Vantagens e Desvantagens da Utilização do Banco de Dados Oracle

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vantagens e Desvantagens da Utilização do Banco de Dados Oracle"

Transcrição

1 Vantagens e Desvantagens da Utilização do Banco de Dados Oracle JULIANO SOARES CORRÊA MARCOS ROBERTO MARCONDES EsAEx- Escola de Administração do Exército, Rua Território do Amapá, 445, Pituba, Salvador BA, Brasil Resumo. Este artigo tem por objetivo descrever aspectos a serem considerados antes de qualquer implantação de um sistema de informação em uma instituição, usando o SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados) Oracle. Para tanto serão avaliadas as vantagens e desvantagens do SGBD Oracle, como meta principal, e como tópicos de apoio serão abordados o tamanho da organização, importância da Tecnologia de Informação, política administrativa, organização da automação, estrutura da instituição e a necessidade de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados. Com base em informações publicadas nos sítios da Oracle e em bibliografias relacionadas com o assunto, foi elaborada uma estrutura com os itens mencionados acima. Estes tópicos apresentam teorias para serem analisadas previamente por um administrador que tenha o objetivo de incluir o Oracle como gerenciador de base de dados. Desta forma a entidade beneficiada não correrá o risco de investir em tecnologia que não atenda satisfatoriamente suas expectativas. Portanto as organizações utilizarão o Oracle quando for realmente necessário para o cumprimento de suas metas e não apenas por imposição das novas tecnologias. Palavras-Chave. Vantagens, Desvantagens, Oracle, SGBD Abstract. This article objectify describe aspects to be considered before some information system implantation in an institution, using the DMS (Database Manager System) Oracle. So the MDS Oracle advantages and disadvantages, as main goal, will be evaluated and as base topics will be approached the institution size, Information Technology importance, governing politics, automation arrangement, institution structure and a Manager Database System necessity. Based in information published on Oracle sites and bibliography related with the subject, was elaborated a structure with the topics above mentioned. These subjects present theories to be analyzed in advance by an administrator who has the objective to include the Oracle as database manager. In this manner the organization won t risk to invest in technology that doesn t attend satisfactorily its expectations. Thus the institution will use the Oracle when it be really necessary to execute its goals and not only by new technologies imposition. Key-words. Advantages, Disadvantages, Oracle, DMS

2 1. Introdução Com o ambiente tecnológico tornando-se mais dinâmico e mutável, usuários demandam acesso a informação de uma maneira mais rápida e eficiente. Aplicações são desenvolvidas para atender estas necessidades e elas têm seus próprios quesitos de utilização, função e desempenho. O mercado tem trabalhado no intuito de oferecer SGBD s (Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados) que correspondam às expectativas das empresas e instituições. Neste contexto, o artigo visa abordar a realidade da utilização de um SGBD Oracle para desenvolvimento de sistemas. Trataremos portanto dos benefícios e malefícios quanto ao emprego deste software, levando em consideração o tamanho da organização, a importância do ambiente de informática, a estrutura e a política interna da entidade. O Oracle foi desenvolvido no intuito de ser um SGBD eficiente no tocante a gerência, confiável, preciso e eficaz. Este software no entanto tem seus próprios requerimentos de disponibilidade, desempenho e funcionalidade, sendo portanto necessário descriminar e explanar alguns deles para avaliação do real custo e benefício na aquisição e uso desta ferramenta. Deve-se analisar também a necessidade de performance, assim como a expectativa de crescimento, pois será de suma importância para a sobrevivência da entidade. Além disso a cultura e a política administrativa da organização deverá ser considerada, pois baseado no que já existe, ou não, de tecnologia é que se poderá concluir qual a melhor ferramenta a ser utilizada para manipular as informações da instituição. 2. Aspectos Administrativos a Serem Considerados 2.1 Tamanho e Importância do Ambiente de Informática As empresas privadas vivem constantemente em competição, disputando mercado com seus concorrentes afins. Esta disputa é calcada na divulgação e qualidade do produto ou serviço oferecido, aliado ao custo, e para obter resultados o empresário deve agilizar, organizar e selecionar as informações que possibilitarão atingir seus objetivos. A TI (Tecnologia da Informação) surgiu para oferecer ao mercado competitivo, oportunidades de sucesso em seus empreendimentos, com segurança. Para isto é fundamental a criação de uma cultura voltada para o crescimento tecnológico com resultados práticos, ou seja, aumento de lucros sem queda da qualidade. Nesta ótica, os administradores devem avaliar diversos aspectos e particularidades como: área de atuação, tipo de produto ou serviço, tamanho da empresa, etc.. Os tomadores de decisão, antes de implantar uma tecnologia em suas organizações devem considerar se esta já possui ou não uma estrutura de informática funcionando. Por isso e primando por qualidade, a implantação de softwares deve ser muito bem mensurada, considerando não só o que a nova ferramenta trará de benefícios, mas também o que já foi investido em tecnologia já implantada e em funcionamento. Partindo dessa premissa sugere-se uma análise mais detalhada dos custos empregados em software, hardware, tempo de implantação e cursos da ferramenta em uso dispensados aos usuários, assim como os novos treinamentos destes profissionais na futura ferramenta. Tal mudança poderá ser muito onerosa à instituição e assim não compensar sua implantação. Dentro destes conceitos o responsável pela informatização terá que verificar o porte da área ou setor a ser beneficiado com a nova tecnologia. Para se ter uma referência e facilitar a análise abordar-se-á o conceito de organizações de pequeno e médio porte Ambiente de Pequeno Porte No momento em que seu efetivo ultrapassa um determinado limite, a pequena empresa estabelece um sistema de delegação de autoridade no interior do seu grupo de execução. São criados postos de contramestre da fábrica, chefe da equipe de manutenção etc., que determinarão um certo número de níveis e de ligações. Diga-se a propósito, que nas pequenas empresas comerciais encontraremos uma estrutura semelhante.

3 O administrador delega o comando da execução ao chefe da seção, desempenhando ele mesmo as demais atribuições com assistência do contador e do vendedor que não recebem qualquer delegação de autoridade ou de decisão. No campo das atividades auxiliares, contabilidade, compras, vendas, etc., o administrador terá de ser ajudado de forma temporária ou permanente por um perito contábil, por um vendedor, etc. Desta forma, pouco a pouco vai sendo constituído um estadomaior (staff), composto de assistentes especializados, que porém, não possuem delegação de autoridade funcional ou poder de decisão. Neste caso, a estrutura é do tipo linha e assessoria (line and staff), assim permanecendo enquanto o administrador puder ele mesmo exercer a autoridade nas áreas auxiliares para as quais recebe ajuda e conselhos do seu estadomaior (SIMERAY, 1980). Levaremos em consideração que uma pequena empresa é aquela que possui menos de dez funcionários e que trabalhe com menos de R$10000,00 mensais Ambiente de Médio Porte Mesmo que a empresa permaneça concentrada, a partir de uma determinada dimensão o chefe de empresa não possui mais o tempo necessário para tomar por si mesmo as decisões relativas às áreas auxiliares. Ele deve então delegar parte de sua autoridade aos seus assistentes, que se tornam chefes de serviços especializados, chefe de pessoal, chefe de vendas, chefe da contabilidade, etc.. Esta autoridade delegada pode ser considerada como sendo hierárquica por funções, no sentido em que, cada pessoa que recebe delegação possui autoridade hierárquica sobre os indivíduos que trabalham em seu serviço e poder de decisão sobre sua área de trabalho, sem interferir em outros setores. Portanto, não existe autoridade funcional no sentido exato da palavra, e sim autoridade hierárquica sobre a função. As ligações entre os serviços são de cooperação, eventualmente do tipo cliente-fornecedor, mas nunca do tipo funcional. Cada um recebe ordens e diretrizes exclusivamente do seu superior hierárquico. Diremos então que a estrutura é hierárquica por funções (SIMERAY, 1980). Levaremos em consideração que uma empresa de médio porte é aquela que possua entre dez e cinqüenta funcionários e trabalhe, em média, com até R$50000,00 mensais. A de grande porte assemelha-se a de médio porte, porém com valores maiores. 2.2 Cultura da Instituição Toda instituição tem uma cultura que norteia seus procedimentos e tendências. Através dela a entidade constrói sua organização e estrutura suas atividades. No aspecto tecnológico a entidade deve ter um conceito sobre informatização, evidenciando a importância de tal assunto para a mesma. Diante disto inclui-se como manipular as informações, a postura dos líderes sobre a importância e os benefícios que a TI trará de resultados, a estrutura tecnológica já investida e o nível de capacitação dos usuários. São nestes princípios que o responsável pelas decisões terá que refletir quando se tratar de cultura da empresa. 2.3 Política Administrativa e da Tecnologia da Informação Muitos administradores não têm uma visão prática de quanto a Tecnologia da Informação pode facilitar seus trabalhos e propiciar à entidade a alcançar seus objetivos com qualidade. Outros já percebem o quanto a informática, bem empregada, pode capacitar a organização a atingir suas metas e até mesmo superá-las. A partir daí os responsáveis pelas decisões impõem à área de sua gerência uma cultura interna baseada em seus conceitos. E isto influi diretamente na decisão de que ferramenta utilizar para a informatização. Contudo não há como resistir a tecnologia por muito tempo e os administradores mais conservadores acabam cedendo, mesmo sem concordar plenamente. Sendo assim é necessário compreender que no processamento da informação, entendido em sentido amplo, podemos distinguir três elementos principais cujo encadeamento e convergência formam um procedimento complexo: - O registro dos dados; - A transmissão dos dados; e - O processamento da informação propriamente dita. Restará em seguida, interpretar e utilizar estas informações, tendo em vista as decisões de orientação ou de correção. Caso esta última fase do procedimento, que inclui a escolha humana, não puder ser reduzida, o conjunto das etapas anteriores poderá ser superado mais rapidamente em virtude: - do teleprocessamento para o registro dos dados; - das telecomunicações para a sua transmissão; e - da automação para o seu tratamento. A ordem adotada para enumeração destes meios, que corresponde a sua seqüência lógica: registro, transmissão e processamento, não são necessariamente a ordem utilizada para sua introdução gradativa na empresa. 2.4 Organização e Estrutura da Automação

4 O desenvolvimento das telecomunicações é que permite recorrer eficazmente à automação administrativa na empresa. Realmente, a ampla utilização dos meios importantes de que ela necessita, exige sua concentração num determinado ponto da empresa. Os organismos locais não mais dispõem de meios próprios de processamento da informação, tornando-se então clientes de um serviço central. Para que este fornecedor preste um serviço verdadeiramente eficaz, é preciso que o tempo ganho no processamento da informação não seja superado pela demora de transmissão, tanto no momento de enviar os dados em bruto, quanto na ocasião de difundir as informações elaboradas. Qual será então a incidência da automação sobre as estruturas e os procedimentos da empresa? 1º Concentração dos meios esta concentração econômica acarreta um desenvolvimento dos serviços responsáveis da sede, tanto com relação ao processamento da informação em si mesmo, quanto no que tange a elaboração dos programas e a escolha dos materiais. A importância relativa dos órgãos centrais e locais certamente sofre alterações. Em todo caso, sejam quais forem às mudanças de maior ou menor importância efetuadas, o principio básico da estrutura será mantido (SIMERAY, 1980); 2º Revisão dos procedimentos os procedimentos antigos devem ser modificados a fim de que os circuitos de transmissão das informações sejam adaptados aos novos meios. A introdução da automação exige que a Organização Administrativa intervenha, valorizando e desenvolvendo o órgão que dela se encarrega. No entanto, também neste caso a estrutura atualmente em vigor não sofre uma modificação profunda, pelo menos em relação as suas grandes linhas (id, ibid); e 3º Recentralização das decisões a descentralização das decisões resultava de uma necessidade de eficácia, qual seja, reduzir o comprometimento dos anéis de informação a fim de minimizar o tempo de intervenção, situando a decisão junto à fonte de informação. Entretanto, a partir de agora o tempo de intervenção foi reduzido pela automação e o circuito de transmissão das informações foi prolongado. Desapareceram assim parte dos problemas que tornavam a descentralização necessária (id, ibid). O recurso da automação que modifica a estrutura da rede de informações, pode acarretar um deslocamento dos centros de decisão. Dois casos devem ser então considerados: O centro de processamento automático dos dados é considerado simples fornecedor de serviços, recebendo informações em bruto e restituindo-as devidamente elaboradas. Seus clientes são ao mesmo tempo a Diretoria Geral e as unidades descentralizadas. Neste momento a Diretoria Geral conhece mais rapidamente do que no passado, os resultados globais da empresa, pois eles estão disponíveis ao mesmo tempo em que os dados saem das unidades locais. Ela toma conhecimento de determinados fatos que interessam a estas unidades, com alguma prioridade sobre elas. Porém, na medida em que a utilização das informações se efetua no local, a automação não provoca nenhuma modificação profunda na estrutura, a autonomia local é mantida e somente o controle é reforçado. No momento em que a sede possuir uma prioridade bem definida e uma exclusividade temporária da informação relacionada a atividade dos órgãos descentralizados, ter-se-á transposto um limiar. Os órgãos descentralizados perderão, ao menos em algumas áreas, a autonomia de decisão que lhes foi delegada, e sentirão realmente falta das informações necessárias, que daí em diante estarão concentradas na sede. A informação e a sua correta utilização diferenciam as empresas de sucesso das outras. O gerente administrativo deve ter em suas prioridades o aperfeiçoamento tecnológico aliado à produtividade. Os sistemas de informação podem auxiliar as empresas a sanarem um grande problema dos dias de hoje: a necessidade de informações internas e externas em um curto espaço de tempo. Essa necessidade surge pelo fato das rápidas mudanças ocorrerem no mercado. Ao longo do tempo, observou-se o desenvolvimento de diferentes tipos de sistemas de informações: transacionais, gerenciais, de apoio à decisão, para automação de escritório, para mineração de dados, especialistas, para executivos, de gestão empresarial e de relacionamento com o cliente. A integração da informação continua sendo um grande desafio. A implantação de tecnologias da informação envolve tanto a parte física e lógica quanto a parte humana. Sendo assim, as empresas devem investir em equipamentos que possam suprir suas necessidades, em softwares que dão suporte às atividades desempenhadas pelos seus profissionais, assim como no aprimoramento de seus colaboradores. Nessa implantação, é necessário que todo o esforço e investimento estejam voltados para o negócio da organização. A implantação de tecnologias da informação é antes realizada manualmente e passa a ser realizada por meios mais rápidos e seguros, agilizando todos os processos encadeados. Segundo Freitas et al. (1997, p. 77), os sistemas de informações são mecanismos cuja função é coletar, guardar e distribuir informações para suportar as funções gerenciais.

5 Os sistemas de informações podem auxiliar as empresas a suprirem a necessidade de informações internas e externas em um curto espaço de tempo, advinda das rápidas mudanças que ocorrem no mercado. Sem informações, as empresas não conseguem tomar decisões adequadamente, nem interagir apropriadamente no ambiente em que se encontram, prejudicando, desta forma, o seu desempenho. 3. Aspectos Técnicos a Serem Considerados 3.1 Necessidade de um SGBD Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados é fundamental para que a empresa armazene seus dados e posteriormente os atualize e disponibilize de acordo com suas necessidades. O dilema é qual SGBD utilizar e como fazê-lo adequadamente. Não está ainda claro se a produtividade e a qualidade dos produtos estão mesmo a melhorar com a introdução massiva destes meios na maioria das empresas. Dispor de meios tecnologicamente evoluídos não é uma garantia definitiva da obtenção de bons resultados. Atualmente vive-se a um ritmo alucinante. Um carro fica fora de moda no mês seguinte ao da sua aquisição. Um computador fica ultrapassado no dia da sua compra! Mas, o software já está desatualizado no momento da compra. Quando selecionamos meios informáticos, por exemplo, um computador grande ou pequeno, não sabemos se é o mais adequado, mas temos a certeza absoluta que haverá um processador mais veloz à venda na mesma loja no dia seguinte! A Intel encarregar-se-á de fazê-lo chegar ao mercado. Então, o que é que nos faz embarcar tão rapidamente na aquisição do tal computador? Há questões que devemos colocar antes de alinhar na crista da onda das tecnologias mais recentes. Por exemplo, as consequências financeiras da opção por novos sistemas serão mesmo compensadas com ganhos em acréscimos de produtividade e de qualidade dos produtos? Neste enfoque trataremos sobre o SGBD Oracle, procurando oferecer aos leitores deste artigo mais subsídios para avaliarem a utilização ou não deste em suas empresas ou instituições. Nos serviços do dia-a-dia, todos os Administradores de Banco de Dados se deparam com rotinas que devem ser executadas freqüentemente, seja para melhora de performance (atualização de estatísticas de índices, por exemplo), de segurança (verificações de acessos ao sistema ou avisos de perigos) ou a manutenção diária de objetos dos sistemas instalados no SGBD. Desenvolvedores de sistemas também passam por estas mesmas necessidades ao incluírem em suas aplicações rotinas que devem ser executadas periodicamente (atualização de tabelas de saldo, por exemplo) e que, geralmente, são executadas manualmente pelos próprios usuários do sistema podendo assim causar falhas e erros que comprometem toda a aplicação. Vemos a grande necessidade, e ao mesmo tempo a grande dificuldade, dos mesmos em implantar estes tipos de rotinas tanto no SGBD, como também no Sistema Operacional. Essas tarefas são muitas vezes feitas de forma manual, gastando-se assim muitos recursos (tempo e pessoal). 3.2 Oracle, suas Vantagens e Desvantagens Visando informar as características do Banco de Dados Oracle, surge a necessidade de levantar suas vantagens e as desvantagens Vantagens Suporte aos Usuários e a Influência disto na Administração Empresarial A ferramenta tema do artigo é complexa e robusta, por isso o profissional de informática não consegue sozinho dispor eficientemente de todos os recursos oferecidos pelo SGBD Oracle. Sendo assim o apoio técnico de outros profissionais especialistas do SGBD em questão podem dirimir eventuais dúvidas que surgirem esporadicamente. Para isto a Oracle tem alguns serviços. Ela oferece o serviço Oracle Suport Services (OSS) que é o centro das ofertas de serviços da Oracle Corporation. Este suporte possui o chamado serviço TAR (pedido de assistência técnica). Atualmente existem três níveis de suporte, mas somente o segundo dos três níveis, em conjunto com o primeiro, permite que você ligue para criar TARs. Tipos de Suporte: - Oracle Updates Subscription Services (serviços de assinatura de atualizações da Oracle) fornecem atualizações de programa e documentação, acesso ao MetaLink (fórum de suporte on-line da Oracle) e acesso limitado a patches de software por meio do MetaLink, a manutenção geral e versões de funcionalidade selecionadas fazem parte dessa oferta. - Oracle Product Suport (suporte de produtos Oracle) fornecem assistência para TAR 24 horas por dia, 7 dias por semana, acesso ao MetaLink para criação de TAR e atendimento a cliente não-técnico durante o dia comercial em sua área geográfica. -Incident Support (suporte a incidentes) é baseado na Internet, vendido em pacotes de dez TARs de cada vez, e só está disponível pra clientes rodando um dos seguintes versões: - Oracle Database Standard Edition uma versão reduzida da Eterprise Edition, sem parte da funcionalidade mais popular e mais útil, como o particionmento de dados e o suporte para cluster; - Oracle Database Personal Edition uma versão completa do banco de dados Oracle, voltada para indivíduos; - Oracle Database Lite uma versão que lhe permite criar e distribuir aplicaçõs empresariais para

6 uso portátil, realizando interface e compartilhamento de dados fácil com as versões Standard e Enterprise do Oracle, de porte maior Ambiente Amigável para o Cliente Novos grupos de usuários demandam acesso a informação de uma maneira mais rápida e eficiente. As aplicações que são desenvolvidas para atender estas necessidades têm seus próprios requerimentos de disponibilidade, desempenho e funcionalidade. Os Bancos de Dados Oracle podem ser encontrados em quatro edições diferentes, cada uma desenhada de acordo com o tipo de desenvolvimento e/ou cenário de produção. Além disso, a Oracle oferece várias opções adicionais que reforçam as capacidades do Banco de Dados para os requerimentos específicos de algumas aplicações Standard Edition - Este Banco de Dados está orientado ao gerenciamento de dados de aplicações departamentais, nos ambientes cliente/servidor ou, tanto para as intranets como para a internet. O Standard Edition possui ferramentas que facilitam a administração tanto em ambientes locais como distribuídos, assim como os meios necessários para construir as aplicações críticas do negócio. Enterprise Edition - Oferece uma administração poderosa, confiável e segura do banco de dados para qualquer tipo de aplicação: datawarehouse e aplicações de alta demanda via Internet. Oferece todas as ferramentas e funcionalidade para satisfazer os requerimentos de disponibilidade e escalabilidade das aplicações de massa crítica para as empresas de hoje Personal Edition - é o Banco de dados monousuário para o desenvolvimento e/ou produção que requeira completa compatibilidade com Oracle9i Standard Edition e Oracle9i Enterprise Edition. Disponibiliza as funcionalidades do Banco de Dados. As estações de trabalho pessoais, com a facilidade de uso e a simplicidade que você espera de um produto. Lite- Este pequeno Banco de Dados facilita a disponibilidade de aplicações personalizadas usando um grande número de dispositivos móveis. Lite proporciona um completo, integrado e simples esquema móvel de e-business. Lite inclui dois grandes componentes: Mobile Server: este servidor atua como o ponto de entrada dos dispositivos móveis aos serviços das aplicações e-busines; e Mobile Development Kit: proporciona os meios, ferramentas, APIs e exemplos de código para desenvolver aplicações móveis que trabalhem sem conexão. Toda a família de banco de dados Oracle foi construída para potencializar e facilitar o desenvolvimento e o uso da internet Segurança das Informações Muita proteção para os dados: A melhor maneira de aumentar a proteção de dados confidenciais é fornecendo controles de segurança em vários níveis. Com várias linhas de defesa, um mecanismo afetado não chega a comprometer informações críticas. O Oracle Database oferece maior proteção e segurança em vários níveis. A segurança é melhor mantida quando é centralizada. O Oracle Database oferece segurança centralizada, reduzindo o risco e os custos associados ao gerenciamento de um sistema heterogêneo de usuários, aplicações e dados de uma empresa. Todo banco de dados Oracle possui pelo menos um arquivo de controle. Pense no arquivo de controle como a lista de verificação de segurança do banco de dados. Ele contém uma lista de verificação das coisas que precisam estar corretas antes que a instância do banco de dados possa ser iniciada. Pense na instância do banco de dados como todos os programas que precisam estar rodando para que o Oracle selecione, insira, atualize ou exclua uma linha de dados no banco de dados. Essa lista de verificação inclui: nome do banco de dados; nomes e locais dos arquivos de dados; data e hora associadas a todos os arquivos de dados; etc. Se qualquer um desses itens, quando inspecionados, não combinar com a lista de verificação do arquivo de controle, considera-se o banco de dados como suspeito e ele não será iniciado. Se houver um arquivo de dados extra, ele não será iniciado. O banco de dados precisa estar em completo acordo com a lista de verificação do arquivo de controle ou então o banco não será iniciado. Este é um dos tipos de segurança oferecido pela Oracle Performance e Escalabilidade O Oracle9i Database dispõe de vários recursos que lhe proporcionam maior escalabilidade e performance em seu banco de dados. Você obtém Real Application Clusters, que oferece escalabilidade e confiabilidade praticamente ilimitada (ABBEY, 2002). Em benchmarks de processamento de transações, o Oracle Database é líder incontestável (ABBEY, 2002). O Oracle Database detém o recorde mundial em processamento de transações nos benchmarks TPC, inclusive com performance recorde em um único servidor e escalabilidade recorde por processador. Comprovadamente o mais rápido para aplicativos empresariais do mundo real (ABBEY, 2002). Os bancos de dados Oracle também estabeleceram recordes em benchmarks com SAP, Oracle Applications, JD Edwards e PeopleSoftware. Bancos de dados Oracle suportam as cargas de trabalho mais pesadas. Os prêmios recentes da Winter Corporation mostraram que o Oracle é a base para os mais

7 rápidos sistemas de processamento de transações online do mundo Solidez da Empresa Oracle A Oracle está no mercado a mais de 20 anos. Ela é responsável pelo primeiro SGBD a rodar em mainframes e minicomputadores em 1981, atingindo U$2,5 milhões em vendas. Em 1984 atinge U$13 milhões em vendas e lança o Oracle versão 4, com essa versão, o banco de dados alcança verdadeira interoperabilidade entre os servidores e PCs. Em 1986 surge o SGBD da Oracle com capacidades distribuídas, o que faz a empresa atingir a venda de U$55 milhões. Em 1995 ela atinge a casa dos U$2 bilhões em vendas. Com tudo isto é evidente que a Oracle é uma grande empresa de software, com muitos produtos e muitos clientes (ABBEY, 2002). A Oracle fornece os mais altos níveis de disponibilidade e proteção para os dados disponíveis no mercado atualmente. Como exemplos de recursos do Oracle9i Database temos: rápida recuperação de falhas no sistema, recuperação transparente de erro humano, proteção contra corrupção de dados e reduções drásticas na necessidade de downtime planejado. Tudo isto para garantir que o seu e- business esteja sempre disponível. Em detrimento de sua experiência e considerando os resultados obtidos nesses anos de atuação, a Oracle oferece maior segurança e confiabilidade de seus produtos e serviços Desvantagens Custo/Benefício A participação dos custos de informática é crescente em relação aos custos totais da empresa. Veja, a seguir, um resumo de comentários a respeito do assunto, retirado da pesquisa da CIA/FGV sobre o mercado de TI. Os gastos têm crescido 10% ao ano desde 1988, passando de 1,4% em 1990 para 4,2% em 2001 (FGV, 2003); Em 2000, ocorreu uma aceleração com 12%, por causa do bug (FGV, 2003); As maiores taxas de crescimento são das empresas menos informatizadas e do setor de serviços; O gasto total das médias e grandes empresas nacionais costuma estar entre 0,1% e 10% do faturamento (FGV, 2003); O ideal é comparar a média para o ramo de atividade da empresa com os valores dos concorrentes; Os índices para países do primeiro mundo são maiores que os nacionais os USA chegam a perto do dobro por exemplo. O mercado tem baseado as análises de custo de TI em dois principais indicadores, o percentual do faturamento e o custo anual por teclado. Percentual do faturamento é o indicador mais tradicional, que tem auxiliado a avaliar o grau de maturidade do uso da informática, seu grau de importância para a empresa e o nível de serviço provável prestado para a empresa. Um ponto frágil desse indicador é que ele tem baixíssima mobilidade quando se trata de comparar empresas de setores ou mesmo de ramos de atividades diferentes. A variável faturamento tem diferentes significados conforme o ramo, dificultando as comparações entre empresas de ramos diferentes (FGV, 2003). Custo anual por teclado (CAPT) trata-se de uma medida mais recente e mais simples. Ela procura somar os gastos e os investimentos totais em informática antes de dividi-los pela quantidade de equipamentos de informática existentes na empresa. Assim, eventuais restrições de acesso a dados de faturamento são contornadas. Além disso, trata-se de um indicador que facilita comparações entre ramos de atividades diferentes (FGV, 2003). Desta forma o administrador deverá avaliar os custos a serem gastos para a implantação da ferramenta em questão em comparação com os benefícios que ela trará, considerando as aspirações futuras de crescimento e atualizações. Esta avaliação deverá ser cautelosa e minuciosa para que não haja precipitações nas decisões tomadas. E depois de concluída todas as análises, optar pela que seja mais rentável e eficiente para a organização Disponibilidade de Recursos Humanos O custo para adquirir licenças da Oracle é elevado e conseqüentemente os cursos de treinamento nesta ferramenta também o são. Esta realidade encarece a mão de obra especializada, por isso o profissional com conhecimento em Oracle exige uma compensação pecuniária mais elevada que os profissionais de outras ferramentas. Também é bom considerar as atualizações do software que ocorrerão de acordo com o mercado, crescimento e a estrutura da empresa Estrutura de Hardware que Suporte a Ferramenta

8 O Oracle Database necessita, devido aos seus diversos serviços, de um equipamento com boa capacidade de processamento. Qualquer organização que desejar implantá-lo como banco de dados, deverá investir também na estrutura de hardware em sua empresa. Por isso o administrador deve considerar aspectos econômicos com relação a aquisição de novos hardwares. 4. Análise dos Preços dos Principais SGBDs Com o intuito de mensurar valores apresentar-se-á valores reais de mercado da ferramenta Oracle 9i, SQL Server 2000 e da Interbase. SGBD 50 Usuários 200 Usuários Interbase 7 U$3750 U$17250 SQL Server 2000 U$4999 U$19999 Oracle U$15000 U$60000 (A FAMÍLIA, 2002) Todos os preços estão em dólar e estas informações foram adquiridas nos sites das respectivas empresas. 5. Conclusão Através deste artigo procurou-se descrever de forma sintética e objetiva conceitos de ambiente de informática e sua importância, considerando para a implementação de um sistema de informação, utilizando o Banco de Dados Oracle, aspectos administrativos (organizações de pequeno e médio porte, política administrativa e de tecnologia da informação) e aspectos técnicos (a necessidade de um SGBD e as principais vantagens e desvantagens oferecidas pela ferramenta Oracle). Portanto, com os tópicos abordados através deste documento o administrador e o profissional de informática terão mais subsídios para decidir quando utilizar um Banco de Dados Oracle em suas organizações. Dentro de uma análise administrativa, funcional e econômica da instituição, o leitor avaliará o que realmente interessa e pretere para os seus investimentos e isso lhe proporcionará um esclarecimento do que irá perder e ganhar ao se decidir favorável ou não pela ferramenta em questão. O administrador deverá considerar se o ambiente já possui investimentos em outro SGBD específico, se a área de abrangência da informática justifica o SGBD em questão. Os custos tidos com os softwares que já estão funcionando também devem ser avaliados, pois para uma instituição mudar toda sua cultura e fazer um novo treinamento de seus usuários poderá ser muito oneroso. Em uma organização que já tenha uma boa estrutura de informática, não será interessante que ela mude seu gerenciador de base de dados, antes de mensurar os reais custos e benefícios com tal mudança. Além disto deve-se conhecer a visão dos administradores sobre a TI na instituição e dependendo desta, procurar dirimir dúvidas e esclarecer os pontos favoráveis e desfavoráveis de se ter eficiência na informatização dentro da entidade, inclusive levando em consideração sua projeção futura de crescimento. Como ferramenta de apoio o artigo serve para auxiliar os que o consultam sobre quando se deve utilizar o Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados Oracle como ferramenta oficial. Contudo, o artigo não se aprofunda em outra ferramenta Gerenciadora de Banco de Dados e nem como migrar de outros bancos para o Oracle. Isso não impede que o interessado utilize os conceitos vistos aqui e busque outras sugestões que o atenda com menor custo e risco. Agradecimentos Agradeço primeiramente a Deus e minha esposa Vanessa que me apóia sempre em todos os momentos de minha vida. Referências (A FAMÍLIA, 2002) A Família do Banco de Dados Oracle. Rio de Janeiro, Disponível em (ABBEY, 2002) ABBEY, Michael; COREY, Mike; ABRAMSON, Ian. Oracle 9i Guia Introdutório. Editora Campus. Edição (BARCELLOS, 2002) BARCELLOS, Cláudio Sérgio; COSTA, Cristiano André da. Sistemas Distribuídos e Modelo Cliente/Servidor. Disponível em (FGV, 2003) FGV, Fundação Getúlio Vargas. Tecnologia da Informação. São Paulo, Disponível em (RAMALHO, 1999) RAMALHO, José Antônio. Oracle 8i - Internet. Editora Berkley Brasil. Edição (SIMERAY, 1980) SIMERAY, J. P.. A Estrutura da Empresa Princípios e Definições Tipos de Estruturas e Organogramas.

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Para competir com eficácia, as empresas da atualidade precisam se adaptar a um ambiente tecnológico que sofre rápidas mudanças.

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC O AMBIENTE OPERACIONAL QUE AGREGA A CONFIABILIDADE E O SUPORTE DA ITAUTEC À SEGURANÇA E À PERFORMANCE DO LINUX O LIBRIX É UMA DISTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL LINUX

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

CA Protection Suites Proteção Total de Dados

CA Protection Suites Proteção Total de Dados CA Protection Suites Proteção Total de Dados CA. Líder mundial em software para Gestão Integrada de TI. CA Protection Suites Antivírus Anti-spyware Backup Migração de dados Os CA Protection Suites oferecem

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 2 INTRODUÇÃO A cada dia que passa, cresce a pressão pela liberação para uso de novas tecnologias disponibilizadas pela área de TI, sob o argumento

Leia mais

Faça mais com menos. Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix

Faça mais com menos. Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix Faça mais com menos Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix Índice 2 Descomplicado Concentre seus recursos no crescimento, e não na administração. 1 Ágil Amplie seus negócios

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes #Fluxo da Mobilidade de Informação na Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes introdução Muitas foram as áreas da indústria que se beneficiaram dos avanços tecnológicos voltados ao

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

NÍVEIS DE CONTRATO DE SERVIÇOS TÉCNICOS

NÍVEIS DE CONTRATO DE SERVIÇOS TÉCNICOS Para empresas que desejam obter o máimo benefício possível dos produtos da VERITAS Software, é necessário ter acesso ao conjunto completo de serviços de suporte proativos, voltados para o cliente. Nossos

Leia mais

Administration Kit. Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security

Administration Kit. Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security Administration Kit Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security O Kaspersky Administration Kit é uma ferramenta de administração centralizada

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

7 Características Indispensáveis para Melhorar a Eficácia nas Vendas e Estimular Hoje Sua Taxa de Sucesso

7 Características Indispensáveis para Melhorar a Eficácia nas Vendas e Estimular Hoje Sua Taxa de Sucesso 7 Características Indispensáveis para Melhorar a Eficácia nas Vendas e Estimular Hoje Sua Taxa de Sucesso Sete Características Indispensáveis da Eficácia nas Vendas 1 As companhias de hoje não querem apenas

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

LSoft SGC Gestão Empresarial

LSoft SGC Gestão Empresarial LSoft SGC Gestão Empresarial O LSoft SGC é um sistema de gestão dinâmico, eficiente e flexível idealizado para atender diversos segmentos de indústrias, comércios e serviços. O objetivo principal é tornar

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares.

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Introdução A simulação do retorno sobre o investimento (do inglês ROI return on investment) tem sido utilizada como importante ferramenta

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Simplifique: consolidando a gestão do ambiente de trabalho do usuário final

Simplifique: consolidando a gestão do ambiente de trabalho do usuário final Simplifique: consolidando a gestão do ambiente de trabalho do usuário final Para muitas organizações, a rápida proliferação das tecnologias para o usuário final tem demonstrado uma ambigüidade em seus

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações Curso de Especialização em Gestão Empresarial (MBA Executivo Turma 12) Disciplina: Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Dr. Álvaro José Periotto 3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Governança de TI. 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT

Governança de TI. 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT Governança de TI Governança de TI 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT TI precisa de Governança? 3 Dia-a-dia da

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Windows 2008 Server Construído sob o mesmo código do Vista Server Core (Instalação somente

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Mais volume de negócios com clientes satisfeitos

Mais volume de negócios com clientes satisfeitos O DocuWare em vendas e distribuição Solution Info Mais volume de negócios com clientes satisfeitos Vendendo com sucesso em tempos difíceis: cada vez mais os clientes têm maiores expectativas quanto à velocidade

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS Curso: Sistemas de Informação (Subseqüente) Disciplina: Administração de Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br História

Leia mais

Amplie os horizontes da sua empresa com o Software Assurance e o Windows Vista.

Amplie os horizontes da sua empresa com o Software Assurance e o Windows Vista. Amplie os horizontes da sua empresa com o Software Assurance e o Windows Vista. Introdução Software Assurance Windows Vista Trazendo uma série de novas ofertas para maximizar o seu investimento, o Software

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

HP Quality Center. Preparar materiais de treinamento e observações para a nova versão 16 Suporte pós-atualização 16 Suporte 17 Chamada à ação 17

HP Quality Center. Preparar materiais de treinamento e observações para a nova versão 16 Suporte pós-atualização 16 Suporte 17 Chamada à ação 17 Documento técnico HP Quality Center Atualize o desempenho Índice Sobre a atualização do HP Quality Center 2 Introdução 2 Público-alvo 2 Definição 3 Determine a necessidade de uma atualização do HP Quality

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Virtualização Microsoft: Data Center a Estação de Trabalho Estudo de Caso de Solução para Cliente Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Visão

Leia mais

Conheça a nova solução de servidor que ajuda pequenas empresas a fazer mais Com menos.

Conheça a nova solução de servidor que ajuda pequenas empresas a fazer mais Com menos. Conheça a nova solução de servidor que ajuda pequenas empresas a fazer mais Com menos. O papel de um servidor Introdução à rede básica Sua empresa tem muitas necessidades recorrentes, tais como organizar

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais