As Negociações Multilaterais sobre o Aquecimento Global: uma nova Guerra Fria?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As Negociações Multilaterais sobre o Aquecimento Global: uma nova Guerra Fria?"

Transcrição

1 As Negociações Multilaterais sobre o Aquecimento Global: uma nova Guerra Fria? Fúlvio Eduardo Fonseca 1 Introdução A primeira fase do pós-guerra Fria: Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92), Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, Protocolo de Quioto, início do regime do clima. 1 No período de euforia que se seguiu ao final da Guerra Fria, o ciclo de conferências mundiais e encontros de cúpula convocados pelas Nações Unidas foram idealizados como ocasiões para uma discussão realmente global sobre os grandes temas da humanidade: oportunidades para os governos tomarem decisões de princípio, que não poderiam ser tomadas em um âmbito apenas nacional, que evocariam padrões para o comportamento internacional e para se contemplar as necessidades a longo prazo da humanidade. Certamente, logo ficaria claro que as grandes conferências internacionais nem sempre seriam totalmente aproveitadas. Assim, com o objetivo de definir estratégias que permitissem interromper e reverter os efeitos da degradação ambiental e, ao mesmo tempo promover o desenvolvimento sustentável, a Assembléia Geral das Nações Unidas convocou, em 1989, pela resolução 44/228, a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (UNCED), que viria a ser realizada no Rio de Janeiro, em 1992 (Rio-92). Com a aproximação da Rio-92, promoveram-se, no âmbito do Comitê Preparatório da Conferência (Prepcom), discussões técnicas e políticas sobre os documentos a serem assinados, o que foi uma inovação dos procedimentos de conferências internacionais deste tipo ao permitir grande debate político e um intercâmbio de idéias entre as delegações oficiais e os representantes de vários setores da sociedade civil transnacional, assim como a participação de cientistas independentes. A Rio-92 mostrou que o questionamento do modelo vigente de desenvolvimento passou a fazer parte destacada da discussão geopolítica nacional e 1 Doutor em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília.

2 internacional. Seus principais resultados foram a adoção de documentos tais como a Agenda 21, a Declaração do Rio, Declaração de Princípios sobre Florestas, além da Convenção sobre Diversidade Biológica e a Convenção-Quadro sobre Mudanças Climáticas, objeto do presente ensaio O regime internacional de mudanças climáticas, foi estabelecido voluntariamente pelos Estados para prover um certo grau de ordem, previsibilidade e cooperação nesse campo. As formulações sobre regimes internacionais assumem tipicamente que a governança global 2 não pode ser explicada nem pelo poder dos grandes Estados, nem pela ação de organizações internacionais, unicamente. Assim, por exemplo, o Secretariado da Convenção do Clima, e as Conferências das Partes (COPs) são integrantes do regime climático, mas não são idênticos a ele. 2 Regimes internacionais podem ser definidos como conjuntos de princípios implícitos ou explícitos, normas, regras, e procedimentos de tomada de decisão em torno das quais as expectativas dos atores convergem, em determinada área das relações internacionais 3. Quando pensamos em um dado regime, na diferença que ele faz na ação coletiva global, devemos considerar se ele é efetivo, se atingiu seus objetivos definidos ou ajudou os participantes, etc. A primeira parte da definição de regime - os princípios - corresponde à sua razão de ser, a sua estrutura normativa, a qual não é, em si mesma, sujeita a negociação direta, uma vez estabelecida. Assim, por exemplo, o regime do clima consolida as questões sobre as mudanças climáticas e essas questões estruturam as respostas que a Conferência das Partes pode prover. Os negociadores oficiais do clima podem divergir, digamos, em como expressar o princípio das responsabilidades comuns, porém diferenciadas nas regras, mas eles não o desafiam. A 2 Governance is the sum of the many ways individuals and institutions, public and private, manage their common affairs. It is a continuing process through which conflicting or diverse interests may be accommodated and co-operative action may be taken. In: COMISSION ON GLOBAL GOVERNANCE, Our Global Neighbourhood, New York: Oxford University Press, 1995, pp Sets of implicit or explicit principles, norms, rules, and decision-making procedures around which actors expectations converge in a given area of international relations, In: KRASNER, S., International Regimes, Ithaca: Cornell University Press, 1983, p. 2.

3 segunda parte da definição de um regime é a sua forma instrumental, suas regras e procedimentos de tomada de decisão, os quais são as principais fontes de mudança em um dado regime internacional. Note-se que o regime de mudanças climáticas é maior do que os instrumentos jurídicos associados a ele, englobando os próprios atores estatais, empresariais e sociais, assim como suas preferências e escolhas. 3 Essa abordagem teórica é uma tentativa de descrever a complexidade das forças que agem no campo das mudanças climáticas, pois os Estados são soberanos, mas não são livres para fazerem o que lhes aprouver, quando aceitam regras internacionais coletivamente acordadas. Nesse sentido, o regime de mudanças climáticas restringe, de certa forma, o direito dos Estados: mesmo não havendo uma instância de coerção, a própria identidade de interesses, e a pressão exercida pelos outros Estados, ONGs e organismos internacionais exercem um estímulo para que as normas sejam cumpridas. O regime do clima tornou-se mais complexo a partir da adoção de um protocolo no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas - UNFCCC 4, o qual foi assinado em dezembro de 1997, em Quioto, no Japão. O Protocolo de Quioto é um acordo internacional vinculante sobre a redução das emissões de gases de efeito estufa (dióxido de carbono CO 2, gás metano CH 4, óxido nitroso N 2 O, hexafluoreto de enxofre SF 6, hidrofluorcarbonos HFC e perfluorcarbonos PFC). O Protocolo impõe aos países industrializados (elencados no Anexo I da Convenção), responsáveis por 70% das emissões, uma redução média dos níveis das emissões de gases de efeito estufa de 5,2% em relação a 1990, no horizonte temporal de 2008 a Os objetivos estabelecidos para cada país variam entre a estabilização das emissões pela Rússia e a redução de emissões que giram em torno de 8% para os países europeus, 7% para os Estados Unidos e 6% para o Japão. Os países menos desenvolvidos ou em desenvolvimento (como o Brasil, a 4 A UNFCCC foi adotada em maio de 1992 e entrou em vigor em março de A Convenção requer que todas as Partes definam programas nacionais para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e forneçam seus relatórios periódicos, e dispõe ainda que as Partes que sejam países desenvolvidos mantenham suas emissões do ano 2000 no mesmo nível de 1990.

4 Índia ou a China) não estão, pelo menos até agora, sujeitos a nenhum tipo de compromisso (salvo aqueles comuns a todas as partes) e não estão, portanto, obrigados a reduzir suas emissões de gases de efeito estufa. 1 O Choque da Realidade: Dez anos depois, o limite das negociações. A nova Guerra Fria do aquecimento global. 4 É possível sugerir que as dificuldades de um dado processo de negociação são ainda maiores quando as questões situam-se em cenários de acentuada complexidade institucional, envolvendo grande multiplicidade de atores e a superposição entre as esferas da política externa e interna dos países. Talvez os desafios sejam ainda maiores quando a formulação e execução das políticas se destinam a responder a problemas de longo prazo (intergeracionais), cuja compreensão exige conhecimentos técnicos e científicos de elevado nível de abstração e elaboração (como o cálculo das emissões ou até mesmo dilemas éticos e de eqüidade 5 ) e cujos efeitos não são perceptíveis de imediato pela maioria da sociedade, como é exatamente o caso do aquecimento global. Desde a Primeira Conferência das Partes da Convenção do Clima, em 1995 (COP-1), já se sabia que a maioria dos países desenvolvidos não conseguiria reduzir suas emissões como tinham acordado naquele instrumento e que as metas deveriam ser revistas, não sendo outra a razão pela qual seria negociado o Protocolo de Quioto, dois anos mais tarde. Como outro exemplo dos limites do multilateralismo, a implementação da Convenção sobre Diversidade Biológica também é lenta, faltando-lhe metas e programas específicos, tendo algumas questões obtido poucos avanços, como a dos direitos de propriedade intelectual, dos conhecimentos tradicionais e dos povos indígenas. Durante quase uma década de negociações, foram realizadas inúmeras consultas, workshops e conferências para que as Partes pudessem estabelecer as regras operacionais dos mais variados temas relativos ao Protocolo de Quioto. Esse processo não foi tranqüilo e a COP-6, realizada na Haia, foi emblemática: quando o presidente da conferência deveria encerrar os trabalhos, persistia uma ampla divergência entre as Partes nos mais diversos grupos de negociação do processo de regulamentação do Protocolo. Com a falta de acordo, a COP foi suspensa e reconvocada para o ano seguinte. Nesse ínterim, o governo dos Estados Unidos, o país que é o 5 Eqüidade internacional pode ser definida como a fair and just distribution among countries of benefitis, burdens and decision making authority, in HARRYS, P., International Equity and Global Environmental Politics, Hampshire: Ashgate, 2001, p. 7.

5 maior emissor de gases de efeito estufa do planeta, anunciou que não ratificaria o Protocolo de Quioto. Num cenário pessimista, foi realizada a sessão reconvocada da COP-6, em Bonn, onde, surpreendentemente, no segmento de alto nível, foi obtido um acordo político ministerial que estabelecia os principais pontos de consenso. Como não havia tempo para se traduzir em linguagem legal o acordo político, a única alternativa foi terminar o trabalho na COP-7, o que aconteceu em novembro de 2001, no Marrocos. Assim, as regras operacionais do Protocolo foram estabelecidas, mas sua entrada em vigor deu-se apenas em 16 de fevereiro de 2005, com a ratificação da Rússia 6. 5 Naturalmente, era de se esperar que a medida que o tema se transferia da arena científicoambiental internacional para a agenda política internacional, envolvendo interesses econômicos objetivos, o dissenso e os conflitos começariam a emergir. Na verdade, se nos reportarmos aos antecedentes da UNFCCC, já encontraríamos posições antagônicas que bloqueiam o processo decisório multilateral, uma vez que, nesse caso, as resoluções devem der adotadas por consenso: desde outubro de 1990, quando realizou-se, em Genebra, a II Conferência Mundial do Clima, patrocinada pela OMM e pelo PNUMA, entre outras organizações internacionais reconhecia-se o imperativo de se estabelecer uma Convenção internacional sobre as mudanças climáticas. A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas foi o primeiro tratado internacional sobre mudanças climáticas, aberto para assinaturas em É um tratado genérico, que estabelece o compromisso dos Estados nos seguintes termos: estabilização das concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera num nível que impeça uma interferência 6 O Protocolo de Quioto entraria em vigor 90 dias após a data na qual pelo menos 55 Partes na Convenção, entre os quais os países industrializados (elencados no Anexo I), cujas emissões totais representassem 55% da quantidade total emitida em 1990 deste grupo de países, o tivessem ratificado.

6 antrópica perigosa no sistema climático. Esse nível deverá ser alcançado num prazo suficiente que permita aos ecossistemas adaptarem-se naturalmente à mudança do clima, que assegure que a produção de alimentos não seja ameaçada e que permita ao desenvolvimento econômico prosseguir de maneira sustentável. 6 Assim, ao longo de pouco mais de uma década o fenômeno da mudança climática global deixou de ser percebido como um tema científico-ambiental e apresentou-se como um problema político que demandava políticas públicas globais. Esta modalidade de política pública corresponde ao conjunto de decisões e ações destinadas à resolução de problemas políticos que têm como foco ou origem fenômenos transnacionais. Tanto os problemas que estão na sua origem como as medidas adotadas para sua resolução excedem o unilateralismo, relações bilaterais, multilaterais ou regionais no cenário internacional, apresentando desdobramentos e conseqüências globais, por sua própria natureza. Tais políticas caracterizam-se por serem multissetoriais e multidisciplinares. Além disso, distinguem-se pelo fato de que somente se realizam mediante articulação do plano da política externa com o plano interno. Essa articulação, por sua vez, depende de decisões de cooperação e de auto-contenção entre os atores envolvidos, uma vez que não há uma esfera supranacional dotada de poder imperativo para assegurar o seu efetivo cumprimento. Neste sentido, as políticas públicas globais incluiriam outras características além daquelas próprias dos regimes internacionais, apresentando as demais dimensões cuja ausência autores diversos criticam neste conceito: regras explícitas e/ou formalizadas; ações ou comportamentos observáveis; convergência dos interesses dos atores. É bastante sintomático os paralelos que podem ser estabelecidos entre as controvérsias e clivagens presentes no processo político internacional relacionado às mudanças climáticas e o contexto da Guerra Fria, na segunda metade do século XX. Os acordos ambientais multilaterais

7 são, historicamente, mais controversos na medida em que demandam maiores sacrifícios das partes envolvidas. A UNFCCC, por exemplo, que não estabelece obrigações de reduções aos signatários, em termos quantitativos, teve adesão universal, ao contrário do Protocolo de Quioto, cujas grandes ausências sãos os Estados Unidos e a Austrália. 7 Os custos de mitigação das mudanças climáticas e de adaptação a seus efeitos adversos são difíceis de avaliar. Decorreriam, principalmente, da reestruturação dos sistemas de transporte, questões relativas a mudanças no uso do solo e florestas, novos padões de consumo, desenvolvimento de novas tecnologias, assim como da produção e utilização da energia. Além disso, estes custos aumentariam significativamente em caso de não-atuação por parte de outros países grandes emissores de gases de efeito estufa, incluindo as Partes não elencadas no Anexo I, atualmente sem compromissos de redução. Por outro lado, uma política menos ambiciosa não seria uma boa alternativa, uma vez que não permitiria atingir os objetivos determinados e implicaria custos suplementares decorrentes do próprio aquecimento global, como os eventos climáticos extremos. De certo modo, entre os grupos negociadores que atuam no âmbito das Conferências das Partes, existe uma clara divisão que pode ser ilustrada pelos países da União Européia e Brasil, de um lado, e os Estados Unidos, de outro. O princípio das responsabilidades comuns porém diferenciadas (princípio fundamental da Convenção, ao lado do princípio da precaução) estabelece que os países desenvolvidos devem assumir a liderança do processo de redução de emissões, entretanto, os países em desenvolvimento estão produzindo progressivamente maior quantidade de gases de efeito estufa, na medida em que se industrializam. Claramente, o custo total para o combate ao aquecimento global irá crescer na razão direta da complexificação do cenário de emissões, das configurações políticas nacionais e do contexto internacional. Grandes países emissores, mas sem compromissos obrigatórios, tais como Brasil, China e Índia, têm demonstrado firme apoio ao Protocolo de Quioto. Contudo, quando se pensa em um futuro período de compromisso, pós-2012, não é difícil prever o aumento das incertezas associadas, o impacto sobre a segurança humana de modo geral, e dos grupos mais vulneráveis,

8 de modo específico, o que pode exacerbar as tensões e o confrontacionismo, especialmente quando se fala nos custos econômicos de redução 7. 2 Para ir além do multilateralismo interestatal em mudanças climáticas: a governança e o papel dos indivíduos, empresas, ONGs, unidades subnacionais e academia. 8 A partir da institucionalização de regimes internacionais ambientais, tem-se verificado uma multiplicação dos instrumentos jurídicos que destinam-se a regular aspectos específicos da agenda ambiental ou das questões sobre o desenvolvimento. No entanto, existe um consenso de que os diversos tratados, conferências e instituições demandam uma abordagem mais coerente e integrada, além de mecanismos que venham a harmonizar suas metas e formas de implementação, favorecendo ainda, a participação articulada dos Estados Partes, sociedade civil e setor empresarial nesse processo que convencionou-se chamar de governança ambiental internacional. Entre os marcos da governança ambiental, pode-se citar a Conferência sobre Meio Ambiente Humano (Estocolmo-72), a Estocolmo + 10 (Nairóbi-82), a criação da Comissão de Desenvolvimento Sustentável (1983), a Conferência sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92), a Rio + 5 (1997) e, proximamente, a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável (Joanesburgo-2002). Ademais, como agentes da governança ambiental internacional, tem-se, no âmbito das Nações Unidas, a Assembléia Geral e o ECOSOC, os quais podem decidir sobre temas ambientais; o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), cujo mandato engloba a promoção e cooperação internacional no campo do meio ambiente, assim como a avaliação da situação ambiental no planeta e propostas de políticas; a Comissão de Desenvolvimento Sustentável, que tem, entre suas atribuições, o monitoramento da implementação da Agenda 21 e o recebimento de informações providas pelos governos; Comissões Regionais, as quais têm apoiado programas e projetos ambientais em suas jurisdições; e outras agências especializadas 7 KANE, Thomas, Hot Planet, Cold Wars: climate change and ideological conflict, p. 24 (mimeo).

9 que mantêm interface com o tema, como o Centro das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (Habitat), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Organização Mundial de Meteorologia (OMM), etc. Além disso, ainda na esfera intergovernamental, deve-se mencionar as diversas estruturas e foros multilaterais concebidos visando-se à questão ambiental, presentes, por exemplo, nos sistemas europeu, interamericano e africano. 9 Completando esse quadro, é fundamental o papel desempenhado por incontáveis redes que se desenvolvem em torno de assuntos ambientais, articulando-se em diversos níveis e integrando atores governamentais e sociais, além da participação dos major groups (definidos na Seção III da Agenda 21), grupos relevantes da sociedade civil, que constituem o substrato e as bases da estrutura de governança que se pretende fortalecer. Como mencionado, inúmeros tratados internacionais, tanto em nível regional como global, têm sido adotados, cada qual com sua própria estrutura institucional, que pode prever secretariados, mecanismos de financiamento, solução de controvérsias ou formas de cumprimento. Entre os principais documentos internacionais estão a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas e Protocolo de Quioto, a Convenção sobre Diversidade Biológica, Convenção de Combate a Desertificação, Protocolo de Montreal sobre Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio e Convenção da Basiléia sobre Movimentação Transfronteiriça de Resíduos Perigosos. Contudo, devido ao aumento do número de atores, aos diversos interesses a serem acomodados e à visão compartimentalizada, a governança ambiental pode vir a ser comprometida, a menos que se encontre maneiras adequadas para conectar os instrumentos internacionais, uma vez que todos convergem para o mesmo objetivo final, qual seja, a promoção do desenvolvimento sustentável. Como requisitos para a consecução da governança ambiental estão a necessidade de se incorporar internamente os compromissos acordados no plano internacional, de modo que esses tenham reflexo nas legislações e políticas nacionais, e a busca de transparência e inclusão

10 nos processos decisórios, promovendo, assim, a participação da sociedade civil e do setor empresarial. Resta claro que a construção da governança ambiental será feita a partir das disposições individuais e escolhas ambientalmente corretas, passando pela ação dos grupos, responsabilidade corporativa e políticas internas consistentes, até os arranjos jurídicos e políticos firmados no ordenamento internacional, todos esses níveis, sendo permeados por questões tão diversas como o combate à pobreza, consumo e produção sustentáveis, proteção dos ecossistemas, mitigação das mudanças climáticas, etc. 10 Tal empreendimento representaria um esforço de se superar o paradigma cartesianonewtoniano, uma das maiores diretrizes da civilização ocidental, que levou à concepção do universo como um sistema mecânico, onde a visão do todo é relegada e tudo é analisado como se constituído de peças separadas. A concepção sistêmica que se preocupa com os princípios básicos de organização das partes no seu conjunto, considerando sua interrelação e interdependência, revela-se um instrumento mais apropriado para a compreensão da complexa realidade internacional da contemporaneidade. O componente mecanicista de todo esse pensamento foi decisivo para que se operassem as múltiplas cisões nas mais diversificadas áreas do saber conduzindo-nos à visão fragmentária do mundo e, como conseqüência, a degradação ambiental. Com o intuito de tudo compreender, o homem fragmentou o real, passando a estudar as suas partes isoladas e perdendo a dimensão do todo 8. A concepção sistêmica 9 tem como base a inter-relação e interdependência de todos os fenômenos. Assim, a compreensão do todo é diferente da mera soma das partes. Para a compreensão desse todo - no nosso caso, o fenômeno internacional - é necessário não 8 MACHADO FILHO, Haroldo, O Caráter Sistêmico das Grandes Conferências das Nações Unidas dos Anos Noventa: estudo com ênfase na Habitat II, dissertação de mestrado, IREL, Contribuíram de forma significativa para a evolução da concepção sistêmica os enfoques da Ecologia (especialmente os estudos de Ludwig von Bertalanffy sobre Teoria Geral dos Sistemas, enfatizando a interrelação entre os organismos e o meio ambiente), da Biologia Sistêmica (estudos sobre os sistemas autoorganizadores dos seres vivos) e da Teoria da Comunicação (principalmente os estudos liderados por Gregory Bateson sobre comunicação sistêmica).

11 dissecá-lo em elementos isolados através de uma visão mecanicista. Capra, na sua obra O Ponto de Mutação, sintetiza com grande habilidade tais idéias, ao afirmar : a concepção sistêmica vê o mundo em termos de relações de integração. Os sistemas são totalidades integradas, cujas propriedades não podem ser reduzidas às de unidades menores. Em vez de se concentrar nos elementos ou substâncias básicas, a abordagem sistêmica enfatiza princípios básicos de organização. (...) Dissecando-se um sistema, ou seja, isolando-se seus elementos física ou teoricamente, é inevitável que ocorra uma ruptura nas propriedades sistêmicas. As partes individuais do sistema funcionam isoladamente de forma diversa da que funcionariam na sua relação com o todo. A descrição reducionista das partes não permite a visão da organização e da redistribuição das subestuturas que, interagindo-se, formam o todo. As formas dos sistemas são estruturas flexíveis, em constante reorganização de acordo com os novos desafios. A eficiência de um sistema pode ser medida através da sua capacidade de renovar e reciclar constantemente seus elementos, mantendo, porém, a estrutura do seu conjunto. Não é por outra razão que os problemas decorrentes das mudanças climáticas serão resolvidos mais facilmente a partir de uma perspectiva integrada, que contemple todas as disciplinas científicos, as múltiplas facetas do problema e que envolva não apenas os atores diplomáticos, mas os diversos agentes e stakeholders, considerando que esta é uma preocupação comum da humanidade. 3 O clima da Sociedade da Informação: tecnologia, novas fontes de energia, mudança nos padrões de consumo, formação de redes transnacionais, mídia e opinião pública global, o plano da cultura e dos valores simbólicos, comunidades epistêmicas, transformações organizacionais. 10 CAPRA, F., O Ponto de Mutação,: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. São Paulo: Cultrix, p. 261.

12 Observa-se nos nossos dias a emergência de uma nova sociedade, que tem sido chamada de Sociedade da Informação ou de Sociedade do Conhecimento, onde o capital intelectual, criativo e inovador tem o mesmo peso e às vezes maior importância que o capital financeiro, terras ou força de trabalho, por exemplo. Podemos categorizar esse novo tipo de capital como conhecimento. Em poucas palavras, o conhecimento é a aplicação da informação, em um processo incessante, onde o conhecimento é necessário para se obter e utilizar mais conhecimento. 12 De fato, a convergência entre telecomunicações, recursos multimídia e tecnologias da informação e comunicação tem proporcionado novos produtos e serviços, assim como novas formas de se fazer negócios ou comércio. Ao mesmo tempo, novas oportunidades sociais, profissionais e empresariais estão despontando em nichos abertos a participação, competição e investimentos externos. Assim, nosso mundo está vivendo a transformação fundamental da sociedade industrial, que marcou o século XX, para a sociedade da informação do século XXI. Esse processo dinâmico anuncia uma mudança em todos os aspectos de nossas vidas, incluindo a disseminação do conhecimento, interação social, práticas econômicas, participação política, educação, saúde, entretenimento e, obviamente, a convivência internacional. A sociedade da informação pode ser conceituada, portanto, como um sistema econômico e social, no qual a geração, processamento e distribuição do conhecimento e da informação são as principais fontes de produtividade, poder e prosperidade. Nesse espírito, o tratamento das questões sobre mudanças climáticas e seus efeitos adversos deve buscar a renovação e aprofundamento não apenas das estratégias internacionais na estrutura multilateral, mas também o apoio e o estabelecimento de parcerias trans-setoriais, entendidas como uma alternativa para se administrar os complexos problemas (adaptação, vulnerabilidade, exclusão tecnológica, desafio intergeracional, etc.) que o tema nos impõe. As possibilidades apresentadas pelas parcerias são multi-facetadas. A miríade de grupos em atuação inclui as ONGs (tidas como o principal elo da sociedade civil), organizações de base

13 ou comunitárias, povos indígenas e comunidades tradicionais, autoridades locais, associações científicas, empresas, etc. Tal diversidade constitui-se uma fonte de capital social, com características que favorecem seu potencial de multiplicação e aplicação, que deve ser direcionado, através da cooperação entre os atores envolvidos, por exemplo, para facilitar o acesso a informação, exercer pressão pela efetiva transferência de tecnologia, contribuir para a educação e empowerment da população, estimular projetos ambientais de base local, incluir uma perspectiva de gênero nas discussões sobre meio ambiente e alavancar a institucionalização dos mecanismos de participação dos atores sociais nos processos multilaterais e conferências internacionais que culminam na governança ambiental. 13 Em diversas ocasiões durante as COPs, as ONGs estiveram presentes em grupos de trabalho intergovernamentais, sessões informais e mesmo discussões ou lobbyng nos corredores. Para que o objetivo do regime do clima seja alcançado, não se pode prescindir da contribuição da sociedade civil e das suas redes. Os governos e o terceiro setor são parceiros na busca pela elevação dos padrões internacionais e as coalizões de ONGs têm uma responsabilidade cada vez mais importante para buscar, mobilizar e canalizar a experiência acumulada. Ademais, a sociedade civil tem estado atenta e observando as ações, declarações, decisões, silêncios e concessões por parte dos governos, sendo a presença cada vez mais organizada e intensa das ONGs em todas as fases do processo em curso, uma manifestação desse papel. As iniciativas destinadas a diminuir a gravidade da mudança climática mediante o controle/redução da emissão dos gases de efeito estufa dependem da interação e do consenso de múltiplos atores. Ou seja, requerem a articulação de interesses políticos e econômicos diversos, freqüentemente conflituosos, envolvendo Estados nacionais, corporações econômicas, populações humanas, burocracias públicas portadoras de interesses específicos, organizações não-governamentais, comunidades epistêmicas, etc. Isto significa conflitos de poder, confrontos entre diferentes visões de boa sociedade e qualidade de vida, competição por lucros e por orçamentos, entre outros. Todos estes elementos são cruciais para a formação de coalizões favoráveis ao estabelecimento dos regimes

14 internacionais ou de políticas globais, no plano externo, e para a formulação e implementação de políticas públicas no plano interno aos países. Exatamente por este motivo, a formação do regime internacional de mudanças climáticas e a formulação e implementação de políticas internas para lidar com o problema ocorrem de forma gradual e não-linear, exibindo marchas e contramarchas. Estas indicam as negociações e barganhas de atores dotados de recursos de poder, em busca de soluções para certos estados de coisas que, ao menos para alguns deles, e sob ângulos diversos, revelam-se indesejáveis ou ameaçadores. 14 Em que pese as complexidades inerentes ao tema das mudanças climáticas, os aspectos científicos que subsidiam as discussões internacionais e as considerações acerca das diversas disciplinas relacionadas, tem-se claro que as variáveis, causas e conseqüências das mudanças climáticas estão firmemente incorporadas a realidade quotidiana dos cidadãos. Em outras palavras, quando se fala em mudanças climáticas, leia-se, por exemplo, os padrões de consumo, a eficiência energética, o uso racional dos recursos naturais, o modo como o lixo é disposto, o veículo que se utiliza e a forma de organização do trânsito, etc. Assim, tratando a questão sob essa ótica, trazemos para a vida diária e para as preocupações de cada indivíduo um tema que, a primeira vista, parecia estar desvinculado das preocupações pessoais e distante do dia-a-dia. Conclusão O futuro do clima: uma visão, dois caminhos A análise da sociedade contemporânea nos remete ao limiar entre a perplexidade diante dos desafios ambientais de um lado, e as potencialidades de superação oferecidas pelos avanços tecnológicos e pela cooperação multilateral, de outro. Na busca por um meio ambiente sadio, estamos na confluência das ameaças de retrocesso e das promessas do desenvolvimento

15 sustentável, inseridos na intersecção do público e do privado, confrontando-nos com temas de elevada complexidade e inter-relacionados, com múltiplos reflexos que pode-se dizer serem intergeracionais e que estão sintetizados nos dois cenários que seguem: Cenário 1: Desaquecimento global = Desaquecimento econômico 15 No presente cenário, apesar das diferenças históricas, culturais e ideológicas, assume-se que o regime de mudanças climáticas estabelece os denominadores comuns para uma convivência harmônica num planeta que é único e, ao estabelecer uma estrutura normativa e uma forma instrumental, ele criaria condições de operacionalidade, de forma a garantir que todos os países alcancem suas necessidades, sem prejudicar aos outros e ao planeta. Apesar disso, permanece a convivência com a continuidade e a mudança, voltas para o passado, e saltos para o futuro, com os critérios da interdependência e demandas por independência, cooperação e conflito, esperando que as dinâmicas estabelecidas pelo regime de mudanças climáticas e pelo multilateralismo, de modo geral, possam reconciliar tais antagonismos. Este cenário fundamenta-se nos estudos científicos que mostram que o aquecimento global e as mudanças climáticas são fenômenos resultantes do crescimento da população humana e do modelo de desenvolvimento que prevalece no planeta: baseado na exploração predatória dos recursos naturais, na industrialização, na busca imediatista do crescimento econômico. A utilização de combustíveis fósseis é a atividade que, ao longo da história humana, mais concorreu para o aumento da concentração de CO 2 na atmosfera. Depois do vapor d água, o CO 2 é o gás que mais contribui para o efeito estufa, seguindo-se o metano, cujas principais fontes são o cultivo de arroz de alagado e a criação de gado, bem como a queima de biomassa, a produção de carvão e de gás natural. Para os adeptos deste cenário, o Protocolo de Quioto pode ser considerado um dos instrumentos mais avançados que a comunidade internacional já acordou, haja vista seus

16 mecanismos econômicos e os compromissos expressos em metas quantitativas que vinculam as Partes. Tudo leva a crer que no século XXI as implicações e desdobramentos das mudanças climáticas, bem como o tratamento a ser dado a tais questões serão de importância estratégica e, portanto, faz-se necessário um desenho institucional que contemple os múltiplos aspectos envolvidos, incluindo a estrutura nacional, a interface com a sociedade civil e a negociação multilateral. 16 Apesar do envolvimento da sociedade civil, ainda é constante a clivagem entre as etapas de tomada de decisão, formulação das políticas globais e a etapa da implementação, em um claro modelo top-down. Cenário 2: Desaquecimento global = Desenvolvimento tecnológico Neste cenário, prevalece, na gestão das mudanças climáticas, o economicismo e o descompasso entre a política econômica e as políticas ambientais, assim como a desarticulação entre as políticas interna e externa. Como regra, as políticas econômicas e de tecnologia assumem a primazia em todo o planejamento da questão, cabendo às demais políticas sociais e ambientais, por exemplo um papel secundário e subordinado, de corrigir as distorções decorrentes. As mudanças climáticas permanecem como uma das questões cruciais da humanidade, por suas múltiplas conseqüências e variáveis sociais, ambientais e econômicas. O problema, além de representar um exemplo da sobreposição das esferas individual e coletiva, na medida em que decisões particulares relacionam-se diretamente com o bem-estar público e o ambiente global, também vem sendo objeto de legítima preocupação, não apenas na esfera intergovernamenmtal, mas também nos círculos empresariais. A preocupação e o interesse pelo aquecimento global, antes restritos aos cientistas e ambientalistas, disseminaram-se por todos os extratos da sociedade.

17 Coexistem decisões estruturantes e decisões incrementais no tratamento da questão de mudanças climáticas, mas a ênfase recai no desenvolvimento de novas tecnologias não emissoras, em fontes de energia renováveis e projetos de geoengenharia. 17 Bibliografia A Livros BOISSON DE CHAZOURNES, L., et al., Protection Internationale de l Environnement: recueil d instruments juridiques, Paris: A., Pedone, 1998.

18 COMISSION ON GLOBAL GOVERNANCE, Our Global Neighbourhood, New York: Oxford University Press, CORFEE, J. M., Monitoring, Reporting, and Review of National Performance under the Kyoto Protocol, Organisation for Economic Co-operation and Development, GRUBB, M., VROLIJK, C., BRACK, D., The Kyoto Protocol : a Guide and Assessment, London: Royal Institute of International Affairs, HASS, P. M., et al., ed., Institutions for the Earth: Sources of Effective International Environmental Protection, Cambridge: MIT Press, IPCC, Climate Change 2001: Synthesis Report Third Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, Cambridge: Cambridge University Press, KRASNER, S., International Regimes, Ithaca: Cornell University Press, ROLFE, C., Kyoto Protocol to the United Nations Framework Convention on Climate Change: A Guide to the Protocol and Analysis of its Effectiveness, West Coast Environmental Law Association, VICTOR, D. G., et al., ed., The Implementation and Effectiveness of International Environmental Commitments: Theory and Practice, Cambridge: MIT Press, WILLIAMS, Michael, Changements Climatiques: fiches informatives, PNUE/UNFCCC, YAMIN, Farhana & DEPLEDGE, Joanna, The International Climate Change Regime: a guide to rules, institutions and procedures (draft copy), Brighton: Institute of Development Studies/University of Sussex, B Artigos MACHADO FILHO, H. & PACIORNIK, N., Política e Instrumentos Legais Internacionais da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (International Policies and Legal Tools of the United Nations Framework Convention on Changements climatiques), in MOREIRA, A. G. & SCHWARTZMAN, S. (eds.), As Mudanças Climáticas Globais e os Ecossistemas Brasileiros (Global Climate Change and Brazilian Ecosystems), Brasília: Instituto de Pesquisas Ambientais da Amazônia; The Woods Hole Research Center; Environmental Defense, 2000.

19 RAJAMANI, L., The Principle of Common but Differentiated Responsibility and the Balance of Commitments under the Climate Regime, Review of European Community and International Environmental Law, vol. 9, issue 2, 2000, pp REDGWELL, C., Multilateral Environmental Treaty-Making in GOWLLAND-DEBBAS, V. (ed.), Multilateral Treaty-Making: the current status of challenges to and reforms needed in the international legislative process : Papers presented at the Forum Geneva, held in Geneva, Switzerland, May 16, 1998, American Society of International Law; Institut Universitaire des Hautes Études Internationales, Genève, The Hague (etc.): Martinus Nijhoff Publishers, 2000, pp WOOD, J., Intergenerational Equity and Climate Change, Georgetown International Environmental Law Review, Georgetown, vol. 8 (2), 1996, pp C Documentos UNFCCC/PNUD, Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (1992), UNFCCC/PNUD, Protocolo de Quioto (1997), D Sites Global Environmental Facility : International Institute on Sustainable Development: Intergovernmental Panel on Climate Change: Ministério da Ciência e Tecnologia: Umião Européia: europa.eu United Nations Environmental Program: United Nations Framework Convention on Climate Change:

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20: como chegamos até aqui Estocolmo 1972 Realizada há quarenta

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20 Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável CONFERÊNCIA RIO+20 20 e 22 de junho de 2012 20º aniversário da Conferência das Nações

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Redução dos níveis de emissão de gases de efeito estufa na atmosfera

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80.

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80. Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental 1. Evolução do movimento ambientalista Durante os últimos 30 anos tem se tornado crescente a preocupação da sociedade com a subsistência, mais precisamente

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010 Nações Unidas A/RES/64/236 Assembleia Geral Sexagésima quarta sessão Agenda item 53 (a) Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Segundo Comitê (A/64/420/Add.1)] Distr.: Geral 31 de

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS Direito e Mudanças Climáticas Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: o que o Direito tem a ver com isso? Mudanças Climáticas Alterações

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO UNESP-S.J do Rio Preto RAFAEL AZEREDO DE OLIVEIRA Mudanças Climáticas e Aquecimento Global FORMAÇÃO DO IPCC Criado pela ONU Organização

Leia mais

Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima

Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima As Partes deste Protocolo, Sendo Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, doravante denominada

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Bases para a ação CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS 38.1. O mandato da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

Curso Sustentabilidade e Saúde Humana:

Curso Sustentabilidade e Saúde Humana: Curso Sustentabilidade e Saúde Humana: Ações individuais para melhorias em todo o planeta Nosso maior desafio neste século é pegar uma idéia que parece abstrata desenvolvimento sustentável e torná-la uma

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Protocolo de Quioto à Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Diminuição da emissão de gases de efeito estufa

Leia mais

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Síntese e Resultados III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Resultados & Avanços Resultados Implementaçao de Hyogo revista e avaliada*

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas 1) O que é Mudança do Clima? A Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima (em inglês: United Nations Framework Convention on Climate Change UNFCCC),

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO)

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) ILÍDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional JANEIRO/2001

Leia mais

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Junte-se à iniciativa 4 por 1 000 Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Baseada em uma documentação científica sólida e em ações de campo concretas, a iniciativa "4 por 1000" visa mostrar

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

A mudança do clima na perspectiva do Brasil: negociações e ações futuras

A mudança do clima na perspectiva do Brasil: negociações e ações futuras Sérgio B. Serra*¹ A mudança do clima na perspectiva do Brasil: negociações e ações futuras Governantes e sociedade civil, no mundo inteiro, debruçam-se sobre os resultados dados à luz do último relatório

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 Tema: Mudanças Climáticas Palestrante: Érika Pires Ramos Resumo. O presente ensaio pretende ser uma

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

PROTOCOLO DE QUIOTO À CONVENÇÃO-QUADRO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MUDANÇA DO CLIMA

PROTOCOLO DE QUIOTO À CONVENÇÃO-QUADRO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MUDANÇA DO CLIMA Protocolo de Quioto Editado e traduzido pelo Ministério da Ciência e Tecnologia com o apoio do Ministério das Relações Exteriores da República Federativa do Brasil Introdução Quando adotaram a Convenção-Quadro

Leia mais

Mudança do Clima. Luiz Gylvan Meira Filho

Mudança do Clima. Luiz Gylvan Meira Filho SABESP São Paulo, 12 de novembro de 2008 Mudança do Clima Luiz Gylvan Meira Filho Pesquisador Visitante Instituto de Estudos Avançados Universidade de São Paulo A terra recebe energia do sol na forma de

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO 1. O comércio internacional deve ser conduzido de forma a melhorar o bem estar social, respeitando a necessidade de promover

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

GOVERNANÇA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, INTEGRIDADE AMBIENTAL E JUSTIÇA SOCIAL

GOVERNANÇA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, INTEGRIDADE AMBIENTAL E JUSTIÇA SOCIAL GOVERNANÇA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, INTEGRIDADE AMBIENTAL E JUSTIÇA SOCIAL Versão de subsídios aos debates por ocasião da Rio+20 Brasília, Junho de 2012 O Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais

Leia mais

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG Thesaurus Editora 2008 O organizador Amado Luiz Cervo Professor emérito da Universidade de Brasília e Pesquisador Sênior do CNPq. Atua na área de relações internacionais e política exterior do Brasil,

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS Tradução sob a responsabilidade da Cátedra UNESCO de Bioética da UnB por solicitação da Sociedade Brasileira de Bioética SBB Tradução: Mauro Machado

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte lei:

PROJETO DE LEI N /2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte lei: PROJETO DE LEI N /2009 Institui a Política sobre Mudança do Clima do Estado da Bahia e dá outras providencias. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

IV Fórum da Terra. " Mudança Climática o Desafio do Século XXI

IV Fórum da Terra.  Mudança Climática o Desafio do Século XXI IV Fórum da Terra " Mudança Climática o Desafio do Século XXI Mariana Luz CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais Rio de Janeiro, 25 de Outubro de 2011 Economia verde como desafio global Economia

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 LEMOS, Haroldo Matos. Desenvolvimento Sustentável: antecedentes. Rio

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema

Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema De Rosa, Siqueira, Almeida, Mello, Barros Barreto e Advogados Associados Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema EMBRAPA - Jaguariúna, 18.08.2003 1 Background... (Conferência

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA CONHEÇA MELHOR A SAÚDE SOCIOAMBIENTAL DA SUA EMPRESA E OBTENHA MAIOR CREDIBILIDADE E VISIBILIDADE!!! INVISTA O Instituto Socioambiental

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 53 Discurso na reunião do Fórum de

Leia mais

PROJETO DE LEI. III - emissões: liberação de gases de efeito estufa ou seus precursores na atmosfera numa área específica e num período determinado;

PROJETO DE LEI. III - emissões: liberação de gases de efeito estufa ou seus precursores na atmosfera numa área específica e num período determinado; PROJETO DE LEI Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima, fixa seus

Leia mais

INTERNATIONAL ENERGY AGENCY

INTERNATIONAL ENERGY AGENCY INTERNATIONAL ENERGY AGENCY Sessão Plenária Final 29 de Maio 16h05 17h15 Roteiro Local para as Alterações Climáticas Moderador: Artur Trindade, Associação Nacional de Municípios Portugueses O contributo

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Sistema Político Globalizante e a Questão Ambiental segundo David Held

Sistema Político Globalizante e a Questão Ambiental segundo David Held Sistema Político Globalizante e a Questão Ambiental segundo David Held sheyla rosana oliveira moraes(ufpa) Cientista Social, Especialista em Educação Ambiental, Estudante do Curso de Pos Graduação em Ciencia

Leia mais

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável A educação é de importância crítica para promover o desenvolvimento sustentável. Por conseguinte, é essencial mobilizar os

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

D E M O C R A C I A V I V A 43 SETEMBRO

D E M O C R A C I A V I V A 43 SETEMBRO DEMOCRACIA VIVA 43 SETEMBRO 2009 ARTIGO Rubens Harry Born* Esther Neuhaus ** Dilemas planetários e as negociações internacionais em mudança de clima: perspectivas da sociedade civil Aproximam-se a 15ª

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República LEI Nº 12.187, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2009. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1 o Esta Lei institui a Política

Leia mais

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011 BRICS Monitor Especial RIO+20 Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul Novembro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisas BRICS BRICS

Leia mais

Comissão europeia - Ficha informativa

Comissão europeia - Ficha informativa Comissão europeia - Ficha informativa Perguntas e respostas sobre a Comunicação da Comissão Europeia: Protocolo de Paris Um roteiro para o combate às alterações climáticas ao nível mundial para além de

Leia mais

O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO

O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO TRÍPOLI, Marco Antonio Portela Acadêmicas do curso de Graduação em Medicina Veterinária da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva

Leia mais

2 Documento de Referência CarbonOk

2 Documento de Referência CarbonOk 2 Documento de Referência CarbonOk SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 PROGRAMA CARBONOK... 6 2.1 Missão... 6 2.2 Objetivos... 6 2.3 Valores... 7 2.4 Metodologia... 7 2.5 Atuação... 8 2.6 Responsável... 9 3

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Euro-Latin American Parliamentary Assembly Assemblée Parlementaire Euro-Latino Américaine Asamblea Parlamentaria Euro-Latinoamericana Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana ASSEMBLEIA PARLAMENTAR

Leia mais

2. Segmento de Alto Nível da Conferência das Nações Unidas para as Alterações Climáticas: 6 a 9 de Dezembro;

2. Segmento de Alto Nível da Conferência das Nações Unidas para as Alterações Climáticas: 6 a 9 de Dezembro; RelatóriodaDelegaçãodaAssembleiadaRepúblicaPortuguesaà ConferênciadasNaçõesUnidasparaasAlteraçõesClimáticas(COP 17/CMP 7)emDurban,ÁfricadoSul I)Membrosdadelegação: DeputadoAntónioLeitãoAmaro(GPPSD) DeputadoFernandoJesus(GPPS).

Leia mais