Súmula da Reunião Ordinária n 1047, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Súmula da Reunião Ordinária n 1047, da Câmara Especializada de Engenharia Civil"

Transcrição

1 Súmula da Reunião Ordinária n 1047, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 5 de Outubro de 2012 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Analista de Processos Analista de Processos Analista de Processos Oficial Administrativo Assistente Administrativo Assistente Administrativo Assistente Administrativo Eng. Civ. Jefferson Luiz De Freitas Lopes Eng. Civ. Nelson Kalil Moussalle Tec. Decor. Adriana Guilhembernard Kosachenco Eng. Civ., Eng. Ind. Mec. Alberto Stochero Eng. Civ., Tec. Edif., Eng. Seg. Trab. André Horak Eng. Civ. Antonio Alcindo Medeiros Piekala Eng. Civ. Cristiano Cardoso Dos Santos Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Alice Helena Coelho Scholl Eng. Civ. Carlos Germano Weinmann Eng. Civ. Carlos Giovani Fontana Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Claudio Akila Otani Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Daniel Lena Souto Eng. Civ. Fernando Alberto Gehrke Tec. Edif. Flavio Pezzi Eng. Civ. Hilário Pires Eng. Civ. Johni Suarez Acosta Eng. Civ. Jorge Augusto Peres Moojen Geog. Daniel Duarte Das Neves Eng. Civ. José Homero Finamor Pinto Eng. Civ. José Ubirajara Martins Flores Eng. Civ. Julio Cesar Touguinha De Almeida Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Marcos Wetzel Da Rosa Eng. Civ. Marcus Vinicius Do Prado Eng. Civ. Ricardo Giacomello Cobalchini Eng. Civ. Sergio Luiz Brum Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Sheila Cristina Kehl Pieper Eng. Civ. Silverius Kist Junior Viviane Mattje Cristiane De Oliveira Juliana Ritt Luciana Guimaraes Barbieri Vera Regina Pereira Mendonca Elaine Lourdes A. Viegas Manoela Schumacher Triches Dos Santos OBSERVAÇÕES.: Justificaram previamente a ausência os conselheiros: Daniel Lena Souto e seu suplente Cláudio Luiz Garcia D'Almeida, Emidio Marques Ferreira e seu suplente Gerson Sonaglio, Jose Ascânio Vilaverde Moura, Marcelo Suarez Saldanha, Maria Izabel Brener da Rosa Não justificaram a ausência os s: Felipe Nascimento Abib, Fernando Martins Pereira da Silva, Luiz Fernando do Castro Amaral e Marcelo Schuler Não foram convocados os s: Alcimar da Rocha Lopes, Julio Cesar da 1

2 Rosa Malfatti Bianchi. 1. VERIFICAÇÃO DO QUÓRUM CONCLUSÃO : Quórum foi verificado APROVAÇÃO DA(S) SÚMULA(S) ANÁLISE DO EXPEDIENTE ANÁLISE DO EXPEDIENTE - PARA CONHECIMENTO REFERÊNCIA : Planilhas de excepcionalidades CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Memorando nº 1.132/2012, do Departamento Jurídico do Crea-RS. ASSUNTO : Embargos à execução - Perito avaliador nomeado pelo juiz. Segue em anexo decisão de 2º grau (Ementa/Acórdão), proferida na Apelação Cível nº /RS, confirmando a sentença nos Embargos à Execução nº 076/ /RS com dispositivo favorável a CARLOS EUGÊNIO COFFY PIRES CPF nº : EMENTA ADMINISTRATIVO. EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. EXERCÍCIO ILEGAL DE PROFISSÃO. INOCORRÊNCIA. AVALIADOR "AD HOC". HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. 1. A atividade de avaliação de bens móveis e imóveis, com a finalidade de auferir o seu valor de mercado, sem a necessidade de trabalho técnico específico, não é privativa dos profissionais da engenharia, arquitetura e agronomia. 2. Não caracteriza exercício ilegal de profissão a avaliação de bens por profissional nomeado judicialmente como avaliador "ad hoc". 3. A teor do disposto no art. 20, 4º, do CPC, nas causas de pequeno valor, os honorários serão fixados consoante apreciação equitativa do juiz. ACÓRDÃO Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a Egrégia 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, negar provimento à apelação, nos termos do relatório, votos e notas taquigráficas que ficam fazendo parte integrante do presente julgado. Porto Alegre, 18 de setembro de Esclarecemos que as decisões nesse sentido são reiteradamente contrárias a pretensão deste Conselho, sendo que tal entendimento está sedimentado e consolidado na jurisprudência em vigor do TRF da 4ª Região. Diante do exposto, temos que este Conselho deverá observar em relação ao profissional anteriormente relacionado, o postulado nos presente embargos, bem como, o que dispõe o art. 6º, alínea a, da Lei 5.194/66 e art. 3º da Lei 6.496/77. Reforçamos que a abstenção para novas infrações deve se limitar ao teor da decisão judicial, pela qual o Profissional tenha sido beneficiado. CONCLUSÃO : Ciente ANÁLISE DO EXPEDIENTE - PARA MANIFESTAÇÃO REFERÊNCIA : do Assessor Institucional Donário Braga Neto, datado de 03/10/2012, solicitando indicação de para proferir palestra no Instituto Estadual de Educação Marcílio Dias. 2

3 ASSUNTO RELATOR CONCLUSÃO : Palestra para esclarecimentos sobre atribuições do Crea e do Técnico em Edificações, data sugerida é 10/10/2012 as 19h. : Cons. Jefferson Luiz de Freitas Lopes : Flávio Pezzi sugeriu que seu suplente, o Téc. Edif. Marcelo João Valandro, seja convidado a realizar esta palestra. Na impossibilidade do mesmo, o Cons. Flávio Pezzi se prontificou a realizá-la. Foi realizada votação. Aprovado com vinte e dois votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D COMUNICADOS Comunicados das Comissões REFERÊNCIA : Comissão de Orçamento e Tomada de Contas OBS : O Cons. Flávio Pezzi comunicou que na última reunião da Comissão foram analisadas a 1ª Reformulação do Orçamento do Crea-RS de 2012, a Proposta Orçamentária do Crea-RS para o Exercício de 2013 e a Proposta Orçamentária da Mútua-Caixa de Assistência/RS Exercício de 2013, as quais serão recomendadas para aprovação na Sessão Plenária de 05/10/2012. RELATOR : Titular: Cons. Flávio Pezzi - Suplente: Cons. Daniel Lena Souto CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão de Renovação do Terço RELATOR : Titular: Cons. Daniel Lena Souto - Suplente: Cons. José Ubirajara Martins Flores CONCLUSÃO : Não houve comunicados REFERÊNCIA : Comissão de Ética Profissional OBS : O Cons. Marcos Wetzel da Rosa comunicou que continuam ocorrendo as oitivas, com reuniões semanais. RELATOR : Titular: Cons. Marcos Wetzel da Rosa - Suplente: Cons. Flávio Pezzi CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão de Meio Ambiente OBS : O Cons. Flávio Pezzi informou que não participou da reunião da COEMA em função de ser no mesmo horário da visita realizada na Arena do Grêmio. Comprometeu-se em trazer a súmula da mesma na próxima reunião. RELATOR : Titular: Cons. Flávio Pezzi - Suplente: Cons. Daniel Lena Souto CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão Editorial OBS : O Cons. Nelson Kalil Moussalle comunicou que não houve reunião da Comissão e que continuam coletando artigos para as próximas publicações. RELATOR : Titular: Cons. Nelson Kalil Moussalle - Suplente: Cons. Antônio Alcindo M. Piekala CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão de Convênios OBS : O Cons. Alberto Stochero comunicou que não houve reunião da Comissão em função de terem participado do XII Encontro Estadual das Entidades de Classe - EESEC/2012, ocasião em que foram discutidos diversos assuntos. 3

4 RELATOR CONCLUSÃO : Titular: Cons. Alberto Stochero - Suplente: Cons. Sergio Luiz Brum : Ciente REFERÊNCIA : Representante na Coordenadoria das Inspetorias do Crea-RS OBS : O Cons. Marcus Vinicius do Prado comunicou que a reunião da Coordenadoria das Inspetorias ocorreu durante o XII Encontro Estadual de Entidades de Classe - EESEC, em Santo Ângelo, ocasião em que discutiram a demora nas eleições para as Inspetorias, que conversaram com o Cons. Federal Melvis Barrios Junior a respeito. Também discutiram sobre as atribuições profissionais em função da criação do CAU, que as Prefeituras do interior do estado estão solicitando que os arquitetos regularizem as obras quando não há profissional envolvido. O Cons. Jefferson sugeriu que seja encaminhado um Ofício para as Prefeituras informando das atribuições dos Engenheiros Civis registrados com base na Resolução 218/73 e no Decreto /33, a fim de esclarecer sobre as competências dos mesmos. RELATOR : Titular: Cons. José Ubirajara Martins Flores - Suplente: Cons. Marcus Vinicius CONCLUSÃO : Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D REFERÊNCIA : Comissão de Educação e Atribuição Profissional - CEAP RELATOR : Titular: Cons. Antônio Luiz Arla da Silva - Suplente: Cons. José Ubirajara Martins Flores CONCLUSÃO : Não houve comunicados Comunicados Gerais REFERÊNCIA : Aniversariantes do mês de Outubro OBS : O Coordenador parabenizou os conselheiros aniversariantes do mês de Outubro. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Boas vindas ao Cons. Daniel Duarte das Neves OBS : O Coordenador deu as boas vindas ao Cons. Daniel Duarte das Neves, que tomou posse em 05/10/2012, representando a Associação dos Geógrafos Profissionais do RS CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Convite para a cerimônia de Premiação dos Destaques Inovação em Engenharia 201 OBS : O Coordenador informa que estão disponíveis 04 (quatro) convites para os s que queiram participar da cerimônia solene de Premiação dos Destaques Inovação em Engenharia 2012, promovido pela Sociedade de Engenharia, a ser realizado no dia 15 de outubro de 2012, das 19h às 22h, no Teatro do CIEE. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Presença do Federal Mélvis Barrios Júnior OBS : O Cons. Jefferson Luiz de Freitas Lopes comunicou e agradeceu a presença do Cons. Federal Mélvis Barrios Júnior. 4

5 RELATOR CONCLUSÃO O Cons. Mélvis Barrios Júnior comunicou sobre a aprovação da Resolução nº 1.043, de 28 de setembro de 2012, que altera as tabelas de valores referentes ao registro de Anotação de Responsabilidade Técnica, serviços, multas e anuidades de pessoas físicas e jurídicas. Informou que as anuidades para profissionais de nível superior que forem pagas até 31 de janeiro de 2013 não sofrerão reajuste, continuando no valor de R$ 350,00. Se forem pagas até 28 de fevereiro, o valor será de R$ 370,00 e até 31 de março o valor será R$390,00 em cota única ou em cinco parcelas iguais mensais. Já o valor das ART's para obra ou serviço passarão a ser: R$60,00 (faixa 1), R$105,00 (faixa 2) e R$158,08 (faixa 3). O Confea facultou aos Creas a possibilidade de redução de até 25% do valor da ART da faixa 1. Também esclareceu que as eleições para Inspetor ocorrerão em breve, pois foi definido que somente a partir de 2013 é que os Inspetores que tiverem mais de 2 mandatos seguidos não poderão concorrer. : Cons. Jefferson Luiz de Freitas Lopes : Ciente REFERÊNCIA : Reportagem na revista do Crea-RS OBS : O Cons. Carlos Giovani Fontana manifestou-se dizendo que não aprovou a disponibilização do espaço de cinco páginas na última revista do Crea para os candidatos da Prefeitura de Porto Alegre, entendendo que não é o forum adequado e, ainda, sendo a revista distribuída em todo o estado, não é correto que apenas os candidatos de Porto Alegre tenham recebido tal espaço. RELATOR : Cons. Carlos Giovani Fontana CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Participação na 69ª SOEA OBS : O Coordenador comunicou que todos os conselheiros serão convocados pelo Confea a participar da SOEA. Foram distribuídas as fichas de inscrição para serem preenchidas e entregues durante a reunião. Informou ainda que os conselheiros suplentes poderão participar, porém se o titular também estiver participando os suplentes não receberão diárias. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Reunião ampliada OBS : O Coordenador comunicou que os conselheiros receberão a convocação para a reunião ampliada da CEEC a ser realizada nos dias 18, 19 e 20 de outubro de 2012, na cidade da Santana do Livramento-RS, e que a mesma iniciará às 16 horas do dia 18 de outubro. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Visita técnica à Arena do Grêmio OBS : O Cons. Nelson Kalil Moussalle comunicou que a visita técnica à Arena do Grêmio, realizada no dia 05/10/2012, foi planejada durante várias semanas, tendo contado com o trabalho da funcionária Vera Regina Pereira Mendonça na organização do evento. RELATOR : Cons. Nelson Kalil Moussalle CONCLUSÃO : Ciente. 5

6 APRESENTAÇÃO DA PAUTA DISCUSSÃO DOS ASSUNTOS PERTINENTES À CÂMARA ESPECIALIZADA REFERÊNCIA : Reportagem publicada em 14/08/2012 no jornal Gazeta do Sul, de Santa Cruz do Sul, com o título "Restrições afligem engenheiros ambientais", enviada por pelo eng. amb. Fabrício Weiss. ASSUNTO : Atribuições dos Engenheiros Ambientais OBS : Solicitação dos Engenheiros Ambientais Fabrício Weiss e Leonardo Augusto Flesch para virem à CEEC discutir sobre suas atribuições, tendo em vista terem obtido respostas diferentes de seus protocolos de consulta e possuirem a mesma formação. RELATOR : Cons. Nelson Kalil Moussalle CONCLUSÃO : O Coordenador leu o seguinte , encaminhado pelo eng. amb. Leonardo Augusto Flesch: "Venho através deste, comunicar que estarei impossibilitado de comparecer na reunião da câmara técnica prevista para sexta-feira (05/10), referente as atribuições do engenheiro ambiental por motivos profissionais. De qualquer forma, gostaria de manifestar o interesse em dar prosseguimento ao assunto em uma data a ser definir em conjunto ao Coordenador da Câmara Técnica. Deixo a critério do respectivo a proposição de uma nova agenda. Do mais, gostaria de verificar se existe a necessidade da participação do departamento jurídico da Universal Leaf no caso em questão. A pedido do Sr. Fabrício, comunico que o respectivo encontra-se em período de férias. Desde de já agradecemos, Atenciosamente, Leonardo A. Flesch." Posteriormente será marcada nova data para discussão dos processos dos profissionais Engenheiros Ambientais Fabrício Weiss e Leonardo Augusto Flesch. 6.2 REFERÊNCIA : Atribuições segundo o Decreto nº /33 ASSUNTO : Procedimentos administrativos a serem adotados a fim de viabilizar a decisão de registrar os egressos dos cursos de engenharia civil concedendo atribuições segundo o Dec. nº /33 e revisar atribuições segundo o mesmo Decreto. CONCLUSÃO : O Coordenador informou que propôs na reunião da CCAM do dia 04/10/2012 que todas as Câmaras Especializadas passem a conceder atribuições profissionais com base no Decreto /33. Acrescentou que no entendimento do assessor jurídico da CCAM a concessão de atribuições pela Res. 218/73 não tem fundamentação legal. Será elaborada uma proposta a ser apresentada na Sessão Plenaria do dia 09 de novembro de RELATO DE PROCESSOS Processos de Denúncia e Ética Profissional PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : J.A.S.H. OBS : Declaração de voto contrário do Cons. Silverius Kist Junior: Conforme manifestação em reunião de Câmara, com voto contrário ao parecer do Relator no processo n, , pelos motivos a seguir expostos: A natureza obrigacional a que se refere o Relator nada tem a ver com a 6

7 análise do comportamento do Denunciado. Na esfera cível, o Denunciante, se assim entender, deverá haver seus direitos à indenização, essa sim, matéria obrigacional. Se há indícios ou não de descumprimento do Código de Ética Profissional, isso deve ser analisado na esfera deste Conselho Regional, independentemente de haver outro processo na esfera cível. Se o Relator não observou indícios de falha ética, deveria ter proferido seu voto pelo arquivamento por este motivo e não pelo fato da matéria ser de natureza obrigacional. Um processo independe do outro. RELATOR : Cons. Julio Cesar Touguinha de Almeida CONCLUSÃO : Procedida a análise preliminar nos termos do Artigo 8º da Resolução n. 1004, de 2003, do Confea, denota-se que o denunciado ao se propor e vir a acompanhar e realizar atos que colaborassem com saneamento dos vícios construtivos, não se concretizou infração ética e sim de natureza obrigacional, cujo julgamento é de competência do poder judiciário. Isto, posto, a denúncia não pode ser recebida, por que está em desconformidade com o disposto da Resolução n. 1004, de 2003 do Confea. Oficie-se ao denunciante e ao denunciado da decisão desta especializada. Após arquive-se o presente processo. Aprovado com vinte e três votos favoráveis, dois votos contrários e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : J.E.M.S. RELATOR : Cons. Silverius Kist Junior CONCLUSÃO : Somos pelo envio do presente processo de denúncia à Comissão de Ética, para que faça a devida instrução e emita relatório fundamentado, de acordo com o artigo 4 da Resolução 1.004/2003 do CONFEA. Remeta-se cópia do presente parecer ao Denunciado para conhecimento, informando-lhe da remessa do processo à Comissão de Ética Profissional, de acordo com o artigo 8 da Resolução 1.004/2003 do CONFEA. Ainda, para que não se tarde o andamento do processo com infindáveis tentativas de intimação, cumpra-se os procedimentos da Instrução da Presidência n 103/2008, em especial sua alínea I, inciso c, abaixo transcrita: Acatada a denúncia, a Comissão de Ética Profissional providenciará na expedição de AR/MP (Aviso de Recebimento/Mão Própria) às partes, para fins de intimação, com antecedência de 45 (quarenta e cinco) dias da audiência. Havendo retorno do AR/MP, a Comissão de Ética Profissional encaminhará a intimação via Setor de Agentes Fiscais SAF, para cumprimento, com antecedência mínima de 30 (trinta) dias da audiência. Não surtindo efeito desta, a intimação deverá ser feita por edital divulgado em publicação do Crea-RS, ou em jornal de circulação na jurisdição, observando-se a antecedência mínima de 15 (quinze) dias quanto à data de comparecimento ; É o Parecer. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D Processos para Homologar PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : J.E.M.S. RELATOR : Cons. Silverius Kist Junior CONCLUSÃO : Somos pelo envio do presente processo de denúncia à Comissão de Ética, para que faça a devida instrução e emita relatório fundamentado, de acordo com o 7

8 artigo 4 da Resolução 1.004/2003 do CONFEA. Remeta-se cópia do presente parecer ao Denunciado para conhecimento, informando-lhe da remessa do processo à Comissão de Ética Profissional, de acordo com o artigo 8 da Resolução 1.004/2003 do CONFEA. Ainda, para que não se tarde o andamento do processo com infindáveis tentativas de intimação, cumpra-se os procedimentos da Instrução da Presidência n 103/2008, em especial sua alínea I, inciso c, abaixo transcrita: Acatada a denúncia, a Comissão de Ética Profissional providenciará na expedição de AR/MP (Aviso de Recebimento/Mão Própria) às partes, para fins de intimação, com antecedência de 45 (quarenta e cinco) dias da audiência. Havendo retorno do AR/MP, a Comissão de Ética Profissional encaminhará a intimação via Setor de Agentes Fiscais SAF, para cumprimento, com antecedência mínima de 30 (trinta) dias da audiência. Não surtindo efeito desta, a intimação deverá ser feita por edital divulgado em publicação do Crea-RS, ou em jornal de circulação na jurisdição, observando-se a antecedência mínima de 15 (quinze) dias quanto à data de comparecimento ; É o Parecer. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D Processos de Auto de Infração PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ONOFRE SANTOS SILVEIRA RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Assim sendo, sou pela improcedência do Auto de Infração, com a extinção da multa imposta. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : MARMA CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES LTDA RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, constata-se que a obra/serviço objeto da autuação estava regular na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : RENATO SEIITI TANAKA RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados que configuram o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "d", da citada Lei, devendo o processo ter seu 8

9 prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O(A) autuado(a) deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ALTEMIR DE AVILA FRAGA RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados que configuram o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "d", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O(A) autuado(a) deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : VORTEX EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : O Auto de Infração é procedente e a penalidade deverá ser mantida. Contudo, considerando que após a lavratura do Auto de Infração o autuado regularizou o ilícito perante o Conselho, aplique-se o benefício da redução 20% (VINTE POR CENTO) do valor da multa imposta, prevista na Resolução do Confea vigente à época da autuação, cujos valores deverão ser atualizados até a data do efetivo pagamento. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : VORTEX EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : O Auto de Infração é procedente e a penalidade deverá ser mantida. Contudo, considerando que após a lavratura do Auto de Infração o autuado regularizou o ilícito perante o Conselho, aplique-se o benefício da redução 20% (VINTE POR CENTO) do valor da multa imposta, prevista na Resolução do Confea vigente à época da autuação, cujos valores deverão ser atualizados até a data do efetivo pagamento. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : DAYLOR JORGE DUTRA 9

10 RELATOR CONCLUSÃO : Cons. Marcos Wetzel da Rosa : O(A) autuado(a), regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados que configuram o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "d", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O(A) autuado(a) deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ALDOIR DA SILVA RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados que configuram o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "d", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O(A) autuado(a) deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CONCASA CONSTRUÇÕES E INSTALAÇÕES RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados que configuram o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "e", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O(A) autuado(a) deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº:

11 INTERESSADO : ALBERTO PLENTZ FILHO RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados que configuram o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 16, da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "a", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O(A) autuado(a) deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CLAUDEMIR MACHADO EDIFICAÇÕES RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados, segundo os termos da autuação lavrada por infringência à Lei nº 6.496, de 1977, art. 1º e 3º. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "a", da Lei nº 5.194/66, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O(A) autuado(a) deverá providenciar a regularização junto a este Conselho, através do recolhimento da respectiva ART. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CONSTRUTORA PAJAI LTDA ME RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados, segundo os termos da autuação lavrada por infringência à Lei nº 6.496, de 1977, art. 1º e 3º. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "a", da Lei nº 5.194/66, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O(A) autuado(a) deverá providenciar a regularização junto a este Conselho, através do recolhimento da respectiva ART. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº:

12 INTERESSADO : L. E. ESTANGARLIN E CIA. LTDA RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. O(a) Autuado(a) deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ADEGAR ÁVILA DOS SANTOS RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Da análise da defesa apresentada não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista o não atendimento das disposições legais antes citadas, restando assim configurado o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa imposta, prevista no art. 73, alínea d, da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O(a) Autuado(a) deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : DESENTUPIDORA METROPOLITANA LTDA RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. O(a) Autuado(a) deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D Processos de Registro Pessoa Jurídica e suas alterações cadastrais PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CLEOMAR LUIZ DALLA COSTA DOS SANTOS RELATOR : Cons. Johni Suarez Acosta CONCLUSÃO : Ratificamos o parecer de fls. 19 e 20, quanto ao INDEFERIMENTO do Registro de 12

13 Firma Individual de Leigo CLEOMAR LUIZ DALLA COSTA DOS SANTOS ME. O indeferimento é devido permanecer não atendendo a Decisão PL 1230/07 do Confea, item 1). Alertamos ainda, que deverá transformar o registro da referida empresa em limitada. Oficiar ao profissional e à empresa dando-lhes ciência desta decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TECHNISAN ENGENHARIA LTDA RELATOR : Cons. Johni Suarez Acosta CONCLUSÃO : Oficiar à empresa supra e ao profissional ENG.º CIVIL GILMAR AMARAL PIOVEZAN, solicitando que conforme a Norma de Fiscalização da Câmara de Engenharia Civil NF 001/2010, deverá atender à empresa ANSUS SERVIÇOS LTDA., no mínimo 25 horas semanais. Tendo em vista suas atividades para as quais está registrada na área da engenharia civil: Atividades de projetos e execução de obras e serviços na área de engenharia civil e saneamento; sendo que transcrevemos somente o início do objeto social, devido sua amplitude, mas esta parte já se enquadra na faixa "Grande Atividade" e ainda seu capital social registrado, conforme Artigos 1º e 2º, da Norma de Fiscalização da CEEC NF 001/2010. Salientamos ainda que, conforme a Norma de Fiscalização da Câmara de Engenharia Civil NF 001/2010, Art. 3º, Parágrafo Único: O número mínimo de horas obrigatórias poderá ter redução de 40%(quarenta por cento) a partir de 20 horas(inclusive esta faixa), quando houver outro profissional responsável técnico, na referida empresa, com as mesmas atribuições. Caso seja efetuada alguma alteração deverá ser anexado ao processo novo Requerimento para anotação de responsabilidade técnica, conforme os padrões Operacionais do CREA-RS. Concedemos o prazo de 10 (dez) dias a contar do recebimento deste para providências PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : A. GUERRA & CIA LTDA - ME RELATOR : Cons. Johni Suarez Acosta CONCLUSÃO : Deferir a baixa de responsabilidade técnica do ENG. CIVIL REINALDO SUZIN TOSCAN NETO, pela Pessoa Jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à Pessoa Jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : SILVEIRA J M GARCIA & CIA LTDA - ME RELATOR : Cons. Johni Suarez Acosta CONCLUSÃO : Deferir o registro da pessoa jurídica SILVEIRA J M GARCIA & CIA LTDA -ME, sob a responsabilidade técnica do ENG. CIVIL RENATO DAVILA MOREIRA, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: OBRAS DE ALVENARIA; SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO NÃO ESPECIFICADOS ANTERIORMENTE. Oficiar à pessoa jurídica dando-lhe ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CONSTRUÇÕES E SERVIÇOS PRO HABITAR LTDA 13

14 RELATOR CONCLUSÃO : Cons. Sergio Luiz Brum : Oficiar à empresa supra e ao profissional ENG.º CIVIL KURTH HEDIO ELLWANGER, solicitando que conforme a Norma de Fiscalização da Câmara de Engenharia Civil NF 001/2010, deverá atender à empresa CONSTRUÇÕES E SERVIÇOS PRO HABITAR LTDA., no mínimo 15 horas semanais, para esta carga horária deverá perceber no mínimo 4 salários mínimos(r$ 2.488,00). Salientamos ainda que, conforme a Norma de Fiscalização da Câmara de Engenharia Civil NF 001/2010, o limite de horário de prestação de serviços por empresa deve ser inferior a 6 horas diárias (Artigo 5º da NF 001/2010), ou seja, a carga horária deve ser distribuída ao longo da semana, sendo inferior a 6 horas diárias. E ainda, atender também à empresa RAIAR CONSTRUTORA E EMPREITEIRA LTDA., no mínimo 15 horas semanais. Caso seja efetuada alguma alteração deverá ser anexado ao processo novo Requerimento para anotação de responsabilidade técnica e Contrato de Prestação de Serviços, conforme os padrões Operacionais do CREA-RS. Concedemos o prazo de 10 (dez) dias a contar do recebimento deste para providências PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CONSTRUTORA E PAVIMENTADORA TELES LTDA-EPP. RELATOR : Cons. Johni Suarez Acosta CONCLUSÃO : Deferir a baixa de responsabilidade técnica do ENG. CIVIL ANDRÉ CHIODELLI SCOPEL, pela Pessoa Jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à Pessoa Jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : POLAR INTELIGÊNCIA EM MEIO AMBIENTE LTDA. RELATOR : Cons. Alberto Stochero CONCLUSÃO : Deferir a baixa de responsabilidade técnica do ENG. CIVIL FÁBIO ÉDERSON KONFLANZ FALKEMBERG, pela Pessoa Jurídica requerente. (PROT ) Deferir a alteração contratual da Pessoa Jurídica POLAR ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE LTDA., alterando sua razão social para: POLAR INTELIGÊNCIA EM MEIO AMBIENTE LTDA.(Prot ) Oficiar ao profissional e à Pessoa Jurídica dando-lhes ciência da decisão. Informar à Pessoa Jurídica que, no prazo de 10 (dez) dias, deverá anotar profissional habilitado como responsável técnico Processos de Cadastro Pessoa Jurídica e suas alterações cadastrais PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : SANDRA REGINA DAROLD RELATOR : Cons. Johni Suarez Acosta CONCLUSÃO : Oficiar a empresa, caso pretenda encerrar definitivamente suas atividades deverá formalizar seu pedido de Baixa de Cadastro, juntamente com a documentação necessária para análise desta solicitação, conforme os Padrões Operacionais do CREA-RS. 14

15 Concedemos o prazo de 10 (dez) dias a contar do recebimento deste para as providências PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ENGEFORM CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO LTDA. RELATOR : Cons. Johni Suarez Acosta CONCLUSÃO : Deferir a alteração contratual da Pessoa Jurídica ENGEFORM CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO LTDA., passando a estar registrada na área da Engenharia Civil para: SERVIÇOS DE ENGENHARIA NA SUA MAIS AMPLA ACEPÇÃO NA ÀREA CIVIL, POR CONTA PRÓPRIA E DE TERCEIROS, NO BRASIL E NO EXTERIOR; ESTUDO, PROJETO, DIREÇÃO, FISCALIZAÇÃO, MANUTENÇÃO, ASSISTÊNCIA TÉCNICA, PERÍCIA, ARBITRAMENTO E CONSTRUÇÃO DE: EDIFÍCIOS, ESTRADAS DE RODAGEM E FERRO, OBRAS DE SANEAMENTO, OBRAS DE DRENAGEM E IRRIGAÇÃO, OBRAS DE PORTOS, RIOS, CANAIS E AEROPORTOS; ENGENHARIA DE TRÁFEGO; SERVIÇOS TOPOGRÁFICOS E GEODÉSICOS; SERVIÇOS DE LIMPEZA PÚBLICA, COLETA, REMOÇÃO, TRANSPORTE, EXPLORAÇÃO DE CENTROS DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS(sólidos urbanos e industriais não perigosos inertes). Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ANDRESSA ALMEIDA GUIMARÃES TELECOMUNICAÇÕES ME RELATOR : Cons. Johni Suarez Acosta CONCLUSÃO : Nada temos a acrescentar, face não constar no objeto social da referida empresa, atividades na área da Engenharia Civil Processos de Consulta Externa PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZ ALTA CONCLUSÃO : Esclarecemos que o licenciamento ambiental é o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental autoriza a localização, instalação, ampliação e operação de empreendimentos e atividades consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental, e que envolve (ou pode envolver) uma série atividades técnicas que necessitam de profissional habilitado, como por exemplo o laudo técnico. Portanto, é a partir do objeto do laudo que se define o profissional habilitado para tal. E um único licenciamento ambiental pode necessitar de laudos de diversas áreas profissionais diferentes. Portanto, o licenciamento ambiental por si só não necessita de responsável técnico, mas as atividades técnicas envolvidas necessitam de profissional habilitado. Logo, esclarecemos que as atividades de licenciamento ambiental são multidisciplinares, não existindo uma modalidade única de profissional que poderá ser responsável por qualquer tipo de licenciamento ambiental, sendo que cada profissional somente poderá atuar dentro da sua área de formação, conforme suas atribuições. 15

16 Assim, informamos que os engenheiros ambientais possuem atribuições para desenvolver atividades técnicas de licenciamento ambiental, dentro de sua área de formação. Em resposta ao questionamento sobre as atribuições dos engenheiros ambientais, tendo em vista que entendemos que a dúvida reside nas atribuições destes profissionais para "projeto, assessoria, laudos técnicos, assistência técnica e parecer técnico" relativas à criação de animais, irrigação, agroindústria, etc., informamos que referente a: a) criação de animais: será necessário analisar o histórico escolar do profissional envolvido para podermos responder à consulta; b) irrigação agrícola: o engenheiro ambiental não possui atribuições; c) agroindústria: será necessário analisar o histórico escolar do profissional envolvido para podermos responder à consulta; d) indústria láctea: será necessário analisar o histórico escolar do profissional envolvido para podermos responder à consulta; e) indústria relacionada ao recebimento e beneficiamento, secagem e armazenamento de grãos e cereais: será necessário analisar o histórico escolar do profissional envolvido para podermos responder à consulta; f) obras civis relacionadas à construção de açudes e barragens: será necessário analisar o histórico escolar do profissional envolvido para podermos responder à consulta; g) Manejo Florestal: o engenheiro ambiental não possui atribuições. Complementarmente informamos que: - o engenheiro ambiental não possui atribuição para exercer atividades relacionadas ao manejo florestal, não podendo ser responsável técnico por podas e desmatamentos; - as atribuições do engenheiro ambiental ficam limitadas ao descarte dos resíduos gerados, caso houverem [somente poderão se responsabilizar pelo descarte dos resíduos (restrito a resíduos sólidos urbanos e industriais não perigosos inertes), pois não possuem atribuição para a utilização de resíduos para outros fins, como por exemplo a utilização em lavouras, na adubação do solo, na indústria de produtos, ou qualquer outra aplicação]; A fertilidade do solo não é objeto de licenciamento ambiental. Porém, informamos que o engenheiro ambiental não possui atribuições para projeto, assessoria, laudos técnicos, assistência técnica e parecer técnico referente fertilidade do solo. Considerando que os cursos de engenharia ambiental nas diversas universidades possuem currículos diferentes entre si (não há padronização), é necessária a análise do histórico escolar e do projeto político pedagógico do egresso para respondermos pontualmente aos questionamentos, levando também em conta o 16

17 empreendimento a ser licenciado PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : SECRETARIA DA SEGURANÇA PUBLICA ESTADO DO RS CONCLUSÃO : A Câmara Especializada de Engenharia Civil informa que os engenheiros civis possuem atribuição para licenciamento ambiental de empreendimentos na área de engenharia civil. Considerando que o objeto da consulta refere-se a "contratação de empresa de serviço especializado para o Licenciamento Ambiental na FEPAM (Licença de Instalação - LI) da Estação de Tratamento de Esgoto da Penitenciária Estadual de Guaíba", e considerando tratar-se de esgoto urbano, informamos que se este licenciamento envolver a atividade de PROJETO de estação de tratamento de esgoto, este PROJETO deverá ser elaborado por Engenheiro Civil ou de Fortificações em conjunto com o Engenheiro Sanitarista ou Engenheiro Químico (de acordo com NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009, Artigo 5º, Parágrafo Primeiro As atividades relativas ao projeto de estação de tratamento de água e esgoto urbano somente poderão ser realizadas com a participação dos Engenheiros Civis ou de Fortificações em conjunto com os Engenheiros Sanitaristas ou Engenheiros Químicos). PORÉM, RESSALTAMOS que as atividades na área ambiental são multidisciplinares, e que cada profissional pode atuar apenas dentro das suas atribuições. Portanto, dependendo das características do local onde será instalada a Estação de Tratamento de Esgoto da Penitenciária Estadual de Guaíba, o licenciamento poderá necessitar de mais de um profissional envolvido. Quanto aos questionamentos 1 e 2: 1) somente os profissionais de engenharia são habilitados e qualificados para realizar o licenciamento ambiental? Não. Primeiramente informamos que engenheiros legalmente habilitados são os que possuem registro em um dos Conselhos Regionais de Engenharia e Agronomia (Creas). Em segundo lugar, considerando que os licenciamentos ambientais normalmente envolvem atividades técnicas tais como laudos, projetos, plantas, etc., informamos que são estas atividades técnicas que necessitam de responsável técnico. E dos profissionais pertencentes ao Sistema Confea/Crea, somente os de nível superior possuem atribuições para a emissão de laudos técnicos. Portanto, não se trata de quais são os profissionais habilitados para o licenciamento ambiental, e sim de quais são os profissionais habilitados aos respectivos laudos e outras atividades técnicas envolvidas. Porém, considerando que o licenciamento ambiental a que se refere esta questão é o "Licenciamento Ambiental na FEPAM (Licença de Instalação - LI) da Estação de Tratamento de Esgoto da Penitenciária Estadual de Guaíba", informamos que somente os profissionais de ENGENHARIA são habilitados para tal. 2) outros profissionais que eventualmente sejam habilitados e qualificados, 17

18 devem ser registrados no Crea para realizar o objeto da licitação? Conforme respondido na questão 1 (acima), profissionais legalmente habilitados são os que possuem registro em um dos Conselhos Regionais de Engenharia e Agronomia (Creas). Informamos que são registrados nos Creas os engenheiros, engenheiros agrônomos, geólogos, geógrafos, entre outros, de acordo com a Lei Federal nº 5.194/1966 e Resolução nº 473/2002. Encaminhar à Câmara Especializada de Eng. Química, tendo em vista o encaminhamento no verso da fl Processos de Consulta Diversos PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ROSANE SARKIS AMARANTE VASCONCELLOS CONCLUSÃO : Concordamos com o parecer da Câmara de Engenharia Elétrica (fls. 16 a 18), devendo ser cumprido o solicitado no mesmo, ou seja: Oficiar à Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica CEEE, informando que o Engenheiro Mecânico Eletricista (com atribuições conferidas pelo Artigo 32 do Decreto 23569/33, alíneas b e/ou h ) e o Engenheiro Eletricista (com atribuições conferidas pelo Artigo 33 do Decreto 23569/33, alíneas b e/ou h ) possuem competência para serem responsáveis técnicos pelo projeto e pela execução da obra civil de uma subestação de energia elétrica, devendo preencher a ART Anotação de Responsabilidade Técnica, quando contratados para este serviço. Quanto aos Códigos de Preenchimento da ART, os profissionais deverão colocar no campo atividade técnica o projeto e/ou execução, conforme o contrato existente, e no campo descrição da obra/serviço : W1005 Subestação de Energia Elétrica, em conjunto com o código W9999 Atividades Complementares Descreva, constando como descrição a expressão Obra Civil de Subestação de Energia Elétrica. Encaminhar ao DEC para o cumprimento das deliberações acima. Após, arquive-se o processo Processos de Relatório de Fiscalização PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : JOSE FRANCISCO FOGACA THORMANN RELATOR : Cons. Hilário Pires CONCLUSÃO : Com base na análise deste processo, concordo com o parecer de fls. 80 a 85. Entendendo que mais uma vez, a exemplo do que ocorreu em 2010, um governo do estado está se colocando acima da própria legislação estadual, o que é inadmissível e manifestamente ilegal. Pelo disposto na resolução 430/99 do CONFEA, uma vez comprovada esta ilegalidade, todos os atos praticados pelo ocupante irregular do cargo são nulos. Isto posto, recomendamos as seguintes providências: 1) Oficiar ao DAER e a SEINFRA (Secretaria Estadual de Infraestrutura e Logística), informando que não foi aceita a defesa apresentada, referente à irregularidade constatada pelo descumprimento da Lei Estadual nº /08, da 18

19 Lei Estadual /2010 e do Decreto nº /2010, especificamente no tocante à formação profissional do seu Diretor Geral, concedendo um novo prazo de 30 dias para que regularize este situação; 2) No caso de não regularização neste prazo, providenciar na aplicação do disposto na resolução 430/99, art. 3º, alíneas I, II, III, IV, V e VI. Aprovado com vinte e quatro votos favoráveis, nenhum voto contrário e uma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ILSON RENATO PROENÇA BOEIRA OBS : Acórdão relatado pelo Cons. Sérgio Luiz Brum RELATOR : Cons. José Homero Finamor Pinto CONCLUSÃO : Decidiu-se pela rejeição do parecer do relator com treze votos contrários, onze votos favoráveis e nenhuma abstenção e sendo realizado o seguinte acórdão: Da análise da documentação apresentada não se constatam elementos capazes para desconstituir a Notificação, haja vista o não atendimento das disposições legais antes citadas, restando assim configurado o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei n , de 1966, devendo ser lavrado o competente auto de infração. D APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EXTRAPAUTA DISCUSSÃO DOS ASSUNTOS PERTINENTES À CÂMARA ESPECIALIZADA REFERÊNCIA : Salário mínimo profissional ASSUNTO : Fiscalização do cumprimento do salário mínimo profissional na CORSAN OBS : O Sérgio Luiz Brum solicitou que o Crea-RS fiscalize o cumprimento do pagamento do salário mínimo profissional aos funcionários da CORSAN. O Cons. José Homero Finamor Pinto disse achar conveniente e o Cons. José Ubirajara Martins Flores entende que todos os órgão devam ser fiscalizados. O Coordenador sugeriu que o Crea-RS passe a fiscalizar o cumprimento da Lei nº 4950-A em todas as empresas/órgãos públicos que possuam funcionários celetistas. RELATOR : Cons. Sérgio Luiz Brum CONCLUSÃO : Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D RELATO DE PROCESSOS Processos de Denúncia e Ética Profissional PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : P.P.S. RELATOR : Cons. Nelson Kalil Moussalle CONCLUSÃO : Acompanhamos o parecer aprovado pela CCAM, sendo esta Especializada favorável ao arquivamento do presente processo. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : J.S.T. RELATOR : Cons. Silverius Kist Junior 19

20 CONCLUSÃO : A prática de utilização de outro profissional para 'assinar' projetos e 'responsabilizar-se' pela execução de obras com área superior a 80,00m2 parece ser prática comum do profissional ora Denunciado. Certamente, enquanto arquiteto e urbanista, não mais necessita desta prática. O mesmo não possui atribuição, enquanto técnico em edificações, para executar obras com mais de 80,00m2 e/ou necessite de estruturas de concreto armado, porém, como arquiteto e urbanista, suas atribuições lhe são conferidas pela lei /2010. Considerando suas ações, em especial o reconhecimento da prática de se utilizar de outro profissional para poder ser contratado, mesmo que informalmente, para execução de obras além de sua capacidade, além do que, ainda mais grave, ter falsificado a rúbrica de outro profissional em documentos públicos. SOMOS PELA APLICAÇÃO DA PENA DE ADVERTÊNCIA RESERVADA. Remeta-se cópia do presente parecer às partes para conhecimento, informando-lhes do prazo para recurso, de acordo com o artigo 35 da Resolução 1.004/2003 do CONFEA. As informações constantes nos Autos certamente seriam suficientes para abertura de processo de denúncia contra a arquiteta Maria Antônia Alliatti, porém esta profissional não mais pertence ao sistema CONFEA-CREA's. É o parecer. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D Processos de Auto de Infração PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CLEOSMAR JOSE DA SILVA RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Da análise da documentação que consta no processo conclui-se pela ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo, devendo o presente Auto de Infração ser arquivado, com a extinção da multa imposta, pois o auto de infração à fl. 32 não possui assinatura do agente fiscal. Oficiar ao autuado e ao eng. civil Gelso Luiz Jacobsen Grando informando-os que o endereço da obra na ART está incorreto (número da edificação e cidade incorretos). Solicitar que seja apresentada ART com os dados corretos, ou que o profissional solicite à Câmara Especializada de Engenharia Civil deste Crea-RS a alteração dos dados de sua ART, sob pena de ser reiniciado o processo de fiscalização deste ilícito. Dar prazo para manifestação. Após encerrado o prazo, havendo ou não manifestação, retornar o processo à Câmara Especializada de Engenharia Civil para análise, tendo em vista que no presente processo há vício de origem (tendo que ser arquivado), mas não há como ser reiniciado o processo de fiscalização para este ilícito pois já foi apresentada ART (o endereço da obra na ART difere do endereço da obra no auto de infração quanto ao número da edificação e à cidade). Votação em bloco. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D Processos de registro profissional e suas alterações cadastrais PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ELISABETE WEBER RECKZIEGEL 20

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 656, DE 11/06/2012, 18:00 HORAS

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 656, DE 11/06/2012, 18:00 HORAS 1. VERIFICAÇÃO DE QUORUM 1.1. JUSTIFICATIVA 1.2. TITULARIDADE 2. EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL 3. DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ANTERIOR 4. LEITURA DE EXTRATO DE CORRESPONDÊNCIAS RECEBIDAS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INSTRUÇÃO Nº 2560 Dispõe sobre procedimentos para a interrupção de registro profissional. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 34,

Leia mais

SÚMULA DA 85ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULA DA 85ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Data: 19 de maio de 2015 Local: Sala de GT s - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Eng. Indl. Mec. e Seg. Trab. Elio Lopes

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 644, DE 14/06/2011, 18:00 HORAS

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 644, DE 14/06/2011, 18:00 HORAS 1. VERIFICAÇÃO DE QUORUM 1.1. JUSTIFICATIVA 1.2. TITUTALIRIDADE 2. EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL 3. DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ANTERIOR 3.1. ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 643, DE

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1076, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1076, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1076, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 28 de Março de 2014 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenadora Adjunta Conselheiro Conselheiro

Leia mais

SÚMULA DA 374ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA DE MINAS

SÚMULA DA 374ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA DE MINAS Data: 26 de novembro de 2012 Local: Auditório Rebouças - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Geólogo Fábio Augusto Gomes

Leia mais

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia CONFEA CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CREA CONSELHO REGIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2015 - DIVIS/DESEG APLICAÇÃO DE PENALIDADES

Leia mais

SÚMULA DA 69ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULA DA 69ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Data: 17 de dezembro de 2013 Local: Sala de GT s - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Eng. civil, eng. oper. mec. máq.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE VISTAS I. I - PROCESSOS QUE RETORNAM À CÂMARA APÓS "VISTA" CONCEDIDA 2 UGI PRESIDENTE PRUDENTE Nº de Ordem 1 Processo/Interessado PR-661/2012 Relator JOÃO BATISTA PEREIRA ANTONIO MOACIR

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1025, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1025, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1025, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 21 de Outubro de 2011 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselheiro Conselheiro

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Fl. 1 de 5 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015 RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015 Altera os critérios e procedimentos para requerimento, emissão, revisão, extensão, suspensão e cancelamento do Credenciamento Institucional para

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ASSESSORIA DA FISCALIZAÇÃO IT. 42 01 1 / 5 1. OBJETIVO Assessorar o Departamento de nas ações fiscalizatórias de verificação do exercício das profissões pertencentes ao sistema Confea/Crea, junto às empresas,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014.

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo - IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do

Leia mais

DISPÕE SOBRE O REGISTRO DE EMPRESAS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE NO CREA/ES.

DISPÕE SOBRE O REGISTRO DE EMPRESAS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE NO CREA/ES. Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Espírito Santo Av. César Hilal, 700 1º andar Bento Ferreira Vitória ES CEP 290 522 232 Tel.: (27) 3334 9900 FAX: (27) 3324 3644 CEEI DISPÕE SOBRE

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

Pauta da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Pauta da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Pauta da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 6 de Dezembro de 2013 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Eng. Civ. Nelson Kalil Moussalle Coordenador

Leia mais

INSTRUÇÃO DA PRESIDÊNCIA N.º 168, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO DA PRESIDÊNCIA N.º 168, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO DA PRESIDÊNCIA N.º 168, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece procedimentos administrativos para fins de Registro de Atestado de obra/serviço no Crea-RS, conforme disposto na Resolução do Confea

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1023, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1023, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1023, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 23 de Setembro de 2011 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Eng. Civ. Jefferson Luiz De Freitas Lopes

Leia mais

Certificado de Origem

Certificado de Origem Mercadores Certificado de Origem Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 777, de 19 de outubro de 2007 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com www.mercadores.com.br

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1 - A Comissão de Ética no Uso de Animal da Universidade Federal do Pampa (Unipampa/CEUA),

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS

SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS ESTADO" DO CEARÁ RESOLUÇÃO N. 4VIS /2007 1a CÂMARA DE JULGAMENTO 76 a SESSÃO DE: 18.04.2007 PROCESSO N. 1/002917/2002 AUTO DE JNFRAÇÃO N 1/200210491 RECORRENTE: DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS FREIRE RECORRIDO:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução nº 2555/2013 Estabelece normas operacionais de procedimentos para aumentar a segurança na concessão de registros profissionais no CREA-SP mediante a confirmação da autenticidade de documentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

DOAÇÃO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS E MESTRES - APMS, ATRAVÉS DE CONVÊNIOS.

DOAÇÃO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS E MESTRES - APMS, ATRAVÉS DE CONVÊNIOS. DOAÇÃO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS E MESTRES - APMS, ATRAVÉS DE CONVÊNIOS. Capa: Francisco Mesquita DA/CEPAT JUL/2012 Página 1 ÍNDICE Apresentação Pág. 03 Encaminhamento de ofício

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 672, DE 16 DE SETEMBRO DE 2000

RESOLUÇÃO Nº 672, DE 16 DE SETEMBRO DE 2000 RESOLUÇÃO Nº 672, DE 16 DE SETEMBRO DE 2000 Fixa normas de fiscalização de procedimentos administrativos, e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA-CFMV, no uso das atribuições

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho FISCALIZAÇÃO EXTERNA IT. 06 08 1 / 9 1. OBJETIVO Coordenar, programar e acompanhar a execução do trabalho de fiscalização executado pelos agentes/analistas de fiscalização, com o objetivo de fiscalizar

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 PROCESSO Nº: REP 11/00278840 UNIDADE GESTORA: PREFEITURA MUNICIPAL DE TIJUCAS INTERESSADO:

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO. Recorrente: SELL COMÉRCIO SERVIÇOS E CONSTRUÇÕES LTDA.

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO. Recorrente: SELL COMÉRCIO SERVIÇOS E CONSTRUÇÕES LTDA. Processo: CONVITE N.º 007/2008 Assunto: JULGAMENTO RECURSO ADMINISTRATIVO Recorrente: SELL COMÉRCIO SERVIÇOS E CONSTRUÇÕES LTDA. A Comissão Permanente de Licitação - CPL da Centrais Elétricas de Rondônia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 20.237/11/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000168254-01 Impugnação: 40.010128760-71 Impugnante: D Lirius Moda Intima Ltda. IE: 277317778.00-58 Proc. S. Passivo: Rômulo Damasceno Naves/Outro(s) Origem:

Leia mais

A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos

A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos DEPEN DEPARTAMENTO DE ENSINO A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos Acimarney Correia Silva Freitas¹, Ivan da Silva Bié 2, Marcus Vinicius Silva Ferraz 3, Mariana Cardoso Mendes

Leia mais

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009.

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. Regulamenta o Capítulo VII da Lei nº 4.257, de 02 de dezembro de 2008 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008

RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008 1 RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008 Dispõe sobre o Regimento Interno da Junta Recursal do Programa Estadual de Proteção e Defesa ao Consumidor JURDECON e dá outras providências. O Colégio de Procuradores de Justiça

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 16 1 / 23 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT.

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. 1 A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. Vinicius Leal Batista de Andrade 1 RESUMO A empresa seus aspectos e características, notas breves sobre o que venha ser uma empresa, sua função. Recuperação judicial,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL REGIMENTO INTERNO A Comissão Institucional de Gestão Ambiental CIGA, do Ministério Público

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre os registros definitivos e temporários de profissionais no Conselho de Arquitetura e Urbanismo e dá outras providências. O Conselho de Arquitetura e

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO. Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO. Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE ORDEM SF I. I - A.N.I. - MANUTENÇÃO UGI NORTE 1 SF-659/2012 SANDRA REGINA TEIXEIRA SANTIAGO CARLOS ALBERTO GUIMARÃES GARCEZ Processo: SF- 659/2012 Interessado: SANDRA REGINA TEIXEIRA

Leia mais

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA 7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA Apelante: MUNICÍPIO DE CERRO AZUL Apelado: ESTADO DO PARANÁ Relator: Des. GUILHERME LUIZ GOMES APELAÇÃO CÍVEL AÇÃO ANULATÓRIA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

Dispõe sobre adoção de critérios para redução da anuidade do exercício de 2010 aos profissionais de contabilidade e dá outras providências

Dispõe sobre adoção de critérios para redução da anuidade do exercício de 2010 aos profissionais de contabilidade e dá outras providências O Plenário do Conselho Regional de Contabilidade em Pernambuco - CRC-PE, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e Considerando o que dispõe a Resolução CFC nº 1.250/09, de 27 de novembro de 2009;

Leia mais

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições Dispõe sobre o exercício profissional dos Tecnólogos das áreas submetidas à regulamentação e fiscalização instituídas pela Lei nº 5.194, de 24 DEZ 1966, e dá outras providências.

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= LEI Nº 2.689, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- Autoriza a doação de lote

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACULDADE SANTO AGOSTINHO CEP/FSA

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACULDADE SANTO AGOSTINHO CEP/FSA Teresina, 13 de agosto de 2012. Dispõe sobre a regulamentação do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Santo Agostinho CEP/FSA. A Direção Geral da Faculdade Santo Agostinho FSA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP 1.INTRODUÇAO...... 3 2.ONDE CONSEGUIR INFORMAÇÔES?... 4 Normas USP... 4 Site EACH...4 Sistema de atendimento da Comissão de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL REGISTRO PROFISSIONAL E ACERVO TÉCNICO A EXPERIÊNCIA DO CREA-PR Eng. Civ. Joel Krüger Presidente CREA-PR Sistema CONFEA/CREAs 977.750 Profissionais 306

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA Art. 1. O Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente do Estado do Amapá é a

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho APOIO AO DIREITO DO CONSUMIDOR IT. 12 08 1 / 6 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para procedimentos visando à solução de litígios motivados por problemas técnicos, no que se refere à participação de Profissionais/Empresas

Leia mais

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA TÓPICOS INSTRUMENTOS LEGAIS APLICÁVEIS LEGISLAÇÃO: CONSTITUIÇÃO FEDERAL, LEIS, DECRETOS e RESOLUÇÕES FORMAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL DELIBERAÇÕES NORMATIVAS

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1052, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1052, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1052, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 14 de Dezembro de 2012 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coord. Adjunto Analista de Processos Analista

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE LEÃO SAMPAIO COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO COPEX Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Leão Sampaio (CEP/LEÃO SAMPAIO) Atualizado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências.

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências. RESOLUÇÃO CoCEx nº 6667, de 19 de dezembro de 2013. (D.O.E. 21.12.13) (Protocolado 11.5.2443.1.5). Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL Nº 0006418 17.2004.4.03.6103/SP 2004.61.03.006418 7/SP RELATOR APELANTE : No. ORIG. : Desembargador Federal FABIO PRIETO Conselho

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006

RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006 PROC: 1/004193/2004 \ AL: 1/200410475 ESTADO DO CEARA SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006 PROCESSO DE RECURSO N 1/004193/2004 AUTO

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios PORTARIA Nº 019/2010 O Presidente da Associação Matogrossense dos Municípios AMM, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Estatuto Social e Resolução 002/2010, RESOLVE: Art. 1º -

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07)

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) RESOLUÇÃO Nº 311 DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) 758 Ementa: Dispõe sobre a Inscrição, Averbação e Âmbito Profissional do Auxiliar Técnico

Leia mais

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a aplicação da Lei Complementar nº 126/13 e da Lei nº 6400/13, que instituem, por AUTOVISTORIA, a obrigatoriedade de realização de vistorias técnicas

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial LEX Jovem Empreendedor Programa de Crédito Orientado Comitês de Aprovação Regulamento Operacional CARTA-CIRCULAR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010 Estabelece as normas para que os Municípios, Estados e o Distrito Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Petrópolis 2013 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é um resumo

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 Resolução CMAS nº 16, 26 de setembro de 2011, revoga a Resolução CMAS nº 01/2002 e define os parâmetros para

Leia mais

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP, nos termos do Convênio

Leia mais

Recurso contra aplicação de multa cominatória

Recurso contra aplicação de multa cominatória PARA: GEA-2 DE: Paulo Portinho RA/CVM/SEP/GEA-2/Nº 105/2015 DATA: 22/06/2015 ASSUNTO: Recurso contra aplicação de multa cominatória CIA. INDL. SCHLOSSER S.A. Processo CVM nº 2014-14745 1. Senhor Superintendente,

Leia mais

D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011

D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011 D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011 Institui o Regimento Interno do Comitê Nacional de Educação Financeira. O COMITÊ

Leia mais

EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015.

EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015. EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015. A Presidente do no uso de suas atribuições legais e regulamentadas pela Lei Nº 2.750 de 31 de Dezembro publica as normas para o processo eleitoral das entidades

Leia mais

GUILHERME COUTO DE CASTRO Desembargador Federal - relator

GUILHERME COUTO DE CASTRO Desembargador Federal - relator 292 RELATOR : GUILHERME COUTO DE CASTRO APELANTE : CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRACAO - RJ ADVOGADO : ALESSANDRA CHRISTINA DE MACEDO APELADO : GE CELMA LTDA ADVOGADO : BRENO LADEIRA KINGMA ORLANDO ORIGEM

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

Interessados: Interessado: Ministério das Comunicações, Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL

Interessados: Interessado: Ministério das Comunicações, Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0483-30/01-P Identidade do documento: Decisão 483/2001 - Plenário Ementa: Acompanhamento. ANATEL. Licitação. Outorga de direito de concessão para a exploração

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Farroupilha Regimento Interno da Comissão de Avaliação

Leia mais

DECRETO Nº. 2.469 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2009

DECRETO Nº. 2.469 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o procedimento de fiscalização para fins de SUSPENSÃO e CANCELAMENTO de Alvará de Funcionamento e INTERDIÇÃO em estabelecimentos empresariais e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 815, DE 1995

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 815, DE 1995 1 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 815, DE 1995 (Apensados os Projetos de Lei nº 2.194, de 1996, nº 981, de 1999, nº 6.639, de 2002, nº 6.640,

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL JUNTO ao IFC

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL JUNTO ao IFC ORDEM DE SERVIÇO CONJUNTA Nº 01/GR/PF-IFC, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE E O PROCURADOR-CHEFE DA PROCURADORIA FEDERAL JUNTO AO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

Normas para reserva de equipamentos para eventos de interesse da UNILAB

Normas para reserva de equipamentos para eventos de interesse da UNILAB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira UNILAB Coordenação de Logística Normas para reserva de equipamentos para eventos de interesse da UNILAB Divisão

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1077, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1077, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1077, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 11 de Abril de 2014 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenadora Adjunta Representante do Plenário

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 238/2011

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 238/2011 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 238/2011 Dispõe sobre as Normas para Revalidação de Diplomas obtidos no exterior, na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo n o PRG-054/11,

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais