O DIREITO AO MEIO AMBIENTE COMO DIREITO HUMANO FUNDAMENTAL Cristiano Vilela de Pinho 1 Wilton Luis da Silva Gomes 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DIREITO AO MEIO AMBIENTE COMO DIREITO HUMANO FUNDAMENTAL Cristiano Vilela de Pinho 1 Wilton Luis da Silva Gomes 2"

Transcrição

1 O DIREITO AO MEIO AMBIENTE COMO DIREITO HUMANO FUNDAMENTAL Cristiano Vilela de Pinho 1 Wilton Luis da Silva Gomes 2 RESUMO O direito ao meio ambiente deve ser compreendido como um direito fundamental. Sustentamos no presente trabalho, que a importância do direito a um meio ambiente saudável é base material à vida humana, haja vista que, sem um meio ambiente saudável, pleno em condições de subsistência, não existe como se desenvolver as demais garantias e direitos. Palavras Chave: Direito ao Meio Ambeinte, Estado, Soberania, Direitos Fundamentais. RESUMEN El derecho a la proteccion ambiental debe ser entendido como un derecho fundamental. Hemos sostenido en el presente trabajo que la protección a un ambiente sano constituye la base material de la vida humana. Sin un ambiente sano, no hay como desarrollar las demás garantizas y derechos fundamentales. Palabras Llave: Derecho a la protección Ambiental, Estado, Soberania, Derechos Fundamentales. Introdução O presente artigo objetiva tratar do direito ao meio ambiente como elemento considerado dentro do rol dos direitos humanos. 1 Advogado e Consultor Jurídico. É Graduado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo USP. É aluno regular do curso de Doutorado em Direito Constitucional pela Universidade de Buenos Aires UBA. É autor de diversos livros e artigos na área do Direito Público. 2 Advogado e Consultor Jurídico. É Graduado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo- USP. É Mestre e Doutor em Direito de Estado pela mesma Universidade. Foi Consultor da Unesco em matéria de Direito Público, É autor de diversos livros e artigos na área do Direito Público.

2 Buscamos iniciar o nosso trabalho com uma análise histórica do momento de consolidação dos direitos humanos como instrumento institucional e universal, com os elementos que o deram origem e sua instrumentalização a partir da Declaração Universal dos Direitos Humanos, em Neste sentido, promovemos uma breve análise acerca dos conceitos de Estado e de soberania, e analisamos de que forma esse processo de internacionalização dos direitos humanos contribuiu para o surgimento de uma noção mais flexível de soberania. Em seguida, buscamos contextualizar o direito ao meio ambiente no rol dos direitos humanos, por meio de revisão bibliográfica e analisar os instrumentos de efetivação de tais direitos no âmbito internacional, em especial através da Conferência de Estocolmo, de 1972 e da Conferência do Rio de Janeiro de Posteriormente, nos detemos com relação à análise da inserção da temática do direito ambiental na Constituição Federal brasileira de 1988, destacando o caráter pioneiro desta iniciativa, em relação às Cartas anteriores. Por fim, apresentamos nossas conclusões, ao passo que buscamos destacar que a relevância do tema está no porvir, isto é, o alcance de novas conquistas universais no âmbito do direito ao meio ambiente e, de forma mais ampla, no âmbito dos direitos humanos. 1. A Consolidação Internacional dos Direitos Humanos A estruturação dos direitos humanos enquanto instrumento universal, de aceitação ampla e institucionalizada é fenômeno recente, da metade do século XX, fruto do pós-guerra, que tem como marco inicial a Declaração Universal dos Direitos Humanos de CRETELLA NETO. Curso de Direito Internacional do Meio Ambiente. São Paulo: Saraiva, p. 670.

3 Não parece acertado, entretanto, se falar em criação dos direitos humanos com esse advento 4. Bobbio sustenta que os direitos do homem são direitos históricos, nascidos em certas circunstâncias, caracterizadas por lutas em defesa de novas liberdades contra velhos poderes, e nascidos de modo gradual, não todos de uma vez e nem de uma vez por todas 5. Para Hannah Arendt, os direitos humanos não são um dado, mas um construído, uma invenção humana em constante processo de construção e reconstrução 6. Flavia Piovesan defende a historicidade dos direitos humanos e sustenta que, para se atingir a internacionalização dos direitos humanos, foi necessário redefinir o âmbito e o alcance do conceito de soberania estatal e, além disso, redefinir o status do indivíduo no cenário internacional, de forma a que este se tornasse efetivamente sujeito de Direito Internacional. Além disso, sustenta que o processo de internacionalização dos direitos humanos teve como precedentes históricos, primeiramente o Direito Humanitário e, em seguida, a Liga das Nações e a Organização Internacional do Trabalho 7. O Direito Humanitário define as regras a serem aplicadas durante os conflitos armados, internacionais ou não, com o objetivo de proteger os direitos dos não combatentes, civis e militares e de restringir os direitos dos combatentes, através da limitação dos métodos e meios de guerra 8. 4 El hombre siempre ha luchado por el reconocimiento de sus diversos derechos y el hecho de que en ciertos momentos no haya reclamado algunos (como por ejemplo, el derecho al goce de un ambiente sano y equilibrado), no significa que estos no existieron, dado que se trata de derechos inherentes a la personalidad humana. Para tomar conciência de la necessidade de reconocer ciertos derechos se requieren determinadas condiciones. In FLORES, Maria Victoria Pereira. El derecho al goce de un ambiente adecuado em el marco constitucional de Argentina y Uruguay." Acedido de em 15 de maio de Biblioteca Jurídica Virtual do Instituto de Investigações Jurídicas da UNAM (Universidad Nacional Autónoma de México). p BOBBIO, Norberto. A Era dos Direitos. Rio de Janeiro: Campus, p ARENDT, Hannah. As origens do totalitarismo. Rio de Janeiro, Apud PIOVESAN, Flavia. Direitos Humanos e Justiça Internacional: Um estudo comparativo dos sistemas regionais europeu, interamericano e africano. 2. ed. São Paulo: Saraiva, p PIOVESAN, Flavia. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional. 13. ed. São Paulo: Saraiva, p DEYRA, Michel. Direito Internacional Humanitário. Ed. Comissão Nacional para as Comemorações do 50º aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Homem e Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de direitos humanos: Lisboa, p.14.

4 Existem atualmente pelo menos trinta textos internacionais nessa matéria, entre eles, as quinze convenções de Haia de 1899 e de 1907, o Protocolo de Genebra de 17 de junho de 1925, a Convenção das Nações Unidas de 10 de abril de 1981, o Tratado de Paris de 15 de janeiro de 1993, a Convenção de Ottawa de 3 de dezembro de 1997, entre diversos outros 9. A Liga das Nações foi um organismo criado após a Primeira Grande Guerra no sentido de desenvolver a cooperação entre as nações, promover a paz e a segurança internacional. Sua Convenção estabelecia sanções de natureza econômica e militar a serem impostas pela comunidade internacional, contra aqueles Estados que violassem suas disposições. Teve papel destacado, à medida que iniciou o processo de redefinição da noção de soberania absoluta do Estado, que passava a incorporar em seu conceito compromissos e obrigações de alcance internacional 10. Como uma organização multilateral pioneira, ensejou um novo cenário dentro do âmbito das relações diplomáticas internacionais, vez que diferentemente de uma diplomacia bilateral ou de conferências esporádicas, demonstrou a necessidade uma forma de se relacionar mais transparente e com um ganho de comprometimento muito maior em relação àquela coletividade 11. A Liga das Nações teve um papel de grande relevância no período entreguerras, fornecendo subsídios valiosos que posteriormente levaram à criação da Organização das Nações Unidas 12. A Organização Internacional do Trabalho, por seu turno, foi criada ao final da Primeira Guerra, com a pretensão de alinhar padrões internacionais dignos de condições de trabalho e bem-estar dos trabalhadores. Para Nicolau Valticos: 9 Ibidem. p PIOVESAN, Flavia. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional. 13. ed. São Paulo: Saraiva, p RODRIGUES, Daniel Lago; MIALHE, Jorge Luis. A participação e retirada do Brasil da Liga das Nações. p. 02. Acedido em 04 de maio de 2013 de https://www.metodista.br/revistas/revistasunimep/index.php/direito/article/download/699/ RODRIGUES, Daniel Lago; MIALHE, Jorge Luis. A participação e retirada do Brasil da Liga das Nações. p. 02. Acedido em 04 de maio de 2013 de: https://www.metodista.br/revistas/revistasunimep/index.php/direito/article/download/699/258. p. 02.

5 A primeira Guerra Mundial produziu modificações na posição e no peso da classe trabalhadora das potências aliadas. A trégua social e cooperação que se estabeleceu na Europa ocidental entre os dirigentes sindicais e os governantes, os grandes sacrifícios suportados especialmente pelos trabalhadores e o papel que desempenharam no desenlace do conflito, as promessas dos homens políticos de um mundo novo, a pressão das organizações obreiras para fazer com que o Tratado de Versalhes consagrasse as suas aspirações de uma vida melhor, as preocupações suscitadas pela agitação social e as situações revolucionárias existentes em vários países, a influência exercida pela Revolução Russa de 1917, foram fatores que deram um peso especial às reivindicações do mundo do trabalho no momento das negociações do tratado de paz. Estas reivindicações expressaram-se tanto em ambos os lados do Atlântico como em ambos os lados da linha de combate, inclusive durante os anos de conflito mundial. Ao final da guerra, os governos aliados e, principalmente os governos francês e britânico, elaboraram projetos destinados a estabelecer mediante o tratado de paz, uma regulamentação internacional do trabalho 13. Esses três adventos, acima relacionados, foram pioneiros e a seu modo contribuíram para o processo histórico que, mais adiante, redundaria na efetiva formalização e consolidação dos direitos humanos. Com isso, é somente a partir da Segunda Guerra que a concepção de direitos humanos ganha corpo. As inúmeras manifestações de desrespeito brutal à pessoa humana, com a matança de milhões de pessoas por parte dos regimes totalitários, especialmente do nazismo, levaram à conscientização da necessidade da construção de um arcabouço institucional que prevenisse conflitos e que garantisse os valores elementares de garantia à vida humana, marcaram um momento definitivo. 13 VALTICUS, Nicolas. Droit International du Travail. Paris: Dalloz, Apud SUSSEKIND, Arnaldo. Direito Internacional do Trabalho. 2. ed. São Paulo: LTr, p. 52.

6 A partir desse contexto histórico, advém a aprovação da Declaração Universal dos Direitos Humanos, e começa a se desenvolver o direito internacional dos direitos humanos, mediante a adoção de inúmeros tratados de alcance global, voltados a garantir a proteção dos direitos considerados elementares 14. Para Bobbio, com a Declaração de 1948 inicia-se uma fase na qual a afirmação dos direitos humanos é universal no sentido de que os destinatários dos princípios nela contidos não são mais apenas os cidadãos deste ou daquele Estado, mas todos os homens. E ainda, no sentido de que põe em movimento um processo em cujo final os direitos do homem deverão ser não mais apenas proclamados ou apenas idealmente reconhecidos, porém efetivamente protegidos até mesmo contra o próprio Estado que os tenha violado 15. Percebe-se neste momento histórico, a formulação de uma nova concepção conceitual que redefine o paradigma moderno de Estado, relativizando a noção de soberania como forma de garantir a efetivação dos direitos humanos. 2. Os Direitos Humanos e a Soberania do Estado Dalmo Dallari define o Estado como sendo a ordem jurídica soberana que tem por fim o bem comum de um povo situado em determinado território. Afirma ainda, que a noção de soberania está implícita na noção de poder, como elemento característico da própria ordem jurídica; a politicidade do Estado encontra-se expressa na referência ao bem comum, com a vinculação deste a determinado povo 16. A noção de soberania pode ser concebida como o conjunto de poderes internos sobre os quais se assentam os fundamentos do Estado e pelos quais se realizam seus objetivos. 14 Como observa Rogério Taiar, a semente do caráter universal, no sentido da interdependência, interrelacionamento e indivisibilidade dos direitos humanos foi plantada na Carta das Nações Unidas, afirmada na Declaração Universal dos Direitos Humanos, e reafirmada no paragrafo 5º. da Declaração e Programa de Ação de Viena, adotada na Conferência Mundial sobre os Direitos Humanos, em 1993" TAIAR, Rogério. Direito Internacional dos Direitos Humanos. Uma discussão sobre a relativização da soberania face à efetivação da proteção internacional dos direitos humanos. Tese de Doutorado apresentada perante a Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo USP, p BOBBIO, Norberto. A Era dos Direitos. Rio de Janeiro: Campus, p DALLARI, Dalmo. Elementos de Teoria Geral do Estado. 17. ed. São Paulo: Saraiva, p.101.

7 A palavra "poder" atrelada à "soberania" traz a noção de sujeição ao mesmo tempo que estabelece um contraponto de não-sujeição. No contexto moderno, Estados se sujeitam a ordenamentos convencionais através de tratados internacionais, de atos unilaterais de vontade, num sistema de harmonização de poderes, consubstanciados e fundados em suas soberanias 17. Neste sentido, compreende-se que a partir da efetivação da proteção internacional dos direitos humanos, podemos perceber certa relativização na ideia de soberania, ao passo que esta traz em seu cerne o elemento dignidade humana. Ou seja, em nome da dignidade humana, ou melhor dizendo, em nome da proteção aos direitos humanos, uma intervenção humanitária na jurisdição doméstica dos Estados não afronta a sua soberania, mas sim atua-se pela sua concretização, haja vista que já não existe soberania sem a garantia da dignidade humana 18. Observa Rogério Taiar: Um Estado que não realiza a dignidade humana não exercita a sua soberania. A soberania, então, é relativa, não somente em decorrência da internacionalização dos direitos humanos, mas também porque nunca existiu uma soberania absoluta, simplesmente em razão de que o ser humano, sociável por natureza e vivendo em sociedade, submete-se a regras de conduta, instituída para dirimir conflitos e promover a paz social, isto é, convencionou-se ceder parte de sua liberdade em benefício da convivência social 19. Compreende-se, dessa maneira, que a proteção internacional dos direitos humanos ensejou uma nova forma de conceber a soberania estatal, ao passo que esta passa a ser analisada não de cima para baixo, no sentido de imposição uma vontade do poder central e superior aos seus cidadãos, mas sim de baixo para cima, como um conjunto de poderes 17 MORE, Rodrigo Fernandes. O moderno conceito de soberania no âmbito do direito internacional. Texto acedido em 29 de abril de 2013 de 18 TAIAR, Rogério. op. cit. p TAIAR, Rogério. op. cit. p. 253.

8 para a realização dos seus objetivos de Estado, e dessa forma, do bem comum dos seus e de sua harmonização com a comunidade internacional Direito ao Meio Ambiente enquanto Direito Humano Fundamental O direito ao meio ambiente, muito embora não tenha sido arrolado expressamente na Declaração Universal dos Direitos Humanos, deve ser compreendido como pertencente a categoria dos direitos humanos 21. Para Mazzuoli, a proteção ambiental, abrangendo a preservação da natureza em todos os seus aspectos relativos à vida humana, tem por finalidade tutelar o meio ambiente em Cumpre citar: O conceito de soberania está em conexão íntima com a natureza sociológico-jurídica de qualquer organização humana. Existe, com efeito, em toda pessoa jurídica, um poder central capaz de realizar o fim colimado por essa sociedade. Tal poder central assumirá caráter diverso de acordo com a natureza do agrupamento humano e da finalidade que lhe é inerente. Dentro da sociedade estatal, o poder central e centralizador, tomará, consequentemente, as proporções decorrentes da própria natureza do Estado. Será, então, um poder originário, congênito ao Estado, como união pluripersonal, proveniente da própria natureza humana que o postula. Apresentará, porém, ao mesmo passo, características de poder ultimo, máximo em seu gênero, visto não existir outro da mesma espécie que lhe seja superior; Com efeito, desde que o Estado for independente e não houver subordinação a outro Estado como membro de federação, o poder estatal será máximo no seu gênero. Dá-se a este poder supremo dentro da comunidade estatal o nome de soberania, suprema potestas. Abrange dois aspectos: é a autoridade máxima na direção interna dos negócios do estado, ao que se chama usualmente, soberania interna ou autonomia; denota ausência de poder estatal ao qual o estado esteja subordinado, embora só em parte, ao que se denomina soberania externa ou independência. SODER, JOSÉ. Direitos do Homem. São Paulo: Companhia Editorial Nacional, p. 166 Apud TAIAR, Rogério. op. cit. p O meio ambiente constitui um direito humano fundamental, devendo ser compreendido sob o enfoque indivisível, interdependente e inter-relacionado dos direitos humanos In PIOVESAN, Flavia e FACHIN, Melina Girardi. Direitos Humanos e Meio Ambiente. In GALLI, Alessandra. Direito Socioambiental: Homenagem a Vladimir Passos de Freitas. Curitiba: Juruá, p.35. Além disso, cite-se também: A proteção do meio ambiente está intimamente ligada com a proteção da pessoa humana, na medida em que não se pode imaginar o exercício dos direitos humanos sem que exista um ambiente sadio e que propicie o bem-estar para o desenvolvimento pleno e digno para todos GUERRA, S. Direito Internacional Ambiental: breves reflexões. Revista Direitos Fundamentais & Democracia. Curitiba: UniBrasil, Faculdades Integradas do Brasil. Curso de Mestrado em Direito da UniBrasil, v. 02, n. 02, jun/dez Disponível em Apud PIOVESAN, Flavia; FACHIN, Melina Girardi. op. cit. p.35. Além disso, cumpre citar: Derechos humanos y médio ambiente están tan ligados que no se conciben los primeiros sin el segundo In: MARTINEZ, Augusto Durán. Derechos humanos y médio ambiente. Ponencia presentada en la XII Conferência de Facultades de Derecho de América Latina, Santa Fé de Bogotá (Colômbia), noviembre, 1998 Apud FLORES, Maria Victoria Pereira. op. cit. p. 01. E citar ainda El derecho a un medio ambiente sano es, sin duda, un derecho humano fundamental, y presupuesto del disfrute y ejercicio delos demás derechos, por la íntima vinculación del ambiente con el nivel de vida en general. ALFONSÍN, Marcelo Alberto López; TAMBUSSI, Carlos Eduardo. El meio ambiente como Derecho Humano. Acedido em 29 de abril de 2013 de p. 02.

9 decorrência do direito à sadia qualidade de vida, em todos os seus desdobramentos, sendo considerado uma das vertentes dos direitos fundamentais da pessoa humana 22. José Renato Nalini assevera a imprescindibilidade do meio ambiente saudável para que existam os demais direitos humanos. Basta recordar que sua vulneração atinge não só todos os demais direitos segurança, igualdade, liberdade e propriedade como inviabiliza aquele que é o pressuposto à fruição de todo e qualquer direito: o bem da vida 23. Existe, porém, defensores de ideia contrária, que rejeitam o enquadramento do direito ao meio ambiente nesse rol dos direitos humanos. Para José Cretella Neto, terá já o Direito Ambiental ascendido à categoria inscrita no seleto rol dos direitos humanos? Parece ser uma questão de tempo para que seja plenamente reconhecido como tal, mas, no presente momento histórico, essa equiparação ainda não parece tão evidente. Argumenta ainda existirem diversos pontos de contato entre os direitos humanos e o Direito Ambiental, mas, daí a concluir que o direito ao meio ambiente sadio direito este que, de resto, absolutamente não se contesta estaria incorporado, vai alguma distância 24. Nesse sentido, ao passo que assimilamos o direito ao meio ambiente como direito humano, entendemos que, no rol desses direitos, o direito ao meio ambiente deve ser enquadrado no âmbito dos direitos de terceira geração. Essa é a posição doutrinária dominante. Neste diapasão, Bobbio afirma emergiram hoje direitos de terceira geração, que constituem uma categoria, para dizer a verdade, ainda excessivamente heterogênea e vaga, o que nos impede de compreender do que efetivamente se trata. O mais importante deles é o reivindicado pelos movimentos ecológicos: o direito de viver num ambiente não poluído MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Soberania e a proteção Internacional dos Direitos Humanos: Dois fundamentos irreconciliáveis. Texto acedido em 01 de maio de 2013 de Soberania_e_Direit os_humanos Valerio_Mazzuoli.pdf p NALINI, José Renato. Dignidade Humana e Meio Ambiente à luz da jurisprudência da Câmara Especializada do TJSP. In: SOUZA, Luciana Cordeiro de; LIQUENS, Flavio Lopes (orgs.). I Simpósio Nacional do Direito Ambiental da Aprodab. Jundiaí: In House, p. 86. Apud SEGUIN, Elida. A Correlação entre Direitos Humanos, Direito Ambiental e Justiça Ambiental In GALLI, Alessandra. Direito Socioambiental: Homenagem a Vladimir Passos de Freitas. Curitiba: Juruá, p CRETELLA NETO, José. op. cit. p BOBBIO, Norberto. op. cit. p. 06.

10 Os direitos de terceira geração são considerados os direitos transindividuais ou difusos, que se caracterizam por não poderem ser divididos pelos atores sociais, mas sim, pertencentes ao mesmo tempo a toda a sociedade. Para Celso Lafer, o titular destes direitos deixa de ser a pessoa singular, passando a sujeitos diferentes do individuo, ou seja, os grupos humanos como a família, o povo, a nação, coletividades regionais ou étnicas e a própria humanidade 26. O direito fundamental ao meio ambiente foi reconhecido efetivamente pela Declaração sobre o Meio Ambiente Humano, adotada pela Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo, em Salienta José Afonso da Silva que esta declaração abriu caminho para que as Constituições supervenientes reconhecessem o meio ambiente ecologicamente equilibrado como um direito humano fundamental entre os direitos sociais do Homem, com sua característica de direitos a serem realizados e direitos a não serem perturbados 27. A Convenção de Estocolmo, que contou com a presença de representantes de cento e treze nações, além da presença de duzentos e cinquenta 28 organizações nãogovernamentais, aprovou sua Declaração com vinte e seis princípios, explicitando a preocupação ambiental como um direito humano a ser preservado. De acordo com o documento, o homem tem direito fundamental à liberdade e ao desfrute de condições de vida adequados em um meio ambiente de qualidade tal que lhe permita levar um vida digna e gozar de bem-estar, tendo a solene obrigação de proteger e melhorar o meio ambiente para as gerações presentes e futuras 29. Além de reafirmar o direito ao meio ambiente como um direito humano fundamental, a Declaração pretendeu minimizar os contrastes existentes entre o desenvolvimento econômico e a proteção ambiental, estabelecendo preceitos básicos que 26 LAFER, Celso. A reconstrução dos direitos humanos: A contribuição de Hannah Arendt. Estudos Avançados, v.1, n.30, maio/agosto, p SILVA, José Afonso da. Direito Ambiental Constitucional. 3. ed. São Paulo: Malheiros, p KOHLER, Maria C.M.; PHILIPPI JR., Arlindo. Agenda 21 como Instrumento para a Gestão Ambiental. In: PELICIONI, Maria Cecília Focesi; PHILIPPI JR. Arlindo (orgs.). Educação Ambiental e Sustentabilidade. São Paulo: Manole, p Princípio 01 da Declaração de Estocolmo.

11 nortearam os inumeráveis instrumentos jurídicos ambientais, sobre as mais distintas matérias, que surgiram posteriormente 30. Como consequência a Conferência de Estocolmo, diversos outros documentos internacionais se somaram no mesmo sentido 31, com destaque para a Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, que enfatizou a ideia de desenvolvimento sustentável. Aliás, é importante destacar o avanço percebido no campo da conscientização ambiental, nesse período de vinte anos que separam de Estocolmo da Rio-92. Essa evolução pode ser percebida tanto no campo do Direito Internacional do Meio Ambiente, como em relação à percepção da necessidade de uma nova forma de se portar frente às questões ambientais 32. Neste sentido, registre-se que ainda em 1972, meses após a Conferência de Estocolmo, foi criado o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente - PNUMA, com sede em Nairóbi, no Quênia, sendo este o primeiro secretariado da ONU com sede em um país não-desenvolvido. Este programa demonstrou-se muito valioso para a sedimentação de práticas ambientais pelo mundo. A Conferência Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento foi realizada em julho de 1992, no Rio de Janeiro. A Rio-92 foi marcado pela presença de cento e setenta países e cerca de catorze mil organizações não governamentais, ficando conhecida como a maior assembleia internacional sobre o meio ambiente 33. A Conferência foi importante para 30 KOHLER, Maria C.M.; PHILIPPI JR., Arlindo. Agenda 21 como Instrumento para a Gestão Ambiental. In: PELICIONI, Maria Cecília Focesi; PHILIPPI JR. Arlindo (orgs.). Educação Ambiental e Sustentabilidade. São Paulo: Manole, p Convenção para Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural E Natural (1972); Convenção sobre a Prevenção da Poluição Marinha por Alijamento dos Resíduos e Outros Materiais ou Convenção de Londres (1972); Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (1982); Convenção de Viena para Proteção da Camada de Ozônio (1985); Declaração sobre o Direito ao Desenvolvimento (1986); Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (1992); Convenção sobre a Diversidade Biológica (1992); Convenção-quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (1992); e o Protocolo de Quioto à Convenção-quadro das Nações Unidas sobre Mudança no clima In: PIOVESAN, Flavia; FACHIN, Melina Girardi. op. cit. p A conservação da fauna e da flora selvagens preocupação atricuída, até poucos anos atrás, a alguns cientistas excêntricos e a sonhadores, amigos da Natureza passou a ser cada vez mais percebida como a condição sine qua non para a manutenção do nível de vida da época e do futuro, devido ao perigo do empobrecimento extremamente rápido do patrimônio genético do planeta CRETELLA NETO, José. op. cit. p KOHLER, Maria C.M.; PHILIPPI JR., Arlindo. Agenda 21 como Instrumento para a Gestão Ambiental. In: PELICIONI, Maria Cecília Focesi; PHILIPPI JR. Arlindo (orgs.). Educação Ambiental e Sustentabilidade. São Paulo: Manole, p

12 discutir a crise ambiental do planeta e analisar a evolução das políticas de proteção ambiental, estabelecidas duas décadas antes, na Conferência de Estocolmo. A Rio-92 também teve como objetivos principais identificar estratégias regionais e globais para ações apropriadas referentes às principais questões ambientais; recomendar medidas a serem tomadas, em âmbito nacional e internacional, referentes à proteção ambiental através de política de desenvolvimento sustentado; promover o aperfeiçoamento do Direito Internacional do Meio Ambiente; examinar estratégias de promoção de desenvolvimento sustentável e da eliminação da pobreza nos países em desenvolvimento, entre outros 34. Um dos resultados mais importantes da Conferência Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento de 1992, foi Agenda 21, uma carta com quarenta capítulos, assinada por todos os países participantes da Conferência. A Agenda 21 ampliou o conceito de desenvolvimento sustentável, procurando os caminhos para concretizar esse conceito, indicando as ferramentas de gerenciamento necessárias e buscando conciliar justiça social, eficiência econômica e equilíbrio ambiental O Direito ao Meio Ambiente na Constituição do Brasil Em âmbito nacional, o direito brasileiro passou a assumir preocupação mais significativa com a preservação ambiental, a partir do advento da Constituição Federal de 1988, tendo sido olvidado pelas Constituições anteriores 36. Antes de 1988 existiam algumas leis sobre o tema (com destaque para a lei de 31 de agosto de 1981, que instituiu a 34 DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental: Princípios e Práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, p KOHLER, Maria C.M.; PHILIPPI JR., Arlindo. Agenda 21 como Instrumento para a Gestão Ambiental. In: PELICIONI, Maria Cecília Focesi; PHILIPPI JR. Arlindo (orgs.). Educação Ambiental e Sustentabilidade. São Paulo: Manole, p FIORILLO. Celso Antonio Pacheco. Fundamentos Constitucionais do Direito Ambiental Brasileiro. Acedido em 21 de abril de Disponível em: p. 22.

13 Política Nacional do Meio Ambiente), mas somente com o advento da Carta de 1988 é que se pode perceber uma inclinação efetiva à proteção ao meio ambiente no Brasil. A Constituição de 1988 estabeleceu em seu artigo 225 que todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. Com isso, finalmente o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado é elevado à condição de direito fundamental garantido Constitucionalmente e resta evidenciado que sua definição jurídica está atrelada à tutela da vida em todas as suas formas. Com isso, o direito ambiental se ocupa das relações jurídicas vinculadas à vida em decorrência de sua complexidade. O direito à vida, desse modo, em todas as suas formas é garantido no plano constitucional de maneira ecologicamente equilibrada 37. Para José Afonso da Silva: O que é importante é que se tenha a consciência de que o direito à vida, como matriz de todos os demais direitos fundamentais do homem, é que há de orientar todas as formas de atuação no campo da tutela do meio ambiente. Cumpre compreender que ele é um fator preponderante, que há de estar acima de quaisquer outras considerações, como as de desenvolvimento, como as de respeito ao direito de propriedade, como as da iniciativa privada. Também estes são garantido no texto constitucional, mas, a toda evidência, não podem primar sobre o direito fundamental à vida, que está em jogo quando se discute a tutela da qualidade do meio ambiente. É que a tutela da qualidade do meio ambiente é instrumental no sentido que que, através dela, o que se protege é um valor maior: a qualidade da vida FIORILLO. Celso Antonio Pacheco. op.cit. p SILVA, Jose Afonso. op. cit. p. 46.

14 A Constituição Federal faz reiteradas menções à proteção ambiental e matérias correlatas em diversos pontos, a saber: incisos XXIII, LXXI e LXXIII do artigo 5º.; incisos I, II, III, IV, V, VI, VII, VIII, IX, X, XI e parágrafos 1º. e 2º. do artigo 20; incisos XIX, XX, XXIII (alíneas a, b e c) e XXV do artigo 21; incisos IV, XII e XXVI do artigo 22; incisos I, III, IV, VI, VII, IX e XI do artigo 23; incisos VI, VII e VIII do artigo 24; artigo 49 parágrafo 2º. (inciso IV); artigo 91 (caput e parágrafos); artigo 129, inciso III; artigo 170, inciso VI; artigo 174 parágrafos 3º. e 4º; artigo 176 (caput e parágrafos); artigo 182 (caput e parágrafos); artigo 186; artigo 200, incisos VI e VIII; artigo 216 inciso V e parágrafos 1º, 3º e 4º; artigo 225; artigo 231 (caput e parágrafos); artigo 232; artigo 43 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias e o artigo 44 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. A Constituição de 1988, ao tratar o meio ambiente em momentos diferentes 39, isto é, natural (art. 225), cultural (arts. 215 e 216), construído (arts. 182 e 183) e do trabalho (art. 6º. e art. 200 inciso VII), busca garantir uma abrangência mais ampla, de sorte que, quando trata de meio ambiente ecologicamente equilibrado, está se referindo não somente ao meio Natural, mas também ao Cultural, Construído e do Trabalho, no sentido de que todos estes devem estar equilibrados para que se possa atingir o pleno desenvolvimento da sociedade brasileira 40. Note-se, ainda, que o direito ao meio ambiente interage também com o direito de propriedade e sua função social, bem como, com o planejamento e uso do solo, tanto urbano (arts. 182 e 183), quanto rural (art. 184 e ss.), além de ser compreendido como um dos princípios condicionadores da atividade econômica. Conclusão O presente trabalho objetivou promover uma abordagem do direito ao meio ambiente como direito humano fundamental. 39 CRETELLA NETO, José. Curso de Direito Internacional do Meio Ambiente. p SEGUIN, Elida. op. cit. p. 46.

15 Neste sentido, a revisão bibliográfica trazida a este estudo, nos permite afirmar com segurança o entendimento que é majoritário na doutrina, de que o direito ao meio ambiente pertence ao rol dos direitos humanos. Como bem sintetizado pelas professoras Flavia Piovesan e Melina Girardi Fachin: O direito ao meio ambiente é direito humano que compõe o core dos processos de defesa material do principio da dignidade humana. Esta conformação renovada abre espaços importantes no cenário internacional de proteção à tutela do direito ao meio ambiente 41. A internacionalização da proteção ao direito ao meio ambiente, especialmente a partir dos anos 1970, formalizou sua concepção como direito humano fundamental, devendo ser concebido sob o enfoque indivisível, interdependente e inter-relacionado dos direitos humanos 42. Assim, não se pode conceber o exercício pleno dos direitos humanos, sem que se tenha um meio ambiente sadio e em plenas condições de garantir a plenitude do exercício de todos os demais direitos aos seres humanos. O olhar sobre a questão ambiental é, até certo ponto, recente em nível global e seu ingresso explícito no Texto Constitucional brasileiro foi tardio, datado de Mas, por outro lado, as pesquisas relacionadas ao presente estudo nos levam a concluir que o arcabouço legislativo brasileiro, no que tange à temática ambiental, encontra-se bem mais evoluído que os demais América Latina. Não se pode, todavia, diante de uma certa modernidade legislativa, se conformar com situações que se percebem no dia-a-dia do País, referentes ao desrespeito ao direito ambiental e aos direitos humanos, de forma geral. Para tanto, urge um maior desenvolvimento 41 PIOVESAN, Flavia; FACHIN, Melina Girardi. op. cit. p Ibidem, p. 35.

16 no âmbito da educação ambiental e um maior rigor na aplicação da legislação vigente, além de um maior respeito aos compromissos internacionais. E, mais do que isso, um maior respeito ao ser humano, objetivo maior de toda a proteção em direito existente. Bibliografia BOBBIO, Norberto. A Era dos Direitos. Rio de Janeiro: Campus, CAMACHO, Emílio; CLAUDE, Luis Lezcano. Comentário a La Constitución, Tomo II, Homenaje al Décimo Aniversario. Assuncion: Corte Suprema de Justitia, CRETELLA NETO. Curso de Direito Internacional do Meio Ambiente. São Paulo: Saraiva, DALLARI, Dalmo. Elementos de Teoria Geral do Estado. 17. ed. São Paulo: Saraiva, DEYRA, Michel. Direito Internacional Humanitário. Ed. Comissão Nacional para as Comemorações do 50º aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Homem e Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de direitos humanos: Lisboa, DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental: Princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, FIORILLO. Celso Antonio Pacheco. Fundamentos Constitucionais do Direito Ambiental Brasileiro. Acedido em 21 de abril de 2013 de FLORES, Maria Victoria Pereira. El derecho al goce de un ambiente adecuado em el marco constitucional de Argentina y Uruguay. Acedido de em 15 de

17 maio de Biblioteca Jurídica Virtual do Instituto de Investigações Jurídicas da UNAM (Universidad Nacional Autónoma de México). LAFER, Celso. A reconstrução dos direitos humanos: A contribuição de Hannah Arendt. Estudos Avançados, v.1, n. 30, maio/agosto, MARTINEZ, Augusto Durán. Derechos humanos y médio ambiente. Ponencia presentada en la XII Conferência de Facultades de Derecho de América Latina, Santa Fé de Bogotá (Colômbia), noviembre, MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Soberania e a proteção Internacional dos Direitos Humanos: Dois fundamentos irreconciliáveis. Texto acedido em 01 de maio de 2013 de S oberania_e_direitos_humanos Valerio_Mazzuoli.pdf p.167. MENENDEZ, Augusto Juán. La Constitución Nacional y El Medio Ambiente. Acedido em 21 de abril de 2013 de MORE, Rodrigo Fernandes. O moderno conceito de soberania no âmbito do direito internacional. Texto acedido em 29 de abril de 2013 de PELICIONI, Maria Cecília Focesi; PHILIPPI JR. Arlindo (orgs.). Educação Ambiental e Sustentabilidade. São Paulo: Manole, PIOVESAN, Flavia. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional. 13. ed. São Paulo: Saraiva, PIOVESAN, Flavia; FACHIN, Melina Girardi. Direitos Humanos e Meio Ambiente. In: GALLI, Alessandra. Direito Socioambiental: Homenagem a Vladimir Passos de Freitas. Curitiba: Juruá, RODRIGUES, Daniel Lago; MIALHE, Jorge Luis. A participação e retirada do Brasil da Liga das Nações. p. 02. Acedido em 04 de maio de 2013 de https://www.metodista.br/revistas/revistasunimep/index.php/direito/article/download/699/258.

18 SILVA, José Afonso da. Direito Ambiental Constitucional. 3. ed. São Paulo: Malheiros, SUSSEKIND, Arnaldo. Direito Internacional do Trabalho. 2. ed. São Paulo: LTr, TAIAR, Rogério. Direito Internacional dos Direitos Humanos. Uma discussão sobre a relativização da soberania face à efetivação da proteção internacional dos direitos humanos. Tese de Doutorado apresentada perante a Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo USP, 2009.

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini RESUMO: Após a Segunda Guerra Mundial, a sociedade internacional passou a ter como principal objetivo a criação de acordos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG Thesaurus Editora 2008 O organizador Amado Luiz Cervo Professor emérito da Universidade de Brasília e Pesquisador Sênior do CNPq. Atua na área de relações internacionais e política exterior do Brasil,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I:

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I: Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Unidade I: 0 Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Introdução A disciplina Direito Ambiental tem como objetivo propiciar ao corpo discente uma análise sobre

Leia mais

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA Almeida S. S. (1) ; Pereira, M. C. B. (1) savio_eco@hotmail.com (1) Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife PE, Brasil.

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20: como chegamos até aqui Estocolmo 1972 Realizada há quarenta

Leia mais

O Estudo da Proteção do Meio Ambiente Cultural Segundo a Constituição Federal

O Estudo da Proteção do Meio Ambiente Cultural Segundo a Constituição Federal O Estudo da Proteção do Meio Ambiente Cultural Segundo a Constituição Federal Graziela Feltrin Vettorazzo Formada pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo em 2012, advogada atuando na área do

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL GOMES, Alessandro. alefot@bol.com.br Resumo: O texto que se segue parte de uma rápida passagem

Leia mais

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012 RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS TEORIA 38 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Ricardo S. Pereira Organização e Diagramação: Mariane dos Reis 1ª

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

CIDADANIA E MEIO AMBIENTE, À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA CLOVIS BRASIL PEREIRA

CIDADANIA E MEIO AMBIENTE, À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA CLOVIS BRASIL PEREIRA CIDADANIA E MEIO AMBIENTE, À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA CLOVIS BRASIL PEREIRA SUMÁRIO: 1. O conceito de cidadania e sua evolução no Brasil - 2. Os direitos fundamentais e o exercício

Leia mais

O Direito Ambiental no Brasil.

O Direito Ambiental no Brasil. NOTA DE CONJUNTURA JURÍDICA Março de 2009 Nº3 O Direito Ambiental no Brasil. Profa. Sandra Mara Ribeiro Muradi Mestra em Direito pela PUCSP. Professora da ESPM e da PUCSP. Introdução O homem e o mundo

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FLUMINENSE - UNIFLU FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO FLUMINENSE - UNIFLU FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FLUMINENSE - UNIFLU FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DIREITO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A ATUAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES RODRIGO DE ALMEIDA

Leia mais

Capítulo I. I. Introdução

Capítulo I. I. Introdução Capítulo I Princípios Fundamentais do Direito Ambiental I. Introdução 1. Princípios específicos de proteção ambiental O direito ambiental, ciência dotada de autonomia científica, apesar de apresentar caráter

Leia mais

Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região. www.prt9.mpt.gov.br

Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região. www.prt9.mpt.gov.br Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas DECLARAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE OS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS Perguntas e Respostas I - Introdução O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, comemora a adoção da Declaração dos Direitos dos

Leia mais

A DECLARAÇÃO UNIVERSAL DE 1948 E O PROCESSO DE INTERNACIONALIZAÇÃO E UNIVERSALIZAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS: primeiras aproximações críticas 1

A DECLARAÇÃO UNIVERSAL DE 1948 E O PROCESSO DE INTERNACIONALIZAÇÃO E UNIVERSALIZAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS: primeiras aproximações críticas 1 A DECLARAÇÃO UNIVERSAL DE 1948 E O PROCESSO DE INTERNACIONALIZAÇÃO E UNIVERSALIZAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS: primeiras aproximações críticas 1 Fernando Laélio Coelho 2 Sumário 1. Introdução; 2. A Declaração

Leia mais

É em face do crescente processo de internacionalização dos direitos humanos que há de se compreender seu sistema internacional de proteção.

É em face do crescente processo de internacionalização dos direitos humanos que há de se compreender seu sistema internacional de proteção. Sistema Internacional de Proteção dos Direitos Humanos 1 Flávia Cristina Piovesan 2 Introdução A proposta deste artigo é enfocar o Sistema Internacional de Proteção dos Direitos Humanos, com ênfase no

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Meio ambiente equilibrado e sadio - Um Direito Fundamental Uélton Santos* Art. 225, CF. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA C O N T E Ú D O : N O Ç Õ E S D E D I R E I T O : I N T R O D U Ç Ã O A O E S T U D O D O D I R E I T O A M B I E N T A L C A R A C T E R Í S T I C A S D A L E G I S L

Leia mais

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL Fernando Souza OLIVEIRA 1 Pedro Anderson da SILVA 2 RESUMO Princípio do Desenvolvimento Sustentável como um direito e garantia fundamental,

Leia mais

Ministério Público do Trabalho

Ministério Público do Trabalho Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A Constituição Federal e o meio ambiente Lucas Britto Tolomei A Constituição Federal de 1988 revelou a importância que a sociedade, Estado e os instrumentos jurídicos devem ter quando

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I Camila Bressanelli* A Declaração Universal dos Direitos Humanos Antes mesmo da análise dos sistemas global e americano de proteção

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre)

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre) Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972 (tradução livre) A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, reunida em Estocolmo de 5 a 16 de junho

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS Cleci Teresinha Noara Assistente Social Fundação Agência

Leia mais

Palavras chave: Função Social; Propriedade; Meio Ambiente.

Palavras chave: Função Social; Propriedade; Meio Ambiente. 1 A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE EM BUSCA DA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL SILVA, Alexssandro Crivelli (G/FACINAN) 1 SONNI, Indianara Pavessi Pini (D/FACINAN) 2 RESUMO: O direito de propriedade vem sofrendo diversas

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. E-06 10º 04 Semanal Mensal 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. E-06 10º 04 Semanal Mensal 04 60 e Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária E-06 10º 04 Semanal Mensal 04 60 Nome da Disciplina DIREITOS HUMANOS Curso DIREITO D- 30 DIREITO CONSTITUCIONAL III (MATRIZ 2008/01) D- 32 DIREITO CONSTITUCIONAL

Leia mais

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores!

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores! 1 Prezados alunos e professores! O livro Somos os Senhores do Planeta é fruto de um trabalho didático que tem por objetivo reunir em uma única publicação temas sobre o meio ambiente, são textos de fácil

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: DIREITO AMBIENTAL (D-39) Área: Direito Período: Sétimo Turno: Noturno Ano: 2013.1 Carga Horária: 36 H; Créd.: 02 III. Pré-Requisito: DIREITO CONSTITUCIONAL II (D- 24 )

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS Maria Carolina de Sá França* RESUMO Este artigo objetiva desenvolver um estudo a cerca das cotas raciais na perspectiva das

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

1. RESUMO. na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz

1. RESUMO. na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz 1. RESUMO Os direitos fundamentais trabalhistas estão inseridos na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz do Direito do Trabalho e dos princípios que orientam o Direito

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CEDFEPLIC09 EDUCAÇÃO E DIREITOS HUMANOS: UMA EXPERIÊNCIA NO PROLICEN Dalva Regina Araújo da Silva (1), Maria das Graças da Cruz (2), Maria Elizete G. Carvalho (3) Centro de Educação/Departamento de Fundamentação

Leia mais

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA)

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Aldenice Alves Bezerra 1 Resumo Este trabalho é resultado de uma pesquisa exploratória onde foi utilizado como procedimento para coleta de dados um levantamento

Leia mais

O DIREITO FUNDAMENTAL À VELHICE DIGNA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE SUA EFETIVAÇÃO. AUTOR: Alexandre de Oliveira Alcântara

O DIREITO FUNDAMENTAL À VELHICE DIGNA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE SUA EFETIVAÇÃO. AUTOR: Alexandre de Oliveira Alcântara O DIREITO FUNDAMENTAL À VELHICE DIGNA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE SUA EFETIVAÇÃO AUTOR: Alexandre de Oliveira Alcântara ORIENTADORA: Profa. Dra. Lília Maia de Morais Sales APRESENTAÇÃO OBJETIVOS CAPÍTULOS:

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 TÍTULO DO TRABALHO A possibilidade de revisão dos contratos agrários sob o argumento de descumprimento da função social do contrato 2 AUTORES Andrea Tavares

Leia mais

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências;

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências; CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO CONTRA AS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA (CONVENÇÃO DA GUATEMALA), de 28 de maio de 1999 Os Estados Partes nesta Convenção,

Leia mais

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em maio/2015 TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Nas relações internacionais do

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA AULA DEMONSTRATIVA Olá pessoal. Com a publicação do edital para Auditor-Fiscal da Receita Federal, como é de costume, houve mudanças em algumas disciplinas, inclusão de novas, exclusão de outras. Uma das

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Direitos humanos: considerações gerais Camila Bressanelli * A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Análise contextual: Para o estudo dos direitos humanos

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O MEIO AMBIENTE ENQUANTO DIREITO HUMANO FUNDAMENTAL

CONSIDERAÇÕES SOBRE O MEIO AMBIENTE ENQUANTO DIREITO HUMANO FUNDAMENTAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O MEIO AMBIENTE ENQUANTO DIREITO HUMANO FUNDAMENTAL Aléssio Inácio Cagliari 1 Cláudia Taís Siqueira Cagliari 2 Liana Maria Feix Suski 3 Resumo: A proteção ambiental tem se tornado uma

Leia mais

O PAPEL DAS LEIS AMBIENTAIS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PAPEL DAS LEIS AMBIENTAIS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL O PAPEL DAS LEIS AMBIENTAIS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL O estudo da proteção ambiental tem como pressuposto uma análise necessariamente transdiciplinar, por meio da qual profissionais e estudiosos das mais

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil IX Salão de Iniciação Científica PUCRS A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil Gabriela Bratkowski Pereira, Elias Grossmann (orientador) Faculdade de Direito,

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau XII CONGRESSO BRASILEIRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE MEIO AMBIENTE PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau FUNDAMENTOS

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22 Proteção Internacional de Direitos Humanos Coordenação: Profa. Dra. Cristina Figueiredo Terezo Resumo O pioneiro projeto de extensão visa capacitar os discentes para acionar a jurisdição do Sistema Interamericano

Leia mais

MULTICULTURALISMO E UNIVERSALIDADE DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS

MULTICULTURALISMO E UNIVERSALIDADE DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS MULTICULTURALISMO E UNIVERSALIDADE DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Amanda Juncal Prudente Mariana Tavares Pedi UENP 1. Direitos fundamentais e humanos: conceito e evolução. 2. Os direitos fundamentais no panorama

Leia mais

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM )

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) LÍDERES Curso Internacional sobre Saúde, Desastres e Desenvolvimento Brasília DF 26 de novembro a 07 de dezembro de 2007 Ministério da Saúde

Leia mais

PAINEL : DESAFIOS DA GESTÃO AMBIENTAL NO BRASIL

PAINEL : DESAFIOS DA GESTÃO AMBIENTAL NO BRASIL PAINEL : DESAFIOS DA GESTÃO AMBIENTAL NO BRASIL Severino Soares Agra Filho UFBA POLíTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Art 2º - A Política Nacional do Meio Ambiente tem

Leia mais

Direito Ambiental Constitucional. Andrei Ferreira Fredes E-mail: andreiffredes@gmail.com

Direito Ambiental Constitucional. Andrei Ferreira Fredes E-mail: andreiffredes@gmail.com Direito Ambiental Constitucional Andrei Ferreira Fredes E-mail: andreiffredes@gmail.com Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Concurso Delegado de Polícia Federal 2012 Prof. Leopoldo Canal Leopoldo Canal, advogado, assessor e procurador do consulado da República da Guiné no Rio de Janeiro, diretor

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ENQUANTO UM DIREITO HUMANO E FUNDAMENTAL: uma análise da experiência constitucional brasileira 1

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ENQUANTO UM DIREITO HUMANO E FUNDAMENTAL: uma análise da experiência constitucional brasileira 1 A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ENQUANTO UM DIREITO HUMANO E FUNDAMENTAL: uma análise da experiência constitucional brasileira 1 Júlio César Madeira 2 Carlos Guilherme Madeira 3 Sérgio Danilo Madeira 4 RESUMO O presente

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

Palavras-chave: Direito internacional ambiental, Direitos Humanos, meio ambiente equilibrado e sadio.

Palavras-chave: Direito internacional ambiental, Direitos Humanos, meio ambiente equilibrado e sadio. O PAPEL DO DIREITO INTERNACIONAL AMBIENTAL NA GARANTIA DE UM MEIO AMBIENTE SADIO E EQUILIBRADO Por Diogo Andreola Serraglio RESUMO Este artigo objetiva verificar o papel desempenhado pelo desenvolvimento

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO

A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO José Carlos Batista - Auditor Fiscal do Trabalho da SRTE-ES RESUMO: a mulher teve e tem uma grande participação na construção do direito do

Leia mais

Dos Direitos e Garantias Fundamentais.

Dos Direitos e Garantias Fundamentais. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula e breve resumo Dos Direitos e Garantias Fundamentais. Os direitos e garantias fundamentais correspondem às normas constitucionais que possibilitam as condições mínimas

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

PATRIMÔNIO PÚBLICO Auditorias Ambiental e Cultural - Controle Externo - Introdução à Questão Ambiental

PATRIMÔNIO PÚBLICO Auditorias Ambiental e Cultural - Controle Externo - Introdução à Questão Ambiental X - SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS PATRIMÔNIO PÚBLICO Auditorias Ambiental e Cultural - Controle Externo - Introdução à Questão Ambiental - Controle Externo Introdução à Questão Ambiental

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS Reconhecida pelo Decreto Federal Nº 55.754, de 12 de fevereiro de 1965

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS Reconhecida pelo Decreto Federal Nº 55.754, de 12 de fevereiro de 1965 DISCIPLINA: Direito Internacional dos Direitos Humanos PROFESSOR: Dr. Antonio Celso Alves Pereira EMENTA: Formação, autonomia e consolidação do Direito Internacional dos Direitos Humanos. A Carta Internacional

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 1/B/2012 (art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril)

RECOMENDAÇÃO N.º 1/B/2012 (art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril) Sua Excelência A Presidente da Assembleia da República Palácio de S. Bento 1249-068 LISBOA Vossa Ref.ª Vossa Comunicação Nossa Ref.ª Proc. P - 15/11 (A6) Assunto: Código de Boa Conduta Administrativa.

Leia mais

TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I

TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I Recordando as conclusões e recomendações adotadas pelo Colóquio realizado no México sobre Asilo

Leia mais

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 H/A

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 H/A PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: DIREITOS HUMANOS CÓDIGO:????? CURSO: DIREITO SEMESTRE: DÉCIMO CARGA HORÁRIA SEMANAL: 2 H/A CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 H/A PROFESSOR RESPONSÁVEL: PROF. ESP. VALÉRIA CORREA SILVA

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO 1. Marco Lógico LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração

Leia mais