PLANO DE GESTÃO DO RISCO PARA A CONSERVACÃO DO SITIO HISTÓRICO DE OLINDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE GESTÃO DO RISCO PARA A CONSERVACÃO DO SITIO HISTÓRICO DE OLINDA"

Transcrição

1 Centro de Conservação Integrada Urbana e Territorial CECI Curso de Gestão do Patrimônio Cultural Integrado ao Planejamento Urbano da América Latina - ITUC/AL CÁTEDRA UNESCO PLANO DE GESTÃO DO RISCO PARA A CONSERVACÃO DO SITIO HISTÓRICO DE OLINDA Equipe: Carlos R. B. Freitas Marcelo L. Magadán Maria Célia Moreira Bagatini Patrícia Pedrosa Silvia de los Ríos Olinda Dezembro de 2002

2 SUMÁRIO 1 A PROBLEMÁTICA ATUAL DA GESTÃO 1.1 O contexto da conservação no Sítio Histórico de Olinda 1.2 O processo atual da gestão do risco Os riscos à conservação no Sítio Histórico de Olinda 1.3 Mecanismos institucionais e atores envolvidos com a gestão do risco 1.4 Os fóruns de negociação da gestão do risco e os conflitos de gestão 1.5 Instrumentos legais e institucionais Instrumentos Legais Instrumentos Institucionais 1.6 As tarefas atuais de gestão do risco 1.7 Os Sistemas de controle do risco Monitoramento e Avaliação Prevenção Contingência Mitigação 1.8 As lacunas do sistema de gestão atual 1.9 Problemas e avanços na Gestão do Risco Problemas Avanços 2 A PROBLEMÁTICA FUTURA DA GESTÃO DO RISCO 2.1 Os contextos possíveis de desenvolvimento da gestão do risco 2.2 As ameaças e as potencialidades da gestão do risco para a conservação sustentável do SHO Ameaças Potencialidades 3 O PLANO DE GESTÃO DO RISCO PARA A CONSERVAÇÃO DO SHO 3.1 O plano de gestão do risco para a conservação 3.2 Diretrizes do Plano 3.3 Objetivos do Plano Objetivo Geral Objetivos Específicos 3.4 O modelo adotado de Gestão do Risco 3.5 Componentes do Plano Análise e Valorização Monitoramento e Controle Negociação Proposições Monitoramento do Risco Prevenção Contingência Mitigação

3 3.6 Atores e organismos responsáveis e as tarefas da gestão do risco 3.7 Arranjo Institucional organizacional 3.8 Estratégia de implantação Curto Prazo até final de Médio Prazo 2004 a Longo Prazo 2006 a Contínuas 3.9 Indicadores de Gestão do Risco 4 FONTES DE INFORMAÇÃO 5 ANEXOS ANEXO I Marco Legal da Gestão do Risco ANEXO II Sistema de Monitoramento do Risco: variáveis sugeridas

4 SIGLAS E ABREVIAÇÕES UTILIZADAS: CECI Centro de Conservação Integrada Urbana e Territorial CELPE Companhia de Eletricidade de Pernambuco COMDECOL Conselho Municipal de Defesa Civil de Olinda COMPESA Companhia Pernambucana de Saneamento CPRH Companhia Pernambucana de Controle da Poluição e Recursos Hídricos FCPSHO Fundação Centro de Preservação dos Sítios Históricos de Olinda FIDEM FUNDARPE IBAMA Instituto Brasileiro de Preservação do Meio Ambiente IPHAN Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional ITUC/AL Curso de Gestão do Patrimônio Integrado ao Planejamento Urbano da América Latina ME Ministério da Educação NUDECS Núcleos de Defesa Civil PGR Plano de Gestão do Risco PPCE Planos de Prevenção e Contingências para Edificações SEFAD Secretaria de Fazenda e Administração SEPACC Secretaria do Patrimônio, Ciência e Cultura SHO Sítio Histórico de Olinda SODECA Sociedade de Defesa da Cidade Alta SOSP Secretaria de Obras e Serviços Públicos SPHAN Secretaria do Patrimônio Histórico Artístico Nacional, sucedida pelo IPHAN TELEMAR Companhia Telefônica UFPE Universidade Federal de Pernambuco

5 APRESENTAÇÃO A gestão do risco parte da premissa que em patrimônio cultural o que se perde é para sempre, razão pela qual o plano de gestão de risco deve priorizar a prevenção. Os bens culturais têm seu significado calcado nos valores de integridade e de autenticidade. Quando ocorre um desastre, como por exemplo, um incêndio, bens são danificados ou destruídos e se contarmos com informação suficiente fato muito pouco freqüente poder-seia proceder à sua reconstrução de sua materialidade. Mas o valor da autenticidade aquele em que a UNESCO baseia os Títulos de Patrimônio Mundial estará definitivamente perdido. A sustentabilidade do Sítio Histórico de Olinda se baseia, em grande parte, no turismo cultural que tem como suporte e atrativo os bens culturais. Em caso de perda desses bens a sustentabilidade do sitio estará definitivamente comprometida. Esses fatos evidenciam a necessidade e a urgência da implementação de um Plano de Gestão de Risco para o Sítio Histórico de Olinda. O presente trabalho tem como objetivo propor um Plano de Gestão do Risco, abrangendo a identificação de riscos latentes, suas causas e conseqüências e as possíveis ações de prevenção, contingência e mitigação, além do arranjo institucional e estratégias necessárias à sua implementação.

6 INTRODUÇÀO Olinda: um rápido esboço O Município de Olinda está localizado na porção mais oriental do Brasil. As coordenadas geográficas da cidade estão fixadas na latitude de 8 o 1 48 S e longitude de 34 o W. O SHO está localizado a uns seis quilômetros ao Norte da cidade do Recife, capital do Estado de Pernambuco. Seu clima é quente e úmido, com uma temperatura média anual de 27 o C, média anual de umidade do ar de 80%, e precipitação pluviométrica total anual variado de a mm. O Censo Demográfico de 2000 registrou no Município de Olinda uma população da ordem de , com uma densidade demográfica de habitantes/km 2. O Polígono Tombado registra uma população de habitantes e a área do conjunto Monumental contabiliza habitantes. O Sítio Histórico de Olinda é marcado pelo predomínio do uso residencial. No Perímetro tombado existem imóveis, sendo 87% de uso habitacional e 76% é de propriedade da população residente. No SHO a cidade informal convive com a cidade formal. O SHO possui um importante conjunto arquitetônico e urbanístico, implantado em meio a uma frondosa vegetação, que caracterizam o sitio e o convertem em um atrativo turístico destacado. A cidade recebe em média turistas/mês, triplicando nos picos sazonais, sem considerar a excepcionalidade do Carnaval, período onde afluem de 600 mil a um milhão de pessoas/dia. O Sítio Histórico de Olinda foi tombado pelo SPHAN em 1968, elevado a Cidade Monumento Nacional em 1980, e a Patrimônio Cultural da Humanidade em 1982 pela UNESCO.

7 1 A PROBLEMÁTICA ATUAL DA GESTÃO 1.1 O contexto da conservação no Sítio Histórico de Olinda A necessidade de se implantar um sistema de conservação do patrimônio cultural olindense, está presente há algumas décadas. A criação do Sistema Municipal de Preservação, em 1979, antes mesmo do recebimento do título de Cidade Patrimônio Mundial (1982), confirma esse entendimento. Contudo, a extinção do Fundo de Preservação, suporte financeiro do Sistema, em 1988, e da Fundação Centro de Preservação dos Sítios Históricos de Olinda FCPSHO, em 1995, seu órgão técnico, mostram que a consciência da importância de conservar o patrimônio cultural está longe de ser uma realidade no município. Isso se agrava quando as causas dos problemas passam a ser conseqüência da falta de consciência e ação do próprio poder público municipal. A impotência do corpo técnico, aliada à sua acomodação, à ausência de programas de capacitação, de postura política e melhores condições de trabalho, se refletem no sítio, que padece de ações preventivas e sistemáticas de conservação. Essa situação, aliada à baixa consciência da população, leva à uma postura de descomprometimento, traduzida em intervenções descaracterizadoras do conjunto, com ampliação de área construída e volumetria incompatível com o contexto singular. Os novos usos e atividades são implantados ainda que com a perda das características originais do bem. A diversidade paisagística e especifidades culturais do Sítio Histórico de Olinda o dotam de grande atratividade, diferentemente dos demais setores do município. Com isto, parcela significativa das propostas de uso e ocupação, visando ao desenvolvimento turístico e cultural do município está focada no sítio, base para o fomento da atividade turística e não aproveita as potencialidades existentes nas demais áreas. 1.2 O processo atual da gestão do risco Os riscos à conservação no Sítio Histórico de Olinda A preservação é a melhor forma de conservação. A atual abordagem de conservação de sítios históricos tem como um de seus pilares a prevenção dos riscos, o que significa observar as condições ambientais, mensurar tendências, impactos e riscos nas estruturas físicas dessas áreas, decorrentes de intervenções ou ocorrências imprevistas e naturais, como incêndios e inundações, relacionando-os com os recursos humanos, financeiros e tecnológicos, bem como propor e orientar ações corretivas e mitigadoras. Essa abordagem ainda não foi considerada nas ações de conservação do Sítio Histórico de Olinda, apesar dos riscos inerentes à sua estrutura geomorfológica, condições climáticas, o atual uso e ocupação do solo e o estado de conservação das estruturas edificadas. Os riscos de maior potencial de impacto detectados no SHO são o avanço do mar, escorregamento das encostas, comprometimento das estruturas edificadas, tráfego de veículos, Carnaval, incêndio, agravados por fatores comportamentais, conforme quadro a seguir.

8 Quadro 1 Riscos: causas e conseqüências Risco Causas Conseqüências Avanço do mar Escorregamen to de encostas aterros de áreas de manguesais efeito estufa intervenções de grande porte na costa estrutura geomorfológica do solo chuvas intensas sobrecarga - aterros/construções uso inadequado - cortes/desmontes desmatamentos impermeabilização do solo vazamentos por falta de manutenção das redes destruição da faixa de areia mudanças de correntes marinhas levantamento do lençol freático perda de estruturas morfológicas urbanas falhas estruturais nas edificações rompimento de tubulaçãos alterações na paisagem natural erosão do solo perda do patrimônio ambiental perda do patrimônio arqueológico comprometimento de vidas Comprometimento da estruturas edificadas Tráfego de veículos Carnaval Incêndio ausência de conservação dos imóveis intervenções inadequadas uso de materiais inadequados acréscimo de novas volumetrias desestabilização do solo vibrações causadas pelo tráfego de veículos ataques de insetos ( cupim, broca, polta) ausência de marco legal ausência de planejamento do trânsito ausência de espaços para estacionamento ausência de espaços para garagens ausência de sistema alternativo de transporte público uso inadequado do patrimônio descontrole urbano estacionamento irregular de veículos conservação inadequada das edificações conservação inadequada das redes elétricas fiação elétrica aéreas e antiga ausência de ações sistemáticas de conservação - vistorias/orientações/etc. contigüidade dos imóveis ausência de estrutura de combate a incêndios adequada ao SHO ausência de plano de prevenção perda total ou parcial do bem perda das características singulares das edificações e do sítio perda da ambiência risco de vidas perda de referências culturais vibrações que desagregam estruturas edificadas poluição sonora e visual dificuldade de circulação estacionamento desordenado de veículos perda do usofruto de parte do espaço público superação da capacidade de carga dos sistemas vibrações que desagregam estruturas edificadas vandalismo alterações e acréscimos nas edificações comprometimento da pouca consciência sobre a importância do patrimônio Perda total ou parcial do bem perda das características singulares das edificações e do sítio perda da ambiência Risco de vidas perda de referências culturais imagem negativa da gestão local do patrimônio Fatores comportamentais (administração pública, moradores e usuários) falta de fiscalização efetiva desrespeito as normas e leis ausência de programas de Educação Ambiental e Patrimonial perda das características singulares das edificações e do sítio perda da ambiência estímulo à postura descomprometida da população ocupação do espaço público por atividades informais acumulo de lixo nos espaços públicos imagem negativa da gestão local do patrimônio

9 1.3 Mecanismos institucionais e atores envolvidos com a gestão do risco A gestão do risco, no âmbito da administração municipal, não é conduzido de forma institucionalizada, embora haja uma Secretaria Municipal SEPACC, responsável por todas as ações que objetivam a conservação do Sítio Histórico de Olinda, e o Conselho de Defesa Civil, criado em Por outro lado, as tarefas e ações relacionadas com os riscos estão distribuídas entre diferentes órgãos municipais, estaduais e federais. No âmbito Federal atuam: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional IPHAN, que além da orientação técnica e apreciação de projetos, também fiscaliza as intervenções em bens públicos e privados, e emite embargos a obras irregulares; Instituto Brasileiro de Preservação do Meio Ambiente IBAMA, atua na fiscalização e efetua vistorias às ações que envolvam a cobertura vegetal dos espaços públicos e privados do sítio histórico, além da orientação técnica e emissão de pareceres sobre questões relativas ao patrimônio ambiental; A Universidade Federal de Pernambuco UFPE através do seu Departamento de Oceanografia, que efetua o monitoramento das correntes marinhas e elaboram estudos para minimizar danos e impactos ao patrimônio natural e edificado do sítio histórico, e do Centro de Tecnologia e Geociências da Escola de Engenharia de Pernambuco, que elaboraram estudos para minimizar danos e impactos ao patrimônio natural e edificado do sítio; Ministério Público Federal passa a atuar quando há a omissão dos órgãos técnicos responsáveis pela Gestão do Risco. No âmbito Estadual atuam: Corpo de Bombeiros realiza vistorias a imóveis e equipamentos de prevenção de incêndios, exigidas para emissão de alvarás de funcionamento de estabelecimentos comerciais e industriais, e habite-se para unidades multifamiliares. Também, presta orientação técnica nos casos em que se identificaram problemas que poderão causar riscos de incêndio; A Companhia Pernambucana de Controle da Poluição e Recursos Hídricos - CPRH atua na apreciação de projetos de implantação de áreas molhadas em imóveis do sítio histórico, além de propostas de uso em áreas de preservação ambiental, e emissão dos respectivos licenciamentos No âmbito Municipal atuam: Secretaria do Patrimônio, Ciência e Cultura SEPACC, atua na orientação técnica para elaboração de propostas de intervenção e usos, apreciação de projetos e respectivos licenciamentos, além da fiscalização de obras e de funcionamento de usos e atividades no polígono de preservação e sítios históricos isolados. A Secretaria de Planejamento, Transportes e Meio Ambiente SEPLAMA, é responsável pelo planejamento territorial do município, planejamento e controle do trânsito, e monitoramento das áreas de proteção ambiental;

10 A Secretaria de Obras e Serviços Públicos SOSP, é responsável pelo acompanhamento técnico, contratação e execução de obras nos espaços públicos e pela coleta do lixo. À ela está vinculada a Coordenadoria de Defesa Civil do Município, criada em 2001, com tarefas como ações educativas, de orientação técnica e manutenção dos sistemas de drenagem nas encostas, além de coordenar ações emergenciais em caso de desastres. A Procuradoria Jurídica do Município, assessora o executivo municipal nas questões legais e na aplicação efetiva dos instrumentos normativos. No âmbito da sociedade civil atuam: Proprietários e usuários de imóveis urbanos; Congregações religiosas; Associações de bairro, culturais, ambientais e sociais. Quadro 2 Riscos: Gestão Atual Risco Avanço do mar Escorregamento de Encostas Gestão Atual Legal Institucional Tarefas SEPACC Análse de projetos Lei 9605/98 - Crimes Ambientais SEPLAMA Análise de projetos e embargos CPRH Licenciamento ambiental Defesa Civil ações de contingência Mitigação Análise de projetos, lecenciamento ou Rerratifica;cão da Notificação 1159/85 SPHAN/PróMemória SEPACC embargos Lei 4849/ Legislação Urbanistica do SHO SEPLAMA Fiscalização Plano Diretor 1997 Sec.Obras Manutenção do sistema de microdrenagem Lei 9605/98 - Crimes Ambientais Defesa Civil Cadastramento dos pontos de risco e orientaçao aos moradores de encostas Comprometimento das estruturas edificadas IPHAN Orientação técnica; Fiscalização, Embargo Rerratificatcão da Notificação 1155/79 SPHAN/PróMemória SEPACC Lei 4849/ Legislação Urbanistica do SHO Orientação técnica; Fiscalização, Embargo e Autuação Plano Diretor /1997 Conselho de Preservação Elaboração de políticas de conservação Lei 9605/98 - Crimes Ambientais Procuradoria Jurídica Assessoramento legal Ministério Público Atua quando há omissão ou impasse Trafego de veículos Plano Diretor/ 1997 SEPLAMA Implementação do Plano de Circulação de veículos Carnaval Lei Municipal Comissão Permanente do Carnaval Vistoria das instalações elétricas de palcos e gambiarras Vistorias de botijões de gás Licenças provisórias para ambulantes e comércio temporário Incêndio Não há Defesa Civil Corpo de Bombeiros Acionar o Corpo de Bombeiros Fiscalizar equipamentos de prevenção para alvarás e habite-se Fatores comportamentais (administração pública, moradores e usuários) Rerratifica;cão da Notificação 1155/79 SPHAN/PróMemória SEPACC Fiscalização Lei 4849/ Legislação Urbanistica do SHO SEPLAMA Oficina de Educação Ambiental Plano Diretor 1997 Lei 9605/98 - Crimes Ambientais Parametros Curriculares - Educação Ambiental

11 Pelo exposto acima, pode-se concluir que a gestão do risco, no que se refere à conservação do patrimônio natural e edificado no SHO não é feita de forma sistêmica e também não existe uma instância especifica que seja responsável pela sua elaboração e implementação. Os riscos são tratados à medida em que se tornam ameaças à integridade dos bens ou à segurança da população. As ações empreendidas são voltadas à remediação e/ou minimização de danos, desenvolvidas de forma pontual, por diferentes secretarias municipais e instituições, que atuam de forma desarticulada. 1.4 Os fóruns de negociação da gestão do risco e os conflitos de gestão A competência para a elaboração da política de conservação do patrimônio cultural de Olinda é do Conselho de Preservação dos Sítios Históricos de Olinda, cuja composição é: Esfera Federal: IPHAN Esfera Estadual: FUNDARPE e FIDEM Esfera Municipal: Câmara Municipal, representada pelo presidente da Casa. Secretaria de Educação, representada pelo Secretário. Representante da cultura popular, indicado pelo prefeito. Instituto Histórico de Olinda Estes membros têm direito a voto. A comunidade se faz representar pela SODECA, uma conquista popular, porém sem direito a voto. O Conselho de Preservação, a instância formal onde são tratadas as questões de conservação do sítio, foi instituído em 1979, quando as tarefas de gestão urbana apresentavam menor complexidade em relação aos dias de hoje. Atualmente, o Conselho permanece com sua composição original e as ações relacionadas com a conservação estão distribuídas entre três secretarias: SEPACC, SEPLAMA, SOSP. Com isso, são criados diversos conflitos entre as atribuições e as responsabilidades pelas ações e tarefas de conservação: Não participação das secretarias envolvidas na operacionalização das ações nas reuniões do Conselho; A falta de comunicação e articulação entre as secretarias envolvidas na operacionalização das ações, gerando sobreposição de funções ou omissão; Contratação de empresas pela Secretaria de Obras, sem exigências de qualificação técnica específica para intervenção em sítios históricos, resultando em obras sem qualidade e que podem implicar em custos adicionais e possíveis riscos; Os moradores e usuários do sítio histórico não se sentem representados no Conselho de Preservação pela Sociedade de Defesa da Cidade Alta SODECA, que não tem direito a voto e outras entidades representativas dos interesses locais foram criadas e não participam oficialmente das reuniões do Conselho;

12 Omissão e complacência por parte da comunidade, optando por não informar aos órgãos competentes sobre situações de risco. Como exemplo, podemos citar a ocupação e adensamento das áreas de encosta; Ingerências políticas com relação a obras particulares irregulares e ocupação informal dos logradouros públicos. O Ministério Público Federal tem participado na mediação de conflitos relativos à intervenção causadoras de danos ao patrimônio cultural, quando há impasses entre os atores. 1.5 Instrumentos legais e institucionais Instrumentos Legais A legislação analisada, abrangendo os níveis federal, estadual e municipal, não contempla específicamente a problemática do risco no SHO. Só se encontraram menções indiretas aos aspectos que temos denominado: escorregamento de encostas, comprometimento das estruturas edificadas, tráfego de veículos, incêndio e vandalismo. Também não contemplam instrumentos de prevenção e controle de riscos. As leis analisadas estão abaixo relacionadas, ( para maiores detalhes Anexo I). Rerratificação da Notificação 1155 / 1979 da SPHAN / Pró - Memória Plano Diretor de Olinda / 1997 Lei Complementar N.º 013 / 2002 (Código de Obras do Município de Olinda) Legislação Urbanística dos Sítios Históricos de Olinda (Lei Municipal 4849 / 1992) Lei de Crimes Ambientais - Lei Federal N.º 9605 / 1998 Lei Municipal do Carnaval A única exceção é a Lei Municipal, que cria a Comissão Permanente do Carnaval e disciplina as atividades e tarefas, abordando aspectos relacionados com a prevenção de acidentes causados pela rede elétrica e botijões de gás Instrumentos Institucionais Os instrumentos institucionais existentes são o Conselho de Preservação dos Sítios Históricos de Olinda, responsável pela política de conservação do patrimônio cultural do município, que pode solicitar estudos e ações para prevenções do risco. Além dele, há o Conselho Municipal de Defesa Civil de Olinda COMDECOL, criado em 2001, em fase de estruturação e também há o Conselho do Meio Ambiente, ambos não regulamentados. 1.6 As tarefas atuais de gestão do risco Não há rotinas estabelecidas para a prevenção do risco. As providências são tomadas após a constatação da existência de problemas, ou seja, nas etapas de contingência e mitigação dos riscos.

13 O Conselho de Preservação, ao receber denúncia ou solicitação de munícipes, encaminha pedido de providências à SEPACC, que efetua vistorias, elabora relatórios técnicos, propostas de intervenção, estabelece parcerias com a comunidade e com outras secretarias municipais para identificação de problemas e seu solucionamento. 1.7 Os Sistemas de controle do risco Monitoramento e Avaliação Município de Olinda não tem implantado sistema de Monitoramento e Controle do Risco. O Monitoramento é feito de forma assistemática no Polígono Tombado, as ações contemplam apenas os riscos relacionados ao deslizamento de encostas e taludes e ao avanço do mar, justificadas por sérias eventos anteriores, em áreas onde já ocorreram desastres, estando restritas aos pontos críticos, próximos aos monumentos ou onde pode haver o comprometimento de vidas humanas. A Defesa Civil de Olinda tem um projeto para implementar um sistema para o controle dos riscos no município, focado em situações que podem acarretar perdas de vidas. O projeto prevê o cadastramento e o geoprocessamento de pontos e áreas de riscos, parametrizados segundo níveis de gravidade. No momento, estão sendo catalogados pontos de risco e a prioridade está nas áreas de maior concentração populacional, situadas fora do Polígono Tombado. Embora a UFPE, através do Departamento de Oceanografia realize estudos para acompanhamento do avanço do mar e o Centro de Tecnologia e Geociências da Escola de Engenharia de Pernambuco realize estudos sobre a movimentação do solo, os dados produzidos não estão sendo utilizados para apoio e monitoramento do risco Prevenção A Defesa Civil está iniciando um processo de conscientização das populações das áreas de risco, através de parcerias com a Secretaria Municipal de Saúde, utilizando os seus agentes e a Secretaria de Planejamento que desenvolve programas de educação ambiental nas escolas próximas às áreas de risco, e com o Programa Agente Jovem que atua como reeditor de conhecimento sobre os riscos. O objetivo das parcerias é sensibilizar a população e transmitir noções sobre riscos e formas de prevenção. Também está prevista a criação de Núcleos de Defesa Civil NUDECS nos 53 bairros do município, dos quais apenas 5 foram implantados. Estes núcleos, constituídos por voluntários residentes na área, serão capacitados para orientar os moradores e têm também papel na identificação de situações com potencial de risco, que serão verificadas por técnicos. A Defesa Civil também vistoria e aciona a Secretaria de Obras para a manutenção do sistema de micro - drenagem nas encostas.

14 1.7.3 Contingência Não há nenhum plano de contingência para os riscos detectados no sítio histórico, nem mesmo para casos de incêndio. A Defesa Civil estruturou um plantão na estação das chuvas, onde acionará outros agentes responsáveis pelo desenvolvimento de ações emergenciais, como o Corpo de Bombeiros, a Polícia Militar e a Secretaria de Obras do Município que dispõe de equipamentos e máquinas para operacionalizar ações de contenção do fator de risco. Também a Secretaria de Políticas Sociais é acionada para o atendimento e apoio aos atingidos Mitigação A Secretaria de Políticas Sociais e Habitação apoia as vítimas, organizando e encaminhando os desabrigados a abrigos provisórios. A UFPE, através dos estudos e recomendações técnicas, tem orientado os órgãos de conservação e as ordens religiosas a respeito das intervenções necessárias para a estabilização dos monumentos e obras necessárias à recomposição das encostas, mutiladas por intervenções urbanas executas no século XX. 1.8 As lacunas do sistema de gestão atual A análise do marco legal e institucional e das tarefas atuais de gestão do risco, a permite detectar as seguintes lacunas: Ausência de uma instância institucional para a gestão dos riscos, com atribuições específicas; Não há monitoramento sistemático de riscos e nem mapeamento de áreas críticas; Equipes técnicas e de fiscalização sub-dimensionadas e sem capacitação para atuar nas tarefas relacionadas com a gestão do risco; Morosidade nos processos burocráticos e inexistência de mecanismos efetivos de cobrança de multas; Falta de controle sobre o acesso de veículos e de Plano Diretor de Transportes, ainda não elaborado conforme o previsto no Plano Diretor do Município de 1997; Inventário de Bens não contempla a prevenção de riscos, nem mecanismos para sua atualização; Falta de manutenção das redes de serviços (água, esgotamento sanitário, energia e telefonia); Não há Unidade do Corpo de Bombeiros no Município de Olinda; Não há infra estrutura para combate a incêndio, como hidrantes, extintores, etc; Não há Plano de Contingência para situações de emergência, nem treinamento da população para situações de emergência; Falta de participação social na gestão da conservação do patrimônio cultural de Olinda; Ausência de Programas de Educação Ambiental e Patrimonial; Ausência de envolvimento e articulação entre instituições envolvidas com a conservação do patrimônio;

15 Não observância da capacidade de carga do SHO, especialmente em eventos como o carnaval. 1.9 Problemas e avanços na Gestão do Risco Problemas As lacunas apresentadas no atual sistema de gestão do risco se manifestam como problemas, que por sua vez, agravam a situação, retroalimentando os riscos Falta de uma cultura de atuação preventiva; Baixo nível de consciência da população sobre riscos; Transferência da responsabilidade da conservação ao governo ; Ausência de fonte especifica de recursos para a conservação dos bens tombados; Ausência de estudos e pesquisas relacionadas com a prevenção de riscos ao patrimônio. Falta de representatividade no Conselho de Preservação de Olinda das instituições envolvidas com a gestão dos riscos Avanços Apesar dos inúmeros problemas acima citados, observa-se por parte do poder público municipal, que existe a percepção da necessidade da criação de um sistema de prevenção do risco e de um plano específico de gestão, da qual a criação do COMDECOL e a contratação de um corpo técnico para a Defesa Civil é um avanço nessa direção.

16 2 A PROBLEMÁTICA FUTURA DA GESTÃO DO RISCO 2.1 Os contextos possíveis de desenvolvimento da gestão do risco Contexto 1 Negativo Ineficiência municipal para implementar sistema de gestão da conservaqção que contemple a gestão do risco; Perda da articulação informal entre as secretarias municipais, com agravamento da indefinição de papéis e responsabilidades e ausência total de articulação de ações; Falta de envolvimento dos atores sociais e o baixo nível de consciência da conservação do SHO pela população; Crise econômica acarretando a ausência de investimentos públicos e privados para conservação do patrimônio cultural; Agravamento dos fatores de risco ao patrimônio cultural; Redução dos recursos municipais pelo aumento da inadimplência na cobrança de taxas e impostos e diminuição de repasses de recursos federais. Cenário 1 Negativo Gestão ocorre de forma desarticulada e pontual, sem participação de todos os atores envolvidos; Ausência de mecanismos de captação de recursos; Inexistência de recursos para a conservação e não disponibilidade de recursos humanos e materiais; Condições desfavoráveis ao controle do risco; Inexistência de Plano de Gestão do Risco. Contexto 2 Permanência das condições atuais Continuidade das práticas de participação social na gestão municipal, estimulada pelo Orçamento Participativo; Criação de novos fóruns de discussão e participação popular; Implementação de sistema de monitoramento e controle; Reestruturação administrativa e definição clara dos papéis, atribuições e competências das secretarias municipais, relacionadas com a conservação do patrimônio; Permanência da crise econômica acarretando ausência de investimentos públicos e privados, para a conservação do patrimônio cultural; Redução dos fatores de risco ao patrimônio cultural. Cenário 2 Permanência das condições atuais: A partir da reforma administrativa se conseguirá maior participação dos diferentes atores e legitimação e comprometimento razoáveis; Aprimoramento dos mecanismos de captação de recursos para a gestão; Escassez de recursos humanos e materiais para a conservação; Condições desfavoráveis à implementação total do Plano de Gestão do Risco. Contexto 3 Positivo Aumento da participação social na gestão municipal; Criação de novos fóruns de discussão e participação popular; Implementação de sistema de monitoramento e controle; Reestruturação da administração municipal, com definição clara dos papéis, atribuições e competências das secretarias municipais, relacionadas com a

17 conservação do patrimônio e a conservação dos riscos, com a coordenação da secretaria responsável pelo patrimônio cultural de Olinda; Melhoria do contexto econômico, possibilitando investimentos públicos e privados para a conservação do patrimônio; Aumento do orçamento municipal pela redução da inadimplência no pagamento de impostos e tributos, e aumento dos repasses federais; Minimização dos fatores de riscos ao patrimônio cultural de Olinda. Cenário 3 Desejado Gestão do Risco ocorre de forma participativa, articulando os diferentes atores e com a legitimação e comprometimento de todos os envolvidos; Aprimoramento de mecanismos de captação de recursos para a gestão; Fundo específico para ações de conservação; Criação de condições favoráveis à conservação do patrimônio cultural; Disponibilidade de recursos humanos e materiais para a conservação; implementação do Plano de Gestão do Risco. 2.2 As ameaças e as potencialidades da gestão do risco para a conservação sustentável do SHO Face aos cenários acima expostos, a gestão do risco pode representar ameaças e potencialidades à conservação do SHO. As ameaças decorrem do cenário negativo e, em menor medida, do de permanência. As potencialidades estão relacionadas ao cenário desejado Ameaças Perda parcial ou total de bens; Perda do patrimônio ambiental; Perda do patrimônio arqueológico; Perda de referências culturais; Perda da ambiência; Redução da atividade turística; Imagem negativa da gestão local; Estímulo à postura descompromissada dos proprietários e usuários; Comprometimento de vidas; Evasão de recursos; Perda de financiamentos de organismos multilaterais; Perda do título de Patrimônio Cultural da Humanidade Potencialidades Permanência da integridade do patrimônio edificado e ambiental; Diminuição dos custos com a conservação; Diminuição dos impactos ambientais; Fortalecimento das atividades relacionadas ao turismo sustentável; Fortalecimento da competência da gestão local do patrimônio; Atração de investimentos produtivos; Captação de recursos privados e internacionais para a conservação; Comprometimento da população com a conservação e prevenção do risco.

18 3 O PLANO DE GESTÃO DO RISCO PARA A CONSERVAÇÃO DO SHO 3.1 O plano de gestão do risco para a conservação O Plano de gestão consiste num conjunto de ações e recursos técnicos, institucionais e financeiros logicamente ordenados, objetivando uma mudança nos procedimentos políticos, institucionais e administrativos, relativo ao controle dos riscos, para garantir a conservação dos bens patrimoniais. A elaboração de um Plano de Gestão da Conservação tem como requisitos prévios a montagem de uma estrutura organizacional, com a definição dos mecanismos de participação, negociação e decisão; a constituição de uma equipe técnica; a montagem de um programa de trabalho; a mobilização e a sensibilização das instituições e atores envolvidos no planejamento e a montagem de um esquema de comunicação e divulgação. 3.2 Diretrizes do Plano Abranger a prevenção, a contingência e a mitigação do risco, em uma perspectiva sistêmica; Ser aberto e envolver os diversos atores na prevenção dos riscos e conservação de bens patrimoniais; Ser flexível para contemplar as diferentes especificidades dos riscos, bem como aqueles não previstos; Implementação gradual, otimizando a utilização de recursos disponíveis; Fortalecendo da cultura de prevenção dos riscos. 3.3 Objetivos do Plano Objetivo Geral Elaborar um Plano de Gestão do Risco, para a salvaguarda do Patrimônio Cultural de Olinda, por meio da implementação de sistemática voltada para a prevenção, contingência e mitigação dos riscos Objetivos Específicos Indicar mecanismos de negociação e participação entre os diversos atores e instituições envolvidas na conservação dos bens patrimoniais; Contribuir para o desenvolvimento de ações voltadas para a estabilidade das encostas e taludes do sítio histórico; Contribuir para a implementação de sistemática de manutenção das estruturas físicas, visando à sua integridade; Propor ações sistemáticas para a prevenção de incêndios; Sugerir sistemática de avaliação e monitoramento de riscos; Integrar o processo de gestão do risco ao processo de conservação do patrimônio, dentro da ótica da conservação integrada;

19 Contribuir para conscientização dos moradores e usuários do SHO sobre a importância da conservação e da prevenção de riscos; Contribuir para minimizar os riscos à integridade física de moradores e usuários do sítio, decorrente de emergenciais; Contribuir para uma imagem positiva da gestão local do patrimônio. 3.4 O modelo adotado de Gestão do Risco O modelo adotado é o recomendado pelo Centro de Conservação Integrada Urbana e Territorial CECI, que segue quatro fases simultâneas e integradas, a saber: Análise e Valorização, Negociação, Proposições, Monitoramento e Controle. Esse modelo tem como pressuposto teórico o envolvimento e respeito à vida e aos valores da comunidade e as mudanças propostas foram pensadas em função de sua viabilidade e implantação no tempo, numa perspectiva de implementação gradual e progressiva. 3.5 Componentes do Plano Análise e Valorização Instalação de equipe técnica e dotação de suporte tecnológico às unidades da administração municipal diretamente envolvidas com a análise e avaliação do risco à conservação dos bens patrimoniais, de modo a manter informações atualizadas procedentes de trabalhos já realizados e vistorias em campo, como levantamento de pontos de risco e inventários de bens, principalmente considerando o seu estado de conservação; Estabelecimento de padrões de avaliação dos riscos e do desempenho da conservação dos bens, bem como sua periodicidade; Construção de indicadores de riscos, para acompanhamento periódico da conservação Monitoramento e Controle Montagem de um sistema de monitoramento e controle de riscos, agregando informações provenientes dos diferentes órgãos envolvidos com a conservação dos bens patrimoniais e o controle dos riscos; Implementação de rotinas de coleta de informações sobre o nível dos riscos aos bens patrimoniais; Parametrização dos níveis de riscos e acompanhamento do seu comportamento Negociação Identificação e sensibilização dos atores sociais relacionados com a prevenção dos riscos; Estabelecimento de mecanismos de negociação e integração das instituições envolvidas com a conservação do patrimônio cultural de Olinda; Realização de fóruns locais para a discussão da gestão dos riscos e conservação do patrimônio, e escolha de representantes da sociedade para participar do sistema de prevenção dos riscos.

20 3.5.4 Proposições As proposições para a gestão do risco referem-se ao monitoramento, prevenção, contingência e mitigação do risco Monitoramento Implementação de um sistema de monitoramento de riscos, abrangendo fatores naturais e fatores antrópicos, por meio do acompanhamento aos fatores de risco mais relevantes para o SHO ( o anexo II apresenta uma proposta de matriz de variáveis), abrangendo: Criação de sistemática de acompanhamento e controle dos fatores de risco, com definição de responsabilidades pela sua alimentação; Atualização do inventário de bens imóveis e cadastramento de áreas públicas; Cadastramento de pontos críticos e parametrização dos riscos; Mapeamento de áreas e pontos de risco Prevenção Capacitação da equipe de campo para fiscalização de danos ambientais; Contratação de Consultorias Técnicas - áreas de oceanografia e mecânica de solos e outras - visando levantamento da situação, o monitoramento e a elaboração de propostas técnicas; Instalação de um sistema contra raios. Revisão dos sistemas de drenagem, de instalações hidro-sanitárias e elétricas, de acordo com as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas); Controle de tráfego de veículos no perímetro do sítio histórico; Capacitação da equipe de campo para fiscalização de intervenções irregulares nas edificações; Elaboração de um plano de fiscalização para atendimento às novas demandas, contemplando também situações irregulares e de risco; Revisão do código de obras do município, visando à incorporação de ações à prevenção de riscos; Implantação de infra-estrutura de combate a incêndio; Reassentamento de moradores em invasões nas encostas nos pontos de risco; Elaboração de Planos de Prevenção e Contingência para Edificações PPCE, que concentrem bens móveis e integrados de valor histórico, cultural e artístico, contemplando treinamento dos moradores, usuários e funcionários para atuar em ações emergenciais;

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

Recife (Pernambuco), Brazil

Recife (Pernambuco), Brazil Recife (Pernambuco), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Geraldo Julio de Melo Filho Nome do ponto focal: Adalberto Freitas Ferreira

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers

Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings ALSHOP Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers São Paulo, 26 de julho de 2012 Marcelo Drügg

Leia mais

Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: MEIO AMBIENTE Visão: Que Santa Maria seja um município bom para se viver, propício ao desenvolvimento de empreendimentos sustentáveis e que cumpre as diretrizes das Conferências Mu Elaborar,

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO 148 Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO Wellington Lima Pereira; Cleide Amorim Leite RESUMO

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR-4.3.2 e ao IPHAN. 2-No item

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Documento de Visão Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI

Documento de Visão Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI Versão 1.1R01 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor (es) 12/08/2008 1.0 Documento inicial Márcio Roehe 26/08/2008 1.1 Revisão Ajustes e complementação Roberto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version RECOMENDAÇÃO Nº 002/2010 (Prodemac) O Ministério Público do Estado do Amapá, por seu representante legal com atuação na Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, Conflitos Agrários, Habitação e Urbanismo,

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ Agosto/2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PO-05/2013 Unidade Responsável: Gestão de Programas OBJETIVO: Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação da Política de Salvaguardas

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados)

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Legislação Municipal Lei nº 3.404 de 5/06/2002 - Dispõe sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS ILUMEXPO 2015 4ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada / Junho 2015 IBAM, MUNICÍPIO E

Leia mais

Gerenciamento de Risco

Gerenciamento de Risco CAPÍTULO 17 Gerenciamento de Risco Organização da Defesa Civil 17. 1 Procedimentos para a gestão do risco 17. 2 Ações permanentes de Defesa Civil em áreas de morros 17. 3 Plano Preventivo de Defesa Civil

Leia mais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO GIDES Fortalecimento da Estratégia

Leia mais

PRODETUR NACIONAL COMPONENTE I: PRODUTO TURÍSTICO ANEXO F CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE PATRIMÔNIO HISTÓRICO

PRODETUR NACIONAL COMPONENTE I: PRODUTO TURÍSTICO ANEXO F CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE PATRIMÔNIO HISTÓRICO PRODETUR NACIONAL COMPONENTE I: PRODUTO TURÍSTICO CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE PATRIMÔNIO HISTÓRICO 1. INTRODUÇÃO. 2 Este documento tem a finalidade de estabelecer

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA

PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA Estabelece normas básicas e dispõe sobre condições gerais de funcionamento de estabelecimentos que prestam atendimento institucional e abrigo a idosos, e

Leia mais

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva ESTRUTURA DE ORGANIZACIONAL DO PROGRAMA O esquema organizacional do Programa,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL

AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL 2.º CURSO SOBRE GESTÃO E MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS DANIELE GIDSICKI FLONA DE IPANEMA, 16 DE AGOSTO DE 2012 Fotos: Daniele Gidsicki

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Assessor Executivo Luis Roberto Wanderley de Siqueira Diretor Presidente da Empresa de Manutenção

Leia mais

DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013

DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 Ementa: Institui o Comitê de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas do Recife - COMCLIMA e o Grupo de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas - GECLIMA e dá outras

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

O CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - CEPRAM, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o que consta no processo nº 2002-000186/TEC/NT- 0001..

O CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - CEPRAM, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o que consta no processo nº 2002-000186/TEC/NT- 0001.. RESOLUÇÃO Nº 2.933 DE 22 DE FEVEREIRO DE 2002 Aprova a Norma Técnica NT-002/02, que dispõe sobre GESTÃO INTEGRADA E RESPONSABILIDADE AMBIENTAL, para as Empresas e Instituições com atividades sujeitas ao

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 11ª Reunião da Câmara Técnica de Unidades de Conservação e 36ª Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 27 e 28 de agosto

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE 2005. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Administração Direta do Poder Executivo e dá outras providências.

LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE 2005. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Administração Direta do Poder Executivo e dá outras providências. Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XI - Nº: 2.273-01/01/2005 Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Lei nº 9.011 de 1º de janeiro de 2005 - Anexos LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

XXI Conferência Nacional dos Advogados

XXI Conferência Nacional dos Advogados DIFICULDADES RELACIONADAS AO E À AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. XXI Conferência Nacional dos Advogados Eng. Florestal MSc. Dr. Joesio D. P. Siqueira Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos Ltda.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADO EM PLACAR Em 26/10/05 Mª Neide Freire da Silva Mat. 13941 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 271, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e Organograma da Guarda Metropolitana

Leia mais