Vivemos numa época em que a sociedade se

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vivemos numa época em que a sociedade se"

Transcrição

1 O CIBERCRIME I Vivemos numa época em que a sociedade se encontra em constante mudança ao nível social, politico, económico, cultural, ambiental e ao nível da (in)segurança. A par deste processo, os efeitos da globalização, influenciam este permanente efeito mutacional, aumentando a dificuldade da sociedade, das organizações e instituições refrearem o seu impacto e se adaptarem a ela. O motor da mudança é alimentado pela inovação tecnológica, a partir da qual emerge um novo tipo de sociedade, a chamada Sociedade da Informação, caracterizada por uma nova dimensão existencial resultante da adesão e utilização maciça das Tecnologias da Sociedade de Informação. De facto, hoje mais do que nunca, as tecnologias de informação estruturam as economias mundiais, tornando-as cada vez mais comunicantes, convergentes, inter-dependentes e competitivas. Delas surge uma rede aberta em crescimento geométrico e em ininterrupto estado de inovação tecnológica a Internet. Através desta rede são geradas novas necessidades, novas formas de comunicação, novas oportunidades de negócio e de trabalho, novas comunidades e novos processos sociais e culturais. A Gartner Group 1 estima que o valor dos cibernautas ronda actualmente os 615,4 milhões, ou seja, um décimo da população total do planeta. Segundo um estudo da Bareme-Internet 2 o número de lares portugueses que têm computadores é crescente, tendo-se elevado em 2002 em 1,2 milhões. Em 2006 as previsões apontam que a nível mundial em existam 1000 milhões de utilizadores na Internet. Desta forma, esta rede constitui um meio de excelência 1 Gartner Group 2 Bareme-Internet Pelo Capitão de Infantaria PAULO JORGE SOARES DOS SANTOS para circular todo o género de informação, constituindo um portal de interconectividade entre o velho mundo não informatizado, onde a realidade é tangível, geograficamente e temporalmente definida e percepcionada e o novo mundo da sociedade da informação, na sua globalidade apenas inteligível às novas gerações. Refira-se que na Internet, por um lado, impera a liberdade, a oportunidade, a acessibilidade da informação, a capacidade de estar planetariamente em todo o lado e a qualquer hora, e por outro, a incerteza, a volatilidade, a descentralização da informação e uma nova dimensão existencial o virtual. Não bastando estes factos, a sua capacidade de penetração nas sociedades modernas é imensa, afectando os modos de organização e a dinâmica das relações sociais, bem como os valores básicos da sociedade, como a liberdade e a democracia. Existe também a dimensão anárquica e obscura da internet, potenciada pelo anonimato e pela infinitude de oportunidades de cariz ilícito, onde circula de forma invisível, todo o género de informações criminógenas, e onde são veiculados uma miríade de comportamentos de índole delituosa. Neste contexto, no Ciberespaço existe o bem e o mal. Exploradores de pornografia infantil, fornecedores de informação duvidosa, grupos neonazis, terroristas e traficantes de drogas, têm milhares de sites. Levantam-se novas questões relativas à invasão da vida privada, do abuso da propriedade intelectual, do vandalismo e da burla digital, da pirataria do software, da intercepção ilegal da informação, dos vírus e consequentemente as formas que a sociedade tem 30 Outubro/Dezembro 06

2 de as combater. Em suma, a sociedade da informação encontra-se vulnerável a este novo género de delitos, amiúde chamado de Cibercrime, necessitando inventariar e valorar os comportamentos desviantes que frustram as expectativas sociais, as causas que os geram, e consequentemente os seus autores, as suas formas de actuar e as vitímas que escolhem. A prática criminosa na Internet Antes de mais, é necessário não confundir o crime informático com o crime relacionado com as tecnologias de informação, ou seja, o tipo de crime que é praticado com recurso às tecnologias de informação. É neste segundo conceito que se enquadra o Cibercrime, ou dito de outra forma, a Cibercriminalidade. A Internet, com todas as infraestruturas que lhe estão associadas, permite veicular todo o género de situações existentes na sociedade real, mas com diferenças significativas ao nível da velocidade, tempo, diversidade e quantidade de acontecimentos, como resultado dos extraordinários avanços tecnológicos ao nível informático e do impacto da mundialização das comunicações. Esta rede permite não só a prática do que se designa por crimes informáticos, mas também a violação de direitos tradicionalmente tutelados pelo ordenamento internacional e nacional, passando pelo cometimento de meras incivilidades. Para além disso é notório, apesar da existência de normas e regulamentação ligadas à internet quer a nível internacional e nacional, que o internauta sente uma ausência de controlo ao nível social, da acção reguladora das instâncias formais e informais de combate ao crime, bem como a inexistência dos complexos processos sociais de rotulação e de estigmatização. Quer jovens e adultos que na sua vida quotidiana normal não correm o risco de ser formalmente rotulados e perseguidos como delinquentes ou criminosos, no ambiente web não estão sujeitos a uma significativa reprovação social. De facto, a Internet, é extremamente propiciadora a todo género de práticas delitivas. Há outras razões subjacentes a este tipo de práticas, nomeadamente o facto das comunicações se processarem a nível mundial entre uma rede infindável de computadores, em que se considera faltar o elemento territorialidade para se poder impor o direito nacional. Acresce o facto de ser difícil reconstituir o percurso das informações entre o emissor e o receptor, em virtude dos actos serem praticados em diversos pontos na Internet, sentindo-se os infractores protegidos pelo anonimato que esta rede lhes proporciona. Desta forma, a quase obrigatória deslocação criminosa na Web, constitui uma característica que é juridicamente difícil de ultrapassar. Quem pretenda levar a cabo práticas delituosas na Internet tem a sua acção facilitada, uma vez que se as ISP s 3, quer por via de legislação publicada, decisão judicial ou administrativa forem impedidos de alojar certos conteúdos e serviços, ou permitir o acesso a determinados utilizadores, os infractores podem pura e simplesmente utilizar ISP s no estrangeiro ou em Off-Shore s. Neste âmbito, é consabido que os grupos de crime organizado geralmente possuem sede em estados que proporcionam paraísos fiscais que lhes permitem conduzir as suas operações criminosas. A título de exemplo, nos últimos anos houve um aumento significativo da sofisticação por parte de organizações columbianas no tráfico de droga, através de práticas comerciais comuns para diversificação de mercados e produtos, explorando novos mercados na Europa Ocidental e na Rússia. Prosseguindo estes objectivos, estas organizações contratam, cada vez mais, especialistas com conhecimentos na área financeira e na área de redes informáticas, com a finalidade de conduzir através da Internet transacções de lavagem de dinheiro, explorando as vulnerabilidades dos vários tipos de sistemas de informação (e-government, e-banking, e-commerce e repositório de dados) que a ela se ligam. Neste quadro, a natureza virtual, anárquica, confidencial e transnacional deste emundo enquadra-se na perfeição, tendo por fim maximizar lucros com um grau de risco quase inexistente. 3 ISP (Internet Service Provider) Servidores que propocionam serviços de acesso à Internet. 31

3 Artigo Cibercrime 08/01/08 11:46 Page 32 Estudo Quanto à informação criminogena que a Internet aloja, a mesma pode ir desde como tirar proveito das vulnerabilidades dos sistemas operativos e da arquitectura dos sistemas informáticos, até as formas de desbloquear telemóveis e chipcards, burlas com cartões de crédito, uso de software malicioso, práticas de pedofilia, racismo e xenofobia, passando pela circulação de uma miríade de manuais do crime dos quais se destacam aqueles que versam sobre o crime organizado, o terrorismo, sobre as drogas e os relacionados com os métodos de devassa da vida privada. Esta realidade vê-se actualmente potenciada pelo seguinte: A redução do custo dos bens tecnológicos; A redução do custo do acesso à Internet; Expansão rápida da banda larga; O aumento do conhecimento e acesso por parte de possíveis ofensores de técnicas e métodos de ocultação de provas digitais, nomeadamente: técnicas de encriptação, a compressão digital, a steganografia4, entre outros; E o acréscimo da literacia computacional por parte da comunidade global de internautas. Deste modo, a Internet corporiza um leque inesgotável de exploração de oportunidades criminosas, que aliadas ao carácter extremamente fungível e incontrolada da informação que sobre ela circula, materializa um crime de difícil investigação criminal. Neste tipo de ambiente, a prova tem uma natureza instável e iminentemente fungível comparativamente às provas tradicionais do meio forense, como por exemplo a testemunha ocular, a impressão digital ou o ADN. A este nível, surgem grandes dificuldades como seja o aceder, reter e preservar a prova informática. O rápido acautelamento da prova depende por exemplo da possibilidade de atempadamente se aceder a elementos presentes em ficheiros de computador. Já no caso das telecomunicações, os elementos de prova podem resultar dos chamados logs, outras vezes denominados por facturação detalhada. Neste caso, quer para a taxação de um qualquer particular, quer para acertos de contas entre operadoras de telecomunicações, a taxação constitui um elemento de prova indicadora de actos no tempo, que em termos de investigação há que seguir em tempo útil, para que se possa identificar os possíveis autores de factos criminosos. No entanto, é difícil tornear este problema quando uma operadora nacional de telecomunicações, ou a maior parte das operadoras internacionais, não têm obrigação de preservar os dados relativos ao tráfego 5(em que se insere a taxação). Normalmente, estes dados apenas são preservados durante o período mínimo necessário à elaboração da facturação, o que representa um problema em termos de prova em processo penal. Os dados de tráfego deveriam ser guardados pelo menos durante 6 meses e um dia com o fim de utilizá-los para efeitos de repressão6 e dissuasão criminal. Por outro lado, o problema acresce quando por exemplo uma operadora exige um mandado de uma autoridade judiciária para dar a conhecer dados relativos ao tráfe- 4 É a arte de esconder a informação. Informaticamente consiste em esconder dados, dentro de outros dados. 5 Categoria de dados informatizados, que são gerados por computadores na cadeia de comunicação de forma a encaminhar uma comunicação desde a sua origem até aos seu destino. São elementos auxiliares de comunicação propriamente dita. 32 Outubro/Dezembro 06

4 go. Invariavelmente, o tempo de reacção do aparelho de justiça é determinante para a existência e consequente sucesso da recolha da prova material relacionada com a criminalidade com recurso às tecnologias de informação. Ainda no âmbito da prova, mesmo quando as instituições policiais têm acesso aos dados informáticos que parecem constituir provas de uma infracção penal, devem estar na posse das necessárias condições técnicas para os recuperar e de os autenticar, de modo a poderem ser utilizadas em investigações e acções penais. Esta tarefa pode ser árdua, por causa da facilidade com que podem ser manipulados ou falsificados, tecnicamente protegidos ou destruídos. Finalmente, as Forças e Serviços de Segurança, na sua maior parte, não detêm estatísticas que espelhem com rigor a utilização de computadores e sistemas de comunicação, dos seus autores e das vítimas implicadas neste tipo de criminalidade. Conclusões Pelo anteriormente exposto, as redes abertas como a Internet proporcionam por um lado, a liberdade, a informação e expressão, e por outro lado, o virtual, a descentralização, a anarquia, e uma teia inesgotável de oportunidades que podem estar na génese de novos tipos de ameaças. As ameaças inerentes a este e-mundo de oportunidades não são na maior parte das vezes detectadas e censuradas pela generalidade do cidadão habituado às incivilidades e à criminalidade tradicional. A maior parte dos cidadãos não compreendem e não conseguem percepcionar os fenómenos sociais e de vitimização ligados ao cibercrime e como e por quem é perpetuado. Este tipo de crime é levado a cabo por uma nova geração de criminosos amiúde designados por hackers que agem atrás de um computador. Por vezes tratam-se de menores que não 6 Tal inclui as investigações penais que não têm qualquer relação com a informática ou com as redes de comunicação mas em que estes dados podem ajudar a identificar o autor da infracção. conseguem avaliar plenamente a gravidade dos seus actos, praticando um conjunto de condutas que não realizariam no mundo real. Por outro lado, algumas das barreiras que impedem a generalidade do cidadão de se tornar um criminoso, desvanecem-se no caso da cibercriminalidade. Não podemos deixar de estar alheios a esta realidade quando por exemplo, temos como referência o fenómeno da pirataria informática que aliás é comummente aceite e praticada pela generalidade dos utilizadores das novas tecnologias de informação. O hacker varia em termos de capacidades, níveis de conhecimentos, disponibilidade que tem no acesso a recursos tecnológicos, motivações, e normalmente são pessoas que têm dificuldade em se inserir na sociedade. É um indivíduo que em regra é aventureiro desafiando as barreiras pelo simples prazer de as ultrapassar, evoluindo em muitos casos para um indíviduo que adere ao negócio do crime, sendo em determinados casos arauto de novas formas de terrorismo e de crime organizado (pedofilia, droga, terrorismo internacional) que cada vez mais vão ganhando maior expressão nos domínios da Internet. No que toca à dinâmica da oportunidade, mais especificamente as oportunidades precipitantes relacionadas com a mundialização da Internet e a adveniente facilidade de comunicação e acesso à informação e serviços por ela disponibilizada (na maior parte das vezes com níveis de segurança baixos) ela surge como a principal origem na acessibilidade dos alvos e na produção da resolução criminosa. A acessibilidade dos alvos, depende em larga medida apenas da percepção e níveis de conhecimento que o cibercriminoso detém relativamente a um possível alvo, pelo que do ponto de vista preventivo, é importante dificultar a sua acessibilidade através de eficientes mecanismos de protecção, regras e cuidados de segurança. Efectivamente, no caso da criminalidade informática uma das razões primárias para o cometimento de actos delituosos resulta da falta de cuidado que se tem com regras e cuidados básicos de segurança ao nível do utilizador, bem como o negligenciar de normas de segurança informática que devem existir ao nível de uma organização. Paralelamente, a redução da oportunidade resulta também da educação dos alvos. Verifica-se que o número de alvos emergentes é elevado devido à ausência de uma sólida ética de utilização das tecnowww.gnr.pt 33

5 logias de informação, e por outro lado pela falta de uma educação e cultura de segurança informática global, sendo estes aspectos tanto mais graves quando se fala dos jovens. Neste âmbito, apesar de existirem tecnologias que conferem em ambientes online níveis de protecção eficazes, a segurança deve ser complementada por diversos tipos de intervenções humanas. Neste particular a família e a escola têm um papel importante. Estes interlocutores sociais devem ter um papel activo na educação e consciencialização dos jovens quanto às normas e códigos de conduta que devem de interiorizar e assumir na Sociedade de Informação, alertando-os e prevenindo-os contra os perigos e ameaças que esta sociedade tem. Malogradamente verifica-se que a generalidade das famílias não compreendem os perigos que a Internet e as outras tecnologias de informação podem proporcionar. Na maior parte dos casos, não se apercebem que o perigo de cometer um crime através do veículo Internet ou de ser vítima por este meio pode ser maior do que aquele que espreita no mundo real. Assim sendo, o Estado, os Órgãos de Comunicação Social, a Industria Informática, as Forças e Serviços de Segurança, as Escolas, as Associações de Pais e Professores e as Instituições de Apoio à Criança, devem unir esforços e fornecer em larga escala todo o género de materiais de educação, que fundamentalmente através dos Pais criem bons alicerces de referências e de formação pessoal nos jovens, por forma que eles digam Não ao Cibercrime, e por outro lado evitar que ele se tornem vitimas dele ou através dele (ex: pedofilia). Quanto às instituições policiais, a natureza do cibercrime mais do que em relação com qualquer outra forma de criminalidade transnacional faz com que seja um crime de difícil perseguição e combate. As Forças e Serviços de Segurança devem estar preparadas para enfrentar os problemas relacionados com o anonimato, com a volatilidade, com a fungibilidade e o carácter temporário da prova. Ainda a este propósito, no âmbito da investigação criminal, dada a complexidade tecnológica que caracteriza este tipo de crime e por limitações de índole legal, surgem como principais problemas aqueles relacionados com: O segredo das telecomunicações; Dificuldades em termos de obtenção de prova; A identificação da origem da comunicação criminosa; A incapacidade de reacção processual. A resolução destas dificuldades passa pela existência de mecanismos legais a nível nacional e internacional mais céleres, que permitam a fixação de dados e dados de tráfego nos sistemas de informação para efeitos de prova. A este propósito espera-se que a Convenção sobre o Cibercrime 7 do Conselho da Europa e o sua posterior acolhimento na legislação nacional possa resolver alguns destes problemas. Complementarmente é também necessário o reforço da cooperação entre todas as forças e serviços responsáveis pela aplicação das leis nacionais e internacionais, devendo as mesmas estar dotadas com recursos humanos com formação adequada para prevenir e combater este tipo de crime. Pelo anteriormente exposto e em jeito de síntese pode-se concluir que o florescimento das actividades destes cibercriminosos é fundamentalmente potenciada pela dinâmica da oportunidade e consequentemente pela acessibilidade dos potenciais alvos na internet, pela falta de cuidados de segurança atinentes por parte dos seus utilizadores, pela facilidade de aprendizagem criminosa que a Internet proporciona entre os seus pares, pela ausência de reprovação e controlo social e pela quase inexistente acção reguladora das instancias formais e informais de combate ao crime. Contrariar estas realidades significa pois prevenir os efeitos da acção criminosa do cibercriminoso! 34 7 Assinada a 23 de Novembro de 2001 em Budapeste pelos estados membros da UE. Outubro/Dezembro 06

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014;

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Projeto de resolução da Seção IV Preâmbulo: Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Baseados no

Leia mais

Neutralidade da Internet - uma incógnita para o consumidor?

Neutralidade da Internet - uma incógnita para o consumidor? Neutralidade da Internet - uma incógnita para o consumidor? Luis Salvador Pisco Evolução da Internet: 1969 4 computadores ligados em rede (versão Arpanet); 1984 1.000 computadores em rede; 1989 100.000

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

IX Encontro Nacional do IAPI Instituto dos Advogados em Prática Individual. O advogado, a Internet e as Redes Sociais

IX Encontro Nacional do IAPI Instituto dos Advogados em Prática Individual. O advogado, a Internet e as Redes Sociais IX Encontro Nacional do IAPI Instituto dos Advogados em Prática Individual O advogado, a Internet e as Redes Sociais Multiusos Gondomar - 20 de Junho de 2015 Marina Padinha Inspetora da Policia Judiciária

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos.

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. Contabilidade Contabilidade Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. É uma ciência de natureza económica, cujo objecto é a realidade

Leia mais

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Mediação Familiar Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Altera a Organização Tutelar de Menores, nomeadamente através da introdução de novos artigos de que destacamos aquele que se refere à mediação Artigo 147.º

Leia mais

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores,

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores, Assunto: Consulta Pública nº1/2010 Exmos. Senhores, Fundada em 13 de Outubro de 1994 por diversas empresas de Rádio e Televisão e Associações de Imprensa e de Rádio, a Confederação Portuguesa dos Meios

Leia mais

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Cloud Computing é a denominação adotada para a mais recente arquitetura de sistemas informáticos. Cada vez mais empresas

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

CRIMES NA INTERNET. 1. Desenvolvimento

CRIMES NA INTERNET. 1. Desenvolvimento CRIMES NA INTERNET * James Nogueira Bueno ** Vânia Maria Bemfica Guimarães Coelho 1 Resumo Este trabalho apresenta a dimensão ética contida nos espaços e suportes informacionais trazido à realidade do

Leia mais

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Os juízes representantes dos vários países de língua oficial portuguesa e que integram a União

Leia mais

A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PORTUGUESA

A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PORTUGUESA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CRIMINOLOGIA CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PORTUGUESA ÍNDICE

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem "entidades obrigadas"

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem entidades obrigadas Parecer da OAA Parecer da Ordem dos Advogados (Proposta de Regulamento sobre prevenção de branqueamento de capitais e de financiamento do terrorismo). A prevenção da utilização do sistema financeiro para

Leia mais

Perícia Computacional Forense. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Perícia Computacional Forense. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Perícia Computacional Forense gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Perícia Computacional Forense gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br 3 Agenda» A nova Economia» Segurança da

Leia mais

Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil

Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil Combatendo Crimes Cibernéticos Proteção Legal no Brasil André Machado Caricatti Jorilson da Silva Rodrigues Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil Objetivo do Trabalho Utilizar um modelo de referência

Leia mais

As necessidades dos utilizadores

As necessidades dos utilizadores As necessidades dos utilizadores Luis Salvador Pisco Comunicações Electrónicas enquanto Serviço Universal As comunicações enquanto SIEG: Integram os SIEG (serviços de interesse económico geral), prestados

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

Política de Utilização Aceitável (PUA)

Política de Utilização Aceitável (PUA) Política de Utilização Aceitável (PUA) HOST TUGATECH Host TugaTech HOST.TUGATECH.COM.PT HOST@TUGATECH.COM.PT A Política de Utilização Aceitável (PUA) do Host TugaTech é disponibilizada com o objetivo de

Leia mais

As Leis da Sociedade de Informação Responsabilidade dos Internet Service Provider

As Leis da Sociedade de Informação Responsabilidade dos Internet Service Provider Leis Portuguesas na Sociedade da Informação 5, 6 e 7 de Dezembro de 2005 Ordem dos Advogados As Leis da Sociedade de Informação Responsabilidade dos Internet Service Provider Dr. Hugo Lança Silva Organização

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

COMUNICADO DE IMPRENSA

COMUNICADO DE IMPRENSA COMUNICADO DE IMPRENSA O auge das redes zombi em 2012 Este fenómeno tem evoluído nos últimos anos e têm surgido, por exemplo, redes zombi descentralizadas, móveis e administradas através das redes sociais,

Leia mais

Linhas directrizes que regem a protecção dos consumidores contra as práticas comerciais transfronteiriças fraudulentas e enganosas

Linhas directrizes que regem a protecção dos consumidores contra as práticas comerciais transfronteiriças fraudulentas e enganosas Linhas directrizes que regem a protecção dos consumidores contra as práticas comerciais transfronteiriças fraudulentas e enganosas Originalmente publicadas pela OCDE em Inglês e Francês com os títulos:

Leia mais

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica (Síntese a partir dos slides) Por Lúcia Maximiano (Procuradoria

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Desafios da Facturação Electrónica A facturação electrónica (e-invoicing) poderá fazer parte das iniciativas emblemáticas

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302.

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302. PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 3 de Julho de 2001 PE 302.267/1-33 ALTERAÇÕES 1-33 PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO de Charlotte

Leia mais

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA Audiência Pública

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

COMPROMISSO DOS NOTÁRIOS DA EUROPA PARA

COMPROMISSO DOS NOTÁRIOS DA EUROPA PARA COMPROMISSO DOS NOTÁRIOS DA EUROPA PARA 2020 para uma política de justiça europeia à altura dos desafios socioeconómicos OS NOSSOS 5 COMPROMISSOS PARA 2020 NOTÁRIOS DA EUROPA 1 Na qualidade de consultores

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA

Leia mais

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor Folha de Factos A informação contida neste documento representa a visão actual da Microsoft Corporation sobre os assuntos discutidos,

Leia mais

A Internet e o sistema de justiça

A Internet e o sistema de justiça Direito da Comunicação A Internet e o sistema de justiça A questão da prova digital 17 de Maio de 2012 Docente: Doutora Maria Eduarda Gonçalves Discente: Edgar Rodrigues, n.º 001137 nos anos iniciais de

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor realizar

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte

Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte Proteção de dados É do conhecimento do contratante que, não só a informação referente à empresa particularmente informação referente

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING Índice INTRODUÇÃO... 2 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING... 2 2 COMPROMISSO DOS COLABORADORES... 2 3 PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO... 3 3.1 RELAÇÕES COM ADMINISTRADORES E COLABORADORES... 3 3.2 RELAÇÕES COM

Leia mais

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução A Radiomóvel considera muito importante esta iniciativa da Anacom que vem no sentido de regular esta nova faceta da prestação de serviço telefónico, fruto

Leia mais

NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR

NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR Apelidada de Lei Carolina Dieckmann, a Lei nº 12.737, de 30 de novembro de 2012, entrou em pleno vigor no último dia 3 de abril de 2013, alterando o Código

Leia mais

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES A valorização comercial dos produtos agrícolas e dos géneros alimentícios que, ou pela sua origem ou pelos seus modos particulares

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Curso Forense Computacional

Curso Forense Computacional Curso Forense Computacional Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado de Segurança da Informação no Brasil e exterior. Os cursos são ministrados em português,

Leia mais

CÓDIGO EUROPEU DE CONDUTA DE VENDA DIRECTA FACE A REVENDEDORES, ENTRE REVENDEDORES E ENTRE COMPANHIAS

CÓDIGO EUROPEU DE CONDUTA DE VENDA DIRECTA FACE A REVENDEDORES, ENTRE REVENDEDORES E ENTRE COMPANHIAS CÓDIGO EUROPEU DE CONDUTA DE VENDA DIRECTA FACE A REVENDEDORES, ENTRE REVENDEDORES E ENTRE COMPANHIAS 2. GERAL 1. 1. Introdução O Código Europeu de Conduta de Venda Directa face a Revendedores, entre Revendedores

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA Regulamento Contra a Violência, Racismo, Xenofobia e Intolerância (*) Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento visa o combate à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nas

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS

SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS 01 - Modelo de protecção das crianças e jovens em risco 02 - O que são as CPCJ? 03 - Qual o papel/funções do Ministério Público? 04 - Modelo de intervenção 05 - Conceito

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores DOCUMENTO DE TRABALHO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 11.2.2008 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a melhoria da educação financeira dos consumidores e da sua sensibilização

Leia mais

A proteção dos refugiados e a migração mista: O Plano de Ação de 10 Pontos

A proteção dos refugiados e a migração mista: O Plano de Ação de 10 Pontos Introdução A proteção dos refugiados e a migração mista: O Plano de Ação de 10 Pontos Conteúdo 1. Cooperação entre parceiros chaves 2. Coleta de informações e análise 3. Sistemas de entrada sensíveis à

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 125/IX ACESSO UNIVERSAL À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 125/IX ACESSO UNIVERSAL À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 125/IX ACESSO UNIVERSAL À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos Segundo a Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), existiam quase 4 milhões (3 912 000) de utilizadores da

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Versão 0/Junho 2006 INDICE 1. Introdução 2. Visão, missão, valores 3. A estrutura do plano 4. Programa 1 6. Programa 2 Reforço da administração da justiça

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES

POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES GEWISS Departamento de Auditoria Interna Corporate 8 de Maio de 2014 ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO... 3 2. REGRAS DE REFERÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. PRINCÍPIOS

Leia mais

Consulta Pública sobre o novo regime jurídico das plataformas eletrónicas de contratação pública PARECER DA ESOP

Consulta Pública sobre o novo regime jurídico das plataformas eletrónicas de contratação pública PARECER DA ESOP Consulta Pública sobre o novo regime jurídico das plataformas eletrónicas de PARECER DA ESOP Janeiro de 2015 Índice 1 Enquadramento... 3 2 O novo regime jurídico... 4 3 Contributos para o novo regime das

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

Comissão dos Assuntos Jurídicos PROJETO DE PARECER. dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia

Comissão dos Assuntos Jurídicos PROJETO DE PARECER. dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Jurídicos 25.6.2013 2013/2063(INI) PROJETO DE PARECER da Comissão dos Assuntos Jurídicos dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3

Tecnologia da Informação UNIDADE 3 Tecnologia da Informação UNIDADE 3 *Definição * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização. *Definição

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Sessão de Encerramento da Campanha Nacional Contra o Trabalho Não Declarado

Sessão de Encerramento da Campanha Nacional Contra o Trabalho Não Declarado Sessão de Encerramento da Campanha Nacional Contra o Trabalho Não Declarado Lisboa 7 de Abril de 2015 O FENÓMENO DO TRABALHO NÃO DECLARADO A CCP partilha da opinião, expressa num recente parecer do Comité

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização.

Leia mais

Um ambiente seguro de logs como auxilio a computação forense. Leandro Borges Dalton Matsuo Tavares

Um ambiente seguro de logs como auxilio a computação forense. Leandro Borges Dalton Matsuo Tavares Um ambiente seguro de logs como auxilio a computação forense. Leandro Borges Dalton Matsuo Tavares ORGANIZAÇÃO DA APRESENTAÇÃO 1. Introdução. 2. Aspectos Legais. 3. Aspectos Técnicos. 4. Proposta do ambiente.

Leia mais

GUIA PRÁTICO LINHA NACIONAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL

GUIA PRÁTICO LINHA NACIONAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL Manual de GUIA PRÁTICO LINHA NACIONAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/6 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Linha Nacional de Emergência Social

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO. Deontologia Profissional. Programa

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO. Deontologia Profissional. Programa COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Deontologia Profissional Programa A - INTRODUÇÃO À DEONTOLOGIA 1. A Deontologia Profissional: Noção e análise da Deontologia Profissional como elemento comum a outras

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO CENTRO DE ALOJAMENTO DE LONGA DURAÇÃO 1 Introdução A experiência da AANP, decorrente quer da intervenção e acompanhamento diários

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª Iniciativa Europeia Proposta de Decisão - Quadro COM (2007) 654 final SEC (2007) 1422 e 1453, relativa à utilização dos dados do Registo de Identificação de Passageiros

Leia mais

A segurança da sua informação e do computador é fundamental e depende muito de si.

A segurança da sua informação e do computador é fundamental e depende muito de si. Proteja o seu PC A segurança da sua informação e do computador é fundamental e depende muito de si. O que deve fazer? Manter o antivírus actualizado Não manter o antivírus actualizado é quase o mesmo que

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO 1º Ano 2º semestre CONTROLO DA QUALIDADE Elaborado por: João Gilberto Ramos Abreu 2089506 Nádia Andrade Abreu 2038907 Sónia Vieira da Silva - 2043407 Funchal Abril de 2008 "Criatividade

Leia mais

Actividades relacionadas com o património cultural. Actividades relacionadas com o desporto

Actividades relacionadas com o património cultural. Actividades relacionadas com o desporto LISTA E CODIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE ACTIVIDADES Actividades relacionadas com o património cultural 101/801 Artes plásticas e visuais 102/802 Cinema, audiovisual e multimédia 103/803 Bibliotecas 104/804 Arquivos

Leia mais

1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas?

1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas? Novos apoios a pessoas sobreendividadas Perguntas & Respostas 18 de Março de 2009 1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas? As medidas hoje apresentadas visam criar novos mecanismos

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP) no âmbito da 1ª Conferência Internacional sobre Políticas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 9.7.2003 Jornal Oficial da União Europeia C 160/7 BANCO CENTRAL EUROPEU MODELO DE ACORDO ENTRE O BANCO CENTRAL EUROPEU E O [banco central nacional do país aderente] ( 1 ) O PRESENTE ACORDO é celebrado

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 127 (Março/Abril de 2000) KÉRAMICA N.º 251 (Janeiro/Fevereiro 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 127 (Março/Abril de 2000) KÉRAMICA N.º 251 (Janeiro/Fevereiro 2002) TÍTULO: Formação e Informação em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 127 (Março/Abril de 2000) KÉRAMICA N.º 251 (Janeiro/Fevereiro 2002) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Parecer da Associação dos Advogados de Macau sobre a Proposta de Lei do Regime da Repressão dos Actos de Corrupção no Comércio Internacional

Parecer da Associação dos Advogados de Macau sobre a Proposta de Lei do Regime da Repressão dos Actos de Corrupção no Comércio Internacional Parecer da Associação dos Advogados de Macau sobre a Proposta de Lei do Regime da Repressão dos Actos de Corrupção no Comércio Internacional I - Introdução Foi solicitado à Associação dos Advogados de

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Direitos das Vítimas Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos O tráfico de seres humanos viola os direitos e destrói as vidas de inúmeras pessoas na Europa e fora

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS

RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS Os peritos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, reunidos em sessões de trabalho

Leia mais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Muitas firmas comerciais de Macau solicitam o fornecimento de

Leia mais

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação.

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Prof. Marcos Monteiro te ...pode ser tipificado como : Falsidade ideológica

Leia mais

Sendo manifesto que estas incertezas e insegurança económica sentidas por. milhões de cidadãos Portugueses e Europeus são um sério bloqueio para o

Sendo manifesto que estas incertezas e insegurança económica sentidas por. milhões de cidadãos Portugueses e Europeus são um sério bloqueio para o equilíbrio das famílias, crianças e jovens Europeus e Portugueses. milhões de cidadãos Portugueses e Europeus são um sério bloqueio para o milhões de cidadãos Europeus e Portugueses, o receio quanto ao

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Novembro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais