MANUAL DE ÉTICA E SEGURANÇA FEIRA DE INOVAÇÃO DAS CIÊNCIAS E ENGENHARIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE ÉTICA E SEGURANÇA FEIRA DE INOVAÇÃO DAS CIÊNCIAS E ENGENHARIAS"

Transcrição

1 MANUAL DE ÉTICA E SEGURANÇA FEIRA DE INOVAÇÃO DAS CIÊNCIAS E ENGENHARIAS

2 MANUAL DE ÉTICA E SEGURANÇA Índice 1.Segurança na Feira 2.Ética, Conduta e Compromisso 3.Regras Gerais de Segurança em Laboratório Químico 4.Regras Gerais de Segurança com Materiais Biológicos O não cumprimento dos itens 1 e 2 deste manual pode gerar a desclassificação do(s) estudante(s) e seu grupo de trabalho da FICIENCIAS. 1.0 REGRAS DE SEGURANÇA NA FEIRA Os finalistas da FICIENCIAS deverão seguir as regras quanto ao uso do espaço, observando a proibição para os seguintes itens: I. Animais vertebrados ou invertebrados, vivos ou mortos, mesmo que conservados através de taxidermia ou outras técnicas. II. Plantas, considerando quaisquer de suas partes, mesmo que mortas ou preservadas, que estejam em seu estado bruto, não processadas ou manufaturadas; III. Acionamento de equipamentos de alta voltagem e/ou alta amperagem; IV. Acionamento de motores a combustão; V. Substâncias ou equipamentos perigosos (por exemplo: venenos, drogas, materiais inflamáveis, material bélico); VI. Solventes orgânicos, ácidos e bases periculosos em recipientes abertos; VII. Alimentos para humanos ou para animais derivados da pesquisa para degustação dos participantes VIII. Distribuição ou manipulação de quaisquer tipos de produtos; IX. Partes ou fluidos de corpos humanos ou de animais (ex. Sangue, urina, dentes, unhas, cabelos, ossos secos de animais, lâminas de material histológico seco e lâminas mesmo que completamente lacradas de material úmido); X. Objetos pontiagudos (ex. seringas, agulhas, facas, estiletes, entre outros); XI. Certificados de premiações, medalhas, cartões de negócios, propagandas de produtos, empresas ou pessoas; XII. Acionamento de qualquer mecanismo com correias, roldanas, correntes, ou peças móveis com pontos de tensão ou que possam oferecer riscos. XIII. Acionamento de qualquer aparato que produza temperaturas que possam causar

3 queimaduras ou liberar gases. 1.1 Serão Permitidos nos estandes, desde que respeitadas restrições: Endereços postais, endereços www, , números de telefone dos finalistas apenas; Fotos ou vídeos dos finalistas (sem ou com familiares), fotos tiradas pelos finalistas no desenvolvimento do projeto e fotos com respectivos créditos (de revistas, jornais, etc.), desde que não possam ser consideradas ofensivas; Lasers pointer vermelho apenas para fins de apontamento durante apresentação. Disposições Gerais: O descumprimento de quaisquer normas previstas neste documento poderá implicar na desclassificação do trabalho de pesquisa. Casos omissos serão analisados pelo comitê acadêmico da FICIENCIAS. 2.0 ÉTICA, CONDUTA E COMPROMISSO 2.1 Informações Pessoais: Os finalistas da FICIENCIAS deverão informar imediatamente sobre mudanças em seus dados pessoais, se é portador de necessidades especiais, bem como, sobre problemas de saúde (alergias, doenças cardiovasculares, respiratórias, etc.), mantendo os responsáveis pela feira, cientes de qualquer impedimento à sua participação ou qualquer situação que possa demandar atendimento médico especial durante o evento. 2.2 Vestimenta: Durante todo o período da feira, os finalistas deverão utilizar roupas adequadas ao espaço da Feira. Geralmente, a temperatura em Foz do Iguaçu para o mês de novembro está em torno dos 30º Celsius. I. Poderá ser utilizada bermuda e shorts desde que não muito curtos. II. Evitar exposição desnecessária como decotes, saias muito curtas, fendas, transparências e roupas com logomarcas políticas; III. Poderá ser utilizado uniforme escolar, jaleco ou camisetas com logomarcas da escola, do projeto realizado, de patrocinadores ou da Feira; IV. Dê preferência por calçados fechados como tênis e sapatos. Evite calçados com salto, pois nem sempre o piso será adequado para eles. 2.3 Comportamento:

4 Cuidar dos materiais e equipamentos da feira; I. Zelar pelo espaço da feira, mantendo-o limpo e conservado; II. Utilizar os materiais recebidos e adquiridos apenas nos respectivos projetos. Caso necessite de outros materiais, estes devem ser solicitados à organização; III. Respeitar os colegas, evitando atritos, discussões ou conflitos durante a feira; IV. Agir com honestidade e não disseminar conversas, diálogos ou comentários feitos pelos colegas, orientadores e colaboradores; V. Cumprir com os horários estipulados; VI. Ser cordial e atencioso com os visitantes e colaboradores, em conformidade com as Leis Federais Brasileiras e do território da Itaipu Binacional; VII. É expressamente proibido qualquer tipo de discriminação (cor, raça, gênero, incapacidade física e mental, idade, condição econômica, religião, estado civil, orientação sexual, nacionalidade, etc) em conformidade com as Leis Federais Brasileiras; VIII. É proibido consumir bebidas alcoólicas e/ou utilizar drogas ilegais no espaço da Itaipu Binacional; IX. É proibido fumar em ambientes fechados, devendo os fumantes procurar as áreas específicas; X. É proibida a venda de mercadorias e de quaisquer produtos, sem que expressa autorização. 2.4 Da propriedade intelectual e direitos autorais: I. Os participantes da feira deverão mencionar todas as fontes consultadas e utilizadas no desenvolvimento do projeto, referenciando-as conforme as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), NBR e Legislação Brasileira dos Direitos Autorais. II. Serão desclassificados todos os trabalhos em que haja indícios comprovados de plágio em seu todo ou em parte, bem como apresentem citações sem mencionar a referência. Serão considerados plágios as cópias totais ou parciais de textos, ideias ou imagens não referenciados. III. Deverão ser respeitados os direitos autorais de todos os integrantes da equipe durante todas as fases de desenvolvimento do trabalho, ficando impedida a exclusão de membros que tenham sido parte integrante da proposta. IV. As imagens utilizadas no projeto deverão ser desenvolvidas pela própria equipe ou, caso sejam utilizadas imagens já publicadas ou produzidas por outros deverá ser mencionada a fonte.

5 2.5 Da Utilização de Animais no Desenvolvimento de Trabalho ou Projeto de Pesquisa I. A utilização de animais vertebrados durante o desenvolvimento de projetos para a FICIENCIAS deve ser restrita a documentação fotográfica ou filmagem. II. A execução de atividades que possibilitem dor, sofrimento, lesão ou morte de animais não poderão ser realizadas sem que haja prévia aprovação por um comitê de ética vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. III. Caso haja a utilização de animais vertebrados ou invertebrados, vivos ou mortos, durante o projeto de pesquisa, previamente aprovados por comitês de ética, estes não poderão ser levados ao estande na FICIENCIAS. O projeto, neste caso, deverá ser documentado por meio de filmes ou fotografias. 2.6 Do envolvimento de seres humanos como sujeitos de projetos de pesquisa I. Não serão aceitos trabalhos que envolvam a administração, consumo ou aplicação de alguma substância a seres humanos ou a utilização de seus tecidos ou fluidos corporais, como por exemplo, sangue. II. Não serão aceitos projetos que envolvam riscos aos seres humanos participantes como: riscos psicológicos de qualquer natureza ou condição que possa levar a um estresse emocional, como por exemplo, perguntas relacionadas a experiências pessoais como abuso sexual, físico, divórcio, depressão, ansiedade, suicídio, etc. Também serão consideradas atividades de risco potencial a apresentação de vídeos com cenas de violência ou estressantes, escritos estressantes ou que possam induzir a sentimentos de depressão, ansiedade ou baixa autoestima dos indivíduos. III. Não serão aceitos trabalhos que envolvam atividades que possam causar potencialmente consequências negativas para a pessoa devido a uma invasão de privacidade ou perda de privacidade. Quando a pesquisa com seres humanos envolver o acesso a dados pessoais ou informações relacionadas a sua saúde, o investigador deve considerar os riscos de exposição e perda da privacidade e apresentar as medidas que serão tomadas para reduzir os riscos como o tratamento de dados anônimos. IV. Em trabalhos que envolvam o ser humano é preciso que seja obtido previamente o consentimento informado. Para a obtenção do consentimento de um ser humano para participar da pesquisa este deve ser esclarecido sobre todos os procedimentos, riscos e benefícios de sua participação. Deverá ter a possibilidade de tomar a decisão antecipada sobre participar ou não após ter sido informado com detalhes sobre o projeto. Deve

6 assinar um termo que conste toda a explicação do projeto, os dados dos pesquisadores e orientadores e a assinatura de todos os envolvidos. 3.0 REGRAS GERAIS DE SEGURANÇA EM UM LABORATÓRIO QUÍMICO Trabalhos ou Projetos de Pesquisa que necessitam utilizar ambientes que oferecem maior risco, como os de laboratórios, é importante a integração dos atos às regras, as normas e a linguagem de segurança do laboratório. As normas e regras de segurança foram elaboradas com base na experiência histórica de quem desenvolve pesquisas laboratoriais. As normas são reconhecidas internacionalmente e possui caráter jurídico, e por mais óbvio que algumas delas possam ser, é uma obrigação a aplicação. Obs: Lembre-se, quem utiliza laboratório para experiências é responsável pela sua segurança e dos demais que utilizam o espaço. Não entre em locais de risco desconhecido; Não permita a entrada de pessoas alheias aos trabalhos do laboratório; Não fume no laboratório; Não se alimente e nem ingira líquidos nos laboratórios; Não armazene substâncias incompatíveis no mesmo local; Não abra qualquer recipiente antes de reconhecer seu conteúdo pelo rótulo; Informe-se sobre os símbolos que nele aparecem (ver referências). Não pipete líquidos diretamente com a boca; use pipetadores adequados; Não tente identificar um produto químico pelo odor nem pelo sabor; Não retorne reagentes aos frascos de origem; Não execute reações desconhecidas em grande escala e sem proteção; Não adicione água aos ácidos, mas sim os ácidos à água; Não dirija a abertura de frascos na sua direção ou na de outros; Não trabalhe de sandálias ou chinelos no laboratório; os pés devem estar protegidos com sapatos fechados; Não abandone seu experimento, sem identificá-lo e encarregar alguém qualificado pelo seu acompanhamento; Não se distraia, durante o trabalho no laboratório, com conversas, jogos ou ouvindo música alta, principalmente com fones de ouvido; Não armazenar produtos químicos próximos a fontes de calor como, por exemplo, autoclaves, fornos e estufas;

7 Solventes químicos não podem ser armazenados próximos a fornos, estufas e locais aquecidos; Conheça o seu local de trabalho; Evite trabalhar sozinho no laboratório; Mantenha os solventes inflamáveis em recipientes adequados e longe de fontes de calor; Utilize a capela sempre que efetuar uma reação ou manipular reagentes que liberem vapores; Conheça o funcionamento dos equipamentos, antes de operá-los; Lubrifique os tubos de vidro, termômetros, etc, antes de inseri-los em rolhas e mangueiras; Conheça as propriedades tóxicas das substâncias químicas antes de empregá-las pela primeira vez no laboratório; Prenda à parede, com correntes ou cintas, os cilindros de gases empregados no laboratório; Certifique-se da correta montagem da aparelhagem antes de iniciar um experimento; Informe sempre seus colegas quando for efetuar uma experiência potencialmente perigosa; Acondicione em recipientes separados do lixo comum e os vidros quebrados e outros materiais perfuro- cortantes; Siga as instruções do manual e do laboratório para descartar substâncias químicas, agentes biológicos, radioativos, resíduos e o lixo; informe-se dos procedimentos junto às Comissões pertinentes; Frascos vazios de solventes e reagentes devem ser limpos e enviados à caçamba de vidros, para descarte. Cada laboratório deve se encarregar deste serviço, não podendo qualquer frasco ficar do lado de fora do laboratório; Se tiver cabelos longos, mantenha-os presos ao realizar qualquer experiência no laboratório; Evite colocar na bancada de laboratório, bolsas, agasalhos ou qualquer material estranho ao trabalho; Verifique, ao encerrar suas atividades, se não foram esquecidos aparelhos ligados (bombas, motores, mantas, chapas, gases, etc.) e reagentes ou resíduos em condições de risco; Comunique qualquer acidente, por menor que seja, ao responsável pelo laboratório;

8 Use jaleco de manga comprida e abotoado completamente enquanto estiver no laboratório. Use óculos de segurança sempre que desenvolver atividades que tragam risco; Ao lavar material de vidro nunca reaproveitar um recipiente sem antes lavá-lo, mesmo que ele venha a conter a mesma substância. Usar luvas durante o processo de lavagem. Antes de usar qualquer equipamento verificar se a voltagem é 110 ou 220 V. Informar-se com o responsável pelo laboratório se os equipamentos estão em condição de uso antes de utilizá-los; Assegurar o bom estado dos quadros da rede elétrica; Armazenamento dos bujões de gás em local bem ventilado fora do prédio. Tolera-se o uso de bujões de até 13kg no interior do prédio em áreas seguras; A abertura de frascos com produtos de alta volatilidade deve ser feita só em capela REGRAS GERAIS DE SEGURANÇA COM MATERIAIS BIOLÓGICOS Conheça o Mapa de Riscos de seu local de trabalho; Não se alimente, não beba ou fume, não guarde alimentos e não aplique cosméticos no recinto de trabalho; Não pipete com a boca material infeccioso ou tóxico; proteja a ponta superior das pipetas com algodão antes da esterilização; O laboratório deve ser mantido limpo e em ordem, devendo ser dele retirados quaisquer materiais que não tenham relação com o trabalho; As superfícies de trabalho devem ser descontaminadas, pelo menos, uma vez por dia e sempre que ocorrer caso de derramamento de substâncias potencialmente perigosas; O pessoal de laboratório deve lavar as mãos depois de haver manipulado materiais e animais infectados, e também ao deixar o laboratório; Deve ser desenvolvido no pessoal o hábito de conservar as mãos longe da boca, nariz, olhos e rosto; Deve ser evitado o uso de barba e os cabelos compridos devem estar sempre presos, quando se trabalha com micro-organismos perigosos; Todos os procedimentos devem ser efetuados de maneira a se evitar, ao máximo, a formação de aerossóis; Todos os líquidos e sólidos contaminados devem ser descontaminados antes de eliminados ou então, reutilizados. Os materiais esterilizados em autoclaves ou incinerados fora do laboratório deverão ser acondicionados em recipientes fechados e impermeáveis;

9 Use sempre avental ou uniforme enquanto estiver no laboratório; estas roupas não devem sair do recinto de trabalho e, devem ser desinfetadas por procedimentos adequados; Use sapatos fechados quando estiver trabalhando com microrganismos patogênicos; Sempre que for necessário proteja os olhos e o rosto, de respingos ou impactos usando óculos de segurança, escudos faciais, máscaras ou qualquer outro dispositivo de segurança; As bancadas do laboratório devem ter a superfície muito lisa, de maneira a serem facilmente limpas e desinfectadas; Um aviso na porta do laboratório deverá ser colocado indicando a natureza do agente patogênico com que se trabalha; Somente deverão ser autorizadas a entrar no laboratório pessoas que tenham sido informadas sobre os possíveis riscos e satisfaçam os requisitos que se exigem para o acesso; durante o trabalho, as portas devem ser mantidas fechadas; somente terão acesso ao local pessoas autorizadas; não se deve permitir a entrada de crianças no laboratório; Amostras de soro sanguíneo de todo o pessoal do laboratório e demais pessoas expostas aos riscos a ele inerentes, devem ser conservadas como referência; As centrífugas usadas para material tóxico ou infeccioso devem ser protegidas por anteparos; Use para centrifugação somente tubos não danificados e tampados. Tenha certeza de que o líquido contido no tubo não transbordará durante a centrifugação; Culturas líquidas de organismos altamente infecciosos requerem cuidados especiais, pois qualquer movimento que agite a superfície do líquido produzirá aerossol; os liquidificadores dão origem a pesados aerossóis; Os meios de cultura sólidos e/ou líquidos utilizados para crescimento de bactérias devem ser auto clavados antes de serem encaminhados ao lixo.

MANUAL DE ÉTICA E SEGURANÇA FEIRA DE INOVAÇÃO DAS CIÊNCIAS E ENGENHARIAS

MANUAL DE ÉTICA E SEGURANÇA FEIRA DE INOVAÇÃO DAS CIÊNCIAS E ENGENHARIAS MANUAL DE ÉTICA E SEGURANÇA FEIRA DE INOVAÇÃO DAS CIÊNCIAS E ENGENHARIAS www.ficiencias.org MANUAL DE ÉTICA E SEGURANÇA INTRODUÇÃO O Manual de Ética e Segurança constitui-se de orientações para o desenvolvimento

Leia mais

Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química

Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química O que deve ser sempre lembrado é que: A segurança depende de cada um. É importante que o pessoal se habitue a trabalhar com segurança fazendo com

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE I. Objetivos do Regulamento dos Laboratórios Especializados da Área de Saúde 1. Fornecer um guia geral e regras básicas consideradas mínimas

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO

Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO Funcionamento do Laboratório Dependendo da atividade prática, os alunos encontrarão

Leia mais

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Define as normas internas

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos Segurança Ocupacional

Gerenciamento de Resíduos Segurança Ocupacional Gerenciamento de Resíduos Segurança Ocupacional Maio / 2016 Eng. Jose Arnaldo Acidentes envolvendo produtos químicos Em 2014, ocorreram: Mais de 83.000 óbitos e 7,4 milhões de trabalhadores feridos decorrentes

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GERAIS E DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

MANUAL DE NORMAS GERAIS E DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1.727 de 13/06/2002 D. O.U. 14/06/2002 MANUAL DE NORMAS GERAIS E DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO Eunápolis BA 2009 1.

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Histologia do Centro de Práticas Laboratoriais (CPL)

Regulamento do Laboratório de Histologia do Centro de Práticas Laboratoriais (CPL) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE PRÁTICAS LABORATORIAIS Regulamento do Laboratório de Histologia do Centro de Práticas Laboratoriais (CPL) Dispõe sobre

Leia mais

NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA

NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA NORMAS GERAIS O trabalho em laboratório exige concentração. Não converse desnecessariamente, nem distraia seus colegas. NORMAS PESSOAIS Adaptar-se

Leia mais

FEIRA ANUAL TÉCNICO-CIENTÍFICA DO IFSP CAMPUS CUBATÃO

FEIRA ANUAL TÉCNICO-CIENTÍFICA DO IFSP CAMPUS CUBATÃO FEIRA ANUAL TÉCNICO-CIENTÍFICA DO IFSP CAMPUS CUBATÃO Será organizada anualmente a FEIRA ANUAL TÉCNICO-CIENTÍFICA DO IFSP - CAMPUS CUBATÃO. O objetivo principal é integrar estudantes e professores do Ensino

Leia mais

EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS

EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS I. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO 1. É aconselhável o uso da bata e de sapatos fechados. 2. Mantenha o laboratório e sua bancada sempre limpa e livre

Leia mais

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC)

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE PRÁTICAS CLÍNICAS E CIRÚRGICAS Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) Dispõe

Leia mais

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Microbiologia

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Microbiologia Regulamento para a utilização do Laboratório de Microbiologia 1 REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA I. DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA 1. Auxiliar o aluno na introdução

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR PROFISSIONAL FATESP MANUAL DE AULAS PRÁTICAS MULTIDISCIPLINARES DA FATESP.

FACULDADE DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR PROFISSIONAL FATESP MANUAL DE AULAS PRÁTICAS MULTIDISCIPLINARES DA FATESP. FACULDADE DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR PROFISSIONAL FATESP MANUAL DE AULAS PRÁTICAS MULTIDISCIPLINARES DA FATESP. SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Normas de Segurança e de Higiene em Laboratório: Uso

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIFEI CAMPUS ITABIRA

NORMAS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIFEI CAMPUS ITABIRA NORMAS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIFEI CAMPUS ITABIRA Normas de Segurança dos laboratórios do curso de engenharia de materiais UNIFEI Campus Itabira, que determinam

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 Descarte de resíduos infectantes e perfurocortantes. 1. Objetivo e aplicação Conforme as resoluções vigentes, os estabelecimentos de serviços de saúde são responsáveis pelo

Leia mais

PRIMEIRO A SEGURANÇA. Armazenamento e Manuseamento Seguro de Produtos de Limpeza e de Desinfecção. Seguir as Regras de Segurança:

PRIMEIRO A SEGURANÇA. Armazenamento e Manuseamento Seguro de Produtos de Limpeza e de Desinfecção. Seguir as Regras de Segurança: Seguir as Regras de Segurança: 1. Seguir sempre as recomendações e instruções de aplicação dos produtos de limpeza e de desinfecção. 2. Observar os pictogramas de perigo, as advertências de perigo e as

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS E IDOSOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas

Leia mais

Higiene e Segurança nos Laboratórios do DAN

Higiene e Segurança nos Laboratórios do DAN 27 de maio de 2014 Higiene e Segurança nos Laboratórios do DAN Anabela Coelho e Carla Mota Encontros com Ciência do DAN Agenda Estagiários (manuais de acolhimento) Laboratório Química Laboratório Microbiologia

Leia mais

Biossegurança em Biotérios

Biossegurança em Biotérios Biossegurança em Biotérios Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária UFGS Biossegurança é... o conjunto de ações a voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às

Leia mais

SEGURANÇA E TÉCNICA DE LABORATÓRIO AULA 01: ORGANIZANDO O LABORATÓRIO TÓPICO 03: ORGANIZAÇÃO LABORATORIAL O laboratório, seja de uma indústria, de um centro de pesquisa ou de uma instituição de ensino

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02 ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02 23 INTRODUÇÃO AO TRABALHO NO LABORATÓRIO QUÍMICO 1 OBJETIVOS Apresentar ao aluno os princípios de segurança e bom funcionamento do laboratório de Química, bem como, a elaboração

Leia mais

FISPQ A - 016 Em conformidade com a NBR 14725:2005 2 ed.

FISPQ A - 016 Em conformidade com a NBR 14725:2005 2 ed. 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Aplicação: Limpa Contatos Limpeza de contatos elétricos Fornecedor: Sprayon Química Industrial Ltda - ME - Indústria Brasileira Endereço: Rua Chile

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS LABORATÓRIOS DA FACULDADE TECSOMA REGRAS DE BIOSSEGURANÇA

REGULAMENTO GERAL DOS LABORATÓRIOS DA FACULDADE TECSOMA REGRAS DE BIOSSEGURANÇA REGULAMENTO GERAL DOS LABORATÓRIOS DA FACULDADE TECSOMA REGRAS DE BIOSSEGURANÇA 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 03 REGULAMENTO GERAL DE USO DOS LABORATÓRIOS DA ÁREA DA SAÚDE... 04 TÍTULO I DAS NORMAS DE BIOSSEGURANÇA...

Leia mais

Normas e Procedimentos do Departamento de Laboratórios (DLA).

Normas e Procedimentos do Departamento de Laboratórios (DLA). Normas e Procedimentos do Departamento de Laboratórios (DLA). Todos os laboratórios do Departamento de Laboratórios (DLA) devem seguir as Normas Gerais da Instituição. Todas as produções laboratoriais

Leia mais

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO I

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO I ANEXO I BIOSSEGURANÇA NAS ATIVIDADES EXERCIDAS NA UNIDADE O Ministério da Saúde estabelece que para manipulação de microrganismos, devem ser atendidos alguns requisitos de segurança, conforme sua classe

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE BIOLOGIA MOLECULAR E IMUNOLOGIA APLICADO AOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO E PÓS- GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE BIOLOGIA MOLECULAR E IMUNOLOGIA APLICADO AOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO E PÓS- GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº23/2014 DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE BIOLOGIA MOLECULAR E IMUNOLOGIA APLICADO AOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DA CNEC/IESA.

Leia mais

IMPERSIL* IMPERMEABILIZANTE DE TECIDOS

IMPERSIL* IMPERMEABILIZANTE DE TECIDOS FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: IMPERSIL* IMPERMEABILIZANTE DE TECIDOS Cod do Produto: 156.0049 Nome da empresa:

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE ANATOMIA CAPÍTULO I DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E ANATOMIA E SEUS OBJETIVOS

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE ANATOMIA CAPÍTULO I DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E ANATOMIA E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE ANATOMIA CAPÍTULO I DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E ANATOMIA E SEUS OBJETIVOS Art.1º - O presente documento estabelece as normas de organização

Leia mais

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1 Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica NORMAS GERAIS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo 1 Laboratório de Química Orgânica 2 QOI - 02/03 1 1) Não entre no laboratório

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) NO AR ONE TOUCH Lavanda, Jardim e Pomar, Conforto do Lar e Amor de Mãe.

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) NO AR ONE TOUCH Lavanda, Jardim e Pomar, Conforto do Lar e Amor de Mãe. Página 1 de 7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Código interno Aparelho / Refil NO AR LAVANDA (Provence) 9047 / 9051 NO AR AMOR DE MÃE (Lembranças) 9049 / 9053 NO AR JARDIM E POMAR 9046 / 9050

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.00 03082011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA Antes da utilização, é muito importante que você leia atentamente o manual de instruções, estas informações ajudam a prevenir acidentes e utilizar

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.03 29112011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções contidas neste manual antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPEZA PESADA

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPEZA PESADA 01/05 1. DENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:. Aplicação: Limpa e desengordura superfícies laváveis, como fogões, coifas, azulejos, pisos, e similares. Diluição até 1:20 Telefone de emergência:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira LABORATÓRIOS DE MICROBIOLOGIA DE ALIMENTOS, ENZIMOLOGIA & MICROBIOLOGIA INDUSTRIAL (LMA & LEMI) Professores Responsáveis:

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Pág.: 1 de 7 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Código interno: 03022 Empresa: BOMBRIL S/A Endereço: Marginal Direita da Via Anchieta s/n.º, km 14 Bairro: Rudge Ramos - Cidade: São Bernardo

Leia mais

ENCOSTO SHIATSU COMFORT RM-ES938

ENCOSTO SHIATSU COMFORT RM-ES938 MANUAL DE INSTRUÇÕES ENCOSTO SHIATSU COMFORT RM-ES938 1 Sumário 1. CONHECENDO O SEU APARELHO...3 2. USO CORRETO...3 3. INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA...4 4. DESCRIÇÃO DO APARELHO...5 5. INICIALIZAÇÃO...5 6. OPERAÇÃO...5

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO 1 -DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 3 CAPÍTULO 2 - DA DESTINAÇÃO DOS LABORATÓRIOS... 3 CAPÍTULO 3 - DAS ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS... 5 CAPÍTULO 4 - UTILIZAÇÃO

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA DATA DA ÚLTIMA REVISÃO: 09/08/2013 1/7 FISPQ NRº. 022 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. - Nome do Produto: Ortotolidina - Solução - Nome Comercial: Solução

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica NORMAS GERAIS PARA USO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS GOVERNADOR

Leia mais

50%<c<100% 25068-38-6 Polímero Epóxi Xi, N R36/38 R43 R51/53 S26 S37/39. 25%<c<50% 100-51-6 Álcool Benzílico XN R20/22 S26

50%<c<100% 25068-38-6 Polímero Epóxi Xi, N R36/38 R43 R51/53 S26 S37/39. 25%<c<50% 100-51-6 Álcool Benzílico XN R20/22 S26 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Seção 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: NOME DA EMPRESA: SOLEPOXY INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE RESINA LTDA EPP ENDEREÇO:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 010/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 010/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 010/2011 Dispõe sobre o regulamento interno para administração e utilização dos laboratórios de ensino da Universidade Federal de Integração Latino-Americana UNILA. A Pró-Reitoria

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB. Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m

BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB. Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m Definição de Biossegurança Conjunto de medidas voltadas para a prevenção ão, minimização ou eliminação de riscos inerentes as atividades

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Cristalizador de vidros Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116 km

Leia mais

11/07 246-04/00 072413 REV.1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. www.britania.com.br sac@britania.com.br ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR MANUAL DE INSTRUÇÕES

11/07 246-04/00 072413 REV.1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. www.britania.com.br sac@britania.com.br ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR MANUAL DE INSTRUÇÕES 11/07 246-04/00 072413 REV.1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO www.britania.com.br sac@britania.com.br ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR MANUAL DE INSTRUÇÕES ELIMINAÇÃO DE PROBLEMAS ASPIRADOR NÃO LIGA Verificar se a

Leia mais

Segurança no Laboratório. Eng.º Agrônomo, MsC; Eng.º de Segurança do Trabalho Especialista em Educação Ambiental

Segurança no Laboratório. Eng.º Agrônomo, MsC; Eng.º de Segurança do Trabalho Especialista em Educação Ambiental Segurança no Laboratório Prof. Ariston Alves Afonso Eng.º Agrônomo, MsC; Eng.º de Segurança do Trabalho Especialista em Educação Ambiental Itens de segurança no laboratório 1. Use sempre óculos de segurança

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DESINFETANTE NÁUTICO MALTEX

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DESINFETANTE NÁUTICO MALTEX 1.IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DO DISTRIBUIDOR Nome do produto: desinfetante náutico maltex. Aplicação: para um ambiente livre de germes e bactérias, utilize o desinfetante maltex na limpeza de louças sanitárias,

Leia mais

REGULAMENTO DA III MOSTRA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO IFES CAMPUS GUARAPARI

REGULAMENTO DA III MOSTRA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO IFES CAMPUS GUARAPARI REGULAMENTO DA III MOSTRA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO IFES CAMPUS GUARAPARI Poderão participar da III Mostra de Ciência, Tecnologia e Inovação do IFES campus Guarapari estudantes e professores(as)

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1 FISPQ N. 0028/14 Página 3 de 4 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: Tinta Sintético Vermelho NOME COMERCIAL Tinta Sintético Vermelho NOME DO FABRICANTE MQ DO BRASIL INDUSTRIA E COMERCIO

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ: 753.01/2016

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ: 753.01/2016 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ: 753.01/2016 FUNDO PREPARADOR DE PAREDES BASE ÁGUA PREMIUM CORIARTE Data 12/02/2016 Revisão: 002/2016 Página 1/6 1-IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA

Leia mais

04-10-2013. Sumário APL

04-10-2013. Sumário APL Sumário Módulo inicial Unidade temática 0 Segurança em laboratórios de química O laboratório de química.. Regras de segurança no laboratório. Símbolos de perigo e outros sinais. Planificação da AL 0.1

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: SIL TRADE SILICONE SPRAY Cod do Produto: 156.0003 Nome da empresa: BASTON DO BRASIL

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DESENGORDURANTE MALTEX.

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DESENGORDURANTE MALTEX. 01/05 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DO DISTRIBUIDOR Nome do produto: Desengordurante MALTEX. Aplicação: indicado para desengordurar e limpar superfícies em restaurantes, açougues, frigoríficos, peixarias,

Leia mais

Manual de Segurança do Laboratório de Química

Manual de Segurança do Laboratório de Química Manual de Segurança do Laboratório de Química Universidade Federal do Pampa Campus Caçapava do Sul 1 INTRODUÇÃO O Manual de Segurança do Laboratório de Química foi elaborado com o objetivo de fornecer

Leia mais

Este regulamento se destina a normatizar os procedimentos para realização da I Feira Estadual de Ciências e Tecnologia FECETE.

Este regulamento se destina a normatizar os procedimentos para realização da I Feira Estadual de Ciências e Tecnologia FECETE. Este regulamento se destina a normatizar os procedimentos para realização da I Feira Estadual de Ciências e Tecnologia FECETE. A FECETE está prevista para ser realizada nos dias 07, 08 de 09 de outubro

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA ALÉM PARAÍBA 2010 Mantenedora Fundação Educacional de Além Paraíba Prof. José Alves Fortes Presidente da Fundação Educacional de Além Paraíba Prof. Michel

Leia mais

BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO

BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento 1 Cuidados necessários recomendados aos membros do setor e estudantes Conhecer a

Leia mais

NOME DO PRODUTO: Tinta Epoxi FISPQ No 00248-02

NOME DO PRODUTO: Tinta Epoxi FISPQ No 00248-02 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: Tinta Epoxi Código Interno: 160.01.28 NOME COMERCIAL: Tinta Epoxi NOME DO FABRICANTE: VELOZ QUÍMICA DERIVADOS DE PETRÓLEO E SOLVENTES LTDA END:

Leia mais

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES.

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO VIDRARIAS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO BALÃO DE FUNDO REDONDO BALÃO VOLUMÉTRICO BECKER BURETA CADINHO CÁPSULA DE PORCELANA CONDENSADOR DESSECADOR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Farmácia Laboratório de Farmacognosia

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Farmácia Laboratório de Farmacognosia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Farmácia Laboratório de Farmacognosia REGRAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS LABORATÓRIOS: ALGUNS LEMBRETES FUNDAMENTAIS A palavra laboratório

Leia mais

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Técnica e Dietética

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Técnica e Dietética Regulamento para a utilização do Laboratório de Técnica e Dietética 1 REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE TÉCNICA E DIETÉTICA I. DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE TÉCNICA E DIETÉTICA 1. Auxiliar

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código interno: 12044 (1,5L) Aplicação: Desinfetante para Roupas Empresa: BOMBRIL S/A - Marginal Direita da Via Anchieta, km14 -

Leia mais

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cozinha Industrial Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Serviços de alimentação Este tipo de trabalho aparenta não ter riscos, mas não é bem assim, veja alguns exemplos: Cortes

Leia mais

Instituto Educacional Mayrink Vieira Ensino Infantil Ensino Fundamental Ensino Médio

Instituto Educacional Mayrink Vieira Ensino Infantil Ensino Fundamental Ensino Médio Instituto Educacional Mayrink Vieira Ensino Infantil Ensino Fundamental Ensino Médio REGULAMENTO PARA FEIRA DE CIÊNCIAS MAYRINK 2014 A Feira de Ciências do Instituto Educacional Mayrink Vieira, 2014, é

Leia mais

REGULAMENTO DOLABORATÓRIO DE ENFERMAGEM ANA NERY CAPÍTULO I DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DOLABORATÓRIO DE ENFERMAGEM ANA NERY CAPÍTULO I DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DOLABORATÓRIO DE ENFERMAGEM ANA NERY CAPÍTULO I DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM Art.1º - O presente documento estabelece as normas de organização e funcionamento do Laboratório de Enfermagem Ana

Leia mais

REGULAMENTO 2015 FEIRA DE PROJETOS E MOSTRA DE INOVAÇÃO DO SENAC-RS

REGULAMENTO 2015 FEIRA DE PROJETOS E MOSTRA DE INOVAÇÃO DO SENAC-RS REGULAMENTO 2015 FEIRA DE PROJETOS E MOSTRA DE INOVAÇÃO DO SENAC-RS 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1.1. Evento: FEIRA DE PROJETOS E MOSTRA DE INOVAÇÃO DO SENAC RS Temática: Construindo soluções. Objetivo: Apresentar

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 1 de 11 Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 2 de 11 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: FUNDO PREPARADOR BASE ÁGUA PREMIUM NOVOTOM Código interno: Empresa: FLEXOTOM INDÚSTRIA

Leia mais

N O R M A T I V A DE SEGURANÇA PARA USO DE

N O R M A T I V A DE SEGURANÇA PARA USO DE Série FACTO - Manuais de Laboratórios AVALIAÇÃO ANÁLISE PLANEJAMENTO MELHORIAS N O R M A T I V A DE SEGURANÇA PARA USO DE LABORATÓRIOS 2015 Este manual foi criado com intuito de auxiliar os acadêmicos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5 Recomendar procedimentos de segurança na rotina diária das instituições de educação infantil - públicas e privadas.. A Secretária Municipal da Educação do Município de Curitiba,

Leia mais

NEENMAX JARDIM CÓDIGO: 559 PAGINA 1/ 6

NEENMAX JARDIM CÓDIGO: 559 PAGINA 1/ 6 NEENMAX JARDIM CÓDIGO: 559 PAGINA 1/ 6 Emissão: 04/07/2011 Revisão: 08/12/2014 CÓDIGOS: 488, 412, 9256, 551, 420, 413. PAG 1/ 4 01 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto...: NEENMAX JARDIM

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPCs) E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs)

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPCs) E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs) EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPCs) E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs) EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL O que são? Para que usá-los? - Proteção do contato com agentes infecciosos e substâncias

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006) Data: 17/02/2010 Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1 IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE / EMPRESA Identificação da substância/preparação:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Wash primer. Empresa: MG Tintas Ltda. Endereço: Rua Olavo Baldessar, 246. Cidade: Santa

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

REGULAMENTO DA I FEIRA DE CIÊNCIAS E MOSTRA CIENTÍFICA DE SERRA TALHADA: UM SALTO PARA A CIÊNCIA NO SERTÃO DO PAJEÚ

REGULAMENTO DA I FEIRA DE CIÊNCIAS E MOSTRA CIENTÍFICA DE SERRA TALHADA: UM SALTO PARA A CIÊNCIA NO SERTÃO DO PAJEÚ REGULAMENTO DA I FEIRA DE CIÊNCIAS E MOSTRA CIENTÍFICA DE SERRA TALHADA: UM SALTO PARA A CIÊNCIA NO SERTÃO DO PAJEÚ Poderão participar da I Feira de Ciências e Mostra Científica de Serra Talhada estudantes

Leia mais

Como proteger seus produtos com práticas de manuseio seguro de alimentos

Como proteger seus produtos com práticas de manuseio seguro de alimentos Como proteger seus produtos com práticas de manuseio seguro de alimentos 4 C (39 F) -21 C (-5 F) -21 C (-5 F) 4 C (39 F) 4 C (39 F) -21 C (-5 F) 4 C (39 F) -21 C (-5 F) Assim que os peixes entrarem em

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP)

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP) Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP) Rio Paranaíba Novembro 2012 1 Apresentação O Laboratório

Leia mais

FISPQ Silicone Neutro Transparente FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ Silicone Neutro Transparente FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Categoria: Adesivo à base de borracha de Silicone Nome da empresa: ATB Ind. e Com. de Adesivos Ltda Endereço: Rua Marcelino Pinto Teixeira, 1268.

Leia mais

Segurança com serra mármore. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança com serra mármore. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança com serra mármore Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança da área de trabalho Mantenha a área de trabalho sempre limpa e bem iluminada. Áreas de trabalho desorganizadas

Leia mais

HA 20. P Amplificador auditivo Instruções de utilização. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) www.beurer.com

HA 20. P Amplificador auditivo Instruções de utilização. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) www.beurer.com HA 20 P Amplificador auditivo Instruções de utilização Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) www.beurer.com Conteúdo Material fornecido... 2 1. Utilização prevista... 3 2. Explicação dos símbolos...

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA E DA EMPRESA Nome do produto: Silicone Spray 200ml Nome da empresa: RSP LUB Comercial Ltda Endereço: Rua: Francisco

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Kit Aricor Página: (1 of 1) Código do produto: PR0032 e PR0032 ATENçÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de

Leia mais

Rua Paulo Eduardo Xavier de Toledo, 379

Rua Paulo Eduardo Xavier de Toledo, 379 1.IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Aplicação: Oleo lubrificante para redutores e rolamentos Fornecedor Synthetic Lubrifi cantes Especiais, Ltda., EPP Rua Paulo Eduardo Xavier de Toledo, 379 São Luis

Leia mais

Pode causar dores abdominais e irritação gástrica. Por não ser um produto totalmente bio-degradável, pode afetar o ecosistema.

Pode causar dores abdominais e irritação gástrica. Por não ser um produto totalmente bio-degradável, pode afetar o ecosistema. 1 Identificação do produto e da empresa Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 012 Página 1 / 5 Data da última revisão 17/072008 Nome do produto: Acrilpen Código interno

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Telha Impermeabilizante Incolor Página: 01 / 07 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Telha Impermeabilizante Incolor Código

Leia mais

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA.

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. Hepatites B e C são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. heto hepatite manucure.indd 1 Faça sua parte. Não deixe as hepatites virais frequentarem seu salão.

Leia mais

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1 Nome Comercial: Detergente Eucalipto Gel Maranso 1.2 Código de Venda:004 1.3 Nome do Fabricante: QOB MATERIAIS DOMISSANEANTES LTDA EPP Rua Ministro Joaquim

Leia mais

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA.

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA. Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa do Cidadão Instituto Geral de Perícias Instituto de Análises Laboratoriais Laboratório de Genética Forense ANEXO I REGRAS PARA

Leia mais

REGULAMENTO DA FEIRA DE CIÊNCIAS & INOVAÇÃO DO MCT-PUCRS EDIÇÃO 2015

REGULAMENTO DA FEIRA DE CIÊNCIAS & INOVAÇÃO DO MCT-PUCRS EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO DA FEIRA DE CIÊNCIAS & INOVAÇÃO DO MCT-PUCRS EDIÇÃO 2015 Poderão participar da Feira de Ciências & Inovação do MCT-PUCRS, estudantes e professores(as) do Ensino Fundamental (5ª a 8ª Séries

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) ÁLCOOL GEL 67% MALTEX

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) ÁLCOOL GEL 67% MALTEX 01/05 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DO DISTRIBUIDOR Nome do produto:. Aplicação: Indicado para higienização de superfícies: aplique a quantidade suficiente para passar em toda a superfície e esfregue-as

Leia mais

Condições de Instalação e Uso

Condições de Instalação e Uso [M06 11102011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança. Condições de Instalação

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais