kqto. José Lu is Palma \& L Rodrig ves

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "kqto. José Lu is Palma \& L Rodrig ves"

Transcrição

1 r~ TURSMODE?~.~ ~~ 1 PORTUGAL ~ie~1 kqto. José Lu is Palma \& L Rodrig ves CASTELO BRANCO VI Refa DSR-CBRANCO 287/11 de NI Refa 2011.SAI.841 8IDQO/DOT Proc /62 ASSUNTO: 2~\. ~k20~ Revisão do PDM de Vila Velha de Rodão (Elementos referentes aos estudos de caracterização e diagnóstico/convocatória para a ia reunião da CA). Reportando-nos ao assunto mencionado em epígrafe, junto se envia cópia da Informação de Serviço deste Instituto, com o n DQOIDOTI2OI 1.INT.4788, bem como dos despachos que sobre a mesma recaíram. Com os melhores cumprimentos A Directora do Departamento de Ordenamento o erritório Fernanda Praça CIc CM. Vila Velha de Rodão Em anexo: o mencionado Ifv Turismo de Portugal, IP Rua Ivone Silva, Lote Lisboa - Portugal T F [~ ~ ~ ~h j_ ~.~. ~ ( ~ MiIliSt&i() da InovaÇãOdae Economia. do I)esenvolvimenio

2

3 TURISMO DE PORTUGAL Informação de serviço n DQO/DOT Processo: /62 Assunto: Revisão do Plano Director Municipal de Vila Velha de Ródão Requerente: CCDR Centro Face ao exposto na presente informação de serviço, com a qual se concorda, emite-se parecer favorável à presente fase dos trabalhos da revisão do PDM de A~ixo, condicionado nos exactos termos do despacho da Sr) Directora de Departamento. Remeta-se a presente informação à CCDR Centro, com conhecimento à Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão. Maria Fernanda Vara Directora Coordenadora da Qualificação.da Oferta (por subdelegação de competências, Despacho n INT/201 1/1002, de ) Lisboa, 19 de Abril de 2011 Turismo de Portugal, IP Rua Ivorie Silva, Lote Lísboa - Portugal T F lflei (1 ~

4

5 TURISMO DE PORTUGAL 11 Informação de Serviço n. DQO/DOT-INT (Proc /62) Assunto: Revisão do PDM de Vila Velha de Ródão Estudos de Caracterização e Diagnóstico Visto. Concordo. O.presente parecer incide sobre a fase de Estudos de Caracterização e Diagnóstico, elaborados no âmbito da revisão do PDM de Vila Velha de Ródão. Dos objectivos da revisão do PDM destacam-se a aposta na preservação do património cultural, na protecção e valorização dos núcleos antigos, na requalificação e revitalização dos aglomerados, na protecção do património natural, bem como na diversificação da base económica do concelho através, nomeadamente, do desenvolvimento do sector do turismo. Pese embora a riqueza e diversidade de recursos turísticos, de que se destaca em particular o Geopark Naturtejo da Meseta Meridional, classificado pela UNESCO, ou o monumento natural das Portas do Ródão, sublinha-se, contudo, a reduzida oferta em termos de alojamento turístico (quer em quantidade, quer em qualidade). Analisados os elementos disponibilizados, e considerando o teor da informação que antecede, proponho a emissão de parecer favorável à actual fase de desenvolvimento dos estudos, condicionado ao aprofundamento da abordagem do sector do turismo tendo presente as orientações estratégicas do PENT ao nível do aprofundamento dos produtos turísticos a promover face à importância e diversidade dos recursos do concelho, em particular do turismo de natureza, do touring cultural e paisagístico, da gastronomia e vinhos, bem como de outros produtos complementares e diversificadores da oferta turística. À consideração superior, com proposta de comunicação à CCDR Centro e conhecimento à Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão. A Directora do Departamento de Ordenamento do Território ~e~apra~h~ ( ) Turismo de Portugal, IP Rua Ivone Silva, Lote Lisboa - Portugal T F ii ~«1 (1 Minisi~rio da Inovaç8odae do Deseii~ ol~ imen lo

6

7 P RTUGAL - DIRECÇAO DE QUALIDADE DA OFERTA TURISMO DE ~ DEPARTAMENTO DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Parecer: Despacho: Informação de Serviço DQO/DOT N Assunto: Revisão do PDM de Vila Velha de Ródão (Elementos referentes aos estudos de caracterização e diagnóstico/convocatória para a 1 a reunião da Comissão de Acompanhamento) Processo n /62 Req.: Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (Divisão Sub-Regional de Castelo Branco) A 8 de Abril, com a referência 2011.E e por via da CCDRC, deu entrada no Turismo de Portugal, l.p. uma convocatória para a 1 a Reunião da Comissão de Acompanhamento da Revisão do PDM de Vila Velha de Ródão, a qual se realizará no próximo dia 3 de Maio, pelas 14,30 horas e terá como agenda: Conhecimento sobre a acta da 1 a reunião da extinta Comissão Mista de Coordenação; Aprovação do Regulamento de Funcionamento da Comissão de Acompanhamento; Apreciação dos Estudos de Caracterização e Diagnóstico; Outros assuntos gerais. A comunicação da CCDRC tem a referência DSR_CBRANCO 287/11 (Proc. PDM CB /2-08). Os estudos de caracterização e diagnóstico foram disponibilizados em formato digital. O Regulamento de Organização e Funcionamento da Comissão de Acompanhamento da Revisão do PDM de WR foi fornecido em formato papel. 1. Antecedentes 1.1. O Turismo de Portugal, l.p. integra a Comissão de Acompanhamento (CA) da Revisão do PDM de Vila Velha de Ródão, conforme Despacho n /2008, de 14 de Agosto, publicado em consonância com a Portaria n. 1474/2007, de 16 de Novembro. Esta CA surge da conversão legal da antiga Comissão Mista de Acompanhamento (CMC) da revisão do PDM, a qual também integrava um representante do sector do turismo. Turismo de Portugal, IP Rua Ivone Silva, Lote Lisboa - Portugal T F ).1 (~ 1(1 Ministério (la Economia, (la 1 IIOVHÇ8() e ~lo Deseii solvi,ne,,to pag. 1/6

8 TURISMO DE DIRECÇAO DE QUALIDADE DA OFERTA - PORTUGAL DEPARTAMENTO DE ORDENAMENTO DO TERRITORIO e~cs A 1.a reunião da referida CMC teve lugar no dia 17 de Setembro de 2007 e contou com a presença do representante do Turismo de Portugal, l.p., tendo-se fornecido contributos integrando duas listagens dos empreendimentos turísticos classificados e previstos no concelho, assim como uma figura com a informação georreferenciada dos mesmos. Estas listagens indicavam a existência de apenas um empreendimento turístico de pequena dimensão do tipo casa de campo com um total de 4 camas (2 quartos) Casa da Meia Encosta Actualizada a listagem de empreendimentos turísticos previstos, a qual se anexa, verificou-se que foram registadas duas intenções de investimento: um empreendimento do tipo albergaria para a localidade de Perdigão e um empreendimento do tipo hotel de 3 estrelas para o Lote n. 5 da Zona Industrial de Fratel, com uma capacidade prevista de 20 camas. 2. Descrição O concelho de Vila Velha de Ródão insere-se na região Centro (NUTS II) e na Subregião da Beira-Interior (NUTS III), sendo banhado a sul pelo Rio Tejo e a oeste pelo Rio Ocreza. Vila Velha de Ródão situa-se a sudoeste da capital de distrito Castelo Banco e integra uma pequena faixa de território do Parque Natural do Tejo Internacional e da Zona Especial de Protecção do Tejo, Erges e Pônsul da Rede Natura O concelho faz a transição entre três contextos regionais distintos: o norte Alentejo, o pinhal interior e a raia beirã, beneficiando de uma localização geográfica ímpar, incrementada pela proximidade a Castelo Branco. Possui 329,9 quilómetros quadrados e uma população de habitantes. O concelho apresenta também um enorme leque de recursos naturais e paisagísticos de excelência, que integra o Geopark Naturtejo da Meseta Meridional um dos 53 geoparques classificados pela UNESCO no mundo e uma parte do Parque Natural do Tejo Internacional um dos mais importantes santuários de vida selvagem da Europa, com uma riqueza natural de características meridionais com espécies de fauna e flora de inegável interesse. Segundo dados dos estudos apresentados, no concelho existem 10 unidades de alojamento turístico, sendo que 5 são empreendimentos de turismo no espaço rural com capacidades muito reduzidas, dos quais 4 ainda aguardam o respectivo licenciamento (o único empreendimento classificado corresponde à Casa da Meia Encosta e possui apenas 4 camas ver 1.2. do presente parecer e listagem em anexo); 2 Parques de Campismo e Caravanismo, um com capacidade para 40 caravanas e outro com capacidade para 30 tendas e 40 caravanas; e 3 unidades de alojamento local, também com capacidades reduzidas. No total o número contabilizado de camas turísticas ronda apenas o valor de 70. Turismo de Portugal, IP Rua Ivone Silva, Lote Lisboa - Portugal T F ~] ~ (1~ r~u,,jstéi~o da 1 novaçãodae Kco,,omia, do I)escnvolvimen Lo pag. 2/6

9 PORTUGAL - TURISMO DE DIRECÇAO DE QUALIDADE DA OFERTA DEPARTAMENTO DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Os elementos enviados dizem respeito aos estudos de caracterização e diagnóstico do concelho, os quais integram também a abordagem às seguintes matérias: enquadramento; instrumentos de gestão territorial de hierarquia superior; planos municipais, compromissos e intenções; análise demográfica; estrutura produtiva de base económica; caracterização biofísica; usos e ocupação do solo; sistema urbano; valores culturais; rede viária e transportes; habitação; equipamentos colectivos; tru ísmo; riscos natura is e tecnológicos; infraestrutu ras urbanas; e análise swot. Nos elementos digitais foram também disponibilizadas diversas peças desenhadas. Os objectivos desta primeira revisão do PDM de Vila Velha de Ródão, sistematizam-se da seguinte forma: Especificar um modelo estratégico de actuação que estabeleça acções distintas para a promoção de um desenvolvimento equilibrado do concelho, reforçando a coesão social e territorial, e atendendo às diversidades presente e às mudanças operadas nos últimos anos; Ajustar o Plano à realidade do concelho, através da actualização do seu conteúdo e do colmatar de deficiências e omissões detectadas, adequando-o, desta forma, às necessidades e anseios da população; Agilizar os mecanismos de operacionalização do Plano Director Municipal, por forma a garantir uma gestão urbanística rápida e eficaz; Proceder à articulação do PDM, nesta sua 1 a revisão, com os instrumentos de Gestão Territorial hierarquicamente superiores que abrangem o concelho; Enquadrar a edificação em espaço rural e ajustar os perímetros urbanos em função do crescimento verificado e previsto, numa óptica de contenção, procurando limitar o crescimento, à custa do preenchimento de áreas intersticiais, mas também promovendo a criação de áreas que permitam uma melhor e mais fácil gestão do território por parte da Autarquia, quer em termos urbanísticos, quer de ordenamento; Reavaliar a necessidade de implementação de novos pólos industriais e promover a req ua lificação dos existentes; Rever os princípios e regras de preservação do património cultural, e promover a ) protecção e valorização dos núcleos antigos, procurando assegurar a defesa do património edificado do concelho; Rever os princípios e regras de protecção do património natural, através da adequação das restrições impostas e intervenções em áreas rurais, por forma a preservar o ambiente e o património paisagístico do concelho; Adequar e enquadrar alguns investimentos programados, quer pela Administração Local, quer por entidades privadas; Repensar a Estratégia de ordenamento florestal do concelho, apostando na sua diversificação, condicionando a ocupação urbana em áreas rurais e isoladas e regulamentando de forma conveniente as ocupações e utilizações possíveis em espaço florestal; Diversificar a base económica do concelho e promover o desenvolvimento de actividades preferências, através da definição de novos critérios de localização e distribuição de actividades relacionadas, por exemplo, com o turismo ou com a Turismo de Portugal, IP Rua Ivone Silva, Lote Lisboa - Portugal T F ~ da Ministério Itiovaçãodae Economia, do Deseiivol VIIiCO Lo pag. 3/6

10 DIRECÇÃO DE QUALIDADE DA OFERTA DEPARTAMENTO DE ORDENAMENTO DO TERRITORIO TURISMO DE PORTUGAL produção florestal (actividade já implantada no concelho), assim como a dinamização de actividades tradicionais (que poderá passar pelo reactivar do artesanato regional), incentivando a diversificação das actividades base da estrutura económica; Definir e disponibilizar um quadro normativo e um programa de investimentos públicos municipais e estatais, adequados ao desenvolvimento do concelho; Proceder à reestruturação da Rede Viária (PRN 2000) e considerar o traçado de novas infra-estruturas viárias na definição de uma proposta de ordenamento; Regulamentar a integração paisagística de edificações de apoio às actividades agrícola e industrial; Promover a requalificação e revitalização dos aglomerados, nomeadamente através da criação de espaços verdes e da proposta de novas áreas de equipamentos colectivos; Estabelecer um ordenamento adequado e equilibrado que seja articulado com os concelhos vizinhos, evitando descontinuidades territoriais. Entre outras referências e matérias, os estudos apresentam quadros resumo onde se indicam alguns investimentos em curso, assim como acções complementares e outras iniciativas que se pretei~idem desenvolver durante a vigência da revisão do plano. Destas salientam-se as que mais directamente estão relacionadas com o sector económico do turismo: - já concretizadas em fase final de licenciamento: construção de um parque de campismo e de um complexo turístico que engloba uma pousada da juventude, uma piscina e um campo de jogos; - a concretizar: acções de divulgação da criação do porco ibérico ; promoção de concursos de gastronomia; criação de condições que garantam o aumento do tempo de permanência do turismo, incluindo equipamentos hoteleiros, acções culturais e actividades desportivas (prevê-se a remodelação do Complexo Turístico Portas de Ródão que incluiu alojamento turístico, da Casa das Artes e Cultura do Tejo, do Campo Aventura, da escola de escalada e de outras actividades no Rio Tejo); incentivo a projectos de turismo rural na Foz do Cobrão em colaboração com os proprietários de outros conjuntos de interesse, incluindo centros de interpretação e miradouros; integração da aldeia de Foz do Cobrão no projecto Aldeias do Xisto de forma a conferir mais visibilidade à aldeia; e valorização de preservação do património arqueológico industrial (lagares de azeite, adegas típicas e moinhos). No capítulo do turismo é focado o Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT), sendo indicados e desenvolvidos os impactes territoriais, socioeconómicos e ambientais do desenvolvimento turístico, sendo estes vários aspectos avaliados, valorizados e enquadrados no âmbito regional. Neste capítulo são identificadas as potencialidades do concelho e também identificados os problemas estruturais do mesmo. Assim são referidas as áreas ribeirinhas dos Rios Tejo, Ocreza e Pônsul, a paisagem, o complexo de Arte Rupestre do Vale do Tejo, a Rota das Invasões Militares, o monumento natural de Portas de Ródão, as aldeias tipicamente beirãs da Foz do Cobrão e de Castelo de Ródão (uma das quais integrada ou a integrar Turismo de Portugal, IP Rua Ivone Silva, Lote Lisboa - Portugal T F ~ 1..L ~ (-::~ ~ ( ~ Ministério (Ia 1 tiovaçüodae Economia, ~Io Desenvolvinien to pag. 4/6

11 PORTUGAL - TURISMO DE DIRECÇAO DE QUALIDADE DA OFERTA DEPARTAMENTO DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO na Rede de Aldeias do Xisto), a excelência da região para a prática e desenvolvimento do turismo de natureza e dos desportos náuticos, a caça e a animação turística, com alguns exemplos já a operar. Em paralelo este capítulo aponta para os estrangulamentos que o concelho observa e que se resume: - a reduzida taxa média de ocupação na hotelaria; - a acentuação da sazonalidade dos fluxos turísticos; - a existência de um turismo de baixos recursos com reduzidas despesas diárias; - a preferência por destinos nas regiões que ocupam maior centralidade. 3. Análise O facto de Vila Velha de Ródão se integrar no Geopark Naturtejo da Meseta Meridional um dos 53 geoparques classificados pela UNESCO, associado ao potencial turístico global do Vale do Tejo e à existência de uma aldeia que integra a o projecto Aldeias do Xisto, funcionarão, entre outros, como factores que levarão ) ao aumento da atractividade do concelho, os quais dinamizarão as actividades de alojamento turístico e de animação, de restauração e dos produtos de gastronomia local e artesanais, O concelho de Vila Velha de Ródão possui contudo uma oferta ainda muito escassa de alojamento turístico, a qual também não se pauta ainda por ~adrões de qualidade elevados, importando assim desenvolver o sector, quer criando mais oferta de qualidade, quer melhorando a oferta existente, em consonância com os referidos valores naturais e patrimoniais. Para tal, os estudos de caracterização e diagnóstico do PDM em revisão deveriam aprofundar as directrizes que o PENT define para a região, assim como os quais os produtos turísticos que deveriam constituir concretamente a aposta para o sector do turismo. Os recursos patrimoniais do concelho poderão ser factores de desenvolvimento dos produtos turísticos elencados no PENT para a região centro, como sejam: o touring cultural e paisagístico, o turismo de natureza, complementados com produtos relacionados com a gastronomia e vinhos e com a saúde e bem estar. Quanto às peças desenhadas apresentadas, salienta-se a carta de caracterização biofísica/valores naturais que se apresenta muito completa e com uma leitura muito clara dos bens naturais e patrimoniais que o concelho possui, destacando-se as zonas com vistas panorâmicas assinaláveis e os elementos singulares em presença, que incluem inclusivamente os percursos pedestres com interesse histórico e/ou paisagístico. No que se refere ao regulamento de organização e funcionamento da comissão de acompanhamento da revisão do PDM julga-se nada haver a opor. Turismo de Portugal, IP Rua Ivone Silva, Lote Lisboa - Portugal T F wwwturismodeportugal.pt ~ ~ J ([ Minisléno da Eco,,oniia, da Iiiovação e (lo l)eseil vai vi tocata pag. 5/6

12 DIRECÇÃO DE QUALIDADE DA OFERTA DEPARTAMENTO DE ORDENAMENTO DO TERRITORIO TURISMO DE PORTUGAL 4. Conclusão Pelo exposto e sublinhando a importância que o sector económico do turismo poderá ter no desenvolvimento socioeconómico do concelho de Vila Velha de Ródão, propõe-se a emissão de parecer de teor favorável relativamente à presente fase dos estudos. De uma forma global os objectivos que os estudos elencam estão em consonância com as orientações do PENT, devendo contudo aprofundarse a respectiva abordagem. À consideração superior Lisboa, 18 de Abril de 2011 António Baeta, arq. Em anexo: 2 listagens Turismo de Portugal, lp Rua Ivone Silva, Lote Lisboa - Portugal T F i~i~:i~icl M,IIIsIu jo da Lto o a, pag. 6/6

13 Empreendimentos Turísticos Classificados Concelho de Vila Velha de Rodão 1 Tipo de Empreendimento Designação do N.2 de camas Unidades de Categoria Freguesia N.2de N.~ do processo Turístico Empreendimento Alojamento TER-CC-7249 CASA DE CAMPO Casa da Meia Encosta 4 2 RÓDÃO VI~ VELHA DE Fonte: Turismo de Portugal, l.p. Data: Página 1

14

15 PIP ou Projectos de Arquitectura com parecer favorável do Turismo de Portugal Concelho de Vila Velha de Rodão N.- ~ do Proc.~ Tipo de Empreendimento Designação do N.~ de camas N Unidades de de Categoria Tipodedeempreendimento projecto (alterações Data do parecer Localidade Turistico Empreendimento Prevista classificado, projecto novo ou favorável Alojamento PIP) HO Hotel i 20 2* Projecto Licenciamento Lote n 5 IZona ~ 1 Industrial de Fratel PE Albergaria Albergaria Projecto de Alterações 08-Mar-05 Perdigão Fonte: Turismo de Portugal, l.p. Data: Página 1

16

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião PROJECTO NAZARÉ XXI - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião Nazaré XXI é um projecto turístico de impacto regional, inserido na política de desenvolvimento económico que a Câmara Municipal

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISOS N. OS 33 E 34 / SI/ 2009 CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

reconversão de empreendimentos turísticos

reconversão de empreendimentos turísticos reconversão de empreendimentos turísticos 01. Reconversão de Empreendimentos Turísticos Com o objectivo de requalificar a oferta turística nacional, foi aprovado um novo regime jurídico dos empreendimentos

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

POLIS TEJO. Polis Tejo UM RIO VIVO, UM LUGAR VIVIDO. Laudemira Ramos. ARH do Tejo, I.P. Constância, 6 de Maio de 2011

POLIS TEJO. Polis Tejo UM RIO VIVO, UM LUGAR VIVIDO. Laudemira Ramos. ARH do Tejo, I.P. Constância, 6 de Maio de 2011 POLIS TEJO Polis Tejo UM RIO VIVO, UM LUGAR VIVIDO Laudemira Ramos ARH do Tejo, I.P. Constância, 6 de Maio de 2011 POLIS TEJO Polis Tejo UM RIO VIVO, UM LUGAR VIVIDO 1 Enquadramento 2 Âmbito da intervenção

Leia mais

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra O Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra estabelece a concepção do espaço urbano, para a área de intervenção do Plano, dispondo, designadamente,

Leia mais

PLANO DE ORDENAMENTO DA ALBUFEIRA DO DIVOR

PLANO DE ORDENAMENTO DA ALBUFEIRA DO DIVOR INAG INSTITUTO DA ÁGUA PLANO DE ORDENAMENTO DA ALBUFEIRA DO DIVOR PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO ÍNDICE GERAL DOS ELEMENTOS COMPLEMENTARES PEÇAS ESCRITAS: Relatório Síntese dos Estudos de

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

III.2. Do Plano de Acção à Subvenção Global: A contratualização com Associação de Municípios no âmbito do INAlentejo

III.2. Do Plano de Acção à Subvenção Global: A contratualização com Associação de Municípios no âmbito do INAlentejo III.2. Do Plano de Acção à Subvenção Global: A contratualização com Associação de Municípios no âmbito do INAlentejo A contratualização com associações de municípios no âmbito dos Programas Operacionais,

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (RETIFICADA)

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (RETIFICADA) SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJETOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS (RETIFICADA) 1.

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

FÓRUM CIDADE GRUPO 8

FÓRUM CIDADE GRUPO 8 FÓRUM CIDADE GRUPO 8 UMA NOVA POLÍTICA URBANA Durante os doze anos (1990/2001) que esteve à frente dos destinos de Lisboa, a coligação liderada pelo Partido Socialista demonstrou uma vitalidade e uma capacidade

Leia mais

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho Agenda 21 Local do Concelho de Redondo Síntese do Diagnostico do Concelho Redondo 2004 INTRODUÇÃO O presente documento constituí uma Síntese do Diagnóstico do concelho, elaborado no âmbito da Agenda 21Local

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Uma entidade privada sem fins lucrativos constituída em 1994, por entidades colectivas denaturezapúblicaeprivada,comsedenaviladocadaval.

Uma entidade privada sem fins lucrativos constituída em 1994, por entidades colectivas denaturezapúblicaeprivada,comsedenaviladocadaval. Uma entidade privada sem fins lucrativos constituída em 1994, por entidades colectivas denaturezapúblicaeprivada,comsedenaviladocadaval. GAL Grupo de Acção Local, reconhecido pelo Ministério da Agricultura

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

NORMAS DE ADMISSÃO DE SÓCIOS À AGENCIA REGIONAL DE PROMOÇÃO TURÍSTICA DO ALENTEJO TURISMO DO ALENTEJO

NORMAS DE ADMISSÃO DE SÓCIOS À AGENCIA REGIONAL DE PROMOÇÃO TURÍSTICA DO ALENTEJO TURISMO DO ALENTEJO NORMAS DE ADMISSÃO DE SÓCIOS À AGENCIA REGIONAL DE PROMOÇÃO TURÍSTICA DO ALENTEJO TURISMO DO ALENTEJO CAPITULO I Disposições Gerais 1. Âmbito As presentes normas têm como finalidade estabelecer as regras

Leia mais

Programa Director de Inovação, Competitividade e Empreendedorismo para o Município de Penela. Anexos. Sociedade Portuguesa de Inovação 1

Programa Director de Inovação, Competitividade e Empreendedorismo para o Município de Penela. Anexos. Sociedade Portuguesa de Inovação 1 Anexos Sociedade Portuguesa de Inovação 1 ANEXO A ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO Penela Penela Figura 1: Rede Rodoviária e Ferroviária Nacional. Fonte. http://www.dgotdu.pt/presentationlayer/dgotdu_site_ordcart00.aspx

Leia mais

NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS No passado dia 7 de Março foi publicado o Decreto-Lei nº 39/2008, que entrará em vigor no próximo dia 6 de Abril de 2008 e que veio

Leia mais

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

A dinamização de uma rota de vinhos como polo de atração turística na Beira Interior. Novembro, 2011

A dinamização de uma rota de vinhos como polo de atração turística na Beira Interior. Novembro, 2011 A dinamização de uma rota de vinhos como polo de atração turística na Beira Interior Novembro, 2011 1 Rota Turística (características) 1. Engloba um leque variado de atividades e atrações sob um tema unificador

Leia mais

Herdade da Apostiça - Sesimbra

Herdade da Apostiça - Sesimbra Herdade da Apostiça - Sesimbra A Herdade da Apostiça abrange a parte Norte da Mata de Sesimbra. É limitada a Poente pelo mar. Trata-se de uma paisagem litoral quase exclusivamente natural atendendo a que

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

Destaque ARQUITECTURA

Destaque ARQUITECTURA ARQUITECTURA ARQUITECTURA Empreendimento habitacional com parque verde condomínio privado Num contexto de crise financeira e económica, os arquitectos e designers são as primeiras classes profissionais

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução

Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução Janeiro 2015 E17093 RR - Planning, Lda. Av. Gomes Freire, n.º 18 2760 066 Caxias

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER

Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER Vendas Novas 27 de Janeiro de 2012 SUBPROGRAMA 3 - Dinamização das Zonas Rurais 3.1 DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA E CRIAÇÃO DE EMPREGO 3.1.1 Diversificação

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 INOVAÇÃO PRODUTIVA SECTOR TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 ÍNDICE PÁGINA OBJECTO

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PATRIMÓNIO CULTURAL ENTRADA EM VIGOR EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

RESTAURANTE DO FUTURO

RESTAURANTE DO FUTURO RESTAURANTE DO FUTURO LEADING TENDENCIES CARLOS COSTA IDTOUR UNIQUE SOLUTIONS/ UNIVERSIDADE DE AVEIRO PESO DA RÉGUA, 13.JANEIRO.2011 PARCEIROS DO PROJECTO CAROLINA GAUTIER / ISABEL MARTINS JOSÉ BRÁS /

Leia mais

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO SÍNTESE METODOLÓGICA Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO

Leia mais

Turismo no espaço rural: instrumentos financeiros previstos e formação Investimento na Beira Interior Sul Expectativas PDR

Turismo no espaço rural: instrumentos financeiros previstos e formação Investimento na Beira Interior Sul Expectativas PDR Turismo no espaço rural: instrumentos financeiros previstos e formação Investimento na Beira Interior Sul Expectativas PDR informação: DGADR ADRACES GPP Paulo Pires Águas Luís Quinta-Nova Isabel Castanheira

Leia mais

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Luís Jorge Bruno Soares António Perez Babo Robert Stussi Maria Rosário Partidário Bruno Lamas brunosoares@brunosoaresarquitectos.pt

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Programas de Acção PRU/2/2008 Grandes Centros Política de Cidades - Parcerias

Leia mais

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das empresas do sector

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA LEADER PRORURAL +

DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA LEADER PRORURAL + DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA LEADER PRORURAL + Estratégia de Desenvolvimento Local Eixos Estratégicos Qualificação e diversificação da Economia Rural através da valorização do potencial económico

Leia mais

Destino Turístico Porto e Norte de Portugal

Destino Turístico Porto e Norte de Portugal O Caminho Português de Santiago Novas Perspetivas `14 -`20 Destino Turístico Porto e Norte de Portugal Ponte de Lima, 30 setembro`14 Importância económica do Turismo. das indústrias mais importantes do

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional Cabe ao Estado estabelecer as políticas necessárias para melhorar o desenvolvimento económico

Leia mais

(Minho Laboratório de Inovação e Desenvolvimento)

(Minho Laboratório de Inovação e Desenvolvimento) Barcelos Braga Famalicão Guimarãe SESSÃO PÚBLIICA DE APRESENTAÇÃO MEMORANDO TÉCNIICO PLLANO DE DESENVOLLVI IMENTTO DA REGIÃO DO MINHO IDENTTI I IFFI ICAÇÃO DE UM MOTTOR DE DESENVOLLVI IMENTTO Janeiro de

Leia mais

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Dezembro 2007 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e objecto 1. O presente regulamento visa definir as normas e

Leia mais

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas).

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas). SI INOVAÇÃO [Projectos PROVERE] Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 15/SI/2011 Aberto concurso para a implementação dos PROVERE Programas de Valorização Económica de Recursos Endógenos que pretendem

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

CONCURSO EMPREENDER BATALHA TURISMO

CONCURSO EMPREENDER BATALHA TURISMO CONCURSO EMPREENDER BATALHA TURISMO Pressupostos iniciais O Concurso Empreender BATALHA-TURISMO tem como principal objetivo estimular o surgimento de negócios inovadores, criados por jovens residentes

Leia mais

UM PROGRAMA PARA A MUDANÇA

UM PROGRAMA PARA A MUDANÇA UM PROGRAMA PARA A MUDANÇA pelo valor da nossa terra Preâmbulo O Concelho de Seia enfrenta hoje desafios absolutamente determinantes e estratégicos. Num tempo de aceleradas mudanças e de forte competitividade,

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

ACÇÃO INTEGRADA DE BASE TERRITORIAL VALORIZAÇÃO DO TEJO

ACÇÃO INTEGRADA DE BASE TERRITORIAL VALORIZAÇÃO DO TEJO ACÇÃO INTEGRADA DE BASE TERRITORIAL VALORIZAÇÃO DO TEJO ANTÓNIO MARQUES LISBOA > LNEC > 25 NOVEMBRO 2010 De onde partimos? Como fizemos? Onde chegamos? ? De onde partimos ACÇÃO INTEGRADA DE BASE TERRITORIAL

Leia mais

P L A N O D E A C T I V I D A D E S

P L A N O D E A C T I V I D A D E S Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo P L A N O D E A C T I V I D A D E S = 2008 = Janeiro de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACTIVIDADES A DESENVOLVER NO ANO DE 2008... 5

Leia mais

Formulário para a apresentação de candidaturas. à gestão do Eixo 3 do PRODERAM. Estratégias Locais de Desenvolvimento

Formulário para a apresentação de candidaturas. à gestão do Eixo 3 do PRODERAM. Estratégias Locais de Desenvolvimento Parametrização Formulário para a apresentação de candidaturas à gestão do Eixo 3 do PRODERAM Estratégias Locais de Desenvolvimento Informação Relativa ao Território Declaro que autorizo a utilização dos

Leia mais

VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE

VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE II Convenção Sou de Peniche A. Oliveira das Neves 13 de Junho de 2008 ÍNDICE A. OBJECTIVOS DA MAGNA CARTA PENICHE 2025 B. DOCUMENTOS DE TRABALHO C. INTEGRAÇÃO REGIONAL A

Leia mais

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Responsabilidade Social em Portugal 2013 Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos ÍNDICE Sumário Executivo Introdução Caracterização Social Vínculo laboral dos

Leia mais

para o desenvolvimento do turismo em portugal

para o desenvolvimento do turismo em portugal para o desenvolvimento do turismo em portugal Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P Coimbra, 9 abril 2015 1 Do plano de ação turismo 2020 ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS TURISMO 2020: PROCESSO ABERTO E PARTICIPADO

Leia mais

O planeamento como factor de sustentabilidade e competitividade de um destino turístico. José Sancho Silva

O planeamento como factor de sustentabilidade e competitividade de um destino turístico. José Sancho Silva O planeamento como factor de sustentabilidade e José Sancho Silva Resumo da intervenção: Macro tendências do turismo O turismo como factor de desenvolvimento nacional, regional e local A competitividade

Leia mais

Portugal: Destino Competitivo?

Portugal: Destino Competitivo? Turismo O Valor Acrescentado da Distribuição Portugal: Destino Competitivo? Luís Patrão Turismo de Portugal, ip Em 2006 Podemos atingir 7.000 milhões de euros de receitas turísticas Teremos perto de 37,5

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA PLANO GIONAL ORDENAMENTO FLOSTAL DO TÂMEGA Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Reabilitação de ecossistemas florestais:

Leia mais

CARTA EUROPEIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL DO ALTO MINHO

CARTA EUROPEIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL DO ALTO MINHO CARTA EUROPEIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL DO ALTO MINHO 3ª Reunião do Fórum Ponte de Lima, 07 de julho de 2015 5 Reuniões da ETP ( 35 pax/ 87 part) 7 Reuniões municipais (70 pessoas) 2 Reuniões do Fórum (97

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Identificação Designação do Projecto: Tipologia de Projecto: Localização: Proponente: Entidade licenciadora: Autoridade de AIA: Hotel de Apartamentos da Praia dos Moinhos

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA. Decreto-Lei n.º 309/2007, de 23 de Outubro Workshop IHRU 12 Abril 2010

NOVO REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA. Decreto-Lei n.º 309/2007, de 23 de Outubro Workshop IHRU 12 Abril 2010 NOVO REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA Decreto-Lei n.º 309/2007, de 23 de Outubro Workshop IHRU 12 Abril 2010 DOIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS «área de reabilitação urbana» - cuja delimitação pelo município

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

8.1 - Datas associadas à execução física 8.2 - Datas associadas à execução financeira INVESTIMENTO TOTAL 0,00

8.1 - Datas associadas à execução física 8.2 - Datas associadas à execução financeira INVESTIMENTO TOTAL 0,00 5 - LOCALIZAÇÃO DO PROJECTO Ilha Concelho i) % Concelho % Concelho % i) Sempre que o Projecto abranja mais do que um Concelho, indicar qual o respectivo benefício (%). 6 - CARACTERIZAÇÃO DO PROJECTO (Descrição

Leia mais

Enoturismo em Portugal 2014. Caraterização das empresas e da procura

Enoturismo em Portugal 2014. Caraterização das empresas e da procura Enoturismo em Portugal 2014 Caraterização das empresas e da procura Edição 2015 ÍNDICE Sumário Executivo Caraterização das Empresas Promoção de Serviços Procura das (2014) 3 4 5 7 O Enoturismo em Portugal

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS ANEXO 3 FACTOS E NÚMEROS A floresta portuguesa 1. Os espaços florestais ocupam 5,4 milhões de hectares e representam cerca de dois terços da superfície de Portugal Continental. Destes, 3,4 milhões de hectares

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 Subsistema de Incentivos para o Desenvolvimento Local Na prossecução da política de crescimento, de emprego

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro pelas

Leia mais

Actual contexto do mercado turístico e perspectivas futuras. Luis Patrão Porto, 18 de Junho de 2009

Actual contexto do mercado turístico e perspectivas futuras. Luis Patrão Porto, 18 de Junho de 2009 Actual contexto do mercado turístico e perspectivas futuras Luis Patrão Porto, 18 de Junho de 2009 Portugal um dos principais destinos turísticos mundiais Turistas do Estrangeiro 12,3 milhões 12º na Europa

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Turismo Ex.mo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma, dos Açores Com a intenção de contrariar a desertificação, fenómeno preocupante nas ilhas pequenas com especial incidência na

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Serviço de Difusão Literacia Estatística ao serviço da Cidadania Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Rede de Bibliotecas Escolares Formação para Professores fevereiro - maio.2012 Itinerário

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020

EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020 RelatóriodaPonderaçãodoProcessodeDiscussãoPúblicada EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020 Relatório da Ponderação do processo de Discussão Pública da Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 1. Introdução

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Empreendimentos Turísticos e Actividades de Animação de Interesse para o Turismo Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que:

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano Gabinete do Director-Geral Índice 1. Introdução 2. Perfil da DGOTDU como organização 3. Identificação das vulnerabilidades 4. Programa

Leia mais

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Dezembro de 2015 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE GALEGOS Em conformidade com o disposto na alínea d) do n.º 1 do artigo 9.º, conjugada

Leia mais

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território Graça Filipe Modelos de redes de museus I Encontro de Museus do Douro Vila Real 24 Setembro

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 2 de Dezembro de 2007. Registado com o n.º 699/2007 no livro de registo de diplomas

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 2 de Dezembro de 2007. Registado com o n.º 699/2007 no livro de registo de diplomas Registado com o 699/2007 no livro de registo de diplomas da Presidência do Conselho, em 2 de Dezembro de 2007 O presente decreto-lei consagra o novo regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento

Leia mais

Intervenção de Vítor J. Amaral Vergamota Presidente da Associação Nacional do Turismo Equestre

Intervenção de Vítor J. Amaral Vergamota Presidente da Associação Nacional do Turismo Equestre 1º Congresso Internacional do TURISMO EQUESTRE Intervenção de Vítor J. Amaral Vergamota Presidente da Associação Nacional do Turismo Equestre 1 TURISMO EQUESTRE EM PORTUGAL 1. INTRODUÇÃO Falar de Turismo

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA [APROVADA EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 10 DE ABRIL DE 2015 E PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ATRAVÉS DO AVISO N.º 4234/2015, DE 20

Leia mais

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Área Geográfica de Intervenção

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Área Geográfica de Intervenção ADRIL ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO RURAL INTEGRADO DO LIMA Artigo 1º Âmbito 1-O presente regulamento tem por objectivo definir os normativos técnicos, administrativos e financeiros do Programa de Iniciativa

Leia mais

Programação de equipamentos colectivos

Programação de equipamentos colectivos Programação de equipamentos colectivos Definição e tipologia Conceitos associados à programação de equipamentos Critérios de programação, dimensionamento e localização; exemplos Instituto Superior Técnico/Departamento

Leia mais

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios)

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) 08 de novembro de 2011 Censos 2011 21 de março de 2011 CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) Dada a importância que o tema reveste, no quadro da preparação dos resultados provisórios

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação para a inspecção dos Espaços de Jogo e Recreio 4. Fluxograma da tramitação

NORMA DE PROCEDIMENTOS. 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação para a inspecção dos Espaços de Jogo e Recreio 4. Fluxograma da tramitação NORMA DE PROCEDIMENTOS Abril de 2008 EJR 06 / AL Tramitação para a inspecção dos Espaços de Jogo e Recreio 01 / AL 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação para a inspecção dos Espaços

Leia mais

ANEXO TURISMO SUSTENTÁVEL BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL -

ANEXO TURISMO SUSTENTÁVEL BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL - ANEXO BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE TURISMO SUSTENTÁVEL VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL - ANEXO AO RELATÓRIO 3 ANEXO AO RELATÓRIO 3_ PROGRAMA DE EXECUÇÃO

Leia mais

REGIME DE PROTOCOLOS BANCÁRIOS

REGIME DE PROTOCOLOS BANCÁRIOS REGIME DE PROTOCOLOS BANCÁRIOS OBJECTO Constitui objecto da presente linha de crédito apoiar financeiramente projectos turísticos económica e financeiramente viáveis que contribuam inequivocamente para

Leia mais

Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 13/SI/2012 Inovação - Empreendedorismo Qualificado

Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 13/SI/2012 Inovação - Empreendedorismo Qualificado Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 13/SI/2012 Inovação - Empreendedorismo Qualificado Prazos De 24.10.2012 a 05.09.2013 Área Tipo de Projecto Incentivos às Empresas Inovação - Empreendedorismo

Leia mais

A TRANSPORTAR... 40.275,19 98.800,00 81.800,00 18.000,00 18.000,00 18.000,00 193.075,19

A TRANSPORTAR... 40.275,19 98.800,00 81.800,00 18.000,00 18.000,00 18.000,00 193.075,19 PÁGINA : 1 DESPESAS D (PREVISÃO) 1. FUNÇOES GERAIS 132.059,77 470.000,00 470.000,00 157.250,00 107.500,00 62.700,00 929.509,77 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE 93.277,77 410.000,00 410.000,00 147.250,00 97.500,00

Leia mais

MINHO INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO AOS PROMOTORES DE PROJETOS COMPLEMENTARES

MINHO INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO AOS PROMOTORES DE PROJETOS COMPLEMENTARES APRESENTAÇÃO AOS PROMOTORES DE PROJETOS COMPLEMENTARES O QUE É UMA ESTRATÉGIA DE EFICIÊNCIA COLETIVA PROVERE? É uma iniciativa conjunta levada a cabo por uma parceria / consórcio que integra entidades

Leia mais