RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS JURÍDICAS POR CRIMES AMBIENTAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS JURÍDICAS POR CRIMES AMBIENTAIS"

Transcrição

1 RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS JURÍDICAS POR CRIMES AMBIENTAIS Ricardo Moraes de Oliveira 1 Luis Henrique Amarilla Mendes 2 INTRODUÇÃO A escolha do tema teve como motivação a curiosidade sobre a possibilidade, ou não, de responsabilizar as pessoas jurídicas nos crimes ambientais, tendo em vista o grande número de operações e investigações criminais, que ocorrem tanto no Brasil como no Estado de Mato Grosso. Além disso, sabe-se que houve uma importante inovação na proteção ambiental pela proteção constitucional, que foi o estabelecimento da responsabilidade penal da pessoa jurídica por crimes ambientais; o que ocorreu através do 3º do artigo 225 da CF/88, regulamentado posteriormente pela Lei Federal nº. 9605/98, mais conhecida como Lei de Crimes Ambientais. Sendo assim, o interesse deste estudo acadêmico foi à aplicação da responsabilidade penal, destes entes sociais, nos crimes ambientais, tendo como base a Constituição Federal de 1988 e, a Lei n /98 Lei de Crimes Ambientais. Foram abordados aspectos gerais da Lei de Crimes Ambientais, com foco sobre a responsabilização penal da pessoa jurídica, onde, não houve qualquer pretensão de esgotar o assunto, até mesmo pela sua tal complexidade ainda presente no meio jurídico. Também se estudou as disposições gerais da Lei, suas instruções sobre a pessoa jurídica, as sanções e a forma de aplicação das penas conforme a Lei de Crimes Ambientais. Por fim, também houve uma compilação e análise das mais recentes decisões do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça, a fim de compreender como está ocorrendo a inserção da responsabilidade penal da pessoa jurídica por crimes ambientais no ordenamento jurídico brasileiro e quais as suas consequências. 1 Bacharel em Ciências Contábeis, Advogado e, Especialista em Direito Penal e Processo Penal. Professor titular da Universidade de Cuiabá UNIC, Campus Pantanal, de Direito Processual Penal. 2 Engenheiro Civil, Engenheiro Sanitarista Ambiental e, acadêmico do 9º Termo Noturno do Curso de Direito da Universidade de Cuiabá UNIC, Campus Pantanal. Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

2 RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS JURÍDICAS DE ACORDO COM A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 A responsabilização da pessoa jurídica por crimes ambientais foi uma grande inovação trazida pelo legislador brasileiro, após várias discussões de diversas classes, tais como juristas, constituintes, pessoas relacionadas com associações entre outros. Sendo assim, a preocupação do legislador, em punir aqueles que agridem o meio ambiente foi contextualizada pelo ordenamento brasileiro, através da Constituição Federal, in verbis: Art Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defende-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. (...). 3º As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão aos infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados. 3 Porém, conforme salienta FIORILLO, apesar da CF/88 ter institucionalizado os fundamentos constitucionais da responsabilização das pessoas físicas e, jurídicas, quanto aos crimes ambientais, cabe ao legislador infraconstitucional fixar as sansões mais adequadas à estes, em decorrência do Princípio da individualização da pena, como se vê a seguir: O art. 225 da Constituição Federal, ao estruturar o Direito Ambiental Constitucional, bem como ao apontar os critérios de proteção do bem ambiental, reputado antes de mais nada aquele considerado essencial à sadia qualidade de vida da pessoa humana em obediência ao que determina o art. 1º, III, da Constituição Federal, estabeleceu, de forma pioneira a possibilidade de sujeitar todo e qualquer infrator, ou seja, aqueles que praticam condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente, a sansões penais conforme determina de forma clara e inequívoca o art. 225, 3º, da Constituição Federal. 4 (...). Dessarte, resta evidente que, em face do princípio da individualização da pena (art. 5º, XLVI, da CF), caberá ao legislador infraconstitucional, observado o critério de competência definido no art. 22, I, da CF, fixar as sansões 3 BRASIL, República Federativa do. Constituição da República Federativa do Brasil, de Vade Mecum Compacto Saraiva. Obra coletiva de autoria da Editora Saraiva com a colaboração de Antônio Luiz de Toledo, Márcia Cristina Vaz dos Santos Widt e Lívia Céspedes. 4 ed. Atual., e ampl. São Paulo: Saraiva, 2010, p FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. 13 ed., rev., atual, e ampl. São Paulo: Saraiva, 2012, p Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

3 penais mais adequadas em decorrência de diferentes hipóteses de responsabilidade criminal ambiental: sansões penais para pessoas físicas, jurídicas de direito privado, jurídicas de direito público, etc. 5 Sendo assim, tão logo a esta necessidade de complementação, o legislador brasileiro editou a Lei n. 9605/98, conhecida entre os juristas como Lei dos Crimes Ambientais. RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS JURIDICAS DE ACORDO COM A LEI N /98 Atento em efetivar a responsabilização dos entes em relação aos crimes ambientais, o legislador editou em a Lei n , que hoje é conhecida em todo o ordenamento jurídico como sendo a Lei de Crimes Ambientais. Segundo entendimento de vários doutrinadores, esta Lei apesar de apresentar vícios em relação à aplicação das sansões ali descritas, pode ser considerada como um avanço político e público no que tange à proteção do meio ambiente. Ademais, o grande avanço desta Lei foi no sentido de responsabilizar, expressamente, as pessoas jurídicas nos crimes ambientais que por ventura venha a ser causados por elas, que através de seu art. 3º assim considera: Art. 3.º As pessoas jurídicas serão responsabilizadas administrativa, civil e penalmente conforme o disposto nesta Lei, nos casos em que a infração seja cometida por decisão de seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado, no interesse ou benefício da sua entidade. Parágrafo único. A responsabilidade das pessoas jurídicas não exclui a das pessoas físicas, autoras, coautoras ou partícipes do mesmo fato. 6 Porém, vale destacar ainda que, a Lei dos Crimes ambientais pode ser considerada como uma norma de caráter híbrido, já que, ao longo de seu texto o legislador se preocupou em punir o poluidor com sansões penais e administrativas, além de levar em conta em sua formulação aspectos da cooperação internacional para a preservação do meio ambiente. 5 Idem, p BRASIL, República Federativa do. Lei 9.605, de 12 de Fevereiro de Vade Mecum Compacto Saraiva. Obra coletiva de autoria da Editora Saraiva com a colaboração de Antônio Luiz de Toledo, Márcia Cristina Vaz dos Santos Widt e Lívia Céspedes. 4 ed. Atual., e ampl. São Paulo: Saraiva, 2010, p., Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

4 Por fim, é válido constar ainda neste tópico o entendimento de MILARÉ, que menciona o intento de punir aquele criminoso certo, de fato responsável pela criação do dano e, não mais aquele indivíduo humilde: O intento do legislador, como se vê, foi punir o criminoso certo não apenas o mais humilde ou o pé de chinelo do jargão popular. Sim, porque, via de regra, o verdadeiro delinquente ecológico não é a pessoa física o quitandeiro da esquina, p. ex., mas a pessoa jurídica que quase sempre busca o lucro como finalidade recípua, e para a qual pouco interessam os prejuízos a curto e longo prazos causados à coletividade, assim como a quem pouco importa se a saúde da população venha a sofrer com a poluição. É o que ocorre geralmente com os grandes grupos econômicos, os imponentes conglomerados industriais, e por vezes por que não dizer? com o próprio Estado, tido este como um dos maiores poluidores por decorrência de serviços e obras públicas sem controle. 7 REQUISITOS PARA A RESPONSABILIZAÇÃO DA PESSOA JURIDICA Apesar do 3º, do art. 225 da CF/88 e do art. 3º da Lei n. 9605/98, levarem consigo expressamente a responsabilização das pessoas jurídicas, estes só podem de fato serem responsabilizados se descumprirem certos requisitos, conforme explica DUARTE JR., a seguir: Primeiramente, não basta somente a reunião de pessoa e indivíduos para se caracterizar pessoa jurídica. É necessário que haja uma reunião de pessoa ligadas por um fim específico, com objetivos comuns e ilícitos, unidade orgânica e observância das condições legais de sua formação. Por isso, a simples sociedade de fato não pode figurar como ré em um processo criminal da pessoa jurídica. Como segundo requisito, pelo princípio da máxima efetivação e da prevenção, nem toda atividade criminal tipificada na Lei 9.605/98 praticada por um dos administradores ou preposto da empresa caracteriza crime pela pessoa jurídica, oriundo do fato praticado. É necessário que tal atividade tenha ocorrido em benefício ou interesse da pessoa jurídica, podendo ter ou não cunho financeiro. O terceiro requisito diz respeito à vinculação entre a atividade da empresa e o ato praticado como condição sine qua non para a responsabilização do ente moral. A quarta característica diz respeito ao vínculo empregatício que deve existir entro o autor do fato típico e a empresa responsável. Nas palavras de Bello Filho a confluência de interesses entre a pessoa física e a jurídica, que é elemento caracterizador desta responsabilidade, deve estar comprovada a partir de um liame de ordem hierárquica entre ambos. A quinta característica diz respeito à utilização da estrutura da pessoa jurídica para a prática do crime ambiental, no qual na sua ausência, o delito teria sido impossível. 8 7 MILARÉ, Edis. Direito do Ambiente: a gestão ambiental em foco. 7 ed. rev., atual., e reform. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011, p DUARTE JR., Ricardo. Novas reflexões acerca da responsabilidade penal da pessoa jurídica de direito público por danos ambientais, Jus Navigandi, Teresina, ano 17 (/revista/edições/2012). Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/22869>. Acesso em: 18 fev Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

5 Portanto, conforme preconiza a Lei dos Crimes Ambientais, a pessoa física responderá pelo ilícito ambiental que cometer, não sendo sua responsabilidade excluída pela caracterização da responsabilidade da pessoa moral; e ainda responderá na medida de sua culpabilidade, sempre que tiver conhecimento da conduta criminosa e não o fizer para impedi-la, quando podia evitá-la. PENAS APLICÁVEIS ÀS PESSOAS JURÍDICAS Neste caso, foi a Lei n. 9605/98 a responsável em instituir as penas passíveis de serem aplicadas às pessoas jurídicas, no tocante aos crimes ambientais no Brasil. Vale explicar antes de elencar as referidas penas que, conforme explica SETTE, nos crimes ambientais também há de ser considerado para a dosimetria da pena a incidência de dolo ou culpa no ato do agente causador do delito: Diversamente do que ocorre no âmbito civil ambiental, em que a responsabilidade é sempre objetiva integral, não admitindo sequer as excludentes, e na esfera administrativa ambiental em que a responsabilização é objetiva, mas admite arguição das excludentes civis, na seara penal ambiental, a responsabilização será sempre subjetiva, uma vez que é determinada pela culpabilidade do agente. (...). Nesse contexto, as infrações ambientais podem ser punidas a título de dolo ou culpa, consoante intenção do agente ao realizar a conduta típica. Assim, se o agente intencionava direta ou indiretamente realizar o evento, como por exemplo na conduta de pescar, responderá dolosamente. Contudo, se o agente deu causa ao resultado por inobservância do dever objetivo de cuidado, manifestado pela imprudência, negligência ou imperícia, como, por exemplo, um posto de combustível que, por negligência nos cuidados preliminares, deixa escorrer produto químico e contaminar córrego, responderá na modalidade culposa do delito. Nesse passo, é necessário esclarecer como identificar um delito ambiental na modalidade dolosa ou culposa. A regra em direito penal e ambiental penal é de que os delitos sejam dolosos, esses identificados quando a lei silencia a respeito da conduta. Já os delitos culposos, chamados de excepcionais, são aqueles cuja modalidade é conjeturada expressamente no texto da lei, como, por exemplo, o previsto no 1º, do art. 54, da Lei n. 9605/98, em que essa, formalmente dispõe se o crime for culposo, trazendo assim, pena mais branda. 9 Sendo assim, ao analisar a Lei 9.605/98, observa-se que a repressão às infrações penais ambientais acompanha a moldura do Direito Penal ao transcrever as seguintes penas: 9 SETTE, Marli T. Deon. Direito Ambiental. São Paulo: MP Ed., 2010, p. 208/209. Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

6 Art. 21. As penas aplicáveis isolada, cumulativa ou alternativamente às pessoas jurídicas, de acordo com o disposto no art. 3º, são: I multa; II restritiva de direitos; III prestação de serviços à comunidade. Art. 22. As penas restritivas de direitos da pessoa jurídica são: I suspensão parcial ou total de atividades; II interdição temporária de estabelecimento, obra ou atividade; III proibição de contratar com o Poder Público, bem como dele obter subsídios, subvenções ou doações; 1º. A suspensão de atividades será aplicada quando estas não estiverem obedecendo às disposições legais ou regulamentares, relativas à proteção do meio ambiente. 2º. A interdição será aplicada quando o estabelecimento, obra ou atividade estiver funcionando sem a devida autorização, ou em desacordo com a concedida, ou com violação de disposição legal ou regulamentar. 3º. A proibição de contratar com o Poder Público e dele obter subsídios, subvenções ou doações não poderá exercer o prazo de 10 (dez) anos. Art. 23. A prestação de serviços à comunidade pela pessoa jurídica consistirá em: I custeio de programas e de projetos ambientais; II execução de obras de recuperação de áreas degradadas; III manutenção de espaços públicos; IV contribuições a entidades ambientais públicas. 10 Ao analisarmos as penas atribuídas às pessoas jurídicas, percebe-se que sua aplicação é clara e bastante objetiva, porém insta mencionar que, a pena de multa não ganhou disciplina própria de aplicação, onde o magistrado deve instituí-la tendo como o código penal, como verbera o art. 18, da Lei 9.605/98: Art. 18. A multa será calculada segundo os critérios do Código Penal; se revelar-se ineficaz, ainda que aplicada no valor máximo, poderá ser aumentada até 03 (três) vezes, tendo em vista o valor da vantagem econômica auferida. 11 Ademais, tal quais como outros institutos normativos, como por exemplo, o Código de Defesa do Consumidor, a Lei de crimes ambientais também instituiu a aplicação da desconsideração da pessoa jurídica e liquidação forçada, como se vê: Art. 4. Poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados à qualidade do meio ambiente BRASIL, República Federativa do. Lei 9.605, de 12 de Fevereiro de Op., cit., p., Idem, p., Ibidem, p., Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

7 Art. 24. A pessoa jurídica constituída ou utilizada, preponderantemente, com o fim de permitir, facilitar ou ocultar a prática de crime definido nesta Lei terá decretada sua liquidação forçada, seu patrimônio será considerado instrumento do crime e como tal perdido em favor do Fundo Penitenciário Nacional. 13 Por fim, acerca de tais penalidades, MANCINI explica que, ao instituí-lo, [...] o legislador brasileiro consagrou a possibilidade de o juiz penalizar a pessoa jurídica, independentemente da física, evitando que estas se escondam na figura do ente coletivo, fazendo com que escapem de sofrer as devidas punições. 14 TEORIAS CONTRÁRIAS À RESPONSABILIZAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS EM CRIMES AMBIENTAIS O legislador brasileiro, através da edição da CF/88, adotou a teoria da responsabilização penal da pessoa jurídica em, pelo menos, dois momentos: no art. 175, 5º e, no capítulo referente ao meio ambiente, no art. 225, 3º. No entanto, inúmeros argumentos combatem o instituto penal da responsabilização penal da pessoa jurídica. Existem críticas desde a sua natureza jurídica, incompatível com o ordenamento jurídico pátrio, até a forma de execução da pena, passando pela problemática questão do procedimento processual penal aplicável à pessoa jurídica. Em resumo, os adeptos dessa corrente justificam a não responsabilização das pessoas jurídicas em decorrência dos seguintes motivos: a) A correta interpretação da CF/88, apresenta outra conclusão sobre a responsabilidade da pessoa jurídica, senão vejamos: Art (...). 3º As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão aos infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados 15. (grifo nosso). 13 BRASIL, República Federativa do. Lei 9.605, de 12 de Fevereiro de Op., cit., p MANCINI, Maria Carolina. A Responsabilidade penal da pessoa jurídica nos crimes ambientais. Presidente Prudente: 2007, p. 62/63. Monografia submetida à Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo!, como requisito parcial de conclusão de curso para obtenção do grau de bacharel em direito. 15 BRASIL, República Federativa do. Constituição da República Federativa do Brasil, de Vade Mecum Compacto Saraiva. Op., cit., p. 71. Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

8 Para esta parte da doutrina, ao se analisar o referido parágrafo, percebe-se que o legislador imputa que as condutas estão ligadas às pessoas físicas e, consequentemente imputa-se a elas a responsabilidade penal. Já as atividades estão relacionadas às pessoas jurídicas e, por isso, suas responsabilidades se atem apenas à esfera administrativa. b) A pessoa jurídica não possui vontade própria, e, portanto, não pode praticar condutas, tendo como base a Teoria da Ficção Jurídica, que diz: A teoria da ficção desenvolveu-se a partir da tese de WINDSCHEID sobre o direito subjetivo, e teve SAVIGNY como seu principal defensor. Não reconhecia existência real à pessoa jurídica, imaginando-a como abstração, mera criação da lei. Seriam pessoas por ficção legal, uma vez que somente os sujeitos dotados de vontade própria poderiam, por si mesmos, titularizar diretos subjetivos. 16 c) Desde à época do Direito Romano, o Direito Penal já postulava o chamado societas delinquere nom potest, ou seja, a sociedade não pode delinquir: d) A pessoa jurídica não é imputável, já que, somente o homem adquire a capacidade de entender o caráter ilícito de um fato e, assim, só a ele cabe a aplicação de penas privativas de liberdade; e) A pessoa jurídica terá sua atuação sempre vinculada ao atos descritos e, relacionados, em seu estatuto social, sendo que este nunca poderão incluir a prática delituosa por parte de suas atividades; f) A provável punição das pessoas jurídicas pode alcançar, de forma até mesmo que direta, seus integrantes e funcionários, ofendendo assim, o Princípio constitucional da pessoalidade, previsto no inciso XLV, do art. 5, da CF/88: Sendo assim, observa-se que todos os argumentos aqui apresentados giram no sentido de que a Pessoa jurídica é desprovida de consciência e vontade, sendo, portanto, incapaz, por si própria de cometer qualquer ato delituoso, necessitando assim, recorrer a algum de seus integrantes, dotados de consciência de vontade, para infringir a CF/88 ou a Lei de crimes ambientais. TEORIAS FAVORÁVEIS À RESPONSABILIZAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS EM CRIMES AMBIENTAIS Já os doutrinadores que argumentam em favor da responsabilidade penal da pessoa jurídica nos crimes ambientais, denotam as seguintes alegações: 16 GAGLIANO, Pablo Stolze. Novo curso de direito civil: parte geral. 13 ed. São Paulo: Saraiva, 2011, p.227, v. 1. Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

9 a) 1º - Disposição expressa pela Constituição Federal de 1988, para a responsabilização das pessoas jurídicas; b) 2º - A lei n /98, através de seu artigo 3º, regularizou a aplicação do instituto ao responsabilizar a pessoa jurídica pelos crimes ambientais; c) 3º - Acerca das Pessoas Jurídicas, o ordenamento brasileiro defende a Teoria da Realidade para sua existência, sendo que estes possuem vontade própria. razão pela qual o Direito Penal a ela reserva tratamento isonômico ao dispensado à pessoa física, onde GONÇALVES explica que: para os defensores da teoria da realidade, que representa uma reação contra a teoria da ficção, as pessoas jurídicas são realidades vivas, e não mera abstração, tendo existência própria como os indivíduos. 17 d) 4º - A pessoa jurídica pode ser sujeito de crimes, já que o princípio societas delinquere nin potest não é absoluto. Existem crimes que só podem ser praticados por pessoas físicas, já outros, como os ambientais, são cometidos quase sempre por meio de um ente coletivo; e) 5º - A punição da pessoa jurídica não viola o princípio da personalidade da pena, já que, deve-se distinguir a pena dos efeitos da condenação. A responsabilidade da pessoa jurídica não interfere na responsabilidade da pessoa física que praticou o crime, já que há um sistema de imputação para a pessoa física e outro para a pessoa jurídica; f) 6º - O Direito Penal não se limita à pena de prisão. Ao contrário, cada vez mais a pena privativa de liberdade deve ser entendida como medica excepcional, preferindo-se a aplicação de penas alternativas, como se vê p.ex. após a edição da Lei n /11. Portanto, esta teoria tem como base a responsabilização expressa das Pessoas jurídicas nos crimes ambientais, aliado ao fato de que estas não são meras ficções jurídicas, mas sim entes de vontade própria e, que em grande parte das vezes as pessoas físicas, utilizam-se destes entes jurídicos para praticar crimes e argumentam depois que estes não podem cometer crimes. RESPONSABILIZAÇÃO DOS ENTES PÚBLICOS Não bastante a divergência jurisprudencial acerca da responsabilização, ou não, das pessoas jurídicas, ainda há dentre aqueles que defendem a responsabilização, outra discussão, que gira entorno da responsabilização da pessoa jurídica de direito público. Os doutrinadores que não admitem que a pessoa jurídica de direito público seja responsabilizada defendem que: 17 GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil esquematizado. São Paulo: Saraiva, 2011, p. 181, v.1. Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

10 1. A doutrina que advoga a tese contrária à responsabilização daqueles entes políticos pauta-se nos seguintes argumentos: princípio da legalidade ( The king can do no wrong ); não teria como o dano ambiental trazer benefícios ao Estado; faltaria sanções a ser aplicadas ao Estado; e haveria um bis in idem social As penas aplicadas são inadequadas para os entes públicos, e se forem aplicadas prejudicariam a própria sociedade podendo te afetar os serviços públicos prestados por tal ente; 3. Existe diferenças entre a pessoa de direito público e privado, tais como na natureza jurídica do objeto, necessitando então de tratamento diferenciado; 4. A pessoa jurídica de direito público é detentora do jus puniendi e caso pudesse sofrer sanção penal estaria abrindo mão de sua legitimidade, afetando o próprio princípio federativo; 5. Quando o ente público pratica um ilícito (penal) contra o meio ambiente quem os pratica são as pessoas que ocupam cargos públicos. 19 Já os que advogam favoravelmente à responsabilização dos entes públicos, sustentam que: Tema tormentoso é o referente à responsabilidade penal das pessoas jurídicas de direito público, ou em outras palavras, do Estado. Existe firme posicionamento no sentido de que o Estado pode perfeitamente ser responsabilizado criminalmente por delitos ambientais, uma evz que nem a Lei nº /98, nem tampouco, e sobretudo, a Constituição Federal elaborou qualquer ou mínima distinção no sentido de que as pessoas jurídicas de direito público não estão sujeitas aos termos da Lei dos Crimes Ambientais. E, dessa forma, e em atendimento ao princípio da isonomia, o Estado também deve responder por ilícitos criminais praticados contra o meio ambiente. (...) Nosso entendimento, porém, é no sentido de que a única ressalva a ser elaborada é no sentido de que a responsabilidade penal das pessoas jurídicas tanto de direito público quanto de direito privado está sempre condicionada a dois fatores, que são ditados pelo art. 3º da Lei nº /98, que constituem elementos do tipo: a) a infração seja cometida por decisão do representante legal ou contratual da pessoa jurídica, ou de seu colegiado, e b) a infração tenha sido cometida no interesse ou benefício da pessoa jurídica. Assim, preenchidos esses dois citados requisitos legais, a pessoa jurídica, seja de direito público, seja de direito privado, pode perfeitamente ser responsabilizada por crime ambiental. 20 Tão logo, como se observa, o tema é de bastante divergência, porém, convêm adotarmos o mesmo critério de avaliação levado em conta na aceitação da 18 DUARTE JR., Ricardo. Op., cit., internet. 19 MOTA, Tercio de Souza; BARBOSA, Erivaldo Moreira. A pena de morte da pessoa jurídica que comete crimes ambientais. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIV, n.86, mar Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/index-php?n_link=revista_artigos_leit uraartigo_id=9 100>. Acesso em 09 jan COPOLA, Gina. A lei dos crimes ambientais comentada artigo por artigo: jurisprudência sobre a matéria. Belo Horizonte: Fórum, 2008, p. 38/39. Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

11 responsabilização das pessoas jurídicas: que a CF/88 é expressa nesse sentido. Sendo assim, da analise objetiva da letra da lei, da mesma forma que a CF foi expressa em aceitar a responsabilização dos entes coletivos, ela em momento algum, fez distinção entre os entes públicos e privados, logo, ambos poderão ser responsabilizados penalmente nos crimes ambientais. POSIÇÃO DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA A busca por acórdãos sobre a Responsabilidade penal da pessoa jurídica em crimes ambientais, no Superior Tribunal de Justiça resultou em 16 (dezesseis) acórdãos, sendo que, este Tribunal só passou a admitir a responsabilidade penal a partir do julgamento do Recurso Especial : PENAL E PROCESSUAL PENAL. HABEAS CORPUS. CRIME AM- BIENTAL. IMPOSSIBILIDADE DE QUALIFICAR-SE A PESSOA JURÍDICA COMO PACIENTE NO WRIT. SISTEMA OU TEORIA DA DUPLA IMPUTA- ÇÃO. DENÚNCIA. INÉPCIA NÃO VERIFICADA. I - A orientação jurisprudencial desta Corte firmou-se no sentido de não se admitir a utilização do remédio heroico em favor de pessoa jurídica (Precedentes). II - Admite-se a responsabilidade penal da pessoa jurídica em crimes ambientais desde que haja a imputação simultânea do ente moral e da pessoa física que atua em seu nome ou em seu benefício, uma vez que não se pode compreender a responsabilização do ente moral dissociada da atuação de uma pessoa física, que age com elemento subjetivo próprio cf. Resp nº /SC, 5ª Turma, Rel. Ministro Gilson Dipp, DJ de 13/06/2005 (Precedentes). III - A denúncia, a teor do que prescreve o art. 41 do CPP, encontrase formalmente apta a sustentar a acusação formulada contra o paciente, porquanto descrita sua participação nos fatos em apuração, não decorrendo a imputação, de outro lado, pelo simples fato de ser gerente da pessoa jurídica ré. Ordem parcialmente conhecida e, nesta parte, denegada. 21 (grifo nosso) Sendo assim, como se observa em seus julgamentos, o STJ aplica a Teoria da dupla imputação, da pessoa jurídica e de seu representante legal, estabelecida no parágrafo único, do art. 3º da Lei 9.605/98, sendo este também um requisito indispensável para imputação penal da pessoa jurídica, como se vê: PENAL. PROCESSUAL PENAL. RECURSO ESPECIAL. CRIME AMBIENTAL. INÉPCIA DA DENÚNCIA. NÃO-INDICAÇÃO DA DATA. NÃO- OCORRÊNCIA. MINISTÉRIO PÚBLICO. INTIMAÇÃO PESSOAL. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO. INTEMPESTIVIDADE. OCORRÊNCIA. DENÚNCIA 21 BRASIL, República Federativa do. Habeas corpus nº ª Turma. Relator Min. Felix Fischer. Diário da Justiça da União, Brasília, DF, 15 mai Superior Tribunal de Justiça. Disponível em <http://www.stj.jus.br/scon/jurisprudencia/toc.jsp?tipo_visualizacao=null&livre=responsabilida de+penal+da+pessoa+jur%eddica+em+crimes+ambientais&b=acor>. Acesso em 30 mar Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

12 EXCLUSIVAMENTE DA PESSOA JURÍDICA. VIOLAÇÃO DO PRINCÍPIO DA RESPONSABILIDADE SUBJETIVA. TEORIA DA DUPLA IMPUTAÇÃO. RE- CURSO PARCIALMENTE PROVIDO. 1. A ausência de indicação da data dos fatos não implica inépcia da denúncia, quando a exordial acusatória é instruída pelo inquérito policial contendo informações detalhadas de todos os fatos imputados à recorrente. 2. É intempestivo o recurso interposto fora do prazo assinalado no art. 586 do CPP. 3. O princípio do promotor natural não sustenta a fundamentação de tempestividade do recurso ministerial, uma vez que, como instituição una e indivisível, a distribuição interna de atribuições permite melhor atuação, mas não impede que um órgão substitua outro com o escopo de cumprimento de seus fins existenciais. 4. Admite-se a responsabilidade penal da pessoa jurídica em crimes ambientais desde que haja a imputação simultânea do ente moral e da pessoa física que atua em seu nome ou em seu benefício, uma vez que não se pode compreender a responsabilização do ente moral dissociada da atuação de uma pessoa física. 22 (grifo nosso). Sendo assim, a pessoa jurídica não pode responder sozinha nos crimes ambientais, porque é a pessoa física que age com elemento subjetivo próprio. Ademais, esta dupla imputação visa punir tanto a pessoa física que pratica efetivamente a infração, quando o ente jurídico que venha a se beneficiar da conduta criminosa, cuja responsabilidade é denominada social ou coletiva. Por fim, STJ também ressalta que de acordo com o art. 3º da Lei 9605/98, o simples fato de ser sócio, gerente ou administrador, não autoriza a instauração de processo criminal por crimes ambientais, conforme acórdão: RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS. CRIME CONTRA O MEIO AMBIENTE. INÉPCIA DA DENÚNCIA. AUSÊNCIA DE DESCRIÇÃO MÍNIMA DA RELAÇÃO DA RECORRENTE COM O FATO DELITUOSO. INADMISSIBILIDADE. PESSOA JURÍDICA. RESPONSABILIZAÇÃO SIMUL- TÂNEA DA PESSOA FÍSICA. NECESSIDADE.1. Nos crimes que envolvem empresas cuja autoria nem sempre se mostra nítida e bem definida, exige-se que o órgão acusatório estabeleça, ainda que minimamente, ligação entre o denunciado e a empreitada criminosa a ele imputada. O simples fato de ser sócio, gerente ou administrador não autoriza a instauração de processo criminal por crimes praticados no âmbito da sociedade, se não for comprovado, ainda que com elementos a serem aprofundados no decorrer da ação penal, a relação de causa e efeito entre as imputações e a sua função na empresa, sob pena de se reconhecer a responsabilidade penal objetiva.2. No caso, não cuidou o Ministério Público de apontar circunstância alguma que servisse de vínculo entre a conduta da recorrente, na condição de proprietária da empresa, e a ação poluidora. Compulsando os autos, verifica-se, também, que há procuração pública (fl. 88), lavrada em , pela qual se conferiam amplos poderes 22 BRASIL, República Federativa do. Acórdão. Recurso Especial nº /RJ. 5ª Turma. Relator Min. Arnaldo Esteves Lima. Diário da Justiça Eletrônico, Brasília/DF, 31 ago Superior Tribunal de Justiça. Disponível em <http://www.stj.jus.br/scon/jurisprudencia/toc.jsp?tipo_visualiza cao=null&livre=responsabilidade+penal+da+pessoa+jur%eddica+em+crimes+ambientais&b=ac OR>. Acesso em 30 mar Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

13 de gestão da empresa a outra pessoa.3. Excluindo-se da denúncia a pessoa física, torna-se inviável o prosseguimento da ação penal, tão somente, contra a pessoa jurídica. Não é possível que haja a responsabilização penal da pessoa jurídica dissociada da pessoa física, que age com elemento subjetivo próprio.4. Recurso ao qual se dá provimento para reconhecer a inépcia da denúncia. 23 (grifo nosso). POSIÇÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A busca por acórdãos sobre a Responsabilidade penal da pessoa jurídica em crimes ambientais, no Supremo Tribunal Federal resultou em apenas 05 (cinco) acórdãos, sendo que, esta Corte só entrou no mérito dessa discussão no julgamento do Habeas corpus do ano de Nesse acórdão, entende que a responsabilidade penal de pessoas jurídicas é previsão constitucional expressa e corrobora a necessidade do sistema da dupla imputação, conforme se vê pela ementa a seguir: EMENTA: PENAL. PROCESSUAL PENAL. CRIME AMBIENTAL. HABEAS CORPUS PARA TUTELAR PESSOA JURÍDICA ACUSADA EM AÇÃO PENAL. ADMISSIBILIDADE. INÉPCIA DA DENÚNCIA: INOCOR- RÊNCIA. DENÚNCIA QUE RELATOU a SUPOSTA AÇÃO CRIMINOSA DOS AGENTES, EM VÍNCULO DIRETO COM A PESSOA JURÍDICA CO- ACUSADA. CARACTERÍSTICA INTERESTADUAL DO RIO POLUÍDO QUE NÃO AFASTA DE TODO A COMPETÊNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO ES- TADUAL. AUSÊNCIA DE JUSTA CAUSA E BIS IN IDEM. INOCORRÊNCIA. XCEPCIONALIDADE DA ORDEM DE TRANCAMENTO DA AÇÃO PENAL. ORDEM DENEGADA. I - Responsabilidade penal da pessoa jurídica, para ser aplicada, exige alargamento de alguns conceitos tradicionalmente empregados na seara criminal, a exemplo da culpabilidade, estendendose a elas também as medidas assecuratórias, como o habeas corpus. II - Writ que deve ser havido como instrumento hábil para proteger pessoa jurídica contra ilegalidades ou abuso de poder quando figurar como co-ré em ação penal que apura a prática de delitos ambientais, para os quais é cominada pena privativa de liberdade. III - Em crimes societários, a denúncia deve pormenorizar a ação dos denunciados no quanto possível. Não impede a ampla defesa, entretanto, quando se evidencia o vínculo dos denunciados com a ação da empresa denunciada. IV - Ministério Público Estadual que também é competente para desencadear ação penal por crime ambiental, mesmo no caso de curso d água transfronteiriços. V - Em crimes ambientais, o cumprimento do Termo de Ajustamento de Conduta, com consequente extinção de punibilidade, não pode servir de salvo-conduto para que o agente volte a poluir. VI - O trancamento de ação penal, por via de habeas corpus, 23 BRASIL, República Federativa do. Recurso Ordinário em Habeas corpus nº , da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo. 6ª Turma. Relator Min. OG Fernandes. Diário da Justiça Eletrônico, Brasília/DF, 01 jul Superior Tribunal de Justiça. Disponível em <http://www.stj.jus.br/scon/jurisprudencia/toc.jsp?tipo_visualizacao=null&li vre=resp onsabilidade+penal+da+pessoa+jur%eddica+em+crimes+ambientais&b=acor>. Acesso em 30 mar Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

14 é medida excepcional, que somente pode ser concretizada quando o fato narrado evidentemente não constituir crime, estiver extinta a punibilidade, for manifesta a ilegitimidade de parte ou faltar condição exigida pela lei para o exercício da ação penal. VII - Ordem denegada. 24 (grifo nosso). Ademais, a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal também é clara no sentido de que não é válida a denúncia das pessoas físicas responsáveis pelo ente moral sem que haja um vínculo entre a conduta dessa e a prática ilegal. Mesmo para crimes societários, é necessária uma conduta delituosa dos mandatários da empresa para não violar o princípio da responsabilidade por culpa: EMENTA: HABEAS CORPUS. PEDIDO DE TRANCAMENTO DA AÇÃO PENAL. ALEGAÇÃO DE INÉPCIA DA DENÚNCIA. DIREITO CRIMI- NAL AMBIENTAL. RESPONSABILIDADE DE DIRIGENTES DE PESSOA JU- RÍDICA. ART. 2º DA LEI 9.605/1998. Rejeitado pedido de trancamento de ação penal, dada a expressa previsão legal, nos termos da legislação ambiental, da responsabilização penal de dirigentes de pessoa jurídica e a verificação de que consta da denúncia a descrição, embora sucinta, da conduta de cada um dos denunciados. Habeas corpus indeferido. 25 (grifo nosso). Por fim, recentemente o STF se envolveu em grande polêmica em relação a admissibilidade da responsabilização penal da pessoa jurídica independentemente da responsabilização da pessoa física, conforme MACIEL: Sem embargo da clareza da lei, o STF recentemente decidiu que é possível manter a condenação da pessoa jurídica mesmo que fique comprovado que seu representante legal não praticou o delito. No julgamento do AgR no RE /RS, o Ministro relator, Dias Toffoli consignou eu seu voto que: (...) Ainda que assim não fosse, no que concerne a norma do 3º do art. 225 da Carta da República, não vislumbro, na espécie, qualquer violação ao dispositivo em comento, pois a responsabilização penal da pessoa jurídica independe da responsabilização da pessoa natural. Conforme anotado por Roberto Delmanto et al, ao colacionarem posicionamento de outros doutrinadores segundo o parágrafo único do art. 3º da Lei 9.605/98, a responsabilidade da pessoa jurídica não exclui a das pessoas naturais, podendo assim a denúncia ser dirigida apenas contra a pessoa jurídica, caso não se descubra a autoria ou participação das pessoas naturais, e poderá, também, 24 BRASIL, República Federativa. Habeas corpus nº , da 5ª Turma. Relator Min. Ricardo Lewandowski. Diário da Justiça Eletrônico, Brasília/DF, 25 set Supremo Tribunal Federal Disponível em <http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarjurisprudencia.asp?s1=%28respon sabilidade+penal+da+pessoa+jur%eddica+em+crimes+ambientais%29&base=baseacordaos&url =http://tinyurl.com/bgmto76>. Acesso em 30 mar BRASIL, República Federativa do. Habeas corpus nº , da 2ª Turma. Relator Min. Joaquim Barbosa. Diário da Justiça da União, Brasília/DF, 10 mar Supremo Tribunal Federal. Disponível em < 8respo nsabilidade+penal+da+pessoa+jur%eddica+em+crimes+ambientais%29&base=baseacordaos&u rl=http://tinyurl.com/bgmto76>. Acesso em 30 mar Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

15 ser direcionada contra todos. Foi exatamente para isto que elas, as pessoas jurídicas, passaram a ser responsabilizadas. Na maioria absoluta dos casos, não se descobria a autoria do delito. 26 Para o mesmo autor, passa-se a ignorar neste ponto todos os preceitos constitucionais, a fim de a qualquer custo e interpretação punir apenas os entes morais. CONSIDERAÇÕES FINAIS Apesar de ser considerado como uma inovação no sistema jurídico brasileiro, o art. 225, nada mais foi do que uma adequação do sistema jurídico internacional, onde de forma simples, o legislador apenas enunciou a responsabilidade penal da pessoa jurídica, cominando-lhes penas, sem lograr ou instituí-la completamente. Mais tarde, devido a forma com que a responsabilidade penal da pessoa jurídica foi instituída com muita ambiguidade, foi criada a Lei 9.605/98. Porém, a grande crítica vigente, que ainda pondera no país, é a falta da criação de normas processuais mais específicas para os casos envolvendo estas entidades coletivas na prática de crimes ambientais. A ausência de uma regulamentação processual especial, com a devida observância das peculiaridades inerentes às pessoas jurídicas pode e, está deixando de ter a aplicabilidade prática em relação às sanções cominadas por este instituto. Sendo assim, faz-se necessário promover uma alteração na Lei 9.605/98, para que o legislador possa estabelecer critérios mais claros, como procedimentos para citação, interrogatórios e outros aspectos, em especial para a aplicação das penas, como por exemplo, permitir a substituição da pena de liberdade, que é prevista na parte especial, pelas relativas apenas às pessoas jurídicas, quais sejam: restrição de direitos ou prestação de serviço à comunidade ou até a liquidação forçada da empresa. Há de se observar ainda que, esta alteração poderá ensejar a necessidade de promover algumas alterações em outros textos legais para que haja harmonia com a Lei de Crimes Ambientais, trazendo em seu corpo novas disposições especiais de processo penal e, regras referentes à execução penal das reprimendas aplicáveis às pessoas jurídicas. 26 MACIEL, Sílvio. STF admite responsabilização penal da pessoa jurídica independentemente da responsabilização da pessoa física. Disponível em: < ciel/2011/10/17/stf-admite-responsabilizacao-penal-da-pessoa-juridica-independentementedarespon sabilizacao-da-pessoa-fisica/>. Acesso em 09 jan Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

16 Ademais, esse tipo de medida não pode ser encarada como uma violação ao direito penal clássico, mas sim como uma medida benéfica do sistema jurídico para a defesa plena e efetiva do meio ambiente. Por fim, as empresas podem e, devem concordar que a na esfera penal a punição deve ser mais severa, já que a condenação por crimes ambientais hoje em dia afetam negativamente sua empresa, haja vista que a sociedade aprendeu a olhar a responsabilidade social e ambiental do fabricante como um critério de escolha para a compra de seus produtos. REFERÊNCIAS BRASIL, República Federativa do. Habeas corpus nº ª Turma. Relator Min. Felix Fischer. Diário da Justiça da União, Brasília, DF, 15 mai Superior Tribunal de Justiça. Disponível em < encia/toc. jsp?tipo_visualizacao=null&livre=responsabilidade+penal+da+pessoa+jur%eddica+e m+crimes+ambientais&b=acor>. Acesso em 30 mar BRASIL, República Federativa do. Acórdão. Recurso Especial nº /RJ. 5ª Turma. Relator Min. Arnaldo Esteves Lima. Diário da Justiça Eletrônico, Brasília/DF, 31 ago Superior Tribunal de Justiça. Disponível em <http://www.stj.jus.br/scon/ jurisprudencia/toc.jsp?tipo_visualizacao=null&livre=responsabilidade+penal+da+pess oa+jur%eddica+em+crimes+ambientais&b=acor>. Acesso em 30 mar BRASIL, República Federativa do. Recurso Ordinário em Habeas corpus nº , da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo. 6ª Turma. Relator Min. OG Fernandes. Diário da Justiça Eletrônico, Brasília/DF, 01 jul Superior Tribunal de Justiça. Disponível em <http://www.stj.jus.br/scon/jurisprudencia/toc.jsp?tipo_visualizacao=null&livre=responsabilidade+penal+da+pessoa+ jur%eddica+em+crimes+ambientais&b=acor>. Acesso em 30 mar BRASIL, República Federativa do. Habeas corpus nº , da 2ª Turma. Relator Min. Joaquim Barbosa. Diário da Justiça da União, Brasília/DF, 10 mar Supremo Tribunal Federal. Disponível em <http://www.stf.jus.br/portal/juris prudencia/ listarjurisprudencia.asp?s1=%28responsabilidade+penal+da+pessoa+jur%eddica+ em+crimes+ambientais%29&base=baseacordaos&url=http://tinyurl.com/bgmto76>. Acesso em 30 mar Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

17 BRASIL, República Federativa. Habeas corpus nº , da 5ª Turma. Relator Min. Ricardo Lewandowski. Diário da Justiça Eletrônico, Brasília/DF, 25 set Supremo Tribunal Federal Disponível em <http://www.stf.jus.br/portal/jurispr udencia/ listarjurisprudencia.asp?s1=%28responsabilidade+penal+da+pessoa+jur%eddica+ em+crimes+ambientais%29&base=baseacordaos&url=http://tinyurl.com/bgmto76>. Acesso em 30 mar BRASIL, República Federativa do. Constituição da República Federativa do Brasil, de Vade Mecum Compacto Saraiva. Obra coletiva de autoria da Editora Saraiva com a colaboração de Antônio Luiz de Toledo, Márcia Cristina Vaz dos Santos Widt e Lívia Céspedes. 4 ed. Atual., e ampl. São Paulo: Saraiva, BRASIL, República Federativa do. Lei 9.605, de 12 de Fevereiro de Vade Mecum Compacto Saraiva. Obra coletiva de autoria da Editora Saraiva com a colaboração de Antônio Luiz de Toledo, Márcia Cristina Vaz dos Santos Widt e Lívia Céspedes. 4 ed. Atual., e ampl. São Paulo: Saraiva, DUARTE JR., Ricardo. Novas reflexões acerca da responsabilidade penal da pessoa jurídica de direito público por danos ambientais, Jus Navigandi, Teresina, ano 17 (/revista/edições/2012). Disponível em: <http://jus.com.br/revi sta/te xto/22869>. Acesso em: 18 fev FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. 13 ed., rev., atual, e ampl. São Paulo: Saraiva, GAGLIANO, Pablo Stolze. Novo curso de direito civil, volume I: parte geral. 13 ed. São Paulo: Saraiva, GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil esquematizado, volume I. São Paulo: Saraiva, MACIEL, Sílvio. STF admite responsabilização penal da pessoa jurídica independentemente da responsabilização da pessoa física. Disponível em: <http://atualidadesdodireito.com.br/silviomaciel/2011/10/17/stf-admite-responsabiliza cao-penalda-pessoa-juridica-independentemente-da-responsabilizacao-da-pessoa-fisica/>. Acesso em 09 jan MANCINI, Maria Carolina. A Responsabilidade penal da pessoa jurídica nos crimes ambientais. Presidente Prudente SP: Monografia submetida à Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo, como requisito parcial de conclusão de Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

18 curso para obtenção do grau de bacharel em direito. MILARÉ, Edis. Direito do Ambiente: a gestão ambiental em foco. 7ª ed. rev., atual., e reform. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, MOTA, Tercio de Souza; BARBOSA, Erivaldo Moreira. A pena de morte da pessoa jurídica que comete crimes ambientais. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIV, n.86, mar Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/index-php?n_link= revista_artigos_leituraartigo_id=9 100>. Acesso em 09 jan SETTE, Marli T. Deon. Direito Ambiental. São Paulo: MP Ed., Revista Jurídica da Unic / Emam, v. 1, n. 2, p , jan./jun

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA Eladio Lecey Diretor-Presidente, Escola Nacional da Magistratura - AMB Diretor, Escola Brasileira de Direito

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 21.628 - SP (2007/0158779-3) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : AGOSTINHO FERRAMENTA DA SILVA JÚNIOR ADVOGADO : JULIANA FERRAMENTA DA SILVA RECORRIDO : TRIBUNAL DE

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO 13 Congresso Brasileiro de Direito Ambiental Mesa Redonda IX DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO Presidente: Damásio de Jesus Relator Geral: Eladio Lecey

Leia mais

Responsabilidade penal ambiental. A importância da reparação do dano ambiental

Responsabilidade penal ambiental. A importância da reparação do dano ambiental Responsabilidade penal ambiental A importância da reparação do dano ambiental Ideal: Meio ambiente sadio, preservado e equilibrado ecologicamente Realidade: Busca de solução jurídica diante de uma situação

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br (Artigos) considerações sobre a responsabilidade "penal" da pessoa jurídica Dóris Rachel da Silva Julião * Introdução É induvidoso que em se tratando da criminalidade econômica e

Leia mais

RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURIDICA PELA PRÁTICA DE CRIME AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURIDICA PELA PRÁTICA DE CRIME AMBIENTAL 1 RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURIDICA PELA PRÁTICA DE CRIME AMBIENTAL WILCINETE DIAS SOARES 1 Resumo: O desígnio deste trabalho é discorrer acerca da responsabilização penal da pessoa jurídica pela

Leia mais

<CABBCBBCCADACABCCBBABBCCACBABCADBCAAA DDADAAAD> EMENTA: AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL ASSOCIAÇÃO PARA O TRÁFICO DE DROGAS CRIME EQUIPARADO A HEDIONDO RECURSO NÃO PROVIDO. - O crime previsto no art. 35 da Lei

Leia mais

A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais

A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho * Igor Oliveira Borges RESUMO: Este texto trata a respeito da Lei 9.605 de 1998, lei esta que

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe:

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe: 3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA 3.1 QUESTÕES PONTUAIS SOBRE EXECUÇÃO PENAL ÉRIKA DE LAET GOULART MATOSINHO Oficial do Ministério Público do Estado de Minas Gerais Bacharel em Direito 1. Escolha do acórdão

Leia mais

RESP 697585 / TO ; RECURSO ESPECIAL

RESP 697585 / TO ; RECURSO ESPECIAL JURISPRUDÊNCIA/STJ RESP 697585 / TO ; RECURSO ESPECIAL 2004/0099400-2 Ministro GILSON DIPP (1111) T5 - QUINTA TURMA 22/03/2005 DJ 18.04.2005 p. 383 CRIMINAL. RESP. COMPETÊNCIA. INTIMAÇÃO DO DENUNCIADO.

Leia mais

A progressão de regime e o exame criminológico à luz da Súmula Vinculante 26 e Súmula 439 do STJ

A progressão de regime e o exame criminológico à luz da Súmula Vinculante 26 e Súmula 439 do STJ A progressão de regime e o exame criminológico à luz da Súmula Vinculante 26 e Súmula 439 do STJ Irving Marc Shikasho Nagima Bacharel em Direito. Especialista em Direito Criminal. Advogado Criminalista

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.133.986 - RS (2009/0133788-0) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO JORGE MUSSI : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL : WILER DA LUZ DOS REIS : LÉA BRITO

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá.

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. Em sede do julgamento do habeas corpus n. 97.256/RS, o Supremo Tribunal

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MPF FLS. 2ª CCR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL VOTO Nº 7399/2015 (IPL 1763/2010-1) ORIGEM: 5ª VARA FEDERAL CRIMINAL DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR OFICIANTE: ARIANE GUEBEL DE ALENCAR RELATORA: RAQUEL ELIAS FERREIRA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.391.004 - GO (2013/0219024-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS : ADEMIR NOLASCO GUIMARÃES : ACHILES

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme892 RgA-teP Diário da Justiça de 06/11/2006 26/09/2006 SEGUNDA TURMA RELATOR AGRAVANTE(S) AGRAVADO(A/S) : MIN. GILMAR MENDES : BRUNO DINIZ ANTONINI : RELATOR DO HC Nº 20906 DO SUPERIOR

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

unanimidade, denegar a ordem. Os Srs. Ministros Arnaldo Esteves Lima, Felix Fischer e Gilson Dipp votaram com a Sra. Ministra Relatora.

unanimidade, denegar a ordem. Os Srs. Ministros Arnaldo Esteves Lima, Felix Fischer e Gilson Dipp votaram com a Sra. Ministra Relatora. Súmula Vinculante nº. 14: É direito do defensor, no interesse do representado, ter acesso amplo aos elementos de prova que, já documentados em procedimento investigatório realizado por órgão com competência

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA IMPTTE IMPTDO PACTE PACTE ORIGEM RELATOR : JOSÉ IDEMAR RIBEIRO E OUTROS : JUÍZO DA 1ª VARA FEDERAL DE ALAGOAS (MACEIÓ) : SILVIO MARCIO CONDE DE PAIVA : C ENGENHARIA S/A : 1ª VARA FEDERAL DE ALAGOAS : DESEMBARGADOR

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 197.783 - SP (2011/0034092-9) RELATORA : MINISTRA MARILZA MAYNARD (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/SE) IMPETRANTE : FABIANA JULIA OLIVEIRA RESENDE - DEFENSORA PÚBLICA IMPETRADO : TRIBUNAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 31.648 - MT (2010/0037619-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : AMAGGI EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO LTDA : EUCLIDES RIBEIRO

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS PROVA SIMULADA OAB - DIREITO PENAL PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS Peça - MEMORIAIS, com fundamento no art. 403, 3o, do Código de Processo

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

RESPONSABILIDADE CRIMINAL DA PESSOA JÚRÍDICA

RESPONSABILIDADE CRIMINAL DA PESSOA JÚRÍDICA RESPONSABILIDADE CRIMINAL DA PESSOA JÚRÍDICA QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA Eladio Lecey Diretor, Escola Brasileira de Direito e Política Ambiental Instituto O Direito por um Planeta Verde

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 864.760 - GO (2006/0145586-0) RELATORA : MINISTRA JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG) RECORRENTE : UNIÃO RECORRIDO : SALVADOR LAUREANO DE ASSUNÇÃO ADVOGADO : LÁZARO SOBRINHO

Leia mais

CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE

CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE CURSO INTENSIVO DE DIREITO AMBIENTAL FMASE/IDPV Eladio Lecey Diretor, Escola Brasileira de Direito e Política Ambiental Presidente, Comité Brasileiro da UICN 1 RESPONSABILIDADE

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 08/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 675.505 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro MANDADO DE SEGURANÇA (TURMA) (MSTR) Nº 103144/SE (0000385-44.2015.4.05.0000) IMPTTE : FERNANDO LIMA COSTA ADV/PROC : PAULO ROBERTO NERY NASCIMENTO E OUTROS IMPTDO : JUÍZO DA 6ª VARA FEDERAL DE SERGIPE

Leia mais

REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Aline Barandas 1 RESUMO: A atual Constituição Federal brasileira prega valores sociais,

Leia mais

SÚMULAS E JURISPRUDÊNCIAS COMENTADAS Disciplina: Direito Administrativo Prof.: Fabrício Bolzan Data: 25.05.2010 Aula 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

SÚMULAS E JURISPRUDÊNCIAS COMENTADAS Disciplina: Direito Administrativo Prof.: Fabrício Bolzan Data: 25.05.2010 Aula 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR SÚMULAS E JURISPRUDÊNCIAS COMENTADAS Disciplina: Direito Administrativo Prof.: Fabrício Bolzan Data: 25.05.2010 Aula 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Dispensa imotivada de servidor público em estágio probatório

Leia mais

Tendo em vista o artigo da Promotora de Justiça no Estado do Paraná, Dra. Suzane Maria Carvalho do Prado, disponibilizado por esse CAO-Crim, e as decisões proferidas pela Turma Recursal (Acórdão 71001890557)

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 762.072 -RS (2005/0103061-5) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 762.072 -RS (2005/0103061-5) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 762.072 -RS (2005/0103061-5) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RECORRIDO : AIRTON HANDLER ADVOGADO : DANILO KNIJNIK

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG,

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG, MERITÍSSIMA JUÍZA DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE UBERABA/ MINAS GERAIS. Autos n. 701. Secretaria cível BANCO xxxx., já qualificado nos autos epigrafados da AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.475 RIO GRANDE DO SUL RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :MINISTÉRIO

Leia mais

A PRESCRIÇÃO SOB A ÉGIDE DA NOVA LEI DE FALÊNCIAS

A PRESCRIÇÃO SOB A ÉGIDE DA NOVA LEI DE FALÊNCIAS A PRESCRIÇÃO SOB A ÉGIDE DA NOVA LEI DE FALÊNCIAS Com a entrada em vigor, em maio de 2005, da nova lei que regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência das empresas (Lei 11.101 de 09.02.2005),

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 781.703 - RS (2005/0152790-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : UNIÃO : MARCOS ROBERTO SILVA DE ALMEIDA E OUTROS : WALDEMAR MARQUES E OUTRO EMENTA

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98

Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98 Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98 29 Clara Maria Martins Jaguaribe 1 BREVE INTRODUÇÃO Antes da sistematização da responsabilidade penal em termos de meio ambiente, todos os tipos penais

Leia mais

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990.

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990. A NOVA DISCIPLINA DA PROGRESSÃO DE REGIME TRAZIDA PELA LEI Nº 11.464/07. MAURICIO MAGNUS FERREIRA JUIZ DE DIREITO DO TJ/RJ No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação

Leia mais

Ribeiro R E L A T Ó R I O

Ribeiro R E L A T Ó R I O R E L A T Ó R I O Trata-se de recurso em sentido estrito interposto pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL contra Decisão que, desclassificando a imputação descrita na denúncia (fls. 292/294), rejeitou a denúncia

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

Os processos criminais em segunda instância são submetidos à análise da Douta Procuradoria de Justiça para a elaboração de parecer.

Os processos criminais em segunda instância são submetidos à análise da Douta Procuradoria de Justiça para a elaboração de parecer. SÚMULA ABERTURA DE VISTA DOS AUTOS, EM SEGUNDA INSTÂNCIA, PARA A DEFENSORIA PÚBLICA APÓS A APRESENTAÇÃO DO PARECER PELO MINISTÉRIO PÚBLICO PARIDADE DE ARMAS - HOMENAGEM AO CONTRADITÓRIO E À AMPLA DEFESA

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

PESSOAS JURÍDICAS E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS

PESSOAS JURÍDICAS E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS RÔMULO RESENDE REIS A RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS JURÍDICAS E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS RÔMULO RESENDE REIS I BREVE HISTÓRICO Se entende que desde os tempos mais remotos, quando os grupos primitivos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 5076/2012 PROCEDIMENTO MPF nº 1.00.000.002444/2012-76 ORIGEM: PRM TUBARÃO / SC PROCURADOR OFICIANTE: MICHAEL VON MÜHLEN DE BARROS GONÇALVES

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº 16.822/CS HABEAS CORPUS Nº 110.779 SÃO PAULO IMPETRANTE: ARNALDO MALHEIROS FILHO E OUTRO (A/S) PACIENTE: NELSON PEIXOTO IMPETRADO: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA RELATOR: MINISTRO CELSO DE MELLO HABEAS

Leia mais

Inteiro Teor (799690) EMBARGOS INFRINGENTES E DE NUL EM RCCR Nº 2004.04.01.044181 0/PR

Inteiro Teor (799690) EMBARGOS INFRINGENTES E DE NUL EM RCCR Nº 2004.04.01.044181 0/PR Inteiro Teor (799690) EMBARGOS INFRINGENTES E DE NUL EM RCCR Nº 2004.04.01.044181 0/PR RELATOR : Des. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ : VANDERLEI APARECIDO MACHADO : Bruno Pedalino e outros : ORIVALDO VALDEMIR

Leia mais

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES RIPOLL DE MACEDO e OUTROS, com fundamento no art. 105,

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

Nº 4139/2014 PGR - RJMB

Nº 4139/2014 PGR - RJMB Nº 4139/2014 PGR - RJMB Físico Relator: Ministro Celso de Mello Recorrente: Ministério Público do Trabalho Recorrida: S. A. O Estado de São Paulo RECURSO EXTRAORDINÁRIO. COMPETÊNCIA DA JUS- TIÇA DO TRABALHO.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 221.913 - SP (2011/0248241-5) RELATOR IMPETRANTE ADVOGADO IMPETRADO PACIENTE : MINISTRO OG FERNANDES : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO : RICARDO LOBO DA LUZ - DEFENSOR PÚBLICO

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 14 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 823.347 MARANHÃO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES RECTE.(S)

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira RELATÓRIO Trata-se de recurso em sentido estrito interposto por Célio Bispo Kojuch contra sentença proferida pelo Juízo da 14.ª Vara da SJRN que denegou ordem de habeas corpus através da qual era objetivada

Leia mais

Processo nº : 2014021035535 : Goianápolis-GO : Danilo Rodrigues Iglesias e Maricelma Freitas de Moraes. Douto Subprocurador-Geral de Justiça,

Processo nº : 2014021035535 : Goianápolis-GO : Danilo Rodrigues Iglesias e Maricelma Freitas de Moraes. Douto Subprocurador-Geral de Justiça, Processo nº : 2014021035535 Comarca : Goianápolis-GO Indiciados : Danilo Rodrigues Iglesias e Maricelma Freitas de Moraes Infração : Art. 184, 2, do CPB Assunto : Artigo 28 do CPP EMENTA: Art. 28 do CPP.

Leia mais

Recursos Disciplinares: é possível a interposição por defensor dativo?

Recursos Disciplinares: é possível a interposição por defensor dativo? Recursos Disciplinares: é possível a interposição por defensor dativo? Viviane Cuenca de Oliveira Assis* I. APRESENTAÇÃO: Este trabalho tem por objetivo identificar até em que fase do processo, ou procedimento,

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção

Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção Em 19 de março de 2015, foi publicado o Decreto Federal nº 8.420, de 18 de março de 2015 ( Decreto ), que regulamenta a Lei Federal nº 12.846, de 1º

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

OS ASPECTOS RELEVANTES ACERCA DO ARQUIVAMENTO DO INQUÉRITO POLICIAL

OS ASPECTOS RELEVANTES ACERCA DO ARQUIVAMENTO DO INQUÉRITO POLICIAL 10 OS ASPECTOS RELEVANTES ACERCA DO ARQUIVAMENTO DO INQUÉRITO POLICIAL Welligton Carlos da Costa Silva Acadêmico do 5 ano do curso de Direito FITL/AEMS. Suelem de Lima Alves Acadêmica do 5 ano do curso

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 527.703 - SP (2014/0128049-6) RELATORA AGRAVANTE AGRAVADO ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRA REGINA HELENA COSTA : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL : JOSÉ CARLOS ISSA DIP : PAULO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 61.870 - RJ (2006/0142088-1) RELATOR : MINISTRO GILSON DIPP IMPETRANTE : FERNANDO FRAGOSO E OUTRO IMPETRADO : PRIMEIRA TURMA DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2A REGIÃO PACIENTE : JOSÉ CARLOS

Leia mais

TÍTULO: A INDENIZAÇÃO NA LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS LEI Nº 9.605/98

TÍTULO: A INDENIZAÇÃO NA LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS LEI Nº 9.605/98 TÍTULO: A INDENIZAÇÃO NA LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS LEI Nº 9.605/98 Adriana Jesus Guilhen 1 SUMÁRIO: I- O DIREITO AMBIENTAL; II- RESPONSABILIDADE CIVIL AMBIENTAL; III- RESPONSABILIDADE PENAL AMBIENTAL;

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA.

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA. 1 Brasília (DF), 7 de maio de 2012. Ilustríssimo Senhor Professor LUIZ HENRIQUE SCHUCH, 1º Vice-Presidente do SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR- ANDES-SINDICATO NACIONAL.

Leia mais

FURTO TENTADO EM ESTABELECIMENTO MONITORADO: CRIME IMPOSSÍVEL? Por Bruno Haddad Galvão, Defensor Público do Estado de São Paulo

FURTO TENTADO EM ESTABELECIMENTO MONITORADO: CRIME IMPOSSÍVEL? Por Bruno Haddad Galvão, Defensor Público do Estado de São Paulo FURTO TENTADO EM ESTABELECIMENTO MONITORADO: CRIME IMPOSSÍVEL? Por Bruno Haddad Galvão, Defensor Público do Estado de São Paulo Comumente a defesa se depara com denúncias por furto tentado em estabelecimento

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO D.E. Publicado em 11/09/2008 EMENTA Previdenciário. Tempo Especial. Vigia. Uso de arma de fogo. Requisito. A atividade de vigia/vigilante somente tem caráter especial quando o segurado efetivamente portava

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE JUSTIÇA Juiz Convocado HELVÉCIO DE BRITO MAIA NETO

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE JUSTIÇA Juiz Convocado HELVÉCIO DE BRITO MAIA NETO HABEAS CORPUS Nº 0002031-78.2014.827.0000 ORIGEM: COMARCA DE PARAÍSO DO TOCANTINS 1ª VARA CRIMINAL PACIENTE: RAPHAEL BRANDÃO PIRES IMPETRANTE: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL DO TOCANTINS IMPETRADO:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.381.315 - RJ (2013/0148762-1) RELATOR : MINISTRO ROGERIO SCHIETTI CRUZ RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RECORRIDO : JOSÉ JERÔNIMO ALVES FERREIRA ADVOGADO

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO. LUÍSA HICKEL GAMBA Relatora

EMENTA ACÓRDÃO. LUÍSA HICKEL GAMBA Relatora INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO JEF Nº 2005.70.53.001322-8/PR RELATOR : Juiz D.E. Publicado em 20/02/2009 EMENTA ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PUBLICO. ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO. ANUÊNIOS SUBSTITUÍDOS POR QÜINQÜÊNIOS.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA RECURSO ESPECIAL N 200.2006.042.358-5/001 RECORRENTE: Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil PREVI. ADVOGADOS: Urbano Vitalino

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ Acórdão Nº 99.013 Habeas Corpus Para Trancamento De Ação Penal Com Pedido Liminar Processo N. 2011.3.007417-7 (CNJ 0000233-82.2011.814.0000) Comarca De Origem: Belém Impetrantes: Felipe Coutinho Da Silveira

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.479 RIO DE JANEIRO RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

: DESEMBARGADOR FEDERAL LEOMAR BARROS AMORIM DE SOUSA : DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO

: DESEMBARGADOR FEDERAL LEOMAR BARROS AMORIM DE SOUSA : DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO fls.1/1 RELATOR(A) RELATORA ACÓRDÃO APELANTE ADVOGADO APELADO PROCURADOR PARA : DESEMBARGADOR FEDERAL LEOMAR BARROS AMORIM DE SOUSA : DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO : JEOVA DE SOUSA PIMENTEL

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT da 4ª Região Órgão Oficiante: Dr. Roberto Portela Mildner Interessado 1: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região. Interessado 2: Banco Bradesco S/A. Assuntos: Meio ambiente do trabalho

Leia mais

APELANTE FÁBIO CÂNDIDO DA SILVA. APELADO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. RELATOR DES. JOÃO DOMINGOS KÜSTER PUPPI.

APELANTE FÁBIO CÂNDIDO DA SILVA. APELADO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. RELATOR DES. JOÃO DOMINGOS KÜSTER PUPPI. 1 AUTOS DE APELAÇÃO CRIMINAL DE N.º 1231245-7, DE FOZ DO IGUAÇU 1ª VARA CRIMINAL. APELANTE FÁBIO CÂNDIDO DA SILVA. APELADO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. RELATOR DES. JOÃO DOMINGOS KÜSTER PUPPI.

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL:

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL: TRF 2 COMPETÊNCIA PENAL - PROCESSO PENAL - DECISÃO QUE REJEITA EXCEÇÃO DE INCOMPETÊNCIA - INEXISTÊNCIA DE RECURSO - APELAÇÃO CRIMINAL NÃO CONHECIDA - PEDIDO RECEBIDO COMO HABEAS CORPUS - REDUÇÃO À CONDIÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 Hassan Souki Advogado Associado do Escritório Homero Costa Advogados. A Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, tipifica, em seu

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL nº 442358/RN (2007.84.00.006636-6)

APELAÇÃO CÍVEL nº 442358/RN (2007.84.00.006636-6) APTE REPTE APDO ADV/PROC ORIGEM RELATORA : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : ALLIETE BEZERRA DE MEDEIROS ARAUJO e outro : ASTÉRIO ALVES DE ARAÚJO FILHO

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS N. 8.271 - RS (99.0004610-2) Pacientes: Vinícius Mac Ginity e Delmo Ramos Amendola

RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS N. 8.271 - RS (99.0004610-2) Pacientes: Vinícius Mac Ginity e Delmo Ramos Amendola - Recurso Ordinário em Habeas Corpus. Trancamento de Ação. Concussão. Médico cadastrado no SUS. Justa causa para o prosseguimento do feito. Competência da Justiça Federal. Ampliação do conceito de Funcionário

Leia mais

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União São Paulo, 07 de maio de 2015 LEI Nº 12.846/2013 Esta Lei dispõe sobre a responsabilização

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 30.047 - MT (2009/0144646-9) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : AGNALDO MOURA DA SILVA ADVOGADO : ANA LEONARDA PREZA BORGES RIOS - DEFENSORA PÚBLICA RECORRIDO

Leia mais

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ÁREA CRIMINAL CRIMES CONTRA OS COSTUMES 1. CRIMES CONTRA OS COSTUMES. ESTUPRO E ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR. TODAS AS FORMAS. CRIMES HEDIONDOS.

Leia mais