Durante o mês de janeiro de 2009, foram emitidas 437 Ordens de Serviço. Neste universo de OS s geradas, foram concluídas 429.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Durante o mês de janeiro de 2009, foram emitidas 437 Ordens de Serviço. Neste universo de OS s geradas, foram concluídas 429."

Transcrição

1 Redes Coletoras de Esgoto O mês de janeiro de 2009 foi marcado pelo aumento do número de Ordens de Serviços (OS) causado pela grande incidência de chuvas, elevando significativamente os casos de afundamentos de esgoto e intervenções com uso de retro escavadeira. Esta variável propiciou uma pequena redução na agilidade do atendimento das OS s, pois trabalhar com escavação em tempo chuvoso necessita redobrar os cuidados com segurança e qualidade do serviço. Também foi registrado em janeiro um grande acréscimo de manutenções em PV s (Poços de Visita) como: colocar, suspender e/ ou trocar tampa. Com o objetivo de agilizar e melhorar a qualidade dos atendimentos rotineiros e emergenciais durante a chuva, a CAB Guaratinguetá alterou o expediente das equipes operacionais, estendendo o horário de atendimento até às 23 horas nos sete dias da semana. Uma equipe com a saveiro inicia às 07 horas e trabalha até às 19 horas, às 10 horas outra equipe, com saveiro, inicia seu trabalho operando até às 22 horas. O caminhão hidrojato trabalha das 07 horas às 12 horas com a dupla 1 e das 13:00 às 23 horas com a dupla 2. O hidrovácuo é operado pela dupla 1 das 13 horas às 17 horas, podendo operar também no turno da manhã, de acordo com as necessidades operacionais. Aos sábados e domingos o hidrojato trabalha das 07 horas às 17 horas. Apesar da significativa demanda de OS e casos delicados, as equipes da CAB Guaratinguetá continuam empenhadas e evoluindo diariamente. Demanda das Ordens de Serviço (OS) Durante o mês de janeiro de 2009, foram emitidas 437 Ordens de Serviço. Neste universo de OS s geradas, foram concluídas

2 Em Janeiro de 2009, foram registrados alguns casos atípicos, sendo os principais a destacar: OS Nº / Verificações Diversas Rua Dr. Alberto Pinto Horta Junior, 359, Parque das Árvores. No dia 01 de dezembro de 2008, o usuário Luis Eduardo Fonseca de Lima Rocha Vieira, 359, Parque das Árvores, solicitou à SAEG a verificação de mau cheiro próximo ao seu imóvel. Considerando que em agosto de 2008, a equipe da CAB Guaratinguetá fez conserto e desobstrução da rede coletora da rua, foi concluído que a reclamação demandava um trabalho mais apurado. Para iniciar este trabalho foi feito o cadastramento fotográfico de todos os imóveis da rua e elaborada uma ficha cadastral, que foi utilizada para registrar as informações dos imóveis durante as visitas (água de chuva jogada no esgoto ou esgoto jogado na galeria de água pluvial). Foi agendado com a Vigilância Sanitária e SAEG, a execução das vistorias, nos dias 12 e 13 de janeiro de 2009, que realmente aconteceu, mas devido a ausência de alguns moradores e a necessidade de abrir as tampas da galeria da água pluvial com o auxilio de retro, não foi possível finalizar os trabalhos nestas datas. Por conta do grande volume de serviço gerado palas OS s ficou difícil encontrar uma nova data para que se pudesse concluir os trabalhos. Será dado continuidade aos trabalhos no mês de fevereiro de 2009, e será emitido o relatório pertinente ao mesmo até o final do mês supracitado. Relato Fotográfico Vistorias Rua Dr. Alberto Pinto Horta Junior, Parque das Árvores 2

3 Vistorias Rua Dr. Alberto Pinto Horta Junior, Parque das Árvores OS Nº / Desentupir Ramal Rua Azaléias, 213, Clube dos 500 A Rua das Azaléias possui uma rede coletora de manilha com diâmetro de 150 mm e, considerando que a mesma é longa, de baixa declividade e recebe esgoto de outras ruas que ficam acima da sua localização, observou-se que existe um grande acúmulo de areia em alguns pontos de sua extensão. Quando ocorrem chuvas fortes, o volume e o fluxo da água aumenta muito, pois muitos imóveis lançam suas redes de água pluvial na rede de esgoto. Com isto, estes bancos de areia são deslocados e, quando encontram alguma resistência na rede, como sujeira ou até mesmo pedras, ocorrem entupimentos, propiciando vazamentos ou retorno para as residências. Próximo ao número 213, freqüentemente, ocorriam entupimentos, causando vazamentos na rua. No dia 14 de janeiro a equipe abriu o local e encontrou muita pedra na tubulação de manilha que estava quebrada. Na ocasião a tubulação deste trecho foi substituída por PVC. Durante a execução do serviço, constatou-se que também havia um entupimento no fim da rede, próximo ao Guará Scânia. O hidrojato foi chamado para fazer a desobstrução, e quando a mangueira chegou ao ponto do entupimento, enroscou, sendo preciso abrir a rua para liberar a mangueira. Nesta ação, uma grande pedra foi retirada da rede. Relatório Fotográfico 3

4 Rede geral quebrada - Rua das Azaléias, 213, Clube dos 500 OS Nº / Vazamento de Esgoto Rua Florianópolis esquina com a Rua Niterói, Jardim Vista Alegre O vazamento foi causado por uma obstrução na rede coletora de 300 mm de diâmetro que atravessa a rua Niterói. O P.V., localizado no cruzamento das ruas Niterói e Florianópolis, estava com grande quantidade de terra e areia, causando a obstrução na saída da manilha de 300mm. Foi necessário abrir com a máquina retro escavadeira, próximo ao P.V. em referência, para desobstruir a rede. Considerando que, no mesmo local, estava sendo feita obra de drenagem, foi concluído que esta situação contribuiu para o entupimento do P.V. Relatório Fotográfico Rede geral entupida - Rua Florianópolis - Jardim Vista Alegre 4

5 OS Nº / Vazamento de Esgoto Rua Rangel Pestana, 718, alto São João No dia 15 de janeiro de 2009, a usuária Adelina Alves Rocha Monteiro, residente à Rua Rangel Pestana, 718, Alto São João, informou a SAEG por meio da Ordem de Serviço Nº /2009-7, sobre um vazamento de esgoto em frente ao seu imóvel. A equipe da CAB Guaratinguetá esteve no local, no mesmo dia, e encontrou o P.V. (Poço de Visita) em frente ao N 718, saturado e vazando pela tampa. Na ocasião, a equipe fez a desobstrução da rede coletora, retirou pedras e um pedaço de telha. Após o P.V. ter voltado ao seu nível normal, a equipe constatou que o mesmo estava muito sujo, com excesso de gordura nas laterais e no fundo. Houve uma nova reclamação no dia 22 de janeiro, e novamente a equipe da CAB esteve no local para fazer o desentupimento da rede usando as varetas desentupidoras. Para evitar que novas obstruções ocorram, no dia 23 de janeiro de 2009, a equipe esteve na rua supracitada, com o caminhão hidrovácuo, e limpou o P.V. em referência e um outro que o antecede. Relato Fotográfico Rede geral entupida - Rua Rangel Pestana, 718, Alto São João 5

6 Rede geral entupida - Rua Rangel Pestana, 718, Alto São João OS Nº Desentupir Ramal A Ordem de Serviço Nº , emitida no dia 16/01/2009, às 11:23 hs, referente ao serviço de desentupimento de ramal na Rua Guaranis, 548, Pedregulho, foi executada no dia 17/01/2009. Quando a equipe desobstruiu a rede naquele dia, acreditou que o problema estava solucionado, no entanto, com a forte chuva, ocorrida na tarde de domingo (18/01/2009), a rede ficou novamente obstruída. A usuária informou que ligou várias vezes à SAEG, no entanto não foi identificada outra OS do mesmo imóvel e, como a Ordem do dia 16 de janeiro já estava executada, a CAB não identificou a necessidade de retornar ao local. A Ordem de Serviço Nº , solicitada pela moradora do Nº 707, emitida no dia 19/01/2009, às 07:28 hs, foi executada no mesmo dia, às 8:30 hs, e por volta das 13:00 hs a equipe retornou ao local para concluir a desobstrução da rede coletora de esgoto da Rua Guaranis. Relato fotográfico 6

7 Rua Guaranis, 548, Pedregulho Rua Guaranis, 548, Pedregulho Relato Fotográfico de alguns trabalhos rotineiros durante o mês de Janeiro de 2009 OS Nº / Afundamento de esgoto Rua Aimorés, 393, Pedregulho Ramal quebrado - 07/01/2009 7

8 OS Nº / Desentupir ramal Rua Eulália Arantes Cassinha, 249 frente, Nova Guará Rede e ramal entupidos 26/01/2009 OS Nº / Substituição de Ramal AV. Rui Barbosa, 889, Santa Rita 18/01/2009 8

9 OS Nº / Substituição de Ramal - 23/01/2009 Rua João Sansevero, 38, Portal das Colinas OS Nº / Ramal entupido 20/01/2009 Rua Kioshi Sato, 43, Parque das Árvores Ramal Amassado. 9

10 OS Nº / Afundamento de Esgoto 20/01/2009 Rua Antonio de Almeida, 200, Comerciários I Rede geral quebrada. A seguir apresentamos a listagem geral de todas as OS`s geradas no mês de janeiro de 2009, bem como o resumo por tipo de serviço e respectivos gráficos. 10

11 INDICE Introdução: Estações Elevatórias de Esgoto...12 Estações de Tratamento de Esgoto

12 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de janeiro de 2009, conforme prevê o contrato firmado de PPP Administrativa, no que diz respeito ao esgotamento sanitário do município de Guaratinguetá, que compreende 12 Estações Elevatórias de Esgoto, quais sejam: Chácara Selles, Centro (Defesa Civil), Jardim do Vale, Bom Retiro, Pingo de Ouro, Vitória, Jequitibás, Belo Horizonte, Internacional Parque, São Manoel Rua I, São Manoel Rua III e Jardim Rony; além de 03 Estações de Tratamento de Esgoto, as ETE`s Campo do Galvão, Vila Bela e Pedrinha, e demais atividades correlatas à prestação de serviço de tratamento de esgoto do município. Estações Elevatórias de Esgoto Demos continuidade às vistorias periódicas das EEE s, com a frequência de 2X / semana (segundas e sextas), no mínimo, a fim de avaliar as condições de funcionamento dos equipamentos (bombas, bóias, painéis,etc), fazendo o registro das informações em check list`s, confeccionados para tal, que se encontram, anexados, neste relatório e em Livro de Ocorrência, à disposição para consulta em nossas instalações. Prosseguimos na limpeza externa e interna, com corte e capina de grama, além da limpeza dos poços das EEE`s Bom Retiro, Chácara Selles, Jardim Rony e Centro (Defesa Civil), e somente o corte da grama e limpeza interna e externa das EEE`s Pingo de Ouro, Vitória e Belo Horizonte. Persistimos na aplicação de produtos próprios para evitar crescimento de mato e grama, conforme as normas estabelecidas pelo fornecedor dos mesmos, nas EEE`s Vitória, Belo Horizonte e Jequitibás. No mês de fevereiro de 2009 continuaremos a realizar a limpeza das demais Estações Elevatórias de Esgoto, de acordo com programação previamente elaborada e que vem sendo seguida à risca. Relato Fotográfico Após Intervenção nas EEE`s 12

13 EEE Pingo de Ouro EEE Bom Retiro EEE Chácara Selles 13

14 EEE Belo Horizonte Substituímos os flap`s da válvula de retenção de 4 e de uma das bombas E4 da EEE do centro (Defesa Civil). Providenciamos a compra de válvula de retenção de 4, para uma das bombas de recalque de esgoto bruto da EEE do centro (Defesa Civil), que será entregue na primeira semana de fevereiro pelo fabricante (Bugatti), e imediatamente será programada a sua instalação, uma vez que a bomba se encontra fora de operação pois precisamos transferir a sua válvula para a bomba 1, da ETE Campo do Galvão; Substituímos o relê falta de fase na EEE Vitória. A substituição de trechos da cerca que delimita a EEE Jardim do Vale, assim como a do portão de entrada da mesma, que se encontra em estado bem ruim de conservação, serão concretizadas no início de fevereiro, mais precisamente na primeira semana do mesmo. Estamos providenciando a instalação da bomba Flygt, na EEE Pingo de Ouro, possivelmente até meados de março de 2009, uma vez que há a dependência na disponibilidade de tempo da empresa que irá realizar a intervenção. 14

15 Estações de Tratamento de Esgoto ETE - Campo do Galvão Em referência as alterações que se fazem necessárias na ETE Campo do Galvão, registradas no relatório referente ao mês de julho de 2008, cumpre-nos informar o seguinte : - Definimos o início das obras necessárias para a instalação dos medidores de vazão, entrada e saída da ETE, com a empresa que executará o serviço, para o dia 16 de fevereiro de Realizamos também a compra dos medidores de vazão e respectivas Calhas Parshall para que o processo de medição de vazão seja complementado e entre em operação até meados de março de 2009; - Estaremos definindo a empresa e o período de início das obras para a construção da Estação Elevatória do Lodo Recirculado, além do redirecionamento desta contribuição para o Tanque de Aeração, mais para adiante, possivelmente após o término das obras de medição de vazão da entrada e saída da ETE; - Continuamos a estudar ainda, dentre outras coisas: viabilizar o encaminhamento do lodo descartado para o Adensador e posteriormente para os Leitos de Secagem (atualmente não há cota para encaminhamento do Adensador para os Leitos de Secagem); realizar a manutenção nas válvulas que são utilizadas para a recirculação do lodo, uma vez que as mesmas se encontram em processo de corrosão, apresentam folga e não se encontram com boa vedação. Contudo algumas ações mais imediatas foram realizadas no período de vigência deste relatório, quais sejam: - Demos continuidade na limpeza e conservação geral das instalações internas e externas da ETE com o corte da grama e a varrição e o jateamento dos tanques e pisos que compõem as mesmas com Lava Jato, realizados pelos operadores, além da limpeza e organização das instalações que compõem o Prédio Administrativo, por 15

16 funcionária contratada para tal, seguindo programação elaborada previamente; - Persistimos aplicando treinamento contínuo nos colaboradores, admitidos em novembro de 2008, incluindo operação e processo aplicado na ETE em referência, análises de monitoramento, rotinas de laboratório, cronograma de limpezas, segurança no trabalho, etc; - Substituímos um dos aeradores do tanque de aeração 2, que apresentou barulho anormal. Foi feito a troca dos rolamentos do aerador retirado de operação; - Substituímos a válvula de retenção da linha de recalque do esgoto bruto; - Instalamos a bóia de nível para o AUTO da bomba 2, de recalque do esgoto bruto. A partir de janeiro as duas bombas estão operando em automático; - Providenciamos a compra de válvula de retenção de 4 para ficar de reserva para a bomba 1, de recalque de esgoto bruto, que será entregue na primeira semana de fevereiro pelo fabricante (Bugatti); - Demos continuidade à coleta e realização de análises por laboratório externo (AMPROLAB), credenciado pela CETESB, para monitoramento da ETE e atendimento à Licença de Operação. A coleta, composta, foi realizada em 06/01/2009, no período de 8 às 18:00 hs. Esses resultados estão disponibilizados em anexo. Ao verificarmos os resultados das análises observamos que todos os parâmetros analisados na saída do processo (esgoto tratado), pelo laboratório contratado, atendem aos Padrões Estabelecidos pelas Legislações Ambientais, referenciadas nos Relatórios de Análises Nºs e Houve uma redução em termos da DBO em 98,42 % e a concentração da DBO no esgoto tratado foi de 43 mg/l, sendo que a Legislação (CETESB; artigo 18) exige 80 % ou 60 mg/l, respectivamente. ETE - Vila Bela 16

17 Na ETE Vila Bela demos prosseguimento a algumas ações que identificamos necessárias, que foram relacionadas no relatório referente ao mês de julho de 2008, quais sejam: - Definimos o início das obras necessárias para a instalação dos medidores de vazão, entrada e saída da ETE, com a empresa que executará o serviço, para o dia 16 de fevereiro de Realizamos também a compra dos medidores de vazão (Calha Parshall já se encontra instalada no local) para que o processo de medição de vazão seja complementado e entre em operação até meados de março de 2009; - Estaremos definindo a empresa e o período de início das obras para a construção da Estação Elevatória do Lodo Recirculado, além do redirecionamento desta contribuição para o Tanque de Aeração, mais para adiante, possivelmente após o término das obras de medição de vazão da entrada e saída da ETE; Continuamos estudando ainda, dentre outras coisas : reavaliar o uso dos Adensadores de Lodo no processo, uma vez que o lodo decantado vem sendo encaminhado para a Elevatória do Esgoto Bruto e os descartes não são realizados de acordo com freqüência estabelecida a fim de manter o equilíbrio de lodo do sistema; De qualquer forma foram realizadas algumas ações mais imediatas, no período de vigência desse Relatório, quais sejam : - Demos continuidade na limpeza e conservação geral das instalações internas e externas da ETE com a varrição e o jateamento dos tanques e pisos que compõem as mesmas com Lava Jato, realizados pelos operadores, além da limpeza e organização das instalações que compõem o Prédio Administrativo, por funcionária contratada para tal, seguindo programação elaborada previamente; - Realizamos o corte de toda a grama, além da poda das árvores que compõem a ETE em referência, serviço realizado por empresa contratada para tal; 17

18 Relato Fotográfico Após o Corte da Grama na ETE Vila Bela ETE Vila Bela 18

19 - Persistimos aplicando treinamento contínuo nos colaboradores, admitidos em novembro de 2008, incluindo operação e processo aplicado na ETE em referência, análises de monitoramento, rotinas de laboratório, cronograma de limpezas, segurança no trabalho, etc; - Realizamos a limpeza na Caixa de Areia e Elevatória que recebe o esgoto bruto que aflui a Estação de Tratamento de Esgoto em referência, com auxílio do caminhão Hidrovácuo e com equipe disponibilizada para tal, por duas vezes nesse mês de janeiro, muito em função das freqüentes chuvas que vem ocorrendo na região; - Substituímos a bomba 1, que recalca o esgoto bruto para o processo, pela bomba 3, a fim de executar reforma na guia da mesma. Foi encaminhada para empresa habilitada para o serviço e já se encontra em nossas instalações, em stand-by ; - Demos continuidade à coleta e realização de análises por laboratório externo (AMPROLAB), credenciado pela CETESB, para monitoramento da ETE e atendimento à Licença de Operação. A coleta, composta, foi realizada em 06/01/2009, no período de 8 às 18:00 hs. Os resultados estão disponibilizados em anexo. Ao verificarmos os resultados das análises observamos que todos os parâmetros analisados na saída do processo (esgoto tratado), pelo laboratório contratado, atendem aos Padrões Estabelecidos pelas Legislações Ambientais, referenciadas nos Relatórios de Análises Nº e Houve uma redução em termos da DBO em 76,74 % e a concentração da DBO no esgoto tratado foi de 20 mg/l, sendo que a Legislação (CETESB; artigo 18) exige 80 % ou 60 mg/l, respectivamente. ETE Pedrinha 19

20 Com relação às alterações que identificamos a necessidade de serem realizadas na ETE em questão, que foram registradas no relatório referente ao mês de julho de 2008, cumpre-nos informar que : - As obras necessárias para a instalação dos medidores de vazão, entrada e saída da ETE, bem como a compra dos medidores de vazão ultrasônicos, serão reprogramados para após a definição do redirecionamento do lançamento do esgoto tratado da ETE, exigido pela CETESB, e que vem sendo discutido e tratado pela SAEG junto ao Órgão Ambiental; Persistimos estudando ainda, dentre outras coisas : viabilizar de forma efetiva o descarte de lodo para o Leito de Secagem com a construção de Elevatória de Recirculação de Lodo, instalar medidor de vazão do recirculado, além de encaminhar essa contribuição para o Tanque de Aeração (TA), de forma contínua, realizando contato com novas empresas.o serviço será realizado dentro de um cronograma de prioridades, estabelecido pela CAB; No entretanto foram realizadas algumas ações mais imediatas, no período de vigência desse relatório, quais sejam : - Continuidade na limpeza e conservação geral das instalações internas e externas da ETE com a varrição, a roçada da grama, a pintura do meio fio com cal, o jateamento dos tanques e pisos que compõem as mesmas com Lava Jato, serviços realizados pelos operadores. A limpeza e a organização das instalações que compõem o Prédio Administrativo também foram realizadas pelos operadores da ETE; - Providenciamos a compra de válvula de retenção de 3 para a bomba de recalque de esgoto bruto, que será entregue na primeira semana de fevereiro pelo fabricante (Bugatti), e imediatamente será programada a sua instalação; - Persistimos aplicando treinamento contínuo nos colaboradores, admitidos em novembro de 2008, incluindo operação e processo aplicado na ETE em referência, análises de monitoramento, rotinas de laboratório, cronograma de limpezas, segurança no trabalho, etc; 20

21 - Demos continuidade à coleta e realização de análises por laboratório externo (AMPROLAB), credenciado pela CETESB, para monitoramento da ETE e atendimento à Licença de Operação. A coleta, composta, foi realizada em 06/01/2009, no período de 8 às 18:00 hs. Esses resultados estão disponibilizados em anexo. Ao verificarmos os resultados das análises observamos que todos os parâmetros analisados na saída do processo (esgoto tratado), pelo laboratório contratado, atendem aos Padrões Estabelecidos pelas Legislações Ambientais, referenciadas nos Relatórios de Análises Nº e Houve uma redução em termos da DBO em 90,00 % e a concentração da DBO no esgoto tratado foi de 20 mg/l, sendo que a Legislação (CETESB; artigo 18) exige 80 % ou 60 mg/l, respectivamente. 21

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4 INDICE Introdução:... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 4 Página 1 de 16 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de maio de 2009, conforme

Leia mais

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4 INDICE Introdução:... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 4 Página 1 de 18 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de abril de 2009, conforme

Leia mais

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 5

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 5 INDICE Introdução:... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 5 Página 1 de 21 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de março de 2009, conforme

Leia mais

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4 INDICE Introdução:... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 4 Página 1 de 23 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de fevereiro de 2009,

Leia mais

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 5

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 5 INDICE Introdução... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 5 Página 1 de 19 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de outubro de 2009, conforme

Leia mais

Relatório mensal das atividades

Relatório mensal das atividades Relatório mensal das atividades Novembro/2010 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 02 ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO... 03 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO... 06 CONSUMO DE ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA... 19 INVESTIMENTOS...

Leia mais

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 6

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 6 INDICE Introdução... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 6 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de junho de 2010, conforme prevê o contrato

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL ANO - 6 NOVEMBRO/2013

RELATÓRIO MENSAL ANO - 6 NOVEMBRO/2013 RELATÓRIO MENSAL ANO - 6 NOVEMBRO/2013 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá OBJETO: Prestação de Serviços público

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 NOVEMBRO/2014

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 NOVEMBRO/2014 RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 NOVEMBRO/2014 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá. OBJETO: Prestação de Serviços público

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013

RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013 RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá OBJETO: Prestação de Serviços público para

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 DEZEMBRO/2014

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 DEZEMBRO/2014 RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 DEZEMBRO/2014 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá. OBJETO: Prestação de Serviços público

Leia mais

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 7

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 7 INDICE Introdução... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 7 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de julho de 2010, conforme prevê o contrato

Leia mais

Asfalto da rotatória reconstituído no dia 03 de dezembro de 2009

Asfalto da rotatória reconstituído no dia 03 de dezembro de 2009 Redes Coletoras de Esgoto Neste mês de dezembro de 2009 foi concluída a obra do coletor de esgoto da Rodovia Aristeu Vieira Vilela, possibilitando que as ligações de esgoto do pólo industrial sejam feitas

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Manutenção e Operacionalização da Administração SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover o SAAE de recursos materiais e humanos para o bom desenvolvimento

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO (RAP)

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO (RAP) REGIONAIS 5.9.8.1 Executar rotina geral de manutenção da ETE REGIONAIS 5.9.8.2 Executar a manutenção geral das elevatórias das ETEs REGIONAIS 5.9.8.3 Executar a manutenção dos conjuntos motobombas Executar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS Drenagem de Bacias SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 035 Garantir a captação e drenagem das bacias hidrográficas; Eliminar pontos de alagamento junto a córregos e canais; Proteger as margens

Leia mais

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS ORGANOGRAMA A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática de gestão implementada? Desde 1999, a OC utiliza o Modelo de Excelência

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Materiais das Tubulações Profª Gersina Nobre Materiais das tubulações Fatores que devem ser observados na escolha: Resistência a cargas externas; Resistência a abrasão e a ataque químico;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

RHS CONTROLS Recursos Hídricos e Saneamento Ltda

RHS CONTROLS Recursos Hídricos e Saneamento Ltda A laje sanitária do poço está em boas condições atendendo a padronização do DAEE. O funcionamento do poço P5 ocorre com timer, no período entre 5:00 e 22:00 horas. Assim, deve-se instalar um sistema de

Leia mais

SUMARÉ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

SUMARÉ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ PRESTADOR: DAE DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades Americana,

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 3º TRIMESTRE DE 2009

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 3º TRIMESTRE DE 2009 PSBJ- Programa de Saneamento da Barra da Tijuca, Jacarepaguá e Recreio dos Bandeirantes RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 3º TRIMESTRE DE 2009 As obras (tanto as concluídas quanto as em andamento)

Leia mais

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 CADASTRO TÉCNICO DE SISTEMAS DE SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2

Leia mais

SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA - 3P TECHNIK

SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA - 3P TECHNIK SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA - 3P TECHNIK INSTALAÇÃO: Figura 1 Para instalação e montagem das conexões, siga os seguintes passos: 1) Os tubos que descem das calhas são conectados nas entradas

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS ETE 600L 2 Cuidando do Meio Ambiente Anderson Müller Larrymar Ruoso Memorial Descritivo, Justificativa, Memória de Cálculo e Procedimentos de Operação

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

Declaramos concordar com as condições estabelecidas no Regulamento para Apresentação de Trabalhos Técnicos na 38º Assembléia Nacional da ASSEMAE.

Declaramos concordar com as condições estabelecidas no Regulamento para Apresentação de Trabalhos Técnicos na 38º Assembléia Nacional da ASSEMAE. Título: Atualização e Manutenção do Cadastro Técnico Autores: Renan Moraes Sampaio Cargo Atual: Coordenador do Cadastro Técnico e Geoprocessamento. Formação: Engenheiro Civil e de Segurança do Trabalho.

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Os equipamentos do Kit Chuva atendem as exigências da norma NBR 15527: Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis Requisitos. KIT CHUVA Filtro

Leia mais

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA SERVIÇO FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS TIPO CAMINHÃO PIPA COM CAPACIDADE DE TRANSPORTE DE 9.000 A

Leia mais

CAPÍTULO 3: ESGOTO SANITÁRIO

CAPÍTULO 3: ESGOTO SANITÁRIO CAPÍTULO 3: ESGOTO SANITÁRIO 155 1. Infraestrutura de Esgotamento Sanitário do município de Vinhedo 1.1. ETE Pinheirinho O município de Vinhedo conta com uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) denominada

Leia mais

Construção da Rede Coletora de Esgoto. Profª Gersina N.R.C. Junior

Construção da Rede Coletora de Esgoto. Profª Gersina N.R.C. Junior Construção da Rede Coletora de Esgoto Profª Gersina N.R.C. Junior Instalação da Rede Coletora de Esgoto Assentamento do Coletor Transportar os tubos da superfície do terreno para o fundo da vala, que em

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 PSBJ- Programa de Saneamento da Barra da Tijuca, Jacarepaguá e Recreio dos Bandeirantes RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 As obras (tanto as concluídas quanto as em andamento)

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

DECRETO Nº 2.544, DE 28 DE AGOSTO DE 2013

DECRETO Nº 2.544, DE 28 DE AGOSTO DE 2013 DECRETO Nº 2.544, DE 28 DE AGOSTO DE 2013 Revisa o valor dos custos dos serviços, infrações e multas aplicados pela Autarquia Municipal SAAE - Serviço Autônomo de Água e Esgoto e dá outras providências.

Leia mais

ANEXO III. Metas e Indicadores de Desempenho

ANEXO III. Metas e Indicadores de Desempenho ANEXO III Metas e Indicadores de Desempenho 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 3 2. ÍNDICE DE DESEMPENHO... 3 2.1. PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO... 6 2.2. PERÍODOS DE MEDIÇÕES E PRAZOS... 12 3. DESEMPENHO

Leia mais

RELATÓRIO DE MANUTENÇÃO JANEIRO Á MARÇO 2011

RELATÓRIO DE MANUTENÇÃO JANEIRO Á MARÇO 2011 RELATÓRIO DE MANUTENÇÃO JANEIRO Á MARÇO 2011 Situação de caixa de águas pluviais Desobstrução da vala Limpeza da caixa Situação das valetas de águas pluviais 1 Corte, Limpeza e desobstrução das valas Corte

Leia mais

RELATÓRIO (outubro à dezembro)

RELATÓRIO (outubro à dezembro) RELATÓRIO (outubro à dezembro) Dando continuidade aos serviços de manutenção e conservação do condomínio, observa-se o proveito dos resultados dos esforços de toda a equipe de colaboradores, através da

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto:

Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto: Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto: Todo cidadão tem direitos e deveres para com a sociedade e se cada um fizer sua parte, todos irão ganhar. São direitos de todos os cidadãos, referentes

Leia mais

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro COPASA Day 2011 24 e 25 de novembro Benefícios do Tratamento de Esgoto Despoluição dos córregos e rios; Eliminação do mau cheiro; Meio ambiente limpo, recuperado e preservado; Diminuição da presença de

Leia mais

GERENCIAMENTO INFORMATIZADO DA MANUTENÇÃO EM UMA AUTARQUIA DE SANEAMENTO ROTINAS E MELHORIAS DO SISTEMA IMPLANTADO

GERENCIAMENTO INFORMATIZADO DA MANUTENÇÃO EM UMA AUTARQUIA DE SANEAMENTO ROTINAS E MELHORIAS DO SISTEMA IMPLANTADO GERENCIAMENTO INFORMATIZADO DA MANUTENÇÃO EM UMA AUTARQUIA DE SANEAMENTO ROTINAS E MELHORIAS DO SISTEMA IMPLANTADO Celso Garcia Crespo (1) Engenheiro Civil graduado pela Faculdade de Engenharia da Universidade

Leia mais

Infraestrutura em Comunidades de Baixa Renda

Infraestrutura em Comunidades de Baixa Renda Infraestrutura em Comunidades de Baixa Renda Aspectos de concepção da infraestrutura de Água e Esgoto em Comunidades de Baixa Renda no Rio de Janeiro IAB Instituto dos Arquitetos do Brasil / Morar Carioca

Leia mais

Envio de um profissional para, se possível, abrir a porta de acesso, sem necessidade de arrombamento ou danos.

Envio de um profissional para, se possível, abrir a porta de acesso, sem necessidade de arrombamento ou danos. MONDIAL HOME PROTECTION é um conjunto de serviços oferecido tanto para casas como para apartamentos residenciais, somente disponíveis para pessoas físicas. As principais vantagens do MONDIAL HOME PROTECTION

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

Proposta de Água de Reúso ETE Insular

Proposta de Água de Reúso ETE Insular Proposta de Água de Reúso ETE Insular Setor Operacional de Esgoto SEOPE / AFLS Gerência de Políticas Operacionais GPO Gerência de Meio Ambiente - GMA Setor de Qualidade de Água e Esgoto /Gerência Operacional

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em limpeza e higienização para lavagem e desinfecção dos reservatórios de água que abastecem as áreas de alimentação, saúde e pontos

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos.

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos. Dúvidas Filtros e Bombas A Piscina dos seus Sonhos. - Filtros Água vazando para o esgoto. Nas opções filtrar e recircular, observo através do visor de retrolavagem que a água continua indo para o esgoto

Leia mais

NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015

NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015 NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015 Para as contratações e renovações, a partir de 16/06/2015, os planos disponíveis serão: a) Serviço para casa (Plus Casa) Plus Casa Chaveiro

Leia mais

COPASA Day 2010. Novas Tecnologias

COPASA Day 2010. Novas Tecnologias COPASA Day 2010 Novas Tecnologias Tecnologias ofertadas por Melhoria constante de qualidade e produtividade dos serviços fornecedores Melhor atendimento às demandas da população Evolução tecnológica dos

Leia mais

RELATÓRIO DE MANUTENÇÃO OUTUBRO Á DEZEMBRO. Fechamento e Termino da churrasqueira da Bocha. Colocação de rachão no canal de água

RELATÓRIO DE MANUTENÇÃO OUTUBRO Á DEZEMBRO. Fechamento e Termino da churrasqueira da Bocha. Colocação de rachão no canal de água RELATÓRIO DE MANUTENÇÃO OUTUBRO Á DEZEMBRO Fechamento e Termino da churrasqueira da Bocha Colocação de rachão no canal de água Captura de espécie da fauna Plantação de mudas 1 Reparo no muro do condomínio

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

ALLIANZ HELP ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL ANUAL STANDARD

ALLIANZ HELP ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL ANUAL STANDARD ALLIANZ HELP ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL ANUAL STANDARD Sempre que precisar utilizar sua Assistência, entre em contato com a CENTRAL DE ATENDIMENTO ALLIANZ GLOBAL ASSISTANCE: 0800 770 4374 (território nacional)

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA CONCORRÊNCIA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO EDITAL DE CONCORRÊNCIA

Leia mais

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Giovana Martinelli da Silva Ricardo Franci Gonçalves Universidade Federal do Espírito Santo Índice Evolução Histórica Definição Objetivos Tipos de Sistemas Componentes

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Estação Elevatória de Esgoto

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Estação Elevatória de Esgoto DETALHES CONSTRUTIVOS OBJETIVO Este documento tem como objetivo definir diretrizes para projetos de Estações Elevatórias de Esgoto. CLASSIFICAÇÃO DAS EEE POR PORTE As EEE são classificadas, segundo seu

Leia mais

Apresentação da Metodologia da Conferência

Apresentação da Metodologia da Conferência Apresentação da Metodologia da Conferência Objetivos das Conferências? são espaços de diálogo entre o governo e a população Instrumentos de participação popular na construção e acompanhamento de políticas

Leia mais

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br Ji-Paraná - 2014 Atividades realizadas pelo projetista da rede coletora de esgoto: Identificação

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RF / DSB / 02/2012

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RF / DSB / 02/2012 AGERSA - Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Cachoeiro de Itapemirim RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RF / DSB / 02/2012 Sistema de Esgotamento Sanitário SES de Córrego dos Monos

Leia mais

GB ECO Solutions. especialista em soluções ambientais para um PLANETA SUSTENTÁVEL. Reuso e Aproveitamento de Água da Chuva

GB ECO Solutions. especialista em soluções ambientais para um PLANETA SUSTENTÁVEL. Reuso e Aproveitamento de Água da Chuva GB ECO Solutions especialista em soluções ambientais para um PLANETA SUSTENTÁVEL GB ECO Solutions www.gb-ecosolutions.com.br info@gb-ecosolutions.com.br + 55 11 4702-4619 Cotia/SP Sistemas de Remediação

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

A MAIOR OBRA PÚBLICA DA HISTÓRIA DE NOVA ODESSA

A MAIOR OBRA PÚBLICA DA HISTÓRIA DE NOVA ODESSA e as obras do PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO A MAIOR OBRA PÚBLICA DA HISTÓRIA DE NOVA ODESSA INAUGURADA EM 14 DE DEZEMBRO DE 2012 Ministério das Cidades Um pouco de história Nova Odessa

Leia mais

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO - Check list e Avaliação Dados do Imóvel: Endereço:

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

Manual Operacional do Medidor de Vazão Modelo 30.000 l/h

Manual Operacional do Medidor de Vazão Modelo 30.000 l/h Manual Operacional do Medidor de Vazão Modelo 30.000 l/h RUA CARLOS ESSENFELDER, 3087, BOQUEIRÃO - TEL: 41 3286-1401 - FAX: 41 3287-8974 - CEP 81730-060 - CURITIBA - PARANÁ E-MAIL: martim@fabobombas.com.br

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Sistema de Esgotamento Sanitário da sede do Município de Salinas. Belo Horizonte Outubro 2014...

Sistema de Esgotamento Sanitário da sede do Município de Salinas. Belo Horizonte Outubro 2014... Sistema de Esgotamento Sanitário da sede do Município de Salinas Belo Horizonte Outubro 2014... 1 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR DE SERVIÇOS... 5 3. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

CONCORRENCIA INTERNACIONAL 001/2013 PPP SERRA

CONCORRENCIA INTERNACIONAL 001/2013 PPP SERRA CONCORRENCIA INTERNACIONAL 001/2013 PPP SERRA RELAÇÃO DOS PROCESSOS PROTOCOLADOS NO INSTITUTO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE ENCAMINHANDO OS FORMULÁRIOS INTEGRADOS DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO DAS SEGUINTES

Leia mais

RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO

RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO ELEVATÓRIA UNIFAMILIAR - UNIECO-120 LAGOA DA CONCEIÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC OUTUBRO/2014 UNIDADE TESTE SUMÁRIO SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. A ELEVATÓRIA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR UNIECO-120

Leia mais

PIRACICABA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

PIRACICABA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA PRESTADOR: SEMAE SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO Relatório R2 Não Conformidades Americana, maio de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO SERVIÇO PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO DAS ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO SANITÁRIO. LOCAL Bairros, Vila da Alimentação, Esmeralda I, Esmeralda II, Altos da

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO Autarquia Municipal Lei de criação Nº792 de 30-03-1967 CNPJ: 27.998.368/0001-47 TERMO DE REFERÊNCIA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO Autarquia Municipal Lei de criação Nº792 de 30-03-1967 CNPJ: 27.998.368/0001-47 TERMO DE REFERÊNCIA 01. Objeto TERMO DE REFERÊNCIA O presente PMI visa orientar a apresentação de interessados na estruturação de Projetos de Implantação, Expansão, Restauração e Operação do Sistema de Abastecimento de Água

Leia mais

LOUÇAS E INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

LOUÇAS E INSTALAÇÕES SANITÁRIAS Antes de executar qualquer furação nas paredes, consulte a planta de instalações hidráulicas em anexo, para evitar perfurações e danos à rede hidráulica, bem como na impermeabilização. Não jogue quaisquer

Leia mais

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE 14/03/2014 Jonas Age Saide Schwartzman Eng. Ambiental Instituições Afiliadas SPDM SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina OSS

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Nossa Empresa A Ambiental Liron é uma empresa prestadora de serviços, voltada à limpeza de dutos de ar condicionado, limpeza de coifas, limpeza de sistemas

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

MANUAL DO BENEFÍCIO ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL 24 HORAS

MANUAL DO BENEFÍCIO ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL 24 HORAS MANUAL DO BENEFÍCIO ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL 24 HORAS Junho/2014 1080.0776.0302 ÍNDICE ACIONAMENTO DOS SERVIÇOS...3 REEMBOLSOS...3 QUANTIDADE DE INTERVENÇÕES...3 SERVIÇOS...3 BOMBEIRO HIDRÁULICO...3 ELETRICISTA...4

Leia mais