Apresentação. Computação In-Memory Evolução, oportunidades e riscos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação. Computação In-Memory Evolução, oportunidades e riscos"

Transcrição

1 Apresentação William Emmanuel Yu, Ph.D., CISM, CRISC, CISSP, CSSLP, é vice-presidente de tecnologia na Novare Technologies. Yu está trabalhando em serviços de telecomunicações de última geração, integração de sistemas com valor agregado e projetos de consultoria com foco em convergência fixo-móvel e aplicações de mobilidade empresarial com operadores de rede móvel e fornecedores de tecnologia. Ele está ativamente envolvido na engenharia da internet, plataformas móveis e pesquisas de segurança da informação. Yu também é membro do corpo docente da Universidade Ateneo de Manila, Filipinas, e do Instituto asiático de gerenciamento, Manila, Filipinas. Computação In-Memory Evolução, oportunidades e riscos O surgimento de plataformas de computação em nuvem com bases de usuários maciças e grandes exigências de transação e taxa de transferência obrigou as empresas a encontrar formas de escalar os serviços de forma rápida e com baixo custo. Isso pressiona os arquitetos de sistema a criar sistemas maiores e melhores de forma rentável. Na era do big data, as empresas estão observando cada vez mais os caches enormes de dados subprocessados ou descartados como recursos a ser explorados. O processamento de grandes volumes de dados requer uma plataforma rápida e escalável. Antes, as implementações desses tipos de plataformas estavam limitadas a algumas grandes empresas, que podiam pagar por essas soluções de mineração de dados de alto custo. Atualmente, as empresas têm mais opções. Este artigo fornece uma visão geral de uma das opções disponíveis - o In-Memory Database (IMDB) 1 - a evolução e os riscos envolvidos na adoção. A tecnologia IMDB tem sido apontada como a solução para problemas de desempenho de banco de dados - o fator principal é a capacidade para carregar e executar todos os dados na memória. Isso remove uma quantidade considerável de entrada/saída (E/S) relacionada a problemas de desempenho com sistemas de banco de dados. No entanto, as tecnologias IMDB apresentam um risco fundamental, que deve ser considerado na implementação: durabilidade dos dados, controles de segurança mais flexíveis (em comparação com o banco de dados homólogo completo) e as preocupações de migração. É fundamental que o risco seja considerado quando se está explorando a utilização da tecnologia IMDB. FORMAS DE SE ESCALAR Há duas maneiras de escalar aplicações: horizontal e verticalmente. Escalar horizontalmente permite que a empresa crie aplicações que podem ser utilizados simplesmente adicionando nós de computação quando precisam de maior capacidade. Em geral, os aplicações que exigem uma grande quantidade de dados de trabalho atômico ou a realização de uma grande quantidade de operações exclusivas/excessivas são adequados para a paralelização horizontal. Há pouco tempo, isso foi chamado de paralelo ou supercomputação. 2 Aplicações grandes da web em que cada transação é atômica e não depende de outras transações concorrentes, é um exemplo de escala horizontal. Portanto, cada transação pode ser encaminhada para os nós de computação separados para processamento. A escala horizontal permite que o Facebook, Linkedin e Twitter lidem com milhões de usuários. Entretanto, nem todos os aplicações são facilmente transportáveis para plataformas de escala horizontal. Um dos principais desafios da escala horizontal é que os aplicações geralmente não são criados com a escalabilidade horizontal/simultaneidade em mente. Mesmo os aplicações típicos de desktop não são criados para utilizar a unidade central de processamento (CPU), que são núcleos disponíveis em plataformas de computação modernas. Nestes casos e em outros semelhantes, as empresas podem optar por utilizar a escala vertical. Escalar verticalmente envolve o aumento da capacidade interna de um sistema para que ele possa lidar com mais transações. Esse normalmente é o modo mais rápido para aumentar a capacidade sem alterar de forma considerável o ambiente de operação ou a arquitetura do sistema. O aumento da memória ou o armazenamento em disco de um sistema de computação para processar mais transações é um exemplo de escala vertical. A escala vertical não se limita à adição de hardware, mas também pode ser utilizada para melhorar o aplicação, para tirar o máximo proveito dos recursos existentes. No entanto, a escalabilidade vertical é geralmente mais cara. ESTÁ TUDO NA MEMÓRIA RAM Há também outras formas de aumentar a escalabilidade de sistemas verticalmente. Uma delas é a utilização da tecnologia de computação In-Memory. A habilidade de 1

2 escalar sistemas envolve a identificação de gargalos ao realizar transações. Ao determinar as principais áreas de desaceleração, os arquitetos de sistemas podem trabalhar na otimização dessas áreas, sem a necessidade de comprar mais hardware. Diferentes aplicações terão diferentes níveis de um determinado recurso e terão diferentes gargalos. 3 Para aplicações baseados em dados, o gargalo mais provável é o armazenamento em disco ou E/S. Um gargalo existe quando o aplicação exige muita interação de dados e, posteriormente, o acesso ao disco. Uma grande quantidade de aplicações de banco de dados complexos é associada à E/S. Por outro lado, o acesso à memória é normalmente medido em nanossegundos, enquanto o acesso de armazenamento em disco é medido em milissegundos. 4 Isso mostra que o acesso à memória é muito mais rápido do que o acesso de armazenamento em disco. Portanto, uma possível solução para aplicações associados à E/S é o uso de computação In-Memory. Todos os dados são carregados na memória, e todas as transações são executadas na memória. A manifestação mais tangível da computação In-Memory é o IMDB. Os IMDBs proporcionam ganhos significativos de desempenho, armazenando todos os dados na memória principal, em vez de utilizar discos. Isso oferece o benefício da capacidade de executar operações de E/S inteiramente na memória. Uma pessoa que memoriza o dicionário pode responder mais rapidamente a uma consulta de definição de palavra do que uma pessoa que não memorizou o dicionário inteiro, e tem que procurar a palavra em um livro impresso. QUEM PODE SE BENEFICIAR COM A COMPUTAÇÃO IN-MEMORY? O primeiro passo para determinar a necessidade da computação In-Memory é definir se o aplicação requer uma grande quantidade de acesso e manipulação de dados. Normalmente, os aplicações de banco de dados podem se beneficiar da tecnologia IMDB. Em geral, qualquer tipo de transação de banco de dados será mais lenta em um banco de dados baseado em disco em comparação a um IMDB. As empresas são atraídas para os IMDBs porque estes permitem fácil portabilidade de aplicações de sistemas de banco de dados baseados em disco. Nem todas as especificações e os aspectos relacionados a eles serão considerados no início e utilizados para a necessidade de planejamento prévio e implementação da tecnologia de IMDB. Às vezes, os gargalos podem ser determinados durante o curso do desenvolvimento, testes de aceitação do usuário ou mesmo durante a produção atual. Duas formas comuns para determinar gargalos de E/S são: 1. Problemas de E/S que se manifestam como uma alta utilização da CPU - Por exemplo, se o disco de E/S está ocupado em um sistema, o processo de espera de E/S pode tomar um tempo considerável da CPU. Em alguns casos, o processo do banco de dados mostra uma alta utilização da CPU. Portanto, algumas pessoas pensam que é a CPU (poder de processamento) que precisa de atualização. Na realidade, é o subsistema de armazenamento que é o gargalo e precisa ser resolvido. 2. Sistemas operacionais com ferramentas de monitoramento de E/S - Linux e sistemas derivados do UNIX vêm com a ferramenta iostat 5 altamente funcional. Os sistemas baseados no Windows MS vêm com o perfmon. 6 Os administradores devem procurar parâmetros como o comprimento médio da fila, o tempo médio de transferência e o tempo de disco percentual. Se esses valores forem elevados, há a possibilidade de contenção de E/S. A melhor maneira de determinar se um aplicação pode se beneficiar com a tecnologia IMDB é experimentar as soluções. Há uma série de soluções comerciais (Oracle TimesTen, 7 SAP HANA, 8 IBM soliddb, 9 VMWare Gemfire 10 ) e de plataforma aberta (MySQL cluster, 11 sqlite, 12 VoltDB, 13 Druid 14 ) disponíveis no mercado. A RAM É VOLÁTIL? MEUS DADOS ESTÃO SEGUROS? Há muitos fatores que devem ser considerados com qualquer nova tecnologia introduzida no mercado, e o primeiro deles é a durabilidade. É a primeira coisa que geralmente vem à mente ao usar uma tecnologia de computação In-Memory. A memória principal é volátil; portanto, quando a energia é cortada, os sistemas perderão os dados na memória. Essa perda de dados é especialmente prejudicial para aplicações orientados a dados. No entanto, a maioria das soluções In- Memory tem um mecanismo para assegurar que os dados sejam preservados. O mecanismo mais comum é gravar novamente no armazenamento persistente. Entretanto, isso exige a dependência de discos (lentos). No entanto, a maioria das soluções do mercado usa algo chamado gravação no cache e na memória principal preguiçosa ou imprecisa. Isso significa que a execução da transação é feita inteiramente nos dados armazenados na memória. As transações são armazenadas na forma de um buffer de log, que também está na memória. O sistema irá gravar os dados em disco para persistência. No caso de falta de energia, há uma chance de perda de dados se o buffer de log não conseguiu completar a gravação em disco. No entanto, a maior parte do banco de dados estará intacta. Algumas soluções IMDB (ex: Oracle TimesTen) permitem variar a preguiça da gravação no cache e na memória principal, dependendo da importância das transações. Gravações com baixo valor (ou seja, registros de transação) atrasam as gravações para o disco por um longo período e reduzem a carga de E/S em relação a gravações de alto valor (ou seja, Airtime top-up), que grava de forma síncrona no disco para 2

3 persistência todo o tempo. Isso permite aos usuários variar a preguiça para se adaptar às exigências do aplicação. Essa limitação é a razão pela qual as implementações de IMDB de alta disponibilidade geralmente pedem o uso de replicação. A taxa de transferência da rede ainda é geralmente mais rápida do que a do disco. Ela permite que várias instâncias de IMDB sincronizem os dados contidos no sistema. A configuração mais comum é ter um único banco de dados ativo, replicado com um banco de dados em modo de espera ou somente de leitura. A probabilidade de todos esses sistemas pararem de funcionar ao mesmo tempo é muito menor do que a probabilidade de uma única falha. Por outro lado, algumas soluções de In-Memory Database utilizam uma tecnologia para a replicação não compartilhada. Isso significa que as informações desses bancos de dados são distribuídas por meio de um conjunto de nós de computação, para balanceamento de carga e alta disponibilidade. A tecnologia de não compartilhamento tem o benefício adicional de escalar a carga para vários nós de computação, e é um exemplo da escalabilidade horizontal no trabalho. Portanto, a tecnologia de computação In-Memory não compartilhada pode escalar horizontal e verticalmente. MIGRAÇÃO DE APLICAÇÕES DO BANCO DE DADOS PARA O IMDB Em geral, a maioria dos aplicações de banco de dados pode se beneficiar da tecnologia IMDB, em grande parte porque muitos aplicações usam somente um subconjunto simples da Linguagem de consulta estruturada (SQL). No entanto, as soluções IMDB geralmente não têm o conjunto completo de funcionalidades disponíveis para sistemas de gerenciamento de banco de dados relacionais com base em disco (RDBMS). Por exemplo, alguns IMDBs não suportam acionadores de banco de dados e não teriam o mesmo nível de granularidade para restrições de campo. As limitações a restrições de campo (ou seja, os caracteres unicode, formatos numéricos) são muito importantes, pois os aplicações podem ser gravados para depender da aplicação de restrições de campo para banco de dados. Se a migração para o IMDB suaviza as restrições esperadas anteriormente, isso levanta uma série de questões relacionadas à validação do campo, como ataques do tipo injeção. Algumas plataformas IMDB não oferecem o mesmo nível de gerenciamento de usuário e direitos, que é comum em bancos de dados relacionais baseados em disco. Em alguns casos, o acesso a uma instância de banco de dados permite o acesso a todos os dados contidos nessa instância. Nesses casos, os administradores são obrigados a criar instâncias separadas do banco de dados para aplicações distintos. Isso exige um paradigma de gerenciamento de usuário diferente. Os usuários também devem considerar os recursos exigidos para suportar os IMDBs. O recurso principal exigido Está gostando deste artigo? Obtenha mais informações e dê sua opinião sobre a gestão de riscos e big data no Centro de conhecimento. é a memória. Em especial, bancos de dados muito grandes podem não se encaixar em quantidades comercialmente disponíveis de RAM. Atualmente o espaço em disco é geralmente medido em terabytes. A memória, por outro lado, é medida em dezenas de gigabytes. Algumas soluções IMDB (ex: soliddb) fazem a medição entre a memória e o disco; isso limita a quantidade de memória principal e o desempenho, que será afetado se o disco for atingido. Portanto, os sistemas de memória não compartilhada (ex: VoltDB/HANA) superam os que são compartilhados. Por fim, é importante lembrar que um aplicação terá vários componentes e subsistemas diferentes. Otimizar somente o banco de dados produzirá ganhos de desempenho, mas esse pode não ser o único gargalo presente no sistema. É importante levar em consideração outros argumentos. Exemplos de gargalos relacionados ao banco de dados fora do IMDB incluem a conexão de agrupamentos e conversões de interface. Em alguns casos, o número de conexões de banco de dados ao agrupamento é limitado, causando um gargalo de transação. Outro problema comum é quando uma conexão entre uma interface e o banco de dados, como um bloqueio de transação síncrona ou processamento de transformação de dados pesados (ou seja, computações e conversões), cria um cenário onde as limitações de interface suprimem as transações e limitam o potencial de desempenho. Por fim, algumas transações não chegam a tempo ao banco de dados devido a problemas na fila de aplicações (ou seja, algumas transações volumosas não processadas em tempo real podem privar as transações em tempo real). Estes são exemplos de problemas de desempenho que envolvem mover os dados no banco de dados em oposição ao próprio desempenho do banco de dados. É importante não otimizar demais uma única área. ESCOLHA DE UMA SOLUÇÃO IMDB A seguir estão os fatores principais que devem ser considerados ao escolher uma solução IMDB: Conformidade com ACID/durabilidade de dados - Atomicidade, consistência, isolamento e durabilidade (ACID) são propriedades de conformidade que pressupõem que as transações de banco de dados são executadas de forma confiável. Em especial, a durabilidade costuma variar em implementações de IMDB. A maioria das soluções de IMDB (ex: SAP HANA, Oracle TimesTen, VMware 3

4 Gemfire, MySQL Cluster, VoltDB, Sqlite) está em conformidade com a ACID. No entanto, elas geralmente variam quando se trata de durabilidade no disco. A preguiça da gravação no cache e na memória principal determinará isto. Algumas soluções (ex: Oracle TimesTen) permitem que os desenvolvedores ajustem a preguiça da gravação no cache e na memória principal, enquanto outros (ex: Sqlite) não suportam a gravação em disco. Volume de dados e requisitos de escala - Quão escalável o aplicação deve ser? Uma série de soluções IMDB suportam arquiteturas não compartilhadas, que permitem que os desenvolvedores criem facilmente aplicações que se escalam horizontalmente com a adição de nós de computação/ armazenamento. Arquiteturas não compartilhadas (ou seja, VMware Gemfire, SAP HANA, VoltDB) permitem o escalamento arbitrário simplesmente com a adição de nós. O recurso mais importante é a capacidade de recuperação por não ter um único ponto de falha (ou seja, configuração espelhada N+1). Algumas arquiteturas (ex., Oracle TimesTen) suportam apenas escalabilidade agregada, quando a mesmo também é feita pela adição de nós com um subconjunto de dados em si bem particionado. No entanto, as arquiteturas que suportam o não compartilhamento podem ser projetadas para suportar requisitos de armazenamento de dados gerais horizontalmente escaláveis - arquiteturas que não exigem que os desenvolvedores projetem aplicações para o escalamento agregado. Compatibilidade com SQL/dialeto SQL - Nem todos os IMDBs são iguais em se tratando de suporte de SQL. Alguns oferecem um conjunto básico de SQL primitivos (ou seja, criar, selecionar, inserir, excluir, atualizar), enquanto outros oferecem um conjunto mais amplo (ex: restrições de chave externa, procedimentos armazenados). Pacotes mais simples como o Sqlite costumam ter um suporte de SQL mais elementar, mas são mais fáceis de se implementar. Pacotes com suporte para SQL mais complexo permitem uma migração mais fácil para aplicações que já utilizam essas primitivas. Esta é a principal razão pela qual a tecnologia IMDB é atraente. A facilidade da portabilidade depende do tamanho do conjunto de SQL primitivos exigido pelo aplicação. Este é o principal motivo pelo qual as empresas com aplicações baseados em RDBMS preferem o IMDB ao NoSQL. 15 Compressão - A utilização da memória principal para processar transações coloca uma restrição no tamanho absoluto dos dados que podem ser processados em um determinado período ou nó. Isso pode ser contornado com a utilização da compressão às custas do tempo de processamento da CPU. Alguns bancos de dados (ex: Oracle TimesTen) suportam isto. No entanto, o motivo para usar os IMDBs é remover um gargalo de desempenho (E/S). Seria contraprodutivo substituí-lo por outra CPU. No entanto, é necessário um planejamento cuidadoso. Custo - Há uma série de soluções IMDB com plataforma aberta e comerciais. A escolha dependerá principalmente dos requisitos relacionados anteriormente. Se os candidatos restantes oferecerem uma opção de plataforma aberta e comercial, fatores como requisitos de suporte e manutenção devem ser considerados. As opções recomendadas são as comerciais e de plataforma aberta com soluções comerciais pagas. Soluções de plataforma aberta são viáveis quando o suporte comercial não é necessário e o pacote tem uma comunidade de desenvolvedores robusta. Conclusão A tecnologia IMDB não é nova. Ela vem sendo usada em casos de uso especializados de taxa de transferência (ex: telecomunicações) ou requisitos de armazenamento em cache (ex: proxies de rede e de autenticação) há algum tempo. Atualmente, a tendência do big data está obrigando as empresas a minerar seu grande tesouro interno de dados. A percepção adicional oferecida pela mineração dessas informações pode ser inestimável para criar uma melhor experiência do usuário. Os casos de uso, que exigem tempos de resposta de processamento rápido, podem ser beneficiados pela tecnologia de memória. Felizmente, o setor também adotou ofertas que facilitam a consideração da tecnologia de memória, como a introdução de interfaces SQL, replicação de nada compartilhado e gravação no cache e na memória principal para obter durabilidade. Em termos de custo, a tecnologia IMDB exige uma quantidade considerável de memória, visto que todos os dados devem caber nela. As velocidades de memória são de a um milhão de vezes mais rápidas do que os discos rígidos mecânicos em termos de tempos de acesso. O custo da memória é cerca de 100 vezes maior do que os discos rígidos mecânicos. A certeza (1.000 a vezes) é um ganho de desempenho considerável ao mudar para soluções Arquitetura alternativa de In-Memory Database Uma alternativa para utilizar um sistema de computação In-Memory exclusivo, como o IMDB, seria usar um RDBMS comum em uma plataforma de computação que faz uso exclusivo de dispositivos de armazenamento baseado In- Memory, como os drives de estado sólido (SSD). Certamente, a arquitetura de computação moderna ainda trata os discos SSD como dispositivos de E/S, mesmo se tiverem memória interna. Assim, a implementação somente de RAM ainda traz algum benefício. No entanto, conforme a tecnologia é aprimorada, pode haver soluções em que os tempos de acesso de armazenamento flash se tornam comparáveis aos tempos de acesso à RAM. 4

5 baseadas In-Memory. O possível desafio é obter módulos de memória suficientes em uma máquina, visto que a maioria dos hardwares de computação aceita apenas uma quantidade limitada de RAM (ex: dmidecode -t 16). 16 Outra opção é utilizar a tecnologia de disco de estado sólido (SSD) com a tecnologia comum de RDBMs (consulte a barra lateral Arquitetura alternativa de In-Memory Database). Os IMDBs fornecem um caminho fácil para colher os benefícios da computação In-Memory. A utilização de uma interface SQL tem proporcionado uma opção rápida para a maioria das empresas migrar suas aplicações existentes. A gravação no cache e na memória principal e a replicação podem abordar preocupações com relação ao balanceamento de carga e alta disponibilidade. O pensamento óbvio de que a memória é mais rápida que o disco permite a justificativa dessa iniciativa. No entanto, deve-se tomar cuidado para garantir que os aplicações realmente tenham benefício com o uso da tecnologia In-Memory. Os desenvolvedores de sistemas devem se fazer algumas perguntas básicas para determinar se a solução é adequada (Consulte a barra lateral Perguntas que devem ser feitas ao considerar um IMDB). Assim que a decisão para usar a computação In-Memory for tomada, um trabalho adicional deve ser realizado para garantir que as considerações foram ponderadas. Em especial, as áreas de recursos exigidos, funcionalidades e requisitos de segurança (confidencialidade, integridade e disponibilidade) devem ser analisadas. Mais importante, as empresas devem fazer um esforço para experimentar a tecnologia em primeiro lugar. Perguntas que devem ser feitas ao considerar um IMDB O aplicação terá benefício com a tecnologia da computação In-Memory? É essencialmente E/S? Os dados podem se adaptar a quantidades de RAM comercialmente disponíveis? O aplicação exige uma interface SQL? O IMDB a oferece? A escolha de IMDB suporta o subconjunto de SQL que o aplicação exige? Há suposições de segurança que mudam por causa dos limites de funcionalidade? A persistência e durabilidade são necessárias? O IMDB suporta a persistência baseada em disco? Existe a chance de perder dados quando os mesmos são dependentes apenas da persistência baseada em disco? Isso está certo? O balanceamento de carga é necessário? O IMDB suporta a replicação não compartilhada? Ele pode suportar isto para balanceamento de carga e alta disponibilidade? Na medida em que mais pessoas interagem na web, os fornecedores de serviços e aplicações têm mais dados e ferramentas em suas mãos - uma delas é a tecnologia IMDB - para conhecer melhor os clientes. A proliferação de várias soluções - comerciais e gratuitas - coloca os aplicações de dados tradicionais de alto desempenho ao alcance de todos. NOTAS FINAIS 1 PC Magazine, Definition of In-Memory Database, 2013, 2 Kumar, V.; A. Grama; A. Gupta; G. Karypis; Introduction to Parallel Computing, vol. 110, Benjamin/Cummings, Hess, K.; Uncover Your 10 Most Painful Performance Bottlenecks, article.php/ / 4 Jacobs, A.; The Pathologies of Big Data, Communications of the ACM, 52(8), 36-44, Godard, Sebastien; iostat, Man Page, 6 Microsoft Corporation, Perfmon, com/en-us/library/bb aspx 7 Oracle Corp., Oracle TimesTen In-Memory Database, overview/index.html 8 SAP, What Is SAP HANA?, DOC IBM Corp., IBM soliddb-fastest Data Delivery, www-01.ibm.com/software/data/soliddb/ 10 VMware, VMware vfabric Gemfire, https://www.vmware.com/products/application-platform/ vfabric-gemfire/overview.html 11 Oracle Corp., MySQL Cluster FAQ, products/cluster/faq.html 12 SQLite, SQLite In-Memory Database, inmemorydb.html 13 VoltDB, 14 Sethi, Jaypal; Druid: 15 Minutes to Live Druid, Metamarkets, technology/druid/ 15 Janssen, Cory; Definition What Does NoSql Mean?, Technopedia, nosql-database 16 Nixcraft, Maximum Memory and CPU Limitations for Linux, 5

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa A Vantagem da Virtualização de Mainframe: Como Economizar Milhões de Dólares Utilizando um IBM System z como um Servidor em Nuvem Linux Sumário Executivo Os executivos de TI (Tecnologia

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações

IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações IBM Systems and Technology Group Abril de 2013 White Paper de Liderança em Ideias Inovadoras IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações 2 IBM FlashSystem Atendendo ao

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

GUIA DE VENDAS: Pontos para iniciar a conversa. Respostas comuns e contra-argumentos. Visão geral dos produtos SSHD

GUIA DE VENDAS: Pontos para iniciar a conversa. Respostas comuns e contra-argumentos. Visão geral dos produtos SSHD GUIA DE VENDAS: discos híbridos de estado sólido (sshd) da seagate Este guia de vendas interativo expõe os desafios computacionais dos seus clientes e traz ideias de como você pode estabelecer um diálogo

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

Pollyanna Gonçalves. Seminário da disciplina Banco de Dados II

Pollyanna Gonçalves. Seminário da disciplina Banco de Dados II Pollyanna Gonçalves Seminário da disciplina Banco de Dados II Web 2.0 vem gerando grande volume de dados Conteúdo gerado por redes sociais, sensores inteligentes, tecnologias de colaboração, etc. Novas

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

A sociedade conectada: smartphone e tablet banking

A sociedade conectada: smartphone e tablet banking Perspectivas, impactos e desafios Nilton Omura (nilton.omura@br.ey.com) Abril, 2012 As condições estruturais para viabilizar a massificação de smartphones e tablets no Brasil estão criadas, e irão transformar

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

CONTENÇÕES NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2

CONTENÇÕES NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 CONTENÇÕES NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 ROMULO RUBENS CUNHA JUNIOR 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo aborda os tipos de contenções que podem ocorrer no Sistema Gerenciador de Banco de

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles FAMÍLIA EMC VPLEX Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles GARANTINDO DISPONIBILIDADE CONTÍNUA E MOBILIDADE DE DADOS PARA APLICATIVOS ESSENCIAIS A infraestrutura de armazenamento

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

CA ARCserve Backup PERGUNTAS MAIS FREQUENTES: ARCSERVE BACKUP R12.5

CA ARCserve Backup PERGUNTAS MAIS FREQUENTES: ARCSERVE BACKUP R12.5 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES: ARCSERVE BACKUP R12.5 CA ARCserve Backup Este documento aborda as perguntas mais freqüentes sobre o CA ARCserve Backup r12.5. Para detalhes adicionais sobre os novos recursos

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Xen Cloud Platform Xen descomplicado

Xen Cloud Platform Xen descomplicado Xen Cloud Platform Xen descomplicado CAPA A Xen Cloud Platform facilita muito a criação e o gerenciamento de máquinas virtuais sobre o hypervisor Xen. por Boris Quiroz e Stephen Spector A revolução da

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

Informação é o seu bem mais precioso e você não pode correr riscos de perder dados importantes. Por isso, oferecemos um serviço de qualidade e

Informação é o seu bem mais precioso e você não pode correr riscos de perder dados importantes. Por isso, oferecemos um serviço de qualidade e Informação é o seu bem mais precioso e você não pode correr riscos de perder dados importantes. Por isso, oferecemos um serviço de qualidade e confiança que vai garantir maior eficiência e segurança para

Leia mais

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Data de publicação: 1 de Dezembro de 2011 Visão Geral do Produto SQL Server 2012 é uma versão significativa do produto, provendo Tranquilidade em ambientes

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS Curso: Sistemas de Informação (Subseqüente) Disciplina: Administração de Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br História

Leia mais

Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos

Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 1. ARQUITETURA DO COMPUTADOR- HARDWARE Todos os componentes físicos constituídos de circuitos eletrônicos interligados são chamados

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados Ricardo Henrique Tassi - Departamento de Replicação Índice 1- Introdução... 03 2- Quais são os bancos de dados mais conhecidos hoje em dia...04 3- Quais são os tipos de banco...05

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos XDOC Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos ObJetivo Principal O Que você ACHA De ter Disponível Online todos OS Documentos emitidos por SUA empresa em UMA intranet OU Mesmo NA

Leia mais

10 Dicas para uma implantação

10 Dicas para uma implantação 10 Dicas para uma implantação de Cloud Computing bem-sucedida. Um guia simples para quem está avaliando mudar para A Computação em Nuvem. Confira 10 dicas de como adotar a Cloud Computing com sucesso.

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado de TI. Apresentar alguns conceitos e técnicas sobre a tecnologia

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Studio 5000 Logix Designer Automação Produtiva

Studio 5000 Logix Designer Automação Produtiva Studio 5000 Logix Designer Automação Produtiva PUBLIC INFORMATION Rev 5058-CO900E Copyright 2014 Rockwell Automation, Inc. All Rights Reserved. Projetando para Automação Produtiva Ambiente de Projeto Completo

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores Conceitos Básicos de Rede Um manual para empresas com até 75 computadores 1 Conceitos Básicos de Rede Conceitos Básicos de Rede... 1 A Função de Uma Rede... 1 Introdução às Redes... 2 Mais Conceitos Básicos

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10 Índice 1. A Organização do Computador - Continuação...3 1.1. Memória Primária - II... 3 1.1.1. Memória cache... 3 1.2. Memória Secundária... 3 1.2.1. Hierarquias de

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

SERVIDORES REDES E SR1

SERVIDORES REDES E SR1 SERVIDORES REDES E SR1 Rio de Janeiro - RJ HARDWARE Você pode instalar um sistema operacional para servidores em qualquer computador, ao menos na teoria tudo irá funcionar sem grandes dificuldades. Só

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Introdução a microinformática William S. Rodrigues HARDWARE BÁSICO O hardware é a parte física do computador. Em complemento ao hardware, o software é a parte lógica, ou seja,

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

BIG-IP Gerenciamento de Tráfego de Aplicativos. Guia de Dimensionamento da Plataforma Versão 9.2.2

BIG-IP Gerenciamento de Tráfego de Aplicativos. Guia de Dimensionamento da Plataforma Versão 9.2.2 BIG-IP Gerenciamento de Tráfego de Aplicativos Guia de Dimensionamento da Plataforma Versão 9.2.2 Guia de Dimensionamento da Plataforma Resumo de Recomendação de Plataformas Plataformas 8400, 6800 e 6400

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Cloud Computing é a denominação adotada para a mais recente arquitetura de sistemas informáticos. Cada vez mais empresas

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas Memória Externa Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou plástico, coberto com um material que poder magnetizado. Os dados são gravados e posteriormente lidos do

Leia mais