ASSENTAMENTO DE PLACAS DE PORCELANATO DE GRANDE DIMENSÃO SOBRE MEZANINO EM PERFIS DE AÇO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSENTAMENTO DE PLACAS DE PORCELANATO DE GRANDE DIMENSÃO SOBRE MEZANINO EM PERFIS DE AÇO"

Transcrição

1 I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO JULHO 2004, SÃO PAULO. ISBN ASSENTAMENTO DE PLACAS DE PORCELANATO DE GRANDE DIMENSÃO SOBRE MEZANINO EM PERFIS DE AÇO RESUMO Max Junginger(1); (1) Universidade de São Paulo USP, O assentamento de placas de porcelanato de grande dimensão mostra-se como um problema que merece cuidados e tecnologia adequada, seja pelo fato da baixa absorção das placas ou seja pela sua elevada área. Quando as placas são assentadas sobre superfície metálica esbelta, duas variáveis tornam-se preponderantes: aderência e flexibilidade do adesivo. Neste caso, placas de dimensões 45x45 deveriam ser assentadas sobre perfis de aço de elevada esbeltez, com flechas de 8mm em 2m, de modo que um reforço teve que ser adicionado à estrutura. Após o reforço, ensaios com argamassa bicomponente baseada em aditivos acrílicos e adesivos base epóxi apresentaram aderência adequada sobre o aço escovado, mas a pintura anticorrosiva mostrou-se incompatível, sendo o ponto fraco do sistema por ser facilmente arrancada. Assim, devido às irregularidades da base, à falta de planeza e à presença de tinta alquídica, optou-se pela execução de um contra-piso flutuante 1 sobre o que foram assentadas as placas cerâmicas com argamassa AC III bicomponente. Palavras-chave: porcelanato, revestimento cerâmico, argamassa adesiva 1. INTRODUÇÃO AO PROBLEMA A fixação de placas cerâmicas de grande dimensão é sempre uma tarefa delicada, particularmente quando se trata de peças de baixa absorção como os porcelanatos. Neste caso, foi preciso assentar placas de porcelanato nas dimensões 45cmx45cm sobre um piso executado em perfis de aço. Os perfis tipo C, com 5cm de altura e 25cm de largura, estavam apoiados em vigas de aço tipo I com 60cm de altura espaçadas de 2,8m (Figura 1 e Figura 2). 2,8m Viga I Figura 1 Vista inferior do piso do mezanino Figura 2 Vista superior do piso do mezanino 1 Entenda-se aqui por contra-piso flutuante como sendo uma camada de argamassa não necessariamente aderida à base.

2 Durante o manuseio, percebeu-se que os perfis C apresentaram elevadas flechas mesmo para pequenas cargas. Assim, na tentativa de enrijecimento individual, as peças foram soldadas entre si de modo a formar um pano único ligado por pontos de solda (Figura 3). Após a execução dos trabalhos, entretanto, percebeu-se que a soldagem dos perfis pouco contribuiu para o aumento da rigidez do conjunto; então, outra idéia foi o preenchimento de cada uma das peças com concreto ou argamassa (Figura 4). Entretanto, após uma análise mais detalhada, essa solução foi abandonada, pois apenas acrescentaria peso aos perfis, dificultaria seu manuseio e pouco contribuiria para a diminuição da flecha, uma vez que o aumento da inércia do conjunto seria pequeno por causa da pequena altura (5cm) dos perfis. Além disso, a estrutura já estava montada e sua desmontagem para grauteamento das peças e posterior remontagem oneraria sobremaneira a mão-de-obra e comprometeria o cronograma da obra. Ponto de solda Figura 3 Perfis soldados, ocos Figura 4 Perfis soldados, grauteados Avaliadas as considerações acima e após a montagem completa da estrutura, percebeu-se que: 1. havia problemas de planicidade da base como um todo, pois nem todos os pontos de apoio sobre as vigas suporte estavam em cotas iguais, fato constatado nas duas direções perpendiculares do plano (Figura 5); 2. havia problemas de irregularidade superficial, dados pelos pontos de solda formando pequenos ressaltos de 4-6mm, o que impediria o assentamento em camada de pequena espessura a menos que fossem adequadamente removidos (Figura 6); 3. havia dúvidas sobre a qualidade do tratamento anticorrosivo existente nos perfis bem como sobre a aderência da argamassa sobre tal tipo de pintura; 4. com a presença de pedestres sobre o piso, foram evidenciadas flechas acentuadas e pouca rigidez dos perfis, o que poderia prejudicar o desempenho do revestimento. Além disso, a sensação psicológica de insegurança era demasiadamente perceptível. Uma vez que o local destinava-se a show room e sala de treinamento, a circulação de pessoas seria grande e a vibração da base precisava ser eliminada ou reduzida drasticamente. Figura 5 Desnivelamento numa régua de 2m Figura 6 Solda: irregularidade superficial

3 Levando em consideração os aspectos mencionados, optou-se pela execução de um contra-piso de argamassa sobre a base de aço, o que eliminaria as dúvidas dos itens um a três e diminuiria o problema descrito no item quatro. 2. SOLUÇÃO DO PROBLEMA 2.1. Ajuste das condições da base Mesmo após estar decidida a execução de um contra-piso, pôde-se deduzir que uma camada de argamassa de 3-4cm de espessura poderia contribuir para aumentar a estabilidade do conjunto, mas não resolveria o problema de flecha excessiva da base. Desta forma, optou-se por enrijecê-la por meio da diminuição do vão entre apoios, tarefa executada com ajuda de duas estroncas que dividiram o vão em três partes iguais (Figura 7 e Figura 8), o que proporcionou uma redução 2 teórica da flecha proporcional a 3 4. Figura 7 Base original, com vão de 2,8m Figura 8 Diminuição do vão da base para 0,9m Uma vez que não houve necessidade de preocupação com aderência entre o contra-piso e a base de aço, a argamassa foi aplicada diretamente sobre os perfis, sem qualquer tipo de ponte de aderência (Figura 9). A base original, nas dimensões aproximadas de 15x12m, foi dividida em quatro painéis de 7,5x6m, sendo que cada um deles recebeu um reforço em tela tipo galinheiro com malha hexagonal de 2,5cm e fio de diâmetro 0,7mm (Figura 10). Figura 9 Execução do contra-piso Figura 10 Tela de reforço na argamassa 2 A flecha máxima teórica de um vão bi-apoiado é dada por 5ql 4 /384EI, onde q é a carga distribuída.

4 Justamente pelo fato de não haver aderência entre o contra-piso e a base de aço, houve uma preocupação com a espessura mínima da camada de argamassa, evitando problemas com panos de pequena rigidez. Como essa camada não estava prevista, havia limitações de pé direito e concordância em nível com regiões adjacentes, de modo que em alguns locais a espessura ficou abaixo dos 4cm recomendados como mínimos. A argamassa utilizada foi do tipo industrializada, específica para contra-piso; a mistura foi feita com auxílio de misturador mecânico de eixo horizontal e o teor de água proporcionou a formação de uma massa tipo farofa, compactada com um socador de madeira. Após pouco mais de sete dias de cura, as placas foram assentadas. Uma vez que uma base em perfis de aço apresenta comportamento mecânico diferenciado em relação a um contra-piso de argamassa, no encontro com as paredes foi providenciado um pequeno vão livre (aproximadamente 1,5cm) com a função de junta de extremidade (Figura 11 e Figura 12), permitindo que esses dois materiais apresentem variações dimensionais sem prejuízo ao desempenho do revestimento por acúmulo de tensões. Figura 11 Juntas de extremidade (isopor) Figura 12 Junta de extremidade e instalações A divisão do contra-piso em panos independentes foi feita por meio da soldagem de barras de aço diretamente sobre os perfis C, como ilustrado na Figura 13. Essas barras ficaram confinadas abaixo das placas cerâmicas, uma vez que o uso do local não exigiu proteção mecânica da junta (a Figura 14 ilustra um exemplo típico de junta de dilatação com proteção mecânica das bordas das placas). Também, a soldagem das barras rígidas aos perfis do substrato limita a movimentação da junta, o que indica uma solução conceitualmente equivocada; entretanto, ela foi adotada por uma questão de facilidade de execução e por se tratar de um ambiente interno e ausência de variações térmicas acentuadas. Barras de aço soldadas à base Junta a ser preenchida com elastômero Porcelanato Contra-piso Figura 13 Junta de dilatação definindo os panos de contra-piso

5 Junta a ser preenchida com elastômero Porcelanato Contra-piso Figura 14 Junta de dilatação com proteção mecânica 2.2. Seleção da argamassa de assentamento Antes de se decidir pela execução do contra-piso, havia a dúvida sobre qual tipo de argamassa deveria ser utilizada para assentar placas de porcelanato diretamente sobre perfis de aço. Além de aspectos de flexibilidade, uma grande preocupação era o desempenho do adesivo em termos de resistência de aderência sobre o zarcão e deste sobre a base. Por estes motivos, dois tipos de argamassa adesiva estavam em pauta: uma do tipo epóxi (AE) e outra cimentícia aditivada com resina acrílica (AC), ambas bicomponentes, de desempenho comprovado em termos de aderência sobre substratos de argamassa. Então, foram feitos ensaios de arrancamento de pastilhas de porcelanato assentadas sobre uma parte dos perfis de aço, o que daria informações confiáveis a respeito da aderência sobre zarcão. O preparo desse pedaço de perfil deu-se da seguinte forma: a) remoção completa do zarcão; b) lixamento e c) escovamento mecânico com escova de aço acoplada em furadeira. Uma parte do perfil foi utilizada neste estágio, simulando assentamento sobre metal branco, e outra parte foi tratada com duas demãos do mesmo zarcão previamente existente. Imediatamente após a última demão, metade desta área foi polvilhada com areia seca média, objetivando aumentar a extensão de aderência das argamassas de assentamento. A Figura 15 apresenta um resumo dos ensaios realizados. Metal branco Zarcão Zarcão + areia Argamassa epóxi (AE) Argamassa cimentícia acrílica (AC) Perfil de aço Figura 15 Esboço resumo dos tipos de preparo da base A Figura 16 mostra o ensaio de arrancamento (NBR 14084, 1998) da AE sobre metal branco e a Figura 17 este mesmo ensaio com AC. Em ambos os casos, existiram três posições possíveis de ruptura: interface placa/argamassa, corpo da argamassa e interface argamassa/perfil de aço. Em todos os corpos-de-prova, a ruptura se deu na interface com o perfil de aço, o que demonstra resistência inferior quando comparada com a coesão interna da argamassa e com a aderência na placa de porcelanato. No caso da AC (Figura 17), os restos de argamassa aderidos no perfil foram maiores do que aqueles deixados pela AE, mas ainda assim a ruptura se deu 100% na interface argamassa/perfil de aço.

6 Figura 16 AE sobre metal branco Figura 17 AC sobre metal branco No caso de assentamento sobre o perfil tratado com zarcão, a Figura 18 mostra as duas argamassas aplicadas, parte sobre base com duas demãos de zarcão e parte sobre base com zarcão polvilhado com areia. A Figura 19 mostra o tipo de ruptura da AE, na interface zarcão/perfil. Embora a região de aderência tenha sido delimitada com uma espátula a um quadrado 5x5cm enquanto a argamassa estava fresca, alguns CP s apresentaram escorrimento da argamassa e aumento da região aderida (Figura 19), o que pode significar uma pequena redução nos valores de aderência mostrados na Tabela 1. Figura 18 AE e AC sobre zarcão e zarcão c/ areia Figura 19 AE sobre zarcão No último caso, a AC teve um tempo de cura de 28 dias, mesmo sendo bicomponente. A ruptura dos CP s é mostrada na Figura 20 (assentamento sobre zarcão) e na Figura 21 (assentamento sobre zarcão polvilhado com areia). Fica evidente pelas figuras que o zarcão foi arrancado da base, não resistindo à ação conjunta da umidade e do PH elevado da argamassa cimentícia, o que explica os baixos valores de aderência encontrados. Tintas do tipo zarcão são formuladas para proteger perfis metálicos que receberão acabamento com tinta alquídica/base óleo e não para proteção anti-corrosiva de armaduras/metais imersos em meios de PH elevado como as argamassas. Ao final dos ensaios foi montada a Tabela 1, que mostra a quantidade de copos-de-prova executados sobre cada tipo de preparo da base, os valores de aderência encontrados e o tipo de ruptura. Pela análise dos dados, percebe-se que o ponto crítico de todos os CP s ensaiados foi a interface zarcão/base de aço, sendo obtidos ótimos resultados de aderência em todos os casos, exceto na AC

7 sobre zarcão e sobre zarcão com areia. Também, o comportamento da AC mostrou-se menos homogêneo que a AE, uma vez que o coeficiente de variação (CV 3 ) atingiu valores elevados. Figura 20 AC sobre zarcão Figura 21 AC sobre zarcão c/ areia Tabela 1. Ensaios de resistência de aderência sobre perfil de aço Resistência de aderência (MPa) (N o de ensaios) Local de ruptura Preparo da base Argamassa epóxi (AE) Argamassa cimentícia com aditivo acrílico (AC) Metal branco Zarcão Zarcão com areia 1,22 (CV = 14%) (6) epóxi/aço 0,74 (CV = 6%) (3) zarcão/aço 0,82 (CV = 5%) (3) zarcão/aço 0,82 (CV = 36%) (6) argamassa/aço 0,17 (CV = 87%) (3) zarcão/aço 0,08 (CV = 36%) (3) zarcão/aço Com relação à flexibilidade das argamassas, um tipo de ensaio é descrito pela norma européia EN (EN, 1997). Trata-se de um ensaio de deformação transversal (aqui tratada como flexibilidade), que consiste em submeter à flexão uma placa de argamassa com dimensões de 280x45x3mm até sua ruptura, sendo a carga aplicada na parte central do CP apoiado sobre roletes, como ilustrado na Figura 22. O ensaio de uma amostra da AC é mostrado na Figura 23. Tanto a AE como a AC apresentaram valores de deformação em torno de 7-8mm, com a diferença de que a carga necessária para provocar a mesma flecha foi aproximadamente 500% superior na AE, o que indica um módulo de deformação superior, ou seja, maiores tensões para as mesmas deformações. Durante a execução dos ensaios já descritos, o cronograma da obra exigiu sua continuidade e as recomendações para o assentamento das placas foram: utilizar a argamassa cimentícia bicomponente, aplicando-a em dupla colagem com desempenadeira denteada com dentes quadrados de 8mm. A dupla colagem consiste em aplicar argamassa não apenas na base, mas também no tardoz das placas cerâmicas, de forma a garantir com maior grau de certeza que grande parte da placa estará aderida à base. Para placas de grande dimensão, a dupla colagem proporciona a formação de uma camada mais espessa de argamassa adesiva, o que auxilia na compensação de pequenos empenamentos que poderiam provocar pontos ocos e sem aderência com a base. 3 Coeficiente de variação: cociente entre o desvio padrão e a média. CV = σ/µ.

8 Eixo do medidor de deslocamento Cutelo de aplicação da carga Forma do CP antes da aplicação da carga Rolete de apoio CP sob flexão Figura 22. Esboço do ensaio de flexibilidade (deformação transversal) Figura 23. Ensaio de deformação transversal da AC 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Embora existam diversos produtos adequados para assentamento de placas cerâmicas, a simples análise individual do desempenho da argamassa pode levar a resultados insatisfatórios. A compreensão do comportamento conjunto de todas as camadas do revestimento cerâmico é uma necessidade e pode definir a qualidade final do produto aplicado. É preciso entender que o emboço também faz parte do revestimento cerâmico e deve ser devidamente projetado como tal. Ademais, o assentamento em camada fina pressupõe condições mínimas de preparo da base, pois, por melhor que seja o desempenho da argamassa adesiva, sempre haverá a necessidade de um substrato estável, plano e quimicamente compatível com o revestimento. Uma das grandes dificuldades existentes é relacionar o valor numérico do resultado do ensaio de flexibilidade com as necessidades de cada tipo de aplicação. Ou, dito de outra forma, qual deve ser o valor da deformação transversal de uma argamassa que será utilizada no revestimento cerâmico da fachada de uma torre de 18 pavimentos?

9 Indagações desse tipo não apresentam resposta única, mesmo porque dependem de uma série de fatores, como por exemplo: condições climáticas; tipo e comportamento da base; tipo de cerâmica, comportamento global do edifício, presença de juntas de dilatação etc. Sabe-se, entretanto, que argamassas bicomponentes apresentam potencial de aderência e capacidade de absorção de deformações nitidamente superiores aos das argamassas monocomponentes tipo AC II 4, com deformação transversal em torno de 1 a 2mm. Na própria especificação exibida na NBR (ABNT, 1998), a resistência de aderência de argamassas tipo AC II têm limite inferior de 0,5MPa (5kgf/cm 2 ) enquanto as do tipo AC III têm limite inferior de 1,0MPa (10kgf/cm 2 ). No caso em questão, argamassas do tipo epóxi e cimentícias aditivadas com resina acrílica apresentam resistência de aderência típica em torno de 1,2MPa quando o ensaio é executado sobre substrato padrão, como pode ser observado em JUNGINGER (2003). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). Argamassa colante industrializada para assentamento de placas de cerâmica - especificação - NBR Rio de Janeiro, Argamassa colante industrializada para assentamento de placas de cerâmica - determinação da resistência de aderência NBR Rio de Janeiro, EUROPEAN STANDARD. Adhesives for tiles determination of transverse deformation for cementitious adhesives and grouts EN Brussels, JUNGINGER, M. Rejuntamento de revestimentos cerâmicos: influência das juntas de assentamento na estabilidade de painéis p. Dissertação (Mestrado) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. São Paulo, A classificação das argamassas adesivas é exposta na NBR (ABNT, 1998).

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TEMA Ensaio de aderência de revestimentos de argamassa, gesso e cerâmica. OBJETIVO Analisar o grau de aderência dos revestimentos utilizados, em relação à norma técnica

Leia mais

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm 01 DESCRIÇÃO: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade, ideal para assentamento de revestimentos cerâmicos, porcelanatos, pedras rústicas em áreas internas e externas em pisos e paredes; Aplicação

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

Encontro e Exposição Brasileira de tratamento de superficie III INTERFINISH Latino Americano

Encontro e Exposição Brasileira de tratamento de superficie III INTERFINISH Latino Americano Medidas de Aderência pelo Método Pull-Off Aspectos Práticos Não Abordados em Norma Rodolpho C. D.Pereira, Jeferson Leite Oliveira, Walter Andrade de Souza, Bruno Pacheco Silva, Isabel Cristina P. Margarit

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1)

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1) AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1) (1) Responsável Técnico da Citimat Impermeabilizantes Ltda. Citimat Impermeabilizantes

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Argamassa colante para assentamento de porcelanato em fachadas externas ARGAMASSA COLANTE PARA ASSENTAMENTO DE PORCELANATO EM FACHADAS EXTERNAS

Argamassa colante para assentamento de porcelanato em fachadas externas ARGAMASSA COLANTE PARA ASSENTAMENTO DE PORCELANATO EM FACHADAS EXTERNAS ARGAMASSA COLANTE PARA ASSENTAMENTO DE PORCELANATO EM FACHADAS EXTERNAS OBJETIVO: Desenvolver argamassa à base cimentícia para fixação de placas cerâmicas (porcelanato) e granitos em fachadas externas.

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES Este capítulo mostra e descreve o molde metálico e a estrutura de protensão, utilizados para a fabricação dos protótipos do dormente. Também apresenta os procedimentos

Leia mais

porcelanato interno ficha técnica do produto

porcelanato interno ficha técnica do produto 01 DESCRIÇÃO: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos e s em áreas internas. 02 CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA:

Leia mais

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO DE FACHADA DE ARGAMASSA P R O M O Ç Ã O Início dos Serviços Alvenarias concluídas há 30 dias e fixadas internamente há 15 dias Estrutura concluída há 120 dias Contra marcos chumbados

Leia mais

Manual de Assentamento. Produtos 5x40,5 e 6,5x23

Manual de Assentamento. Produtos 5x40,5 e 6,5x23 Manual de Assentamento Produtos 5x40,5 e 6,5x23 Índice 01. Produtos... 03 02. Projeto... 03 03. Recebimento e Armazenamento... 04 04. Inspeção Visual... 05 05. Conferências no Local de Instalação... 05

Leia mais

Assentar pisos e azulejos em áreas internas.

Assentar pisos e azulejos em áreas internas. CAMPO DE APLICAÇÃO Direto sobre alvenaria de blocos bem acabados, contrapiso ou emboço desempenado e seco, isento de graxa, poeira e areia solta, para não comprometer a aderência do produto. Indicado apenas

Leia mais

O mundo da construção civil está em constante evolução. Nosso compromisso não é apenas acompanhar esse ritmo, mas estar à frente dele, antecipando

O mundo da construção civil está em constante evolução. Nosso compromisso não é apenas acompanhar esse ritmo, mas estar à frente dele, antecipando O mundo da construção civil está em constante evolução. Nosso compromisso não é apenas acompanhar esse ritmo, mas estar à frente dele, antecipando necessidades e soluções. Foi exatamente por pensar assim

Leia mais

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos Instruções de Instalação Pisos Vinílicos LinhadePisosLaminadosemPVC 2,3mmeClick Recomendações e Responsabilidades Os serviços de colocação devem ser repassados a profissionais instaladores de pisos com

Leia mais

Soluções Recomendadas

Soluções Recomendadas Cement Wood Board Soluções Recomendadas Fachadas Fichas de Aplicação Fachadas Ventiladas Sistema de s Fachadas Aplicação: Exterior Estrutura de suporte: Madeira ou metal Fixação: s de cabeça externa Espessura:

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

Como ocorrem e como evitar patologias em pisos de concreto? Veja as recomendações para escolha de materiais e reparo de falhas mais comuns

Como ocorrem e como evitar patologias em pisos de concreto? Veja as recomendações para escolha de materiais e reparo de falhas mais comuns Piso novo Como ocorrem e como evitar patologias em pisos de concreto? Veja as recomendações para escolha de materiais e reparo de falhas mais comuns Método "extremo" de recuperação, o overlay é praticamente

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1 DESCRIÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1 DESCRIÇÃO Página 1 de 9 MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Reforma na Unidade Sanitária Sede de Guarujá do Sul PROPRIETÁRIO: LOCAL: Rua Governador Jorge Lacerda, 448, Centro, Guarujá do Sul (SC) ÁREA TOTAL DA EDIFICAÇÃO:

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

Manual Técnico de Coberturas Metálicas

Manual Técnico de Coberturas Metálicas Manual Técnico de Coberturas Metálicas Coberturas Metálicas Nas últimas décadas, as telhas produzidas a partir de bobinas de aço zincado, revolucionaram de maneira fundamental, a construção civil no Brasil,

Leia mais

Recomendações para a instalação de pisos norament

Recomendações para a instalação de pisos norament Recomendações para a instalação de pisos norament Orientações / Aspectos Gerais Durante o trabalho com adesivos e materiais auxiliares devem ser observadas as instruções do fabricante do adesivo e as instruções

Leia mais

cerâmica externa ficha técnica do produto

cerâmica externa ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas internas e s. 02 Classificação técnica: ANTES Colante

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topeca glass block argamassa para

Leia mais

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

DuPont Surfaces SUPERFÍCIES SÓLIDAS DUPONT CORIAN INSTALAÇÃO DE SUPERFÍCIES EM INTERIOES DE AMBIENTES COMERCIAIS BOLETIM TÉCNICO INTRODUÇÃO

DuPont Surfaces SUPERFÍCIES SÓLIDAS DUPONT CORIAN INSTALAÇÃO DE SUPERFÍCIES EM INTERIOES DE AMBIENTES COMERCIAIS BOLETIM TÉCNICO INTRODUÇÃO DuPont Surfaces SUPERFÍCIES SÓLIDAS DUPONT CORIAN INSTALAÇÃO DE SUPERFÍCIES EM INTERIOES BOLETIM TÉCNICO SUMÁRIO PÁGINA SEÇÃO 3 A. Adesivo de silicone 4 B. Limites da extensão das paredes INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) MARCELO BRAGA PEREIRA (2) (1) Professora Mestre do UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduando em Engenharia

Leia mais

Fachadas Fichas de Aplicação

Fachadas Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação Ventiladas - Sistema de s Ventiladas - Viroclin Ventiladas - Virocnail Ventiladas - Sistema Misto Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads.

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001 1. Descrição: A é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento e sobreposição de pisos, azulejos e pastilhas. O principal

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Soluções para Construção Fortaleza Março - 2015 SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Assentar e rejuntar Sobrepor Revestir Renovar QUALIDADE, CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO sempre foram as forças que

Leia mais

Revestimento com. Aluno(s): Angélica Silva Ra: 090893 Cristina Candido Ra: 079802 Tina Aguiar Ra: 088146. Universidade Santa Cecília Santos / SP

Revestimento com. Aluno(s): Angélica Silva Ra: 090893 Cristina Candido Ra: 079802 Tina Aguiar Ra: 088146. Universidade Santa Cecília Santos / SP Revestimento com Pastilhas Aluno(s): Angélica Silva Ra: 090893 Cristina Candido Ra: 079802 Tina Aguiar Ra: 088146 2014 Santos / SP 1 Pastilhas Características Básicas Dimensões reduzidas (2,5 a 5,0cm);

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 540 / 13

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 540 / 13 Folha 1/6 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Saint-Gobain do Brasil Produtos Ind. e para Construção Ltda. Pedido n º 103/13 Divisão Weber Quartzolit Endereço:

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria (RS) CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br 1/5

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2).

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)thiago.guolo@outlook.com (2)marciovito@unesc.net

Leia mais

PISO ELEVADO EXTERNO REMASTER COMPARATIVO CONCORRÊNCIA

PISO ELEVADO EXTERNO REMASTER COMPARATIVO CONCORRÊNCIA TECNOLOGIA QUE DEIXA VOCÊ LIVRE PARA CRIAR E SE DESENVOLVER THINK SUSTAINABLE PISO ELEVADO EXTERNO REMASTER PISO PARA ÁREAS EXTERNAS DE CIRCULAÇÃO As placas intertravam-se entre si, garantindo perfeita

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO CCC/157.153/08 ARGAMASSA COLANTE ENSAIOS DIVERSOS

RELATÓRIO DE ENSAIO CCC/157.153/08 ARGAMASSA COLANTE ENSAIOS DIVERSOS Página: 1/8 RELATÓRIO DE ENSAIO CCC/157.153/08 ARGAMASSA COLANTE ENSAIOS DIVERSOS INTERESSADO: COLAFIX INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. Rua Papa João XXIII, 780 Centro 94910-170 Cachoeirinha RS Ref.: (43.188)

Leia mais

23/05/2014. Professor

23/05/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Alvenarias Área de Construção Civil Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Elementos

Leia mais

ESTUDO DA RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA DE ARGAMASSA COLANTE EXPOSTA A CICLOS HIGROTÉRMICOS

ESTUDO DA RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA DE ARGAMASSA COLANTE EXPOSTA A CICLOS HIGROTÉRMICOS ESTUDO DA RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA DE ARGAMASSA COLANTE EXPOSTA A CICLOS HIGROTÉRMICOS RESUMO Samira Lunardi (1), Fernando Pelisser (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)samira@ceusa.com.br,

Leia mais

ÚNICA COMO SEU TALENTO. catálogo técnico

ÚNICA COMO SEU TALENTO. catálogo técnico ÚNICA COMO SEU TALENTO catálogo técnico ÚNICA COMO SEU TALENTO Para projetos únicos, conte sempre com a performance superior da Linha Gold. A Linha Gold é única, na versatilidade, variedade e qualidade

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442 1 SELOFLEX R Primeira linha em impermeabilizante acrílico BOLETIM TÉCNICO Como qualquer tipo de impermeabilização flexível, a estrutura deverá estar seca, mínimo de 7 dias após a regularização, limpa de

Leia mais

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO Válida a partir de: 28.02.2008 Esta Norma fixa as condições mínimas de resistência e segurança exigíveis para guarda-corpos de edificações para uso privativo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ARMADURA PARA CONCRETO PROTENDIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-18/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

Sistemas Estruturais para Mezaninos

Sistemas Estruturais para Mezaninos Sistemas Estruturais para Mezaninos Concepção Estrutural Alexandre Landesmann FAU-UFRJ UFRJ AMA & PIN Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ 27/03/2007 1 Funções... Suportar e conduzir as ações a verticais

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/100/imprime31592.asp

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/100/imprime31592.asp 1 de 11 01/11/2010 22:14 Juntas em drywall O termo drywall é aqui adotado para designar genericamente sistemas construtivos de paredes internas não-estruturais constituídas de chapas de gesso acartonado

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PREÇOS E SUBGRUPO: 48.01.00 SERVIÇOS PRELIMINARES 48.01.01 Andaimes tubulares m 3 x mes Fornecimento, montagem e desmontagem de andaime tubular de base quadrada, como também a plataforma de serviços

Leia mais

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

Ralos lineares. Características do ralo linear de parede

Ralos lineares. Características do ralo linear de parede Ficha técnica Ralos lineares O ralo linear da butech é um ralo para bases de duche construídas, com saída horizontal. Caracteriza-se por um bandeja amplo em torno da grelha, o que facilita a ligação à

Leia mais

Manual de Colagem Silicone Glazing

Manual de Colagem Silicone Glazing Sumário Sumário... 2 1. Introdução... 3 2. Tipos de Selante Estrutural... 3 2.1. Selante estrutural monocomponente... 3 2.2. Selante estrutural bi componente... 3 3. Antes de Começar a Colar... 4 4. Procedimento

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS PARA RESULTADOS PREMIUM, PORTOKOLL PREMIUM! PortoKoll Premium. Uma linha completa. Cada um dos produtos foi desenvolvido especialmente para uma determinada aplicação, oferecendo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

PONTES. depapel ORIENTAÇÕES COMPETIÇÃO DE PONTES DE PAPEL

PONTES. depapel ORIENTAÇÕES COMPETIÇÃO DE PONTES DE PAPEL COMPETIÇÃO DE PONTES depapel ORIENTAÇÕES COMPETIÇÃO DE PONTES DE PAPEL SUMÁRIO Introdução... 2 O projeto... 3 Especificações e critérios de avaliação... 5 Dados de resistência do papel... 8 Materiais e

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall.

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. ANEXO 01 Sala MEV DW DW B B Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. 1 Figura 2 Detalhes das portas em drywall. A porta P11, destinada a acesso à

Leia mais

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 1 Produtos Devcon Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 2 Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo Prefácio 3 Preparação da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇADOR SECRETARIA MUNICPAL DE EDUCAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇADOR SECRETARIA MUNICPAL DE EDUCAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: REFORMA DA ESCOLA ALCIDES TOMBINI LOCALIZAÇÃO: Rua Augusto Driessen Bairro: Sorgatto 1. DEMOLIÇÕES Todas as paredes internas dos banheiros deverão ser demolidas. Todo o revestimento

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis CONCEITO O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis estruturais capazes de resistir às cargas verticais (telhados e pavimentos), perpendiculares

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: controle tecnológico; ensaio de arrancamento; equipamento de baixo custo e acessível

RESUMO. Palavras-chave: controle tecnológico; ensaio de arrancamento; equipamento de baixo custo e acessível POPULARIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DO CONCRETO ATRAVÉS DA CRIAÇÃO DE UM EQUIPAMENTO DE BAIXO CUSTO E ACESSÍVEL PARA DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO Thiago Dias de Araújo e Silva /IFTO /Thiagod.a.s@terra.com.br

Leia mais

Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão

Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão Memorial Descritivo Outubro de 2014 Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão GALPÃO EM AÇO ESTRUTURAL ATERRO SANITÁRIO MUNICIPAL DE CATALÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: RAFAEL FONSECA MACHADO CREA: 18702

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS Turíbio J. da Silva (1); Dogmar A. de Souza Junior (2); João F. Dias (3); Gercindo Ferreira (4)

Leia mais

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES Capítulo 6 SOLOS REFORÇADOS - EXECUÇÃO 6. Solo reforçado Com o aumento das alturas de escavação, os custos com estruturas de contenção tradicionais de concreto aumentam consideravelmente. Assim, as soluções

Leia mais

epotech aqua Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

epotech aqua Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica epotech aqua epotech aqua é uma nova linha de massas de base epoxídica para a selagem de juntas em ladrilhos cerâmicos. Massa bicomponente isenta de solventes orgânicos, caracteriza-se pela

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topeca floor OUT Pág. 2 incolor ou

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso CONTRAPISO 1 camada (s) de argamassa (s) que pode ser aplicada sobre a laje ou lastro de concreto, sobre camada de impermeabilização* ou sobre camada de isolamento térmico/acústico* (* na maioria das vezes

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

kit imperband standard

kit imperband standard Ficha técnica kit imperband standard O kit imperband standard é um sistema de impermeabilização de interiores formado por um ralo de ABS termossoldado a uma membrana impermeável de 150 x 225 cm. Especialmente

Leia mais

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 ESCORAMENTO PÁGINA 1/16 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 05 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 0501 ESCORAMENTO DE MADEIRA... 3 0502

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

COMPRASNET - O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO

COMPRASNET - O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO COMPRASNET O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO Página 1 de 8 PODER LEGISLATIVO Senado Federal Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00086/2014 (SRP) Às 20:06 horas do dia 14 de outubro de 2014, após constatada

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 036

Norma Técnica Interna SABESP NTS 036 Norma Técnica Interna SABESP NTS 036 Qualificação de produtos e materiais para revestimento Procedimento São Paulo Outubro: 2014 Revisão 1 NTS 036: 2014 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS Luciana Leone Maciel Mércia M. S. Bottura Barros Fernando Henrique Sabbatini São Paulo,

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA LOCAL: PONTE DOS CÓRREGOS. OBJETIVO: O Objetivo principal deste Memorial é demonstrar e descrever todas e quaisquer informações

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência Por: Regina Helena Ferreira de Souza Professora Dra., Titular de Estruturas, Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

Conheça nossa empresa

Conheça nossa empresa Conheça nossa empresa Empresa Damaeq Integridade, Vontade de Superar-se, Satisfação do Cliente. MODELO PANDA 2015 Novo coletor compactador modelo PANDA 2015, com capacidade para 15m³ ou 19m³ de lixo compactado.

Leia mais

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos 1 Prefácio Este é o primeiro manual de projeto de sistemas drywall publicado no Brasil um trabalho aguardado por arquitetos, engenheiros,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DO ESTACIONAMENTO CÂMPUS RESTINGA

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DO ESTACIONAMENTO CÂMPUS RESTINGA MEC/SETEC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E DE PLANEJAMENTO DPO - REITORIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DO ESTACIONAMENTO

Leia mais

1 Introdução. 2 Material

1 Introdução. 2 Material TUTORIAL Criação de Engrenagens em Acrílico Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 18/01/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal PREGÃO ELETRÔNICO 153/2009 PROCESSO 336.637 Trata-se de pedidos de esclarecimentos encaminhados pelas empresas AURUS Comercial e Distribuidora Ltda., HUFFIX do Brasil Ambientes Empresariais e TELOS S/A

Leia mais

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS Bastidores das Torres Rolantes Disponíveis em 2 larguras (0,75 e 1,35 m) de 4 degraus (1 m) e 7 degraus (2 m) Os degraus possuem uma superfície estriada antideslizante e a distância entre degraus é de

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais