Oracle Database em High Availability usando Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) e Oracle Fail Safe

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Oracle Database em High Availability usando Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) e Oracle Fail Safe"

Transcrição

1 Oracle Database em High Availability usando Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) e Oracle Fail Safe Objetivos: Apresentar conceitos do Microsoft Windows Clusters Server Apresentar a arquitetura do Oracle Fail Safe Apresentar a integração entre Microsoft Windows Cluster x Oracle Fail Safe Descrever a implementação completa da solução Microsoft Windows Cluster com Oracle Fail Safe Um Cluster consiste em diversos componentes computacionais ligados fisicamente (Hardware - Cabos, Switch, Node, etc.) e logicamente (Software - Microsoft Windows Clusters Server, Oracle Clusterware, IBM HACMP, IBM PowerHA, HP Serviceguard, etc.), que resulta em um sistema distribuído de computadores independentes e interligados, onde basicamente seu objetivo é: Alta Disponibilidade (Tolerar falhas) Balanceamento de Carga Computação de Alto Desempenho O Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) juntamente com uma infraestrutura de hardware forma um ambiente computacional em cluster, tem o objetivo de alta disponibilidade (High Availability), ou seja, a essência de sua existência é tolerar falhas físicas e/ou lógicas. O que é Cluster de Alta Disponibilidade? O Cluster de Alta Disponibilidade é normalmente construído com a intenção de fornecer um ambiente seguro contra falhas (fail safe) utilizando-se da redundância de componentes (sejam de hardware, software, serviços ou rede de interconexão). Em outras palavras, fornece um ambiente computacional onde a falha de um ou mais componentes não irá afetar significativamente a disponibilidade do ambiente de computação ou aplicações que estejam em uso. (Definição retirada do artigo cientifico "UM CLUSTER DE COMPUTADORES DE USO GERAL" escrito pelo professor doutor em física computacional José Luís Zem) A disponibilidade dos serviços e tolerância a falhas é o objetivo a ser atingido em cluster de alta disponibilidade, uma vez que, esse tipo de cluster consiste em dois ou mais computadores conectados em rede juntamente com um software de clusterização (Microsoft Windows Clusters Server - MSCS), que faz um papel de heartbeat (monitor de disponibilidade) entre os nodes do cluster (computadores conectados em rede).

2 Microsoft Windows Cluster Server (MSCS) e Oracle Fail Safe Segundo as documentações oficiais da Microsoft, o Microsoft Windows Cluster Server (MSCS) é uma solução de cluster usado juntamente com o sistema operacional Windows, essa implementação permite ao client-users de qualquer aplicação que esteja protegido por esta solução, pouca ou nenhuma percepção de interrupção do serviço prestado, em caso falha (física ou logica). O Microsoft Windows Cluster Server (MSCS) é composto por dois principais componentes: 1. Software Clusterizador (clustering software): Algoritmos de baixo nível que prove a alta disponibilidade das aplicações residente sobre a solução. 2. Cluster Administrator: Interface gráfica para administração do cluster. Nas documentações oficiais da Oracle, a solução de cluster da Microsoft (Titulada como Microsoft Cluster System) é definida sobre duas perspectiva: 1. Microsoft cluster hardware (componentes computacionais ligados fisicamente): Dois ou mais sistemas computacionais independentes (titulados como nodes), que estão conectados por meio de uma infra-estrutura de rede e a um storage de armazenamento persistente. 2. Microsoft Cluster Server - MSCS (componentes computacionais ligados logicamente): Software que permite a configuração, monitoração e controle dos componentes físicos e lógicos (titulados como "recurso" dentro do cluster).

3

4 A solução "Oracle Fail Safe", trabalha em função dessas perspectivas acima citadas. Em outras palavras, o "Oracle Fail Safe" é uma espécie de integrador entre Oracle Database x Cluster Microsoft, cujo objetivo é proporcionar um cenário de alta disponibilidade para aplicações e banco de dados Oracle em standalone (single instance). As aplicações e banco de dados são alojados em um node do Microsoft Windows Clusters e em caso de falha deste, o software de cluster move os recursos para o node sobrevivente, com base nos parâmetros que foram configurado no Microsoft Windows Failover Cluster Manager. Esse cenário é trata-se de um cluster ativo-passivo, também denominado shared-nothing. Imagem retirada da IBM Developerworks Shared-nothing é uma arquitetura de computação distribuída, onde todos os nodes do cluster estão fisicamente conectados no mesmo storage, contudo, somente um dentre todos é capaz de fazer uso (I/O) deste storage, os outros nodes são coadjuvantes (passivo), e somente faram uso deste recurso, caso ocorra uma falha do node primário ou ativo. Entende-se por disponibilidade do serviço no contexto de Microsoft Cluster System a proteção de um grupo de recursos (Group), que podem ser qualquer componente físico ou lógico disponibilizado para o sistema computacional que é vital para o funcionamento da aplicação ali hospeda. Neste caso, o grupo refere-se a um banco de dados Oracle. Podemos citar como exemplos de recursos de banco de dados Oracle: os Discos, Serviços Oracle, Network Device, etc.

5 Imagem retirada da documentação oficial Microsoft Corporation A manutenção da disponibilidade do serviço em caso de falha é garantida por meio de um mecanismo denominado Failover. Segundo as documentações da Microsoft, Failover é o processo de migração dos recursos de cluster (Um ou mais grupo de recursos) de um node indisponível para um disponível. Este mecanismo é automaticamente iniciado pelo MSCS quando detectado uma falha física ou lógica do node ativo. Em outras palavras, o processo que leva um grupo de recursos em estado off-line em um determinando node para online em outro. Com isso os recursos do grupo voltam a acessibilidade, fazendo com que a aplicação em questão fique novamente disponível.

6 Imagem retirada da documentação oficial EMC EMC RecoverPoint/Cluster Enabler for Microsoft Failover Cluster Imagem retirada da documentação oficial Microsoft Corporation

7 O recurso de quorum é o responsável por gerir e manter os metadados necessários para o funcionamento do cluster, devido sua existência é possível a realização do mecanismo de Failover, esse recurso detém as informações necessárias em forma de logs para recuperação do cluster em caso de falha. Um disco (device ou volume) representa o quorum disk do cluster, que armazena em forma de arquivo os metadados necessários para o funcionamento do cluster, esse volume está montado (ativo) sempre em um único node do cluster, em caso de falha (lógica ou física), este recurso é flutuado, por meio de Failover como qualquer outro. Resumindo: "Cluster Resource" ou "Recurso" É qualquer componente físico ou lógico disponibilizado para o sistema computacional que é vital para o funcionamento do banco de dados. Exemplo: Disco, Serviço do Oracle, Network, etc. Groups ou Grupo É uma coleção de recursos delimitada de forma logica, onde eles formam uma unidade de failover. Essa coleção de recursos que forma a unidade de failover é responsável pelo funcionamento do todo, no caso o banco de dados Oracle. Ou seja, para garantir a continuidade do serviço (disponibilidade do banco de dados) em caso de falha é necessário que todos os recursos sejam movidos para o node sobrevivente, para ter esse controle de quais recursos mover, o cluster exige a criação do grupo e os recursos pertencentes a ele. Oracle Fail Safe Oracle Fail Safe é uma solução que funciona com o Microsoft Windows Clusters, proporcionando high availability para aplicações e para o banco de dados Oracle em standalone (single instance). Basicamente o Oracle Fail Safe se divede em 3 componetes : Oracle Fail Safe Resource Dynamically Linked Libraries (DLLs) É o binario instalado sobre o disco local de todos os nodes pertencentes ao Microsoft Windows Cluster Server (MSCS) Oracle Fail Safe Server É a camada de clusterização que promove a comunicação entre os nodes do Microsoft Windows Cluster, assegurando um failover em caso de necessidade. Oracle Fail Safe Manager Interface de gerenciamento do cluster, provendo uma tela de integração entre recursos Oracle e Microsoft Windows Cluster Server (MSCS).

8 Imagem retirada da documentação: Highly Available Forms and Reports Applications with Oracle Fail Safe Release 3.0 By Laurence Clarke

9 Oracle Database sobre Microsoft Cluster System Em um cenário em que o Oracle database esteja em alta disponibilidade no Microsoft Windows Clusters é necessário um grupo onde os recursos pertencentes a ele são: Todos os discos (Storage) usado pelo Oracle database (exceto disco local onde o binário está instalado) Serviço de Oracle Database Instance (exemplo: OracleServiceORCL) Um ou mais virtual adresses, que consiste em IP Virtual Network e Virtual Network Name (Client Access Point). Serviço Listener (exemplo: OracleOraDb11g_home1TNSListener) Serviço Oracle Management Agent (Caso estiver usando Enterprise Manager) Virtual IP Address Network / Virtual Hostname Address - VIP É um recurso de cluster que representa um endereço IP e um hostname que tem a capacidade de flutuar entre os nodes do cluster por meio de Failover. Os recursos pertencentes ao grupo que detém os Serviços Oracle necessários para o funcionamento do banco possuem interação uns com os outros e isso provoca uma situação de dependência de recursos, ou seja, para que um recurso possa executar suas atividade é necessário que outros esteja online.

10 Não é possível abrir um banco de dados Oracle, uma vez que o disco onde os datafiles residem não estão disponíveis. É inviável abrir um banco de dados para uso, sendo que não há serviço listener para os clients connections estabelecerem conexões. Para que um failover seja eficiente, não apresentando falhas ou lentidão, é necessário um bom entendimento de quais recursos devem inicializar primeiro. Imagem retirada da documentação oficial da Oracle Database Instance: depende dos discos onde reside o database (arquivo de banco de dados) Database Instance: depende de um IP Address para se registrar no listener. Oracle Net Listener: depende de um Network Name e um Ip addresss para cumprir seu papel e estabelecer conexões com o servidor de banco de dados oracle.

11 Antes de qualquer iniciação prática é importante ter a seguinte visão da solução: Imagem retirada do Blog otndnld.oracle.co.jp Referências Bibliográficas: _clusters_srvs_mscs_virtual_win.html https://www.microsoft.com/resources/documentation/windowsnt/4/server/proddocs/enus/clustsvr/mscsadm1.mspx?mfr=true

12 Implementando uma solução Microsoft Windows Cluster com Oracle Fail Safe, com o objetivo de ter um Database em alta disponibilidade. Abaixo é mostrado a arquitetura de um Oracle Database em High Availability, usando Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) e Oracle Fail Safe:

13 Pré-requisitos para implementação da solução: Domain Controller DNS Infra-estrutura física de rede

14 IMPORTANTE: O storage deste cenário, trata-se de um ISCSI, portanto a rede é ethernet, em caso fiber channel storage, o connection SAN, não estaria neste print, por não se tratar de rede ethernet. Passo 1) Construção do Windows cluster Neste passo as seguintes etapas são executadas: Instalação da feature Failover Clustering. Criação do cluster, usando a feature Failover Clustering. Criação de um Cluster Disk para Quorum. Criação de um Cluster Disk para o Oracle Database. a. Em todos os nodes, é necessário fazer a instalação da feature Failover Clustering, esta fornecerá a interface de criação do cluster.

15

16

17 FAZER A CRIAÇÃO DA FEATURE EM TODOS OS NODES DO CLUSTER b. Após fazer a instalação da feature Failover Clustering em todos os node do cluster, é necessário criar o cluster, usando a interface da feature instalada.

18

19 Neste passo iremos selecionar os nodes do cluster. Devemos nos atentar que ambas as máquinas (nodes), devem pertencer ao Domínio, controlado pelo DC.

20

21 Este warning informa ao Administrador que não existe um shared storage válido. É necessário configurar o Quorum em um step posterior.

22 c. Criação do Quorum Disk e do Oracle Database Disk Para criar o quorum é necessário ter um disco oriundo de storage, onde o mesmo deve estar particionado e formatado em NTFS. Veja:

23

24

25

26

27

28 Passo 2) Construção do Oracle Database Neste passo as seguintes etapas são executadas: Instalação do Oracle Database em Standalone. Criação da Oracle Database Instance. Instalação do Oracle Fail Safe a. Em ambos os nodes, é necessário fazer a instalação do Oracle Database em Standalone.

29

30

31

32

33

34 b. No node onde, está localizado o cluster disk para o oracle database crie a Database Instance via dbca.

35

36

37

38

39

40 OBS.: Foi excluído todos os componentes, pois este cenário trata-se de um laboratório de teste, em um ambiente produtivo é necessário verificar quais componente sua aplicação usará.

41

42

43 c. Em ambos os nodes, instalar o Oracle Fail Safe.

44

45

46

47

48

49

50 Passo 3) Integração do Oracle Database com Windows Cluster via Oracle Fail Safe Neste passo as seguintes etapas são executadas: Configuração dos serviços Oracle no Windows Cluster Verificação dos recursos no Oracle Fail Safe Teste de Fail Over O passo 3 é o momento da integração entre Oracle Database Instance e Windows Cluster, conforme vimos na parte teórica. Denominamos esta integração como Oracle Database em High Availability. Alguns pontos de extrema importância devem ser considerados: O parameter file deve ser compartilhado entre os node do cluster. É possível criar esse cenário de diversas maneiras, optei por seguir uma linha semelhante como é encontrado no RAC (Real Application Cluster), onde no disco local (%ORACLE_HOME%\DATABASE), existe um parameter file do tipo pfile, onde possui somente 1 parâmetro, o SPFILE, este parameter file do tipo spfile está localizado em um local compartilhado, neste caso o cluster disk para o oracle database.

51

52 Serviço de instance e listener deve ser criado no node passivo. O processo de criação do serviço de instance e listener não é automático no node passivo do cluster, portanto deve ser criado manualmente, como um step de criação da solução como um todo. Usarei o utilitário ORADIM para criação do serviço de instance e para o listener usarei o LSNRCTL. Para criar o service instance: ORADIM -NEW -SID ORCL STARTMODE MANUAL

53 Após criação do Service Instance, faremos startup do banco de dados, para isso é necessário que o cluster disk para o Oracle Database esteja montado neste node passivo, para isso faça o FAILOVER do disco ou execute um reboot no node ativo. A criação do listener é feita com o comando start via LSNRCTL. LSNRCTL START

54 Certifique-se que o parâmetro local_listener de sua instance, seja usando o DESCRIPTION TNS, com o IP Virtual Network para o Oracle Database ou hostname Virtual Network para o Oracle. Abordamos estes conceitos na parte teórica.

55 Após ter essas 2 condições completadas, devemos criar o grupo de recursos para o Oracle.

56

57 Foi denominado como furushima-db, o grupo de recursos para o Oracle, que possui um IP Virtual Network, definido em

58

59

60

61

62 Para que o banco de dados esteja disponível para uso, é necessário: Instance em estado OPEN Cluster disk com os database files para startup da instance IP Virtual Network para registro do database no LISTENER Serviço LISTENER em estado STARTED Para isso, é imprescindível configurar as dependências entre recursos para o serviço de instance OracleServiceORCL. (Veja acima)

Instalação RAC10g em Linux

Instalação RAC10g em Linux Instalação RAC10g em Linux Humberto Corbellini humberto.corbellini@advancedit.com.br Agenda Visão Geral Storage compartilhado Hardware utilizado Sistema operacional Configuração de rede Drivers e opções

Leia mais

Real Application Cluster (RAC)

Real Application Cluster (RAC) Real Application Cluster (RAC) Anderson Haertel Rodrigues OCE RAC 10g anderson.rodrigues@advancedit.com.br AdvancedIT S/A RAC? Oracle RAC é um banco de dados em cluster. Como assim? São vários servidores

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS (DFS) Visão geral sobre o Sistema de Arquivos Distribuídos O Sistema de Arquivos Distribuídos(DFS) permite que administradores do

Leia mais

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução Sistemas Distribuídos Cluster Originais gentilmente disponibilizados pelos autores em http://www.cdk4.net/wo/ Adaptados por Társio Ribeiro Cavalcante Agenda 1. Introdução 2. O que é um cluster 3. Alta

Leia mais

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles FAMÍLIA EMC VPLEX Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles GARANTINDO DISPONIBILIDADE CONTÍNUA E MOBILIDADE DE DADOS PARA APLICATIVOS ESSENCIAIS A infraestrutura de armazenamento

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 REPLICAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER 2012 Renata Azevedo Santos Carvalho 1 RESUMO Neste artigo serão relatadas as novidades que o SQL Server 2012 vem trazendo nesta sua nova versão no que se

Leia mais

Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup

Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup HP Technology Services O serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution fornece a

Leia mais

Alta Disponibilidade na IPBRICK

Alta Disponibilidade na IPBRICK Alta Disponibilidade na IPBRICK IPBRICK International 5 de Dezembro de 2012 1 Conteúdo 1 Introdução 3 1.1 Vantagens.................................... 3 2 Requisitos HA 4 3 Configuração HA 4 3.1 Serviço

Leia mais

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação prática do novo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Supercomputadores dominavam o mercado

Supercomputadores dominavam o mercado Clusters e Grids Introdução Supercomputadores dominavam o mercado Alto custo Requerem mão de obra muito especializada Desenvolvimento de microprocessadores poderosos a um baixo custo Desenvolvimento de

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008

INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008 INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008 Objetivo Esse artigo tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o Active Directory no Windows Server 2008. Será também apresentado

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR 6292: INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO WINDOWS 7, CLIENT Objetivo: Este curso proporciona aos alunos o conhecimento e as habilidades necessárias para instalar e configurar estações de trabalho utilizando a

Leia mais

João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES

João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES Agenda Quem usa? Conceito Ilustração Vantagens Tipologia Topologia Como fazer? O que é preciso? Infraestrutura Sistema Operacional Software Eucalyptus

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB.

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. Marllus de Melo Lustosa (bolsista do PIBIC/UFPI), Luiz Cláudio Demes da Mata Sousa

Leia mais

www.en-sof.com.br SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO

www.en-sof.com.br SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO 1 Soluções Oracle Voltadas à Continuidade dos Negócios Luciano Inácio de Melo Oracle Database Administrator Certified Oracle Instructor Bacharel em Ciências da Computação

Leia mais

Curso: Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Sistemas Distribuídos Professor: Társio Ribeiro Cavalcante

Curso: Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Sistemas Distribuídos Professor: Társio Ribeiro Cavalcante Curso: Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Sistemas Distribuídos Professor: Társio Ribeiro Cavalcante Exercício Cluster Implementar um Cluster em ambiente Windows. Recursos:

Leia mais

EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS

EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS Relatório Nº 03/2013 Porto Alegre, 22 de Agosto de 2013. ANÁLISE DE SOLUÇÕES: # RAID 1: O que é: RAID-1 é o nível de RAID que implementa o espelhamento

Leia mais

Laboratório I 2012. Prof. Hélder Sato MSc. 2/14/12 Laboratório I 1

Laboratório I 2012. Prof. Hélder Sato MSc. 2/14/12 Laboratório I 1 Laboratório I 2012 Prof. Hélder Sato MSc 2/14/12 Laboratório I 1 Apresentação Prof Hélder Sato MSc Bacharel Informática Universidade Positivo Especialista em Redes PUC-PR Mestrado em Informática Aplicada

Leia mais

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.5, janeiro-junho/2014

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.5, janeiro-junho/2014 GERENCIAMENTO E ALTA DISPONIBILIDADE EM ARMAZENAMENTO DE BANCO DE DADOS Fabio dos Santos Canedo Gustavo César Bruschi Luis Alexandre da Silva Vitor de Oliveira Teixeira FATEC Bauru - SP e-mail: vitor.teixeira2@fatec.sp.gov.br

Leia mais

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Anatomia de uma máquina virtual Cada máquina virtual é um sistema completo encapsulado em um

Leia mais

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens em utilizar este serviço para facilitar a administração de pastas compartilhadas em uma rede de computadores.

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

1 Copyright 2012, Oracle and/or its affiliates. All rights reserved.

1 Copyright 2012, Oracle and/or its affiliates. All rights reserved. 1 Copyright 2012, Oracle and/or its affiliates. All rights reserved. About Eugenio Chleba Product Sales Specialist - PM (11) 5189-1211 (11) 96060-2687 eugenio.chleba@oracle.com Experience Skills Products

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES LIVRO TEXTO: CAPÍTULO 13, PÁGINA 243 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Arquiteturas que possuem duas ou mais CPUs interligadas

Leia mais

STORAGE AREA NETWORKING FUNDAMENTOS. Valdir Adorni Serviços a Clientes valdir.adorni@compwire.com.br

STORAGE AREA NETWORKING FUNDAMENTOS. Valdir Adorni Serviços a Clientes valdir.adorni@compwire.com.br STORAGE AREA NETWORKING FUNDAMENTOS Valdir Adorni Serviços a Clientes valdir.adorni@compwire.com.br 22 de Abril de 2010 Storage Area Network? Storage Area Network (SAN) é qualquer rede de alto desempenho,

Leia mais

Alta Disponibilidade

Alta Disponibilidade Alta Disponibilidade Sobre o documento ESTE DOCUMENTO NÃO É UMA ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTO. Este documento suporta a versão Beta 3 do Windows Server Longhorn. As informações contidas no mesmo representam

Leia mais

Oracle Database 11g: Novos Recursos para Administradores

Oracle Database 11g: Novos Recursos para Administradores Oracle Database 11g: Novos Recursos para Administradores Course O11NFA 5 Day(s) 30:00 Hours Introduction Este curso de cinco dias oferece a você a oportunidade de conhecer e fazer exercícios com os novos

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais

NetWare 6.5. Novell. Instalação e upgrade REQUISITOS MÍNIMOS DE SISTEMA REQUISITOS DE SISTEMA RECOMENDADOS. www.novell.

NetWare 6.5. Novell. Instalação e upgrade REQUISITOS MÍNIMOS DE SISTEMA REQUISITOS DE SISTEMA RECOMENDADOS. www.novell. Novell NetWare 6.5 www.novell.com INÍCIO RÁPIDO Instalação e upgrade Esta Introdução rápida fornece informações básicas sobre a instalação e o upgrade para um servidor NetWare 6.5. Para obter instruções

Leia mais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Técnico em Informática SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Professor Airton Ribeiro de Sousa Sistemas operacionais Sistema de Arquivos pode ser definido como uma estrutura que indica como os dados

Leia mais

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Windows Server 2012 Virtualização Hyper-v Firewall Pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on 2 Sumário 1 Conteúdo Windows 2012... 3 2 Conteúdo Virtualização...

Leia mais

Informação é o seu bem mais precioso e você não pode correr riscos de perder dados importantes. Por isso, oferecemos um serviço de qualidade e

Informação é o seu bem mais precioso e você não pode correr riscos de perder dados importantes. Por isso, oferecemos um serviço de qualidade e Informação é o seu bem mais precioso e você não pode correr riscos de perder dados importantes. Por isso, oferecemos um serviço de qualidade e confiança que vai garantir maior eficiência e segurança para

Leia mais

Motivos para você ter um servidor

Motivos para você ter um servidor Motivos para você ter um servidor Com a centralização de dados em um servidor, você poderá gerenciar melhor informações comerciais críticas. Você pode proteger seus dados tornando o backup mais fácil.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

AULA 6: SERVIDOR DNS EM WINDOWS SERVER

AULA 6: SERVIDOR DNS EM WINDOWS SERVER AULA 6: SERVIDOR DNS EM WINDOWS SERVER Objetivo: Instalar e detalhar o funcionamento de um Servidor de DNS (Domain Name System) no sistema operacional Microsoft Windows 2003 Server. Ferramentas: - ISO

Leia mais

Visão Geral do Recurso Live Migration no Windows Server 2008 R2 Hyper-V. Versão: 1.0

Visão Geral do Recurso Live Migration no Windows Server 2008 R2 Hyper-V. Versão: 1.0 Visão Geral do Recurso Live Migration no Windows Server 2008 R2 Hyper-V Versão: 1.0 Publicado: 02 de Dezembro de 2008 Índice Visão Geral Visão Geral dos Recursos do Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

FISL 13. Fórum Internacional de Software Livre

FISL 13. Fórum Internacional de Software Livre FISL 13 Fórum Internacional de Software Livre Criando um storage iscsi com PCs, Linux e software livre. Que tal? Administração de Sistemas e Alta Disponibilidade Jansen Sena Julho, 2012. Porto Alegre,

Leia mais

ProRAE Guardian V1.5 Guia de referência rápida

ProRAE Guardian V1.5 Guia de referência rápida ProRAE Guardian V1.5 Guia de referência rápida Para obter uma descrição completa das funções do programa, consulte o guia do usuário do ProRAE Guardian (incluso no CD de software). SUMÁRIO 1. Principais

Leia mais

CA ARCserve Replication and High Availability

CA ARCserve Replication and High Availability CA ARCserve Replication and High Availability Guia de Operações do servidor Oracle para Windows r16 A presente documentação, que inclui os sistemas de ajuda incorporados e os materiais distribuídos eletronicamente

Leia mais

Sumário. Introdução...xi. 1 Implementação e configuração de uma infraestrutura de implantação do Windows... 1

Sumário. Introdução...xi. 1 Implementação e configuração de uma infraestrutura de implantação do Windows... 1 Introdução.....................................xi Requisitos de hardware (Hyper-V).............................. xi Requisitos de software...................................... xii Instruções de configuração...................................

Leia mais

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP)

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) teste 1 Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) Rafael Fernando Diorio www.diorio.com.br Tópicos - Atualizações e segurança do sistema - Gerenciamento do computador -

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

Disaster Recovery para SAP utilizando BusinessShadow

Disaster Recovery para SAP utilizando BusinessShadow Disaster Recovery para SAP utilizando BusinessShadow Agenda Projeto de Disaster Recovery (DR) Principais Arquiteturas de DR para SAP Utilizando BusinessShadow para DR do SAP Credenciais e Contatos Agenda

Leia mais

Virtualização Avançada com VMware Sphere 5.0 (ESXi)

Virtualização Avançada com VMware Sphere 5.0 (ESXi) Virtualização Avançada com VMware Sphere 5.0 (ESXi) Treinamento Preparatório para Certificação O que é o Virtualização? É uma camada de gerenciamento entre o Hardware e Software, ou seja, é divisão de

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center O software descrito neste documento é fornecido sob um contrato de licença e pode ser usado

Leia mais

Oracle WebLogic Server 11g: Conceitos Básicos de Administração

Oracle WebLogic Server 11g: Conceitos Básicos de Administração Oracle University Entre em contato: 0800 891 6502 Oracle WebLogic Server 11g: Conceitos Básicos de Administração Duração: 5 Dias Objetivos do Curso Este curso treina administradores Web nas técnicas para

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO II Pregão nº 003/2014 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA A empresa CONTRATADA deverá ser comprovadamente qualificada para os itens ofertados, deve entregar toda a estrutura de hardware e software adquirida em

Leia mais

Sumário. Introdução. Capítulo 1 Instalação e configuração de servidores 1. Certificações da Microsoft... xi. Suporte técnico...xii

Sumário. Introdução. Capítulo 1 Instalação e configuração de servidores 1. Certificações da Microsoft... xi. Suporte técnico...xii Introdução Certificações da Microsoft.............................................. xi Suporte técnico.......................................................xii Preparando-se para o exame...........................................xii

Leia mais

Garantindo a. Máquinas Virtuais do. alta disponibilidade nas. Microsoft Azure MDC305

Garantindo a. Máquinas Virtuais do. alta disponibilidade nas. Microsoft Azure MDC305 Garantindo a alta disponibilidade nas Máquinas Virtuais do Microsoft Azure MDC305 Palestra Quem são os palestrantes? Daniel Mauser Senior Techical Advisor LATAM Escalation Team Lead Email: dmauser@microsoft.com

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais.

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais. Edital MCT/FINEP/MC/FUNTTEL Plataformas para Conteúdos Digitais 01/2007 Projeto OBAA Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

Novell. Cluster Services. www.novell.com 1.6 VISÃO GERAL E INSTALAÇÃO

Novell. Cluster Services. www.novell.com 1.6 VISÃO GERAL E INSTALAÇÃO Novell Cluster Services 1.6 VISÃO GERAL E INSTALAÇÃO www.novell.com Notas Legais A Novell, Inc. não faz representações ou assume garantias quanto ao conteúdo ou utilização desta documentação e se isenta

Leia mais

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação

Leia mais

Estratégias Avançadas com

Estratégias Avançadas com Estratégias Avançadas com SQL Server AlwaysOn DBP-301 SP_WHO Especialistas em SQL Server Microsoft Most Valuable Professional (MVP) Palestrantes em vários eventos Online e presenciais Co-autores dos livros:

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Projeto de Redes Físico e Lógico. Prof. MSc. Jeferson Bussula Pinheiro

Projeto de Redes Físico e Lógico. Prof. MSc. Jeferson Bussula Pinheiro Projeto de Redes Físico e Lógico Prof. MSc. Jeferson Bussula Pinheiro Gerência de redes ou gerenciamento de redes. É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de recursos

Leia mais

Case SICREDI Migração SGBD Oracle 9i para 11g

Case SICREDI Migração SGBD Oracle 9i para 11g Uso irrestrito Case SICREDI Migração SGBD Oracle 9i para 11g Agenda O SICREDI Histórico Core Bank Objetivo do Projeto Resumo do Projeto Ofensores vs. Mitigadores Cenário do Projeto A Migração Após a Migração

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Funcionalidades da ferramenta zabbix

Funcionalidades da ferramenta zabbix Funcionalidades da ferramenta zabbix Jordan S. Romano¹, Eduardo M. Monks¹ ¹Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves Chaves,

Leia mais

Veritas Storage Foundation da Symantec

Veritas Storage Foundation da Symantec Veritas Storage Foundation da Symantec Gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line O Veritas Storage Foundation oferece uma solução completa para o gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line.

Leia mais

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 ÍNDICE 3 4 RECOMENDAÇÕES DE HARDWARE PARA O TRACEGP TRACEMONITOR - ATUALIZAÇÃO E VALIDAÇÃO DE LICENÇAS 2 1. Recomendações de Hardware para Instalação do TraceGP Este

Leia mais

Gerenciamento e alta disponibilidade em armazenamento de banco de dados

Gerenciamento e alta disponibilidade em armazenamento de banco de dados Gerenciamento e alta disponibilidade em armazenamento de banco de dados Fabio Samuel dos Santos Canedo Vitor de Oliveira Teixeira Gustavo Cesar Bruschi (Orientador) FATEC BAURU acheroniano@gmail.com vitor.teixeira2@fatec.sp.gov.br

Leia mais

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation.

Leia mais

3. Faça uma breve descrição sobre a topologia da rede e o Active Directory-AD DISCIPLINA DE ARQUITETURA FECHADA WINDOWS SERVER

3. Faça uma breve descrição sobre a topologia da rede e o Active Directory-AD
 DISCIPLINA DE ARQUITETURA FECHADA WINDOWS SERVER Lista de Exercícios-01 1. Faça uma breve descrição sobre o Active Directory-AD O Active Directory-AD é uma implementaçao de serviço de diretório no protocolo LDAP que armazena informaçoes sobre objetos

Leia mais

Guia: Este manual irá mostrar os procedimentos necessários para o upgrade das versões 5.60 e 6.01 para o Sophos SafeGuard Enterprise 6.10.

Guia: Este manual irá mostrar os procedimentos necessários para o upgrade das versões 5.60 e 6.01 para o Sophos SafeGuard Enterprise 6.10. Upgrade do Sophos SafeGuard Enterprise 5.60/6.0 para a versão 6.10 Guia: Este manual irá mostrar os procedimentos necessários para o upgrade das versões 5.60 e 6.01 para o Sophos SafeGuard Enterprise 6.10.0

Leia mais

Implementando o EMC VPLEX, o Microsoft Hyper-V e o SQL Server com suporte avançado de cluster de failover

Implementando o EMC VPLEX, o Microsoft Hyper-V e o SQL Server com suporte avançado de cluster de failover Implementando o EMC VPLEX, o Microsoft Hyper-V e o SQL Server com Tecnologia aplicada Resumo Este white paper examina a implementação e a integração das soluções Microsoft Hyper-V e Microsoft SQL Server

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Redundância e Alta Disponibilidade Redundância: Duplicação de um elemento da infraestrutura

Leia mais

5 Implantação. 5.1. Plano do Piloto

5 Implantação. 5.1. Plano do Piloto 5 Implantação Neste capítulo será abordada a fase de implantação do novo sistema de gerenciamento de conhecimento baseado em Web Semântica. O capítulo 4 (Desenvolvimento) modelou, arquitetou e desenvolveu

Leia mais

Apresentação do Artigo

Apresentação do Artigo Apresentação do Artigo Web Search for a Planet: The Google Cluster Architecture Publicado em IEEE Micro Março 2003, pg.22-28 Luiz A.Barroso, Jeffrey Dean, Urs Hölze Frank Juergen Knaesel fknaesel@inf.ufsc.br

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

FUNCIONALIDADES DO ORACLE RAC. Resumo: Diversas empresas têm como requisito fundamental do negócio que os seus

FUNCIONALIDADES DO ORACLE RAC. Resumo: Diversas empresas têm como requisito fundamental do negócio que os seus FUNCIONALIDADES DO ORACLE RAC Eduardo Amaral Ferreira 1 Iremar Nunes de Lima 2 Resumo: Diversas empresas têm como requisito fundamental do negócio que os seus sistemas de informação fiquem disponíveis

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle Prof. Hugo Souza Após abordarmos os componentes lógicos, em uma síntese de dependências gradativas, vamos

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro O MySQL Cluster é versão do MySQL adaptada para um ambiente de computação distribuída, provendo alta disponibilidade e alta redundância utilizando

Leia mais

Computação em cluster

Computação em cluster Computação em cluster Por Marcos Pitanga em 30 de maio de 2003 Introdução Este artigo tem por finalidade dar ao leitor uma visão mais integrada do que vem a ser a computação em cluster e como esta a cada

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Sistema Integrado de Administração de Materiais e Serviços - SIAD Catálogo de Materiais e Serviços - CATMAS SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

Sistema Integrado de Administração de Materiais e Serviços - SIAD Catálogo de Materiais e Serviços - CATMAS SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Storage O subsistema de armazenamento de dados deverá ser do tipo bloco, disponibilizando nativamente componentes de hardware para armazenamento baseado em bloco, com

Leia mais

Alta disponibilidade em servidores GNU/Linux

Alta disponibilidade em servidores GNU/Linux Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux Alta disponibilidade em servidores GNU/Linux Italo Valcy italo@dcc.ufba.br Aspectos

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

DF-e MANAGER 2.6 Pré-requisito de Instalação Novembro de 2015

DF-e MANAGER 2.6 Pré-requisito de Instalação Novembro de 2015 DF-e MANAGER 2.6 Pré-requisito de Instalação Novembro de 2015 Copyright 2015 Synchro Solução Fiscal Brasil 1 1. Introdução Este documento tem como objetivo citar os requisitos de software e hardware para

Leia mais

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19 O autor... 11 Agradecimentos... 12 Apresentação... 13 Introdução... 13 Como funcionam as provas de certificação... 13 Como realizar uma prova de certificação... 13 Microsoft Certified Systems Engineer

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº UNIDADE 1I: SISTEMA COMPITACIONAL Elementos hardware e periféricos Um sistema computacional consiste num conjunto de dispositivos eletrônicos (hardware) capazes de processar informações de acordo com um

Leia mais