UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral"

Transcrição

1 UNIDADE II xdsl eadsl Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

2 Nasceu da necessidade de acesso à Internet em velocidades superiores ao padrão V.90-56kbit/s e ISDN BRI-128kbit/s pelos clientes corporativos, aproveitando o cabeamento metálico existente e evitando o custo de um acesso TDM/HDSL, pelos clientes residenciais, possibilitando a permanência do serviço POTS comutado tradicional. Nos dois casos acima, a concentração dos links em um único equipamento DSLAM (Digital Subscriber Line Access Multiplexer) leva à economia de recursos de rede e grande escalabilidade implementado em nível 2 com protocolo ATM para facilitar a integração com a rede original de acesso à Internet, inicialmente em backbone ATM de alta velocidade.

3 HDSL - High data rate Digital Subscriber Line Desenvolvida pelo Bellcore Está sendo empregado cada vez mais ao redor do mundo. Na Europa, as taxas de 2,04 Mbit/s atingem: 3,6 km (bitola 24 AWG); 2,7 km (bitola 26 AWG). Em diversos países, tem permitido às Operadoras e ISP (Internet Service Provider) vender serviços T1 / E1 existentes. Padronização: ANSI: American National Standards Institute Transmissão em T1 (1,544 Mbit/s) em 2 pares (784 kbit/s em cada par) ETSI: European Telecommunications Standards Institute Transmissão em E1 (2,048 Mbit/s) em 2 pares (1,040 Mbit/s em cada par trançado), ou Transmissão em E1 (2,048 Mbit/s) em 3 pares (784 kbit/s em cada par trançado).

4 Vantagens do HDSL: - Instalação do serviço mais rápida e barata. - Pares metálicos não necessitam de seleção. - Derivações não necessitam ser removidas. - Suporta mudanças de bitolas. - Monitoração de performance intrínseca. - Redução de manutenção: não há repetidores. - Performance de transmissão superior a HDB3: a tecnologia permite um alcance maior. - Reutilização de equipamentos: os transceptores HDSL podem ser removidos facilmente e utilizados em qualquer outro enlace.

5 Aplicações do HDSL: Há um grande número de aplicações para a tecnologia HDSL, pois a utilização de acessos a 2 Mbit/s tem um crescimento cada vez maior, como, por exemplo: - utilização em comunicações móveis: interconexão de estações rádio-base e central de operação; - utilização no Acesso Primário: implementação da interface de rede (interface U) em aplicações como um PABX digital ou pequenas centrais locais; - interconexão de LANs (Local Area Networks); - acessos de grandes usuários a 2 Mbit/s; - estágios de linha remotos; - videoconferência de alta resolução.

6 Técnicas de transmissão do HDSL: - 2B1Q : código em que uma palavra binária de 2 bits é transformada em um sinal quaternário na linha. É o mesmo utilizado na RDSI. - CAP (Carrierless Amplitude Phase Modulation): modulação desenvolvida pela empresa AT&T Paradyne;variante do QAM (Quadrature Amplitude Modulation); utiliza uma constelação de 64 pontos, onde cada ponto representa um número de 6 bits.

7 SDSL - Simmetric (ou Single line) Digital Subscriber Line - Tecnologia full duplex - versão da tecnologia HDSL, mas em 1 (um par trançado). - Desejada para aplicação simétrica. - Transmite sinais T1 e E1 em 1 (um) par trançado (mercado residencial). - Faixa de atuação: 160 a 2048 kbit/s. - Suporta simultaneamente o serviço de Telefonia. - Não padronizada. d

8 Aplicações do SDSL: - Em 160 kbit/s (alcance máximo em condutores 0,50 mm = 6,9 km): Acesso básico RDSI e telefonia convencional. - Em 400 kbit/s (alcance máximo em condutores 0,50 mm = 6,4 km): Conexão de LANs, vídeo-conferência e aplicações com o canal H0 da RDSI, além de telefonia convencional. - Em kbit/s (alcance máx. em condutores 0,50 mm = 2,4 km): Todas as aplicações de HDSL, além da telefonia convencional.

9 G.SHDSL (G.991.2)- Symmetric High Bit Rate Digital Subscriber Line A banda p/ Downstream é igual à de Upstream: até 2,3Mbit/s, atinge distâncias 20% maiores que o ADSL Baixa latência, em torno de 1,2ms (contra 20ms do ADSL) Melhor eficiência iê i espectral, ou seja, não interfere nos demais serviços ADSL, devido à modulação TC-PAM 16 (Trellis Coded 16-level Phase Amplitude Modulation) Não permite os serviços de voz POTS tradicionais, apenas VoDSL, VoIP, Voz TDM (PABX - BRI, PRI) e VoFR. Não pode ser utilizado c/ DSLAMs Ethernet (IP), apenas com DSLAMs ATM Recomendável p/ aplicações sensíveis a tempo (delay/jitter): - Videoconferência em alta qualidade - File Sharing - projetos colaborativos entre filiais e central-office - Tráfego corporativo ( , LAN, web hosting) Suporta AAL1 (47 bytes p/ voz e vídeo TDM e Circuit Emulation), e AAL5 (48 bytes para p/ Frame-Relay - FRF5 e FRF8, X.25, dados IP e vídeo MPEG2/4)

10 Tecnologias ADSL Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

11 Nasceu da necessidade de acesso à Internet em velocidades superiores ao padrão V.90-56kbit/s e ISDN BRI-128kbit/s: pelos clientes corporativos, aproveitando o cabeamento metálico existente e evitando o custo de um acesso TDM/HDSL; pelos clientes residenciais, possibilitando a permanência do serviço POTS comutado tradicional. i Nos dois casos acima, a concentração dos links em um único equipamento DSLAM (Digital Subscriber Line Access Multiplexer) leva à economia de recursos de rede e grande escalabilidade. Implementado em nível 2 com protocolo ATM para facilitar a integração com a rede original de acesso à Internet, inicialmente em backbone ATM de alta velocidade.

12 Asymmetric: A banda para downstream pode ser muito maior em relação ao HDSL TDM 2Mbit/s tradicional. A banda de upstream é inferior ao TDM 2Mbit/s. Assume-se que o tráfego Internet é muito maior quando vindo da rede para o CPE (Downstream) do que o tráfego do CPE para a rede (Upstream). Ex: Download de web pages. Utiliza 1 (um) par trançado convencional. Cria 3 (três) canais de informação: - Um canal downstream : 1,5 a 8,192 Mbit/s; - Um canal duplex : 16 a 640 kbit/s; - Um canal a de Telefonia. e

13 A ANSI aprovou uma norma para ADSL em taxas até 6,1 Mbit/s (Norma ANSI T1.413). Classe 2M-1 Classe 2M-3 - capacidade máxima do canal downstream = 6,144 Mbit/s - configurações: - canal de 6,144 Mbit/s; - canal de 4,096 Mbit/s + 1 canal de 2,048 Mbit/s; - canais de 2,048 Mbit/s. - Os canais bidirecionais (capacidade máxima de 640 kbit/s): - canal de controle - 64 kbit/s (obrigatório); - canais de informação - podem ter duas configurações: - canal de 160 kbit/s + 1 canal de 384 kbit/s; - canal de 576 kbit/s. Classe 2M-2 - capacidade máxima do canal downstream = 4,096 Mbit/s - configurações: - canal de 4,096 Mbit/s; - canais de 2,048 Mbit/s. - Os canais bidirecionais (capacidade máxima de 608 kbit/s): - canal de controle - 64 kbit/s (obrigatório); - canais de informação - podem ter duas configurações: - canal de 160 kbit/s; - canal de 384 kbit/s (opcionalmente 576 kbit/s). - capacidade máxima do canal downstream = 2,048 Mbit/s - configuração única: - canal de 2,048 Mbit/s. - Os canais bidirecionais (capacidade máxima de 640 kbit/s): - canal de controle - 64 kbit/s (obrigatório); - canal de informação - única configuração: - canal de 160 kbit/s.

14 Modulações ADSL É baseado em FDM (Frequency Division Multiplexing), usado para separar os canais de Upstream e Downstream, menor crosstalk na rede metálica (Far End Crosstalk-FEXT). Possui menor potência total de transmissão na linha, pela assimetria de throughput e pelo uso de freqüências diferentes para Upstream e Downstream, reduzindo ruídos e crosstalk nos pontos de concentração / DG (Near End Crosstalk-NEXT) permitindo serviços de voz POTS tradicionais e VoIP / VoDSL e pode ser utilizado com DSLAMs ATM e Ethernet (IP). DMT (Discrete MultiTone Frequency Modulation) DMT (Discrete Multitone Modulation) é um sistema de modulação que subdivide d o canal em um grande número de sub-canais (até 256 sub-canais), cada um dos quais podendo transmitir um símbolo com um número variável de bits, dependendo dos níveis de ruído e sinal presentes em cada canal. Isto não só maximiza a performance, como pode ser muito vantajoso em linhas muito ruidosas, que sofrem a ação de crosstalk ou interferência de portadoras de RF. Possui taxa adaptativa (apenas no handshaking - não há fall-back on the fly ) ), determinando as freqüências c/ melhor relação sinal-ruído e alocando mais bits para transmissão nessas freqüências. A potência de transmissão será maior nas freqüências mais ruidosas, alocados menos bits quanto mais alta a freqüência. A freqüência que ultrapassar o limite it máximo de ruído será suprimida

15 Modulações ADSL - Upstream 25 canais com 4,3kHz de largura de banda e até 15kbps em cada canal Throughput máximo teórico: 25 x 15 x 4,3 = 1,5Mbit/s 384/500 kbps (G.lite) e 832 kbps (G.dmt) para o ADSL em produção - Downstream 249 canais com 4,3kHz de largura de banda e até 15kbps em cada canal Throughput máximo teórico: 249 x 15 x 4,3 = 14,9Mbit/s 1.5 Mbps (G.lite) e 8 Mbps (G.dmt) para o ADSL em produção

16 Vantagens do ADSL: - Performance ideal com linhas de até 3km - G.dmt pode suportar VoIP e os serviços simétricos como o Frame Relay até 512 kbit/s - Ao contrário do G.dmt, o padrão G. lite não pode ser usado para VoIP, entretenimento interativo e vídeo de alta qualidade - Altamente dependente da qualidade da rede metálica - Modulação nível 1 dos sub-canais é QAM (Quadrature Amplitude-phase Modulation) - permite a transmissão em taxas menores que a taxa real de throughput (a constelação de bits é tridimensional) - Permite evolução para IPoDSL (ao invés de ATMoDSL) - Somente AAL

17 Cabos para o ADSL: As taxas de transmissão dependem, além da bitola dos condutores, das interferências (como diafonia e ruído impulsivo). Evolução do ADSL: VDSL - Very high data rate Digital Subscriber Line. Tecnologia DSL emergente. Adequada d ao segmento metálico da rede FTTC. VADSL e BDSL. A partir de Junho de 1995, o G.T. T1E1.4 (ANSI) escolheu VDSL (termo oficial). Taxas downstream derivadas de sub-múltiplos da taxa SDH de 155,52 52 Mbit/s. Taxas upstream dentro de uma faixa de 1,6 a 2,3 Mbit/s.

18 Modulações do VDSL: - CAP - DMT - DWMT DWMT- Discrete Wavelet Multitone -utiliza Transformadas Wavelets e não Transformadas de Fourier para criar e demodular as portadoras dos sub-canais. Isto permite diminuir a interferência entre os sub-canais, pois os lóbulos adjacentes ao principal serão significativamente menores (45 db abaixo). Outro elemento importante é a possibilidade da utilização desta tecnologia também para cabos coaxiais.

19 1. Por quê o G.SHDSL é menos interferente em outras linhas ativadas com ADSL? 2. O serviço ISDN (ou RDSI) básico é formado por: (Eletrobrás-2002 Análise de Sist. Tel.) : a) 1 canal de 16 Kbps e 2 canais de 56 Kbps. b) 1 canal de 16 Kbps e 2 canais de 64 Kbps. c) 1 canal de 56 Kbps e 1 canal de 64 Kbps. d) 1 canal de 16 Kbps e 1 canal de 56 Kbps. e) 1 canal de 16 Kbps e 1 canal de 64 Kbps. 3. Dos modems x.dsl listados abaixo, indique os que apresentam característica de tráfego simétrico: ( ) VDSL ( ) HDSL ( ) G.SHDSL ( ) ADSL ( ) RADSL 4. Qual a diferença entre o SDSL e o G.SHDSL? 5. Explique o funcionamento da modulação CAP usada no G.SHDSL.

20 6. Por quê a tecnologia ADSL é ideal para acesso à internet? 7. Cite os tipos de modulação utilizadas em modems ADSL, indicando a mais adequada para linhas com baixa relação sinal/ruído. 8. Leia o texto à seguir atentamente e responda:

21 Oi Internet, provedor de acesso a web do grupo Telemar, lança seu provedor de banda larga em São Paulo com promoção para usuário Speedy. O Oi Internet, provedor de acesso a internet do grupo Telemar, divulgou hoje o lançamento do Oi Internet Banda Larga em São Paulo. Para atrair mais clientes, haverá promoção para os usuários do Speedy, serviço de banda larga da Telefônica. Os clientes residenciais dos planos Speedy Fit 250, Light 250, Flex 500, Power 500, Turbo 1 Mega e Nitro 8 Mega que assinarem o serviço do Oi terão desconto durante um ano de contrato. A mensalidade de 19,90 reais sairá por 12,90 reais. Os clientes também receberão 2 GB de para um número ilimitado de contas, com antivírus, anti-spam e corretor ortográfico. Também estarão disponíveis 60 MB para criação de página pessoal, 20 MB para um blog (Flog Oi), notícias e shows transmitidos em tempo real na web e acesso ao Base Oi, um serviços com jogos online e informações sobre games. Segundo o presidente da Oi Internet, Sérgio Creimer, "o lançamento em São Paulo completa a estratégia do provedor de atuar em todo o Brasil, oferecendo acesso discado e serviço em banda larga". O Oi Internet foi lançado no início de 2005 e possui hoje 100 mil clientes na banda larga e 900 mil com acesso discado.

22 Segundo o artigo visto no slide anterior podemos afirmar a) A Oi Internet pretende substituir os acessos discados por banda larga em São Paulo. b) A Oi Internet utliza a tecnologia HDSL para o serviço Nitro 8 Mega. c) O acesso a banda larga não permite o tráfego do sinal de voz analógico como no acesso discado. d) Os serviços Speedy utilizam a tecnologia ADSL, que pode chegar a 8M somente no downstream. e) A Speedy obriga o uso do Oi Internet como provedor à internet. 9. A tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) permite o tráfego dos seguintes canais: a) Um canal de upstream com tráfego no sentido usuário-rede e outro downstream no sentido rede-usuário. b) Um canal analógico de voz e dois canais para dados: d upstream e downstream. c) Um canal de upstream com tráfego no sentido rede-usuário e outro downstream no sentido usuário-rede. d) Um canal analógico de digital e dois canais para dados: upstream e downstream. e) Nenhuma das alternativas apresentadas acima.

23 10. Pesquise o tema ADSL descrevendo: a. Serviços oferecidos pelas principais p operadoras (Velox, Brturbo e Speed). b. Tecnologia c. Padrões d. Protocolo PPPoA e PPPoE

X??? Digital Subscriber Line

X??? Digital Subscriber Line Tecnologias XDSL X??? Digital Subscriber Line AGENDA GERAL Tecnologias de Transmissão A Rede Rede Pública Comutada Loop local Central PROVEDOR REDE CORPORATIVA usuário Central Central usuário Par trançado

Leia mais

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre ESTV 2002/03 Paulo Coelho Redes e Serviços em Banda Larga 1 Tecnologias para a rede de cobre Evolução da transmissão de dados sobre pares de cobre: Rede s/ elementos

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais VDSL Implementação

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2004/2005 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais Implementação Redes

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT.

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT. ADSL Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através da rede de pares

Leia mais

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 5 - Aula 1 Tópico 5 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 58 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos 3 Introdução 4

Leia mais

ção Multimidia - UniSanta

ção Multimidia - UniSanta Sistemas de Comunicaçã ção Multimidia - UniSanta xdsl X - Digital - Subscriber - Line Prof. Hugo Santana Lima 1 AGENDA Rede Pública Comutada Modem Histórico RDSI-FE HDSL SDSL ADSL VDSL Fatores Limitantes

Leia mais

Redes de Computadores. Redes de Computadores ADSL / XDSL. Protocolos de Redes. Aula 9 ADSL FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA

Redes de Computadores. Redes de Computadores ADSL / XDSL. Protocolos de Redes. Aula 9 ADSL FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA Redes de Computadores Protocolos de Redes Redes de Computadores Aula 9 / XDSL Introdução A tecnologia (Asymmetric Digital Subscriber Line - Linha Digital Assimétrica de Assinante) opera com transmissões

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Acesso xdsl. Michele Perpetuo Chequetto Hemerly Bastos,Edmilson Figueiredo Garcia

Acesso xdsl. Michele Perpetuo Chequetto Hemerly Bastos,Edmilson Figueiredo Garcia Acesso xdsl Michele Perpetuo Chequetto Hemerly Bastos,Edmilson Figueiredo Garcia Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Caixa Postal 24.210-240 Rio de Janeiro RJ Brasil michele@nti.uff.br,

Leia mais

Em sua Casa. Na Central Telefônica

Em sua Casa. Na Central Telefônica &RP )XQFLRQ $'6/ Em sua Casa Na Central Telefônica Em sua Casa A. Dentro de Seu PC: O modem ADSL de seu computador conecta a uma linha de telefone analógica padrão. B. Voz e Dados: Um modem ADSL tem um

Leia mais

IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS

IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS Mestrandos: Delson Martins N:760 Turma 10 Márcio Fernando Flores N:767 Turma 10 Professores: Volnys; Kiatake;

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I ADSL Alexandre Martini Fernando Boettcher Julio Cezar Kronbauer Santa

Leia mais

Tecnologias de Acesso Remoto RDSI FE xdsl Cable Modems Faesa Maio 2001 Sotério Ferreira de Souza soterio.souza@hotmail.com

Tecnologias de Acesso Remoto RDSI FE xdsl Cable Modems Faesa Maio 2001 Sotério Ferreira de Souza soterio.souza@hotmail.com Tecnologias de Acesso Remoto RDSI FE xdsl Cable Modems Faesa Maio 2001 Sotério Ferreira de Souza soterio.souza@hotmail.com FOCO Acesso à Internet para Assinantes Domésticos e Pequenas Empresas Do que vamos

Leia mais

Redes I Longa distância e alto desempenho ADSL Assymetric Digital Subscriber Line

Redes I Longa distância e alto desempenho ADSL Assymetric Digital Subscriber Line Redes I Longa distância e alto desempenho ADSL Assymetric Digital Subscriber Line TÓPICOS INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS APLICAÇÕES O FUTURO CONCLUSÃO INTRODUÇÃO Ter que aguardar por vários dias o término

Leia mais

Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta

Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta Como funciona o sinal DSL INTRODUÇÃO: A Linha Digital de Assinante, conhecida por DSL, do inglês Digital Subscriber Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta

Leia mais

II.2. SISTEMAS ADSL II.2.1. DEFINIÇÃO UNIDADE II ACESSO LOCAL EM FIOS METÁLICOS

II.2. SISTEMAS ADSL II.2.1. DEFINIÇÃO UNIDADE II ACESSO LOCAL EM FIOS METÁLICOS 1 II.2. SISTEMAS ADSL II.2.1. DEFINIÇÃO Podemos definir ADSL como uma nova tecnologia de modems que converte os atuais pares de fios de cobre usados em telefonia, em caminhos de acesso em banda larga para

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

Acesso no Lacete Local. Acesso no Lacete Local

Acesso no Lacete Local. Acesso no Lacete Local Acesso telefónico analógico Transmissão digital no lacete local Acesso por modem da banda de voz Acesso G.703 - E1 Acesso básico RDIS Acesso DSL Digital Subscriber Line Mário Jorge Leitão 2 Intencionalmente

Leia mais

ADSL2 e ADLS2+: Os Novos Padrões do ADSL

ADSL2 e ADLS2+: Os Novos Padrões do ADSL ADSL2 e ADLS2+: Os Novos Padrões do ADSL Este tutorial apresenta as tecnologias ADSL2 e ADSL2+ (Asymetric Digital Subscriber Line), desenvolvidas para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais

Leia mais

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como:

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Introdução. ISP Local

Introdução. ISP Local Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

1 de 4 09/10/2011 18:18

1 de 4 09/10/2011 18:18 HowStuffWorks - Como funciona a tecnologia DSL http://informatica.hsw.uol.com.br/tecnologia-dsl.htm/printable 1 de 4 09/10/2011 18:18 ASSINE 0800 703 3000 BATE-PAPO E-MAIL SAC Voip E-Mail Grátis Shopping

Leia mais

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Acesso em banda base Acesso com modulação digital Acesso RDIS, HDSL Acesso com modems de banda de voz, ADSL, VDSL Códigos de linha Bipolar (AMI),

Leia mais

Conexão ADSL/VDSL. Redes de Computadores

Conexão ADSL/VDSL. Redes de Computadores Conexão ADSL/VDSL Redes de Computadores O que é DSL? Digital Subscriber Line é uma família de tecnologias que fornecem um meio de transmissão aproveitando a própria rede de telefonia que chega na maioria

Leia mais

Acesso residencial em banda larga

Acesso residencial em banda larga Universidade Federal do Rio de Janeiro Núcleo de Computação Eletrônica Mestrado em Informática Disciplina: MAB 735 Professor: Paulo Aguiar Acesso residencial em banda larga Agosto de 2000 Autor: Edmundo

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

O consumidor espera por novos serviços os quais dependem de largura de banda suficiente. Como exemplo destes novos serviços podese citar "fast

O consumidor espera por novos serviços os quais dependem de largura de banda suficiente. Como exemplo destes novos serviços podese citar fast Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Teleprocessamento e Redes Professor: Marco Antônio C. Câmara Alunas: Rejane Mirtes B. de Cerqueira Suzane Tourinho F. da

Leia mais

INSTITUTO TÉCNICO DE BARUERI BRASÍLIO FLORES DE AZEVEDO. Turma: INF 1 A T / 1B T / 1 C T Data de Postagem: 25/08/2009

INSTITUTO TÉCNICO DE BARUERI BRASÍLIO FLORES DE AZEVEDO. Turma: INF 1 A T / 1B T / 1 C T Data de Postagem: 25/08/2009 Turma: INF 1 A T / 1B T / 1 C T Data de Postagem: 25/08/2009 Disciplina: Redes de computadores Professores: Mauricio Nunes REVISÃO DE CONTEÚDO ATIVIDADE 03 - A Internet é a grande rede de computadores.

Leia mais

Integrated Services Digital Network

Integrated Services Digital Network Integrated Services Digital Network Visão Geral ISDN é uma rede que fornece conectividade digital fim-a-fim, oferecendo suporte a uma ampla gama de serviços, como voz e dados. O ISDN permite que vários

Leia mais

UBL: IMPLANTAÇÃO E RESULTADOS DO PROJETO INTERNET ULTRA BANDA LARGA OI MG

UBL: IMPLANTAÇÃO E RESULTADOS DO PROJETO INTERNET ULTRA BANDA LARGA OI MG UBL: IMPLANTAÇÃO E RESULTADOS DO PROJETO INTERNET ULTRA BANDA LARGA OI MG ISSN: 1984-3151 UBB: IMPLANTATION AND RESULTS OF ULTRA BROADBAND PROJECT OI MG Joel Lucas Alves Martins Centro Universitário de

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 05 2006 V1.0 Conteúdo Telecomunicação e Canais de Comunicação Multiplexação Tipos de Circuitos de Dados DTE e DCE Circuit

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33

Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33 Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33 2012 Grupo Algar Negócios Algar Setor TI/Telecom Setor Agro Setor Serviços Turismo Algar Telecom Negócios & Atuação: Varejo Empresas Dados &

Leia mais

Análise de Falhas em Conexões sobre Tecnologia DSL. Rogério Luiz de Morais. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Análise de Falhas em Conexões sobre Tecnologia DSL. Rogério Luiz de Morais. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Análise de Falhas em Conexões sobre Tecnologia DSL Rogério Luiz de Morais Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, março de 2010 Resumo O objetivo

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso -

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Lacete de assinante Par simétrico Central local Ponto de subrepartição Ponto de distribuição Assinante Interface com a linha de assinante

Leia mais

Pós-Graduação: INF/CETUC

Pós-Graduação: INF/CETUC Pós-Graduação: INF/CETUC Disciplina: Redes de Acesso em Banda Larga Princípios Básicos Prof. Sérgio Colcher Prof. Luiz A. R. Da Silva Mello Copyright 1999-2004 by TeleMídia Lab. 1 Cenário 2 Modelo Provedores

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS instituição s de serviços de telecomunicações PABX instituição PABX Internet terminal Sip rede Ethernet banco de celulares banco de celulares A figura acima ilustra esquematicamente

Leia mais

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3.

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3. 1/10 TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica Designação VERSÃO 30 de Julho de 2009 Índice 1 ÂMBITO... 3 2 MODELOS DE REFERÊNCIA... 4 3 INTERFACE UNI USER TO NETWORK... 5 2/10 3.1 PONTO DE TERMINAÇÃO DA REDE......

Leia mais

Informações sobre a tecnologia ADSL. Seleção de protocolo e de driver. Índice. visão geral. instalação do modem ECI USB ADSL

Informações sobre a tecnologia ADSL. Seleção de protocolo e de driver. Índice. visão geral. instalação do modem ECI USB ADSL um cap tulo capítulo visão geral 3 5 6 14 Índice visão geral informações sobre a tecnologia ADSL seleção de protocolo e de driver recursos instalação do modem ECI USB ADSL instalação do drive ADSL USB

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 0 Fatos e tendências Sumário Fatos e tendências; Arquitetura

Leia mais

D R A F T. Irregularidades praticadas pela Telemar na comercialização do serviço de acesso a Internet denominado Velox.

D R A F T. Irregularidades praticadas pela Telemar na comercialização do serviço de acesso a Internet denominado Velox. D R A F T Irregularidades praticadas pela Telemar na comercialização do serviço de acesso a Internet denominado Velox. 1. O que é o serviço Velox da Telemar? O Velox é um serviço de acesso a Internet de

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Infraestrutura e Tecnologia

Infraestrutura e Tecnologia Fundada em 1999, a Mundivox é uma operadora de telecomunicações licenciada pela Anatel e tem como principal objetivo ser a melhor provedora de soluções integradas em serviços de comunicação de voz e dados

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNIDADE DE SÃO JOSÉ NÚCLEO DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CAPÍTULO 1 MODENS DIGITAIS Prof. Msc. Jorge H. B. Casagrande

Leia mais

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr. IEEE 802.16 - WiMAX Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br WiMax - Worldwide Interoperability for Microwave Access WiMAX Forum:

Leia mais

Redes de Telecomunicações Redes de Acesso

Redes de Telecomunicações Redes de Acesso Redes de Telecomunicações Redes de Acesso João Pires Redes de Telecomunicações 307 Rede de acesso convencioanal A rede de acesso convencional das redes telefónicas públicas era constituída por uma infraestrutura

Leia mais

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro 1 Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro Capitulo 1: Para começarmos a falar sobre TV Digital devemos conhecer os tipos de modulação digital que existem e entender, ao menos,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE DADOS CAP. 5 MODEM

COMUNICAÇÃO DE DADOS CAP. 5 MODEM COMUNICAÇÃO DE DADOS CAP. 5 MODEM MODEM A palavra modem vem da contração das palavras MOdulador e DEModulador. É um equipamento bidirecional o qual é instalado nas duas extremidades de um canal de comunicação

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

Comunicação de alta velocidade entre computadores ADSL x Cable Modem. Márcio Luiz Soares Vidal. Uberlândia, Dezembro/2001.

Comunicação de alta velocidade entre computadores ADSL x Cable Modem. Márcio Luiz Soares Vidal. Uberlândia, Dezembro/2001. Comunicação de alta velocidade entre computadores ADSL x Cable Modem Márcio Luiz Soares Vidal Uberlândia, Dezembro/2001. Comunicação de alta velocidade entre computadores ADSL x Cable Modem Márcio Luiz

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Utilização da Banda Passante do Meio. Multiplexação Redes. Utilização da Banda Passante do Meio. Bacharelado em Informática

Utilização da Banda Passante do Meio. Multiplexação Redes. Utilização da Banda Passante do Meio. Bacharelado em Informática Bacharelado em Informática Disciplina: de Computadores Multiplexação, Modulação e Codificação Prof. Sérgio Colcher colcher@inf.puc-rio.br Utilização da Banda Passante do Meio 0 40 400 Desperdício Configuração

Leia mais

Estudo Comparativo: DSL Cable Modem

Estudo Comparativo: DSL Cable Modem UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Estudo Comparativo: DSL Cable Modem Por Eduardo Almeida Fernandes Projeto de Diplomação

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Redes II ISDN e Frame Relay

Redes II ISDN e Frame Relay Redes II ISDN e Frame Relay Súmario 1. Frame Relay 02 1.1 Introdução 02 1.2 Velocidade 03 1.3 A Especificação X.25 03 1.3.1 Nível de Rede ou pacotes 03 1.3.2 Nível de Enlace ou de Quadros 04 1.3.3 Nível

Leia mais

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo : Capítulo Redes de Redes de computadores computador e a Internet es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

Capítulo1 Redes de computador es e a Internet

Capítulo1 Redes de computador es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo Redes de computador es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações

Leia mais

ADSL - Serviço ou Tecnologia?

ADSL - Serviço ou Tecnologia? ADSL - Serviço ou Tecnologia? Este tutorial tem por objetivo abordar aspectos de codificação, modulação e correção de erro utilizados na tecnologia ADSL (Asymmetric Digital Subscriber Line). Inicialmente,

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Transmissão Digital e Analógica

Transmissão Digital e Analógica Transmissão Digital e Analógica Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores I Introdução... 2 Transmissão Digital... 2 Codificação de Linha... 2 Codificação de Blocos... 4 Transmissão Digital

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO Hospitais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Interfaces Modem-ETD. RS-232c ou V.24 V.36/V.11 RS-449/RS-422a RS-449/RS-423a V.35 G.703 V.35 V.36 MAB-510 48

Interfaces Modem-ETD. RS-232c ou V.24 V.36/V.11 RS-449/RS-422a RS-449/RS-423a V.35 G.703 V.35 V.36 MAB-510 48 Interfaces Modem-ETD RS-232c ou V.24 V.36/V.11 RS-449/RS-422a RS-449/RS-423a V.35 G.703 V.35 V.36 MODEM MODEM MAB-510 48 Controle de Recepção e Transmissão Transmissão (request to send) RTS (clear to send)

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA Foi inventada em 1989 por um engenheiro da Bell Labs. O seu uso começou no final da década de 1990 como forma de acesso à internet de banda larga. TECNOLOGIAS DSL

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Capítulo 2: Camada Física. Capítulo 2. A camada física

Capítulo 2: Camada Física. Capítulo 2. A camada física Capítulo 2: Camada Física Capítulo 2 A camada física slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Introdução a Redes de Computadores. Professor Machado

Introdução a Redes de Computadores. Professor Machado Introdução a Redes de Computadores Professor Machado 1 O que é uma rede de computadores? Uma rede de computadores é um conjunto de computadores autônomos, interconectados, capazes de trocar informações

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 Tipos de Comunicação - Difusão: Rádio e TV - Pessoa-a-Pessoa: Telefonia - Máquina-a-Máquina: Computadores Difusão: Rádio e TV Receptor Receptor Receptor Transmissor

Leia mais

Redes de Computadores 1

Redes de Computadores 1 Redes de Computadores 1 IF66B Introdução Objetivos dessa aula: Obter contexto, terminologia, conhecimentos gerais de redes Maior profundidade e detalhes serão vistos durante o semestre Abordagem: Usar

Leia mais

Suporte Técnico de Vendas

Suporte Técnico de Vendas Suporte Técnico de Vendas Telefonia básica Hoje vivemos a sociedade da informação. A rede de telecomunicações desempenha papel fundamental na vida moderna. História das Telecomunicações Em 1876, o escocês

Leia mais

ADSL BÁSICO ADSL. A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante.

ADSL BÁSICO ADSL. A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. ADSL ADSL A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. Trata-se de uma tecnologia que permite a transferência digital de dados em alta velocidade por meio da linha telefônica. É

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Estrutura geral: rede local ou de acesso -

Rede Telefónica Pública Comutada - Estrutura geral: rede local ou de acesso - Rede Telefónica Pública Comutada - Estrutura geral: rede local ou de acesso - Uma grande parte da rede local é constituída pela infra-estrutura de cobre [fios de cobre entrelaçados (cooper twisted pair)

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

Cód. 24 Eletricista de Manutenção Telefônica

Cód. 24 Eletricista de Manutenção Telefônica PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRÉ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E MODERNIZAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO - 08/2011 1. O protocolo IP é considerado: Cód. 24 Eletricista de Manutenção Telefônica I - um

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais