TUTELA e RESPONSABILIDADE PENAL. Lei 9605/98 Lei da Natureza

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TUTELA e RESPONSABILIDADE PENAL. Lei 9605/98 Lei da Natureza"

Transcrição

1 TUTELA e RESPONSABILIDADE PENAL Lei 9605/98 Lei da Natureza

2 Tutela penal e processual penal do MA Base: Lei 9605/98 Lei da Natureza

3 Tutela penal e processual penal do MA Introdução: Leis Esparsas e Confusas - Antes da promulgação da lei 9605/98 os crimes ambientais eram tratados de forma esparsa, nas leis extravagantes. Código Penal - arts.: 163 crime de dano; 250 1º, h causar incêndio em lavoura; e, 267 a 271 crimes contra a saúde pública; Lei de Contravenções Penais: art. 38 Poluição do ar; e, art poluição sonora; Código Florestal: Lei 4.771/69, artigos 26 a 36;

4 Tutela penal e processual penal do MA Lei 6.938/81: art. 14, incisos e parágrafos. Lei de Proteção à fauna: Código de Caça (Lei 5.197/67), art. 27 a 34; Lei de Danos Nucleares: Lei 6.453/77, arts. 19 a 27; Lei de Agrotóxicos: Lei 7.802/89, artigos 15,16 e 17; Lei da Ação Civil Pública: Lei 7.347/85, art. 10, para aquele que recusa, omite ou retarda dados requisitados pelo MP.

5 Tutela penal e processual penal do MA Onde está sistematizada a responsabilidade penal?

6 Lei 9605/98 Constitucional: Art. 225, 3º CF/88 3º - As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados.

7 Lei 9605/98 Lei 9605/98 Geral - A lei 9.605/98 sistematizou, em 82 artigos, os crimes ambientais, permanecendo aplicáveis os das legislações extravagantes que não foram expressamente revogados. Deu tratamento mais orgânico e sistêmico. Lembrando que se deve fazer uso da tutela penal quando ocorrer situações que agridam os valores fundamentais da sociedade, após esgotarem-se os mecanismos da responsabilidade civil e administrativa.

8 Lei 9605/98 Qual é o objetivo da responsabilidade penal? Qual é o Bem jurídico protegido? O bem jurídico protegido é meio ambiente em toda a sua amplitude, na abrangência do conjunto. Por meio da responsabilidade penal, pune-se àquele que pratica crimes contra o meio ambiente.

9 Lei 9605/98 Quem pode ser sujeito ativo e passivo do dano ambiental?

10 SUJEITOS Ativo Passivo Pessoa Física Pessoa Jurídica União, Estado, DF, Mun. e coletividade

11 A) Sujeito Ativo: qualquer pessoa: Física Jurídica de direito privado ou público. Exceto nos crimes próprios ou especiais, de mão própria ou delitos de atuação pessoal. Exemplos: crimes contra a administração ambiental nos art. 66 e 67, que se referem a figura do funcionário público. art conceder licença para determinada atividade em desacordo com as normas...,

12 Sujeito ativo Lei 9605/98: Art. 2º - Quem, de qualquer forma, concorre para a prática dos crimes previstos nesta Lei, incide nas penas a estes cominadas, na medida da sua culpabilidade, bem como o diretor, o administrador, o membro de conselho e de órgão técnico, o auditor, o gerente, o preposto ou mandatário de pessoa jurídica, que, sabendo da conduta criminosa de outrem, deixar de impedir a sua pratica, quando podia agir para evita-la. - Lembrar: Ação ou omissão

13 Sujeito ativo O art. 2º retrocitado, admite cumulativamente a responsabilidade penal, da pessoa jurídica, física autoras, co-autoras ou partícipes. Também responsabiliza aquele que tem conhecimento da conduta criminosa de outrem e deixa de impedir a sua prática (omissão).

14 Sujeito ativo Pessoa jurídica: Art. 3º. As pessoas jurídicas serão responsabilizadas administrativa, civil e penalmente conforme o disposto nesta Lei, nos casos em que a infração seja cometida por decisão de seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado, no interesse ou beneficio da sua entidade.

15 Sujeito ativo a.1)condicionantes para a responsabilização da pessoa jurídica: 1 - que a infração seja cometida por decisão de seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado; 2 - no interesse ou benefício da sua entidade. Obs.: se o ilícito penal ambiental visar à satisfação dos interesses dos dirigentes, sem vantagem ou benefício para a pessoa jurídica essa deixa de ser agente do tipo e passa a ser meio utilizado para a realização do ato.

16 Sujeito ativo a.2)tratamento constitucional e infraconstitucional relativamente à pessoa Jurídica: Promovendo significativa mudança no paradigma tradicional, a Constituição Federal, expressamente, admitiu a responsabilização da pessoa jurídica. Art. 173, 5º, Art. 225, 3º A Lei 9.605/98, nos seus artigos 2º e 3º.

17 Sujeito ativo Registre-se, ainda que a responsabilização da pessoa jurídica não excluí a das pessoas físicas, autoras, co-autoras ou partícipes do mesmo fato, na medida em que a empresa, por si mesma, não comete crimes (art. 3º, único da Lei 9.605/98). Dupla imputação.

18 Sujeito ativo a.3)desconsideração da pessoa jurídica: Art. 4ª. Poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados a qualidade do meio ambiente.

19 Jurisprudência STJ CRIMINAL. RESP. CRIME AMBIENTAL PRATICADO POR PESSOA JURÍDICA. RESPONSABILIZAÇÃO PENAL DO ENTE COLETIVO. POSSIBILIDADE. PREVISÃO CONSTITUCIONAL REGULAMENTADA POR LEI FEDERAL. OPÇÃO POLÍTICA DO LEGISLADOR. FORMA DE PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO- AMBIENTE. CAPACIDADE DE AÇÃO. EXISTÊNCIA JURÍDICA. ATUAÇÃO DOS ADMINISTRADORES EM NOME E PROVEITO DA PESSOA JURÍDICA. CULPABILIDADE COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL. CO-RESPONSABILIDADE. PENAS ADAPTADAS À NATUREZA JURÍDICA DO ENTE COLETIVO. ACUSAÇÃO ISOLADA DO ENTE COLETIVO. IMPOSSIBILIDADE. ATUAÇÃO DOS ADMINISTRADORES EM NOME E PROVEITO DA PESSOA JURÍDICA. DEMONSTRAÇÃO NECESSÁRIA. DENÚNCIA INEPTA. RECURSO DESPROVIDO.

20 Jurisprudência STJ I. A Lei ambiental, regulamentando preceito constitucional, passou a prever, de forma inequívoca, a possibilidade de penalização criminal das pessoas jurídicas por danos ao meio-ambiente. III. A responsabilização penal da pessoa jurídica pela prática de delitos ambientais advém de uma escolha política, como forma não apenas de punição das condutas lesivas ao meio-ambiente, mas como forma mesmo de prevenção geral e especial. IV. A imputação penal às pessoas jurídicas encontra barreiras na suposta incapacidade de praticarem uma ação de relevância penal, de serem culpáveis e de sofrerem penalidades.

21 Jurisprudência STJ V. Se a pessoa jurídica tem existência própria no ordenamento jurídico e pratica atos no meio social através da atuação de seus administradores, poderá vir a praticar condutas típicas e, portanto, ser passível de responsabilização penal. VI. A culpabilidade, no conceito moderno, é a responsabilidade social, e a culpabilidade da pessoa jurídica, neste contexto, limita-se à vontade do seu administrador ao agir em seu nome e proveito. VII. A pessoa jurídica só pode ser responsabilizada quando houver intervenção de uma pessoa física, que atua em nome e em benefício do ente moral.

22 Jurisprudência STJ VIII. "De qualquer modo, a pessoa jurídica deve ser beneficiária direta ou indiretamente pela conduta praticada por decisão do seu representante legal ou contratual ou de seu órgão colegiado.". IX. A Lei Ambiental previu para as pessoas jurídicas penas autônomas de multas, de prestação de serviços à comunidade, restritivas de direitos, liquidação forçada e desconsideração da pessoa jurídica, todas adaptadas à sua natureza jurídica. X. Não há ofensa ao princípio constitucional de que "nenhuma pena passará da pessoa do condenado...", pois é incontroversa a existência de duas pessoas distintas: uma física - que de qualquer forma contribui para a prática do delito - e uma jurídica, cada qual recebendo a punição de forma individualizada, decorrente de sua atividade lesiva.

23 Jurisprudência STJ XI. Há legitimidade da pessoa jurídica para figurar no pólo passivo da relação processual-penal. XII. Hipótese em que pessoa jurídica de direito privado foi denunciada isoladamente por crime ambiental porque, em decorrência de lançamento de elementos residuais nos mananciais dos Rios do Carmo e Mossoró, foram constatadas, em extensão aproximada de 5 quilômetros, a salinização de suas águas, bem como a degradação das respectivas faunas e floras aquáticas e silvestres. XIII. A pessoa jurídica só pode ser responsabilizada quando houver intervenção de uma pessoa física, que atua em nome e em benefício do ente moral. XIV. A atuação do colegiado em nome e proveito da pessoa jurídica é a própria vontade da empresa.

24 Jurisprudência STJ XV. A ausência de identificação das pessoa físicas que, atuando em nome e proveito da pessoa jurídica, participaram do evento delituoso, inviabiliza o recebimento da exordial acusatória. XVI. Recurso desprovido. (REsp /RN, Rel. Ministro GILSON DIPP, QUINTA TURMA, julgado em , DJ p. 463.

25 b)sujeito passivo: União, Estados, municípios ou proprietário diretamente; e Coletividade indiretamente. Nada impede que haja dois ou mais sujeitos passivos. Ex. 1. pessoa que picha o edifício da prefeitura de uma cidade, dois serão os ofendidos: a comunidade, pela lesão ao patrimônio cultural; e, o Estado-membro, em razão do dano sofrido. Ex 2. o agente ingressa no Parque Estadual Mãe Bonifácia, derruba e subtrai árvores: serão sujeitos passivos a coletividade e o Estado.

26 Sujeito passivo E o Índios? Sempre que o índio cometer um ilícito penal ao meio ambiente, por exemplo, a caça de animal silvestre (art. 29 CA), precisa indagar se ele está integrado com outros grupos, então, se: a) Isolado - sua ação pode ser considerada como exercício regular de um direito, excluída, portanto, a ilicitude (CP, art. 23, III), juntamente com a Lei 6.001/73, o Estatuto do Índio.

27 Sujeito passivo b) Vias de integração (grau de contato com cultura) será preciso avaliar seu grau de adesão aos modos de existência dos demais setores da visa nacional. c) Integrado Em regra é responsabilizado. Não será fácil reconhecer tal exclusão de ilicitude para livrá-lo da responsabilidade penal.

28 Sujeito passivo OBS.: Na hipótese de ser tutelado da FUNAI, a jurisprudência vem entendendo que deve ser assistido pelo órgão, sob pena de nulidade do processo (TJ/SP, RT 566/301, E TJ/MS, RT 600/392). No caso de ser totalmente aculturado (passou pelo processo de transformação cultural) e com desenvolvimento mental completo, entende o STF ser plena sua imputabilidade, inclusive admitindo decreto de prisão preventiva.

29 Sujeito passivo 'HABEAS CORPUS'. INDIGENA. SE O INDIO JA E ACULTURADO E TEM DESENVOLVIMENTO MENTAL QUE LHE PERMITE COMPREENDER A ILICITUDE DE SEUS ATOS, E PLENAMENTE IMPUTAVEL. RECURSO DESPROVIDO. (RHC 64476, Relator(a): Min. CARLOS MADEIRA, SEGUNDA TURMA, julgado em 10/10/1986, DJ PP EMENT VOL PP )

30 Sujeito passivo Como é responsabilizado o sujeito ativo? Objetiva ou subjetivamente?

31 Lei 9605/98 Responsabilidade subjetiva Elemento subjetivo: culpabilidade. A responsabilidade penal é determinada pela culpabilidade, não fugindo à regra. Os crimes ambientais, portanto, podem ser punidos a título de dolo ou culpa.

32 Lei 9605/98 Crime doloso (art. 15, I, CP) ocorre quando o agente quer ou assume o resultado. Ex. Art. 38. Destruir ou danificar floresta considerada de preservação permanente, mesmo que em formação, ou utilizá-la com infringência das normas de proteção: Pena - detenção, de um a três anos, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente. Crime culposo (art. 15, II, CP) - o agente deu causa por negligência, imprudência ou imperícia. Ex. art. 38, Parágrafo único. Se o crime for culposo, a pena será reduzida à metade.

33 Crimes ambientais: culposo ou doloso? Culposo: é ele expresso em lei. Doloso: quando a lei é silente. Exemplo: Lei 9605/98 Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos a saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora: (DOLOSO).

34 Lei 9605/98 Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa. 1. Se o crime e culposo: (CULPOSO). Pena - detenção, de seis meses a um ano, e multa.

35 Lei 9605/98 Contravenção Penal: infração penal de menor potencial ofensivo crime anão. (Lei de contravenções Penais - Decreto-Lei nº 3.688/1941). É a infração penal que a lei, isoladamente, pune com a pena de prisão simples (não se fala reclusão, que é aquela que pode ensejar qualquer dos regimes, fechado, semi-aberto ou aberto; nem, detenção, aquela com regime inicial semi-aberto ou aberto), ou de multa, ou ambas, alternativa ou cumuladamente.

36 Lei 9605/98 É um crime menor, enquadrado dentro das normas legais que regem as Contravenções Penais. Deve ser cumprida sem rigor penitenciário, em estabelecimento especial ou seção especial de prisão comum, em regime semi-aberto ou aberto. Para a existência da contravenção, basta a ação ou omissão voluntária. Deve-se, todavia, ter em conta o dolo ou a culpa, se a lei faz depender, de um ou de outra, qualquer efeito jurídico (art. 3º do Decreto).

37 Lei 9605/98 Teoria adotada: crime de perigo. Crimes de dano: aquele crime que só se consuma com a efetiva lesão do bem jurídico. Crime de perigo: se consuma com a simples possibilidade de dano, consagrado pela Lei 9605/98, visto que, o dano muitas vezes é irreversível. (mera conduta). Esta é a teoria adotada na esfera ambiental.

38 Lei 9605/98 Exemplo: art. 54: causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana... Lembrar: O legislador descartou a necessidade da ocorrência do dano para imputação penal, bastando apenas a probabilidade de ocorrer.

39 Lei 9605/98 Ainda que na esfera penal seja admitida a teoria do crime de perigo, para acumular a responsabilidade civil é necessária a ocorrência do dano efetivo.

40 Tutela penal e processual penal do MA Peculiaridades em relação aos crimes ambientais

41 Tutela penal e processual penal do MA Em penal, na maioria dos crimes se faz necessário o tipo objetivo - núcleo do tipo. Em ambiental, normalmente as normas penais são: A) Em branco B) Aberto

42 Lei 9605/98 Tipo Penal Norma penal em branco Norma penal aberta Elemento Normativo A) Norma Penal em Branco: Dependem de complementação de outros dispositivos legais e extra-legais (aspecto técnico, complexo e multidisciplinar)

43 Lei 9605/98 Complementação por meio de: a) disposição prevista na mesma lei; b) disposição contida em outra lei; c) disposição emanada de outro poder, ou seja, de um ato administrativo. obs.: em direito penal, em regra, usa-se leis para complementação homogênea e portarias para complementação heterogênea (outro órgão complementa)

44 Lei 9605/98 Exemplos retirados da Lei 9.605/98: art. 29 4º, I e VI- não estão descriminadas as espécies raras ou consideradas ameaçadas de extinção - todo ano o IBAMA lança uma lista determinando as espécies; art. 34 caput e único, I e II- pesca em período de piracema; todo ano é divulgado qual o período de piracema;

45 art espécies em extinção de peixes; quais espécies? art madeira de lei, classificada pelo Poder Público; poder público tem que classificar; art. 56 exigências estabelecidas em lei; a lei estabelece quais as exigências e outros mais Lei 9605/98

46 Lei 9605/98 B) Tipo penal aberto: A norma permite a inserção de situações análogas. Por força do princípio da legalidade ou da reserva legal (CP, art. 1º), a norma penal deve descrever por completo as características do fato, a fim de que o agente possa defender-se. Em matéria de direito penal ambiental, isso nem sempre é possível.

47 Lei 9605/98 Muitas das condutas lesivas ao meio ambiente não permitem uma descrição direta e objetiva, Exemplo: Crime Penal: Homicídio - tem a descrição mais clara possível: matar alguém. Crime ambiental: crime de poluição, cujas formas são múltiplas e se modificam permanentemente. Art. 54: causar poluição em niveis tais que

48 Lei 9605/98 c) Elemento normativos do tipo: Os elementos normativos dizem respeito à antijuricidade e são designados por expressões como: indevidamente ( art. 151 CP) sem justa causa ( art. 153 CP) sem consentimento de quem de direito ( art. 164 CP) sem licença da autoridade competente entre outros (art. 29 da Lei 9605/98).

49 Lei 9605/98 Exemplo: realizar desmate tanto pode ser ilícito penal como fato atípico, porquanto o desmate não só pode ser proibido como também permitida, mediante licença ambiental única LAU. Na Lei 9605/98 é possível encontrar várias dessas expressões nos seus dispositivos penais, exemplos: arts. 29,44,45,46, único, 51,52,55,56,60,63 e 64.

50 EXCLUDENTES Antijuricidade, ou excludentes de ilicitude Culpabilidade

51 Excludentes A) Causas excludentes de antijuridicidade/ilicitude (CP: Art Não há crime quando o agente pratica o fato) em: a.1) estado de necessidade situação de absoluta necessidade. Ex. - imagine v/c passeando por uma floresta e aparece uma onça na sua frente, o que v/c faria?

52 Excludentes a.2) legítima defesa situação em que o agente pratica para se defender. Requisitos: agressão injusta, atual ou iminente. Além de ameaça a direito próprio ou alheio; situação não provocada voluntariamente pelo agente e inexistência de dever legal de enfrentar o perigo. Ex. matar um cachorro que está sendo utilizado por outra pessoa para me atacar.

53 Excludentes a.3) estrito cumprimento do dever legal. Ex. policial matar animal que ataca criança. a.4) exercício regular do direito. Ex. adestrador dando pequenas pancadas; índio caçando para se alimentar.

54 Cuidado com a diferença entre legitima defesa e estado de necessidade. A agressão para permitir legitima defesa, é agressão humana. A agressão de animal não é legitima defesa. Ex. leão foge e vem para cima do sujeito, o sujeito mata em estado de necessidade.

55 Cuidado com a diferença entre legitima defesa e estado de necessidade. A única exceção é quando o animal é usado como instrumento de ataque humano. Ex. cachorro esta sendo utilizado pelo dono para me matar, mato o cachorro em legitima defesa. (Luiz Flávio Gomes).

56 Excludentes Além das excludentes previstas no próprio Código Penal, a Lei 9605/98 determinou no art. 37 que não é crime o abate de animal, quando realizado: I - em estado de necessidade, para saciar a fome do agente ou de sua família; II - para proteger lavouras, pomares e rebanhos da ação predatória ou destruidora de animais, desde que legal e expressamente autorizado pela autoridade competente; III - por ser nocivo o animal, desde que assim caracterizado pelo órgão competente.

57 Excludentes Também não configurará crime quando houver autorização competente ou o animal for caracterizado nocivo ( art. 46, inc. II e IV da Lei 9605/98 e art. 3º, 2º da Lei 5.197/67).

58 Excludentes B) A culpabilidade: Elementos que compõem a culpabilidade: a) imputabilidade; b) potencial consciência da ilicitude: O princípio de que em matéria penal não se pode invocar a ignorância da lei não abrange os casos em que algum elemento integrante da norma, como em regra ocorre com as chamadas normas penais em branco, exija informação técnica mais profunda do agente (JUTACrim 72/361).

59 Excludentes Ex. pessoa com barco de pesca com todos os petrechos necessário para uma boa pescaria, é pego no pantanal na época da piracema, tendo passado de MT para MS, os quais têm período de piracema diferente. c) exigibilidade de conduta diversa.

60 Excludentes São excludentes de culpabilidade: 1 - erro de proibição: a pessoa desconhece o caráter criminoso daquilo que pratica. Ocorre muito em ambiental em decorrência das norma penal em branco. art. 21 CP. 2 coação moral irresistível; 3 - inimputabilidade por embriaguez completa, proveniente de caso fortuito ou força maior, entre outras mais.

61 Princípio da Insignificância: é admitido em D.Ambiental (casca para chá), porém pouco aplicado já que as penas são leves e, geralmente, admitem a transação ou suspensão do processo. Exige cautela no seu uso.

62 Lei 9605/98 Quais são as sanções Penais Previstas?

63 Lei 9605/98 Sanções Penais: Para a imposição e gradação da penalidade, a autoridade competente observará o que determina o art. 6º, da Lei 9.605/98: a gravidade do fato: meio ambiente e saúde pública os antecedentes do infrator: já ter outro inquérito ou benefício de suspensão a situação econômica do infrator, no caso de multa.

64 a) Pessoas Físicas Sanção Penal Pessoas Físicas Privativa de Liberdade Restritivas de direitos Multa

65 a) Privativa de liberdade Pessoas Físicas Tradicionais reclusão (pode iniciar com regime fechado, semi-aberto ou aberto) e detenção (pode iniciar com regime semi-aberto ou aberto). Para os ilícitos penais e, prisão simples (inicia com aberto e normalmente substitui por restritiva de direito), para as contravenções.

66 Pessoas Físicas b) Restritivas de direito b.1 - Requisitos As penas restritivas de direitos são autônomas e substituem as privativas de liberdade quando nos casos em que: I - tratar-se de crime culposo;

67 Pessoas Físicas II - for aplicada a pena privativa de liberdade até quatro anos; III- a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade do condenado, bem como os motivos e as circunstancias do crime indicarem que a substituição seja suficiente para efeitos de reprovação e prevenção do crime ( art. 7º, I e II, Lei 9.605/98).

68 Pessoas Físicas Terão a mesma duração da pena privativa de liberdade substituída. Assim, somente os arts. 35,40,54, 2º e 3º, e 56, 2º, não admitiriam a substituição da pena de prisão pela restritiva de direito, caso fosse aplicada a pena máxima de 05 anos.

69 Pessoas Físicas b.2 - As penas restritivas de direito são: ( art. 8º): I) prestação de serviços a comunidade; serviços em Ucs, jardins, parques...( arts. 8º, I e 9º); II) interdição temporária de direitos: - proibição de o condenado contratar com o Poder Publico, - de receber incentivos fiscais ou quaisquer outros benefícios, - de participar de licitações, pelo prazo de cinco anos, no caso de crimes dolosos, e de três anos, no de crimes culposos ( arts. 8, II e 10);

70 Pessoas Físicas III) suspensão parcial ou total de atividades; quando estas não estiverem obedecendo as prescrições legais ( arts. 8,III e 11); IV) - prestação pecuniária: consiste no pagamento em dinheiro a vitima ou a entidade publica ou privada com fim social, de importância, fixada pelo juiz, não inferior a um salário mínimo nem superior a trezentos e sessenta salários mínimos. O valor pago será deduzido do montante de eventual reparação civil a que for condenado o infrator ( arts. 8º, IV e 12);

71 Pessoas Físicas V) recolhimento domiciliar. O recolhimento domiciliar baseia-se na autodisciplina e senso de responsabilidade do condenado, que deverá, sem vigilância, trabalhar, freqüentar curso ou exercer atividade autorizada, permanecendo recolhido nos dias e horários de folga em residência ou em qualquer local destinado a sua moradia habitual, conforme estabelecido na sentença condenatória. ( arts. 8º, V e 13).

72 C - Pena de Multa Pessoas Físicas A multa será calculada segundo os critérios do Código Penal; se revelar-se ineficaz, ainda que aplicada no valor máximo, poderá ser aumentada ate três vezes, tendo em vista o valor da vantagem econômica auferida (art. 18 da Lei 9.605/98).

73 b) Pessoas Jurídicas Sanção Penal Pessoas Jurídicas multa restritivas de direitos prestação de serviços a comunidade Marli Deon Sette Liquidação Forçada 73

74 Pessoas Jurídicas Atenção: Conforme determina o art. 21, as penas aplicáveis isolada, cumulativa ou alternativamente as pessoas jurídicas são (art. 3º):

75 Pessoas Jurídicas I - multa; aplica-se a regra comum estampada no art. 18; Art. 18. A multa será calculada segundo os critérios do Código Penal; se revelar-se ineficaz, ainda que aplicada no valor máximo, poderá ser aumentada ate três vezes, tendo em vista o valor da vantagem econômica auferida.

76 Pessoas Jurídicas II - restritivas de direitos: a) suspensão parcial ou total de atividades: A suspensão de atividades será aplicada quando estas não estiverem obedecendo as disposições legais ou regulamentares, relativas a proteção do meio ambiente ( art.22, I e 1º);

77 Pessoas Jurídicas b) interdição temporária de estabelecimento, obra ou atividade: A interdição será aplicada quando o estabelecimento, obra ou atividade estiver funcionando sem a devida autorização, ou em desacordo com a concedida, ou com violação de disposição legal ou regulamentar ( art.22, II e 2º); c) proibição de contratar com o Poder Publico, bem como dele obter subsídios, subvenções ou doações: A proibição de contratar com o Poder Publico e dele obter subsídios, subvenções ou doações não poderá exceder o prazo de dez anos ( art.22, III e 3º).

78 Pessoas Jurídicas III - prestação de serviços a comunidade, poderá ocorrer por meio de: a - custeio de programas e de projetos ambientais; b - execução de obras de recuperação de áreas degradadas; c - manutenção de espaços públicos; d - contribuições a entidades ambientais ou culturais publicas.

79 Pessoas Jurídicas IV - Liquidação Forçada A pessoa jurídica constituída ou utilizada, preponderantemente, com o fim de permitir, facilitar ou ocultar a prática de crime definido em Lei terá decretada sua liquidação forçada, seu patrimônio será considerado instrumento do crime e como tal perdido em favor do Fundo Penitenciário Nacional. Ex: Pet shop para venda de pássaros nativos.

80 Sanção Penal Pessoa Física Pessoa Jurídica (art. 21) Privativa de Liberdade Restritiva de Direito (art. 8º) Multa (art. 18) Multa (art. 18) a) Prestação de Serviços à comunidade; b) Interdição temporária de direitos (contratar P. Público, incent. fiscais e licitação); c) Suspensão parcial ou total de atividade; d) Prestação pecuniária; e, e) Recolhimento domiciliar. Restritiva de Direito a) Suspensão total ou parcial da atividade; b) Interdição temporária de estabelecimento, obra ou atividade; c) Proibição contratar P. Público, obter subsídio,, subvenções ou doações. Prestação de Serviço à Comunidade a) Custeio de programas e projetos ambientais; b) Execução obra recuperação área degradada; c) Manutenção espaços Públicos; d) Contribuições a entidades ambientais ou culturais públicas. Liquidação Forçada

81 Circunstâncias atenuantes e agravantes: A - atenuante (art. 14): Lei 9605/98 I - baixo grau de instrução ou escolaridade do agente; II - arrependimento do infrator, manifestado pela espontânea reparação do dano, ou limitação significativa da degradação ambiental causada;

82 Lei 9605/98 III - comunicação previa pelo agente do perigo iminente de degradação ambiental; IV - colaboração com os agentes encarregados da vigilância e do controle ambiental.

83 Circunstâncias B agravantes: (art. 15 CA - similar art. 61 CP): I - reincidência nos crimes de natureza ambiental; II - ter o agente cometido a infração: a) para obter vantagem pecuniária: b) coagindo outrem para a execução material da infração; c) afetando ou expondo a perigo, de maneira grave, a saúde publica ou o meio ambiente; d) concorrendo para danos a propriedade alheia; e) atingindo áreas de unidades de conservação ou áreas sujeitas, por ato do Poder Publico, a regime especial de uso;

84 Circunstâncias f) atingindo áreas urbanas ou quaisquer assentamentos humanos; g) em período de defeso a fauna; h) em domingos ou feriados; i) a noite; j) em épocas de seca ou inundações; l) no interior do espaço territorial especialmente protegido; m) com o emprego de métodos cruéis para abate ou captura de animais; n) mediante fraude ou abuso de confiança;

85 Circunstâncias o) mediante abuso do direito de licença, permissão ou autorização ambiental; p) no interesse de pessoa jurídica mantida, total ou parcialmente, por verbas publicas ou beneficiada por incentivos fiscais; q) atingindo espécies ameaçadas, listadas em relatórios oficiais das autoridades competentes; r) facilitada por funcionário publico no exercício de suas funções.

86 Circunstâncias Qualificadoras: Nos crimes qualificados há previsão legal expressa de pena maior. crime simples: ex 1. poluição, art. 54 caput. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.

87 Circunstâncias Crime qualificado: 2º, incisos do art º Se o crime: I - tornar uma área, urbana ou rural, imprópria para a ocupação humana; II - causar poluição atmosférica que provoque a retirada, ainda que momentânea, dos habitantes das áreas afetadas, ou que cause danos diretos à saúde da população; III - causar poluição hídrica que torne necessária a interrupção do abastecimento público de água de uma comunidade; IV - dificultar ou impedir o uso público das praias; V - ocorrer por lançamento de resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, ou detritos, óleos ou substâncias oleosas, em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou regulamentos:pena - reclusão, de um a cinco anos.

88 Circunstâncias Causa de aumento ou diminuição de pena: Vem expressa na legislação. Ex: Art. 53. Nos crimes previstos nesta Seção, a pena é aumentada de um sexto a um terço se: I - do fato resulta a diminuição de águas naturais, a erosão do solo ou a modificação do regime climático; II - o crime é cometido: a) no período de queda das sementes; b) no período de formação de vegetações;

89 Circunstâncias c) contra espécies raras ou ameaçadas de extinção, ainda que a ameaça ocorra somente no local da infração; d) em época de seca ou inundação; e) durante a noite, em domingo ou feriado. As causas de aumento incidem na qualificadora? Não. Só incide a diminuição de pena.

90 Observação acerca da gradação da pena Uma circunstância não pode ao mesmo tempo ser considerada como agravante, qualificadora e causa especial de aumento de pena. Nesse caso, aplicada uma qualificadora, não irá o delito ser agravado ou majorado pela mesma circunstância. Da mesma forma, se uma circunstância constituir agravante e majorante, deverá o juiz considerar a majorante, cuja fração variável de pena a ser majorada já está predeterminada em lei, e, assim, desconsiderar a agravante pela mesma circunstância.

91 Tipos Penais em Espécie: Tipos penais em espécie a) crimes contra a fauna art. 29 a 35; Ex. pescar em período no qual a pesca seja proibida - art. 34 CA. b) crimes contra a flora art. 38 à 52, além do 53 que prevê as causas especiais do aumento da pena; Ex. cortar árvore em floresta considerada de PP, sem autorização de autoridade competente - art. 39 CA.

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 12

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 12 DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 12 12.1. Pessoa jurídica: atribuição de personalidade a um ente que se torna sujeito de direitos e obrigações. 12.2. Principais pessoas jurídicas: associações

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 1

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 1 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 1 1.1. Sucessão. Compreensão do vocábulo. O direito das sucessões: em sentido amplo, a sucessão para o direito compreende a substituição do titular de um direito; uma

Leia mais

DEFINIÇÃO. Significa perdão de uma divida RENÚNCIA AO DIREITO DE RECEBER

DEFINIÇÃO. Significa perdão de uma divida RENÚNCIA AO DIREITO DE RECEBER ANISTIA FISCAL DEFINIÇÃO Significa perdão de uma divida RENÚNCIA AO DIREITO DE RECEBER A CONCESSÃO É UMA OPÇÃO POLÍTICA DO GOVERNANTE QUEM RENUNCIA? UNIÃO ESTADO MUNICIPIO AMPARO LEGAL É CONCEDIDA ATRAVÉS

Leia mais

500 MAIORES EMPRESAS DO MUNDO

500 MAIORES EMPRESAS DO MUNDO 500 MAIORES EMPRESAS DO MUNDO Das 500 maiores corporações do mundo em valor, 48% são americanas, 30% são européias e 10% são japonesas. Não há sequer uma latino-americana ou africana na lista, e apenas

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕSES 13

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕSES 13 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕSES 13 13.1. Interação do conceito: o legado é uma deixa testamentária dentro do acervo transmitido pelo autor da herança; o legado deve ser instituído por testamento,

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 23

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 23 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 23 23.1. Conceito. Fundamento: conforme a dicção do art. 2.002, os herdeiros que receberam doações do ascendente comum, estão obrigados a conferir seus valores, para

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 24

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 24 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 24 24.1. Partilha. Conceito. Início do procedimento: a partilha ocorre quando já se conhece o montante hereditário, dividindo-se os bens entre os herdeiros e legatários

Leia mais

DIREITO CIVIL PARTE 3 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL

DIREITO CIVIL PARTE 3 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PARTE 3 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL 3. DIREITO ROMANO Importância histórica fundamental. 3.1. Importância: compreensão como direito universal; base da forma de intuição da metodologia e do

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL AULA 06 PATENTES (USUÁRIO ANTERIOR, NULIDADES E EXTINÇÃO)

PROPRIEDADE INTELECTUAL AULA 06 PATENTES (USUÁRIO ANTERIOR, NULIDADES E EXTINÇÃO) PROPRIEDADE INTELECTUAL AULA 06 PATENTES (USUÁRIO ANTERIOR, NULIDADES E EXTINÇÃO) Usuário Anterior de Boa-Fé Art. 45 da Lei 9.279/96. Vislumbramos duas possíveis aplicações para essa exceção. A primeira

Leia mais

ESCOLAS PENAIS. Escola clássica. Kant: pena imperativo categórico retribuição ética.

ESCOLAS PENAIS. Escola clássica. Kant: pena imperativo categórico retribuição ética. DIREITO PENAL I Conceito: o corpo orgânico de concepções contrapostas sobre a legitimidade do direito de punir, sobre a natureza dos delitos e o fim das ações. Escola clássica Kant: pena imperativo categórico

Leia mais

A Patente na Universidade: Contexto e Perspectivas de uma Política de Geração de Patentes na Universidade Federal Fluminense

A Patente na Universidade: Contexto e Perspectivas de uma Política de Geração de Patentes na Universidade Federal Fluminense A Patente na Universidade: Contexto e Perspectivas de uma Política de Geração de Patentes na Universidade Federal Fluminense OBJETO DE ESTUDO A Universidade Federal Fluminense, tendo como eixo a produção,

Leia mais

A DIFÍCIL CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO BRASIL

A DIFÍCIL CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO BRASIL A DIFÍCIL CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO BRASIL A DIFÍCIL CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO BRASIL BRASIL COLONIAL: AUSÊNCIA DE DIREITOS E DE PODER PÚBLICO Uma das razões fundamentais das dificuldades da construção

Leia mais

A TUTELA DO MEIO AMBIENTE

A TUTELA DO MEIO AMBIENTE A TUTELA DO MEIO AMBIENTE Definição do bem jurídico do meio ambiente De acordo com Ana Maria Moreira Marchesan, Annelise Monteiro Steigleder e Sílvia Cappelli trata-se de um macrobem jurídico, incorpóreo,

Leia mais

Parentesco. É a relação que une duas ou mais pessoas por vínculos de sangue (descendência/ascendência) ou sociais (sobretudo pelo casamento).

Parentesco. É a relação que une duas ou mais pessoas por vínculos de sangue (descendência/ascendência) ou sociais (sobretudo pelo casamento). Parentesco É a relação que une duas ou mais pessoas por vínculos de sangue (descendência/ascendência) ou sociais (sobretudo pelo casamento). Parentesco consanguíneo: é o estabelecido mediante um ancestral

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 7

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 7 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 7 7.1. Sucessão legítima testamentária: o testamento serve para que o autor da herança possa alterar ordem de vocação hereditária exposta na lei; os herdeiros necessários

Leia mais

Atos, Termos, Nulidades e Prazos no Processo do Trabalho

Atos, Termos, Nulidades e Prazos no Processo do Trabalho Atos, Termos, Nulidades e Prazos no Processo do Trabalho Como no Processo Civil, os atos não dependem de forma específica, salvo quando a lei o exigir, reputando-se válidos os que cumprirem a sua finalidade.

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 11

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 11 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 11 11.1. Introdução: sob o manto da solenidade o legislador protege a manifestação de vontade do testador e sua autonomia; as formalidades para cada tipo de testamento

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 6

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 6 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 6 6.1. Inventário e partilha. Judicialidade do inventário. Questões de alta indagação: a descrição pormenorizada dos débitos e créditos do patrimônio do morto a fim

Leia mais

Brasil Colonial: O Ciclo do Ouro

Brasil Colonial: O Ciclo do Ouro Brasil Colonial: O Ciclo do Ouro 1. O CICLO DO OURO Século XVIII. MG, MT, GO Movimento bandeirante (séc XVII): Bandos armados que percorriam o interior do país em busca de riquezas. Origem: São Vicente

Leia mais

5.9 Direito Civil Dos Contratos

5.9 Direito Civil Dos Contratos 5.9 Direito Civil Dos Contratos Divisão do Estudo 5.9.1 - Dos contratos 5.9.2 - Princípios fundamentais 5.9.3 - Pressupostos e requisitos 5.9.4 - Contratos ilícitos Conceito - Contrato é a convenção estabelecida

Leia mais

A CRISE DO ANTIGO REGIME

A CRISE DO ANTIGO REGIME A CRISE DO ANTIGO REGIME Definição: movimento político, militar e religioso que destruiu o absolutismo na Inglaterra instalando naquele país a primeira monarquia parlamentar da história; Quando: século

Leia mais

SETOR EXTERNO DA ECONOMIA BRASILEIRA

SETOR EXTERNO DA ECONOMIA BRASILEIRA SETOR EXTERNO DA ECONOMIA BRASILEIRA PRINCIPAIS CAUSAS DO AUMENTO DO NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO DA ECONOMIA BRASILEIRA DADOS REFENTES AO PERÍODO DE 1.968 A 1.985. 1.968 ABERTURA DA ECONOMIA AO RESTO DO MUNDO

Leia mais

Nos dias atuais este tipo de trabalho é visto pela sociedade em geral como algo repugnante, por retirar da criança a infância que é repleta de sonhos

Nos dias atuais este tipo de trabalho é visto pela sociedade em geral como algo repugnante, por retirar da criança a infância que é repleta de sonhos TRABALHO INFANTIL INTRODUÇÃO Desde a revolução industrial o trabalho infantil tem se destacado como uma das forças motoras do desenvolvimento do comércio e da agricultura. Essa dura realidade não é apenas

Leia mais

O sistema da propriedade intelectual em Moçambique

O sistema da propriedade intelectual em Moçambique O sistema da propriedade intelectual em Moçambique Propriedade Intelectual A propriedade intelectual engloba todos os tipos de propriedade que resultam das criações da mente humana o intelecto humano.

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PATENTES, MARCA E PROGRAMA DE COMPUTADOR

PROPRIEDADE INTELECTUAL PATENTES, MARCA E PROGRAMA DE COMPUTADOR PROPRIEDADE INTELECTUAL PATENTES, MARCA E PROGRAMA DE COMPUTADOR A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMPREENDE: DIREITOS DO AUTOR LEI n. 9.610, de 19/02/1998; PROPRIEDADE INDUSTRIAL LEI n. 9.279, de 14/05/1996;

Leia mais

As consequências do Alcoolismo na Cidade de São Félix - BA

As consequências do Alcoolismo na Cidade de São Félix - BA As consequências do Alcoolismo na Cidade de São Félix - BA Em 2000 se desencadeou um caos por toda a cidade do subúrbio até o centro da cidade. ORGANOGRAMA AS CONSEQÜÊNCIA DO ALCOOLISMO EM SÃO FÉLIX BA

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

Foto 10: Preenchimento 2. Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento. Foto 12: Acabamento final

Foto 10: Preenchimento 2. Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento. Foto 12: Acabamento final 49 Foto 10: Preenchimento 2 Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento Foto 12: Acabamento final 50 Foto 13: Utilização da esmiriradeira Foto 14: Armazenamento Foto 15: Acabamento final 51 Foto 16: Selo

Leia mais

Instrumentos da PNMA. EIA/RIMA

Instrumentos da PNMA. EIA/RIMA Instrumentos da PNMA. EIA/RIMA 1 AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA/RIMA OU EPIA/RIMA 2 2 EIA/RIMA OU EPIA/RIMA Legislação: A) Federal: Lei 6938/81 (PNMA), art. 9ª e 10. Resolução CONAMA 001/86 (Dispõe

Leia mais

AS ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS E OS SISTEMAS AGRÁRIOS

AS ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS E OS SISTEMAS AGRÁRIOS AS ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS E OS SISTEMAS AGRÁRIOS Cerca de 800 milhões de pessoas passam fome no mundo, a maioria na África e na Ásia. O problema da fome continuará existindo enquanto a tecnologia, o

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EVITAR RISCOS DE QUEDA

PROCEDIMENTOS PARA EVITAR RISCOS DE QUEDA PROCEDIMENTOS PARA EVITAR RISCOS DE 1 Objetivo e Definição 1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento,

Leia mais

Noções de Software. Definição

Noções de Software. Definição Noções de Software Definição A rigor, tudo o que pode ser armazenado eletronicamente pode ser chamado de software. Consideraremos aqui, como software, apenas os conjuntos de instruções que determinam o

Leia mais

Propriedade Intelectual: Noções e Fundamentos Gerais

Propriedade Intelectual: Noções e Fundamentos Gerais Propriedade Intelectual: Noções e Fundamentos Gerais Conceitos e Ramos da Proteção da Propriedade Intelectual Os conceitos e as classificações a serem apresentados são aplicados ao contexto nacional e

Leia mais

Delitos Digitais Crimes na Internet Crimes por Computador

Delitos Digitais Crimes na Internet Crimes por Computador Delitos Digitais Crimes na Internet Crimes por Computador 1 Base Legal LEI Nº 12.737, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 LEI Nº 12.735, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 DECRETO-LEI N o 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940.

Leia mais

Direito Comercial - Introdução

Direito Comercial - Introdução Direito Comercial - Introdução Direito Comercial Noção Clássica: Direito privado especial do comércio (MORGADO) Noção Moderna: O Direito Comercial atual não se restringe a regular a profissão de comerciante

Leia mais

Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas. www.aceti.com.br

Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas. www.aceti.com.br Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas A Responsabilidade Ambiental Tutela Administrativa Tutela Criminal Tutela Cível Copyright Proibida

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO 13 Congresso Brasileiro de Direito Ambiental Mesa Redonda IX DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO Presidente: Damásio de Jesus Relator Geral: Eladio Lecey

Leia mais

O DIREITO DO TRABALHO - histórico

O DIREITO DO TRABALHO - histórico O DIREITO DO TRABALHO - histórico Aparece como a expressão do humanismo jurídico e instrumento de renovação social. Constitui atitude de intervenção jurídica em busca de um melhor relacionamento entre

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

Noções Gerais Sobre Meio Ambiente

Noções Gerais Sobre Meio Ambiente Noções Gerais Sobre Meio Ambiente 1 1 - A escassez e o conflito 2 A Escassez: O Problema Econômico Por que continuamos a lutar pela vida? Podemos dizer que há dois motivos fundamentais: 1- Desejos materiais

Leia mais

GESTÃO DA EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS AS RNIs

GESTÃO DA EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS AS RNIs GESTÃO DA EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS AS RNIs GESTÃO: ações coordenadas e direcionadas para organizar, dirigir e controlar uma organização. Em 1994, o MTE reformulou a Norma Regulamentadora (NR) nº 09, e instituiu

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS. João Batista Machado Barbosa

O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS. João Batista Machado Barbosa O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS João Batista Machado Barbosa DIREITO PENAL AMBIENTAL OBJETIVO Fazer com que a audiência compreenda os princípios e normas que constituem o Direito Penal Ambiental

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO E PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS

COMÉRCIO ELETRÔNICO E PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS COMÉRCIO ELETRÔNICO E PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS INTRODUÇÃO: Informática aspectos positivos celeridade da informação; Quantidade de informação # qualidade da informação; Direito proteção ao cidadão contra

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS NR 7 e NR 9

NORMAS REGULAMENTADORAS NR 7 e NR 9 NORMAS REGULAMENTADORAS NR 7 e NR 9 NR 9 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) NR 9 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) Esta NR estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA Eladio Lecey Diretor-Presidente, Escola Nacional da Magistratura - AMB Diretor, Escola Brasileira de Direito

Leia mais

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 Hassan Souki Advogado Associado do Escritório Homero Costa Advogados. A Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, tipifica, em seu

Leia mais

Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais

Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais Dr. Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais 1. Leis esparsas, de difícil aplicação.

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA CORES NA SEGURANÇA DO TRABALHO

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA CORES NA SEGURANÇA DO TRABALHO VERMELHO -DISTINGUIR E INDICAR EQUIPAMENTOS DE COMBATE A INCÊNDIO (EX.EXTINTRES, HIDRANTES, TUBULAÇÕES, HASTES, VÁLVULAS DE INCÊNDIO, CAIXAS DE ALARMES, BOMBAS DE INCÊNDIO, SIRENES, LOCALIZAÇÃO DE MANGUEIRAS

Leia mais

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO Professor Márcio Widal 1. Introdução. A perseguição do crime pelo Estado não pode ser ilimitada no tempo, por força, inclusive, da garantia da presunção de inocência. Além disso, o Estado deve

Leia mais

Propriedade Intelectual: the basic. - Velhas denominações, novíssimos conteúdos -

Propriedade Intelectual: the basic. - Velhas denominações, novíssimos conteúdos - Propriedade Intelectual: the basic - Velhas denominações, novíssimos conteúdos - Propriedade Intelectual Direito do autor Propriedade industrial direitos conexos patentes/modelo utilidade marcas indicações

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

2 - Como as penas são aplicadas

2 - Como as penas são aplicadas 1 de 8 10/16/aaaa 11:40 Meio Ambiente A Lei de Crimes Ambientais Nome A Lei de Crimes Ambientais Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Meio Ambiente Resenha Informações resumidas

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98

Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98 Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98 29 Clara Maria Martins Jaguaribe 1 BREVE INTRODUÇÃO Antes da sistematização da responsabilidade penal em termos de meio ambiente, todos os tipos penais

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

Comissão de Estudos da Concorrência e Regulação Econômica ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo

Comissão de Estudos da Concorrência e Regulação Econômica ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo Formulário de Sugestões Consulta Pública nº 17 (28.09.11 a 28.11.2011) Minuta do Projeto de lei que altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884,

Leia mais

O que é o aborto? natural. Aborto Induzido: causado quando existe uma ação humana deliberada, isto é, a interrupção voluntária da gravidez.

O que é o aborto? natural. Aborto Induzido: causado quando existe uma ação humana deliberada, isto é, a interrupção voluntária da gravidez. Aborto O que é o aborto? A remoção prematura de um embrião ou feto do útero. Isto pode ocorrer de forma espontânea ou artificial, provocando-se o fim da gestação, mediante técnicas médicas, cirúrgicas

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

JOÃO DOMINGOS RODRIGUES DA SILVA, Prefeito Municipal de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul.

JOÃO DOMINGOS RODRIGUES DA SILVA, Prefeito Municipal de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul. JOÃO DOMINGOS RODRIGUES DA SILVA, Prefeito Municipal de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul. Faço saber que o Legislativo aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte lei: LEI MUNICIPAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE Docência assistida: Prof.º Fábio Remy de Assunção Rios

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL DIREITO NO BRASIL CONTEXTO NACIONAL Ordenamento Jurídico; O meio ambiente na constituição federal; Política Nacional do Meio Ambiente; SISNAMA; Responsabilidades civil; Responsabilidade penal ambiental;

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Lei de Crimes Ambientais Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998* Dispõe sobre as sansões penais e

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS BARBOSA, Lenires Terezinha de Oliveira Toledo1 JARDIM, Edeveraldo Alessandro da Silva2 NASCIMENTO, Rogerio3 SILVA, Cristiane

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

Assentamento e Acampamento PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA PRODUÇÃO FAMILIAR RURAL.

Assentamento e Acampamento PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA PRODUÇÃO FAMILIAR RURAL. Assentamento e Acampamento PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA PRODUÇÃO FAMILIAR RURAL. OBJETIVO Apoiar a implantação e o desenvolvimento de sistemas de produção sustentáveis compostos de atividades

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

Responsabilidade penal ambiental. A importância da reparação do dano ambiental

Responsabilidade penal ambiental. A importância da reparação do dano ambiental Responsabilidade penal ambiental A importância da reparação do dano ambiental Ideal: Meio ambiente sadio, preservado e equilibrado ecologicamente Realidade: Busca de solução jurídica diante de uma situação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

Atualização em legislação ambiental

Atualização em legislação ambiental Atualização em legislação ambiental Lei de Crimes Ambientais Ilidia da A. G. Martins Juras Consultora Legislativa da Câmara dos Deputados Noções básicas Leis anteriores a 1998 que incluíam tipos penais

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

1. RESPONSABILIDADE CIVIL AMBIENTAL. 1.1 PRESSUPOSTOS PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL AMBIENTAL: Ação ou Omissão Nexo Causal Dano

1. RESPONSABILIDADE CIVIL AMBIENTAL. 1.1 PRESSUPOSTOS PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL AMBIENTAL: Ação ou Omissão Nexo Causal Dano 1 DIREITO AMBIENTAL DIREITO AMBIENTAL PONTO 1: Responsabilidade Civil Ambiental PONTO 2: Teorias do Risco PONTO 3: Responsabilidade Civil do Estado PONTO 4: Responsabilidade Criminal PONTO 5: Responsabilidade

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

RESP 697585 / TO ; RECURSO ESPECIAL

RESP 697585 / TO ; RECURSO ESPECIAL JURISPRUDÊNCIA/STJ RESP 697585 / TO ; RECURSO ESPECIAL 2004/0099400-2 Ministro GILSON DIPP (1111) T5 - QUINTA TURMA 22/03/2005 DJ 18.04.2005 p. 383 CRIMINAL. RESP. COMPETÊNCIA. INTIMAÇÃO DO DENUNCIADO.

Leia mais

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13. Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.019/2014 Sanções administrativas LUIS EDUARDO PATRONE REGULES Advogado.

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL LEGISLAÇÃO PERTINENTE AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL; RESPONSABILIDADE ÉTICA; RESPONSABILIDADE TÉCNICA; REPONSABILIDADE CIVIL; RESPONSABILIDADE

Leia mais

Direitos Autorais Pirataria Segurança Bancária Fraudes

Direitos Autorais Pirataria Segurança Bancária Fraudes Direitos Autorais Pirataria Segurança Bancária Fraudes 1 Base Legal LEI Nº 12.737, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 LEI Nº 12.735, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 DECRETO-LEI N o 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. 2

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL (D-11) Área: Ciências Sociais Período: Segundo Turno: matutino/noturno Ano: 2013-1 Carga Horária: 72 H; Créd.: 04

Leia mais

CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS. César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo

CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS. César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo A figura do crime continuado surgiu na antigüidade por razões humanitárias, a fim de que fosse evitada

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER INTRODUÇÃO Atualmente a violência tem se exacerbado no comportamento humano sejam quanto aos crimes coletivos ou individuais, dos atentados e das guerras, e àqueles praticados

Leia mais

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva.

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 01 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Bibliografia. Estrutura da Responsabilidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE

CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE CURSO INTENSIVO DE DIREITO AMBIENTAL FMASE/IDPV Eladio Lecey Diretor, Escola Brasileira de Direito e Política Ambiental Presidente, Comité Brasileiro da UICN 1 RESPONSABILIDADE

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais