Estudo da viabilidade de consórcios de fossa. séptica para grupos de moradias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo da viabilidade de consórcios de fossa. séptica para grupos de moradias"

Transcrição

1 Jorge Galvani Filho R.A , 10º Semestre Estudo da viabilidade de consórcios de fossa séptica para grupos de moradias Itatiba 2007

2 1 Jorge Galvani Filho R.A , 10º Semestre Estudo da viabilidade de consórcios de fossa séptica para grupos de moradias Monografia apresentada à disciplina Trabalho de Conclusão de Curso, do Curso de Engenharia Civil da Universidade São Francisco, sob a orientação do Profº. Dr. Alberto Luiz Francato, como exigência parcial para conclusão do curso de graduação. Itatiba 2007

3 Dedico este trabalho de pesquisa aos meus pais Jorge Galvani e Elisabete Vetachi Galvani, a minha esposa Danila Montagnani Galvani, a minha filha Rebeca Montagnani Galvani e ao meu querido Profº. Dr. Alberto Luiz Francato. 2

4 3 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus pelo dom da sabedoria, e por ter me auxiliado com pessoas que foram de suma importância para a conquista deste.

5 4 "A percepção do desconhecido é a mais fascinante das experiências. O homem que não tem os olhos abertos para o misterioso passará pela vida sem ver nada". Albert Einstein

6 5 RESUMO Neste trabalho foi estudada a viabilidade de consórcios de fossa séptica de grupos de moradias buscando a redução de custos e melhorias na eficiência da manutenção. Perante os modelos estudados de fossas sépticas nos quais foi a de Polietileno e a de Anéis de Concreto, constatou-se que a melhor solução para este trabalho foi a realizada em Anéis de Concreto, pelo baixo custo de implantação e manutenção. Desta forma foi possível mostrar que este tipo de sistema pode ser a solução para que comunidades carentes, onde exista a necessidade de saneamento básico, obtenha uma alternativa para o tratamento do esgoto primário doméstico.

7 6 ABSTRACT This work has studied the feasibility of consortia of Fossa Septic groups of houses seeking to reduce costs and improvements in the efficiency of maintenance. Given the models studied from Fossa Septic tanks in which was to polyethylene and the rings of Concrete, it emerged that the best solution for this work was carried out in the rings of Concrete, for its low cost of deployment and also the maintenance. Thus it was possible to show that this type of system may be the solution to poor communities, where there is the need for sanitation get an alternative for the treatment of domestic sewage primary.

8 7 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Objetivo do trabalho REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O que são fossas sépticas? Funcionamento da fossa séptica Recomendações para construção de uma fossa séptica Funcionamento geral de um tanque séptico Afluentes de um tanque séptico Tipos de fossa séptica Distribuição dos efluentes no solo ESTUDO DE CASO Calculo de volume da fossa séptica Formula para dimencionamento da fossa séptica Base de dados para dimencionamento da fossa séptica do trabalho Custos da fossa séptica CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ANEXOS...32

9 8 LISTA DE SIGLAS: O.M.S (Organização Mundial de Saúde) CETESB (Companhia Tecnológica de Estadual de Saneamento Ambiental) E.T.E (Estação de Tratamento de Esgoto) N.B.R (Norma Brasileira) P.V.C (Poli Cloreto de Vinila) S.B.R.T (Sistema Brasileiro de Respostas Técnicas)

10 9 LISTA DE SIMBOLOS: mm (Milímetro) m (Metro) m 2 (Metro Quadrado) m 3 (Metro Cúbico) l (Litro) V (Volume Útil) T (Período de Detenção) N (Numero de Pessoas ou Unidade de Contribuição) C (Contribuição de Despejo) K (Taxa de Acumulação de Lodo Digerido) Lf (Contribuição de Lodo Fresco)

11 10 1. INTRODUÇÃO: Mais da metade dos domicílios brasileiros não dispõe de rede coletora de esgoto e tratamento de efluentes. O acesso a esse serviço avançou de forma lenta nos últimos anos, colocando algumas regiões do país em situações preocupantes. Atualmente temos observado a construção do sistema de tratamento de efluentes em várias cidades, mas apesar destas obras serem importantes para o saneamento urbano, ainda carecemos de infra-estrutura para as populações menos favorecidas e mesmo para a população que vive nas periferias dos centros urbanos. O saneamento básico ainda é um grande desafio a ser vencido pelos países emergentes e dentre eles podemos citar o Brasil. Nosso país apesar de ter índices razoáveis de suprimento de água potável, ainda se depara com inadequada destinação final de esgotos ou mesmo inexistência do sistema coletor em algumas localidades. Segundo os índices da Organização Mundial da Saúde (OMS) verifica-se que 46 milhões de pessoas não têm acesso a saneamento básico (CNM Confederação Nacional de Municípios, Rio Grande do Sul. Disponível em: <http://www.relvado.rs.gov.br/003/ asp ttcd_chove=36946>. Acesso em: 01 out.2007). Os efluentes domésticos representam uma parcela significativa dos esgotos sanitários, que provêm principalmente das residências, das edificações públicas e comercias que concentram aparelhos sanitários, lavanderias e cozinhas. Apesar de variarem em função dos costumes, condições sócioeconômicas e culturais das populações, o esgoto doméstico tem característica bem definida. Resultante do uso da água pelo homem em função dos hábitos higiênicos e de suas necessidades fisiológicas o esgoto doméstico é composto basicamente das águas de banho, urina, fezes, restos de comida, sabões, detergentes e água de lavagens. O esgoto sanitário e os efluentes dos processos industriais são às vezes indevidamente lançados sobre o terreno superficial, vias públicas e sarjetas, gerando problemas graves não só provenientes da poluição que agride o olfato e a visão, mas também, podendo gerar problemas de saúde pública, levando até mesmo ao surgimento de epidemias, quando contaminados por substâncias patogênicas e tóxicas. Pode-se destacar como exemplo de doença causada pela falta de saneamento básico o cólera, que é uma doença de transmissão fecaloral. É sabido que, ainda hoje, existem esgotos que são lançados em fossas negras e em redes de esgoto que conduzem os efluentes in natura até os

12 11 corpos d água, provocando degradação ambiental. Assim faz-se necessário estudo de alternativas para a destinação final adequada dos esgotos. Uma alternativa é a construção de fossas sépticas, que armazenam os efluentes que são coletados, armazenados e depois transportados até estações de tratamento de efluentes. Em alguns casos as fossas sépticas são instalações projetadas que atenuam a agressividade das águas servidas, tendo emprego já difundido. A fossa séptica destina-se a separar e degradar a matéria sólida contida nas águas de esgoto e descarregá-las no terreno, onde se completa o processo. Dependendo do local de despejo, este processo já é considerado suficiente para a destinação final do efluente. É sabido que no estado de São Paulo, a Companhia de Tecnológica e Saneamento Básico Ambiental (CETESB) exige que 80% da carga orgânica seja removida da água antes da mesma ser devolvida ao meio ambiente (REVISTA ARQUITETURA E CONSTRUÇÃO. Fossa: de bem com a natureza. Brasil.São Paulo,SP Fevereiro. p.86 88). A fossa séptica é recomendada para locais com baixa densidade populacional, em que se torna economicamente oneroso a construção de redes de água e esgoto, ou por motivos topográficos a construção da rede não seja possível. 1.1 Objetivo do trabalho Este trabalho tem como objetivo estudar a viabilidade de consórcios de fossas sépticas de varias moradias buscando a redução de custos e melhorias na eficiência da manutenção, colaborando para uma melhor condição de saneamento básico em comunidades carentes. O estudo analisa o custo final per capta referente a construção e operação das fossas, em função do número de moradias consorciadas para uso da fossa.

13 12 2. REVISÃO BIBLIOGRAFICA: Para um melhor entendimento deste trabalho descrever-se-á nos tópicos a seguir as fossas sépticas e seus componentes. 2.1 O que são fossas sépticas? Fossa séptica ou tanque séptico, segundo a norma de projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos a NBR 7229/93, são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e econômica de disposição dos esgotos indicada sobretudo para a zona rural, residências isoladas ou que não tenhám rede coletora de esgoto. Todavia, o tratamento não é completo como numa Estação de Tratamento de Esgotos (E.T.E). 2.2 Funcionamento da fossa septica O esgoto in natura das residências é lançado em uma fossa séptica para que com o menor fluxo da água, a parte sólida possa se depositar, liberando assim a parte líquida de toda a materia lançada. Uma vez feito esta etapa inicial as bactérias anaeróbias agem sobre a parte sólida do esgoto decompondo-o. Esta decomposição é importante pois torna o esgoto residual com menor quantidade de matéria orgânica. Desta forma é possivel fazer o lançamento de volta à natureza com menor prejuízo à mesma. Devido a possibilidade da presença de organismos patogênicos, a parte sólida deve ser retirada, através de um caminhão limpa-fossas e transportada até um aterro sanitário. Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbica ocorrendo somente a decomposição anaeróbica devido a ausência quase total de oxigênio. No tratamento primário de esgoto doméstico, sobretudo nas zonas rurais, podem ser utilizadas as fossas sépticas que são unidades nas quais são feitas a separação e transformação da matéria sólida contida no esgoto. As fossas sépticas são estruturas complementares e necessárias às moradias, sendo fundamentais no combate a doenças, vermisoses e endemias (como o cólera), pois diminuem o lançamentos dos dejetos humanos diretamente em rios, lagos, nascente ou mesmo na superfície do solo. O uso é essencial para a melhoria das condições de higiene das populações rurais e urbanas, de localidades não servidas por redes de coleta pública de esgotos.

14 13 Esse tipo de fossa consiste em um tanque enterrado, que recebe os esgotos (dejetos e água servida), retendo a parte sólida e iniciando o processo biológico de purificação da parte líquida (efluente). Mas é preciso que esses efluentes sejam filtrados para completar o processo biológico de purificação e eliminar o risco de contaminação. 2.3 Recomendações para construção de uma fossa septica As fossas sépticas não devem ser construidas muito proximas as moradias (para evitar mau cheiro) nem muito longe (para evitar tubulações muito longas). A distancia recomendada é cerca de 6 metros. Preferenciamente devem ser construídas do lado do banheiro, para evitar curvas nas canalizações. Também devem ficar num nível mais baixo do terreno e longe de poços, cisternas ou de qualquer outra fonte de captação de água (no mínimo trinta metros de distância), para evitar contaminações, no caso de eventual vazamento. O tamanho da fossa séptica depende do número de pessoas servidas por ela. É dimensionada em função de um consumo médio de água por pessoa, por dia. Porém sua capacidade nunca deve ser inferior a mil litros (SBRT Sistema Brasileiro de Respostas Técnicas. Disponível em: <http://www.sbrt.ibict.br/upload/sbrt7130s.html>. Acesso em 10 set. 2007). 2.4 Funcionamento geral do tanque séptico: O esgoto é detido na fossa por um período estabelecido nas condições de dimensionamento das fossas, que pode variar de 12 a 24 horas dependendo das contribuições de efluentes. Simultaneamente à fase de retenção processase uma sedimentação de 60 a 70% dos sólidos em suspensão contidos nos esgotos, formando-se o lodo. Parte dos sólidos não decantados, formados por óleos, graxas, gorduras e outros materiais misturados com gases são retidos na superfície livre do líquido, no interior do tanque séptico, denominados de escuma. Tanto o lodo como a escuma são atacados por bactérias anaeróbias, provocando uma destruição total ou parcial de organismos patogênicos, assim há uma redução de volume causado pela digestão que resulta em gases, líquidos e acentuada redução de volume dos sólidos retidos e digeridos, que adquirem características estáveis capazes de permitir que o efluente líquido do tanque séptico possa ser lançado em melhores condições de segurança do que as do esgoto bruto, como mostrado na figura 01.

15 14 Figura 01 Funcionamento geral de uma fossa séptica Fonte: NBR 7229/ Efluentes do tanque séptico O tanque séptico deve ser projetado para receber todos os despejos domésticos de cozinhas, lavanderias domiciliares, lavatórios, vasos sanitários, bidês, banheiros, chuveiros, mictórios, ralos de piso de compartimento interior, etc. Verifica-se ser ideal a instalação de uma caixa de gordura (figura 02) na canalização que conduz despejos das cozinhas para o tanque séptico e também a instalação de uma caixa de inspeção (figura 03) na canalização final antes de chegar a fossa séptica para desobstruir qualquer entupimento da rede de esgoto. Esta caixa pode ser construída em alvenaria, ou pré-moldada, com tampa de concreto. Isso ajudará a serem vetados lançamentos de qualquer despejo que possam causar condições adversas ao bom funcionamento dos tanques sépticos ou que apresentam um elevado índice de contaminação.

16 15 Figura 02 Caixa de gordura Figura 03 Caixa de inspeção

17 Tipos de fossas septicas: As fossas sépticas podem ser de dois tipos: a) Pré-moldadas: As fossas sépticas pré-moldadas podem ser de alvenaria (anéis de concreto pré-moldados), apresentado na figura 04 ou polietileno apresentado na figura 05 e 06. Não há diferenças no funcionamento do sistema por causa do material, o que muda é o cuidado que se deve ter na execução, o prazo de entrega e o custo total. A alvenaria é o método mais difundido pelo baixo custo, mas a mão de obra empregada na instalação nem sempre é especializada, sendo que o maior problema é manter a estanqueidade para que o sistema não fique prejudicado (evitar vazamentos). O ponto mais crítico da instalação é a base do tanque onde a laje e a junta devam formar uma só peça de concreto. Os tanques em fibras de polietileno não são tão empregados pelo seu alto custo. São geralmente instalados em um dia. Neste sistema, deve-se tomar cuidado para evitar que pedras pontiagudas do solo perfurem o tanque durante a instalação ou no funcionamento. Para volumes maiores é recomendável que a altura seja maior que o dobro do diâmetro. Para sua montagem, observar as orientações dos fabricantes.

18 Figura 04 - Foto de uma fossa séptica em concreto 17

19 18 Figura 05 - Foto de uma fossa séptica em polietileno Figura 06 - Foto de uma fossa séptica em polietileno b) Feitas no local: A fossa séptica feita no local tem formato retangular ou circular. Para funcionar bem, ela deve ter dimensões determinadas por meio de um projeto específico de engenharia, contemplando a estrutura e os acessórios hidráulicos para sua manobrabilidade.

20 19 A execução desse tipo de fossa séptica começa pela escavação da cavidade no solo onde a fossa vai ficar olojada no terreno. O fundo da cavidade deve ser compactado e nivelado. As paredes são feitas com tijolo maciço, cerâmico, ou com bloco de concreto. Durante a execução da alvenaria, já devem ser colocados ou tubos de entrada e saída da fossa, e deixadas ranhuras para encaixe das placas de separação das câmaras, caso de fossa retagular. As paredes internas da fossa devem ser revestidas com argamassa à base de cimento A fossa séptica circular, é a que apresenta maior estabilidade. Neste modelo utiliza-se retentores de espuma na entrada e na saída, formados por tês de PVC de 90 graus e diâmetro de 100 milímetros. Na fossa séptica retangular a separação das câmaras (chicanas), e a tampa da fossa são feitas com placas pré-moldadas de concreto. Para a separação das câmaras são necessárias cinco placas: duas de entrada e três de saída. Essas placas têm quatro centímetros de espessura e a armadura em forma de tela.a tampa é subdividida em placas, para facilitar a sua execução, instalação e eventuais remoções. 2.7 Distribuição dos efluentes no solo Há três maneiras de distribuir os efluentes no solo. A definição depende do tipo de solo e/ou dos recursos disponíveis para a sua execução, a seguir faz-se uma breve descrição dos mesmos: a) Valas de filtração: Segundo a NBR 13969/1997, vala de filtração pode ser definida como vala escavada no solo, preenchida com meios filtrantes e provida de tubos de distribuição de esgoto e de coleta de efluente filtrado, destinada à remoção de poluentes através de ações físicas e biológicas sob condições essencialmente aeróbias. O sistema de filtração caracteriza-se por permitir nível elevado de remoção de poluentes. Pode-se utilizá-lo quando o solo ou as condições climáticas do local não recomendam o emprego da vala de infiltração, quando a legislação sobre as águas dos corpos receptores exige alta remoção dos poluentes dos efluentes do tanque séptico e quando for considerado vantajoso o aproveitamento do efluente tratado, sendo adotada como unidade de pós tratamento.

21 20 b) Valas de infiltração: Esse sistema consiste na escavação de uma ou mais valas, nas quais são colocados tubos de dreno com brita, ou bambu, preparado para trabalhar com dreno retirando o miolo, que permite, ao longo do seu comprimento, escoar para dentro do solo os efluentes provenientes da fossa séptica. O comprimento total das valas depende do tipo de solo e quantidade de efluentes a ser tratado. Em terrenos arenosos 8 m de valas por pessoa são suficientes. Em terrenos argilosos são necessários doze metros de valas por pessoa. Entretanto, para um bom funcionamento do sistema, cada linha de tubos não deve ter mais de trinta metros de comprimento. Portanto, dependendo do número de pessoas e do tipo de terreno, pode ser necessária mais de uma linha de tubos/valas. c) Sumidouro: O sumidouro é um poço sem laje de fundo que permite a infiltração do efluente da fossa séptica no solo. O diâmetro e a profundidade dos sumidouros dependem da quantidade de efluentes e do tipo de solo. Mas, não deve ter menos de 1m de diâmetro e mais de 3m de profundidade, para simplificar a construção. Os sumidouros podem ser feitos com tijolo maciço ou blocos de concreto ou ainda com anéis pré-moldados de concreto. A laje ou tampa do sumidouro pode ser feita com uma ou mais placas pré-moldadas de concreto, ou executada no próprio local.

22 21 3. ESTUDO DE CASO 3.1. Calculo de volume da fossa séptica O dimensionamento do volume da fossa séptica deve atender a NBR 7229/93, que tem por objetivo preservar a saúde publica e ambiental, a higiene, o conforto e a segurança dos habitantes de áreas servidas por este sistema. Segundo o SBRT (Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas), para volumes maiores é recomendável que a altura não seja maior que o dobro do diâmetro, para que a fossa funcione bem e tenha o seu melhor rendimento (http://www.sbrt.ibict.br/upload/sbrt7130s.html; acessado em 10/09/2007). 3.2 Formula para dimensionamento da fossa séptico: O volume útil da fossa séptico deve ser calculado pela formula: V N ( C T + K Lf ) Onde: = (1) V = Volume Útil, em litros; N = Numero de pessoas ou unidade de contribuição; C = Contribuição de despejo em litros/pessoa por dia ou em litro/unidade por dia (tabela 01); T = Período de detenção, em dias (tabela 02); K = Taxa de acumulação de lodo digerido em dias, equivalente ao tempo de acumulação de lodo fresco (tabela 03); Lf = Contribuição de lodo fresco, em litros/pessoa x dia ou em litros/unidade por dia (tabela 01).

23 22 Tabela 01 Contribuição diária de esgoto (C) e de lodo fresco (Lf) por tipo de prédio e de ocupante PREDIO UNIDADE CONTRIBUIÇÃO DE ESGOTOS (C) E LODO FRESCO (Lf) 1. Ocupantes Permanentes - Residência Padrão Alto Padrão Médio Padrão Baixo - Hotel (exceto lavanderia e cozinhas) - Alojamento Provisório 2. Ocupantes Temporários - Fabrica em geral - Escritório - Edifícios públicos ou comerciais - Escolas - Bares - Restaurantes ou similares - Cinema, teatro, locais de pouca permanência - Sanitário publico Fonte: NBR 7229/93 Pessoa Pessoa Pessoa Pessoa Pessoa Pessoa Pessoa Pessoa Pessoa Pessoa Pessoa Pessoa Pessoa Tabela 02 Período de detenção dos despejos, por faixa de contribuição diária. Até 1500 De 1501 a 3000 De 3001 a 4500 De 4501 a 6000 De 6001 a 7500 De 7501 a 9000 Mais de 9000 Fonte: NBR 7229/93 Contribuição diária (L) Tempo de detenção Dias Horas 1, , , , , , ,50 12 Tabela 03 Taxa de acumulação total de lodo (K), em dias, por intervalo entre limpezas e temperatura do mês mais frio. Intervalo entre Valores de K por faixa de temperatura ambiente (t), em C.º limpezas (anos) t t 20 t > Fonte: NBR 7229/ ,30 0,20 0,20 0,20 0,10 0,10 0,02 4,00

24 Base de dados para dimensionamento da fossa séptica do trabalho Neste trabalho foram dimensionadas fossas sépticas para grupos até 40 residências com moradias de 5 pessoas por unidade de baixo padrão, sendo assim será usado o Coeficiente C = 100 e Lf = 1 segundo a tabela 01. O valor de K usando a tabela 03 é igual 65. No resultado do volume útil, soma-se mais 800 litros para circulação de gases e folga do sistema. Os resultados obtidos encontram-se na tabela 04, onde: Volume útil = É o espaço interno mínimo necessário ao correto funcionamento da fossa séptica, correspondente a somatória dos volumes destinados a digestão, decantação e armazenamento de escuma (espuma); Volume total = É o volume útil acrescido de volume correspondente ao espaço destinado à circulação de gases no interior da fossa (800 litros), acima do nível do liquido; Tempo em que a fossa encherá = É o tempo máximo em que a fossa séptica suporta a quantidade de lodo acumulado no sistema. Tabela 04 Dados de volume útil, volume total e tempo de enchimento da fossa séptica. Numero de residência ligada no sistema Numero total de pessoas nas residências Volume útil (litros) Volume total (litros) Tempo em que esta fossa se encherá (dias)

25 Com os resultados da tabela 04, é possível construir o gráfico da figura 07 onde se verifica a relação do volume por tempo para enchimento da fossa séptica por dia. Tempo (Dias) y = 0,6883x 2-25,195x + 340,92 R 2 = 0, Figura 07 Volume acumulado em função do tempo Volume (m 3 )

26 Custo da fossas sépticas A composição de custos de uma fossa séptica pode ser realizada somando-se custos de implantação e operação a) Custo de implantação: refere-se ao custo da desapropriação do terreno (este não foi considerado para calculo deste projeto), custo da fossa séptica de concreto ou de polietileno, mão de obra para instalação do sistema, materiais hidráulicos e outros. Para esta composição de custo foram adotados os seguintes valores unitários: Tabela 05 - Custo de anéis de concreto em função dos diâmetros DIAMETRO (METRO) VALOR UNITARIO 0,80 R$ 20,00 1,00 R$ 28,00 1,20 R$ 33,00 1,30 R$ 58,00 1,50 R$ 78,00 2,00 R$ 170,00 Fonte: Deposito de Materiais de Construção De-Mari 1. Tabela 06 - Custo de fossa séptica de polietileno em função do volume VOLUME (M3) VALOR UNITARIO 1,80 R$ 1.094,59 3,00 R$ 1.518,47 5,50 R$ 2.774,99 10,00 R$ 5.235,63 Fonte: Deposito de Materiais de Construção Telha Norte 2. Fonte: Autor 3. Tabela 07 - Custo de mão de obra por m 3 VOLUME (M3) VALOR MÃO DE OBRA 1,00 R$ 40,00 1 Deposito de Construção De-Mari, Av. Tiradentes, 237 Centro Bom Jesus dos Perdões SP, Tel: (11) , no período de 01/10/ Deposito de Materiais de Construção Telha Norte, Av. Presidente Castelo Branco, 6201 Água Branca SP, Tel: (11) , no período de 01/10/ Pesquisa com profissionais realizado na cidade de Bom Jesus dos Perdões SP, no período de 01/10/2007.

27 26 Tabela 08 - Custo médio da instalação hidráulica da fossa séptica UNIDADE CUSTO POR UNIDADE DE FOSSA 1,00 R$ 25,00 Fonte: Deposito de Materiais de Construção De-Mari 1. Tabela 09 - Custo de tampa de concreto em função do diâmetro DIAMETRO (METRO) VALOR UNITARIO 0,80 R$ 20,00 1,00 R$ 28,00 1,20 R$ 33,00 1,30 R$ 58,00 1,50 R$ 78,00 2,00 R$ 170,00 Fonte: Deposito de Materiais de Construção De-Mari 1. Tabela 10 - Custo de laje de fundo de concreto armado e mão de obra VOLUME (M3) VALOR 1,00 R$ 631,94 Fonte: Deposito de Materiais de Construção De-Mari 1. b) Custo operacional: refere-se ao custo da limpeza, transporte do efluente, energia elétrica e manutenção da fossa séptica. Tabela 11 - Custo limpa fossa VOLUME (M 3 ) VALOR 7,00 R$ 350,00 Fonte: Desentupidora Jundiaí 4. Desta maneira pode-se comparar os dois modelos de fossa séptica, para obtenção do menor custo de implantação do sistema, que pode ser visto na figura 08, graficamente: 4 Desentupidora Jundiaí, Rua Luigi Spina, 107 Bairro Aeroporto Jundiaí SP, orçamento realizado no período de 01/10/2007.

28 27 Custo (R$) R$ 1.700,00 R$ 1.600,00 R$ 1.500,00 R$ 1.400,00 R$ 1.300,00 R$ 1.200,00 R$ 1.100,00 R$ 1.000,00 R$ 900,00 R$ 800,00 R$ 700,00 R$ 600,00 R$ 500,00 R$ 400,00 R$ 300,00 R$ 200,00 R$ 100,00 R$ - CUSTO FOSSA DE ANEIS CUSTO FOSSA POLIETILENO Polinômio (CUSTO FOSSA POLIETILENO) Polinômio (CUSTO FOSSA DE ANEIS) Figura 08 - Gráfico de custo por volume de sistema de fossa séptica Numero de Residências Com a base de dados da figura 08 (composição de custos está no anexo 02), conclui-se que a opção mais econômica para a construção e operação de fossas sépticas, é a composta por anéis de concreto pré-moldado. Sendo assim verifica-se que apesar da fossa de polietileno apresentar instalação mais prática, ainda não é uma alternativa melhor do que a fossa composta por anéis de concreto, do ponto de vista econômico. Com os custos da fossa séptica de concreto adiciona-se o custo operacional do sistema no seu 1º ano de uso, assim pode-se obter o gráfico mostrado na figura 09, no qual o volume da fossa séptica que está diretamente relacionado ao número de residências consorciadas, pode ser obtido, buscando-se o mínimo custo diretamente do gráfico. Verifica-se ainda que a situação ideal seja algo em torno de 28 residências. É possível que o número sofra pequenas alterações em decorrência de variações de custo associado a transporte, conexões hidráulicas, etc.

29 28 Custo (R$) R$ 900,00 R$ 800,00 R$ 700,00 y = 0,4566x 2-24,803x + 528,73 R 2 = 0,6958 R$ 600,00 R$ 500,00 CUSTO POR RESIDENCIA Polinômio (CUSTO POR RESIDENCIA) R$ 400,00 R$ 300,00 R$ 200,00 R$ 100,00 R$ Figura 09 Custo final da implantação do sistema de fossa séptica de concreto por residência no primeiro ano de uso. Numero de residências Com os resultados apresentados na figura 09 observa-se que a fossa tem seu melhor custo beneficio quando consorcia-se 28 residências, desta forma o custo gerado no consórcio para cada uma destas residências é em torno de R$ 205, 67 (duzentos e cinco reais e sessenta e sete centavos) no seu primeiro ano de funcionamento. A partir do seu segundo ano de funcionamento o sistema deverá ter um custo de R$ 87,44 (oitenta e sete reais e quarenta e quatro centavos) observado na figura 10, para cada uma das residências citadas acima, onde apenas encontra-se o custo operacional do sistema. Desta forma é possível mostrar que um sistema de consorcio de fossas sépticas pode ser a solução para que as comunidades carentes, onde existe a necessidade de saneamento básico obtendo uma alternativa para o tratamento primário do esgoto doméstico, evitando-se assim não apenas as doenças causadas pelo esgoto, mas também a contaminação de todo o meio ambiente.

30 29 Custo (R$) R$ 350,00 R$ 300,00 R$ 250,00 R$ 200,00 Custo de limpeza da fossa septica por residencia Polinômio (Custo de limpeza da fossa septica por residencia) y = 0,2097x 2-10,536x + 217,51 R 2 = 0,509 R$ 150,00 R$ 100,00 R$ 50,00 R$ Figura 10 Custo final de manutenção do sistema de fossa séptica de concreto por residência a partir do segundo ano de uso. Numero de Residências

31 30 4. CONCLUSÃO: Os serviços de saneamento básico no Brasil ainda carecem de inovações tecnológicas como forma de estender o atendimento a toda população, garantindo qualidade de vida e bem estar. Nas regiões mais afastadas dos grandes centros urbanos são comuns cenários de falta de suprimento de água potável e a inexistência de uma rede coletora de esgoto. Atualmente busca-se por técnicas eficientes no tratamento de efluentes, mas ainda nem todo esgoto é coletado dos lares. Muitas vezes os efluentes domésticos são lançados nas ruas ou em fossas negras. Este trabalho foi motivado pela busca de soluções econômicas que viabilizassem saneamento básico, mais especificamente, afastamento de esgoto doméstico em condições adequadas. A idéia de consorciar fossas sépticas é interessante, pois, pode diluir alguns custos fixos e repartir de maneira de otimizar os custos operacionais. Neste trabalho levantou-se custos de materiais de construção para a construção de fossas sépticas de diversas capacidades em função do número de unidades domiciliares participantes do consórcio e analisou-se a economia de escala com volumes maiores para as operações de limpa fossa. Como resultado o trabalho apresentou um layout para a distribuição dos lotes em uma quadra modelo de maneira a viabilizar a implantação da fossa consorciada. Concluiu-se deste trabalho que o número ideal de unidades é vinte e oito. Este trabalho foi realizado na região bragantina, porem cabe lembrar que este estudo pode sofrer variações em função do local a ser implantado, pois com diferentes custos regionais de implantação e operação pode-se chegar a um número diferente de unidades consorciadas. Este trabalho pode ter desdobramentos futuros, sendo interessante detalhar sistemas de apoio como elevatórias ou mesmo compartilhar técnicas de tratamento de esgoto que poderiam ser feitas parcialmente já na fossa consorciada. A publicação deste trabalho e meio de comunicação científico certamente receberá críticas, e se bem fundamentas, independente de serem positivas ou negativas ajudará a ciência e ter novos olhares para um problema sério de saúde pública que é a falta de saneamento básico adequado.

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento.

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento. RESPOSTA TÉCNICA Título Fossa séptica Resumo Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave Fossa séptica; esgoto; tratamento. Assunto Meio ambiente, reciclagem e tratamento de resíduos Demanda

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS Considerando o índice pluvialmétrico histórico da Cidade do Salvador, de 1800 mm por ano. Tendo em mente a correspondência de 1 mm de chuva ser equivalente a 1 (um) litro

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Químico (UNICAMP, 1989); Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

UNIP-UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL INTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO

UNIP-UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL INTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO UNIP-UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL INTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTO FERNANDO BARBOSA SANTOS PETUNIA DE ANDRADE SILVA RAFAEL ALBERTINI BELENTANI ARAÇATUBA-SP

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG.

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/7 O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro civil (1997): UFU Universidade Federal de

Leia mais

Manual Prático Saneamento Básico Residencial

Manual Prático Saneamento Básico Residencial Manual Prático Saneamento Básico Residencial 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. Guia de Instalação BIODIGESTOR ECOLIMP 600 L 1.300 L Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 10:58:54 1.

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev GUIA DE INSTALAÇÃO Biodigestor Fortlev 1 CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Tratamento orgânico de esgoto do tipo domiciliar. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, sítios ou qualquer outra aplicação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75.

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75. Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Saneamento ecológico a/c Renato Cortez 1. caixa de gordura De acordo com a NBR 8160, para a coleta de apenas uma cozinha, pode-ser uma caixa

Leia mais

FOSSAS SÉPTICAS. Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA

FOSSAS SÉPTICAS. Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA FOSSAS SÉPTICAS Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Apresentaçã ção 2-O que é a fossa séptica e como funciona 3-Restrições ao uso, Localização e Distâncias Mínimas 4-Aspectos

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. SISTEMAS PÚBLICOS DE ESGOTOS Os sistemas públicos de coleta, transporte e disposição de esgotos existem desde as primeiras civilizações conhecidas (assírios,

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

FACULDADE DO SUL DA BAHIA FASB CURSO DE ENGENHARIA CIVIL AMANDA FERNANDES RIBEIRO DIEGO CARDOSO LIMA FABIO LOPES RODRIGUES VICTOR AUGUSTO SOUZA SANTOS

FACULDADE DO SUL DA BAHIA FASB CURSO DE ENGENHARIA CIVIL AMANDA FERNANDES RIBEIRO DIEGO CARDOSO LIMA FABIO LOPES RODRIGUES VICTOR AUGUSTO SOUZA SANTOS 1 FACULDADE DO SUL DA BAHIA FASB CURSO DE ENGENHARIA CIVIL AMANDA FERNANDES RIBEIRO DIEGO CARDOSO LIMA FABIO LOPES RODRIGUES VICTOR AUGUSTO SOUZA SANTOS UTILIZAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA COM SUMIDOURO NA CONSTRUÇÃO

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC ALUNOS: SABRINA TECILA RODRIGO LUAN ORIENTADORA: JUCINÉIA DOS SANTOS DE ARAUJO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC ALUNOS: SABRINA TECILA RODRIGO LUAN ORIENTADORA: JUCINÉIA DOS SANTOS DE ARAUJO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC ALUNOS: SABRINA TECILA RODRIGO LUAN ORIENTADORA: JUCINÉIA DOS SANTOS DE ARAUJO FOSSAS SÉPTICAS: ÁGUA PURA NA TORNEIRA JARAGUÁ DO SUL 2014 RESUMO As deficiências

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR C A T Á L O G O D E P R O D U T O S SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR FILTRO ANAERÓBIO REATOR ANAERÓBIO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos = Dejectos = Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. OWENS CORNING AMÉRICA LATINA RIO CLARO-SP Cuidando do Meio Ambiente

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: CREA/UF: Autor do Projeto Resp. Técnico: CREA/UF: Co-Autor: CREA/UF: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO:

Leia mais

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Sumário 2-O que é o sumidouro e como funciona? 3-Aspectos Construtivos 4-Prescrições Normativas e Critérios

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais

CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS. Profª. Carolina D Oliveira, Esp. Eng.

CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS. Profª. Carolina D Oliveira, Esp. Eng. CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS Profª. Carolina D Oliveira, Esp. Eng. Civil Normas Técnicas ABNT NBR-05626. Instalações Prediais de Água Fria.

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Sistemas Prediais, Hidráulico-Sanitários e Gás Aula 2 Prof. Julio César B. Benatti SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO NBR 8160/99 Sistema de esgoto sanitário: coletar e conduzir os despejos provenientes

Leia mais

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 15 Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Vamos dimensionar as tubulações do sistema de esgoto abaixo: 1. Análise do projeto. Temos uma casa com um banheiro, área de serviço e cozinha.

Leia mais

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade:

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: Data do Relatório: (dd:mm:aa) Entrevistador (a) N O. QUEST.: II. CARACTERÍTICAS DOS MORADORES DO DOMICÍLIO Nome do chefe da família: SEXO: 1. M 2.

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

Aula 2 O SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIO. 2.1 Objetivos do sistema

Aula 2 O SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIO. 2.1 Objetivos do sistema Sistema de Esgoto Aula 2 O SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIO 2.1 Objetivos do sistema a) Objetivos Sanitários: Coleta e remoção rápida e segura das águas residuárias; Eliminação da poluição e contaminação de

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS ETE 600L 2 Cuidando do Meio Ambiente Anderson Müller Larrymar Ruoso Memorial Descritivo, Justificativa, Memória de Cálculo e Procedimentos de Operação

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR 2XWXEUR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR 2XWXEUR 81,9(56,'$'()('(5$/'2&($5È '(3$57$0(172'((1*(1+$5,$(6758785$/( &216758d 2&,9,/ 127$6'($8/$6 &216758d 2'((',)Ë&,26,,167$/$d (66$1,7È5,$6 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR 2XWXEUR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV,,QVWDODo}HV6DQLWiULDV

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA 1. INTRODUÇÃO Este memorial descritivo se destina a orientar a montagem e a operação do sistema de tratamento de efluentes denominado

Leia mais

PRAIA LIMPA É A NOSSA CARA. TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES

PRAIA LIMPA É A NOSSA CARA. TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES PRAIA LIMPA É A NOSSA CARA. TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES Cartilha 1 - Série Educação Ambiental Uma prática para o bem de todos EXPEDIENTE Projeto Educação Ambiental Cartilha 1 - Série Educação Ambiental

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO -

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - INTRODUÇÃO Conforme a Resolução CONAMA 273 de 2000, postos de revenda e de consumo de combustíveis devem ser dotados de sistema de drenagem

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO OBRA: CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Sobral. ENDEREÇO: Rua Sem Denominação Oficial

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Separadores Água/Óleo

Separadores Água/Óleo Separador Água/Óleo Separadores Água/Óleo Tratamento de Água e Efluentes Folheto Técnico Separadores Água-Óleo (SAO) A poluição da água pela presença de hidrocarbonetos oleosos é especialmente danosa a

Leia mais

Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!!

Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!! Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!! Universidade Federal de Lavras Núcleo de Estudos em Agroecologia e Permacultura-NEAP/DEG Eco Fossa, é uma

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA APRESENTAÇÃO SISTEMA ECOFOSSA A Ecofossa é um sistema biológico autônomo de tratamento de esgoto que não utiliza energia elétrica ou qualquer produto químico

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 A cidade de Cajazeiras, localizada no estado da Paraíba (PB), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros de obras que

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO

LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO Padronização da caixa de amostragem industrial e/ou comercial de efluentes. 1. Localização e infra estrutura da caixa de amostragem de efluentes: 1.1 Esta caixa

Leia mais

TRATAMENTO LOCALIZADO DE ESGOTOS

TRATAMENTO LOCALIZADO DE ESGOTOS Soluções individualizadas, não sistêmicas Operações e processos Tratamento primário: tanques sépticos (fossa) Remoção DBO: 30% e SST: 50% Pós-tratamento: filtro anaeróbio Remoção DBO: 60-70% e SST: 70%

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS MEMORIAL CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM RUA TRIADENTES, S/Nº-CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL - AMAZONAS PÁGINA 1 DE 5 AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO

Leia mais

PROJETO HIDROSSANITÁRIO

PROJETO HIDROSSANITÁRIO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Ampliação Comercial 1/10. PROJETO HIDROSSANITÁRIO CLIENTE : Rosangela Slomp Obra : Ampliação Comercial Endereço: Rua Dr. Mauricio Cardoso Hamburgo Velho Novo Hamburgo - RS Área

Leia mais

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. BIODIGESTOR 600 L 1.300 L 3.000 L Guia de Instalação Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. 1. Apresentação O Biodigestor é uma miniestação de tratamento

Leia mais

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO 1. GENERALIDADES O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS Profa. Margarita Maria Dueñas O. CONTEÚDO Introdução e conceitos Vazão de esgoto Vazão doméstica Consumo de água Consumo per cápita de água Faixas

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Unidade 5. Instalações prediais de esgotos sanitários

Unidade 5. Instalações prediais de esgotos sanitários Unidade 5 Instalações prediais de esgotos sanitários 1. INTRODUÇÃO Um bom sistema de esgotos sanitários de uma residência, prédio ou logradouro público, é aquele que diante do qual não se percebe a sua

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf )

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) N = 33 pessoas C = 130 litros (tab.1) T = 0,83 (tab. 2 - volume entre 3001 a 4500 ) K = 94 (tab. 3 limpeza anual e t 10 ) Lf = 1

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

inovação Rotoplas. Guatemala, Honduras, Nicarágua, Belize, Costa Rica Panamá e Rep. Dominicana

inovação Rotoplas. Guatemala, Honduras, Nicarágua, Belize, Costa Rica Panamá e Rep. Dominicana Acqualimp, inovação Rotoplas. Presente no mercado brasileiro desde 2001, a Acqualimp pertence ao Grupo Rotoplas, com sede no México, onde detém 70% de participação no mercado. O Grupo possui 19 unidades

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 14 Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Nos projetos de sistemas prediais de esgoto sanitário vamos traçar e dimensionar as tubulações que vão desde os aparelhos sanitários até o coletor

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Caxias do Sul 2015 2 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Determinação do número de contribuintes...

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

ENG 350 INSTALAÇÕES HIDRÁULICO-SANITÁRIAS

ENG 350 INSTALAÇÕES HIDRÁULICO-SANITÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENG 350 INSTALAÇÕES HIDRÁULICO-SANITÁRIAS Profª: Cecília de Fátima e Souza Construções Rurais e Ambiência

Leia mais

SOLUÇÕES INDIVIDUAIS OU ALTERNATIVAS

SOLUÇÕES INDIVIDUAIS OU ALTERNATIVAS SOLUÇÕES INDIVIDUAIS OU ALTERNATIVAS CONJUNTO DE ATIVIDADES, INFRAESTRUTURAS E INSTALAÇÕES OPERACIONAIS que envolvem: COLETA DISPOSIÇÃO FINAL ADEQUADA TRANSPORTE TRATAMENTO Esgoto doméstico Efluentes industriais,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDRO SANITÁRIO OBRA: ANEXO 01 Proprietário: CREA SC - CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SANTA CATARINA Responsável Projeto: Eng Civil Cleber Giordani

Leia mais

Tecnologias e. Ações Socioeducativas. Saneamento Rural

Tecnologias e. Ações Socioeducativas. Saneamento Rural Tecnologias e Ações Socioeducativas Saneamento Rural abril/ 2013 OBJETIVO DO SANEAMENTO RURAL Desenvolver e coordenar atividades relacionadas com obras e serviços de engenharia voltados para o Saneamento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: Jarbas de Andrade Vasconcelos

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: Jarbas de Andrade Vasconcelos GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: Jarbas de Andrade Vasconcelos SECRETARIA DE CIÊNCIA,TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE SECTMA Secretário: Cláudio José Marinho Lúcio AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS ENDEREÇO: Rua nº 01 - Loteamento Maria Laura ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² 1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 1.1 Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE. PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE. PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1 RELATÓRIO: De autoria do Vereador Amauri Cardoso, este projeto

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL JEVERTON PAES DOS SANTOS MORAES TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE LAGES (SC) 2014 JEVERTON PAES DOS SANTOS MORAES TRATAMENTO

Leia mais