João Paulo Koslovski Presidente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "João Paulo Koslovski Presidente"

Transcrição

1 Curitiba, Junho de 2015

2

3 C onsiderando que o alto valor das tarifas de pedágio praticadas no chamado Anel de Integração no Paraná penaliza o setor produtivo paranaense e compromete a competitividade do agronegócio e do cooperativismo, por unanimidade, a Diretoria da Ocepar se posicionou contrária à prorrogação dos atuais contratos, com prazo de término estabelecido para novembro de Desde a implantação das concessões, em 1997, além de acompanharmos os reais impactos que esses valores têm causado no setor produtivo paranaense, manifestamos, por meio dos veículos de comunicação e também diretamente ao governo do Estado, nossa preocupação. Sabemos que essas concessões foram importantes para a conservação das nossas rodovias, mas muitas obras do contrato inicial foram retiradas ou postergadas, enquanto os valores continuaram sendo majorados ano a ano sem uma solução e impactando diretamente os custos de produção primária. Faltando apenas seis anos para o término das atuais concessões, discute-se agora sobre a redução da tarifa e realização de obras, sinalizando para uma renovação contratual. É importante frisar que, mesmo que as atuais tarifas sejam reduzidas pela metade (50%), elas ainda continuarão acima da média nacional. Acreditamos que o melhor caminho é aguardar e assim realizarmos novas licitações dentro da realidade econômica do Paraná e do Brasil e que não venham a prejudicar aqueles que ajudam a desenvolver este país. Desta forma, tomamos a iniciativa de realizarmos um detalhado estudo sobre os reais impactos das atuais tarifas de pedágio praticadas no Paraná, comparando-as aos valores das concessões mais recentes no Brasil. Gostaríamos da sua atenção para este estudo e qualquer dúvida a respeito, a Ocepar estará à disposição. João Paulo Koslovski Presidente 3

4 HISTÓRICO IMPACTOS DAS TARIFAS DO PEDÁGIO NO MILHO E SOJA EXPORTADOS 4

5 COMPARATIVO NACIONAL Na régua ao lado uma simulação sobre o deságio (18%, 30% e 69%) nas atuais tarifas praticadas no Paraná em comparação a média nacional (veja Anexo I) No quadro a direita um comparativo do custo médio das tarifas de pedágio praticadas a cada 100 km nas rodovias do Paraná e de outros estados. IMPACTO NA REDUÇÃO DO PEDÁGIO NO PR COM ADOÇÃO DAS NOVAS TARIFAS PRATICADAS NO MS, MT, GO E MG 5

6 SITUAÇÃO EM 2015 Trechos de rodovias do Anel de Integração já duplicados até 2015 SITUAÇÃO EM 2021 Trechos de rodovias do Anel de Integração já duplicados até 2015 Trechos a serem duplicados até 2021, conforme os contratos vigentes 6

7 TARIFAS DE PEDÁGIO NO PARANÁ As tarifas de pedágio no Estado do Paraná são mais elevadas do que em significativo número de estados da Federação. Tomando-se em conta uma média ponderada, observa-se que o valor encontra-se em um patamar de R$ 11,05 /100 km, no caso de automóveis leves, mais do que o dobro do observado nas concessões da Dutra, em São Paulo, (R$ 4,58/ 100 km). Novos trechos concessionados no Brasil demonstram que as tarifas de pedágio podem ser muito menores do que as atualmente praticadas no Paraná. Por exemplo, os trechos da CCR, na BR 163 no Mato Grosso do Sul, irão operar com valor na ordem de R$ 4,38/100 km de rodovia, para automóveis. No Mato Grosso é ainda menor, de R$ 2,63/100 km. Mesmo com significativo percentual de reduções, o pedágio do Paraná continuaria superior aos praticados em outros estados. Por exemplo, com redução de 18%, a tarifa média seria de R$ 9,06/100km. No caso de deságio de 30%, ficaria em R$ 7,73/100km. É importante lembrar que nos novos trechos no Mato Grosso, por exemplo, o pedágio deve ser implementado depois da realização de obras. Na BR 163, os usuários somente pagarão pedágio depois que pelo menos 10% das duplicações estiverem realizadas, de forma que as obras devem estar prontas até o 5º ano da concessão. No Mato Grosso do Sul, dois trechos terão de ser duplicados da divisa com MT até Vila Vargas e de Campo Grande até a divisa com o Paraná, perfazendo 806,3 quilômetros. O edital prevê que a concessionária terá de investir R$ 6 bilhões ao longo de 30 anos, sendo R$ 3,5 bilhões nos primeiros cinco anos. A CCR contará com recursos próprios e financiamento do BNDES. Cabe lembrar que os contratos de pedágios paranaenses foram objeto de uma alteração unilateral, em 1998, e de aditivos, em 2000 e 2002, que eliminaram ou postergaram a realização de obras. Sem as alterações impostas ao Programa de Concessões do Paraná, apesar das falhas contratuais, em 2004 todas as duplicações previstas estariam concluídas. No entanto, até dezembro daquele ano a extensão de duplicações realizadas era de apenas 138,75 Km, ou 16,2 % do total inicialmente definido. A maior parte das duplicações previstas está sendo executada no momento e deve estar concluída somente em novembro de 2021, quando terminam os contratos de concessão. Em síntese: os usuários pagam por um serviço que não é oferecido. 7

8 É interessante notar que recentemente o Rio de Janeiro fez licitação para um novo período de concessão na Ponte Rio-Niterói. A concessionária vencedora, a Ecorodovias, vai operar com tarifa de pedágio de R$ 3,70, valor 29% menor do que aquele cobrado anteriormente no trecho de 13,20 km. Esse exemplo deixa claro que o processo de concorrência é fundamental para a melhoria das condições de pedágio. Comparativo de tarifas de pedágio: Operadora Trechos Pedágio (R$/100 km) Simulações Deságio de 18% Deságio de 30% Média de Pedágios do anel da integração - Paraná R$ 11,05 R$ 9,06 R$ 7,73 Novadutra/São BR-116/RJ/SP, trecho Rio de - - R$ 4,58 Paulo Janeiro - São Paulo CCR/MS* BR 163 MS R$ 4, Odebrecht/MT* BR 163 MT R$ 2, Invepar/DF-GO- - - BR 040 (DF-GO-MG) R$ 3,22 MG)* Nota: valores referenciais para automóveis Comentário: Os trechos das novas concessões Centro-Oeste estão em fase de implementação de melhorias e duplicação das vias. Por exemplo, no trecho do MT, depois de um ano de concessão, a concessionária já realizou as melhorias em todo o trecho e até o final de 2015 está prevista a entrega de uma duplicação de 73 km. 8

9 ANEXO I Comparativo das tarifas de pedágio (automóvel / 100 km): Operadora TRECHOS DE PEDÁGIO NO PARANÁ Ecocataratas Trechos BR 277, PR 180, PR 874, PR 474, PR 590, Extensão (km) Pedágio (R$/100 km) Deságio de 18% Deságio de 30% 459 R$ 11,90 R$ 9,76 R$ 8,33 Caminhos do Paraná Econorte Viapar Rodonorte BR-277, BR-373, BR-476, PR- 427 e PR-438 BR-369, BR-153, PR-323, PR- 445, PR-090, PR-855, PR-862 PR 986, BR 369, PR 444, BR 376, PR 317 e BR 158 BR 277, BR 376, PR 151, BR 373/PRC 373, PR 092, PR 239, PR 090, PR 340 e PR R$ 11,36 R$ 9,32 R$ 7, R$ 13,12 R$ 10,76 R$ 9, R$ 9,67 R$ 7,93 R$ 6, R$ 10,67 R$ 8,75 R$ 7,47 Ecovia TRECHOS EM OUTROS ESTADOS Novadutra BR 277, PR 407, PR 508, PR 804, PR 408, PR 411 BR-116/RJ/SP, trecho Rio de Janeiro - São Paulo 172 R$ 9,59 R$ 7,86 R$ 6,71 Média R$ 11,05 R$ 9,06 R$ 7, R$ 4, Novos trechos - CCR BR 163 MS 847 R$ 4, Odebrecht BR 163 MT 850 R$ 2, Invepar BR 040 (DF-GO-MG) 936 R$ 3, Média nos novos trechos R$ 3,41 Nota: valores referenciais para automóveis Comentário: observa-se que os valores do pedágio em diversas praças, mesmo com redução nas tarifas são bastante superiores aos valores praticados nas novas concessões. Por exemplo, se a tarifa dos trechos da Econorte do Paraná fosse reduzido em 18%, chegaria a R$ 10,76/100km, ou 3,1 vezes superior à média dos valores nos novos trechos na região Centro-Oeste e Minas Gerais (10,76/3,41=3,1). Se a redução fosse de 30%, ainda assim o pedágio seria 2,7 vezes mais caro (9,18/3,41 = 2,7). Mesmo nos trechos no Paraná com menor tarifa, a diferença seria o dobro do praticado nas novas concessões, para o caso de uma redução na ordem de 30%, como é o caso da Viapar (6,77/3,41=1,99) 9

10 Em outras palavras, para que houvesse uma equiparação nos custos de pedágio no Paraná com relação às novas concessões, as reduções nos valores deveriam estar na ordem de 74%, no caso da Econorte e de 64%, no caso da Viapar. Em média, a redução teria que ser de 69%. ANEXO II O IMPACTO DO PEDÁGIO NO TRANSPORTE DE GRÃOS E INSUMOS NO ESTADO DO PARANÁ Os objetivos do presente estudo são mensurar a influência das atuais tarifas de pedágio nos valores do transporte de grãos e insumos no Paraná e verificar comparativamente impactos decorrentes do tipo de carga transportada. O estudo foi feito com base em uma matriz origem-destino, envolvendo simulações com cinco rotas rodoviárias mais representativas no transporte de cargas do Paraná. Para efeito da determinação do impacto do custo do pedágio no frete, calculou-se o valor efetivo pago em cada rota por um caminhão com 5 eixos, que transporta 27 toneladas de produto. A análise envolveu 27 praças de pedágio em regiões de intenso transporte de grãos no estado. Os cálculos realizados baseiam-se em valores dos fretes atuais e preços recebidos pelos produtores de soja e milho média mensal de janeiro a abril de Avaliou-se o impacto destes custos considerando as seguintes cotações: milho: R$ 21,00/saca de 60 kg; da soja: R$ 57,00/saca de 60 kg. Para os cálculos foram utilizadas tarifas de pedágio corrigidas em dezembro de Nas cinco simulações foi determinado o número de pedágios em itinerários relevantes na produção e transporte de milho e soja. IMPACTOS DO PEDÁGIO NO TRANSPORTE DE GRÃOS O pedágio onera o transporte de grãos em todas as regiões do Paraná. Em alguns casos, chega a representar 36,67% do custo do transporte, como é o caso de cargas vindas de Foz do Iguaçu, que pagam R$ 750,40 em pedágio. Mesmo no caso de Ponta 10

11 Grossa, mais próxima ao porto, o efeito chega a 25,90% do preço do frete (compare tabela 1) 1. Tabela 1 - Preço do frete, do pedágio e influência do pedágio no valor do frete por tonelada transportada. Trecho Pedágio total / viagem (R$)* Pedágio /tonelada (R$/t) Custo do frete (R$)** Proporção Pedágio/Frete (%) Foz do Iguaçu/Paranaguá 750,40 27,79 75,79 36,67% Cascavel/Paranaguá 589,60 21,84 66,84 32,67% Maringá/Paranaguá 462,40 17,13 62,13 27,57% Campo Mourão/Paranaguá 373,60 13,84 58,84 23,52% Ponta Grossa/Paranaguá 231,20 8,56 33,06 25,90% * Considerou-se que 60% dos caminhões retornam ao interior sem carga e consequentemente 40% voltam ao interior com frete de retorno, de acordo com levantamentos realizados com operadores de transporte das regiões Sudoeste, Oeste e Noroeste do Estado; ** Preço do frete sem o pedágio. O pedágio tem um valor equivalente a 7,4% do custo operacional de produção de um produtor que transporta o milho da região de Foz de Iguaçu para Paranaguá. No caso da soja, esse índice é de 4,2%. Vale lembrar que regiões mais distantes de Paranaguá (Oeste e Noroeste do estado) têm grande peso na produção estadual de grãos e são bastante prejudicadas pelos custos com pedágios. Mesmo nas praças mais próximas ao porto, como Ponta Grossa, a tarifa pode ser considerada um valor alto comparado aos custos operacionais de produção (compare gráfico 1). Ao final, o efeito dá-se efetivamente ao nível do preço recebido pelo agricultor. Um produtor de milho na região de Foz de Iguaçu, por exemplo, tem sua renda diminuída em 7,9% devido ao pedágio. Na região de Cascavel, é de 6,2% (gráfico 2). Ou seja, se por um lado, o agricultor realiza grandes esforços para melhorar a produtividade e ajustar os custos de produção, por outro, o pedágio, como fator fora da porteira tira sua competitividade. 1 Os cálculos detalhados sobre os impactos do pedágio para cada região produtiva do Paraná são apresentados no Anexo III. 11

12 Gráfico 1 - Impacto percentual do pedágio sobre o custo operacional do milho e soja. Ponta Grossa/Paranaguá 1,3% 2,3% Soja (%) Milho (%) Campo Mourão/Paranaguá 2,1% 3,7% Maringá/Paranaguá 2,6% 4,5% Cascavel/Paranaguá 3,3% 5,8% Foz do Iguaçu/Paranaguá 4,2% 7,4% Gráfico 2- Impacto percentual do pedágio sobre o preço recebido pelos produtos por milho e soja no Paraná Ponta Grossa/Paranaguá 0,9% 2,4% Soja (%) Milho (%) Campo Mourão/Paranaguá 1,5% 4,0% Maringá/Paranaguá 1,8% 4,9% Cascavel/Paranaguá 2,3% 6,2% Foz do Iguaçu/Paranaguá 2,9% 7,9% Conforme dados do MDIC, entre janeiro e dezembro de 2014, foram exportados por Paranaguá 7,53 milhões de toneladas de soja em grãos, 4,23 milhões/t. de farelo e 4,03 12

13 milhões/t de milho, totalizando 15,79 milhões de toneladas de produtos agrícolas. Considerando-se que 65% dessa produção (10,26 milhões de toneladas) sejam transportadas por rodovia, seriam necessários 380 mil caminhões de cinco eixos para levar a carga até o porto. Com tarifa média de R$ 481,44 por caminhão nos trechos acima mencionados, obtémse custo total em pedágio para o transporte de soja e milho do Paraná de R$ 182,97 milhões. Considerando-se que o pedágio seja reduzido em 18%, o valor pago na simulação seria de R$ 150,03 milhões. Se houvesse deságio de 30%, o valor seria de R$ 128,08 milhões. Caso houvesse uma equiparação com as condições das novas concessões, ou seja, redução de 69%, o desembolso total cairia para R$ 56,46 milhões. Vale lembrar que os valores utilizados são simulativos, além de que o tráfego nas rodovias pedagiadas contempla muitos outros tipos de cargas no âmbito regional, e também de automóveis e motocicletas. No estado, a arrecadação do pedágio, em 2014, foi de R$ 1,84 bilhão, segundo a Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR). IMPACTOS DO PEDÁGIO NO TRANSPORTE DE INSUMOS O pedágio tem também impacto significativo no transporte de insumos usados pelos agricultores. Os principais são fertilizantes e calcário, os mais demandados, em termos de quantidade, pelos produtores rurais. No caso do calcário, o pedágio representa forte impacto nos custos do transporte e no seu preço final. Por exemplo, no transporte de uma carga de Almirante Tamandaré para Cascavel ou para Maringá o valor por tonelada é de R$ 11,04 e R$ 8,09, respectivamente, o representa encarecimento de 15,03% e de 11,87% nos preços pagos pelo produtor rural (Tabela 4). Em suma, se o agricultor paga em média R$ 71,00 por uma tonelada de calcário dolomíticoπ a granel, posto na propriedade, o custo efetivo do insumo corresponde a 40% do valor pago, o restante corresponde a frete e pedágio. O custo de transporte de fertilizantes também é afetado pelo pedágio. Para o transporte de NPK ( ) de Paranaguá para Cascavel, a tarifa onera em R$ 13,75/t a carga. No caso de Maringá, o valor é de R$ 10,70/t. Como o frete para esses municípios custa em média R$ 33,42 e R$ 31,06/t, o pedágio assume um peso de 40,84% e 34,46%, respectivamente, sobre o valor do frete. (tabela 5) 13

14 Tabela 2 - Impacto do pedágio no custo do frete do calcário 2 Itens Cascavel Maringá (1) Preço do calcário em Alm. Tamandaré - (R$/t) 29,00 29,00 (2) Valor do pedágio (R$/t) 11,04 8,09 (3) Frete retorno (R$/t) 33,42 31,06 (4) Preço Total do Produto 73,46 68,16 (2)/(1) Pedágio/preço do calcário na mina (%) 38,06% 39,43% (2)/(3) Pedágio/frete (%) 33,03% 24,38% (2)/(4) Pedágio/preço total do produto (%) 15,03% 11,87% Obs: considerado apenas um trecho pois comumente o calcário é transportado como frete de retorno ao interior Tabela 3 - Impacto do pedágio no custo do frete do adubo formulado de Paranaguá para Cascavel e Maringá Itens Cascavel Maringá (1) Preço do adubo em Paranaguá - (R$/t) 1.247, ,67 (2) Valor do pedágio - (R$/t) 13,65 10,70 (3) Frete retorno (R$/t) 33,42 31,06 (2)/(1) Pedágio/preço do adubo (%) 1,09% 0,86% (2)/(3) Pedágio/Frete (%) 40,84% 34,46% (2)/(1+2+3) Pedágio/preço total do produto (%) 1,05% 0,83% Obs: considerado apenas um trecho pois comumente o fertilizante é transportado como frete de retorno ao interior. CONCLUSÕES Em resumo, pode-se dizer que o pedágio: Tem um impacto no valor do frete de grãos que pode representar até 36,67%. Significa assim um grande ônus à agricultura, principalmente nas regiões com grande peso na produção, como no Oeste, Sudoeste e Norte do Paraná. As tarifas de pedágio podem atingir valores equivalentes a 7,4% do custo operacional de produção no caso do milho e de 4,2 %, no caso da soja. 2 As referências utilizadas para a fonte de calcário é o município de Almirante Tamandaré, principal cidade produtora de calcário, e para o uso nos municípios de Cascavel e Maringá, maiores centros demandantes no Estado. 14

15 Por encarecer o transporte da produção de forma significativa, os preços cobrados pelo pedágio são responsáveis por uma depreciação de renda do produtor rural. Os elevados custos de pedágio desestimulam investimentos nas regiões mais distantes do porto e prejudicam assim o seu desenvolvimento. O setor agropecuário é especialmente prejudicado com os preços do pedágio, pois, em geral, o valor unitário dos produtos é baixo em comparação com os da indústria. Por exemplo, para o transporte de televisores, automóveis e geladeiras de Curitiba para Foz do Iguaçu o pedágio representa menos de 1% do valor do produto, enquanto o transporte de grãos é onerado em até 7,4%. Os custos adicionais do pedágio no Paraná reduzem a competitividade da produção nacional de grãos, o que é especialmente prejudicial à soja, que enfrenta grande competição da Argentina e Estados Unidos, considerando a Europa e a Ásia como mercados de destino. Um ganho efetivo de competitividade para o agronegócio ocorreria somente se o dispêndio com o pedágio fosse menor do que os ganhos proporcionados com a redução de custos de manutenção, perdas da produção no transporte e ganho de tempo, dentre outros. Ou seja, deveria haver melhorias substanciais na qualidade das rodovias, de modo a reduzir custos de manutenção e de tempo de viagem. Assim, a situação atual das rodovias não justifica o impacto que elas causam à produção e transporte no Paraná, além do risco contínuo que representam para caminhoneiros e motoristas de carros menores. O Pedágio caracteriza-se como um dos componentes do custo Brasil, causando perda da competitividade da soja e milho brasileira frente aos nossos concorrentes mundiais, principalmente a Argentina e Estados Unidos. Com relação ao Paraná, observa-se que os custos de pedágio bastante superiores aos de outros estados, em especial com relação a novos trechos concessionados no Centro-Oeste e Minas Gerais. É importante ter em vista que o agronegócio representa 30% da economia paranaense, de modo que a onerosidade do pedágio provoca perda sistêmica na competitividade estadual, com reflexos em toda a economia e especialmente na perda de renda no campo. Portanto, a competitividade do 15

16 agronegócio paranaense depende das melhorias das condições das rodovias e redução dos preços dos pedágios. ANEXO III Tabela 4 Origem Maringá, destino Paranaguá: sacas de milho e soja necessárias para pagar a tarifa de pedágio. Nº de Sacas Necessárias Localização Preço (R$) Pedágios Milho Soja 1 Mandaguari 29,00 1,38 0,51 2 Ortigueira/Mauá da Serra 38,50 1,83 0,68 3 Imbaú 38,50 1,83 0,68 4 Tibagi 38,50 1,83 0,68 5 Witmarsum 40,00 1,90 0,70 6 Balsa Nova/Purunã 34,00 1,62 0,60 7 São José dos Pinhais 70,50 3,36 1,24 Total 289,00 13,76 5,07 Total/ ida e volta 578,00 27,52 10,14 Custo ajustado* 462,40 22,02 8,11 * Ajuste do impacto do pedágio no custo de transporte das cargas, considerando que, 60% dos caminhões retornam ao interior sem carga e conseqüentemente 40% voltam ao interior com frete de retorno, de acordo com levantamentos realizados com operadores de transporte das regiões Sudoeste, Oeste e Noroeste do Estado. 16

17 Tabela 5 - Origem Cascavel, destino Paranaguá: sacas de milho e soja necessárias para pagar a tarifa de pedágio. Nº de Sacas Necessárias Localização Preço (R$) Pedágios Milho Soja 1 Cascavel/Ibema 45,00 2,14 0,79 2 Laranjeiras do Sul 45,00 2,14 0,79 3 Candói 45,00 2,14 0,79 4 Relógio 45,50 2,17 0,80 5 Irati 38,00 1,81 0,67 6 Palmeira/Porto Amazonas 45,50 2,17 0,80 7 Balsa Nova/Purunã 34,00 1,62 0,60 8 São José dos Pinhais 70,50 3,36 1,24 Total 368,50 17,55 6,46 Total/ ida e volta 737,00 35,10 12,93 Custo ajustado* 589,60 28,08 10,34 * Ajuste do impacto do pedágio no custo de transporte das cargas, considerando que, 60% dos caminhões retornam ao interior sem carga, de acordo com levantamentos realizados com operadores de transporte das regiões Sudoeste, Oeste e Noroeste do Estado. Tabela 6 - Origem Campo Mourão, destino Paranaguá: sacas de milho e soja necessárias para pagar a tarifa de pedágio. Nº de Pedágios Localidade Preço (R$) Sacas Necessárias Milho Soja 1 Relógio 45,50 2,17 0,80 2 Irati 38,00 1,81 0,67 3 Palmeira/Porto Amazonas 45,50 2,17 0,80 4 Balsa Nova/Purunã 34,00 1,62 0,60 5 São José dos Pinhais 70,50 3,36 1,24 Total 233,50 11,12 4,10 Total/ ida e volta 467,00 22,24 8,19 Custo ajustado* 373,60 17,79 6,55 * Ajuste do impacto do pedágio no custo de transporte das cargas, considerando que, 60% dos caminhões retornam ao interior sem carga e conseqüentemente 40% voltam ao interior com frete de retorno, de acordo com levantamentos realizados com operadores de transporte das regiões Sudoeste, Oeste e Noroeste do Estado. 17

18 Tabela 7 - Origem Ponta Grossa, destino Paranaguá: sacas de milho e soja, necessárias para pagar a tarifa de pedágio. Nº de Pedágios Localidade Preço (R$) Sacas Necessárias Milho Soja 1 Witmarsum 40,00 1,90 0,70 2 Balsa Nova/Purunã 34,00 1,62 0,60 3 São José dos Pinhais 70,50 3,36 1,24 Total 144,50 6,88 2,54 Total/ ida e volta 289,00 13,76 5,07 Custo ajustado* 231,20 11,01 4,06 * Ajuste do impacto do pedágio no custo de transporte das cargas, considerando que, 60% dos caminhões retornam ao interior sem carga e conseqüentemente 40% voltam ao interior com frete de retorno, de acordo com levantamentos realizados com operadores de transporte das regiões Sudoeste, Oeste, Noroeste e Centro-Sul do Estado. Tabela 8 - Origem Foz do Iguaçu, destino Paranaguá: sacas de milho e soja, necessárias para pagar a tarifa de pedágio. Nº de Pedágios Localidade Preço (R$) Sacas Necessárias Milho Soja 1 São Miguel do Iguaçu 57,00 2,71 1,00 2 Céu Azul 43,50 2,07 0,76 3 Cascavel 45,00 2,14 0,79 4 Laranjeiras do Sul 45,00 2,14 0,79 5 Candói 45,00 2,14 0,79 6 Relógio 45,50 2,17 0,80 7 Irati 38,00 1,81 0,67 8 Palmeira/Porto Amazonas 45,50 2,17 0,80 9 Balsa Nova/Purunã 34,00 1,62 0,60 10 São José dos Pinhais 70,50 3,36 1,24 Total 469,00 22,33 8,23 Total/ida e volta 938,00 44,67 16,46 Custo ajustado* 750,40 35,73 13,16 * Ajuste do impacto do pedágio no custo de transporte das cargas, considerando que, 60% dos caminhões retornam ao interior sem carga e conseqüentemente 40% voltam ao interior com frete de retorno, de acordo com levantamentos realizados com operadores de transporte das regiões Sudoeste, Oeste e Noroeste do Estado. 18

19

20 Avenida Cândido de Abreu, 501 Centro Cívico Curitiba Paraná Fone: (41)

PEDÁGIOS NO PARANÁ. O Pedágio é Necessário?

PEDÁGIOS NO PARANÁ. O Pedágio é Necessário? PEDÁGIOS NO PARANÁ O Pedágio é Necessário? PEDÁGIOS NO PARANÁ O Pedágio é Necessário? BR 163 Cascavel Barracão 2013 BR 277 Campo Largo 2015 PEDÁGIOS NO PARANÁ Qual é o Preço Justo da Tarifa? Qual a Quantidade

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 A evolução da produção de milho no Mato Grosso: a importância da safrinha Jason de Oliveira Duarte 1 José Carlos Cruz 2 João Carlos Garcia 3 Introdução

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário Índice

Leia mais

7 Transporte e Logística

7 Transporte e Logística 7 Transporte e Logística Este capítulo apresenta a análise da logística das cadeias produtivas das oleaginosas pesquisadas e os custos de transporte utilizados nas simulações. 7.1. Logística Para a organização

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015 TRIGO Período de 2 a 6/0/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,5 34,0 35,42 35,94 Semana Atual

Leia mais

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente João Saboia 1 1. Introdução A questão do salário mínimo está na ordem do dia. Há um reconhecimento generalizado de que seu valor é muito

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Apresentação O consumo de óleos vegetais tem aumentado no mundo todo, substituindo parte do consumo de gorduras animais. Embora tenham

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA MT - 100

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA MT - 100 RELATÓRIO SITUAÇÃO DA MT - 100 Novembro/2014 1. Introdução O Movimento Pró-Logística, que reúne as entidades Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA-MT), Associação

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013 Artigo publicado na edição 34 Assine a revista através do nosso site maio e junho de 2013 www.revistamundologistica.com.br Paulo Guedes :: opinião Gastos e Custos Logísticos diferenciar para compreender

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual

Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 1.1 A Cidade... 2 1.2 Padrão de mobilidade... 5 1.2.1 Frota

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

O alto custo dos acidentes nas serras das Araras e de Petrópolis e na Ponte Rio-Niterói

O alto custo dos acidentes nas serras das Araras e de Petrópolis e na Ponte Rio-Niterói Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Nº 1 Petrópolis e na Ponte Rio-Niterói Lançado no mês de agosto de 2012 pelo governo federal, o PAC da Infraestrutura prevê investimentos de R$ 133

Leia mais

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Estudo encomendado a Rating de Seguros Consultoria pela Terra Brasis Resseguros Autor: Francisco Galiza Sumário 1. Introdução... 3 2. Descrição do Setor...

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE RIO GRANDE DO SUL. Sondagem Especial Produtividade Unidade de Estudos Econômicos Sistema FIERGS

SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE RIO GRANDE DO SUL. Sondagem Especial Produtividade Unidade de Estudos Econômicos Sistema FIERGS SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE 32,1% das empresas da indústria de transformação não aumentaram sua produtividade nos últimos 5 anos. Na indústria da construção este percentual sobe para 46,9%. 25% das

Leia mais

MOEDA E CRÉDITO. Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1

MOEDA E CRÉDITO. Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1 MOEDA E CRÉDITO Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1 SUMÁRIO Em sua reunião de 20 de janeiro último, o Copom manteve a meta para a Selic estável em 14,25%. A decisão parece ter surpreendido o mercado, como

Leia mais

A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros

A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros Estudo de Roberto Iglesias, economista, consultor da ACT Maio de 2009 O Poder Executivo, através da Medida

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015 1. Introdução O Crédito Rural abrange recursos destinados a custeio, investimento ou comercialização. As suas regras, finalidades e condições estão estabelecidas no Manual de Crédito Rural (MCR), elaborado

Leia mais

GEOGRAFIA Professores: Ronaldo e Marcus

GEOGRAFIA Professores: Ronaldo e Marcus GEOGRAFIA Professores: Ronaldo e Marcus Comentário Geral Prova com estruturação clássica com divisão entre questões de geografia física, econômica e humana com maior peso para os conceitos envolvendo o

Leia mais

Preços médios da tonelada de cana para pagamento - Safra 2010/2011 - A

Preços médios da tonelada de cana para pagamento - Safra 2010/2011 - A Edição nº 20 maio de 2011 EDIÇÃO ESPECIAL DE FECHAMENTO SAFRA O Informe Especial da Canaoeste tem como objetivo, transmitir aos associados todas as informações relevantes da safra 2010/2011, encerrada

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 4 O 12º Levantamento de Safras da Conab, divulgado em 11 de setembro de 2015, consolidou os dados sobre produção, área e produtividade de algodão

Leia mais

Discurso proferido pelo Deputado COSTA FERREIRA. Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Hipoteco meu apoio irrestrito à MP 274 que tem por

Discurso proferido pelo Deputado COSTA FERREIRA. Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Hipoteco meu apoio irrestrito à MP 274 que tem por 1 A Ferrovia Norte-Sul é estratégica para a economia nacional. Sua conclusão e ampliação têm caráter de urgência. Por isso, hipoteco meu apoio irrestrito à MP 274 que objetiva concluir o trecho entre Açailândia

Leia mais

Cooperativismo Agropecuário

Cooperativismo Agropecuário Cooperativismo Agropecuário rio Camara Temática de Insumos Agropecuários Paulo Cesar Dias Junior Brasília, 25 de novembro de 2013 Sistema OCB. Você participa. Todos crescem. OCB: Atuação Representação

Leia mais

NOTA DA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL - Perguntas e Respostas sobre o processo de concessão Viernes 30 de Septiembre de 2011 17:32

NOTA DA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL - Perguntas e Respostas sobre o processo de concessão Viernes 30 de Septiembre de 2011 17:32 There are no translations available. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL Perguntas e Respostas sobre o processo de concessão A concessão Por que o governo resolveu fazer a concessão? Nos

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail. Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.com Algumas Questões Estamos no caminho correto do desenvolvimento

Leia mais

Nome: Data. Prof: Manoel Amaurício. p p% de C é C. 100 exemplo 1: 14% = 0,14 20% = 0,2 2% = 0,02

Nome: Data. Prof: Manoel Amaurício. p p% de C é C. 100 exemplo 1: 14% = 0,14 20% = 0,2 2% = 0,02 M A T E M Á T I C A PROPORÇÕES Nome: Data Prof: Manoel Amaurício P O R C E N T A G E M p p% de C é C. 100 exemplo 1: 14% = 0,14 20% = 0,2 2% = 0,02 Após um aumento de p% sobre C passamos a ter 100 p C.

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE.

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE. O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE Ano 4 200 Nº 20 O nosso negócio

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO Resumo Executivo Pesquisa 2014 APRESENTAÇÃO Pelo terceiro ano consecutivo, o CBCA Centro Brasileiro da Construção em Aço e a ABCEM Associação Brasileira da Construção

Leia mais

Balanço social: diversidade, participação e segurança do trabalho

Balanço social: diversidade, participação e segurança do trabalho João Sucupira* INDICADORES Balanço social: diversidade, participação e segurança do trabalho O balanço social está se tornando uma peça importante não só para prestar contas à sociedade das ações das empresas

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO PAC: UMA COMPARAÇÃO DAS METODOLOGIAS

AVALIAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO PAC: UMA COMPARAÇÃO DAS METODOLOGIAS Avaliação dos investimentos do PAC: uma comparação das metodologias utilizadas pela Casa Civil, ONG Contas Abertas e Ipea 17 AVALIAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO PAC: UMA COMPARAÇÃO DAS METODOLOGIAS UTILIZADAS

Leia mais

É Presidente do Comitê de TIC - Tecnologia da Informação e Comunicação da Amcham - SP, Câmara Americana de Comércio de São Paulo.

É Presidente do Comitê de TIC - Tecnologia da Informação e Comunicação da Amcham - SP, Câmara Americana de Comércio de São Paulo. Direitos de Passagem e Termos de Permissão de Uso de Vias Públicas O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre direitos de passagem e termos de permissão de uso de

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

RELATÓRIO DO OMBUDSMAN DA BM&FBOVESPA 2012

RELATÓRIO DO OMBUDSMAN DA BM&FBOVESPA 2012 RELATÓRIO DO OMBUDSMAN DA BM&FBOVESPA 2012 São Paulo, fevereiro de 2013. 2 ÍNDICE Apresentação Pag. 3 Função Reativa Dados consolidados do ano de 2012 Pag. 4 Função Pró-ativa Uma retrospectiva de 2012

Leia mais

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 MILHO (Zea mays) Sustento da Vida Maior cultura agrícola do mundo;

Leia mais

A logística de transportes e telecomunicações no noroeste do Mato Grosso: entrave ao desenvolvimento ou oportunidade de negócios.

A logística de transportes e telecomunicações no noroeste do Mato Grosso: entrave ao desenvolvimento ou oportunidade de negócios. A logística de transportes e telecomunicações no noroeste do Mato Grosso: entrave ao desenvolvimento ou oportunidade de negócios. III SASEL SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO Professora Ma. Terezinha Márcia de

Leia mais

Agosto/2015 Belo Horizonte - MG

Agosto/2015 Belo Horizonte - MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Agosto/2015 Belo Horizonte - MG ÍNDICE 03. Apresentação 04. Dados de Minas Gerais 05. Área, Produção

Leia mais

PROJETO DE LEI nº 1.843, de 2007

PROJETO DE LEI nº 1.843, de 2007 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI nº 1.843, de 2007 Dispõe sobre a liberação de garantias hipotecárias em operações de crédito rural. Autor: Deputado ANTONIO CARLOS MENDES THAME Relator:

Leia mais

PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE

PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE Ano V Agosto de 2011 Nº 13 INFORME RURAL ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação - AEPA PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Perfil do Emprego nas Fundações de Belo Horizonte/MG - 1999*

Perfil do Emprego nas Fundações de Belo Horizonte/MG - 1999* Perfil do Emprego nas Fundações de Belo Horizonte/MG - 1999* Eduardo Marcondes Filinto da Silva Secretário Executivo e Pesquisador FIPE Marianne Thamm de Aguiar Graduanda em Economia pela FEA/USP O objetivo

Leia mais

A ESCOLHA DOS TRABALHADORES

A ESCOLHA DOS TRABALHADORES A ESCOLHA DOS TRABALHADORES Economia A escolha dos trabalhadores Em princípio, são duas as escolhas relevantes aqui: Trabalhar ou não trabalhar? Trabalhar quanto? A escolha dos trabalhadores Benefícios

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 01 dezembro de 2011 www.cni.org.br Investimentos realizados em 2011 Indústria investe cada vez mais com o objetivo

Leia mais

ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 01: CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS A PROJETOS TÓPICO 04: NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 1.14 NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

Estudos preliminares de CONCESSÕES / PPP. Operacionalização do Plano Diretor Rodoviário do Estado do Espírito Santo - DER/ES

Estudos preliminares de CONCESSÕES / PPP. Operacionalização do Plano Diretor Rodoviário do Estado do Espírito Santo - DER/ES Estudos preliminares de CONCESSÕES / PPP Operacionalização do Plano Diretor Rodoviário do Estado do Espírito Santo - DER/ES Objetivos $ Aumentar a competitividade da economia Escoar com eficiência a produção

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR Avaliação econômica Marcelo Miele Franco Müller Martins A suinocultura brasileira Desempenho

Leia mais

Boletim informativo: Brasil em Foco

Boletim informativo: Brasil em Foco mar/02 dez/02 set/03 jun/04 mar/05 dez/05 set/06 jun/07 mar/08 dez/08 set/09 jun/10 mar/02 dez/02 set/03 jun/04 mar/05 dez/05 set/06 jun/07 mar/08 dez/08 set/09 jun/10 Edição 3 Boletim informativo: Brasil

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

CNPJ: 00.698.097/0001-02

CNPJ: 00.698.097/0001-02 CNPJ: 00.698.097/0001-02 Porto Alegre, 18 de Janeiro de 2016 Ao Ilustríssimo Senhor Pregoeiro Autoridade Pública Olímpica APO RJ Processo Administrativo Nº 91214.001263/2015-71 Impugnação Edital 02/2016

Leia mais

CIRCULAR N.º AT 004-15 19.02.2015. Assunto: Definição Correta do Grupo de Manutenção no Início da Operação do Veículo Modelos afetados: Todos

CIRCULAR N.º AT 004-15 19.02.2015. Assunto: Definição Correta do Grupo de Manutenção no Início da Operação do Veículo Modelos afetados: Todos CIRCULAR N.º AT 004-15 19.02.2015 Favor divulgar esta circular para: Gerente de Serviços Gerente de Peças Encarregado de Garantia Monitor de Pós Vendas Ônibus Frotistas Ônibus Frotistas Caminhões Assunto:

Leia mais

Reunião Pública. 17 de novembro de 2015. Relações com Investidores

Reunião Pública. 17 de novembro de 2015. Relações com Investidores Reunião Pública 17 de novembro de 2015 Relações com Investidores Índice Pag. 3 1.Desempenho 9M15 2.Endividamento 3.Investimentos 4.Compromisso Arteris 1. Desempenho 9M15 Operacional e Financeiro Destaques

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL DEZEMBRO 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL DEZEMBRO 2015 No ano de 2015, Sondagem mostra que a indústria de Campinas paralisa investimentos; estagnação da lucratividade, leve redução da produção e aumento de custos podem explicar a resistência para investir

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Conceitos Verificações 1 VISÃO GERAL... 162 1.1 O QUE SÃO AS REVISÕES E AS ADEQUAÇÕES CONTRATUAIS?... 162 1.2 O QUE É O REAJUSTE TARIFÁRIO? 162 1.3 O QUE É O PROGRAMA DE EXPLORAÇÃO DA RODOVIA (PER)?...

Leia mais

DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA COELCE

DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA COELCE DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DIRETORIA COMERCIAL JUN/21 S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS, DE CONDIÇÕES TÉCNICAS E DE SEGURANÇA...1 3 CLASSES DE INFRAESTRUTURAS DISPONIBILIZADAS...2

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Preço médio da Soja em MS Período: 06/03 á 11/03 de 2014 - Em R$ por saca de 60 kg

Preço médio da Soja em MS Período: 06/03 á 11/03 de 2014 - Em R$ por saca de 60 kg SOJA» MERCADO INTERNO Na primeira semana de março houve leve apreciação nos preços da saca de 6 Kg de soja em grãos, estes cresceram em média 1,2% em relação aos preços observados 6/mar. Mas em comparação

Leia mais

Inflação castiga mais o bolso dos que menos têm

Inflação castiga mais o bolso dos que menos têm Inflação castiga mais o bolso dos que menos têm Variação de preços na faixa de um a 2,5 salários mínimos acumula alta de 11,22% em 12 meses, acima dos 10,48% do IPCA. Desprotegida, população vê a renda

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 Altera os arts. 5º, 13 e 15 da Lei nº 6.729, de 28 de novembro de 1979, para promover a concorrência de preços e condições de atendimento pós-venda na comercialização

Leia mais

Legislação aplicada às comunicações

Legislação aplicada às comunicações Legislação aplicada às comunicações Fundamentos de competição Carlos Baigorri Brasília, março de 2015 Objetivo Conhecer os principais conceitos envolvidos na regulação econômica: Oferta e demanda Teoremas

Leia mais

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL MINAS, IDEB E PROVA BRASIL Vanessa Guimarães 1 João Filocre 2 I I. SOBRE O 5º ANO DO EF 1. O IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foi criado há um ano pelo MEC e adotado como indicador da

Leia mais

O IMPACTO DO PEDÁGIO NO TRANSPORTE DE GRÃOS E INSUMOS NO ESTADO DO PARANÁ

O IMPACTO DO PEDÁGIO NO TRANSPORTE DE GRÃOS E INSUMOS NO ESTADO DO PARANÁ O IMPACTO DO PEDÁGIO NO TRANSPORTE DE GRÃOS E INSUMOS NO ESTADO DO PARANÁ CURITIBA, JUNHO DE 2011 1 INTRODUÇÃO Os objetivos do presente trabalho são mensurar os impactos das atuais tarifas de pedágio nos

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 9649/2007-2

Leia mais

Os autores são técnicos do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná OCEPAR.

Os autores são técnicos do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná OCEPAR. Autores: Robson Leandro Mafioletti assessor técnico e econômico Nelson Costa superintendente adjunto Flávio Enir Turra gerente técnico e econômico Gustavo Fischer Sbrissia - assessor técnico e econômico

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS. Luciano Franco Barreto. Presidente da ASEOPP. Associação Sergipana dos Empresários de Obras Públicas e Privadas. Data: junho de 2015

OBRAS PÚBLICAS. Luciano Franco Barreto. Presidente da ASEOPP. Associação Sergipana dos Empresários de Obras Públicas e Privadas. Data: junho de 2015 OBRAS PÚBLICAS Luciano Franco Barreto Presidente da ASEOPP Associação Sergipana dos Empresários de Obras Públicas e Privadas Data: junho de 2015 Existem certas obras, nos últimos anos, cujas terminações

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

Boletim Março 2015. Tabela 1 - Custo da Cesta Básica (em R$) nas cidades de Ilhéus e Itabuna, 2015 Mês Ilhéus Itabuna Gasto Mensal R$

Boletim Março 2015. Tabela 1 - Custo da Cesta Básica (em R$) nas cidades de Ilhéus e Itabuna, 2015 Mês Ilhéus Itabuna Gasto Mensal R$ Boletim Março 2015 O custo da cesta básica na cidade de Ilhéus aumentou 5,36%, passando de R$241,03 em fevereiro para R$253.96 em março (Tabela 1). O aumento de 21,95% no preço do tomate e 14,15% no preço

Leia mais

ABSTRACT. Diagnóstico e situação das cooperativas de produção no Paraguai

ABSTRACT. Diagnóstico e situação das cooperativas de produção no Paraguai ABSTRACT Diagnóstico e situação das cooperativas de produção no Paraguai No Paraguai, o associativismo se origina de práticas seculares de sua população original: os guaranis. Para eles, a organização

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA TRECHO Estrela D Oeste (SP) - Dourados (MS) Audiência Pública nº 139/2013

Leia mais

Os rumos dos investimentos. da infraestrutura. 17 nov 2006

Os rumos dos investimentos. da infraestrutura. 17 nov 2006 17 nov 2006 Nº 20 Os rumos dos investimentos em infra-estrutura Por Ernani Teixeira Torres Filho e Fernando Pimentel Puga Superintendente da Secr. Assuntos Econômicos e assessor da presidência A pesquisa

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo - Pesquisa

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo - Pesquisa PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO Resumo Executivo - Pesquisa 1 Apresentação O CBCA Centro Brasileiro da Construção em Aço, no ano em que completa 10 anos de atividades, e a ABCEM Associação

Leia mais

Tópicos Especiais de Análise de Balanços

Tópicos Especiais de Análise de Balanços Tópicos Especiais de Análise de Balanços 1- ECONÔMICO X FINANCEIRO Talvez não existam palavras mais empregadas no mundo dos negócios do que econômico e financeiro. Econômico: Refere-se a lucro, no sentido

Leia mais

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011 Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011 Resultados positivos dos quinze anos de concessões ferroviárias comprovam a importância das ferrovias para o desenvolvimento do País Crescimento de

Leia mais

2. Referencial Prático 2.1 Setor das Telecomunicações

2. Referencial Prático 2.1 Setor das Telecomunicações 19 2. Referencial Prático 2.1 Setor das Telecomunicações Até os anos 50, as concessões dos serviços de telecomunicações eram distribuídas indistintamente pelos governos federal, estadual e municipal. Tal

Leia mais

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real?

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? Paulo Springer de Freitas 1 No final de 2007, o saldo da balança comercial começou a apresentar uma trajetória declinante,

Leia mais

REFERÊNCIA Transporte Rodoviário Agenda Setorial 2012 Acompanhamento/Monitoramento da política pública de transporte rodoviário

REFERÊNCIA Transporte Rodoviário Agenda Setorial 2012 Acompanhamento/Monitoramento da política pública de transporte rodoviário 3ª Câmara de Coordenação e Revisão Consumidor e Ordem Econômica SAF Sul Quadra 4 Conjunto C Bloco B Sala 301; Brasília/DF, CEP 70050-900, (61)3105-6028, http://3ccr.pgr.mpf.gov.br/, 3camara@pgr.mpf.gov.br

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CADEIA DE SERVIÇOS DO FUNDAP NA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: SÍNTESE

A IMPORTÂNCIA DA CADEIA DE SERVIÇOS DO FUNDAP NA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: SÍNTESE A IMPORTÂNCIA DA CADEIA DE SERVIÇOS DO FUNDAP NA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: SÍNTESE Julho 2008 AGRADECIMENTOS: Alfândega de Vitória Associação dos Permissionários (APRA) Bandes S.A. Empresas

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala 1/6 Título Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Nº de Registro (Resumen) 8 Empresa o Entidad CEMIG DISTRIBUIÇÃO S/A CEMIG-D Autores del Trabajo Nombre País e-mail

Leia mais