INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO"

Transcrição

1 INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO António Costa Instituto Superior Técnico

2 AVALIAÇÃO DO ESTADO DA ESTRUTURA Identificação das anomalias e caracterização da segurança e do estado de deterioração da estrutura Inspecção visual Ensaios

3 INSPECÇÃO E ENSAIOS EM ESTRUTURAS PLANOS DE INSPECÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I - PREPARAÇÃO DOS TRABALHOS E PLANEAMENTO DA INSPECÇÃO 1. Recolha de Informação Projecto e construção (desenhos, cálculos, especificações dos materiais, medições,...) Alterações e intervenções posteriores à construção (manutenção,...) Artigos técnicos a obter junto de: Dono de obra, Projectista, Construtor Entidades licenciadoras (Câmaras Municipais,...) Revistas, LNEC, CSOPT,...)

4 1.2 Visita Preliminar Compreensão da estrutura, condições de exposição, condições de acesso para inspecção Basicamente uma inspecção visual Primeira apreciação dos problemas mais graves à vista desarmada. 1.3 Planeamento da Inspecção Definição dos objectivos da inspecção (em conjunto com o dono de obra) Avaliação da deterioração Avaliação do comportamento estrutural Primeira avaliação das causas das anomalias Definição no âmbito e extensão da inspecção Estabelecimento de estratégias para a inspecção selectiva Escolha de testes cujos resultados se sabem interpretar e são relevantes para o problema em causa (e procedimentos de ensaios) Definição das regiões tipo para os diferentes elementos estruturais, tendo em conta a sua geometria e condições de exposição diferenciadas. Planeamento dos meios logísticos, organização da equipa de inspecção, programação dos trabalhos, estimativa de custos e preparação dos meios de segurança para a realização de inspecção. Produção de desenhos para registo das anomalias e localização dos ensaios

5 II - INSPECÇÃO BÁSICA OU DE ROTINA 1. Inspecção visual Material de apoio: Desenhos Bloco de notas, gravador Binóculos, máquina fotográfica e vídeo Vestuário, botas, capacete, lâmpada de testa,... Meios de acesso Objectivos: Verificação da conformidade dimensional entre a obra e o projecto. Aparência da superfície do betão degradação, coloração, revestimentos,.. Fendilhação Corrosão, delaminação, armaduras à vista Deformação Presença de água, escorrimentos,...

6 Meios de Acesso Plataformas móveis superiores

7 Meios de Acesso Plataformas móveis inferiores

8 2. Ensaios Básicos Mapeamento da delaminação Por percussão forte com martelo (som a oco indica a presença de delaminação ou chochos) Por arraste de correntes Por termografia Localização de armaduras e medição do recobrimento Em geral fácil por métodos magnéticos até 10cm de profundidade, excepto em zonas de congestionamento de armaduras. Verificar margem de erro do equipamento de leitura (± 5mm, usual) Mapeamento da fendilhação Medir abertura de fendas Referir causa provável e geometria/tipo de fenda Dureza superficial Aplicação do esclerómetro permite avaliar a qualidade (dureza) da camada superficial do betão e a sua homogeneidade na obra.

9 Profundidade de carbonatação (Maior em zonas secas do que húmidas) Interesse em relacionar a profundidade da carbonatação com o recobrimento. Pode ser realizada em carotes de pequeno diâmetro ou furos (ensaiando o pó extraído do furo ou o próprio furo em profundidades crescentes até se deixar de verificar a carbonatação) Perfis de penetração de cloretos Fundamental em locais junto à costa ou ambientes agressivos Pode ser realizado através de carotes ou extracção de pó obtido por furacão ( 16 a 20mm) a várias profundidades Começar por fazer perfis até 8-10cm e, em função da penetração, reduzir eventualmente a profundidade (Permitem concluir estabelecendo a relação com o recobrimento das armaduras se estas estão despassivadas) 3. Relatório. Avaliação dos resultados e planeamento da 2ª fase O relatório pode vir a ser utilizado em processos litigiosos Registo rigoroso dos trabalhos efectuados e apreciação das causas e efeitos Apresentação clara e sintética Propostas de intervenção urgentes Planeamento dos ensaios e estudos complementares

10 III - INSPECÇÃO ESPECIAL De acordo com as conclusões obtidas na inspecção básica são estabelecidos os objectivos para a inspecção especial: completar a inspecção básica efectuar ensaios especiais para avaliar com maior detalhe o estado da estrutura 1. Extracção de carotes Estabelecer o número mínimo de em função dos ensaios pretendidos e sua representatividade. Diâmetro 95mm ( ); comprimento 200mm (I) Se se pretender determinar Ec, então I 2.5 Fazer macroanálise de todas as carotes Ensaios: Análise petrográfica permite obter informação sobre os constituintes do betão, a qualidade da compactação (e razão água/cimento), homogeneidade da pasta, o tipo de cimento e as reacções secundárias (RAS,...). Análise ao microscópio (MEV) Ensaios de Resistência Ensaios de avaliação da qualidade do betão (durabilidade) Absorção Permeabilidade Porosidade Difusão

11 2. Ensaios de ultra-sons e arrancamento (pull-off; pull out) A adoptar se se pretender avaliar indirectamente a resistência à compressão, o módulo de elasticidade e a qualidade e uniformidade do betão 3. Extracção de provetes de aço Avaliar a resistência e tipo de aço (soldabilidade,...) Analisar se através da superfície do varão é identificável o tipo de aço 4. Ensaios de avaliação do grau e velocidade de corrosão Só fazer ensaios deste tipo se as armaduras estiverem despassivadas Os resultados variam muito com o grau de humidade do betão (e portanto variam muito ao longo do ano), devendo os ensaios ser realizados e repetidos em períodos diferentes (por exemplo, de 3 em 3 meses) A interpretação é frequentemente complexa e é importante cruzar a informação obtida dos vários ensaios e abrir janelas para inspecção visual directa A utilização de raios X e Gamma envolve meios complexos e protecção da área do ensaio. Só justificável em casos especiais.

12 5. Avaliação do comportamento estrutural Monitorização planeada quando da elaboração do projecto da obra Observação durante a inspecção Movimentos verticais, horizontais,... por: meios topográficos, níveis, alongametros Variação da abertura de fendas Medição dos valores das acções nas estruturas Avaliação da resposta dinâmica Nivelamento 6. Relatório. Avaliação dos resultados Registo rigoroso dos trabalhos efectuados Apresentação clara e sintética em paralelo com a apresentação detalhada dos ensaios efectuados (anexo) Interpretação clara dos resultados obtidos

13 IV - AVALIAÇÃO DO ESTADO DE DETERIORAÇÃO E COMPORTAMENTO ESTRUTURAL Estabelecimento dos níveis de deterioração e segurança residual Causas e graus de deterioração Consequências da deterioração (estruturais e agravamento da deterioração) Estimativa do período de vida residual Propostas de intervenção

14 ENSAIOS Reabilitação e Reforço de Estruturas

15 TIPO 1 CARACTERIZAÇÃO DA DETERIORAÇÃO Fase de Iniciação Medição de recobrimentos Carbonatação Contaminação por cloretos Fase de Propagação Potencial Eléctrico Resistividade Velocidade de corrosão Humidade no Betão Delaminação Nível de deterioração despassivação 2 fendilhação 3 delaminação 4 rotura 2 1 iniciação t i propagação t p tempo

16 MEDIÇÃO DE RECOBRIMENTOS RADAR PACÓMETRO Princípio Medição da perturbação causada pela armadura de um campo magnético gerado pelo equipamento. Aplicações Ensaio não destrutivo para localizar armaduras no interior do betão - mede o recobrimento da armadura - determina a direcção dos varões - estima o diâmetro dos varões

17 MEDIÇÃO DE RECOBRIMENTOS Reabilitação e Reforço de Estruturas

18 CARBONATAÇÃO Princípio A profundidade de carbonatação é medida aspergindo uma solução de indicador ácido/base numa superfície de betão recentemente fracturada. Indicador mais utilizado: fenolftaleína As zonas com ph > 9.2 tornam-se vermelhas As zonas com ph < 9.2 não mudam de cor Aplicações : - verificação do estado da armadura relativamente à corrosão: activas ou passivas - avaliação do tempo necessário para que a frente de carbonatação atinja o nível das armaduras (período de iniciação)

19 CARBONATAÇÃO Reabilitação e Reforço de Estruturas

20 CONTAMINAÇÃO POR CLORETOS Princípio São extraídas amostras de betão a várias profundidades e determinado o seu teor em cloretos. Aplicações : - verificação do estado da armadura relativamente à corrosão consoante o teor de - cloretos no betão: activas ou passivas - avaliação do tempo necessário para que a frente de penetração do teor crítico atinja o nível das armaduras (período de iniciação)

21 CONTAMINAÇÃO POR CLORETOS AMOSTRAS 1- Colheita de amostras por brocagem a vários níveis de profundidade. O diâmetro da broca depende da máxima dimensão do inerte 2 Extracção de carotes Este método envolve custos mais elevados

22 CONTAMINAÇÃO POR CLORETOS Reabilitação e Reforço de Estruturas

23 CONTAMINAÇÃO POR CLORETOS Efeito das condições de exposição e da qualidade do betão no teor crítico de cloretos

24 POTENCIAL ELÉCTRICO DAS ARMADURAS Princípio Medição do potencial eléctrico das armaduras relativamente a um eléctrodo de referência colocado à superfície do betão (eléctrodo de cobre/sulfato de cobre ou prata/cloreto de prata). Aplicações : - ensaio não destrutivo para localização de áreas anódicas e catódicas. - obtenção de mapas isopotenciais a partir dos quais é possível identificar zonas com diferentes riscos de corrosão

25 POTENCIAL ELÉCTRICO DAS ARMADURAS Reabilitação e Reforço de Estruturas

26 RESISTIVIDADE DO BETÃO Princípio Um conjunto de 4 eléctrodos é colocado em contacto com a superfície do betão. Faz-se passar uma corrente alternada entre os eléctrodos exteriores e mede-se a queda de potencial entre os eléctrodos interiores. Aplicações : - fornece informação qualitativa acerca da velocidade de corrosão após as armaduras se tornarem activas. - fornece informação sobre a qualidade do betão quando aplicado em provetes saturados.

27 RESISTIVIDADE DO BETÃO Reabilitação e Reforço de Estruturas

28 HUMIDADE NO BETÃO Princípio Executam-se furacões à profundidade pretendida colocando-se no seu interior um sensor de humidade. Aplicações : - fornece informação qualitativa acerca da velocidade de corrosão após as armaduras se tornarem activas.

29 VELOCIDADE DE CORROSÃO Princípio Medição da velocidade de corrosão das armaduras com base na técnica da resistência de polarização. Aplicações : - avaliação da perda de secção das armaduras ao longo do tempo. - estimativa da evolução do nível de danos na estrutura (fendilhação, delaminação, resistência) período de propagação.

30 VELOCIDADE DE CORROSÃO Reabilitação e Reforço de Estruturas

31 DELAMINAÇÃO Princípio Sondagem da superfície do betão para detectar zonas com betão de recobrimento destacado. Aplicações : - avaliação da delaminação do betão associada à corrosão de armaduras - medição das áreas de betão a reparar som a oco indica a presença de delaminação

32 ANÁLISE PETROGRÁFICA Princípio Execução de lâminas delgadas de betão para análise ao microscópio Aplicações : - avaliação da qualidade e composição do betão. - identificação de deterioração química do betão,.

33 ANÁLISE PETROGRÁFICA Macroanálise Vazios Reacções destrutivas

34 ANÁLISE PETROGRÁFICA Razão A/C

35 ANÁLISE MICROCÓPICA Princípio Observação de amostras de betão ao microscópio electrónico de varrimento (MEV) Aplicações : energia - Análise da micro-estrutura do betão - Identificação de compostos por análise de raio X por dispersão de - Identificação de produtos resultantes de reacções destrutivas

36 ANÁLISE MICROCÓPICA Reabilitação e Reforço de Estruturas

37 RAS Métodos de detecção da reacção: método do acetato de uranilo Imagem duma carote com luz normal Detecção da reacção por fluorescência dos iões uranilo com luz UV

38 RAS Métodos de detecção da reacção: métodos microscópicos (MEV) MEV (2000x) MEV (750 x)

39 RAS Ensaio de expansão residual Aplicável no prognóstico carotes de betão da estrutura 1 ano a 38 C e 100% HR (e com eventual fornecimento de álcalis)

40 RAS Expansão (10-6 ) Expansão residual (Er) = 1327 µm/m/ano Tempo (semanas) Exemplo dum betão que apresenta um valor de expansão residual elevado

41 TIPO 2 CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DO BETÃO PROVETES OBTIDOS DE CAROTES Princípio Extracção de carotes dos elementos estruturais com uma coroa diamantada a partir das quais são obtidos provetes de betão. Aplicações: - determinação da resistência à compressão e resistência à tracção do betão. - determinação do módulo de elasticidade - inspecção visual da macro-estrutura do betão - obtenção de provetes para outros tipos de ensaios Análise petrográfica Análise microscópica Permeabilidade Absorção Difusão Porosidade...

42 CAROTE CORTE RECTIFICAÇÃO DAS FACES ENSAIO À COMPRESSÃO

43 ESCLERÓMETRO Princípio Um elemento metálico com uma massa normalizada é projectado contra a superfície do betão com uma energia definida. O ricochete da massa é medido e relacionado com a dureza superficial do betão. Aplicações: - avaliação da uniformidade e qualidade do betão - estimativa da resistência à compressão

44 ESCLERÓMETRO Reabilitação e Reforço de Estruturas

45

46 PULL OUT Princípio Medição da força necessária para arrancar um disco metálico introduzido no betão a uma profundidade de 25 mm. A superfície de rotura é definida por um anel de reacção à superfície do betão com 55 mm de diâmetro. Aplicações: - estimativa da resistência à compressão do betão

47 PULL OUT Reabilitação e Reforço de Estruturas

48 PULL - OFF Princípio Medição da força necessária para arrancar um disco metálico com 50 mm de diâmetro colado à superfície do betão com uma resina epoxídica. Aplicações: - avaliação directa da resistência do betão à tracção à superfície ou no interior do elemento estrutural - avaliação da aderência entre duas camadas de betão executadas em idades diferentes ou entre o betão e elementos colados à superfície (p. ex. diversas soluções de reforço estrutural)

49 PULL - OFF Reabilitação e Reforço de Estruturas

50 ULTRASONS Princípio do betão) Medição do tempo que uma onda sonora de alta frequência leva a percorrer uma distância no interior do betão entre a fonte emissora e a fonte receptora (calculando-se a velocidade de propagação das ondas no interior Aplicações: - avaliação da qualidade e uniformidade do betão - estimativa da resistência à compressão do betão e módulo de elasticidade - localização de vazios e fendas no interior do betão

51 ULTRASONS Reabilitação e Reforço de Estruturas

52 ULTRASONS Gráfico de calibração

53 TIPO 3 CARACTERIZAÇÃO DAS PROPRIEDADES RELATIVAS À DURABILIDADE ENSAIO DE PERMEABILIDADE À ÁGUA

54 ENSAIO DE ABSORÇÃO POR CAPILARIDADE Reabilitação e Reforço de Estruturas

55 ENSAIO DE ABSORÇÃO POR IMERSÃO Reabilitação e Reforço de Estruturas

56 ENSAIO DE POROMETRIA POROSÍMETRO AMOSTRAS DE BETÃO PARA ENSAIO

57 ENSAIO DE POROMETRIA Poros relevantes para a durabilidade: > Ф100 nm

58 ENSAIO DE CARBONATAÇÃO ACELERADO Especificação LNEC E391 CÂMARA DE CARBONATAÇÃO PROVETE DE BETÃO APÓS ENSAIO

59 ENSAIO DE DIFUSÃO AOS CLORETOS MÉTODO DA CÉLULA DE DIFUSÃO Ensaio de difusão natural Especificação LNEC E383

60 ENSAIO DE DIFUSÃO AOS CLORETOS ENSAIO DE MIGRAÇÃO (AASHTO) Carga (coulombs) > < 100 Permeabilidade do betão Alta Média Baixa Muito baixa Desprezável Tipo de betão A/C > < A/C < 0.6 A/C < 0.4 Betão com selante Betão de polímeros

61 ENSAIO DE DIFUSÃO AOS CLORETOS ENSAIO DE MIGRAÇÃO (Luping) Especificação LNEC E463

62 ENSAIO DE DIFUSÃO AOS CLORETOS ENSAIO DE MIGRAÇÃO (Luping)

Ensaios para Avaliação das Estruturas

Ensaios para Avaliação das Estruturas ENSAIOS PARA INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Eliana Barreto Monteiro Ensaios para Avaliação das Estruturas Inspeção visual Ensaios não destrutivos Ensaios destrutivos Ensaios para Avaliação das

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 1 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO Diagnóstico de Anomalias nãoestruturais: causas e metodologias

Leia mais

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas António Costa Avaliação do Estado da Estrutura Objectivos: Definir o tipo e as causas da deterioração Definir o nível de deterioração Prever

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO DE ANOMALIAS DEVIDAS À HUMIDADE EM PAREDES ANTIGAS

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO DE ANOMALIAS DEVIDAS À HUMIDADE EM PAREDES ANTIGAS DEPARTAMENTO DE EDIFÍCIOS Núcleo de Revestimentos e Isolamentos Proc. 0803/14/15139 METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO DE ANOMALIAS DEVIDAS À HUMIDADE EM PAREDES ANTIGAS Projecto FCT N.º POCTI/ECM/46323/2002 Lisboa

Leia mais

LE 18-1/2015. 1 julho. AV DO BRASIL 101 1700-066 LISBOA tel.: 21 844 35 65 fax: 21 844 30 11 e-e: livraria@lnec.pt www.lnec.

LE 18-1/2015. 1 julho. AV DO BRASIL 101 1700-066 LISBOA tel.: 21 844 35 65 fax: 21 844 30 11 e-e: livraria@lnec.pt www.lnec. LE 18-1/2015 1 julho AV DO BRASIL 101 1700-066 LISBOA tel.: 21 844 35 65 fax: 21 844 30 11 e-e: livraria@lnec.pt www.lnec.pt/livraria Mais informações sobre as Especificações www.lnec.pt lista de especificações

Leia mais

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO Manuel Baião ANIPB Seminário sobre Marcação CE das vigotas Coimbra, CTCV, 9 de Dezembro de 2010 ENSAIOS DE TIPO INICIAIS

Leia mais

Introdução aos Ensaios Não Destrutivos

Introdução aos Ensaios Não Destrutivos Introdução aos Ensaios Não Destrutivos RESUMO Introdução aos Ens. Não Dest. Análise sumária dos 6 ensaios mais comuns Aplicações Definição de Ensaio Não Destrutivo Uso de técnicas não intrusivas para determinar

Leia mais

ADJUVANTES PARA AS ARGAMASSAS OU BETÕES

ADJUVANTES PARA AS ARGAMASSAS OU BETÕES 1.1. OBJECTO Os adjuvantes para as argamassas ou betões devem obedecer às condições técnicas gerais relativas a materiais e elementos de construção e ainda aos vários documentos que lhe são aplicáveis.

Leia mais

ETICS e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec.

ETICS e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec. e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec.pt Isolamento térmico pelo exterior Vantagens O isolamento térmico

Leia mais

SISTEMA SEMI-INDEPENDENTE

SISTEMA SEMI-INDEPENDENTE F SISTEMA SEMI-INDEPENDENTE renolit waterproofing EXCELLENCE IN ROOFING 1 SISTEMA SEMI-INDEPENDENTE INFORMAÇÃO DO PRODUTO alkorplan F 35276 Membrana sintética de impermeabilização, à base de PVC-P, armada

Leia mais

SISTEMAS AVANÇADOS DE DETEÇÃO DE ARMADURAS EM ESTRUTURAS E EDIFICIOS DE BETÃO SÉRIE PROFOMETER PM MODELO PM-600 E PM-630

SISTEMAS AVANÇADOS DE DETEÇÃO DE ARMADURAS EM ESTRUTURAS E EDIFICIOS DE BETÃO SÉRIE PROFOMETER PM MODELO PM-600 E PM-630 SISTEMAS AVANÇADOS DE DETEÇÃO DE ARMADURAS EM ESTRUTURAS E EDIFICIOS DE BETÃO SÉRIE PROFOMETER PM MODELO PM-600 E PM-630 Generalidades: Os novos sistemas de deteção de armaduras da série PM da Proceq empregam

Leia mais

Condicionantes de projecto impostas pela exposição ambiental das estruturas de betão

Condicionantes de projecto impostas pela exposição ambiental das estruturas de betão Condicionantes de projecto impostas pela exposição ambiental das estruturas de betão Eng. o João Carlos Duarte, APEB Eng. o Jorge Santos Pato, APEB Resumo Tradicionalmente, é o projectista quem estabelece

Leia mais

G R U P O Painéis Ventilados em G.F.R.C. damos forma ao progresso Painéis Ventilados em G.F.R.C. A Pavicentro apresenta uma solução inovadora de painéis para tamponamento de edifícios - o PAINEL VENTILADO

Leia mais

Resistência dos Materiais I

Resistência dos Materiais I Trabalho realizado por: Nelson Alves Nº: 2010904 João Andrade Nº: 2065205 Carlos Xavier Nº: 2055305 Trabalho de Resistência dos Materiais 1. Máquinas: Importância da normalização e acreditação; 2. Comportamento

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO DE ELEVADOS DESEMPENHOS ATRAVÉS DE ENSAIOS IN SITU NÃO-DESTRUTIVOS

OBSERVAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO DE ELEVADOS DESEMPENHOS ATRAVÉS DE ENSAIOS IN SITU NÃO-DESTRUTIVOS Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 OBSERVAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO DE ELEVADOS DESEMPENHOS ATRAVÉS DE ENSAIOS IN SITU NÃO-DESTRUTIVOS E. N. B. S. JÚLIO Prof. Auxiliar FCTUC Coimbra P. A. FERNANDES

Leia mais

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2,

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Estratégias de Manutenção em Fachadas de Edifícios Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal RESUMO Uma política

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS 14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS Aplicam-se a todos os materiais as disposições constantes do capítulo 14.00 deste caderno de encargos, nomeadamente 14.00.1, 14.00.2, 14.00.3 e 14.00.4 e

Leia mais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Luís Silva Dina Frade Nelson Moreira Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas e ETICS Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais AICCOPN, Porto, 2014.03.13

Leia mais

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS Universidade do Algarve Instituto Superior de Engenharia TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS António Morgado André UAlg-EST-ADEC aandre@ualg.pt 1 Exercício 2.1 Considere uma sala de aula de 4,5x

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

Parabond Zinco. Produto elástico para todo tipo de metais.

Parabond Zinco. Produto elástico para todo tipo de metais. Parabond Zinco Produto elástico para todo tipo de metais. Produto: Parabond Zinco é um elastómero de alta qualidade, de rápido endurecimento, permanentemente elástico, à base de MS polímero com elevada

Leia mais

Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf

Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf Estudo de Caso Levantamentos de FWD e para Avaliação Estrutural dos Pavimentos Introdução Necessidade de conhecer a condição estrutural

Leia mais

Artigo. Condensações em Edifícios. Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74. Maio 2005 AC05103LIS/ENG

Artigo. Condensações em Edifícios. Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74. Maio 2005 AC05103LIS/ENG Artigo Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74 Maio 2005 AC05103LIS/ENG Condensações em Edifícios Luís Viegas Mendonça Condensações em Edifícios Luís Viegas Mendonça* Sumário

Leia mais

3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM

3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM 3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM 1. Um cientista está no seu moinho, no topo de uma falésia junto à costa marítima, apontando o seu pequeno radiotelescópio para uma estrela

Leia mais

TUBOS DE BETÃO ARMADO COM ALMA DE AÇO

TUBOS DE BETÃO ARMADO COM ALMA DE AÇO TUBOS DE BETÃO ARMADO COM ALMA DE AÇO 1. Materiais: 1.1. Cimento O tipo de cimento utilizado é o denominado de Portland, do tipo CEM II/A-L 42,5R GR. Nos casos em que a percentagem de sulfatos, expresso

Leia mais

Construction. Sikagard -550 W Elastic. Revestimento elástico com capacidade de ponte de fissuração para protecção de betão. Descrição do produto

Construction. Sikagard -550 W Elastic. Revestimento elástico com capacidade de ponte de fissuração para protecção de betão. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação:03.205 Versão nº 1 Sikagard -550 W Elastic Revestimento elástico com capacidade de ponte de fissuração para protecção de betão Construction

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GRUAS TORRE 2 DESCRIÇÃO As gruas torre são máquinas utilizadas para elevação de cargas (por meio de um cabo), e transporte dentro de um raio

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO. AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO. CARLOS GUERRA AUTO-ESTRADAS DO ATLANTICO, S.A.. FERNANDO PALMA RUIVO DIRECTOR TÉCNICO, CERTIPROJECTO, Lda. DIVISÃO DE ACÚSTICA APLICADA

Leia mais

O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias. Aspectos técnicos e jurídicos

O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias. Aspectos técnicos e jurídicos O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias Aspectos técnicos e jurídicos Enga. Fabiola Rago Beltrame AFEAL - Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio

Leia mais

16.10 - DIVERSOS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

16.10 - DIVERSOS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO 16.10 - DIVERSOS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO Neste grupo inclui-se, o fornecimento dos meios e dos equipamentos explicitamente incluídos no contrato, e necessários ao apoio logístico

Leia mais

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5.1. Introdução O conforto higrotérmico tem motivado o desenvolvimento de tecnologias passivas com

Leia mais

ISOLAMENTOS ACÚSTICOS

ISOLAMENTOS ACÚSTICOS ISOLAMENTOS ACÚSTICOS Ruídos de impacto (intra inquilinos): Aplicação em pisos Außer ia02 Außer ia0 Außer ia1 Außer ia Ruídos aéreos: Aplicação em divisórias verticais Außer ia1 Außer ia Außer ia60 Außer

Leia mais

Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte. Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT

Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte. Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT 1. INTRODUÇÃO Inspecções e ensaios na manutenção/conservação Boa oferta formativa, comparativamente

Leia mais

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA 3 MATERIAIS Válter Lúcio Mar.2006 1 PROGRAMA 1.Introdução ao betão armado 2.Bases de Projecto e Acções 3.Propriedades dos materiais 1. Betão 2. Aço 4.Durabilidade 5.Estados limite últimos de resistência

Leia mais

essa resistência através de ensaios realizados com modelos de cisternas comparáveis, não é necessário proceder aos ensaios.

essa resistência através de ensaios realizados com modelos de cisternas comparáveis, não é necessário proceder aos ensaios. CAPÍTULO 6.9 PRESCRIÇÕES RELATIVAS À CONCEPÇÃO, AO FABRICO, AOS EQUIPAMENTOS, À APROVAÇÃO DE TIPO, AOS ENSAIOS E À MARCAÇÃO DAS CISTERNAS FIXAS (VEÍCULOS-CISTERNAS), CISTERNAS DESMONTÁVEIS, CONTENTORES-CISTERNAS

Leia mais

Construction. Argamassa cimentosa fluída SCC reforçada com fibras para reparação de betão armado, pavimentação e ancoragem de varões de aço

Construction. Argamassa cimentosa fluída SCC reforçada com fibras para reparação de betão armado, pavimentação e ancoragem de varões de aço Ficha de Produto Edição de julho de 2014 Nº de identificação: 02.007 Versão nº 1 Sika Grout-312 RFA Argamassa cimentosa fluída SCC reforçada com fibras para reparação de betão armado, pavimentação e ancoragem

Leia mais

Resina de epoxi bicomponente para ancoragens

Resina de epoxi bicomponente para ancoragens Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 04.202 Versão nº 1 Sika Anchorfix -3+ Resina de epoxi bicomponente para ancoragens Descrição do produto Cola à base de resina de epoxi para

Leia mais

C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o. Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega

C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o. Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega C e n t r o O p e r a t i v o e d e T e c n o l o g i a d e R e g a d i o 1 Introdução

Leia mais

APONTAMENTOS DA CADEIRA DE REABILITAÇÃO NÃO- ESTRUTURAL DE EDIFÍCIOS

APONTAMENTOS DA CADEIRA DE REABILITAÇÃO NÃO- ESTRUTURAL DE EDIFÍCIOS APONTAMENTOS DA CADEIRA DE REABILITAÇÃO NÃO- ESTRUTURAL DE EDIFÍCIOS MESTRADO EM CONSTRUÇÃO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO VIDA ÚTIL DAS CONSTRUÇÕES E SUA PREVISÃO Jorge de Brito Setembro de 2004 Prefácio

Leia mais

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Ensaios destrutivos que danificam ou comprometem o desempenho estrutural. Inspeção e diagnóstico do desempenho de estruturas existentes de concreto

Leia mais

www.eurotec-eu.com RESIFIX ANCORAGENS QUÍMICAS

www.eurotec-eu.com RESIFIX ANCORAGENS QUÍMICAS RESIFIX ANCORAGENS QUÍMICAS 2 01 EUROTEC Índice 04 RESIFIX 06 RESIFIX SPIN-IN 08 RESIFIX HAMMER-IN 10 RESIFIX CAR-IN 01 RESIFIX 02 RESIFIX Spin-In 03 RESIFIX Car-In 02 03 3 4 01 RESIFIX DESCRIÇÃO Ancoragens

Leia mais

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS A fabricação de produtos cerâmicos compreende as fases de: exploração das jazidas tratamento da matéria prima moldagem secagem queima Exploração

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DA REFLECTÂNCIA DE ARGAMASSAS. Joaquim Carneiro. Cliente. C - T A C Centro de Território, Ambiente e Construção

RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DA REFLECTÂNCIA DE ARGAMASSAS. Joaquim Carneiro. Cliente. C - T A C Centro de Território, Ambiente e Construção Escola de Ciências RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DA REFLECTÂNCIA DE ARGAMASSAS Joaquim Carneiro Cliente C - T A C Centro de Território, Ambiente e Construção (Prof. Doutor Said Jalali) Janeiro de 2010 ÍNDICE

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CONSTRUÇÃO AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA AUTORIA: MANUEL J. C. MOLARES D ABRIL & TERESINHA BERNARDA GASPAR

Leia mais

Business Unit Road Voith Turbo Componentes de ferro fundido Especificações técnicas de fornecimento

Business Unit Road Voith Turbo Componentes de ferro fundido Especificações técnicas de fornecimento Norma Business Unit Road Voith Turbo Componentes de ferro fundido Especificações técnicas de fornecimento Confidencial, todos os direitos reservados. Proteção de dados conforme ISO 16016. Outubro 2014

Leia mais

CHAPAS E ACESSÓRIOS P177

CHAPAS E ACESSÓRIOS P177 Chapas onduladas P177 As chapas de fibrocimento fazem parte da paisagem tradicional do nosso país há mais de 60 anos. De norte a sul é comum encontrá-las nos locais mais recônditos e nas mais variadas

Leia mais

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Inspecções e ensaios não destrutivos em pontes localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Duarte Abecasis, Tiago Ribeiro OZ, Lda. Ambientes agressivos

Leia mais

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES Capítulo 6 SOLOS REFORÇADOS - EXECUÇÃO 6. Solo reforçado Com o aumento das alturas de escavação, os custos com estruturas de contenção tradicionais de concreto aumentam consideravelmente. Assim, as soluções

Leia mais

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO Reforço Estrutural de Edifícios Antigos Rita BENTO e Mário LOPES IST, Lisboa, Março 2007 1. DESCRIÇÃO 2. MODELAÇÃO DE UM EDIFÍCIO

Leia mais

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto Públio Penna Firme Rodrigues Públio Penna Firme Rodrigues Graduado em Engenharia Civil pela Escola de Engenharia Mauá, Mestre em Engenharia pela EPUSP (Escola

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II 12 Método das Escores e Tirantes

Estruturas de Betão Armado II 12 Método das Escores e Tirantes Estruturas de Betão Armado II 12 Método das Escores e Tirantes 1 INTRODUÇÃO Método de análise de zonas de descontinuidade, baseado no Teorema Estático da Teoria da Plasticidade. Este método permite obter

Leia mais

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP.

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP. Ficha de Produto Edição de janeiro de 2015 Nº de identificação: 07.201 Versão nº 3 Lâminas em PVC-p para selagem de juntas Descrição do produto Lâminas flexíveis em PVC-p, produzidas em perfis específicos

Leia mais

Revestimento de protecção à base de resinas epoxi

Revestimento de protecção à base de resinas epoxi Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 06.202 Versão nº 2 Sikagard -63N PT Revestimento de protecção à base de resinas epoxi Descrição do produto Sikagard -63N PT é um revestimento

Leia mais

duratinet ESTRUTURAS DE BETÃO Fatores e requisitos de durabilidade 02-12-2013 Guia Técnico Parte IV - VOL 1 - Fatores e Requisistos Durabilidade

duratinet ESTRUTURAS DE BETÃO Fatores e requisitos de durabilidade 02-12-2013 Guia Técnico Parte IV - VOL 1 - Fatores e Requisistos Durabilidade Seminário Manutenção e Reparação de Estruturas ESTRUTURAS DE BETÃO Fatores e requisitos de durabilidade Manuela Salta LNEC Investing in our common future Guia Técnico Parte IV - VOL 1 - Fatores e Requisistos

Leia mais

Retificação. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Retificação. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Retificação DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência Por: Regina Helena Ferreira de Souza Professora Dra., Titular de Estruturas, Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

Construction. Selante elástico monocomponente para juntas sujeitas a exposição química. Descrição do produto. Dados do produto.

Construction. Selante elástico monocomponente para juntas sujeitas a exposição química. Descrição do produto. Dados do produto. Ficha de Produto Edição de fevereiro de 2015 Nº de identificação: 05.403 Versão nº 2 Sikaflex -Tank N Selante elástico monocomponente para juntas sujeitas a exposição química Construction Descrição do

Leia mais

CHAPAS NATUROCIMENTO P177. Desde 1999 a Cimianto integrou na sua gama standard o NaturoCimento. A sua composição não inclui amianto.

CHAPAS NATUROCIMENTO P177. Desde 1999 a Cimianto integrou na sua gama standard o NaturoCimento. A sua composição não inclui amianto. Chapas NaturoCimento P177 Desde 1999 a Cimianto integrou na sua gama standard o NaturoCimento. A sua composição não inclui amianto. As características técnicas do produto bem como as suas performances

Leia mais

INSPEÇÃO E MONITORAMENTO DE EDIFÍCIOS COM ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

INSPEÇÃO E MONITORAMENTO DE EDIFÍCIOS COM ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO INFORMAÇÕES OBJECTIVOS Detalhar e analisar a inspeção de edifícios, avaliando os fatores que a influenciam e as ferramentas disponíveis. Dar a conhecer os diferentes tipos de ensaios experimentais em edifícios,

Leia mais

Equipamento para o fabrico de Betões celulares técnicos. BETÕES CELULARES DOSIFICADORES. garcía fernández. Catálogo

Equipamento para o fabrico de Betões celulares técnicos. BETÕES CELULARES DOSIFICADORES. garcía fernández. Catálogo Equipamento para o fabrico de Betões celulares técnicos. garcía fernández DOSIFICADORES R BETÕES CELULARES Catálogo Cada cliente recebe o melhor e sempre o deve exigir O Betão Celular fabricado no local

Leia mais

- Propriedades do aço da barra, chumbador ou elemento a ser ancorado

- Propriedades do aço da barra, chumbador ou elemento a ser ancorado Tecfix One Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi-acrilato Descrição Tecfix One é um produto bicomponente disposto numa bisnaga com câmaras independentes, projetada para realizar a mistura adequada

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Rede geral de terras Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia,

Leia mais

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo.

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo. N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO Estudo Comparativo Mafalda Ramalho EDIÇÃO: Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

MENINO JESUS DE BARRO COZIDO E POLICROMADO

MENINO JESUS DE BARRO COZIDO E POLICROMADO MENINO JESUS DE BARRO COZIDO E POLICROMADO Identificação Categoria: Escultura Sub-categoria: Escultura de vulto perfeito Denominação/Título: Menino Jesus em pé sobre peanha poligonal Autoria/Produção:

Leia mais

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1 RISCO DE EROSÃO Portugal é um dos países europeus mais susceptíveis aos processos de desertificação física dos solos. Cerca de 68% dos solos nacionais estão ameaçados pela erosão e 30% encontram-se em

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS AGREGADOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS AGREGADOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS 1 agregado aterial granular usado na construção. O agregado pode ser natural, artificial ou reciclado. : 70 a 80% do volume do betão 2 composição de 1 m 3 de betão : por exemplo cimento água agregados

Leia mais

Temperatura Devido ao seu alto ponto de fusão, a safira pode ser utilizada para aplicações de até 2000 C.

Temperatura Devido ao seu alto ponto de fusão, a safira pode ser utilizada para aplicações de até 2000 C. A proteção de Safira consiste em um tubo exterior de proteção selada de um lado e de um ou mais capilares internos utilizados para o isolamento dos fios termopares. Devido à sua transparência óptica e

Leia mais

SAN.T.IN.NT 60. O escopo dos serviços compreende a elaboração dos projetos visando a durabilidade e resistência das estruturas.

SAN.T.IN.NT 60. O escopo dos serviços compreende a elaboração dos projetos visando a durabilidade e resistência das estruturas. ISO 91 1 / 5 SUMÁRIO: 1. OBJETIVO 2. NORMALIZAÇÃO 3. ESCOPO DOS SERVIÇOS 4. DESCRIÇÕES DAS OBRAS 5. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 6. DOCUMENTAÇÃO DO PROJETO 7. REFERÊNCIAS 8. ANEXOS 1. OBJETIVO O presente documento

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes O SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO DA VIERO O sistema de isolamento térmico da VIERO

Leia mais

PROJECTO DA REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

PROJECTO DA REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS PROJECTO DA REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS CONSTRUÇÃO DE ARRUAMENTO DESDE A ROTUNDA DANMARIE - LÉS - LYS À AV. ENGº CASTRO CALDAS - A2 ARCOS DE VALDEVEZ ÍNDICE 1) Planta de Localização 2) Termo de

Leia mais

Avaliação da aderência ao betão de varões de aço galvanizado ou com revestimento epoxídico

Avaliação da aderência ao betão de varões de aço galvanizado ou com revestimento epoxídico BE2008 Encontro Nacional de Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Avaliação da aderência ao betão de varões de aço galvanizado ou com revestimento epoxídico Aires Camões 1 Paulo J.

Leia mais

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS MODELOS DE PREVISÃO Albano Neves e Sousa 22 de Maio de 2009 ÍNDICE QUALIDADE ACÚSTICA DE ESPAÇOS FECHADOS Tempo de reverberação: EN 12354-6:2003 ISOLAMENTO SONORO Ruído

Leia mais

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Algoritmo. Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo. Perfil do utilizador. Recolha de dados

Algoritmo. Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo. Perfil do utilizador. Recolha de dados Algoritmo Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo Recolha de dados O algoritmo do sistema de gestão, necessita obrigatoriamente de conhecer todos (ou grande maioria) os aparelhos ligados numa habitação

Leia mais

Seminário DURATINET Lisboa, 26 novembro 2013

Seminário DURATINET Lisboa, 26 novembro 2013 Project nr 2008-1/049 MANUTENÇÃO DE ESTRUTURAS DO PORTO DE LISBOA António Martins, Eng. Civil IST Frederico Telha, Estagiário FCT-UNL Investing in our common future >O Porto de Lisboa >Intervenções realizadas

Leia mais

DIVISÃO COLOCAÇÃO ADESIVOS PROFISSIONAIS

DIVISÃO COLOCAÇÃO ADESIVOS PROFISSIONAIS DIVISÃO COLOCAÇÃO ADESIVOS PROFISSIONAIS Adesivo profissional ao quartzo, de tecnologia superior e elevada adesão, adequado para a colocação de alta resistência até 10 mm de espessura, em pavimentos e

Leia mais

Seminário sobre energia eléctrica INOTEC

Seminário sobre energia eléctrica INOTEC A importância dos diagnósticos. As redes subterrâneas de MT, normalmente fiáveis do ponto de vista técnico, apresentam pontos fracos importantes a ter em conta durante o seu tempo de vida útil, designadamente:.

Leia mais

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister Introdução: Propriedades mecânicas indicam o comportamento dos materiais quando sujeitos a esforços de

Leia mais

Controlo do sistema PT100M-NR

Controlo do sistema PT100M-NR Controlo do sistema PT100M-NR Manual de instalação PT100MNR-IPT083510 98-0017910 Versão 1.0 PT Índice Índice 1 Indicações sobre estas instruções.................... 5 1.1 Área de aplicação...................................

Leia mais

Conservação da Pedra

Conservação da Pedra Conservação da Pedra Ana Paula Ferreira Pinto anapinto@civil.ist.utl.pt Caracterização das rochas A degradação da pedra As acções de conservação no património arquitectónico Tratamento da pedra Caracterização

Leia mais

Estudo de Traumatismos em Testemunhos de CCR

Estudo de Traumatismos em Testemunhos de CCR Estudo de Traumatismos em Testemunhos de CCR José Marques Filho 1 Maurice Antoine Traboulsi 2 Vladimir Antonio Paulon 3 1 Copel Companhia Paranaense de Energia jmarques@copel.com 2 Furnas Centrais Elétricas

Leia mais

Adjuvantes para Betão

Adjuvantes para Betão Degussa Construction Chemicals Portugal, S.A. Acção de Formação Adjuvantes para Betão Mais de 138 Centros de produção em 78 países Universidade do Algarve - Maio 2006 Enfrentamos os desafios O Trabalho

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo:

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 161, de 30 de setembro de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Cola de endurecimento rápido para ancoragens. Aspecto / Cor Componente A: branco. Componente B: preto. Mistura (A+B): cinzento claro.

Cola de endurecimento rápido para ancoragens. Aspecto / Cor Componente A: branco. Componente B: preto. Mistura (A+B): cinzento claro. Ficha de Produto Edição de Setembro de 2012 Nº de identificação: 04.201 Versão nº 3 Sika AnchorFix -1 Cola de endurecimento rápido para ancoragens Descrição do produto Cola para ancoragens em dois componentes,

Leia mais

UM GUIA REVISTO DAS NORMAS EUROPEIAS RELATIVAS A LUVAS EN GUIDE

UM GUIA REVISTO DAS NORMAS EUROPEIAS RELATIVAS A LUVAS EN GUIDE UM GUIA REVISTO DAS NORMAS EUROPEIAS RELATIVAS A LUVAS EN GUIDE ÍNDICE Um maior empenho perante a Saúde e a Segurança 4 Cumprimento da directiva referente aos EPI 6 Luvas de desenho simples - apenas para

Leia mais

ESTUDO DE CASO: ANÁLISE DE PATOLOGIAS GENERALIZADAS CONSTATADAS EM REVESTIMENTOS DE ALTO DESEMPENHO (RAD)! RESUMO ABSTRACT

ESTUDO DE CASO: ANÁLISE DE PATOLOGIAS GENERALIZADAS CONSTATADAS EM REVESTIMENTOS DE ALTO DESEMPENHO (RAD)! RESUMO ABSTRACT ESTUDO DE CASO: ANÁLISE DE PATOLOGIAS GENERALIZADAS CONSTATADAS EM REVESTIMENTOS DE ALTO DESEMPENHO (RAD)! André Bernardo Eisinger (1), Maryangela Geimba de Lima (2) (1) Mestrando pela Divisão de Eng.

Leia mais

S E R A L E M A L A M E L A R E S

S E R A L E M A L A M E L A R E S LAMELARES DECANTADORES COM MÓDULOS LAMELARES PARA SEDIMENTAÇÃO ACELARADA Introdução: PROCESSO DE MANUTENÇÃO Os módulos lamelares de PVC, PP, ou outros materiais termoplásticos concebidos de forma hexagonal

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

DIAGNÓSTICO, ENSAIOS PARA DIAGNÓSTICO E TIPOS DE INTERVENÇÃO. Prof. Bernardo F Tutikian

DIAGNÓSTICO, ENSAIOS PARA DIAGNÓSTICO E TIPOS DE INTERVENÇÃO. Prof. Bernardo F Tutikian DIAGNÓSTICO, ENSAIOS PARA DIAGNÓSTICO E TIPOS DE INTERVENÇÃO Prof. Bernardo F Tutikian Desempenho das Construções Problemas patológicos Quando uma edificação fica doente, ou apresenta algum problema em

Leia mais

PISCINAS PÚBLICAS R.P. INDUSTRIES

PISCINAS PÚBLICAS R.P. INDUSTRIES PISCINAS PÚBLICAS R.P. INDUSTRIES Piscina Pública Esta tecnologia nasceu da ideia e da necessidade de obter uma piscina funcional, fácil de instalar, económica, capaz de dar o máximo de conforto, que respondesse

Leia mais

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA P.B. LOURENÇO Prof. Associado EEUM Guimarães J. BARBOSA LOURENÇO Eng. Civil GPBL, Lda Porto D.V. OLIVEIRA

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Coberturas Inclinadas de Telhado 1 de 10 1.Objectivos 1.1 A presente especificação estabelece as condições técnicas a satisfazer em coberturas inclinadas de telhado LightCob

Leia mais

Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias

Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias Associação Nacional de Fabricantes de Esquadria de Alumínio Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias Enga. Fabiola Rago Beltrame Coordenadora

Leia mais

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESTBARREIRO/IPS

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESTBARREIRO/IPS MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESTBARREIRO/IPS Seminário de Apresentação, 18 de junho 2014 Tópicos Introdução Saídas profissionais Funcionamento Plano de Estudos Calendário Escolar Datas candidaturas Ingresso

Leia mais

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA 8 DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS RELATIVAS A VIGAS PROGRAMA 1.Introdução ao betão armado 2.Bases de Projecto e Acções 3.Propriedades dos materiais: betão e aço 4.Durabilidade 5.Estados limite últimos de resistência

Leia mais