PERFIL NUTRICIONAL E SOCIAL DE CRIANÇAS DE ESCOLAS PÚBLICAS PERFIL NUTRICIONAL E SOCIAIL DE CRIANÇAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL NUTRICIONAL E SOCIAL DE CRIANÇAS DE ESCOLAS PÚBLICAS PERFIL NUTRICIONAL E SOCIAIL DE CRIANÇAS"

Transcrição

1 PERFIL NUTRICIONAL E SOCIAL DE CRIANÇAS DE ESCOLAS PÚBLICAS PERFIL NUTRICIONAL E SOCIAIL DE CRIANÇAS NUTRITIONAL AND SOCIAL PROFILE OF CHILDREN OF PUBLIC SCHOOLS NUTRITIONAL AND SOCIAL PROFILE OF CHILDREN Renata Braganholo Slompo¹ Rosangela Pontes² Patrícia Arantes da Luz³ Cynthia Matos Silva Passoni 4 RESUMO O objetivo desse estudo foi avaliar o estado nutricional de crianças de Escolas Públicas e relacionar com determinantes sociais para estudar possíveis pontos de intervenção em relação à merenda escolar. Foi realizado um estudo transversal com todas as escolas do Município de Piraquara - PR totalizando 0 escolas. Foi utilizada amostragem estratificada. As escolas foram subdividas por regiões os Graduanda em nutrição Faculdades Integradas do Brasil - UniBrasil R.Francisco Leal CEP: São Cristovão Curitiba Paraná. Tel.: Graduanda em nutrição Faculdades Integradas do Brasil UniBrasil Nutricionista e chefe do Setor de Nutrição e Alimentação Escolar de Piraquara 4 Doutora pela Universidade Estadual Paulista. Coordenadora do Curso de nutrição da UniBrasil

2 alunos selecionados foram de primeira a quarta série escolhidos aleatoriamente entre a faixa etária de 7 a 1 anos. Observou-se discrepância em relação ao diagnóstico de estado nutricional dos alunos em regiões distintas do Município em regiões carentes nas quais as hipóteses eram encontrar crianças com baixo peso para idade e nanismo para idade encontrou-se nível elevado de sobrepeso para idade e nanismo para idade e em regiões centrais nas quais as hipóteses eram encontrar mais sobrepeso para idade e altura ideal para idade encontrou-se maior número de baixo peso para idade e nanismo para idade. Descritores: estado nutricional; alimentação escolar; determinantes sociais. ABSTRACT The objective of this study was to evaluate the nutritional status of children in public schools and relate to social determinants to study possible points of intervention in relation to school meals. We conducted a cross-sectional study with all the schools in the city of Piraquara - PR totalizing 0 schools. Stratified sampling was used. The schools were subdivided by regions selected students were first to fourth grade randomly selected from the age of 7 to 1 years. There was a discrepancy concerning the diagnosis of nutritional status of students in different areas of the city in poor regions where the hypothesis were to find children with low weight for age and stunting for age we found high level of overweight for age and stunting for age and central regions in which the hypothesis were to found more overweight for age and ideal height for age showed the largest number of low weight for age and stunting for age. Keywords: nutritional status school feeding social determinants

3 INTRODUÇÃO O Brasil apesar de possuir alguns setores de sua economia desenvolvidos apresenta um índice de desigualdade social muito alto fator este primordial para o surgimento de problemas de saúde pública como a desnutrição tanto por déficit como por excesso ( ³ ). As avaliações antropométricas do estado nutricional de escolares estão sendo tradicionalmente executadas com base em uma referência que é constituída a partir da observação do peso da estatura e da idade da criança. Há vários registros de estudos epidemiológicos sobre a avaliação do estado nutricional usando a antropometria como um indicador ou método direto. Os resultados destes estudos constituem-se em indicadores diretos porque mostram o problema em si ou seja as manifestações biológicas que expressam o estado nutricional da população ( ³ ). Nos últimos 15 anos a desnutrição infantil diminuiu em apenas 5% o que mostra que apesar das campanhas para diminuir a fome no mundo a desnutrição infantil continua sendo muito preocupante e é responsável por mais da metade das mortes de crianças a nível global. Muitas crianças apesar de não estarem em níveis considerados como: baixos pesos estão em risco nutricional pois apresentam carências severas de vários micronutrientes como as vitaminas e os minerais essenciais para o desenvolvimento físico e intelectual nessa faixa etária ( ² ). Tanto a obesidade infantil quanto a desnutrição são muito preocupantes pois são reflexos de uma alimentação inadequada. Estas crianças têm grandes dificuldades no desenvolvimento desenvolvendo-se menos do que o esperado risco

4 de anemia déficit na aprendizagem e algumas vezes dificuldade de sobrevivência. (5) Partindo-se do pressuposto de que a nutrição infantil constitui um importante indicador das condições gerais de vida de uma população os acompanhamentos da situação nutricional e do controle do crescimento infantil de um país revelam-se instrumentos essenciais tanto para a aferição das condições de vida a que está submetida à população infantil como da sociedade em geral. Dessa forma o conhecimento da natureza tipo magnitude grupos mais afetados distribuição espacial e por estratos socioeconômicos dos problemas alimentares e nutricionais de um país constitui o elemento inicial básico de qualquer estratégia integral e efetiva para eliminá-los. ( ¹ ) Segundo Buss em março de 006 foi criada a Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde (CNDSS) que tem por objetivo a preservação da saúde e a prevenção das doenças e outros agravos além de consciência e ações individuais depende da implementação de políticas públicas sociais e de saúde e da mobilização da sociedade (4). Para a Comissão Nacional sobre os Determinantes Sociais da Saúde (CNDSS) os DSS são os fatores sociais econômicos culturais étnico-raciais psicológicos e comportamentais que influenciam a ocorrência de problemas de saúde e seus fatores de risco na população. Apesar de hoje em dia a obesidade estar se tornando uma epidemia a desnutrição infantil continua presente em nosso meio. Considerando que tanto a obesidade quanto a desnutrição são reflexo de uma alimentação inadequada tornase importante correlacionar estes dados a fim de detectar índices significativos para

5 minimizar a prevalência de doenças infantis relacionadas com alimentação e estimular uma alimentação saudável. Este trabalho teve como objetivo avaliar o estado nutricional de crianças freqüentadoras de escolas públicas do município de Piraquara correlacionando com a oferta de alimentos a partir da merenda escolar e determinantes sócioeconômicos. A partir de um estudo feito na Escola Municipal Heinrichs de Souza Piraquara Paraná no qual foi diagnosticado crianças com baixo peso e nanismo por idade. Julgou-se necessário a investigação dos fatores relacionados com o estado nutricional desta população. Para que seja realizada intervenção a nível global garantindo a qualidade de vida o acesso e permanência do educando no ambiente escolar. METODOLOGIA Trata-se de um estudo transversal realizado em todas as escolas do Município de Piraquara - PR totalizando 0 escolas foi utilizada amostragem estratificada. As escolas foram subdividida por regiões G todas as escolas do município A escolas situadas em invasões B escolas de zona rural C escolas próximas de favelas e invasões e D escolas centrais tais como alunos de primeira a quarta série escolhidos aleatoriamente entre a faixa etária de 7 a 1 anos. Para se ter 95% (noventa e cinco por cento) de confiança e no máximo quatro pontos percentuais de verdade. Desta forma foram selecionados 441 alunos sendo estes o número de 5 % (cinco por cento) do total de alunos por escola. O Projeto foi submetido ao Comitê de Ética das Faculdades Integradas do Brasil UniBrasil com

6 o protocolo de aprovação n 05/008. Os integrantes da amostra foram submetidos à avaliação do estado nutricional foram aferidos peso e estatura para classificação do estado nutricional segundo Índice de massa corporal para a idade- IMC/I e altura para a idade- A/I (OMS/007) foi utilizado para classificação do estado nutricional os pontos de corte para altura/idade: percentil menor do que nanismo/idade; percentil acima de altura adequada/idade; Para classificação do IMC/idade os pontos de corte foram: percentil menor do que baixo peso/idade; percentil maior do que ou igual a 85 eutrófico/idade; percentil maior de 85 e menor que 97 sobrepeso/idade; percentil maior que 97 obesidade. As medidas antropométricas foram coletadas na escola de maneira padronizada segundo Jelliffe 1968 (19). As crianças foram pesadas com roupas leves e descalças com balança digital Plena com capacidade de 150 kg e precisão de 100 g. A estatura foi obtida com estadiômetro móvel Cardiomed com 00 cm com precisão de 01 cm. Ambas as medidas foram coletadas por avaliadores treinados sempre com os mesmos equipamentos rotineiramente calibrados. E aplicou-se aos pais ou ao responsável um questionário sócio econômico no qual se abordou questões como: idade dos alunos sexo número de filhos com quem os alunos moram responsáveis pelo sustento da família escolaridade dos pais ou responsáveis se trabalham de carteira assinada há quanto tempo renda total mensal da família saneamento básico esgoto e luz elétrica. Os dados foram tabulados com o programa EXCEL. Fizeram parte da amostra 196 crianças cujos pais e ou responsáveis firmaram o termo de consentimento livre e esclarecido e entregaram o questionário sócio econômico para a participação da pesquisa.

7 RESULTADO E DISCUSSÃO Figura 1: Diagnóstico Nutricional de altura/idade e IMC/idade (OMS 006) da região G todas as áreas do município Figura : Diagnóstico Nutricional de altura/idade e IMC/idade (OMS 006) da região A áreas de invasão.

8 Figura : Diagnóstico Nutricional de altura/idade e IMC/idade (OMS 006) da região B área rural figura 4: Diagnóstico Nutricional de altura/idade e IMC/idade (OMS 006) da região C áreas de proximidade de invasões e favelas:

9 Altura/Ida de Figura 5: Diagnóstico Nutricional de altura/idade e IMC/idade (OMS 006) da região D áreas centrais Tabela 1: Distribuição das crianças por região segundo número de irmãos Criança Número de irmãos Região Nenhum Um Dois Três Quatro ou mais N % N % N % N % N % N Geral A B C D Legenda: Região G todas as escolas do município A escolas situadas em invasões B escolas de zona rural C escolas próximas de favelas e invasões e D escolas centrais Tabela : Distribuição das crianças por região segundo a escolaridade do pai mãe e responsável Escolaridade do pai mãe e responsável Região Analfabeto ou ensino fundamento incompleto Ensino fundamental Ensino médio Ensino superior completo Pai Mãe Responsáve Pai Mãe responsável Pai Mãe Responsá Pai Mãe responsável l vel N % N % N % N % N % N % N % N % N % N % N % N N % G A

10 B C 4 D Legenda: Região G todas as escolas do município A escolas situadas em invasões B escolas de zona rural C escolas próximas de favelas e invasões e D escolas centrais Tabela : Distribuição das crianças por região com relação à renda total mensal da família Criança Renda total mensal da família em salários mínimos Região Menos de 1 1 a a 5 5 a 7 + de 7 Nenhuma renda N % N % N % N % N % N % N Geral A B C D Legenda: Região G todas as escolas do município A escolas situadas em invasões B escolas de zona rural C escolas próximas de favelas e invasões e D escolas centrais Tabela 4: Distribuição das crianças por região segundo Condições de moradia Criança Na casa onde vive possui saneamento básico Na casa onde vive Possui luz elétrica Região Água encanada Esgoto Copel Rabicho Sim Não Sim Não N % N % N % N % N % N % N Geral A B C D Legenda: Região G todas as escolas do município A escolas situadas em invasões B escolas de zona rural C escolas próximas de favelas e invasões e D escolas centrais Tabela 5: Distribuição das crianças por região segundo a ocupação do pai mãe e responsável

11 Criança Ocupação do pai mãe e responsável Região Desempregado Empregado Pai Mãe Responsável Pai Mãe Responsável N % N % N % N % N % N % N G A B C D Legenda: Região G todas as escolas do município A escolas situadas em invasões B escolas de zona rural C escolas próximas de favelas e invasões e D escolas centrais Sabendo que região G são todas as escolas do município região A são as escolas localizadas em invasões região B escolas rurais região C escolas próximas de favelas e invasões e a região D escolas localizadas próximas ou no centro da cidade. Observou-se grande discrepância em relação ao estado nutricional (peso e altura) dos alunos em regiões distintas do Município mesmo em regiões carentes nas quais as hipóteses eram encontrar crianças com baixo peso e nanismo confirmou-se um nível elevado de sobrepeso e nanismo e em regiões centrais nas quais as hipóteses eram encontrar mais sobrepeso e altura adequada encontrou-se maior número de baixo peso e nanismo (figura 1 4 e 5) Evidências científicas apontam para um aumento nos casos de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes em vários países. No Brasil a situação não é diferente refletindo uma transição nutricional pela qual o país está passando e que exige intervenções nutricionais adequadas. Este fato ganha relevância pois indivíduos obesos na infância apresentam elevado risco de permanecerem obesos

12 na vida adulta (17). Os índices de sobrepeso e obesidade que segundo Escoda (15) a obesidade hoje é considerada problema de saúde coletiva pela elevada prevalência neste estudo os índices ficaram no geral entre 7% e 8% respectivamente como mostra a (figura 1). As regiões que apresentaram maiores índices de sobrepeso foram C e D 1 e 15% (figura 4 e 5) já obesidade foram os grupos B e D (figura e 5) que apresentam os maiores Índices ficando em 14% e 15%. O que também tem forte relação com os níveis de renda da população e acesso aos alimentos. A obesidade e os níveis de renda são socialmente correlacionados. O baixo consumo de proteína de alto valor biológico e alto consumo de carboidratos e gordura incide nas classes inferiores associado ao consumo em menor freqüência de leguminosas frango e carnes em geral aumentando o risco da população de baixa renda se tornarem cada fez mais obesas. (15) Segundo Anjos (7) a demografia e Saúde (PNDS) mostram que a prevalência do nanismo declinou em um terço dois inquéritos (de 157% em 1989 para 105% em 1996) sendo essa redução maior nas áreas urbanas do que nas rurais. O progresso no crescimento foi maior do que no período passado com um declínio médio na prevalência de crianças com retardo severo de crescimento de 7% ao ano entre 1985 e 1989 e de 48% ao ano entre 1989 e Da mesma forma a evolução regional do índice A/I indica declínio do déficit de crescimento em todo país sendo de 49% no Centro-Sul de 44% no Nordeste e de 96% na região Norte. O diferencial de prevalência com relação às regiões do Centro-Sul aumenta ligeiramente no caso da Região Norte. Já em Piraquara o estudo nos mostra o contrário em relação à incidência de nanismo/idade observa-se a variação entre 7% e 9% entre as regiões estudadas (figura 1 4 e 5) exceto a região B (figura ) na qual a incidência é 0%.

13 Nogueról (0) cita em seu trabalho desenvolvido a partir de uma análise antropométrica da POP que a diferença aproximada de altura entre os brasileiros e por coincidência o que separa a estatura dos quintis mais ricos e a dos mais pobres. Ao contrário do que diz o senso comum a literatura mostra que diferenças genéticas apesar de terem impacto individual são desprezíveis em relação ao conjunto dos indivíduos no que respeita à estatura. Em uma população existem indivíduos mais altos ou mais baixos mas sua altura média é determinada por condicionantes externos. Ou seja os genes e o ambiente determinam a altura dos indivíduos mas para as populações predominam as influências das condições de vida. Um dos mais importantes parâmetros da qualidade de vida da população é o crescimento em altura de crianças. As condições ambientais influenciam o potencial de crescimento infantil e este efeito é maior do que aquele que pode ser atribuído aos fatores genéticos. Constata-se grande diferença de estatura associada com a condição sócio-econômica em pré-escolares com semelhanças étnicas e geográficas. As comparações de alturas de crianças aos sete anos procedentes de distintos países e situações sócio-econômicas revelam que as limitações genéticas estão ao redor de 5 cm enquanto o meio ambiente pode resultar em populações com diferenças de mais de 1 cm. Embora exista uma corrente hegemônica que reconhece as implicações da desigualdade social a maioria dos estudos realizados no Brasil usam variáveis intermediárias ou seja nível de renda grau de escolaridade características de moradia (14). Porém em relação ao IMC/idade os índices de obesidade são mais elevados nas regiões B e D entre 14% e 15% (figura e 5) na região B provavelmente na

14 alimentação rural que é rica em leite integral gordura animal queijos gordos e na região D provavelmente eles possuem mais acesso a alimentos pois as casas e escolas ficam próximas a mercados panificadoras lanchonetes no centro da cidade do que nas demais regiões A e C (figura e 4) que estão localizadas em favelas ou em proximidades nestes bairros provavelmente não possuem tanto acesso a alimentos sendo escasso comércio de alimentos nestas regiões. Um estudo com escolares de Salvador Bahia Leão (10) mostra que a prevalência global de obesidade na amostra estudada em escolas públicas foi 8%. Esse resultado foi compatível com os menores índices desse estudo que ficaram entre 6% e 8%. Já o sobrepeso é mais comum nas crianças da região C e D 11% e 1% (figura 4 e 5) provavelmente na região C por ser a classe mais baixa eles devem consumir mais alimentos ricos em gorduras e carboidratos e na região D por terem mais acesso a alimentos no centro da cidade tendo a incidência menor no grupo A com 6% (figura ) da população provavelmente por este bairro ser contemplado pelo governo federal com o Programa de Aceleramento do Crescimento PAC no qual há um investimento em condições de moradia saneamento básico agricultura familiar coorporativas saúde pública entre outros e nulo na região B no qual esta só apresenta obesidade (figura ). No estudo desenvolvido por Abrantes (1) foram analisados os dados de sobrepeso de uma grande amostra pertencente às regiões Nordeste e Sudeste do Brasil e indicaram valores iguais a 86% para sobrepeso. Esses valores são inferiores aos observados no presente estudo na qual a prevalência de sobrepeso foi quase duas vezes superior nas regiões C e D (figura 4 e 5) já nas demais regiões exceto região B (figura ) que não apresenta sobrepeso tivemos valores inferiores ao estudo ficando entre 6% e 7% (figura 1 e ).

15 As regiões que apresentam maior número de crianças eutróficas são as regiões A B e C entre 8% e 86% (figura e 4) provavelmente nas regiões A B e C que são bairros mais distantes do centro da cidade não tendo tanto movimento na rua por possuir mais áreas de campo estas crianças podem sair mais de casa para brincar aumentando a atividade física e o número de crianças eutróficas havendo uma queda em 7% somente no grupo D (figura 5) provavelmente por ser o contrario das demais regiões pois há grande movimento nas ruas da cidade sendo praticamente nulo as áreas de campo diminuindo a atividade física dessas crianças e aumentando o sobrepeso. Segundo Turini (8) em estudo desenvolvido em Londrina-PR mostra que a incidência de escolares eutróficos nesta cidade é de 6511% sendo superior neste estudo que varia entre 7% e 86% (figura 1 4 e 5). Em comparação a incidência de baixo peso apareceram nas regiões A e D em % (figura e 5) provavelmente por estas regiões serem as que mais apresentaram nenhuma renda na família 5% e 98% respectivamente (tabela 5) possivelmente estas famílias não possuem grande acesso a alimentos acarretando no baixo peso estas crianças já nos grupos B e C são nulos (figura e 4) possivelmente por apresentarem maior renda entre as famílias possuindo mais acesso a alimentos (tabela 5). Farias (9) em estudo realizado em Rondônia Norte do País mostra que o nível de baixo peso/idade é de 4% índices maiores de este estudo que ficaram entre 0% e % (figura 1 4 e 5) mostrando que no Sul do Pais os índices de baixo peso são menores do que no Norte do País. A partir da (tabela ) podemos notar que região que mais apresentou número de irmãos foi o a região B totalizando 100% das famílias as demais regiões ficaram

16 entre 84% a 917%. Notou-se também que em todas as regiões a maior porcentagem das famílias apresentam dois filhos (tabela ). Segundo Motta 17 As variáveis relativas à família e domicílio associadas ao sobrepeso foram: chefe de família número de pessoas irmãos que residem no domicílio presença de criança menor de cinco anos tipo de casa número de cômodos e número de equipamentos domésticos. A chance de sobrepeso foi maior nos filhos únicos ou que tinham apenas um irmão. Já em Piraquara podemos observar que a maior parte das famílias possuem dois filhos (tabela ) ficando na média geral 010% a região A foi a que mais apresentou filhos quatro ou mais irmãos sendo 1% (tabela ) já a região C ficou em 86% das famílias possuem dois ou mais de quatro irmãos (tabela ) a região D foi a que mais apresentou filho único ficando em 157% (tabela ) Comparando com a porcentagem de sobrepeso e obesidade a região D (figura 5) foi a que mais apresentou sobrepeso e obesidade juntos ficando em 11% e 14% respectivamente assim comprovou-se que famílias com filho único tem maior chances de terem filhos com sobrepeso e obesidade conforme cita Motta. Com relação a com quem moram (tabela ) apenas na região B todos os alunos moram com os pais já nas outras regiões a margem ficou entre 64% a 765%. Em relação aos que moram apenas com as mães a região A foi a que apresentou maior índice 70% as demais regiões ficaram entre 19% a 167%. Já os que com responsáveis (avós ou outros) a região que apresentou maior índice foi a C ficando em 119% as regiões A e D ficaram com porcentagem em torno de 5% e 9% respectivamente.

17 Na escolaridade dos pais ou responsáveis (tabela 4) a maior porcentagem é analfabeta. Os índices encontrados ficaram em 9% a 619 % a região que menos apresentou esse índice foi à região D 9% com as mães e a que mais apresentou foi à região C 6191% com ambos os pais. Já as famílias com maior nível de escolaridade ou seja que completaram o ensino superior foi as da região D em 41% as regiões A C e G ficaram entre 1% a 41% com ambos os pais e apenas a região B a porcentagem foi nula com ambos os pais. Segundo Orlonski (16) se mostra associada à baixa estatura dos filhos com a baixa escolaridade dos pais. Nota-se que pais com menos de quatro anos de estudo apresentam um risco 1 vezes maior de possuir um filho com baixa estatura do que uma mãe que possui mais de nove anos de estudo. Com relação ao nanismo nutricional em Piraquara observa-se que as regiões A C e D (figura 4 e 5) ficaram entre 7 e 9% já a região B a porcentagem foi nula (figura ). Em Piraquara os dados foram diferentes deste estudo mostra-se que a região B onde 565% dos pais são analfabetos (tabela 4) as crianças não apresentam nanismo nutricional já a região A e C enquadram-se neste estudo (tabela 4) porém a região D foi a que menos apresentou pais analfabetos com 495% (tabela 4) contradizendo o estudo de Orlonski (16). De acordo com a ocupação dos pais (tabela 7) a região que mais apresentou desemprego foi à região D 17 % sendo a região que apresenta a maior porcentagem de nenhuma renda 98 % (tabela 5) e a região que menos apresentou desemprego foi à região B ficando em 0% (tabela 7) no entanto foi à região que menos apresentou em porcentagem nenhuma renda ficando em 0% das famílias (tabela 5).

18 Na questão da renda familiar (tabela 5) a maioria das famílias recebem de 1 a salários mínimos. A região D foi a que apresentou maior renda de 5 a 7 salários mínimos ficando 9% em contra partida também foi a região D foi que apresentou o índice maior de famílias que não possuem nenhuma renda 98% das famílias. A literatura também evidencia que o baixo peso para a idade o sobrepeso e o retardo de crescimento linear são comuns em áreas de baixa renda (18). A região D foi a que mais apresentou estas características número de famílias com nenhuma renda (tabela 5) apresentou o maior número de excesso de peso (sobrepeso e obesidade) (figura 5) nanismo/altura a região D (figura 5) ficou com 8% igualando a média total dos alunos (figura 1) e ao baixo peso/idade a região D (figura 5) manteve os mesmos níveis da região A (figura ). Com relação às condições de moradia da população (tabela 6) as regiões A B e C apresentaram maior índice de água encanada 917% 100% e 95% respectivamente a região D foi a que menos apresentou com 86%. No saneamento básico os índices de famílias que possuem tratamento de esgoto foram de 48% a 691%. A luz elétrica (não considerando rabicho ) as porcentagens ficaram em 49 % a 100%. Há uma grande diferença entre os resultados em cada região lembrando que o município possui restrições para o desenvolvimento-social por ter reservas de mananciais de água e muitas áreas de ocupação irregular. CONCLUSÃO Embora a comparação entre os estudos sobre os problemas nutricionais que utilizam avaliações antropométricas seja difícil as definições são fundamentadas em diferentes indicadores e pontos de corte e as faixas de idade envolvidas são

19 variadas ela não é inviável. Este confronto por ocorrer a partir de dados de regiões distintas com suas semelhanças e diferenças em relação à área estudada pode estimular o entendimento dos possíveis fatores determinantes e a busca de soluções. Sabendo da importância do estado nutricional adequado na infância é fundamental conhecer o perfil nutricional da população infantil pois quanto mais precocemente forem diagnosticados problemas nutricionais mais fácil será de intervir. Constatou-se uma discrepância nos resultados entre a população estudada havendo diferença de diagnóstico de uma região para outra mostrando a influência dos determinantes sociais no perfil nutricional sendo de tamanha importância traçar o perfil nutricional e social da população para estabelecer programas de intervenção individualizada em cada região do município com educação nutricional a partir do ensino infantil adequação dos cardápios e alimentação escolar implementação de lanches extra em escolas com necessidades e principalmente políticas públicas eficazes nos múltiplos setores do município. Sugere-se aperfeiçoar a equipe do Setor responsável com a contratação de mais técnicos (nutricionistas) a fim de dar continuidade ao estudo para que os problemas sejam minimizados e sanados tornando as políticas públicas mais eficientes. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Lausentina Glória; et al - Nanismo nutricional em escolares no Brasil.Publicada na Revista Brasileira: Saúde Materno Infantil Recife 00;

20 . Gubernatis Helena de Progress for Children: a Report Card on Nutrition UNICEF 006;. Costa Camila Garcia da. Perfil nutricional de crianças de 6 a 11 anos de uma escola particular do município de São Sebastião do Paraíso MG f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Nutrição) Universidade de Franca Franca; 4. Buss Paulo M.; Filho A P. Determinantes Sociais da Saúde Cad. Saúde Pública Rio de Janeiro (9): set 006; 5. Ferreira S et al. Obesidade infantil: etiologia e conseqüências para a saúde. Revista Digital - Buenos Aires - Ano 11 - N 106 março de 007; 6. Organização Mundial da Saúde OMS. Child Growth Standards:Length/height-for-age weight-for-age weight-for-length weight-forheight and body mass index-for-age. Methods and development. (nonserial publication). Geneva Switzerland: OMS 006; 7. Anjos Luiz Antonio; Castro Inês; Montenegro Elyne Azevedo Ana Maria - Crescimento e estado nutricional em amostra probabilística de escolares no Município do Rio de Janeiro 1999 Cadernos de Saúde Pública Print ISSN X Cad. Saúde Pública vol.19 suppl.1 Rio de Janeiro 00; 8. Turini Luiz; Takata Paulo; Turini Barbara; Ribeiro Ana; Landgraf Adelino; Schmid Suely; (et al) - Desnutrição e aproveitamento escolar estudo entre escolares da primeira série do primeiro grau da zona urbana periférica de Londrina PR Brasil - Revista de Saúde Pública Print version ISSN Rev. Saúde Pública vol.1 no.1 São Paulo Mar doi: /S ;

21 9. Farias Edson; Júnior Gil; Petroski Édio; Estado nutricional de escolares em Porto Velho Rondônia Revista de Nutrição Print version ISSN Rev. utr. vol.1 no.4 Campinas July/Aug. 008; 10. Leão Leila; Araújo Leila; Moraes Lia Assis Andréia - Prevalência de Obesidade em Escolares de Salvador Bahia Arq Bras Endocrinol Metab vol 47 nº Abril 00; 11. Assis Maria; Cacheira Marie; Vasconselos Francisco; Belislle Franci; Calvo Maria; Luna Maria; ET AL 4 Sobrepeso e baixo peso em crianças de 7 a 9 anos de idade de Florianópolis Sul do Brasil: uma comparação com estudo francês usando protocolo similar- Rev. Nutr. Campinas 19():99-08 maio/jun. 006; 1. Pegolo Giovana; Silva Marina; Estado Nutricional de Escolares da Rede Pública de Ensino de Piedade SP* Segurança Alimentar e Nutricional Campinas 15(1): ; 1. Abrantes Marcelo; Joel Lamounier; COLOSIMO Enrico - prevalência de sobrepeso e obesidade nas regiões nordeste e sudeste do Brasil - Revista Associação Medica Brasileira 00; 49(): 16-6; 14. Lei D. L. M. Retardo do crescimento e condições sociais em escolares de Osasco São Paulo Brasil - Cad. Saúde Pública vol.1 n. Rio de Janeiro Apr./June 1997; 15. Escoda M. S. Q. Debate para a Crítica da Transição Nutricional - Ciênc. saúde coletiva vol.7 no. São Paulo 00; 16. Orlonski S et al. Estado nutricional e fatores associados ao déficit de estatura em crianças atendidas por uma unidade de ensino básico de tempo integral. Rev Bras Crescimento.Desenvolvimento Hum. 009; 19(1): 54-6; 17. Motta Maria; Silva Gisélia - Desnutrição e obesidade em crianças: delineamento do perfil de uma comunidade de baixa renda- Jornal de

22 Pediatria Print version ISSN J. Pediatr. (Rio J.) vol.77 no.4 Porto Alegre July/Aug. 001 doi: /S ; 18. Jelliffe DB. Evaluación del Estado de Nutrición de la Comunidad. Ginebra: Organización Mundial de la Salud; [Série de Monografias 5]; 19. Andrade DEG. Prevalência de Sobrepeso e Obesidade em Crianças de Escolas Públicas e Privadas do Ensino Fundamental da Cidade de Franca-SP e Alguns Fatores de Risco Associados. Dissertação de mestrado Departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina de Ribeirão 006; 0. Nogueról L P; Shikida D C; Monasteiro M L SEIS CENTÍMETROS: UMA ANALÍSE ANTROPOMÉTRICA DA POF 00-00; UFRGS; 004.

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI.

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Professor Assistente da Universidade Federal do Piauí Gilvo de Farias Júnior Nutricionistas: Francilany

Leia mais

EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1

EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1 393 EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1 Marceli Almeida Mendonça 1, Mônica de Paula Jorge 1, Simone Angélica Meneses Torres

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ,

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 0 A 10 ANOS COM CÂNCER ASSISTIDAS EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 0 A 10 ANOS COM CÂNCER ASSISTIDAS EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO 1 -Acadêmica do 8º semestre do Curso de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí/CSHNB UFPI/Picos/PI. Bolsista ICV/UFPI. Membro do Grupo de Pesquisa em Saúde Coletiva/CSHNB/CNPq. ESTADO NUTRICIONAL

Leia mais

Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, located in the city of João Pessoa/PB.

Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, located in the city of João Pessoa/PB. Avaliação do estado nutricional em crianças frequentadoras do CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, localizada no município de João Pessoa/PB. Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra.

Leia mais

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER ISBN 978-85-61091-05-7 EPCC VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR Sabrina Dalmazo Vieira 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO:

Leia mais

JORNALZINHO DA SAÚDE

JORNALZINHO DA SAÚDE JORNALZINHO DA SAÚDE POBREZA, FOME E DESNUTRIÇÃO Professor Chenso Pobreza: pobreza corresponde à condição de não satisfação de necessidades humanas elementares como comida, abrigo, vestuário, educação,

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO 1 PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO Iara de Souza Assunção 1 Josiane Kênia de Freitas 2 Viviane Modesto Arruda 3 Silvana Rodrigues Pires Moreira 4

Leia mais

Ações Educativas Em Nutrição: Testando a Efetividade de um Modelo para Reduzir a Obesidade Infantil

Ações Educativas Em Nutrição: Testando a Efetividade de um Modelo para Reduzir a Obesidade Infantil 844 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Ações Educativas Em Nutrição: Testando a Efetividade de um Modelo para Reduzir a Obesidade Infantil Kalinca Oliveira 1, Giovana Skonieski 2, Bernardete Weber 2,

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP

ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP Maria Aurora D. Chrestani* Juraci A. Cesar** Nelson A. Neumann*** * Residência

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Amamentação. Educação em Saúde. Enfermagem. Traumas Mamários

PALAVRAS-CHAVE Amamentação. Educação em Saúde. Enfermagem. Traumas Mamários 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INFLUÊNCIA DA ESCOLARIDADE NOS TRAUMAS

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Keywords: cash transfer, nutritional status, poverty.

Keywords: cash transfer, nutritional status, poverty. UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA:

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS Vanessa dos Santos Ortega Jéssica de Paula Francisco Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO As crianças estão entre as populações

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) O Congresso Nacional decreta: 1 PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Nacional Pró-Infância Brasileira e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Artigo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Orientações para a coleta

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MERENDA ESCOLAR NO ESTADO NUTRICIONAL SCHOOL MEALS INFLUENCE ON NUTRITIONAL STATUS ESTADO NUTRICIONAL E MERENDA ESCOLAR

INFLUÊNCIA DA MERENDA ESCOLAR NO ESTADO NUTRICIONAL SCHOOL MEALS INFLUENCE ON NUTRITIONAL STATUS ESTADO NUTRICIONAL E MERENDA ESCOLAR INFLUÊNCIA DA MERENDA ESCOLAR NO ESTADO NUTRICIONAL SCHOOL MEALS INFLUENCE ON NUTRITIONAL STATUS ESTADO NUTRICIONAL E MERENDA ESCOLAR STATUS AND SCHOOL MEALS Rosangela Pontes 1 Renata Braganholo Slompo

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS CARNEIRO, Alessandra Rosa de Araújo ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br RESUMO: Introdução:

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS EM ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE PIRAQUARA NUTRITIONAL PROFILE OF PUBLIC SCHOOL CHILDREN IN THE TOWN OF PIRAQUARA

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS EM ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE PIRAQUARA NUTRITIONAL PROFILE OF PUBLIC SCHOOL CHILDREN IN THE TOWN OF PIRAQUARA Descritores estado nutricional; merenda escolar; desnutrição infantil Descriptors nutritional status; school feeding; child nutrition disorders Biografia 1. Graduanda em - Faculdades Integradas do Brasil

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Antropometria O objetivo desta seção é apresentar a mediana das medidas de peso e altura aferidas no contexto da Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 2008-2009, e analisá-las

Leia mais

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 4 A 6 ANOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DAS REGIÕES LESTE E SUL DE SÃO PAULO.

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 4 A 6 ANOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DAS REGIÕES LESTE E SUL DE SÃO PAULO. TÍTULO: PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 4 A 6 ANOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DAS REGIÕES LESTE E SUL DE SÃO PAULO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO

Leia mais

Um panorama da desnutrição no Brasil nas últimas quatro décadas 1

Um panorama da desnutrição no Brasil nas últimas quatro décadas 1 Um panorama da desnutrição no Brasil nas últimas quatro décadas 1 Márcia Cristina Pereira da Silva Thomazinho Juliana Lordello Sícoli Kleber Wilson Valadares Felizardo da Silva A desnutrição pode ser compreendida

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento 9 Estilo de Vida Ativo: A Importância do Estímulo por parte dos Adultos Erika da Silva Maciel Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos - USP Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE

BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE MARIN, T; MORAES, A.C.S. Resumo:O aleitamento materno consiste na prática alimentar ideal para

Leia mais

Avaliação do Estado Nutricional e de Saúde de Crianças e Adolescentes do Município de Belmiro Braga (MG) Resumo. 1 Introdução

Avaliação do Estado Nutricional e de Saúde de Crianças e Adolescentes do Município de Belmiro Braga (MG) Resumo. 1 Introdução Avaliação do Estado Nutricional e de Saúde de Crianças e Adolescentes do Município de Belmiro Braga (MG) Nara Juste da Silva * Renata Maria Souza Oliveira e Silva * Ana Paula Carlos Cândido Mendes * Ana

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE José Albuquerque Constantino 1 Joselya Claudino de Araújo

Leia mais

PERFIL DOS EGRESSOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FORMADOS ENTRE 2000 2009

PERFIL DOS EGRESSOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FORMADOS ENTRE 2000 2009 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL DOS EGRESSOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FORMADOS ENTRE 2000 2009 Isabella Caroline Belem 1 ; Raphael de Oliveira Delfino 2 ; Valquíria Félix Rocha

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Em 2006 foi lançada pela Organização

Leia mais

Nathallia Maria Cotta e Oliveira 1, Larissa Marques Bittencourt 1, Vânia Mayumi Nakajima 2

Nathallia Maria Cotta e Oliveira 1, Larissa Marques Bittencourt 1, Vânia Mayumi Nakajima 2 105 CARACTERIZAÇÃO DOS PACIENTES ATENDIDOS NO SETOR DE NUTRIÇÃO DA UNICLÍNICA, DA FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - UNIVIÇOSA, LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG Nathallia Maria Cotta e

Leia mais

A importância da primeira infância

A importância da primeira infância A importância da primeira infância Cesar Victora Professor Emérito da Universidade Federal de Pelotas Presidente da Associação Epidemiológica Internacional Perito em Nutrição Infantil da Organização Mundial

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: avaliação antropométrica; oficina de culinária; Síndrome de Down.

PALAVRAS-CHAVE: avaliação antropométrica; oficina de culinária; Síndrome de Down. AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DE 06 E 36 MESES, COM SÍNDROME DE DOWN, E OFERTA DE OFICINAS DE CULINÁRIA À SUAS FAMÍLIAS FUNDAÇÃO DOM BOSCO B.H. Luciana Ramos Costa SIMÕES Centro Universitário

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO LÓGICO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO LÓGICO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO LÓGICO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Mateus David Finco RESUMO Neste trabalho é apresentada uma análise das atividades de raciocínio lógico em aulas de Educação Física,

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTERVENÇÃO EM UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICIPAL EM DOURADOS MS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTERVENÇÃO EM UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICIPAL EM DOURADOS MS 72 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTERVENÇÃO EM UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICIPAL EM DOURADOS MS Karine de Cássia Freitas ¹ Melina Hatsue Sasaki ² RESUMO: Devido ao grande tempo que as crianças

Leia mais

Evolução de Crianças e Adolescentes Obesos Acompanhados em Atendimento Ambulatorial

Evolução de Crianças e Adolescentes Obesos Acompanhados em Atendimento Ambulatorial UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Nutrição Evolução de Crianças e Adolescentes Obesos Acompanhados em Atendimento Ambulatorial trabalho de conclusão de curso

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS Nayara Andrade de Oliveira 1, Vivian Rahmeier Fietz 2, Emmanuela Alves Inácio Carvalho 1 Estudante do Curso de Enfermagem da UEMS, Unidade Universitária de Dourados;

Leia mais

EXCESSO DE PESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

EXCESSO DE PESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DE MARINGÁ-PR EXCESSO DE PESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DE MARINGÁ-PR Camila Ferreira da Silva 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO: O objetivo do presente estudo foi avaliar a prevalência

Leia mais

TÍTULO: AUTORAS INSTITUIÇÃO: E-mail ÁREA TEMÁTICA:

TÍTULO: AUTORAS INSTITUIÇÃO: E-mail ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: AÇÕES EDUCATIVAS EM ALEITAMENTO MATERNO E ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR NO PRIMEIRO ANO DE VIDA EM UMA COMUNIDADE DA CIDADE DO RECIFE. AUTORAS: Osório, M.M.; Javorski,M.; Santana, S.C.S.; Leal, L.P.;

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA Clara Monteiro 1, Filipa Franco 2, Ana Santos 2, Sara Neves 2 & Ana Neves 1 1 Departamento de Tecnologia

Leia mais

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das INFORME-SE BNDES ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO AFE Nº 48 NOVEMBRO DE 2002 EDUCAÇÃO Desempenho educacional no Brasil: O que nos diz a PNAD-2001 Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG 369 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG Jacira Francisca Matias 2 Jaqueline Miranda Lopes 2, Eliene da Silva Martins Viana 3 Resumo: A formação dos hábitos

Leia mais

PROC. Nº 0838/06 PLL Nº 029/06 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 0838/06 PLL Nº 029/06 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A obesidade é uma das patologias nutricionais que mais tem apresentado aumento em seus números, não apenas nos países ricos, mas também nos países industrializados. Nos últimos anos,

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR Resumo Lourival, N B S Fernandes, L S; A Educação nutricional ocorre devido ações educativas com a finalidade de um maior conhecimento

Leia mais

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB.

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. 1 PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. ¹Thatiany de Sousa Pereira; ¹ Sebastião Ângelo da Silva; ¹Adeilma Fernandes de Sousa

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS Flávia Regina Moleiro 1, Rose Mari Bennemann² RESUMO: O aumento da expectativa

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES III CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE SISTEMAS E SERVIÇOS DE SAÚDE

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES III CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE SISTEMAS E SERVIÇOS DE SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES III CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE SISTEMAS E SERVIÇOS DE SAÚDE NANCY DE ARAÚJO AGUIAR PERFIL DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE ZERO A

Leia mais

A educação no Rio de Janeiro

A educação no Rio de Janeiro A educação no Rio de Janeiro Simon Schwartzman Na década de 90, em todo o Brasil, o acesso à educação melhorou, e o Rio de Janeiro não ficou atrás. Antes, não havia escolas suficientes para todas as crianças.

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição RESUMO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Título do Trabalho: Aspectos nutricionais de mulheres submetidas à cirurgia bariátrica relacionados ao período gestacional

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA É importante conhecer as características da população brasileira para o seu vestibular. Inicialmente vamos conhecer dois conceitos básicos para esse estudo: *População absoluta refere-se

Leia mais

Os Números da Obesidade no Brasil: VIGITEL 2009 e POF 2008-2009

Os Números da Obesidade no Brasil: VIGITEL 2009 e POF 2008-2009 Os Números da Obesidade no Brasil: VIGITEL 2009 e POF 2008-2009 Maria Edna de Melo A Organização Mundial da Saúde (OMS) projetou que em 2005 o mundo teria 1,6 bilhões de pessoas acima de 15 anos de idade

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA Bruno Guilherme Morais Pagan 1 ; Luzia Jaeger Hintze 2 ; Alexandre dos

Leia mais

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da

Leia mais

CONDIÇÕES AMBIENTAIS COMO FATOR DE RISCO NA PREVALÊNCIA DA DENGUE

CONDIÇÕES AMBIENTAIS COMO FATOR DE RISCO NA PREVALÊNCIA DA DENGUE CONDIÇÕES AMBIENTAIS COMO FATOR DE RISCO NA PREVALÊNCIA DA DENGUE Tássio Henrique Cavalcanti da Silva CUNHA 1, Graziela Brito Neves Zboralski HAMAD 2. 1 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental,

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL RESUMO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL RESUMO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL GISLAINE DOMINGUES CRN-3 12.129 SUELLEN CRISTINA MENDES MAGRO CRN-3 22.132

Leia mais

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos.

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. TÍTULO DA PRÁTICA: Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. CÓDIGO DA PRÁTICA: T80 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14

Leia mais

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Revista Economia & Tecnologia (RET) Volume 9, Número 4, p. 129-136, Out/Dez 2013 Seção: Tecnologia & Inovação Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Alessandra

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE Angélica da Silva Santos 1, Cicera Rócila Pereira Araújo¹, Lourdes Lanes Ferreira Pereira¹,

Leia mais

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Belarmino Santos de Sousa Júnior¹ ; Fernando Hiago da Silva Duarte²; Ana Elza da Silva Mendonça³ ¹ Acadêmico de Enfermagem

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA E CONHECIMENTO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES DE UMA E.M.E.I. NA CIDADE DE SERRA NEGRA SP.

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA E CONHECIMENTO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES DE UMA E.M.E.I. NA CIDADE DE SERRA NEGRA SP. AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA E CONHECIMENTO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES DE UMA E.M.E.I. NA CIDADE DE SERRA NEGRA SP. ANTHROPOMETRIC EVALUATION AND FOOD KNOWLEDGE OF A PRE- SCHOOL EMEI MOUNTAIN CITY SERRA NEGRA

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR EM ALUNOS OBESOS NO MUNICÍPIO DE CACOAL/RO. EVALUATION OF PERFORMANCE IN SCHOOL STUDENTS IN OBESE CACOAL CITY/RO

AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR EM ALUNOS OBESOS NO MUNICÍPIO DE CACOAL/RO. EVALUATION OF PERFORMANCE IN SCHOOL STUDENTS IN OBESE CACOAL CITY/RO 334 Revista Eletrônica da Facimed, v.3,n.3, p.334-343,jan/jul.2011 ISSN 1982-5285 - ARTIGO DE ORIGINAL AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR EM ALUNOS OBESOS NO MUNICÍPIO DE CACOAL/RO. EVALUATION OF PERFORMANCE

Leia mais

Como a sociedade deve combater a fome e a miséria no País

Como a sociedade deve combater a fome e a miséria no País campanha Alimentação: direito adquirido Como a sociedade deve combater a fome e a miséria no País Por Mônica Serrano Ed viggiani 62 Revista CRN3 - Junho/2011 Todas as pessoas têm direito a alimentação

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência da Pesquisa de Orçamentos Familiares Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

ANÁLISE DA PRIMEIRA CONSULTA DE PUERICULTURA EM UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA

ANÁLISE DA PRIMEIRA CONSULTA DE PUERICULTURA EM UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Autora: Arimá Viana Barroso. Natal RN 2 0 0 3. Chefe do Setor de Estatística e Informações

Autora: Arimá Viana Barroso. Natal RN 2 0 0 3. Chefe do Setor de Estatística e Informações Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão Estratégica - SEMPLA Departamento de Estudos e Pesquisas Setor de Estatística e Informações Chefe do Setor de Estatística e Informações

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II 929 CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II Ana Paula Fernandes de Lima Demarcina Weinheimer Jussara Terres Larissa Medeiros Tarlise Jardim Vanessa Campos Camila Jacques

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( )

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO Mari Uyeda Beatriz Conti RESUMO Muito tem se falado sobre a importância da educação nutricional em instituições de ensino para

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

Insegurança Alimentar no Brasil - PNDS 2006 MS- CEBRAP

Insegurança Alimentar no Brasil - PNDS 2006 MS- CEBRAP Insegurança Alimentar no Brasil - PNDS 2006 MS- CEBRAP Prof. Ana Maria Segall Corrêa Dra. Leticia Marín-León Departamento de Medicina Preventiva e Social FCM - UNICAMP segall@fcm.unicamp.br OBJETIVOS Apresentar

Leia mais

Introdução: a população idosa está aumentando, e com ela existe a necessidade de estudarmos

Introdução: a população idosa está aumentando, e com ela existe a necessidade de estudarmos Fisioterapia TCC em Re-vista 2010 79 BURANELLO, Mariana Colombini 13. Equilíbrio corporal e risco de queda em idosas que praticam atividades físicas e idosas sedentárias. 2010. 19 f. Trabalho de Conclusão

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade.

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade. 10mo Congreso Argentino de Educación Física y Ciencias. Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación. Departamento de Educación Física, La Plata, 2013. Avaliação

Leia mais

Hábitos saudáveis na creche

Hábitos saudáveis na creche 11 Hábitos saudáveis na creche Elvira Bezerra Pessoa: elvirabe@gmail.com Patrícia Edióne da Silva Graduada edionne.jp@hotmail.com Adeilson Paulino de Barros UEPB 1.INTRODUÇÃO No Brasil o atendimento á

Leia mais