ASSOCIAÇÃO PROBABILÍSTICA DOS ATENDIMENTOS DO PACIENTE NAS BASES DE DADOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO PROBABILÍSTICA DOS ATENDIMENTOS DO PACIENTE NAS BASES DE DADOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE"

Transcrição

1 ASSOCIAÇÃO PROBABILÍSTICA DOS ATENDIMENTOS DO PACIENTE NAS BASES DE DADOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Fábio Antero Pires 1, Marco Antônio Gutierrez 1 1 Serviço de Informática do Instituto do Coração do HCMFUSP, São Paulo, Brasil Resumo: Os pacientes atendidos pelo Sistema Único de Saúde não possuem um identificador único, isto impossibilita a comparação de populações e a realização de estudos epidemiológicos com foco em seguimento do paciente. Dentro deste contexto, este trabalho teve como objetivo criar um banco de dados para pesquisas epidemiológicas, com foco no paciente, através da associação de registros de internações, atendimentos ambulatoriais de alta complexidade e declarações de óbitos, contidos nos bancos de dados do Sistema Único de Saúde. O método de associação de registros proposto apresentou uma acurácia de 99,34%, uma sensibilidade de 99,68% e uma especificidade de 97,94%. Palavras-chave: Informática em Saúde Pública, Mineração de Dados, Sistema Único de Saúde, Estudos epidemiológicos. Abstract: The patients treated in the Brazilian public health system do not have a unique identifier, which makes it impossible to compare populations and develop epidemiological studies focusing on patient treatment. In this context, this study created a database for epidemiological research, focusing on the patient, through the record linkage between records of inpatient, records of outpatient and records of death, based on the database of Brazilian public health system. The method of record linkage proposed showed an accuracy of 99.34%, a sensitivity of 99.68% and a specificity of 97.94%. Keywords: Medical Record Linkage, Data mining, Public Health Informatics, Health Care Quality, Access, and Evaluation Introdução Desde a criação do Sistema Único de Saúde (SUS)¹, o Ministério da Saúde, através do Departamento de Informática do SUS (DATASUS)², armazena milhões de informações sobre internações, assim como exames realizados e medicações utilizadas na assistência terapêutica. Entretanto, como os pacientes atendidos pelo SUS não possuem um identificador único, não é possível acompanhar o seguimento do tratamento dispensado a cada paciente e, desta forma, não é possível a realização de comparação entre populações e a realização de estudos epidemiológicos com foco no seguimento do paciente. A ciência da computação vem estudando métodos que possibilitam associar registros, com base nas características destes registros, de um ou mais bancos de dados a um indivíduo. Estes métodos são conhecidos como relacionamento de registros (Record Linkage). Apesar de aparentemente ser um tema novo, o termo e o conceito vêm sendo estudado e debatido a varias décadas. Newcombe e Kennedy aparecem como um dos pioneiros em 1962, seguido por Fellegi e Sunter com a publicação A Theory for Record Linkage 3,4. O relacionamento de registros entre bancos de dados pode ser classificado em determinístico e probabilístico. No relacionamento determinístico os registros são relacionados, tendo como base um determinado identificador ou conjunto de identificadores. Como exemplos podemos citar o CPF (cadastro nacional de pessoa física) e a CNH (carteira nacional de habilitação). Na ausência desses identificadores, a alternativa é o uso do relacionamento probabilístico, o qual utiliza combinações de atributos para classificar o relacionamento como improvável, duvidoso ou provável. Essa classificação é baseada na semelhança dos atributos utilizados para comparação. Dentro deste contexto, este trabalho teve como objetivo criar um banco de dados para pesquisas epidemiológicas, com foco no paciente, através da associação de registros de internações, atendimentos de alta complexidade e eventualmente o óbito, baseado nos bancos de dados do Sistema de 1

2 Informações Hospitalares (SIH/SUS), do Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA/SUS) e do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) do estado de São Paulo, cedidos pela Secretaria do Estado da Saúde. Métodos Neste trabalho foram utilizadas duas fontes de dados, a primeira disponibilizada pela Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo (SES/SP) a qual denominamos BD-SES/SP e a segunda disponibilizada pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) a qual denominamos BD-HCFMUSP. Para que fosse possível disponibilizar a comparação de populações, foi fundamental ter o seguimento dos pacientes baseados nos episódios de assistências dispensadas aos mesmos e isto somente seria possível tendo o banco de dados com os atendimentos identificados, ou seja, estar contido no banco de dados os atributos que possibilitem a identificação do paciente. O BD- SES/SP continha atendimentos da AIH/SIH-SUS (2000 à 2005), APAC/SIA-SUS (2000 à 2007) e SIM (2006 à 2007). O BD-HCFMUSP teve como objetivo identificar pacientes atendidos no hospital no período 2000 à 2007 e que estavam presentes no BD-SES/SP. O relacionamento entre os dois bancos de dados permitiu a criação de um banco de dados denominado BD-Controle, o qual foi utilizado para avaliar o algoritmo de relacionamento de registros (Record Linkage). O relacionamento entre os bancos de dados BD-SES/SP e BD- HCFMUSP foi realizado através das variáveis <número da AIH> e <número da APAC>, identificadores unívocos para os sistemas de internação e atendimento de alta complexidade, respectivamente. As variáveis de identificação do paciente disponíveis no BD-SES/SP e utilizadas pelo algoritmo de relacionamento de registros foram: <Nome do Paciente>, <Data de Nascimento>, <Nome da Mãe>, <Sexo>, <CPF do Paciente>, <Município de Residência>, <Logradouro de Residência>, <CEP da Residência>, <Número da APAC>, <Número da AIH> e <Data de Óbito>. O sucesso de relacionamento de registro depende diretamente da qualidade do preenchimento das variáveis envolvidas. A inspeção manual dos registros era impossível devido ao enorme volume de registros. Desta forma, métodos objetivando encontrar dados incompletos, ausentes ou com erros de preenchimento, foram desenvolvidos e aplicados no BD-SES/SP. A análise do resultado auxiliou no desenvolvimento do método de padronização de variáveis que comtemplou: 1) desmembramento da variável <logradouro> em <nome do logradouro>, <número do logradouro> e <complemento do logradouro>; 2) substituição dos numerais no nome do logradouro por correspondente grafia em extenso, por exemplo, 25 foi transformado para vinte e cinco ; 3) criação de dicionários de abreviações e nomes inválidos; 4) fonetização 8, 9 das variáveis <nome do paciente>, <nome da mãe>, <nome do logradouro> a qual teve objetivo solucionar problemas de erros de grafias e abreviações. A técnica de blocagem 10 utilizou três etapas sequenciais e complementares. A primeira etapa foi realizada pelo código fonético do nome abreviado do paciente. A segunda etapa foi iniciada ao final da primeira e utilizou o código fonético do primeiro e último nome do paciente mais a data de nascimento do paciente. A última etapa de blocagem foi iniciada ao final da segunda e utilizou código fonético do primeiro nome do paciente mais a data de nascimento do paciente. O processo de comparação proposto foi baseado em uma hierarquia, partindo de uma concordância perfeita até a discordância total e utilizou as varáveis padronizadas de identificação do pacientes considerando os pesos de concordância total, concordância parcial e discordância descritos na Tabela 1. Ao final, os pesos atribuídos para cada variável foram somados e o resultado comparado com os limites mínimos estabelecidos na Tabela 1. O processo de relacionamento de registros foi aplicado nos dois bancos de dados, BD-Controle e BD-SES/SP. A aplicação do método no BD-Controle teve como objetivo avaliar o método proposto em um banco de dados controlado, ou seja, onde era conhecido 2

3 qual paciente recebeu o tratamento. A avaliação foi realizada através do teste de sensibilidade e especificidade¹¹. Tabela 1 Dicionário de pesos (concordância, concordância parcial e discordância), por variável, utilizados para o relacionamento de registros. O conjunto de métodos propostos foram desenvolvidos utilizando os recursos PL/SQL e linguagem JAVA, disponíveis no banco de dados Oracle Database 10g release bits 5 e baseia-se nos processos de padronização, blocagem e relacionamento de registros 6,7 Resultados Com o objetivo de avaliar o comportamento do algoritmo de associação de registro, foi desenvolvido um algoritmo denominado perturbador. O algoritmo perturbador seleciona aleatoriamente, através da função de randomização DBMS_RANDON da Oracle Corporation¹², um registro e executa vinte e oito (28) comparações, sendo a primeira uma cópia fiel do registro original. Nas demais vinte e sete (27) comparações, são inseridas perturbações na cópia do registro original antes da realização da comparação. Há três tipos de perturbações realizadas pelo algoritmo: 1) Abreviações das variáveis <nome do paciente>, <nome da mãe> e <logradouro>; 2) Supressão das variáveis <CPF> e <nome da mãe>; 3) Mesclar o conteúdo das variáveis do registro original com variáveis de um segundo registro selecionado aleatoriamente através da função citada anteriormente. Através do algoritmo perturbador, foram selecionados mil (1000) registros os quais foram perturbados conforme os tipos de perturbações descritas anteriormente. O total de registros carregado no BD-Controle foi de (2,1% do BD-SES/SP), a aplicação do método de associação de registros no banco de dados BD-Controle apresentou 3

4 uma acúracia de 99,34%, uma sensibilidade de 99,68% e uma especificidade de 97,94%. Do total de pares associados, 99,51% dos pares foram classificados corretamente como concordantes (valor preditivo positivo), a proporção de falso-positivos foi 0,49% enquanto a proporção de falso negativo foi de 1,36%. O total de registros carregados no BD-SES/SP foi de Tendo como base as variáveis de identificação do paciente, foram realizadas analises de comparação entre o BD-Controle e o BD-SES/SP, ou seja, se o BD-Controle for uma representação do BD-SES/SP, podemos esperar acúracia semelhante no método de associação de registros aplicado no BD-SES/SP. Os resultados das análises demonstram semelhanças consideráveis, na distribuição por sexo, distribuição dos dez prenomes mais frequentes e distribuição dos dez sobrenomes mais frequentes nos bancos de dados (BD-SES- SP e BD-Controle) e por último a distribuição por faixa de ano de nascimento. As diferenças variaram de 0,59% a 1,99%. A semelhança das curvas da Figura 1, resultante do algoritmo perturbador, demonstra que o comportamento do algoritmo de associação de registro foi similar em todos os registros. As pequenas variações existentes entre as curvas são resultados das perturbações geradas aleatoriamente pelo algoritmo perturbador, ou seja, se cada registro fosse perturbado com o mesmo conteúdo, todas as curvas seriam exatamente iguais e não semelhantes. A linha vermelha na horizontal representa o limite mínimo para associação do par. Discussão Figura 1 - Resultado das perturbações geradas em mil (1000) registros A utilização de banco de dados, denominados secundários ou administrativos, para análises epidemiológicas, avaliação da qualidade e quantidade dos serviços de saúde e auxílio da vigilância epidemiológica, vem despertando a atenção de pesquisadores no contexto da Saúde Pública. Por outro lado, para alguns pesquisadores, o fato desses dados serem considerados uma fonte "secundária", implica que eles sempre serão vistos com desconfiança, ou seja, se os dados não foram gerados com a finalidade específica para a qual eles são usados, a sua validade será sempre suspeita. O argumento de desconfiança em dados secundários não deve ser o fator decisório em sua utilização como fonte de pesquisa. Deve-se considerar que resultados obtidos através de pesquisas em dados secundários podem e, em algumas propostas 4

5 devem, sofrer um processo de ratificação detalhada do achado, seja através de dados primários ou através de estruturação de novos inquéritos clínicos / epidemiológicos na população de interesse. Também deve ser considerada, a possibilidade da estimulação de novos desenhos clínicos visando ratificar ou afastar hipóteses reveladas através das pesquisas realizadas em dados secundários e que aguçarem a sensibilidade do pesquisador. A realização de análises exploratórias com o objetivo de conhecer as limitações e os potenciais dessas bases de dados é uma tarefa fundamental. O sucesso no uso dessas bases de dados para aplicações na Saúde Pública, incluindo rastreabilidade e vigilância, depende fortemente do conhecimento e contexto de aplicação. A sensibilidade alcançada pelo algoritmo proposto foi de 99,68% e a especificidade de 97,94%. Considerando as duplicidades encontradas nos falso-positivos, a especificidade recalculada seria de 99,37%. Silveira e Artmann¹² em um estudo de revisão sistemática para avaliar a acurácia dos métodos de relacionamento probabilístico, encontraram sensibilidades que variaram de 74% à 98% e especificidade que variaram de 99% à 100%. Conclusão A construção do banco de dados BD-Controle visando verificar a eficácia do método de associação de registros e a aplicação do método neste banco de dados controlado foi fundamental para avaliar o método de forma automática em um banco de dados de grandes proporções. A técnica probabilística de relacionamento de registros mostrou-se eficiente quando aplicado nos bancos de dados do Sistema Único de Saúde. A criação de um ambiente que possibilite análise do seguimento do paciente e a comparação de populações aliado a ferramentas analíticas de pesquisas e mineração de dados podem contribuir para uma melhor gestão do Sistema Único de Saúde e estudos epidemiológicos. Agradecimentos Os autores agradecem o Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento (Processo CNPq /2007-0, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Processo FAPESP 2006/ ), a Fundação Zerbini, o Grupo de Informática em Saúde da Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo, o Grupo de Tecnologia da Informação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) e o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Medicina Assistida por Computador (INCT-MACC) pelo apoio para a realização deste trabalho. Referências [1] Sistema Único de Saúde Lei 8.080/90. Disponível em Acesso em 16 jun [2] Departamento de Informática do SUS. Disponível em Acesso em 17 jun [3] Newcombe HB, Kennedy JM. Record linkage: making maximum use of the discriminating power of identifying information. Communications of the ACM Nov: DOI= [4] Fellegi IP, Sunter AB. A Theory for Record Linkage. Journal of the American Statistical Association Dec; 64(328):

6 [5] Oracle Database 10g. Disponível em Acesso em 30 mai [6] Sousa MH, Cecatti JG, Hardy E, Serruya SJ. Relacionamento probabilístico de registros: uma aplicação na área de morbidade materna grave (near miss) e mortalidade materna. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro Mar; 24(3): [7] Queiroz OV, Junior AAG, Machado CJ, Andrade ELG, Junior WM, Acúrcio FA, Filho WS, Cherchiglia ML. A construção da Base Nacional de Dados em Terapia Renal Substitutiva (TRS) centrada no indivíduo: relacionamento dos registros de óbitos pelo subsistema de Autorização de Procedimentos de Alta Complexidade (APAC/SIA/SUS) e pelo Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) Brasil, Epidemiol. Serv. Saúde Abr-Jun; 18(2): [8] Pires F A. Ambiente para extração de informação epidemiológica a partir da mineração de dez anos de dados do Sistema Público de Saúde [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo - Faculdade de Medicina; [9] InCor, Serviço de Informática do Instituto do Coração HCFMUSP. Algoritmo de fonetização. Disponível em Acesso em 30 mai [10] Coeli, C.M.; Camargo JR, K.R.; Avaliação de diferentes estratégias de blocagem no relacionamento probabilístico de registros. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 5, n. 2, Disponível em Acesso em 08 Jun [11] Menezes, Ana M.B.; Santos, Iná da S. Curso de epidemiologia básica para pneumologistas. 4ª parte - Epidemiologia clínica. J. Pneumologia, São Paulo, v. 25, n. 6, Dec Disponível em Acesso em 17 Jun [12] Oracle Corporation. Oracle Database PL/SQL Packages and Types Reference 10g Release 2 (10.2). Disponível em 102/b14258/d_random.htm. Acesso em 12 Jun [13] SILVEIRA, D.P.; ARTMANN, E. Acurácia em métodos de relacionamento probabilístico de bases de dados em saúde: revisão sistemática. Rev Saúde Pública. 2009; 43(5): Contato Fábio Antero Pires Diretor da Unidade de Sistemas Instituto do Coração HCFMUSP Av. Dr. Eneas de Carvalho Aguiar, 44 2º andar bloco I São Paulo SP Comunicação: ou (11)

CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE

CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE Apresentação: Maurício Bucciolli Guernelli Coordenador Geral DATASUS/SGEP/MS Ministério da Saúde/SGEP/DATASUS - Brasília/DF CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE CADSUS WEB CADSUS Stand Alone

Leia mais

Reclink: aplicativo para o relacionamento de bases de dados, implementando o método probabilistic record linkage

Reclink: aplicativo para o relacionamento de bases de dados, implementando o método probabilistic record linkage ARTIGO ARTICLE 439 Reclink: aplicativo para o relacionamento de bases de dados, implementando o método probabilistic record linkage Reclink: an application for database linkage implementing the probabilistic

Leia mais

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA - BIÓLOGO, CIRURGIÃO DENTISTA, ENFERMEIRO, FISIOTERAPEUTA,

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA - BIÓLOGO, CIRURGIÃO DENTISTA, ENFERMEIRO, FISIOTERAPEUTA, Questão contestada: 05 Resposta Publicada: B O RECURSO impetrado foi: ( X ) DEFERIDO ( ) INDEFERIDO Existem duas respostas incorretas nesta questão (B e E). - Alternativa B, onde se lê: As propostas desta

Leia mais

Linkage Probabilístico de Bases de Dados Método. Cláudia Medina Coeli

Linkage Probabilístico de Bases de Dados Método. Cláudia Medina Coeli Linkage Probabilístico de Bases de Dados Método Cláudia Medina Coeli Processos Linkage - RL3 Funções Módulo RL3 Configura Padronização Padronização STD Blocagem Relaciona CLN Comparação Relaciona CLN Cálculo

Leia mais

Possibilidade de Avaliação dos Sistemas de Informação: O estudo do SIM

Possibilidade de Avaliação dos Sistemas de Informação: O estudo do SIM * SES-PE ** IMIP Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde Diretoria Geral de Vigilância Epidemiológica e Ambiental Gerencia de Monitoramento e Vigilância

Leia mais

Odilon Vanni de Queiroz Mestrando em Saúde Pública pela Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte-MG, Brasil

Odilon Vanni de Queiroz Mestrando em Saúde Pública pela Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte-MG, Brasil Artigo original A construção da Base Nacional de Dados em Terapia Renal Substitutiva (TRS) centrada no indivíduo: relacionamento dos registros de óbitos pelo subsistema de Autorização de Procedimentos

Leia mais

Instruções gerais para o preenchimento do formulário

Instruções gerais para o preenchimento do formulário Instruções gerais para o preenchimento do formulário Cada tipo de tecnologia (medicamento, produto para saúde ou procedimento) possui um formulário específico. Alguns campos poderão não aparecer dependendo

Leia mais

Saúde 360º. Qualidade e Precisão na Gestão Pública da Saúde do Estado de São Paulo

Saúde 360º. Qualidade e Precisão na Gestão Pública da Saúde do Estado de São Paulo Saúde 360º Qualidade e Precisão na Gestão Pública da Saúde do Estado de São Paulo Apresentação: André Luiz de Almeida CIO Secretaria da Saúde alalmeida@saude.sp.gov.br 1 Agenda Apresentação Visão da Solução

Leia mais

FÁBIO ANTERO PIRES. Ambiente para extração de informação epidemiológica a partir da mineração de dez anos de dados do Sistema Público de Saúde

FÁBIO ANTERO PIRES. Ambiente para extração de informação epidemiológica a partir da mineração de dez anos de dados do Sistema Público de Saúde FÁBIO ANTERO PIRES Ambiente para extração de informação epidemiológica a partir da mineração de dez anos de dados do Sistema Público de Saúde Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE UM CASO NOVO DE CÂNCER NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DE UM CASO NOVO DE CÂNCER NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DE UM CASO NOVO DE CÂNCER NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE An approach to identify a new cancer case on the outpatient information system of the brazilian national

Leia mais

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Marina Guimarães Lima, Cristiane Olinda Coradi Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia

Leia mais

Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000.

Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000. Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, e, Considerando a Portaria GM/MS nº 569/GM, de 1º de junho de 2000, que estabelece o Programa

Leia mais

Bioestatística Aula 3

Bioestatística Aula 3 Aula 3 Castro Soares de Oliveira Probabilidade Probabilidade é o ramo da matemática que estuda fenômenos aleatórios. Probabilidade é uma medida que quantifica a sua incerteza frente a um possível acontecimento

Leia mais

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22 IESUS Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS Anexo 1 Instrumentos do Sistema de Informação Hospitalar Laudo Médico para Emissão de AIH O Laudo Médico é o instrumento para solicitação

Leia mais

Acurácia do relacionamento probabilístico na avaliação da alta complexidade em cardiologia

Acurácia do relacionamento probabilístico na avaliação da alta complexidade em cardiologia Artigos Originais Arn Migowski I Rogério Brant Martins Chaves I Cláudia Medina Coeli II Antonio Luiz Pinho Ribeiro III Bernardo Rangel Tura IV Maria Cristina Caetano Kuschnir I Vitor Manuel Pereira Azevedo

Leia mais

Introdução. Métodos Resultados

Introdução. Métodos Resultados GASTO MÉDIO PER CAPITA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE COM MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS Cristina Mariano Ruas Brandão Iola Gurgel Andrade, Mariângela Leal Cherchiglia, Grazielle Dias da Silva, Augusto Afonso Guerra

Leia mais

ARMAZÉM DE DADOS SOBRE A ASSISTÊNCIA ONCOLÓGIA AMBULATORIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

ARMAZÉM DE DADOS SOBRE A ASSISTÊNCIA ONCOLÓGIA AMBULATORIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE ARMAZÉM DE DADOS SOBRE A ASSISTÊNCIA ONCOLÓGIA AMBULATORIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Rômulo Cristovão de Souza 1, Sergio Miranda Freire 1, Rosimary Terezinha de Almeida 2 1 Departamento de Tecnologia

Leia mais

Sistema de Informação

Sistema de Informação Sistema de Informação Conjunto de elementos inter-relacionados que coleta, processa (manipula e armazena), transmiti e dissemina dados e informações; Manual ou informatizado; Envolve pessoas, máquinas,

Leia mais

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS Autores: Mônica Martins Departamento de Administração e Planejamento em Saúde, Escola Nacional de Saúde

Leia mais

Tecnologias. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma SC Brasil

Tecnologias. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma SC Brasil Gestão de uma Farmácia Solidária a partir de um Aplicativo Pautado em Normas, Padrões e Requisitos preconizados pela Sociedade Brasileira de Informática em Saúde Osmani José Sadzinski 1, Fabio Duarte 1,4,

Leia mais

ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO

ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO 207 ANEXO 2 Em vigilância e em investigações de surtos, como em várias outras aplicações da epidemiologia, é importante conhecer os conceitos e aplicações

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria

Leia mais

Módulo Autorizador de Procedimentos

Módulo Autorizador de Procedimentos Módulo Autorizador de Procedimentos Lucia Beatriz de A. L. Alves, César O. Polachini, Miguel L. E. Montania Atech Tecnologias Críticas, São Paulo, SP Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, São Paulo,

Leia mais

C A R T I L H A. - Recursos Humanos Funcionários

C A R T I L H A. - Recursos Humanos Funcionários C A R T I L H A - Recursos Humanos Funcionários Elaborada por: DIRPD Diretoria de Processamento de Dados Universidade Federal de Uberlândia Maio/2009 Apresentação Esta cartilha foi elaborada para auxiliar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS VINICIUS DA SILVEIRA SEGALIN FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/2013 Sumário

Leia mais

Análise do Padrão de Troca de Informações em Saúde Suplementar em um Sistema de Registro Eletrônico em Saúde

Análise do Padrão de Troca de Informações em Saúde Suplementar em um Sistema de Registro Eletrônico em Saúde Análise do Padrão de Troca de Informações em Saúde Suplementar em um Sistema de Registro Eletrônico em Saúde Douglas Mendes Geremias 1, Priscyla Waleska Targino de Azevedo Simões 1,2, Paulo João Martins

Leia mais

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO MULTIPROFISSIONAL SEGUNDO SEMESTRE DE 2015.

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO MULTIPROFISSIONAL SEGUNDO SEMESTRE DE 2015. EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO MULTIPROFISSIONAL SEGUNDO SEMESTRE DE 2015. O torna público o Edital para os cursos de Aperfeiçoamento Multiprofissional, segundo semestre

Leia mais

Trata-se de Nota Técnica referente à metodologia utilizada para o desenvolvimeto da primeira carga do D-TISS Detalhamento dos Dados do TISS.

Trata-se de Nota Técnica referente à metodologia utilizada para o desenvolvimeto da primeira carga do D-TISS Detalhamento dos Dados do TISS. Gerência/Diretoria: GEPIN/DIDES Protocolo nº 33902.552358/2015-01 Data: 09/12/2015 Hora: 10:00 Assinatura: Magno Fernandes Nota Técnica nº 586/2015/GEPIN/DIDES/ANS 1. Introdução Trata-se de Nota Técnica

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA UNICEP ORIENTAÇÕES PARA A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA BRASIL

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA UNICEP ORIENTAÇÕES PARA A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA BRASIL COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA UNICEP ORIENTAÇÕES PARA A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA BRASIL O PESQUISADOR DEVE SE CADASTRAR! PARA FAZER O CADASTRO DE PESQUISADOR (pessoa

Leia mais

Menu de Cadastramento

Menu de Cadastramento Sistema de Controle Logístico de Medicamentos 1 Menu de Cadastramento 0800 61 2439 siclom@aids.gov.br Endereço de acesso do SICLOM: Esse endereço é do banco de produção, que é o banco oficial do SICLOM.

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET I Sumário 1. Objetivo do Documento... 1 2. Início... 1 3. Cadastro de Pessoa Física... 3 3.1. Preenchimentos Obrigatórios.... 4 3.2. Acesso aos Campos

Leia mais

Epidemiologia e Serviços de Saúde

Epidemiologia e Serviços de Saúde Epidemiologia e Serviços de Saúde R E V I S T A D O S I S T E M A Ú N I C O D E S A Ú D E D O B R A S I L Volume 18 - Nº 2 - abril / junho de 2009 ISSN 1679-4974 2 Epidemiologia e Serviços de Saúde R E

Leia mais

Bolsista CNPq: Graduação em Eng. Agrícola, UNICAMP, Campinas-SP, fabiooquendo@gmail.com.

Bolsista CNPq: Graduação em Eng. Agrícola, UNICAMP, Campinas-SP, fabiooquendo@gmail.com. UM SISTEMA PARA ORGANIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE SOLOS BRASILEIROS FÁBIO O. SILVA 1 ; FERNANDO KUNINARI 2 ; STANLEY R. M. OLIVEIRA 3 12605 RESUMO Com o objetivo de possibilitar o armazenamento e a disponibilização

Leia mais

TUTORIAL PARA CADASTRO E SUBMISSÃO DE ARTIGO NA PLATAFORMA BRASIL

TUTORIAL PARA CADASTRO E SUBMISSÃO DE ARTIGO NA PLATAFORMA BRASIL TUTORIAL PARA CADASTRO E SUBMISSÃO DE ARTIGO NA PLATAFORMA BRASIL Prezado (a) aluno (a) / professor (a), O objetivo deste manual é o de auxiliar no cadastro como pesquisador na Plataforma Brasil, assim

Leia mais

O PEP: Uma Visão Unificada

O PEP: Uma Visão Unificada O PEP: Uma Visão Unificada Beatriz de Faria Leão, MD, PhD bleao@atech.br Fundação Atech Vidatis Sistemas de Informação em Saúde Rua do Rocio, 351-5º andar - cj 51 04552-000 São Paulo, SP Fone: 11 3053-3770

Leia mais

Principal: construir uma base de dados para produção de informações sobre internações hospitalares;

Principal: construir uma base de dados para produção de informações sobre internações hospitalares; Principal: construir uma base de dados para produção de informações sobre internações hospitalares; Específicos: - criar um banco de dados para armazenar registros sobre internações hospitalares; - produzir

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda.

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. Avaliação do risco de viés de ensaios clínicos randomizados pela ferramentada colaboração Cochrane Alan P. V. de Carvalho,

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC S I E

Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC S I E Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC S I E SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO (*) Módulo: Produção Institucional Guia de

Leia mais

Passos para importar CNES no Sistema com CDS

Passos para importar CNES no Sistema com CDS e-sus AB Sistema com Coleta de Dados Simplificada - CDS Passos para importar CNES no Sistema com CDS Maio/2013 1 Por que importar o CNES? A importação do CNES deve ser o primeiro passo a ser realizado

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Integração de exames de holter 24 horas com o Registro Eletrônico de Saúde do paciente.

Integração de exames de holter 24 horas com o Registro Eletrônico de Saúde do paciente. Integração de exames de holter 24 horas com o Registro Eletrônico de Saúde do paciente. Integrating 24 hour Holter examinations with patients electronic medical record Admar Longo Jr. 1, Ramon Alfredo

Leia mais

Software automatizado para controle de consultas da clínica de fisioterapia

Software automatizado para controle de consultas da clínica de fisioterapia Software automatizado para controle de consultas da clínica de fisioterapia Jeverson Siqueira 1, Wallace Caldeira 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Ciência da Computacão Faculdades Anglo Americano de Foz do Iguaçu

Leia mais

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Zélia Magalhães Bianchini (Diretoria de Pesquisas) Helena Piccinini (Diretoria de Informática) Gestão da Qualidade

Leia mais

Circular 0132/2000 São Paulo, 14 de Abril de 2000.

Circular 0132/2000 São Paulo, 14 de Abril de 2000. [fesehf/cabecalho.htm] Circular 0132/2000 São Paulo, 14 de Abril de 2000. Administrador(a) Faturamento Assunto: PORTARIAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE Prezado(a) Senhor(a), O Ministério da Saúde faz publicar

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Monitoramento da produção de próteses dentárias

MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Monitoramento da produção de próteses dentárias MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento da produção de próteses dentárias 2015 2004 Política Nacional de Saúde Bucal Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da

Leia mais

SICLOM Cadastramento

SICLOM Cadastramento 1 Cadastramento SICLOM Cadastramento Versão: 2011 Manual de utilização do menu de Cadastramento Versão: 2013 2 Cadastramento 3 Cadastramento Índice Introdução. 5 Cadastramento. 6 Cadastro de usuário SUS.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE FLUXO ESPECIAL PARA DECLARAÇÕES DE ÓBITO COM INFORMAÇÃO DE ÓBITOS MATERNOS DECLARADOS, BEM COMO DE ÓBITOS DE MULHER EM IDADE FÉRTIL EM MUNICIPIOS NÃO CODIFICADORES COM ÓBITOS DE OCORRÊNCIA E RESIDÊNCIA

Leia mais

INTERFACE VIA WEB PARA BANCO DE DADOS DA DEFESA CIVIL

INTERFACE VIA WEB PARA BANCO DE DADOS DA DEFESA CIVIL INTERFACE VIA WEB PARA BANCO DE DADOS DA DEFESA CIVIL Camila de Oliveira Raupp Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC. Av. Mauro Ramos, 950 centro, Florianópolis -SC CEP 88020-300

Leia mais

como ferramenta de análise de informações no mercado de saúde: o caso da Unimed-BH Ana Paula Franco Viegas Pereira

como ferramenta de análise de informações no mercado de saúde: o caso da Unimed-BH Ana Paula Franco Viegas Pereira como ferramenta de análise de informações no mercado de saúde: o caso da Unimed-BH Ana Paula Franco Viegas Pereira Setembro/2015 Agenda Nossos números Análise de Informações Estratégicas O papel do analista

Leia mais

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1 Manual do Usuário Pré-Cadastro de Participantes 08.11.2004 Versão 1.1 Índice 1. Introdução ao Pré-Cadastro...3 1.1. Pré-Cadastro de pessoa Física...3 1.1.1. Termo...3 1.1.2. Dados de identificação...4

Leia mais

RecLink3. Duplicidade Padroniza Relaciona Combina Associa. Concepção e programação: Kenneth Rochel de Camargo Jr. Cláudia Medina Coeli

RecLink3. Duplicidade Padroniza Relaciona Combina Associa. Concepção e programação: Kenneth Rochel de Camargo Jr. Cláudia Medina Coeli Rio de Janeiro 2007 Duplicidade Padroniza Relaciona Combina Associa RecLink3 Concepção e programação: Kenneth Rochel de Camargo Jr. Cláudia Medina Coeli Atualização do manual e tutoriais: Mariana Miranda

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

Tecnologias da Informação, Comunicação e Sistemas de Inteligência

Tecnologias da Informação, Comunicação e Sistemas de Inteligência , Comunicação e Sistemas de Inteligência Gestão e de Bancos de Dados IESB - Centro Universitário A importância da informação em um mundo de informação disponível em tempo real a informação menos acessível

Leia mais

Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025.

Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025. Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025. Computational development tool for equipament control according to ISO/IEC 17025. Heloisa de Campos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Manual Cartão SUS Manual de Operação Julho/2011 Conteúdo Sumário...

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU Stanley Galvão 1, Cláudia Miranda 2, Cristiano Souza 3 e Liz Yoshihara 4 1 Departamento de Informática do HU, São Paulo, Brasil

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Lima, Perú 27 noviembre de 2007 Sistema Único de Saúde - SUS Estabelecido

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

CONCEITO. Despertar a potencialidade de indivíduos

CONCEITO. Despertar a potencialidade de indivíduos CONCEITO Despertar a potencialidade de indivíduos Utilizar a Arte como meio de comunicação e expressão e a Cultura no resgate de histórias de vida e valores 17 anos de atuação 231 mil atendimentos ARTE

Leia mais

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática 2006.2 Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento

Leia mais

CEP/HCUFG Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás

CEP/HCUFG Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás CEP/HCUFG Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás Como utilizar a PB - PLATAFORMA BRASIL para se cadastrar e submeter projetos de pesquisa ao CEP/HC/UFG: Entrar

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka 1 Introdução A mineração de dados (data mining) pode ser definida como o processo automático de descoberta de conhecimento em bases de

Leia mais

Portuguese Summary. Resumo

Portuguese Summary. Resumo Portuguese Summary Resumo 176 Resumo Cerca de 1 em 100 indivíduos não podem comer pão, macarrão ou biscoitos, pois eles têm uma condição chamada de doença celíaca (DC). DC é causada por uma das intolerâncias

Leia mais

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA SERVIÇO FARMACÊUTICO UMA UNIDADE DE ERGÊNCIA Junior André da Rosa Blumenau, 23 de maio de 2014 DECLARAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver nenhum conflito de interesse nesta apresentação. Parte

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL 1. Conceito Por Aramis Cardoso A Vigilância em Saúde Ambiental é definida como o conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e a detecção de qualquer

Leia mais

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 10 nº 2 Março 2010 Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Hoje, os acidentes de transporte

Leia mais

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback Resolução de nomes Professor Leonardo Larback Resolução de nomes A comunicação entre os computadores e demais equipamentos em uma rede TCP/IP é feita através dos respectivos endereços IP. Entretanto, não

Leia mais

Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades

Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades , URL: http://www.ecmal.br/metodologia Página 1 de 5 Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades A iniciação científica é um instrumento que permite introduzir os estudantes de graduação

Leia mais

Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU

Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU AMBULATÓRIO Cadastro de paciente ( caso o paciente já tenha consultado no hospital

Leia mais

BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo

BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo Ramón n A. Moreno e Sérgio S S. Furuie Instituto do Coração (InCor) de São Paulo - HCFMUSP Introdução Sistemas de Recuperação de Imagens Baseado

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

5 Resultados. 5.1. Avaliação Baseada na Taxa de Igual Erro

5 Resultados. 5.1. Avaliação Baseada na Taxa de Igual Erro 5 Resultados Neste capitulo discutem-se os resultados obtidos no desenvolvimento desta pesquisa segundo a metodologia descrita no capitulo anterior. A avaliação de acurácia para tarefas de verificação

Leia mais

3. Do Curso, Local, Tempo de Duração e Número de Vagas. As vagas disponíveis e a duração do curso estão listadas na tabela a seguir:

3. Do Curso, Local, Tempo de Duração e Número de Vagas. As vagas disponíveis e a duração do curso estão listadas na tabela a seguir: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS OURO PRETO Rua Pandiá Calógeras, 898 Bairro Bauxita Ouro

Leia mais

Bolsas de Produtividade em Pesquisa: Educação Física, Fisioterapia, Fonoaudiologia e

Bolsas de Produtividade em Pesquisa: Educação Física, Fisioterapia, Fonoaudiologia e Bolsas de Produtividade em Pesquisa: Educação Física, Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Brasília Maria Chiari 1, Débora B Grossi 2, Fernanda D Fernandes 2, Leslie P Ferreira 3, Marco Túlio

Leia mais

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária Passo a Passo: Monitoramento Laboratório

Leia mais

SICLOM Cadastramento

SICLOM Cadastramento 1 Cadastramento SICLOM Cadastramento Manual de cadastramento de usuário SUS Versão: 2011 2 Cadastramento 3 Cadastramento Índice Cadastramento. 1 Cadastro de usuário SUS. 1 Transferência de usuário SUS.

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS INSTRUÇÕES NORMATIVAS INSCRIÇÃO DE TRABALHOS ATÉ 30/09/2015 A Comissão organizadora da XIX Jornada Científica sugere que, antes de iniciarem o processo de inscrição, todos os autores leiam as orientações

Leia mais

A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB)

A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB) A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB) Jacques Levin Departamento de Informática do SUS Secretaria Executiva/Ministério da Saúde Porto Alegre, 23 de setembro de 2008 Roteiro Origem Processo

Leia mais

EDITAL Nº 004/2015. SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA SEM FINANCIAMENTO EXTERNO, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PRPPG/DPI Campus ITABIRA

EDITAL Nº 004/2015. SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA SEM FINANCIAMENTO EXTERNO, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PRPPG/DPI Campus ITABIRA EDITAL Nº 004/2015 SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA SEM FINANCIAMENTO EXTERNO, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PRPPG/DPI Campus ITABIRA 1. OBJETIVO: 1.1 - O presente Edital tem por objetivo

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 1. Descrição Este programa procura desenvolver nos estudantes de graduação

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

A CARGA DE DOENÇA POR AIDS EM FLORIANÓPOLIS SC NO ANO DE 2009

A CARGA DE DOENÇA POR AIDS EM FLORIANÓPOLIS SC NO ANO DE 2009 A CARGA DE DOENÇA POR AIDS EM FLORIANÓPOLIS SC NO ANO DE 2009 Mariah Fernandes Silva Jefferson Traebert 2 INTRODUÇÃO Os indicadores de saúde mostram-se de suma importância para que sejam tomadas decisões

Leia mais

SCP - Sistema de Controle de Processo

SCP - Sistema de Controle de Processo SCP - Sistema de Controle de Processo Módulo PTS Versão do produto: 1.0 Edição do documento: Julho de 2010 Série A. Normas e Manuais Técnicos MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria Executiva Departamento de Informática

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

TUTORIAL DE USO DO BUSINESS INTELLIGENCE (BI) PARA O HÓRUS-ESPECIALIZADO

TUTORIAL DE USO DO BUSINESS INTELLIGENCE (BI) PARA O HÓRUS-ESPECIALIZADO MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Assistência Farmacêutica Coordenação Geral do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica TUTORIAL

Leia mais