FÓRUM DE LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO PARANAENSE. Prof. Dr. José Vicente Caixeta Filho Diretor da ESALQ/USP Coordenador do Grupo ESALQ LOG

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÓRUM DE LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO PARANAENSE. Prof. Dr. José Vicente Caixeta Filho Diretor da ESALQ/USP Coordenador do Grupo ESALQ LOG"

Transcrição

1 FÓRUM DE LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO PARANAENSE Diretor da ESALQ/USP Coordenador do Grupo ESALQ LOG Curitiba, 21 de novembro de 2011

2 ESTRUTURA DESTA APRESENTAÇÃO background referencial teórico para a precificação de fretes comparativo de valores de fretes: o caso do açúcar projeto Jamaica considerações / recomendações

3 BACKGROUND Reforçar os principais anseios dos agentes envolvidos com a movimentação ferroviária de cargas, particularmente daqueles relacionados com o segmento de granéis sólidos, relacionados: ao aumento significativo da captação de cargas pela ferrovia; ao incremento da competitividade das ferrovias; à consolidação do esforço de resgate da credibilidade perdida pelas ferrovias a partir da prática de precificação de uma tarifa justa e de um nível de serviço eficiente.

4 160 milhões de toneladas de grãos 33 milhões de toneladas de grãos (20,4%) Fonte: IBGE (2011)

5

6 IMPACTOS Social: transporte de t 30 vagões 100t 80 caminhões 37t 48,1 g/tku 164g/TKU Ambiental: emissão de CO 2

7 REFERENCIAL TEÓRICO PARA A PRECIFICAÇÃO DE FRETES

8 PRINCIPAIS VARIÁVEIS VEIS QUE TÊM IMPACTADO OS VALORES DE FRETES RODOVIÁRIOS RIOS DE CARGAS AGRÍCOLAS... distância percorrida muito importante!!! especificidade da carga transportada sazonalidade da demanda por transporte peculiaridades regionais (na origem e/ou destino do frete) possibilidade de carga de retorno custos operacionais (em função do veículo utilizado) concorrência ou complementaridade com outras modalidades de transporte estado de conservação das vias pedágios e balanças (funcionando) ao longo das vias prazo de entrega Fonte: Correa Jr. e Caixeta Filho (2003)

9 PRINCIPAIS VARIÁVEIS VEIS QUE TÊM IMPACTADO OS VALORES DE FRETES FERROVIÁRIOS RIOS DE CARGAS AGRÍCOLAS... distância percorrida volume/escala envolvidos muito importantes!!! regularidade do fluxo especificidade da carga transportada sazonalidade da demanda por transporte peculiaridades regionais (na origem e/ou destino do frete) possibilidade de carga de retorno custos operacionais concorrência ou complementaridade com outras modalidades de transporte estado de conservação da infraestrutura prazo de entrega

10 PRINCIPAIS DESAFIOS A SEREM ENFRENTADOS PARA A PRECIFICAÇÃO DOS VALORES DE FRETES FERROVIÁRIOS RIOS vício em se aplicar descontos a valor de frete rodoviário semelhante falta de referência a planilhas de custos ferroviários predominância de contratos sobre a opção mercado spot

11 COMPORTAMENTO DE FRETES NO SEGMENTO SUCROALCOOLEIRO

12 ÁREA DE ESTUDO PORTO DE PARANAGUÁ - unidades produtoras de açúcar e álcool do Estado do Paraná, associadas à Associação de Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná (ALCOPAR), separadas do porto de Paranaguá por distâncias que variam entre 400 e 700 km

13 PRINCIPAIS FLUXOS DE EXPORTAÇÃO (RODO E FERROVIÁRIOS) RIOS) DE AÇÚA ÇÚCAR E ETANOL Fonte: Copersucar

14 COMPARATIVO DE VALORES DE FRETES: O CASO DO AÇÚA ÇÚCAR variação dos valores de fretes para a movimentação de açúcar, , faixa abrangente de distâncias 200,00 Frete (R$/t) 180,00 160,00 140,00 120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0, Dist. (km) Rodo Ferro Rodo = valores médios obtidos a partir do banco de dados do Sifreca; Ferro = média dos valores máximos informados à ANTT pelas concessionárias ALL (malhas Oeste, Sul e Paulista), FCA, MRS, CFN e Valec.

15 COMPARATIVO DE VALORES DE FRETES: O CASO DO AÇÚA ÇÚCAR variação dos valores de fretes para a movimentação de açúcar a partir do estado do PR, , competitividade entre os fretes rodoviários e ferroviários para movimentações para exportação pelo porto de Paranaguá 70,00 65,00 Frete (R$/t) 60,00 55,00 50,00 Rodo (todas as fontes) Ferro (geral) 45,00 40, Dist. (km)

16 COMPARATIVO DE VALORES DE FRETES: O CASO DO AÇÚA ÇÚCAR variação dos valores de fretes para a movimentação de açúcar a partir do estado do PR, , movimentações para exportação pelo porto de Paranaguá, discriminando a variação decorrente da utilização do frete ferroviário 80,00 70,00 3% 3% 2% 60,00 1% 1% Frete (R$/t) 50,00 40,00 30,00 20,00-1% 0% -1% -2% -3% Dif. (Ferro-Rodo) Rodo (todas as fontes) Ferro (geral) Var. (%) 10,00 0,00-4% Dist. (km) -4% -5%

17 COMPARATIVO DE VALORES DE FRETES: O CASO DO AÇÚA ÇÚCAR variação dos valores de fretes para a movimentação de açúcar, , discriminando a variação decorrente da utilização do frete ferroviário (comparação entre ALL e FCA) 90,00 30% Frete (R$/m3) 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 13% 7% 19% 10% 23% 13% 26% 15% 25% 20% 15% 10% 5% Dif. pró-ferrovia (%) Rodo (todas as fontes) Ferro (ALL) Ferro (FCA) Dif. ALL (%) Dif. FCA (%) 0, Dist. (km) 0% Rodo = valores médios obtidos para movimentações até o porto de Paranaguá (fontes: Sifreca e Alcopar); Ferro = média dos valores máximos informados à ANTT pelas concessionárias ALL (malha Sul) e FCA.

18 PREOCUPAÇÕES... alta variabilidade dos valores (máximos) de fretes ferroviários para a movimentação de açúcar, entre as diversas concessionárias, conforme vem sendo informado à ANTT; diferença muito pequena entre os valores de fretes rodoviários praticados no mercado para a movimentação de açúcar e os valores de fretes (máximos) ferroviários correspondentes informados pelas concessionárias à ANTT; frete ferroviário para a movimentação do açúcar ainda demonstra uma enorme dependência/relação com a distância percorrida (volumes/escala, regularidade de fluxos etc. devem ser contabilizados quando da negociação entre embarcadores e concessionárias ferroviárias).

19 Projeto Jamaica : analisar as tarifas rodoviárias e ferroviárias do Estado do Paraná para diversos produtos do agronegócio nacional 22 empresas 97% da produção de açúcar 75% da produção de grãos

20 71% Comparação entre tarifa teto ferroviária (ANTT) e os fretes ferroviários praticados pelas empresas participantes do projeto Fonte: Elaboração própria (ESALQ-LOG)

21 Ponta Rodoviária Transbordo Frete ferroviário Solução Logística = Porto Ponta Rodoviária + Transbordo + Frete Ferroviário

22 103% Comparação entre os preços de frete rodoviários e rodo-ferroviários (solução logística) Fonte: Elaboração própria (ESALQ-LOG)

23 Gargalos Logísticos do Modal Rodoviário Balança de eixos Deficiência na infraestrutura de acesso aos locais de carga e descarga Repetições* Elevado tempo de carga e descarga dos veículos (utilização de tombadores) Sazonalidade na procura pelo serviço de transporte Elevado preço de frete Elevados preços de pedágios Demora na descarga portuária Prática de sobrepeso Infidelidade do caminhoneiro com a empresa transportadora Frota antiga Falta de profissionalismo dos motoristas Fonte: Elaboração própria (ESALQ-LOG) * Ilustra a freqüência com a qual o gargalo logístico foi citado ao longo da pesquisa.

24 Gargalos Logísticos do Modal Ferroviário Falta de vagões Quebra de contrato Dificuldade para passagem da Serra do Mar Recebimento de vagões sujos para o carregamento Elevado transit time Rompimento no lacre dos vagões Elevado preço de frete Ineficiência e má organização dos terminais de transbordo Falta de investimento em material rodante Perda de vagão durante o transporte Roubo de cabos para refrigeração de contêineres Dificuldade de acesso à ferrovia por pequenos agentes Atraso Extravio de documentos Erro de informações Fonte: Elaboração própria ESALQ-LOG Repetições* * Ilustra a freqüência com a qual o gargalo logístico foi citado ao longo da pesquisa.

25 Resumo dos indicadores médios do Estado do Paraná gerados no projeto Jamaica Modalidades de negociação de frete rodoviário e ferroviário SPOT e Contratos Capacidade média de recepção dos transbordos - granéis sólidos 510 t/h Capacidade média de recepção dos transbordos - granéis líquidos 425 m³/h Capacidade de carregamento dos transbordos - granéis sólidos 580 t/h Capacidade de carregamento dos transbordos - granéis líquidos 412 m³/h Tempo de carregamento de um vagão de 60 t - granéis sólidos 14 min/vagão Tempo de descarregamento de um vagão de 60 t - granéis sólidos 20 min/vagão Capacidade percentual média de armazenamento - armazéns para guardar a safra 41% Capacidade percentual média de armazenamento - armazéns de giro 4% Gasto total com transporte R$ 368 milhões TKU (tonelada quilômetro útil) 3,5 trilhões de TKU Emissões de CO2 103 mil t Frete Ferroviário X Tarifa Teto 71% Frete Rodo-ferroviário X Frete Rodoviário 103% Fonte: Elaboração própria (ESALQ-LOG)

26 CONSIDERAÇÕES / RECOMENDAÇÕES recomenda se que seja utilizada metodologia de precificação mais específica para fretes ferroviários, idealmente incluindo outras variáveis (escala, regularidade, densidade da carga etc.) além da própria distância; éde fundamental importância a referenciação desses valores de fretes ferroviários às planilhas de custos ferroviários correspondentes, o que também contribuirá para a aferição do limite mínimo das tarifas, o qual segundo o parág. 1º. da Cláusula 7ª. do Contrato de Concessão da Malha Sul não poderá ser inferior aos custos variáveis de longo prazo da concessionária ferroviária; da mesma forma, tomando como referência o parág. 4º. da mesma Cláusula 7ª. do Contrato de Concessão da Malha Sul, a maior visibilidade dessas planilhas de custos ferroviários auxiliará o usuário com elevado grau de dependência do transporte ferroviário na negociação/contratação de tarifa específica, que leve em consideração os custos operacionais envolvidos ;

27 CONSIDERAÇÕES / RECOMENDAÇÕES entende se que, para os fretes ferroviários, a variável distância não necessariamente seja a única nem a mais representativa para explicar o valor do frete ferroviário; ao se adotar o valor de frete ferroviário como função da distância, praticamente se transforma o comportamento de tal valor de frete como algo muito semelhante àquilo que venha a ser observado para o comportamento do valor de frete rodoviário (ou seja, na prática, continua se a ser aplicado algum tipo de desconto ao valor de frete observado para rota rodoviária semelhante); a consideração de outras variáveis de gestão, inclusive na metodologia de precificação do valor do frete ferroviário (envolvendo, por exemplo, a aquisição de vagões e locomotivas por embarcadores que detenham maiores escalas) poderão implicar não somente a possibilidade de pagamento antecipado de valor de frete diferenciado às concessionárias como também colocará em pauta a discussão de se operacionalizar modelo mais independente de administração de fluxos ferroviários por parte

28 José Vicente Caixeta Filho Prof. Jos Depto. de Economia, Administração e Sociologia - ESALQ/USP Av. Pádua Dias, Piracicaba - SP Tel: Fax: Internet:

COMPETITIVIDADE DOS FRETES FERROVIÁRIOS: RIOS: OS CASOS DO AÇÚCAR E DO ETANOL COM DESTINO PARA O PORTO DE PARANAGUÁ

COMPETITIVIDADE DOS FRETES FERROVIÁRIOS: RIOS: OS CASOS DO AÇÚCAR E DO ETANOL COM DESTINO PARA O PORTO DE PARANAGUÁ COMPETITIVIDADE DOS FRETES FERROVIÁRIOS: RIOS: OS CASOS DO AÇÚCAR E DO ETANOL COM DESTINO PARA O PORTO DE PARANAGUÁ José Vicente Caixeta Filho Professor Titular Depart. de Economia, Administração e Sociologia

Leia mais

Revisão das Tarifas Ferroviárias Uma Realidade

Revisão das Tarifas Ferroviárias Uma Realidade Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga Revisão das Tarifas Ferroviárias Uma Realidade EXPOSIÇÃO NA CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Luis Henrique Teixeira

Leia mais

Parecer Econômico sobre as Leis da Estadia (Lei 11.442/2007 e 13.103/2015)

Parecer Econômico sobre as Leis da Estadia (Lei 11.442/2007 e 13.103/2015) ESALQ - USP Piracicaba, 29 de junho de 2015. Proposta de Projeto À Abiove A/C: Daniel Furlan Parecer Econômico sobre as Leis da Estadia (Lei 11.442/2007 e 13.103/2015) Atenciosamente, Thiago Guilherme

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA FERROVIÁRIO DA BAIXADA SANTISTA GRUPO DE TRABALHO ANUT / BUNGE / COSIPA / ULTRAFÉRTIL Agosto / 2003

AVALIAÇÃO DO SISTEMA FERROVIÁRIO DA BAIXADA SANTISTA GRUPO DE TRABALHO ANUT / BUNGE / COSIPA / ULTRAFÉRTIL Agosto / 2003 AVALIAÇÃO DO SISTEMA FERROVIÁRIO DA BAIXADA SANTISTA GRUPO DE TRABALHO ANUT / BUNGE / COSIPA / ULTRAFÉRTIL Agosto / 2003 AVALIAÇÃO DO SISTEMA FERROVIÁRIO DA BAIXADA SANTISTA GRUPO DE TRABALHO DA ANUT I

Leia mais

Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Brasília, agosto de 2012 Apresentação A Agência Nacional

Leia mais

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 1. Introdução 2. Sistema Ferroviário no Brasil 3. Avaliação dos Principais Corredores Ferroviários 4. Avaliação do Nível de Serviço 5. Conclusões Objetivos Identificar as

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE USUÁRIOS DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS

CONSELHO NACIONAL DE USUÁRIOS DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS CONSELHO NACIONAL DE USUÁRIOS DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS UMA PROPOSTA José Ribamar Miranda Dias Vice Presidente da ANUT ANTT Brasília / DF 27/11/2009 PRESSUPOSTO I Lei 8.987 de 13/02/1995, que

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes VALEC Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. FERROVIA NORTE SUL TRAMO SUL ESTUDO DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA Revisão Dezembro 2008 Volume Único VALEC ESTUDO DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF São Paulo, 03 de Abril de 2013 Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia

Leia mais

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail. Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.com Algumas Questões Estamos no caminho correto do desenvolvimento

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Superintendência de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Cargas SUFER Gerência de Regulação e Outorga de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Carga - GEROF EVOLUÇÃO

Leia mais

Short Lines", um caminho para expansão do serviço ferroviário em sistemas operados no modelo de concessão vertical INFRAESTRUTURA FERROVIAS

Short Lines, um caminho para expansão do serviço ferroviário em sistemas operados no modelo de concessão vertical INFRAESTRUTURA FERROVIAS Short Lines", um caminho para expansão do serviço ferroviário em sistemas operados no modelo de concessão vertical INFRAESTRUTURA FERROVIAS Short Lines", um caminho para expansão do serviço ferroviário

Leia mais

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Unidade: Transporte Multimodal Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Transporte Multimodal O transporte multimodal se caracteriza pela utilização de mais de um modal de transporte entre a origem e o

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

SIARMA Relatório de Indicadores de Preços de Armazenagem: Centro-Oeste. Ano 2015

SIARMA Relatório de Indicadores de Preços de Armazenagem: Centro-Oeste. Ano 2015 SIARMA Relatório de Indicadores de Preços de Armazenagem: Centro-Oeste Ano 2015 ESALQ-LOG LES Departamento de Economia, Administração e Sociologia Projeto SIARMA Sistema de Informações em Armazenagem:

Leia mais

7 ALL América Latina Logística S.A.

7 ALL América Latina Logística S.A. 7 ALL América Latina Logística S.A. Este capítulo irá abordar as características operacionais da Empresa ALL América Latina Logística S.A., cujas principais atividades encontram-se na região do Sul de

Leia mais

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹ A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO Valéria Cristina Campos¹ Resumo. A eficiência ferroviária em transporte de grandes quantidades a grandes distâncias, adequada aos países de dimensões continentais

Leia mais

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos Gerais de Custos de Transporte; 3. Decisões que afetam os custos; 4. Fatores que

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin Panorama do Mercado Brasileiro Richard Nicolas De Jardin Linha do Tempo Falta de Infraestrutura Poucos Postos Segmento de Taxi Privatizações Crescimento da Infraestrutura Novos mercados Aumento das Vendas

Leia mais

Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO

Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO Brasília, 27 de agosto de 2013 O setor de transporte no Brasil Agente indutor de desenvolvimento e integração; Histórico de baixos investimentos em

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES TRANSPORTE NO BRASIL. Fórum Intermodal FGV-CELog São São Paulo, abril de de 2006

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES TRANSPORTE NO BRASIL. Fórum Intermodal FGV-CELog São São Paulo, abril de de 2006 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES 1 TRANSPORTE NO BRASIL Fórum Intermodal FGV-CELog São São Paulo, abril de de 2006 2 1 ROTEIRO GERAL DA PALESTRA 1) Função Transporte e Eficiência; 2) Considerações

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - 2010

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - 2010 Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF Brasília, 22 de Fevereiro de 2011 BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - Coletiva de Imprensa ANTF - Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários

Leia mais

VALEC PROJETO OPERACIONAL DA FERROVIA NORTE-SUL VOLUME 1 PRELIMINAR REVISÃO FINAL JULHO DE 2007

VALEC PROJETO OPERACIONAL DA FERROVIA NORTE-SUL VOLUME 1 PRELIMINAR REVISÃO FINAL JULHO DE 2007 PROJETO OPERACIONAL DA FERROVIA NORTESUL PRELIMINAR REVISÃO FINAL JULHO DE 2007 VOLUME 1 : Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro Í N D I C E 1.0 Introdução 7 Parte A Estabelecimento dos

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA TRECHO Estrela D Oeste (SP) - Dourados (MS) Audiência Pública nº 139/2013

Leia mais

MRS Logística. Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio. Famasul SENAR. Claudenildo dos Santos Chaves. 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS

MRS Logística. Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio. Famasul SENAR. Claudenildo dos Santos Chaves. 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS MRS Logística Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio Famasul SENAR Claudenildo dos Santos Chaves 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS A MRS e sua malha 2 2 MRS Uma Visão Geral Alguns fatos

Leia mais

Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007

Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007 Possibilidade de Comercialização de Arroz no Mercado Futuro Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007 1 Estrutura

Leia mais

Grãos Combustíve is - 420 285,26 679 6.214 1.861,91 300 2.297 1.231,66 536 - - 2.035 689,06 339 - - 3.262 1.269,48 389 4.981 1.

Grãos Combustíve is - 420 285,26 679 6.214 1.861,91 300 2.297 1.231,66 536 - - 2.035 689,06 339 - - 3.262 1.269,48 389 4.981 1. INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA MAIO/99 Nº 34 Ferrovias: Privatização e Regulação A implantação das ferrovias no Brasil foi iniciada em meados do século passado pelo Barão de

Leia mais

3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014

3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014 3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014 PERGUNTA 01: O ANEXO D.9 Saúde e Segurança (pag. 99) do ANEXO D SERVIÇOS RELATIVOS AO ATENDIMENTO AMBENTAL do ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte 2ª Edição Revisada e Ampliada em 2014 Apresentação O Panorama ILOS Transporte Rodoviário

Leia mais

João Paulo Koslovski Presidente

João Paulo Koslovski Presidente Curitiba, Junho de 2015 C onsiderando que o alto valor das tarifas de pedágio praticadas no chamado Anel de Integração no Paraná penaliza o setor produtivo paranaense e compromete a competitividade do

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Direito Regulatório dos Transportes Terrestres. Ciclo de Palestras Direito Regulatório Brasileiro

Direito Regulatório dos Transportes Terrestres. Ciclo de Palestras Direito Regulatório Brasileiro Direito Regulatório dos Transportes Terrestres Ciclo de Palestras Direito Regulatório Brasileiro Fernando Barbelli Feitosa Brasília - 24.04.2015 Sumário I. Transportes Terrestres II. Configuração Física

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

A roda: a maior invenção tecnológica

A roda: a maior invenção tecnológica A roda: a maior invenção tecnológica A roda parece ter sido inventada, há cerca de 6000 anos, na Mesopotâmia. Foi uma invenção de importância extraordinária, não só porque promoveu uma revolução no campo

Leia mais

CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA. Palestra Logística Ferroviária. Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014

CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA. Palestra Logística Ferroviária. Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014 CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA Palestra Logística Ferroviária Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014 ABIFER, há mais de 37 anos ABIFER NOSSA MISSÃO Fomentar o crescimento

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL (EF-151)

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL (EF-151) VALEC ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S.A. ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL (EF-151) TRECHO: ITUMBIARA GO / GOIÂNIA GO / BRASÍLIA DF Segmento 1: Itumbiara/GO - FNS VOLUME 2 MEMÓRIA

Leia mais

4: Mapa da infra-estrutura de distribuição de combustíveis (ex-estradas). Fonte s : ANP, Transpetro e Ferrovias

4: Mapa da infra-estrutura de distribuição de combustíveis (ex-estradas). Fonte s : ANP, Transpetro e Ferrovias Gargalos logísticos na distribuição de combustíveis brasileira Renata Figueiredo Os resultados que serão apresentados neste artigo são fruto de um extenso estudo realizado pelo Centro de Estudos em Logística

Leia mais

Os rumos dos investimentos. da infraestrutura. 17 nov 2006

Os rumos dos investimentos. da infraestrutura. 17 nov 2006 17 nov 2006 Nº 20 Os rumos dos investimentos em infra-estrutura Por Ernani Teixeira Torres Filho e Fernando Pimentel Puga Superintendente da Secr. Assuntos Econômicos e assessor da presidência A pesquisa

Leia mais

LOGÍSTICA DESAFIO AO CRESCIMENTO DA SIDERURGIA BRASILEIRA

LOGÍSTICA DESAFIO AO CRESCIMENTO DA SIDERURGIA BRASILEIRA Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga LOGÍSTICA DESAFIO AO CRESCIMENTO DA SIDERURGIA BRASILEIRA CRU s Latin American Iron & Steel Trends Rio de Janeiro Brasil / 20 Julho 2010 Renato Voltaire

Leia mais

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011 Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011 Resultados positivos dos quinze anos de concessões ferroviárias comprovam a importância das ferrovias para o desenvolvimento do País Crescimento de

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL (EF-151)

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL (EF-151) VALEC ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S.A. ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL (EF-151) TRECHO: ITUMBIARA GO / GOIÂNIA GO / BRASÍLIA DF Segmento 2: Goiânia/GO Anápolis/GO Brasília/DF

Leia mais

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DOS ATRASOS DOS TRENS DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA-MINAS

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DOS ATRASOS DOS TRENS DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA-MINAS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Infra-Estrutura de Transportes no Estado do Paraná: competição ou complementaridade entre os modais rodoviário e ferroviário?

Infra-Estrutura de Transportes no Estado do Paraná: competição ou complementaridade entre os modais rodoviário e ferroviário? Infra-Estrutura de Transportes no Estado do Paraná: competição ou complementaridade entre os modais rodoviário e ferroviário? Área: Economia Luciano Francisco Tesche Economista pela UNIOESTE - Campus de

Leia mais

MODELO DE OTIMIZAÇÃO DA LOGÍSTICA DE AÇÚCAR PARA EXPORTAÇÃO COM O OBJETIVO DE AVALIAR OS IMPACTOS ECONÔMICOS DA FROTA PRÓPRIA

MODELO DE OTIMIZAÇÃO DA LOGÍSTICA DE AÇÚCAR PARA EXPORTAÇÃO COM O OBJETIVO DE AVALIAR OS IMPACTOS ECONÔMICOS DA FROTA PRÓPRIA MODELO DE OTIMIZAÇÃO DA LOGÍSTICA DE AÇÚCAR PARA EXPORTAÇÃO COM O OBJETIVO DE AVALIAR OS IMPACTOS ECONÔMICOS DA FROTA PRÓPRIA Thiago Guilherme Péra¹ Roberto Fray da Silva² Daniela Bacchi Bartholomeu¹ Carlos

Leia mais

Curso Superior de tecnologia em Logística

Curso Superior de tecnologia em Logística Curso Superior de tecnologia em Logística Prof. Rodolpho W. Ruiz Tema: Arranjos Operacionais Logísticos e Tipos de Modais Agenda da tele-aula Instalações Locais ou Centralizadas. Cross-Docking. Sistemas

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria

Leia mais

Operador de Transporte Multimodal: Desafios e Perspectivas. André Dulce G. Maia Especialista em Regulação - ANTT

Operador de Transporte Multimodal: Desafios e Perspectivas. André Dulce G. Maia Especialista em Regulação - ANTT Operador de Transporte Multimodal: Desafios e Perspectivas André Dulce G. Maia Especialista em Regulação - ANTT Lei 9.611, de 19 de fevereiro de 1998 Art. 2º - Transporte Multimodal de Cargas é aquele

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES):

Leia mais

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Rosana Paczyk 1 Introdução Este artigo objetiva analisar o setor sucroalcooleiro do Paraná desde o programa nacional do álcool em meados de

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

ALL ANUNCIA OS RESULTADOS DO 1T07

ALL ANUNCIA OS RESULTADOS DO 1T07 Página 1 de XX ALL ANUNCIA OS RESULTADOS DO 1T07 Curitiba, 14 de maio de 2007 A América Latina Logística S.A. 1 ALL (Bovespa: ALLL11) 2, a maior empresa independente de serviços de logística da América

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO

TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO RESUMO: A modernização do vagão Hopper de brita do sistema de Metrô englobou a mudança de sua estrutura

Leia mais

6. Estrutura de Custos Logísticos

6. Estrutura de Custos Logísticos 6. Estrutura de Custos Logísticos Os custos logísticos na atividade de distribuição de combustíveis líquidos no Brasil podem ser classificados como: custo de aquisição dos combustíveis suprimentos custo

Leia mais

Acordo de Cooperação Técnico Científico CEPEFER ( Brasil ) e TRANSURB TECHNIRAIL ( Bélgica )

Acordo de Cooperação Técnico Científico CEPEFER ( Brasil ) e TRANSURB TECHNIRAIL ( Bélgica ) Acordo de Cooperação Técnico Científico CEPEFER ( Brasil ) e TRANSURB TECHNIRAIL ( Bélgica ) Simulação de Manutenção de Material Rodante e Via Permanente Simulação de CCO e Condução de Trens e Locomotivas

Leia mais

Agenda. Logística no Brasil Estrutura Ferroviária ALL Estratégia de Crescimento Cases

Agenda. Logística no Brasil Estrutura Ferroviária ALL Estratégia de Crescimento Cases Agenda Logística no Brasil Estrutura Ferroviária ALL Estratégia de Crescimento Cases 1 Logística no no Brasil EUA Market Share Market Share 16% 14% 30% 40% Rodoviário Ferroviário Hidroviário Outros Argentina

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Logística

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação Departamento de Eng. Produção Operação Ferroviária Circulação Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Introdução A operação ferroviária diz respeito à circulação

Leia mais

"As mudanças logísticas causadas pelo novo terminal de transbordo de Rondonópolis-MT"

As mudanças logísticas causadas pelo novo terminal de transbordo de Rondonópolis-MT Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Economia, Administração e Sociologia Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial - ESALQ-LOG "As mudanças

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AVALIAÇÕES TÉCNICAS JUNHO 2013 EVOLUÇÃO DO BRASIL HÁ 50 ANOS = IMPORTADOR HÁ 20 ANOS = VENDEDOR HOJE = FORNECEDOR DISPUTADO

Leia mais

PAINEL 2014 PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA TEMA: CENÁRIOS PARA INVESTIMENTOS

PAINEL 2014 PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA TEMA: CENÁRIOS PARA INVESTIMENTOS PAINEL 2014 PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA TEMA: CENÁRIOS PARA INVESTIMENTOS BRASÍLIA, 03 DE SETEMBRO DE 2014 Luis Henrique T. Baldez Presidente Executivo OBJETIVOS E PRINCÍPIOS

Leia mais

Transporte ferroviário: avaliação do bi-combustível no desempenho de locomotiva

Transporte ferroviário: avaliação do bi-combustível no desempenho de locomotiva Transporte ferroviário: avaliação do bi-combustível no desempenho de locomotiva Ovidio GUILHERME CORREA POMBAL (FNH) - freitas.bh@freitasesouza.com.br Adelaide Maria Cruz (FNH) - adelaidemcruz@yahoo.com.br

Leia mais

ASPECTOS DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL SOB A ÓTICA DA LOGÍSTICA. J. G. VANTINE Campinas, 10 de Novembro de 2010

ASPECTOS DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL SOB A ÓTICA DA LOGÍSTICA. J. G. VANTINE Campinas, 10 de Novembro de 2010 ASPECTOS DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL SOB A ÓTICA DA LOGÍSTICA J. G. VANTINE Campinas, 10 de Novembro de 2010 1 GASES DE EFEITO ESTUFA Fonte: Cetesb / Fiesp 2 GEE POR SETOR Fonte: Cetesb / Fiesp 3 EMISSÕES

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Seminário de Portos e Vias Navegáveis: Um olhar sobre a infraestrutura Brasília, 22 de setembro de 2011

Seminário de Portos e Vias Navegáveis: Um olhar sobre a infraestrutura Brasília, 22 de setembro de 2011 PAINEL Navegação Marítima de Cabotagem A experiência do armador nacional como investidor em navios no Brasil Seminário de Portos e Vias Navegáveis: Um olhar sobre a infraestrutura Brasília, 22 de setembro

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE PEDÁGIO/EIXO SUSPENSO

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE PEDÁGIO/EIXO SUSPENSO BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE PEDÁGIO/EIXO SUSPENSO 1 - Origem da palavra Pedágio Do latim medieval o pedaticum designava o direito de pôr o pé, de pisar em determinado lugar, contudo, para exercê-lo tinha

Leia mais

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011 Cresce o transporte de cargas nas ferrovias brasileiras As ferrovias brasileiras se consolidaram como uma alternativa eficiente e segura para o transporte de cargas. A, que traçou um panorama do transporte

Leia mais

ESTUDO LOGÍSTICO SOBRE A CAPACIDADE DE ESTOCAGEM DE SOJE EM QUATRO MICRORREGIÕES NO ESTADO DO PARANÁ

ESTUDO LOGÍSTICO SOBRE A CAPACIDADE DE ESTOCAGEM DE SOJE EM QUATRO MICRORREGIÕES NO ESTADO DO PARANÁ XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário

ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! No encontro passado você conheceu as particularidades e características

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS ENESUL -2013 FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 Metodologia de Trabalho Identificação de Mercados Aptidão e Competitividade da Produção Competitividade

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO EESP ALEXANDRE DE MATTOS SETTEN

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO EESP ALEXANDRE DE MATTOS SETTEN FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO EESP ALEXANDRE DE MATTOS SETTEN INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA DE EXPORTAÇÃO DE AÇÚCAR E ETANOL NO CENTRO-SUL DO BRASIL SÃO PAULO 2010 Livros Grátis http://www.livrosgratis.com.br

Leia mais

Custo de Secagem de Grãos

Custo de Secagem de Grãos Custo de Secagem de Grãos Daniel Marçal de Queiroz, Ph.D. Engenheiro Agrícola Professor do Depto. de Engenharia Agrícola da UFV Coordenador Técnico do CENTREINAR Junho de 2003 Importância da determinação

Leia mais

MOBILIDADE URBANA. André Abe Patricia Stelzer

MOBILIDADE URBANA. André Abe Patricia Stelzer MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL André Abe Patricia Stelzer Atualmente, a mobilidade urbana é parte da política de desenvolvimento urbano sustentável. Trata do deslocamento de bens e pessoas e do atendimento

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos )

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) DECOPE/NTC A planilha referencial de granéis sólidos foi elaborada pelo DECOPE/NTC&LOGÍSTICA sob supervisão

Leia mais

INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA BRASILEIRA

INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA BRASILEIRA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo ANTF São Paulo, 06 de Novembro de 2010 INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA BRASILEIRA Perspectivas Logísticas, Competitividade e Sustentabilidade IV Encontro de Logística Mackenzie

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES Sistema de Tranporte Sob qualquer ponto de vista econômico, político e militar o transporte é,, inquestionavelmente, a indústria mais importante no mundo. Congresso

Leia mais

EFVM - Estrada de Ferro Vitória a Minas 157

EFVM - Estrada de Ferro Vitória a Minas 157 EFVM - Estrada de Ferro Vitória a Minas 157 10 EFVM ESTRADA DE FERRO VITÓRIA A MINAS 10.1 Informações Gerais da Ferrovia A Companhia Vale do Rio Doce - CVRD recebeu em 27/06/97, por meio de contrato firmado

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS Indicadores dos Níveis de Atividade e Emprego continuam em tendência de queda na Indústria da Construção de Alagoas e do Nordeste no 2º Trimestre de 2015 2º

Leia mais

PLANO DE ADEQUAÇÃO DO PROCAMINHONEIRO

PLANO DE ADEQUAÇÃO DO PROCAMINHONEIRO PLANO DE ADEQUAÇÃO DO PROCAMINHONEIRO Maio/2008 1 ÍNDICE A classe dos caminhoneiros Índice de acidentes no Brasil Principais barreiras Plano de adequação do PROCAMINHONEIRO 2 ÍNDICE A classe dos caminhoneiros

Leia mais

CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE

CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE NOVEMBRO/2011 CONCESSÕES FERROVIÁRIAS ATUAIS FERROVIA km ALL - Malha Oeste (ex - NOVOESTE) 1.945 Ferrovia Centro-Atlântica S.A. - FCA 8.066 MRS Logística

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

Competências Regulatórias no Setor de Concessões de Rodovias: o caso do Vale-pedágio obrigatório.

Competências Regulatórias no Setor de Concessões de Rodovias: o caso do Vale-pedágio obrigatório. Competências Regulatórias no Setor de Concessões de Rodovias: o caso do Vale-pedágio obrigatório. Lucas de Moraes Sant Anna Advogado. Assessor Jurídico da ABCR. III Congresso Iberoamericano de Regulação

Leia mais

Nova logística de etanol para o abastecimento do mercado interno

Nova logística de etanol para o abastecimento do mercado interno Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Economia, Administração e Sociologia Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial - ESALQ-LOG Nova logística

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO QUALITATIVO DAS PERDAS EM TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE GRÃOS DE SOJA NO ESTADO DO PARANÁ E PROPOSTAS PARA SUA REDUÇÃO

TÍTULO: ESTUDO QUALITATIVO DAS PERDAS EM TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE GRÃOS DE SOJA NO ESTADO DO PARANÁ E PROPOSTAS PARA SUA REDUÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO QUALITATIVO DAS PERDAS EM TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE GRÃOS DE SOJA NO ESTADO DO PARANÁ

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Automotive Logistics 2014. Making the Connections. Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA

Automotive Logistics 2014. Making the Connections. Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA Automotive Logistics 2014 Making the Connections Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA Novembro/ 2014 Mapa da Indústria Catalão / Anápolis - GO Manaus - AM Horizonte - CE (Ford) Goiana

Leia mais

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012 Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura Rio de Janeiro Abril de 2012 O que apoiamos Projetos de Infraestrutura Energia elétrica; Telecomunicações; Saneamento Ambiental; Logística e transportes;

Leia mais

ESTRUTURA DA ENTIDADE

ESTRUTURA DA ENTIDADE ESTRUTURA DA ENTIDADE Competitividade Pessoas Sustentabilidade CENÁRIO DA AVIAÇÃO BRASILEIRA PRÉ-2002 Preços regulados pelo Governo Tarifas elevadas Baixo número de consumidores Competição limitada Diferenciação

Leia mais

APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE

APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE Novembro/2011 Introdução A demanda mundial por produtos originados de recursos naturais renováveis e não-renováveis

Leia mais

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013 Artigo publicado na edição 34 Assine a revista através do nosso site maio e junho de 2013 www.revistamundologistica.com.br Paulo Guedes :: opinião Gastos e Custos Logísticos diferenciar para compreender

Leia mais

O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil

O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil Suenne Andressa Correia Pinho (UPE) - suenne_correia@hotmail.com Alberto Casado Lordsleem Jr.

Leia mais

Painel de Fretes. Sistema Online e Ferramenta de Custo Referencial

Painel de Fretes. Sistema Online e Ferramenta de Custo Referencial Painel de Fretes Sistema Online e Ferramenta de Custo Referencial Agenda Análise Comparativa Sistema Online Análise Interativa Ferramenta de Custo Referencial 2 Página Inicial 3 Seleção do Gráfico 4 Gráfico

Leia mais

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências Logística Internacional CONCEITOS

Leia mais

Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO

Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO SEMINÁRIO SOBRE TRANSPORTE E LOGÍSTICA BANCO MUNDIAL / MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Eng Luis

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS CORREDORES DO ARCO NORTE AVALIAÇÕES TÉCNICAS MAIO DE 2014 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

24º Fórum de Debates Brasilianas.org

24º Fórum de Debates Brasilianas.org Transportes 24º Fórum de Debates Brasilianas.org Os desafios da logística e infraestrutura Marcos regulatórios e entraves burocráticos Reginaldo Cardoso São Paulo, 30 de Maio de 2012 Deutsche Post - DHL

Leia mais