Parte 3 : Gravação de CDs

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parte 3 : Gravação de CDs"

Transcrição

1 Parte 3 : Gravação de CDs Durante vários anos, os CDs foram m ídias som ente para leitura. Você podia com prar um program a em CD, m as se por algum m otivo precisasse copiá-lo teria que usar disquetes, Zip-drives ou algum outro dispositivo. Atualm ente porém, vem os um a grande popularização dos gravadores de CD-ROM, que em um futuro próxim o provavelm ente se tornarão tão populares quanto as unidades de disquete. Qualquer usuário com 300 ou 400 dólares, ou bem m enos que isso, caso opte por um gravador usado, pode com prar um gravador e sair gravando CDs com dados ou m esm o CDs de m úsica, sem m uita dificuldade. Com o quase todo m undo hoj e em dia possui um drive de CD-ROM, a possibilidade de gravar CDs é útil tam bém para o transporte de dados. Neste ram o, o CD revela-se um a opção bem interessante em term os de custo-beneficio, já que possui um a capacidade equivalente à de 6.5 discos Zip de 100 MB, ou m ais de 400 disquetes, sendo que um a boa m ídia gravável não custa m ais do que 2.5 ou 3 dólares (m enos que um a caixa de disquetes) e m ídias de qualidade inferior chegam a ser vendidas por m enos de 1 dólar. Outro recurso interessante é o recurso de m ultiseção, que perm ite deixar um CD gravado "aberto". Através deste recurso suportado por qualquer gravador e program as de gravação atuais, é possível gravar um a quantidade pequena de dados, 100 MB por exem plo, e depois ir gravando m ais dados até que a capacidade total do CD seja preenchida, dim inuindo bastante o núm ero de m ídias necessárias para fazer backups diários ou m esm o para transportar pequenas quantidades de dados. Assim com o nos drives de CD-ROM, a velocidade de gravação tam bém é m ostrada em m últiplos de 150 KB/ s. Um gravador 1x será capaz de gravar CDs a um a velocidade de 150 KB/ s, um CD 2x a 300 KB/ s, um de 4x a 600 KB/ s e assim por diante. Gravando a 1x, um CD cheio dem ora cerca de um a hora para ser gravado, dem orando apenas m eia hora a 2x ou cerca de 15 m im a 4x. Mesm o gravadores m ais rápidos podem ser configurados para gravar CDs a 2x ou m esm o 1x caso seja necessário. Geralm ente os gravadores são capazes de ler CDs a um a velocidade m aior do que são capazes de gravar: um drive 8x4, por exem plo, é capaz de ler a 8x e gravar a 4x. Mídias Um CD prensado com um é com posto de três cam adas: um a cam ada de plástico de cerca de 1,2 m m de espessura, um a cam ada de alumínio, ouro ou platina onde são gravados os dados, e sobre ela um a cam ada protetora de verniz. Em um CD-R, tam bém tem os estas três cam adas, a diferença é que tem os um a quarta cam ada, entre o plástico e a cam ada reflexiva, justam ente a cam ada onde são gravados os dados. Esta fina cam ada é com posta de produtos sensíveis ao calor, que tem sua com posição quím ica alterada devido ao calor gerado pelo feixe laser do gravador, m uito m ais potente que o usado na leitura do CD. As partes da superfície queim adas

2 pelo laser ficam opacas e criam pequenas bolhas, deixando de refletir a luz do leitor, substituindo sulcos dos CDs prensados. Por isso é que na gíria dos m icreiros é usada a expressão "queim ar CDs" para se referir ao processo de gravação. Cam ada de policarboneto Vim os que nos CDs prensados a cam ada de policarboneto é prensada conta um m olde, sendo gravados neste processo os sulcos que arm azenam os dados. Num CD gravável, a cam ada de policarboneto tam bém é prensada, porém, ao invés de serem gravados os sulcos, é gravada a espiral de gravação. Todo o CD virgem já vem com esta espiral pré gravada, onde serão gravados os dados. O gravador não é capaz de gravar dados fora da espiral. Cam ada reflexiva Nos CDs prensados, a cam ada reflexiva é sem pre feita de ligas de alumínio, prata ou platina. Com o a cam ada reflexiva é sem pre prateada, e a cam ada de policarboneto é transparente, os CDs prensados são sem pre prateados. Já nos CDs graváveis, a cam ada reflexiva pode ser tanto feita de outro 24 quilates quanto de ligas de prata ou m esm o alum ínio. A cam ada de gravação por sua vez, pode ser transparente, azul ou verde, dependendo do m aterial usado. De acordo com a com binação de cor da cam a reflexiva e da cam ada de gravação, podem os ter CDs graváveis de várias cores diferentes. Cores Atualm ente existem 5 substâncias diferentes que podem ser usadas para form ar a cam ada de gravação dos CDRs. Todas estas substâncias são orgânicas, um tipo de plástico ou com bustível, e justam ente por isso podem ser queim adas pelo laser do gravador. Cada um a estas substâncias foi desenvolvida por um a com panhia diferente, que detêm sua patente. Por serem diferentes, cada substância tem um a cor predom inante: Substância Desenvolvido por: Cor Predominante

3 Cyanine Taiyo Yudem Azul Phthalocyanine Mitsui Chemicals Transparente Metallized Azo Verbatim/Mitsubishi Azul Advanced Phthalocyanine (tipo 5) Mitsui Chemicals Verde claro Formazan Kodak Verde claro Com o a cam ada de gravação é sem i-transparente, a cor do CD gravável é form ada por um a com binação da cor da cam ada reflexiva (que pode ser dourada ou prateada) com a cor da cam ada de gravação (azul, verde ou transparente): Cor da mídia camada de gravação camada reflexiva Dourado Phthalocyanine dourada (ouro) Verde Claro (fabricadas pela Mitsui) Advanced phthalocyanine prateada Verde Cyanine dourada (ouro) Azul Cyanine prateada Azul escuro Metallized Azo prateada Verde claro (de outros fabricantes) Formazan prateada Dourado esverdeado Formazan dourada (ouro) * Durante um certo tem po foram produzidas algum as m ídias alaranjadas, estas m ídias usavam cyanine m isturado com um tipo de corante e cam ada reflexiva prateada. Além da cor, as substâncias diferem nos quesitos durabilidade e refração da luz. A Phthalocyanine é dentre todas considerada a de m elhor qualidade. Com o ela é quase transparente, os CDRs feitos com ela possuem um a refração de luz quase equivalente à dos CDs prensados, sendo com patíveis com todos os leitores de CD- ROM. A Phthalocyanine tam bém tem um a durabilidade m aior, cerca de 100 anos segundo o fabricante. I sto claro, não significa que os CDs feitos com ela durarão todos este tem po, pois tem os tam bém a durabilidade da cam ada reflexiva e condições de arm azenagem e conservação. Apenas os CDs dourados usam Phthalocyanine. Recentem ente a Mitsui criou um tipo m ais sofisticado de Phthalocyanine cham ado de Advanced Phthalocyanine ou de Phthalocyanine tipo 5. Esta nova substância possui um a refração de luz sem elhante à da phthalocyanine com um, m as é bem m ais durável, chegando perto dos 200 anos. Sua cor tam bém é um pouco diferente, ao invés de transparente ela é verde claro. Esta substância é atualm ente usada apenas em m ídias verde claro.

4 A Cyanine foi a prim eira substância usada em CDRs, m as possui algumas desvantagens em com paração à phthalocyanine. Sua durabilidade é estim ada em 50 anos, e sua cor azulada causa um a dim inuição na refração de luz, tornando as m ídias incom patíveis com alguns leitores m ais antigos e aum entando o núm ero de erros de leitura em outros. Enquanto as m ídias douradas feitas de phthalocyanine possuem cerca de 85% da refração de luz dos CDs prensados, as m ídias verdes e azuis feitas de cyanine refletem apenas 70% da luz. Existem dois tipos de cyanine: o que descrevi acim a é a form ula m ais nova, usada atualm ente. A cyanine usada até cerca de 2 anos atrás possuía um a fórm ula ligeiram ente diferente, o que a tornava m enos durável. Enquanto a cyanine atual chega a durar m ais de 50 anos, a fórm ula antiga tinha um a durabilidade estim ada em apenas 10 anos. A Metallized Azo por sua vez é um a substância desenvolvida recentem ente. Sua refração de luz é sem elhante à da cyanine (apesar de sua coloração ser m ais escura), m as sua durabilidade é m aior, sendo estim ada em 90 anos segundo os fabricantes. Esta substância é usada apenas em m ídias de coloração azul, que podem ser distinguidas das azuis feitas de cyanine pela tonalidade m ais escura. Finalm ente tem os o Form azan, tam bém desenvolvido recentem ente. O Form azan com bina algum as das características da cyanine e phthalocyanine, possuindo um a durabilidade estim ada em cerca de 50 anos e um a refração de luz pouco inferior à da phthalocyanine. Audio x Dados Usando um gravador de CD, você pode tanto gravar CDs de dados, quanto CDs de áudio, que poderá tocar em qualquer CD Player. Existem porém algum as diferenças na leitura de um CD de m úsica quando por um CD-Player ou Diskm an. A velocidade padrão de leitura de um CD de m úsica é apenas 1x, um CD-Player lê os CDs a esta m esm a velocidade, e vai tocando a m úsica conform e a lê no CD. Se houver um erro na leitura de algum setor do CD, ele não tentará um a segunda leitura (ate por que não haveria tem po para isso) ele sim plesm ente ignorará o dado que não pôde ser lido e usará interpolação para encobrir o "buraco". Muitas vezes o rem endo feito usando interpolação não é nem percebido, m as outras aparece na form a de um estalo, ruído, distorção no som ou algo parecido. Quanto m ais erros de leitura, pior será a qualidade do som. Para gravar CDs de m úsica as m ídias douradas (de phthalocyanine) e verde-claro (de advanced phthalocyanine) são m elhores, pois elas apresentam um a refração de luz m aior do que as verdes e azuis. Com um a refração de luz m aior, fica m ais "fácil" para o leitor distinguir entre os 1s e 0s gravados, pois o sinal é m ais forte, e consequentem ente tem os m enos erros de leitura. As m ídias douradas e verde claro tam bém apresentam incom patibilidade com um núm ero bem m enor de leitores, justam ente por causa da m aior refração de luz.

5 Durabilidade Um ponto positivo é a m aior vida útil das m ídias de phthalocyanine, que com conservação adequada é estim ada chega a ser de 200 anos, contra apenas 50 das m ídias verdes e azuis. Claro que isso depende tam bém da qualidade da m ídia: apenas as de ótim a qualidade atingem estas m arcas, m ídias m ais baratas chegam ao cúm ulo de não durarem m ais que dois ou três m eses depois de gravadas, com eçando a apresentar bolhas na cam ada superior ou outros problem as que inutilizam o CD gravado. Existem m ídias à venda por preços realm ente tentadores, já ví algum as m arcas à venda por até 60 centavos de dólar, m enos de um terço do preço de um a m ídia de boa qualidade. Mas, não adianta com prar este tipo de m ídia, pois além de perder m uitos CDs você enfrentará problem as de com patibilidade, corrupção de dados e durabilidade, ou seja, só terá dor de cabeça. Se você ainda acha que todos os CDs duram "por toda a vida" veja a ilustração ao lado. A cam ada reflexiva deste CD oxidou quase que com pletam ente, tornando o CD quase transparente. A própria cam ada de gravação de deteriorou, form ando várias bolhas, que acabaram virando buracos. Este tipo de deterioração pode acontecer tanto com CDs de qualidade m uito baixa quanto com CDs de boa qualidade, porém conservados inadequadam ente. Com o disse, boas m ídias conservadas adequadam ente em lugares com tem peraturas m édias, sem m uita um idade e principalm ente sem serem expostas diretam ente à luz solar podem durar até 200 anos, m as, se você usar m ídias de 1 real ou não tom ar cuidado com seus CDs, eles podem te deixar na m ão depois de pouco tem po. Um dos principais determ inantes da durabilidade do CD é justam ente a cam ada protetora sobre a cam ada reflexiva. Alguns fabricantes aplicam apenas um a fina cam ada de verniz sobre ela, estes CDs apresentam um a face superior m ais brilhante e um aspecto frágil. Este tipo de CD é o m ais sensível, tanto a arranhões, quanto a luz solar. Outros CDs, geralm ente os de boas m arcas possuem sobre esta cam ada de verniz, um a nova cam ada protetora, destinada a protege-la e facilitar a im pressão do CD. Em alguns casos, com o nos CDs com tecnologia "Infoguard", são usadas várias cam adas protetoras. Quanto m aior for a proteção sobre a cam ada reflexiva, m ais resistente será o CD. A m inha experiência prática com gravação de CDs é que independentem ente da cor, m ídias de boas m arcas (veja a seguir), dificilmente apresentam qualquer problem a, enquanto m ídias sem m arca, m ais baratas, costum am dar dor de cabeça tam bém

6 independentem ente da cor. Em se tratando de m ídias graváveis, infelizm ente quase sem pre a m ais cara é m elhor. Reconhecendo m ídias Num CD gravável tem os um a pequena área pré-gravada cham ada ATIP que arm azena várias inform ações sobre a m ídia e sobre o fabricante. Através destes dados é possível descobrir a m arca do CD com praticam ente nenhum a m argem de erro. Existem alguns program as especializados nesta tarefa. Na m inha opinião, o m elhor atualm ente é o CDR-Identifier, um program a freeware. Clique aqui para baixa-lo (100 KB) Claro que o program a não é perfeito, é incom patível com alguns m odelos de gravadores e não é capaz de reconhecer alguns poucos m odelos de m ídias, porém na grande m aioria dos casos ele faz um ótim o trabalho. Com ele é possível descobrir as m arcas tanto de m ídias virgens com o de CDRs já gravados. Ao baixar ao program a não deixe de dar um a olhada no Read-m e para checar quais são os gravadores incom patíveis.

Gravação de CDs. Parte 1: Introdução

Gravação de CDs. Parte 1: Introdução Gravação de CDs Parte 1: Introdução Originalmente, o Compact Disk, ou simplesmente CD, foi desenvolvido para armazenar música, e substituir os antiquados discos de vinil com vantagens. Como num CD o som

Leia mais

Hardware Básico. Outros Dispositivos de Armazenamento. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. Outros Dispositivos de Armazenamento. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico Outros Dispositivos de Armazenamento Professor: Wanderson Dantas Unidades Ópticas Unidades ópticas usam um feixe de laser para ler e gravar (no caso das unidades e mídias que permitem

Leia mais

O processo de criação

O processo de criação O processo de criação 1 Mônica Leoni Esta exposição não tem a pretensão de ser a conclusão de algo, m as sim a de explorar um tem a. O tem a a ser explorado é o processo criativo, em dois m om entos diferentes,

Leia mais

Armazenamento da informação posto em prova papel X cd

Armazenamento da informação posto em prova papel X cd Armazenamento da informação posto em prova papel X cd Antônio Carlos Monte (UFSM) ac.monte@terra.com.br Sônia Elisabete Constante (UFSM) soniaec@fatec.ufsm.br Luis Felipe Dias Lopes, UFSM, lflopes@smail.ufsm.br

Leia mais

Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina Operação de Sistemas Aplicativos I

Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina Operação de Sistemas Aplicativos I CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA Escola Técnica Estadual de Avaré ETE-AVARÉ CURSO DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA NÚCLEO DE APOIO Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina

Leia mais

Cristiano Sebolão Nº 26748. Pedro Arcão Nº 22408. João Marques Nº 27228

Cristiano Sebolão Nº 26748. Pedro Arcão Nº 22408. João Marques Nº 27228 Cristiano Sebolão Nº 26748 Pedro Arcão Nº 22408 João Marques Nº 27228 Para que os dados não se percam, precisam de ser gravados num dispositivo de armazenamento como disquetes, disco rígidos, discos ópticos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-Rom Até pouco tempo atrás, as opções mais viáveis para escutar música eram os discos de vinil e as fitas cassete. Porém, a Philips, em associação com outras empresas, desenvolveu

Leia mais

APOSTILA EXCEL AIM - 2010. Prof. Helio Canavesi Filho

APOSTILA EXCEL AIM - 2010. Prof. Helio Canavesi Filho APOSTILA EXCEL AIM - 2010 Prof. Helio Canavesi Filho &DStWXOR$SUHVHQWDomRGR([FHO 6XPiULR &DStWXOR,QLFLDQGRR0LFURVRIW([FHO &DStWXOR/LQKDV&ROXQDVH&pOXODV &DStWXOR3DVWDGHWUDEDOKRH3ODQLOKDV &DStWXOR&RPRFULDULQVHULUH[FOXLUHPRYHUSODQLOKDV

Leia mais

As Fo r ça s Ar m ad as n a se g u r a n ça in t er n a. O ca so esp e cíf ico d o d o m ín io m ar ít im o 1

As Fo r ça s Ar m ad as n a se g u r a n ça in t er n a. O ca so esp e cíf ico d o d o m ín io m ar ít im o 1 2015/ 10/ 28 As Fo r ça s Ar m ad as n a se g u r a n ça in t er n a. O ca so esp e cíf ico d o d o m ín io m ar ít im o 1 Alexandre Reis Rodrigues I n t r o d u ção O envolvim ento das Forças Arm adas

Leia mais

MDS Versão 2.2 - Outubro/2006

MDS Versão 2.2 - Outubro/2006 MDS - Outubro/2006 Manual elaborado com base na versão 3.14. ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 5 2 INSTALANDO O SISTEMA... 6 3 ATUALIZANDO O SISTEMA...10 4 IDENTIFICAÇÃO NO SISTEMA / MANUTENÇÃO...12 4.1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

DISPOSITIVOS DE BLOCO. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

DISPOSITIVOS DE BLOCO. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves DISPOSITIVOS DE BLOCO Professor: João Paulo de Brito Gonçalves INTRODUÇÃO Periférico Dispositivo conectado a um computador de forma a possibilitar sua interação com o mundo externo. Conectados ao computador

Leia mais

HD, SSD ou disco híbrido, qual o melhor para sua empresa?

HD, SSD ou disco híbrido, qual o melhor para sua empresa? HD, SSD ou disco híbrido, qual o melhor para sua empresa? No passado, escolher a melhor opção em armazenamento para o seu PC era tão simples quanto encontrar o maior HD que coubesse em seu orçamento. Infelizmente

Leia mais

Aula 06. Discos e Drives

Aula 06. Discos e Drives Aula 06 Discos e Drives Disquetes São discos magnéticos usados para armazenar dados dos computadores. Podem armazenar textos, imagens, programas, etc. São vendidos normalmente em caixas com 10 unidades.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR DISCO MAGNÉTICO O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou de plástico,

Leia mais

Capítulo 37. Gravadores de CDs

Capítulo 37. Gravadores de CDs Capítulo 37 Gravadores de CDs Estudaremos neste capítulo os drives e mídias CD-R (CD Recordable) e CD- RW (CD Rewriteable). Os discos são similares aos CD-ROMs, podendo ser lidos em qualquer drive de CD-ROM

Leia mais

Arquitectura dos processadores

Arquitectura dos processadores Arquitectura dos processadores Outra arquitectura foi desenvolvida pela Motorola para os Apple Macintosh.(incompativel com o PC - IBM). Passaram a existir duas arquitecturas de processadores: CISC (Complex

Leia mais

RAID RAID RAID. Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum

RAID RAID RAID. Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum RAID O DESEMPENHO DA CPU TEM DUPLICADO A CADA 18 MESES. NA DÉCADA DE 1970, O TEMPO DE SEEK VARIAVA DE 50 A 100 ms, NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ESSE TEMPO ATINGE UM POUCO MENOS DE 10 ms => A DIFERENÇA

Leia mais

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado Memória Armazenamento Sistema de Arquivos 1 Hierarquia de Memórias 2 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache

Leia mais

19/09/2009 TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO. ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral ARMAZENAMENTO MAGNÉTICO

19/09/2009 TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO. ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral ARMAZENAMENTO MAGNÉTICO TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO Duas tecnologias principais: Armazenamento magnético Disquetes Discos Rígidos Fitas Magnéticas ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral Armazenamento óptico

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05 Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 Armazenamento Secundário BENEFÍCIOS

Leia mais

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS 2 Dispositivos de Armazenamento HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS Armazenam dados quando o computador está desligado Dois processos Escrita de dados Leitura de dados Introdução à Microinformática Prof.

Leia mais

CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory.

CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory. CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory. O CD-ROM é um pequeno disco plástico (policarbonato) com 1,2 mm de espessura, semelhantes aos CD s de música, e da mesma forma que estes, pode armazenar vastas quantidades

Leia mais

PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14

PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14 PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14 ASSUNTO: GPC Participações S.A. Recurso adm inistrativo Processo CVM RJ-2014-4201 Senhor Gerente, I. Síntese 1. Trata-se de recurso

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Unidade 8 - Periféricos de armazenamento Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO... 3 DISCO RÍGIDO (HD)... 3 TECNOLOGIAS DE TRANSFERÊNCIA... 3 IDE/ATA/PATA...

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2/8/201 e-mec - Funcionário MEC Informações gerais da avaliação: Protocolo: 20120377 Código MEC: 83997 Código da Avaliação: 1080 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso EAD Categoria Módulo: Curso Status:

Leia mais

Seu Recibo do Bilhete Eletronico 1 message

Seu Recibo do Bilhete Eletronico 1 message Leonardo Menezes Vaz Seu Recibo do Bilhete Eletronico 1 message nao responda@tam.com.br Reply To: NAO RESPONDA@tam.com.br To: LEONARDO.VAZ@gmail.com Sat,

Leia mais

1/48. Curso GNU/Linux. Aula 3. Dino Raffael Cristofoleti Magri

1/48. Curso GNU/Linux. Aula 3. Dino Raffael Cristofoleti Magri 1/48 Curso GNU/Linux Aula 3 Dino Raffael Cristofoleti Magri Julho/2008 2/48 Veja uma cópia dessa licença em http://creativecommons.org/licenses/by nc sa/2.5/br/ 3/48 Sumário 1 CONFIGURAR TECLADO...6 1.1

Leia mais

n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo

n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo Capítulo IV - Genéricos no Brasil Capítulo V - Bioequivalência e Equivalência

Leia mais

$FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV

$FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV Page 1 of 5 %RDFRPXQLFDomRLQWHUQDpYDQWDJHPFRPSHWLWLYD $FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV 1DUD'DPDQWH Do presidente para

Leia mais

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA Núcleo de Educação a Distância UniEvangélica 2 ÍNDICE 1 Introdução à Informática... 3 1. O Computador... 3 Teclado... 3 Mouse... 5 Monitor...

Leia mais

Processo CVM nº RJ2013/11017

Processo CVM nº RJ2013/11017 Processo CVM nº RJ2013/11017 Interessados: Assunto: Diretora Relatora: Citibank DTVM S.A. Pedidos de dispensa de requisitos da Instrução CVM nº 356, de 2001, com alterações introduzidas pela Instrução

Leia mais

Memória ROM. Organização Funcional de um. Computador. ROM (Read-Only Memory) Memória Somente Leitura.

Memória ROM. Organização Funcional de um. Computador. ROM (Read-Only Memory) Memória Somente Leitura. Prof. Luiz Antonio do Nascimento Faculdade Nossa Cidade Organização Funcional de um Computador Unidade que realiza as operações lógicas e aritméticas Comanda as outras operações Sistema Central CPU ULA

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento Magnéticos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Dispositivos de Armazenamento Magnéticos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Dispositivos de Armazenamento Magnéticos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Dispositivos de Armazenamento Magnéticos Dispositivo magnético ou na situação a ser estudada, dispositivo de armazenamento magnético,

Leia mais

Apêndice do Professor Participante: Transportando Arquivos Apêndice E F

Apêndice do Professor Participante: Transportando Arquivos Apêndice E F Apêndice do Professor Participante: Transportando Arquivos Apêndice E F Transportando Arquivos Apêndice E F Apêndice do Professor Participante: Transportando Arquivos Transportando Arquivos Apêndice do

Leia mais

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Informática Básica Conceitos Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Conceitos INFOR MÁTICA Informática INFOR MAÇÃO AUTO MÁTICA Processo de tratamento da informação

Leia mais

Arquitetura de computadores

Arquitetura de computadores computadores Aceitam uma densidade de gravação muito superior que aquela dos meios magnéticos. Os discos ópticos são gravados por feixes laser. Exemplo: Para um disco óptico com capacidade para uma hora

Leia mais

Para a Avaliação da Pós-Graduação em Ciências Sociais *

Para a Avaliação da Pós-Graduação em Ciências Sociais * Para a Avaliação da Pós-Graduação em Ciências Sociais * Fábio Wanderley Reis E ste texto não pretende ser nem um relato factual n em um depoim ento pessoal a respeito da pós-graduação. Além disso, não

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

Prof. Mat eus Andrade

Prof. Mat eus Andrade A Term oquím ic a t em c om o objet ivo o est udo das variaç ões de energia que ac om panham as reaç ões quím ic as. Não há reaç ão quím ic a que oc orra sem variaç ão de energia! A energia é c onservat

Leia mais

Conteúdo. 1 Introdução 5. 2 Pré-configuração 6. 3 Configurar a Interface do Usuário 7. 4 Configurar as opções internas 9

Conteúdo. 1 Introdução 5. 2 Pré-configuração 6. 3 Configurar a Interface do Usuário 7. 4 Configurar as opções internas 9 Esta documentação foi convertida a partir da página do K3b da Base de Usuários do KDE em 20/01/2011. Atualizada para a versão 2.0 pela equipe de documentação do KDE Tradução: Marcus Gama Tradução: André

Leia mais

Câmara Municipal de Porto Alegre

Câmara Municipal de Porto Alegre Câmara Municipal de Porto Alegre ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO - para Registro de Preço EDITAL: 09/2014-SRP PROCESSO: 2615/13 Em, às 10:01 horas, na CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - CMPA, sito à

Leia mais

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014 Assunto: Processo CVM Nº RJ 2014/6202. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da Instrução

Leia mais

Anatomia de uma Placa Mãe

Anatomia de uma Placa Mãe Anatomia de uma Placa Mãe Autor: Rafael Afonso de Souza Anatomia de uma placa-mãe - Parte 1 É muito importante que saibamos identificar os componentes de uma placa-mãe. Na figura abaixo vamos destacar

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin Discos magnéticos: Flexíveis (em desuso) e Rígidos Discos óticos: CD (Compact Disk): CD ROM; CD -/+ R; CD -/+ RW DVD(Digital Versatile Disk): DVD ROM; DVD -/+ R; DVD -/+ RW Discos

Leia mais

Como fazer Backup. Previna-se contra acidentes no disco rígido

Como fazer Backup. Previna-se contra acidentes no disco rígido Como fazer Backup Previna-se contra acidentes no disco rígido Vocês já imaginaram se, de uma hora para outra, todo o conteúdo do disco rígido desaparecer? Parece pesadelo? Pois isso não é uma coisa tão

Leia mais

Estrutura e funcionamento de um sistema informático

Estrutura e funcionamento de um sistema informático Estrutura e funcionamento de um sistema informático 2006/2007 Sumário de trabalho. Memórias principais e memórias secundárias. Ficha 2 Revisão da aula anterior 3 Memórias informáticas Memórias principais,

Leia mais

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO Benefícios do Armazenamento Secundário: Espaço: grande quantidade de espaço disponível; Confiabilidade: altamente confiável; Conveniência: usuários autorizados

Leia mais

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)?

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)? Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Aplicadas e Educação Departamento de Ciências Exatas Motivação ACII: Armazenamento Secundário Prof. Rafael Marrocos Magalhães professor@rafaelmm.com.br

Leia mais

PERGUNTAS QUE VOCÊ DEVERIA FAZER A SI MESMO MAIS IMPORTANTES. Planeta

PERGUNTAS QUE VOCÊ DEVERIA FAZER A SI MESMO MAIS IMPORTANTES. Planeta AS 1000 PERGUNTAS MAIS IMPORTANTES QUE VOCÊ DEVERIA FAZER A SI MESMO * Planeta E ste livro vai ajudá-lo a ajudar a si mesmo. Você entenderá alguns sentimentos - como autossabotagem, estresse, ansiedade,

Leia mais

Pregão Eletrônico Nº 00068/2013(SRP) RESULTADO POR FORNECEDOR. Quantidade Valor Global Fornecimento

Pregão Eletrônico Nº 00068/2013(SRP) RESULTADO POR FORNECEDOR. Quantidade Valor Global Fornecimento 7/2/2014 ComprasNet PREGÃO ELETRÔNICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SEC RETARIA EXEC UTIVA SUBSEC RETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇ AMENTO Instituto Federal de Educação, C iencia e Tecnologia Baiano Pregão Eletrônico

Leia mais

APOSTILA DE INFORMÁTICA - INTRODUÇÃO

APOSTILA DE INFORMÁTICA - INTRODUÇÃO APOSTILA DE INFORMÁTICA - INTRODUÇÃO Profa Responsável Fabiana P. Masson Caravieri SUMÁRIO 1. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA... 3 2. PRINCIPAIS COMPONENTES FÍSICOS DO COMPUTADOR... 3 2.1 PERIFÉRICOS...

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

Instituto Politécnico do Porto. Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Informática. Tecnologia Informática. Capítulo 6.

Instituto Politécnico do Porto. Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Informática. Tecnologia Informática. Capítulo 6. Instituto Politécnico do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Informática Tecnologia Informática Capítulo 6.5 Unidades de armazenamento amovíveis 6.5.1 Disquete 3

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. pronamp

PROGRAMA NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. pronamp PROGRAMA NACIONAL pronamp PROGRAMA NACIONAL A modernização e o fortalecimento do Ministério Público é ação necessária ao progresso da segurança jurídica e da igualdade de todos os cidadãos (Documentos

Leia mais

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR 19 Aula 4 Flip-Flop Flip-flops são circuitos que possuem a característica de manter os bits de saída independente de energia, podem ser considerados os princípios das memórias. Um dos circuitos sequenciais

Leia mais

Centro de Treinamento Tecnológico Maxwell - CRIMPANDO CABOS UTP. Crimpando cabos UTP

Centro de Treinamento Tecnológico Maxwell - CRIMPANDO CABOS UTP. Crimpando cabos UTP 1 Crimpando cabos UTP A ferramenta básica para crimpar os cabos é o alicate de crimpagem. Ele "esmaga" os contatos do conector, fazendo com que as facas-contato perfurem a cobertura plástica e façam contato

Leia mais

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV 1ª Edição (v1.4) 1 Um projeto de segurança bem feito Até pouco tempo atrás o mercado de CFTV era dividido entre fabricantes de alto custo

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED CURSO DE INTRODUÇÃO A EDUCAÇÃO DIGITAL

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED CURSO DE INTRODUÇÃO A EDUCAÇÃO DIGITAL SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED CURSO DE INTRODUÇÃO A EDUCAÇÃO DIGITAL Professora-tutora/Assessor da CRTE: Denise Juci Fontana da Silva Nome do Cursista:

Leia mais

Tutorial ConvertXtoDVD 3

Tutorial ConvertXtoDVD 3 Tutorial ConvertXtoDVD 3 Índice: Adicionando seus arquivos de vídeo Adicionando um ou mais vídeos Página 2 Qualidade da conversão Página 3 Personalizando o menu Página 4 Escolhendo um template para o menu

Leia mais

Windows XP. Backup Formatação Instalação Configuração. ronynfo.wordpress.com

Windows XP. Backup Formatação Instalação Configuração. ronynfo.wordpress.com Windows XP Backup Formatação Instalação Configuração ronynfo.wordpress.com Índice 1.1 Fazendo o Backup 1.2 Fazendo com que seja dado o Boot à partir do CD 2.1 Configurando as Partições e instalando o Windows

Leia mais

Prof. Jener Toscano Lins e Silva

Prof. Jener Toscano Lins e Silva Prof. Jener Toscano Lins e Silva *O resistor é um componente que tem a função de exercer uma determinada resistência à passagem da corrente elétrica, oferecendo uma maior ou menor dificuldade à corrente

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

INFORmação. O que é um Computador?

INFORmação. O que é um Computador? Professor: M. Sc. Luiz Alberto Filho Conceitos básicos Evolução histórica Hardware Sistemas de numeração Periféricos Software Unidades Básicas de Medidas 2 Facilidade de armazenamento e recuperação da

Leia mais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais Guia técnico Métodos de marcação direta de peças Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais A prática da Marcação Direta de Peças (DPM) é utilizada em muitas indústrias

Leia mais

Introdução a Organização de Computadores Aula 4

Introdução a Organização de Computadores Aula 4 1 Subsistemas de Memória 4.1 Introdução A memória é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar as informações que são (ou serão) manipuladas por esse sistema, para que as informações

Leia mais

,&(7±,QVWLWXWRGH&LrQFLDH7HFQRORJLD

,&(7±,QVWLWXWRGH&LrQFLDH7HFQRORJLD 3ULPHLUD$XOD :. Apresentação :. Frase :. Avisos :. Sistem a de Avaliação :. Bibliografias (Básica e Com plem entar) :. Em enta :. Objetivos Gerais :. Objetivos Específicos :. Conteúdo Program ático $SUHVHQWDomR

Leia mais

Tudo o que você precisa saber sobre cartões de memória

Tudo o que você precisa saber sobre cartões de memória Tudo o que você precisa saber sobre cartões de memória Conheça os diferentes tipos de cartões de memória existentes e saiba o que levar em consideração antes de adquirir um modelo. SD, minisd, microsd,

Leia mais

LASERTECK SOFTECK FC MANUAL DO USUÁRIO

LASERTECK SOFTECK FC MANUAL DO USUÁRIO LASERTECK SOFTECK FC MANUAL DO USUÁRIO 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3 INSTALAÇÃO... 3 4 O QUE MUDOU... 3 5 COMO COMEÇAR... 4 6 FORMULÁRIOS DE CADASTRO... 5 7 CADASTRO DE

Leia mais

Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br. Dispositivos de processamento Armazenamento Outros componentes

Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br. Dispositivos de processamento Armazenamento Outros componentes Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br Dispositivos de processamento Armazenamento Outros componentes Dispositivos de processamento Os dispositivos de processamento são responsáveis por interpretar

Leia mais

Memória primária Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Memória primária Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Memória primária Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Sumário Bits Endereços de memória Ordenação de bytes Códigos de correção de erro Memória cachê Empacotamento e tipos de memória

Leia mais

Manual do K3b. Esta documentação foi convertida a partir da página do K3b na KDE UserBase. Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do K3b. Esta documentação foi convertida a partir da página do K3b na KDE UserBase. Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga Esta documentação foi convertida a partir da página do K3b na KDE UserBase. Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Pré-configuração 6 3 Configurando a interface

Leia mais

Este mesmo manual pode servir tambem para CD-RW, tendo em conta, apenas as diversas capacidades entre eles de armazenamento de dados ou fecheiros.

Este mesmo manual pode servir tambem para CD-RW, tendo em conta, apenas as diversas capacidades entre eles de armazenamento de dados ou fecheiros. Como ainda há certas dificuldades no uso do DVD-RW seija do tipo seija do tipo +, pensei em fazer este manual para que possam entender melhor o seu funzionamento e as suas potencialidades. Este mesmo manual

Leia mais

Introdução/Histórico da Informática. O Computador

Introdução/Histórico da Informática. O Computador Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Civil Prof.: Maico Petry Introdução/Histórico da Informática O Computador DISCIPLINA: Informática Aplicada para Engenharia Idade da Pedra

Leia mais

&XUVRGH$QiOLVH7pFQLFDH(VWUDWpJLDQR0HUFDGR

&XUVRGH$QiOLVH7pFQLFDH(VWUDWpJLDQR0HUFDGR &XUVRGH$QiOLVH7pFQLFDH(VWUDWpJLDQR0HUFDGR GH$o}HV 'HVFULomR Em um m undo globalizado, com o o que vivem os atualm ente, a econom ia brasileira sofre influência direta de acontecim entos externos, que nem

Leia mais

Hardware Montagem e Manutenção

Hardware Montagem e Manutenção Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HMM4.0 Hardware Montagem e Manutenção K O M E D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Furgeri, Sérgio Hardware

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Estrutura e Funcionamento de um Computador

Estrutura e Funcionamento de um Computador Estrutura e Funcionamento de um Computador ESE Viseu 2009/2010 Docente: Maribel Miranda Pinto O hardware é a parte física do computador, a parte palpável do computador, ou seja, é o conjunto de componentes

Leia mais

SISTEMAS INFORMÁTICOS

SISTEMAS INFORMÁTICOS SISTEMAS INFORMÁTICOS Nesta apresentação, aprenderá a distinguir Hardware de software, identificar os principais componentes físicos de um computador e as suas funções. Hardware e Software Estrutura de

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

www.leitejunior.com.br 13/03/2012 12:24 Leite Júnior

www.leitejunior.com.br 13/03/2012 12:24 Leite Júnior BACKUP E RESTAURAÇÃO(RECOVERY) BACKUP É a cópia de dados de um dispositivo para o outro e tem como objetivo ter uma maior segurança em caso de problema com os dados originais. Todo backup tem um único

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 07: Memória Secundária MEMÓRIA SECUNDÁRIA Discos magnéticos: Organização do disco magnético em faces, trilhas e setores; Tipos de discos magnéticos Discos óticos: CD/DVD/BluRay

Leia mais

Prof. Orlando Rocha. Qual o nosso contexto atual?

Prof. Orlando Rocha. Qual o nosso contexto atual? 1 Qual o nosso contexto atual? Atualmente, vivemos em uma sociedade que é movida pela moeda informação! No nosso dia-a-dia, somos bombardeados por inúmeras palavras que na maioria das vezes é do idioma

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 Obrigado por escolher o DVR USB ST-104 DIMY S. Por favor, certifique-se que a operação do produto esta de acordo com este manual para garantir a estabilidade do sistema

Leia mais

Câmara Municipal de Porto Alegre

Câmara Municipal de Porto Alegre Câmara Municipal de Porto Alegre ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 14/2013 PROCESSO: 0994/13 e outros Em, às 13:10 horas, na CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - CMPA, sito à AV. LOUREIRO DA SILVA,

Leia mais

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Informática Aulas: 01 e 02/12 Prof. Márcio Hollweg UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Manual de Orientação para Acesso e Uso do SARA Versão ERA s

Manual de Orientação para Acesso e Uso do SARA Versão ERA s Manual de Orientação para Acesso e Uso do SARA Versão ERA s 1. Introdução O SARA foi elaborado visando facilitar o dia a dia do produtor, foi desenvolvido em Delphi, utilizando banco de dados Firebird,

Leia mais

Otimização de Computadores

Otimização de Computadores Otimização de Computadores 01- Antes de tudo, um pouco de organização. Como é a sua casa? O que é viver com organização? Você sabe deixar o seu ambiente, organizado? TELECENTRO POPULAR By Claudionor Araújo

Leia mais

05/11/2010 Tech In HARDWARE TOMÉ & THEODORE

05/11/2010 Tech In HARDWARE TOMÉ & THEODORE HARDWARE 1 TOMÉ & THEODORE INTRODUÇÃO O QUE É O COMPUTADOR? Um computador é um dispositivo electrónico controlado por um programa (chamado sistema operativo) ; 05/11/2010 Tech In É constituído por componentes

Leia mais

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo Se ouço o esqueço, se vejo recordo, se faço o aprendo Meios de Armazenamento Secundário Principais Dispositivos de Entrada Principais Dispositivos de Saída Outros Dispositivos de Entrada/Saída Meios de

Leia mais

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive Google Drive um sistema de armazenagem de arquivos ligado à sua conta Google e acessível via Internet, desta forma você pode acessar seus arquivos a partir de qualquer dispositivo que tenha acesso à Internet.

Leia mais

análisederisco empresarial

análisederisco empresarial análisederisco empresarial Ca da vez mais, a administração torna-se uma arte, sendo que os administradores aprendem a cada dia novas articulações, para poder dar continuidade a seus negócios. Muitas vezes,

Leia mais

SELO ASSOHONDA CONCESSIONÁRIA CIDADÃ

SELO ASSOHONDA CONCESSIONÁRIA CIDADÃ REGULAMENTO 1. Da instituição do Prêmio A ASSOHONDA, através da sua Comissão de Responsabilidade Social, estabelece a partir de 1º de janeiro de 2008, o prêmio anual Selo ASSOHONDA Concessionária Cidadã,

Leia mais

MARCENEIROS & BRICOLEIROS http://marceneiros-e-bricoleiros.forums-free.com/

MARCENEIROS & BRICOLEIROS http://marceneiros-e-bricoleiros.forums-free.com/ 1 de 6 07/12/2012 23:32 MARCENEIROS & BRICOLEIROS http://marceneiros-e-bricoleiros.forums-free.com/ Review: Disco Nicholson Predator 100 dentes http://marceneiros-e-bricoleiros.forums-free.com/viewtopic.php?f=124&t=9417

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Memória Externa Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Tipos de Memória Externa Disco Magnético

Leia mais