Guia de Referência Rápida Administração de Bancos de Dados Oracle - Abstratos Tecnologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de Referência Rápida Administração de Bancos de Dados Oracle - Abstratos Tecnologia"

Transcrição

1 Objetivo O objetivo deste guia é tão somente o de servir como referência, um lembrete, da sintaxe dos comandos de administração de bancos de dados Oracle mais usuais. Sendo assim ele não tem o objetivo de expor, ou apresentar, a sintaxe completa dos comandos. Os exemplos aqui apresentados são meramente didáticos, e parte-se do pressuposto de que quem vai utilizá-los conhece suas finalidades e também as suas conseqüências. Sendo assim, a Abstratos Tecnologia, se isenta de qualquer responsabilidade quando da má utilização, ou utilização imprópria, dos comandos apresentados, ao mesmo tempo em que nos colocamos inteiramente à disposição dos nossos clientes para fazer uso corretos dos mesmos através dos nossos serviços de suporte. Notações Os símbolos < e >, menor e maior, respectivamente, são usados para delimitar os parâmetros das cláusulas dos comandos. Ou seja, os valores que são passados para as clásulas dos comandos, que estão apresentados na cor verde. Os símbolos [ e ], abre e fecha colchetes, são usados para salientar partes dos comandos, ou cláusulas dos comandos, que são opcionais. Já o simbolo, conhecido como pipe, é utilizado para representar opções que são mutuamente exclusivas. Ou seja, ou se usa a primeira opção à esquerda do pipe, ou então a segunda opção, à direita do pipe. Tópicos Este Guia de Referência de comandos está sub-dividido nos seguintes tópicos : 1 - Manutenção de Tablespaces 2 - Manutenção dos Grupos de Redolog 3 - Manutenção de Tabelas 4 - Manutenção de Índices 5 - Coletando Estatísticas 6 - Utilização dos Utilitários Export e Import 7 - Atribuíndo e Revogando Privilégios 8 - Criando Roles - Atribuições 9 - Criando um Database Link 10 - Criando Sinônimos Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

2 1. Manutenção de Tablespaces 1.1- Criando um tablespace de dados create tablespace <nome da tablespace> datafile '<nome do arquivo>' size <tamanho do arquivo><m k>; Exemplo: Criando uma tablespace de DADOS com tamanho de 1GB. SQL>create tablespace TS_DADOS datafile '/oracle/oradata/dbteste/ts_dados01.dbf' size 1024m; 1.2 Aumentando o espaço de uma tablespace Adicionando arquivo de dados ao tablespace de dados alter tablespace <nome da tablespace> add datafile '<nome do arquivo>' size <tamanho do arquivo><m k>; Exemplo: Adicionando um segundo datafile de 512MB ao tablespace TS_DADOS. SQL>alter tablespace TS_DADOS add datafile '/oracle/oradata/dbteste/ts_dados02.dbf' size 512m; Alterando o tamanho de um datafile alter database datafile '<nome do arquivo>' <id do arquivo> resize <tamanho do arquivo><m k>; Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

3 Aumentando do tamanho do arquivo de dados da tablespace TS_DADOS para 1GB. SQL>alter database datafile '/oracle/oradata/dbteste/ts_dados01.dbf' resize 1024m; Caso prefira usar o file_id, então deve-se consultá-lo primeiro no dicionario de dados. select file_id,file_name from dba_data_files where tablespace_name='<nome da tablespace>'; SQL>select file_id,file_name from dba_data_files where tablespace_name='ts_dados'; Obs : Anotar o FILE_ID da tablespace que deseja alterar o tamanho, no caso, 10 e usar no comando abaixo : SQL>alter database datafile 10 resize 1024MB; Aumentando o tablespace Observação : Esse método se aplica somente a tablespaces BIGFILE. alter tablespace <nome da tablespace> resize <novo tamanho do tablespace ><m k>; Exemplo: Aumentando o tablespace TS_DADOS para 512m. SQL>alter tablespace TS_DADOS resize 512m; 1.3 Criando tablespace de UNDO Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

4 create undo tablespace <nome da tablespace> datafile '<nome do arquivo>' size <tamanho do arquivo><m k>; Criando uma segunda tablespace de UNDO, UNDOTBS2 SQL>create undo tablespace UNDOTBS2 datafile '/oracle/oradata/dbteste/undotbs201.dbf' size 512m; Definindo tablespace de UNDO da instância Alter system set UNDO_TABLESPACE= <nome da tablespace de UNDO>; Definindo a tablespace de UNDO da instância como UNDOTBS2 SQL>alter system set undo_tablespace=undotbs2; 1.5- Criando tablespace TEMPORÁRIA create temporary tablespace <nome da tablespace> tempfile '<nome do arquivo>' size <tamanho do arquivo><m k>; Exempo : Criando uma tablespace temporaria adicional de 512MB. SQL>create temporary tablespace TS_TEMP2 tempfile '/oracle/oradata/dbteste/ts_temp201.dbf' size 512m; Definindo a tablespace temporária dafault da instância alter database default temporary tablespace <nome da nova tablespace temporária>; Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

5 SQL>alter database default temporary tablespace TS_TEMP2; 1.6 Renomeando uma tablespace alter tablespace <nome atual da tablespace> rename to <nome da nova tablespace>; SQL>alter tablespace TEMP rename to TS_TEMP2; 1.7 Definindo a tablespace de dados dafault da instância alter database default tablespace <nome da nova tablespace permanente>; SQL>alter database default tablespace TS_DADOS; Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

6 2. - Manutenção dos Grupos de Redolog 2.1- Criando um novo grupo de redo log Para saber qual arquivo de redolog ja foi arquivado e qual está em uso no momento: SQL>select group#, archived, status from v$log; Obs : Para saber qual o caminho completo e nome do(s) arquivo(s) de cada grupo: select * from v$logfile; OBS.: Um grupo pode ter mais de um aquivo de redolog, utilizando a sintaxe de comando abaixo: alter database add logfile group <número do grupo> ('<nome do arquivo1>','nome do arquivo 2'...) size <tamanho do arquivo>; Criando um grupo de redo log com apenas 1 membro e com 100MB de tamanho. SQL>alter database add logfile group 5 ('/oracle/oradata/dbteste/redo05.log') size 100m; Criando um grupo de redo log com apenas com espelhamento, 2 membros, e com 100MB de tamanho. SQL>alter database add logfile group 6 ('/oradb1/oradata/dbteste/redo06a.log', '/oradb2/oradata/dbteste/redo06b.log') size 100m; Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

7 2.2- Excluido um grupo de REDOLOG alter database drop logfile group <número do grupo REDO>; Eliminando o grupo de redo log número 6. SQL>alter database drop logfile group 6; Observação : Verificar se o grupo a ser apagado está com o STATUS de INACTIVE, com o seguinte comando : select * from v$logfile; Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

8 3. - Manutenção de Tabelas 3.1- Crianção de tabelas Sintaxe de um esqueleto de uma tabelas com 6 campos, onde <tipo> seria substituido pelo tipo de dados ex.: number, varchar2(50), date, etc... create table <nome da tabela> ( <campo 1> <tipo>, <campo 2> <tipo>, <campo 3> <tipo>, <campo 4> <tipo>, <campo 5> <tipo>, <campo 6> <tipo>) tablespace <nome da tablespace>; Criando uma tabela básica de clientes. SQL>create table TB_CLIENTE ( CD_CLIENTE NUMBER(5) PRIMARY KEY, NM_CLIENTE VARCHAR2(100), DT_NASCIMENTO DATE, NU_CEP NUMBER(8), FL_SEXO VARCHAR2(1) NOT NULL, DS_ENDRECO VARCHAR2(100)) tablespace TS_ERPX_D; 3.2- Alterações em tabelas Adicionando um campo a tabela. alter table <nome da tabela> add column <nome do novo campo> <tipo>; Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

9 SQL>alter table TB_CLIENTE add ( FL_SITUACAO VARCAHR2(1)); Excluindo um campo da tabela. Observação : Esta sintaxe funciona somente a partir da versão 8i alter table <nome da tabela> drop column <nome do campo>; Eliminando a coluna FL_SITUACAO da tabela de clientes. SQL>alter table TB_CLIENTE drop column FL_SITUACAO; Excluindo uma tabela. drop table <nome da tabela> [ CASCADE ]; Eliminando a tabela de clientes SQL>drop table TB_CLIENTE; Observação : Se a tabela tiver filhos, chaves estrangeiras apontando para as chaves primárias, deve adicionar a cláusla cascade. Com isso as chaves estrangeiras serão eliminandas e caso seja necessário deverão ser recriadas Reorganizando tabelas Movendo a tabela para outra tablespace(apenas a partir do 8i) Obervações : Os índices da tabela ficarão inválidos após a execução desta operação, devendo ser reconstruídos em seguida. Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

10 alter table <nome da tabela> move tablespace <nome da tablespace>; SQL>alter table TB_CLIENTE move tablespace TB_MANUTENCAO_D; Observação : Esta operação pode ser realizada com o objetivo de desfragmentar o banco de dados Reorganizando a tabela na mesma tablespace Observações : Opção disponível apenas a partir do 10g. alter table <nome da tabela> enable row movement; alter table <nome da tabela> shrink space; alter table <nome da tabela> disable row movement; SQL> alter table hr.employees enable row movement; SQL> alter table hr.employees shrink space; SQL> alter table hr.employees disable row movement; Observação : Esta operação pode ser realizada com o objetivo de desfragmentar a tabela do banco de dados Manutenção de Índices 4.1 Criando um Índice. create index <nome do indice> on <nome da tabela> (<campo1,campo2,campo3...> ) tablespace <nome da tablespace>; Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

11 Criando um índice simples, com apenas uma coluna DT_NASCIMENTO, na tabela de clientes. SQL>create index IX_CLIENTE1 on TB_CLIENTE (DT_NASCIMENTO) tablespace TB_ERPX_I; 4.2- Reconstrução de um índice alter index <nome do índice> rebuild tablespace <nome da tablespace>; Reconstruindo o índice IX_CLIENTE1 em uma nova tablespace. SQL>alter index IX_CLIENTE1 rebuild tablespace TS_MANUTENCAO_I; 5. - Coletando Estatísticas 5.1- Para coletar estatísticas em tabelas(versão 8.0) analyze table <nome da tabela> compute statistics; Coletando estatísticas para a tabela TB_CLIENTE. SQL>analyze table TB_CLIENTE compute statistics; 5.2- Para coletar estatísticas em índices(versão 8.0) Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

12 analyze index <nome do indice> compute statistics; Coletando estatísticas para o índice IX_CLIENTE1. SQL>analyze index IX_CLIENTE1 compute statistics; Observação : Para as versões 8i e superiores recomenda-se utilizar um pacote chamado dbms_stats para coleta de statísticas. 5.3 Coletando estatísticas a partir da versão 8i. exec dbms_stats.gather_table_stats(ownname=>'<nome do owner>', tabname=>'<nome da tabela>', cascade=> <valor boleano>); SQL> execute dbms_stats.gather_table_stats(ownname=>'abstratos', tabname=>'tb_cliente', cascade=> TRUE); Observação : Para coletar estatística somente da tabela especificada, na clausula cascade colocar o valor false, pois o cascade sendo true, serve para coletar da tabela e dos indices pertencentes a ela. Para deletar as estatísticas o comando é semelhante, apenas trocando o Gather_table_stats por delete_table_stats Utilização dos Utilitários Export e Import 6.1- Gerando um export completo da base de dados. Observação : Os comandos de import e export são rodados no propt de comando do sistema operacional, e podem ser rodados de qualquer estação que tenha acesso ao banco de dados. Como exemplo abaixo utilizaremos o prompt do MS_DOS e o mesmo comando com o prompt comum do Linux, o bash. C:\>exp userid=<usuário de export> file=<nome do arquivo.dmp> log=<nome do arquivo de log> full=y Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

13 Fazendo um export completo, FULL, do banco de dados. C:\>exp userid=system/manager file=exp_full.dmp log=exp_full.log full=y No caso de sistemas UNIX/Linux o comando deve ser rodado cmo usuário oracle, e não como usuário root. Observação : O Usuário de export deve possuir o privilégio export_full_database, em muitos casos o system é utilizado para fazer esta tarefa Gerando um export de apenas um esquema de banco de dados exp userid=<usuário de export> file=<nome do arquivo.dmp> log=<nome do arquivo de log> owner=<nome do esquema a ser exportado> Fazendo o export somente do esquema, OWNER, chamado ERP. C:\> exp userid=<usuário de export> file=exp_erp.dmp log=exp_erp.log owner=erp 6.3- Importando dados de um arquivo dmp para um determinado esquema. imp userid=<usuário de export> file=<nome do arquivo.dmp> log=<nome do arquivo de log> fromuser= <nome do esquema de origem> touser=<nome do esquema de destino> commit=<y/n> buffer=<tamanho buffer> Fazendo o import do esquema ERP, como usuário SYSTEM, com buffer de 10MB e com salvamentos, commits, intermediários. C:\>imp userid=system/manager file=exp_erp.dmp Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

14 log=imp_erp.log fromuser=erp touser=erp commit=y buffer= Atribuindo e Revogando Privilégios 7.1- No caso de um privilégio de objeto grant <nome do privilégio> on <nome do objeto> to <usuário ou role>; Atribuindo privilégios sobre a tabela TB_CLIENTE para o usuário CLI_ERP1. SQL>grant select, insert, update on TB_CLIENTE to CLI_ERP1; Observação : Neste caso vc deve estar conectado com o usuário hr ou então como sysdba. Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

15 7.2- No caso de um privilégio de sistema grant <privilégio de sistema> to <usuário ou role>; Atribuindo o privilégio de sistema SELECT ANY TABLE para o usuário ERP. SQL>grant SELECT ANY TABLE to ERP; 7.3- Retirando uma atribuição(privilégio) de um usuário No caso de um privilégio de sistema revoke <privilégio de sistema> from <usuário ou role>; Removendo o privilégio de sistema EXECUTE ANY PROCEDURE do usuário ERP. SQL>revoke EXECUTE ANY PROCEDURE from ERP; No caso de um privilégio de objeto revoke <privilégio> on <nome do objeto> from <nome do usuário ou role>; Removendo o privilégio de DELETE na tabela de usuário CLI_ERP1. SQL>revoke DELETE on TB_CLIENTE from CLI_ERP1; Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

16 8. - Criando Roles - Atribuições create role <nome da role> [ not identified ] ; Criando uma ROLE chamada RO_SISTEMA_ERP. SQL>create role RO_SISTEMA_ERP; 9. - Criando um Database Link create public database link <nome do dblink> [ connect to <esquema destino> identified by <senha> ] using '<nome da conexão no tnsnames do servidor>' Criando um database link do banco de desenvolvimento para o bano de produção identificado pelo usuário ERP_PRD, usando a string de conexão DB_PROD. SQL>create public database link DB_PROD connect to ERP_PRD identified by ERP1234 using 'DB_PROD'; 10.- Criando sinônimos Sinônimos Privados Visíveis para um usuário específico create synonym <owner do sinônimo>.<nome do sinônimo> for <owner do objeto>.<nome do objeto>; Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

17 criando um sinônimo chamado CLIENTES para o usuário CLI_ERP1 apontando para a tabela TB_CLIENTE do usuário, dono, ERP. SQL>create synonym CLI_ERP1.CLIENTES for ERP.TB_CLIENTE; Sinônimos Públicos Visíveis para todos os usuários create public synonym <nome do sinônimo> for <owner do objeto>.<nome do objeto>; Criando um sinônimo público, chamado, CLIENTES, para a tabela TB_CLIENTE. SQL>create public synonym CLIENTES for ERP.TB_CLIENTE; Abstratos Tecnologia Av. Barão de Studart Nº, 1165 Sala 707 (85) (85)

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

um mecanismo, chamado de perfil, para controlar o limite desses recursos que o usuário pode

um mecanismo, chamado de perfil, para controlar o limite desses recursos que o usuário pode 1 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS NO SGBD ORACLE 11G JUVENAL LONGUINHO DA SILVA NETO 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo apresenta como criar, modificar e excluir usuários, privilégios, atribuições

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

DO BÁSICO AO AVANÇADO PARA MANIPULAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE DADOS. Fábio Roberto Octaviano

DO BÁSICO AO AVANÇADO PARA MANIPULAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE DADOS. Fábio Roberto Octaviano DO BÁSICO AO AVANÇADO PARA MANIPULAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE DADOS Fábio Roberto Octaviano Controlando Acesso dos Usuários Após o término do Capítulo: Diferenciar privilégios de sistema e privilégios de objetos.

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Aula Prática

Structured Query Language (SQL) Aula Prática Structured Query Language (SQL) Aula Prática Linguagens de SGBD Durante o desenvolvimento do sistema R, pesquisadores da IBM desenvolveram a linguagem SEQUEL, primeira linguagem de acesso para Sistemas

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010 BANCO DE DADOS: SQL UERN - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Departamento de Ciências da Computação. 27 de janeiro de 2010 índice 1 Introdução 2 3 Introdução SQL - Structured Query Language

Leia mais

SQL Introdução ao Oracle

SQL Introdução ao Oracle SQL Introdução ao Oracle Estagiários: Daniel Feitosa e Jaqueline J. Brito Sumário Modelo de armazenamento de dados Modelo físico Modelo lógico Utilizando o SQL Developer Consulta de Sintaxe Sumário Modelo

Leia mais

Linguagem SQL (Parte I)

Linguagem SQL (Parte I) Universidade Federal de Sergipe Departamento de Sistemas de Informação Itatech Group Jr Softwares Itabaiana Site: www.itatechjr.com.br E-mail: contato@itatechjr.com.br Linguagem SQL (Parte I) Introdução

Leia mais

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37 7 Sumário Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio... 13 Capítulo 1 Instalação e Configuração... 15 Instalação em Linux... 15 Instalação e Customização do Red Hat Advanced Server 2.1... 16 Preparativos

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados SQL Linguagem de Definição de Dados Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre

Leia mais

Backup On-line. 1 de 6. Introdução

Backup On-line. 1 de 6. Introdução 1 de 6 Backup On-line Introdução O Backup do banco de dados nada mais é que a cópia dos arquivos necessários para recupera-los em caso de perda do mesmo no menor tempo possível. Isso pode ser devido à

Leia mais

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127 Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

Quando se seleciona os modos OS ou XML, arquivos são criados com os registros de auditoria, eles se localizam parâmetro audit_file_dest.

Quando se seleciona os modos OS ou XML, arquivos são criados com os registros de auditoria, eles se localizam parâmetro audit_file_dest. Auditoria é a habilidade do banco de dados Oracle poder gerar logs de auditoria (XML, tabelas, arquivos de SO, ) em atividades suspeitas do usuário, como por exemplo: monitorar o que um determinado usuário

Leia mais

Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES.

Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES. SEGURANÇA DE USUÁRIOS Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES. Todos os usuários são cadastrados no Dicionário de Dados do Banco em tabelas e views

Leia mais

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados Profº Aldo Rocha Banco de Dados HOJE! CREATE TABLE com uma Chave primária Primeiramente façam um SELECT na tabela pessoa. Percebam que não há NENHUMA CHAVE PRIMÁRIA. utilizem o comando SHOW CREATE TABLE

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents Banco de dados Linguagens de Banco de Dados II 1 Linguagem de Definição de Dados - DDL Comandos utilizados para criação do esquema de dados; Um DDL permite ao utilizador definir tabelas novas e elementos

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Linguagem SQL (Parte II)

Linguagem SQL (Parte II) Universidade Federal de Sergipe Departamento de Sistemas de Informação Itatech Group Jr Softwares Itabaiana Site: www.itatechjr.com.br E-mail: contato@itatechjr.com.br Linguagem SQL (Parte II Introdução

Leia mais

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre ROTEIRO PARA O 3º TRIMESTRE 1. O MySQL DDL SQL 1. Como funciona o MySQL 2. Como criar um banco de dados no MySQL 3. Como criar tabelas: comandos

Leia mais

Introdução à linguagem SQL

Introdução à linguagem SQL Introdução à linguagem SQL 1 Histórico A linguagem de consulta estruturada (SQL - Structured Query Language) foi desenvolvida pela empresa IBM, no final dos anos 70. O primeiro banco de dados comercial

Leia mais

SQL BÁSICO. Introdução. Prof. Suelane Garcia. Linguagem SQL (Structured Query Language)

SQL BÁSICO. Introdução. Prof. Suelane Garcia. Linguagem SQL (Structured Query Language) SQL BÁSICO Prof. Suelane Garcia Introdução 2 Linguagem SQL (Structured Query Language) Linguagem de Consulta Estruturada padrão para acesso a Banco de Dados. Usada em inúmeros Sistemas de Gerenciamento

Leia mais

SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS 1

SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS 1 SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS 1 AULA 01 1. Qual das seguintes linguagens deu origem à atual SQL (Strututured Query Language)? a) COBOL b) FORTRAN c) SEQUEL d) C e) C++ 2. Sistema Gerenciador

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. MySQL 5. Juliano Niederauer Rubens Prates. Novatec Editora

Guia de Consulta Rápida. MySQL 5. Juliano Niederauer Rubens Prates. Novatec Editora Guia de Consulta Rápida MySQL 5 Juliano Niederauer Rubens Prates Novatec Editora Copyright 2006 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados II

Laboratório de Banco de Dados II Laboratório de Banco de Dados II Esquema de um banco de dados relacional Em aulas anteriores, vocês implantaram um projeto físico de banco de dados com todos os seus elementos, inclusive tratando do projeto

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

PostgreSQL 8.0. Diogo Biazus

PostgreSQL 8.0. Diogo Biazus PostgreSQL 8.0 Diogo Biazus PostgreSQL 7.X Totalmente ACID MVCC Tipos e operadores customizáveis Diversas linguagens procedurais Hot backup Código aberto (BSD) Facilidade de extensão PL/pgSQL, PL/Python,

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

MySQL: Controle de Acesso

MySQL: Controle de Acesso MySQL: Controle de Acesso Programação de Servidores Marx Gomes Van der Linden http://marx.vanderlinden.com.br/ Controle de Acesso MySQL tem um sistema de controle de acesso de usuários que é independente

Leia mais

Administração de Usuários e Privilégios no Banco de Dados

Administração de Usuários e Privilégios no Banco de Dados Administração de Usuários e Privilégios no Banco de Dados Todo agrupamento de bancos de dados possui um conjunto de usuários de banco de dados. Estes usuários são distintos dos usuários gerenciados pelo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL Carga horária: 32 Horas Pré-requisito: Para que os alunos possam aproveitar este treinamento ao máximo, é importante que eles tenham participado dos treinamentos

Leia mais

SQL: Definição de tabelas, Modificações à Base de Dados

SQL: Definição de tabelas, Modificações à Base de Dados SQL: Definição de tabelas, Modificações à Base de Dados Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 24 Definição do esquema da base de dados O esquema da BD é composto pelas definições de

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

A instância fica alocada na memória compartilhada (shared memory) e é a combinação do System Global Area (SGA) com os processos background Oracle.

A instância fica alocada na memória compartilhada (shared memory) e é a combinação do System Global Area (SGA) com os processos background Oracle. ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO Instance Na instância são executados processos e espaços em memória, estes permitem ao Oracle cumprir com seu papel de manter a integridade, confidencialidade e disponibilidade

Leia mais

Controle de transações em SQL

Controle de transações em SQL Transações Controle de transações em SQL Uma transação é implicitamente iniciada quando ocorre uma operação que modifica o banco de dados (INSERT, UPDATE ou DELETE). Uma transação pode terminar normalmente

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Linguagem SQL Parte I

Linguagem SQL Parte I FIB - Centro Universitário da Bahia Banco de Dados Linguagem SQL Parte I Francisco Rodrigues Santos chicowebmail@yahoo.com.br Slides gentilmente cedidos por André Vinicius R. P. Nascimento Conteúdo A Linguagem

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Structured Query Language (SQL) Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Ambiente Simplificado de um SGBD 2 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco

Leia mais

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br PostgreSQL www.postgresql.org André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br Características Licença BSD (aberto, permite uso comercial) Multi-plataforma (Unix, GNU/Linux,

Leia mais

Armazenamento organizado facilitando SCRUD; Agiliza processo de desenvolvimento de sistemas;

Armazenamento organizado facilitando SCRUD; Agiliza processo de desenvolvimento de sistemas; Conjunto de informações relacionadas entre si; Armazenamento organizado facilitando SCRUD; Agiliza processo de desenvolvimento de sistemas; Conjunto de Tabelas onde cada linha é um vetor de dados específico;

Leia mais

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br INTRODUÇÃO AO SQL Ferramentas brmodelo Ferramenta Case PostgreSQL versão 8 ou superior SGBD Em 1986 o American

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

SQL comando SELECT. SELECT [DISTINCT] FROM [condição] [ ; ] Paulo Damico - MDK Informática Ltda.

SQL comando SELECT. SELECT [DISTINCT] <campos> FROM <tabela> [condição] [ ; ] Paulo Damico - MDK Informática Ltda. SQL comando SELECT Uma das tarefas mais requisitadas em qualquer banco de dados é obter uma listagem de registros armazenados. Estas tarefas são executadas pelo comando SELECT Sintaxe: SELECT [DISTINCT]

Leia mais

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL Linguagem SQL Sub-linguagem DDL A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language para suas

Leia mais

Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server

Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server Para efetuar com sucesso os exemplos que serão mostrados a seguir é necessário que exista no SQL Server uma pessoa que se conecte como Administrador,

Leia mais

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados EXERCÍCIOS PRÁTICOS Banco de Dados Introdução ao uso do SQL Structured Query Language, considerando tanto DDL Data Definition Language quanto DML Data Manipulation Language. Banco de Dados selecionado:

Leia mais

SQL DDL ALTERAÇÃO DA ESTRUTURA DE TABELAS - ALTER TABLE - ALTER TABLE NOME_TABELA ADD [COLUMN] NOME_COLUNA TIPO_COLUNA RESTRIÇÕES

SQL DDL ALTERAÇÃO DA ESTRUTURA DE TABELAS - ALTER TABLE - ALTER TABLE NOME_TABELA ADD [COLUMN] NOME_COLUNA TIPO_COLUNA RESTRIÇÕES ALTERAÇÃO DA ESTRUTURA DE TABELAS - ALTER TABLE - 1. Alterar tabela a. Adicionar coluna: ADD [COLUMN] NOME_COLUNA TIPO_COLUNA RESTRIÇÕES Obs.: a palavra COLUMN, opcional no padrão SQL, não pode ser usada

Leia mais

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação.

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação. Mecanismo usado para mais fácil e rapidamente aceder à informação existente numa base de dados. Bases de Dados de elevadas dimensões. Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de

Leia mais

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) )

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) ) TADS Exercício Laboratório I Analise o modelo de banco de dados abaixo: MUSICA FAIXA Codigo_Musica: INTEGER Nome_Musica: VARCHAR(60) Duracao: NUMERIC(6,2) Codigo_Musica: INTEGER (FK) Codigo_CD: INTEGER

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 11-1. INTRODUÇÃO TRIGGERS (GATILHOS OU AUTOMATISMOS) Desenvolver uma aplicação para gerenciar os dados significa criar uma aplicação que faça o controle sobre todo ambiente desde a interface, passando

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

Conversão de ambientes

Conversão de ambientes Conversão de ambientes Single File System RAC ASM Backup + Restore + Conversão + Recovery ORIGEM DESTINO : BANCO DE DADOS ORACLE SINGLE EM FILESYSTEM NATIVO : BANCO DE DADOS ORACLE ORACLE RAC EM ASM Na

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

Projeto de Banco de Dados: Empresa X

Projeto de Banco de Dados: Empresa X Projeto de Banco de Dados: Empresa X Modelo de negócio: Empresa X Competências: Analisar e aplicar o resultado da modelagem de dados; Habilidades: Implementar as estruturas modeladas usando banco de dados;

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes Banco de dados 1 Linguagem SQL DDL e DML Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: Introdução à linguagem de dados; DDL; DML; CRUD; Introdução à linguagem SQL. 2 Por que precisamos da linguagem SQL? A algebra

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

FAPLAN - Faculdade Anhanguera Passo Fundo Gestão da Tecnologia da Informação Banco de Dados II Prof. Eder Pazinatto Stored Procedures Procedimento armazenados dentro do banco de dados Um Stored Procedure

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Oracle University Entre em contato: 0800 891 6502 Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Duração: 5 Dias Objetivos do Curso Esta classe se aplica aos usuários do Banco de Dados Oracle8i,

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA DEFINIÇÃO DE OBJETOS DE BANCO DE DADOS E DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO QUE CONSTITUEM O BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA PARA DEFINIÇÃO DE OBJETOS DE BANCO DE DADOS E DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO QUE CONSTITUEM O BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA PARA DEFINIÇÃO DE OBJETOS DE BANCO DE DADOS E DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO QUE CONSTITUEM O BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.04.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.04.01.pdf

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

BANCO DE DADOS WEB AULA 4. linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

BANCO DE DADOS WEB AULA 4. linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com BANCO DE DADOS WEB AULA 4 linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O que é SQL? Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL,

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL)

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Conceitos sobre a versão ANSI da SQL, a sublinguagem de definição de dados (DDL) e a sublinguagem de manipulação de dados (DML) Prof. Flavio Augusto C. Correia 1

Leia mais

No Fedora, instalamos os pacotes "mysql" e "mysql-server", usando o yum:

No Fedora, instalamos os pacotes mysql e mysql-server, usando o yum: Instalando o MySQL O MySQL é um banco de dados extremamente versátil, usado para os mais diversos fins. Você pode acessar o banco de dados a partir de um script em PHP, através de um aplicativo desenvolvido

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Fundamentos de SQL Structured Query Language Aula2 Apresentado por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685

Leia mais

MySQL. Prof. César Melo. com a ajuda de vários

MySQL. Prof. César Melo. com a ajuda de vários MySQL Prof. César Melo com a ajuda de vários Banco de dados e Sistema de gerenciamento; Um banco de dados é uma coleção de dados. Em um banco de dados relacional, os dados são organizados em tabelas. matricula

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO APLICATIVO

PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO APLICATIVO PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO APLICATIVO MASTERSAFDW VERSÃO 5-25/04/12 PÁGINA 1 Índice Informações Importantes... 3 Atualizando o aplicativo... 4 Procedimentos para atualização da base de

Leia mais

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes SQL Hélder Antero Amaral Nunes 2 Introdução Desenvolvida pelo departamento de pesquisa da IBM na década de 1970 (System R); Linguagem padrão de BD Relacionais; Apresenta várias padrões evolutivos: SQL86,

Leia mais

Guia de procedimentos de backups

Guia de procedimentos de backups Guia de procedimentos de backups Sumário Sobre o guia 3... 4 Procedimentos de backup do banco de dados Oracle... 5 Backup lógico... 6 Backup físico... 7 Envio de backup... para fita 9 2 3 Sobre o guia

Leia mais

Oracle 10g ASM. Implementando o Automatic Storage Management

Oracle 10g ASM. Implementando o Automatic Storage Management Oracle 10g ASM Implementando o Automatic Storage Management Automatic Storage Management de clusters a máquinas multiprocessadas distribui o I/O entre os recursos elimina o balanceamento manual de I/O

Leia mais

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br. RMAN: Ambiente de backup

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br. RMAN: Ambiente de backup RMAN: Ambiente de backup Olá amigos! Após algumas séries de colunas explicando os conceitos e modos que o RMAN pode trabalhar, iremos aprender a utilizar essa ferramenta para auxiliar os serviços administrativos

Leia mais

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL)

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva SQL (MySql) ROTEIRO I PARTE - INTRODUÇÃO AO SQL COMANDOS E SUAS PARTES DA LINGUAGEM SQL II PARTE ADMINSTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO MYSQL PRINCIPAIS INSTRUÇÕES

Leia mais

LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO

LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

Linguagem SQL. Comandos Básicos

Linguagem SQL. Comandos Básicos Linguagem SQL Comandos Básicos Caetano Traina Júnior Grupo de Bases de Dados e Imagens Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos caetano@icmc.sc.usp.br Comando

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Objetivos: Criar restrições para atributos, chaves primárias e estrangeiras; Explorar consultas SQL com uso de

Leia mais

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE Faculdade Pernambucana - FAPE Visão Geral dos Componentes Principais da Arquitetura Oracle Servidor Oracle É o nome que a Oracle deu ao seu SGBD. Ele consiste de uma Instância e um Banco de Dados Oracle.

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 10 - PROCEDIMENTOS ARMAZENADOS - STORED PROCEDURES 1. INTRODUÇÃO Em muitas situações será necessário armazenar procedimentos escritos com a finalidade de se utilizar recursos como loop, estruturas

Leia mais

MANUAL INSTALAÇÃO WEB SERVICE

MANUAL INSTALAÇÃO WEB SERVICE MANUAL INSTALAÇÃO WEB SERVICE Recebimento de dados pelo Hospital Versão 1.1 2/9/2014 Contato suporte@gtplan.com.br Índice Introdução... 2 Requerimentos para instalação do Web Service... 2 Instalação...

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Instalando e Configurando o Oracle XE

Instalando e Configurando o Oracle XE Instalando e Configurando o Oracle XE Execute o instalador do Oracle XE (OracleXEUniv.exe) e aguarde enquanto os arquivos de instalação são descompactados; A seguir, clique em Next para iniciar o procedimento;

Leia mais