AÇÕES DAS ASSOCIAÇÕES PROTETORAS DOS ANIMAIS DO VALE DO TAQUARI EM RELAÇÃO AOS CRIMES CONTRA ANIMAIS DOMÉSTICOS E DOMESTICADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AÇÕES DAS ASSOCIAÇÕES PROTETORAS DOS ANIMAIS DO VALE DO TAQUARI EM RELAÇÃO AOS CRIMES CONTRA ANIMAIS DOMÉSTICOS E DOMESTICADOS"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE DIREITO AÇÕES DAS ASSOCIAÇÕES PROTETORAS DOS ANIMAIS DO VALE DO TAQUARI EM RELAÇÃO AOS CRIMES CONTRA ANIMAIS DOMÉSTICOS E DOMESTICADOS Angélica Senger Lajeado, novembro de 2009

2 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE DIREITO AÇÕES DAS ASSOCIAÇÕES PROTETORAS DOS ANIMAIS DO VALE DO TAQUARI EM RELAÇÃO AOS CRIMES CONTRA ANIMAIS DOMÉSTICOS E DOMESTICADOS Angélica Senger Monografia apresentada no Curso de Direito, como exigência parcial para a obtenção do título de Bacharel em Direito. Orientadora: Ms. Luciana Turatti Lajeado, novembro de 2009

3 AGRADECIMENTOS Primeiramente, agradeço ao Léo e a minha família com ele construída, que me compreendeu e apoiou durante o processo de elaboração deste trabalho. Aos amigos que aqui conquistei, parceiros nesta caminhada de já quase uma década. Em especial, Ada, Anas, Janaína, Kátia, Michele, Sumika, que colaboraram para ser possível este momento. Por fim, agradeço a orientadora Luciana que me auxiliou na elaboração deste trabalho, com uma tranqüilidade que ainda não consegui aprender a ter.

4 Entre a brutalidade para com o animal e a crueldade para com o homem, há uma só diferença: a vítima. Alphonse de Lamartine

5 RESUMO Este trabalho examina a proteção aos crimes ambientais praticados contra animais domésticos e domesticados ao amparo do artigo 225 da Constituição Federal e do artigo 32 da Lei dos Crimes Ambientais. Inicialmente, expõe a evolução da legislação de proteção ambiental no Brasil e no âmbito internacional. Aborda também, a evolução dos pensamentos éticos e da relação entre homens e animais. No segundo momento são analisados os instrumentos de proteção aos crimes praticados contra a fauna, confrontando a legislação vigente com a efetiva proteção, como também os crimes que são praticados contra estes animais atualmente no Brasil. Analisa o papel da Sociedade Civil Organizada na proteção aos animais, a previsão constitucional para a sua existência, para ao final tratar da pesquisa realizada nas Associações de Proteção aos Animais existentes no Vale do Taquari e concluir sobre a efetividade da tutela do artigo 32 da Lei 9605/1998 aos animais domésticos e domesticados. PALAVRAS-CHAVE: Fauna. Animais domésticos e domesticados. Maus tratos. Proteção Ambiental.

6 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AEPA Associação Estrelense de Proteção aos Animais APAAM Associação Protetora dos Animais Arroiomeiense APANTE Associação Proteção aos Animais de Teutônia APASFA Associação Protetora dos Animais São Francisco de Assis Art. Artigo Arts. Artigos CONAMA Conselho Nacional de Meio Ambiente Coord. Coordenador Des. Desembargador Ed. Edição ONGs Organizações não governamentais p. Página PATRAM Patrulha Ambiental Rel. RS SP Relator Rio Grande do Sul São Paulo

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO A PROTEÇÃO JURÍDICA DOS ANIMAIS A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA ÉTICO-FILOSÓFICA E JURÍDICA Evolução da legislação de proteção ambiental no Brasil Evolução da legislação de proteção ambiental no mundo Evolução dos pensamentos éticos A evolução da relação entre os homens e os animais INSTRUMENTOS DE PROTEÇÃO: CRIMES AMBIENTAIS PRATICADOS CONTRA A FAUNA A proteção da fauna no Brasil A proteção constitucional da fauna A proteção penal da fauna Considerações sobre a Lei 9.605/ Legislação vigente x efetiva proteção Crimes praticados contra os animais domésticos e domesticados atualmente no Brasil A SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA E A PROTEÇÃO AOS ANIMAIS O desenvolvimento da sociedade civil organizada na proteção aos animais Previsão Constitucional... 61

8 7 4.3 O panorama das entidades do Vale do Taquari/RS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS... 78

9 1 INTRODUÇÃO O descaso com que são tratados muitos animais domésticos e domesticados, em razão de seu entendimento como mera propriedade material, não poucas vezes descartável, traz como comuns cenas de abandono, maus tratos, abuso na condição de instrumento de trabalho e tantas outras formas de crueldade. Considerando que essas ações constituem crimes ambientais, tipificados no art.32 da Lei 9.605/98, surpreende o desrespeito ao preceito legal com a aparente certeza de impunidade, o que configura um problema dos municípios do Vale do Taquari(RS). Dificuldade de implementação da lei? Medo ou desconhecimento da possibilidade de denunciar e alterar esta situação? Enfim, qual a proteção efetiva que existe na região do Vale do Taquari(RS) para coibir a prática de crimes contra animais domésticos ou domesticados? Este foi o motivo que instigou a escolha do tema em estudo, qual seja: a proteção contra a prática de atos de abuso, maus tratos, ferimento ou mutilação de animais domésticos ou domesticados, considerando o limite geográfico do Vale do Taquari (RS). O levantamento de dados das ações de proteção aos animais existentes nos municípios delimitados pode fornecer estas respostas e auxiliar na busca de uma melhor solução. Por este motivo, a relevância dessa pesquisa.

10 9 A abordagem da proteção aos crimes praticados contra animais domésticos e domesticados, tratada no presente estudo, tem por fundamento a proteção constitucional e o amparo da Lei dos Crimes Ambientais. Assim, no primeiro tópico é tratada a proteção dos animais a partir de uma perspectiva ético-filosófica e jurídica, por meio da evolução da legislação da proteção ambiental no Brasil e também no mundo, com a consequente evolução dos pensamentos éticos e da relação entre os homens e os animais. No seguinte momento abordam-se os instrumentos de proteção aos crimes ambientais praticados contra a fauna, sua proteção no Brasil e considerações sobre a Lei 9.605/98, confrontando a legislação vigente e a efetiva proteção existente. Ainda, são apresentados crimes praticados atualmente no Brasil contra os animais domésticos e domesticados, a construção do conceito crueldade por meio da jurisprudência, como também, a leitura da abordagem antropocêntrica da legislação pátria para uma melhor compreensão do que é considerado crime com relação aos animais e a crueldade legalmente consentida. Por fim, é abordada a Sociedade Civil Organizada e a proteção aos animais, a partir de informações coletadas nos órgãos municipais do Vale do Taquari e análise dos resultados obtidos, para verificar se é efetiva ou deficitária a proteção contida no artigo 32 da Lei 9605/98. O método utilizado no desenvolvimento deste trabalho de monografia é o dedutivo, partindo de argumentos gerais, através da pesquisa bibliográfica, para, ao final, buscar informações nas Secretarias de Meio Ambiente dos Municípios e nas Associações de Proteção aos Animais existentes no campo delimitado da pesquisa. A pesquisa é apresentada com enfoque qualitativo, buscando dados e identificando sua natureza dentro da realidade local, como também de forma descritiva, pois com a leitura dos dados observados, é analisada a existência efetiva ou não da proteção aos animais domésticos e domesticados no Vale do Taquari. Enfim, por meio da pesquisa pretende-se contribuir para o aumento do conhecimento acerca da realidade das instituições que trabalham na proteção dos animais, como também instigar o sentimento de responsabilidade que o homem tem em relação a estes seres.

11 2 A PROTEÇÃO JURÍDICA DOS ANIMAIS A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA ÉTICO-FILOSÓFICA E JURÍDICA O Direito Ambiental é constituído de uma dimensão humana, uma dimensão ecológica e uma dimensão econômica, que devem ser compreendidas de forma integrada e em equilíbrio. Assim, a cada intervenção humana sobre o ambiente, o aplicador do Direito Ambiental deve ter a capacidade de captar os diferentes pontos de tensão entre as três dimensões e ponderar frente ao caso concreto, qual delas precisa mais de tutela em um dado momento (Antunes, 2007). A proteção da vida dos animais deve também se fazer presente nesse entendimento, conforme descreve-se a seguir. 2.1 Evolução da legislação de proteção ambiental no Brasil A legislação ambiental que vigorou no Brasil a partir do século XVI, durante o período colonial, diz respeito às leis portuguesas. A evolução dessas leis no país, até o início do século XIX, portanto, deve-se a Portugal. Assim, para compreender a legislação ambiental daquele período, é necessário analisar conjuntamente a história, pois grande parte dessas leis buscava proteger riquezas do Brasil Colônia que eram matéria- prima de Portugal. O objetivo

12 11 maior era proteger o lucro, principalmente com o comércio de madeiras, muito mais do que o cuidado com as florestas brasileiras. A fauna, desde cedo, foi marcada pela exploração sem compromisso, e tratada como recurso natural infinito e renovável, sem qualquer consideração pela vida dos animais, visão diversa do povo nativo que aqui se encontrava. Nesse entendimento, manifesta-se o professor Serra-Freire: Analisando os fatos relativos ao Brasil, a partir de registro de sua descoberta pelos navegadores portugueses, desde a carta de Pero Vaz de Caminha à El Rey D.Manuel, até os dias de hoje, constatam-se constantes embates entre a herança cultural dos nativos que já viviam aqui, e a insensatez introduzida com os colonizadores. [...] perda da tradicional cultura ecológica dos nativos do Brasil, que tinham como ponto fundamental o respeito à vida animal, inclusive com politeísmo, em que muitos dos animais eram considerados deuses e mostravam comportamentos que eram seguidos pelos humanos (SERRA-FREIRE, 2003, p ). As florestas brasileiras foram devastadas pela exploração da madeira e os animais capturados e levados para fora do país, em condições precárias nos navios, em que a maioria perecia antes de chegar ao destino. Em relação a esta exploração da fauna, manifesta-se também Serra-Freire, conforme segue: Na passagem histórica que descreve o retorno da Nau Bretoa à Portugal, em 1511, se deu a inauguração da rota marítima das grandes explorações predadoras da fauna e contrabando zoofílico a Nau Pèlerine, uma caravela pirata francesa, é apreendida com peles de felinos, 600 aves e 300 macacos, presos como marginais, em gaiolas de dimensões pequenas para a quantidade. Esse fato registrou, já no início do Brasil, a implantação de uma cultura predatória, impiedosa, egoísta e mercantilista, que não atentava para a qualidade de vida dos animais, ou mesmo para o sofrimento do ser vivo (SERRA-FREIRE, 2003, p.353). No entanto, apesar de todo descaso para com os animais, as Ordenações Afonsinas, legislação portuguesa vigente no Brasil, ao tempo do seu descobrimento, era considerada, com relação às normas ambientais de então, muito evoluída para a época. Preocupava-se inclusive com a falta de alimentos, especialmente cereais. De acordo com Lanfredi et al. (2004), o pão e a farinha não podiam ser exportados, e em relação às aves, seu furto para efeitos criminais era equiparado a

13 12 qualquer outro delito. Havia, também, conforme o mesmo autor, proibição para o corte deliberado de árvores frutíferas, considerado como crime de injúria ao rei. Em 1521, passaram a vigorar as Ordenações Manuelinas, obra do rei D. Manuel, que se mostrou mais detalhada e moderna com relação ao direito ambiental. Esta legislação proibia a caça de animais, como perdizes, lebres e coelhos, com instrumentos capazes de causar-lhes a morte com dor e sofrimento; proibia também a comercialização de colmeias sem a preservação da vida das abelhas, e manteve tipificado como crime o corte de árvores frutíferas, sendo a reparação do dano tratada com maior rigor. A partir de 1580, o Brasil transfere-se ao domínio espanhol sob Filipe I, que faz uma compilação das leis lusitanas criando as Ordenações Filipinas, que passam a vigorar em Referia-se à matéria ambiental em questões urbanísticas com programas de obras públicas, calçadas, plantio de árvores em terrenos baldios, conforme Lanfredi et al. (2004). Essas normas introduziram o conceito de poluição, proibindo a qualquer pessoa jogar material que pudesse matar os peixes em seu habitat, reiteraram a tipificação como crime o corte de árvores frutíferas, prescrevendo degredo para o Brasil como pena. As Ordenações Filipinas deram ênfase maior à proteção dos animais, cuja morte por malícia determinava ao infrator mudar-se definitivamente para o Brasil. Proibiam também a pesca com determinados instrumentos e em certos locais e épocas estipuladas, a exemplo do que leis atuais hoje determinam, de acordo com Marcondes (2007). Destaca-se colocação de Serra-Freire em relação a estas normas: A própria Lei vigente na Europa, [...] que vigorou na metrópole para a ordem social, previa como uma das penas mais graves, impostas àqueles que infringissem determinados artigos, o degredo perpétuo para o Brasil; foi assim que malfeitores, da pior categoria, e inimigos da fauna e da flora, foram sendo, sucessivamente, introduzidos na Colônia do Novo Mundo, entrando ativamente na composição do genoma brasileiro (SERRA- FREIRE, 2003, p.353).

14 13 O tráfico de animais perdura ainda nos dias de hoje, movimentando consideráveis valores em todo o mundo. São comuns notícias de apreensão de animais transportados em malas, caixas, inclusive enviados pelo correio, em que acabam restando sem vida, face às precárias condições em que são acondicionados. De acordo com Bechara (2003, p.62), de cada dez espécimes traficadas [...] em fundos de mala, dentro de tubos de PVC, normalmente dopados... - nove morrem antes de chegar ao seu destino. A autora afirma que o comércio desses animais estimula a caça ilegal, em que o caçador não tem a menor preocupação com a função ecológica que os espécimes capturados cumprem no ecossistema e com o desequilíbrio ambiental que sua retirada pode causar (Bechara, 2003, p.61). Não há um respeito aos ciclos de reprodução, o que acaba levando à extinção de espécies. O tráfico de animais silvestres só perde para o tráfico de drogas e de armas em movimentação de valores. Nesse sentido, Castro (2006, p.72), coloca que: [...] o contrabando de aves, animais silvestres e produtos da fauna brasileira atravessam as fronteiras nacionais, sem ou com pouco controle, em evidente prejuízo ao ecossistema e ao interesse econômico da nação. Também recebemos animais exóticos de outros países, com enormes riscos à biota nacional e à saúde humana, já que o ingresso se dá sem controle sanitário. Na evolução da legislação brasileira, veio em 1824 a Constituição do Império, que não fez qualquer referência à matéria ambiental, conforme Antunes (2007, p.51). Embora na época o país fosse exportador de produtos agrícolas e minerais, a Constituição não manifestou qualquer mecanismo para proteção dos recursos a fim de garantir a sua sustentabilidade. Tem-se como primeira norma que tratou da crueldade contra os animais no Brasil o Decreto , de Regulamentava as Casas de Diversão Pública, não permitindo corridas de touros e novilhos, brigas de galos, brigas de canários entre outras determinações, segundo Calhau (2003). Em julho de 1934, o então presidente Getúlio Vargas promulgou o Decreto Lei , que estabelecia medidas de proteção aos animais. Tal decreto tem força de

15 14 lei, pois que o Governo Federal, então Governo Provisório, havia avocado para si a atividade legislativa em período de excepcionalidade política. Este decreto permanece em vigor, estabelecendo em seus 17 artigos medidas de proteção aos animais que serão destacadas a seguir. De acordo com o artigo 3º, do Decreto /34, das atitudes que importam em maus tratos: Consideram-se maus tratos: I praticar ato de abuso ou crueldade em qualquer animal; II manter animais em lugares anti-higiênicos ou que lhes impeçam a respiração, o movimento ou o descanso, ou os privem de ar ou luz; III obrigar animais a trabalhos excessivos ou superiores às suas forças e a todo o ato que resulte em sofrimento para deles obter esforços que razoavelmente não se lhes possam exigir senão como castigo; IV golpear, ferir ou mutilar, voluntariamente qualquer órgão ou tecido de economia, exceto a castração, só para animais domésticos, ou operações outras praticadas em benefício exclusivo do animal e as exigidas para defesa do homem, ou no interesse da ciência; V abandonar animal doente, ferido, extenuado ou mutilado, bem como deixar de ministrar-lhe tudo o que humanitariamente se lhe possa prover, inclusive assistência veterinária; VI não dar morte rápida, livre de sofrimentos prolongados, a todo animal cujo extermínio seja necessário para consumo ou não; VII abater para o consumo ou fazer trabalhar os animais em período de gestação; VIII atrelar, no mesmo veículo, instrumento agrícola ou industrial, bovinos com eqüinos, com muares ou com asininos, sendo somente permitido o trabalho em conjunto a animais da mesma espécie; IX atrelar animais a veículos sem os apetrechos indispensáveis, como sejam balancins, ganchos e lanças ou com arreios incompletos, incômodos ou em mau estado, ou com acréscimo de acessórios que os molestem ou lhes perturbem o funcionamento do organismo; X utilizar, em serviço, animal cego, ferido, enfermo, fraco, extenuado ou desferrado, sendo que este último caso somente se aplica a localidades com ruas calçadas; [...] XVII conservar animais embarcados por mais de 12 horas, sem água e alimento, devendo as empresas de transportes providenciar sobre as necessárias modificações no seu material, dentro de 12 meses a partir da publicação desta lei; XVIII conduzir animais, por qualquer meio de locomoção, colocados de cabeça para baixo, de mãos ou pés atados, ou de qualquer outro modo que lhe produza sofrimento; XIX transportar animais em cesto, gaiolas ou veículos sem as proporções necessárias ao seu tamanho e número de cabeças, e sem que o meio de condução em que estão encerrados esteja protegido por uma rede metálica ou idêntica, que impeça a saída de qualquer membro do animal; XX encerrar em curral ou outros lugares animais em número tal que não lhes seja possível moverem-se livremente, ou deixá-los sem água e alimento mais de 12 horas; XXI deixar de ordenar as vacas por mais de 24 horas, quando utilizadas na exploração do leite; XXII ter animais encerrados juntamente com outros que os atemorizem ou molestem;

16 15 XXIII ter animais destinados à venda em locais que não reúnam as condições de higiene e comodidade relativas; XXIV expor, nos mercados e outros locais de venda, por mais de 12 horas, aves em gaiolas, sem que se faça nesta a devida limpeza e renovação de água e alimento; XXV engordar aves mecanicamente; XXVI despelar ou depenar animais vivos ou entregá-los vivos à alimentação de outros; XXVII ministrar ensino a animais com maus tratos físicos; [...] XXIX realizar ou promover lutas entre animais da mesma espécie ou de espécie diferente, touradas e simulacros de touradas, ainda mesmo em lugar privado; XXX arrojar aves e outros animais nas casas de espetáculo, exibi-los, para tirar sortes ou realizar acrobacias; XXXI transportar, negociar ou caçar, em qualquer época do ano, aves insetívoras, pássaros canoros, beija-flores e outras aves de pequeno porte, exceção feita para as autorizações com fins científicos, consignadas em lei anterior. Embora extensa e aparentemente completa a relação do artigo 3º, estas situações de maus tratos são apenas um rol exemplificativo, pois o homem tem uma capacidade extraordinária de criar novas formas de praticar tipos diferentes de crueldades, destaca Castro (2006, p.82). Em outubro de 1941, foi instituída a Lei das Contravenções Penais, por meio do Decreto-Lei nº 3.688, tipificando a conduta de crueldade contra animais: Art.64. Tratar animal com crueldade ou submetê-lo a trabalho excessivo: Pena: prisão simples, de 10 (dez) dias a 1 (um) mês, ou multa. 1º Na mesma pena incorre aquele que, embora para fins didáticos ou científicos, realiza, em lugar público ou exposto ao público, experiência dolorosa ou cruel em animal vivo. 2º Aplica-se a pena com aumento de metade, se o animal é submetido a trabalho excessivo ou tratado com crueldade, em exibição ou espetáculo público. Segundo Gordilho (2009, p. 28), no final dos anos 60, a partir dos diversos alertas de risco ambiental feitos por cientistas, seguidos de forte pressão da opinião pública sobre a questão, que se iniciou a denominada era do meio ambiente. Neste período foram adotados novos valores individuais e sociais frente à sociedade de consumo, com uma forte conotação filosófica. Passou a existir outra leitura da questão ambiental, qual seja, o entendimento de que preservando o meio ambiente o homem estava preservando a si mesmo. Deste modo, a legislação ambiental e a postura dos Estados frente a ela começou a mudar, e surgiram bases mais efetivas para sua proteção. A Organização das Nações Unidas (ONU), o Conselho da Europa e a Organização da Unidade Africana direcionaram a questão ambiental de

17 16 forma definitiva na agenda do direito internacional, alertando que os problemas ambientais podem ultrapassar as fronteiras dos Estados. Assim, a partir deste movimento ecológico mundial significativo, passaram a ser editadas leis mais diretamente voltadas para preservação e controle da poluição e degradação ambiental também no Brasil, que por sua vez, igualmente contemplavam disposições acerca da proteção da fauna. Foi instituída então a Lei Federal 5.197, de 3 de janeiro de 1967, de proteção à fauna, também conhecida como o Código de Caça, determinando diversas figuras penais. Definiu fauna silvestre e estabeleceu como propriedade do Estado também ninhos, abrigos e criadouros. Além disso, reiterou a proibição de utilização, perseguição, destruição, caça ou apanha de espécimes da fauna silvestre, cominando como pena para estes delitos as previstas no Código Penal. O artigo 18 da referida lei, proibia expressamente a exportação para o exterior de peles e couros de anfíbios e répteis. No entanto, mesmo com esta lei em vigor, o Brasil exportou no ano de 1969, conforme Teresa Urban, apud Marcondes (2007, p.2), toneladas de couros e peles de animais silvestres, volume bem maior que em anos anteriores. [...] peças de onças e gatos-do-mato. Segundo Marcondes (2007), o Brasil permanece entre os países que mais comercializam espécies da fauna de forma ilegal. No mesmo ano, em 28 de fevereiro de 1967, surge o Decreto-Lei nº 221, Código de Pesca, regulamentando toda e qualquer forma de pesca no território brasileiro, inclusive proibindo-a no ciclo produtivo. Posteriormente, em 8 de maio de 1979, passa a vigorar a Lei Federal 6.638, contendo disposições sobre vivissecção de animais. De acordo com Castro (2006), esta lei permitia a prática de experimentação científica com o corpo dos animais e estabelecia também regras que, descumpridas, acarretavam as penalidades determinadas pelo art. 64 da Lei das Contravenções Penais.

18 17 Dizia a Lei Federal 6.638/79: Art.5º Os infratores desta Lei estarão sujeitos: I às penalidades, cominadas no art. 64, do Decreto-Lei 3.688, de 03 de outubro de 1941, no caso de ser a primeira infração; II à interdição e cancelamento do registro do biotério ou do centro de pesquisa, no caso de reincidência. A legislação sobre Política Nacional do Meio Ambiente foi instituída pela Lei Federal 6938/81, que definiu a fauna como meio ambiente, disciplinou a ação governamental com a criação do Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA. Introduziu também a responsabilidade civil e administrativa pelo dano ambiental, conforme Rodrigues (2003). Foi seguida pela Lei Federal 7347/85, que instituiu a Ação Civil Pública Ambiental por danos ao meio ambiente, protegendo os interesses difusos e assim, consequentemente, a fauna. A Constituição Federal de 1988 reconheceu a importância da fauna para o equilíbrio ambiental e disciplinou de forma precisa e atualizada a proteção ao meio ambiente, elevando-a à categoria de direito fundamental de todo cidadão, conforme Freitas e Freitas (2001). A partir de então, contido no caput do art. 225, está expresso ser o Direito Ambiental um dos direitos humanos fundamentais, que acrescido de normas esparsas para proteção ambiental, passa a representar uma nova postura com preocupações realmente direcionadas à utilização e conservação dos recursos naturais, conforme segue: Art Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. 1º - Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público: I - preservar e restaurar os processos ecológicos essenciais e prover o manejo ecológico das espécies e ecossistemas; II - preservar a diversidade e a integridade do patrimônio genético do País e fiscalizar as entidades dedicadas à pesquisa e manipulação de material genético; III - definir, em todas as unidades da Federação, espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos, sendo a alteração e a supressão permitidas somente através de lei, vedada qualquer utilização que comprometa a integridade dos atributos que justifiquem sua proteção; IV - exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente, estudo prévio de impacto ambiental, a que se dará publicidade;

19 18 V - controlar a produção, a comercialização e o emprego de técnicas, métodos e substâncias que comportem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio ambiente; VI - promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente; VII - proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade. [...] 3º - As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados. [...] A Constituição Federal de 1988 faz expressa menção à proteção penal do meio ambiente, o que se justifica pelo fato de o Estado conferir proteção aos valores fundamentais, segundo os autores Freitas e Freitas (2001). Na mesma direção pronuncia-se Rodrigues (2003, p. 65): A Carta Magna deixou claro o objetivo do auxílio do direito penal ambiental, qual seja, a efetividade das sanções penais aplicadas aos infratores que praticam condutas lesivas ou ameaçam a vida em todas as suas formas. Esta norma constitucional foi posteriormente regulamentada pela Lei 9605/98, também conhecida como Lei de Crimes Ambientais, que definiu os crimes ambientais e tratou dos tipos específicos de crimes contra a fauna. A Lei Federal 9605/98 elevou à categoria de crimes, as contravenções penais contidas no artigo 64 do Decreto-Lei 3688/41, ou seja, tipificou as práticas de abuso, maus tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos e domesticados, nativos ou exóticos, ampliando o tipo penal. No que se refere à experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, mesmo que para fins científicos ou didáticos, considerou crime, se para tal existirem recursos alternativos. Desta maneira, no entendimento de Castro (2006, p.100), a Lei de Crimes Ambientais igualmente revogou a Lei Federal 6638/79 das Vivissecções, pois o legislador não pode permitir e regulamentar a prática de crime. De acordo com o mesmo autor, embora a justificativa para tais experiências sejam o progresso da ciência na busca por curas e medicamentos para a humanidade, escondem também outros propósitos, como segue:

20 19 Os defensores não referem, no entanto, as experiências feitas em animais vivos para a fabricação de cosméticos e em atividades militares de guerra, que nada tem a ver com ciência, homem e meio ambiente, e tem tudo a ver com vaidade, interesses econômicos, conquista de território, guerra, destruição (CASTRO, 2006, p.180). Conforme Rodrigues (2003, p.65), a Lei dos Crimes Ambientais tutela direitos básicos dos animais, independente do instituto da propriedade privada, valorando sua existência. Em relação às Constituições Federais anteriores do Brasil, observa-se que trataram o meio ambiente basicamente em sua dimensão econômica. A Constituição Federal de 1988 não desconsiderou esta dimensão, mas sim, aprofundou as relações entre ela e o meio ambiente, base para o desenvolvimento de infraestrutura econômica, conforme Antunes (2007, p.56), pois que reconheceu a necessidade de sua proteção como forma a assegurar uma adequada fruição dos recursos ambientais e um nível elevado de qualidade de vida às populações. Assim, o legislador procurou, estabelecer um mecanismo mediante o qual as naturais tensões entre os diferentes usuários dos recursos ambientais possam ser amenizadas dentro de uma perspectiva de utilização racional (ANTUNES, 2007, p.56). Núcleo deste pensamento é o desenvolvimento sustentável com utilização racional e inteligente dos recursos ambientais, restando à fauna a proteção em razão de seu valor como qualidade de vida ao homem. No entanto, ao reconhecer sua importância passa-se a tecer novo olhar sobre a sua utilização. 2.2 Evolução da legislação de proteção ambiental no mundo O Direito Internacional por meio de convenções e tratados, demonstrou a preocupação do mundo com os recursos naturais como um todo, estabelecendo relações de cooperação para sua proteção. As ações iniciais, no direito ambiental internacional, a partir do século XIX, eram tomadas pontualmente com objetivos específicos, tais como: proteger a terra da poluição pela fumaça, pelo lixo e proteger os cursos d água. Em relação à fauna,

21 20 no dizer de Gordilho (2009, p.26), só muito raramente protegiam as espécies, que continuavam a ser simples recurso econômico. De acordo com Séguin (2002), data de 1861 a criação do Parque Nacional de Yosemita, nos Estados Unidos, o primeiro do mundo a preservar a flora e a fauna em sua totalidade. A partir do século XX observa-se uma postura diferente do direito internacional ambiental quanto à proteção de algumas espécies da fauna selvagem. A Convenção de Paris, assinada em 1902, embora protetiva, ainda conservava uma visão centrada no recurso econômico do meio ambiente, uma vez que protegia somente algumas espécies de pássaros, enquanto outros eram considerados animais nocivos. Progressivamente foram surgindo novos documentos internacionais com uma abrangência de proteção à fauna de maior significado, embora preservassem forte viés de proteção de recurso econômico. Assim, foi celebrada, em 1933, a Convenção de Londres, que tratava da conservação da fauna e da flora silvestre. No entanto, esta proteção restringia-se à África colonizada da época, protegendo apenas algumas espécies da fauna selvagem. A Convenção de Washington de 1940 procurou dimensionar melhor esta proteção. Sucedeu-as a Convenção Africana, assinada na Argélia em 1968, tendo como objeto a conservação da natureza e dos recursos naturais. A Convenção Africana de 1968 foi a primeira a adotar uma visão abrangente da proteção ambiental, ponderando a conservação e a utilização do solo, das águas, da fauna e da flora de maneira sistematizada com princípios de proteção não apenas dos indivíduos das espécies ameaçadas, mas também de seu habitat, com a consequente responsabilidade dos Estados, segundo Gordilho (2009). Outro evento ambiental marcante para o Direito Ambiental Internacional foi a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, que aconteceu em junho de 1972, em Estocolmo, na Suécia. Dessa conferência resultaram os seguintes documentos: a Declaração de Estocolmo, o Plano de Ação para o Meio Ambiente, uma resolução sobre aspectos financeiros e organizacionais no âmbito da ONU e o Programa das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente. Conforme Castro (2006,

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DOS ANIMAIS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DOS ANIMAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DOS ANIMAIS PREÂMBULO Considerando que todo o animal possui direitos, Considerando que o desconhecimento e o desprezo destes direitos têm levado e continuam a levar o

Leia mais

ESPA Decreto n. 24.645 de 1934

ESPA Decreto n. 24.645 de 1934 ESPA Decreto n. 24.645 de 1934 Decreto nº 24.645, de 10 de Julho de 1934, de Getúlio Vargas Estabelece Medidas de Proteção aos Animais O Chefe do Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil,

Leia mais

4 - Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu habitat.

4 - Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu habitat. A Declaração Universal dos Direitos do Animal foi proclamada na UNESCO em 15 de Outubro de 1978. 1 - Todos os animais têm o mesmo direito à vida. 2 - Todos os animais têm direito ao respeito e à proteção

Leia mais

1º - A critério da autoridade que verificar a infração da presente Lei, será imposta qualquer das penalidades acima estatutadas, ou ambas.

1º - A critério da autoridade que verificar a infração da presente Lei, será imposta qualquer das penalidades acima estatutadas, ou ambas. DECRETO Nº 24.645, de 10 de julho de 1934 Estabelece medidas de proteção aos animais O CHEFE DO GOVERNO PROVISÓRIO DA REPÚBLICA, DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL, usando das atribuições que lhe confere o Artigo

Leia mais

Institui o Dia Municipal de Proteção e Bem-Estar dos Animais e dá outras providências.

Institui o Dia Municipal de Proteção e Bem-Estar dos Animais e dá outras providências. Lei nº 4.168, de 10 de novembro de 2014. Institui o Dia Municipal de Proteção e Bem-Estar dos Animais e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE TAQUARITINGA: Faço saber que a Câmara Municipal decreta

Leia mais

A Declaração Universal dos Direitos dos Animais e o aumento da consciência ecológica

A Declaração Universal dos Direitos dos Animais e o aumento da consciência ecológica A Declaração Universal dos Direitos dos Animais e o aumento da consciência ecológica 1 - Todos os animais têm o mesmo direito à vida. 2 - Todos os animais têm direito ao respeito e à protecção do homem

Leia mais

A PROTEÇÃO DA FAUNA SILVESTRE NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

A PROTEÇÃO DA FAUNA SILVESTRE NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA A PROTEÇÃO DA FAUNA SILVESTRE NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA OAB-SANTO ANDRÉ/SP, 14.08.2012 Érika Pires Ramos Advocacia-Geral da União Procuradoria Federal Especializada IBAMA/ICMBio/SP REGRAMENTO CONSTITUCIONAL

Leia mais

PRINCÍPIOS ÉTICOS PARA O USO DE ANIMAIS DE EXPERIMENTAÇÃO

PRINCÍPIOS ÉTICOS PARA O USO DE ANIMAIS DE EXPERIMENTAÇÃO PRINCÍPIOS ÉTICOS PARA O USO DE ANIMAIS DE EXPERIMENTAÇÃO O Comitê de Ética em Experimentação Animal (CETEA) estabelece normais gerais para a utilização de animais para experimentação. 1. O uso de animais

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.901/99) Dá nova redação ao caput do artigo 32 da Lei nº 9.605, de

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BROTAS Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO nº 005, de 26 de fevereiro de2015.

CÂMARA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BROTAS Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO nº 005, de 26 de fevereiro de2015. PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO nº 005, de 26 de fevereiro de2015. Estabelece medidas de Proteção aos Animais no Município da Estância Turística de Brotas-SP e dá outras providências. ORLANDO PEREIRA BARRETO

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE NO ÂMBITO. DE ATUAÇÃO DA CTNBIO, como forma de. controle social dos Processos Decisórios e. de Regulação naquele colegiado.

PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE NO ÂMBITO. DE ATUAÇÃO DA CTNBIO, como forma de. controle social dos Processos Decisórios e. de Regulação naquele colegiado. PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE NO ÂMBITO DE ATUAÇÃO DA CTNBIO, como forma de controle social dos Processos Decisórios e de Regulação naquele colegiado. Princípio da precaução e análise de risco dos Organismos

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII ANOTAÇÕES SOBRE A FAUNA Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: VI - florestas, caça,

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 Altera os arts. 1º, 8º e 9º da Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO "A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente reuniu-se em Estocolmo entre os dia 05 e 16 de junho de 1972

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012

ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012 ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012 1 2 USO DE ANIMAIS ESTÁ CERCADO DE : aspectos emocionais questões religiosas dilemas morais aspectos culturais influenciado

Leia mais

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Contextualizando... Adaptação do produtor rural sem condições novos critérios de uso da terra impostos aleatoriamente sem alicerces

Leia mais

Prova bimestral. história. 4 o Bimestre 3 o ano. 1. Leia o texto e responda.

Prova bimestral. história. 4 o Bimestre 3 o ano. 1. Leia o texto e responda. Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 4 o Bimestre 3 o ano história 1. Leia o texto e responda. As evidências mais antigas da amizade entre

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS. Entre a crueldade para com o animal e a crueldade com o homem, há uma só diferença,a vítima.(lamartine)

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS. Entre a crueldade para com o animal e a crueldade com o homem, há uma só diferença,a vítima.(lamartine) EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Entre a crueldade para com o animal e a crueldade com o homem, há uma só diferença,a vítima.(lamartine) Os programas apresentados no projeto de lei visam o controle da natalidade de

Leia mais

Direito Ambiental Constitucional. Andrei Ferreira Fredes E-mail: andreiffredes@gmail.com

Direito Ambiental Constitucional. Andrei Ferreira Fredes E-mail: andreiffredes@gmail.com Direito Ambiental Constitucional Andrei Ferreira Fredes E-mail: andreiffredes@gmail.com Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL DIREITO NO BRASIL CONTEXTO NACIONAL Ordenamento Jurídico; O meio ambiente na constituição federal; Política Nacional do Meio Ambiente; SISNAMA; Responsabilidades civil; Responsabilidade penal ambiental;

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Gestão e Legislação Ambiental

Gestão e Legislação Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA Mestrado em Recursos Hídricos H e Saneamento Disciplina: Gestão e Legislação Ambiental Professora: Selêude Wanderley da NóbregaN Legislação Ambiental

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. RESPONSABILDADE CIVIL DO DANO AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO Evolução da sociedade: séc. XX (novas tecnologias x modelo de vida); Inércia do Estado: auto-tutela;

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 859/XII/4.ª Cria a Rede de Centros de Acolhimento e Reabilitação de Animais Selvagens e Exóticos Exposição de Motivos Várias situações evidenciam

Leia mais

Ética na Pesquisa Animal. Dra. Arlene Pessoa

Ética na Pesquisa Animal. Dra. Arlene Pessoa Ética na Pesquisa Animal Dra. Arlene Pessoa A questão dos direitos dos animais e a sua utilização em pesquisas vem sendo discutida desde o século XVII. Em 1789 o filósofo Jeremy Bentham, já questionava:

Leia mais

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 1 Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera USO DE ANIMAIS ESTÁ CERCADO DE : aspectos emocionais questões religiosas aspectos culturais dilemas morais 2 INFLUÊNCIADO POR: filósofos cientistas protetoras meio

Leia mais

Art. 1º - Os artigos 58 e 69 do Regimento Interno, passam a vigorar com as seguintes redações:

Art. 1º - Os artigos 58 e 69 do Regimento Interno, passam a vigorar com as seguintes redações: CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO 2005 N.º Despacho PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 19/2005 Acrescenta e modifica dispositivos do Regimento Interno e cria a Comissão Permanente dos Direitos dos Animais. Autora:

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, RECOMENDAÇÃO 190 SOBRE PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO Aprovadas em 17/06/1999. No Brasil, promulgada pelo Decreto 3597de 12/09/2000. A Conferência

Leia mais

1º - Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público:

1º - Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público: Experimentação Animal CONSTITUTIÇÃO FEDERAL Título VIII - Capítulo VI do Meio Ambiente Art. 225 Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA LEI N 2 6.047 DE 06 DE SETEMBRO DE 2012. "Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais COMPDA, e dá outras providências." REINALDO NOGUEIRA LOPEZ CRUZ, Prefeito do Município

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE. CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE-COEMA Câmara Técnica Especial PROCESSO

Leia mais

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Bibliografia: Ministério do Meio Ambiente. Espécies ameaçadas de extinção: recomendações

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

ESTUDO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA ATUAL EM RELAÇÃO A EXPERIMENTAÇÃO COM ANIMAIS 1. Regiane Moreno Domingues Ribas RESUMO

ESTUDO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA ATUAL EM RELAÇÃO A EXPERIMENTAÇÃO COM ANIMAIS 1. Regiane Moreno Domingues Ribas RESUMO ESTUDO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA ATUAL EM RELAÇÃO A EXPERIMENTAÇÃO COM ANIMAIS 1 Regiane Moreno Domingues Ribas FAAG Faculdade de Agudos RESUMO O objetivo deste trabalho foi o de realizar um estudo da Legislação

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5657, DE 21 DE JUNHO DE 2012

LEI MUNICIPAL Nº 5657, DE 21 DE JUNHO DE 2012 LEI MUNICIPAL Nº 5657, DE 21 DE JUNHO DE 2012 Institui a Central de Controle e Bem Estar Animal no Município. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental João Pedro Ignácio Marsillac (apresentador), Denise Pires Fincato (orientadora) Faculdade de Direito -

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

BEM-ESTAR ANIMAL E ABATE HUMANITÁRIO

BEM-ESTAR ANIMAL E ABATE HUMANITÁRIO BEM-ESTAR ANIMAL E ABATE HUMANITÁRIO NELMON OLIVEIRA DA COSTA Fiscal Federal Agropecuário Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo SDC/MAPA PRINCÍPIOS DE BEM-ESTAR ANIMAL QUESTÕES ÉTICAS

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Brasil Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2015. (Do Sr. Ricardo Izar)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2015. (Do Sr. Ricardo Izar) PROJETO DE LEI N.º, DE 2015 (Do Sr. Ricardo Izar) Proíbe o uso de animais não-humanos vivos nos estabelecimentos de ensino público e privado em todo o Território Nacional. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2006

PROJETO DE LEI N o, DE 2006 PROJETO DE LEI N o, DE 2006 (Do Sr. Antônio Carlos Biffi) Altera dispositivos da Lei nº 5.197, de 03 de janeiro de 1967. O Congresso Nacional decreta: janeiro de 1967. Art. 1 o Fica revogado o art. 2º

Leia mais

História da cidadania europeia

História da cidadania europeia História da cidadania europeia Introdução A cidadania da União conferida aos nacionais de todos os Estados Membros pelo Tratado da União Europeia (TUE), destina se a tornar o processo de integração europeia

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Meio ambiente equilibrado e sadio - Um Direito Fundamental Uélton Santos* Art. 225, CF. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 2.587, DE 2007 Altera as Leis nº s 6.938, de 31 de agosto de 1981, e 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Autora: Deputada Thelma

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.915, DE 21 DE MAIO DE 2003. (atualizada até a Lei nº 12.131, de 22 de julho de 2004) Institui o Código Estadual

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Renováveis (Ibama), Ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA C O N T E Ú D O : N O Ç Õ E S D E D I R E I T O : I N T R O D U Ç Ã O A O E S T U D O D O D I R E I T O A M B I E N T A L C A R A C T E R Í S T I C A S D A L E G I S L

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº.../EXECUTIVO

PROJETO DE LEI Nº.../EXECUTIVO PROJETO DE LEI Nº.../EXECUTIVO Institui a Central de Controle e Bem Estar Animal no Município. Art. 1º Fica criada a Central de Controle e Bem Estar Animal na estrutura organizacional do Poder Executivo

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios;

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; CTA na indústria e instituições de pesquisa; Propriedade industrial e

Leia mais

2 - Como as penas são aplicadas

2 - Como as penas são aplicadas 1 de 8 10/16/aaaa 11:40 Meio Ambiente A Lei de Crimes Ambientais Nome A Lei de Crimes Ambientais Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Meio Ambiente Resenha Informações resumidas

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VI DO MEIO AMBIENTE Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana DIREITOS HUMANOS Noções Gerais Evolução Histórica i Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana Positivismo e Jusnaturalismo Universalismo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

SUGESTÕES PARA A ADEQUAÇÃO DE CANIS E DE CRIADORES DE ANIMAIS NO MUNICÍPIO DE SUMARÉ/SP

SUGESTÕES PARA A ADEQUAÇÃO DE CANIS E DE CRIADORES DE ANIMAIS NO MUNICÍPIO DE SUMARÉ/SP Sumaré, setembro de 2012 SUGESTÕES PARA A ADEQUAÇÃO DE CANIS E DE CRIADORES DE ANIMAIS NO MUNICÍPIO DE SUMARÉ/SP Se de um lado temos criadores conscientes e responsáveis, munidos de informação e formação

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução.

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. RESUMO ESPANDIDO O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. Alcione Adame 1 INTRODUÇÃO Ao contrário do que a mídia a muita gente pensa a lei 12.651/12, conhecida como Novo Código Florestal, não

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais