FAZENDO TEATRO NA ESCOLA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAZENDO TEATRO NA ESCOLA"

Transcrição

1 Ministério da Cultura e Grupo EcoRodovias apresentam: FAZENDO TEATRO NA ESCOLA

2 Índice Jogos teatrais, criação e dramaturgia...4 Jogos teatrais como ferramenta lúdica e pedagógica...6 Direção de elenco...7 Ensaios...8 Acessórios e cenário...10 Figurino...12 Som...13 Todas as pessoas são capazes de atuar no palco. Todas as pessoas são capazes de improvisar. As pessoas que desejarem são capazes de jogar e aprender a ter valor no palco...se o ambiente permitir, pode-se aprender qualquer coisa e se o indivíduo permitir, o ambiente lhe ensinará tudo o que ele tem para ensinar. Talento ou falta de talento tem pouco a ver com isso. Devemos reconsiderar o que significa talento. É muito possível que o que é chamado comportamento talentoso seja simplesmente uma maior capacidade individual para experienciar. Dança...15 Viola Spolin - Jogos Teatrais Apresentação Teatral...16 Ficha técnica

3 O teatro é uma arte completa porque envolve a música, a dança, as artes plásticas e a literatura. Um verdadeiro banquete cultural! Para ajudar você, educador e educadora, a desenvolver o teatro dentro da proposta do Ecoviver, seguem sugestões de como estruturar e desenvolver uma peça de teatro com seus alunos e alunas. 1 Jogos teatrais, criação e dramaturgia Por Alexandre Camilo* A escolha da história a ser contada é o primeiro e mais importante passo do processo de criação. O professor deve reunir os alunos de uma mesma classe ou do grupo de teatro da escola e com a ajuda deles, levantar a história que eles querem contar. Será algo inventado por eles? Uma ficção? A releitura dos alunos sobre algo que aconteceu no bairro? Ou será a reprodução de um fato real? O estímulo para os alunos escreverem pode vir da leitura de textos de teatro, começando com pequenas cenas, partindo sempre do princípio que toda cena tem começo, meio e fim, e que o conflito deve existir em todas as cenas. Para estimular a criatividade, a americana Viola Spolin criou diversos jogos teatrais reunidos no livro Improvisação para o Teatro. O sucesso deste livro deu origem a mais dois outros O Jogo Teatral no livro do Diretor e Jogos Teatrais: O Fichário de Viola Spolin. Recomenda-se conhecer os livros para se aprofundar nesse instigante tema. Os jogos teatrais não são jogos comuns, eles são uma preparação para a vivência teatral e estão fortemente fundamentados nas técnicas de interpretação de Stanislavski e Brecht. São uma poderosa ferramenta para estimular a criatividade e a desinibição. As regras e instruções dos jogos levam o participante a desenvolver a improvisação. O jogador/aluno recebe uma tarefa para realizar; e o diretor/professor escolhe o jogo que solucionará o problema de atuação. Veja alguns pontos importantes que podem servir como introdução para o professor se aprofundar nesse universo. Cada jogo tem um Ponto de Concentração para auxiliar o participante a ter o Foco na cena. A fórmula onde, quem e o quê é um excelente recurso para estimular a criatividade dos alunos no jogo. Toda cena necessita de um local, de agentes da ação e de um acontecimento. Por exemplo: Onde Bairro Cidade Alta Quem Moradores O quê Desabamento A partir desta fórmula, basta inserir o início, o meio e o fim da cena. O início, por exemplo, pode mostrar os moradores preocupados com o acúmulo de resíduos. 4 5

4 No meio da cena, começa um mas quando se trata de temporal, os bueiros ficam entupidos, teatro, 10% é inspiração e a água represada e um desabamento 90% transpiração. acontece. No fim, os alunos decidem o que Uma vez que uma boa vai acontecer com aquela comunidade. É estrutura de cena é criada, inicia- importante observar que esta fórmula é válida se o exercício de repetição e estruturação para qualquer situação. da história para que ela fique sólida e os Segue abaixo outro exemplo com uma participantes se sintam criadores do processo. quantidade menor de atores na cena: A escolha da história e a maneira de contá-la Onde no ambulatório definem todo o processo de desenvolvimento do Quem Regiane Lima trabalho. Por isso, é muito importante que todos O quê aguardando o resultado do estejam de acordo e o texto esteja pronto antes exame de Dengue. de partir para o segundo passo. Para a Mostra do Projeto Ecoviver, é importante que o professor trabalhe os conflitos apresentados no Muro das Lamentações e a expectativa de mudanças da Árvore dos Sonhos. O meio em que o aluno está inserido deve servir como motivação e inspiração para a criação da peça. Ao usar a fórmula Onde, Quem, O quê o educador estimula a criatividade dos alunos para criar e solucionar conflitos por meio de cenas, com começo, meio e fim. Jogos teatrais como ferramenta lúdica e pedagógica Em inglês, a palavra play é usada para representar e brincar. Assim, quando se trata 2 Direção e elenco A partir da escolha do texto o professor passa a dirigir o espetáculo e cabe a ele coordenar a escolha dos papéis e responder por todo o processo. O professor/diretor deve se preparar para a sua tarefa. Isso envolve leitura, percepção e muita atenção aos detalhes. É responsabilidade do diretor definir a linguagem, os figurinos, a música etc. O sucesso ou a falta dele é consequência das escolhas e decisões da direção. Para o professor/educador, dirigir uma cena ou um espetáculo pode ser um desafio, porém será também um grande aprendizado e um excelente exercício de liderança. dos jogos teatrais, o brincar é o primeiro passo para aflorar a criatividade. Os alunos irão representar e criar através da gostosa brincadeira que pode ser o teatro. Porém, a arte cênica é uma brincadeira muito séria e cabe ao professor/educador a responsabilidade de guiar o grupo, dirigindo o espetáculo. Brincar pode ser o primeiro passo, Cada aluno pode representar um único papel ou vários papéis durante a encenação. O processo de escolha/distribuição de papéis precisa ser participativo e harmonioso, uma vez que todos contribuem para a realização do espetáculo e todos os personagens são 6 7

5 3 Ensaios Este é o momento mais importante para o resultado do trabalho. Nos ensaios, o processo criativo aflora, os personagens crescem e o espetáculo ganha vida. Durante os ensaios, cabe ao professor/educador estimular a troca de papéis entre os participantes. É importante que todos conheçam o papel de todos para o caso de uma substituição, isso também ajuda a controlar as expectativas dos alunos quanto aos papéis, e evita que alguém possa ter destaque maior, por assumir um personagem com mais falas que outro, por exemplo. Não é a quantidade de texto que determina a importância do personagem, mas sim a postura de quem o representa. O professor/educador deve mostrar ao grupo que cada personagem tem importância na história e que a criação do personagem nasce a partir da observação e referências de tipos no cotidiano, da pesquisa por meio de filmes ou, quando possível, assistindo a outros espetáculos. Quanto mais o personagem se distanciar da personalidade de quem o executa, mais rico será o resultado do trabalho. Durante os ensaios o professor/educador também pode estimular os alunos a absorver o texto através de imagens. Este método é mais eficiente 8 do que o exercício de decorar, já que o aluno/ator se apropria do texto e cria imagens para cada fala e/ou situação. Nos ensaios, também é necessário dar ênfase ao trabalho vocal, estimulando a projeção de voz. Se o pátio da escola, por exemplo, for um local de apresentação e a acústica for ruim (o que geralmente acontece em espaços amplos), poderá, se possível, ser ensaiado com o uso do microfone. O professor/educador deve dividir o ensaio em 4 partes distintas: Aquecimento: momento para trabalhar a expressão corporal e a integração; Exercícios de voz: trabalhar vogais, consoantes e trava-línguas; Ensaio do espetáculo Relaxamento Datas e horários definidos e cumpridos rigorosamente ajudam muito na disciplina do trabalho. importantes. O teatro é uma construção que envolve alegria, mas também muita disciplina. A integração do grupo acontece naturalmente e o comprometimento de todos e o respeito à direção do espetáculo devem estar sempre em primeiro lugar. Ensaio da peça 9

6 4 Acessórios e cenário Alguns cuidados devem ser observados para quem tem a responsabilidade de confeccionar o cenário. O principal deles é a fixação. Papel Kraft: se for utilizado como fundo do espetáculo, fique atento à fixação, transporte (no caso das Mostras), montagem e desmontagem do papel. Acessórios e elementos cênicos também ambientam a cena com criatividade. Alunos/atores devem ensaiar com o cenário e seus elementos. Portanto, evite que o cenário fique pronto somente no dia da apresentação. A surpresa na hora da montagem e no uso dos acessórios poderá ser desagradável, eles podem quebrar ou rasgar. Se a opção for trocar o cenário durante o espetáculo, a equipe responsável por isso deverá ensaiar com os atores e estar integrada ao grupo para um resultado harmonioso. 10 Em um projeto como o Ecoviver, que tem a sustentabilidade como fio condutor, o cenário pode e dever ser feito com elementos reutilizados. A criação e construção do cenário podem ficar sob a responsabilidade de um grupo de alunos. Esse grupo recebe o texto da peça e assiste alguns ensaios para conhecer o trabalho e desenvolver a ambientação cenográfica e os acessórios que serão utilizados durante o espetáculo, sempre de forma alinhada ao contexto da peça. Exemplos de cenários e elementos cenográficos 11

7 O uso de materiais provenientes de reutilização e reaproveitamento são ótimas opções para a confecção dos figurinos. Aplique o princípio dos 3 Rs (reduzir, reutilizar e reciclar) e coloque a criatividade em prática. Dê preferência a outros materiais que não o TNT, papel crepom e cartolina. Estes elementos, quando utilizados em excesso, raramente dão o efeito desejado e na confecção dos figurinos ficam desajeitados e sem representatividade cenográfica. Reutilizar roupas de brechós, trabalhar com tecidos ou fantasias doadas e materiais inusitados são opções viáveis que dão um resultado melhor. A tarefa da equipe envolvida na criação dos figurinos é fundamental para o sucesso do espetáculo. A equipe deverá acompanhar os ensaios, desenhar e confeccionar os figurinos, fazer a prova com o elenco e os ajustes necessários. Tudo isso com muita antecedência da estreia do espetáculo. 6 Som A música é um elemento fundamental no teatro. A escolha das canções ou da trilha sonora deve ser cuidadosa, respeitando a história. Se houver música cantada, é preciso ter cuidado com a letra e o grupo musical deve ensaiar com os atores do espetáculo na fase final de preparação. 5 Figurino Grupo de alunos apresentam número musical na Mostra da escola Figurinos confeccionados com o reaproveitamento de materiais 12 A execução de música ao vivo por um grupo de músicos da comunidade ou mesmo de alunos da escola enriquece o espetáculo e pode ser mais uma das possibilidades do grupo. A música é um complemento e não o personagem central (a não ser que a produção seja um musical). 13

8 Os alunos/atores podem sugerir músicas para a cena. Neste caso, o professor/diretor pode proporcionar a audição de trilhas sonoras de filmes ou peças instrumentais clássicas. Grandes compositores como Mozart, Bach, Chopin podem ser apresentados aos alunos proporcionando um momento de inserção cultural. 7 Dança A dança e toda expressão corporal embeleza ainda mais o trabalho. Iniciar ou encerrar um espetáculo com um número de dança pode ser um momento singular de criação, expressão corporal e dar a oportunidade de trabalhar a coreografia com um número maior de alunos. O processo de ensaio e integração deve ser o mesmo já recomendado para os músicos. O grupo deve estar integrado e o número de dança perfeitamente ajustado com a proposta do espetáculo. Evite colocar músicas em excesso para preencher a cena, isso pode deixar o espetáculo cansativo. O mau uso da música transforma o que poderia ser uma peça criativa em uma sucessão de canções intercaladas, e a plateia tem a sensação que está assistindo um musical. Cuidado com a paródia. Não caia na armadilha de utilizar algo pronto. Antes disso, estimule a criatividade dos alunos/atores. Apresentação musical na finalização da peça teatral Coreografia especialmente preparada para a peça teatral 14 15

9 8 Apresentação teatral Antes do grande dia, faça pelo menos um ensaio geral com todos os envolvidos para os ajustes finais. Ficha Técnica para peças de teatro do projeto Ecoviver Vale também uma pré-estreia fechada para um grupo de professores ou mesmo alguns amigos. No dia da apresentação, todos devem estar Cidade: conscientes de que aquele é o momento de coroação de um trabalho, e que ele pode, e deve Escola: ser repetido. Se possível, programe apresentações em escolas vizinhas ou mesmo para outros Nome da peça: períodos da sua escola. Quanto mais o espetáculo for apresentado melhor ficará o trabalho, além de proporcionar um presente ao público sempre desejoso de apresentações artísticas na escola. Autor(es): 1) Sinopse: (um parágrafo com resumo da peça com seus objetivos e mensagem) 2) Direção: nomes do professor (a) ou professores responsáveis pela peça 3) Elenco: (nome dos alunos) Encenação teatral na Mostra da Cidade 4) Cenário e adereços: (nome de quem os elaborou) O Ecoviver espera que estas sugestões ajudem vocês a entrarem no mundo mágico do teatro e se aprofundarem em cada um dos elementos 5) Trilha sonora: (nome do responsável pelas músicas) que compõem a cena teatral para a criação de uma linda apresentação para a sua escola e comunidade! 6) Apoios/parceiros: (da escola e da comunidade) Bom espetáculo! 16 17

10 Fundou com Eduardo Furkini a Cia de Teatro Era Uma Vez, que atua há mais de 20 anos por todo o território nacional, levando espetáculos didáticos às escolas. Bibliografia SPOLIN, Viola: O jogo teatral no livro do diretor: Editora Perspectiva São Paulo, 2ª ed., 2010; Improvisação para o teatro: Editora Perspectiva, São Paulo, 5ª ed., 2012; Jogos teatrais: o fichário de Viola Spolin: Editora Perspectiva São Paulo, 2ª ed., *Alexandre Camilo é ator e diretor de teatro. 19

11

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA Getúlio Góis de Araújo getulio_araujo @nacionalnet.com.br Colégio Nacional Ensino Fundamental II Relato de Experiência

Leia mais

A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta

A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta Raquel Guerra Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Graduação Programa de Pós-Graduação em Teatro - UDESC. Professora Resumo: Neste artigo

Leia mais

PRÉ-PRODUÇÃO E PRODUÇÃO Marilia Mello Pisani

PRÉ-PRODUÇÃO E PRODUÇÃO Marilia Mello Pisani O presente teto faz parte do curso de Produção de Vídeo e é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição Não Comercial 3.0. Não Adaptada. Permissões além do escopo dessa licença podem estar disponíveis

Leia mais

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares Fabiane Tejada da Silveira Instituto de Artes e Design da

Leia mais

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano)

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano) Arte Ensino Fundamental Fase Final (6º a 9º ano) 2012 APRESENTAÇÃO Caro(a) professor(a), (...) Protege-me das incursões obrigatórias que sufocam o prazer da descoberta e com o silêncio ( intimamente sábio

Leia mais

RECURSOS COM PALAVRAS E GESTOS

RECURSOS COM PALAVRAS E GESTOS RECURSOS COM PALAVRAS E GESTOS Arquivo enviado cordialmente por Alice Lirio ao Grupo virtual de Ev. Infantil Yahoo e convertido para formato PPS por Arlete Länzlinger Artes Cênicas Englobam a dramatização

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

O professor como trabalhador cultural: a pedagogia pós-crítica na base da ação do professor-ator.

O professor como trabalhador cultural: a pedagogia pós-crítica na base da ação do professor-ator. A pedagogia pós-crítica na ação do professor-artista: a interação entre o pedagogo e o ator na sala de aula Heloise Baurich Vidor UDESC Palavras-chave: Professor-artista professor-personagem teatro na

Leia mais

FESTIVAL FUNDAÇÃO DAS ARTES DE TEATRO ESTUDANTIL 2016

FESTIVAL FUNDAÇÃO DAS ARTES DE TEATRO ESTUDANTIL 2016 FESTIVAL FUNDAÇÃO DAS ARTES DE TEATRO ESTUDANTIL 2016 REGULAMENTO 1. INSTITUIÇÃO E OBJETO 1.1. A Fundação das Artes de São Caetano do Sul é uma instituição pública da Administração Indireta da Prefeitura

Leia mais

Atividades lúdicas na educação o Caminho de tijolos amarelos do aprendizado.

Atividades lúdicas na educação o Caminho de tijolos amarelos do aprendizado. Atividades lúdicas na educação o Caminho de tijolos amarelos do aprendizado. Vania D'Angelo Dohme (Mackenzie) 1. Considerações iniciais Johan Huizinga foi um importante historiador alemão, que viveu entre

Leia mais

XI MOSTRA DE TEATRO DO COLÉGIO SANTA CRUZ

XI MOSTRA DE TEATRO DO COLÉGIO SANTA CRUZ XI MOSTRA DE TEATRO DO COLÉGIO SANTA CRUZ REGULAMENTO 1. OBJETO 1.1. A MOSTRA DE TEATRO DO COLÉGIO SANTA CRUZ 2016 tem caráter não competitivo e é realizada pelo Núcleo de Teatro do Colégio Santa Cruz

Leia mais

REGULAMENTO GERAL IX FESTIVAL ESTADUAL NOSSA ARTE. CAPÍTULO I Dos Objetivos

REGULAMENTO GERAL IX FESTIVAL ESTADUAL NOSSA ARTE. CAPÍTULO I Dos Objetivos REGULAMENTO GERAL IX FESTIVAL ESTADUAL NOSSA ARTE CAPÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - Promover a arte através de apresentações e exposições em diversos gêneros artísticos, despertando o gosto pelas atividades

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO

EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO Neste ciclo, o projeto é desenvolvido de forma integrada, a partir de um tema as áreas de conhecimento do currículo escolar devem contribuir com seus conteúdos e metodologias no

Leia mais

TEATRO E A ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO PIBID DE ARTES CÊNICAS RESUMO

TEATRO E A ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO PIBID DE ARTES CÊNICAS RESUMO TEATRO E A ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO PIBID DE ARTES CÊNICAS Nilda Beatriz do Nascimento Lesmo 1 ; Vera Heloisa Cardoso Leite 1 ; Flávia Janiaski Vale 2 ; José Oliveira Parente 2 UFGD/FACALE Caixa Postal

Leia mais

Quaquarela. Quaquarela. Proposta de temporada de espetáculo do Bando de Brincantes em Teatro do Centro Municipal de Cultura de Porto Alegre

Quaquarela. Quaquarela. Proposta de temporada de espetáculo do Bando de Brincantes em Teatro do Centro Municipal de Cultura de Porto Alegre Quaquarela Proposta de temporada de espetáculo do Bando de Brincantes em Teatro do Centro Municipal de Cultura de Porto Alegre Quaquarela Proposta de temporada de espetáculo do Bando de Brincantes em Teatro

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

REGULAMENTO DA 1ª GINCANA ECOLÓGICA DO CAMPUS SÃO PAULO DO POTENGI DO IFRN

REGULAMENTO DA 1ª GINCANA ECOLÓGICA DO CAMPUS SÃO PAULO DO POTENGI DO IFRN REGULAMENTO DA 1ª GINCANA ECOLÓGICA DO CAMPUS SÃO PAULO DO POTENGI DO IFRN 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1 ORGANIZAÇÃO: Este Regulamento dispõe sobre a organização da 1ª Gincana Ecológica do Campus São Paulo

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo

Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo Concurso: Prêmio AMAVI De Educação 2013 Pequenos Artistas Grandes Talentos Qualidade na Prática da Docência 2013 1 Professora: Aline de Fátima Alves

Leia mais

Menos paixão: o sucesso na Negociação

Menos paixão: o sucesso na Negociação Menos paixão: o sucesso na Negociação O sucesso de uma negociação está na ausência da paixão. Quanto mais objetiva e baseada em critérios imparciais for a negociação, melhor será o acordo final para todos.

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PROJETO E DA AÇÃO.

DESCRIÇÃO DO PROJETO E DA AÇÃO. TÍTULO: 4 a FEIRA CULTURAL O HOMEM E O CINEMA AUTORAS: EVANDRA CRISTINA DA SILVA E RENATA APARECIDA DOS SANTOS ESCOLA ESTADUAL JARDIM DAS ROSAS (SERRANA/SP) COMUNICAÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA DESCRIÇÃO

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

ENCONTRO TEATRO ESCOLA

ENCONTRO TEATRO ESCOLA PROJECTO: XXIX ENCONTRO TEATRO ESCOLA PROMOTOR: IDENTIFICAÇÃO Nome da entidade: Escola Básica D. José I Endereço (rua, n.º, C.P.): Rua Santo António de Arenilha, 24, 8900-275 Vila Real de St. António Telef:

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

PAINEL TEATRO-INFÂNCIA: EXPERIMENTOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Orientador: Prof. MS. Ricardo Carvalho de Figueiredo Doutorando em Artes

PAINEL TEATRO-INFÂNCIA: EXPERIMENTOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Orientador: Prof. MS. Ricardo Carvalho de Figueiredo Doutorando em Artes PAINEL TEATRO-INFÂNCIA: EXPERIMENTOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Orientador: Prof. MS. Ricardo Carvalho de Figueiredo Doutorando em Artes Autor: Charles Valadares Tomaz de Araújo Universidade Federal de Minas

Leia mais

4º DESAFIO NACIONAL DA REDE PROJETO PESCAR CONCURSO CULTURAL DE DOCUMENTÁRIOS 2014

4º DESAFIO NACIONAL DA REDE PROJETO PESCAR CONCURSO CULTURAL DE DOCUMENTÁRIOS 2014 CONCURSO CULTURAL DE DOCUMENTÁRIOS REGULAMENTO O DESAFIO! O Desafio Nacional Pescar nasceu da vontade de compartilhar com a Rede Pescar práticas inovadoras e criativas que, por vezes, ficavam restritas

Leia mais

A FISICALIZAÇÃO NO SISTEMA DE JOGOS TEATRAIS

A FISICALIZAÇÃO NO SISTEMA DE JOGOS TEATRAIS A FISICALIZAÇÃO NO SISTEMA DE JOGOS TEATRAIS Joaquim Gama Universidade de Sorocaba UNISO quimgama@uol.com.br RESUMO: A fisicalização, no sistema de jogos teatrais, como possibilidade de tornar o imaginário

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL ESCOLA DOMINICAL FEITA PRA MIM E PRA VOCÊ

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL ESCOLA DOMINICAL FEITA PRA MIM E PRA VOCÊ GINCANA ESCOLA DOMINICAL Para comemorar o Dia da Escola Dominical, o Departamento Nacional de Escola Dominical, desenvolveu esta gincana para envolver toda a igreja local. Tema da Gincana: Escola Dominical

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

REGULAMENTO. CAPÍTULO I Definições e Objetivos

REGULAMENTO. CAPÍTULO I Definições e Objetivos REGULAMENTO CAPÍTULO I Definições e Objetivos Art.1 : O VIII Festival de Teatro Velha Joana, tem o objetivo de mobilizar a classe artística, grupos, companhias, coletivos de teatro, instituições culturais,

Leia mais

2ª Gincana Ecológica do IFRN Campus Pau dos Ferros REGULAMENTO DA 2ª GINCANA ECOLÓGICA DO IFRN CAMPUS PAU DOS FERROS

2ª Gincana Ecológica do IFRN Campus Pau dos Ferros REGULAMENTO DA 2ª GINCANA ECOLÓGICA DO IFRN CAMPUS PAU DOS FERROS 2ª Gincana Ecológica do IFRN Campus Pau dos Ferros REGULAMENTO DA 2ª GINCANA ECOLÓGICA DO IFRN CAMPUS PAU DOS FERROS 1-DA ORGANIZAÇÃO 1.1) A 2ª GINCANA ECOLÓGICA do IFRN Campus Pau dos Ferros será organizada

Leia mais

O JOGO TEATRAL Theater Game Spolin Games dramatic play game Playmaking with Children Child Drama child art drama Theater Game Drama

O JOGO TEATRAL Theater Game Spolin Games dramatic play game Playmaking with Children Child Drama child art drama Theater Game Drama O JOGO TEATRAL O termo Theater Game (jogo teatral) foi originalmente cunhado por Viola Spolin em língua inglesa. Mais tarde ela registrou o seu método de trabalho como Spolin Games. A autora americana

Leia mais

DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR

DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR MARINA COELHO PEREIRA (FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI), KAREN CERDEIRA BECK (FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI), TATIANA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Relatório referente ao encontro realizado no Departamento de educação física (03/06/2015)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Relatório referente ao encontro realizado no Departamento de educação física (03/06/2015) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PAULO CÉSAR DUTRA JUNIOR PIBID SUBPROJETO EDUCAÇÃO FÍSICA 0 física (03/06/2015) O primeiro assunto pautado na reunião foi sobre o V SEMINÁRIO INSTITUCIONAL PIBID/UFPR 2015,

Leia mais

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ingrid Dos Santos Gonçalves 2, Sarai De Fátima Silveira De Souza 3, Andrisa Kemel Zanella 4. 1 projeto de extensão

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

www.belcorp.biz VIII/09

www.belcorp.biz VIII/09 CÓDIGO DE ÉTICA www.belcorp.biz VIII/09 Na Belcorp acreditamos que cada pessoa tem o poder de transformar seus sonhos em realidade. Assumir este poder significa reconhecer que nossas ações e decisões têm

Leia mais

Palavras-chave: Ensino/Aprendizagem; Variações Linguísticas; Relação Professor/Aluno.

Palavras-chave: Ensino/Aprendizagem; Variações Linguísticas; Relação Professor/Aluno. ALFABETIZAÇÃO: UMA REFLEXÃO SOBRE A REALIDADE ESCOLAR Andréia de Fátima Freire Maia, UNICENTRO, PIBID CAPES Marieli Zviezykoski, UNICENTRO, PIBID CAPES Ângela Bona Josefi (Orientadora - UNICENTRO) Resumo:

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado Manual de Estágio Supervisionado 1. 1. O que é o estágio supervisionado? É um período de estudos práticos (pré-profissional), exigidos dos estudantes do Ensino Superior. Um período que associa aprendizado

Leia mais

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA BRINCADEIRA É COISA SÉRIA Márcia Maria Almeida Figueiredo Mestre em Educação e professora do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Agora eu era o rei Era o bedel e era também juiz E pela minha

Leia mais

Colégio Madre Carmen Sallés

Colégio Madre Carmen Sallés Educando para um mundo novo. REGULAMENTO DA X FEIRA CIENTÍFICO-CULTURAL (FeCC 2015) A FeCC 2015 irá comemorar o 10º ano de Feira de Ciência e Cultura do Colégio Madre Carmen Sallés e tem como objetivo

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Filme: Bichos urbanos

Filme: Bichos urbanos Filme: Bichos urbanos Gênero: Experimental Diretor: João Mors, Karen Barros Elenco: José Marinho Ano: 2002 Duração: 20 min Cor: Colorido Bitola: 16mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1495

Leia mais

CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ORIENTADORES ARTÍSTICOS EM TEATRO PARA O PROJETO ADEMAR GUERRA Edição 2013

CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ORIENTADORES ARTÍSTICOS EM TEATRO PARA O PROJETO ADEMAR GUERRA Edição 2013 CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ORIENTADORES ARTÍSTICOS EM TEATRO PARA O PROJETO ADEMAR GUERRA Edição 2013 PROJETO ADEMAR GUERRA Conceito e Eixo Curatorial I-Apresentação O Governo do Estado de São

Leia mais

O SIGNIFICADO DA PRÁTICA: A DANÇA TEATRAL E AS ACADEMIAS PARTICULARES DE GOIÂNIA (1973-1999).

O SIGNIFICADO DA PRÁTICA: A DANÇA TEATRAL E AS ACADEMIAS PARTICULARES DE GOIÂNIA (1973-1999). O SIGNIFICADO DA PRÁTICA: A DANÇA TEATRAL E AS ACADEMIAS PARTICULARES DE GOIÂNIA (1973-1999). Autores: Rejane Bonomi SCHIFINO; Carlos Oiti BERBERT JÚNIOR. Unidade acadêmica: Faculdade de História / Universidade

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Processo Vídeo Animação 2D

Processo Vídeo Animação 2D Processo Vídeo Animação 2D OLÁ! aqui na VFX criamos um processo organizado, eficiente e divertido! Combinamos nossa experiência em vídeo marketing com o conhecimento profundo sobre sua empresa. Conheça

Leia mais

APRENDENDO NOS MUSEUS. Exposição no Bloco do estudante: O brinquedo e a rua: diálogos

APRENDENDO NOS MUSEUS. Exposição no Bloco do estudante: O brinquedo e a rua: diálogos APRENDENDO NOS MUSEUS Exposição no Bloco do estudante: O brinquedo e a rua: diálogos Este material foi desenvolvido a fim de ajudar alunos e professores a tirar maior proveito de suas experiências museais.

Leia mais

Fazer para aprender a prática dos ateliês de escrita dramática em língua francesa

Fazer para aprender a prática dos ateliês de escrita dramática em língua francesa Fazer para aprender a prática dos ateliês de escrita dramática em língua francesa Adélia Nicolete Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - ECA-USP Doutoranda - Pedagogia do Teatro Or. Profª Drª Maria

Leia mais

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

AEVA-ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO REGULAMENTO

AEVA-ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO REGULAMENTO EPAPALCO GRUPO DE ARTES PERFORMATIVAS DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO Descrição do Grupo de Artes Performativas da Escola Profissional de Aveiro - EPAPALCO O EpaPalco surge da necessidade de colmatar

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA As letrinhas mágicas. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Uma visita ao zoológico. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO As Vogais vão ao zoológico e têm contato com

Leia mais

RELATÓRIO MESA DEVOLVER DESIGN (EXTENSÃO) Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa pronta)

RELATÓRIO MESA DEVOLVER DESIGN (EXTENSÃO) Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa pronta) 1ª RODADA RELAÇÃO PRÁTICA E TEORIA Pouca teoria, muitas oficinas Matérias não suprem as necessidades de um designer Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa

Leia mais

Ensino Médio Cursos Extracurriculares 2015

Ensino Médio Cursos Extracurriculares 2015 Ensino Médio Cursos Extracurriculares 2015 2 O Colégio Santa Maria oferece diversos cursos extracurriculares para as diferentes faixas etárias que visam e favorecem o desenvolvimento de habilidades esportivas,

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Connie, a vaquinha 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): A pedra da sorte 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio A pedra da sorte faz parte

Leia mais

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS Até onde vai a força da Motivação? Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Uma proposta criativa motivadora na sala de aula pode deixar o professor bem impressionado

Leia mais

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível Para quem é este livro? Este livro é para todas aquelas pessoas que fazem o que amam em seu trabalho mas não estão tendo o retorno que gostariam. Este mini guia com 21 sacadas é um resumo dos atendimentos

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO PARTICIPATIVO

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL Gabriela Jurak de Castro UCPel gabriela.jurak@ucpel.tche.br Letícia Marques Vargas UCPel lvargas@ucpel.tche.br

Leia mais

1. Você já conhecia o Theatro Municipal? sim 16 não 16

1. Você já conhecia o Theatro Municipal? sim 16 não 16 1. Você já conhecia o Theatro Municipal? sim 16 não 16 Não 50% Sim 50% 2. Você já conhecia o Museu do Theatro Municipal? sim 4 não 28 sim 12% não 8 3. Você já tinha assistido a uma ópera antes? sim 12

Leia mais

FANTOCHE/DEDOCHE HISTÓRIA INFANTIL:

FANTOCHE/DEDOCHE HISTÓRIA INFANTIL: TEATRO DE SOMBRA LIVRO LOLO BARNABÉ: O teatro de sombras surgiu há muito tempo. Desde que os homens viviam em cavernas, já se maravilhavam com as sombras produzidas pela luz do sol ou do fogo. Com o tempo,

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º Caro (a) aluno (a), Esta atividade, de caráter teórico-reflexivo, deverá

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA VISÃO DOS TRABALHADORES DO ATERRO SANITÁRIO DE AGUAZINHA

INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA VISÃO DOS TRABALHADORES DO ATERRO SANITÁRIO DE AGUAZINHA INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA VISÃO DOS TRABALHADORES DO ATERRO SANITÁRIO DE AGUAZINHA RODRIGUES, Ângela, Cristina, Lins; SILVA, Isabel, Gomes da; CUNHA,

Leia mais

Férias de Verão no Museu da CARRIS Semanas Temáticas Expressão Plástica Expressão Corporal Expressão Musical

Férias de Verão no Museu da CARRIS Semanas Temáticas Expressão Plástica Expressão Corporal Expressão Musical A ação educativa nas Semanas Temáticas do Museu da CARRIS é vocacionada para crianças e jovens adolescentes. Propõe a realização de atividades lúdicas e interativas que estimulem o pensamento, sensações

Leia mais

À Procura de Mozart Resumo Canal 123 da Embratel Canal 112 da SKY,

À Procura de Mozart Resumo Canal 123 da Embratel Canal 112 da SKY, À Procura de Mozart Resumo O vídeo nos oferece um relato sobre a vida e obra de Wolfgang Amadeus Mozart. Ele nos é apresentado como único e inigualável devido à sua genialidade na música clássica do século

Leia mais

Semana do Meio Ambiente 2012 Ética com atitude

Semana do Meio Ambiente 2012 Ética com atitude Semana do Meio Ambiente 2012 Ética com atitude GINCANA CULTURAL ATIVIDADE ARTISTICA TEATRO TERMOS DE PARTICIPAÇÃO A I Mostra de Esquetes dentro da Semana do Meio Ambiente, realizada pelo Colégio Presbiterano

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SÃO JOSÉ DO BURITI FELIXLÃNDIA M.G. SRE - Curvelo

ESCOLA ESTADUAL SÃO JOSÉ DO BURITI FELIXLÃNDIA M.G. SRE - Curvelo ESCOLA ESTADUAL SÃO JOSÉ DO BURITI FELIXLÃNDIA M.G. SRE - Curvelo Elaboração e execução: Edriane Maria Pereira da Silva Regente de turma do Projeto Escola em Tempo Integral. Colaboração: Vandenice Carvalho

Leia mais

5. Considerações Finais

5. Considerações Finais 5. Considerações Finais No fim, realizada a viagem do mais complexo (ainda abstrato) ao mais simples e feito o retorno do mais simples ao mais complexo (já concreto) a expressão (...)passa a ter um conteúdo

Leia mais

Ações do Subprojeto FISICA. Nome da ação 1. Descrição da ação com a respectiva justificativa

Ações do Subprojeto FISICA. Nome da ação 1. Descrição da ação com a respectiva justificativa FISICA Ações do Subprojeto Nome da ação 1 REVISÃO DE LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO Consiste na leitura da Evolução histórica da física, da teoria específica e investigação dos experimentos que podem explicar

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

PEDAGOGIA EM AÇÃO: O USO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMO ELEMENTO INDISPENSÁVEL PARA A TRANSFORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

PEDAGOGIA EM AÇÃO: O USO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMO ELEMENTO INDISPENSÁVEL PARA A TRANSFORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL PEDAGOGIA EM AÇÃO: O USO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMO ELEMENTO INDISPENSÁVEL PARA A TRANSFORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL Kelly Cristina Costa de Lima, UEPA Aline Marques Sousa, UEPA Cassia Regina Rosa

Leia mais

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo.

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Material referente ao texto do Módulo 3: Ações Básicas de Mobilização. O conhecimento da realidade é a base fundamental ao desenvolvimento social, que visa

Leia mais

"Bateras Beat na batida Pearlfeita

Bateras Beat na batida Pearlfeita Regulamento do Concurso Bateras Beat & Pearl "Bateras Beat na batida Pearlfeita Para marcar o aniversário de 70 anos da Pearl, o lnstituto de Bateria Bateras Beat e a Pearl Brasil, em parceria, lançam

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

IMPLANTANDO OS DEZ PASSOS DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE UMA EXPERIENCIA

IMPLANTANDO OS DEZ PASSOS DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE UMA EXPERIENCIA IMPLANTANDO OS DEZ PASSOS DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE UMA EXPERIENCIA SANTANA, Luiza Alves de 1 ; COSTA, Cláudia Caetano de Oliveira 2 ; BRASIL, Elisama Barbosa 3 ; GALVÃO, Marcus

Leia mais

V FESTIVAL DE INVERNO DE OURO BRANCO

V FESTIVAL DE INVERNO DE OURO BRANCO OFICINAS V FESTIVAL DE INVERNO DE OURO BRANCO Informação: As inscrições para as oficinas poderão ser feitas no anexo I da Prefeitura, a partir do dia 19/07 de 08:00 às 1100 e de 13:00 às 17:00 TEATRO DE

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

www.entrenacoes.com.br UMA IGREJA FORTE, SE FAZ COM MINISTÉRIOS FORTES

www.entrenacoes.com.br UMA IGREJA FORTE, SE FAZ COM MINISTÉRIOS FORTES www.entrenacoes.com.br UMA IGREJA FORTE, SE FAZ COM MINISTÉRIOS FORTES A RESPONSABILIDADE É PESSOAL A CEEN é uma igreja que tem a responsabilidade de informar e ensinar os valores e princípios de Deus,

Leia mais

Atividade Pedagógica Teatro de fantoches. Junho 2013

Atividade Pedagógica Teatro de fantoches. Junho 2013 Atividade Pedagógica Teatro de fantoches Junho 2013 III D Teatro de fantoches A criança que ainda não sabe ler convencionalmente pode fazê-lo por meio da escuta da leitura do professor, ainda que não possa

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

Exposição e relato de experiências de Objetos Educacionais Construção de Instrumentos Musicais Artesanais. Rio Verde GO

Exposição e relato de experiências de Objetos Educacionais Construção de Instrumentos Musicais Artesanais. Rio Verde GO EMEFTI PROFESSOR WALDYR EMRICH PORTILHO GESTORA: GERLIANESANTANA GOUVEIA CABRAL COORD. ÁREA: ARISTÓTELES MESQUITA DE LIMA NETTO PROFESSORA SUPERVISORA: ELIZANGELA F. RODRIGUES Exposição e relato de experiências

Leia mais

Projeto: Barulhinho Bom Música e Movimento na Educação Infantil I

Projeto: Barulhinho Bom Música e Movimento na Educação Infantil I 1 Projeto: Barulhinho Bom Música e Movimento na Educação Infantil I Professora: Catarine Green Martins ADI: Maria Aparecida S. Falabella e Silvia Regina Ivoti Coordenadora: Silvana Alves Larrubia Diretora:Mauricéia

Leia mais

Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem.

Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem. 1 Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem. Cristiane Vinholes Jacomelli Prof(a). Dr(a) Maria do Carmo de Sousa

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

O papel da leitura nos primeiros anos escolares

O papel da leitura nos primeiros anos escolares O papel da leitura nos primeiros anos escolares Janice Aquini PUCRS O que faz a criança considerar o livro como um brinquedo, nos seus primeiros anos de escola, e deixar de valorizá-lo, à medida que vai

Leia mais

Creche Municipal Prof. Rafael Rueda PROJETO 1º BIMESTRE CONSTRUINDO A IDENTIDADE E AUTONOMIA

Creche Municipal Prof. Rafael Rueda PROJETO 1º BIMESTRE CONSTRUINDO A IDENTIDADE E AUTONOMIA Creche Municipal Prof. Rafael Rueda PROJETO 1º BIMESTRE CONSTRUINDO A IDENTIDADE E AUTONOMIA Diretora: Simone de Oliveira Sousa Coordenadora: Zilmari Barbalho Araujo Educadores: Ana Paula Pereira, Demilson

Leia mais

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA Suzana Marssaro do Santos - suzanamarsaro@hotmail.com Priscila Moessa Bezerra - p-moessabezerra@hotmail.com Célia Regina de Carvalho

Leia mais

Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro

Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro Ricardo Carvalho de Figueiredo Universidade Federal de Minas Gerais Professor Assistente Doutorando em Artes EBA/UFMG

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL 1. OFICINAS E CURSOS OPTATIVOS 2 o SEMESTRE 2014

ENSINO FUNDAMENTAL 1. OFICINAS E CURSOS OPTATIVOS 2 o SEMESTRE 2014 1 ENSINO FUNDAMENTAL 1 OFICINAS E CURSOS OPTATIVOS 2 o SEMESTRE 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...5 ARTE E CIÊNCIA...7 CINEMA: ARTE E LINGUAGEM... 8 COMPUTAÇÃO CRIATIVA...9 DESENHO...10 DESENHO ANIMADO...11

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA DE PARANAGUÁ "NELSON DE FREITAS BARBOSA"

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA DE PARANAGUÁ NELSON DE FREITAS BARBOSA "" APÊNDICE 1 Requisitos e demandas dos segmentos culturais para a proposição de projetos. Os projetos culturais propostos deverão respeitar e se enquadrar nas seguintes determinações dos seus respectivos

Leia mais

SeAC Serviço de Arte e Cultura

SeAC Serviço de Arte e Cultura SeAC Serviço de Arte e Cultura Atividades Curriculares Optativas Música. Canto. Teatro. Dança. Arte. Cultura A pedagogia proposta pelo SeAC se fundamenta na concepção de Ateliê, em que o educando tem um

Leia mais