Monitorando VM na UTI. Monitorar. Pp Ppt Ve Complacencia Complacencia do circuito Resistencia das vias aereas Fluxo inspiratorio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitorando VM na UTI. Monitorar. Pp Ppt Ve Complacencia Complacencia do circuito Resistencia das vias aereas Fluxo inspiratorio"

Transcrição

1 Monitorando VM na UTI Octavio Messeder FCCP Pneumologista /Intensivista Coordenador UTI Geral do Hospital Portugues SSA-Ba Monitorar ALARMES Autopeep Hemogasometria O2sat Pressão do balonete FR Infecção Capnografia Pp Ppt Ve Complacencia Complacencia do circuito Resistencia das vias aereas Fluxo inspiratorio Componentes da pressão inspiratória

2 Monitorização das trocas gasosas Oxigenação:PaO2 acima de 60 = saturação superior a 91%. Conteudo de O2 arterial CaO2 = [HbxSaO2x1.36]+[0,0031xPaO2] Oferta de O2 DO2= CaO2xDCx10 O2SAT Relação PaO2/FiO2 P(A-aO2) Atraves da equação do Ar alveolar Determinação da saturação do Oxigenio. Oximetria de Pulso Método: Absorção de luz pela Hb 4 tipos de Hb cada uma absorve quantidade diferente de luz a um dado comprimento de onda. Razões para resultados inacurados: vasoconstricção, esmalte?, luz ambiente fluorescente? Ou excessiva,carboxihemoglobina, DVA (dano),hipotermia, anemia grave. Niveis baixos de saturação (75% a 83% = 8% viés)

3 Indices de Ventilação PaCO2 VCO2= Va x PaCO2 PetCO2 Analise da curva de CO2 em função do tempo Capnograma

4 A to B is post inspiration/dead space exhalation, B is the start of alveolar exhalation, BC is the exhalation upstroke where dead space gas mixes with lung gas, CD is the continuation of exhalation, or the plateau(all the gas is alveolar now, rich in C02).

5 Mecânica respiratória Fundamental a monitorização atraves das curvas de pressão volume e fluxo Medidas Pressão de Pico inspiratorio Pressão de platô Resistencia de vias aereas Complacencia estatica e dinamica Pressão de Platô Paciente sedado ou hiperventilado (IPPV), V fixo pausa insp pelo menos 2s

6 Medida do pressão de Platô Medida de Pressão de Platô Complacencia estatica Cst= variação de volume por unidade de pressão aplicada. VN 60-80ml/cmH2O Cst= VC/platô PEEP Sendo uma medida estatica reflete a complacencia dos pulmões e caixa toracica e não é afetada pela resistencia ao fluxo aereo

7 Diminuição da complacência estática (P. platô elevada) Redução do número de unidades alveolares ventiladas (ressecção, intubação seletiva, pneumonia, atelectasia, edema pulmonar) Restrição da parede torácica Derrame pleural, pneumotórax Restrição torácica pelo abdome (ascite, distensão abdominal, diálise peritoneal) Resistencia das vias aereas Corresponde àoposição ao fluxo de gases atraves do S. respiratório. Rsr= Ppi-Ppt/V insp 4 a 7 cmh2o/l/s Elementos não pulmonares podem contribuir com uma fração consideravel da resistencia total.

8 Complacencia dinamica Cdyn= VC/Pi PEEP Queda na Cdyn pode ser devido a alteração resistiva ou e ou parenquimatosa. Se Cst for normal a alteração de Cdyn deve ser secundaria a aumento de componente de resistencia ao movimento dos gases. (broncoespasmo, obstrução do sistema) Aumento da resistência (Pressão de pico elevada com platô normal) Broncoespasmo Presença de secreção de vias aéreas Obstrução ou acotovelamento da cânula ou cânula pequena Altos fluxos inspiratórios

9 AUTO PEEP Auto PEEP ocorre em pacientes com obstrução das vias aereas que não exalam completamente resultando em alçaponamento de ar que produz pressão positiva ao final da expiração. Pode levar a redução do DC como PEEP externo. Pode ser medido em pacientes Ventilados com o artificio de interromper o fluxo no fimal da expiração antes do inicio do novo ciclo, permitindo a equalização de pressões nas vias aereas e circuito obtendo a pressão no manometro do respirador ou traçado. Medida do PEEPi Pressão Pausa expiratória P via aérea P alveolar Tempo AUTOPEEP

10 Pacientes ventilados candidatos a PEEPi Portadores de obstrução brônquica Pacientes com freq. respiratória alta Sibilancia à ausculta até o fim da expiração Persistencia do fluxo expiratório até o início da nova inspiração Consequencias do PEEPi Aumento do trabalho respiratório Dificuldade de disparo do ventilador pelo paciente Comprometimento da hemodinâmica tanto quanto o PEEP aplicado. ALARMES PRESSÃO INSPIRATÓRIA MÁXIMA Nível de ajuste: 50 cmh 2 O (SDRA 40cmH 2 O) Alarmando: Redução da complacência estática Redução da complacência dinâmica Tosse Assincronia

11 ALARMES PRESSÃO INSPIRATÓRIA MÍNIMA Ajuste: entre a PEEP e pressão de platô Alarmando: Desconexão do respirador da cânula Balonete vazio ou furado Vazamento de ar pelo circuito Fuga aérea por fístula broncopleural ALARMES DO RESPIRADOR VOLUME MINUTO MÁXIMO Nível de ajuste: 30 a 50% acima do vol minuto desejado Significados: Demanda ventilatória aumentada Acidose metabólica Demanda metabólica aumentada (febre, sepse, SIRS, dor) Assincronia Causas potenciais de alarme VC/Ve baixos Perdas no circuito: vazamento no balonete, canula endotraqueal muito alta; vazamento no proprio circuito, fitula BP de alto debito. Em pacientes em PSV: deterioração da complacencia pulmonar; piora do esforço do paciente; redução da FR; PSV inadequada. Em pacientes em PCV: piora da complacencia do sistema respiratório.

12 Monitorando o balonete endotraqueal A pressão do balonete do tubo traqueal deve ser monitorada diariamente e deve ser mantida entre 20 e 34 cmh O (15 e 25 mmhg) afim de não ultrapassar a pressão capilar.

13 PSV

14

Indicações e ajustes iniciais da ventilação mecânica

Indicações e ajustes iniciais da ventilação mecânica Indicações e ajustes iniciais da ventilação mecânica Marcelo Alcantara Holanda Prof Terapia Intensiva/Pneumologia Faculdade de Medicina Universidade Federal do Ceará UTI respiratória Hospital Carlos Alberto

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC Unidade de Terapia Intensiva Adulto Versão eletrônica atualizada em Março 2009 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS: Tabagismo importante Tosse crônica, dispnéia e ou broncoespasmo Gasometria

Leia mais

Capnografia na Unidade Terapia Intensiva

Capnografia na Unidade Terapia Intensiva Capnografia na Unidade Terapia Intensiva Nos gases expirados, a capnografia indica a quantidade de CO2 que é eliminada dos pulmões para o equipamento. Indiretamente reflete a produção de CO2 pelos tecidos

Leia mais

Ventilação mecânica. Autor(es) Bruno do Valle Pinheiro 1 Fev-2008

Ventilação mecânica. Autor(es) Bruno do Valle Pinheiro 1 Fev-2008 1 - O que é ventilação mecânica? Ventilação mecânica Autor(es) Bruno do Valle Pinheiro 1 Fev-2008 Ventilação mecânica é o suporte oferecido ao paciente por meio de um aparelho, o ventilador, auxiliando-o

Leia mais

02/05/2016. Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica. Metodologia. Revisão MEDLINE e na Cochrane 2003 a 2013

02/05/2016. Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica. Metodologia. Revisão MEDLINE e na Cochrane 2003 a 2013 Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica Marco Antônio Soares Reis Hospital Madre Teresa - Belo Horizonte Professor FCMMG Jornal Brasileiro de Pneumologia Revista Brasileira de Terapia Intensiva Agosto

Leia mais

Jose Roberto Fioretto

Jose Roberto Fioretto Jose Roberto Fioretto jrf@fmb.unesp.br Professor Adjunto-Livre Docente Disciplina de Medicina Intensiva Pediátrica Faculdade de Medicina de Botucatu-UNESP 1988 Para começar... Ventilação mecânica é ventilação

Leia mais

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Ventilação Mecânica Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com A ventilação mecânica é uma atividade multi e interdisciplinar em que o denominador comum é o paciente e não o ventilador

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA EM ANESTESIA

VENTILAÇÃO MECÂNICA EM ANESTESIA VENTILAÇÃO MECÂNICA EM ANESTESIA Marcelo Torres 1 Expiração espontânea P1 V 1 =P 2 V 2 Inspiração espontânea 2 3 Pressão negativa 4 Pressão positiva 5 +10 cmh 2 O cmh 2 O Insp Exp Insp Exp Insp Exp Insp

Leia mais

Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica: como iniciar a ventilação mecânica

Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica: como iniciar a ventilação mecânica CAPÍTULO 102 Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica: como iniciar a ventilação mecânica Alexandre Goulart Pustilnik* Introdução O início da ventilação mecânica deve ser orientado para a causa da insuficiência

Leia mais

Raniê Ralph Pneumo. 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória

Raniê Ralph Pneumo. 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória Introdução Maior causa de morte nos E.U.A. Mais de 70% das mortes em pacientes com pneumonia são atribuídas à insuficiência

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

Relatório do Segundo Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica

Relatório do Segundo Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica Relatório do Segundo Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica PROMOÇÃO Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia Associação de Medicina Intensiva Brasileira APOIO Sociedade Brasileira de Anestesiologia

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas.

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas. 1- DESCRIÇÃO O xlung é um simulador virtual da interação paciente-ventilador pulmonar que incorpora os principais recursos do suporte ventilatório a diferentes configurações de aspectos demográficos, de

Leia mais

CPAP/OS - ventilação com pressão contínua em vias aéreas / Ventilação com Pressão de Suporte.

CPAP/OS - ventilação com pressão contínua em vias aéreas / Ventilação com Pressão de Suporte. SERVOVENTILADOR COLOR MS: 10229820103 OCP: TÜV Rheinland... DESCRITIVO Servoventilador pulmonar microprocessado eletrônico para insuficiência respiratória de paciente adulto a neonatal em UTI. Reúne ventilação

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais

IMPEDÂNCIA PULMONAR : É O SOMATÓRIO DAS FORÇAS OPOSTAS À EXPANSÃO PULMONAR NA FASE INSPIRATÓRIA

IMPEDÂNCIA PULMONAR : É O SOMATÓRIO DAS FORÇAS OPOSTAS À EXPANSÃO PULMONAR NA FASE INSPIRATÓRIA PROPRIEDADES ELÁSTICAS DO PULMÃO Resistência Respiratória: Define-se resistência respiratória como o conjunto de forças opostas ao fluxo aéreo, pode-se conceituar resistência como a relação existente entre

Leia mais

Protocolo de Ventilação Mecânica

Protocolo de Ventilação Mecânica 1 de 6 RESULTADO ESPERADO: Sistematizar a assistência ventilatória e o processo de desmame objetivando na redução do tempo de ventilação mecânica e as complicações associadas. 1554 PROCESSOS RELACIONADOS:

Leia mais

SISTEMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA A DISTÂNCIA PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA

SISTEMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA A DISTÂNCIA PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA 3 SISTEMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA A DISTÂNCIA PROAMI PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA ORGANIZADO PELA ASSOCIAÇÃO DE MEDICINA INTENSIVA BRASILEIRA Diretores acadêmicos Cleovaldo T. S.

Leia mais

total ou parcialmente a atividade ventilatória do paciente, com o objetivo de restabelecer o equilíbrio entre a oferta e demanda de oxigênio,

total ou parcialmente a atividade ventilatória do paciente, com o objetivo de restabelecer o equilíbrio entre a oferta e demanda de oxigênio, 8 1. INTRODUÇÃO O surgimento dos ventiladores mecânicos foi um marco no tratamento da insuficiência respiratória aguda. Seu uso clínico foi iniciado há cerca de sessenta anos, com os ventiladores a pressão

Leia mais

GRUPO 24 FISIOTERAPIA

GRUPO 24 FISIOTERAPIA Não deixe de preencher as informações a seguir. SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Revisão e Atualização em Ventilação Mecânica

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Revisão e Atualização em Ventilação Mecânica Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Revisão e Atualização em Ventilação Mecânica Enfermeira Vanderléia Bertoglio Enfermeiro Adilson Adair Böes Rotina de Revisão e Atualização

Leia mais

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE ANEURISMAS CEREBRAIS Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA Nível de consciência Pupilas

Leia mais

03/12/14 TRATAMENTOS: RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL FISIOPATOLOGIA DO SISTEMA RESPIRATÓRIO TRATAMENTOS: RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL

03/12/14 TRATAMENTOS: RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL FISIOPATOLOGIA DO SISTEMA RESPIRATÓRIO TRATAMENTOS: RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL EN 2319 - BASES BIOLOGICAS PARA ENGENHARIA I ü Ressuscitador ou reanimador FISIOPATOLOGIA DO SISTEMA RESPIRATÓRIO CONTINUAÇÃO ü Suprimento de oxigênio ou ar ü Aplicação de pressão positva intermitente

Leia mais

MODOS DE VENTILAÇÃO. Ventilação Mecânica Controlada. Ventilação Mecânica Controlada MODALIDADES VOLUME CORRENTE 4/16/2010 PARÂMETROS VENTILATÓRIOS

MODOS DE VENTILAÇÃO. Ventilação Mecânica Controlada. Ventilação Mecânica Controlada MODALIDADES VOLUME CORRENTE 4/16/2010 PARÂMETROS VENTILATÓRIOS MODALIDADES MODOS DE VENTILAÇÃO Ft. Jeanette Janaina Jaber Lucato A / C ( VC ou PC ) SIMV ( VC ou PC ) SIMV + PS ( VC ou PC ) PS + PEEP PARÂMETROS VENTILATÓRIOS VOLUME CORRENTE VC: 6 8 ml/kg Pinsp cmh

Leia mais

SAÚDE DA CRIANÇA FISIOTERAPIA Código: 202

SAÚDE DA CRIANÇA FISIOTERAPIA Código: 202 Processo Seletivo Residência Multiprofissional Edital n. 01/2010 SAÚDE DA CRIANÇA FISIOTERAPIA Código: 202 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém

Leia mais

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA EM U.T.I.

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA EM U.T.I. ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA EM U.T.I. Segundo o II Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica (não revisado - 2011) I VENTILAÇÃO MECÂNICA - Objetivos da Ventilação Mecânica - Conclusões do II Consenso Brasileiro

Leia mais

INSUFICIENCIA RESPIRATORIA AGUDA

INSUFICIENCIA RESPIRATORIA AGUDA INSUFICIENCIA RESPIRATORIA AGUDA Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc IRA. Definição Alteração na qual o sistema pulmonar não é capaz de realizar uma troca gasosa adecuada para suprir as demandas metabólicas

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

RESPOSTA A PEDIDO DE ESCLARECIMENTO PROCESSO ADMINISTRATIVO DE COMPRAS N 009/2015 EMPRESA SOLICITANTE: EQUIPAMED EQUIPAMENTOS MÉDICOS LTDA.

RESPOSTA A PEDIDO DE ESCLARECIMENTO PROCESSO ADMINISTRATIVO DE COMPRAS N 009/2015 EMPRESA SOLICITANTE: EQUIPAMED EQUIPAMENTOS MÉDICOS LTDA. RESPOSTA A PEDIDO DE ESCLARECIMENTO PROCESSO ADMINISTRATIVO DE COMPRAS N 009/2015 PREGÃO ELETRÔNICO N 003/2015 OBJETO: LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTO MÉDICO EMPRESA SOLICITANTE: EQUIPAMED EQUIPAMENTOS MÉDICOS

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA EM NEONATOLOGIA

VENTILAÇÃO MECÂNICA EM NEONATOLOGIA VENTILAÇÃO MECÂNICA EM NEONATOLOGIA Israel Figueiredo Junior UFF 2009 israel@vm.uff.br OBJETIVOS OXIGENAR VENTILAR MANTER ph PaO2 PaCO2 ph N HISTÓRICO 1800-1 o relato de IOT associada a VM 1887 - O Dwyer

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

ASPECTOS DA MECÂNICA RESPIRATÓRIA VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA ADULTO

ASPECTOS DA MECÂNICA RESPIRATÓRIA VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA ADULTO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE DO DITRITO FEDERAL - E APECTO DA MECÂICA REPIRATÓRIA VETILAÇÃO MECÂICA ÃO IVAIVA ADULTO Fr>25/mim Trabalho Respiratório 7,25> ph < 7,35 ao2 30% Considerar Intubação

Leia mais

TAKAOKA MONTEREY SMART

TAKAOKA MONTEREY SMART TAKAOKA MONTEREY SMART OPERAÇÃO NO RECÉM-NASCIDO O Monterey Smart é um respirador microprocessado desenvolvido para atender pacientes adultos, infantis e neonatais em terapia intensiva e transporte intra

Leia mais

GUTEMBERG OLIVEIRA NOVAES JULIANA ARAÚJO SANTOS VANDERLETE ALEXANDRE LIMA

GUTEMBERG OLIVEIRA NOVAES JULIANA ARAÚJO SANTOS VANDERLETE ALEXANDRE LIMA 0 SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIAS FACULDADE PADRÃO CURSO DE ENFERMAGEM GUTEMBERG OLIVEIRA NOVAES JULIANA ARAÚJO SANTOS VANDERLETE ALEXANDRE LIMA O PAPEL DO ENFERMEIRO NA VENTILAÇÃO MECÂNICA GOIÂNIA,

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA PARACELSO PRESSÃO NEGATIVA POR CÂMARA CIRÚRGICA RGICA FACIAL. íço o e alquimista. Médico Suíç

VENTILAÇÃO MECÂNICA PARACELSO PRESSÃO NEGATIVA POR CÂMARA CIRÚRGICA RGICA FACIAL. íço o e alquimista. Médico Suíç PARACELSO VENTILAÇÃO MECÂNICA Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Médico Suíç íço o e alquimista. 1530 Utilizou fole de lareira para insuflar pulmões de pessoas recentemente falecidas. Doutorando Dep. Cirurgia

Leia mais

Workshop de Ventilação Mecânica Modos Ventilatórios Controlados

Workshop de Ventilação Mecânica Modos Ventilatórios Controlados Workshop de Ventilação Mecânica Modos Ventilatórios Controlados Luiz Fernando R. Falcão, MD, PhD, TSA Professor e Chefe do Serviço de Anestesia, EPM-UNIFESP Pós-doutorado em Bioengenharia Pulmonar, Harvard

Leia mais

Ventilador. Alta performance em ventilação mecânica

Ventilador. Alta performance em ventilação mecânica Ventilador Alta performance em ventilação mecânica Design moderno, leveza e praticidade Massimus possui autonomia de bateria de até 12 horas e independência de rede de gases para seu funcionamento, tornando

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM EM VENTILAÇÃO MECÂNICA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM EM VENTILAÇÃO MECÂNICA 1. Introdução A ventilação mecânica é um método artificial para manutenção da ventilação em beneficiários impossibilitados de respirar espontaneamente, feito através de introdução de prótese na via aérea

Leia mais

Jose Roberto Fioretto

Jose Roberto Fioretto Jose Roberto Fioretto jrf@fmb.unesp.br Professor Adjunto-Livre Docente Disciplina de Medicina Intensiva Pediátrica Faculdade de Medicina de Botucatu-UNESP 1988 Ventilação Pulmonar Mecânica Objetivos Fisiológicos

Leia mais

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica)

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica) SEPSE Definições: - Síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SIRS) - febre ou hipotermia - taquicardia - taquipnéia - leucocitose, leucopenia, desvio do hemograma - edema - alteração da glicemia -

Leia mais

Pressão Intracraniana - PIC. Aula 10

Pressão Intracraniana - PIC. Aula 10 Pressão Intracraniana - PIC Aula 10 Definição É a pressão encontrada no interior da caixa craniana. Pressão exercida pelo líquor nas paredes dos ventrículos cerebrais. Quando essa pressão é alterada significa

Leia mais

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES P N E U M O N I A CONCEITO Processo inflamatório do parênquima pulmonar que, comumente, é causada por agentes infecciosos. 1 Uma

Leia mais

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização Oximetria de pulso É a medida da saturação da

Leia mais

GRUPO 24 FISIOTERAPIA

GRUPO 24 FISIOTERAPIA SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM ÁREA PROFISSIONAL DE SAÚDE DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as informações a seguir: Prédio

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA. FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PEDIATRIA E NEONATOLOGIA III e IV 2016.1

PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA. FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PEDIATRIA E NEONATOLOGIA III e IV 2016.1 PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PEDIATRIA E NEONATOLOGIA III e IV 2016.1 Currículo Vitae Ticiana Leal Leite Buarque ticianaleal@yahoo.com.br Informações

Leia mais

TROCA E TRANSPORTE DE GASES

TROCA E TRANSPORTE DE GASES TROCA E TRANSPORTE DE GASES Difusão dos gases através da membrana respiratória Unidade Respiratória Cada alvéolo: 0,2 mm Parede Unidade respiratória: delgada Capilares Membrana Respiratória ou Membrana

Leia mais

PROTOCOLO DE TERAPIA COM PRESSÃO POSITIVA por máscara FISIOTERAPIA CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO

PROTOCOLO DE TERAPIA COM PRESSÃO POSITIVA por máscara FISIOTERAPIA CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS A utilização da pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP) ou em dois níveis (BiPAP ) tem sido indicada para o tratamento de alguns quadros clínicos, como por exemplo, o edema

Leia mais

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO PROVA ESCRITA OBJETIVA TIPO 2.2 RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM TERAPIA INTENSIVA DO ADULTO - FISIOTERAPEUTA DATA: 17/01/2016 HORÁRIO: 8h30min. às 12h30min. (horário do Piauí) LEIA AS INSTRUÇÕES: 01. Você

Leia mais

CAPNOGRAFIA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA

CAPNOGRAFIA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA CAPNOGRAFIA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA Dra. Gabriela Nerone Correspondência para sba@sba.com.br INTRODUÇAO O dióxido de carbono (CO2) é um produto do metabolismo celular que se dissolve no sangue

Leia mais

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI Regional - Goiás Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI 1. Tabela da Escala de Glasgow Aplicação: avaliação do grau de consciência. Atividade Pontuação Resposta

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA. Instituto da Criança - FMUSP Marta Mataloun

VENTILAÇÃO MECÂNICA. Instituto da Criança - FMUSP Marta Mataloun VENTILAÇÃO MECÂNICA Instituto da Criança - FMUSP Marta Mataloun OBJETIVOS PaO2/ SaO2 PaCO2 / ventilação alveolar Trabalho resp e prevenir fadiga musc recrutar alvéolos colapsados/ atelectasiados COMPLICAÇÕES

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Conceitos Básicos em VM invasiva

Conceitos Básicos em VM invasiva Conceitos Básicos em VM invasiva Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto de Medicina Clínica, UFC Hospital Universitário Walter Cantídio - HUWC UTI respiratória do Hospital de Messejana, Fortaleza, CE Ventilação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás CONTRATO DE FORNECIMENTO Nº 1.192 /2014 Contrato de Fornecimento que, entre si, fazem, de um lado, com contratante, o Fundo Municipal de Saúde de Morrinhos, devidamente representada por seu Gestor, o Sr.

Leia mais

M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar

M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do Hospital Espanhol

Leia mais

ITEM QUANT. UNIDADE DESCRIÇÃO

ITEM QUANT. UNIDADE DESCRIÇÃO ANEXO I DO OJETO O objeto desta licitação é a Locação de Equipamentos Médicos, para utilização nos setores da UTI, Centro Cirúrgico e Berçário e outros que por ventura necessitarem dos referidos equipamentos,

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

Ventilação pulmonar mecânica em pediatria

Ventilação pulmonar mecânica em pediatria 0021-7557/98/74 - Supl.1/S113 Jornal de Pediatria Copyright 1998 by Sociedade Brasileira de Pediatria Jornal de Pediatria - Vol. 74, Supl. 1, 1998 S113 ARTIGO DE REVISÃO Ventilação pulmonar mecânica em

Leia mais

III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica

III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica Ventilação mecânica: princípios, análise gráfica e modalidades ventilatórias Carlos Roberto Ribeiro de Carvalho, Carlos Toufen Junior, Suelene Aires Franca

Leia mais

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar 4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar A metrologia avançou muito na área industrial e científica, mas, apesar de sua óbvia importância, sua aplicação ainda é incipiente na área da saúde.

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

3 Ventilador Pulmonar

3 Ventilador Pulmonar 3 Ventilador Pulmonar Neste capítulo são descritos fundamentos teóricos que ajudam a melhor entender o funcionamento dos ventiladores pulmonares (VP), também chamados de ventiladores mecânicos. Discute-se

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

DPOC e Oxigenoterapia Guia Rápido

DPOC e Oxigenoterapia Guia Rápido Homehealth provider DPOC e Oxigenoterapia Guia Rápido www.airliquide.com.br O que é DPOC? O paciente com DPOC doença pulmonar obstrutiva crônica possui falta de ar e tosse porque seus pulmões e suas vias

Leia mais

PARECER COREN-SP 018 /2013 CT. PRCI n 99.921. Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317

PARECER COREN-SP 018 /2013 CT. PRCI n 99.921. Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317 PARECER COREN-SP 018 /2013 CT PRCI n 99.921 Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317 Ementa: Mensuração e regularização da pressão do cuff (balonete) de cânulas de entubação e traqueostomia por Enfermeiro.

Leia mais

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA DO RECÉM-NASCIDO

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA DO RECÉM-NASCIDO ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA DO RECÉM-NASCIDO Rotinas Assistenciais da Maternidade Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro ENFERMAGEM A assistência ventilatória é caracterizada pela otimização das

Leia mais

ANEXO I RELAÇÃO DOS ITENS DA LICITAÇÃO

ANEXO I RELAÇÃO DOS ITENS DA LICITAÇÃO Folha: 1/5 Especificação Marca Preço Unit. Máximo Preço Unitário Preço Total 1 1,00 Un. - Respirador composto de: ventilador ciclado a pressão e volume, totalmente microprocessado, para utilização em pacientes

Leia mais

MT-1166-2005. O segredo da respiração harmoniosa BABYLOG 8000 PLUS

MT-1166-2005. O segredo da respiração harmoniosa BABYLOG 8000 PLUS 01 MT-1166-2005 O segredo da respiração harmoniosa BABYLOG 8000 PLUS 02 O produto eficaz e experiente Mais de 30 anos de experiência em ventilação neonatal e um século de perícia em tecnologia respiratória

Leia mais

VNI Ventilação Não Invasiva. Luís Guilherme Alegretti Borges

VNI Ventilação Não Invasiva. Luís Guilherme Alegretti Borges VNI Ventilação Não Invasiva Luís Guilherme Alegretti Borges VNI Ventilação Não Invasiva Histórico Fisiologia da VNI Indicações Modalidades Interfaces Aparelhos Protocolos Definição Ventilação não invasiva

Leia mais

Exame Clínico do Sistema Respiratório

Exame Clínico do Sistema Respiratório Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia - SBPT Pneumologia na Graduação Porto Alegre 11-12/ 06 / 2010 Exame Clínico do Sistema Respiratório Sérgio Saldanha Menna Barreto Faculdade de Medicina

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ. Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC

Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ. Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ Desafios Prática clínica:

Leia mais

INCIDÊNCIA DE EXTUBAÇÃO ACIDENTAL EM NEONATOS INTERNADOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SÃO FRANCISCO

INCIDÊNCIA DE EXTUBAÇÃO ACIDENTAL EM NEONATOS INTERNADOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SÃO FRANCISCO Caroline Paola Mena Merino Carvalho RA: 001200400119 Grazielle Cristine Ferraz Sacrini Paris RA: 001200400939 INCIDÊNCIA DE EXTUBAÇÃO ACIDENTAL EM NEONATOS INTERNADOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MODOS VENTILATÓRIOS EM ANESTESIA PEDIÁTRICA: VENTILAÇÃO CONTROLADA A VOLUME VERSUS VENTILAÇÃO CONTROLADA A PRESSÃO

COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MODOS VENTILATÓRIOS EM ANESTESIA PEDIÁTRICA: VENTILAÇÃO CONTROLADA A VOLUME VERSUS VENTILAÇÃO CONTROLADA A PRESSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS: PEDIATRIA COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MODOS VENTILATÓRIOS EM ANESTESIA PEDIÁTRICA: VENTILAÇÃO CONTROLADA

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA USP CONCURSO FISIOTERAPEUTA 2011

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA USP CONCURSO FISIOTERAPEUTA 2011 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA USP CONCURSO FISIOTERAPEUTA 2011 1) Com relação aos sistemas de liberação de oxigênio pode-se afirmar que a) nos dispositivos de arrastamento, quanto maior o débito total de fluxo,

Leia mais

Dengue diagnóstico e manejo clínico. Lúcia Alves da Rocha

Dengue diagnóstico e manejo clínico. Lúcia Alves da Rocha Dengue diagnóstico e manejo clínico Lúcia Alves da Rocha Introdução Expansão em áreas tropicais e subtropicais Considera-se 2,5 a 3 milhões de pessoas vivem em área de risco (Eric Martínez,2005); Estima-se

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

Monnal T60. Um toque para respirar. www.airliquide.com.br

Monnal T60. Um toque para respirar. www.airliquide.com.br Monnal T60 Um toque para respirar. www.airliquide.com.br Junto da emergência Monnal T60 foi desenvolvido especialmente para intervenções médicas móveis em todos os ambientes de terapia intensiva, seja

Leia mais

JADE - SISTEMA INTEGRADO DE APOIO ADMINISTRATIVO PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE DIADEMA-SP PREGÃO PRESENCIAL: 124/2013 Ref. Proc. de Compra: 376/2013

JADE - SISTEMA INTEGRADO DE APOIO ADMINISTRATIVO PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE DIADEMA-SP PREGÃO PRESENCIAL: 124/2013 Ref. Proc. de Compra: 376/2013 1 MONITOR MULTIPARAMÉTRICO UN 50,00 - PRÉ-CONFIGURADO NÃO MODULARES COM NO MÍNIMO ECG SPO2 E PNI, PARA TRANSPORTE ; - MONITOR COM TELA DE CRISTAL LÍQUIDO COLORIDO NO MÍNIMO DE 10" (POLEGADA); - ALARMES

Leia mais

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS A maior parte dos casos são as chamadas comunitárias ou não nosocomiais Típica Não relacionada à faixa etária. Causada por S. pneumoniae, H. influenzae e S. aureus. Sintomatologia

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA

FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA PARTE I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 As doenças

Leia mais

Prof. Dr. José Roberto Fioretto UTI - Pediátrica - Botucatu - UNESP

Prof. Dr. José Roberto Fioretto UTI - Pediátrica - Botucatu - UNESP 1988 Prof. Dr. José Roberto Fioretto UTI - Pediátrica - Botucatu - UNESP Ventilação Pulmonar Mecânica Objetivos Fisiológicos Promover trocas gasosas pulmonares Aumentar volume pulmonar Reduzir trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Aspiração de Tubo Orotraqueal (TOT) ou Traqueostomia (TQT) em Recém- Nascidos (RN) Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 05 Área

Leia mais

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana)

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana) PNEUMONITE ASPIRATIVA Profa. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro ASPIRAÇÃO Inalação de conteúdo gástrico ou da orofaringe para as vias aéreas Pode ocorrer tanto no âmbito

Leia mais

1. Indicações de ventilação mecânica invasiva com pressão positiva

1. Indicações de ventilação mecânica invasiva com pressão positiva 1. Indicações de ventilação mecânica invasiva com pressão positiva Coordenador: SÉRGIO SALDANHA MENNA BARRETO Relator: NIVALDO FILGUEIRAS Colaboradores: AÍRTON STINGELLIN CRESPO, ANALUCE GÓES, ARTHUR VIANNA,

Leia mais

Recomendações brasileiras de ventilação mecânica 2013. Parte I

Recomendações brasileiras de ventilação mecânica 2013. Parte I ARTIGO ESPECIAL Carmen Sílvia Valente Barbas, Alexandre Marini Ísola, Augusto Manoel de Carvalho Farias, Alexandre Biasi Cavalcanti, Ana Maria Casati Gama, Antonio Carlos Magalhães Duarte, Arthur Vianna,

Leia mais

C O F F I T O CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL EXAME DE CONHECIMENTO FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA - ADULTO

C O F F I T O CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL EXAME DE CONHECIMENTO FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA - ADULTO C O F F I T O CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL EXAME DE CONHECIMENTO FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA - ADULTO MANHÃ ESPECIALIDADE: FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO LEGISLAÇÃO

Leia mais

CONFLITO DE INTERESSE. Nenhum conflito de interesse relacionado ao tópico dessa palestra. Visão geral

CONFLITO DE INTERESSE. Nenhum conflito de interesse relacionado ao tópico dessa palestra. Visão geral Como diagnosticar e tratar Assincronia Patienteventilator Dra Juliana Ferreira UTI-RESPIRATÓRIA InCor /HOSPITAL DAS CLÍNICAS FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Juliana.ferreira@hc.fm.usp.br

Leia mais

VENTILAÇÃO SERVO-s Simplicidade e Confiabilidade

VENTILAÇÃO SERVO-s Simplicidade e Confiabilidade VENTILAÇÃO SERVO-s Simplicidade e Confiabilidade The Gold Standard Critical Care SERVO-s 3 SERVO-s SIMPLESMENTE FAZ SENTIDO MAQUET THE GOLD STANDARD Líder em inovação: A MAQUET é um fornecedor internacional

Leia mais

Fisiologia Respiratória

Fisiologia Respiratória Fisiologia Respiratória Prof. Vinicius Coca Fisioterapeuta Especialista em Pneumofuncional Mestre em Terapia Intensiva - SOBRATI Mestre em Ensino na Saúde - UGF Anatomia Funcional Respiratória Pulmão Anatomia:

Leia mais

Ventilação mecânica em crianças

Ventilação mecânica em crianças Simpósio: EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS Capítulo III Ventilação mecânica em crianças Mechanical ventilation in children Fabio Carmona RESUMO O presente artigo apresenta ao leitor as principais indicações de

Leia mais

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa ELABORADORES Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral Robson Batista Coordenação Administrativa Fabrícia Passos Pinto Coordenação de Enfermagem José Luiz Oliveira Araújo Júnior Coordenador Médico

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº. 018 / 772836-2012 / 2014

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº. 018 / 772836-2012 / 2014 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº. 018 / 772836-2012 / 2014 A Associação de Combate ao Câncer do Brasil Central, entidade privada sem fins lucrativos da área da saúde, inscrita no CNPJ/MF sob o nº. 25.438.409/0001-15,

Leia mais

GRUPO 26 - FISIOTERAPIA

GRUPO 26 - FISIOTERAPIA SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as informações a seguir: Prédio Sala

Leia mais