Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos"

Transcrição

1 Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos Resumo Hugo Machado de Castro MBA Gestão da Qualidade e Engenharia de Produção Instituto de Pós-Graduação e Graduação IPOG Goiânia, GO, 1º de junho de 2012 Este artigo tem como proposta demonstrar os ganhos de produtividade e qualidade obtidos com a utilização de princípios simples da filosofia conhecida como Sistema Toyota de Produção (STP) em uma indústria de produtos médicos de pequeno porte localizada na cidade de Goiânia. O estudo se deu num período de aproximadamente três meses, de janeiro a março de A linha escolhida foi a de insufladores, que estava passando por um aumento de demanda. A fim de avaliar o desempenho do Sistema, foram utilizados cinco indicadores de desempenho de produtividade e qualidade para realizar a comparação entre o estado anterior e o atual. Através destes indicadores, podemos comprovar o êxito da implementação com números coerentes com os encontrados na bibliografia, sendo bem superiores aos anteriores, o que mostra a eficácia do STP. Palavras-chave: Sistema Toyota de Produção (STP). Produção Enxuta. Produtividade e qualidade. Layout em U. 1. Introdução Este artigo tem por objetivo demonstrar como o Sistema Toyota de Produção (STP) traz melhorias significativas com a adoção de ferramentas simples e baixo investimento. A proposta do STP, ou lean manufacturing (manufatura enxuta), consiste em treinar o olho do administrador para procurar as melhorias de uma maneira diferente da tradicional, focando não nas operações em si, mas nos desperdícios, sem perder de vista o valor para o cliente. Ele mostra que a fração que não agrega valor compõe a maioria esmagadora do lead time (também conhecido como tempo de atravessamento, é igual ao tempo de processamento somado com os tempos de parada) e olhar os processos buscando atuar nas perdas em primeiro lugar tem um impacto mais significativo. Uma vez compreendendo os conceitos dos sete desperdícios e os cinco princípios, os trabalhadores envolvidos têm a receita para implantar a filosofia, sendo que a maior parte das medidas não necessita de investimentos e aquisições, basta organização e comprometimento dos envolvidos. Associados a esses conceitos, temos outros secundários e algumas ferramentas, de igual importância para a obtenção dos resultados, que serão explicados a seguir. Este estudo consiste em mostrar, através de cinco indicadores (de qualidade e produtividade), como o sistema enxuto é capaz de promover ganhos consideráveis sem aumentar o número de operadores e máquinas. 2. Fundamentação Teórica 2.1. Sistema Toyota de Produção (STP)

2 Os Sete Desperdícios A Toyota começou a chamar a atenção do mundo na década de 80, quando conseguia produzir carros extremamente confiáveis a um custo competitivo enquanto a indústria automobilística americana passava por uma crise. Os veículos japoneses duravam mais e exigiam menos manutenção. Mesmo que na época a Toyota ainda fosse uma fabricante muito menor do que as três grandes americanas (GM, Ford e Chrysler), ela mostrava um grande crescimento. Assim se manteve, até que em 2003 ultrapassou a Chrysler em vendas e seu lucro já era o maior da indústria automobilística. (LIKER, 2005) Diante de tais resultados, desde a década de 80, a indústria mundial queria descobrir qual seria o segredo de seu sistema baseado na eficiência, o que mais tarde ficou conhecido como Sistema Toyota de Produção (STP). Ele consiste numa filosofia baseada na redução de desperdícios. Segundo Womack e Jones (2004), desperdício é qualquer atividade humana que absorve recursos, mas não cria valor. Taiichi Ohno, executivo da Toyota, identificou os chamados sete desperdícios e os classificou da seguinte forma: a) Superprodução: produção de itens para os quais não há demanda, o que gera perda com excesso de pessoal e de estoque, o que, por consequência, exige mais espaço e transporte de materiais; b) Espera: tempo de um funcionário que é desperdiçado aguardando algo, como a conclusão da tarefa de uma máquina, a chegada de peças ou ferramentas, o término de um processo anterior por algum problema ou gargalo da linha, falta de matéria-prima, etc.; c) Transporte desnecessário: movimentação de materiais ineficiente, por longas distâncias, entre processos ou entre a produção e o estoque; d) Superprocessamento: passos desnecessários na fabricação de um produto, seja por ineficiência do processo ou de uma ferramenta, seja por oferecer um produto com uma qualidade superior à necessária; e) Excesso de estoque: excesso de matéria-prima, de estoque em processo (work-in-process, ou WIP) ou de produtos acabados, o que provoca lead times mais longos, produtos danificados e obsoletos, custos extras de transporte e armazenamento e atrasos. O estoque excessivo também funciona como um ocultador de problemas: desbalanceamento de produção, atraso de fornecedores, esperas em processo e defeitos de produto; f) Movimento desnecessário: movimento dos funcionários que não agrega valor efetivamente, como caminhar, procurar, pegar, guardar ou empilhar peças e ferramentas; g) Defeitos: produção ou correção de peças defeituosas e inspeção significam perda de manuseio, tempo e esforço; consertar, retrabalhar, substituir ou descartar peças. Atualmente, fala-se do oitavo: desperdício da criatividade dos funcionários. São os funcionários que executam o trabalho diariamente e, portanto, podem contribuir fortemente para melhorias nos processos ainda que não tenham formação sobre o mesmo. Não ouvi-los gera perda de tempo, de ideias, de oportunidades de melhorias e aprendizagem. Taiichi Ohno considerava a superprodução como o pior dos sete, pois ele é capaz de gerar todos os outros (LIKER, 2005).

3 Diante desses conceitos, temos então o foco do sistema enxuto: reduzir os desperdícios. E é isso que o difere da metodologia tradicional de melhoria. A abordagem tradicional direciona os esforços para as etapas do processo que agregam valor, buscando aumentar a eficiência local do processo. De maneira geral, essa sistemática gera pouco impacto no fluxo de valor, pois, na maioria dos processos, as etapas que agregam valor constituem uma parte muito pequena do lead time como um todo. Para a realização de melhorias efetivas, é preciso identificar no processo quais são os pontos de desperdício. A primeira etapa é fazer a distinção entre movimentação e trabalho. É considerado trabalho no STP somente as etapas que agregam valor. (NARUSAWA; SHOOK, 2009). O segundo passo é a organização da produção em células para facilitar o fluxo unitário de peças. A célula consiste em agrupar processos afins em uma sequência lógica de tarefas, de modo que as distâncias são reduzidas ao mínimo e o produto flui rapidamente entre as etapas. O fluxo unitário diminui também os estoques intermediários e a espera, colaborando para a eliminação da maioria dos oito desperdícios (LIKER, 2005) Os Cinco Princípios do Pensamento Enxuto Em contraposição aos desperdícios, temos os cinco princípios enxutos, organizados numa sequência de implantação que visa às melhorias da forma descrita acima no que foi denominado Pensamento Enxuto. O pensamento enxuto é uma forma de fazer cada vez mais com cada vez menos menos esforço humano, menos equipamentos, menos tempo e menos espaço e, ao mesmo tempo, aproximar-se cada vez mais de oferecer aos clientes exatamente o que eles desejam (WOMACK; JONES, 2004). Entenda-se por cliente, não somente o agente externo que gera demanda, mas também os clientes internos, que são sucessores de uma dada etapa no processo. Os cinco princípios do pensamento enxuto são: a) Valor: definição do que é valor para o cliente. Só é significativo quando expresso em termos de um produto específico [...] que atenda às necessidades do cliente a um preço específico em um momento específico. (WOMACK; JONES, 2004). b) Fluxo de valor: uma vez definido o valor, o próximo passo é identificar o conjunto de ações que levam um produto ou serviço a passar pelas três fases de um negócio: solução de problemas (vai da concepção ao lançamento do produto), gerenciamento da informação (vai do recebimento do pedido à entrega) e transformação física (vai da matéria-prima ao produto acabado). A análise do fluxo de valor mostra três tipos de tarefas: as que agregam valor; as que não agregam valor, mas são necessárias e as que simplesmente não criam valor e devem ser eliminadas imediatamente. c) Fluxo: após a identificação do fluxo de valor, deve-se fazer com que o produto ou serviço flua através das etapas que criam valor. O objetivo desta fase é fazer com que os empecilhos ao fluxo contínuo desapareçam, ou seja, tentar eliminar os pontos de espera, retrofluxos e fronteiras tradicionais de tarefas. É a mais efetiva na redução de desperdícios. d) Puxar: depois de eliminados os entraves que impedem o fluxo contínuo, a etapa seguinte é a puxada. De acordo com Womack e Jones (2004), um processo inicial não deve produzir um bem ou serviço sem que o cliente de um processo posterior o solicite. O cliente provoca a necessidade do produto ou serviço, gerando um fluxo de informações do fim para o início e um fluxo de peças em sentido contrário.

4 e) Perfeição: o último princípio aparece naturalmente quando os quatro anteriores interagem entre si ciclicamente A Casa do STP Fazer com que o valor flua mais rápido sempre expõe os desperdícios ocultos no fluxo de valor. E, quanto mais você puxar, mais revelará os obstáculos ao fluxo, permitindo sua eliminação. Equipes de produto dedicadas em diálogo direto com clientes sempre encontram formas de especificar o valor com maior precisão e, muitas vezes, aprendem formas de ampliar o fluxo e a puxada também (WOMACK; JONES, 2004). O discípulo de Taiichi Ohno, Fujio Cho, desenvolveu uma representação para o Sistema Toyota de Produção que ficou conhecido como Casa do STP (figura 01). Ela é uma representação resumida e completa de todo o modelo Toyota, permitindo o entendimento total de seu funcionamento. Foi escolhida uma casa pela estrutura que ela representa, indicando que uma construção só é forte se suas colunas e suas fundações forem fortes, sustentando um telhado com as metas do Sistema. Figura 01 Casa do STP Fonte: Liker, 2005 Na base da casa, temos a Filosofia do Modelo Toyota, as maneiras de pensar e agir da empresa, seus princípios e valores. Ela também é sustentada por ferramentas de gestão visual, ou seja, deixam em destaque informações importantes como instruções de montagem, quadros de acompanhamento de produção (QAP), mostrando indicadores em tempo real, kanbans, avisos de qualidade, tabelas e figuras, dentre outros dispositivos visuais de rápida consulta e que permitem atuação imediata em caso de problema. Processos estáveis e validados também estão na base do Sistema; processos certos geram produtos certos e, além disso, eles devem ser padronizados para que levem sempre

5 aos mesmos resultados independentemente do operador que o realize. Por último, temos o nivelamento da produção (ou heijunka), que significa equilibrar a produção em volume e variedade de produtos, ou seja, não fabrica produtos de acordo com o fluxo real de pedidos dos clientes, o que pode subir e descer drasticamente, mas toma o volume total de pedidos em um período e nivelaos para que a mesma quantidade e combinação sejam produzidas a cada dia (LIKER, 2005). Os dois pilares de sustentação do Sistema são o Just-in-time (JIT) e a autonomação. Just-in-time significa fazer a peça certa, na quantidade certa, no tempo certo, ou seja, atender completamente o cliente, produzindo exatamente o que ele deseja, sem exceder em número e entregando no momento exato. Isso é realizado através de planejamento de produção a partir do cálculo do takt-time (do alemão, takt significa ritmo; é o tempo médio de demanda de uma peça ou serviço pelo cliente; a fabricação deve ser dimensionada para atender exatamente essa frequência). Em seguida, os princípios do fluxo contínuo e da produção puxada garantem o atendimento dos requisitos do cliente e redução dos estoques (final e WIP), complementados por setups rápidos e logística integrada, que reduzem desperdícios como espera, excesso de estoque e transportes desnecessários. A autonomação, ou jidoka, consiste na utilização de equipamentos com sistema de parada automática quando ocorre algum problema. São máquinas inteligentes que interrompem os processos para que o problema seja eliminado na fonte e no momento em que ocorrer. É a qualidade no setor, que impede que os problemas passem adiante, é muito mais eficaz e onera menos do que a inspeção e o conserto posteriores dos problemas de qualidade. (LIKER, 2005). Como complemento ao jidoka, temos os sistemas andon (utilização de sinais de luz), utilizados como alarme para indicar o local do problema e o treinamento de operadores para realizarem inspeções locais em cada etapa. No interior da casa, temos as pessoas, entidades mais importantes do STP e garantia da sua existência. Para tal, as pessoas devem ser selecionadas, treinadas e devem ter metas em comum com a empresa. Ainda na parte interna, temos algumas práticas que visam à redução das perdas. O genchi genbustu (do japonês, significa vá e veja ) consiste em compreender plenamente determinada condição através de observação pessoal direta da realidade (MARCHWINSKI; SHOOK, 2007). Mas ele só tem o resultado maximizado, se for aplicado com uma observação direcionada para a identificação das perdas. Por último, temos a técnica dos cinco por quês, que tem a finalidade de encontrar a causa raiz dos problemas. Ela se resume em perguntar sucessivamente o porquê de algo até que a origem real seja encontrada. Desta forma, pode-se solucionar a causa, eliminando o mal definitivamente. A partir desta base, destes pilares e deste interior, fica fácil chegar aos objetivos do STP, que são a qualidade com baixo custo e redução do lead time. Pois, segundo Liker (2005), a chave para o modelo Toyota e o que o faz sobressair-se não é nenhum dos elementos individuais... Mas o importante é ter todos os elementos reunidos como um sistema. Tudo isso com segurança e moral alto dos funcionários pela conquista dos objetivos com redução de esforço Layout em U A manufatura celular é um tipo de organização de linhas de produção em agrupamentos. Ela consiste em aproximar recursos afins nos chamados centros de trabalho ou células. Esses recursos podem ser reunidos por critérios variados: pelo produto fabricado, por similaridade de processos,

6 por utilização de máquinas, ou mesmo por mais de um critério simultaneamente. O layout em U é um tipo de organização celular em que os grupos de trabalho são dispostos em formato de ferradura, de modo que a entrada e a saída da linha fiquem próximas. Dessa forma, todos os recursos são arranjados de forma compacta, aprimorando o transporte de materiais. Além disso, os trabalhadores normalmente trabalham dentro do U, assim as distâncias são menores e há troca fácil de informações e funções, conforme a figura 02. Assim, quando há alteração da demanda, as tarefas podem ser redistribuídas entre os operadores facilmente, de modo que se possa alterar o número de pessoas na linha. No layout em U, um trabalhador pode controlar mais de uma máquina, visitando-a uma vez a cada ciclo de produção. A cada etapa, ele se movimenta para a tarefa seguinte e retorna à primeira assim que o ciclo designado a ele for concluído. Figura 02 Layout em U Fonte: (2012) Segundo Lemos e Fogliatto (2003), sua utilização oferece duas vantagens: a) Redução do tempo de atravessamento e melhoria da qualidade; b) Aumento na flexibilidade de mix, de tamanho de lote de produção e facilidade na introdução de novos produtos. De acordo com Milterburg (apud Lemos; Fogliatto, 2003), essas características fazem com que esse tipo de layout seja bastante utilizado em linhas de produção que adotam o JIT. Para isso, é necessário o treinamento dos operadores em diversas funções para permitir a flexibilidade e para realização de inspeção em processo, garantindo a qualidade no local e correção imediata dos problemas.

7 3. Estudo de Caso Este estudo de caso mostra os resultados advindos da implantação de conceitos lean na linha de produção de um item denominado insuflador, em uma indústria de produtos médicos situada em Goiânia, no período de janeiro a março de Para essa avaliação, serão mostradas as condições antes da mudança proposta, juntamente com seus indicadores, e o estado final, com seus respectivos ganhos. Devido ao longo tempo de implantação e às várias particularidades que ocorreram, serão relatados os fatos mais relevantes para os objetivos do artigo. A motivação para a implantação dos princípios enxutos nessa linha foi um aumento da demanda provocado por exportações. Foram realizadas algumas vendas para o mercado externo com um prazo tal, que precisaríamos dobrar a produção de insufladores e assim mantê-la por praticamente seis meses a fim de atendê-las. Além disso, era preciso uma solução de baixo custo, sendo inviável dobrar a linha pelos investimentos necessários em equipamentos. Nesse sentido, o STP atenderia aos requisitos, pois ele consiste basicamente em uma série de princípios, não exigindo aquisição de novos recursos, como máquinas ou trabalhadores. Modificando o enfoque da produção para atender exclusivamente os clientes e direcionando o olhar e as melhorias para os desperdícios, seria possível atingir os objetivos de produtividade propostos, conforme mostram números dos ganhos conseguidos em várias empresas citadas na bibliografia. Os indicadores escolhidos para a análise dos resultados foram: a) Lead time de produção; b) Produtividade por operador; c) Capacidade de produção; d) Índice de reprocessos (falhas passíveis de correção) e) Índice de refugos (produtos rejeitados por falhas incorrigíveis) 3.1. O produto e sua fabricação O produto em análise é chamado comercialmente de insuflador (figura 03). Ele é um aparelho utilizado para monitorar e aplicar pressão em dispositivos médicos. É composto por diversas partes plásticas injetadas em outra empresa e que são unidas através de processos de montagem e colagem até que o produto esteja pronto. Antes da liberação, ele passa por uma inspeção do controle de qualidade, onde é feito um teste de pressão para verificar as propriedades de medição e vedação do produto. As matérias-primas e a sequência de fabricação serão mais bem detalhadas à frente. Para o estudo, não foi modificado nenhum processo, apenas aplicamos ferramentas e princípios da filosofia lean a fim de obter ganhos de produtividade, sem alterar a maneira de produzir, que já estava devidamente validada.

8 A produção antes do estudo Figura 03 Insuflador Fonte: (2012) A produção anterior ao estudo era feita por dois operadores trabalhando um ao lado do outro num layout em linha reta. Cada um deles realizava tarefas paralelas independentes que posteriormente seriam unidas numa montagem final. A fabricação também contava com uma parte montada anteriormente, denominada subconjunto. O subconjunto é um item produzido internamente e que serve de matéria-prima para outros produtos posteriormente. Essa prática é bastante prejudicial ao lead time, pois uma matéria-prima que entra para produção deve esperar a produção do subconjunto em si e ainda esperar ser consumido pelo produto final que ele compõe. Isso pode ser verificado nos indicadores que serão apresentados posteriormente. No produto em questão, há dois níveis de subconjuntos conector macho e subconjunto - e a montagem era feita em três etapas, realizadas em dias diferentes, conforme a figura 04:

9 Figura 04 Estrutura do insuflador (matérias-primas e sequência de montagem) com subconjuntos Fonte: Figura produzida pelo autor (2012) O Conector Macho e o Subconjunto são itens menores e mais rápidos de serem produzidos, portanto suas ordens de produção eram abertas em quantidade maior que a do insuflador. A capacidade média para o conector macho era de 1000 unidades diárias; a do subconjunto era de 500 unidades, desde que houvesse conectores prontos, e a do insuflador era de 100 unidades, desde que, da mesma forma, houvesse subconjuntos prontos. Já que estes itens eram usados como matéria-prima do seu subsequente em outro dia, eles eram reembalados e devolvidos ao estoque. Posteriormente, eram requisitados e retirados da embalagem. Assim, o produto, que poderia seguir a sequência e completar a montagem, voltava ao início da cadeia. Esse método gerava quatro dos sete desperdícios: o movimento desnecessário dos operadores, que leva a um processamento desnecessário, juntamente com o transporte desnecessário do material, que também precisava de uma área maior de estoque para ser guardado. Essa era uma divisão formal, feita no sistema ERP da empresa, com abertura de ordens de produção em separado. Mas, na prática, também havia subconjuntos virtuais em praticamente todas as etapas (representadas pelos retângulos brancos). Isto significa que o fluxo contínuo era inexistente e cada tarefa era realizada com todas as unidades. O processo seguinte só era iniciado quando o seu antecessor havia sido completamente concluído. Esse procedimento gerava enormes estoques em

10 processo, que, além de ocultar uma série de ineficiências, não soltavam nenhum produto acabado até poucas horas antes do fim do dia, quando todos eles eram processados na última etapa e eram liberados rapidamente para a inspeção final, sobrecarregando-a. O controle de qualidade, por sua vez, era feito em duas partes: uma inspeção visual, para detecção de partículas de sujeira, e um teste de pressão, para garantir as características funcionais do produto. A recomendação de uso, tanto no manual do insuflador, quanto no do cateter balão (item conectado ao insuflador), é de 6 atm e o teste era realizado nessa pressão. Quaisquer produtos que fossem reprovados no controle voltavam para reprocessamento, se fosse possível corrigir o problema, ou eram rejeitados, caso contrário A implantação e a produção após o estudo Seguindo um mandamento da cultura oriental, foi gasto mais tempo em aprendizado e planejamento do que na execução em si. Durante aproximadamente seis meses, a equipe lean fez treinamentos, cálculos e simulações, para só então partir para a implantação. Antes de qualquer interferência no método antigo e, seguindo a ideia do genchi genbutsu, a equipe foi ao gemba (chão-de-fábrica) e observou a produção por inúmeras vezes, sendo que por dois dias, executou o processo. Dessa forma, nos aproximamos dos operadores e fomos capazes de perceber algumas peculiaridades que facilitaram a implantação. A partir de então, atacamos sob o foco dos cinco princípios. Uma vez que o maior valor para o cliente era a estanqueidade do produto, ou seja, a capacidade de reter pressão e gerar vácuo, o primeiro passo foi aumentar o rigor do teste final. A máquina, que antes realizava o teste na pressão recomendada de trabalho, foi aperfeiçoada para fazê-lo com o triplo (18 atm), garantindo que a peça aprovada saísse com coeficiente de segurança bastante alto e não falhasse no cumprimento de sua função mesmo que o usuário excedesse o que é indicado no manual de instruções. A fase seguinte para a implantação foi o mapeamento do fluxo de valor em toda a cadeia do insuflador. O mapeamento foi feito desde a rede de fornecedores até a venda, mas para este artigo, vamos focar apenas na parte de produção. Uma atividade dessa etapa consistia em fazer o estudo de tempo das operações (tarefas que realmente agregam valor juntamente com as que não agregam, mas são necessárias) para efetuar o balanceamento das operações entre os trabalhadores, permitindo que o fluxo contínuo aconteça de forma que eles realizem a sua parte com tempos da maneira mais equiparada possível. Assim, reduz-se a espera ao mínimo e, por consequência, os estoques intermediários (WIP). Com o fluxo de valor definido, passamos para a busca dos desperdícios e a eliminação dos empecilhos ao fluxo contínuo. Conforme verificado na bibliografia, é nas etapas que não agregam valor que se encontra a maior fração do tempo de atravessamento e, portanto, o maior potencial de impacto em sua redução. Cada atividade foi questionada e as operações identificadas que não agregavam valor e eram desnecessárias foram imediatamente cortadas. Nessa fase, a primeira atitude foi a extinção dos subconjuntos. De acordo com o que vimos, eles eram responsáveis por quatro dos desperdícios e já representariam um ganho significativo. Como pode ser visto na figura 05, a estrutura ficou mais simples. Isso implica numa separação de matériaprima única e numa montagem mais fluídica, pois não há interrupções no meio do processo e os desperdícios já citados foram eliminados.

11 Figura 05 Estrutura do insuflador (matérias-primas e sequência de montagem) após retirada dos subconjuntos Fonte: Figura produzida pelo autor (2012) Associado a isso, fizemos o planejamento do layout para o tipo U para aproximarmos as tarefas e reduzir os desperdícios de deslocamento de pessoas e de transporte. Inicialmente, fizemos o cálculo do takt time. Como a nova demanda era de 200 por dia, para uma jornada de oito horas diárias, o takt seria de 2min e 24s por peça. Já que a soma dos tempos que agregam valor é quase 7 minutos, o mínimo de operadores necessário para atender à demanda é três, pois o tempo do operador gargalo deve ser inferior ao tempo takt. Fizemos algumas tentativas de layout e particularidades surgiam mostrando que não eram a melhor opção: dificuldade de transferência do produto entre etapas consecutivas, limitação de espaço físico da sala, posição das máquinas e matérias-primas, concorrência dos recursos (máquinas e operadores) com outras linhas, etc. Após essas tentativas, o layout mais funcional foi o mostrado na figura 06.

12 Figura 06 Layout final da linha do insuflador Fonte: Figura produzida pelo autor (2012) Como se pode ver, o arranjo da linha ficou bem compacto, permitindo fácil comunicação e troca de materiais e funções entre os operadores. Essa característica reduziu drasticamente o estoque em processo e praticamente eliminou o transporte desnecessário de materiais. Apesar de o trabalhador III ter ficado fora do U, ele está à distância de um braço dos outros dois e o intercâmbio de tarefas entre os três ocorre facilmente. Foram realizados treinamentos de forma que, em cada posição, hoje, existam pelo menos duas pessoas capacitadas. Também foi implementada a inspeção em processo, ou seja, cada operador realiza um teste simples de qualidade para evitar que um produto defeituoso passe pelas outras etapas e só seja descoberto o problema no final da linha. O trabalhador I verifica um entupimento na primeira colagem, o II testa o giro do conector e o III procura por partículas no produto antes do fechamento. Essa prática de qualidade na fonte, evita a propagação dos defeitos e diminui o desperdício por retrabalho. Outra ferramenta que se mostrou bastante útil para o alcance dos objetivos foi o QAP (quadro de acompanhamento de produção), que é uma ferramenta de gestão visual utilizada para mostrar o desempenho da linha durante todo o dia em intervalos pequenos (de hora em hora ou menos, se possível), com um campo para anotações de problemas. Ele faz a comparação do realizado com a meta e permite ver se há desvios na quantidade, disparando a correção imediatamente. Quando os trabalhadores são treinados para entender a intenção do quadro, ele funciona também como estímulo para atingir a meta. No que diz respeito às partículas de sujeira, foi dado um tratamento diferenciado para a resolução do problema, pois a maior parte dos reprocessos era (e ainda é) por esse motivo. Como se trata de um fator externo ao processo de produção, executamos a técnica dos cinco porquês para identificar a causa raiz. Vimos que a origem do problema era a infraestrutura da sala, que permitia a entrada de sujeira e fizemos vedação do teto e colocação de divisória no corredor de entrada. Este foi o único investimento feito durante a implantação do sistema enxuto (inferior a 6mil reais) e beneficiou todas as outras linhas ao mesmo tempo.

13 Após as medidas para solucionar o problema do fluxo contínuo, deve-se atacar a puxada. Essa característica já era praticada pelo PCP e não foi modificada. O gatilho para abertura de ordem de produção é o sistema de supermercados, ou seja, mantém-se o estoque num nível mínimo para que não haja falta e a retirada feita pelo cliente dispara a reposição. O quinto e último passo, a perfeição, ocorre, como a bibliografia descreve, com a repetição dos quatro anteriores interagindo entre si. O resultado desejado não acontece no primeiro momento, é consequência desse ciclo e do aprendizado que ele gera Comparação e resultados A extinção dos subconjuntos reduziu de imediato o tempo de atravessamento por evitar o retrabalho de embalagem. Além disso, trouxe um benefício que se estendeu para além do setor produtivo: diminuiu também o tempo de trabalho do setor de PCP. A análise de necessidade de materiais do insuflador ficou muito mais simples. Anteriormente, era necessário verificar os estoques de todas as matérias-primas e dos subconjuntos. Havendo necessidade do insuflador, a análise passava para o subconjunto e, posteriormente, para o conector macho, disparando a abertura de ordens de produção de cada um. Juntamente com a ordem de produção única, o planejamento e as compras também ocorrem em um único momento, assim como o trabalho de separação do estoque de matéria-prima. Reduziu-se, por consequência, o espaço necessário para armazenamento, pois os subconjuntos, que antes tinham sua área, deixaram de existir. A obtenção do fluxo contínuo permitiu que pequenos problemas que antes passavam despercebidos fossem identificados e corrigidos. Conforme vimos, ele também consegue, ao longo do tempo, fazer com que a maioria dos sete desperdícios seja eliminada. Outro benefício é que permite a saída de produtos acabados periodicamente, desafogando a inspeção final e a embalagem. Uma vez iniciada a linha, após os primeiros 7 minutos, tínhamos um item pronto a cada 2 minutos durante todo o dia. Como a ordem de produção de conector macho era aberta para 1000 unidades, para a comparação dos lead times vamos considerar a produção de 1000 insufladores, que é quando todas as matériasprimas adquiridas no início são transformadas em produto acabado. Conforme podemos ver na tabela 01, o lead time antes da implantação do sistema enxuto era de treze dias úteis. Após a implantação, as mesmas 1000 unidades eram produzidas em apenas cinco dias, ou seja, uma redução de 61,5% no tempo de atravessamento. dia Produção Qtde dia Produção Qtde 1 Conector Insuflador Subconjunto Insuflador Insuflador Insuflador Insuflador Insuflador Insuflador Insuflador Insuflador Insuflador Subconjunto Insuflador Insuflador Insuflador 8 100

14 12 Insuflador Insuflador Tabela 01 Tempo de atravessamento antes e depois do sistema enxuto Fonte: Dados produzidos pelo autor (2012) Outro benefício inerente à redução do lead time é referente ao fluxo de caixa da empresa. Enquanto no método anterior comprava-se em lotes de mil e só se tinha produtos prontos para venda após o terceiro dia, no método novo, as compras poderiam ser feitas em lotes cinco vezes menores (bastando aumentar a freqüência) e havia produtos disponíveis para venda após o primeiro dia. Ou seja, o tempo entre a despesa e a receita se estreita, reduzindo também a dependência de capital de terceiros. Em complemento a isso, o nível de estoque de produtos acabados também pode ser menor, pois o tempo de resposta da produção para repor as vendas é bastante inferior e ela é capaz de entregar quantidades maiores diariamente, se necessário. Analisando agora a produtividade por operador, temos inicialmente dois operadores trabalhando por treze dias para produzir as 1000 unidades, ou seja, uma média de 38,5 unidades/operador/dia. Atualmente, são três operadores trabalhando por cinco dias, resultando em 66,7 unidades/operador/dia: um aumento de 73,3%. A capacidade de produção mensal (considerando 22 dias úteis) passou de menos de 1700, para 4400 unidades. Houve um acréscimo de 160% com a adição de apenas um operador na linha. O índice de reprocessos nos meses anteriores à mudança girava em torno dos 35%. Com as alterações estruturais e a prática de inspeção em processo, esse número foi reduzindo gradativamente até chegar a 12%. O reprocesso na maioria dos casos implica em desmontar o produto e remontá-lo, isso significa que leva praticamente o mesmo tempo de fabricar um item novo, ou seja, essa melhoria, sozinha, já aumentaria a capacidade em mais de 20%. Já o índice de refugo, mesmo com as mudanças citadas acima, teve um aumento de 1% para 2%, pois o teste final ficou três vezes mais rigoroso, não sendo, portanto, influenciada exclusivamente pela implantação do sistema lean. É provável que esta variável ficasse inalterada ou que fosse reduzida pela inspeção na fonte, se o teste não tivesse sido modificado. Em resumo: 4. Conclusão Indicador Antes Depois Melhoria Tempo de atravessamento (lead time) (dias) ,5% Quantidade por operador por dia (unidades) 38,5 66,7 73,3% Capacidade mensal (unidades) 1692,3 4400,0 160,0% Índice de reprocessos (%) 35% 12% 65,7% Índice de refugos (%) 1% 2% -100,0% Tabela 02 Indicadores de desempenho da implantação Fonte: Dados produzidos pelo autor (2012) Conforme verificado nos indicadores, o Sistema Toyota de Produção é realmente eficiente naquilo

15 que propõe. Atacando os desperdícios sem modificar a fração que agrega valor, ele promove o ganho de produtividade sem perda de qualidade, pois não altera processos. Os números mostram que obtivemos ganhos simultâneos de produtividade e qualidade. Esse resultado foi obtido com apenas três alterações na linha: a introdução de um operador, uma modificação na máquina de teste e uma alteração estrutural no ambiente. O investimento foi irrisório se comparado ao ganho global de 2700 peças por mês. Com um lucro médio de R$ 10,00 por peça, se trabalharmos na capacidade, recuperamos o gasto das mudanças em uma semana. Produzindo mais com os mesmos recursos, estamos aumentando a competitividade da empresa, pois o custo fixo é diluído entre uma maior quantidade de produtos. Para este estudo, o sistema enxuto foi utilizado exclusivamente na produção, mas os princípios da filosofia são universais, podendo ser aplicados em qualquer área da empresa e também fora dela. Os resultados em qualquer departamento, ou até mesmo fora da empresa, seriam semelhantes: diminuição do tempo total das atividades, maior produtividade com os mesmos recursos e melhoria financeira (aumento das receitas com poucos gastos e redução do intervalo entre recebimentos e despesas). Referências WOMACK, James P.; JONES, Daniel T. A mentalidade enxuta nas empresas: elimine o desperdício e crie riqueza. Rio de Janeiro: Elsevier, LEMOS, Fernando de Oliveira; FOGLIATTO, Flávio Sanson. Implantação de layout tipo U na linha de produção de uma empresa de pequeno porte. Porto Alegre, LIKER, Jeffrey K. O modelo Toyota: 14 princípios de gestão do maior fabricante do mundo. Porto Alegre: Bookman, WOMACK, James P.; JONES, Daniel T.; ROOS, Daniel. A máquina que mudou o mundo. Rio de Janeiro: Elsevier, NARUSAWA, Toshiko; SHOOK, John. Kaizen Express Fundamentos para a sua jornada lean. São Paulo: Lean Institute Brasil, MARCHWINSKI, Chet; SHOOK, John. Léxico lean: glossário ilustrado para praticantes do pensamento lean. São Paulo: Lean Institute Brasil, 2007.

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Declaração de Conflitos de Interesse Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Lean na Microbiologia Conceito de Lean Cláudio Pereira Diretor Regional NKB RJ Agenda Lean Thinking Sistema de Produção da Toyota

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS 1. Por que adotar o Lean Office? Parabéns! Você já conseguiu estabelecer o fluxo contínuo em suas atividades do chão de fábrica.

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta RESUMO Danieli Tavares Rates da Silva 1 Rogério de Souza 2 Anderson da Silva 3 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos P G Q P Gestão de Produtividade Ivan De Pellegrin Produttare Consultores Associados Alexandre Soares Medabil Sistemas Construtivos Plano de Vôo 1. Introdução a. Produtividade um dos requisitos... b. Indicadores

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5F)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4)2*OHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ANÁLIS CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

Leia mais

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Autor: José Roberto Ferro Novembro de 2010 Ao adotar conceitos do Sistema Lean na logística, como Sistema Puxado, Milk Run e Rotas de Abastecimento,

Leia mais

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Lando T. Nishida O prazo ou lead time desde a concepção do produto até o lançamento no mercado é um dos fatores mais importantes

Leia mais

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios.

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios. TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO 2016 CURSOS Formação prática em ferramentas essenciais para a melhoria dos processos e redução de desperdícios. Desenvolvimento de 1 Pessoas Propósito é o

Leia mais

Lean na indústria gráfica: um estudo de caso

Lean na indústria gráfica: um estudo de caso Lean na indústria gráfica: um estudo de caso Osiran Lima* Este artigo mostra a implementação de células de manufatura em uma empresa gráfica, substituindo o layout linear pelo layout celular, onde foi

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3 Max-Prod Resumo: O software possui três simuladores distintos, sendo que o presente descritivo enfoca o primeiro deles, no qual foram gerados

Leia mais

Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com. Vendas e Serviços

Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com. Vendas e Serviços Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com Vendas e Serviços Este artigo mostra porque a competição será vencida com vendas e serviços. Tradução: Odier Araujo por James Womack A indústria

Leia mais

Produção Enxuta. Lean Manufacturing

Produção Enxuta. Lean Manufacturing Produção Enxuta Lean Manufacturing Produção Enxuta Principais ferramentas Ferramentas do STP 5S; SMED ; Gestão Visual; Poka-Yoke; TPM Kanban; Kaizen; VSM Casa do STP 5 Sensos Filosofia cujo objetivo é

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

BORDO DE LINHA. Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm

BORDO DE LINHA. Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm BORDO DE LINHA Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm Os sete principais desperdícios (mudas): Desperdícios e valor: Apenas uma pequena quantidade do tempo é despendida

Leia mais

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC 2007 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGIAS CCT DEPARTAMENTO

Leia mais

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO Liliane Dolores Fagundes (UNIS) engenhariadeproducao@unis.edu.br

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean Marino Kishida* As empresas que iniciaram a jornada lean frequentemente empolgam-se com os ganhos iniciais de produtividade, produção, qualidade, redução

Leia mais

Expansão dos Projetos Kaizen para os Fornecedores: Estudo de Caso na Indústria Aeronáutica

Expansão dos Projetos Kaizen para os Fornecedores: Estudo de Caso na Indústria Aeronáutica Expansão dos Projetos Kaizen para os Fornecedores: Estudo de Caso na Indústria Aeronáutica Fernando Reimberg Syrio fernando_reimberg@hotmail.com ITA João Murta Alves murta@ita.br ITA Resumo:Este trabalho

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO

LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO Levi da Silva Guimaraes (UMINHO ) levisguimara@hotmail.com Cintya Bareiro Colares (UMINHO ) cintyac@gmail.com Hyggor da Silva Medeiros (UMINHO

Leia mais

6. Resultados obtidos

6. Resultados obtidos 6. Resultados obtidos 6.1 O Balanced corecard final Utilizando a metodologia descrita no capítulo 5, foi desenvolvido o Balanced corecard da Calçados yrabel Ltda. Para facilitar o entendimento deste trabalho,

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo:

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo: Modelos de Produção 1 Empresas: Movimentos Ideológicos 1.1 - Taylorismo: Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro norte-americano Frederick Taylor

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL Sigfrid Hornburg (UFSC) shornburg@karsten.com.br Dalvio Ferrari Tubino (UFSC) tubino@deps.ufsc.br Natalia Emerich Ladeira

Leia mais

Lean Office O fluxo de informação enxuto

Lean Office O fluxo de informação enxuto Lean Office O fluxo de informação enxuto Antonio Rentes Visão Ampla do Lean Thinking Identificação e eliminação sistemática e sustentável de desperdícios na cadeia produtiva Desperdício: Qualquer atividade

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

O planejamento, programação e o controle nos ambientes da produção puxada

O planejamento, programação e o controle nos ambientes da produção puxada O planejamento, programação e o controle nos ambientes da produção puxada A INDÚSTRIA DAS INDÚSTRIAS Da produção artesanal para a produção em massa: Alfred Sloan da GM e Henry Ford Da produção em massa

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Histórico: - Um dos registros mais antigos de produção gerenciada data de cerca de 5.000 a.c.: monges sumérios já contabilizavam seus estoques,

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC

Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC Tiago Tenório 1 *, Jediel Grangeiro 1, Evanaldo Brandão 2 1 lanejamento e recursos de material rodante EFC Vale S.A. 2 Manutenção

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

Implementação do programa 5S, como elemento do lean administrativo, no almoxarifado da FCM/UNICAMP

Implementação do programa 5S, como elemento do lean administrativo, no almoxarifado da FCM/UNICAMP Implementação do programa 5S, como elemento do lean administrativo, no almoxarifado da FCM/UNICAMP Adalberto da Cruz Lima (UFPA) aclima@fem.unicamp.br Paulo Corrêa Lima (UNICAMP) plima@fem.unicamp.br Resumo:

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp

Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp Kishida, Marino (Lean Institute Brasil) Silva, Adriano Henrique (ThyssenKrupp) Guerra, Ezequiel (ThyssenKrupp) Este artigo mostra os

Leia mais

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Introdução Lean é uma filosofia de produção nascida após a segunda guerra mundial no sector automóvel com intuito de optimizar o sistema de produção.

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

Sistema de Produção. VISÃO GERAL (1h)

Sistema de Produção. VISÃO GERAL (1h) Sistema de Produção VISÃO GERAL (1h) 1 Visão Geral do Expectativas Definições e objetivos Modelo de Gestão Operacional Introdução ao Sistema de Produção SüdMetal As 8 Perdas Os 3 Subsistemas Os 15 Princípios

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Introdução ao Lean Thinking Ministrante: Christopher Thompson Lean Institute Brasil Contatos: lean@lean.org.br Apoio São Paulo, 16 de setembro de 2010 Observação:

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Iniciando com a Logística Enxuta [1 de 11]

Iniciando com a Logística Enxuta [1 de 11] Iniciando com a Logística [1 de 11] Rogério Bañolas Consultoria ProLean Logística Esta série de artigos foi elaborada de tal forma que os artigos fazem referências uns aos outros. Portanto, para melhor

Leia mais

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Eberson de Andrade Moreira (SULZER) eng_eberson@hotmail.com Paulo Augusto Cauchick Miguel (USP)

Leia mais

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Ana Carolina Oliveira Santos Carlos Eduardo Sanches Da Silva Resumo: O sistema de custos

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO GESTÃO DE ESTOQUES (Parte 2) DEMANDA & CONSUMO Definição de Demanda: Demanda representa a vontade do consumidor em comprar ou requisitar um produto necessário na fabricação de um outro componente. Essa

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Seqüência de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Seqüência de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

Relatório de Gestão 30 dias 2015

Relatório de Gestão 30 dias 2015 COMPANHIA RIO-GRANDENSE DE ARTES GRÁFICAS CORAG Relatório de Gestão 30 dias 2015 O mês de março marca um novo ciclo de transformação na Corag, com a verificação de que temos potencial para ampliar nosso

Leia mais

Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) Exercícios

Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) Exercícios Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) A FILOSOFIA DA PRODUÇÃO ENXUTA (LEAN THINKING) Exercícios Prof. Eduardo G. M. Jardim, PhD. Prof.

Leia mais

Os desafios de levar o lean aos fornecedores: a experiência da Bosch

Os desafios de levar o lean aos fornecedores: a experiência da Bosch Os desafios de levar o lean aos fornecedores: a experiência da Bosch Cid Fontana Lopez Diretor de Desenvolvimento de Fornecedores da Robert Bosch - América Latina As empresas que se propõe a trazer os

Leia mais

Administração da Qualidade e o Modelo Japonês

Administração da Qualidade e o Modelo Japonês Administração da Qualidade e o Modelo Japonês Fonte: Maximiano Autores Principais Idéias e Contribuições Shewhart, Dodge e Romig Cartas de Controle. Controle estatístico da qualidade e controle estatístico

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Módulo 5 Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Implementando BSC para um negócio específico O BSC é uma estrutura para desenvolvimento

Leia mais

Análise do mapeamento aplicado no lean manufacturing em uma empresa fabricante de produtos veterinários: estudo de caso

Análise do mapeamento aplicado no lean manufacturing em uma empresa fabricante de produtos veterinários: estudo de caso Análise do mapeamento aplicado no lean manufacturing em uma empresa fabricante de produtos veterinários: estudo de caso João Carlos Rabelo Filho Graduando em Tecnologia em Gestão Empresarial/Processos

Leia mais

TÍTULO: JUST IN TIME OS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO EM RESTAURANTE PARA REDUÇÃO DO DESPERDÍCIO

TÍTULO: JUST IN TIME OS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO EM RESTAURANTE PARA REDUÇÃO DO DESPERDÍCIO TÍTULO: JUST IN TIME OS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO EM RESTAURANTE PARA REDUÇÃO DO DESPERDÍCIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda. HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro

QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda. HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro Somos uma empresa especializada em consultoria de FÁBRICA e CUSTOS. QUEM

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

1- Introdução ao Lean V1-2008

1- Introdução ao Lean V1-2008 1- Introdução ao Lean V1-2008 Autor: José Pedro A. Rodrigues da Silva 1 Programa 1- Introdução 2- Os 7 tipos de desperdício 3- Técnicas e ferramentas do Lean 4- Implementação do Lean 5- Conclusões Anexos

Leia mais

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente!

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! Sakichi Toyoda - Fundador do grupo TOYOTA. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) O é um Ideal,

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DE PROCESSOS ASSISTIDO POR COMPUTADOR CAPP (COMPUTER AIDED PROCESS

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Administração Profa. Patricia Brecht Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Compras Envolve todo o processo de localização de fornecedores e fonte de suprimento, aquisição de materiais

Leia mais

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15 O que é a Ciência da Fábrica? 1 0.1 Uma resposta simples (A resposta curta) 1 0.2 Uma resposta mais elaborada (A resposta longa) 1 0.2.1 Foco: a gestão da produção 1 0.2.2 O escopo: as operações 3 0.2.3

Leia mais

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE de nossos clientes Atuação em todos os processos e atividades industriais ou administrativas que ocorrem entre a realização do pedido e a entrega do produto

Leia mais

Metodologia para implementação de um Sistema de Produção Enxuta Lean Manufacturing em uma Empresa Metalúrgica

Metodologia para implementação de um Sistema de Produção Enxuta Lean Manufacturing em uma Empresa Metalúrgica Fabio Rogerio Sepulveda Sérgio Fujimura Metodologia para implementação de um Sistema de Produção Enxuta Lean Manufacturing em uma Empresa Metalúrgica Monografia de Conclusão do CEAI - Curso de Especialização

Leia mais

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Jonas Alves de Paiva (UFPB) jonas@ct.ufpb.br Thiago Miranda de Vasconcelos

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Processos da Qualidade (JURAN) Planejamento Execução Monitoramento e Controle Planejar a qualidade Realizar a garantia da qualidade Realizar o controle da qualidade Inclui os

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Marco Antonio Equi marcoequi@hotmail.com FESA Hugo Pissaia Junior hugo.planejamento@sampel.com.br FESA Resumo:No atual cenário vivido

Leia mais