Conclusão e encaminhamentos - Comissão de Representação Externa para tratar dos licenciamentos ambientais junto à FEPAM. Processo nº

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conclusão e encaminhamentos - Comissão de Representação Externa para tratar dos licenciamentos ambientais junto à FEPAM. Processo nº 20475-01."

Transcrição

1 ASSSSEEMBBLLÉÉI IIAA LL EE GGI IISS LLAA TTI IIVVAA DDOO E SS TTAA DDOO DD OO RI IIOO GRRAANNDDEE DDOO SUULL CCOOMI IISSSSÃÃOO DDEE RREEPPRREESSEENNTTAAÇÇÃÃOO EEXXTTEERRNNAA PPAARRAA AACCOOMPPAANNHHAAMEENNTTOO DDOOSS LLI IICCEE NNCCI IIAAMEE NNTT OOSS AAMBB IIEE I NNTTAA IISS I JJUUNNTTOO ÀÀ FEPAM Conclusão e encaminhamentos - Comissão de Representação Externa para tratar dos licenciamentos ambientais junto à FEPAM. Processo nº

2 2 CONCLUSÃO E ENCAMINHAMENTOS A Comissão de Representação Externa foi instituída com base nos Artigos 89, 89-A e 90 e seus parágrafos (Título II, Capítulo III, Seção III, Subseção IV), da Resolução Nº 2.288, de 18 de Janeiro de 2001 Regimento Interno da ALRS, com a finalidade de tratar sobre os processos de licenciamento para novos empreendimentos em andamento junto à Fundação Estadual de Proteção Ambiental do Rio Grande do Sul FEPAM. Para tanto, desde sua instalação, ocorrida em 09 de maio de 2007, realizou diversas reuniões e audiências com o objetivo de ouvir os autores, quer sejam do setor público ou privado, pelos quais passa o processo de licenciamento ambiental. Analisou a documentação disponível e entregue pelos representantes da SEMA, FEPAM, funcionários, membros do CONSEMA, setor produtivo e municípios, bem como os depoimentos prestados, estrutura da SEMA e da FEPAM, o trâmite do licenciamento, suas etapas, formalismo, etc., visando assim fazer um mapeamento de onde se encontram as dificuldades ou gargalos do sistema. Desta forma foram identificadas diversas fragilidades ou necessidades de alterações, quer sejam em questões estruturais, orçamentárias, legais, de gestão etc, que buscamos, agora, elencá-las. Salientamos, ainda, que muitos dos problemas levantados decorrem da falta de atuação do próprio poder público, e que a legislação pátria prevê, nestes casos, a responsabilização das autoridades competentes, conforme previsto na Constituição Federal, artigo 225, 3º, Lei Federal 6938/81, artigo 3º, IV, Lei Federal 9605/98, artigos 2, 3, 66 a 68, bem como o Código Estadual do Meio Ambiente, Lei Estadual 11520/00, artigo 99, 2º, e artigos 100, 101 e 113.

3 3 1. DA INFRA-ESTRUTURA PARA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE 1.a Gestão Financeira da Secretaria Estadual de Meio Ambiente Proposição de PL ou decreto promovendo a Autogestão da Secretaria de forma que os recursos arrecadados por operação do Sistema Estadual de Proteção Ambiental SISEPRA sejam utilizados de forma complementar ao Orçamento do Estado destinado a esta Secretaria e às Fundações para o custeio e a promoção de Projetos Prioritários; Justificativa: A necessidade orçamentária da estrutura atual da Secretaria Estadual de Meio Ambiente é usualmente maior do que os recursos disponibilizados anualmente pelo Estado. Se considerarmos que a estrutura necessita de um sensível aumento de quadro funcional, equipamentos e verba de custeio ter-se-á um agravamento da atual situação orçamentária. Utilizando-se os princípios do Poluidor Pagador e do Usuário Pagador será possível incrementar ao próprio Sistema todo recursos por ele arrecadado, gerando menor esforço orçamentário ao Estado. 1.b - Fundo Estadual de Meio Ambiente e Fundeflor Proposição de PL para fusão destes fundos, conjuntamente com outros fundos afetos à área ambiental, com a inclusão de artigos que impeçam o contingenciamento do novo fundo e proporcionem a utilização para auto-gestão do SISEPRA; Justificativa: os fundos atuais são continuamente contingenciados pelo Executivo não se constituindo um instrumento da Política Ambiental do Estado, os gestores destes fundos evitam transferir proventos as suas contas, preferindo fazer acordos diretos de fornecimento de equipamentos através de Termos de Compromisso Ambiental TCA. Com os Fundos de Meio Ambiente fragilizados há grande perda no potencial de fomento aos projetos externos de apoio a Política de Meio Ambiente do Estado. Com o novo Fundo todos os recursos recolhidos através multas, indenizações ou taxas devem ser depositadas em sua conta, gerando recursos para a gestão do sistema. 1.c Secretaria Estadual de Meio Ambiente - SEMA A SEMA deverá rever sua estrutura de forma que dentro de suas funções se intensifique o processo de Planejamento, Coordenação e Antecipação de eventos ambientais, tendo a sua disposição TODOS os instrumentos da Política Ambiental do Estado previstos em Lei. Esta reestruturação deve considerar a regionalização de todas as funções e responsabilidades da Secretaria;

4 4 Justificativa: A SEMA, em sua estrutura e quadros de funcionários atuais, somente tem condições de agir por demanda e somente nas áreas de recursos hídricos, florestas e unidades de conservação. A Fepam, órgão vinculado a SEMA, de fato detém as prerrogativas que legalmente são hoje da Secretaria, criando um arquétipo institucional que gera inúmeros conflitos de gestão. A estrutura da Secretaria necessita internalizar vários dos processos hoje sob tutela da Fepam, de forma que outras instituições afetas ao SISEPRA tenham também acesso aos diversos instrumentos da Política Ambiental do Estado. Mister se faz a necessidade de criar setores independentes para atuação nas áreas de comando e controle, principalmente em relação aos setores de fiscalização e licenciamento ambiental. Todos os instrumentos da Política Ambiental do Estado devem estar contemplados, sendo o organograma apresentado ao final deste capítulo uma contribuição deste Relatório ao processo de reestruturação aqui sugerido. A reestruturação aqui sugerida deve considerar com muita ênfase a regionalização das atividades da Fepam, DRH e DEFAP, considerando uma nova formatação capaz de internalizar e coordenar todos os instrumentos da Política Ambiental do Estado, inclusive tendo condições de implantar o licenciamento único por empreendimento (conforme descrito a seguir). 1.d Incremento dos Recursos Humanos no SISEPRA A carência de recursos humanos no âmbito do SISEPRA não se caracteriza apenas pelo número reduzido de agentes. É necessário que seja feito, também, além do incremento do número de servidores junto ao Sistema, um grande investimento na capacitação profissional de cada agente; Justificativa: O primeiro e mais importante organismo de meio ambiente criado para implantar e operar os instrumentos da Política de Meio Ambiente do Estado foi a Fundação Estadual de Proteção Ambiental Fepam. No entanto, seu quadro de servidores, que previa em 1990 a existência de 634 funcionários, hoje conta com 233 efetivos. Se considerar-se que não há efetivo suficiente para a análise e emissão dos licenciamentos ambientais em relação à demanda atual, certamente, por analogia, não há servidores para implantar e operar os demais instrumentos de apoio à Política Estadual de Meio Ambiente, sem os quais o próprio licenciamento torna-se ineficiente. Incluindo-se a Secretaria Estadual de Meio Ambiente nesta análise pode-se verificar que o cenário não se modifica. Na realidade o cenário que descreve a capacidade de atendimento às demandas do sistema quando se inclui a Secretaria Estadual de Meio Ambiente piora substancialmente. A Fundação Zoobotânica, instituição responsável pelo Jardim Zoológico, Jardim Botânico,

5 5 Museu de Ciências e pelo desenvolvimento de pesquisas de base para o apoio às outras instituições do Sistema, Também está com um quadro precário de servidores, não tendo condições de atender todas as suas responsabilidades. Por fim, sabendo-se da necessidade de regionalização do Sistema Estadual de Proteção Ambiental, salienta-se que o incremento quantitativo e qualitativo dos quadros da Secretaria é de suma importância para o desenvolvimento das atividades relativas à manutenção da qualidade ambiental do Estado. 1.e Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental TCFA Regulamentação da Lei Federal 6938/1981, modificada pela Lei Federal 10165/2000 que instituiu a TCFA, de forma que 60% desta taxa, que hoje é paga ao IBAMA (100%) será repassada ao Estado e Municípios; Justificativa: A TCFA hoje é paga pelos empresários ao IBAMA como forma de compensar os trabalhos de controle e fiscalização ambiental realizadas no Estado. A Lei que instituiu esta taxa já prevê o repasse de sessenta por cento do montante pago ao Estado e Municípios de origem, caso este controle e fiscalização ambiental sejam realizados local ou regionalmente. Assim, grande parte destas divisas pode ficar no Estado e Municípios auxiliando na autogestão do sistema ambiental do Estado. A regulamentação desta Lei enseja também a elaboração e manutenção de um Cadastro Técnico Industrial e Rural e do Sistema Estadual de Informações Ambientais. 1.f Proteção Jurídica aos Analistas Ambientais Os Servidores Públicos que realizam as atividades que proporcionam o licenciamento ambiental dos diversos empreendimentos no Rio Grande do Sul deverão contar com o Estado para defender-se em eventuais processos jurídicos decorrentes do exercício de seu oficio; Justificativa: Após a publicação da Lei de Crimes Ambientais (Lei Federal 9605/98 e Decreto federal 3179/99) todo servidor público que participe do processo de licenciamento, fiscalização e monitoramento ambiental também está sujeito à punição jurídica por seus atos. Fato é que hoje muitos dos servidores que, por exercerem seus ofícios, estão sendo processados estão tendo que se defenderem as suas próprias custas. Este procedimento tem inibido a atuação dos servidores em licenciamentos de projetos mais polêmicos, uma vez que não obtém subsídios de defesa junto aos seus empregadores, caso surja algum processo jurídico.

6 6 2. DOS MECANISMOS E INSTRUMENTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE 2.a - Zoneamento Ecológico Econômico (ZEE) Proposição de PL para elaboração e revisão sistemática do Zoneamento Ecológico Econômico do Estado do Rio Grande do Sul conforme a Lei Federal 6.938/81 (Política Nacional do Meio Ambiente) artigo 9º II, o Decreto Federal 4.297/02 e o Código Estadual do Meio Ambiente LE-RS /00 artigo 18, inciso IV; Justificativa: O ZEE será a mais poderosa ferramenta de apoio a todo e qualquer tipo de Planejamento, Licenciamento, Gestão e Educação Ambiental, sendo também a base para a elaboração do Plano Estadual de Preservação e Restauração dos Processos Ecológicos, Manejo Ecológico das Espécies e Ecossistemas. Este ZEE também será o documento de referência para a determinação de Áreas Prioritárias para a Conservação Ambiental como auxílio ao Sistema Estadual de Unidades de Conservação (SEUC), onde será possível determinar a necessidade de novas Unidades de Conservação e a normatização dos Usos dos Solos no entorno das Unidades de Conservação já existentes. Este ZEE deverá ser realizado com o Apoio das Universidades de todo o Estado traduzindo-se em um documento de referência democrático e de transparente construção. A disponibilização deste documento será eletrônica via WEB, oportunizando que os empreendedores tenham previamente a ciência de como proceder com seus processos produtivos nos locais de implantação. 2.b - Agências de Regiões Hidrográficas Proposta de Decreto ou PL instituindo a(s) Agência(s) de Bacia(s) Hidrográfica(s); Justificativa: A Lei Estadual 10350/1994 que instituiu o Sistema Estadual de Recursos Hídricos previu, como forma de auxílio técnico aos Comitês de Bacias Hidrográficas, a implantação de Agências de Regiões Hidrográficas. Somente com as Agências será possível o advento da tarifação pelo uso da água e o uso destes proventos na autogestão dos recursos hídricos de cada bacia. 2.c - Lei Estadual 10330/1994 A Lei 10330/1994 que institui o Sistema Estadual de Proteção Ambiental SISEPRA necessita de urgente revisão em vários de seus artigos o que pode ser proposto através de PL;

7 7 Justificativa: A revisão da Lei 10330/1994 se faz necessária como forma de atualizar os objetivos do SISEPRA incluindo mais instrumentos de incentivo ao processo de gestão ambiental e atualizando os instrumentos de comando e controle. Também nesta atualização se deve reconstruir a estrutura do CONSEMA de forma a torná-lo mais participativo e democrático e com maior agilidade na formatação e regulamentação de normas técnicas da área ambiental. 2.d - Política de Incentivos Proposição de PL criando incentivos de diferentes naturezas (tributária, simplificadora e agilizadora) para os procedimentos de Licenciamento Ambiental e investimentos na melhoria da qualidade ambiental; Justificativa: Embora a qualidade do meio ambiente seja responsabilidade de toda a sociedade, é sabido que agregar valor às ações de proteção ambiental traz resultados muito mais rápidos e eficazes com retorno valioso para o meio ambiente. Neste sentido, devem ser desenvolvidas iniciativas que contemplem ações da seguinte natureza: linhas especiais de crédito, compensação financeira, apoio financeiro, apoio creditício, apoio técnico, apoio operacional (pesquisa ambiental, execução de obras de saneamento, programas de educação ambiental, criação e manutenção de Unidades de Conservação, etc.), recuperação de áreas degradadas. Os dispositivos Legais em que esta proposta se fundamenta estão no Código Estadual do Meio Ambiente (Lei Estadual /00) artigo 22, artigo 197 1º e artigo 230 Parágrafo único. 2.e - Implantação da Política Estadual de Produção Mais Limpa Implantar de fato os instrumentos descritos no Decreto /2006 que institui o Fórum Gaúcho de Produção Mais Limpa; Justificativa: A Produção mais Limpa é um dos atuais grandes instrumentos da Gestão Ambiental. Através do Sistema de Gestão Ambiental (SGA) identificam-se os problemas existentes e a Produção mais Limpa atua como a intervenção para inserir as ações no processo de melhoria contínua. Além disso, quando da migração dos padrões de emissão para os padrões de qualidade ambiental como regra geral ao Licenciamento Ambiental a Produção mais Limpa poderá auxiliar imensamente os empreendimentos à restringirem suas externalidades em relação aos efluentes líquidos, emissões atmosféricas e resíduos sólidos. 2.f - Proteção Administrativa aos Detentores de Passivos Ambientais

8 8 Através de Termo de Compromisso, o Detentor de Passivo Ambiental que voluntariamente se manifestasse, poderia propor Projeto de Recuperação ou Isolamento de áreas degradadas, assumindo responsabilidade, porém sem penalização, desde que este passivo resultasse, comprovadamente, de época anterior à legislação ou a existência de órgãos de proteção ambiental; Justificativa: Esta proposta ira incentivar a responsabilização pela recuperação de passivos ambientais, com grande impacto positivo sobre a qualidade ambiental sobre os ecossistemas do Estado. 2.g - Banco de Dados Ambientais Todas as informações geradas dentro do Sistema Estadual de Proteção Ambiental SISEPRA devem ser sistematizadas e disponibilizadas em um Banco de Dados geoprocessados disponível à comunidade Riograndense conforme descrito no Código Estadual do Meio Ambiente (Lei Estadual /00 artigos 86 e 87); Justificativa: A informação é essencial no êxito do planejamento. A implantação e manutenção de um banco de dados ambientais abrangente, atualizado, disponibilizando instrumentos modernos de informação e com fluxo eficaz é fundamental não só para o planejamento, mas também para o monitoramento e agilização das atividades na área ambiental. O próprio Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA ao habilitar a Gestão Ambiental Local (municipal) indica que todos os dados e informações gerados nos municípios devem ser incluídos em um banco de dados estadual de responsabilidade da Secretaria Estadual de Meio Ambiente. No entanto, tal banco de dados não existe em uma estrutura capaz de absorver tais informações. 3. DA DESCENTRALIZAÇÃO E REGIONALIZAÇÃO DA POLÍTICA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE 3.a - Sistema Integrado de Gestão Ambiental (SIGA) Ampliação da atuação deste Programa dentro da Secretaria Estadual de Meio Ambiente incluindo mais servidores nos processos de análise de habilitação de Municípios no âmbito da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, assim como propor ao CONSEMA a ampliação das áreas de atuação dos Municípios junto ao Licenciamento Ambiental (impacto local). Também será necessária a ampliação das exigências para a habilitação quanto a implantação de competência para o planejamento ambiental nos Municípios (recursos humanos e instrumentos técnicos). Neste processo é necessário que haja a previsão de

9 9 Municípios atuando em consórcios podendo serem habilitados em conjunto, desde que respaldados em Leis Municipais; Justificativa: Grande parte do exacerbado trabalho da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e da Fepam pode e deve ser gestado no âmbito do Município. A agilidade do processo de licenciamento, assim como a eficiência e eficácia da fiscalização, controle e monitoramento da qualidade ambiental serão muito elevados se transferidas para as responsabilidades dos Municípios. Se hoje existem 157 Municípios habilitados para realizar gestão ambiental dos impactos locais, a meta do Programa para atual gestão deverá ser incluir todos os 496 Municípios dentro do Sistema Estadual de Proteção Ambiental - SISEPRA, criando o mais eficiente subnúcleo do Sistema Nacional de Meio Ambiente - SISNAMA. 3.b - Regionalização do Conselho Estadual de Meio Ambiente (CONSEMA) Criação de núcleos regionais do CONSEMA oportunizando a discussão de regras e normas adaptadas a realidade regional ou local. A regionalização poderá ser realizada por Conselho Regional de Desenvolvimento (COREDE), Associações de Municípios ou por Bacias Hidrográficas. Este item pode fazer parte do PL que atualizara a Lei /94; Justificativa: O CONSEMA tem se caracterizado pela falta de representatividade estadual, ficando restrito a entidades localizadas na sua maioria na capital e também pela disparidade na representação (poder público, sociedade, organizações não governamentais). O Interior do Estado e os problemas que lá ocorrem normalmente estão distantes das discussões hoje realizadas no CONSEMA. Além disso, esta regionalização do CONSEMA deverá subsidiar e acompanhar o tão necessário processo de regionalização da Secretaria Estadual de Meio Ambiente. 3.c - Convênios entre SISEPRA e CRBio, CREA e CRQ A Responsabilidade Técnica para as áreas afetas ao licenciamento ambiental e sua manutenção requerem um debate para o aprofundamento de suas normas; Justificativa: Considerando que muitos dos processos de licenciamento ambiental são mal instruídos, incompletos, inconsistentes ou inadequados, gerando um processo vicissitudinal de análise complementações tornando-se necessário um amplo debate junto aos Conselhos Profissionais Regionais de forma que se gerem normas de responsabilização técnica mais rígidas e apropriadas às complexidades do licenciamento ambiental. Neste processo indica-se também a formatação de cursos e treinamentos que

10 10 consistam em profissionalizar as carreiras dos técnicos que optarem pela Responsabilização Técnica nos processos de licenciamento ambiental. 3.d Apoio ao PLP 388/07 Tramita no Congresso Nacional o PLP 388/07 que Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas à proteção das paisagens naturais notáveis, à proteção do meio ambiente, ao combate à poluição em qualquer de suas formas e à preservação das florestas, da fauna e da flora, previstas no art. 23, incisos III, VI e VII, da Constituição. Referido projeto vem ao encontro da política de descentralização ora proposta, definindo e estabelecendo competência aos municípios nas ações relativas ao licenciamento ambiental. 4. DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL 4.a - Licenciamento Ambiental Proposição de PL regulamentando o processo de licenciamento ambiental de fluxo único; Justificativa: O processo de licenciamento ambiental, dependendo do empreendimento e do local de implantação e operação, pode requerer a emissão de até sete licenças: Licença Prévia, Licença de Instalação e Licença de Operação, emitidas pela Fepam; Outorga de Água emitida pelo DRH/SEMA; e Licença Prévia, Licença de Instalação e Licença de Operação, emitidas pelo DEFAP/SEMA. A emissão destas licenças hoje é realizada através de até sete processos diferentes, com diferentes exigências em relação ao mesmo objeto, com aumento inútil da burocracia. Com a otimização do processo de licenciamento o mesmo protocolo deverá circular pelas diferentes áreas de análise gerando todas as licenças necessárias. Na implantação destes procedimentos também será necessário o incremento do incentivo ao Licenciamento Ambiental por Integradores, onde uma licença é dada ao Integrador que se responsabilizará pela gestão ambiental de seus Integrados. Nesta normatização também deverá ser acrescido o procedimento de renovação de Licença de Operação através de Auditoria Independente Externa principalmente para os empreendimentos industriais de médio e grande porte licenciados pelo Estado. Estes novos procedimentos deverão ser formatados em uma compilação denominada Manual de Procedimentos para o Licenciamento Ambiental que deverá contar com os órgãos de licenciamento, assim como com os Conselhos Profissionais Regionais. Este Manual de Procedimentos, conjuntamente com o Banco de Dados de Informações Ambientais, poderá

11 11 priorizar e instituir os padrões de qualidade ambiental, em detrimento aos padrões de emissão de efluentes, como base de análise e orientação aos processos de Licenciamento Ambiental. O Manual de Procedimentos deverá ser avalizado pelas Plenárias do CONSEMA. Finalizando, acrescenta-se ainda, como recomendação, que se atente para os seguintes assuntos neste processo de licenciamento único: Prazos das licenças (maior para atividades com programas voluntários de qualidade ambiental); Prazos de análise com previsão de sanções pelo descumprimento; Custos atribuídos na forma de ressarcimento e objetivando incentivar o empreendedor a enviar a documentação mais completa possível (projetos, laudos, levantamentos, etc.); Previsão de termo de cooperação quando o licenciamento tiver que ser realizado com a participação de outro ente federado; Exigência de equipe multidisciplinar para EPIA/RIMA de obras e atividades de significativo impacto ambiental; Simplificação do processo na forma do artigo 12 da Resolução CONAMA 237/97; Sistema integrado na forma do artigo 12 da Resolução CONAMA 237/97; Estabelecimento de critérios para agilização e simplificação dos procedimentos licenciatórios das atividades e empreendimentos que implementem planos e programas voluntários de gestão ambiental na forma do artigo 12 da Resolução CONAMA 237/97. Toda análise deve ser realizada considerando, no mínimo, os seguintes dispositivos legais: Constituição Federal 88 (artigo 1, artigo 18, artigo 23 e artigo 170 Parágrafo único); Lei Federal 6.938/81 (Política Nacional do Meio Ambiente) artigo 10; Resolução CONAMA 237/97; Código Estadual do Meio Ambiente (Lei Estadual /00 artigos 55 a 70) e Resoluções CONSEMA.

14/05/2010. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Niro Afonso Pieper. Diretor Geral - SEMA

14/05/2010. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Niro Afonso Pieper. Diretor Geral - SEMA 14/05/2010 Niro Afonso Pieper Diretor Geral - SEMA 1 O Sistema Integrado de Gestão Ambiental no Rio Grande do Sul Concepção e Histórico Requisitos para a Habilitação Princípio da Melhoria Contínua Enfoque

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Meio Ambiente Como iniciar a gestão ambiental no Município?

Meio Ambiente Como iniciar a gestão ambiental no Município? Meio Ambiente Meio Ambiente Como iniciar a gestão ambiental no Município? Tendo vontade política Buscando apoio da CNM, das Federações, e Associações Regionais Criando as Leis Capacitando os técnicos Sistema

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA.

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 379, de 19/10/2006 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE-MS

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE-MS PROJETO DE LEI Nº 7.476/13. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE-MS A P R O V A: Art. 1º - Fica criado o Conselho

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian Planos Municipais de Mobilidade Urbana e Acessibilidade e o papel do TCE-RS na sua implementação Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian SUPORTE

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 I Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Brasília, 29 de março de 2012 SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - SISNAMA O

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS ILUMEXPO 2015 4ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada / Junho 2015 IBAM, MUNICÍPIO E

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009.

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. 1 Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA nº. 018/2009 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num...

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num... Página 1 de 9 DECRETO 44945, DE 13/11/2008 - TEXTO ORIGINAL Altera o Decreto nº 44.046, de 13 de junho de 2005, que regulamenta a cobrança pelo uso de recursos hídricos de domínio do Estado, e o Decreto

Leia mais

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos BDMG Semana Mineira de Redução de Resíduos Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos Novembro de 2010 BDMG Desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade Perfil do BDMG Fundação: Lei Estadual

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL São Luís 2015 NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011 Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar 9 de agosto de 2011 Agricultura familiar é a forma de produção em que predominam: interação entre gestão, trabalho e direção do processo produtivo;

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA, sobre o Ofício S nº 9, de 2011 (Ofício GS nº 2.097, de 22 de novembro de 2010, na origem), da Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado

Leia mais

CAPITULO I DO OBJETIVO

CAPITULO I DO OBJETIVO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 144, DE 10 DE JULHO DE 2012 (Publicada no D.O.U em 04/09/2012) Estabelece diretrizes para implementação da Política Nacional

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002 Dispõe sobre a Política Municipal do Meio Ambiente, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA RS, FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona a seguinte L

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria do Desenvolvimento da Produção Departamento de Micro, Pequenas e Médias M Empresas O Fórum F Permanente e os Fóruns F Regionais das

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE Termo de Referência para Contratação de Serviço de Consultoria (Pessoa Jurídica) para Reestruturação do Portal da Transparência

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA Hosana Gaspar dos Santos II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 55: Gestão do meio ambiente A CERTIFICAÇÃO

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8.267 Dispõe sobre o licenciamento ambiental no Município de Porto Alegre, cria a Taxa de Licenciamento Ambiental e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

A Lei de Diretrizes da Política

A Lei de Diretrizes da Política A Lei de Diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012 Ipea, 06 de janeiro de 2012 Sumário Objetivo: avaliar a nova Lei de Diretrizes da Política de Nacional

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4 Introdução Conforme deliberado na 13 o reunião do Comitê Gestor do Programa Municípios Verdes COGES/PMV,

Leia mais

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006. (ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE) O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE E O ESTADO E MUNICÍPIOS

Leia mais

Prefeitura Municipal de São João del-rei

Prefeitura Municipal de São João del-rei Lei nº 4.990 de 20 de dezembro de 2013 Cria o Conselho Municipal de Trânsito e Transporte, no Município de São João del-rei, revoga as leis n 3.702, de 25 de abril de 2002 e n 2.501, de 07 de junho de

Leia mais

Municipalização das atividades de licenciamento ambiental: Estrutura administrativa municipal

Municipalização das atividades de licenciamento ambiental: Estrutura administrativa municipal Municipalização das atividades de licenciamento ambiental: Estrutura administrativa municipal Cristiane Casini Coordenadora Jurídica Ambiental da Fundação Jaraguaense de Meio Ambiente - Fujama Introdução

Leia mais

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Workshop Saneamento Básico Fiesp Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Presidente da Funasa Henrique Pires São Paulo, 28 de outubro de 2015 Fundação Nacional de

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009.

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Prezado Secretário Ronaldo Motta: Seguem as sugestões do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e PG das Universidades Brasileiras) com relação ao

Leia mais

Dispõe sobre a transformação da Fundação Estadual do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia do Estado de Roraima FEMACT-RR, e do

Dispõe sobre a transformação da Fundação Estadual do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia do Estado de Roraima FEMACT-RR, e do Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI N 815 DE 7 DE JULHO DE 2011 Dispõe sobre a transformação da Fundação Estadual do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Gerência de Gestão Portuária Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuária Trata-se de um processo contínuo e adaptativo, envolvendo condicionantes ambientais,

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEI N. 1.694, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 Institui o Sistema Público da Educação Básica do Estado do Acre, face às diretrizes da Educação Nacional e demais instrumentos legais relativos ao regime de colaboração

Leia mais

SEMINARIO PRÓ-CATADOR DO ESTADO DO ACRE Propostas aprovadas

SEMINARIO PRÓ-CATADOR DO ESTADO DO ACRE Propostas aprovadas 1 SEMINARIO PRÓ-CATADOR DO ESTADO DO ACRE ENCERRAMENTO DOS LIXÕES E A INCLUSÃO SOCIAL E PRODUTIVA DAS CATADORAS E DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 30 de outubro de 2014 Palácio da Justiça - Rio Branco/AC

Leia mais

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Assistencia Social SNAS Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS DRSP Cadastro Nacional das Entidades de Assistência

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

XXI Conferência Nacional dos Advogados

XXI Conferência Nacional dos Advogados DIFICULDADES RELACIONADAS AO E À AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. XXI Conferência Nacional dos Advogados Eng. Florestal MSc. Dr. Joesio D. P. Siqueira Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos Ltda.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental

Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental Documento Interno Texto base: Leoni Fuerst Preocupações referentes às questões relativas ao meio ambiente e a ecologia vêm se tornando crescentes

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM.

PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM. PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM. Aprovado no CONSEMA Reunião N 0 180 em 20/08/2015 1. INTRODUÇÃO. A partir da Lei Federal 12.305/2010, foram definidos cronogramas

Leia mais

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006 Governo do Estado Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

Apoio a Programas de Conservação

Apoio a Programas de Conservação Apoio a Programas de Conservação OBJETIVOS Apoiar instituições para que desenvolvam ações de conservação em médio e longo prazo, na forma de programa, que resultem em medidas efetivas de conservação. As

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

MUNICIPALIZAÇÃO DO LICENCIMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

MUNICIPALIZAÇÃO DO LICENCIMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MUNICIPALIZAÇÃO DO LICENCIMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Karla Casagrande Lorencini Bacharel em Ciências Biológicas (UFES). Mestranda

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO.

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO. LEI Nº 1.827/2009. EMENTA: Institui a política de apoio e incentivo ao desenvolvimento do Cooperativismo no âmbito do município de Santa Cruz do Capibaribe/PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

A ANTAQ na promoção das boas práticas ambientais pelo transporte aquaviário

A ANTAQ na promoção das boas práticas ambientais pelo transporte aquaviário A ANTAQ na promoção das boas práticas ambientais pelo transporte aquaviário Marcos Maia Porto Gerente de Meio Ambiente da Superintendência de Portos - SPO A ANTAQ o transporte aquaviário sustentável Constituição

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81)

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 1. LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1.1 NATUREZA JURÍDICA: Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) 1.2 CONCEITO: Segundo o art. 1º,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Março de 2010 TAL Ambiental (Technical Assistance to the Environmental

Leia mais