ROADSHOW BRAGA Códigos de Barras (EAN, GS1-128, GS1 DataBar e GS1 DataMatrix) 25 de Novembro 2010 Marcos Gaspar Carreira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROADSHOW BRAGA Códigos de Barras (EAN, GS1-128, GS1 DataBar e GS1 DataMatrix) 25 de Novembro 2010 Marcos Gaspar Carreira"

Transcrição

1 ROADSHOW BRAGA Códigos de Barras (EAN, GS1-128, GS1 DataBar e GS1 DataMatrix) 25 de Novembro 2010 Marcos Gaspar Carreira The global language of business

2 Standards Globais Desempenham um importante papel Os standards são a fundação para trocas compreensíveis e claras, entre empresas numa crescente economia globalizada Os standards ajudam a manter os custos reduzidos para todos

3 Sistema GS1 Transporte & Captura Dados Normas globais para identificação automática Rápida e correcta identificação de itens, bens ou localizações Normas globais para mensagens comércio electrónico Troca rápida, eficiente e segura de dados comerciais O ambiente para a Sincronização Global de Dados Dados standard, de confiança para transacções negociais eficazes Normas globais para identificação baseada em RFID Visibilidade da informação mais precisa, imediata e custos reduzidos

4 Sistema GS1 GS1 BarCodes Simbologia: Um método prédefinido de representação de caracteres numéricos ou alfabéticos num código de barras Símbolo: A combinação dos caracteres de símbolo e as propriedades requeridas por uma simbologia em particular, incluindo as zonas de guarda, os caracteres de início e fim, caracteres de dados e outros padrões auxiliares, que em conjunto formam uma entidade capturável Número: O valor codificado no símbolo Interleaved Two-of- Five [Simbologia ] ITF-14 [Símbolo] GTIN [Número]

5 Sistema GS1 Hierarquia de Produtos Tipologia Categoria Identificação Unidade de Consumo Unidade de Consumo ou, Unidade de Expedição/Transporte Unidade de Expedição/Transporte Unidade de Logística Item Comercial Destinado ao Ponto-de-Venda (POS) Item Comercial Não Destinado ao Ponto-de-Venda (POS) Item Comercial ou Unidade Logística (Item Não Comercial) Não Destinado ao Ponto-de-Venda (POS) Simbologias de POS: EAN-13 EAN-8 GS1 DataBar Simbologias de Não POS: ITF-14 (01) (15) (10) A501D GS1-128 GS1 Portugal - CODIPOR SSCC: GTIN: Data Val.: 25/10/2006 Quantidade: 40 Nº de Lote: A501D (02) (15) (37) 40 (10) A501D (00) Etiqueta Logística com GS1-128

6 Sistema GS1 Identificação Unidades de Consumo Tipologia Unidade de Consumo Unidade de Consumo ou, Unidade de Expedição/Transporte CEP da empresa Referência do Item Díg. de controlo N 1 N 2 N 3 N 4 N 5 N 6 N 7 N 8 N 9 N 10 N 11 N 12 N 13 Exemplo: Para calcular o digito de controlo, visite a nossa página web e na Área de Associados navegue até Digito de Controlo

7 GS1 BarCodes Identificação Unidades de Consumo Unidades de Consumo - Combipacks Embalagem indivisível que contém várias unidades de consumo de produtos diferentes. Os códigos das Unidades contidas têm de estar ocultos. DETERGENTE ABRILHANTADOR CÓDIGO UNIDADE CÓDIGO COMBIPACK

8 GS1 BarCodes Identificação Unidade de Consumo Identificação de Itens Estrutura EAN-8 Identificação País Refª. do Item atribuído pela GS1 Portugal Díg. de controlo N 1 N 2 N 3 N 4 N 5 N 6 N 7 N 8 Exemplo:

9 Simbolização EAN-13 Tradução Numérica São os dígitos impressos por baixo do próprio Código de Barras. Destinam-se a facilitar a interpretação do código pelas pessoas, nomeadamente quando os equipamentos de leitura automática falham por qualquer razão. GS1 BarCodes Captura de Dados - Simbolização >

10 Simbolização EAN-13 GS1 BarCodes Captura de Dados - Simbolização Zonas claras Estas zonas claras são obrigatórias e não podem conter impressão. Os leitores ópticos não efectuarão a leitura do código se houver invasão gráfica ou cromática. >

11 Simbolização EAN-13 GS1 BarCodes Captura de Dados - Simbolização Truncagem É a redução da altura das barras. Esse procedimento só é permitido nos casos onde não exista espaço disponível para inserção da magnitude desejada. Mesmo assim deve ser evitada, porque quanto menor a altura das barras menor a eficiência de leitura do código. >

12 GS1 BarCodes Captura de Dados - Posicionamento Regras de implementação para embalagens rígidas Embalagens cilíndricas e/ou cónicas Se o código de barras é impresso numa superfície curva, as barras têm que estar paralelas à base de assentamento do produto. Facilita a venda do produto na loja.

13 GS1 BarCodes Captura de Dados - Simbolização Magnitudes

14 Tabelas de Magnitudes GS1 BarCodes Captura de Dados - Simbolização Factor de Magnitude Largura do Módulo [mm] Dimensões EAN-13 [mm] Dimensões EAN-8 [mm] Largura Altura Largura Altura 0,80 0,264 29,83 20,73 21,38 17,05 0,85 0,281 31,70 22,02 22,72 18,11 0,90 0,297 33,56 23,32 24,06 19,18 0,95 0,313 35,43 24,61 25,39 20,24 1,00 0,330 37,29 25,91 26,73 21,31 1,05 0,346 39,15 27,21 28,07 22,38 1,10 0,363 41,02 28,50 29,40 23,44 1,15 0,379 42,88 29,80 30,74 24,51 1,20 0,396 44,75 31,09 32,08 25,57 1,25 0,412 46,61 32,39 33,41 26,64 1,30 0,429 48,48 33,68 34,75 27,70 1,35 0,445 50,34 34,98 36,09 28,77 1,40 0,462 52,21 36,27 37,42 29,83 Factor de Magnitude Largura do Módulo [mm] Dimensões EAN-13 [mm] Dimensões EAN-8 [mm] Largura Altura Largura Altura 1,45 0,478 54,07 37,57 38,76 30,90 1,50 0,495 55,94 38,87 40,10 31,97 1,55 0,511 57,80 40,16 41,43 33,03 1,60 0,528 59,66 41,46 42,77 34,10 1,65 0,544 61,53 42,75 44,10 35,16 1,70 0,561 63,39 44,05 45,44 36,23 1,75 0,577 65,26 45,34 46,78 37,29 1,80 0,594 67,12 46,64 48,11 38,36 1,85 0,610 68,99 47,93 49,45 39,42 1,90 0,627 70,85 49,23 50,79 40,49 1,95 0,643 72,72 50,52 52,12 41,55 2,00 0,660 74,58 51,82 53,46 42,62

15 Sistema GS1 Codificação Unidades de Expedição Tipologia Variável Logística CEP da empresa Referência do Item Díg. controlo N 1 N 2 N 3 N 4 N 5 N 6 N 7 N 8 N 9 N 10 N 11 N 12 N 13 N 14 Variável Logística Dígito que define diferentes níveis de embalamento do mesmo produto: Unidade de Expedição/Transporte Exemplo: Uma primeira caixa com 3 grupagens 1 a 8 8 níveis de embalamento, para produtos de medidas fixas (ex: peso ou quantidade); 9 Unidades de expedição de produtos com medidas variáveis Uma segunda caixa com 9 grupagens

16 GS1 BarCodes Identificação Unidade de Expedição Identificação de Itens ITF-14 Variável Logística Por exemplo, uma caixa com 4 unidades ou 4 kg , mas também queremos uma 2ª caixa com 8 unidades ou 8 kg e finalmente é necessária uma 3ª caixa com 6 unidades ou 6 Kg

17 GS1 BarCodes Identificação Unidade de Expedição Simbolização ITF-14 Multiuso = Etiquetas auto-adesiva 6 x As caixas - Unidades de Expedição - multiuso, só são passíveis de ser codificadas via etiquetas auto-adesivas; Neste caso largura Mínimo 32 mm Ideal 51 mm Mínimo 19 mm a magnitude poderá ser inferior a 1.0, mínimo 7,5cm de

18 Sistema GS1 Codificação Unidades Logísticas Tipologia Categoria Identificação Unidade de Consumo Unidade de Consumo ou, Unidade de Expedição/Transporte Unidade de Expedição/Transporte Unidade de Logística Item Comercial Destinado ao Ponto-de-Venda (POS) Item Comercial Não Destinado ao Ponto-de-Venda (POS) Item Comercial ou Unidade Logística (Item Não Comercial) Não Destinado ao Ponto-de-Venda (POS) Simbologias de POS: EAN-13 EAN-8 GS1 DataBar Simbologias de Não POS: ITF-14 (01) (15) (10) A501D GS1-128 GS1 Portugal - CODIPOR SSCC: GTIN: Data Val.: 25/10/2006 Quantidade: 40 Nº de Lote: A501D (02) (15) (37) 40 (10) A501D (00) Etiqueta Logística com GS1-128

19 Sistema GS1 Codificação Unidades Logísticas Tipologia SSCC (Serial Shipping Container Code) Número de Série de Unidade Logística Indicador tipo embalagem (Sempre 3) CEP Código Empresa Portuguesa Id. País Id. Empresa Referência do Item Díg. de controlo N 1 N 2 N 3 N 4 N 5 N 6 N 7 N 8 N 9 N 10 N 11 N N 17 N 18 Exemplo: Unidade de Logística Linha de código de barras GS1-128 ( )

20 Sistema GS1 Codificação Unidades Logísticas Tipologia Etiqueta Logística com GS1-128 Representação em código de barras GS1-128 de informações adicionais relativamente aos produtos contidos na unidade logística. A informação é estruturada com recurso aos Identificadores de Aplicação, que são os pequenos segmentos numéricos representados entre parênteses. Unidade de Logística GS1 Portugal - CODIPOR SSCC: GTIN: Data Val.: 25/10/2006 Quantidade: 40 Nº de Lote: A501D (02) (15) (37) 40 (10) A501D (00) Secção Superior Informação de formato livre Secção Intermédia Interpretação em texto humanamente legível, de toda a informação codificada nas linhas de códigos de barras Secção Inferior Códigos de barras, para todos os dados expressos na secção intermédia

21 Largura mínima 105 mm ETIQUETA LOGÍSTICA GS1-128 SSCC : GTIN: GS1 BarCodes Formato Etiqueta Data Val : 25/01/2005 Quantidade: 16 Nº de Lote: ABC001 Peso Liquido: 35,24 kg Etiqueta Logística GS1-128 Palete contendo Produto de Peso Variável Altura das linhas de código 27 mm 27 mm SSCC 32mm (02) (10) ABC001 (15)050125(3102)003524(37)16 Altura da etiqueta Variável (00)

22 GS1-128 aplicado às Unidades de Expedição Nome: BISCOTTES GS1 PORTUGAL, 510G,C12 GTIN: Data Validade: 2010/12/25 Lote: 124 Outros Dados Opcionais Unidade expedição de medidas fixas (01) (17)101225(10)124 Unidade expedição de medidas variáveis Outros Dados Opcionais Pescas com GS1 Portugal GTIN : Lote : ABC123 Data : Método Produção : Captura Zona Captura : FAO 27 Atlântico Norte PT 1234 P CE Peso Liquido: 28,358Kg Calibre: 2 Nome Comercial : Pescada Nome Científico : Merluccius merluccius (01) (3103)028358(10)ABC123

23 Identificadores de Aplicação IA s - são pequenos elementos, pré-definidos, que se intercalam nos dados das linhas de códigos barras e que dão informação sobre o significado e formato dos dados que lhes seguem. GS1 BarCodes Conteúdos Informação Suplementar IA s DADOS FORMATO 00 Número de Série da Unidade Logística n2 + n18 01 GTIN da unidade comercial n2 + n14 02 GTIN s contidos na Unidade Logística n2 + n14 10 Código de Lote n2 + x Data de Produção n2 + n6 15 Data de validade n2 + n6 30 Quantidade Itens contidos Unid. Exped. Variável n2 + n Quantidade contida na Unidade Logística n2 + n (x) Peso Líquido [(x) indica nº casas decimais] n4 + n6 400 Número Nota de Encomenda n3 + x País de Origem do Produto n3 + n Data e Hora de Produção n4 + n8 + n e muitos outros...

24 GS1 DataBar Nova simbologia para Unidades de Consumo (POS) RASTREABILIDADE DO PRADO AO PRATO

25 GS1 DataBar Uma família de símbolos Símbolos para Ponto de Venda GS1 DataBar Empilhado Omnidirecional GS1 DataBar Omnidirecional GS1 DataBar Expandido GS1 DataBar Expandido Empilhado Reduced Space Symbology (RSS) Standards ISO/IEC Information Technology Automatic identification and data capture techniques Reduced Space Symbology (RSS) bar code symbol specification

26 GS1 DataBar Comparação com Símbolos EAN Área Símbolo EAN-13 GS1 DataBar, a próxima geração de códigos de barras, transporta mais de 100 elementos de dados diferentes tais como, números de série ou lote, datas de validade e medidas GTIN / Peso / Preço GS1 DataBar Expandido Mais Dados Mesmo Espaço GS1 DataBar Expandido Empilhado GTIN + LOTE GS1 DataBar Expandido GS1 DataBar Expandido Empilhado

27 GS1 DataBar Comparação com Símbolos EAN Produtores: Os símbolos EAN são grandes para as minhas embalagens Retalhistas: Os símbolos EAN apenas transportam um código de artigo GS1 DataBar, a próxima geração de códigos de barras, transporta mais de 100 elementos de dados diferentes tais como, números de série ou lote, datas de validade e medidas GTIN GS1 DataBar Mesmos Dados Menos Espaço GS1 DataBar Empilhado

28 GS1 DataBar Comparação com Símbolos EAN Produtores e MO s: Os Códigos de Produtos de Medidas Variáveis não são códigos globais (GTIN) GS1 DataBar, a próxima geração de códigos de barras, transporta mais de 100 elementos de dados diferentes tais como, números de série ou lote, datas de validade e medidas GTIN / Preço / Peso GS1 DataBar Expandido Referências a GTIN s GS1 DataBar Expandido Empilhado

29 GS1 DataBar Como funciona Não são requeridas Zonas Claras No Entanto, o padrão de guarda esquerda começa com um módulo espaço, portanto em essência existe 1X de área clara à esquerda do símbolo Também o padrão de guarda direito termina com um módulo barra, portanto não existe necessidade de uma área clara à direita do símbolo

30 GS1 DataBar Comparação com Símbolos EAN GS1 DataBar Empilhado OmniD. EAN-13 GS1 DataBar Empilhado EAN-8 UFCD Jun-10 Diapositivo nº 30

31 GS1 DataBar Comparação com Símbolos EAN Planos de Migração Acordos bilaterais Medidas fixas Medidas variáveis

32 GS1 DataBar Nova simbologia para unidades de consumo (POS)

33 GS1 DataBar Nova simbologia para unidades de consumo (POS)

34 GS1 DataBar Nova simbologia para unidades de consumo (POS)

35 GS1 DataMatrix Sector de Saúde RASTREABILIDADE A SEGURANÇA DO PACIENTE

36 Pilot Coding Project, October 2009 Fact Sheet, European Federation of Pharmaceutical Industries and Associations If the free movement of medicines across borders is to be safe, a coordinated approach to identification and verification is essential. This needs all national coding systems to be interoperable and based on common standards such as those defined by GS1.

37 GS1 DataMatrix (ECC-200) Para que serve Aplicações GS1 DataMatrix Industria de Saúde Animal O DataMatrix foi seleccionado devido ao seu reduzido tamanho, ao factor de correcção de erro, aos requerimentos de baixo contraste e à quantidade de dados que pode ser codificados, quando comparados com códigos de uma dimensão. September 2005 GUIDELINES FOR APPLICATION OF GS1 MARKINGS TO ANIMAL HEALTH PRODUCTS IFAH International Federation for Animal Health 2009 GS1 Portugal

38 GS1 DataMatrix é um código de barras bi-dimensional (2D), matricial Muito pequeno tamanho Alta densidade de dados Extremamente robusto Capacidade para informação diversa Necessita leitores CCD - tipo fotográfico (leitores convencionais de códigos de barras 1D, não são adequados) GS1 DataMatrix Uma simbologia para Cuidados de Saúde

39 GS1 DataMatrix (ECC-200) Símbolo de muito pequena dimensão DataMatrix é um código de barras bi-dimensional matricial, constituído por módulos quadrados, pretos e brancos, dispostos num formato quadrado ou rectangular DataMatrix pode codificar todos os GTIN e todos os Identificadores de Aplicação GS1 (AIs) A Versão ISO, ECC 200 é a única que suporta as estruturas do Sistema GS1 O formato dos dados para DataMatrix é o mesmo que para GS1-128 (GS1 AIs) O tamanho do símbolo DataMatrix baseia-se na quantidade de dados codificados

40 GS1 DataMatrix (ECC-200) Como funciona Exemplo : um símbolo DataMatrix codificado com um GTIN AI (01), com AI (17) Data Máxima de Validade e AI (10) um Número de Lote Densidade do Símbolo : Codifica 50 caracteres num quadrado de 6mm x 6mm Tamanho Real!!

41 1 Conjunto de Caracteres Codificáveis: Todo o conjunto de caracteres GS1 e todos os 256 caracteres ASCII `3 5 Verificação de Erros e Algoritmos de Correcção: Capacidade de reconstrução de códigos com até 60% de danos Tamanho Máximo de Símbolo : Dados com 3116 dígitos numéricos, ou dados com 2335 caracteres alfanuméricos GS1 DataMatrix (ECC-200) Vantagens 7 Interpretação de Canais Estendidos: Outros conjuntos de caracteres, tais como Árabe, Cirilico, Grego, etc.. Tamanho de Símbolo: Módulos de 14x14 (símbolo muito, muito pequeno!) podem armazenar um GTIN Independência de Orientação : Sim. O operador não tem de alinhar o scanner com o símbolo, minimizando o esforço de manuseamento Reflectância invertida : Os símbolos podem ser lidos quer sejam marcados com imagem escura em fundo claro ou imagem clara em fundo escuro 2 4 6

42 Sistema GS1 Satisfazer necessidades sectores EAN-13 Produtos de grande consumo 5 GS1 DataBar Produtos Frescos (01) (17) GS1 DataMatrix (01) (17) Cuidados de Saúde SSCC (00) Alfândegas, transportes & logística

43 Serviço de Verificação Códigos de Barras A GS1 Portugal tem à disposição dos seus associados um Serviço de Verificação de Código Barras e Qualidade de Impressão. Utilizem-no e indiquem a sua utilização aos vossos prestadores de serviços de desenho e impressão das embalagens e os respectivos Códigos de Barras. Portugal Relatório de Verificação de Códigos Barras Relatório Número : Página 1 de 3 GS1 PORTUGAL Data Emissão R. Prof. Fernando da Fonseca, 16 Escritórios II LISBOA Passo Recepção dos originais - embalagem ou etiqueta - em suporte definitivo, para validação final e emissão do Relatório de Verificação Códigos de Barras, válido internacionalmente. Descrição de Produto: RA/2008 Tipo de Código de Barra: EAN-13 Número Codificado: Método de Impressão: Off-set. Número de códigos de barras no produto: 1 Nota: Estas medidas são efectuadas tendo por base os standards mínimos GS1 Para assegurar uma leitura eficiente, o código de barras deve exceder os mínimos. Resumo do Teste Especificações Gerais GS1, para ambientes de teste e símbolos lineares: Ponto de Venda no Retalho (POS) PASSA / FALHA / n.a. Distribuição Geral PASSA / FALHA / n.a. (Leitura automática na Cadeia de Abastecimento) Etiqueta Logística GS1 (SSCC) PASSA / FALHA / n.a. Leitura manual genérica (scanner de pistola) PASSA / FALHA / n.a. PASSA / FALHA Cumpre com as recomendações GS1 de colocação de símbolo Não Verificado Classificação de Símbolo ( ) A(3.7) ISO 3.7/06/660 Comentários Símbolo dentro das especificações, classificação A(3.7) PASSA. O(s) código(s) de barras são testados de acordo com os ambiente de utilização indicados abaixo. A Distribuição Geral cobre qualquer Cadeia de Abastecimento, Logística e/ou ambientes de leitura automática. Pretende em primeiro lugar facilitar a leitura automática de artigos comerciais. Neste ambiente é fundamental manter a altura e localização do símbolo para garantir que se alcançam percentagens aceitáveis de leituras. A Etiqueta Logística é uma implementação específica e como tal uma particularização do ambiente anterior. Nela são considerados diversos elementos adicionais relativos à utilização conjunta numa etiqueta caracterizada principalmente pela existência de um SSCC. A banda dos leitores manuais cobre um vasto grupo de aplicações. O tamanho do símbolo deve estar dentro dos limites máximos e mínimos da simbologia, mas o tamanho ideal está directamente relacionado com a utilização especifica. Nota Importante Para garantir uma correcta interpretação da utilização de conteúdos informativos, recomenda-se o envio de produtos para verificação, contendo dados reais e não de teste. Aconselha-se também o recurso periódico, a testes de fiabilidade, uma vez que a qualidade de impressão pode variar, especialmente quando não efectuada pela mesma impressora.

Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade

Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade Marcos Gaspar Carreira Técnico de CAD Um Mundo Um Sistema The Global Language of Business A Linguagem Global dos Negócios GS1 Início de actividade em 1977; Com sede

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Normas Globais para a Codificação de Produtos 14 de Dezembro 2010 Silvério Paixão

NORMALIZAÇÃO Normas Globais para a Codificação de Produtos 14 de Dezembro 2010 Silvério Paixão NORMALIZAÇÃO Normas Globais para a Codificação de Produtos 14 de Dezembro 2010 Silvério Paixão The global language of business Construindo pontes entre diversos parceiros da cadeia de distribuição Qual

Leia mais

O Sistema GS1 Normas para os T&L

O Sistema GS1 Normas para os T&L O Sistema GS1 Normas para os T&L MARCA Optimize as suas Operações Workshop Movimente Normas GS1 Eficiência nos T&L 29 Novembro, Hotel Villa Rica - Lisboa O QUE É A GS1? Sem Fins Lucrativos Neutra em relação

Leia mais

Rastreabilidade a Prática. Amanda Prado - Itaueira Flávia Ponte - GS1 Brasil

Rastreabilidade a Prática. Amanda Prado - Itaueira Flávia Ponte - GS1 Brasil 1 Rastreabilidade a Prática Amanda Prado - Itaueira Flávia Ponte - GS1 Brasil O que é Rastreabilidade? É a capacidade de recuperação do histórico, da aplicação ou da localização de uma entidade (ou item)

Leia mais

GS1 Contributo para uma Classificação Global

GS1 Contributo para uma Classificação Global GS1 Contributo para uma Classificação Global GS1 Portugal e o Sistema GS1 1ª Reunião da Rede Portuguesa sobre Composição dos Alimentos Projecto PortFIR 16 Dezembro 2008 Agenda Quem somos Sistema GS1 Quem

Leia mais

Prof. Daniel J. Melo Brasil

Prof. Daniel J. Melo Brasil CÓDIGO DE BARRAS Objetivos Entender a tecnologia do código de barras Entender os padrões existentes e quais as suas adoções Entender os passos necessários para adoção da tecnologia de código de barras

Leia mais

Rastreabilidade. Sistema EAN UCC 128

Rastreabilidade. Sistema EAN UCC 128 Rastreabilidade Sistema EAN UCC 128 Enquadramento Legal Caracterização Objectivos Rastreabilidade Procedimentos - Etiquetagem Enquadramento legal Regulamento (CE) nº 178/2002, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Portugal CODIPOR. Rastreabilidade da Carne de Bovino Case Study Santacarnes

Portugal CODIPOR. Rastreabilidade da Carne de Bovino Case Study Santacarnes Portugal CODIPOR Rastreabilidade da Carne de Bovino Case Study Santacarnes ENQUADRAMENTO A Montebravo é a última empresa e a face mais visível, de uma organização composta por um circuito totalmente integrado

Leia mais

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE 5 passos para implementação do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE O que é o código de Barras? Os números de identificação de um produto podem ser representados por meio de um código, possibilitando

Leia mais

Casos Práticos (Internacionais)

Casos Práticos (Internacionais) Casos Práticos (Internacionais) MARCA Optimize as suas Operações Workshop Movimente Normas GS1 Eficiência nos T&L 29 Novembro, Hotel Villa Rica - Lisboa Casos Estudo nos T&L Desenvolvido pelo GS1 Global

Leia mais

Norma Global para a Rastreabilidade: A base para a visibilidade, qualidade e segurança na cadeia de valor

Norma Global para a Rastreabilidade: A base para a visibilidade, qualidade e segurança na cadeia de valor Norma Global para a Rastreabilidade: A base para a visibilidade, qualidade e segurança na cadeia de valor Introdução O Sistema GS1, devido à sua capacidade de fornecer uma identificação única e global

Leia mais

Guia de Codificação para Livros

Guia de Codificação para Livros Guia de Codificação para Livros 1. Introdução A GS1 e as Agências Internacionais do ISBN e ISSN elaboraram diretrizes para ajudar os editores na compreensão das funcionalidades do Sistema GS1 para o setor

Leia mais

R evolução no ponto-de-venda Mais dados menos espaço

R evolução no ponto-de-venda Mais dados menos espaço R evolução no ponto-de-venda Mais dados menos espaço 1 Como varejistas, estamos sempre a procura de formas para melhorar a experiência de compra dos clientes. Tendo como base os últimos 25 anos do Sistema

Leia mais

Guia de apoio à codificação de medicamentos

Guia de apoio à codificação de medicamentos Guia de apoio à codificação de medicamentos Para atender à RDC 54/2013 (Versão 2) Apoio: Introdução... 3 Benefícios esperados... 3 Aplicações... 4 Embalagem secundária:... 4 Identificação: GTIN Codificação:

Leia mais

Prof. Daniel J. Melo Brasil

Prof. Daniel J. Melo Brasil CÓDIGO DE BARRAS Objetivos Entender os passos necessários para adoção da tecnologia de código de barras nos itens comerciais, na identificação de pallets, na identificação de endereços, etc. Adoção do

Leia mais

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Decorreu no primeiro trimestre 2009, um estudo de avaliação de implementação e desempenho dos códigos de barras comerciais, no âmbito do espaço nacional.

Leia mais

ROADSHOW BRAGA Sistema de Rastreabilidade de montante a jusante 25 de Novembro 2010 Silvério Paixão

ROADSHOW BRAGA Sistema de Rastreabilidade de montante a jusante 25 de Novembro 2010 Silvério Paixão ROADSHOW BRAGA Sistema de Rastreabilidade de montante a jusante 25 de Novembro 2010 Silvério Paixão The global language of business Rastreabilidade Definição Rastreabilidade, a capacidade de detectar a

Leia mais

Standard Internacional para a Etiqueta Logística (STILL)

Standard Internacional para a Etiqueta Logística (STILL) Standard Internacional para a Etiqueta Logística (STILL) Sumário de Documento Document Item Título do documento Valor corrente Standard Internacional para a Etiqueta Logística (STILL) Data última modificação

Leia mais

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto The global language of business GS1 EPCglobal/RFID Uma ferramenta logística RASTREABILIDADE INFORMAÇÃO EM TEMPO REAL GS1 EPC

Leia mais

ROADSHOW PORTO Sistema GS1 26 de Maio 2011 Luís Peixoto

ROADSHOW PORTO Sistema GS1 26 de Maio 2011 Luís Peixoto ROADSHOW PORTO Sistema GS1 26 de Maio 2011 Luís Peixoto The global language of business SOP 2010 Agenda 1. Normas Globais para Identificação Automática 2. A Base do Sistema GS1: os Identificadores Chave

Leia mais

Conhecendo o Código de Barras Volume 1

Conhecendo o Código de Barras Volume 1 Conhecendo o Código de Barras Volume 1 Conhecendo o Código de Barras O material Conhecendo o Código de Barras tem como objetivo integrar a sua empresa, de forma ainda mais eficiente, à cadeia de suprimentos.

Leia mais

Roadshow: Gestão Inteligente e Colaborativa da Cadeia de Abastecimento do produtor ao consumidor

Roadshow: Gestão Inteligente e Colaborativa da Cadeia de Abastecimento do produtor ao consumidor Roadshow: Gestão Inteligente e Colaborativa da Cadeia de Abastecimento do produtor ao consumidor GS1 Portugal em parceria com a NERSANT 23 de Maio de 2016 Necessidade flagrante: Linguagem Global dos Negócios

Leia mais

Rotulagem nutricional Intercâmbio de informação entre Sync PT, GS1 Portugal e PortFIR/SGRIA, INSA

Rotulagem nutricional Intercâmbio de informação entre Sync PT, GS1 Portugal e PortFIR/SGRIA, INSA Rotulagem nutricional Intercâmbio de informação entre Sync PT, GS1 Portugal e PortFIR/SGRIA, INSA 6ª Reunião Anual PORTFIR 31 Outubro 2013 Silvério Paixão O Mundo está a mudar Sabia que? Os Consumidores

Leia mais

Webinar Pergunte ao especialista.

Webinar Pergunte ao especialista. Webinar Pergunte ao especialista. Código de Barras: Entenda, crie e gerencie a identificação do seu produto. Edson Matos 26/02/2015 Padrões GS1 que serão abordados Webinar Para fazer perguntas coloque:

Leia mais

Ask the local Barcoding Expert. Silvério Paixão, GS1 Portugal 23 Outubro, 2012

Ask the local Barcoding Expert. Silvério Paixão, GS1 Portugal 23 Outubro, 2012 Ask the local Barcoding Expert Silvério Paixão, GS1 Portugal 23 Outubro, 2012 9 7 8 8 5 7 1 6 4 4 9 5 3 Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara. ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA José Saramago Agenda Quem Somos

Leia mais

Fonte: http://www.mckinsey.com

Fonte: http://www.mckinsey.com 30000000 70000000 Fonte: http://www.mckinsey.com 700000 1400000 Fonte: http://www.mckinsey.com 22000 43000 Fonte: http://www.mckinsey.com Fonte: http://www.mckinsey.com Disponível em: http://www.gs1.org/healthcare/mckinsey

Leia mais

APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS GS1-128 CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÃO (RESOLUÇÃO 242)

APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS GS1-128 CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÃO (RESOLUÇÃO 242) APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS GS1-128 CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÃO (RESOLUÇÃO 242) O código de barras adotado pela resolução n.º 242 é o GS1-128, um código reconhecido mundialmente,

Leia mais

Estudo de Fiabilidade de Leitura em Loja EFICIÊNCIA DOS NÍVEIS SERVIÇO E QUALIDADE DOS DADOS DE PRODUTO

Estudo de Fiabilidade de Leitura em Loja EFICIÊNCIA DOS NÍVEIS SERVIÇO E QUALIDADE DOS DADOS DE PRODUTO Estudo de Fiabilidade de Leitura em Loja EFICIÊNCIA DOS NÍVEIS SERVIÇO E QUALIDADE DOS DADOS DE PRODUTO Agenda 1. Enquadramento a) Circunstâncias que justificam o projecto b) Objectivos gerais c) Vectores

Leia mais

Manual do Utilizador EAN UCC CODIPOR 72006. 1 www.gs1pt.org

Manual do Utilizador EAN UCC CODIPOR 72006. 1 www.gs1pt.org 1 www.gs1pt.org índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. FUNDAMENTOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA EAN UCC... 6 2.1 ÁREAS DE APLICAÇÃO... 6 2.2 IDENTIFICAÇÃO NUMÉRICA EAN UCC... 6 GTIN NÚMERO GLOBAL DE ITEM COMERCIAL...

Leia mais

ROADSHOW GS1 PORTUGAL

ROADSHOW GS1 PORTUGAL ROADSHOW GS1 PORTUGAL Módulo Temático 1: Rastreabilidade e Segurança Área alimentar, saúde e outros sectores Filipe Esteves 4 de Junho de 2015 Porque a rastreabilidade? 3 Porque a rastreabilidade? Necessidade

Leia mais

Manual de código de Barras

Manual de código de Barras 1. VISÃO GERAL 1.1 MODITIVAÇÃO: O código de barras é uma forma de representar a numeração, que viabiliza a captura automática dos dados por meio de leitura óptica nas operações automatizadas (EAN Brasil,

Leia mais

Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar

Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar 29 de Setembro de 2006 Rui Almeida ralmeida@consulai.com Rastreabilidade Higiene e Segurança dos Suplementos Alimentares 29 de Setembro de 2006-1 Agenda Introdução

Leia mais

The global language of business

The global language of business Serviços de ECR Roadshow Braga 25 de Novembro de 2010 ECR Services Pedro Vítor The global language of business Visão e Missão VISÃO Ser promotora da excelência nas relações eficazes e eficientes ao longo

Leia mais

... Altamente eficiente. Fatiadora totalmente automática A 510 da Bizerba com balança integrada

... Altamente eficiente. Fatiadora totalmente automática A 510 da Bizerba com balança integrada ... Altamente eficiente Fatiadora totalmente automática A 510 da Bizerba com balança integrada A nova fatiadora totalmente automática A 510, combina apresentações apelativas de porções de produtos fatiados

Leia mais

Padrões Globais para Rastreabilidade de Medicamentos. Patrícia Amaral

Padrões Globais para Rastreabilidade de Medicamentos. Patrícia Amaral Padrões Globais para Rastreabilidade de Medicamentos Patrícia Amaral Cadeias de Suprimentos de Saúde São seguras? São eficientes? São transparentes? Como estamos? Elevando a Segurança do Paciente O IOM*

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS GS1 Portugal entrada em vigor 01/01/2014

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS GS1 Portugal entrada em vigor 01/01/2014 TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS entrada em vigor 01/01/2014 ÍNDICE TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS 01 ADMISSÃO À GS1 PORTUGAL JÓia Quota Anual Condições Comerciais 02 PRODUTOS GS1 PORTUGAL

Leia mais

Rastreabilidade e Autenticidade de. Ricardo Yugue

Rastreabilidade e Autenticidade de. Ricardo Yugue Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos Ricardo Yugue O Conceito de Rastreabilidade Rastreabilidade éa capacidade de recuperação do histórico, da aplicação ou da localização de uma entidade (ou

Leia mais

Varejo e Tecnologia:

Varejo e Tecnologia: Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas Iniciativas de Colaboração Sergio Ribinik CEO da GS1 BRASIL MEMBRO DO ADVISORY COUNCIL DA GS1 MEMBRO DO BOARD DO EPC GLOBAL Agenda Tecnologia

Leia mais

Capítulo 12 Identificação automática e captura de dados

Capítulo 12 Identificação automática e captura de dados Capítulo 12 Identificação automática e captura de dados Seções: 1. Visão geral dos métodos de identificação automática 2. Tecnologia de códigos de barra 3. Identificação por radiofrequência 4. Outras tecnologias

Leia mais

GS1 Portugal CODIPOR homenageada pelos seus 25 anos de actividade. Roadshow GS1 Portugal passou por Matosinhos em parceria com AEP

GS1 Portugal CODIPOR homenageada pelos seus 25 anos de actividade. Roadshow GS1 Portugal passou por Matosinhos em parceria com AEP GS1 Portugal CODIPOR homenageada pelos seus 25 anos de actividade Paulo Gomes e João de Castro Guimarães, respectivamente Presidente e Director Executivo da GS1 Portugal CODIPOR, foram agraciados com a

Leia mais

Segurança do Consumidor na Plataforma Sync PT. IMPLEMENTAÇÃO DO REGULAMENTO (UE) N.º 1169/2011 2 de Abril 2014 INSA

Segurança do Consumidor na Plataforma Sync PT. IMPLEMENTAÇÃO DO REGULAMENTO (UE) N.º 1169/2011 2 de Abril 2014 INSA Segurança do Consumidor na Plataforma Sync PT IMPLEMENTAÇÃO DO REGULAMENTO (UE) N.º 1169/2011 2 de Abril 2014 INSA AGENDA 1. Enquadramento 2. Plataforma Sync PT 3. Qualidade da Informação 4. Regulamento

Leia mais

Portugal CODIPOR. Codificação Electrónica de Produtos Case Study THROTTLEMAN

Portugal CODIPOR. Codificação Electrónica de Produtos Case Study THROTTLEMAN Portugal CODIPOR Codificação Electrónica de Produtos Case Study THROTTLEMAN ENQUADRAMENTO A Throttleman destaca-se no mundo da moda por antecipar as necessidades dos seus cliente e por lhes oferecer meios

Leia mais

Classificação de Produtos (GPC)

Classificação de Produtos (GPC) Classificação de Produtos (GPC) Leonor Vale Roadshow GS1 Portugal AIMinho Braga 25.Nov.2010 The global language of business Definição da GS1 GPC GS1 GPC Global Product Classification Classificação Global

Leia mais

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JUNHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2011 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - PA

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JUNHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2011 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - PA ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JUNHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2011 ASSUNTOS DIVERSOS SISTEMA EAN - IMPLANTAÇÃO Introdução - Conceitos Básicos - Utilização do Código de Barras no Brasil - Objetivo

Leia mais

Noções essenciais sobre gestão de activos

Noções essenciais sobre gestão de activos Noções essenciais sobre gestão de activos Um White Paper da Zetes First-class partner for identification and mobility solutions www.zetes.com always a good id ÍNDICE 03 Introdução À hora certa e no lugar

Leia mais

STILL (Standard International Logistic Label)

STILL (Standard International Logistic Label) STILL (Standard International Logistic Label) MARCA Optimize as suas Operações Workshop Movimente Normas GS1 Eficiência nos T&L 29 Novembro, Hotel Villa Rica - Lisboa Agenda Estudo LAUN STILL (Standard

Leia mais

Centro de Operações Logísticas do Futuro

Centro de Operações Logísticas do Futuro Centro de Operações Logísticas do Futuro Luís Simões Logística Integrada Workshop Normas GS1 nos T&L 29 de Novembro de 2012 - Villa Rica - Lisboa Agenda Apresentação Luís Simões Projeto COL do Futuro -

Leia mais

Roadshow GS1 PORTUGAL AVEIRO

Roadshow GS1 PORTUGAL AVEIRO Roadshow GS1 PORTUGAL AVEIRO # Café-temático: Qualidade dos dados na Gestão da Informação Susana Gaspar Técnica de Qualidade dos dados GS1 4 de junho 2015 Agenda 1. Qualidade dos dados da informação 2.

Leia mais

Eficiência de Padrões na Cadeia Produtiva do Vinho. Ana Paula Vendramini Maniero

Eficiência de Padrões na Cadeia Produtiva do Vinho. Ana Paula Vendramini Maniero Eficiência de Padrões na Cadeia Produtiva do Vinho Ana Paula Vendramini Maniero A importância de padrões Calçados e tomadas são apenas dois exemplos simples Sem padrões, processos de negócios seriam muito

Leia mais

Julho_2012. e.newsletter AGÊNCIA GMDN ESTEVE EM PORTUGAL PARA FALAR DE NOMENCLATURA DOS DISPOSITIVOS MÉDICOS

Julho_2012. e.newsletter AGÊNCIA GMDN ESTEVE EM PORTUGAL PARA FALAR DE NOMENCLATURA DOS DISPOSITIVOS MÉDICOS .01 AGÊNCIA GMDN ESTEVE EM PORTUGAL PARA FALAR DE NOMENCLATURA DOS DISPOSITIVOS MÉDICOS.agenda 3-5 Jun 53º Encontro Anual da European Association of Pharmaceutical Wholesalers (GIRP), em Sintra 13 Jun

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO. UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO. UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7 Padrões do Sistema GS1 Habilitando a visibilidade da cadeia de valor. Identificação

Leia mais

CONFORTO EM ÁGUA QUENTE

CONFORTO EM ÁGUA QUENTE CONFORTO EM ÁGUA QUENTE 2 TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS Rigorosamente testado A fiabilidade dos termoacumuladores da Gorenje é garantida pelo controlo rigoroso de qualidade: % Testado sobre pressão; % Testado

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS Luis Figueiredo 2016.01.19 12:27:21 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de procedimentos nos distribuidores das farmácias comunitárias aderentes à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação

Leia mais

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003 L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia DECISÃO N. o 190 de 18 de Junho de 2003 relativa às características técnicas do cartão europeu de seguro de doença (Texto relevante para efeitos do EEE e do

Leia mais

Alterado pelo n.º 1 do Despacho Normativo n.º 34/2004, de 21 de Julho. O texto original era o seguinte:

Alterado pelo n.º 1 do Despacho Normativo n.º 34/2004, de 21 de Julho. O texto original era o seguinte: Altera o Despacho Normativo n.º 44/2001, de 15 de Novembro, que altera os anexos B e C do Despacho Normativo n.º 101/91, de 9 de Maio, que estabelece as regras a que deve obedecer a codificação dos preços

Leia mais

GUIA RÁPIDO LEITURA DE CÓDIGO DE BARRA PADRÃO GS1

GUIA RÁPIDO LEITURA DE CÓDIGO DE BARRA PADRÃO GS1 GUIA RÁPIDO LEITURA DE CÓDIGO DE BARRA PADRÃO GS1 RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para

Leia mais

LOGÓTIPO - VERSÕES A CORES. LOGÓTIPO O logótipo do turismo de Portugal foi criado para expressar o nosso espírito e modo de ser.

LOGÓTIPO - VERSÕES A CORES. LOGÓTIPO O logótipo do turismo de Portugal foi criado para expressar o nosso espírito e modo de ser. LOGÓTIPO O logótipo do turismo de Portugal foi criado para epressar o nosso espírito e modo de ser. O logótipo é parte integrante de uma série de elementos gráficos que criam uma imagem e aspecto consistentes

Leia mais

GS1 Brasil Associação Brasileira de Automação. 2011 GS1 Brasil

GS1 Brasil Associação Brasileira de Automação. 2011 GS1 Brasil GS1 Brasil Associação Brasileira de Automação O que são padrões? São acordos que estruturam qualquer atividade ou setor da economia. São regras ou guias que todos aplicam. Ou uma forma de medição, descrição,

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem LOGÍSTICA Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem Objectivos do Capítulo Mostrar de uma maneira geral os principais tipos de sistemas de movimentação,

Leia mais

Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta

Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta Hospital Israelita Albert Einstein Abril 2015 Requisitos para rastreabilidade Códigos de barras em todos os produtos

Leia mais

Experiência de implementação de soluções RFID e RTLS em função do Inventário e de controlo de stock tanto em armazéns como em lojas

Experiência de implementação de soluções RFID e RTLS em função do Inventário e de controlo de stock tanto em armazéns como em lojas Experiência de implementação de soluções RFID e RTLS em função do Inventário e de controlo de stock tanto em armazéns como em lojas Silvério Paixão l Director de Inovação & Standars l GS1 Portugal 17 e

Leia mais

A CURA GLOBAL PARA A SAÚDE PÚBLICA

A CURA GLOBAL PARA A SAÚDE PÚBLICA A CURA GLOBAL PARA A SAÚDE PÚBLICA Um relatório novo e independente divulgado pela McKinsey&Company estimou os benefícios em vidas e valor da implementação de um único padrão global para a saúde pública.

Leia mais

Procedimentos de embalagem e transporte

Procedimentos de embalagem e transporte 1. Introdução Procedimentos de embalagem e transporte 1.1 O escopo deste documento é estabelecer normas mínimas para a proteção, embalagem e etiquetagem de móveis, utensílios e equipamentos enviados para

Leia mais

Código de Barras ISSN

Código de Barras ISSN Código de Barras ISSN Escrito por: Eng. Luciano T.Junior O Código ISSN...3 O que o Número ISSN Representa?... 3 O Código de Barras ISSN...4 Código de Barras Adicionais... 4 Outras Informações...6 O LinhaBase

Leia mais

Copyright 2006 GrupoPIE Portugal S.A.

Copyright 2006 GrupoPIE Portugal S.A. ScanPAL A Restauração do Séc. XXI ScanPAL Copyright 2006 GrupoPIE Portugal S.A. - 2 - ScanPAL Índice Pag. 1. ScanPAL Terminal Portátil...5 1.1. Organização do Software...7 2. Operações...8 2.1. Operações

Leia mais

Rastreabilidade na Indústria Alimentar

Rastreabilidade na Indústria Alimentar Rastreabilidade na Indústria Alimentar Trabalho realizado por: Ana Rita Ferreira nº 3458 Liliana Oliveira nº 3460 Susana Eloy nº 3455 Contextualização do conceito de Rastreabilidade Perigos para a Saúde

Leia mais

RÓTULO A IDENTIDADE DO ALIMENTO PROGRAMA DE ROTULAGEM

RÓTULO A IDENTIDADE DO ALIMENTO PROGRAMA DE ROTULAGEM RÓTULO A IDENTIDADE DO ALIMENTO PROGRAMA DE ROTULAGEM O RÓTULO É A IDENTIDADE DO ALIMENTO O rótulo iden fica o produto, a sua quan dade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma exigência

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Anexo A Requisitos técnicos e funcionais, de integração e de nível de serviço para plataforma base

Anexo A Requisitos técnicos e funcionais, de integração e de nível de serviço para plataforma base Anexo A Requisitos técnicos e funcionais, de integração e de nível de serviço para plataforma base Requisitos técnicos e funcionais: 1. Estar estruturada de acordo com os diversos tipos de procedimentos

Leia mais

Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool. Lisboa 2014-03-06

Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool. Lisboa 2014-03-06 Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool Lisboa 2014-03-06 3 O Alinhamento de dados com a plataforma SYNC PT Data Pool O PROJETO IMPLEMENTAÇÃO O PROCESSO 4 O Alinhamento de dados com a plataforma SYNC

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA Luis Figueiredo 2014.02.06 16:35:35 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de Procedimentos nos Armazenistas que aderiram à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação e gestão de um

Leia mais

Linhas de Orientação de Media. GS1 Portugal. Sync PT Linhas de Orientação de Media 1

Linhas de Orientação de Media. GS1 Portugal. Sync PT Linhas de Orientação de Media 1 Linhas de Orientação de Media GS1 Portugal 1 Índice Introdução... 3 Especificações Gerais de Imagens... 4 Propriedades da imagem... 5 Cor e Qualidade... 5 Clipping Paths... 5 Fundo... 6 Borda... 6 Formato

Leia mais

ÍNDICE. Identificadores-Chave & Dados Adicionais. Normas Globais para Identificação Automática. Normas Globais para Mensagens Electrónicas Comerciais

ÍNDICE. Identificadores-Chave & Dados Adicionais. Normas Globais para Identificação Automática. Normas Globais para Mensagens Electrónicas Comerciais SISTEMA DE NORMAS DA GS1 A Linguagem Global dos Negócios ÍNDICE ÁREA CORPORATIVA: A Organização Internacional A Arquitectura do Sistema de Normas Globais GS1 A Arquitectura do Sistema GS1 em Portugal GS1

Leia mais

Directrizes EAN UCC para a Rastreabilidade dos Produtos Hortofrutícolas

Directrizes EAN UCC para a Rastreabilidade dos Produtos Hortofrutícolas Directrizes EAN UCC para a Rastreabilidade dos Produtos Hortofrutícolas Índice SUMÁRIO...3 Limitações das Directrizes...3 Renúncia...3 AGRADECIMENTOS...4 1. Introdução...5 1.1 Sistema EAN UCC...5 1.2 Projecto

Leia mais

Folheto A verdade sobre a tinta

Folheto A verdade sobre a tinta Folheto A verdade sobre a tinta Índice Clique nas hiperligações para ver os factos 1: Os tinteiros não HP são tão fiáveis quanto os tinteiros originais HP. 2: O rendimento dos tinteiros não HP é igual

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade João Seabra e Barros INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação, Departamento de Engenharia Energética e Controlo

Leia mais

A importância dos rótulos das embalagens

A importância dos rótulos das embalagens Sumário Módulo inicial Unidade temática 0 A importância dos rótulos das embalagens de produtos alimentares. Projeção do vídeo: Sabe ler o rótulo das embalagens?. Significado dos símbolos contidos nas embalagens

Leia mais

Gestor de ligações Manual do Utilizador

Gestor de ligações Manual do Utilizador Gestor de ligações Manual do Utilizador 1.0ª Edição PT 2010 Nokia. Todos os direitos reservados. Nokia, Nokia Connecting People e o logótipo Nokia Original Accessories são marcas comerciais ou marcas registadas

Leia mais

RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010

RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010 RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010 Logística Curso Formação de Auditores para a Cadeia Industrial Farmacêutica 2 Sobre o Docente Programação SONJA HELENA MADEIRA MACEDO Graduada em Farmácia-Bioquímica

Leia mais

Distinga-se pelo conhecimento

Distinga-se pelo conhecimento 2012 Distinga-se pelo conhecimento Índice Clique na Informação que deseja consultar Calendário de Formação GS1 Porquê Formação no Sistema GS1? Modelos de Formação Competências Informação Práticas 02 03

Leia mais

Manual de identidade da marca

Manual de identidade da marca Manual de identidade da marca Manual de identidade da marca Projecto - Restaurante do Futuro Introdução A imagem de uma marca é, actualmente, fundamental para o seu reconhecimento. O logótipo funciona

Leia mais

2. Existem actividades dentro do sector dos alimentos para animais que estejam isentas de registo ou aprovação?

2. Existem actividades dentro do sector dos alimentos para animais que estejam isentas de registo ou aprovação? PERGUNTAS MAIS FREQUENTES- ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. Que estabelecimentos carecem de registo ou aprovação no âmbito do sector dos alimentos para animais? Todos os estabelecimentos, em nome singular ou colectivo,

Leia mais

e.newsletter GS1 Portugal

e.newsletter GS1 Portugal Caso não consiga visualizar corretamente, clique aqui A Linguagem Global dos Negócios III Fórum Solution Providers Tecnologias de informação e comunicação defendem normalização e qualidade da informação

Leia mais

CONHEÇA OS CUSTOS OCULTOS DA IMPRESSÃO PROFISSIONAL

CONHEÇA OS CUSTOS OCULTOS DA IMPRESSÃO PROFISSIONAL WorkForce Pro RIPS CONHEÇA OS CUSTOS OCULTOS DA IMPRESSÃO PROFISSIONAL Necessidade de suporte de TI Encomendar mais consumíveis Consultar manual de assistência Eliminar desperdício dos consumíveis Imprimir

Leia mais

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN Trata-se de uma adenda à primeira edição do Manual sobre a aplicação prática do Regulamento (CE) n.º 1005/2008 do Conselho, de 29 de Setembro

Leia mais

O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados

O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados Lançamento da Plataforma G.R.I.A. 20-04-2009 The global language of business O que é a sincronização de dados? 2009 GS1

Leia mais

Gerenciamento de Inventários - Automação de Estoque

Gerenciamento de Inventários - Automação de Estoque Gerenciamento de Inventários - Automação de Estoque A Globaw analisa a situação atual do cliente e apresenta soluções sob medida de automação de estoque (Almoxarifados, armazéns e CDs) matéria prima, materiais

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

ENCAPSULAMENTO DE URL COM A API GOOGLE CHART TOOLS

ENCAPSULAMENTO DE URL COM A API GOOGLE CHART TOOLS ENCAPSULAMENTO DE URL COM A API GOOGLE CHART TOOLS Aguinaldo Canali 1 Pedro Clarindo da Silva Neto 2 Clodoaldo Nunes 3 RESUMO: Este artigo descreve a utilização da Interface de Programação de Aplicações,

Leia mais

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções Spot Picker V 0.1 Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Lda Rua D. Luís de Noronha n.º 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel. (+351)

Leia mais

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas)

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas) No final deste módulo o formando deverá estar apto a: Enunciar a definição do Microsoft Word 2007; Reconhecer as principais vantagens da utilização; Distinguir as diferentes áreas do ambiente de trabalho

Leia mais

Códigos de barra EAN13:

Códigos de barra EAN13: LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO DELPHI - Prof. Alberto Cezar de Carvalho Página 1 Códigos de barra EAN13: 1. COMO FUNCIONA: A leitora ótica foi projetada para ler barras ou ausência de barras com 0,33 mm de espessura.

Leia mais

Descrição do Serviço Diagnóstico no Local

Descrição do Serviço Diagnóstico no Local Apresentação do serviço A Dell tem o prazer de fornecer o Serviço de (o Serviço ) de acordo com este documento (a Descrição do Serviço ). Este fornece actividades opcionais de diagnóstico no local na empresa

Leia mais

Montepio, Portugal. Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade

Montepio, Portugal. Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade Montepio, Portugal Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade A qualidade e fiabilidade dos recirculadores Vertera foram determinantes na

Leia mais

Ficha técnica StoCrete TK

Ficha técnica StoCrete TK Proteção contra corrosão mineral Característica Aplicação Propriedades como protecção contra corrosão do aço para betão armado protecção contra corrosão ligada com cimento enriquecido com polímeros (PCC)

Leia mais

SPOT BATTERY EXCHANGER

SPOT BATTERY EXCHANGER SPOT BATTERY ECHANGER SBE PICKER V1.0 V1.0 Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Sociedade Unipessoal, Lda. Rua D. Luís de Noronha 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel / Fax.

Leia mais

Orientações para a descrição arquivística (ODA):

Orientações para a descrição arquivística (ODA): Orientações para a descrição arquivística (ODA): uma aposta da DGARQ na normalização Lucília Runa Normas e partilha de informação (DGARQ DSAAT) Lisboa, BNP, 14 de Outubro de 2010 Sumário: A DGARQ: enquadramento

Leia mais

ROADSHOW AVEIRO O dia a dia das Empresas com o Sistema de Normalização da GS1 26 de Maio 2010 Silvério Paixão

ROADSHOW AVEIRO O dia a dia das Empresas com o Sistema de Normalização da GS1 26 de Maio 2010 Silvério Paixão ROADSHOW AVEIRO O dia a dia das Empresas com o Sistema de Normalização da GS1 26 de Maio 2010 Silvério Paixão The global language of business Como funciona? Sistema GS1 Mensagens Electrónicas, estruturadas

Leia mais

Sistema de Produção Produza documentos transacionais consistentes, resistentes e seguros.

Sistema de Produção Produza documentos transacionais consistentes, resistentes e seguros. Xerox Nuvera 144 MX Sistema de Produção Descrição Xerox Nuvera 144 MX Sistema de Produção Produza documentos transacionais consistentes, resistentes e seguros. Os trabalhos exigem qualidade de imagem que

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais