ASPECTOS PROCESSUAIS DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS PROCESSUAIS DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA"

Transcrição

1 0 FACULDADE DE DIREITO MILTON CAMPOS Programa de Pós-Graduação em Direito Empresarial ASPECTOS PROCESSUAIS DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA Herbert José Almeida Carneiro NOVA LIMA-MG 2008

2 1 Herbert José Almeida Carneiro ASPECTOS PROCESSUAIS DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA Dissertação apresentada ao curso de Pós-graduação Mestrado Strictu Sensu com área de concentração em Direito Empresarial da Faculdade de Direito Milton Campos, como requisito para obtenção do título de Mestre Orientador: Prof. Dr. José Barcelos de Souza Nova Lima-MG Faculdade de Direito Milton Campos 2008

3 2 Herbert José Almeida Carneiro A dissertação intitulada ASPECTOS PROCESSUAIS DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA, foi avaliada como requisito final para a obtenção do título de mestre em Direito, tendo sido. Foi analisada pela banca examinadora constituída pelos professores: Orientador Prof. Dr. José Barcelos de Souza

4 3 Dedico este trabalho, em especial, aos meus queridos pais, esposa e filhos. Aos meus pais, pelo cultivo do dom divino de minha vida. À minha esposa, Denise, pelo companheirismo incondicional, preenchendo com seu dedicado amor todos os momentos de nossas vidas; minha cumplicidade é o que tenho a oferecê-la. Aos meus filhos, Thiago e Naiara, razão de minha motivação maior para os desafios da vida; neles sintetizo o amor forte que bate em meu coração e justifica toda minha existência. À legião daqueles acreditam no avanço trazido pela responsabilidade penal da pessoa jurídica e que lutam incessantemente pela efetividade desse importante instituto jurídico-penal.

5 4 AGRADECIMENTOS A DEUS, pelo dom da vida, com saúde e paz, enchendo-me de disposição para enfrentar os desafios cotidianos, sem perder o estímulo para buscar crescimento intelectual-jurídico. legaram. Aos meus pais, Bruno e Ivoniles, pela dedicação e exemplo que me À minha esposa, Denise, pelo apoio constante, traduzido em gestos de incentivo e carinho permanentes. Aos meus filhos, Thiago e Naiara, fontes permanentes de minha inspiração, com gratidão a Deus por tê-los colocado em minha vida e enchê-la de alegria. Ao meu amigo, Wilson Benevides, que despertou em mim o interesse pelo mestrado. Aos ilustres Professores, Carlos Alberto Rohrmann e José Barcelos de Souza, pela dedicação dispensada e pelas constantes lições de vida e de direito. Aos meus assessores, Rafael e Silmara, pela presteza dispensada nas pesquisas que embasaram este trabalho.

6 5 RESUMO A responsabilidade penal da pessoa jurídica, introduzida na realidade jurídica brasileira, através da Constituição Federal de 1988 (artigo 225, 3, CF) e Lei n /98, tem despertado acirrados debates nos campos doutrinário e jurisprudencial, sobre sua efetiva viabilidade, porquanto representa, para alguns estudiosos da matéria, um rompimento radical e injustificado com a teoria geral do delito, que tem no indivíduo, enquanto pessoa humana, o único sujeito capaz de experimentar a sanção penal. Lado outro, posicionam-se aqueles adeptos da idéia de que a pessoa jurídica, definida pela ordem jurídica como sujeito de direitos e obrigações, está apta, nessa condição, a figurar como sujeito de relação jurídica pacífica (relações contratuais) ou litigiosa (conflito de interesses), e, destarte, plenamente capacitada para integrar a relação processual penal, não só no pólo ativo, mas, também no pólo passivo. Essa corrente entende que a teoria de Savigny atribuindo existência ficta à pessoa jurídica acha-se, de há muito, abandonada, e mais, atualmente, vige a teoria da realidade objetiva, que admite os entes coletivos como seres reais e, portanto, portadores de vontade real, reconhecidos e regulados por lei. Partindo desse entendimento, coerente com a visão mais moderna do Direito Penal pátrio, a imputação penal da pessoa jurídica deve encontrar instrumentos processuais eficazes para sua viabilização, sob pena de tornar-se letra morta da lei. Esse o foco central a ser trabalhado, com o reconhecimento inicial de que a atual legislação processual penal brasileira, sabidamente ultrapassada para os tempos atuais e carente de reformulação profunda, encerra sérias dificuldades para fazer valer o propósito legal de assentar no banco dos réus a pessoa jurídica violadora do meio ambiente. Até que venha legislação própria e adequada, cabe a utilização, por analogia, das leis processuais civil e penal e legislação do trabalho existentes no Brasil, para fazer com que a pessoa jurídica processada assuma a responsabilidade penal por seus atos atentatórios ao meio ambiente. Sem se descurar da necessidade de uma ação legislativa mais ampla e sistemática, certo é que, de imediato e efeito prático, simples alteração processual para possibilitar defesa preliminar à pessoa jurídica, antes de se sujeitar à ação penal, já poderia representar significativo avanço no tratamento da responsabilidade penal da pessoa jurídica, evitando, destarte, desnecessário acionamento da máquina judiciária, à toda evidência sobrecarregada e ineficiente para o cumprimento de seu mister. Palavras-chave: Meio Ambiente. Crime. Pessoa Jurídica. Responsabilidade Penal. Processo Penal. Eficácia da Lei Ambiental

7 6 ABSTRACT The juristic person's penal responsibility, which was introduced in the juridical Brazilian context by the Federal Constitution in 1988 (art. 225, parag. 3, CF) and the law 9605/98, has arisen heated debates in the fields of dogmatism and jurisprudence about its effective viability since some experts of the subject state that it strongly opposes the general theory of crime, which claims that the individual as a human being is the only one capable of suffering punishment. On the other hand, other scholars believe that the juristic person, which is defined by law as a subject of pacific relations (contract relations) or litigious ones (interest conflicts), is totally capable of integrating the penal code, either as a victim or a defendant. The former claim that the Savigny theory which gives the juridical person fictitious existence has been left behind and at the present moment the theory of the objective reality is the one valid the latter sees the corporations as real persons, therefore having free will, recognized and regulated by law. Taking all these facts into account as well as the most modern vision of the Brazilian penal code, the penal imposition of the juridical person must find efficient procedures to make it viable, otherwise it will become a pointless law. That is the main focus of the work. Acknowledging that the present Brazilian penal legislation is terribly old-fashioned and in need of a deep reformation, it will be extremely hard to impose a sentence to the juridical person which has committed an environmental crime. While a new law is not approved, it is necessary to use analogy between the existing civil, penal and labor laws to make the juridical person take full responsibility for the crimes against the environment. Moreover, a simple alteration in the juridical procedures, offering the opportunity for the enterprises to provide their defense before the lawsuit, might represent a great advance in the juridical person's penal responsibility. Consequently, the judicial system will not be overloaded. Key words: Environment. Crime. Legal entity. Penal responsibility. Penal process. Effectiveness of the Environmental Law.

8 7 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS DOU HC RBCCrim RT STF STJ TJMG Diário Oficial da União Habeas Corpus Revista Brasileira de Ciências Criminais Revista dos Tribunais Supremo Tribunal Federal Supremo Tribunal de Justiça Tribunal de Justiça de Minas Gerais

9 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A PESSOA JURÍDICA Conceito Notícia histórica Natureza jurídica Teoria da ficção Teoria da realidade objetiva Teoria da realidade jurídica Classificação Início da existência jurídica Capacidade e representação Fim da existência jurídica A RESPONSABILIDADE CIVIL COMO REFERÊNCIA A responsabilidade civil subjetiva ou da culpa e a responsabilidade civil objetiva ou do risco Conduta humana Dano Dano patrimonial Dano moral Culpa Nexo de Causalidade Definição Tipicidade Culpabilidade Imputabilidade A VISÃO INTERNACIONAL SOBRE A RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA Considerações gerais Países que adotam a responsabilidade penal da pessoa jurídica... 47

10 9 4.3 Países que não adotam a responsabilidade penal das pessoas jurídicas A RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A responsabilidade penal da pessoa jurídica na Constituição Federal de A Lei n /98 Lei dos crimes ambientais A Lei ambiental: dispositivos genéricos O Código Penal Brasileiro (Decreto-Lei de 7 de dezembro de 1940) e a responsabilidade penal da pessoa jurídica Aspectos processuais definição da competência regramento A citação da pessoa jurídica representante legal no processo penal Efeitos do não-atendimento à citação por edital e revelia O interrogatório da pessoa jurídica considerações gerais Quem deve ser interrogado nos crimes ambientais envolvendo pessoa jurídica? A prática do interrogatório críticas ao modelo atual Crimes ambientais pessoa jurídica acusada defesa escrita para admissão ou não da denúncia sugestão de alteração processual Crimes ambientais denúncia recebida interrogatório da pessoa jurídica representante legal, gerente ou preposto indicado A RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA E A LEI DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS (LEI n /95) Considerações iniciais Transação penal Suspensão condicional do processo AS PENAS APLICÁVEIS À PESSOA JURÍDICA As espécies de pena no direito brasileiro (Lei n /98) A multa As restritivas de direitos Suspensão parcial ou total de atividades Interdição temporária de estabelecimento, obra ou atividade

11 Proibição de contratar com o poder público, bem como dele obter subsídios, subvenções ou doações Prestação de serviços à comunidade Custeio de programas e de projetos ambientais Execução de obras de recuperação de áreas degradadas Manutenção de espaços públicos Prestação de contribuições a entidades ambientais ou culturais Públicas BREVES COMENTÁRIOS SOBRE ALGUMAS JURISPRUDÊNCIAS RELATIVAS À RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA NOS TRIBUNAIS PÁTRIOS A responsabilidade penal da pessoa jurídica no Supremo Tribunal Federal STF A responsabilidade penal da pessoa jurídica no Superior Tribunal de Justiça (STJ) A responsabilidade penal da pessoa jurídica no Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG) A responsabilidade penal da pessoa jurídica em outros Tribunais de Justiça Estaduais CONSIDERAÇÕES SOBRE O MODELO PENAL E PROCESSUAL PENAL FRANCÊS (LEI DE ADAPTAÇÃO) PARA TRATAMENTO DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA O Direito Penal Francês e a responsabilidade penal da pessoa jurídica O direito processual penal francês e a responsabilidade penal da pessoa jurídica CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

12 11 1 INTRODUÇÃO A responsabilidade penal da pessoa jurídica constitui inovação trazida para o ordenamento jurídico brasileiro pela Lei n , de 12 de fevereiro de 1998, que trata dos chamados crimes ambientais e, como tal, tem despertado amplo debate doutrinário e jurisprudencial, vez que, para alguns juristas respeitados, tem representado o rompimento com a tradição brasileira de um Direito Penal voltado estritamente para o ser humano, um retrocesso para as garantias individuais; para outros, não menos respeitados, trata-se de uma evolução necessária das Ciências Criminais. O tema é bastante polêmico e tem colocado em contraposição renomados estudiosos da matéria: uns, a sustentarem que as pessoas jurídicas são entidades fictícias, criadas pelo Direito, e que não possuem consciência e vontade próprias e, destarte, não têm capacidade para figurarem como sujeito de crime ("teoria da ficção"); outros, a entenderem que os entes morais são seres reais, e, portanto, portadores de vontade real, reconhecidos e regulados por lei, o que lhes garante condição de organismo social, portador de vontade complexiva, distinta da vontade individual de seus membros, com capacidade, sim, de realizarem fato ilícito ("teoria da realidade objetiva"). Some-se a isso, o fato de que as empresas, na atual quadra, exercem, nas suas mais variadas atividades, papel de destaque no Estado, cumprindo-lhes importante função social, que ora as coloca como benfeitoras da coletividade, ora como eventuais violadoras de valores importantes para a coexistência social. É nesse momento que o Direito Penal surge como mais uma via eficiente, a despeito das esferas administrativa e civil, de contenção da ilicitude, especialmente no tocante ao meio ambiente, quando se constata o crescente número de empresas envolvidas na exploração ambiental. O tema, como dito, é controvertido e está a exigir uma reflexão responsável, para tomada de posição consciente. Diante desse quadro, um trabalho que se propõe sério e comprometido com o estudo responsável do Direito Penal, em se tratando de tema de reconhecida importância, não se tem como furtar às considerações gerais sobre a

13 12 origem da pessoa jurídica, suas bases históricas, natureza jurídica, classificação, capacidade, e representação e a finalidade de sua existência jurídica. São definições que têm por propósito o entendimento sobre a complexidade da pessoa jurídica, de maneira a alicerçar uma visão mais consistente sobre a imputação penal que lhe é imposta pela Lei Ambiental, facilitando a adesão a uma das correntes de prós ou contras à matéria em foco. Da mesma forma, apresenta-se como de suma importância o estudo sobre a responsabilidade penal, à luz da responsabilidade civil, correlata com aquela, e, em assim sendo, impõe-se considerações específicas sobre a imputação penal da pessoa jurídica, sabidamente de natureza indireta, por fato praticado pela pessoa física que age em seu nome e interesse, aplicando-se, neste particular, os mesmos parâmetros dogmáticos utilizados para a responsabilização civil da pessoa jurídica, por atos praticados pelas pessoas físicas que agem em seu nome. Em Capítulo específico, a dedicação estará voltada para a visão internacional sobre a responsabilidade penal da pessoa jurídica. Não se trata de um estudo de direito comparado, porque as limitações são impeditivas de tal mister, mas, sim, de uma análise da evolução recente da responsabilidade penal da pessoa jurídica em alguns países e de comentários breves sobre suas legislações. Certo é que, neste particular, a análise puramente descritiva permite, com certeza, um alargamento da visão estrangeira do tema, de modo a equacioná-lo de maneira mais racional para a realidade brasileira. Noutro Capítulo, talvez o mais importante e consistente de todo trabalho, a atenção estará voltada para o instituto da responsabilidade penal do ente coletivo no ordenamento jurídico brasileiro. Considerações hão de ser feitas nos âmbitos constitucional e legal, sobre a edição do novo instituto jurídico; seu posicionamento perante o Direito Penal pátrio; e, em sendo admitido no mundo jurídico, como viabilizá-lo do ponto de vista processual penal? Quem é o representante legal da empresa no juízo criminal; quem deverá ser citado, qual o local da citação; quem deverá ser interrogado em nome da empresa-ré? Essas e outras indagações hão de ser respondidas nesse tópico, com apresentação até mesmo de sugestão legislativa que tenha por escopo a viabilização processual da responsabilidade penal da pessoa jurídica.

14 13 Ademais, um estudo que se pretende abrangente, não deve deixar de lado questões como a pessoa jurídica responsabilizada penalmente e a Lei dos Juizados Especiais Criminais (Lei n /95), considerando que esta lei trouxe para o arcabouço jurídico nacional relevantes inovações de cunho material e processual, em se tratando de crimes de pequeno potencial ofensivo, a saber : a transação penal, a composição civil de danos e a suspensão do processo, tudo dentro de um rito processual comprometido com a informalidade, celeridade e economia de atos processuais. A pessoa jurídica infratora de pequeno potencial ofensivo, por certo, estará sujeita aos ditames desta norma legal, e, isso merece destaque; de igual forma, as penas a serem impostas ao ente coletivo infrator, tema que, pela sua relevância, também exige tratamento específico, o que será feito ao longo deste trabalho. Sob outro prisma, o trabalho terá capítulo especial dedicado ao exame e comentários sobre a jurisprudência pátria relativa à responsabilidade penal da pessoa jurídica. É importante conhecer o entendimento de nossos Tribunais sobre o tema, como eles o estão encarando. Nesse particular, o propósito é deitar estudos sobre os posicionamentos relativos às questões de direito substantivo e também processual. A exemplo, o Habeas Corpus impetrado por pessoa jurídica para trancamento de ação penal tem sido concedido? Uma vez condenada, qual a pena tem sido mais admitida em desfavor da pessoa jurídica? Estas e outras indagações deverão experimentar respostas, após acurada pesquisa sobre a realidade jurisprudencial brasileira sobre o tema em tela. O último Capítulo do trabalho trata do modelo processual penal francês utilizado para colocar em prática, naquele país, a responsabilidade penal da pessoa jurídica (a chamada "Lei de Adaptação"). É importante dedicar atenção à situação francesa, primeiro, porque tiveram os franceses a consciência cidadã sobre a necessidade de enfrentamento responsável da questão da responsabilidade penal da pessoa jurídica, tanto que cuidaram de criar uma lei própria, inclusive processual, para dar efetividade ao instituto jurídico em comento; segundo, porque a experiência francesa em muito pode vir a contribuir para a realidade brasileira sobre a responsabilidade penal da pessoa jurídica, a partir do momento que tivermos a humildade de copiar o modelo francês naquilo que nos convier.

15 14 Por derradeiro, oportuno registrar que o trabalho tem por propósito uma visão panorâmica sobre a responsabilidade penal da pessoa jurídica no Direito Penal pátrio, tema, repita-se, sabidamente polêmico, mas, que não deve ser deixado de lado, a teor da previsão constante da Lei n /98, que, em seu artigo 3, estabeleceu expressamente a imputação penal para o ente coletivo infrator do meio ambiente e determinou quais as sanções compatíveis com sua natureza peculiar. Trata-se, no caso, de norma legal cuja aplicabilidade está a exigir postura firme e responsável por parte dos operadores do direito, porque, até o presente momento, qualquer questionamento foi feito sobre a constitucionalidade da referida lei. Se há dificuldades do ponto de vista processual para fazer valer a lei em comento cabe aos responsáveis o enfrentamento desse desafio, seja de construir uma legislação processual penal própria para a Lei Ambiental, seja de encontrar outras alternativas viáveis para o alcance do propósito maior de proteção do meio ambiente. O compromisso de efetividade da Lei Ambiental configura um paradigma na história do Direito Penal brasileiro, posto ao enfrentamento corajoso daqueles que têm compromisso responsável com a almejada segurança jurídica.

16 15 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE A PESSOA JURÍDICA 2.1 Conceito Pessoa jurídica é uma entidade criada pela técnica jurídica, como unidade orgânica e firme de pessoas para fins de natureza pública ou privada, inteiramente distinta dos indivíduos que a integram, e dotada de personalidade jurídica análoga à da pessoa natural, com a finalidade de ter direitos e adquirir obrigações, ou seja, são pessoas que se reúnem para atingir seus objetivos, que passam a fazer parte da vida jurídica, tornando-se sujeitos de obrigações e de direitos, visando realizar certos fins. São pessoas jurídicas de direito público interno: a União, os Estados, o Distrito Federal, Territórios, Municípios e demais entidades de caráter público criadas por lei. De direito público externo são: os Estados estrangeiros e todas as pessoas regidas pelo Direito Internacional. Pessoas jurídicas de direito privado são as associações, sociedades e fundações, sendo que as empresas públicas e as sociedades de economia mista sujeitam-se ao regime jurídico das empresas privadas. O dicionário Aurélio traz o seguinte conceito de pessoa jurídica: [...] Entidade jurídica resultante dum agrupamento humano organizado, estável, e que visa a fins de utilidade pública ou privada e é completamente distinta dos indivíduos que o compõem, sendo capaz de exercer direitos e contrair obrigações, tais como a União, cada um dos Estados ou Municípios (pessoas jurídicas de direito público), e as sociedades civis, mercantis, pias, fundações, etc. (pessoas jurídicas de direito privado [...] (FERREIRA, 1993, p. 421). Segundo ensinamento de Fernando Galvão, a pessoa jurídica pode ser assim conceituada: [...] A pessoa jurídica não se caracteriza por qualquer reunião de pessoas ou afetação de bens, mas somente quando a associação de pessoas ou o patrimônio se destinam a dar via a uma unidade orgânica

17 16 de caráter duradouro que adquire individualidade própria, distinta da que é reconhecida a seus integrantes. A teoria tradicional concebe a pessoa sob duas formas: a corporação, cujo substrato é a associação de pessoas; e a fundação, que é constituída por um complexo de bens afetado por uma destinação específica [...] [...] Pode-se, assim, estabelecer como condições substanciais de existência da pessoa jurídica: 'uma organização de pessoas ou de bens, um fim, e o reconhecimento pelo Estado'[...] (ROCHA, 2002, p. 54). Pessoas jurídicas são criadas por lei e constituídas pela união de pessoas que se encorajam com a finalidade de alcançar um objetivo comum, todavia, suas personalidades não se confundem, ou seja, são distintas e com autonomia própria. Neste sentido, o ensinamento de Silvio Rodrigues: [...] A esses seres, que se distinguem das pessoas que os compõem, que atuam na vida jurídica ao lado dos indivíduos humanos e aos quais a lei atribui personalidade, ou seja, a prerrogativa de serem titulares do direito, dá-se o nome de pessoas jurídicas, ou pessoas morais.[...] (RODRIGUES, 2003, p. 86). Destarte, conclui-se que as pessoas jurídicas são sujeitos de direitos e obrigações independentes de seus sócios, havendo distinção de personalidades, e seus patrimônios não se confundem. Neste particular, pertinente o ensinamento também de Cézar Fiúza: "[...] São entidades criadas para a realização de um fim e reconhecidas pela ordem jurídica como pessoas, sujeitos de direitos e deveres. São conhecidas como pessoas morais, no Direito Francês, e como pessoas coletivas, no Direito Português [...]" (FIÚZA, 2008, p. 145). 2.2 Notícia histórica Necessário se faz demonstrar uma breve exposição histórica sobre a responsabilidade penal da pessoa jurídica envolvendo as variadas concepções que o tema desencadeou ao longo da história da civilização humana para que se possa ter uma melhor compreensão da discussão acerca do assunto. A evolução da personificação começou no Direito Romano, um pouco

18 17 embrionariamente, porém se desenvolveu com a expansão territorial romana, por volta do Século II a.c, se estendendo até 300 d.c. Naquele tempo, as sociedades eram impecavelmente reguladas, como, p. exemplo, as sociedades dos banqueiros que firmavam contrato com o Estado para arrecadação de impostos e prestação de serviços em obras públicas. Inicialmente, o Direito Romano não conhecia a figura da pessoa jurídica, distinguindo, corretamente, as figuras da sociedade e de seus membros; todavia, o Município, como corporação mais importante, quando da cobrança indevida de impostos, devia indenizar os contribuintes que foram lesados; assim, o Direito Romano começava a aceitar a responsabilização de uma corporação, no caso, o Município. Sabe-se que na Idade Média instituiu-se a capacidade delituosa da pessoa jurídica, sendo seus atos tidos como próprios da pessoa jurídica, e não de seus representantes; porém, apenas no Século XIX que Savigny propôs a expressão pessoa jurídica, e essa passou a fazer parte de todos os ordenamentos jurídicos até hoje, fazendo com que fossem elaboradas normas de proteção aos consumidores e trabalhadores, haja vista o enorme crescimento das relações comerciais tendo como personagens principais as pessoas jurídicas. Conclui-se, destarte, que entre a Idade Antiga e a Idade Média as sanções de caráter coletivo é que imperavam. Com o surgimento do liberalismo, as sanções coletivas foram suprimidas a favor das liberdades individuais, em respeito às novas ideologias do mundo ocidental. Desta forma, as sanções penais impostas às coletividades foram colocadas à margem do sistema punitivo do Estado liberal. Durante o século XIX, "o coletivo" permanecia esquecido pela dogmática penal, apenas ressurgindo a inquietação de teorizar a seu respeito com a vinda da Industrialização, ainda neste século, na medida em que aqueles entes passariam a influenciar e monopolizar os meios de produção da economia. No mesmo sentido, no período das duas grandes guerras, a necessidade de intervir ativamente na ordem econômica veio à tona, pois forçoso adequar a produção e distribuição de produtos e serviços visando proporcionar ao cidadão um apropriado convívio social. Assim, necessário estabelecer medidas repressivas pelos descumprimentos das determinações do Estado.

19 18 As pessoas jurídicas, neste aspecto, tornariam objeto de tutela penal dos Estados, tendo em vista sua participação direta nos meios de produção. Sobre o tema em foco, imprescindível demonstrar, resumidamente, algumas referências do Direito Comparado 1 : Direito Holandês: a responsabilidade penal da pessoa jurídica foi introduzida no Direito Penal Econômico por volta do ano de 1950, sendo que em 23 de junho de 1976, através de uma lei, tal responsabilidade foi estendida a todo Direito Penal, permitindo ao Ministério Público fiscalizar tanto a pessoa física quanto a jurídica. Direito Inglês: desde o Século passado se tem notícia da responsabilização penal das pessoas jurídicas na Inglaterra. Nos dias atuais, tal responsabilidade encontra limite apenas na natureza do delito, p. ex.: homicídio, adultério, etc. Sabe-se que na Inglaterra, a responsabilidade penal das pessoas jurídicas é contemplada do mesmo modo por todos seus Estados. Estados Unidos: assim como os demais países da Common Law 2, como p. ex. Canadá, Austrália, etc., os EUA adotam a responsabilidade penal da pessoa jurídica. Importante salientar, que são imputadas às empresas todas as infrações penais culposas que seu empregado, no exercício de suas funções, praticar, mesmo que inexista vantagem para a empresa, como os crimes dolosos praticados por executivo. No Canadá a regra geral é a responsabilização penal das pessoas jurídicas, estabelecida da seguinte forma: por fato de outrem ou pelas funções do agente da pessoa jurídica. Dinamarca: não há previsão no Código de 1930 sobre a responsabilidade penal da pessoa jurídica, mas diferentes leis posteriores foram admitindo esta espécie de responsabilidade. Ao Ministério Público cabe escolher contra quem oferecerá a acusação (pessoa física, jurídica, ou ambas), conforme as provas obtidas. 1 CRISPIN, Termo utilizado para referir-se a normas e regras de caráter jurídico não escritas, porém sancionadas pelo costume ou pela jurisprudência.

20 19 França: a responsabilidade penal da pessoa jurídica só foi amplamente aceita, após a reforma do Código Penal Código Penal Francês de O antigo Código Penal da França não dispunha sobre responsabilização ou não da pessoa jurídica. Itália: o princípio da responsabilidade individual é o que vigora na Itália, sendo que é admitida a responsabilidade das pessoas jurídicas, subsidiariamente, nos casos de pena pecuniária. Japão: acolhe igualmente a responsabilidade penal da pessoa jurídica, fundamentado na teoria de Gierke 3 sobre a real responsabilidade dos entes coletivos. Brasil: a legislação brasileira trouxe, de forma expressa, a possibilidade de se responsabilizar penalmente a pessoa jurídica, nos crimes contra a ordem econômica, bem como em relação ao meio ambiente. Portugal, os Decretos-lei n. 630/76 e n. 187/83, e o Decreto-lei n. 28, de 20 de janeiro de 1984, consagraram a responsabilidade penal da pessoa jurídica. Espanha e Alemanha: resistem em aceitar a responsabilização penal da pessoa jurídica, todavia, adotam a responsabilidade das pessoas jurídicas em sede administrativa. Assim, em linhas gerais, verifica-se que a responsabilidade penal da pessoa jurídica no contexto mundial é seguida de modo tradicional na Inglaterra, Estados Unidos e Austrália. Em tais países, vê-se que as pessoas jurídicas são responsabilizadas de maneira habitual. Ressalta-se, por oportuna, a lição do mestre Fernando Galvão: [...] Os juristas mais apegados ao paradigma da responsabilidade individual resistem a idéia de que a pessoa jurídica possa ser penalmente responsabilizada, repetindo os argumentos da impossibilidade de aplicação da teoria do delito tradicional à pessoa 3 GIERKE, Otto Von. Professor de direito em Breslau, Heidelberg e Berlim. Sua teoria defende que pessoas jurídicas são de uma natureza simultaneamente corpórea e espiritual.

21 20 jurídica. No cenário internacional, muitos são os doutrinadores de renome que sustentaram ou sustentam posição contrária à responsabilização da pessoa jurídica. Nos países cuja legislação não acolhe a responsabilidade da pessoa jurídica, destacam-se os doutrinadores alemães, italianos e espanhóis [...] Nos dias atuais, a necessidade e conveniência de se utilizar o direito penal contra a pessoa jurídica tem sido cada vez mais defendida [...] Com a opção da Constituição brasileira pela responsabilidade da pessoa jurídica e a entrada em vigor da Lei n /98, os doutrinadores nacionais serão obrigados a tomar outra posição. Inobstante a necessidade de se repensar toda a formulação teórica do direito penal, o número de juristas que já se posicionam favoravelmente à responsabilização do ente moral no direito penal brasileiro cresce a cada dia. Os penalistas José Henrique Pierangelli, Sérgio Salomão Schecaira, João Marcelo de Araújo Júnior, Valdir Sznick, Vladimir Passos de Freitas e Gilberto Passos de Freitas sustentam válido o estabelecimento da responsabilidade penal da pessoa jurídica pela ordem jurídica em vigor [...] Na verdade, interpretar os dispositivos constitucionais de modo a não admitir a responsabilidade penal da pessoa jurídica significa desatender à finalidade protetiva da norma jurídico-constitucional e afrontar a política criminal que legitimamente se consagrou [...] (ROCHA, 2002, p. 37 e segs). 2.3 Natureza jurídica A natureza das pessoas jurídicas é das mais debatidas, existindo diversas teorias que abordam o assunto, porém, a menção a esta questão controversa é importante por ter ampla repercussão na prática, pois a abrangência da relação formada entre o Direito e a pessoa jurídica depende essencialmente de sua natureza. Ademais, é a sua natureza que elucidará a possibilidade ou não de sua responsabilização civil e penal. Existem enormes divergências doutrinárias a respeito da natureza jurídica das pessoas jurídicas. Alguns defendem que a pessoa jurídica é um ente real, incumbindo ao Direito somente conferir-lhe personalidade; de outro lado, existem aqueles que defendem a pessoa jurídica como uma invenção do Direito, ou seja, uma ficção jurídica.

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br (Artigos) considerações sobre a responsabilidade "penal" da pessoa jurídica Dóris Rachel da Silva Julião * Introdução É induvidoso que em se tratando da criminalidade econômica e

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços

PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços PARECER JURIDICO ATA DE REGISTRO DE PREÇOS, LEGALIDADE, CARONA, ADESÃO, VIGÊNCIA, VALIDADE, CONSEQUENCIAS JURÍDICAS. RELATÓRIO Trata-se o expediente os seguintes

Leia mais

A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1

A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1 A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1 Thiago Ricci de Oliveira ricci.thiago@hotmail.com FACULDADE MARECHAL RONDON/UNINOVE NPI NÚCLEO DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR 1 DEFINIÇÃO DE PESSOA Para bem entender a

Leia mais

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito Esses consórcios, a fim de poder assumir obrigações e exercer seus direitos perante terceiros, precisam de personalidade jurídica, assim, a citada lei dispôs que eles serão pessoas jurídicas de direito

Leia mais

Classificação da pessoa jurídica quanto à estrutura interna:

Classificação da pessoa jurídica quanto à estrutura interna: Classificação da pessoa jurídica quanto à estrutura interna: São consideradas universitas personarum, quando forem uma associação de pessoas, atenderem aos fins e interesses dos sócios. (fins mutáveis)

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: E A CORPORATE GOVERNANCE MARIA DA CONCEIÇÃO CABAÇOS ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL Para que os

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Para a caracterização do dever de indenizar devem estar presentes os requisitos clássicos: ação ou omissão voluntária, relação

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE É sabido - e isso está a dispensar considerações complementares - que a pessoa jurídica tem vida distinta da dos seus sócios e administradores.

Leia mais

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Encontro Regional AsBEA 2010 Nada a perder, algo a ganhar... Algo a ganhar, pouco a

Leia mais

Terceiro Setor, ONGs e Institutos

Terceiro Setor, ONGs e Institutos Terceiro Setor, ONGs e Institutos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais. Usualmente é chamado de

Leia mais

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência:

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: I. A ação

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS Cácito Augusto Advogado I INTRODUÇÃO Após quatro anos de vigência do Novo Código Civil brasileiro, que

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SEGURANÇA DE BARRAGENS DE REJEITOS RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SIMEXMIN OURO PRETO 18.05.2016 SERGIO JACQUES DE MORAES ADVOGADO DAS PESSOAS DAS PESSOAS NATURAIS A vida é vivida por

Leia mais

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção.

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014 Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. Entrou em vigor no dia 29 de janeiro a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013,

Leia mais

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE PROMOTOR DE JUSTIÇA ASSESSOR DO CENTRO DE APOIO OPERACIONAL CRIMINAL DO MINISTÉRIO PUBLICO

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR É possível um finalismo corrigido? Saymon Mamede Várias teorias sobre o fato típico e a conduta surgiram no Direito Penal, desde o final do século XIX até hodiernamente. A pretensão deste artigo é expor

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

DIREITO PENAL MILITAR

DIREITO PENAL MILITAR DIREITO PENAL MILITAR Objetivos: Definir direito penal e direito penal militar; Distinguir direito penal militar das demais denominações do direito e dos demais direitos e ciências afins; Distinguir lei

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A questão da aceitação, no direito brasileiro, da empresa individual

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

desafia, não te transforma Semestre 2015.2

desafia, não te transforma Semestre 2015.2 O que não te 1 desafia, não te transforma Semestre 2015.2 1 Nossos encontros www.admvital.com 2 2 Nossos encontros www.admvital.com 3 AULÃO 3 4 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 5 Critérios AV

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13. Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.019/2014 Sanções administrativas LUIS EDUARDO PATRONE REGULES Advogado.

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15

SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15 SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15 DIREITO ADMINISTRATIVO...17 Fernando Ferreira Baltar Neto e Ronny Charles Lopes de Torres 1. Direito Administrativo e o Regime Jurídico-Administrativo...17

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico. Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP

Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico. Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP PRÁTICA MÉDICA A prática médica se baseia na relação médicopaciente,

Leia mais

www.baviniferreira.com.br

www.baviniferreira.com.br www.baviniferreira.com.br 1. Aspecto Legal e a Responsabilidade Civil O que é a Responsabilidade Civil? A responsabilidade civil nada mais é senão o dever de reparar o dano. Em princípio, surge a responsabilidade

Leia mais

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO Artigo jurídico apresentado por MARCELO THIMOTI DA SILVA, professor, especialista em Direito Administrativo, Constitucional

Leia mais

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito.

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito. DOS FATOS JURÍDICOS CICLO VITAL: O direito nasce, desenvolve-se e extingue-se. Essas fases ou os chamados momentos decorrem de fatos, denominados de fatos jurídicos, exatamente por produzirem efeitos jurídicos.

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL PONTOS DA PROVA ESCRITA

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL PONTOS DA PROVA ESCRITA Estágio Supervisionado I (Prática Processual Civil) Processual Civil II Processual Civil I Civil VI Civil V Civil IV Civil III Civil I ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL Pessoa

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br Associação Brasileira de Engenharia Industrial ABEMI Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

CURSOS ON-LINE ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROFESSOR LEANDRO CADENAS

CURSOS ON-LINE ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROFESSOR LEANDRO CADENAS Caros alunos Este é o conteúdo do nosso rápido curso de Ética, voltado especialmente para o concurso de AFT. Inicia no dia 09/05/2006, encerrando dia 06/06/2006, num total de 5 aulas, sempre às terças,

Leia mais

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 FEBRABAN Arthur Lemos Jr Promotor de Justiça Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos Compliance A LEI PROVOCA

Leia mais

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta 1 DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta O Estado, enquanto

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

Projetos de Novo Código Comercial

Projetos de Novo Código Comercial Projetos de Novo Código Comercial O que está em discussão? Câmara dos Deputados - Projeto de Lei nº 1.572/2011 (670 artigos) Autor: Dep. Vicente Cândido Relator: Dep. Paes Landim Idealizador: Fábio Ulhoa

Leia mais

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL Atender às exigências internacionais de combate a corrupção Estimular a prática do compliance. Ética corporativa na administração.

Leia mais

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa).

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Pressupostos da responsabilidade civil subjetiva: 1) Ato ilícito; 2) Culpa; 3) Nexo causal; 4) Dano. Como já analisado, ato ilícito é a conduta voluntária

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL O QUE É?

ESTATUTO SOCIAL O QUE É? ESTATUTO SOCIAL O QUE É? O Estatuto Social é o documento que constitui a Empresa Júnior como associação civil, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos. É o Estatuto que traz a EJ para o

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA C O N T E Ú D O : N O Ç Õ E S D E D I R E I T O : I N T R O D U Ç Ã O A O E S T U D O D O D I R E I T O A M B I E N T A L C A R A C T E R Í S T I C A S D A L E G I S L

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social:

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social: AULA 2 4. Tipos societários 4.1 Sociedade Simples Se a sociedade simples não optar por outra forma essa é a forma que será a ela aplicada. Esse tipo é também subsidiário aos outros tipos sociais, ou seja,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES Prof. Cristiano Erse www.erse.com.br CONCEITO GERAL Sociedade, de acordo com CC em seu art. 981, é o contrato em que pessoas reciprocamente se obrigam a contribuir com bens

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

CONVÊNIO DE ADESÃO QUE CELEBRAM

CONVÊNIO DE ADESÃO QUE CELEBRAM Aprovado pela Portaria DITEC/PREVIC/MPS nº 44, de 31 de janeiro de 2013. (publicada no DOU nº 24, de 04 de fevereiro de 2013, Seção 1, Página 50) CONVÊNIO DE ADESÃO QUE CELEBRAM A UNIÃO E A FUNDAÇÃO DE

Leia mais

Deontologia Médica. Deontologia Médica. Conceito

Deontologia Médica. Deontologia Médica. Conceito Medicina Legal Professor Sergio Simonsen Conceito A deontologia médica é a ciência que cuida dos deveres e dos direitos dos operadores do direito, bem como de seus fundamentos éticos e legais. Etimologicamente,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS:

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS: DAS SOCIEDADES: CONCEITO: A sociedade empresária pode ser conceituada como a pessoa jurídica de direito privado não estatal, que explora empresarialmente seu objeto social ou a forma de sociedade por ações.

Leia mais

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação.

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação. 1.1 - Introdução Infelizmente o ajuizamento de ações de indenização por danos materiais e principalmente morais em face de empresas por inclusão indevida do nome de seus clientes em órgãos de proteção

Leia mais

Configuração de grupo econômico e responsabilidade tributária. Fabiana Del Padre Tomé Doutora e professora PUC/SP

Configuração de grupo econômico e responsabilidade tributária. Fabiana Del Padre Tomé Doutora e professora PUC/SP Configuração de grupo econômico e responsabilidade tributária Fabiana Del Padre Tomé Doutora e professora PUC/SP O cenário atual Redirecionamento de execuções fiscais contra empresas do grupo econômico

Leia mais

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE NOTA EXPLICATIVA CVM Nº 9/78. Ref.: Instrução CVM nº 04/78, que dispõe sobre as Normas relativas ao Registro de Auditor Independente na Comissão de Valores Mobiliários. 1. INTRODUÇÃO Por sua relevância,

Leia mais

Prof. Alexandre Lugon LEI FATO GERADOR DEVER JURÍDICO = PRESTAÇÃO TRIBUTO SANÇÃO DO ATO ILÍCITO

Prof. Alexandre Lugon LEI FATO GERADOR DEVER JURÍDICO = PRESTAÇÃO TRIBUTO SANÇÃO DO ATO ILÍCITO UNIDADE IV OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI FATO GERADOR SUJEITO ATIVO SUJEITO PASSIVO DEVER JURÍDICO = PRESTAÇÃO Obrigação Trib Principal Prestação DE DAR: TRIBUTO SANÇÃO DO ATO ILÍCITO PENALIDADE PECUNIÁRIA

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS BANCOS POR RISCOS/DANOS AMBIENTAIS. Erika Bechara 17.05.2012

RESPONSABILIDADE DOS BANCOS POR RISCOS/DANOS AMBIENTAIS. Erika Bechara 17.05.2012 RESPONSABILIDADE DOS BANCOS POR RISCOS/DANOS AMBIENTAIS Erika Bechara 17.05.2012 POR QUE ULTIMAMENTE SE TEM FALADO TANTO DA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL SOLIDÁRIA DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS? 1. Não houve

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

Sumário. Nota introdutória, xv

Sumário. Nota introdutória, xv Nota introdutória, xv 1 Princípios constitucionais da administração pública, 1 1.1 Conteúdo do capítulo, 1 1.2 Princípios e regras, 2 1.3 Princípi~ constitucionais, 4 IA Princípios expressos, 7 104.1 Legalidade

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

A p s e p c e t c os o s Ju J r u ídi d co c s o s n a n V n e t n ilaç a ã ç o ã o M ec e â c n â i n ca

A p s e p c e t c os o s Ju J r u ídi d co c s o s n a n V n e t n ilaç a ã ç o ã o M ec e â c n â i n ca Aspectos Jurídicos na Ventilação Mecânica Prof. Dr. Edson Andrade Relação médico-paciente Ventilação mecânica O que é a relação médico-paciente sob a ótica jurídica? Um contrato 1 A ventilação mecânica

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Arthur Oliveira Maia) Altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.650, de 20 de abril de 1993, para suprimir qualquer restrição ou preferência legal na contratação de treinador

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL O ordenamento jurídico pátrio, em matéria ambiental, adota a teoria da responsabilidade civil objetiva, prevista tanto no art. 14, parágrafo 1º da Lei 6.938/81

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho.

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista: 1.1. Quais os princípios que regem

Leia mais

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94):

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94): Thiago d Ávila Membro da Advocacia-Geral da União. Procurador Federal. Procurador do INCRA em Natal/RN. Ex-Procurador do INSS. Ex-Procurador do Órgão de Arrecadação da Procuradoria-Geral Federal. Dedica-se

Leia mais