UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTALAÇÃO DO TRANSMISSOR DIGITAL PARA TRANSMISSÃO DO SINAL DE TELEVISÃO PADRÃO ISDB-TB NA EPTV CAMPINAS S/A Área de Ciências Exatas e Tecnológicas por Pablo Prado Virti Débora Meyhofer Ferreira, Ms Orientador Campinas (SP), Novembro de 2009 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO

2 CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTALAÇÃO DO TRANSMISSOR DIGITAL PARA TRANSMISSÃO DO SINAL DE TELEVISÃO PADRÃO ISDB-TB NA EPTV CAMPINAS S/A Área de Ciências Exatas e Tecnológicas por Pablo Prado Virti Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia Elétrica para análise e aprovação. Orientador: Débora Meyhofer Ferreira, Ms Campinas (SP), Novembro de 2009 ii

3 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a meus pais, a minha irmã e a minha namorada, pela participação e incentivo em todos os momentos da minha vida. Aos amigos de graduação, pela longa jornada de trabalho duro. iii

4 AGRADECIMENTOS Agradeço minha professora e orientadora Débora Meyhofer Ferreira pela dedicada orientação para a realização deste trabalho. Agradeço também meus colegas de trabalho que participaram direta ou indiretamente na realização deste projeto. iv

5 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS... vi LISTA DE FIGURAS... vii LISTA DE TABELAS... viii RESUMO... ix ABSTRACT... x 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos METODOLOGIA ESTRUTURA DO TRABALHO PADRÕES DE TRANSMISSÃO DA TV DIGITAL CANAL DE TRANSMISSÃO PADRÕES DE TV DIGITAL O TRANSMISSOR DE TV DIGITAL PROJETO TESTES DE ACEITAÇÃO EM FÁBRICA INSTALAÇÕES FÍSICAS INSTALAÇÃO TRANSMISSOR E PRÉ-TRANSMISSOR Instalação Pré-TX Instalação TX Instalação das Antenas CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS v

6 LISTA DE ABREVIATURAS TCC USF EPTV ISDB-T OFDM ATSC DVB ABERT SET OFDM TMCC TS BTS SDTV EDTV HDTV LDTV EPG SFN SDI ASI FI FDM BER MER SBTVD SWO TX STC GOP Trabalho de Conclusão de Curso Universidade São Francisco Empresa Paulista de Televisão Integrated System Digital Broadcasting Terrestrial Coded orthogonal frequency division multiplexing Advanced Television System Comitee Digital Video Broadcasting Associação Brasileira de Rádio e Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Orthogonal frequency-division multiplexing Transmission and Multiplexing Configuration Control Transport Stream Broadcast Transport Stream Standart Definition Television Enhanced Definition Television High Definition Television Low Definition Television Eletronic Program Guides Single Frequency Network Serial Digital Interface Asynchronous Serial Interface Freqüência intermediaria Frequency Division Multiplexing Bit-Error-Rate Modulation Error Rate Sistema Brasileiro de Televisão Digital Switch Over Unit Transmissor System Time Clock Group of Picture vi

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Comparação entre a recepção indoor dos três padrões [1] Figura 2 Exemplos de alocação de canal na banda de 6 MHz [1]... 6 Figura 3 Exemplo de Distribuição de 3 subportadoras na técnica OFDM [14] Figura 4 Espectro do canal Digital X Espectro do Canal Analógico [4] Figura 5 Diagrama básico de um transmissor de TV Digital ISDB-Tb [8] Figura 6 Mascara do espectro do Canal 42 transmissor EPTV Campinas Figura 7 Layout da sala preparada para receber o transmissor Digital Figura 8 Diagrama em Blocos do Pré-TX [1] Figura 9 Diagrama em Blocos do TX [1] Figura 10 Rack de equipamentos do Pré-TX Figura 11 Formato de um Bloco BTS Figura 12 Diagrama em Blocos de funcionamento do Pré-TX Figura 13 Racks de equipamentos e monitoração do Pré-TX Figura 14 Detalhe do MUX e Encoder s (HD/SD e One-Seg) Figura 15 Filtro Passa-Faixa Canal Figura 16 Bombas de água; Resfriamento do TX Figura 17 Diagrama em Blocos de funcionamento do TX Figura 18 Transmissor Digital Canal Figura 19 Detalhe do painel de Controle e Módulos PA Figura 20 Antenas (painel) Canal 42 para transmissão do Sinal Digital Figura 21 Diagrama de Instalação das Antenas vii

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Comparação entre as resoluções do sistema Analógico e do sistema Digital... 7 Tabela 2 Test Data do transmissor Digital da EPTV Campinas viii

9 RESUMO PRADO VIRTI, Pablo. INSTALAÇÃO DO TRANSMISSOR DIGITAL PARA TRANSMISSÃO DO SINAL DE TELEVISÃO PADRÃO ISDB-TB NA EPTV CAMPINAS S/A. Campinas, Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade São Francisco, Campinas, A TV Digital vem ocupando cada vez mais espaço perante a comunidade cientifica e tecnológica no Brasil, devido a sua enorme gama de possibilidades para pesquisa e desenvolvimento. Porém, não são apenas os especialistas que sentem esta mudança, a população em geral, também sente os benefícios que esta nova tecnologia traz, dia a dia em suas casas. Devido à TV Digital, ser uma realidade ainda em expansão no Brasil, poucas emissoras no país oferece aos seus telespectadores este tipo de serviço. Este trabalho apresenta como foi realizada a instalação do Transmissor Digital para TV, padrão brasileiro ISDB-Tb na empresa EPTV Campinas S/A, a primeira afiliada da Rede Globo de Televisão a transmitir o sinal Digital de TV no interior do país, apresentando todo o processo realizado para a eficiente instalação de um equipamento onde o alto investimento, não admite falhas. Palavras-chave: TV Digital, Transmissor Digital, ISDB-Tb, ix

10 ABSTRACT The Digital TV is occupying more and more space between the scientific community and technological in Brazil, due to enormous range of possibilities for research and development. However, they are not just the specialists feeling this change, the population in general, also feeling the benefits that new technology brings, day by day in their houses. Due to Digital TV, to be a reality still in expansion in Brazil, few TV station in the country offer to their TV viewers this service type. This work presents how the installation of the Digital Transmitter was accomplished for TV, Brazilian pattern ISDB-Tb in the company EPTV Campinas S/A, the first member from Rede Globo of Television to transmit the Digital sign of TV inside the country, presenting the whole process accomplished for the efficient installation of an equipment where the high investment, doesn't admit failures. Keywords: Digital TV, Digital Transmitter, ISDB-Tb. x

11 1. INTRODUÇÃO No Brasil, o sistema de televisão atinge aproximadamente 90% dos lares, isso faz com que a televisão se torne um veículo de informação capaz de formar opiniões. Além disso, por razões culturais ou financeiras, a televisão é uma das principais formas de entretenimento da população. Por esta razão, é importante salientar que a migração do sistema analógico para digital ter que ser realizada de tal maneira, que se minimizem os impactos à população, pois a televisão funciona como um importante fator de integração social [1]. A TV Digital foi tema objeto de muitos estudos, e ainda está longe da estabilidade comercial. Tecnicamente, a TV digital no Brasil é exemplo internacional, com funcionamento muito melhor do que o esperado. Porém faltam incentivos para que a população compre os receptores, considerados caros e sem atrativos para quem não tem TV de plasma ou LCD de alta definição. Resumidamente, as discussões sobre a TV digital começaram no Brasil em 1994, quando foram feitos os primeiros estudos sobre o tema, conduzidos pela Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão (SET) e a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert). Desde então tem se debatido vários aspectos tecnológicos, com foco nos padrões e sistemas internacionais que poderiam ser adotados. Até 2000, não houve resultados concretos desses estudos. Ficaram muito mais na suposição e na falta de vontade política de avançar. Centrando os estudos nos três sistemas existentes (americano ATSC, europeu DVB e japonês ISDB), a Anatel iniciou os seus estudos sobre TV digital e mercado de telecomunicações em Além de tomar a frente nas pesquisas, a Agência avalizou a iniciativa SET/Abert, dando continuidade ao trabalho que vinha sendo desenvolvido, porém com uma visão mais pragmática. O objetivo inicial era escolher um dos três padrões para ser adotado pelo Brasil. O desenvolvimento de um sistema nacional estava totalmente fora de questão. No início de 1999 foram importados os equipamentos necessários para testar os três sistemas de transmissão. Os testes de laboratório e de campo foram feitos em setembro daquele ano e em janeiro de 2000, respectivamente. Também foram feitas demonstrações da tecnologia em locais públicos, como shoppings. Logo no início dos testes, em fevereiro de 2000, percebeu-se que a modulação 8-VSB, usada pelo sistema norte-americano, não atendia às necessidades brasileiras, uma vez que seu desempenho foi insatisfatório na recepção doméstica, principalmente usando antenas internas. Esse fato levou a Anatel a descartar o padrão de modulação norte-americano, colocando em consulta pública a 1

12 utilização do COFDM, usado pelo DVB e ISDB. Atualmente no Brasil, quase metade (47%) dos aparelhos de TV tem recepção apenas por antenas internas. O relatório final dos testes de TV digital confirmou o melhor desempenho dos sistemas europeu e japonês, além do desempenho insuficiente do ATSC (americano) nos quesitos transmissão de sinais em áreas de sombra e para receptores móveis. Entre os dois primeiros, o ISDB (japonês) foi considerado superior ao DVB (europeu), devido ao melhor desempenho na recepção de sinais televisivos em ambientes fechados, e a sua flexibilidade para recepção de programas ou acesso a serviços, através de terminais fixos ou móveis. Em testes realizados pelo grupo ABERT/SET (Março/2000) para a recepção indoor, tipicamente doméstica, o resultado para o sistema ATSC foi no mínimo desastroso, como se vê na figura abaixo, mostrando desta maneira a superioridade do sistema DVB e o resultado ainda melhor do sistema ISBD. Apontando este último como o melhor sistema a nível técnico para transmissão de televisão digital terrestre [1]. Figura 1 Comparação entre a recepção indoor dos três padrões [1]. Em 31 de agosto de 2000, a Anatel encerrou a discussão técnica sobre o padrão de TV digital a ser adotado no Brasil. Esperava-se um pronunciamento oficial sobre qual tecnologia seria adotada, mas este anúncio foi adiado para depois da posse do novo governo, que ocorreria dois anos depois. 2

13 Após a posse, o então Ministro das Comunicações, Miro Teixeira, encaminhou uma carta de intenções ao Presidente da República, onde levantou a necessidade da inclusão digital através da TV interativa. Era o primeiro sinal de que o assunto teria outro tratamento. O passo seguinte foi o anúncio de que o país desenvolveria um padrão próprio de transmissão, idéia que foi amplamente defendida pelo ministro até sua saída do Ministério, um ano após tomar posse. Em maio do mesmo ano, foi criado um grupo de estudo para analisar novamente o assunto e dar um parecer sobre os estudos já realizados. Os trabalhos desse grupo de estudo duraram até novembro, quando saiu o decreto Nº , que instituiu o Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD). O decreto, além de nortear a transição do sistema analógico para o digital, deixou claro que esse avanço tecnológico não se restringiria a uma simples troca de equipamentos. A preocupação com a inclusão social por intermédio da TV e com o desenvolvimento da indústria nacional estava entre os principais objetivos. O decreto deixou claro que a TV digital seria uma ferramenta com finalidades sociais, não uma simples evolução tecnológica que atende apenas a interesses mercadológicos ou econômicos. O resultado final foi a opção pelo padrão OFDM-BST de modulação, integrante do sistema japonês de TV digital, que permite transmissões para dispositivos portáteis na mesma freqüência do canal de radiodifusão. Além disso, foram incorporadas inovações tecnológicas como o padrão de codificação H.264 e o middleware Ginga. Este último desenvolvido nacionalmente. A inauguração da TV digital brasileira aconteceu em dois de dezembro de 2007, em São Paulo. Na ocasião, as principais redes de TV da cidade lançaram suas transmissões digitais, mesclando conteúdos em alta definição com outros em definição padrão. Também foram lançadas as transmissões One-Seg, para dispositivos portáteis, em baixa definição. A interatividade foi postergada para um segundo momento. No entanto, vários fabricantes de set top boxes (receptores digitais, com saída analógica, que fazem a decodificação do sinal digital e suportam a interação do usuário) embutem softwares nos equipamentos, o que permite algum tipo de interatividade, como o guia de programação. As informações que compõem o guia são transmitidas multiplexadas ao fluxo de áudio e vídeo, e extraídas no momento da exibição. Como as transmissões digitais foram iniciadas sem o middleware Ginga nos set top boxes, atualmente o guia eletrônico de programação (EPG) é o único recurso interativo presente que permite alguma interação entre o usuário e o receptor através de software e controle [13]. 3

14 Desde 1998, a EPTV se prepara para a chegada da TV Digital. Há 10 anos, foi iniciada uma intensa fase de pesquisas, estudos, treinamentos e investimentos no sistema. A emissora foi a primeira no país a operar um sistema integrado de captação, edição e exibição de conteúdo jornalístico totalmente digital, desenvolvido em parceria com a indústria nacional. O início da transmissão digital em alta definição é um novo marco na história da EPTV. No dia 03 de dezembro de 2008 a emissora, passa a ser a primeira afiliada da Rede Globo a transmitir o sinal digital fora das capitais. [10] Ser a primeira emissora afiliada a Rede Globo a transmitir o sinal Digital de TV exigiu de toda a equipe de engenharia da empresa além de empenho, soluções eficazes, pois a instalação do transmissor digital, que é o coração desta nova tecnologia, não foi uma tarefa fácil, devido ao alto investimento e o prazo para conclusão da instalação. 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral O objetivo geral deste trabalho é apresentar um estudo de como foi realizado e planejado todo o processo de instalação do Transmissor Digital padrão ISDB-Tb na EPTV Campinas S/A. Serão abordados além dos aspectos técnicos e históricos sobre a TV Digital, os aspectos sobre os equipamentos e as características de instalação do Transmissor Objetivos Específicos Para atingir os objetivos deste trabalho será necessário: Apresentar um pouco da história sobre o processo político é técnico para definição do padrão brasileiro de TV digital. Demonstrar os padrões existentes de TV Digital no mundo e as principais características do padrão escolhido pelo Brasil (ISDB-T). Apresentar as principais características de um transmissor Digital de sinal de TV e suas similaridades e diferenças em relação a um Transmissor Analógico. Demonstrar como foi realizado o processo de instalação física do Transmissor e as dificuldades e soluções encontradas pela equipe de engenharia da EPTV- Campinas. 4

15 1.3 METODOLOGIA Para a execução do trabalho será realizado a pesquisa sobre tecnologias e padrões existentes para a TV Digital, além de um comparativo com o sistema analógico atual. Os procedimentos adotados para a apresentação da instalação do Transmissor será a demonstração através de diagramas elétricos e fotos do processo, juntamente com os conceitos teóricos envolvidos nesta etapa que estarão baseados em leitura de manuais, apostilas e artigos referentes ao assunto. 1.4 ESTRUTURA DO TRABALHO O Capítulo 1 deste trabalho apresenta uma visão geral dos aspectos políticos envolvidos no processo de definição técnica e normativa do padrão brasileiro de TV Digital, juntamente com os principais objetivos desta pesquisa. No Capítulo 2 são apresentados os padrões existentes no mundo para Transmissão do sinal Digital de TV, dando ênfase no padrão brasileiro ISDB-Tb, nos formatos utilizados para alocação do canal de transmissão e padrões de definição de imagens. O Capítulo 3 apresenta as principais diferenças entre um transmissor de sinais de TV Analógico e Digital, demonstrando o tipo de modulação utilizado no processo de transmissão digital. No Capítulo 4 é relatado o projeto de instalação no Transmissor Digital de TV, na EPTV Campinas S/A, apresentando conceitos teóricos, digramas de instalação e fotos do projeto. No Capítulo 5 é apresentando as considerações finais do trabalho. 5

16 2. PADRÕES DE TRANSMISSÃO DA TV DIGITAL A fundamentação teórica deste trabalho estará baseada nos conceitos e estudos existentes sobre o canal de transmissão, padrões de TV Digital, padrão ISDBT-b e o Transmissor de TV Digital. 2.1 CANAL DE TRANSMISSÃO O canal de TV Digital ocupa a mesma largura de faixa que o canal Analógico que é de 6 MHz, porém, no canal digital é possível otimizar o uso da banda de transmissão dependendo da necessidade da empresa. Existem 4 tipos de definição de imagem quando falamos em TV Digital: SDTV (Standart Definition Television): possui uma definição praticamente igual (um pouco melhor) à obtida nos padrões analógicos, porém, com técnicas de compressão digital que ocupam uma parcela do espectro muito menor. EDTV (Enhanced Definition Television): opção intermediária entre o SDTV e o HDTV. Com isso, possui uma boa definição de imagem, porém sem ocupar toda a banda disponível. Esta resolução não é utilizada pelo padrão japonês (ISDB). HDTV (High Definition Television): opção que utiliza uma resolução de imagem altíssima, porém, desta forma ocupa quase toda a banda disponível do canal de 6 MHz. LDTV (Low Definition Television): opção que utiliza uma baixa resolução (menor que nos padrões analógicos) e será utilizado na transmissão para receptores móveis (celulares etc.). Abaixo podemos ver alguns exemplos da alocação de canal dentro da banda de 6MHz: Figura 2 Exemplos de alocação de canal na banda de 6 MHz [1]. usuário. O campo D representa uma parcela do espectro destinada à transmissão de dados para o 6

17 Este campo permite interatividade do telespectador com a programação, ou ainda, acesso à internet através do receptor digital. Neste último caso, o canal de retorno pode ser feito através de uma linha telefônica convencional. Abaixo é apresentada uma tabela de comparação entre as resoluções do sistema atual (analógico) e do sistema digital: [1] Tabela 1 Comparação entre as resoluções do sistema Analógico e do sistema Digital Fonte: [1] Analisando a tabela acima verificamos que, mesmo quando usamos o modo SDTV, há um considerável ganho de resolução quando comparamos ao PAL-M. Isto ocorre devido à diferença entre o número total de linhas e o número de linhas ativas, pois, como sabemos, as primeiras e últimas linhas do quadro são perdidas devido ao apagamento vertical, no sistema analógico [1]. 2.2 PADRÕES DE TV DIGITAL A criação da TV Digital trouxe grandes vantagens em relação à TV Analógica, em termos de qualidade de imagem e som, interatividade com o telespectador e diversidade na programação [2]. O Sistema de TV Digital Brasileiro oferece melhor qualidade de imagem e som, além da possibilidade de interatividade, transmissão simultânea para recepção fixa, móvel e portátil. Os três padrões de TV Digital mais conhecidos são: o norte-americano Advanced Television System Committee (ATSC), utilizado pelos Estados Unidos, México, Canadá e Coréia do Sul; o Europeu, Digital Vídeo Broadcasting (DVB), adotado por vários países Europeus; e o Japonês, Integrated System Digital Broadcasting (ISDB), usado somente no Japão e utilizado como base para o desenvolvimento do brasileiro. Já o sistema Europeu (DVB) privilegiou a multiprogramação, porém a qualidade da imagem é inferior aos demais padrões. Esse sistema também permite a mobilidade e a portabilidade [3]. 7

18 O padrão ISDB-T foi baseado no padrão Europeu (DVB), com algumas mudanças para permitir maior mobilidade no receptor [2]. Dentre as três, a tecnologia japonesa padrão ISDBT é a mais completa, permite a transmissão em alta definição, mobilidade, portabilidade e interatividade [3]. O padrão ISDB-T foi adotado em transmissões comerciais no Japão em Dezembro de Lá, o mercado é de aproximadamente 100 milhões de aparelhos de TV. O Brasil, que utiliza o padrão PAL-M (Phase Alternated Line - Monocromatic) adotou o sistema ISDB-T para suas transmissões digitais [1]. 2.3 O PADRÃO ISDB-T Este padrão foi desenvolvido pelo NHK STRL (NHK Science & Technical Research Laboratories). As pesquisas tiveram início por volta de 1960, mas somente em 1973 um padrão de HDTV foi proposto ao ITU-R (International Telecommunications Union Radiocommunications). Na década de 80, foi desenvolvida a câmera de TV de tubo de raios catódicos de alta definição, gravador de vídeo, equipamentos de edição, entre vários outros dispositivos de alta definição. Em 1982 a NHK desenvolveu o MUSE (Multiple Sub-Nyquist Sampling Encoding), o primeiro sistema de compressão e transmissão de vídeo HDTV. Em 1987 a NHK fez uma demonstração do MUSE em Washington. Esta demonstração foi muito bem sucedida e, em conseqüência, os Estados Unidos desenvolveram o padrão ATSC (Advanced Television Systems Committee). Logo após, a Europa também desenvolveu seu próprio sistema de TV digital, o DVB (Digital Video Broadcasting). O Japão iniciou as transmissões terrestres de HDTV utilizando o padrão ISDB-T em 1 de dezembro de 2003, através da NHK e outras estações de TV [1]. Características: O ISDB-T pode transmitir até dois canais HDTV para receptores fixos e um canal LDTV para receptores móveis utilizando a banda de 6 MHz; Pode transmitir até quatro canais SDTV ao invés de um HDTV; Estas combinações podem ser alteradas a qualquer momento pelo radiodifusor; Provê serviços de interatividade com transmissão de dados; Pode fornecer o EPG (Eletronic Program Guides); Suporta acesso à Internet através do canal de retorno; Pode oferecer também acesso à internet para receptores móveis; Trabalha com redes SFN (Single Frequency Network) permitindo assim um melhor uso do espectro de freqüências; 8

19 Suporta recepção interna com uma simples antena (sobre a TV, por exemplo); É um sistema robusto contra interferências por multipercurso; Também oferece robustez contra interferências providas do sistema analógico de transmissão (isto é importante, pois os sistemas irão coexistir por pelo menos dez anos); Oferece também uma ótima qualidade de recepção em ambientes urbanos (prédios, veículos, etc.) por ter uma boa proteção contra ruídos impulsivos (comuns na recepção móvel); Pode transmitir um canal HDTV para um veículo que se move a 100 Km/h, por exemplo. O sistema DVB-T só pode transmitir um canal SDTV nesta situação, enquanto o sistema ATSC não suporta este tipo de aplicação; Utiliza tecnologia 1seg (um segmento) para transmissão para receptores móveis (celulares, notebooks, etc.) [1]. 9

20 3. O TRANSMISSOR DE TV DIGITAL Com o início das transmissões digitais terrestres no Brasil, uma dúvida que surge entre os profissionais da área é - como vai ser o transmissor digital? A principal diferença entre os transmissores está no estágio modulador. No caso do Transmissor Analógico, o modulador gera as portadoras de vídeo e áudio moduladas em FI (freqüência Intermediaria) na faixa de 41 a 47 MHz. Essa FI é convertida para o canal designado de transmissão que é posteriormente amplificado até a potência nominal. No caso do Transmissor Digital, o modulador digital também gera uma FI com freqüência central de 37,15 MHz, porém não existe mais as portadoras de vídeo e áudio, a primeira modulando em amplitude (AM) e a segunda modulando em freqüência (FM). A FI produzida pelo modulador Digital utiliza a modulação OFDM (Orthogonal frequencydivision multiplexing). Trata-se de uma técnica de modulação baseada na multiplexação por divisão de freqüência (FDM), onde múltiplos sinais são enviados em diferentes freqüências. A modulação OFDM parte deste conceito, mas vai além, pois divide uma única transmissão em múltiplos sinais (dezenas ou milhares) com menor ocupação espectral. Somando-se a isto técnicas avançadas de modulação em cada componente, o resultado é um sinal com grande robustez à interferências [4]. Na técnica OFDM, divide-se a banda que será utilizada para a comunicação entre várias subportadoras. As subportadoras são posicionadas de tal forma que os zeros de cada uma coincidam com os das outras [14]. Figura 3 Exemplo de Distribuição de 3 subportadoras na técnica OFDM [14] 10

21 Na figura abaixo, observa-se o espectro de um canal digital sobreposto ao um canal analógico. Figura 4 Espectro do canal Digital X Espectro do Canal Analógico [4] Na figura 4 pode ser observado, que o transmissor digital ocupa toda a largura de banda, ao contrário do analógico [4], isso ocorre devido às técnicas de modulações digitais associadas às técnicas de compressão de vídeo [2]. Com isso, aliado à maior sensibilidade dos receptores digitais há a possibilidade de ser utilizado para a mesma área de cobertura uma potência dez vezes menor do transmissor Digital em relação ao Transmissor Analógico. Figura 5 Diagrama básico de um transmissor de TV Digital ISDB-Tb [8] 11

22 Outra característica importante será a maneira de se efetuar medidas nos dois tipos de transmissores. Nos transmissores analógicos, é utilizado uma série de sinais de vídeo de teste como, por exemplo, o Stair-case, Multiburst, Red Field, Color bars, 5 Step. Com esses sinais em um modulador analógico padrão, poderá ser avaliado a qualidade da transmissão. No transmissor digital isso não será mais possível, uma vez que a informação estará toda em forma de bits e a qualidade da transmissão será avaliada em termos da taxa de erro de bit (BER). O BER (Bit-Error-Rate) ou taxa de erro de bit é uma medição onde se avalia a quantidade de bits com erro dentro de um lote (de uma forma mais simples, é a relação entre o numero de bits com erro e o numero de bits enviados) [12]. Outra medida muito importante observada no sinal Digital é o MER (Modulation Error Rate), que é a medida de degradação total no sinal transmitido devido à presença residual da portadora (a portadora não foi totalmente suprimida). [16] A taxa de erro de modulação (MER) dever ser de no mínimo 30 db [15]. A realização da análise visual, anteriormente efetuada no sinal analógico, não será mais possível no sinal Digital, pois a imagem digital será perfeita ou não existirá imagem [4]. Na TV Analógica os canais com multipercurso criam a sobreposição de imagem, causando os chamados fantasmas, o que prejudica a qualidade na recepção. Já na TV Digital, os canais com multipercurso introduzem a Interferência Intersimbólica (ISI), que é a sobreposição dos bits transmitidos devido a dispersão temporal do canal. A ISI causa o aumento na taxa de erro de bits, diminuindo o desempenho do sistema [2]. Para finalizar, os princípios básicos para a transmissão do Sinal Digital continuam iguais ao do Analógico, pois a informação a ser transmitida é digital, porém o resultado final da modulação digital é analógica [4]. 12

23 4. PROJETO Realizar a montagem de um transmissor Digital de TV é um trabalho que exige um envolvimento e dedicação muito grande da equipe que o executa, é um processo longo onde o estudo prévio das condições físicas e técnicas dentro da emissora devem ser criteriosamente avaliados e as exigências em relação às características de funcionamento do equipamento devem obedecer primeiramente às normas brasileiras e depois, as necessidades da empresa. Este projeto ira apresentar o processo realizado pela engenharia da EPTV Campinas durante a instalação do transmissor Digital de TV adquirido pela empresa. 4.1 TESTES DE ACEITAÇÃO EM FÁBRICA Um item de extrema importância na aquisição de um transmissor de TV Digital é o teste de aceitação realizado em fábrica. Durante o teste deve-se exigir do fabricante que o equipamento adquirido esteja de acordo com as especificações técnicas exigidas pela ANATEL e que também esteja aderente as normas do sistema brasileiro de TV digital SBTVD. A EPTV Campinas enviou para a cidade de Gotemba/Japão em Julho de 2008 uma equipe técnica para realizar os testes de aceitação na empresa NEC (Jabil Circuit Gotemba, K.K) afim de assegurar se o transmissor adquirido pela EPTV estava dentro das normas pré-estabelecidas. Abaixo seguem os dados retirados do Test Data original de fábrica: Transmissor Digital de Televisão padrão ISDB-Tb Campinas/Brasil Canal: 42 (638 MHz 644 MHz) Potência: 2500 Watts 13

24 Tabela 2 Test Data do transmissor Digital da EPTV Campinas. Todos os valores medidos e inseridos na tabela 2 foram realizados em conjunto pela equipe EPTV e equipe NEC. É importante salientar que todas as medidas realizadas no teste de aceitação tem referências especificadas pela Norma Brasileira de TV Digital. 14

25 Outro ponto importante durante os testes de aceitação é a análise da máscara de espectro do canal. Esta máscara deve atender também às especificações da norma do SBTVD. Abaixo temos as medições realizadas que indicam as atenuações mínimas das emissões fora da faixa em relação à potência média do transmissor, especificadas em função do afastamento em relação à portadora central do sinal digital, para a máscara crítica. A medição foi realizada levando em consideração a freqüência de afastamento da portadora central do sinal digital em -3,15MHz onde a atenuação mínima em relação à potência média, medida na freqüência da portadora central deve ser maior que 50 db. [11] Figura 6 Mascara do espectro do Canal 42 transmissor EPTV Campinas 4.2 INSTALAÇÕES FÍSICAS Um ponto importante no processo de instalação de um TX Digital de TV é realizar o projeto da sala onde será acomodado o equipamento. Para construção da sala é necessário a definição da posição dos equipamentos e racks, para que sejam, construídas as canaletas de passagem de cabos (terrestres e aéreas), pois, não podemos conduzir cabos de áudio, vídeo e TS junto aos cabos de energia elétrica, devido aos riscos de interferência.o equipamento adquirido pela EPTV é resfrigerado à água, neste caso, existe também, a importância de determinar as entradas e saídas dos dutos de água, pois, o resfriamento é realizado externamente à sala. Abaixo segue o layout da sala construída: 15

26 Figura 7 Layout da sala preparada para receber o transmissor Digital. 4.3 INSTALAÇÃO TRANSMISSOR E PRÉ-TRANSMISSOR O transmissor Digital de TV é dividido em duas partes, diferentemente do transmissor analógico de TV. O TX Analógico é alimentado direto com o sinal de áudio e vídeo (para posterior modulação) enquanto o TX Digital é alimentado por um pacote de dados, chamado Transport Stream, devido a isso, dividimos a instalação do TX Digital em duas partes, Pré-TX, responsável por criar o Transport Stream e o TX, responsável por Modular o pacote de dados para posterior transmissão. Abaixo seguem os diagramas básicos do Pré-TX e do TX: 16

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA A TV digital O surgimento da TV digital se deu em função do desenvolvimento da TV de alta definição (HDTV) no Japão e na Europa, há mais de duas décadas,

Leia mais

Me Engº Leonardo Ortolan. Me Engº Thiago L. S. Santos

Me Engº Leonardo Ortolan. Me Engº Thiago L. S. Santos TV Digital Me Engº Leonardo Ortolan Me Engº Thiago L. S. Santos Sumário Introdução Desenvolvimento TV Digital: O que é? Padrões de TV Digital TV Digital Brasileira Participação da PUCRS no SBTVD Conclusão

Leia mais

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência eduardo.barrere@ice.ufjf.br Panorama Em 2011, a TV atingiu 96,9% (http://www.teleco.com.br/nrtv.asp) TV Digital Uma novidade???? TV Digital Resolve

Leia mais

TV DIGITAL APLICADA NA EDUCAÇÃO. Email: fujio.yamada@mackenzie.br

TV DIGITAL APLICADA NA EDUCAÇÃO. Email: fujio.yamada@mackenzie.br II SIMPOSIO INTERNACIONAL SOBRE NOVAS COMPETENCIAS EM TECNOLOGIA DIGITAL INTERATIVAS NA EDUCAÇÃO LABORATÓRIO DE TV DIGITAL DR. PROF. FUJIO YAMADA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Email: fujio.yamada@mackenzie.br

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

TELEVISÃO DIGITAL. bibliografia: Ribeiro, J. P. Introdução à tv digital, apostila da Superior Technologies in Broadcasting

TELEVISÃO DIGITAL. bibliografia: Ribeiro, J. P. Introdução à tv digital, apostila da Superior Technologies in Broadcasting www.egberto.eletrica.ufu.br STV 20 OUT 2008 1 TELEVISÃO DIGITAL bibliografia: Ribeiro, J. P. Introdução à tv digital, apostila da Superior Technologies in Broadcasting Introdução Vivencia-se hoje o tempo

Leia mais

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim O Panorama da TV Digital no Brasil Leandro Miller Leonardo Jardim Tópicos Abordados TV Aberta no Brasil Vantagens da TV Digital Padrões de TV Digital Sistema Brasileiro de TV Digital Oportunidades na TV

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social Desenvolvimento de Aplicações Interativas GINGA NCL e LUA Projeto TV Digital Social Marco Antonio Munhoz da Silva DATAPREV Gestor do Proejeto TV Digital Social AGENDA Divisão dos assuntos em quatro partes

Leia mais

A TV Digital no Brasil

A TV Digital no Brasil Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa A TV Digital no Brasil 30 de março de 2007 Ara Apkar Minassian Superintendente SET- São Paulo/SP 30 de março e

Leia mais

Capítulo III Descrição geral dos testes de campo

Capítulo III Descrição geral dos testes de campo Capítulo III Descrição geral dos testes de campo A) Teste de Campo de Cobertura para Comparação de Desempenho dos Sistemas ATSC, DVB-T e ISDB-T A1. Objetivo Este teste tem como objetivo comparar o desempenho

Leia mais

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T ANEXO 5 NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T Uma das vantagens mais marcantes do ISDB-T é a sua flexibilidade para acomodar uma grande variedade de aplicações. Aproveitando esta característica única do ISDB-T, vários

Leia mais

TV Dig ital - S ocial

TV Dig ital - S ocial Edson Luiz Castilhos Gerente Célula Software Livre - RS Marco Antonio Munhoz da Silva Gestor Projeto TV Digital Social 1 AGENDA O que é TV Digital? Histórico TV Analógica x TV Digital Sistema de TV Digital

Leia mais

Modulação COFDM Uma proposta atrativa para os padrões de TV Digital

Modulação COFDM Uma proposta atrativa para os padrões de TV Digital Modulação COFDM Uma proposta atrativa para os padrões de TV Digital ANA LUIZA RODRIGUES REGINA MISSIAS GOMES Instituto de Ensino Superior de Brasília - IESB analurr@hotmail.com.br regina_missias@pop.com.br

Leia mais

ANÁLISE DA PROPAGAÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG

ANÁLISE DA PROPAGAÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG ANÁLISE DA PROPAGAÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG Tiago Nunes Santos, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso:

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Fundado em 1965, o Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel - é um centro de excelência em ensino e pesquisa na área de Engenharia, e tem se consolidado cada vez mais, no Brasil e no exterior, como

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

MDD Mídias Interativas. TV Digital no Brasil

MDD Mídias Interativas. TV Digital no Brasil Pós-Graduação MDD Mídias Interativas TV Digital no Brasil Apresentações Profª. Graciana Simoní Fischer de Gouvêa Email: graciana.fischer@prof.infnet.edu.br COMO FUNCIONAVA A TV NO BRASIL? Analógico Analógico

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL Prof. Alexandre A. P. Pohl Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial - CPGEI 1 Objetivos do Sistema

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD,

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

MODELAMENTO DE UM SISTEMA DE MODULAÇÃO COFDM

MODELAMENTO DE UM SISTEMA DE MODULAÇÃO COFDM MODELAMENTO DE UM SISTEMA DE MODULAÇÃO COFDM Alexander Bento Melo UFU - FEELT Felipe Augusto M. Corrêa UFU FEELT Willian Douglas C. Nunes UFU - FEELT Alexandre Mateus Coutinho UFU FEELT Resumo O objetivo

Leia mais

Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC

Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC Grupo de Radiodifusão Março de 2006 Universidade de Brasília Departamento de Engenharia Elétrica Prefácio A Anatel

Leia mais

Conceitos Inovadores na Operação da Rede Nacional de TV Pública Digital RNTPD

Conceitos Inovadores na Operação da Rede Nacional de TV Pública Digital RNTPD Conceitos Inovadores na Operação da Rede Nacional de TV Pública Digital RNTPD Rio de Janeiro, 10 de dezembro 2009 Rede Nacional de TV Pública Digital Cobertura em todos os municípios com mais de 100 mil

Leia mais

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television TV Digital : Convergência e Interatividade. A TELEVISÃO. A Televisão... o mais subversivo instrumento da comunicação deste século!" Assis Chateaubriand (1950). A Televisão Sem TV é duro de dizer quando

Leia mais

2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital

2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital 2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital Neste capítulo, serão abordados os aspectos principais da tecnologia digital e suas conseqüências em termos de mercado consumidor (telespectadores).

Leia mais

Radiodifusão Sonora Digital

Radiodifusão Sonora Digital 1 Radiodifusão Sonora Digital Lúcio Martins da Silva AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL ASSUNTO: A ADOÇÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA PARA

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1 2.1 ARQUITETURA DO SISTEMA 4 3 CONFIGURAÇÃO DO PROCESSADOR BTS 4 3.1 COMPRESSOR 5 3.

1 INTRODUÇÃO 1 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1 2.1 ARQUITETURA DO SISTEMA 4 3 CONFIGURAÇÃO DO PROCESSADOR BTS 4 3.1 COMPRESSOR 5 3. COMPRESSOR / DECOMPRESSOR TS9600 BTS i SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1 2.1 ARQUITETURA DO SISTEMA 4 3 CONFIGURAÇÃO DO PROCESSADOR BTS 4 3.1 COMPRESSOR 5 3.2 DECOMPRESSOR 6 4. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL

IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL Walkyria M. Leitão Tavares Consultora Legislativa da Área XIV Comunicação Social, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia ESTUDO SETEMBRO/2001

Leia mais

Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital. Desenvolvimento de Aplicações Interativas. Trabalhos em andamento

Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital. Desenvolvimento de Aplicações Interativas. Trabalhos em andamento Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital Middleware GINGA Desenvolvimento de Aplicações Interativas Linguagem NCL (Nested Context Language) Trabalhos em andamento 1 2 3 4 Maior resolução de imagem Melhor

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

Qualidade. Confiança. Inovação.

Qualidade. Confiança. Inovação. Qualidade. Confiança. Inovação. Soluções em Radiodifusão, Vídeo e Comunicação do Brasil para o mundo. Transmissores Excitadores Multiplexadores Encoders Gap-fillers Micro-ondas Rádio Digital Câmeras Broadcast

Leia mais

TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro

TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro O conteúdo deste tutorial foi obtido do trabalho elaborado pelos autores Aldilenice e Rodrigo para a etapa de classificação do III Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

TV Digital. Cristiano Akamine

TV Digital. Cristiano Akamine TV Digital O objetivo deste tutorial é fornecer ao leitor os subsídios básicos necessários para entender o princípio de funcionamento dos três sistemas de TV digital existentes no mundo: sistema americano,

Leia mais

TV Digital Interativa Jocimar Fernandes ESAB Vitória (ES)

TV Digital Interativa Jocimar Fernandes ESAB Vitória (ES) TV Digital Interativa Jocimar Fernandes ESAB Vitória (ES) Introdução Este trabalho apresenta o modelo brasileiro de telecomunicações, seus problemas e motivos de migração para um sistema digital. São abordados

Leia mais

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL Rafael V. Coelho Fundação Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Rio Grande - RS rafaelvc2@gmail.com Resumo. Este trabalho discute os tipos de Middleware usados

Leia mais

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição 4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição Neste capítulo são descritos o sistema de transmissão, recepção e aquisição de dados utilizados no experimento. São descritas, ainda, a metodologia utilizada

Leia mais

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO 4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO Este bloco de ensaios visa a avaliar as características dos sistemas de TV Digital ATSC, DVB-T e ISDB-T para recepção dos sinais. 4.1 Limiar da relação portadora

Leia mais

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro 1 Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro Capitulo 1: Para começarmos a falar sobre TV Digital devemos conhecer os tipos de modulação digital que existem e entender, ao menos,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eduardo Santos Bueno

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eduardo Santos Bueno UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Eduardo Santos Bueno ANÁLISE COMPARATIVA DO COMPORTAMENTO DE RECEPÇÃO DO SISTEMA ISDB-T B NAS BANDAS VHF E UHF São

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações

Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Fundamentos de Sistemas Multimídia Padrões de Rádio Digital Agosto/2006 Jailton Neves Padrões de Rádio Digital Agenda - IBOC In

Leia mais

Distribuição do sinal ISDB-T BTS por diferentes meios usando ferramenta de compressão e adaptação

Distribuição do sinal ISDB-T BTS por diferentes meios usando ferramenta de compressão e adaptação Distribuição do sinal ISDB-T por diferentes meios usando ferramenta de compressão e adaptação Broadcast & Cable SET 2011 24/8/2011 Prof. Dr. Cristiano Akamine Escola de Engenharia Mackenzie Universidade

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia,

Comissão de Ciência e Tecnologia, Seminário de Rádio R Digital Comissão de Ciência e Tecnologia, Informática e Inovação Brasília 22 de novembro de 2007 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são aqueles que no passado,

Leia mais

SBTVD Uma ViSão SoBre a TV DigiTal no BraSil LuCIANO LeONeL MeNdes

SBTVD Uma ViSão SoBre a TV DigiTal no BraSil LuCIANO LeONeL MeNdes ARTIGO SBTVD Uma ViSão SoBre a TV DigiTal no BraSil LuCIANO LeONeL MeNdes 48 Resumo Hoje, a televisão brasileira está passando por uma revolução. A mudança do sistema analógico de televisão para o sistema

Leia mais

SITUAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO JAPÃO

SITUAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO JAPÃO ANEXO 4 SITUAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO JAPÃO 1. Padrão de televisão digital adotado A discussão sobre o sistema de televisão digital terrestre no Japão foi conduzida pelo Telecommunications Technology

Leia mais

DVB, um modelo mundial para TV digital no Brasil?

DVB, um modelo mundial para TV digital no Brasil? DVB, um modelo mundial para TV digital no Brasil? Eduardo Nascimento Lima Consultor de Estratégias Tecnológicas da área de Comunicações Móveis da Siemens para a região Mersocul. Graduado em Engenharia

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC APÊNDICE B Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC Junho de 2007 Sumário Lista de Figuras...ii Lista de Tabelas... iii 1 INTRODUÇÃO...1 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA FM IBOC HÍBRIDO...1

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema?

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre antenas empregadas na transmissão de TV Digital que começam em 2 de dezembro de 2007 em

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Este tutorial apresenta o Rádio Digital, abordando suas características e os padrões existentes.

Este tutorial apresenta o Rádio Digital, abordando suas características e os padrões existentes. Rádio Digital Este tutorial apresenta o Rádio Digital, abordando suas características e os padrões existentes. Juarez Quadros do Nascimento Ex-Ministro das Comunicações, é Engenheiro Eletricista. Sócio

Leia mais

Pesquisas na Recepção de TV Digital em VHF

Pesquisas na Recepção de TV Digital em VHF Universidade Presbiteriana Mackenzie Laboratório de TV Digital Pesquisas na Recepção de TV Digital em VHF Congresso SET Sessão: P&D em Radiodifusão Eng. Renato Maroja (rmmaroja@ieee.org) 21/08/ Pesquisas

Leia mais

Desafios da implantação da TV Digital: adaptações na transição do sistema analógico para o sistema digital

Desafios da implantação da TV Digital: adaptações na transição do sistema analógico para o sistema digital Desafios da implantação da TV Digital: adaptações na transição do sistema analógico para o sistema digital TOMITA, Ivan Y.S. TOMITA, Iris Y. RESUMO A mudança da televisão digital não se limita apenas à

Leia mais

Padrões de Middleware para TV Digital

Padrões de Middleware para TV Digital Padrões de Middleware para TV Digital Alexsandro Paes, Renato Antoniazzi UFF Universidade Federal Fluminense Centro Tecnológico Departamento de Engenharia de Telecomunicações Mestrado em Telecomunicações

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela PUC-RJ e mestrando da Universidade Federal Fluminense.

Engenheiro Eletrônico pela PUC-RJ e mestrando da Universidade Federal Fluminense. Padrões de Middleware para TV Digital Este tutorial apresenta o conceito de middleware para TV Digital, os atuais padrões de mercado e uma comparação entre eles, em termos de funcionalidades disponibilizadas.

Leia mais

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp 7-8-2013 Agenda Atribuições e missão da SET Grupos SET de Trabalho Testes e estudos no Japão Proposta de consulta

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

RÁDIO DIGITAL. Fábio Luis Mendes ESTUDO

RÁDIO DIGITAL. Fábio Luis Mendes ESTUDO ESTUDO RÁDIO DIGITAL Fábio Luis Mendes Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia ESTUDO NOVEMBRO/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

Televisão Digital Fundamentos e Padrões

Televisão Digital Fundamentos e Padrões Televisão Digital Fundamentos e Padrões Sandro Adriano Fasolo 1 e Luciano Leonel Mendes 2 Resumo O objetivo deste artigo é descrever as técnicas de modulação para a transmissão de televisão digital que

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Entretenimento e Interatividade para TV Digital

Entretenimento e Interatividade para TV Digital Entretenimento e Interatividade para TV Digital Desenvolvimento de Aplicativos para TV Digital Interativa Rodrigo Cascão Araújo Diretor Comercial Apresentação da Empresa A EITV desenvolve software e provê

Leia mais

Vanessa Lima. TRANSMISSÃO DE BTS COM TAXA REDUZIDA EM DIFERENTES TECNOLOGIAS, MANTENDO COMPATIBILIDADE COM OPERAÇÃO SFN NO SISTEMA ISDB-T

Vanessa Lima. TRANSMISSÃO DE BTS COM TAXA REDUZIDA EM DIFERENTES TECNOLOGIAS, MANTENDO COMPATIBILIDADE COM OPERAÇÃO SFN NO SISTEMA ISDB-T TRANSMISSÃO DE BTS COM TAXA REDUZIDA EM DIFERENTES TECNOLOGIAS, MANTENDO COMPATIBILIDADE COM OPERAÇÃO SFN NO SISTEMA ISDB-T 23/08/2012 Hitachi Kokusai Linear. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos. Vanessa

Leia mais

One corporate culture. A company promise.

One corporate culture. A company promise. One corporate culture. A company promise. Microwave systems Satellite equipment Satellite networks "Utilizando satelite como forma de cobertura abrangente para a distribuição de conteudo de TV movel e

Leia mais

PARTE II PROCEDIMENTO DE MEDIDAS

PARTE II PROCEDIMENTO DE MEDIDAS PARTE II PROCEDIMENTO DE MEDIDAS Procedimento de Medidas 1 INTRODUÇÃO Na primeira parte deste compêndio foi apresentado o aspecto conceitual do sistema de televisão com enfoque maior na TV Digital expondo

Leia mais

Willians Cerozzi Balan

Willians Cerozzi Balan Willians Cerozzi Balan 1 TV Digital: um pouco de história Geral: Espectro de freqüências Propriedade eletromagnética no planeta permite transporte de ondas eletromagnéticas; Tudo que é sem fio se utiliza

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Sistema de Transmissão no Padrão Brasileiro de TV Digital

Sistema de Transmissão no Padrão Brasileiro de TV Digital Sistema de Transmissão no Padrão Brasileiro de TV Digital Helio Coelho Junior 1 1 Departamento de Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense Niterói RJ Brasil helio@compuland.net.br

Leia mais

Sistema Brasileiro de Tv Digital: Caminhos percorridos e implantação 1

Sistema Brasileiro de Tv Digital: Caminhos percorridos e implantação 1 Sistema Brasileiro de Tv Digital: Caminhos percorridos e implantação 1 Denise Maria Moura da Silva Lopes 2 Universidade Federal do Piauí Resumo Após 31 anos sem avanços significativos no campo da televisão,

Leia mais

Qualidade. Confiança. Inovação.

Qualidade. Confiança. Inovação. Qualidade. Confiança. Inovação. Soluções em Radiodifusão, Vídeo e Comunicação do Brasil para o mundo. Transmissores Excitadores Multiplexadores Encoders Gap-fillers Micro-ondas Rádio Digital Câmeras Broadcast

Leia mais

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Congresso SUCESU-SP 2007 Integrando Tecnologia aos Negócios 29/11/07 Juliano Castilho Dall'Antonia Diretor de TV Digital w w w. c p q d. c o m. b r 1 Sumário

Leia mais

Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA. Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO.

Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA. Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO. Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO. Comparação entre módulos LNB comerciais e modificados para a situação de convivência entre sistemas terrestres

Leia mais

CEFET/RJ UnED Petrópolis

CEFET/RJ UnED Petrópolis CEFET/RJ UnED Petrópolis Relatório de Estágio Supervisionado Empresa: CEFET/RJ UnED Petrópolis Curso: Técnico em Telecomunicações/TV Digital Estagiária: Dayana Kelly Turquetti de Moraes Telefones: (24)

Leia mais

Procedimentos para predição de transmissão do sinal de televisão digital

Procedimentos para predição de transmissão do sinal de televisão digital Procedimentos para predição de transmissão do sinal de televisão digital Maria Emília Gomes Pereira Instituto Nacional de Telecomunicações Inatel mariae@gee.inatel.br Anderson Fagiani Fraga Instituto Nacional

Leia mais

Implementação da rede de Televisão Digital Terrestre (TDT)

Implementação da rede de Televisão Digital Terrestre (TDT) Implementação da rede de Televisão Digital Terrestre (TDT) Palestras da ComSoc/POSTIT 19 de Abril de 2011 Carlos Lages DPT/PLT carlos.m.lages@telecom.pt Índice 1. Breve Historial da TV em Portugal 2. Vantagens

Leia mais

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL Niterói, RJ, Brasil, 8-10 de novembro de 2005. PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL Alexsandro Paes, Renato H. Antoniazzi, Débora C. Muchaluat Saade Universidade Federal Fluminense (UFF) / Centro Tecnológico

Leia mais

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Antonio Vivaldi Rodrigues Diretor de Engenharia CelPlan 2/32 Í N D I C E 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 2. INTRODUÇÃO... 6 3. SETUP

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU / CURSO: TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL DISCIPLINA: TRANSMISSÕES DE ÁUDIO / PROFESSOR: JOHAN VAN HAANDEL

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU / CURSO: TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL DISCIPLINA: TRANSMISSÕES DE ÁUDIO / PROFESSOR: JOHAN VAN HAANDEL AULA: SUPORTE DIGITAL E RADIODIFUSÃO DIGITAL AULA II (PÁGINA 1) RADIODIFUSÃO DIGITAL Tecnologia que utiliza sinais digitais para transmitir informação através de ondas eletromagnéticas através da modulação

Leia mais

Televisão Digital Interativa se faz com Ginga. Guido Lemos de Souza Filho LAVID DI - UFPB

Televisão Digital Interativa se faz com Ginga. Guido Lemos de Souza Filho LAVID DI - UFPB Televisão Digital Interativa se faz com Ginga Guido Lemos de Souza Filho LAVID DI - UFPB Instituições Selecionadas para Elaborar Propostas de Alternativas Tecnológicas Requisitos básicos b do SBTVD Robustez

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Distribuição do Conteúdo Digital BTS Comprimido. Sistema ISDB-Tb. Fabrízio Reis

Distribuição do Conteúdo Digital BTS Comprimido. Sistema ISDB-Tb. Fabrízio Reis Distribuição do Conteúdo Digital BTS Comprimido Sistema ISDB-Tb Fabrízio Reis SFN BTS Distribuição do Conteúdo Tecnologia possibilitando a entrega de diferentes conteúdos em diferentes áreas de uma rede

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA MICRO-ONDAS PARA DISTRIBUIÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL USANDO O SOFTWARE RADIO MOBILE RESUMO

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA MICRO-ONDAS PARA DISTRIBUIÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL USANDO O SOFTWARE RADIO MOBILE RESUMO 68 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA MICRO-ONDAS PARA DISTRIBUIÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL USANDO O SOFTWARE RADIO MOBILE André Antônio dos Anjos 1 Ricardo Augusto da Silva Junior 2 Rodrigo Cogliatti 3 RESUMO

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica Anais do XIX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1980178 Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre Maria Caroline de Andrade PUC-Campinas Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias maria.ca@puccampinas.edu.br

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSMISSÃO PARA TV DIGITAL

SISTEMAS DE TRANSMISSÃO PARA TV DIGITAL 9 SISTEMAS DE TRANSMISSÃO PARA TV DIGITAL PTC2547 PRINCÍPIOS DE TELEVISÃO DIGITAL Guido Stolfi EPUSP 11 / 2015 1. Introdução A transmissão de TV digital deve contemplar uma série de alternativas, correspondentes

Leia mais

Bart Van Utterbeeck SSPI Broadcast day 5 de junho 2007. Shaping the future of satellite communications 1

Bart Van Utterbeeck SSPI Broadcast day 5 de junho 2007. Shaping the future of satellite communications 1 Bart Van Utterbeeck SSPI Broadcast day 5 de junho 2007 1 O que é DVB-S2? Novo padrão DVB para transmissão digital por satélite (2004) Deve substituir DVB-S & DVB-DSNG no futuro Digital Video Broadcasting

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE VALDEREZ DE ALMEIDA DONZELLI POLARIZAÇÃO ELÍPTICA: INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO DE COBERTURA DA TV DIGITAL

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE VALDEREZ DE ALMEIDA DONZELLI POLARIZAÇÃO ELÍPTICA: INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO DE COBERTURA DA TV DIGITAL UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE VALDEREZ DE ALMEIDA DONZELLI POLARIZAÇÃO ELÍPTICA: INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO DE COBERTURA DA TV DIGITAL São Paulo 2011 Valderez de Almeida Donzelli Polarização Elíptica:

Leia mais

Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD)

Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) Início das transmissões 100% digitais Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 07 de abril

Leia mais

PARTE I SISTEMA DE TV DIGITAL

PARTE I SISTEMA DE TV DIGITAL PARTE I SISTEMA DE TV DIGITAL Sistema de TV Digital 1 INTRODUÇÃO 1.1 Histórico Em julho de 1941, a Comissão Federal de Comunicações Norte-Americana, Federal Communications Commission (FCC), autorizou o

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais