Desenvolvimento da Química Verde no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento da Química Verde no Brasil"

Transcrição

1 Artigo Opinião Desenvolvimento da Ver no Brasil 1,2 3 José Osvaldo Beserra Carioca ; Maria Fatima Ludovico Almeida 1- Universida Feral do Ceará 2- Centro Energias Alternativas e Meio Ambiente 3- Pontifícia Universida Católica-RJ 1. Introdução preparada pelos professores Carioca & Morais [4] As grans conferências das Nações Unidas apresentada no Workshop Internacional sobre sobre o meio ambiente realizadas no final do século Ver realizado em Fortaleza em junho XX, sendo elas, a Conferência Estocolmo-1972 novembro 2007 apresenta uma análise sintética que focou a preservação da natureza, a do Rio-92, sta problemática. Em 1985 o ICCA Conselho que focou o meio ambiente e no senvolvimento Internacional das Associações s propôs um sustentável, e a Conferência Johanesburgo novo conceito, o qual seja atuação responsável [5], realizada em 2002 com o objetivo avançar no para expressar as preocupações que são senvolvimento sustentável, representam um relacionadas com os estudos e as avaliações para esforço extraordinário dos chefes Governos no controlar as ações redução dos impactos nas sentido avaliar, monitorar e propor estudos, indústrias químicas. No Brasil estas ações estão a programas e políticas sobre as questões ambientais, cargo da ABIQUIM [6], membro do ICCA. Hoje, o as suas causas e as conseqüências sobre Canadá e a Holanda já fazem uso sta nova sustentabilida econômica, social e ambiental, abordagem para quantificação dos impactos nas notadamente sobre as mudanças climáticas [1]. contas nacionais. Paralelamente, nasceu uma Entretanto, foi o Clube Roma em 1967 [2] on foi mensagem nova para a indústria cunhada através levantada a principal questão relacionada com as do conceito do Tree Bottom Line Principle, on se mudanças climáticas. Segundo eles, o elevado coloca e se prioriza o mesmo nível consumo petróleo e seus rivados usados na responsabilida para as questões; ambientais, geração energia elétrica e no setor técnico, e econômico - sociais [4], [7], [8], [9]. transportes, são os responsáveis pela elevada No atendimento das ações propostas pelas concentração dióxido carbono na atmosfera, conferências internacionais sobre o meio ambiente, hoje da orm 300ppm. Além ste importante faltava, portanto, uma ação dirigida às ações indicador, outras ações antrópicas provocados pela científicas, tecnológicas por parte da acamia para ação humana como o lançamento dos resíduos iluminar, avaliar, controlar e propor novas visões urbanos e os efluentes domésticos no meio sobre o papel da química no que diz respeito às ambiente sem qualquer tratamento, bem como a causas stes sérios problemas que estão queima e vastação das florestas [3], contribuem contribuindo para promover estas sérias mudanças fortemente para alterar o meio ambiente no que diz no habitat terráqueo. O movimento relacionado com respeito à necessida se utilizar os recursos o senvolvimento da Ver começou no naturais como fonte matérias primas e insumos início dos anos noventa, principalmente nos Estados para a produção alimentos, fibras e a indústria Unidos na EPA [8], seguido pela Inglaterra e Itália, química. No que diz respeito ao Brasil, a publicação com a introdução novos conceitos e valores para RQI - 1º trimestre

2 Foto: Rafael Magina as diversas atividas fundamentais da química, bem como, para os diversos setores da ativida industrial e econômica correlatos. Esta proposta logo se ampliou para envolver a IUPAC e a OCDE no e s t a b e l e c i m e n t o d e d i r e t r i z e s p a r a o Desenvolvimento da Ver em nível mundial. A reunião Paris envolvendo a IUPAC- OECD [8], em junho 1999, recomendou a difusão ste programa pelas nações, instituições acadêmicas e industriais, inclusive sugerindo a criação res pesquisas e o estabelecimento prêmios para estimular o senvolvimento da Ver entre os jovens cientistas. Foi reconhecido, portanto, que os processos constituem o núcleo todos os impactos sobre os sistemas produtivos e o meio ambiente conforme ilustrado na Figura 1 que segue [10]. Dentro do contexto global, estavam assim comprometidos todos os chefes Estado, instituições normativas do meio ambiente, universidas e centros pesquisas no sentido promover ações efetivas voltadas direta ou indiretamente para o papel da química, dos seus profissionais e a própria indústria química, para com a sustentabilida futura do planeta. Estão missão é ainda mais comprometedora uma vez levada em consiração que o petróleo é na atualida a principal fonte energia, matérias primas e insumos para socieda industrial morna, e mais ainda, que as suas reservas começaram a clinar [10]. Urge, portanto, ações científicas e tecnológicas para o correto uso dos recursos renováveis do planeta, notadamente a biomassa. Está é, pois, a gran missão que a química, a engenharia química e as outras áreas correlatas têm com a promoção do ensino, a formação pessoal qualificado para garantir a sustentabilida futura da socieda industrial. Para o Brasil, está ameaça constitui uma excepcional oportunida no sentido promover o correto uso da biomassa como fonte energia e matérias primas, pelo fato que somos um país tropical, com a maior biodiversida animais e plantas do planeta, as quais pom ser cultivadas Osvaldo Carioca: apresentação no Encontro da EBQV 4 RQI - 1º trimestre 2011

3 Figura 1 Impactos dos processos químicos sobre o meio ambiente e os sistemas produtivos IMPACTOS SISTEMA PRODUTIVO PROCESSOS QUÍMICOS MEIO-AMBIENTE Produção Energia? Energias renováveis (Agroenergia) Produção Industrial? Tecnologias limpas, Biocombustíveis, controle das emissões, uso materiais renováveis e biogradáveis, efluentes, reuso águas Industriais, etc. Produção Agrícola/Florestal? Proteção contra smatamentos, erosão, contaminação do lençol freático, etc. Sistema Habitacional? Processamento do lixo, efluentes Sistema Terciário? Resíduos sólidos, reuso águas, etc. em solo ou em meios aquáticos, possuindo ainda membros, bem como seus amigos da FINEP, os extensas áreas aquadas a estes cultivos, o que quais recomendaram a constituição um grupo po gerar emprego e renda no campo diminuindo a trabalho no CGEE Centro Gestão e Estudos pressão social e econômica nas cidas. Para tanto, Estratégicos do MCT para aprofundar as discussões se faz necessário uma ação política voltada para e as proposições sobre esta temática. fundamentar o novo horizonte educacional e É importante lembrar que este grupo recebeu industrial do país, através políticas sustentáveis, em seguida, o apoio representantes várias da preparação dos novos recursos humanos e do conferações indústrias, notadamente da FIEC - senvolvimento cientifico e tecnológico requerido Ceará, os quais receberam posteriormente o apoio pelas empresas nacionais para sermos uma da Conferação Nacional das Indústrias - CNI. socieda sustentável e um país lír na utilização As associações classe como a ABQ - dos recursos renováveis. Associação [11], ABEQ - Neste sentido, um grupo pesquisadores Associação Engenharia [12] e das universidas e centros pesquisas ABIQUIM - Associação das Indústrias brasileiras, além membros da ABIQUIM vem s [6] foram unânimes no reconhecimento da acompanhando o senvolvimento da importância ste esforço no sentido que a Ver no exterior e promovendo ações efetivas no Ver constitua um instrumento país para se instalar um programa fundamental para o atendimento da sustentabilida Ver, Ambiental e/ou para a no nosso país, e mais do que isto, possa gerar Sustentabilida, o qual seja respaldado por uma riqueza com base nos recursos naturais brasileiros. política do Governo Feral sobre a sustentabilida Neste particular, convêm stacar que a ABQ industrial. Em nível nacional, estes trabalhos tiveram escolheu o tema da Ver como prioritário início nos fim dos anos noventa nos trabalhos em várias seus eventos anuais ao longo do país, apresentados na primeira reunião avaliação dos visando levar a mensagem da Ver aos primeiros projetos do Fundo Setorial do Petróleo, pesquisadores e estudantes. Por sua vez, a ABEQ e on este grupo recebeu o apoio formal seus a ABIQUIM continuam trabalhando em prol do RQI - 1º trimestre

4 senvolvimento sustentável conjuntamente com as indústrias nacionais. No âmbito político, tem sido consirado estratégico o reconhecimento e a colaboração prestada pelo Senador Inácio Arruda, membro da Comissão Mista Acompanhamento das Mudanças Climáticas (Câmara-Senado), que juntamente com o ex-vice-governador do Estado do Ceará, Prof. Dr. Francisco Pinheiro, apoiaram a realização do primeiro Workshop Internacional da Ver em Fortaleza em Novembro 2007, com o apoio institucional do CENEA Centro Energias Alternativas e meio Ambiente. Dentre as inúmeras sugestões apresentadas no Workshop Fortaleza, a idéia criação uma Re Ver RBQV integrada com a Escola Ver - EBQV foi consirada a mais importante [13]. A idéia é avançar nas pesquisas sobre temas interesse da inovação na indústria nacional conjuntamente com os trabalhos da Escola que visa avançar na formação pessoal e levantamento temas estratégico para que o nosso país possa lirar o uso dos recursos renováveis para fins produção energia e produtos químicos. Os resultados ste encontro foram consirados um marco científico e tecnológico para o nosso país. Logo após estes encontros, esses resultados foram encaminhados ao Ministro Sergio Rezen da Ciência e Tecnologia, a Diretoria do Centro Pesquisas da Petrobrás, tendo em vista o apoio fundamental prestado por estas instituições ao senvolvimento ste programa. Ta m b é m e s t e s r e s u l t a d o s f o r a m encaminhados a Presidência do CGEE - Centro G e s t ã o e E s t u d o s E s t r a t é g i c o s, p a r a aprofundamento da temática e equacionamento uma proposta programa nacional, a qual foi apresentada durante a quarta Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia realizada em Brasília maio Workshop do CGEE O projeto implantação da Re e da Escola Ver passa indiscutivelmente pelos principais eixos do plano estratégico do MCT: Apoio ao senvolvimento do Agronegócio Brasileiro, Apoio ao Programa Brasileiro Pesquisas sobre a Biodiversida, Apoio ao Programa sobre Mudanças Climáticas, Apoio a Inovação Tecnológica na Indústria, notadamente, o Programa da Re Tecnologia RBT, ntre outros. Dentro ste contexto, o CGEE organizou outro workshop procurando envolver um maior e mais seletivo numero temas interesse nacional, sendo a maioria les articulados com as metas do agronegócio brasileiro. Vale salientar que o tema do agronegócio foi sugerido pela coornação programas e projetos especiais do MCT, órgão financiador do Workshop Internacional da Ver, como um setor gran representativida econômica e social do país. É um fato reconhecido que as ações da Ver pom ampliar os horizontes das aplicações e agregar valor as nossas matérias primas e produtos rivados da biomassa. Levando em conta estes antecentes e condicionantes, notadamente o potencial da biodiversida brasileira, a proposta do CGEE consirou prioritária a necessida fortalecer a cooperação Universida Indústria Nacional, para alavancar algumas áreas consiradas estratégicas para a economia nacional, ntre elas: Biorefinarias: rota bioquímica; Biorefinarias: rota termoquímica; Derivados matérias primas oleaginosas (Oleoquímica); Derivados matérias primas sacarinas (Sucroquímica); Derivados do etanol (Alcoolquímica); Conversão química CO em 2 produtos químicos valor agregado; Energias renováveis, notadamente, biocombustiveis, energia eólica e energia solar, além dois outros temas transversais, a catálise e o escalonamento processos. 6 RQI - 1º trimestre 2011

5 estruturação da Re e da Escola Ver, sendo eles: Osvaldo Carioca, Peter Seidl, Eduardo Falabella, Fátima Ludovico, Claudio Mota e Ofélia Araujo. E s t e t r a b a l h o p r o p o r c i o n o u u m sdobramento mais talhado da estrutura da Re e da Escola Ver, longo prazo. Como mostra a Figura 2 a RBQV compreen quatro unidas organizacionais, a saber: 1) a Coornação da Re que ficará junto ao Centro Excelência da Universida Estadual do Ceará e da RENORBIO, uma re biotecnologia agora incluindo a necessida envolver outro para formação doutores que engloba mais 40 núcleo na estrutura da re, o qual é o certificação produtos e processos, em parceria com o INMETRO, sob a coornação da colega Fatima Ludovico da PUC, tendo em vista o sejo da socieda criar um selo ver, ou seja, uma certificação para os produtos e/ou processos limpos, ou sustentáveis visando diferenciá-los no mercado. Para tanto foram inicialmente estabelecidos a visão e a missão da re Ver, a qual será uma associação sem fins lucrativos, regulamentada acordo com a legislação brasileira. A proposta assim colocada almeja integrar este esforço com programas isolados e em senvolvimento no país, tendo em vista promover a Ver como uma estratégia senvolvimento sustentável nacional, tendo a pósgraduação nacional em química e engenharia química como o patamar ste salto científico e tecnológico. Trata-se uma proposta madura e bem centrada nas potencialidas nacionais como monstrado na publicação do CGEE, Ver no Brasil; [14]. Inpennte dos trabalhos anteriores dos pesquisadores foi finido um grupo trabalho para coornar as ações planejamento e execução dos trabalhos No horizonte , a Re Ver preten ser: ser referência mundial no senvolvimento produtos e processos limpos acordo com os princípios da Ver, visando reduzir o impacto dos atuais processos químicos no meio ambiente nacional e contribuindo para que o país tenha um molo senvolvimento industrial sustentável, no médio e Conselho Conselho Executivo Executivo Núcleo Núcleo Regulação Regulação e Certificação e Certificação (NRC) (NRC) Figura 2 Estrutura Governança da RBQV Coornação Coornação da da Re Re Ver Ver (RBQV) (RBQV) Re Re Laboratórios Laboratórios Associados Associados (RLA) (RLA) instituições ensino e pesquisas do Norste; 2) a Escola Ver (EBQV), cuja instituição se será junto a Escola da Universida Feral do Rio Janeiro; 3) a Re Laboratórios Associados (RLA), distribuída acordo com as diretrizes temáticas do livro do CGEE. 4) o Núcleo Regulação e Certificação (NRC) que verá ficar junto a PUC-RJ. A sua missão é, portanto, assumir o papel e a responsabilida mobilizar e senvolver no médio e longo prazo a competência científica e tecnológica do país para a geração inovações tecnológicas em Ver, visando reduzir impactos ambientais e alcançar a sustentabilida ambiental, social e econômica [14]. Um conselho executivo envolvendo membros das instituições com papel relevante ao tema da Ver, inclusive d a i n d ú s t r i a, r e g e r á o s d e s t i n o s e a operacionalização da RBQV. Escola Escola Ver Ver (EBQV) (EBQV) RQI - 1º trimestre

6 3- Outros esforços senvolvidos ou em Aachen e Friedrich Horst do Deutsch Zentrum für senvolvimento Durante a realização do workshop do CGEE houve a necessida se levantar mapas prospecções tecnológicas rotas processos e produtos da química Ver para se alinhar com as necessidas das indústrias e com o futuro trabalho da re laboratórios associados. Houve também a necessida se avançar com alguns temas estratégicos na forma outros workshops isolados. Assim foram aceitas as idéias realização um workshop microalgas realizado em Fortaleza em agosto 2010 [15], cujos resultados já foram transformados em três projetos apresentados a ANP Agência Nacional do Petróleo e outro, sobre biorefinarias realizado no Rio, cujos resultados também indicam a priorização alguns projetos para serem realizados com a iniciativa privada. Os anais stes workshops já se encontram em fase publicação, e em breve serão encaminhados ao CGEE para fazer parte do acervo informações da Re Ver. Por sua vez, houve a necessida se avançar na análise e concepção da estrutura da Escola Ver através da realização outro seminário realizado recentemente em Araras sob a coornação do Luft-und Raumfahart, visando o estabelecimento cooperações tecnológicas interesse da re e em especial do nosso país. Em reunião realizada em Brasília no ano passado, fomos comunicados que o Senador Inácio Arruda preten realizar uma audiência pública no Senado para divulgar estes trabalhos, bem como homenagear o ano internacional da química. Como ações previstas para serem realizadas em breve espaço tempo estão uma reunião em Fortaleza para discutir e aprovar o estatuto da RBQV e a realização um workshop sobre biopolimeros. 4. Referencias [1] Carnos NAE; Mudança Climática ; Vol. I; Published by: Núcleo Assuntos Estratégicos da Presidência da Republica (2005); [2] Abstract established by Eduard Pestel. A Report to The Club of Rome (1972), by Donella H. Meadows, Dennis l. Meadows, Jorgen Ranrs, William W. Behrens... III. Consulted in October 2007 at: [3] Instituto Brasileiro Geografia e Estatística IBGE; Indicadores [4] Capitulo Carioca e Caetano [5] International Council of Chemical Association ICCA; chem.org/ [6]Associação da Indústria ABIQUIM. Available at [7] Tundo, P. and Aricó, F. Green chemistry on the rise: Thoughts on the short history of the Field. Chemistry International, vol 29 no.5, September-Octuber, [8] Editor; Piero Tundo; Green Chemistry Series Nº 1, Collection of Lectures of the Summer Schools on Green Chemistry ; Venice, Italy, colega Peter Seidl, on se contou com uma (2001); excelente participação da indústria nacional, além [9] Editor; Pietro Tundo and Rita Hoyos Rossi; Green Chemistry Series Nº11; Ver en Latino America ; INCA Consorzio da presença da ABIQUIM, o nosso principal parceiro Interuniversitario, La Chimica per l Ambiente ; (2004); representativo da indústria nacional. Em breve os Anais stes encontros estarão à disposição do CGEE e dos mais interessados nos temas da Ver. Vale stacar que o grupo gestor da re vem dando continuida aos relacionamentos estabelecidos com entidas e/ou pesquisadores [10] Carioca, J. O. B. Ver, Ambiental ou para Sustentabilida. Apresentado no ALL ABOUT ENERGY 201p0, realizado no Centro Convenções Edson Queiroz, no período 30/06 a 02/07/2010. Fortaleza/CE. [11] Associação ABQ. Disponível no site: [12] Associação Engenharia ABEQ. Disponível no site: [13] Anais, Brazilian Network on Green Chemistry : Awareness, instituições do exterior, notadamente, da re Responsibility and Action, realizado no período 18-21/11/07. Italiana através da universida Lecce, da Edições UFC, Fortaleza/CE. ISBN: [14]. Ver no Brasil: Editora CGEE, Brasília/DF. universida York no Reino Unido, no Instituto ISBN: Ver dos Estados Unidos e da Alemanha através dos professores Willi Keim da universida [15] Anais, International Biofuels and Microalgae Workshop, realizado no período 02-05/08/10, Fortaleza/CE (em publicação). 8 RQI - 1º trimestre 2011

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

REGULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA QUÍMICA VERDE NO BRASIL:

REGULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA QUÍMICA VERDE NO BRASIL: REGULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA QUÍMICA VERDE NO BRASIL: Proposta de criação do NÚCLEO DE REGULAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM QUÍMICA VERDE Prof a Fatima Ludovico Consultora do CGEE Rio de Janeiro, 02 de setembro

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br Empresas Empresas Empresas Grupo de Trabalho EMBRAPII Projeto Piloto de Aliança Estratégica Pública e Privada Agosto 2011 Embrapii: P&D Pré-competitivo Fase intermediária do processo inovativo Essencial

Leia mais

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Madhu Haridasan Coordenador de Tecnologia da Informação da Rede Brasil de Tecnologia Dispêndios nacionais

Leia mais

Anexo IV. Definição de Projetos de Cooperação nas áreas de Biotecnologia, Saúde e Energia

Anexo IV. Definição de Projetos de Cooperação nas áreas de Biotecnologia, Saúde e Energia MERCOSUL, REUNIÃO ESPECIALIZADA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Anexo IV OUTROS TEMAS: Definição Projetos Cooperação nas áreas Biotecnologia, Saú e Energia BIOTECNOLOGIA Fortalecimento das atividas do Centro Argentino/Brasileiro

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Power Future 2009 - Exposição Internacional e Seminário das Energias Alternativas e Renováveis - Câmara Brasil-Portugal no Ceará

Power Future 2009 - Exposição Internacional e Seminário das Energias Alternativas e Renováveis - Câmara Brasil-Portugal no Ceará Campinas, 27 de Abril de 2009. (Número 562) Todas as edições do NIPEenergia estão disponíveis na íntegra no site do NIPE: www.nipeunicamp.org.br! EVENTOS Termoeletricidade 2009 27 e 28 de Abril de 2009

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO OUI- IOHE MISSÃO OUI DE UNIVERSIDADES CANADENSES NO BRASIL 28 de novembro a 2 de dezembro de 2011 Programa preliminar A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO À luz dos excelentes

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ I - Objetivos do PADIQ O Plano Conjunto BNDES-FINEP de Apoio à Diversificação e Inovação da Indústria

Leia mais

01-12/12/2008 Cuiabá - MT

01-12/12/2008 Cuiabá - MT Secretaria de Estado do Meio Ambiente SEMA-MT - Em defesa da meio ambiente Instituto Brasileiro de Administração para o Desenvolvimento IBRAD Curso de Avaliação e Monitoramento de Políticas Públicas 01-12/12/2008

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

www.oxiteno.com PERFIL INSTITUCIONAL AGO/2014 ÁFRICA - AMÉRICA - ÁSIA - EUROPA - OCEANIA

www.oxiteno.com PERFIL INSTITUCIONAL AGO/2014 ÁFRICA - AMÉRICA - ÁSIA - EUROPA - OCEANIA www.oxiteno.com PERFIL INSTITUCIONAL ÁFRICA - AMÉRICA - ÁSIA - EUROPA - OCEANIA AGO/2014 Criando soluções que promovem a evolução do mundo. INOVAÇÃO para transformar a vida das pessoas. Com atuação no

Leia mais

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética Reive Barros dos Santos Diretor São Paulo - SP 26 de agosto de 2015 Missão Proporcionar condições favoráveis para que o mercado

Leia mais

Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica. Promovido por

Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica. Promovido por Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica Promovido por Texto atualizado em 22 de Maio de 2013 Índice 1. Contextualização... 3 2. Objetivo... 3 3. Público-Alvo... 3 4. Entidades promotoras...

Leia mais

Diretrizes para obtenção do Selo Solar

Diretrizes para obtenção do Selo Solar Diretrizes para obtenção do Selo Solar Outorgado por em Parceria com Dezembro de 2014 2 Índice 1. Contextualização...4 2. Objetivo...4 3. Público-Alvo...4 4. Entidade promotora...5 5. Entidade parceira...5

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Energia e Tecnologias Limpas DENE A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras Ideias Criativas em Práticas Inovadoras O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal é promovido anualmente, desde 1996, pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em parceria com o Ministério

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Metas e Linhas de Ação do CRESESB

Metas e Linhas de Ação do CRESESB Metas e Linhas de Ação do CRESESB Missão do CRESESB Promover o desenvolvimento das energias solar e eólica através da difusão de conhecimentos, da ampliação do diálogo entre as entidades envolvidas e do

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

O PASSO A PASSO DA MATRIZ DE IMPACTO DO USO DE ENERGIA

O PASSO A PASSO DA MATRIZ DE IMPACTO DO USO DE ENERGIA O Instituto LIFE disponibiliza a Série Temática de Cadernos Técnicos sendo um deles Energia e Biodiversidade. A energia consumida por uma empresa pode derivar de diferentes fontes energéticas. O uso de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº. 040/2011-CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº. 040/2011-CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº. 040/2011-CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior Tecnologia em Gestão, da Universida do Estado do Amazonas (UEA).

Leia mais

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012 CONTEXTO O setor de florestas plantadas no Brasil éum dos mais competitivos a nível mundial e vem desempenhando um importante papel no cenário socioeconômico do País, contribuindo com a produção de bens

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

Alemanha e Brasil: Parceiros para o Desenvolvimento Sustentável

Alemanha e Brasil: Parceiros para o Desenvolvimento Sustentável Alemanha e Brasil: Parceiros para o Desenvolvimento Sustentável Por quê? Em nenhum outro país do mundo existem especialmente para a proteção do clima e tantas espécies de plantas e animais como conservação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ. Consulta aos Potenciais Interessados

PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ. Consulta aos Potenciais Interessados PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ Consulta aos Potenciais Interessados Agenda Objetivos Linhas temáticas Etapas Consulta a parceiros e potenciais clientes

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PCT e Universidades: Mudanças na Missão e na Imagem das Instituições

PCT e Universidades: Mudanças na Missão e na Imagem das Instituições Workshop de Parques Tecnológicos en la Sociedad del Conocimiento Pontifícia Universidad Católica del Perú IASP AIDECA Peru INCUBA Módulo IV PCT e Universidades: Mudanças na Missão e na Imagem das Instituições

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental na Petrobras

Responsabilidade Social e Ambiental na Petrobras Responsabilidade Social e Ambiental na Petrobras Carlos Alberto Ribeiro de Figueiredo Janice Dias PETROBRAS - Comunicação Nacional RESPONSABILIDADE SOCIAL SOCIAL CORPORATIVA Necessidade Assistencialismo

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes.

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. Instituto Ethos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. MISSÃO: Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

REPRESENTAÇÃO REGIONAL DO MCT NO NORDESTE ReNE ORIGEM E PRINCIPAIS AÇÕES

REPRESENTAÇÃO REGIONAL DO MCT NO NORDESTE ReNE ORIGEM E PRINCIPAIS AÇÕES REPRESENTAÇÃO REGIONAL DO MCT NO NORDESTE ReNE ORIGEM E PRINCIPAIS AÇÕES PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CONSELHO CONSULTIVO IVON FITTIPALDI CONSECTI, FORTALEZA AGOSTO 2010 1 ORIGEM DECRETO Nº 5.886 DE 06 DE

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP erocca@finep.gov.br Tel: 21 2555-0641 Financiadora de Estudos e Projetos

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais C A P E S Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) convida as instituições públicas de ensino superior

Leia mais

Ata da Reunião do Grupo Temático 16

Ata da Reunião do Grupo Temático 16 Ata da Reunião do Grupo Temático 16 Data: 30 e 31 de março de 2009 Local: Centro de Convenções Israel Pinheiro - Brasília - DF OBJETIVO DA REUNIÃO A reunião foi realizada com os laboratórios, no âmbito

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS 2003 É criada a G-COMEX ÓLEO & GÁS com o objetivo de prover soluções logísticas sob medida para o mercado de óleo, gás, energia e indústria

Leia mais

RESOLUÇÃO CGRAD 011/09, DE 27 DE MAIO DE 2009

RESOLUÇÃO CGRAD 011/09, DE 27 DE MAIO DE 2009 RESOLUÇÃO CGRAD 011/09, DE 27 DE MAIO DE 2009 Aprova o Regulamento Geral das Atividas Curriculares Complementares dos Cursos Graduação do CEFET-MG A PRESIDENTE DO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI SEMINÁRIO ANDIFES Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Brasília, 13 de março de 2012 Percentual do PIB aplicado em C,T&I Comparação Internacional Fontes: Main

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS PROGRAMA Nº 04/2012 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri.

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP Departamento de Meio Ambiente - DMA - Divisão de Mudanças Climáticas - Seminário Gestão de Gases de Efeito Estufa Parceria ABNT - BID FIESP, São Paulo,

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO (aprovado na 49ª Reunião do Comitê realizada em 11 de abril de 2013) CAPÍTULO I Do

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Agenda 1 2 3 4 5 Panorama sobre eficiência energética Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Políticas brasileiras de eficiência energética Eficiência energética na

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE CONTEXTO DO PROGRAMA O Texbrasil, Programa de Exportação da Indústria da Moda Brasileira, foi criado em 2000 pela Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e Confecção)

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE CONTEXTO DO PROGRAMA O Texbrasil, Programa de Internacionalização da Indústria da Moda Brasileira, foi criado em 2000 pela Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos?

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? Seminário sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Brasileiro Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? 21 de novembro de 2014 Aneel Brasília O conteúdo deste relatório foi produzido

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 0DUoR $'0,1,675$d 2 Aprovação junto a CPPG da Resolução nº 01/2001 que dispõe sobre as atribuições da Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

5 Objetivos Principais

5 Objetivos Principais A Rainforest Business School Escola de Negócios Sustentáveis de Floresta Tropical Instituto de Estudos Avançados Universidade de São Paulo (USP) Programa de Pesquisa Amazônia em Transformação (AmazonIEA)

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60 Um pouco da História da Educação Ambiental Década de 60 1962 Livro Primavera Silenciosa de Rachel Carson - alertava sobre os efeitos danosos de inúmeras ações humanas sobre o ambiente, como por exemplo

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO CONTECC - CONGRESSO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA DO CONFEA

GRUPO DE TRABALHO CONTECC - CONGRESSO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA DO CONFEA ANEXO DE DECISÃO PL0261/ GRUPO DE TRABALHO CONTECC - CONGRESSO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA DO Inovação: Indispensável para a Geração de Riqueza e Desenvolvimento Nacional PLANO DE TRABALHO

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais