Levantamento e Avaliação da Resiliência da Infraestrutura Internet em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Levantamento e Avaliação da Resiliência da Infraestrutura Internet em Portugal"

Transcrição

1 Levantamento e Avaliação da Resiliência da Infraestrutura Internet em Portugal Agenda 09:30 Abertura Apresentação de Estudo 09:35 Enquadramento da Temática de Estudos sobre Segurança Engº Manuel Pedrosa de Barros, ANACOM 10:00 Apresentação Convidada Drª. Luísa Gueifão, Engº. Assis Guerreiro, Associação DNS.pt 10:30 Intervalo 10:50 Apresentação do Estudo Prof. José Brázio, Instituto de Telecomunicações 11:40 Período de Discussão 12:45 Encerramento 1

2 Sessão de Trabalho Levantamento e Avaliação da Resiliência da Infraestrutura Internet em Portugal Apresentação de Estudo José Brázio Carlos Salema António Rodrigues 2005, it - instituto de telecomunicações. Todos os direitos reservados.

3 Apresentação do Estudo 1. Objectivos 2. Enquadramento à problemática da resiliência 3. Abordagem e metodologia 4. Caracterização do sistema de interconexões e sua resiliência 5. Resiliência das componentes lógicas DNS e BGP 6. Conclusões e recomendações preliminares 3

4 Objectivos Levantamento t das interconexões nacionais i e internacionais i i dos ISP em operação em Portugal» Recebida colaboração da RCTS Identificação e caracterização dos IXP em operação em Portugal Identificação dos nós críticos para a funcionalidade da Internet em Portugal Avaliação da resillência da infra-estrutura Internet em Portugal, tendo ainda presente as questões de segurança e de resiliência nomeadamente com DNS, BGP e TCP/IP 4

5 Enquadramento da Problemática da Resiliência (I) Resiliência: o capacidade de um sistema fornecer e manter um nível aceitável de serviço quando sujeito a falhas ou outras perturbações à sua normal operação Em sentido lato, engloba: o Configurações o Mecanismos o Procedimentos Ciclo Avaliação de riscos Preparação e planeamento Operação Redução de vulnerabilidades e/ou [Incidente:] Resposta e recuperação 5

6 Enquadramento da Problemática da Resiliência (II) Tipos de mecanismos operacionais o Configurações/mecanismos i que evitam certo tipo de perturbações p.ex., mecanismos de autenticação, controlo de acessos, etc. o Mecanismos de reacção rápida, com accionamento automático ou manual, que reduzem impacte de perturbações p.ex., reconfiguração rápida de anéis ópticos, Routing Black Holes, etc. o Mecanismos de acção de maior escala temporal, para recuperação de elementos afectados p.ex., reparação de condutas, substituição/reconfiguração (manual) de sistemas, etc. Mecanismos organizacionais subjacentes o Gestão de stocks de equipamento de substituição o Planos e equipas de contingência o Decisões estratégicas Sobre rede interna Sobre interacção com outros ISP Incluindo políticas/estratégicas comerciais/de mercado 6

7 Resiliência Disciplinas Técnicas Tolerância a disrupções Avaliação de confiabilidade 7

8 Enquadramento da Problemática da Resiliência (III) [1] Áreas de desafio ( challenge areas ): o Infraestruturas t o Tecnologia o Processos operacionais e recursos humanos o Continuidade organizacional o Comercial e regulatória Áreas de actividade o Organizacionais o Continuidade de negócio o Gestão de risco [1] Guidelines for Enhancing the Resilience of Communication Networks: Providers Measures, ENISA (2009) 8

9 Enquadramento da Problemática da Resiliência (IV) Actores e actividades o Investigação académica Publicações na literatura peer-reviewed: conceptualizações; propostas e análises de técnicas específicas o Fabricantes de equipamento Whitepapers: Soluções de configurações e equipamentos para resiliência Análise e linhas de orientação para aspectos organizacionais o Associações profissionais, entidades governamentais ou equiparadas Promoção oção de estudos e seminários Inquéritos e levantamentos de situação Documentos sobre boas práticas e linhas de orientação ( guidelines ) Actividades de avaliação de resiliência Estudos, exercícios 9

10 Enquadramento da Problemática da Resiliência (V) Actividades e iniciativas internacionais o Centre for the Protection ti of National Infrastructure t (CPNI), UK Guias de boas práticas o ENISA, UE Iniciativa i sobre resiliência i Levantamentos e avaliação de tecnologia, guias de boas práticas, suporte à realização de exercícios o FCC, USA Iniciativa sobre resiliência (Abril/2011) Portal Network Reliability and Interoperability Best Practices o Internet Society Deploy360 Programme IPv6, DNSSEC, Routing Resiliency/Security o National Institute of Standards (NIST), USA Guias de boas práticas, de planeamento de emergências, etc 10

11 Enquadramento da Problemática da Resiliência (VI) Actividades e iniciativas internacionais o Autoridade d Reguladora das Comunicações (RRT), Lituânia i Iniciativa sistemática, desde 2007, de caracterização da infraestrutura Internet e avaliação da sua resiliência Levantamento e caracterização das interconexões entre ISP» Através de inquéritos aos ISP Identificação de elementos críticos Iniciativa recente de desenvolvimento de sistema de monitorização da infraestrutura Internet lituana Em tempo real Baseada em informação publicamente disponível Com capacidade d de colecção automática de informação e de identificação de acontecimentos críticos 11

12 Estudo Abordagem e Metodologia Componentes do estudo o Levantamento dos IXP e das interconexões entre ISP o Avaliação da resiliência da infraestrutura Sistema de interconexões Subsistemas DNS e BGP o Identificação de elementos críticos Levantamento dos IXP e das interconexões entre ISP o Através de questionário dirigido aos ISP Opções para avaliação da resiliência da infraestrutura o Dois tipos de indicadores Operacionais (p.ex., níveis de degradação e tempo de recuperação após perturbações específicas) Pesado, requer informação muito detalhada ( exercícios ) Indicadores macroscópicos / estatísticos Mais simples, fornecem pontos de referência para comparação 12

13 Opções Adoptadas Escolha: o 2º tipo de indicadores o Sistema de interconexões Indicadores de conectividade entre ISP capacidade de transmissão instalada número de circuitos número de ISP a que se interliga redundância de Points of Presence o Componente lógica (DNS, BGP) Levantamento e caracterização estatística da utilização de mecanismos de resiliência disponíveis nas configurações dos subsistemas de DNS e BGP Base de informação o Questionário distribuído aos ISP em operação em Portugal 13

14 Questionário Suportado em folha de cálculo Enviado pela ANACOM aos ISP registados Contém 4 secções o Identificadores e Interligações: Características das interconexões dos ISP em operação no espaço nacional com outros ISP nacionais ou internacionais relevantes para suporte do serviço Internet em Portugal o Questões sobre DNS: Equipas de administração e resposta a incidentes; configurações do subsistema de DNS relevantes para resiliência o Questões sobre BGP: Equipas de administração e resposta a incidentes; configurações do subsistema de BGP relevantes para resiliência o Outras questões: Aspectos respeitantes à camada IP; questões abertas sobre resiliência 14

15 Questionário Secção Identificadores e Interligações Solicitado, para cada link entre ISP respondente e outro ISP interligado: o Tipo de circuito o Proprietário da Infraestrutura o Localização Física do Router de Terminação o Taxa de Transmissão o Capacidade de Comutação o Volume Mensal de Dados o ASN/Nome do outro ISP, Papel ( Role ), Nacionalidade o IXP utilizado, em caso de peering público Objectivo: o Elaboração de mapa de conectividade id d para caracterização do emalhamento e redundância existente no sistema de interconexões dos ISPs operando em Portugal 15

16 Questionário Secção DNS Solicitada informação sobre: o Redundância dâ dos servidores com autoridade d para o domínio do ISP o Dimensão e prontidão da equipa de administração/resposta a incidentes o Utilização no serviço de nomes de restrição de lookups recursivos a clientes mecanismos de autenticação da origem e/ou verificação de integridade dos dados recebidos mecanismos de verificação de validade de respostas NXDOMAIN DNSSEC ou previsões de futura utilização Objectivo: o Obtenção de indicadores para comparação com indicadores internacionais i i 16

17 Questionário Secção BGP (I) () Solicitada informação sobre: o Dimensão e prontidão da equipa de administração/resposta i t a incidentes o Utilização de mecanismos e configurações do subsistema de BGP Mecanismos de intervenção operacional Mecanismos de Validação na Importação/Exportação de Prefixos Desagregação de Prefixos Mecanismos de melhoria de desempenho Mecanismos S-BGP, so-bgp, etc Objectivo: o Obtenção de indicadores para comparação com indicadores internacionais 17

18 Questionário Secção BGP (II) Mecanismos de intervenção operacional : o Equipas de resposta a incidentes id o Routing Black Holes o Routing Sink Holes Mecanismos de Validação na Importação/Exportação de Prefixos o Fortes BGP egress filtering, BGP ingress filtering, autenticação de conteúdo das mensagens, verificação de 1ª AS em AS_Path o Menos Fortes Max prefix feature, limitação do comprimento de AS_Path, Generalized TTL Security Hack Desagregação de Prefixos o Realização/rejeição de anúncios desagregados 18

19 Questionário Secção BGP (III) Mecanismos para melhoria de desempenho o No-Export Community o Route Refresh Capability o Route Flap Damping [2] Mecanismos S-BGP, so-bgp, etc [2] Presentemente e e e desaconselhado se ado peo pelo IETF 19

20 Questionário Outras Questões (I) Solicitada informação sobre: o Utilização de rede de gestão fora-de-banda d o Utilização de ip Ingress Filtering o Obtenção e utilização de endereços IPv4/IPv6 Colocadas questões abertas sobre o Aspectos considerados importantes na abordagem ao estudo da resiliência o Temas considerados de interesse para discussão em eventual sessão de trabalho sobre tópico da resiliência 20

21 Respostas Caracterização o 35 ISP registados junto da ANACOM o 18 ISP e a FCCN forneceram respostas completas ao questionário o 10 ISP informaram que são apenas revendedores de acesso, sem infraestrutura t própria o 3 ISP informaram de que a sua componente de rede em Portugal é parte integrante da sua rede internacional, sem relações de peering ou de trânsito com qualquer outro ISP em Portugal Globalmente, respostas recebidas permitem obter imagem válida do sistema de interconexões entre ISP Sneak preview : o Indicadores obtidos revelam que configurações dos sistemas existentes estão genericamente em linha com padrões internacionais e que os sistemas de interconexão entre ISP são robustos, estatisticamente falando o Existem contudo elementos críticos para o fornecimento de conectividade 21

22 Conteúdo do Estudo Caracterização do sistema de interconexões o Por tipo de relação comercial, discriminandoi i d Capacidade de transmissão instalada Número de circuitos físicos Diversidade de locais de interligação ISP envolvidos o Caracterização dos pontos de interconexão (IXP, Interconnection Facilities) emtermosde ISP presentes Número de circuitos físicos e capacidade de transmissão instalada o Identificação de elementos críticos para o serviço Internet em Portugal Indicadores sobre configurações dos subsistemas DNS e BGP e comparação internacional i Conclusões e recomendações 22

23 Interconexões de Trânsito Diagrama Indicativo RIPE RIS Transits (Upstreams BGP) [Informação pública] 23

24 Caracterização do Sistema de Interconexões (I) ISP e Sistemas Autónomos o 35 ISP, 25 AS (16 contidas em território i nacional) Interconexões o Total: 178 circuitos (1 090 Gbit/s) Forn. Trânsito Internacionais: 38 (374 Gbit/s) Forn. Trânsito Nacionais: 18 (52 Gbit/s) Peering Internacional: 16 (133 Gbit/s) Peering Público Nacional: 22 (134 Gbit/s) Peering Privado Nacional: 46 (135 Gbit/s) Cl. Trânsito Nacionais: 18 (61 Gbit/s) 24

25 Caracterização do Sistema de Interconexões (II) Capacidade de transmissão instalada (Gbit/s) P/ Fornecedor P/ Fornecedor Peering Peering Clientes Peering Trânsito Trânsito Público Privado Trânsito Internacional Internacional Nacional Nacional Nacional Nacional Total Média aritmética 19,7 2,7 7,0 7,0 7,1 3,2 46,8 Média ponderada 64,9 2,2 26,3 9,8 16,5 11,6 131,3 Número de circuitos instalados P/ Fornecedor P/ Fornecedor Trânsito Trânsito Internacional Nacional Peering Internacional Peering Peering Clientes Público Privado Trânsito Nacional Nacional Nacional Total Média aritmética 20 2,0 09 0,9 08 0,8 12 1,2 24 2,4 09 0,9 83 8,3 Média ponderada 5,2 0,3 3,1 1,4 3,4 2,8 16,2 TOTAL TOTAL Nota: Ponderação por capacidade instalada para fornecedores de trânsito e peers 25

26 Caracterização do Sistema de Interconexões (III) Número de outros ISP interligados P/ Fornecedor P/ Fornecedor Peering Clientes Peering Trânsito Trânsito Privado Trânsito Internacional Internacional Nacional Nacional Nacional TOTAL Total Média aritmética 1,2 0,6 0,7 1,2 0,6 5,1 Média ponderada 2,4 0,2 2,8 1,5 1,2 8,9 Nota: Ponderação por capacidade instalada para fornecedores de trânsito e peers 26

27 Caracterização do Sistema de Interconexões (IV) Peering nacional o Público: GigaPIX Lx Presentes 14 ISP Capacidade total de transmissão para GigaPIX Lx = 132 Gbit/s GigaPIX Porto o Privado: Presentes 2 ISP Por links directos, ou em outras instalações de interconexão Capacidade de transmissão instalada = 175 Gbit/s Peering internacional o Público/Privado: Menor capacidade instalada do que trânsito internacional Concentrado num pequeno número de ISP 27

28 Caracterização do Sistema de Interconexões (V) Elementos críticos o Conectividade id d internacional i ISP internacionais Listados 12 ISP internacionais fornecendo trânsito a ISP nacionais 2 ISP internacionais, em conjunto, suportam 50% da capacidade de transmissão de trânsito internacional instalada 1 ISP internacional serve 7 ISP nacionais ISP nacionais 3 ISP nacionais detêm 75% da capacidade de trânsito internacional instalada Infraestruturas de interligação Possível identificar uma infraestrutura crítica para suporte à conectividade internacional 28

29 Caracterização do Sistema de Interconexões (VI) Conectividade nacional o Passível de obtenção através de fornecedor nacional de trânsito comum pouco frequente peering nacional 1 fornecedor(es) internacional(is) de trânsito o Peering vs. trânsito internacional Capacidade instalada de peering nacional (pub. + priv.) capacidade instalada para fornecedores internacionais de trânsito o Pode ser suportada +/- igualmente, em termos de capacidade, por peering nacional ou trânsito internacional o Elementos críticos GigaPIX Lx preponderante para peering público Contudo, não constitui single point of failure para conectividade nacional 1 ISP nacional concentra fracção substancial do peering privado ISP críticos para conectividade internacional são-no também para conectividade nacional 29

30 Resiliência das Componentes Lógicas DNS Redundância dos authoritative servers Servidores com autoridade para o domínio.pt o 8 servidores em 7 localizações geográficas mundiais Servidores com autoridade para os ISP registados em Portugal o Maioria i dos ISP possui servidores de zona com redundância dâ geográfica ou contemplam a sua instalação a curto prazo 30

31 Resiliência das Componentes Lógicas DNS (I) () Redundância geográfica de servidores Não ponderado Ponderado Equipas próprias de administração e resposta a incidentes Não ponderado Ponderado 31

32 Resiliência das Componentes Lógicas DNS (II) Restrição de lookups recursivos a clientes Não ponderado Ponderado Mecanismos de autenticação de origem dos dados Não ponderado Ponderado 32

33 Resiliência das Componentes Lógicas DNS (III) Mecanismos de verificação de integridade de dados recebidos Não ponderado Ponderado Mecanismos de verificação de validade de respostas NXDOMAIN Não ponderado Ponderado 33

34 Resiliência das Componentes Lógicas DNS (IV) Serviço de nomes de domínios baseado em DNSSEC Não ponderado Ponderado Participação em WGs internacionais sobre securização de DNS Não ponderado Ponderado 34

35 Resiliência das Componentes Lógicas DNS (V) Indicadores o Redundância dâ geográfica A grande maioria (> 70 %) dos ISP possui servidores com redundância geográfica ou planos para a sua instalação o Equipas de resposta a incidentes A quase totalidade dos ISP possui equipas próprias 24 x 7 x 365 de dimensão adequada o Lookups recursivos A maioria (> 80 %) restringe-os aos seus clientes ou usa mecanismos alternativos Valor comparável com situação internacional o Utilização de mecanismos de protecção como os incluídos em DNSSEC Utilizados apenas por % dos ISP o Utilização de DNSSEC Idem Fracções de respostas comparáveis com situação internacional a P.ex., Ann Arbor Worldwide Infrastructure Security Report 35

36 Resiliência das Componentes Lógicas BGP (I) Mecanismos de Intervenção Operacional Equipa de resposta a incidentes Não ponderado Ponderado Capacidade de Criação de Routing Black Holes Não ponderado Ponderado 36

37 Resiliência das Componentes Lógicas BGP (II) Mecanismos de Intervenção Operacional Utilização de Sink Holes para Controlo/Monitorização de Ataques Não ponderado Ponderado 37

38 Resiliência das Componentes Lógicas BGP (III) Mecanismos de Validação na Importação/Exportação t ã de Prefixos Fortes BGP Egress Filtering Não ponderado Ponderado BGP Ingress Filtering Não ponderado Ponderado 38

39 Resiliência das Componentes Lógicas BGP (IV) Mecanismos de Validação na Importação/Exportação t ã de Prefixos Fortes Autenticação de Conteúdo das Mensagens Não ponderado Ponderado Verificação de 1ª AS em AS_Path Não ponderado Ponderado 39

40 Resiliência das Componentes Lógicas BGP (V) Mecanismos de Validação na Importação/Exportação t ã de Prefixos Fracos Utilização de Max Prefix Feature Não ponderado Ponderado Limitação do comprimento de AS_Path Não ponderado Ponderado 40

41 Resiliência das Componentes Lógicas BGP (VI) Mecanismos de Validação na Importação/Exportação t ã de Prefixos Fracos Utilização de Generalized TTL Security Hack Não ponderado Ponderado 41

42 Resiliência das Componentes Lógicas BGP (VII) Desagregação de Prefixos Realização de Anúncio de Prefixos Desagregados Não ponderado Ponderado Rejeição de Anúncios de Prefixos Desagregados Não ponderado Ponderado 42

43 Resiliência das Componentes Lógicas BGP (VIII) Mecanismos de melhoria de desempenho da operação do protocolo Utilização de No-Export Community Não ponderado Ponderado Utilização de Route Refresh Capability Não ponderado Ponderado 43

44 Resiliência das Componentes Lógicas BGP (IX) Mecanismos de melhoria de desempenho da operação do protocolo Utilização de Route Flap Damping Não ponderado Ponderado Outros Utilização de Mecanismos S-BGP, so-bgp, etc Não ponderado Ponderado 44

45 Resiliência das Componentes Lógicas BGP (II) Indicadores o Grupo I Mecanismos de Intervenção Operacional Equipas de resposta a incidentes, Routing Black Holes, Routing Sink Holes muito elevada cobertura positiva ( 90 %) o Grupo II Mecanismos de Validação na Importação/Exportação de Prefixos Fortes BGP egress filtering, BGP ingress filtering, autenticação de conteúdo das mensagens, verificação de 1ª AS em AS_Path» muito elevada cobertura positiva ( %) Menos Fortes Max prefix feature, limitação do comprimento de AS_Path, Generalized TTL Security Hack» menor cobertura positiva ( %) 45

46 Resiliência das Componentes Lógicas BGP (III) Indicadores o Grupo III Desagregação de Prefixos Realização/rejeição de anúncios desagregados representa um factor de vulnerabilidade mas pode ter utilização legítima» média cobertura positiva ( 50 %), comparável com situação internacional o Grupo IV Mecanismos de melhoria de desempenho No-Export Community, Route Refresh Capability principalmente para tornar mais eficiente a operação do protocolo» elevada cobertura positiva ( %) Route Flap Damping» presentemente desaconselhado, não utilizado ou em vias de remoção o Grupo V Mecanismos S-BGP, so-bgp, etc Em fase muito incipiente a nível internacional» sem expressão significativa 46

47 Resiliência das Componentes Lógicas Outras (I) () Rede de Gestão com Operação Fora de Banda Não ponderado Ponderado IP Ingress Filtering Não ponderado Ponderado 47

48 Resiliência das Componentes Lógicas Outras (I) () Utilização de Endereços IPv4 o Respostas não conclusivas o Alguns ISP reportam utilização de ~ 75 % do espaço de endereços atribuído 48

49 Respostas às Questões Abertas do Questionário (I) Questões Consideradas Relevantes para a Resiliência o Redundância dâ nos e dos pontos de peering público (GigaPIX); o Importância da consideração da redundância existente internamente aos Sistemas Autónomos (infraestruturas e equipamentos, procedimentos, continuidade de negócio, etc); o Controlo de políticas de troca de prefixos (BGP); o Influência de um mercado altamente competitivo na capacidade de um ISP realizar investimentos t para fins de resiliência i o Factores internos aos ISP para resiliência (redundância interna, factores operacionais) o Planeamento de capacidade, d engenharia de tráfego, disaster recovery 49

50 Respostas às Questões Abertas do Questionário (II) Temas Considerados de Interesse para Discussão o Resiliência i geográfica nacional, arquitectura t de interligação entre operadores, arquitectura actual do GigaPIX e pontos de troca de tráfego fora de Lisboa o Políticas de peering para incremento de peering público o Valorização da resiliência do serviço na formação de preços dos serviços enquadrados pelo mercado 5 o Desenvolvimentos ao nível do RIPE e IETF para securização / autorização respeitante à troca de prefixos públicos e utilização da base de dados do RIPE para a construção de políticas de BGP o Casos práticos de segurança e engenharia de tráfego, boas práticas de implementação 50

51 Conclusões (I) () Sistema de interconexões entre ISP o Estudo fornece levantamento t e obtém indicadores d macroscópicos para comparação com indicadores internacionais e identificação de elementos críticos Topologia, capacidade instalada, número de circuitos, diversidade geográfica dos pontos de interconexão Infraestruturas públicas de interconexão o Identificado um conjunto de sistemas críticos em termos do suporte de tráfego o Indicadores obtidos são comparáveis com valores internacionais e sugerem níveis de resiliência estatisticamente adequados o Geografia dos circuitos de interconexão essencial para avaliação de resiliência Infraestruturas públicas de interconexão o Estudo fornece levantamento de ISP presentes e capacidades instaladas e identifica elementos críticos 51

52 Conclusões (II) Componentes lógicas DNS e BGP o Estudo faz levantamento t da utilização de configurações DNS e BGP relevantes para resiliência o Indicadores obtidos estão em linha com valores de referência internacionais, indicando adopção marioritária dos mecanismos mais importantes Mecanismos de camada IP/plano de gestão o Estudo mostra adopção generalizada de Redes de gestão fora de banda IP Ingress Filtering o Elementos não conclusivos sobre utilização de endereços IP 52

53 Recomendações Consideração de aspectos geográficos das infraestruturas físicas (cadastro e georeferenciação) Consideração de outros elementos externos relevantes para resiliência (pressão do mercado, regulação/regulamentação, etc) Criação de infraestrutura para automatização simples de actualizações regulares (anuais/bienais) do estudo, permitindo: A quem responde, a actualização incremental da informação fornecida A quem processa, o processamento automático da informação incremental recebida Realização de exercícios referentes a cenários específicos 53

54 Outros Tópicos para Discussão Impacte para a resiliência da alteração de paradigma trazida pelos CDN/CPN A cloud e os requisitos de resiliência da infraestrutura Internet Factores técnicos vs. políticos/de gestão na construção de resiliência 54

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução A Radiomóvel considera muito importante esta iniciativa da Anacom que vem no sentido de regular esta nova faceta da prestação de serviço telefónico, fruto

Leia mais

Segurança de Redes e Serviços de Comunicações Electrónicas: As alterações na regulação

Segurança de Redes e Serviços de Comunicações Electrónicas: As alterações na regulação Segurança de Redes e Serviços de Comunicações Electrónicas: As alterações na regulação Palestras da ComSoc/POSTIT Manuel Pedrosa de Barros irecção de Segurança nas Comunicações Julho 2011 Cenário de Ameaça

Leia mais

MEMORANDO. Caracterização da Actuação no Combate ao spam. Análise das respostas ao questionário

MEMORANDO. Caracterização da Actuação no Combate ao spam. Análise das respostas ao questionário MEMORANDO Caracterização da Actuação no Combate ao spam Análise das respostas ao questionário ÍNDICE 1. Enquadramento da realização do questionário...3 2. Análise das respostas ao questionário...4 2.1

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO 4/101 ENQUADRAMENTO GERAL

SUMÁRIO EXECUTIVO 4/101 ENQUADRAMENTO GERAL I SUMÁRIO EXECUTIVO I.I ENQUADRAMENTO GERAL O ICP-Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) realizou, pela segunda vez, um estudo de aferição da qualidade, na perspectiva do utilizador, dos serviços

Leia mais

15 de Junho a 7 de Julho Lisboa MOTIVAÇÃO Conhecer a informação que utilizamos diariamente, os seus processos de gestão e procedimentos directamente com ela associados, constituem formas de melhor compreendermos

Leia mais

FCCN - Fundação para a Computação Científica Nacional fccn.pt. Nelson Ribeiro - nelson.ribeiro@fccn.pt

FCCN - Fundação para a Computação Científica Nacional fccn.pt. Nelson Ribeiro - nelson.ribeiro@fccn.pt FCCN - Fundação para a Computação Científica Nacional fccn.pt Nelson Ribeiro - nelson.ribeiro@fccn.pt Agenda FCCN RCTS serviços e projectos internacionais Projecto SIG@Fibra Network Engineer Futuro Q&A

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

Utilização da Normalização na Regulação das Comunicações Eletrónicas

Utilização da Normalização na Regulação das Comunicações Eletrónicas Utilização da Normalização na Regulação das Comunicações Eletrónicas Segurança e Integridade de Redes e Serviços Workshop ANACOM itsmf Portugal: Normalização de TI técnicas de segurança Manuel Pedrosa

Leia mais

Migrando para um AS Caso Ciblis

Migrando para um AS Caso Ciblis Migrando para um AS Caso Ciblis Fabrício Nunes Monte Fabricio.monte@comdominio.com.br Pablo F. L. Neves pablo.neves@comdominio.com.br 02/12/05 Versão 1.1 Departamento de Redes Apresentação do caso O evento

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

7.1 Modelo TCP / IP Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores

7.1 Modelo TCP / IP Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores 7.1 Modelo TCP / IP Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Historial Inicio dos anos 60 : Arpanet Motivação

Leia mais

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS, PROCEDIMENTOS DE TESTES E PARÂMETROS DE QUALIDADE 1. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1.1 As Partes observarão

Leia mais

Plano de endereçamento IPv6 da RCTS

Plano de endereçamento IPv6 da RCTS Plano de endereçamento IPv6 da RCTS Linhas Gerais de Funcionamento do LIR IPv6 PT.RCCN I. Introdução A FCCN tem mantido nos últimos anos um projecto de acompanhamento dos desenvolvimentos efectuados sobre

Leia mais

Modelo TCP / IP. História da família TCP/IP Modelo utilizado pela família TCP/IP Comparação com o modelo OSI

Modelo TCP / IP. História da família TCP/IP Modelo utilizado pela família TCP/IP Comparação com o modelo OSI Modelo TCP / IP História da família TCP/IP Modelo utilizado pela família TCP/IP Comparação com o modelo OSI Historial Inicio dos anos 60 : Arpanet Motivação : Guerra fria (sputnik) ARPA (Advanced Research

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Exmo Senhor Dr. Luís Filipe Menezes Director de Gestão e Apoio ao Conselho ICP-ANACOM Av. José Malhoa, 12 1099-017 LISBOA

Exmo Senhor Dr. Luís Filipe Menezes Director de Gestão e Apoio ao Conselho ICP-ANACOM Av. José Malhoa, 12 1099-017 LISBOA Exmo Senhor Dr. Luís Filipe Menezes Director de Gestão e Apoio ao Conselho ICP-ANACOM Av. José Malhoa, 12 1099-017 LISBOA Lisboa, 21 de Dezembro de 2005 ASSUNTO: Resposta à consulta pública sobre os serviços

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 BGP (Border Gateway Protocol) Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 12 -MOSPFDifuso Inter-Domnio (MSDP, MBGP e BGMP) p.4. Optimização na procura por difusão MOSPF

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 12 -MOSPFDifuso Inter-Domnio (MSDP, MBGP e BGMP) p.4. Optimização na procura por difusão MOSPF Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 12 - Extensões OSPF para difusão. Aplicação de difusão em grande escala. MOSPF Difusão Inter-Domínio (MSDP, MBGP e BGMP) Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL

Leia mais

KASPERSKY DDOS PROTECTION. Descubra como a Kaspersky Lab defende as empresas contra ataques DDoS

KASPERSKY DDOS PROTECTION. Descubra como a Kaspersky Lab defende as empresas contra ataques DDoS KASPERSKY DDOS PROTECTION Descubra como a Kaspersky Lab defende as empresas contra ataques DDoS OS CIBERCRIMINOSOS ESTÃO A ESCOLHER AS EMPRESAS COMO ALVO Se a sua empresa já tiver sofrido um ataque de

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO

NOTA DE ESCLARECIMENTO NOTA DE ESCLARECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE NUMERAÇÃO GEOGRÁFICA EM REDES PRIVATIVAS MULTI-SITE I ENQUADRAMENTO O ICP-ANACOM ao acompanhar a evolução tecnológica e tendo sido confrontado com um pedido

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

Redes de Comunicações Case Study - Integração de Voz, Dados, Segurança e SVA s

Redes de Comunicações Case Study - Integração de Voz, Dados, Segurança e SVA s Redes de Comunicações Case Study - Integração de Voz, Dados, Segurança e SVA s IDC Banca & Seguros Lisboa, 06.Maio.2008 Nuno Miguel Nunes nuno.nunes@oni.pt Os Desafios Pressão da concorrência cada vez

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Supervisão das Politicas de Segurança Computação em nuvem Fernando Correia Capitão-de-fragata

Leia mais

Oferta Pública de Interconexão. Classe V

Oferta Pública de Interconexão. Classe V SAMM - Sociedade de Atividades em Multimídia Ltda. Oferta Pública de Interconexão Classe V Oferta Pública de Interconexão de Redes OPI apresentada ao mercado nos termos do Regulamento Geral de Interconexão

Leia mais

FormaçãoIPv6-Maputo. Endereçamento Maputo 26 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga

FormaçãoIPv6-Maputo. Endereçamento Maputo 26 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga FormaçãoIPv6-Maputo Endereçamento Maputo 26 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga Endereçamento Agenda/Índice Estrutura do endereçamento Tipos de endereço Alocações Pedido de espaço de endereçamento

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

PTTMetro Informações e Destaques

PTTMetro Informações e Destaques PTTMetro Informações e Destaques 3 o PTT Forum 3 Dez 2009 Antonio Galvao de Rezende Filho Eduardo Ascenço Reis Milton Kaoru Kashiwakura 3o PTT Forum

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 3 de novembro de 2013 Otávio Thomas Daniel Nicolay Giovane Monari 1 O que é PPP e PPPoE? Protocolo Ponto a Ponto (PPP) e Protocolo Ponto a Ponto sobre Ethernet

Leia mais

Segurança Cibernética e Infraestruturas Críticas A atuação de reguladores na Comissão Europeia

Segurança Cibernética e Infraestruturas Críticas A atuação de reguladores na Comissão Europeia Segurança Cibernética e Infraestruturas Críticas A atuação de reguladores na Comissão Europeia Seminário Novos temas de regulação: Neutralidade de redes e Segurança cibernética Anatel ARCTEL Manuel Pedrosa

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam PROTEKTO Porque todos os segundos contam Soluções para Segurança Pública A resposta às ocorrências no âmbito da segurança pública, têm de ser imediatas, eficientes e eficazes. Cada resposta operacional,

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 06 -BGP: Introdução p.4. BGP: ilustração. BGP: Border Gateway Protocol

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 06 -BGP: Introdução p.4. BGP: ilustração. BGP: Border Gateway Protocol Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 06 - Funcionalidades fundamentais do BGP. Tipos de pacotes. Atributos principais. BGP: Introdução Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Protocolos em Redes

Leia mais

PTTMetro. 11 Jan 2010

PTTMetro. 11 Jan 2010 PTTMetro 11 Jan 2010 Antonio Galvao de Rezende Filho Eduardo Ascenço Reis Milton Kaoru Kashiwakura PTTMetro http://ptt.br/ Apresentação 1 Sobre o CGI.br

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

Balanço das Medidas do Domínio de Aperfeiçoamento das Tecnologias de Informação de Telecomuicações (ATI)

Balanço das Medidas do Domínio de Aperfeiçoamento das Tecnologias de Informação de Telecomuicações (ATI) Balanço das Medidas do Domínio de Aperfeiçoamento das Tecnologias de Informação de Telecomuicações (ATI) Engº. Evaristo Tone ENAD. 31 de Agosto de 2015 AGENDA Contributo de ATI Inovação Tecnológica Novos

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Sumário. VoIP - Vantagens e Desafios. Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos. Rui Ribeiro. sip:racr@fccn.

Sumário. VoIP - Vantagens e Desafios. Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos. Rui Ribeiro. sip:racr@fccn. VoIP - Vantagens e Desafios Rui Ribeiro sip:racr@fccn.pt 19 Janeiro 2006 1 Sumário Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos 2 VoIP Introdução ao VoIP Definição

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo O uso de perfis na empresa Os perfis são conjuntos de dados que caracterizam categorias de indivíduos destinados a serem

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Workshop Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal Inquérito Nacional 2011 Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Agenda Apresentação dos resultados do estudo de maturidade do ITSM & ITGovervance

Leia mais

Licenciatura em Informática

Licenciatura em Informática Unidade Curricular: Administração de Redes I Caracterização da unidade curricular Nome (Inglês): Responsável: Network Administration I Pedro Brandão Ano Letivo: 2015/2016 Enquadramento: Obrigatória 2º

Leia mais

RCTS Lambda. Manual de utilização

RCTS Lambda. Manual de utilização RCTS Lambda Manual de utilização Dezembro de 2009 RCTS Lambda Manual de utilização EXT/2009/Área de Redes Dezembro de 2009 ÍNDICE 1 SUMÁRIO EXECUTIVO... 1 2 INTRODUÇÃO... 2 2.1 Enquadramento... 2 2.2 Audiência...

Leia mais

Formação para Sistemas Autônomos. Boas Práticas BGP. Formação para Sistemas Autônomos

Formação para Sistemas Autônomos. Boas Práticas BGP. Formação para Sistemas Autônomos Boas Práticas BGP Licença de uso do material Esta apresentação está disponível sob a licença Creative Commons Atribuição Não a Obras Derivadas (by-nd) http://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/legalcode

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Comentários da Vodafone Portugal Comunicações Pessoais, S.A. à Consulta relativa ao Serviço ENUM

Comentários da Vodafone Portugal Comunicações Pessoais, S.A. à Consulta relativa ao Serviço ENUM Comentários da Vodafone Portugal Comunicações Pessoais, S.A. à Consulta relativa ao Serviço ENUM Índice I. Introdução...4 II. Comentários gerais...5 III. Respostas ao Questionário........6 2/17 I. Introdução

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL PÁG. 1 DE 8 PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL ITEM SUMÁRIO PÁG. 1. OBJETIVO... 2 2. CAMPO

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

NÃO É NECESSÁRIO UMA GRANDE CASA PARA TER UM GRANDE NEGÓCIO

NÃO É NECESSÁRIO UMA GRANDE CASA PARA TER UM GRANDE NEGÓCIO NÃO É NECESSÁRIO UMA GRANDE CASA PARA TER UM GRANDE NEGÓCIO Instalações deficientes, falta de segurança, equipamentos e software obsoletos são problemas com que muitas Organizações têm que se debater no

Leia mais

IPv6 em Redes Wireless IPv6@IPLeiria

IPv6 em Redes Wireless IPv6@IPLeiria Projeto Informático 2011 IPv6 em Redes Wireless IPv6@IPLeiria Bruno Silvestre, Carlos Silva Orientador : Nuno Veiga 26 de Julho 2011 Sumário Objetivos e Motivação Vantagens do IPv6 Tipos de Endereços Autenticação

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Responsabilidade de provedores na conexão à Internet. Notas para discussão. Danton Nunes, Internexo Ltda. (danton.nunes@inexo.com.

Responsabilidade de provedores na conexão à Internet. Notas para discussão. Danton Nunes, Internexo Ltda. (danton.nunes@inexo.com. Responsabilidade de provedores na conexão à Internet Notas para discussão Danton Nunes, Internexo Ltda. (danton.nunes@inexo.com.br) Responsabilidade de provedores na conexão à Internet Notas para discussão

Leia mais

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução.

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução. Sumário 6127. Redes comunicação de dados. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Permite a interação entre pessoas. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Ensino; Trabalho colaborativo; Manutenção

Leia mais

O serviço IPsec da camada 3

O serviço IPsec da camada 3 IPsec O standard IPsec é uma arquitectura de transporte de dados de uma forma segura sobre redes não seguras. A sua utilização começa a ser bastante comum para a construção de redes virtuais (VPNs) sobre

Leia mais

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO SEMINÁRIO QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas Nuno Rodrigues Observatório da Sociedade

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Directiva INSPIRE. Sessão promovida pelo Grupo Geo-Competitivo 2 da APDSI Auditório da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 27 de Maio de 2008

Directiva INSPIRE. Sessão promovida pelo Grupo Geo-Competitivo 2 da APDSI Auditório da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 27 de Maio de 2008 Directiva INSPIRE Sessão promovida pelo Grupo Geo-Competitivo 2 da APDSI Auditório da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 27 de Maio de 2008 Índice Directiva INSPIRE Fase de Transposição 2007-2009 Exigências

Leia mais

Ponto de Troca de Tráfego na Internet Projeto PTTmetro. Oripide Cilento Filho. NIC.br

Ponto de Troca de Tráfego na Internet Projeto PTTmetro. Oripide Cilento Filho. NIC.br Ponto de Troca de Tráfego na Internet Projeto PTTmetro Oripide Cilento Filho NIC.br Agenda Governança da Internet O CGI.Br e o NIC.Br Internet Arquitetura e Operação Sistemas Autônomos Princípios do protocolo

Leia mais

ANEXO C (Requisitos PCI DSS)

ANEXO C (Requisitos PCI DSS) ANEXO C (Requisitos ) O Cliente obriga-se a respeitar e a fazer respeitar as normas que lhes sejam aplicáveis, emanadas do Payment Card Industry Security Standards Council (organização fundada pelas marcas

Leia mais

Barreiras e dificuldades na implementação do IPv6

Barreiras e dificuldades na implementação do IPv6 Barreiras e dificuldades na implementação do IPv6 Instituto Politécnico de Lisboa (IPL) Pedro Ribeiro Hotel Olissippo Oriente Lisboa, 19 de Maio de 2010 1 CONTEXTO IPL Escolas e serviços dispersos por

Leia mais

INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO

INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO ÍNDICE Introdução e enquadramento...3 Participantes no processo de mobilidade... 4 Instituição de origem...5 Instituição visitada...6 Utilizador em mobilidade...7 NREN... 8 ANEXO 1 Modelo de accounting...9

Leia mais

PTTMetro. Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010. Equipe de Engenharia PTTMetro

PTTMetro. Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010. Equipe de Engenharia PTTMetro <eng@ptt.br> PTTMetro Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010 Equipe de Engenharia PTTMetro 1 Sobre o CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) Criado em maio de 1995 Pela Portaria

Leia mais

Contributo da CPEC para a Consulta pública sobre a abordagem regulatória às novas redes de acesso (NRA)

Contributo da CPEC para a Consulta pública sobre a abordagem regulatória às novas redes de acesso (NRA) Contributo da CPEC para a Consulta pública sobre a abordagem regulatória às novas redes de acesso (NRA) Questão 3: Identifica a nível das NRA algum aspecto relacionado com as questões de segurança e emergência

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP

Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP Luís Pires e Luís Rodrigues 12 de Dezembro de 2000 Agradecimento Os encaminhadores utilizados neste trabalho foram amavelmente cedidos

Leia mais

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008 Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão Maio 2008 Agenda 1. Risco Operacional a definição 2. Cálculo de capital requisitos regulamentares relação com perfil de risco utilidade

Leia mais

User ENUM versus Infrastructure ENUM

User ENUM versus Infrastructure ENUM António Amaral 28/10/2009 Este documento é propriedade intelectual da PT Inovação e fica proibida a sua utilização ou propagação sem expressa autorização escrita. Agenda Conceitos Gerais de na arquitectura

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

ACREDITAMOS QUE O FUTURO É ALGO QUE CRIAMOS E NÃO ALGO QUE NOS ACONTECE.

ACREDITAMOS QUE O FUTURO É ALGO QUE CRIAMOS E NÃO ALGO QUE NOS ACONTECE. ACREDITAMOS QUE O FUTURO É ALGO QUE CRIAMOS E NÃO ALGO QUE NOS ACONTECE. A FibNet Engenharia e Telecomunicações, S.A. - surgiu no mercado das telecomunicações em 2000 como fornecedor de soluções integradas,

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

Uma Solução para Gerenciamento de BGP em. Internet. João Ceron, Leandro Berholdo, Leonardo L. Fagundes, Lisandro Granville, Liane Tarouco

Uma Solução para Gerenciamento de BGP em. Internet. João Ceron, Leandro Berholdo, Leonardo L. Fagundes, Lisandro Granville, Liane Tarouco Uma Solução para Gerenciamento de BGP em Pontos de Troca de Tráfego da Internet João Ceron, Leandro Berholdo, Leonardo L. Fagundes, Lisandro Granville, Liane Tarouco Sumário Introdução Pontos de Troca

Leia mais

Claranet Service Description. Dedicated Hosting Linux

Claranet Service Description. Dedicated Hosting Linux Claranet Service Description Dedicated Hosting Linux Claranet Service Description - Dedicated Hosting Linux - 20100801.doc Página 2 de 8 Clara Dedicated Hosting Linux Pode escolher uma solução pré-definida

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Cloud Computing é a denominação adotada para a mais recente arquitetura de sistemas informáticos. Cada vez mais empresas

Leia mais

POLÍTICAS DE ATRIBUIÇÃO DE BLOCOS DE ENDEREÇAMENTO IPv4.

POLÍTICAS DE ATRIBUIÇÃO DE BLOCOS DE ENDEREÇAMENTO IPv4. POLÍTICAS DE ATRIBUIÇÃO DE BLOCOS DE ENDEREÇAMENTO IPv4. 3.1. Introdução Neste capítulo se descreverá como um Registro Internet (para futuras referências esse conceito envolve LIRs e NIRs) pode obter uma

Leia mais

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Esta nota de aplicação explica como implementar o Cisco UC 320W num ambiente do Windows Small Business Server. Índice Este documento inclui

Leia mais

FormaçãoIPv6-RCTS. Componente Prática Parte I

FormaçãoIPv6-RCTS. Componente Prática Parte I FormaçãoIPv6-RCTS Componente Prática Parte I Parte I Introdução, Endereçamento, Autoconfiguração e DNS Prática #1 Visitar o site: http://ipv6-tracker.fccn.pt Verificar instituições com dados inseridos

Leia mais

A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013. Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM

A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013. Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013 Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM índice 1. Os novos desafios da competitividade e a utilização das

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página 2002-02-27 Imediata AT CEGER/FCCN GA 2 1 de 11 Tipo: NORMA Revoga: Versão 1 Distribuição: Sítio do CEGER na Internet. Entidades referidas em IV. Palavras-chave: gov.pt. Registo de sub-domínios de gov.pt.

Leia mais

PTTMetro/PTT.br. Evolução, Atualizações e Planejamento http://ptt.br/ Encontro PTT-BA. 25 Setembro 2013

PTTMetro/PTT.br. Evolução, Atualizações e Planejamento http://ptt.br/ Encontro PTT-BA. 25 Setembro 2013 PTTMetro/PTT.br Evolução, Atualizações e Planejamento http://ptt.br/ Encontro PTT-BA 25 Setembro 2013 Julimar Lunguinho Mendes Equipe PTT.br 1 CGI.br NIC.br - PTT.br CGI.br

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Locais Virtuais - VLANs Paulo Coelho 005 Versão 1.0 1 Segmentação de LANs As redes são normalmente segmentadas de modo a reflectir a estrutura administrativa da empresa aumentar

Leia mais