidente da plena sintonia que o CEFET-PB tem procurado estabelecer com o mercado, no tempo em que a sua evolução demanda por profissionais formados com competência profissional de referência. Este curso é, portanto, o resultado natural de um processo contínuo de evolução institucional, e, por seu caráter multidisciplinar, atende áreas extremamente carentes, sendo essencial para o progresso e o desenvolvimento de praticamente todos os ramos da atividade humana, nos quais o segmento espacial seja preponderante em seus sistemas de planejamento e de gerenciamento. Sendo assim, a proposta deste artigo é apresentar as bases de criação deste curso, bem como o esforço de um corpo de docentes em mantê-lo constantemente atualizado mediante avaliações e reformulações curriculares, algumas das quais são também apresentadas como partes importantes neste processo de construção de uma formação profissional que seja reconhecida não só localmente mas por toda a comunidade da área de geoprocessamento no país. HISTÓRICO E DESENVOLVIMENTOS INICIAIS: O Curso Superior de Tecnologia em Geoprocessamento foi implantado no ano de 2002 possuindo um aspecto inovador, por refletir uma iniciativa geradora de conhecimento sistemático de geotecnologias, ainda com tímida difusão na região Nordeste do Brasil. A utilização do Geoprocessamento no Estado da Paraíba foi facilmente identificada através da existência de órgãos públicos e empresas públicas e privadas que produziam e/ou demandavam produtos e serviços na área, como secretarias de estado, prefeituras municipais, concessionárias de água, energia, telefone, transportes, etc. Esta evidência pôde ser constatada a partir da realização de consultas a estes órgãos e empresas, na forma de pesquisa de mercado, desenvolvida em duas fases, com início a partir de agosto de 1999.

3 Para a efetivação da proposta inicial de criação de um curso na área de Geomática, o CEFET-PB promoveu um evento que congregou a sua administração, seus professores e representantes de empresas e instituições que atuavam no Estado da Paraíba e na região Nordeste, inseridos potencialmente no desenvolvimento de atividades na área de Geomática, formalizando a primeira fase da pesquisa. Para a segunda fase da pesquisa, foram elaborados questionários, aplicados como instrumentos de pesquisa junto a profissionais e empresas ou instituições. Através destes questionários observou-se que várias empresas dos setores público e privado, que exerciam atividades de planejamento ou de prestação de serviços, declararam o desempenho de algumas de suas funções utilizando o Geoprocessamento, como a utilização de Sistemas de Informação Geográfica, mapas, cartas, estatísticas espaciais, dentre outros. Em um estágio seguinte, a pesquisa propôs verificar o perfil do profissional especializado e sua área de atuação que atendia à demanda do mercado de Geoprocessamento, no Estado da Paraíba, na época da execução da pesquisa. Esses profissionais trabalhavam em empresas públicas ou em empresas privadas com área de abrangência municipal, estadual e regional. Dos profissionais consultados, 90,9% não detinham formação específica para o desempenho de suas atividades de Geoprocessamento, o que os tornavam candidatos potenciais a freqüentar um curso nesta área. Esta verificação é ratificada pela própria manifestação desses profissionais entrevistados, segundo a qual 93,55% deles intencionaram fazer um curso de Geoprocessamento, seja em nível de extensão, graduação ou especialização (CEFET-PB, 2001). Sobre este aspecto do perfil profissional na área de Geomática, MEDEIROS (2001) afirma que eles precisam ter conhecimentos ligados aos aspectos tecnológicos de manuseio de dados georeferenciados e dos processos que os manipulam, a partir de sua formação continuada. Dessa forma, estes profissionais devem apresentar predisposição para a reciclagem e atualização permanente, adaptandose às mudanças da tecnologia e, conseqüentemente, do mercado, sendo também essencial que o profissional de geotecnologias tenha habilidade de trabalhar em grupo, em uma equipe multidisciplinar. Este autor enfatiza que o perfil adequado de um profissional da área de Geomática deve privilegiar, além de outros aspectos, uma sólida base teórica em geotecnologia e que esta formação tenha um forte componente de sistemas de informação, projeto e construção de banco de dados, gerenciamento de redes, etc. Em todas as empresas/instituições pesquisadas, observou-se o estabelecimento de infra-estrutura necessária ao desenvolvimento das atividades de geoprocessamento e, para tanto, recorreu-se, na maioria das vezes, a treinamentos e consultorias de empresas privadas do sul e sudeste do país, especializadas no assunto, o que só comprovou uma demanda local por uma formação nesta área.

4 ESTRUTURA ATUAL DO CURSO: O Curso Superior de Tecnologia em Geoprocessamento apresenta em sua estrutura organizacional atual um conjunto de disciplinas que contemplam os aspectos inerentes às bases necessárias à formação do tecnólogo, em seu contexto pleno. Assim, esta organização é dividida em disciplinas que formam as bases científica (Português Instrumental, Inglês Técnico, Geografia, Sociologia, Economia, Física Aplicada, Cálculo, Álgebra, Estatística e Ajustamento de Observações), instrumental (Lógica de Programação e Algoritmos, Linguagem de Programação, Desenho Auxiliado por Computador, Desenho Técnico, Fundamentos de Gestão, Formação de Empreendedores, Metodologia da Pesquisa Científica, Banco de Dados, Gestão Ambiental, Planejamento Físico-Territorial) e tecnológica (Introdução ao Geoprocessamento, Topografia, Automação Topográfica, Cartografia, Fotogrametria, Sensoriamento Remoto, Tratamento Digital de Imagens, Posicionamento por Satélites, Sistemas de Informações Geográficas, Banco de Dados Geográficos, Cadastro Técnico, SIG Livre, Interpolação Espacial, Aplicações do Geoprocessamento, Disponibilização de Dados Geográficos na Internet). A matriz curricular do curso contempla a disciplina Trabalho de Conclusão de Curso TCC, no âmbito da qual é estabelecido um cronograma de atividades compatível com o semestre letivo, proporcionando incentivo a alunos e professores a uma maior interação com a comunidade (intercâmbio - empresas, órgãos, instituições) ao passo que trabalhos desenvolvidos nestes órgãos se transformam em monografias ou vice-versa. Ao término do cumprimento dos créditos exigidos no curso, o aluno apresenta este trabalho de conclusão, no formato de monografia, e é avaliado por uma banca examinadora que pode ser composta, inclusive, por professores de outras instituições. É importante frizar que o curso superior de Tecnologia em Geoprocessamento apresenta, desde o seu projeto inicial, a denominação que é exigida para um dos cursos da área profissional de Geomática, exigência estabelecida nos termos de portaria expedida pelo Ministério da Educação, em maio de 2006 (MEC/SETEC, 2006). REFORMULAÇÕES CURRICULARES: O conjunto de disciplinas que compõe a matriz do curso de Geoprocessamento atual, é diferente daquele que deu origem ao curso, no ano de 2002, pois passou por alteração promovida a partir de observação contínua das atividades do curso, do depoimento de seus corpos docente e discente, da sintonia com o mercado de trabalho e das possibilidades legais, já que os critérios estabelecidos pela legislação que se reporta aos cursos superiores de tecnologia dos Centros Federais de Educação Tecnológica prevêem a possibilidade de revisão periódica e alterações nos conteúdos programáticos dos cursos de tecnologia, visando ao acompanhamento da evolução científica e tecnológica e, em conseqüência, do mercado de trabalho (BRASIL, 2002). Com base nessas prerrogativas, a comissão responsável pelo acompanhamento do curso desenvolveu um projeto de reformulação da organização curricular do referido curso, que foi implementada a partir do corrente

5 ano (CEFET-PB, 2006). Saliente-se que a articulação de disciplinas que compreenderam esta reformulação foi tomada de forma a privilegiar a interdisciplinaridade e a contextualização, firmada nas bases já descritas. É importante considerar alguns aspectos da reformulação realizada, como a adequação de conteúdos formativos a algumas exigências impostas pelo mercado de trabalho, como a inserção da disciplina Ajustamento de Observações em atendimento aos termos da Lei /01 (BRASIL, 2001), que trata da regularização de propriedades rurais junto ao INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária e que exige a participação de profissionais habilitados para assumir a responsabilidade técnica dos serviços de determinação das coordenadas dos vértices definidores dos limites dos imóveis rurais para efeito do Cadastro Nacional de Imóveis Rurais CNIR. Outros ajustes de grande impacto no perfil de formação do aluno referem-se à criação e disponibilização das disciplinas Linguagem de Programação, Sistemas de Informações Geográficas Livres (SIG Livre) e Interpolação Espacial, procurando habilitar o aluno em áreas ainda não contempladas pelo curso anteriormente. CONCLUSÕES: O Curso Superior de Tecnologia em Geoprocessamento tem possibilitado a disseminação de Geotecnologias, a partir da participação efetiva de tecnólogos e estagiários nas atividades desenvolvidas por empresas privadas e órgãos públicos, como INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), SUDEMA (Superintendência de Desenvolvimento do Meio Ambiente da Paraíba), AESA (Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba), CAGEPA (Companhia de Água e Esgotos da Paraíba), ASPLAN (Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba), Prefeituras Municipais e outros. Os alunos do curso têm participação ativa nos projetos institucionais de pesquisa e extensão do CEFET/PB, em cujos contextos, o gerenciamento de dados espaciais é considerado importante. Nos últimos anos alguns trabalhos de conclusão de curso tem sido publicados em forma de artigos com merecido destaque em eventos nacionais e internacionais demonstrando o nível acadêmico alcançado. Com a abrangência dos conteúdos formativos do geotecnólogo, considerando, inclusive, a dimensão empreendedora, a demanda de serviços técnicos especializados na área de Geomática pode ser atendida por profissionais com capacitação de referência. Além disso, o perfil de formação profissional do tecnólogo, a infra-estrutura e a denominação do curso são condizentes com as exigências preconizadas nos termos do catálogo nacional de cursos de tecnologia. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

6 BRASIL (1996). LDBEN Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei no de 20 de dezembro de Brasília, Ministério da Educação. BRASIL (2001). Lei no /01 de 28 de agosto de Trata da Regularização de Propriedades Rurais e dá outras providências. BRASIL (2002), Resolução CNE/CP 3, de 18 de dezembro de Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno.. CEFET/PB (2001). Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba. Projeto do Curso Superior de Graduação em Geoprocessamento. João Pessoa, setembro de CEFET/PB (2006). Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba. Projeto de Reformulação da Organização Curricular do Curso Superior de Graduação em Geoprocessamento. João Pessoa, março de MEC/SETEC (2006). Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Brasília, julho de MEDEIROS, C.B (2001). Qual o perfil do profissional de Geo que o mercado necessita? In: Revista InfoGeo, Ano 3, Nº19, maio/junho Curitiba: Editora Espaço GEO.

ENSINO MÉDIO excelência UNICAMP, preparando também para o Vestibular!

ENSINO MÉDIO excelência UNICAMP, preparando também para o Vestibular! ENSINO MÉDIO excelência UNICAMP, preparando também para o Vestibular! 1º lugar no ENEM nos últimos 10 anos em Limeira O nosso curso atende os Parâmetros Curriculares Nacionais: busca dar significado ao

Leia mais

EDITAL Nº 028 DE 11 DE JUNHO DE 2013. Processo de Seleção para Pós-Graduação Lato Sensu em Geoprocessamento Ambiental

EDITAL Nº 028 DE 11 DE JUNHO DE 2013. Processo de Seleção para Pós-Graduação Lato Sensu em Geoprocessamento Ambiental INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CÂMPUS COLORADO DO OESTE EDITAL Nº 028 DE 11 DE JUNHO DE 2013 Processo de Seleção para Pós-Graduação Lato Sensu em Geoprocessamento Ambiental

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Ambiental da IES tem por missão a graduação de Engenheiros Ambientais

Leia mais

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO Res. CONSUN nº 49/03, 10/12/03 Art. 1 o O presente documento objetiva fornecer as orientações

Leia mais

Projeto BRA 04/033 Coordenação do Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM TERMO DE REFERÊNCIA

Projeto BRA 04/033 Coordenação do Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA 04/033 Coordenação do Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM TERMO DE REFERÊNCIA Contrato por Produto Nacional 1. Função no Projeto:

Leia mais

RESOLUÇÃO 26 /2016 RESOLVE. Art. 1 - Aprovar o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização, denominado Gestão em Segurança Pública.

RESOLUÇÃO 26 /2016 RESOLVE. Art. 1 - Aprovar o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização, denominado Gestão em Segurança Pública. RESOLUÇÃO 26 /2016 Aprova o Curso de Pós-graduação Lato Sensu, na modalidade de Especialização, com a denominação de Curso de Especialização em Gestão em Segurança Pública O COLEGIADO ACADÊMICO DA FACULDADE

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 3 ANEXO 5 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1.1 Disposições Preliminares Artigo 1 o - As atividades de Estágio Supervisionado que integram a Matriz Curricular do Curso de Administração, da Faculdade

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS 1) Perfil do curso: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS O curso de Engenharia Civil da PUC Minas, campus de Poços de Caldas, tem como objetivo principal formar um profissional

Leia mais

Esfera: 10 Função: 20 - Agricultura Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 22101 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Esfera: 10 Função: 20 - Agricultura Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 22101 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Programa 0360 Gestão da Política Agropecuária Numero de Ações 11 Ações Orçamentárias 10HD Implantação do Projeto de Melhoria da Infra-estrutura da Sede do MAPA Produto: Projeto implantado Unidade de Medida:

Leia mais

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO ESTÁGIO REGULAMENTO Recife/PE 2010 2 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS DO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1.º O presente regulamento visa cumprir a Política de estágios da Escola Superior de Marketing-ESM

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

Anexo II. Perfil do egresso

Anexo II. Perfil do egresso Anexo II Dimensão 2 - A política para o ENSINO, a pesquisa, a pós- graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os Perfil do egresso A UNEMAT se organiza e planeja para

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE 2013 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Relações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Aprovação das Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 20/12/2004, seção 1, pág.29. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 88-GR/UNICENTRO, DE 12 DE MAIO DE 2014. Especifica a estrutura curricular do Curso de Especialização em Educação e Formação Empreendedora, modalidade de educação a distância, aprovado pela

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA 2015.2

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA 2015.2 EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA 2015.2 A Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Comunitária da Universidade Salvador UNIFACS torna público e convoca

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05 As perguntas abaixo foram compiladas após a série de treinamentos sobre a Resolução nº 1.010, de 2005, ministrados pelo Confea aos Creas durante o primeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Turismo da Universidade Estadual do Centro- Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015 (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação

Leia mais

PROTOCOLO DE COMPROMISSO

PROTOCOLO DE COMPROMISSO PROTOCOLO DE COMPROMISSO PROTOCOLO DE COMPROMISSO QUE A FACULDADE CASA DO ESTUDANTE - FACE, MANTIDA PELA SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DE ARACRUZ LTDA E REPRESENTADA PELO DIRETOR ANTÔNIO EUGÊNIO CUNHA APRESENTA

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Processo Seletivo 2013 CURSOS TÉCNICOS PRESENCIAIS 2 SEMESTRE

MANUAL DO CANDIDATO. Processo Seletivo 2013 CURSOS TÉCNICOS PRESENCIAIS 2 SEMESTRE MANUAL DO CANDIDATO Processo Seletivo 2013 CURSOS TÉCNICOS PRESENCIAIS 2 SEMESTRE APRESENTAÇÃO Neste Manual, desenvolvido pela Comissão de Processo Seletivo (COPESE) do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO Programa de Fortalecimento da Gestão do Setor Público e do Desenvolvimento Territorial Integrado Rio Metrópole PROGESTÃO II - Contrato de Empréstimo 8327- BR TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR

Leia mais

CONSIDERANDO as Resoluções CNE/CES nº 14, de 13 de março de 2002, que estabelece as Diretrizes Curriculares para os cursos de Geografia;

CONSIDERANDO as Resoluções CNE/CES nº 14, de 13 de março de 2002, que estabelece as Diretrizes Curriculares para os cursos de Geografia; Resolução CONSEPE nº 555/2012. Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97 Cria o Curso de Geografia Licenciatura e estabelece a matriz curricular correspondente, para oferta

Leia mais

Nesta 2º Circular divulgamos as seguintes informações

Nesta 2º Circular divulgamos as seguintes informações 2ª Circular Nesta 2º Circular divulgamos as seguintes informações 1. Prazos e Normatizações dos EDP s (Espaços de Diálogos e Práticas) 2. Prazos e Normatizações das Oficinas e Mini-Cursos 3. Valores de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 009/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: DESENV. TECNOLÓGICO O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Belo Horizonte 01/2013 Página 1 de 13 PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO Ementa Atividades supervisionadas na área de atuação

Leia mais

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL*

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* BOLFE, É. L. 1 I. INTRODUÇÃO A necessidade de conhecer os modelos atuais de uso da terra e as modificações

Leia mais

ANEXO I RESOLUÇÃO Nº 13, DE 23 DE MAIO DE 2014. REQUERIMENTO. RSC I RSC II RSC III Data de ingresso no Ifes: Nº de documentos de comprovação:

ANEXO I RESOLUÇÃO Nº 13, DE 23 DE MAIO DE 2014. REQUERIMENTO. RSC I RSC II RSC III Data de ingresso no Ifes: Nº de documentos de comprovação: ANEXO I RESOLUÇÃO Nº 13, DE 23 DE MAIO DE 2014. REQUERIMENTO Nome do Servidor: SIAPE: Lotação: Email: Telefone: Graduação: Titulação: Nível de RSC pretendido (marque com x o perfil pretendido) RSC I RSC

Leia mais

I SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA I JORNADA CIENTÍFICA E VI FIPA DO CEFET BAMBUÍ REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS

I SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA I JORNADA CIENTÍFICA E VI FIPA DO CEFET BAMBUÍ REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS I SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA I JORNADA CIENTÍFICA E VI FIPA DO CEFET BAMBUÍ REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS 1. DOS OBJETIVOS, CONCEITO E ORGANIZAÇÃO DO EVENTO 1.1 Este regulamento geral tem

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Outubro de 2008 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento Social formaliza e orienta o compromisso da PUCRS com o desenvolvimento social. Coerente com os valores e princípios

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2014 São Luis de Montes Belos Goiás Faculdade Montes Belos Curso de Engenharia Agronômica São Luis de Montes Belos - Goiás COORDENADOR

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.989, DE 10 DE JUNHO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.989, DE 10 DE JUNHO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.989, DE 10 DE JUNHO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02 Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia Manual de Estágios Currículo 2009.02 Belo Horizonte Dezembro de 2009 1 FICHA TÉCNICA CORPO ADMINISTRATIVO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Presidente

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CATÁLOGO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CATÁLOGO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Nome da Mantida: Centro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ABERTA DO PIAUÍ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ABERTA DO PIAUÍ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ABERTA DO PIAUÍ Centro de Educação Aberta e a Distância CEAD Coordenação do curso de Administração / EaD Rua Olavo Bilac, 1148 Centro Sul

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com ênfase em Empreendedorismo

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com ênfase em Empreendedorismo Pós-Graduação em Gestão de Negócios com ênfase em Empreendedorismo Turma Especial ESPM/ABF-Rio Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 15.698,00

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Extensão PROGRAMA DE EXTENSÃO

Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Extensão PROGRAMA DE EXTENSÃO Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Extensão PROGRAMA DE EXTENSÃO EDITAL 01/2010 O Pró-reitor de Pesquisa, Extensão,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br]

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Componentes de um SIG Exemplos de aplicações Conceitos Geoprocessamento

Leia mais

Revista da Ciência da Administração versão eletrônica v.3,jan.-jul. 2010 1

Revista da Ciência da Administração versão eletrônica v.3,jan.-jul. 2010 1 v. 3 jan - jul. 2010 ISSN 1982-2065 ESCOLA DE GOVERNO: PERNAMBUCO CONTRIBUÍNDO PARA O NOVO MODELO DE GESTÃO PÚBLICA Marilene Cordeiro Barbosa Borges* Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco

Leia mais

Formulário de Verificação in loco das condições institucionais

Formulário de Verificação in loco das condições institucionais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SESU/MEC Formulário de Verificação in loco das condições institucionais (Para uso dos Consultores ad hoc da SESU/MEC ) Credenciamento de Instituições

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL OBRIGATÓRIO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL OBRIGATÓRIO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL OBRIGATÓRIO COORDENNAÇAO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Profª Msc Liana Maria Ibiapina do Monte SUMÁRIO APRESENTAÇÃO CARACTERIZAÇÃO TERMINOLOGIA

Leia mais

ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS APRESENTAÇÃO DO CURSO Caracterização geral do Curso de Ciências Econômicas da Unemat: Denominação

Leia mais

Tabela para classificação de ações de extensão

Tabela para classificação de ações de extensão Tabela para classificação de ações de extensão Linha de Extensão 1. Alfabetização, leitura e escrita Formas mais freqüentes de operacionalização Alfabetização e letramento de crianças, jovens e adultos;

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE EXTENSÃO

RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE EXTENSÃO RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE EXTENSÃO 1. Identificação e caracterização Título do Projeto Nome do Prof(s) Coordenador(es) do Projeto Centro Laboratório Período Início Término Término previsto

Leia mais

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 07/04 Define o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelece diretrizes e normas para seu funcionamento.

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2013.2

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2013.2 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2013.2 ADMINISTRAÇÃO Formar administradores estrategistas, comprometidos com o desenvolvimento da sociedade. A UNIFEBE, através

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior UF: DF ASSUNTO: Reexame do Parecer CNE/CES nº 162/2010,

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Administração Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto Endereço de Funcionamento do Curso: Rua Yvette Gabriel Atique, 45

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU agosto / 2010 1 REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Sumário TÍTULO I - DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

7- Atividades Complementares (CH60)

7- Atividades Complementares (CH60) 7- Atividades Complementares (CH60) As atividades complementares no curso de Fisioterapia estão dispostas na nova matriz curricular para os ingressantes a partir do ano de 2008. Visando a garantir a flexibilidade

Leia mais

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO Edital de oferta de vagas para o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Gestão Social: Políticas Públicas, Redes e Defesa de Direitos, na modalidade a distância. A Reitora da Universidade Anhanguera-Uniderp,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB. Presidente da FUNETEC-PB João Batista de Oliveira Silva. Superintendente Executivo Valdeci Ramos dos Santos

ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB. Presidente da FUNETEC-PB João Batista de Oliveira Silva. Superintendente Executivo Valdeci Ramos dos Santos ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB Presidente da FUNETEC-PB João Batista de Oliveira Silva Superintendente Executivo Valdeci Ramos dos Santos Diretora Escolar e Gerente de Ensino Helena Mercedes Monteiro Supervisora

Leia mais

DIRETRIZES DE FORMAÇÃO DE PSICOPEDAGOGOS NO BRASIL

DIRETRIZES DE FORMAÇÃO DE PSICOPEDAGOGOS NO BRASIL DIRETRIZES DE FORMAÇÃO DE PSICOPEDAGOGOS NO BRASIL A Psicopedagogia é a área de conhecimento, atuação e pesquisa que lida com o processo de aprendizagem humana, visando o apoio aos indivíduos e aos grupos

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Administração Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto Endereço de Funcionamento do Curso: Rua Yvette

Leia mais

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DA POLÍTICA DE GRADUAÇÃO 1. Estímulo e apoio ao desenvolvimento dos projetos pedagógicos

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE FLORIANOPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE FLORIANOPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE FLORIANOPOLIS CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 39 de 13 de janeiro de 2012, publicada no DOU em 16 de janeiro de 2012. Diretor da Faculdade: Ivanir Salete Bazzei

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FOTOGRAMETRIA TERRESTRE PARA MODELAGEM 3D DE IMÓVEIS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA - PB.

UTILIZAÇÃO DE FOTOGRAMETRIA TERRESTRE PARA MODELAGEM 3D DE IMÓVEIS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA - PB. p. 001-006 UTILIZAÇÃO DE FOTOGRAMETRIA TERRESTRE PARA MODELAGEM 3D DE IMÓVEIS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA - PB. AYOBAMI IWA ZENABU BADIRU ANNA RAQUEL DIONÍSIO RAMOS LUCIANNY ROBERTA DAMASCENA DOS SANTOS GLAUCIENE

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV

COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV ACORDO FIRMADO COM O BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

3. EIXOS DE DESENVOLVIMENTO (*):

3. EIXOS DE DESENVOLVIMENTO (*): PAC UFSCar 2016 1.INTRODUÇÃO A Política de Capacitação da UFSCar estabelece as diretrizes para capacitação de servidores com vistas ao desenvolvimento de um processo de educação continuada e permanente

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.061, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.061, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E ETENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.061, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. CÓD. 1551 Tarde/Noite - Currículo nº 03 CÓD. 3655 Manhã - Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. CÓD. 1551 Tarde/Noite - Currículo nº 03 CÓD. 3655 Manhã - Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR Aprovado no CONGRAD de 26.08.14 Vigência: ingressos a partir de 2015/1 CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CÓD. 1551 Tarde/Noite - Currículo nº 03 CÓD. 3655 Manhã - Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR CÓD. DISCIPLINAS

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA AGRONÔMICA (TCC EA)

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA AGRONÔMICA (TCC EA) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA AGRONÔMICA (TCC EA) I. DEFINIÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares do Ministério da Educação, todo aluno do Curso de Engenharia Agronômica deverá, obrigatoriamente,

Leia mais

em parceria com Pós-Graduação Gestão de Negócios Imobiliários MANUAL DO CANDIDATO ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen

em parceria com Pós-Graduação Gestão de Negócios Imobiliários MANUAL DO CANDIDATO ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen em parceria com Pós-Graduação Gestão de Negócios Imobiliários MANUAL DO CANDIDATO ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo/SP Informações: Central de Candidatos:

Leia mais

L E I Nº 6.816, DE 25 DE JANEIRO DE 2006.

L E I Nº 6.816, DE 25 DE JANEIRO DE 2006. L E I Nº 6.816, DE 25 DE JANEIRO DE 2006. Dispõe sobre a reestruturação organizacional da Secretaria Executiva de Estado de Obras Públicas - SEOP e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CATÁLOGO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CATÁLOGO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Arquitetura e Urbanismo Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto Endereço de Funcionamento do Curso: Av. Jornalista

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para apoiar as ações do Programa Nacional de Crédito Fundiário

Leia mais

1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia. Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias?

1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia. Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias? 1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia O Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias? 18 a 20 de maio de 2012 Universidade Federal de Rio Grande FURG Rio Grande

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento da Faculdade Católica do Tocantins (Facto), mantida

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 57/2009/CONEPE Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação

Leia mais

N 2666, de 19.12.05 - Dispõe sobre normas para criação e funcionamento de cursos, programas, disciplinas e atividades ofertadas na modalidade de

N 2666, de 19.12.05 - Dispõe sobre normas para criação e funcionamento de cursos, programas, disciplinas e atividades ofertadas na modalidade de N 2666, de 19.12.05 - Dispõe sobre normas para criação e funcionamento de cursos, programas, disciplinas e atividades ofertadas na modalidade de educação à distância. CAPÍTULO I DA BASE LEGAL PARA FUNCIONAMENTO

Leia mais

Seminário Abmes 3/agosto/2010 Referenciais curriculares nacionais dos cursos de bacharelado e licenciatura

Seminário Abmes 3/agosto/2010 Referenciais curriculares nacionais dos cursos de bacharelado e licenciatura Seminário Abmes 3/agosto/2010 Referenciais curriculares nacionais dos cursos de bacharelado e licenciatura Celso da Costa Frauches celso@ilape.edu.br Consultor educacional da Abmes e consultor sênior do

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 016/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ALTO IMPACTO O Projeto BRA/06/032 comunica que

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE 2015/1 EDITAL PARA SELEÇÃO DOCENTE PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE MURIALDO - PRORROGADO Nº.

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE 2015/1 EDITAL PARA SELEÇÃO DOCENTE PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE MURIALDO - PRORROGADO Nº. EDITAL PARA SELEÇÃO DOCENTE PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE MURIALDO - PRORROGADO Nº. 1/2015 A FACULDADE MURIALDO, localizada em Caxias do Sul, torna pública a abertura do processo seletivo de

Leia mais

Área das Engenharias

Área das Engenharias Engenharia de Alimentos Área das Engenharias Unidade: Escola Agronomia e Engenharia Alimentos - (EAEA) www.agro.ufg.br Duração: 10 semestres O Engenheiro de Alimentos é, atualmente, um dos profissionais

Leia mais

Fanor - Faculdade Nordeste

Fanor - Faculdade Nordeste Norma 025: Projeto de Avaliação Institucional Capítulo I Disposições Gerais A avaliação institucional preocupa-se, fundamentalmente, com o julgamento dos aspectos que envolvem a realidade interna e externa

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CORAÇÃO EUCARÍSTICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CORAÇÃO EUCARÍSTICO 01 PERFIL DO CURSO: O curso de Ciências Econômicas, reconhecido pelo Decreto nº 67.055, de 14 de agosto de 1970, leva em consideração

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 28-CEPE/UNICENTRO, DE 3 DE AGOSTO DE 2015. Aprova alterações na Matriz Curricular do Curso de Mestrado Profissional em Administração, da UNICENTRO e dá outras providências. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL Nº 02/2015. Seleção Pública para Tutor. - UAEADTec UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO A UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO abre

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CAÇADOR

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CAÇADOR FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CAÇADOR CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 7 de 14 de janeiro de 2009, publicada no DOU em 26 de janeiro de 2009. Diretor da Faculdade: Fabiano Battisti Archer Coordenador

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 39/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 22/04/2013 I - RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 39/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 22/04/2013 I - RELATÓRIO: INTERESSADA: ESCOLA POLITÉCNICA DE PERNAMBUCO - POLI / UPE ASSUNTO: RENOVAÇÃO DE RECONHECIMENTO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO RELATORA: CONSELHEIRA NELLY MEDEIROS DE CARVALHO

Leia mais

MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações

MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Candidatos: (11) 5081-8200 (opção1) Segunda a sexta 9h às 21h Sábado 9h às 13h candidato@espm.br www.espm.br

Leia mais