MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA -- VARA CRIMINAL DA COMARCA DE BELO HORIZONTE MG O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, por seus Promotores de Justiça que adiante subscrevem, no uso de suas atribuições, vem perante este Juízo oferecer DENÚNCIA em face de ADRIANO MAGALHÃES CHAVES, brasileiro, casado, funcionário público, portador da carteira de identidade MG e do CPF , filho de Jair Afonso Chaves e Maria de Magalhães Chaves, residente na Alameda dos Jacarandás, nº 898, Bairro São Luiz, no Município de Belo Horizonte - MG; MARIA CLÁUDIA PINTO, brasileira, solteira, funcionária pública, portadora da carteira de identidade MG e do CPF , filha de Hercole Pinto e Maria Rosa Pinto, residente na Rua Santa Catarina, nº 861, Ap 1201, Bairro Santo Agostinho, no Município de Belo Horizonte - MG; 1

2 ANDERSON MARQUES MARTINEZ LARA, brasileiro, solteiro, funcionário público, portador da carteira de identidade MG e do CPF , residente na Rua Gil Eanes, n 130, Bairro Vera Cruz, no Município de Belo Horizonte - MG; LUCIANO JUNQUEIRA DE MELO, brasileiro, casado, funcionário público, portador da carteira de identidade MG , filho de José Salomão de Melo e Maria Das Graças Junqueira de Melo, residente na Rua Vicente Risola, 1310, Ap 201, Bairro Santa Inês, no Município de Belo Horizonte - MG; DIEGO KOITI DE BRITO FUGIWARA, brasileiro, casado, advogado, portador da carteira de identidade , residente na Rua Professora Bartira Mourão, n 306, apto. 302, Bairro Brutitis, no Município de Belo Horizonte - MG; pelas práticas delituosas que passa a expor: Consta dos inclusos autos do Procedimento Investigatório Criminal MPMG nº que, no período entre 30 de julho de 2012 e 28 de fevereiro de 2014, ANDERSON MARQUES MARTINEZ LARA, DIEGO KOITI DE BRITO FUGIWARA, ADRIANO MAGALHÃES CHAVES, MARIA CLÁUDIA PINTO e LUCIANO JUNQUEIRA DE MELO, então funcionários públicos vinculados à Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD) e prevalecendo-se de seus respectivos cargos, associaram-se para o fim específico de cometer crimes, retardaram e deixar de praticar, indevidamente, atos de ofício para satisfazerem interesses pessoais e de terceiros. 2

3 Consta que ANDERSON MARQUES MARTINEZ LARA e DIEGO KOITI DE BRITO FUGIWARA, então respectivamente Diretor Técnico e Superintendente da Superintendência Regional de Regularização Ambiental da Central Metropolitana (SUPRAM-CM), suprimiram e possibilitaram a ocultação, em benefício da MMX MINERAÇÃO SUDESTE LTDA e em prejuízo da coletividade, de documentos públicos de que não podiam dispor; sonegaram informações em procedimento de licenciamento ambiental; omitiram, no Sistema Integrado de Informação Ambiental (SIAM), declaração que dele devia constar, com o fim de prejudicar direito e alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante; retardaram, indevidamente, ato de ofício, para atender interesse pessoal; e deixaram de cumprir obrigação de relevante interesse ambiental insculpida no art. 199, XVIII e XXVII da Lei Delegada MG 180/2011 c.c. art. 74 do Decreto Estadual /2008. Consta que MARIA CLÁUDIA PINTO, Subsecretária Estadual de Gestão e Regularização Integrada, dirigida por ADRIANO MAGALHÃES CHAVES, então Secretário Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, ocultou, em benefício da MMX MINERAÇÃO SUDESTE LTDA e em prejuízo da coletividade, documentos públicos de que não podia dispor; retardou, indevidamente, ato de ofício, para atender interesse pessoal; determinou a sonegação de informações em procedimento de licenciamento ambiental e a omissão, no Sistema Integrado de Informação Ambiental (SIAM), de declaração que dele devia constar, com o fim de prejudicar direito e alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante; e ordenou que não fosse cumprida obrigação de relevante interesse ambiental insculpida no art. 199, XVIII e XXVII da Lei Delegada MG 180/2011 c.c. art. 74 do Decreto Estadual /2008. Consta ainda que LUCIANO JUNQUEIRA DE MELO, atuando como Coordenador do Núcleo de Atendimento aos Projetos Públicos e Privados da Subsecretaria Estadual de Gestão e Regularização Integrada, auxiliou MARIA CLÁUDIA a subtrair-se à ação de autoridade pública, contribuiu para a sonegação de informações em procedimento de licenciamento ambiental e para que fosse retardado ato de ofício e não fosse cumprida obrigação de relevante interesse ambiental insculpida no art. 199, XVIII e XXVII da Lei Delegada MG 180/2011 c.c. art. 74 do Decreto Estadual /

4 O organograma abaixo demonstra a estrutura hierárquica desta poderosa e subreptícia associação criminosa que, atuando nas sombras da Administração do Sistema Estadual de Meio Ambiente, patrocinava interesses privados e omitia-se quanto aos seus deveres funcionais em detrimento do meio ambiente ecologicamente equilibrado: Segundo se apurou, em 27 de julho de 2012, os analistas ambientais da SUPRAM- CM Gustavo de Araújo Soares e Igor Rodrigues Costa Porto, durante a instrução de procedimento de licenciamento nº /2003/018/2010 referente às atividades da empresa mineradora MMX Sudeste Mineração LTDA, elaboraram o auto de fiscalização nº 59631/2012 e o auto de infração nº 53186/2012. Este último determinava o embargo das atividades da aludida empresa devido à degradação ambiental que podia resultar em impactos negativos graves e irreparáveis ao patrimônio natural e cultural nas áreas de ocorrência de cavidades subterrâneas da Mina Serra Azul. Tais documentos públicos foram encaminhados ao Diretor Técnico ANDERSON em 30 de julho de 2012, por meio do MEMO nº 382/2012/SEMAD/SUPRAM CENTRAL, para que este efetivasse o embargo imediato das atividades, cumprindo a obrigação de relevante interesse ambiental conforme o disposto no art. 74 do Decreto Estadual /2008: 4

5 Art. 74. O embargo de obra ou atividade será determinado e efetivado, de imediato, nas hipóteses previstas neste Decreto. Tratando-se de auto de infração com influência direta na validade do licenciamento ambiental de gigantesca atividade minerária da MMX Sudeste Mineração Ltda, o embargo deveria ter sido imediatamente efetivado, a documentação correspondente (MEMO nº 382/2012/SEMAD/SUPRAM e seus anexos, Auto de fiscalização nº 59631/2012 e o auto de infração 53186/2012) sido juntada ao procedimento nº /2003/018/2010 e os autos de fiscalização e infração lançados no Sistema Integrado de Informação Ambiental, possibilitando, ao mesmo tempo, o controle social e o exercício do contraditório e da ampla defesa administrativa. Contudo, ANDERSON levou o caso ao então Superintendente da SUPRAM CM, DIEGO. Ambos ajustaram não efetivar imediatamente o embargo, ocultar o MEMO nº 382/2012/SEMAD/SUPRAM e seus anexos, incluindo o auto de fiscalização 59631/2012 e o auto de infração 53186/2012, sonegar suas informações do procedimento de licenciamento ambiental nº /2003/018/2010 e do Sistema Integrado de Informação Ambiental (SIAM) e enviar a documentação à Subsecretária MARIA CLÁUDIA em 07 de agosto de 2012; beneficiando a empresa MMX MINERAÇÃO SUDESTE LTDA que continuou exercendo suas atividades degradadoras sem qualquer sanção, em detrimento do meio ambiente. Tendo recebido o MEMO nº 382/2012/SEMAD/SUPRAM, o auto de fiscalização nº 59631/2012 e o auto de infração nº 53186/2012, MARIA CLÁUDIA ordenou que ANDERSON e DIEGO não efetivassem o embargo e entrou em contato direto com o então Secretário de Meio Ambiente ADRIANO. Este, após alguma indecisão, determinou que não fosse efetivado o embargo devido e que ninguém fosse ao empreendimento da MMX MINERAÇÃO SUDESTE LTDA. No seguinte trecho da interceptação telefônica realizada nos autos nº , MARIA CLÁUDIA descreve a Daniela Diniz como se deu o iter criminis: 5

6 MARIA CLÁUDIA: É. E outra coisa também Dani, é que a gente fica o tempo inteiro blindano demais o Adriano blindano demais a imagem do Estado, né? DANI: É. MARIA CLÁUDIA: Tentano mostrar também uma existência que não existe. DANI: Não. MARIA CLÁUDIA: Sei lá! DANI: A gente... MARIA CLÁUDIA: É. DANI: A gente passa uma mentira mesmo. É pra segurar a equipe também no mínimo pra todo mundo num parar. É isso; Mais a gente passa uma mentira! (...) Eu fico pensano até aonde que (...) eles tem Exatamente a ciência (...) Talvez por não ter tanta... Tanto acesso ao que o Adriano tá falano eles não tem isso tão aflorado. Acho... MARIA CLÁUDIA: É... É... menina e hoje chegou pra mim lá, uma... Duas Dr. Mauro, Dr. Mauro eu fiquei pensano (Vai cravar (...) das minhas costelas). Ele mandou hoje pra mim uma intimação, pra ir lá depô no... (MMX)? MMX fez uma... Uma lambança nas cavidades lá, nós fomos lá vi... º... Gustavo e o Igor fizeram um Relatório de Vistoria Relatório de Fiscalização passei... Eles passaram pro Anderson, o Anderson e Diego levaram pra mim e falaram: Ó Maria Cláudia, (...) parar a MMX DANI: Hum! MARIA CLÁUDIA: Eu falei não, então espera, vamo vê o que que vai dá... vê o que que decide o que que resolve; Aí, um dia eu conversava com o Adriano, ele; Não, pode ir lá parar a MMX tem problema não! DANI: Hum! MARIA CLÁUDIA: Aí, no dia tava tudo combinado que eu avisava pra ele; O Adriano, a gente ta olhano a MMX amanhã. Não não não vai não! Não vai não, porque não sei o quê... Ele falou isso umas quatro vezes sabe? (grifos nossos) Ato contínuo, ADRIANO e MARIA CLÁUDIA ocultaram os referidos MEMO nº 382/2012/SEMAD/SUPRAM, autos de fiscalização nº 59631/2012 e de infração nº 53186/2012, impedindo a juntada de suas informações ao procedimento de licenciamento ambiental nº /2003/018/2010 e no Sistema Integrado de Informação Ambiental (SIAM), e passaram a procurar diretamente a empresa para que apresentassem estudos, 6

7 de maneira a evitar o embargo e garantir a emissão da licença. Nisso, passou-se mais de um ano, no qual as atividades da MMX continuaram a ser exercidas e o patrimônio espeleológico continuou a ser impactado negativamente. Em 18 de junho de 2013, chegou ao conhecimento da Promotoria Estadual de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico de Minas Gerais, por meio do ofício nº 134/2013 oriundo do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa do Meio Ambiente, Patrimônio Cultural, Urbanismo e Habitação, que o documento de protocolo nº /2012, informando que o auto de fiscalização 59631/2012 e o auto de infração 53186/2012 com embargo das atividades da empresa mineradora MMX Sudeste Mineração Ltda, estranhamente não se encontravam juntados ao processo de licenciamento ambiental nº /2003/018/2010. O Ministério Público, então, oficiou por três vezes o Superintendente DIEGO solicitando o envio de cópia dos referidos documentos e foi informado que foram realizadas buscas dos documentos solicitados, sem que lográssemos êxito em localizá-los, aduzindo-se, em seguida, que os mesmos teriam sido enviados à Subsecretaria de Gestão e Regularização Ambiental Integrada (SGRAI/SEMAD) e recebidos em 07 de agosto de 2012 por MARIA CLÁUDIA PINTO. Na sequência, o órgão do Parquet expediu àquela subsecretaria o Ofício nº 1228/2013 (protocolado em 06/09/2013), requisitando cópia dos autos de fiscalização e infração, reiterado pelos ofícios nº 1556/2013 (protocolado em 01/10/2013) e 1872/2013 (protocolado em 29/11/2013), todos assinalando prazo de 10 (dez) dias para resposta. MARIA CLÁUDIA, dolosamente, passou a enrolar o Ministério Público no intuito de ocultar seus crimes e possibilitar a concessão de licença fraudulenta, conforme descreve no restante da mesma conversa telefônica supramencionada: 7

8 DANI: Hum! MARIA CLÁUDIA: E aí, ficou esse negócio; E... e... E a gente tentano resolver, pedino pra MMX apresentar os estudos pra reanalisar e conceder licença já com as habilitações feitas, (...) Enrola, não responde o Ministério Público. Eu fui enrolano, liguei pro Dr. Carlos Eduardo, enrolano... enrolano... Agora chega intimação pra depô no Inquérito. Sem ter mais como sustentar a falta de fiscalização e embargo em relação à MMX, a associação criminosa teve que adotar alguma providência para mascarar suas omissões e retardamentos injustificados. Em razão disso, foi ordenada a realização de uma fiscalização no empreendimento em 13 de dezembro de 2013 (mais de um ano depois). Tal fiscalização acarretou a emissão do Auto de Fiscalização nº e confirmou que o impacto ambiental a cavidades efetivamente ocorreu e se agravou por falta de embargo das atividades. Conforme relatado pelo analista ambiental Igor Rodrigues Costa Porto, havia ocorrido a supressão de cavidades naturais subterrâneas (A1, A2, A3 e A4) e em relação às cavidades A5, A e A7 não foi possível verificar se elas ainda existem, uma vez que se encontram em área de grande instabilidade. Ainda assim e sobejamente cientes os investigados dos danos ambientais que estavam sendo causados, não foi efetivado o auto de infração nº 53186/2012. ANDERSON, para transmitir uma falsa aparência de legalidade, emitiu novo auto de infração (auto de infração nº 62295) em 28 de fevereiro de 2014 (20 meses após a recomendação inicial de embargo). Até o dia 31 de março de 2014, a MMX MINERAÇÃO SUDESTE LTDA ainda não havia recebido qualquer auto de infração ou sofrido o embargo das atividades. Como se não bastasse tudo isso, MARIA CLÁUDIA ordenou a seu subordinado LUCIANO que a auxiliasse a esquivar-se da ação do Ministério Público, orientando ANDERSON e DIEGO para que alinhassem os depoimentos e ocultassem os documentos públicos em foco. LUCIANO promoveu várias ligações telefônicas e envio de mensagens SMS, em especial no dia 01/04/2014, ajustando o encontro entre 8

9 ANDERSON e MARIA CLÁUDIA para que tramassem a estratégia para ludibriar a atuação do Ministério Público, ocultando os documentos públicos que eram buscados e retardando a sanção administrativa em relação à MMX MINERAÇÃO SUDESTE LTDA: Data: Hora: 13:10:42 Maria Cláudia: (31) Luciano: aguardando dados Maria Cláudia afirma que prestará depoimento no Ministério Público sobre a empresa MMX. Ela diz: "Eu tenho que ler e estudar isso e conversar com o Diego no final de semana, pois ele (Diego) alinhou conhecimentos com o Anderson sobre o que falar." Assim, segundo apurações técnicas do Grupo de Combate às Organizações Criminosas, as interceptações telefônicas elucidaram a seguinte rede relacional: 9

10 Pelo acima exposto, o Ministério Público do Estado de Minas Gerais denuncia: A) ANDERSON MARQUES MARTINEZ LARA como incurso nos artigos 288, 299, parágrafo único, 305 e 319, do Código Penal e nos artigos 66 e 68 da Lei 9605/98, todos na forma do art. 69 do Código Penal; B) DIEGO KOITI DE BRITO FUGIWARA como incurso nos artigos 288, 299, parágrafo único, 305 e 319, do Código Penal e nos artigos 66 e 68 da Lei 9605/98, todos na forma do art. 69 do Código Penal; C) ADRIANO MAGALHÃES CHAVES como incurso nos artigos 288, 299, parágrafo único, 305 e 319, do Código Penal e nos artigos 66 e 68 da Lei 9605/98, todos na forma do art. 69 do Código Penal; D) MARIA CLÁUDIA PINTO como incursa nos artigos 288, 299, parágrafo único, 305 e 319, do Código Penal e nos artigos 66 e 68 da Lei 9605/98, todos na forma do art. 69 do Código Penal; E) LUCIANO JUNQUEIRA DE MELO como incurso nos artigos 288, 319 e 348, caput, do Código Penal e nos artigos 66 e 68 da Lei 9605/98, todos combinados com art. 29, parágrafo único do Código Penal. e requer que, após autuada esta, sejam os denunciados notificados para responderem por escrito no prazo de 15 (quinze) dias na forma do art. 514 do Código de Processo Penal, seja recebida a inicial e citados e interrogados, ouvindo-se as testemunhas abaixo arroladas, cumpridas as demais formalidades legais, até final CONDENAÇÃO. Rol de testemunhas: 1) Gustavo de Araújo Soares Rua Joanésia, 450, ap. 201, Serra, Belo Horizonte, MG; 10

11 2) Igor Rodrigues Costa Porto, funcionário público estadual Rua Espírito Santo, 495, 4º andar, Centro, Belo Horizonte, MG; 3) Cristina Kistemann Chiodi, funcionária pública estadual Rua Dias Adorno, 367, 8º andar, Santo Agostinho, Belo Horizonte, MG; 4) Edelfina Aparecida Guimarães, funcionária pública estadual, Rua Timbiras, 2941, Barro Preto, Belo Horizonte, MG; Belo Horizonte, 10 de abril de ANDREA DE FIGUEIREDO SOARES Promotora de Justiça Curadora do Meio Ambiente da Comarca de Belo Horizonte CARLOS EDUARDO FERREIRA PINTO Promotor de Justiça Coordenador-Geral das Promotorias de Defesa do Meio Ambiente por Bacia Hidrográfica MARCOS PAULO DE SOUZA MIRANDA Promotor de Justiça Coordenador da Promotoria Estadual de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico de Minas Gerais MAURO DA FONSECA ELLOVITCH Promotor de Justiça Coordenador das Promotorias de Defesa do Meio Ambiente das Bacias dos Rios Paraopeba e Rio das Velhas 11

12 MM. Juiz: 1 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS oferece denúncia em 11 (onze) laudas, impressas apenas no anverso; 2 - Deixa, desde já, de propor suspensão condicional do processo aos denunciados em razão da somatória das penas mínimas cominadas nos delitos narrados na denúncia ultrapassarem um ano, seguindo orientação da Súmula 243 do Superior Tribunal de Justiça. Ademais, a conduta social e personalidade dos agentes, bem como os motivos e as circunstâncias das práticas criminosas não autorizam a concessão do benefício. atualizadas dos acusados; 3- Requer a juntada de Certidões de Antecedentes Criminais 4 - Conforme se depreende dos autos, os denunciados ANDERSON MARQUES MARTINEZ LARA, ADRIANO MAGALHÃES CHAVES, MARIA CLÁUDIA PINTO e LUCIANO JUNQUEIRA DE MELO em típica atividade de associação criminosa hierarquizada, atuando nas sombras do Sistema Estadual de Meio Ambiente, patrocinaram interesses privados perante a Administração Pública, omitiram-se quanto aos seus deveres funcionais, ocultaram documentos públicos, omitiram informações de procedimentos de licenciamento e do Sistema Integrado de Informação Ambiental (SIAM) e buscaram prejudicar a investigação criminal mediante 12

13 artifícios (determinação de vistorias tardias, delegações fictícias de atribuições, ofícios protelatórios, emissão de documentos públicos ideologicamente falsos, etc) que só foram possíveis devido aos cargos públicos que exercem. A Lei n 12403/11 alterou os artigos 282 e 319 do Código de Processo Penal e concretizou a possibilidade de suspensão do exercício de função pública, por meio de medida cautelar penal, por necessidade da instrução criminal ou quando houver justo receio de sua utilização para a prática de infrações penais: Art As medidas cautelares previstas neste Título deverão ser aplicadas observando-se a: I - necessidade para aplicação da lei penal, para a investigação ou a instrução criminal e, nos casos expressamente previstos, para evitar a prática de infrações penais; (grifo nosso) II - adequação da medida à gravidade do crime, circunstâncias do fato e condições pessoais do indiciado ou acusado. Art São medidas cautelares diversas da prisão: VI - suspensão do exercício de função pública ou de atividade de natureza econômica ou financeira quando houver justo receio de sua utilização para a prática de infrações penais; (grifo nosso) Ambas as hipóteses são aplicáveis para o caso em foco. A manutenção do exercício de funções públicas pelos denunciados durante o trâmite regular da presente ação penal implicará em graves riscos da PRÁTICA DE NOVOS CRIMES AMBIENTAIS E CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Já estão em curso novas investigações sobre condutas semelhantes efetivadas pelos acusados, indicando que o modus operandi narrado na inicial tem sido uma prática reiterada e contumaz, com ramificações em empresas de consultoria ambiental, escritórios 13

14 de advocacia e grandes empresas. O trecho abaixo de conversa telefônica demonstra a interferência direta na concessão de licenças ambientais sem as necessárias autorizações para intervenção em vegetação para as Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH s) Quartel 1, Quartel 2 e Quartel 3 para atender a pressões ilegítimas: ADRIANO: Cê... num conseguiu terminar o negócio pra mim não? MARIA CLÁUDIA: Dá... do Quartel? ADRIANO: Não, das LT. MARIA CLÁUDIA: Então, Quartel! ADRIANO: Isso! MARIA CLÁUDIA: Quartel 1, 2, 3. ADRIANO: Hum hum. MARIA CLÁUDIA: Aconteceu um problema aqui no... no... nos quarenta e cinco do segundo tempo, porque eles não têm todas as autorizações de... de intervenção nas áreas. ADRIANO: Então emite ela condicionada, ele pode intervir naquelas que ele... MARIA CLÁUDIA: É isso é que nós vão fazer... até... eu pedi o Wesley pra fechar lá o parecer assim... eles vão mandar aí a gente vai citar (...) ADRIANO: Tá bom. Deixa é... isso fica pronto hoje ou amanhã cedo? MARIA CLÁUDIA: Ó Adriano, eu pedi pra hoje. Vão fazer, né? Faço votos que seja... ADRIANO: Eu tô aqui junto ao Governador, aí eu... eu desço aí. MARIA CLÁUDIA: Cê passa aqui. Tá... senão eu vou... ADRIANO: Quero deixar isso pronto hoje, por que... eles tão me pressionando demais com esse trem pra começar. Tão mobilizado lá faz um tempão! MARIA CLÁUDIA: Hum hum. ADRIANO: Tá. Eu passo aí daqui a pouco, tá? MARIA CLÁUDIA: Beleza! Tá jóia! O trecho abaixo de conversa telefônica demonstra o planejamento de MARIA CLÁUDIA para a emissão de documento fraudulento, com data retroativa, a fim de acobertar o descumprimento de decisão judicial: 14

15 4.2.4 Data: Hora: 14:07:37 Maria Cláudia: (31) Homem: aguardando dados HOMEM: Oi. MARIA CLÁUDIA: Ei, tudo bom? HOMEM: Oi Maria Cláudia! MARIA CLÁUDIA: Cê tá no núcleo? HOMEM: Alô! MARIA CLÁUDIA: Oi! Cê tá no núcleo? HOMEM: Tô, tô. Tô na sala da Sílvia. MARIA CLÁUDIA: Ah, tá! Aqui... eu tava precisando de um enorme favor seu. (...) de São José do Goiabal. A AGE ela precisa de uma comprovação que a gente suspendeu a licença do DER à época da decisão. A gente publicou a suspensão da licença ontem, só que a gente tinha que ter feito isso na época que saiu a decisão liminar. Então, eu tô pensando em fazer um ofício com... data retroativa pro DER... é... comunicando a suspensão da... da licença... cê acha que eles recebem isso com data retroativa lá? HOMEM: Olha, o que a gente foi... é... é... eu vou pedir pra conversar direto com o Zé Élcio... MARIA CLÁUDIA: É. HOMEM: É só na segunda-feira. MARIA CLÁUDIA: Por que? HOMEM: Porque ele não tá aí. MARIA CLÁUDIA: E por que é só com o Zé Élcio? HOMEM: Ah, com o Leomar... é... o Leomar morre de medo, e o Murilo... tá viajando. MARIA CLÁUDIA: É? Ah, então tá! Eu vou tentar pelo Adriano aqui. Aí... qualquer coisa eu te falo. HOMEM: Cê... cê... cê... cê quer que eu olho lá? Que às vezes o Frade aceita isso lá? Com o outro diretor. MARIA CLÁUDIA: Uai, pode! Aí cê me dá um toque? HOMEM: Do... do... do um toque. MARIA CLÁUDIA: Uai, é num vai mudar nada! É só pra atestar que nós... fizemos alguma coisa pra cumprir... a decisão. HOMEM: É, tá jóia! Ah, mas a de... MARIA CLÁUDIA: Viu? HOMEM: Mas a decisão não foi em tempo, viu? Num fala de imediatamente, num tem nada! A AGE que tá lendo assim! MARIA CLÁUDIA: É não, mas num... juridicamente não é assim não. A partir da data de publicação. HOMEM: Tá, eu converso lá. MARIA CLÁUDIA: Tá? Então tá bom. 15

16 Registre-se que mesmo depois de ter deixado o cargo de Secretário de Meio Ambiente, o acusado Adriano (conforme áudios interceptados) continua a exercer influência direta sobre Maria Cláudia, determinando a prática de atos ilícitos para favorecer empresas, sobretudo de mineração. Além disso, prejudicará imensamente a INSTRUÇÃO CRIMINAL, pois os increpados conservarão a ascendência hierárquica sobre testemunhas, o acesso aos documentos públicos que comprovam as práticas ilícitas cometidas e a possibilidade de produção de provas forjadas (ofícios com datas retroativas, autos ideológica ou materialmente falsos, inserção posterior de dados no sistema informatizado, etc). O supracitado trecho de interceptação telefônica comprova que os acusados já utilizaram destes expedientes, inclusive da emissão de ofícios fraudulentos com data retroativa. Necessário, pois, o afastamento dos acusados do exercício de funções públicas, conforme amplamente referendado pela do Superior Tribunal de Justiça: RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA. AFASTAMENTO CAUTELAR DO CARGO DE POLICIAL CIVIL. POSSIBILIDADE. NECESSIDADE DE ASSEGURAR A INSTRUÇÃO PROCESSUAL E EVITAR A CONTINUIDADE DAS PRÁTICAS DELITUOSAS DEMONSTRADA. AUSÊNCIA DE VIOLAÇÃO A DIREITO LÍQUIDO E CERTO. RECURSO DESPROVIDO. 1. A decisão que determinou o afastamento cautelar do recorrente do exercício de qualquer função no âmbito da polícia civil, demonstra concretamente a necessidade da medida para resguardar a regularidade da instrução criminal e evitar a continuidade da prática delituosa, sem qualquer ilegalidade ou abuso de poder aferível na via do writ constitucional. 2. E não há violação a direito líquido e certo na aplicação da medida cautelar de suspensão do exercício de função pública, perfeitamente aplicável consoante entendimento jurisprudencial e doutrinário mesmo antes da previsão expressa trazida no inciso VI do art. 319 do código de processo penal, com redação dada pela Lei n. º / Refoge a via do mandado de segurança acolher as alegações de inexistência de indícios suficientes de autoria e materialidade do crime para justificar a 16

17 medida cautelar e de que o retorno do recorrente à atividade policial, em funções meramente burocráticas, em nada prejudicaria a ordem pública ou a ação penal em curso. 4. Recurso desprovido.(stj; RMS ; Proc. 2011/ ; RJ; Quinta Turma; Relª Minª Laurita Vaz; DJE 11/09/2013; Pág. 2196) (grifo nosso) Havendo suficientes indícios da materialidade dos delitos de corrupção ativa e passiva, advocacia administrativa e prevaricação, em concurso material, e da imputação da autoria aos denunciados, é de ser recebida a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal, com afastamento dos cargos dos agentes políticos (Desembargador, Juiz e Conselheiro do TCE). (STJ; Apn.460/RO, Rel. Ministra ELIANA CALMON, CORTE ESPECIAL, julgado em 06/06/2007, DJ 25/06/2007, p. 209) A gravidade dos fatos narrados na denúncia, juntamente com indícios tidos pela Corte como suficientes de materialidade e de autoria, fundamentam a necessidade de afastamento do cargo, enquanto pendente a ação penal, como decidido pelo STJ, em ocasião anterior. (STJ; QO na APn.331/PI, Rel. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR, CORTE ESPECIAL, julgadoem29/05/2008, DJe 18/08/2008) PENAL E PROCESSUAL PENAL - AÇÃO PENAL ORIGINÁRIA CONTRA DESEMBARGADOR - COMPETÊNCIA DO STJ: ART. 105, I, "a", CF/88 - GRAVAÇÃO AMBIENTAL:LEGALIDADE - DENÚNCIA ANÔNIMA: LEGALIDADE - ORIENTAÇÃO DO STF - INÉPCIA DA INICIAL ACUSATÓRIA: INEXISTÊNCIA - CORRUPÇÃO ATIVA E PASSIVA (ART. 333, PARÁGRAFO ÚNICO E ART.317, 1,DO CÓDIGO PENAL) - DELITO DE CORRUPÇÃO ATIVA (DO CÓDIGO PENAL) - INDÍCIOS SUFICIENTES DE AUTORIA E MATERIALIDADE - AFASTAMENTO DO CARGO - POSSIBILIDADE - PRECEDENTES. 17

18 1. Gravação ambiental realizada por um dos interlocutores é prova lícita segundo orientação do STF. Precedentes. 2. Somente inequívoca deficiência, impedindo a compreensão da acusação a ponto de comprometer o direito de defesa leva à eventual inépcia da denúncia. 3. Robusta prova indiciária que dá sustentação à acusação, permitindo concluir pela materialidade e autoria, neste primeiro juízo de delibação. 4. Os denunciados negociaram vantagem indevida com o fim de retardar o andamento de ação penal em trâmite no Tribunal de Justiça da Bahia, praticando, em tese, corrupção passiva (no art. 317, 1º, do Código Penal). 5. Beneficiado com o atraso no andamento do feito, conforme prova indiciária, foi repassada vantagem indevida ao relator do processo, por intermédio de seu filho, praticando ambos corrupção ativa. 6. Pela gravidade do delito de que é acusado, praticado no exercício da judicatura, impõe-se, nos termos do art. 29 da LOMAN (LC n 35/79), o afastamento do magistrado das funções de Desembargador do TJ/BA, durante o curso da instrução. 7. Denúncia recebida, com o afastamento do magistrado das suas funções. (STJ; APn 644/BA, Rel. Ministra ELIANA CALMON, CORTE ESPECIAL, julgado em 30/11/2011, DJe 15/02/2012) Assim, tendo em vista o poder de cautela que é conferido a Vossa Excelência pelos arts. 282 e 319, VI, do CPP, por conveniência da instrução criminal e por haver justo receio da utilização dos cargos para a prática de infrações penais acarretando desprestígio da Administração Pública e ocorrência de novos impactos 18

19 ambientais irreparáveis requer o Ministério Público seja determinada a imediata SUSPENSÃO DO EXERCÍCIO DE FUNÇÃO PÚBLICA pelos acusados ANDERSON MARQUES MARTINEZ LARA, ADRIANO MAGALHÃES CHAVES, MARIA CLÁUDIA PINTO e LUCIANO JUNQUEIRA DE MELO. Belo Horizonte, 10 de abril de ANDREA DE FIGUEIREDO SOARES Promotora de Justiça Curadora do Meio Ambiente da Comarca de Belo Horizonte CARLOS EDUARDO FERREIRA PINTO Promotor de Justiça Coordenador-Geral das Promotorias de Defesa do Meio Ambiente por Bacia Hidrográfica MARCOS PAULO DE SOUZA MIRANDA Promotor de Justiça Coordenador da Promotoria Estadual de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico de Minas Gerais MAURO DA FONSECA ELLOVITCH Promotor de Justiça Coordenador das Promotorias de Defesa do Meio Ambiente das Bacias dos Rios Paraopeba e Rio das Velhas 19

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO Inquérito Policial n.º: 234/2005 Vítima: Administração Pública Réu: Honestino Guimarães Rosa O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli R E L A T Ó R I O A Exmª Des. Federal MARGARIDA CANTARELLI (Relatora): Cuida-se de mandado de segurança impetrado pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL contra decisão do Juízo da 8ª Vara Federal do Rio Grande

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta pelo Ministério Público Federal contra sentença proferida pelo MM. Juízo da 37ª Vara de Pernambuco, na

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE JUSTIÇA Juiz Convocado HELVÉCIO DE BRITO MAIA NETO

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE JUSTIÇA Juiz Convocado HELVÉCIO DE BRITO MAIA NETO HABEAS CORPUS Nº 0002031-78.2014.827.0000 ORIGEM: COMARCA DE PARAÍSO DO TOCANTINS 1ª VARA CRIMINAL PACIENTE: RAPHAEL BRANDÃO PIRES IMPETRANTE: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL DO TOCANTINS IMPETRADO:

Leia mais

VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE

VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE EXMO. SR. JUIZ FEDERAL DA PERNAMBUCO VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE Processo Administrativo n.º 1.26.000.000967/2008-95 Denúncia nº 224/2008 O Ministério Público Federal, por sua Representante infrafirmada,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MPF FLS. 2ª CCR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL VOTO Nº 7399/2015 (IPL 1763/2010-1) ORIGEM: 5ª VARA FEDERAL CRIMINAL DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR OFICIANTE: ARIANE GUEBEL DE ALENCAR RELATORA: RAQUEL ELIAS FERREIRA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL (Processo n 001.2008.024234-8/001) RELATOR: Desembargador Luiz Silvio

Leia mais

THALES TÁCITO PONTES LUZ DE PÁDUA CERQUEIRA PROMOTOR DE JUSTIÇA COOPERADOR 1

THALES TÁCITO PONTES LUZ DE PÁDUA CERQUEIRA PROMOTOR DE JUSTIÇA COOPERADOR 1 COTA INTRODUTÓRIA À DENÚNCIA I.P nº 151/98 MM. Juiz: 1) Recebi o Inquérito em questão, a fim de cooperar com os cultos colegas Ministeriais, face o acúmulo de serviços; 2) Manifestei-me em separado, em

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 21.628 - SP (2007/0158779-3) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : AGOSTINHO FERRAMENTA DA SILVA JÚNIOR ADVOGADO : JULIANA FERRAMENTA DA SILVA RECORRIDO : TRIBUNAL DE

Leia mais

Luiz Eduardo de Almeida

Luiz Eduardo de Almeida Luiz Eduardo de Almeida Apresentação elaborada para o curso de atualização do Instituo Brasileiro de Direito Tributário IBDT Maio de 2011 Atividade da Administração Pública: ato administrativo Em regra

Leia mais

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional?

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? L F Ladir & Franco A D V O G A D O S RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? Túlio Arantes Bozola Advogado - Ladir & Franco

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Número de Ordem Pauta Não informado Registro: 2011.0000029051 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0010102-10.2007.8.26.0302, da Comarca de Jaú, em que é apelante ROMILDO SEGUNDO

Leia mais

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL GUILHERME COUTO DE CASTRO APELANTE : UNIAO FEDERAL APELADO : JOSÉ RODRIGUES PINHEIRO ADVOGADO : SONIA REGINA DALCOMO PINHEIRO ORIGEM : QUARTA VARA FEDERAL DE VITÓRIA (200050010111940)

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Direito Processual Penal 2ª Fase OAB/FGV Professora Beatriz Abraão MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da... Vara Criminal da Comarca... (especificar

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS ICP nº 1.18.000.002374/2011-31 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, com fundamento no art. 17 da Lei nº 8.429/92 e com base nas

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme892 RgA-teP Diário da Justiça de 06/11/2006 26/09/2006 SEGUNDA TURMA RELATOR AGRAVANTE(S) AGRAVADO(A/S) : MIN. GILMAR MENDES : BRUNO DINIZ ANTONINI : RELATOR DO HC Nº 20906 DO SUPERIOR

Leia mais

P A R E C E R Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União

P A R E C E R Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União P A R E C E R Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União Referência: 99902.001414201-82 Assunto: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Recorrente: Órgão ou Caixa

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª Vara Criminal)

Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª Vara Criminal) TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE RONDÔNIA Câmara Criminal Data de distribuição :31/07/2007 Data de julgamento :25/09/2008 100.019.2005.002900-0 Apelação Criminal Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENRIQUES DE SÁ E BENE VIDES

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENRIQUES DE SÁ E BENE VIDES ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENRIQUES DE SÁ E BENE VIDES DECISÃO TERMINATIVA Agravo de Instrumento 200.2011.026679-4/001 2 1' Vara Civel da Capital. Relator : Des. Saulo Henriciues

Leia mais

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e censura independe de sindicância ou processo, podendo ser

Leia mais

NÚCLEO DF DRFESA DO MEIO AMIÜLN n, 15" PROMOTORIA DE JUSTIÇA

NÚCLEO DF DRFESA DO MEIO AMIÜLN n, 15 PROMOTORIA DE JUSTIÇA MINISTÉRIO PUBLICO DO ESTADO DE GOIÁS NÚCLEO DF DRFESA DO MEIO AMIÜLN n, 15" PROMOTORIA DE JUSTIÇA EXCELENTISSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GOIÁS.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições,

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições, EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições, informa que em virtude da publicação da Emenda Constitucional

Leia mais

sem necessidade de transcrição. quando for de sua preferência pessoal

sem necessidade de transcrição. quando for de sua preferência pessoal Solicito informações a respeito do posicionamento jurisprudencial atualizado a respeito da necessidade de degravação dos depoimentos prestados nas audiências gravadas por meio audiovisual. Explico: a Defesa

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta por Alfredo de Oliveira Santos contra sentença (fls. 455/471) da lavra do MM. Juízo da 13ª Vara Federal

Leia mais

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL GERALDO APOLIANO (RELATOR): Habeas Corpus impetrado por Anderson José Manta Cavalcanti, com pedido liminar, em favor de José Bispo dos Santos Neto, objetivando a declaração

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

A C Ó R D Ã O Nº 70067495689 (Nº CNJ: 0434946-98.2015.8.21.7000) COMARCA DE PORTO ALEGRE AGRAVANTE LUIS FERNANDO MARTINS OLIVEIRA

A C Ó R D Ã O Nº 70067495689 (Nº CNJ: 0434946-98.2015.8.21.7000) COMARCA DE PORTO ALEGRE AGRAVANTE LUIS FERNANDO MARTINS OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO. DELEGADO DE POLÍCIA. AFASTAMENTO PREVENTIVO DO CARGO. REQUISITOS PARA A MEDIDA LIMINAR. 1. A concessão de medida liminar em mandado de segurança

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 781.703 - RS (2005/0152790-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : UNIÃO : MARCOS ROBERTO SILVA DE ALMEIDA E OUTROS : WALDEMAR MARQUES E OUTRO EMENTA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro APELAÇÃO CRIMINAL (ACR) Nº 12020/ (2007.84.00.002040-8) RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta pelo Ministério Público Federal contra sentença

Leia mais

DIREITO PENAL. Exame de Ordem 2009.2 Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL

DIREITO PENAL. Exame de Ordem 2009.2 Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL DIREITO PENAL PEÇA PROFISSIONAL José de Tal, brasileiro, divorciado, primário e portador de bons antecedentes, ajudante de pedreiro, nascido em Juazeiro BA, em 7/9/1938, residente e domiciliado em Planaltina

Leia mais

Monitoramento de mídia digital Tribunal de Justiça de Pernambuco. Assunto: Veículo: Jornal do Commercio Data: 27/11/2012

Monitoramento de mídia digital Tribunal de Justiça de Pernambuco. Assunto: Veículo: Jornal do Commercio Data: 27/11/2012 Assunto: Veículo: Jornal do Commercio Data: 27/11/2012 Editoria: Caderno C Dia a Dia Assunto: TJPE nomeia novos servidores Veículo: diariodepernambuco.com.br Data: 08/01/2013 Editoria: TJPE nomeia novos

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2008.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2008. Ntátuald, TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA - APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2008.012051-0/002, ORIGEM :Processo n. 001.2008.012051-0 da 3 a Vara

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

Aliás, ainda em âmbito ministerial, no I Encontro Criminal de 2004, a conclusão, nas ementas 73 e 84, havia sido de que:

Aliás, ainda em âmbito ministerial, no I Encontro Criminal de 2004, a conclusão, nas ementas 73 e 84, havia sido de que: Em abril de 2007, no Relatório de Pesquisa 6.2.5., este Centro de Apoio Operacional Criminal havia concluído que, do ponto de vista prático, se tratando de infração de menor potencial ofensivo a ser apurada

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 699.549-0/0 SÃO PAULO Agravante: Sociedade de Cultura Franciscana Agravadas: CHR Construtora e Comercial Ltda. Portifólio Participações e Empreendimentos Ltda. Agropecuária Rio

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 23480.000837/2015-93 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: J. P. P. P. Recurso contra

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) RELATOR(A): Inquérito policial n. 27-65.2013.6.20.0000 (IP 011/2013). Relator: Desembargador Amílcar Maia. Autor: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL. Denunciados: Lucicleide Ferreira

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL GERALDO APOLIANO (RELATOR): À conta de Remessa Oficial, examina-se a sentença proferida pelo MM. Juiz Federal da 2ª Vara da Seção Judiciária do Ceará, que, nos autos da

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal HABEAS CORPUS 115.126 SÃO PAULO RELATORA IMPTE.(S) : MIN. ROSA WEBER :ZHEN HAIFANG :WU LIZHEN :ZHOU XINYOU :LIU PEIHUA :WANDERLEY RODRIGUES BALDI :DELEGADO DE POLÍCIA FEDERAL QUE ATUA JUNTO AO AEROPORTO

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo ORDEM DE SERVIÇO IRF/SPO Nº 12, DE 24 DE MAIO DE 2011 Dispõe, provisoriamente, sobre a

Leia mais

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 (OAB/LFG 2009/02). A sociedade Souza e Silva Ltda., empresa que tem como objeto social a fabricação e comercialização de roupas esportivas,

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. Institui a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996.

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Interceptação Telefônica. II) Legislação correlata LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

I miii mil mu mu mu um um mu mi nu *D?7fi3RR9*

I miii mil mu mu mu um um mu mi nu *D?7fi3RR9* TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N I miii mil mu mu mu um um mu mi nu *D?7fi3RR9* Vistos, relatados e discutidos estes

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 08/09/2015 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 3 DE 5 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do

Leia mais

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015.

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Estabelece diretrizes e procedimentos para o cumprimento da compensação ambiental decorrente do corte e da supressão de vegetação nativa pertencente ao bioma

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL:

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL: TRF 2 COMPETÊNCIA PENAL - PROCESSO PENAL - DECISÃO QUE REJEITA EXCEÇÃO DE INCOMPETÊNCIA - INEXISTÊNCIA DE RECURSO - APELAÇÃO CRIMINAL NÃO CONHECIDA - PEDIDO RECEBIDO COMO HABEAS CORPUS - REDUÇÃO À CONDIÇÃO

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça.

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 11 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Foro por Prerrogativa de Função; Conexão e Continência. 3.5 Foro por Prerrogativa de Função: b) Juízes

Leia mais

AUTOS N. 2008.61.81.002808-6

AUTOS N. 2008.61.81.002808-6 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ªVARA CRIMINAL FEDERAL DA 1ª SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO AUTOS N. 2008.61.81.002808-6 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por sua Procuradora da República que

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal Juízo de origem: 37ª Vara Criminal da Comarca da Capital Embargante: Pither Honorio Gomes Advogado: Defensoria Pública Embargado: Ministério Público Presidente: Marcus Henrique Pinto Basílio Relatora:

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MATO GROSSO

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MATO GROSSO ~".lii~~~~~,..,,;,~.::ii-~ 1,,,-:v.,w~.i"'':>'.'l;ão!.O.L 0 ~. ttm. :&::!::W.:t!li. "'""~~,1?;D\'!". TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) ANEXO VI (Edital n. 02/2014-2) CRONOGRAMA SEMESTRAL 9.º PERÍODO DEPENDÊNCIA N. DATAS ATIVIDADES EQUIVALÊNCIA Disponibilização do Cronograma Semestral de atividades no átrio

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0052654-08.2013.8.19.0000 Agravante: Município de Armação de Búzios Agravado: Lidiany da Silva Mello

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 19.257 - DF (2004/0169336-4) RELATOR : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA RECORRENTE : JOSÉ FRANCISCO DE ARAÚJO ADVOGADO : ANTÔNIO VALE LEITE E OUTRO T. ORIGEM : TRIBUNAL

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Durante o carnaval do ano de 2015, no mês de fevereiro, a família de Joana resolveu viajar para comemorar o feriado, enquanto Joana, de 19 anos, decidiu ficar em

Leia mais

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ Dispõe sobre a nomeação de defensor dativo nas Comarcas onde não exista Defensoria Pública e dá outras providências atribuições legais, O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, no uso de

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA. Lei n. 12.016/2009, tirado contra a autoridade coatora, ilibado. desembargador Melo Colombi, haja vista que ao ser julgado seu

DECISÃO MONOCRÁTICA. Lei n. 12.016/2009, tirado contra a autoridade coatora, ilibado. desembargador Melo Colombi, haja vista que ao ser julgado seu fls. 73 Registro: 2014.0000596141 VOTO Nº 12525 Mandado de Segurança nº 2164775-13.2014.8.26.0000 Relator(a): Carlos Abrão Comarca: São Paulo (1ª Vara Cível - Foro Regional de Pinheiros) Impetrante: Silvy

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SEVERINO SOMBRA. Quebra de sigilo em concurso vestibular CAIO TÁCITO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SEVERINO SOMBRA. Quebra de sigilo em concurso vestibular CAIO TÁCITO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SEVERINO SOMBRA Quebra de sigilo em concurso vestibular CAIO TÁCITO Em face de denúncias de violação do sigilo em concurso vestibular para cursos mantidos pela Fundação Educacional

Leia mais

À UNIDADE REGIONAL COLEGIADA RIO DAS VELHAS DO CONSELHO DE POLÍTICA AMBIENTAL DE MINAS GERAIS COPAM/MG.

À UNIDADE REGIONAL COLEGIADA RIO DAS VELHAS DO CONSELHO DE POLÍTICA AMBIENTAL DE MINAS GERAIS COPAM/MG. À UNIDADE REGIONAL COLEGIADA RIO DAS VELHAS DO CONSELHO DE POLÍTICA AMBIENTAL DE MINAS GERAIS COPAM/MG. Empreendimento: Usiminas Mina Taquaril Processo n.º 03172/2008/002/2009 Revalidação de Licença de

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça Conselho Nacional de Justiça PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO Nº 200910000039388 RELATOR: REQUERENTE: REQUERIDO: CONSELHEIRO JOSÉ ADONIS CALLOU DE ARAÚJO SÁ JOSÉ FERREIRA LEITE, MARCELO SOUZA DE

Leia mais

RESULTADO DO JULGAMENTO. DENUNCIADA: Equipe TCC/UNITAU/UNIMED/TARUMÃ-TAUBATE

RESULTADO DO JULGAMENTO. DENUNCIADA: Equipe TCC/UNITAU/UNIMED/TARUMÃ-TAUBATE RESULTADO DO JULGAMENTO Processo nº 05/2012 DENUNCIADA: Equipe TCC/UNITAU/UNIMED/TARUMÃ-TAUBATE Aos cinco dias do mês de novembro de dois mil e doze, reuniu-se a Comissão Disciplinar do Superior Tribunal

Leia mais

MANUAL DE SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA

MANUAL DE SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA MANUAL DE SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA Diretora Geral das IES Promove de BH e de MG e Inforium: Profª.Tânia Raquel de Queiroz Muniz Diretor Geral das IES Kennedy e Alberto Deodato: Prof. João Evangelista

Leia mais

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 23480.011934/2014-21 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão

Leia mais

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno de rascunho contendo o enunciado da

Leia mais

GAECO Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado

GAECO Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 3ª VARA CRIMINAL DA COMARCA DE LONDRINA. O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, por seus agentes adiante firmados, no exercício de suas atribuições, vem

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 13ª Vara Federal de Curitiba

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 13ª Vara Federal de Curitiba Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 13ª Vara Federal de Curitiba Av. Anita Garibaldi, 888, 2º andar - Bairro: Ahu - CEP: 80540-180 - Fone: (41)3210-1681 - www.jfpr.jus.br - Email:

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A.

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. VOTO PROCESSO: 48500.007977/2000-07. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

JOSE BRAULIO BRITO MAIA MINISTERIO PUBLICO A C Ó R D Ã O

JOSE BRAULIO BRITO MAIA MINISTERIO PUBLICO A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CRIMINAL. CRIME CONTRA O PATRIMÔNIO. ESTELIONATO. RECONHECIMENTO DA PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO PUNITIVA DO ESTADO PELA PENA EM CONCRETO. RECURSO DEFENSIVO PREJUDICADO. Transcorridos mais de 04 (quatro)

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA VIGÉSIMA QUINTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR

TRIBUNAL DE JUSTIÇA VIGÉSIMA QUINTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA VIGÉSIMA QUINTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL Nº 0489078-15.2012.8.19.0001 APELANTE: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. APELADO: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RELATORA:

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO PEÇA PROFISSIONAL A administração pública local desencadeou procedimento licitatório, na modalidade de tomada de preços, tendo por objeto a construção de uma ponte de 28 metros.

Leia mais

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO 1 - RELATÓRIO Nos presentes autos de processo comum, com intervenção do Tribunal Singular, o Ministério Público deduziu acusação contra Maria Silva, nascida a 11 de Setembro de 1969, natural de Coimbra,

Leia mais

ATESTADOS ODONTOLÓGICOS.

ATESTADOS ODONTOLÓGICOS. ATESTADOS ODONTOLÓGICOS. Daniel P.P. de Bragança, C.D. Especialista em Odontologia Legal - UNICAMP Mestrando em Odontologia Legal e Deontologia UNICAMP Servidor Cirurgião-Dentista da Prefeitura de Macaé/RJ

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 129.804 - PB (2013/0300560-9) RELATOR SUSCITANTE SUSCITADO : MINISTRO REYNALDO SOARES DA FONSECA : JUÍZO FEDERAL DA 8A VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DA PARAÍBA : JUÍZO DE

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

O empregado caminhando na empresa, cai e se machuca vai pedir uma indenização na justiça do trabalho. (empregado x empregador);

O empregado caminhando na empresa, cai e se machuca vai pedir uma indenização na justiça do trabalho. (empregado x empregador); Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Processo do Trabalho / Aula 04 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Procedimento Sumário, Procedimento Sumaríssimo. A competência para julgar acidente de trabalho:

Leia mais

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA 7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA Apelante: MUNICÍPIO DE CERRO AZUL Apelado: ESTADO DO PARANÁ Relator: Des. GUILHERME LUIZ GOMES APELAÇÃO CÍVEL AÇÃO ANULATÓRIA

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais