INFLUÊNCIA DA ENERGIA DE SOLDAGEM NO DESGASTE ABRASIVO DE REVESTIMENTOS DUROS APLICADOS PELO PROCESSO FCAW

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DA ENERGIA DE SOLDAGEM NO DESGASTE ABRASIVO DE REVESTIMENTOS DUROS APLICADOS PELO PROCESSO FCAW"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DA ENERGIA DE SOLDAGEM NO DESGASTE ABRASIVO DE REVESTIMENTOS DUROS APLICADOS PELO PROCESSO FCAW Luciano Vensão Peruchi [Bolsista CNPq] 1, Ossimar Maranho [Orientador] 2, Fernando Henrique Gruber Colaço [Colaborador] 3 1 Bolsista do Programa de Iniciação Científica 2 Departamento de Engenharia Mecânica 3 Mestrando do Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica e de Materiais Campus Curitiba Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Avenida Sete de Setembro, 3165 Rebouças CEP Curitiba Paraná Resumo Como alternativa à substituição de peças desgastadas na indústria, a aplicação de um revestimento duro por soldagem, resistente ao desgaste, apresenta uma boa relação entre custo-benefício. Neste trabalho, estudamos a influência da energia de soldagem em um revestimento aplicado através do processo FCAW (Flux Cored Arc Welding), sendo o consumível um arame tubular autoprotegido de FeCrC (+Ti). A análise de resistência ao desgaste foi feita em um abrasômetro do tipo roda de borracha. Os resultados mostraram que a energia de soldagem não alterou a resistência ao desgaste, mas alterando-se o número de camadas depositadas temos uma maior resistência ao desgaste, devido a menor influência do metal de base. A largura do cordão de solda foi muito maior para a condição de alta energia de soldagem. Palavras-chave: Revestimento Duro; Soldagem; FCAW; Desgaste Abrasivo. Abstract - As an alternative to replacement of worn parts in the industry, the application of a hardfacing by welding, wear resistant, shows good cost-benefit ratio. We studied the influence of welding energy in a coating applied through the process FCAW (Flux Cored Arc Welding), with self-shielded tubular wire FeCrC (+Ti). The analysis of wear resistance was performed on an apparatus Rubber Wheel. The results showed that the welding energy did not change the wear resistance, but, changing the number of layers deposited, we have a higher wear resistance due to lower influence of the base metal. The width of the weld was much larger for the condition of high energy welding. Keywords: Hardfacing; Welding; FCAW; Abrasive Wear. INTRODUÇÃO O desgaste de componentes mecânicos ocorre em todos os campos da indústria. Uma alternativa a substituição da peça desgastada é a aplicação de revestimentos que prolongam sua vida útil e proporcionam uma redução de custo. O desgaste, definido como a perda progressiva de material devido ao movimento relativo de superfícies, é um fenômeno essencialmente superficial. Também é comum a aplicação de revestimentos duros, resistentes

2 ao desgaste, em uma matriz dúctil de um metal menos nobre e consequentemente mais barato, obtendo assim um componente com boa resistência ao desgaste a um menor custo. Os processos de soldagem mais utilizados para a aplicação de revestimentos são aqueles que aliam uma alta taxa de deposição de material a uma pequena diluição no metal base. É desejada a menor diluição possível, para que o metal base tenha a menor influência possível na superfície revestida, não alterando sua composição química e propriedades. O processo de soldagem com arame tubular (FCAW Flux Cored Arc Welding) é um dos que atende esses requisitos. Ele utiliza um eletrodo metálico tubular e a proteção do arco e do cordão é feita através de um fluxo dentro do eletrodo e pode ou não ser suplementada por um fluxo de gás fornecido por uma fonte externa. Além da proteção, o fluxo tem as funções de desoxidar e refinar o metal de solda, adicionar elementos de liga e fornecer elementos que estabilizam o arco elétrico. Algumas variáveis do processo FCAW serão brevemente discutidas abaixo. Energia de soldagem. Também chamada de aporte térmico ou aporte de calor, é a quantidade de calor aplicada no material por unidade de comprimento linear (J/mm). Ela leva em conta a tensão no arco elétrico (V), em Volts; a corrente de soldagem (I), em Amperes; a velocidade de soldagem (s) em milímetros por segundo e a eficiência térmica do processo (η). Ela é dada pela equação (1). Diluição dos Cordões de Solda. É definida como o percentual do metal base que entra na composição do metal de adição, indicados na figura 1, e podendos ser calculados pela equação 2. Também podemos observar o reforço (R), penetração (P) e largura (L) do cordão de solda. (1) (2) Figura 1. Largura, penetração e reforço no cordão de solda. Um dos fatores que influenciam na diluição é a técnica de soldagem. Na técnica puxando a tocha, a alimentação do arame se dá no sentido oposto ao de soldagem, enquanto na técnica empurrando ele é alimentado no mesmo sentido. A diferença das técnicas consiste que, enquanto na técnica puxando o arame é adicionado no metal de solda já depositado, na

3 técnica empurrando ele é adicionado diretamente ao metal de base, levando a um cordão com maior largura e com menor penetração. Para que a alteração na composição química e nas propriedades do revestimento sejam mínimas, é desejado um percentual de diluição baixo, visto que o revestimento possui maior resistência ao desgaste do que o metal de base. Número de camadas de revestimento. Após sucessivos cordões de solda, depositados lado a lado na peça, obtemos uma camada de revestimento. Como já discutido, o metal de base influencia a resistência ao desgaste do revestimento e, visando minimizar isto, são aplicadas camadas sobrepostas de revestimento. Quanto maior o número de camadas de revestimento forem aplicadas, menor será a concentração do metal de base nela, até que não haja mais diluição do metal de base. METODOLOGIA Para este estudo, aplicamos através da soldagem o arame tubular autoprotegido, de liga FeCrC, com 1,6 mm de diâmetro, conforme a tabela 1. Os cordões de solda foram aplicados em chapas de aço AISI 1020 de espessura 6,5mm, largura de 100mm e comprimento de 200mm. Tabela 1. Composição química e dureza nominal do arame tubular. Tipo de Dureza típica Composição Química (%) arame (HRC) C Si Mn Cr Mo Ti FeCrC+Ti 53 (3ª camada) 2,06 0,53 1,14 7,2 1,05 6,84 Foi usada a fonte de soldagem INVERSAL 450 com o sistema de deslocamento da tocha TARTÍLOPE V1, permitindo assim o controle da velocidade de soldagem. Paralelamente, também foi utilizado um sistema de aquisição de dados denominado SAP V 4.01, que permite aferir com precisão os parâmetros envolvidos. Na deposição do material, foi utilizado o sentido positivo de soldagem (empurrando), com angulação da tocha de 75º. A velocidade de soldagem e a distância entre o bico de contato e a chapa foram mantidas contates em 5mm/s e 20mm, respectivamente. A variação da energia de soldagem foi feita variando a tensão de soldagem, utilizando a máxima e a mínima tensão recomendada pelo fabricante e alterando a velocidade de alimentação do arame. Os parâmetros de soldagem são apresentados na tabela 2, abaixo: Tabela 2. Parâmetros de soldagem. Condições de Energia Tensão Corrente Valimentação Vsoldagem stick out Soldagem (J/mm) (V) (A) (mm/s) (mm/s) (mm) Alta Energia Baixa Energia Para determinação prévia de alguns dados como largura (L), penetração (P), reforço (R), diluição (D) e dureza do cordão, foi aplicado um único cordão de solda no centro da chapa para análise. Tal avaliação foi feita com uma câmera LG CCD. Foi utilizado o durômetro EMCOTEST M4C 025 G3M para a medição das durezas.

4 Para a aplicação do revestimento, foram aplicados sucessivos cordões de solda na chapa, lado a lado, até que fosse possível retirar um corpo de prova com 25,4mm de largura e 76,2mm de comprimento, conforme a figura 3. Figura 3. Representação do corpo de prova. O corpo de prova foi fresado na FRESADORA TOS FA 3A-V e a superfície do revestimento foi preparada para o ensaio na RETIFICADORA FERDIMAT T104. O ensaio de desgaste foi realizado em um abrasômetro do tipo roda de borracha, de acordo com a norma ASTM G65-00e1. Antes e depois do ensaio, foi feita a limpeza do corpo de prova na máquina de limpeza por ultrassom STRUERS METASON 60T para que assim fosse determinada a perda de massa, realizada em uma balança eletrônica SHIMADZU AUY220 com resolução de 0,1mg. Figura 4. Marca de desgaste no corpo de prova.

5 RESULTADOS E DISCUSSÕES A tabela 3 apresenta os valores de largura, reforço, penetração e diluição do cordão de solda depositado inicialmente. Nas figuras 5 e 6, temos a seção transversal dos cordões depositados com alta e baixa energia, respectivamente. Tabela 3. Morfologia do cordão de solda. Condição de soldagem L [mm] R [mm] P [mm] A [mm²] B [mm²] Diluição [%] Alta energia 14,37 3,28 3,24 35,66 29,25 45,06 Baixa energia 7,19 2,65 3,2 15,19 15,97 51,25 Figura 5. Alta energia de soldagem. Figura 6. Baixa energia de soldagem. Observando a tabela 3, notamos que a dimensão que mais sofreu alteração foi a largura do cordão. Enquanto no cordão de baixa energia obtivemos uma largura de 7,19 mm, no de alta energia a largura foi de 14,37 mm. Se analisarmos a relação entre a largura e a altura (reforço mais penetração) do cordão, no de baixa energia essa relação é de 1,23 e no de alta energia é 2,20 (79% maior). Já na diluição, não houve uma grande alteração. Na tabela 4 temos os valores da dureza superficial dos revestimentos, medidos em Rockwell C. Denominamos por A e B os corpos de prova de alta e baixa energia de soldagem, respectivamente. O segundo dígito corresponde ao número de camadas depositadas (1 ou 4).

6 Tabela 4. Dureza superficial do revestimento. Dureza do revestimento Condição de soldagem Dureza Desvio padrão A1 56,9 0,3 B1 57,7 0,8 A4 57,5 0,0 B4 57,4 1,1 Analisando os valores de dureza, vemos que não houve uma alteração significativa em seus valores, independente do número de camadas. A diluição não foi grande o suficiente para alterar a dureza nem da primeira camada do revestimento. Na tabela 5, temos o resultado do desgaste abrasivo e sua comparação, na figura 7. Tabela 5. Perda de massa dos revestimentos. CP média (mg) desvio padrão (mg) A1 216,2 13,1 B1 205,6 4,6 A4 178,0 2,4 B4 169,6 10,8 Figura 7. Comparativo entre a perda de massa dos revestimentos. Considerando o desvio padrão das amostras, não podemos dizer que houve alteração na perda de massa quando consideradas as energias de soldagem. Já quando alteramos o número de camadas do revestimento, observa-se que com quatro camadas a perda de massa foi inferior ao revestimento de uma camada. Isso evidencia a influencia do material base sobre qual o revestimento foi depositado. Com quatro camadas, essa influencia é inexistente.

7 CONCLUSÕES Aumentando a energia de soldagem obtivemos cordões de solda muito mais largos, com uma relação entre a largura e a altura do cordão 79% maior. A diluição não foi suficiente para reduzir a dureza do revestimento de uma camada, obtendo assim a mesma dureza para uma e quatro camadas. A energia de soldagem não foi determinante para modificar a resistência ao desgaste, porém aumentando-se o número de camadas temos uma maior resistência ao desgaste, visto que a influência do metal de base é mínima. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem ao CNPq, à Universidade Tecnológica Federal do Paraná, ao Instituto Federal de Santa Catarina, às Indústrias ESAB/AS, ao Instituto de Pesquisas Tecnológicas e a Fundação Araucária. REFERÊNCIAS [1] THE JAMES F. LINCOLN ARC WELDING FOUNDATION. The Procedure Handbook Of Arc Welding. Cleveland, [2] WAINER, E.; BRANDI, S. D.; MELLO, F. D. H. Soldagem: Processos e Metalurgia. Editora Edgard Blücher Ltda, [3] MARQUES, P. V. Tecnologia da Soldagem. Editora O Lutador. Belo Horizinte: ESAB, [4] HUTCHINGS, I. M. Tribology: Friction and Wear of Engineering Materials. Reimpressão: Butterworth-Heinemann, [5] LIMA, A. C.; FERRARESI, V. A. Análise da Resistência ao Desgaste de Revestimento Duro Aplicado por Soldagem em Facas Picadoras de Cana-de-Acúcar. Soldagem & Inspeção, v 15 (2), Abril/Junho 2010.

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Liz F Castro Neto lfcastroneto@gmail.com Dênis de Almeida Costa denis.costa@fatec.sp.gov.br 1. Resumo Na soldagem de união, a

Leia mais

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA Edson Hiromassa Takano 1 Ana Sofia C.M. D Oliveira 2 hiromassa@gmail.com 1 sofmat@ufpr.br 2 1, 2 Departamento de Engenharia Mecânica, Setor de

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem manual com eletrodos revestidos. Familiarizar-se

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda

Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda 1 Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda P. Ortega, UFSC; P. Bernardini, UFSC e L.A, Torres, TRACTEBEL Resumo- O presente

Leia mais

(Comparative Study of the Wear Resistance of Three Metal Cored Wire Welded Coatings Used in Industry) Resumo

(Comparative Study of the Wear Resistance of Three Metal Cored Wire Welded Coatings Used in Industry) Resumo Estudo Comparativo da Resistência ao Desgaste Abrasivo do Revestimento de Três Ligas Metálicas Utilizadas na Indústria, Aplicadas por Soldagem com Arames Tubulares (Comparative Study of the Wear Resistance

Leia mais

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 2: COMPOSIÇÃO QUÍMICA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO

REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 2: COMPOSIÇÃO QUÍMICA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 2: COMPOSIÇÃO QUÍMICA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO Marcos Mesquita da Silva 1 ; Clarice Oliveira da Rocha 2 ; Renato Alexandre Costa de

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

VII Seminário da Pós-graduação em Engenharia Mecânica

VII Seminário da Pós-graduação em Engenharia Mecânica EFEITOS DO PRÉ-AQUECIMENTO E PARÂMETROS DE PULSO SOBRE A MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE SOLDA EM AÇO ARBL Jackson Medeiros da Luz Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Unesp

Leia mais

USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE

USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE Ramos, Daniela Magalhães 1 Ferreira, Carlos Roberto 2

Leia mais

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 409 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 409 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 409 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR Giovanna Agarelli 1 ; Susana Marraccini Giampietri Lebrão 2 1 Aluno de Iniciação Científica

Leia mais

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica Diretor Regional do SENAI e Superintendente de

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister Introdução: Propriedades mecânicas indicam o comportamento dos materiais quando sujeitos a esforços de

Leia mais

REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 1: DILUIÇÃO, TEOR DE Fe E DUREZA

REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 1: DILUIÇÃO, TEOR DE Fe E DUREZA REVESTIMENTOS DE LIGA NiCrMo-4 APLICADOS EM TUBO DE AÇO CARBONO. PARTE 1: DILUIÇÃO, TEOR DE Fe E DUREZA Marcos Mesquita da Silva 1 ; Clarice Oliveira da Rocha 2 ; Bruno Allison Araújo 3 ; Theophilo Moura

Leia mais

Corte Plasma. Processo de corte plasma

Corte Plasma. Processo de corte plasma Corte Plasma Processo de corte plasma CORTE PLASMA Plasma Três estados físicos da matéria: Sólido - Gelo Líquido - Água Gasoso - Vapor A diferença básica: o quanto de energia existe em cada um deles. Gelo

Leia mais

SOLDA A LASER EM CHAPAS FINAS DE AÇO BAIXO CARBONO

SOLDA A LASER EM CHAPAS FINAS DE AÇO BAIXO CARBONO SOLDA A LASER EM CHAPAS FINAS DE AÇO BAIXO CARBONO Luiz Carlos Vicentin Maria Clara F. Ierardi Amauri Garcia Universidade Estadual de Campinas, Departamento de Engenharia de Materiais, CP 6122, 13083-97,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE LIGAS RESISTENTES AO DESGASTE ABRASIVO, APLICADAS POR SOLDAGEM, EM CHAPAS METÁLICAS PARA FABRICAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DO BALANÇO DE FASES FERRITA/AUSTENITA NO METAL DE SOLDA DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 32205 SOLDADO COM TIG

ANÁLISE DO BALANÇO DE FASES FERRITA/AUSTENITA NO METAL DE SOLDA DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 32205 SOLDADO COM TIG ANÁLISE DO BALANÇO DE FASES FERRITA/AUSTENITA NO METAL DE SOLDA DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 32205 SOLDADO COM TIG W.R.V.Sanita, J. L. Padilha, C.R.Sokey, R.C.Tokimatsu, V.A.Ventrella UNESP Departamento

Leia mais

Tabela 1 Matriz Curricular disciplinas do 1º ao 4º período.

Tabela 1 Matriz Curricular disciplinas do 1º ao 4º período. Tabela 1 Matriz Curricular disciplinas do 1º ao 4º período. Período MEC001 Introdução à Engenharia Mecânica 2 30 30 MEC002 Cálculo I 6 90 90 MEC003 Geometria Analítica 1º MEC004 Química Geral e Experimental

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLDA POR DEPOSIÇÃO SUPERFICIALPOR FRICÇÃO EM LIGA DE ALUMÍNIO AL 7075

OTIMIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLDA POR DEPOSIÇÃO SUPERFICIALPOR FRICÇÃO EM LIGA DE ALUMÍNIO AL 7075 OTIMIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLDA POR DEPOSIÇÃO SUPERFICIALPOR FRICÇÃO EM LIGA DE ALUMÍNIO AL 7075 Autores: Gabriel Alvisio Wolfart; Ghisana Fedrigo;.Mario Wolfart Junior Apresentador por trabalho: Gabriel

Leia mais

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem?

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? 1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? (a) Controle de Desempenho de Soldadores e Operadores de Soldagem.. (b) Registro da

Leia mais

Figura n-º 1: arco elétrico utilizando o argônio como gás de ionização.

Figura n-º 1: arco elétrico utilizando o argônio como gás de ionização. 1 1 - FUNDAMENTOS DO PROCESSO O processo de soldagem a arco sob proteção gasosa consiste em um aquecimento localizado da região a se unir, até que esta atinja o ponto de fusão, formando - se então a poça

Leia mais

Tudo no Brasil favorece a produção da sua usina: o clima, o solo e o inox.

Tudo no Brasil favorece a produção da sua usina: o clima, o solo e o inox. Tudo no Brasil favorece a produção da sua usina: o clima, o solo e o inox. Criada em 2011, como resultado do desmembramento do setor inox da ArcelorMittal, a Aperam surgiu como um player global em aços

Leia mais

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado.

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado. USINAGEM 1 USINAGEM Usinagem é um processo onde a peça é obtida através da retirada de cavacos (aparas de metal) de uma peça bruta, através de ferramentas adequadas. A usinagem confere à peça uma precisão

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT 26 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS MINIMIZAÇÃO

Leia mais

palavras chave: indutância, arame tubular,curto-circuito, rendimento de deposição, características geométricas.

palavras chave: indutância, arame tubular,curto-circuito, rendimento de deposição, características geométricas. ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA VARIAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO- CIRCUITO, ATRAVÉS DA INDUTÂNCIA, SOBRE AS CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS E RENDIMENTO REAL DE DEPOSIÇÃO Yukio Kobayashi Faculdade de Engenharia da UNESP

Leia mais

ESTUDO DO DESEMPENHO DE EMBALAGENS METÁLICAS PARA ACONDICIONAMENTO DE CAFÉ SOLÚVEL

ESTUDO DO DESEMPENHO DE EMBALAGENS METÁLICAS PARA ACONDICIONAMENTO DE CAFÉ SOLÚVEL Industrialização ESTUDO DO DESEMPENHO DE EMBALAGENS METÁLICAS PARA ACONDICIONAMENTO DE CAFÉ SOLÚVEL Sílvia Tondella DANTAS - ITAL/CETEA, e-mail: silviatd@ital.org.br Jozeti A. Barbutti GATTI - ITAL/CETEA

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM Construções Metálicas

CURSO DE MESTRADO EM Construções Metálicas CURSO DE MESTRADO EM Construções Metálicas DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - ESCOLA DE MINAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Disciplina: Tecnologia e Metalurgia de Soldagem Carga Horária: 0 Código:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Terminologia Usual de Soldagem e Símbolos de Soldagem Prof. Paulo J. Modenesi Belo Horizonte, julho de 2001 Terminologia

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS André Richetti Jovani Panato Márcio Bacci da Silva Álisson Rocha Machado Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Mecânica,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ENERGIA DE SOLDAGEM NO DESGASTE ABRASIVO DE REVESTIMENTOS DUROS APLICADOS PELO PROCESSO FCAW

INFLUÊNCIA DA ENERGIA DE SOLDAGEM NO DESGASTE ABRASIVO DE REVESTIMENTOS DUROS APLICADOS PELO PROCESSO FCAW INFLUÊNCIA DA ENERGIA DE SOLDAGEM NO DESGASTE ABRASIVO DE REVESTIMENTOS DUROS APLICADOS PELO PROCESSO FCAW Fernando Henrique Gruber Colaço, fernandogruber@ifsc.edu.br 1,2 Luciano Vensão Peruchi, lucianoperuchi@gmail.com

Leia mais

Título: ANALISE DA INFLUÊNCIA DO DIÂMETRO DO FEIXE INCIDENTE NA SOLDAGEM PULSADA COM LASER DE ND:YAG EM CHAPAS FINAS DE MONEL 400.

Título: ANALISE DA INFLUÊNCIA DO DIÂMETRO DO FEIXE INCIDENTE NA SOLDAGEM PULSADA COM LASER DE ND:YAG EM CHAPAS FINAS DE MONEL 400. Título: ANALISE DA INFLUÊNCIA DO DIÂMETRO DO FEIXE INCIDENTE NA SOLDAGEM PULSADA COM LASER DE ND:YAG EM CHAPAS FINAS DE MONEL 400. Autores: Arthur Maximo 1, Dr. Wagner de Rossi 2, Mauricio Ogawa 1 e Dr.

Leia mais

INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS SOLDADAS POR MEIO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS: LIQUIDOS PENETRANTES E PARTICULAS MAGNETICAS

INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS SOLDADAS POR MEIO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS: LIQUIDOS PENETRANTES E PARTICULAS MAGNETICAS INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS SOLDADAS POR MEIO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS: LIQUIDOS PENETRANTES E PARTICULAS MAGNETICAS Daniel Machado da Costa¹; Eduardo José dos Santos Filho²; Lucas Aguiar da Silva³; Pablo

Leia mais

Número 1 em arames tubulares sem costura

Número 1 em arames tubulares sem costura Número 1 em arames tubulares sem costura Desenvolvido por líderes em consumíveis para soldagem voestalpine Böhler Welding www.voestalpine.com/welding Beneficie-se da experiência de um especialista em arame

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Siderurgia A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui um programa

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO Alcindo Fernando Moreira Juno Gallego Ruis Camargo Tokimatsu Wyser José Yamakami Vicente

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont Questão 01 O registro representado na Figura 1 é composto por vários componentes mecânicos, muitos deles, internamente à caraça. Peças com essa característica são difíceis de representar em desenhos técnicos,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TUBOS DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO COM E SEM COSTURA*

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TUBOS DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO COM E SEM COSTURA* ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TUBOS DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO COM E SEM COSTURA* Eng Elie Setton Engenheiro Metalurgista - Depto. da Qualidade - Inoxtubos S/A. Resumo Tubos em aços inoxidáveis podem ser

Leia mais

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Direcção de Formação Processos de Soldadura Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Italo Fernandes EWE / IWE Módulo 1.8 Temas a Tratar - Processos de Soldadura Fio Sólido com Protecção Gasosa Inerte

Leia mais

Otimização de Múltiplos Objetivos na Soldagem de Revestimento de Chapas de Aço Carbono ABNT 1020 Utilizando Arame Tubular Inoxidável Austenítico

Otimização de Múltiplos Objetivos na Soldagem de Revestimento de Chapas de Aço Carbono ABNT 1020 Utilizando Arame Tubular Inoxidável Austenítico Otimização de Múltiplos Objetivos na Soldagem de Revestimento de Chapas de Aço Carbono ABNT 100 Utilizando Arame Tubular Inoxidável Austenítico (Multi-Objective Optimization in Cladding of ABNT 100 Carbon

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA AVALIAÇÃO COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM GMAW E FCAW UTILIZANDO AÇO ASTM A-36 PARA

Leia mais

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência A Família PS 6000 é o mais recente sistema de solda por resistência

Leia mais

Tubos mecânicos Vallourec. facilitam o seu trabalho e aumentam o seu retorno. www.vallourec.com/br

Tubos mecânicos Vallourec. facilitam o seu trabalho e aumentam o seu retorno. www.vallourec.com/br Tubos mecânicos Vallourec. facilitam o seu trabalho e aumentam o seu retorno. www.vallourec.com/br Tubos mecânicos: Aço VMec134AP Diferencial nas Condições de Fornecimento do VMec134AP. Análise Química

Leia mais

Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br

Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br Influência da Velocidade de Soldagem sobre as Geometrias dos Cordões de Solda Realizados Através dos Processos de Soldagem FACW e Soldagem Híbrida (TIG/FACW) Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br

Leia mais

ESTUDO DA OPERACIONALIDADE DO ARAME TUBULAR AWS E71T-1

ESTUDO DA OPERACIONALIDADE DO ARAME TUBULAR AWS E71T-1 CONAMET/SAM-SIMPOSIO MATERIA ESTUDO DA OPERACIONALIDADE DO ARAME TUBULAR AWS ET- Farias, J. P.; Luz, T. S.; Rodrigues; C. E. A. L.. Universidade Federal do Ceará Laboratório de Soldagem ENGESOLDA/UFC;

Leia mais

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I:

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: IFES INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ANDRÉ VANDER PERINI CARLOS EDUARDO POLATSCHEK KOPPERSCHMIDT WILLIAM SFALSIN MANHÃES PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: CADEIRA DE RODAS SÃO MATEUS ES 2013

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA ASPERSÃO TÉRMICA PROCESSO Resumidamente, Aspersão Térmica consiste em um grupo de processos em que materiais metálicos e não metálicos são projetados na forma fundida ou semifundida sobre uma superfície

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MICRODUREZA DE REVESTIMENTOS METÁLICOS DEPOSITADOS PELO PROCESSO GMAW-CW COM UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES GASES DE PROTEÇÃO.

AVALIAÇÃO DA MICRODUREZA DE REVESTIMENTOS METÁLICOS DEPOSITADOS PELO PROCESSO GMAW-CW COM UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES GASES DE PROTEÇÃO. 7º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 7 th BRAZILIAN CONGRESS ON MANUFACTURING ENGINEERING 20 a 24 de maio de 2013 Penedo, Itatiaia RJ - Brasil May 20 th to 24 th, 2013 Penedo, Itatiaia RJ

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

Divisão Elétrica/Hidráulica

Divisão Elétrica/Hidráulica Divisão Elétrica/Hidráulica CARBINOX. O Brasil passa por aqui. Elétrica/Hidráulica A Carbinox é uma empresa que atua há 30 anos fornecendo soluções sob medida para impulsionar o desenvolvimento da economia.

Leia mais

LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEREIRA NO MUNICÍPIO DE GURUPI-TO

LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEREIRA NO MUNICÍPIO DE GURUPI-TO LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEREIRA NO MUNICÍPIO DE GURUPI-TO Adriana Cavalcante Conceição 1 ; Renato da Silva Vieira 2 ; Edy Eime Pereira Baraúna 3 ; Cândida Pereira da Silva

Leia mais

Características do processo

Características do processo SOLDAGEM POR OXIGÁS Processo de soldagem que utiliza o calor gerado por uma chama de um gás combustível e o oxigênio para fundir o metal-base e o metal de adição A temperatura obtida através da chama é

Leia mais

ANÁLISE E OTIMIZAÇÃO DA SOLDAGEM DE REVESTIMENTO DE CHAPAS DE AÇO ABNT 1020 COM UTILIZAÇÃO DE ARAME TUBULAR INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO

ANÁLISE E OTIMIZAÇÃO DA SOLDAGEM DE REVESTIMENTO DE CHAPAS DE AÇO ABNT 1020 COM UTILIZAÇÃO DE ARAME TUBULAR INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ José Henrique de Freitas Gomes ANÁLISE E OTIMIZAÇÃO DA SOLDAGEM DE REVESTIMENTO DE CHAPAS DE AÇO ABNT 1020 COM UTILIZAÇÃO DE ARAME TUBULAR INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO Dissertação

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 54 PROCESSO MIG/MAG (METAL INERT GAS/METAL ACTIVE GAS) MIG é um processo por fusão a arco elétrico que utiliza um arame eletrodo consumível continuamente alimentado à poça

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PROCESSO E DOS PARAMETROS DE SOLDAGEM SOBRE O CICLO TERMICO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL.

INFLUÊNCIA DO PROCESSO E DOS PARAMETROS DE SOLDAGEM SOBRE O CICLO TERMICO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL. 334 INFLUÊNCIA DO PROCESSO E DOS PARAMETROS DE SOLDAGEM SOBRE O CICLO TERMICO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL. Cássia Maria Farias Lopes * Raimundo Carlos Silverio Freire Júnior ** Theophilo Moura Maciel

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 07 Solda A soldagem é um tema muito extenso. Basicamente a soldagem é a união de materiais, mas existem inúmeros processos totalmente diferentes

Leia mais

EME733 INTRODUÇÃO À SOLDAGEM

EME733 INTRODUÇÃO À SOLDAGEM EME733 INTRODUÇÃO À SOLDAGEM Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Engº. Coordenador do Laboratório de Aspersão Térmica e Soldagem Especiais - LABATS Departamento de Engenharia Mecânica - DEMEC Universidade Federal

Leia mais

Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais

Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais Pâmila Thais Heitkoeter de Melo (FATEB Faculdade de Telêmaco Borba)

Leia mais

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I A U A UL LA Recuperação de guias ou vias deslizantes I Uma máquina foi retirada do setor de produção e levada para o setor de manutenção porque havia atingido o seu ponto de reforma. A equipe de manutenção

Leia mais

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 Fabiana Camila Simon (FAHOR) fs000792@fahor.com.br Marcelo Ioris (FAHOR) mi001024@fahor.com.br Tiago Perin (FAHOR) tp000722@fahor.com.br Valtair de Jesus

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TUBOS DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO COM E SEM COSTURA*

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TUBOS DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO COM E SEM COSTURA* ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TUBOS DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO COM E SEM COSTURA* Elie Setton (1) Marcelo Senatore (2) Resumo Tubos em aços inoxidáveis podem ser aplicados na forma com costura ou sem costura.

Leia mais

Técnica da Queima do Zinco ( Burn-zinc ) no Processo de Soldagem a Ponto por Resistência

Técnica da Queima do Zinco ( Burn-zinc ) no Processo de Soldagem a Ponto por Resistência 5 V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Técnica da Queima do Zinco ( Burn-zinc ) no Processo de Soldagem a Ponto por Resistência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais. Terminologia Usual de Soldagem e Símbolos de Soldagem

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais. Terminologia Usual de Soldagem e Símbolos de Soldagem UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Terminologia Usual de Soldagem e Símbolos de Soldagem Prof. Paulo J. Modenesi Belo Horizonte, julho de 2008 Terminologia

Leia mais

Corte com jato de água

Corte com jato de água A U A UL LA Corte com jato de água Você certamente já ouviu o ditado água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. Então, furar pedra usando água você já sabe que dá, não é mesmo? Basta um pouco de

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

Esmeriladora - martelo de soldador - escova metálica - alicate com bloqueador - serra juntas - máscara ou óculos de proteção - luvas.

Esmeriladora - martelo de soldador - escova metálica - alicate com bloqueador - serra juntas - máscara ou óculos de proteção - luvas. FERRAMENTAS NECESSÁRIAS Esmeriladora - martelo de soldador - escova metálica - alicate com bloqueador - serra juntas - máscara ou óculos de proteção - luvas. COMO ESCOLHER OS MATERIAIS NECESSÁRIOS A máquina

Leia mais

ANÁLISE DE REVESTIMENTO DURO DE SOLDA NO AÇO SAE 1045 COM E SEM AMANTEIGAMENTO

ANÁLISE DE REVESTIMENTO DURO DE SOLDA NO AÇO SAE 1045 COM E SEM AMANTEIGAMENTO 1 UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DCEENG - DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA CAMPUS PANAMBI FERNANDO GUARANHI ANÁLISE

Leia mais

INFLUÊNCIA DA RIGIDEZ DO SISTEMA MÁQUINA-FERRAMENTA- DISPOSITIVOS DE FIXAÇÃO-PEÇA NA OPERAÇÃO DE TORNEAMENTO

INFLUÊNCIA DA RIGIDEZ DO SISTEMA MÁQUINA-FERRAMENTA- DISPOSITIVOS DE FIXAÇÃO-PEÇA NA OPERAÇÃO DE TORNEAMENTO INFLUÊNCIA DA RIGIDEZ DO SISTEMA MÁQUINA-FERRAMENTA- DISPOSITIVOS DE FIXAÇÃO-PEÇA NA OPERAÇÃO DE TORNEAMENTO Hidekasu Matsumoto 1 1 (autor para correspondência) Unesp/Ilha Solteira/Departamento de engenharia

Leia mais

Técnicas De Fundição. Page 1. Saúde Forma Função Estética. Fundição em areia.

Técnicas De Fundição. Page 1. Saúde Forma Função Estética. Fundição em areia. Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Técnicas de fundição Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

ANÁLISE DE MICROABRASÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS SUPERMARTENSÍTICOS

ANÁLISE DE MICROABRASÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS SUPERMARTENSÍTICOS Faculdade de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia 18 e 19 de Novembro de 2015, Uberlândia - MG ANÁLISE DE MICROABRASÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS SUPERMARTENSÍTICOS Coelho, G.B., Universidade

Leia mais

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 ESTRUTURAIS Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Dentre os materiais encontrados no nosso dia-a-dia, muitos são reconhecidos como sendo metais, embora, em quase sua totalidade, eles sejam,

Leia mais

CORTE A PLASMA. Figura 1 Processo Plasma

CORTE A PLASMA. Figura 1 Processo Plasma CORTE A PLASMA Introdução Desde sua invenção na metade da década de 50, o processo de corte por plasma incorporou várias tecnologias e se mantém como um dos principais métodos de corte de metais. Porém,

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

XXXII CONSOLDA Congresso Nacional de Soldagem De 02 à 05 de Outubro de 2006 Belo Horizonte MG

XXXII CONSOLDA Congresso Nacional de Soldagem De 02 à 05 de Outubro de 2006 Belo Horizonte MG XXXII CONSOLDA Congresso Nacional de Soldagem De 02 à 05 de Outubro de 2006 Belo Horizonte MG Método de Aplicação da Soldagem: Manual, Mecanizado ou Automatizado (Welding Aplication Methods: Manual, Mechanic

Leia mais

O Processo de Soldagem. Indústria Naval Brasileira

O Processo de Soldagem. Indústria Naval Brasileira Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia de Construção Naval / Soldagem O Processo de Soldagem na Indústria Naval Brasileira Professor/Orientador: Aldembar Santos Fernandes. José Carlos Miranda. Maxiam Santos

Leia mais

EME405 Resistência dos Materiais I Laboratório Prof. José Célio

EME405 Resistência dos Materiais I Laboratório Prof. José Célio Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia Mecânica EME405 Resistência dos Materiais I Laboratório Prof. José Célio Ensaio 01 Impacto Matrícula: 14551 Nome: Cid Henrique Otoni de Carvalho

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO STUD WELDING TIPO B

BOLETIM TÉCNICO STUD WELDING TIPO B BOLETIM TÉCNICO STUD WELDING TIPO B Elaborador: Verificadores: Aprovador: RAMON PINHEIRO GARCIA DIEGO CAMERA RAMON PINHEIRO GARCIA 1 STUD WELDING TIPO B Pino conector de cisalhamento para estruturas mistas

Leia mais

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association - Um programa do International Zinc Association 2. Processos de Revestimento e Tratamentos de Superfície GalvInfoNote 2.3 Introdução Galvanização por Imersão a Quente por Processo Contínuo Versus Galvanização

Leia mais

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O TRATAMENTO TÉRMICO A VÁCUO E O TRATAMENTO TÉRMICO POR BRASAGEM REALIZADO EM AÇO INOXIDÁVEL M340 APLICADO A INSTRUMENTAIS CIRÚRGICOS R. L. Ciuccio 1, V. Pastoukhov 2, M.D.D. NEVES

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 19/08/2008 1 CONFORMAÇÃO MECÂNICA Em um ambiente industrial, a conformação mecânica é qualquer operação durante a qual se aplicam esforços mecânicos

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 Vicente Afonso Ventrella Prof. Dr. UNESP / Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto Públio Penna Firme Rodrigues Públio Penna Firme Rodrigues Graduado em Engenharia Civil pela Escola de Engenharia Mauá, Mestre em Engenharia pela EPUSP (Escola

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS GASES DE PROTEÇÃO EMPREGADOS NO PROCESSO MIG/MAG SOBRE AS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO METAL DE SOLDA

INFLUÊNCIA DOS GASES DE PROTEÇÃO EMPREGADOS NO PROCESSO MIG/MAG SOBRE AS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO METAL DE SOLDA INFLUÊNCIA DOS GASES DE PROTEÇÃO EMPREGADOS NO PROCESSO MIG/MAG SOBRE AS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO METAL DE SOLDA Resumo: Pelo processo MIGMAG foram realizados depósitos de solda utilizando-se várias misturas

Leia mais

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA. Dissertação de Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA. Dissertação de Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA Dissertação de Mestrado AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À EROSÃO POR CAVITAÇÃO DO METAL DE SOLDAS PRODUZIDAS COM CONSUMÍVEIS

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA PROGRAMA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA Código: MECN0039 Carga Horária Semestral: 45 HORAS Número de Créditos: TEÓRICOS: 00; PRÁTICOS: 03; TOTAL: 03 Pré-Requisito: MECN0004 CIÊNCIA DOS MATERIAIS

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 1 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 1 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM 3 CAPÍTULO 1 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM 4 INTRODUÇÃO À SOLDAGEM DEFINIÇÕES SOLDAGEM: É a operação que visa obter a união de duas ou mais peças, assegurando na junta a continuidade das propriedades

Leia mais

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 3 Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 Substitui: Dezembro/2000 Página 1 de 14 Introdução: As Rodas Scotch-Brite C&P (Cutting & Polishing) são um eficiente e econômico produto

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE UM ECO-COMPÓSITO PARA APLICAÇÃO COMO PAINÉIS DIVISÓRIOS DE AMBIENTES

ESTUDO DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE UM ECO-COMPÓSITO PARA APLICAÇÃO COMO PAINÉIS DIVISÓRIOS DE AMBIENTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL ROSSANA MARTINS MIRANDA ESTUDO DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE UM ECO-COMPÓSITO PARA APLICAÇÃO COMO PAINÉIS DIVISÓRIOS

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA.

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. Mello, Roberta Monteiro de (1) ; Oliveira, Amando Alves de (1)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLOGICOS DE SOLO-CIMENTO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLOGICOS DE SOLO-CIMENTO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLOGICOS DE SOLO-CIMENTO Joseane Damasceno Mota (1) Graduanda em Química Industrial na UEPB Djane de Fátima

Leia mais

Relatório de Ensaios de Coletor Solar Identificação: CSP-588-BF ETIQUETAGEM - FASE 01 - ENSAIOS PRELIMINARES - 14/05/2014

Relatório de Ensaios de Coletor Solar Identificação: CSP-588-BF ETIQUETAGEM - FASE 01 - ENSAIOS PRELIMINARES - 14/05/2014 Jelly Fish / JFS 20 Plus Finalidade dos Ensaios Fone: (31)33194144 Fax: (31)33194225 CEP.: 30535901 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Tipo de Ensaio Natureza do Trabalho Fone/Fax: (31) 33194387 Internet:

Leia mais