GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO"

Transcrição

1 GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO

2 CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido ao cliente. Envolve o processos de identificação, classificação, mensuração, acumulação, análise e interpretação das informações operacionais, econômicas e financeiras.

3 1. Conceitos básicos: Objetivo da Logística Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Fatores que influenciam os Custos Logísticos: Fatores Externos Condições das estradas Taxas Fatores Internos Estoque Transporte Armazenagem Pedidos Desqualificação da mão de - obra Políticas alfandegárias

4 No Planejamento de Soluções Logísticas Integradas, a análise do Custo Total é a chave. O objetivo dessa análise é minimizar os Custos Totais das Atividades da Cadeia Logística, ao invés do seu custo individual. 4

5 São as trocas compensatórias de custos entre os elementos das cadeias logísticas. Um dos principais desafios da Logística é conseguir gerenciar a relação entre os elementos de custos e o nível de serviço requerido. 5

6 Conceitos de Custos aplicáveis à Logística FINALIDADE DA INFORMAÇÃO Quanto ao relacionamento com o objeto ( fornecedor, cliente, produto,regiões, etc..) Quanto ao comportamento diante do volume de atividade. Quanto ao relacionamento com o processo de gestão ( processo de tomada de decisões sejam de natureza estratégica, tática ou operacional ). CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS LOGÍSTICOS Diretos e Indiretos Variáveis e Fixos Controláveis e Não Controláveis; Custos de Oportunidades; Custos Relevantes; Custos Irrecuperáveis; Custos Incrementais ou Diferenciais; Custos Ocultos ( Hidden Costs ); Custo Padrão; Custo Meta; Custo Kaizen; Custo de Ciclo de Vida.

7 Conceitos de Custos aplicáveis à Logística CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS LOGÍSTICOS CUSTOS DIRETOS CUSTOS INDIRETOS CUSTOS FIXOS CUSTOS VARIÁVEIS CONCEITOS Custos de Transportes na distribuição, que podem ser identificados em função dos produtos faturados e entregues a cada cliente Custos de Tecnologia de Informação utilizada em processo logístico que atenda a diversos clientes. Custos com armazenagem própria, contemplando a depreciação dos ativos logísticos, os gastos com a mão-deobra mensalista, etc.. Frete varia em função do volume a ser entregue a determinado cliente se este for contratado em função das unidades físicas a serem transportadas.

8 Conceitos de Custos aplicáveis à Logística CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS LOGÍSTICOS CONCEITOS CUSTOS CONTROLÁVEIS E NÃO CONTROLÁVEIS CUSTOS DE OPORTUNIDADE CUSTOS RELEVANTE Controláveis -> varia com o volume de esforço de um processo/atividade. É aquele que é influenciado pela decisão e ação de um gestor. Não Controláveis ->Não é influenciado pela decisão e ação de um gestor. Ex. gastos com segurança e limpeza. Quanto a empresa sacrificou em termos de remuneração por ter aplicado seus recursos numa alternativa ao invés de em outra. Ex. Investir em estoques, ativos imobilizados ( veículos, empilhadeira,, etc.. ) ou aplicar no mercado financeiro? Custos cujos resultados futuros afetam o fluxo de caixa.ex. escolha do modal de transporte

9 Conceitos de Custos aplicáveis à Logística CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS LOGÍSTICOS CUSTOS IRRECUPERÁVEIS CUSTO INCREMENTAL, MARGINAL OU DIFERENCIAL CUSTOS OCULTOS CONCEITOS Custos incorridos no passado e que não são relevantes para decisões no presente, pois não se alteram em função das decisões.ex. Depreciação de um ativo não afeta o fluxo de caixa. Em uma tomada de decisão, devemos analisar os aumentos/diminuições nas receitas e nos custos.em uma analise incremental devemos observar qual o resultado econômico a ser apurado pela diferença entre a receita e este custo. Custos que não são visíveis aos gestores e que afetam o resultado econômico da empresa pois ocorrem em condições anormais da operação associados ao conceito de perdas.

10 Conceitos de Custos aplicáveis à Logística CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS LOGÍSTICOS CUSTOS PADRÃO CUSTO META OU ALVO CUSTOS NO CICLO DE VIDA CUSTO KAIZEN CONCEITOS É o custo que se deseja alcançar em temos físicos e monetários. É aquele que a partir do preço de mercado do produto/serviço e a margem desejada a diferença é o custo-meta.ex. preço de mercado de um serviço de R$ 200,00 e a empresa espera uma margem de 20% (R$40,00), portanto o custo meta será de R$ 160,00 É um sistema que fornece informação para que sejam entendidos e gerenciados os custos existentes nos vários estágios ou ciclos de projetos, desenvolvimento, fabricação, comercialização, distribuição, manutenção, serviços, até a entrega do produto. Controle de Slow. Relacionado a melhoria dos processos visando a redução constante dos custos.

11 Custos de Lotes Embalagens Planejamento e Programação de Produção Tecnologia da Informação Armazenagem/ Movimentação Custos de Manutenção dos Inventários Transporte 11 Tributários Nível de Serviço ao Cliente

12 2. Elementos dos Custos Logísticos: Custo com Armazenagem Custo Estoques Custos Logísticos Custo com Processamento de Pedidos Custo com Transportes

13 CUSTOS DE ARMAZENAGEM Custos de Armazém Geral Custos de Armazém Próprio Taxas de Armazenagem: por Unidade Estocada, por Unidade Movimentada, por Área Ocupada Prédio Próprio Aluguel, Manutenção, Água, Luz, IPTU, Seguro Prédio Alugado Administração, Mãode-Obra, Encargos, Material para Escritório, Embalagens One Way Manutenção e Depreciação dos Equipamentos de Comunicação Custos de Capital investido na construção: Prédio, Piso, Instalações Elétricas e Hidráulicas Manutenção, Água, Luz, IPTU, Seguro Administração, Mão-de-Obra, Encargos, Comunicação, Material de Escritório Manutenção e Depreciação dos Equipamentos de Comunicação Aluguel dos Equipamentos de MAM Equipamentos de MAM Manutenção, Depreciação e Custos de Capital dos Equipamentos de MAM Equipamentos de MAM Aluguel dos Equipamentos Manutenção e Depreciação dos Equipamentos de MAM 13

14 3. Custos com Armazenagem: CUSTOS COM ARMAZENAGEM = CUSTOS COM ESTOCAGEM Composição do Custo com Armazenagem CUSTO DO ARMAZÉM CUSTO DO MANUSEIO DE ESTOQUES CUSTO DE PESSOAL ALUGUEL IMPOSTOS EMPILHADEIRA GUINDASTES SALÁRIOS LUZ CONSERVAÇÃO TRATORES SEPARADORES ENCARGOS

15 3. Custos com Armazenagem: Custos OS CUSTOS DE ARMAZENAGEM SÃO: Comportamento do Custo com Armazenamento em relação à quantidade de Armazéns Custos FIXOS INDIRETOS Comportamento do Custo de Armazenamento do produto em relação à taxa de ocupação do armazém Armazéns Ocupação

16 3. Custos com Armazenagem: Como custear a Armazenagem IDENTIFICAR OS ITENS DE CUSTO CALCULAR OS ITENS DE CUSTO AGRUPÁ LOS ÀS ATIVIDADES ALOCA AOS PRODUTOS OU CLIENTES

17 3 Custos com Armazenagem Identificando os Itens de Custo: ITENS DE ESTRUTURA EQUIPAMENTOS PESSOAL Aluguel; Energia; Água; Depreciações; Custo de oportunidade; Etc. Depreciação; Custo de oportunidade; Etc. Salários; Encargos; Benefícios; Treinamento; Etc.

18 3. Custos com Armazenagem Custos encontrados na Contabilidade Cálculo dos Itens de Custo: Aluguel Salários Encargos Benefícios Água Energia Depreciação = Valor de aquisição Valor Residual Meses de Uso Custos não encontrados na Contabilidade Custo de Oportunidade = Valor do Ativo x Taxa de oportunidade

19 3. Custos com Armazenagem Agrupar os Itens de Custo relativo à cada função ou atividade: Empilhadeira Operadores Atividade: Movimentação de materiais Transelevadores Aluguéis Custo de Oportunidade do Armazém Supervisores Paletes Energia Atividade: Acondicionamento de produtos

20 Custos com Armazenagem Alocar custos a cada produto ou cliente: Atividade: Movimentação de Materiais: Quantidade de paletes expedidos de cada produto. Atividade: Condicionamento de produtos: Quanto menor o espaço ocupado pelo produto, menor será o seu custo unitário de ocupação; Quanto maior o giro do produto, menor será o seu custo unitário de ocupação do espaço.

21 3. Custos com Armazenagem Cálculo do Custo de Armazenagem: Custo de Armazenagem Total = Custo de Acondicionamento + Custo de Movimentação Custo de Acondicionamento Custo de Movimentação Aluguel ou Custo de Oportunidade do Imóvel + Custo de Oportunidade dos Ativos do Acondicionamento + Custo de Depreciação dos Ativos do Acondicionamento + Custos de Pessoal (Operadore e Ajudantes) + Custo de Oportunidade dos Ativos de Movimentação + Custo de Depreciação dos Ativos de Movimentação

22 EXERCÍCIO 1 CUSTO DE ARMAZENAGEM Custo Armazenagem: Calcule o custo total com armazenagem para a situação descrita abaixo. Dados: DESCRIÇÃO VALORES ALUGUEL R$ 1.500,00 ATIVOS DE ACONDICIONAMENTO R$ ,00 ATIVOS DE MOVIMENTAÇÃO R$ ,00 Valor residual 60% do ativo Meses para amortização 80 meses Taxa de oportunidade 0,8% CUSTOS COM FUNCIONÁRIOS SEM ENCARGOS R$ ,00 ENCARGOS SALÁRIOS 78,6% Depreciação = Valor de aquisição Valor Residual Meses de Uso Custo de Oportunidade = Valor do Ativo X Taxa de oportunidade Custo Total Armazenagem = Aluguel + Depreciação Ativos de Acondicionamento + Custo oportunidade Ativos de Acondicionamento + Custo com funcionários + Depreciação ativos de movimentação + Custo oportunidade Ativos movimentação. 22

23 Para facilitar o cálculo utilize a tabela abaixo: ALUGUEL DEPRECIAÇÃO ATIVOS ACONDICIONAMENTO CUSTO OPORTUNIDADE ATIVOS ACONDICIONAMENTO CUSTO COM FUNCIONÁRIOS DEPRECIAÇÃO ATIVOS MOVIMENTAÇÃO CUSTO OPORTUNIDADE ATIVOS MOVIMENTAÇÃO CUSTO TOTAL ARMAZENAGEM 23

24 EXERCÍCIO 2 CUSTO DE ARMAZENAGEM Custo Armazenagem: Considere uma empresa que comercializa somente um tipo de produto, que possui custos unitário de R$ 30,00, estoques médio de unidades e tempos de armazenagem de 25 dias em média. Sabendo que o preço de venda desse produto é de R$ 55,00, e a taxa de armazenagem de 3%. Calcule: a. Custo de armazenagem; b. Custo de armazenagem unitário; c. Lucro unitário sem considerar custo com armazenagem e lucro unitário considerando o custo com armazenagem. CA= Q x T x P x I 2 Custo Armazenagem Unitário = CA/Estoque médio Onde: CA = Custo Armazenagem total Q=Quantidade de material em estoque; P=Preço unitário; T=Tempo de armazenagem; Lucro = Preço de Venda Custo Unitário I = Taxa de armazenagem; I= Taxa de armazenagem; 24

25 4. Custos com Estocagem OS CUSTOS DE ESTOCAGEM SÃO: VARIÁVEIS DIRETOS R$ Nível de Estoque

26 4. Custos com Estocagem Elementos do Custo com Estoque Custo de Oportunidade do Capital Parado: quanto a empresa está deixando de ganhar ao aplicar seus recursos em estoque. Custo com Impostos e Seguros: Custos associados ao pagamento de taxas e seguros contra icêndios ou roubo de produtos. Custo com Risco de Manter Estoques: Custos associados à depreciação, obsolescência, furtos e roubos. Custos com faltas: Custo que a falta de produtos acarreta no Nível de Serviço ao Cliente Conceito do Valor do Estoque VE = Qde x Custo Unitário

27 4. Custos com Estocagem Calculando os Custos de Estoque Custo de Oportunidade do Capital Parado: COCP = Em x Custo Unitário x Taxa de Juros Custo com Impostos e Seguros: CIS = Em x Custo Unitário x Taxa do Imposto CS Rateado de acordo com o valor do estoque Custo com Risco de Manter Estoques: CD = Em x (Valor de Aquisição Valor Residual) / Vida Útil CPR = Índice x Em x Custo Unitário Custos com faltas: CF = Índice x (Preço de Venda Custo Unitário) x Em Custos com Estocagem = COCP + CI + CS + CD + CPR + CF

28 5. Custos com Transportes: Greves; Má conservação de estradas; Roubo de cargas. Paradoxo do Transporte Rodoviário no Brasil Transporte Rodoviário VARIÁVEIS Faturamento Anual: R$ 40 bi Movimentação: 2/3 do total de cargas. Varia com a distância percorrida Combustível Pneu OS CUSTOS COM TRANSPORTES FIXOS DIRETOS Não varia com a distância percorrida Aplica se diretamente na atividade Depreciação Manutenção Motorista INDIRETOS Não se aplica diretamente na atividade Administração

29 5. Custos com Transportes: Passos para o cálculo dos Custos com Transportes Definição dos itens de custos; Classificação dos itens de Custos em Fixos e Variáveis; Cálculo dos Custos Fixos; Cálculo dos Custos Variáveis; Fazer uma estimativa de Custo Toatal Definição dos Itens de Custos Classificação dos Itens de Custo Custo com Depreciação; Custo do Capital Parado; Custo com Pessoal; Seguro do Veículo; IPVA / Seguro Obrigatório; Custos Administrativo; Combustível; Pneus; Lubrificantes; Manutenção; Pedágio. FIXO FIXO FIXO FIXO FIXO FIXO VARIÁVEL VARIÁVEL VARIÁVEL VARIÁVEL VARIÁVEL

30 5. Custos com Transportes: Cálculo dos Custos Fixos CF = C dep + C Cap + C Adm + C IPVA / SO + C Pessoal Custo com Depreciação do Veículo: C Dep = (Valor de Aquisição Valor Residual) / Vida Útil Custo do Capital Parado: C Cap = Valor de Aquisição x Taxa de Juros Custo de Administração de Frota: C Adm = Custos de Administração / Qde de Veículos Custo com IPVA / Seguro Obrigatório: C IPVA / SO = Valor Anual / 12 Custo com Pessoal: C Pessoal = Salários + encargos + Outros

31 5. Custos com Transportes: Cálculo dos Custos Variáveis CV = C Comb + C Óleo + C Lav/Lub + C Pneus + C manu + C Ped Custo com Combustível: C Comb = Preço por Litro / Rendimento (Km/L) Custo com Trocas de Óleo: C Óleo = Preço do Litro de Óleo(R$/L) x Capacidade do Tanque(L) / Intervalo entre as Trocas (Km) Custo com Lavagem / Lubrificação: C lav/lub = Custo da Lavagem ou Lubrificação / Intervalo (Km) Custos com Pneus: C Pneus = Qde de Pneus x (P 1 + Qde de Recapagens x P 2 ) Vida Útil de um Pneu com Recapagem (Km) Custos com Manutenção: C Manul = Custo de Manutenção Total / Quilometragem Rodada Custos com Pedágio: C Ped = Custo de Pedágio / Quilometragem Rodada

32 5. Custos com Transportes: Estimando os Custos Totais com Transportes CUSTOS DE TRANSPORTES = + CUSTOS FIXOS CUSTOS VARIÁVEIS R$ / Mês R$ / Km Calcular o Custo Fixo / hora: CF hora = CF mês / Horas Trabalhadas Calcular o Custo Fixo / Km: Transformar em R$ / Km CF Km = CF hora / Velocidade Média do Veículo

33 5. Custos com Transportes: Calculando o Custo de uma Rota C Rota = Tempo(h) x CF(R$/h) + Distância(Km) x CV(R$/Km) Inclui tempo de carga e descarga Calculando o Custo de uma Viagem C Viagem = Tempo de Viagem(h) x CF(R$/h) + Distância x CV(R$/h) Exclui tempo de carga e descarga Calculando o Custo de Carga / Descarga C Carr = Tempo de carga(h) x CF(R$/h) C Descarr = Tempo de descarga(h) x CF(R$/h)

34 6. Custos com Processamento de Pedidos: PROCESSAMENTO DE PEDIDOS PEDIDOS DE COMPRA PEDIDOS DE VENDA Itens do Custo de Processamento de Pedidos Itens do Custo de Processamento de Pedidos Aquisição Salários e encargos do pessoal de compras. Custo de Oportunidade dos Equipamentos Utilizados no processo de aquisição (FAX, computadores, etc). Custo de Depreciação destes equipamentos. Custo do Aluguel do espaço ou Custo de Oportunidade do imóvel utilizado. Energia, telefone, Internet. Materiais Utilizados (papel, canetas, etc). Vendas Salários e encargos de digitadores, conferentes, separadores de pedidos, etc. Custo de Oportunidade dos Equipamentos Utilizados no processo de aquisição (FAX, computadores, etc). Custo de Depreciação destes equipamentos. Custo do Aluguel do espaço ou Custo de Oportunidade do imóvel utilizado. Energia, telefone, Internet. Materiais Utilizados (papel, canetas, etc).

35 6. Custos com Processamento de Pedidos: Calculando os Custos com Processamento de um Pedido CPP = (C Pessoal + C Cap + C Dep + C Aluguel + C Adm + C mat ) / Qde de Pedidos Custo com Pessoal: C Pessoal = Salários + Encargos + Outros Custo com Capital Parado: Custo com Depreciação: Custo Administivo: Custo com Materiais: C Cap = Valores dos Ativos x Taxa de Juros C Dep = (Valor de Aquisição do ativo Valor Residual) / Vida Útil C Adm = Energia + Telefone + Internet C Mat = Papel + Canetas + Outros

36 7. Principais Trade Off Logísticos O que é um Trade Off Logístico? Trade Off Logístico são situações complicadoras e conflitantes sob o ponto de vista dos Custos Logísticos Exemplos de Trade Off Logístico: Aumentar o Nível de Transporte para atender melhor as demandas? Construir mais Armazéns para aumentar o Nível de Serviço (tempo de entrega)? Transportar de trem ou de caminhão? Questões Básicas: Se a empresa aumentar o nível de transporte em X%, a diminuição dos custos com estoque compensará este aumento? Se a empresa construir X armazéns, haverá uma diminuição do tempo de entrega em Y dias, mas o aumento do Nível de estoque compensará este investimento? Se a empresa passar a transportar de caminhão seus produtos, estes chegarão mais rápidos e seus Níveis de Estoque diminuirão, porém os Custos com Transporte aumentarão. Será que compensa adotar tal estratégia? Conceito do Custo Total Toda e qualquer decisão sob o ponto de vista de Trade Off Logístico deve ser baseada levando se em conta os impactos nos Custos Totais.

37 ANÁLISE DE DESEMPENHO Característica do NS ao Cliente Armazenagem e Movimentação de Materiais Custos Decorrentes de Lotes Custos de manutenção do Inventário Entregas mais Desvantagem: Desvantagem: Vantagem: frequentes ( JIT ) -aumento no custo -possibilidade de -menores níveis por exemplo de mão-de-obra cargas unitárias de inventário e movimentação de não econômicas e menores inventário. (lotes menores) custos de Vantagem: manutenção -redução de espaço de inventário. e necessidade de volume. Tempo de Ciclo Desvantagem: Desvantagem: Vantagem: Diminuido, menor -aumento no custo -possibilidade de -menores níveis Lead Time. de movimentação. cargas unitárias de manutenção não econômicas de inventário. Aumento na Desvantagem: Vantagem: Confiabilidade -aumento no custo -aumento na gestão da Distribuição de supervisão de inventário. ( Indicadores de Desvantagem: Desempenho ) aumento no custo de manutenção Estoque Desvantagem: Desvantagem: aumentado / -aumento na aumento no custo disponibilidade necessidade de manutenção e continuidade de espaço e de suprimentos cubagem.

38 INDICADORES DE DESEMPENHO CUSTOS LOGÍSTICOS Custos Logísticos do Abastecimento Custo Total do Abastecimento / Valor Total das Compras Custo de Transporte da Distribuição Custo Total de Fretes de Distribuição / Receita Operacional Líquida 100 % Custo de Transporte do Abastecimento Custo Total de Fretes de Recebimento / Receita Operacional Líquida X 100 % Custo de Manutenção do Inventário ( matéria-prima, produtos em processo e produtos acabados ) a) Custo de Manutenção do Inventário (Valor médio de estoque de Matéria-Prima * Taxa de Oportunidade ) ( Matéria-Prima ) / Receita Operacional Líquida * 100% ) b) Custo de Manutenção do Inventário (Valor médio de estoque de Prod. Processo * Taxa de Oportunidade ) ( Produtos em Processo ) / Receita Operacional Líquida * 100% ) c) Custo de Manutenção do Inventário (Valor médio de estoque de Prod. Acabados * Taxa de Oportunidade ) ( Produtos Acabados ) / Receita Operacional Líquida * 100% ) Custo de Armazenagem / Movimentação Custo Armazenagem/Moveimentação Própria / Receita Operacional Própria Líquida X 100% Custo de Armazenagem / Movimentação Custo Armazenagem/Moveimentação Terceiros / Receita Operacional Terceiros Líquida X 100%

39 INDICADORES DE DESEMPENHO PRODUTIVIDADE Giro de Inventário Receita Operacional Líquida / Saldo Médio do Inventário ( num. de vezes ) Produtividade da operação(tempo) Produtividade dos Recursos [Horas Produtivas * (produtos entregues / padrão hora ) / horas trabalhadas Resultados produzidos / recursos consumidos UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS Taxa de Ocupação dos espaços de estocagem Espaço utilizado / espaço disponível total * 100 % / Receita Operacional Líquida * 100% ) Fator de ocupação da frota de veículos Tempo de Utilização dos Veículos / Tempo total disponível * 100 % Industriais ( empilhadeira, etc..) Fator de ocupação da frota ( transporte ) Volume Transportado / volume disponível *100% FOCO INTERNO Acuracidade do Inventário Quantidade de itens com saldo correto / quantidade de itens verificados * 100% Atendimento de Pedidos Quantidade depedidos atendidos prontalmente / total de pedidos recebidos * 100 %

40 INDICADORES DE DESEMPENHO DA LOGÍSTICA Pesquisa realizada com 500 executivos de Logística pela Computer Sciences Corporation e pela University of Tennessee, o indicadores mais utilizados pelas Empresas nos USA são: Custos de Transportes de Distribuição 87 % ; Acurácia do Inventário 86 % ( consistência entre o físico e contábil ); Atendimento do Pedido 81% ; Giro do Inventário de Produtos Acabados 80 % ; Tempo de ciclo da Distribuição 79 % ; Reclamações de clientes 77 % ; Níveis de perdas /avarias 72 % ;

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística e Distribuição

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Introdução Esta unidade tem como foco os custos de estoque. Abordará os vários custos e exercícios de fixação. Custos dos estoques

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício

Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício Leonardo Maluta (POLI-USP) leonardo.maluta@poli.usp.br Enrico Barnaba Ferri (POLI-USP) enrico.ferri@poli.usp.br Hugo Yoshizaki (POLI-USP)

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO Classifique os itens abaixo como custos (fixos ou variáveis) ou despesas. C= custos CV=custo variável

Leia mais

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Maurício Pimenta Lima Introdução O transporte de carga rodoviário no Brasil chama a atenção por faturar mais de R$ 40 bilhões e movimentar 2/3 do total de carga do país.

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

ORÇAMENTO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS E DESPESAS DE VENDAS. Jéssica Pacheco Kayro Felix

ORÇAMENTO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS E DESPESAS DE VENDAS. Jéssica Pacheco Kayro Felix ORÇAMENTO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS E DESPESAS DE VENDAS Jéssica Pacheco Kayro Felix Orçamento de Despesas Operacionais Orçamento das Despesas Administrativas Orçamento das Despesas Comerciais / Vendas

Leia mais

Gerencie adequadamente os custos da sua frota

Gerencie adequadamente os custos da sua frota Gerencie adequadamente os custos da sua frota O que é gestão de Frota? De acordo com definição encontrada no livro Gerenciamento de Transporte e Frota, o termo gestão de frota representa a atividade de

Leia mais

Análise dos impactos operacionais e financeiros da lei 12.619/12 sob o custo de transporte - Estudo de caso aplicado ao mercado GLP

Análise dos impactos operacionais e financeiros da lei 12.619/12 sob o custo de transporte - Estudo de caso aplicado ao mercado GLP Análise dos impactos operacionais e financeiros da lei 12.619/12 sob o custo de transporte Estudo de caso aplicado ao mercado GLP Davidson de Almeida Santos, MSC. 1 Telmo Roberto Machry, MSC. 2 Resumo.

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

TECNOLOGIAS DO TRANSPORTE DE CARGA e DEPRECIAÇÃO

TECNOLOGIAS DO TRANSPORTE DE CARGA e DEPRECIAÇÃO 1/5 TECNOLOGIAS DO TRANSPORTE DE CARGA e DEPRECIAÇÃO Custos - Conceitos 1. GASTO SACRIFÍCIO FINANCEIRO QUE A ENTIDADE ARCA PARA A OBTENÇÃO DE UM PRODUTO OU SERVIÇO QUALQUER, REPRESENTADO POR PROMESSA OU

Leia mais

A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes

A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes O que é Logística? CLM Council Logistics Management. Logística no Cenário Nacional? De acordo com uma pesquisa da Fundação Dom Cabral de 2012, as empresas

Leia mais

Gestão Estratégica do Transporte

Gestão Estratégica do Transporte Gestão Estratégica do Transporte SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos de Gestão Estratégica; 3. Abordagens da Gestão Estratégica de Transportes; 4. Operações Especiais de Transportes; 5. Conceitos

Leia mais

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Importância do Custo Operacional TCO (Total Cost of Ownership)

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A TERCEIRIZAÇÃO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIOS DE CARGA E A REDUÇÃO DO CUSTO AGREGADO À LOGÍSTICA Por: Cristiane de Paula Silva Orientador

Leia mais

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Administração Profa. Patricia Brecht Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Compras Envolve todo o processo de localização de fornecedores e fonte de suprimento, aquisição de materiais

Leia mais

Curso Superior de tecnologia em Logística

Curso Superior de tecnologia em Logística Curso Superior de tecnologia em Logística Prof. Rodolpho W. Ruiz Tema: Arranjos Operacionais Logísticos e Tipos de Modais Agenda da tele-aula Instalações Locais ou Centralizadas. Cross-Docking. Sistemas

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 Uma boa fatia dos custos de produção é atribuída ao transporte de materiais dentro da empresa, no abastecimento das linhas de produção, no armazenamento de matéria primas

Leia mais

6. Estrutura de Custos Logísticos

6. Estrutura de Custos Logísticos 6. Estrutura de Custos Logísticos Os custos logísticos na atividade de distribuição de combustíveis líquidos no Brasil podem ser classificados como: custo de aquisição dos combustíveis suprimentos custo

Leia mais

O que significa Serviço ao Cliente?

O que significa Serviço ao Cliente? Serviço ao cliente Professor: Leandro Zvirtes O que significa Serviço ao Cliente? refere-se especificamente a cadeia de atividades que atendem as vendas, geralmente se iniciando na recepção do pedido e

Leia mais

ESTUDO DO CASO TORNEXATA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO INTEGRAL POR ABSORÇÃO

ESTUDO DO CASO TORNEXATA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO INTEGRAL POR ABSORÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo Elaboração do Trabalho: valor 3,0 Apresentação : Valor 3,0 (Impressa/escrita e Slides)

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

Planilha de Cálculo Tarifário 2014

Planilha de Cálculo Tarifário 2014 CPTRANS - Cia. Petropolitana de Trânsito e Transportes Diretoria Técnico-Operacional I - Custo Variável Planilha de Cálculo Tarifário 2014 1 - Combustível = Preço litro diesel 2,2876 x Coeficiente (litros

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Custo financeiro alto CENÁRIO ATUAL Concorrência cada vez mais competitiva Consumidores que exigem maiores

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

Gerenciamento de Depósitos

Gerenciamento de Depósitos Gerenciamento de Depósitos Diferentes modelos e tipos de CD s e armazéns podem auxiliar na busca por soluções logísticas eficientes, para diferentes produtos, com características logísticas diversas. As

Leia mais

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS Prof Fabio Uchôas de Lima São Paulo 2013 Não é permitida a cópia ou reprodução, no todo ou em parte, sem o expresso consentimento deste autor com base na Lei 9.610/92. Contato:

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING O QUE É PICKING? atividade responsável pela coleta do mix correto de produtos, em suas quantidades corretas da área de armazenagem para satisfazer as necessidades do

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Regras de ouro: Dediquem-se aos estudos! Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala

Regras de ouro: Dediquem-se aos estudos! Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se aos estudos! Nossos encontros 2 Nossos encontros AULÃO 3 Materiais

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS Luciano Marcio Scherer Resumo: O presente trabalho demonstra a importância do controle de custos em uma atividade de apoio aos postos de

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Neste treinamento vamos abordar o funcionamento dos seguintes relatórios gerenciais do SisMoura: Curva ABC Fluxo de Caixa Semanal Análise de Lucratividade Análise Financeira o Ponto

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23 SUMÁRIO Capítulo 1 Contabilidade gerencial: panorama... 1 O que é contabilidade gerencial?... 2 Planejamento... 3 Controle... 3 Tomada de decisões... 4 Por que a contabilidade gerencial é importante para

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Histórico: - Um dos registros mais antigos de produção gerenciada data de cerca de 5.000 a.c.: monges sumérios já contabilizavam seus estoques,

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

So,fit 4 Transport Release Notes Versão 1.7

So,fit 4 Transport Release Notes Versão 1.7 NOVAS FUNCIONALIDADES Cadastros gerais Criado cadastro de Eixo, na categoria Veículo, onde são cadastradas as informações que servirão de base para o cadastro de layouts dos veículos. São cadastrados os

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS CUSTOS ENTRE FROTA PRÓPRIA E TERCEIRIZADA EM UMA TRANSPORTADORA DO VALE DO PARAÍBA-SP

COMPARAÇÃO DOS CUSTOS ENTRE FROTA PRÓPRIA E TERCEIRIZADA EM UMA TRANSPORTADORA DO VALE DO PARAÍBA-SP REVISTA DE CIÊNCIAS GERENCIAIS COMPARAÇÃO DOS CUSTOS ENTRE FROTA PRÓPRIA E TERCEIRIZADA EM UMA TRANSPORTADORA DO VALE DO PARAÍBA-SP Juliana Lopes da Silva - Faculdade Anhanguera de São José Marcelo Renato

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos Exemplos de Aplicação de Projetos Cálculo do Valor de um Negócio ou Empresa; Avaliar Viabilidade de Projetos; Projetos para solicitação de Financiamentos.

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS.

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS. XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

Terminologias e Classificações

Terminologias e Classificações Terminologias e Classificações Ramos da Contabilidade Definições Contabilidade Financeira: ciência social aplicada que capta, registra, resume, interpreta e evidencia fenômenos que afetam a situação financeira

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas.

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO O presente curso é composto de quatro módulos, a saber: MÓDULO I MÓDULO II MÓDULO III MÓDULO IV Gestão de Pessoas para Logística, com duração de 220 horas. Gestão Empresarial

Leia mais

OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira O Principal: OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Maximizar a riqueza dos proprietários da empresa (privado). Ou a maximização dos recursos (público). rentabilidade - retorno sobre o

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura:

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Nome: RA: Turma: Assinatura: EXERCÍCIO 1 Classifique os itens abaixo em: Custos, Despesas ou Investimentos a) Compra de Matéria Prima b) Mão de

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE MATERIAIS 1

MANUAL DE GESTÃO DE MATERIAIS 1 É a uniformidade de procedimentos na aquisição, controle, armazenamento, fornecimento e identificação de materiais, com objetivo de controlar despesas, apurar o estoque ideal, visando à otimização dos

Leia mais

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS Metodologia de Cálculo Referencial de Custos de Fretes do Transporte Rodoviário Remunerado de Cargas RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL

Leia mais

Dimensionamento de espaço

Dimensionamento de espaço Dimensionamento de espaço Definindo os volumes de produtos e os tipos de produtos que serão tratados no projeto, teremos condições, a partir de agora, de dimensionar o tamanho do armazém, suas características

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. Ponto de Pedido PP = (D x TR) + ES Onde: D = Demanda do

Leia mais

Anhanguera Educacional S/A. Amanda Melo Yasuda. Administração de Materiais e Logística

Anhanguera Educacional S/A. Amanda Melo Yasuda. Administração de Materiais e Logística Anhanguera Educacional S/A Amanda Melo Yasuda Administração de Materiais e Logística Anápolis-GO 2011 1 Anhanguera Educacional S/A Administração Geral Amanda Melo Yasuda Administração de Materiais e Logística

Leia mais

Cap. 8 Mantendo o suprimento. André Jun Nishizawa

Cap. 8 Mantendo o suprimento. André Jun Nishizawa Cap. 8 Mantendo o suprimento Mantendo o suprimento Façamos um paralelo Se o atendimento fornece produtos para suprir a demanda dos clientes. O reabastecimento compra os materiais para fabricar esses produtos.

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS?

O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS? O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS? OBJETIVOS DA EMPRESA LUCRO? BEM ESTAR DA COLETIVIDADE? MISSÃO? VISÃO? O ORÇAMENTO E O ELEMENTO HUMANO O ORÇAMENTO E A TOMADA DE DECISÕES SLIDE 01 A INCERTEZA

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece a metodologia de Cálculo, Revisão e Ajuste do tarifário para o serviço de Transporte Colectivo

Leia mais

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA Peter Wanke, D.Sc. Introdução A Teoria das Restrições, também denominada de TOC (Theory of Constraints) é um desenvolvimento relativamente

Leia mais

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009.

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009. FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009 Aluno(a): Turma: Data: 14/12/2009 Avaliação Contabilidade Avançada II 1ª Questão

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

A influência do custo de estocagem na formação do resultado contábil

A influência do custo de estocagem na formação do resultado contábil A influência do custo de estocagem na formação do resultado contábil Leonardo Nunes Ferreira (Universidade Católica de Brasília - Brasil) lnunes@pos.ucb.br Aroldo Oliveira Nunes Filho (Universidade Católica

Leia mais

BORDO DE LINHA. Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm

BORDO DE LINHA. Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm BORDO DE LINHA Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm Os sete principais desperdícios (mudas): Desperdícios e valor: Apenas uma pequena quantidade do tempo é despendida

Leia mais

Help RentaVision FRETE - NTC

Help RentaVision FRETE - NTC Help RentaVision FRETE - NTC Introdução O RentaVision foi desenvolvido com o intuito de ser uma ferramenta precisa para ser utilizada na montagem de Tabelas de Preços de transporte rodoviário de forma

Leia mais

Ativo Não Circulante e Depreciação

Ativo Não Circulante e Depreciação ATIVO NÃO CIRCULANTE IMOBILIZAÇÃO E DEPRECIAÇÃO Contabilidade Geral - 3º Período - ADM Ativo Não Circulante e Depreciação Imobilizado. Depreciação. Taxa Anual de Depreciação. Depreciação Acelerada. Amortização

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais