Artigo 3º Princípio educacional do CISV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Artigo 3º Princípio educacional do CISV"

Transcrição

1 Regulamento interno para os Campos internacionais do CISV Portugal Preâmbulo As Aldeias Internacionais de Crianças em Portugal, adiante designada por CISV Portugal regese pelos estatutos e por um regulamento interno que específica e concretiza os direitos, deveres e regras de todos os elementos dos Campos de Férias Internacionais. O presente regulamento foi aprovado pela Assembleia-Geral do CISV, 31 de Março de 2010, para todos os campos em Portugal. Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação e Princípios O CISV Portugal, com a denominação social Aldeias Internacionais de Crianças Em Portugal tem sede na Rua Anchieta, Nº. 29-4º, faz parte de uma associação internacional, CISV - Building Global Friendship que através de diferentes programas, campos internacionais, educacionais procura promover a paz através da Amizade intercultural. Artigo 2º Objectivos dos Programas do CISV Os programas internacionais do CISV têm como objectivo último a educação para a Paz. Para atingir e cumprir este objectivo cada programa tem um guia e documentos gerais que explicam as normas e procedimentos para os atingir. Os guias são disponibilizados durante a preparação, no campo, e nos sites (www.pt.cisv.org e Artigo 3º Princípio educacional do CISV

2 Todos os programas do CISV têm um propósito educacional: preparar indivíduos que se tornem membros activos e construtivos de uma sociedade pacífica. O CISV propõe-se a estimular um desenvolvimento de relações de amizade duradouras, capacidades efectivas de comunicação, bem como habilidades de cooperação e liderança tendo em vista um mundo mais justo. Artigo 4º Educação Não-Formal O CISV promove a aprendizagem através da experiência. A abordagem educacional usa métodos experienciais para desenvolver a interculturalidade focando-se: a) Desenvolvimento da consciência social, pessoal e cultural; b) Fomento de atitudes positivas; c) Aumento das capacidades individuais e de grupo; d) Conhecimento de novas realidades e formas de viver. Os nossos objectivos educacionais são alvo de investigação internacional por parte de técnicos especializados de forma a obter um impacto educacional duradouro em todos os elementos da organização. (link para interpectives e princípios educacionais) Capítulo II Campos Internacionais em Portugal Artigo 5º Campos internacionais em Portugal 1.Os campos internacionais organizados pelo CISV Portugal dividem-se em três programas: Village, IYM, Summer Camp: a) Village dirigidos a crianças com 11 anos, com a duração de 26 dias consecutivos; b) IYM dirigidos a crianças dos 12 aos 15 anos, com a duração de 10 dias consecutivos; c) Summer Camp dirigidos a crianças dos 14 aos 15 anos, com a duração de 21 dias consecutivos. 2.As crianças têm de ter a idade indicada para cada programa pelo menos um dia no período entre 1 de Junho a 31 de Agosto do ano corrente.

3 Artigo 6º Delegações dos Campos Internacionais 1. Os campos internacionais em Portugal, recebem entre 6 a 12 delegações de diferentes países, conforme o programa a que se destinam. 2. Cada delegação é composta por um grupo de 4 a 6 ou 8 crianças lideradas por um monitor / Leader. Artigo 7º Elementos do Campo Internacional Um campo Internacional do CISV é composto por três grupos de elementos: Participantes; Monitores/Leaders; e Staff 1. Participantes são participantes do campo internacional o grupo de crianças entre os 11 e os 15 anos inscritas no CISV Internacional, seleccionadas para participar no campo e agrupados em delegações (artigo 6º). a) Os participantes dos campos internacionais do CISV Portugal têm de ser sócios, através dos seus pais, da organização internacional; b) Os participantes têm de ter a idade legal do programa prevista do artigo5º; c) A sua participação está condicionada a inscrição prévia na organização e participação nas actividades nacionais durante o ano; d) Os pais dos participantes, sócios da organização, têm de autorizar a participação no campo mediante formulário previamente preenchido YLIF. Nos campos Internacionais Village (artigo 5º) está incluído um grupo (entre 6 a 8 elementos) de jovens anos de jovens que têm como objectivo o apoio aos monitores dos campos internacionais. Sendo o responsável por este grupo o director do campo e aplicando-se a ele os princípios descritos nas alíneas anteriores. 2. Monitores / Leader Grupo de adultos que se candidatou, e através da formação foi seleccionado pela organização, para ser responsável legal por uma delegação (artigo 6º) Cada monitor / leader tem por missão liderar o grupo de crianças ou jovens do qual ficou responsável e garantir o correcto desenvolvimento do campo através da organização das actividades.

4 a) A idade mínima dos monitores é de 18 anos; b) Todos os monitores são voluntários, não recebendo qualquer quantia financeira; c) Os monitores têm de pertencer ao CISV Internacional; d) A participação nos campos tem de ser completa. 3. Staff o grupo de staff é o grupo de adultos seleccionado pela organização para responsáveis máximos do campo liderado pelo director do campo. O Staff tem como função a garantia do correcto funcionamento de todo o campo e suas regras. A última decisão do campo pertence ao director. a) A idade mínima dos staffs é de 18 anos b) Todos os staffs são voluntários, não recebendo qualquer quantia financeira c) Os Staffs têm de pertencer ao CISV Internacional d) A participação nos campos tem de ser completa. Artigo 8º Avaliação dos campos A avaliação dos campos internacionais em Portugal é obrigatória. Estando disponibilizado na intranet da organização um modelo de avaliação dos objectivos propostos de cada campo que deve ser preenchido pelo grupo de Staffs. Capítulo III Regras Artigo 9º Regras gerais do campo O CISV definiu um conjunto de regras e procedimentos aplicáveis a todos os campos internacionais, sendo sujeitas à legislação nacional. Estas regras estão publicadas dos sites da organização e são dadas a todos os pais dos participantes antes dos campos. Nomeiam-se as seguintes regras e procedimentos: a) A participação nestes campos internacionais tem de ser completa, não podendo o participante entrar ou sair fora das datas de início e fim da actividade.

5 b) Durante o campo apenas estão previstas 3 saídas em transporte adequado, fora as quais ninguém deve sair das instalações à excepção do staff do campo. c) Durante o campo não circula dinheiro entre os participantes. Todo o dinheiro do campo é organizado pelos monitores / leaders e guardado pelo Staff. d) Durante o campo o comportamento de todos os participantes deve pautar-se por normas de boa conduta, respeito mútuo e sensibilidade cultural. Capítulo IV Direitos e Deveres Artigo 10º Direitos e Deveres dos Participantes 1. Direitos a) Alojamento todos os participantes têm direito a alojamento, de acordo com a legislação em vigor, em dormitórios próprios e separados por sexos b) Alimentação - A alimentação completa de todos os participantes é assegurada pelo campo de férias com, pelo menos, 5 refeições diárias preparadas de acordo com a legislação em vigor. c) Seguro todos os participantes estão cobertos por um seguro de acidentes pessoais e de responsabilidade civil d) Actividades tem o direito de usufruir e participar em todas as actividades no campo de férias previstas no plano de actividades do campo. e) Acompanhamento pedagógico todos os participantes tem o direito de ter acompanhamento pedagógico, assegurado pelos adultos do campo em especial pelo monitor / leader da sua delegação (1 monitor para cada 4 crianças). f) Doença todos os participantes têm o direito de ser acompanhados ao hospital / centro de saúde / visita do médico em caso de doença pelo seu leader /monitor e um staff do campo. Sempre que necessário, a organização deve colaborar nestas deslocações. 2. Deveres a) Inscrição Todos os participantes têm de ser membros do CISV internacional. b) Documentação Os encarregados de educação dos participantes devem entregar ao monitor leader, os seguintes documentos que têm de ser levados para o campo: - Documento de identificação válido;

6 - Cartão Europeu de Doença, se aplicável; - Cópia do seguro; - YLIF - formulário interno da organização de autorização da participação num campo de férias (documento em inglês); - HF / formulário de saúde assinado pelo médico (documento em inglês); c) Participação - A participação nos campos internacionais tem de ser completa, não podendo o participante entrar ou sair fora das datas de início e fim da actividade. d) Necessidades especiais Todas as necessidades de alimentação, doenças, alergias, limitações motoras devem estar cuidadosamente descritas no formulário HF. e) Comportamento - O comportamento dos participantes não deve lugar a censura, sendo que a sua linguagem e acções devem pautar-se pelas normas de boa conduta e sensibilidade cultural. f) Instalações Os participantes devem utilizar as instalações do campo de férias com cuidado e respeito pela manutenção do estado de conservação dos mesmos. Artigo 11º Direitos e Deveres dos Monitores/Leaders 1. Direitos a) Alojamento todos os leaders têm direito a alojamento, de acordo com a legislação em vigor, em dormitórios próprios e separados por sexos b) Alimentação - A alimentação completa de todos os leaders é assegurada pelo campo de férias com, pelo menos, 5 refeições diárias preparadas de acordo com a legislação em vigor. c) Seguro todos os leaders estão cobertos por um seguro de acidentes pessoais e de responsabilidade civil d) Doença todos os leader têm o direito de ser acompanhados ao hospital / centro de saúde / visita do médico em caso de doença por um staff do campo. Sempre que necessário, a organização deve colaborar nestas deslocações. e) Acompanhamento os leaders têm direito a ter acompanhamento por parte do staff para desempenhar as suas funções, nomeadamente junto da sua delegação. f) Materiais os leaders têm o direito de ter materiais pedagógicos (livro de jogos, material escolar) e metodologias de apoio à preparação de actividades.

7 g) Dia de folga todos os leaders têm o direito a 24 horas para se ausentarem do campo e visitarem o país. Estes dias devem ser organizados em grupos de 2 ou 3 monitores por dia, assinalados no calendário e as suas delegações devem ficar entregues a um membro do staff. 2. Deveres a) Acompanhamento pedagógico Cada leader deve assegurar o acompanhamento pedagógico dos quatro participantes da sua delegação. b) Actividades O leader tem o dever de participar / organizar / liderar as actividades do campo de acordo com o plano de actividades do campo de férias. c) Participação - A participação nos campos internacionais tem de ser completa, não podendo o leader entrar ou sair fora das datas de início e fim da actividade. - Todos os leaders devem participar nas reuniões de leaders diárias. d) Avaliação todos os leaders devem participar na avaliação das actividades e do campo de acordo com as normas do CISV Internacional. e) Contactos o leader de cada delegação deve contactar o staff do campo atempadamente e comunicar: a composição da sua delegação, a informação da viagem; as necessidades especiais de alimentação, ou outras da sua delegação. - o Leader é responsável pelo contacto com os pais dos participantes da sua delegação e, deve-o fazer regularmente. f) Documentação individual todos os leaders devem reunir e preencher a seguinte documentação: - Documento de Identificação Válido, - Registo criminal actualizado; - Cartão Europeu de doença, se aplicável - ALIF - formulário interno da organização de autorização da participação num campo de férias (documento em inglês) - HF formulário de doença assinado por um médico (documento em inglês) g) Documentação da delegação O leader deve entregar ao staff à chegada ao campo toda a documentação, dinheiro e valores da sua delegação. h) Necessidades especiais - Todas as necessidades de alimentação, doenças, alergias, motoras devem estar cuidadosamente descritas no formulário HF.

8 i) Comportamento - O comportamento dos leaders não deve lugar a censura, sendo que a sua linguagem e acções devem pautar-se pelas normas de boa conduta e sensibilidade cultural. j) Instalações Os leaders devem utilizar e promover junto dos participantes, as instalações do campo de férias com cuidado e respeito pela manutenção do estado de conservação dos mesmos. Artigo 12º Direitos e Deveres do Staff 1. Direitos a) Alojamento todos os staffs tem direito a alojamento, de acordo com a legislação em vigor, em dormitórios próprios e separados por sexos b) Alimentação - A alimentação completa de todos os staff é assegurada pelo campo de férias com, pelo menos, 5 refeições diárias preparadas de acordo com a legislação em vigor. c) Seguro todos os staffs estão cobertos por um seguro de acidentes pessoais e de responsabilidade civil d) Apoio logístico da organização O staff tem o direito a ter apoio logístico por parte do CISV Portugal para organizar o campo e para todas as questões logísticas e organizacionais que surjam ao longo do campo. e) Apoio no processo de decisão O staff tem o direito a ter apoio do CISV Portugal no processo de decisão. f) Censura comportamento inadequado o staff tem o direito de censurar o comportamento inadequado dos participantes e dos leaders. Em última instância, e cumprindo todas as normas e procedimentos internos da organização internacional pode propor a sua expulsão. 2. Deveres a) Plano de actividades O staff deve elaborar o plano de actividades do campo de férias atempadamente para aprovação pela direcção nacional do CISV Portugal. b) Alimentação O staff deve organizar toda a alimentação do campo, de acordo com a legislação em vigor, com apoio do CISV Portugal. c) Necessidades especiais - O staff deve reunir toda a informação de necessidades especiais dos participantes e leaders e sintetiza-la na organização da alimentação.

9 d) Instalações O staff deve assegurar a manutenção e conservação das instalações e a sua correcta utilização de acordo com as normas em vigor de saúde, higiene e segurança. e) Documentação legal O staff deve reunir e guardar em local seguro toda a documentação relativa às delegações e ao campo em si. f) Valores O staff deve guardar, em local seguro, todo o dinheiro e valores das delegações que lhe são entregues pelos leaders. g) Doença O staff deve fazer todas as diligências necessárias e acompanhar os participantes em caso de doença. h) Avaliação o staff deve coordenar todo o processo de avaliação do campo de férias. Artigo 13º Direitos e Deveres da Organização 1. Direitos a) Participação o CISV Portugal tem o direito de aceitar ou não participantes nos seus campos de férias se estes não reunirem as seguintes condições: inscrição no CISV Internacional; participação integral no campo de férias; entrega da documentação de delegação ou individual. b) Comportamento O CISV Portugal junto com o staff tem o direito de expulsar, de acordo com as normas da organização internacional, um participante que não tenha um comportamento adequado, de acordo com o estabelecido neste regulamento. c) Plano de Actividades O CISV tem o direito de aprovar o plano de actividades proposto pelo Staff. 2. Deveres a) Plano de Actividades o CISV Portugal é responsável pelo envio do plano de actividades de cada campo de férias para as autoridades competentes de acordo com a legislação em vigor. b) Alojamento e Alimentação O CISV Portugal é responsável por providenciar alojamento e alimentação para todos os participantes, leaders e staff dos campos de férias de acordo com a legislação em vigor. c) Documentação e Valores O CISV Portugal deve colocar ou providenciar um local seguro em cada campo de férias para guardar os valores e documentação das delegações.

10 d) Instalações O CISV Portugal é responsável pelo aluguer das instalações dos campos de férias. e) Staff O CISV Portugal é responsável pela selecção/ preparação do staff e deve acompanhar e colaborar em todos os aspectos logísticos e pedagógicos necessários, fazendo visitas e contactando regularmente os campos. f) Avaliação O CISV Portugal deve reunir todas as avaliações dos campos de férias e envialas para o CISV Internacional. Capítulo V Organização dos Campos Artigo 14º Calendário Todos os campos têm previsto um calendário de toda a duração do campo internacional onde estão assinalados todos os eventos especiais do campo, bem como as excursões e actividades nacionais. Artigo 15º Horário O horário do campo é definido pelo Staff e tem de incluir as horas de todas as refeições e actividades dos dias bem como a hora de acordar e deitar de todos os participantes. O seu cumprimento é obrigatório. Segue em baixo um exemplo de horário que não necessita de ser seguido na íntegra, mas é obrigatório a utilização do mesmo como estrutura base. 8:00 Acordar 8:20 Hino da associação 8:30 Pequeno-almoço Limpezas 10:00 Actividade I 10:45 Actividade II 11:45 Tempo livre 12:30 Almoço

11 Sesta tempo livre 14:15 Actividade III 15:15 Actividade IV 16:30 Tempo livre Reunião de monitores 17:45 Lanche 18:30 Tempo de delegação 19:30 Jantar 21:00 Actividade V Hino da associação 22:30 Deitar Artigo 16º Tipos de actividades a desenvolver nos campos: 1. O CISV desenvolveu um conjunto de actividades de acordo com os nossos príncipios educacionais (artigos 2º, 3º, 4º) que devem ser utilizadas em cada programa de acordo com os guias específicos (artigo 2º). São eles: a) Arts & Cratfs - jogos de trabalhos manuais, que podem ter os mais variados objectivos; b) Cool Down games - jogos para relaxar depois de uma actividade exaustiva; c) Cooperation games - jogos nos quais os participantes devem interagir uns com os outros de forma a atingirem o mesmo objectivo; d) Drama - representação em que todos os participantes tem o seu papel na história que mostram numa pequena apresentação ao campo; e) Energizers ou Warm Up games - jogos estimulantes, geralmente jogados antes de uma actividade mais parada, muitos destes jogos são canções; f) Icebreakers - jogos para conhecer melhor todos os elementos do campo, este tipo de jogos geralmente tem lugar durante o início do campo; g) Name games - jogos para memorizar mais facilmente o nome de todos os elementos do campo, este tipo de jogos geralmente tem lugar durante o início do campo; h) Role-play games - jogos onde uma certa situação é criada e todos sabem o que tem que fazer, cada um tem que desempenhar o seu papel;

12 i) Running games - jogos para correr, geralmente jogados no período da manhã; j) Thinking games - jogos, nos quais, os participantes são desafiados a encontrar algo, usando nada mais do que os seus cérebros; k) Trust games - jogos para ganhar confiança ou aumentar a confiança existente entre os participantes. 2.Os jogos acima descritos devem ser jogados ao longo do campo preferencialmente de acordo com o calendário abaixo descrito. Fases 1ª 2ª 3ª 4ª Arts & Crafts Cool Down games Cooperation games Drama Energizers Icebreakers Name games Role-play games Running games Thinking games Trust games Artigo 17º Reunião de monitores / leader O grupo de staffs do campo lidera e organiza uma reunião diária com todos os monitores para avaliação do dia e preparação das actividades do dia seguinte. Artigo 18º Tempo de Delegação O tempo de delegação é um espaço que deve existir todos os dias e reúne individualmente as delegações de 4, 6 ou 8 crianças (cumprindo sempre a legislação em vigor) com cada monitor. a) Tem como objectivos perceber como a delegação se está a integrar no campo e criar um subgrupo dentro do campo que se inter-ajude e permita uma inclusão mais simples de todos os participantes no campo b) Deve-se expor as decisões que foram tomadas no na reunião de monitores c) Deve-se lembrar as regras do campo e explicar os acontecimentos do dia seguinte, caso necessário.

Projeto Pedagógico e de Animação

Projeto Pedagógico e de Animação Projeto Pedagógico e de Animação 1 - Memória Descritiva 2 Identificação e Caracterização da Instituição Promotora 3 - Objetivos Gerais 4 - Objetivos Específicos 5 - Princípios educacionais 6 Metodologias

Leia mais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais Regulamento Interno Férias Academia 2014 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Sporting, em regime fechado; 2. Os campos de férias têm, normalmente, uma

Leia mais

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO CEBE Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE Introdução 3 Pag 1 Regime de funcionamento 4 1.1 Horário 5 1.2 Acesso, circulação e saída da CEBE 6 2 Estrutura Pedagógica e Administrativa

Leia mais

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO 1) Objectivos a) A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC) realiza a 1ª Edição da Escola de Verão com uma semana de ocupação para jovens

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU N.º 41 12-10-2009 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 1535 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 50/2009 Ordem Executiva n.º 50/2009 Usando da faculdade conferida

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 Regulamento Interno Ano Lectivo 2007/2008 1. Admissão 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 3 meses e os 6 anos. 1.2. No acto da inscrição são necessários os

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO NOTA JUSTIFICATIVA A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens tem apresentado um aumento significativo nos últimos tempos.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV) competências

Leia mais

SPORT CAMPUS 2015. Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO. Parceiros:

SPORT CAMPUS 2015. Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO. Parceiros: SPORT CAMPUS 2015 Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO Parceiros: Objectivo É objectivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art.º 21.º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

Plano Nacional da Comissão de Direcção Nacional

Plano Nacional da Comissão de Direcção Nacional Plano Nacional da Comissão de Direcção Nacional Chairperson João Sousa Rego Date NOVEMBRO 2008 Membros da Comissão Membros Data de entrada na Comissão Telemóvel E-mail Data de Nascimento João Sousa Rego

Leia mais

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Portugiesisch A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Informação para os pais Objectivos e linhas gerais A escola obrigatória oficial, no Cantão de Zurique, é obrigada a respeitar os valores fundamentais

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete A construção de um futuro impõe que se considere fundamental investir na capacitação e formação das pessoas,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES (aprovado por deliberação de Câmara de 16 de junho de 2011 em conformidade com as orientações do Conselho Nacional para

Leia mais

Regulamento Interno. Objectivo

Regulamento Interno. Objectivo Regulamento Interno Objectivo É objectivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades compreendidas entre os 08 e os 18 anos, com a finalidade

Leia mais

VILLAGE NACIONAL 1. SEDIANDO O PROGRAMA: É recomendado iniciar na segunda quinzena dos meses de Janeiro e Julho.

VILLAGE NACIONAL 1. SEDIANDO O PROGRAMA: É recomendado iniciar na segunda quinzena dos meses de Janeiro e Julho. VILLAGE NACIONAL É um acampamento nacional, com estrutura similar a um Village Internacional com duração de 15 dias, que poderá ocorrer anualmente, nos meses de Janeiro e Julho. Objetivos Dar oportunidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Natureza e objectivos Projecto de REGULAMENTO INTERNO ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Introdução Aliança Francesa do Porto sede: Rua Santa Isabel, 88 4050-536 Porto contribuinte nº 507864549 telefone nº 226098616

Leia mais

MUNICÍPIO DE MIRANDA DO DOURO. Férias ativas. Regulamento interno

MUNICÍPIO DE MIRANDA DO DOURO. Férias ativas. Regulamento interno MUNICÍPIO DE MIRANDA DO DOURO Férias ativas Regulamento interno PREÂMBULO No uso da competência prevista pelos artigos 112º, n.º 8, e 241º da Constituição da República Portuguesa, e conferida pela alínea

Leia mais

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS Artigo 1º 1. A Associação Pomba da Paz I.P.S.S. é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, registada na Direcção de Acção Social da Segurança Social, cujos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPO DE FÉRIAS DO MUNICIPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DO CAMPO DE FÉRIAS DO MUNICIPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DO CAMPO DE FÉRIAS DO MUNICIPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR O presente regulamento, tem como objetivo principal ocupar o tempo livre das crianças com idades compreendidas entre os 6 e os is anos,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS Preâmbulo Considerando: As competências previstas nos artigos 112º e 241º da Constituição da República Portuguesa; O regime previsto no Decreto-Lei

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Comunicação REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências da Comunicação Versão revista, aprovada em reunião da Comissão Coordenadora do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, PRÍNCIPIOS GERAIS, DURAÇÃO E FINS DO CENTRO DE FORMAÇÃO ARTIGO

Leia mais

A Creche Ser Criança tem como objectivo genérico proporcionar às Crianças as

A Creche Ser Criança tem como objectivo genérico proporcionar às Crianças as REGULAMENTO INTERNO 1. Objectivos Gerais A Creche Ser Criança tem como objectivo genérico proporcionar às Crianças as condições para poderem desenvolver todos os aspectos da sua personalidade, nomeadamente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 Exmo. Sr. ou Sr.ª Encarregado(a) de Educação Agora que o seu educando deu mais um passo no Universo Benfiquista, é com grande satisfação que

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE CAPITULO I ENQUADRAMENTO Artigo 1º. Denominação No âmbito das actividades e ao abrigo dos antigos estatutos sociais da S.R.L.S., foi fundado e organizado

Leia mais

Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA

Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA A Rota Vicentina (RV) é uma rota pedestre ao longo do Sw de Portugal que pretende afirmar esta região enquanto destino internacional de turismo de natureza,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 19 de Setembro de 2012, publicada pelo Edital n.º 78/2012, de 26 de Outubro de 2012. Em vigor desde 10

Leia mais

Guia do Voluntário a

Guia do Voluntário a Guia do Voluntário a 1. A AIDGLOBAL A AIDGLOBAL é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), sem fins lucrativos, com sede em Loures, que promove Acções nos domínios da Integração

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim. Artigo 2º. Processo de Admissão

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim. Artigo 2º. Processo de Admissão REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º Denominação e Fim 1. A Casa de Repouso e Saúde de S. Brás (adiante designada por CRSS) é um equipamento privado de prestação de serviços de geriatria, titular do Alvará número

Leia mais

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica Nº 4 e Jardim de Infância Nº 3 de Alverca do Ribatejo INDICE 1. Objecto 2. Local

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO Artigo 1.º Objecto 1 O programa de ocupação municipal temporária de jovens, adiante abreviadamente designado por OMTJ, visa a ocupação

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Direitos da Entidade Organizadora/Promotora

Direitos da Entidade Organizadora/Promotora OBJECTIVOS GERAIS 1 Criação em todas as suas componentes estruturais, de um espaço físico com vista à realização de actividades de lazer e em contacto directo com a natureza, nomeadamente: a) Campos de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO Preâmbulo O Decreto-Lei nº 389/99, de 30 de Setembro, no artigo 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção

Leia mais

Programa Olivais em Férias

Programa Olivais em Férias Capítulo 90 Programa Olivais em Férias Ano 2015 MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 8 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Planeamento e Organização... 3 3. Inscrição... 3 3.1. Valor a pagar... 3 3.2. Fichas de

Leia mais

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Índice Introdução 3 Artigo 1.º - Enquadramento 3 Artigo 2.º - Período de funcionamento/instalações 4 Artigo 3.º - Normas de inscrição/funcionamento

Leia mais

Campo de Férias - FUBI

Campo de Férias - FUBI Campo de Férias - FUBI Regulamento Interno O presente regulamento dos campos de férias FUBI, pretende definir os direitos, deveres e regras a observar por todas as pessoas que envolvem as atividades, para

Leia mais

Regulamento Interno Para lar de Idosos

Regulamento Interno Para lar de Idosos Regulamento Interno Para lar de Idosos CAPITULO I DA NATUREZA/FINS E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo Iº O Lar da Associação Humanitária de Salreu é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, cujos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação Associação JB Juventude

REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação Associação JB Juventude REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação Associação JB Juventude Barcarense, com sede social na Junta de Freguesia Rua Padre

Leia mais

Regulamento Interno Campos de Férias Tá a Mexer. Artigo1.º DISPOSIÇÕES GERAIS

Regulamento Interno Campos de Férias Tá a Mexer. Artigo1.º DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo1.º DISPOSIÇÕES GERAIS 1. O Programa do Campo de Férias da Tá a Mexer constitui um programa cultural, desportivo, ambiental e lúdico de tempos livres, em regime aberto, de crianças e jovens. Este

Leia mais

Município de Pinhel. Projeto de Regulamento do Programa de Férias Desportivas do Município de Pinhel. Nota Justificativa

Município de Pinhel. Projeto de Regulamento do Programa de Férias Desportivas do Município de Pinhel. Nota Justificativa Município de Pinhel Projeto de Regulamento do Programa de Férias Desportivas do Município de Pinhel Nota Justificativa O programa de férias desportivas promovido pelo Município de Pinhel é, ao abrigo do

Leia mais

1ª Edição Turismo e Voluntariado em Moçambique

1ª Edição Turismo e Voluntariado em Moçambique TU-Voluntário 1ª Edição Turismo e Voluntariado em Moçambique A AIDGLOBAL A AIDGLOBAL Acção e Integração para o Desenvolvimento Global é uma Organização Não Governamental que desenvolve projectos nas seguintes

Leia mais

PROJETO CRESCE CAMPO DE FÉRIAS PARA CRIANÇAS COM DOENÇA RENAL ORGANIZAÇÃO

PROJETO CRESCE CAMPO DE FÉRIAS PARA CRIANÇAS COM DOENÇA RENAL ORGANIZAÇÃO PROJETO CRESCE CAMPO DE FÉRIAS PARA CRIANÇAS COM DOENÇA RENAL 2015 ORGANIZAÇÃO O que é o PROJETO CRESCE O Projeto CRESCE, que será organizado pela APIR Associação Portuguesa de Insuficientes Renais pela

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO CURRICULAR DA LICENCIATURA EM DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS. Capítulo I Disposições gerais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO CURRICULAR DA LICENCIATURA EM DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS. Capítulo I Disposições gerais Capítulo I Disposições gerais Artigo.º Âmbito de aplicação O Despacho Normativo n.º 88/7 de 8 Fevereiro, publicado no DR.ª Série n.º 87 de 7 Maio de 7 criou segundo as orientações de Bolonha, a Licenciatura

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 Regulamento Interno 2013 / 2014 www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 REGULAMENTO INTERNO 2013 / 2014 ESCOLA LUA CRESCENTE (Creche, Jardim de Infância e ATL) I NATUREZA E OBJECTIVOS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere

Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99 de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO Preâmbulo O presente Código contém as normas éticas que devem ser seguidas pelos Técnicos de Segurança e Higiene do Trabalho e os Técnicos

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objecto definir a natureza, o conteúdo e os termos em que é desenvolvido o trabalho voluntário no Hospital

Leia mais

ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS

ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO LEGAL 3 2- PRINCÍPIOS DO VOLUNTARIADO 3 3- ESTATUTO DE VOLUNTÁRIO 4 4- DIREITOS DO VOLUNTÁRIO 4 5- DEVERES DO VOLUNTÁRIO 6 6- ÂMBITO DE ACÇÃO 6

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. A Casa de Repouso Vale O Bem Viver rege-se pelo seguinte Regulamento Interno: Artigo 1º. Natureza e Regime Jurídico

REGULAMENTO INTERNO. A Casa de Repouso Vale O Bem Viver rege-se pelo seguinte Regulamento Interno: Artigo 1º. Natureza e Regime Jurídico REGULAMENTO INTERNO A Casa de Repouso Vale O Bem Viver rege-se pelo seguinte Regulamento Interno: Artigo 1º Natureza e Regime Jurídico 1- A Casa de Repouso é uma instituição privada e destina-se ao alojamento

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ. Regulamento das Férias Ativas

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ. Regulamento das Férias Ativas CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ Regulamento das Férias Ativas PREÂMBULO No uso da competência prevista pelos artigos 112º, n.º 8, e 241º da Constituição da República Portuguesa, e conferida pela alínea a) do

Leia mais

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Natal na desportiva 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO CML/DRIC/2015 Alvará 694 I. Apresentação e objetivos 1. Entidade Promotora e Organizadora - Município de Loures 1 a) O Programa de Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2012/2013 REGULAMENTO I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2012/2013 REGULAMENTO I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2012/2013 REGULAMENTO I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS 1- O Externato João Alberto Faria - Infantil destina-se a crianças com idades entre os 3 anos (feitos

Leia mais

ORDEM DOS BIÓLOGOS REGULAMENTO. Atribuição de Títulos de Especialista em Ambiente. Introdução

ORDEM DOS BIÓLOGOS REGULAMENTO. Atribuição de Títulos de Especialista em Ambiente. Introdução ORDEM DOS BIÓLOGOS REGULAMENTO da Atribuição de Títulos de Especialista em Ambiente Introdução A pressão que tem vindo a ser exercida no ambiente como resultado de diversas acções humanas e a necessidade

Leia mais

Colónias de Férias Infantil REGULAMENTO INTERNO

Colónias de Férias Infantil REGULAMENTO INTERNO Colónias de Férias Infantil REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Âmbito As normas definidas no presente Regulamento Interno visam estabelecer as condições de funcionamento da Colónia

Leia mais

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização de Obras ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º Denominação e Fim 1. A Casa de Repouso e Saúde de S. Brás (adiante designada por CRSS) é um equipamento privado de prestação de serviços de geriatria, titular do Alvará número

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015 Contactos da Junta de Freguesia Morada: Rua General Silva Freire, Lote C 1849-029 Lisboa Telefone: 21 854 06 90 Fax: 21 852 06 87 / 21 248 79 25 E-mail:

Leia mais

PREÂMBULO REGULAMENTO DO

PREÂMBULO REGULAMENTO DO PREÂMBULO Sendo uma das atribuições das Câmaras Municipais promover, apoiando ou comparticipando, o desenvolvimento de actividades de interesse social que, de alguma forma, sirvam os interesses e necessidades

Leia mais

GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL

GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL O QUE É? É um processo educativo que oscila entre a inserção e a autonomia. É uma etapa do sistema de educação que tem como objectivo proporcionar às crianças experiências

Leia mais

Encarregados de Educação. Plano de Actividades 2007/2008

Encarregados de Educação. Plano de Actividades 2007/2008 Associação de Pais e Encarregados de Educação Plano de Actividades 2007/2008 A nível interno 1. Promover o bom Funcionamento administrativo da Associação Objectivo: Continuar a melhorar a organização e

Leia mais

REGULAMENTO DE SELECÇÃO E CONTRATAÇÃO MONITORES DE TURNOS INFANTIS. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

REGULAMENTO DE SELECÇÃO E CONTRATAÇÃO MONITORES DE TURNOS INFANTIS. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º REGULAMENTO DE SELECÇÃO E CONTRATAÇÃO MONITORES DE TURNOS INFANTIS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1 O presente regulamento aplica-se a todos os candidatos a Monitores de Infantis na Colónia

Leia mais

Regulamento Interno Campo de Iniciação à Canoagem C.F.C. 2015

Regulamento Interno Campo de Iniciação à Canoagem C.F.C. 2015 Regulamento Interno Campo de Iniciação à Canoagem C.F.C. 2015 2 Regulamento Interno do Campo de Iniciação à Canoagem O presente regulamento tem como objectivo dar a conhecer a todos os intervenientes eparticipantes

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

FORMULÁRIO VOLUNTÁRIOS

FORMULÁRIO VOLUNTÁRIOS A Fundação Realizar Um Desejo é uma fundação portuguesa integrada na rede da Make-A-Wish International que tem como principal objectivo o desenvolvimento de actividades no âmbito da solidariedade social.

Leia mais

REGULAMENTO ABRIL/2011

REGULAMENTO ABRIL/2011 REGULAMENTO ABRIL/2011 Regulamento dos Voluntários com Asas Í NDICE Pág. 1. Constituição 2 2. Grupo Dinamizador GD 2.1. Missão.. 2 2.2. Obrigações e Atribuições.. 2 2.3. Funcionamento. 3 3. Membros dos

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre PRIMEIRO OUTORGANTE..., portador do B.I. n.º.., emitido em. /. /. pelo Arquivo de Identificação de, contribuinte n.º...., residente em... SEGUNDO OUTORGANTE: Casa

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS DO MUNICIPIO DO CARTAXO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS DO MUNICIPIO DO CARTAXO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS DO MUNICIPIO DO CARTAXO PREÂMBULO O Programa de Férias Desportivas e Culturais promovido pela Câmara Municipal do Cartaxo é, ao abrigo do Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BANDA DE MÚSICA DE SANGUINHEDO

REGULAMENTO INTERNO BANDA DE MÚSICA DE SANGUINHEDO REGULAMENTO INTERNO BANDA DE MÚSICA DE SANGUINHEDO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º - Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação de Banda de Música de Sanguinhedo Associação Recreativa,

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação A Escola Profissional adopta a designação de ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS e a abreviatura EPF. ARTIGO

Leia mais

Avenida Santo António de Tercena, 2730-165 Barcarena. Tlf: 214379038. Fax: 214379038. Email: inf@eb1-tercena.rcts.pt. Ano Lectivo: 2007/2008

Avenida Santo António de Tercena, 2730-165 Barcarena. Tlf: 214379038. Fax: 214379038. Email: inf@eb1-tercena.rcts.pt. Ano Lectivo: 2007/2008 Avenida Santo António de Tercena, 2730-165 Barcarena Tlf: 214379038 Fax: 214379038 Email: inf@eb1-tercena.rcts.pt Ano Lectivo: 2007/2008 ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Todos somos chamados a

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Sócios Artigo 1.º

REGULAMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Sócios Artigo 1.º REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Sócios (Processo de Admissão e Requisitos, Direitos e Deveres, Suspensão, Exclusão e Cancelamento da Inscrição.) 1. São sócios - cooperadores todos os admitidos pela Direcção

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais