Logistics Directive LR 10 Diretriz de Logística LR10

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Logistics Directive LR 10 Diretriz de Logística LR10"

Transcrição

1 Logistics Directive LR 10 Diretriz de Logística LR10 Versio 2010 Versão 2010

2 List of Abbreviatios Lista de abreviaturas Cotet Ídice DAP EDI ERP FCA Icoterms JIS JIT LAB PPS QR83 RFQ SCM SupplyON TCO VMI WebEDI DAP EDI ERP FCA Icoterms JIS JIT QEP PPS QR83 SCM SupplyON VMI WebEDI Delivered at Place Electroic Data Iterchage Eterprise Resource Plaig Free Carrier Iteratioal Commercial Terms Just i Sequece Just i Time Delivery Schedule Productio Plaig ad Cotrol Global Quality Directive of ZF Friedrichshafe AG Capacity Measuremet of Productio Systems (Performace Test) Request for Quotatio Supply Chai Maagemet Iteret-Based Supplier Portal Total Cost of Owership Vedor Maaged Ivetory Web Iterface for Electroic Data Iterchage Delivered at Place Electroic Data Iterchage Eterprise Resource Plaig Free Carrier Iteratioal Commercial Terms (Termos Iteracioais de Comércio) Just i Sequece Just i Time Programação de etregas Produção, plaejameto e cotrole Diretriz Global de Qualidade da ZF Friedrichshafe AG Medição da capacidade de sistemas de produção (teste de desempeho) Supply Chai Maagemet Portal de forecedores a Iteret Vedor Maaged Ivetory Iterface a Iteret para itercâmbio eletrôico de dados I List of Abbreviatios 2 II Cotet 3 III Preface 4 1 Scope of Applicatio ad Cotract Structure 6 2 Securig the iteratioal Supply Chai 7 3 Iformatio ad Commuicatio 8 4 Capacity Plaig ad Moitorig 10 5 Plaig, Schedulig, Cotrollig 11 6 Packagig ad Markig of Commodities 15 7 Dispatch ad Trasportatio 17 8 Logistical Supplier Assessmet ad Developmet 18 9 Logistics Costs Emergecy Case Cocept No-Coformace ad Cosequeces Prospects 23 I Lista de abreviaturas 2 II Ídice 3 III Prefácio 4 1 Abragêcia e estrutura cotratual 6 2 Assegurado a cadeia iteracioal de forecimeto 7 3 Iformação e comuicação 8 4 Plaejameto e moitorameto das capacidades 10 5 Plaejameto, programação e cotrole 11 6 Embalagem e idetificação da mercadoria 15 7 Remessa e trasporte 17 8 Avaliação e desevolvimeto logístico de forecedores 18 9 Custos logísticos Plao de emergêcia Não coformidade e cosequêcias Perspectivas 23

3 Preface Prefácio Logistics are costatly gaiig i sigificace at A logística tem adquirido cada vez mais importâcia detro das empresas e, como fator compaies. As a competitive factor they are a importat key for ecoomic success. It is part of de competitividade, costitui um elemeto ZF s self-image to create ad optimize reliable ad fudametal para o sucesso ecoômico. Cosequetemete, a ZF tem como objetivo estru- efficiet logistics processes with its suppliers. turar e otimizar processos logísticos cofiáveis For this reaso, it is importat for ZF that logistics e eficazes com seus forecedores. have a high priority amog parters ad their supply chais. Por esta razão, para a ZF é importate que a logística ocupe uma posição prioritária para seus parceiros e suas cadeias de forecimeto. Supply Chai Maagemet Supplier Forecedor Purchasig Compras Developmet Egeharia Logistics Logística Productio Produção Quality Qualidade Sales Vedas Customer Cliete iformatio flow, ca oly be achieved as a joit process with trustig collaboratio ad o the basis of a stable busiess relatioship with ZF parters. This Directive defies fudametal logistical requiremets for suppliers of ZF i order to esure smooth operatios based o a collaborative SCM strategy, to miimize costs ad to further improve the supplier relatioship betwee parters. It ca be supplemeted with regards to specific aspects i idividual cases. Member of the Board of Maagemet Membro do Board of Maagemet to, ou seja, tato do fluxo de materiais como do fluxo de iformações, somete pode ser atigida em processos cojutos através da cooperação baseada a cofiaça e por meio de relações comerciais estáveis com os parceiros da ZF. Esta diretriz tem por fialidade defiir as exigêcias logísticas básicas para os forecedores da ZF, visado garatir o bom fucioameto das operações com base em uma estratégia colaborativa da gestão da cadeia de forecimeto (SCM), miimizar os custos e melhorar cotiuamete as relações de forecimeto etre os parceiros. Para ateder casos isolados, a diretriz pode ser complemetada com aspectos específicos. Head of Corporate Supply Chai Maagemet Gerete do Corporate Supply Chai Maagemet Sustaiable developmet ad optimizatio of the etire supply chai, i.e. both material flow ad A sustetabilidade o desevolvimeto e a otimização de toda a cadeia de forecime- Dr. Stefa Sommer Joh Sobeck 4 5

4 Scope ad Cotract Structure Abragêcia e estrutura cotratual Securig the Supply Chai Assegurado a cadeia de forecimeto 1 Scope of applicatio ad cotract structure The preset Logistics Directive (LR10) is valid for supplies of productio material to the locatios of the ZF Group worldwide. It ca be detailed further through specific supplemetal agreemets. 1 Abragêcia e estrutura cotratual A presete Diretriz de Logística (LR10) é válida para forecimetos de materiais produtivos para as uidades do Grupo ZF o mudo iteiro, podedo ser mais detalhada através de acordos suplemetares específicos. 2 Securig the iteratioal Supply Chai As a global compay, ZF actively participates i programs for securig the iteratioal supply chai. I this coectio, ZF expects suppliers withi the etire supply ad productio chai to observe iteral cotrol procedures i accordace with the iteratioally ad locally valid customs ad trade laws. 2 Assegurado a cadeia iteracioal de forecimeto Como empresa que opera a ível global, a ZF participa ativamete de programas para assegurar a cadeia iteracioal de forecimeto. Neste cotexto, a ZF espera que os forecedores de toda a cadeia de forecimeto e de produção sigam os procedimetos iteros de cotrole de acordo com as leis alfadegárias e de comércio exterior vigetes a ível iteracioal e local. Idividual cotract ad specific supplemetal agreemets Cotrato idividual e acordos suplemetares específicos Quality Directive QR83 Diretriz de Qualidade QR83 Logistics Directive LR10 Diretriz de Logística LR10 Framework Cotract/Terms ad Coditios Cotrato-Base/Codições Gerais Figure 1: ZF cotract structure Figura 1: Estrutura cotratual da ZF 6 7

5 Iformatio ad Commuicatio Iformação e comuicação 3 Iformatio ad commuicatio The commuicatio betwee supplier ad ZF is the basis for a fuctioig collaboratio. Timely ad usolicited iformatio o deviatios from agreemets that have bee made, e.g. delivery quatities, deadlies ad packagig materials, is essetial for this purpose. 3.1 Cotacts ad the accessibility of suppliers ZF expects the supplier to defie ad commuicate a fixed, competet cotact for logistical issues as well as a suitable backup cotact. The supplier esures that the cotact they have amed has good laguage skills i the atioal laguage of the respective ZF cliet s plat or good kowledge of Eglish. 3 Iformação e comuicação A comuicação etre o forecedor e a ZF costitui a base para uma cooperação eficaz. Neste âmbito, iformações rápidas e espotâeas ao ocorrerem divergêcias dos acordos firmados como, por exemplo, quatidades forecidas, prazos e embalages, mostram-se esseciais. 3.1 Pessoa de cotato e acesso ao forecedor A ZF espera que o forecedor desige e iforme uma pessoa de cotato fixa e competete para questões logísticas bem como um respectivo substituto adequado. O forecedor assegura que a pessoa de cotato por ele desigada dispoha de um bom domíio liguístico do idioma falado o país ode a respectiva plata do cliete da ZF está localizada ou bos cohecimetos de iglês. For example, the followig busiess processes are maaged via electroic data trasmissio: Delivery schedules Cosigmet data Ivoices/Credit items Delivery ad trasport data Trasmissio of delivery reliability data Delivery ad trasport data are to be submitted without delay to ZF at goods issue postig time by EDI/WebEDI. Por exemplo, os seguites processos operacioais são realizados através da trasmissão eletrôica de dados: Programação de etregas Dados de cosigação Faturas/otas de crédito Dados de etrega e trasporte Trasmissão dos dados da performace de etrega Os dados de etrega e trasporte devem ser submetidos imediatamete à ZF via EDI/WebEDI quado da saída da mercadoria. 3.2 Electroic data exchage I order to esure process-capable ad efficiet processig betwee ZF ad the supplier, the data exchage betwee the two parties is pricipally carried out electroically. ZF offers the supplier two forms of electroic commuicatio: EDI WebEDI via the SupplyO supplier portal The techical requiremets, as well as the message formats, are regulated i detail i the correspodig EDI cotract. More iformatio o the EDI cotract, EDI stadard ad the Directive ca be foud o the ZF homepage (search term EDI ). 3.2 Itercâmbio eletrôico de dados Com o objetivo de assegurar processos seguros e eficazes etre a ZF e o forecedor, o itercâmbio de dados etre ambas as partes é efetuado eletroicamete. A ZF oferece ao forecedor duas formas de comuicação eletrôica: EDI WebEDI através do portal de forecedores SupplyO As exigêcias técicas bem como os formatos de mesages são regulametados detalhadamete o respectivo cotrato de itercâmbio eletrôico de dados (EDI). Maiores iformações sobre o cotrato de EDI, padrões de EDI e diretrizes poderão ser ecotradas o site da ZF (termo para busca: EDI ). 8 9

6 Capacity Plaig, Moitorig Plaejameto das capacidades, moitorameto Plaig, Schedulig, Cotrollig Plaejameto, programação, cotrole 4 Capacity plaig ad moitorig The supplier must esure ZF s parts supply. This requires the supplier to make a regular compariso betwee the delivery schedule requests from ZF ad their available short, mid ad log rage capacities. If there are abormalities, the supplier must cotact the resposible logistics parter proactively ad immediately. I order to be able to cover short-term fluctuatios i demad at ZF or productio iterruptios of the supplier the supplier is obligated to provide adequate flexibility ad/ or a sufficiet miimum ivetory level. At the request of ZF the supplier must trasparetly preset shift models, capacity utilizatio ratios ad materials o had, amog other iformatio. ZF retais the right to audit the capacities o site ( ). 4 Plaejameto e moitorameto das capacidades O forecedor tem a resposabilidade de assegurar o forecimeto de peças para a ZF. Isto exige que o forecedor compare regularmete a programação de etregas da ZF com suas capacidades dispoíveis a curto, médio e logo prazo. Havedo irregularidades, o forecedor deverá etrar imediatamete e de forma proativa em cotato com seu respectivo parceiro de logística resposável da ZF. Para poder cobrir as oscilações de curto prazo a demada da ZF ou iterrupções a produção do forecedor, o forecedor é resposável por oferecer um ível adequado de flexibilidade e/ou um estoque míimo de seguraça suficiete. Por solicitação da ZF, o forecedor deverá apresetar de forma trasparete, etre outras iformações, esquemas de turos, taxas de utilização da capacidade e estoque de material. A ZF reservase o direito de efetuar um cotrole das capacidades o local ( ). 5 Plaig, schedulig ad cotrollig 5.1 Plaig forecast ZF iteds to provide the suppliers with a log-term demad forecast at the item level. The basis for this will be existig customer orders as well as the mid ad log-term ZF market estimates. Order Status ad Forecast Carteira de pedidos/previsão Firm Zoe Orders are plaed but ot fixed yet Chages ad fluctuatios are possible Plaejameto detalhado Os pedidos foram plaejados, porém ão cofirmados Alterações e oscilações são possíveis 5 Plaejameto, programação e cotrole 5.1 Previsão do plaejameto A ZF procura dispoibilizar ao forecedor uma previsão da demada de peças a logo prazo. A base para esta previsão é a carteira de pedidos dos clietes bem como as estimativas que a ZF faz do mercado a médio e logo prazo. ZF s forecasted demads Demada total prevista pela ZF No-bidig customer orders Pedidos ão viculativos de clietes idividuais da ZF Time Tempo Figure 2: Log-term plaig at ZF as a plaig forecast for the supplier Figura 2: Plaejameto de logo prazo da ZF como previsão para o plaejameto do forecedor 5.2 Maufacturig, material ad supply releases, purchase commitmets Specific arragemets regardig maufacturig, material ad supply releases, as well as purchase commitmets are regulated i the correspodig agreemets. 5.2 Liberação de produção, material e forecimeto bem como compromisso de compra Disposições específicas relativas à liberação de produção, material e forecimeto bem como compromisso de compra são regulametadas pelos respectivos acordos

7 Plaig, Schedulig, Cotrollig Plaejameto, programação, cotrole 5.3 Schedulig procedures The developmet of a lea ad flexible logistics chai is, amog other thigs, based o the use of the correct schedulig procedure. ZF determies schedulig procedures i accordace with material ad supplier-specific criteria. After classificatio of the materials, oe of the followig stadardized schedulig procedures is selected LAB The delivery schedule procedure is a demad-drive schedulig procedure. A delivery schedule usually cotais multiple schedule lies by amout ad deadlie. These schedule lies are updated regularly, serve as a plaig forecast ad iclude all supplierrelevat iformatio JIT JIT is a demad-drive schedulig procedure similar to the delivery schedule procedure, but with a more limited ivetory coverage rage JIS JIS is a demad-drive schedulig procedure similar to the delivery schedule procedure, but with a more limited ivetory coverage rage. Differet part umbers are arraged i a predetermied order o a load carrier. The delivery is usually carried out directly to the assembly site at ZF with referece to the sequece of the ed product. 5.3 Processo de programação O desevolvimeto de uma cadeia de forecimeto exuta e flexível baseia-se, etre outros fatores, a utilização do processo de plaejameto adequado. A ZF determia processos de plaejameto de acordo com critérios específicos de cada material e forecedor. Após a classificação dos materiais é selecioado um dos métodos padroizados de programação idicados abaixo Programação de etregas (QEP) O processo de programação de etregas cosiste em um plaejameto que se orieta pela demada. Via de regra, a programação de etregas cotém diversos escaloametos de quatidades e prazos. Estes escaloametos são atualizados regularmete, servem como previsão para o plaejameto e icluem todas as iformações relevates para o forecedor JIT O JIT é um processo de plaejameto que se orieta pela demada semelhate ao processo de programação de etregas; porém, com uma cobertura de estoque mais limitada JIS O JIS é um processo de plaejameto que se orieta pela demada semelhate ao processo de programação de etregas; porém, com uma cobertura de estoque mais limitada. Diferetes referêcias de peças são dispostas em um meio de trasporte em uma sequêcia predefiida. Via de regra, a etrega é efetuada diretamete a liha de motagem da ZF com referêcia à sequêcia do produto fial KANBAN The KANBAN cotrol is a cosumptiodrive schedulig procedure. The supplier receives a forecast i the form of a delivery schedule. The shipmet relevat iformatio is a schedule i the short term. The trigger of the request is the cosumptio of a carrier/ KANBAN. The supplier is obligated to fulfill the KANBAN requiremets withi the defied replacemet time Order poit procedure The order poit procedure is a cosumptiodrive schedulig procedure. If the order poit is reached through the removal of parts, a request is set to the supplier. The supplier is obligated to fulfill this request withi the defied replacemet time VMI The VMI moitorig is a cosumptiocotrolled procedure i which the supplier is resposible for the dispositio ad delivery maagemet withi appoited MIN/MAX limits. The supplier is resposible for adherece to the MIN/MAX limits. The cotrol is carried out via the daily commuicatio to the supplier of stock ad/or withdrawal quatities at ZF. The supplier receives delivery schedules as a o-bidig demad forecast. I priciple, the VMI procedure takes place i coectio with cosigmet KANBAN O cotrole KANBAN costitui um método de programação orietado pelo cosumo. O forecedor recebe uma previsão a forma de uma programação de etregas. As iformações relevates do forecimeto são um escaloameto de curto prazo. O disparo da solicitação é o cosumo de uma embalagem/ KANBAN. O forecedor compromete-se a cumprir as exigêcias do KANBAN detro do prazo defiido para reposição do estoque Processo de poto de reabastecimeto O processo de poto de reabastecimeto cosiste em um método de programação orietado pelo cosumo. Assim que o poto de reabastecimeto é atigido devido ao cosumo de peças, uma solicitação é eviada ao forecedor. O forecedor tem que ateder a esta solicitação detro do prazo defiido para reposição do estoque VMI O moitorameto do VMI cosiste em um método cotrolado pelo cosumo o qual o forecedor se resposabiliza pela programação e gestão das etregas detro dos limites míimos/máximos defiidos. O forecedor resposabiliza-se por mater os limites míimos/máximos. O cotrole é efetuado através da comuicação diária das quatidades em estoque e/ou das retiradas a ZF ao forecedor. O forecedor recebe uma programação de etregas como previsão ão viculativa. Em pricípio, o método do VMI é realizado jutamete com cosigação

8 Packagig, Markig Embalagem, idetificação da mercadoria 5.4 Cosigmet The term cosigmet desigates a processig procedure i which the supplier makes available to ZF the defied quatity of a material (cosigmet material). I this procedure, the trasfer of owership does ot take place upo the delivery by the supplier, but rather upo the removal of the material from the cosigmet warehouse desigated by ZF. Upo removal from the cosigmet warehouse, ZF udertakes a obligatio to compesate the supplier through a credit ote procedure. ZF reserves the right to combie all schedulig procedures with cosigmet. The logistical details as well as coutryspecific regulatios ad/or laws are regulated uder specific agreemets. 5.5 Miimum requiremets i the supplier plaig system ZF expects suppliers to have a electroically supported PPS system (ERP system) that fulfills the followig miimum requiremets: System supported processig of ZF data such as delivery schedule, demad/ivetory data, etc. i the frequecy of the trasmissio Data processig based productio plaig ad moitorig Timely disclosure of productio plaig demad to the sub-cotractors Demad moitorig Availability check of due shipmet procedures Shipmet processig icludig shipmet otificatio 5.4 Cosigação Cosigação é um termo que desiga um método de processameto o qual o forecedor dispoibiliza uma quatidade predefiida de um material (material cosigado) à ZF. Neste processo, a propriedade ão é trasferida o mometo da etrega pelo forecedor, mas o mometo em que o material é retirado do depósito cosigado desigado pela ZF. No mometo da retirada do depósito cosigado, a ZF tem a obrigação de compesar o forecedor através de um procedimeto de otas de crédito. A ZF reserva-se o direito de combiar todos os métodos de programação da produção com a cosigação. Os detalhes logísticos bem como as regulametações e/ou legislações vigetes o respectivo país são esclarecidos através de acordos específicos. 5.5 Exigêcias míimas a serem cumpridas pelo sistema de plaejameto do forecedor A ZF parte do pressuposto de que o forecedor dispoha de um sistema PPS eletrôico (sistema ERP) que ateda às seguites exigêcias míimas: Processameto automático dos dados da ZF, como programação de etregas, dados de demada/estoque, etc., a frequêcia em que são trasmitidos Plaejameto e cotrole da produção baseado o processameto de dados Trasmissão imediata da demada origiada pelo plaejameto da produção aos subforecedores Moitorameto da demada Verificação da dispoibilidade dos devidos processos de remessa Processameto da remessa icluido avisos de remessa 6 Packagig ad markig of commodities The Geeral Packagig Regulatio Logistics, Evirometal Protectio of ZF Group Stadard ZFN 9004/1 must be observed. 6.1 Packagig regulatios The techical desig of the packagig with regard to umber of parts is developed by ZF i collaboratio with the supplier. Evirometal aspects are to be cosidered i the specificatio. Reusable packagig is pricipally to be preferred for this reaso. I priciple, the supplier is resposible for the delivery quality of the products. 6.2 Packagig costs The packagig costs preset a sigificat portio of the logistics costs that ZF takes ito accout whe selectig suppliers. For this purpose, the idividual costs for the packagig are to be show separately i the quote. Packagig costs exclusively cotai the costs for icidetal packagig without hadlig costs. 6.3 Reusable packagig Provisio If the framework cotract provides for the provisio of reusable packagig by ZF, reusable packagig for the process (shipmet from the supplier to the warehouse at ZF) will be made available to the supplier for a scope to be defied. If, beyod the defied scope, a icreased demad for cotaiers is requested by the supplier, the extra costs this etails must be udertake by the supplier. 6 Embalagem e idetificação da mercadoria As Regulametações Gerais de Embalagem, Logística e Proteção Ambietal da orma ZFN devem ser seguidas. 6.1 Regulametações de embalagem A cocepção técica da embalagem adequada à quatidade de peças é projetada especificamete pela ZF em cooperação com o forecedor. Na especificação deverão ser cosiderados aspectos ambietais. Por esta razão, sempre deverá ser dada preferêcia a embalages retoráveis. Em pricípio, o forecedor é resposável pela qualidade da etrega dos produtos. 6.2 Custos de embalagem Os custos de embalagem perfazem uma parte cosiderável dos custos logísticos que a ZF cosidera a seleção dos forecedores. Portato, os custos uitários de embalagem deverão ser discrimiados separadamete a cotação. Os custos de embalagem abragem uicamete os evetuais custos de embalagem excluido os custos de mauseio. 6.3 Embalagem retorável Dispoibilização Se o cotrato-base prever a dispoibilização de embalagem retorável pela ZF, embalages retoráveis para o processo (remessa do forecedor até o depósito da ZF) serão colocadas à disposição do forecedor em determiadas quatidades a serem defiidas. Se além das quatidades defiidas o forecedor tiver uma maior demada de embalages, o próprio forecedor deverá assumir os respectivos custos adicioais gerados. Se devido 14 15

9 Dispatch ad Trasportatio Remessa e trasporte If a chage i the supply quatity arises due to icreased demad, the, the supplier must request ZF to adjust the ecessary reusable packagig Fuctio capability The supplier esures that deliveries are exclusively effected with clea, dry, fullyfuctioig returable packagig that is free from defects. I priciple, the supplier is to cosider specific cleaess criteria. Old labels ad tags must be removed by the supplier Ivetory maagemet Both ZF ad the supplier commit themselves to cosistet ivetory maagemet for the reusable packagig used. This data must usually be balaced ad documeted mothly. If ZF is the ower of the reusable packagig, a accout overview is to be made available to the supplier with the reusable packagig accout. The supplier must raise objectios withi four weeks of receipt. Late objectios will ot be cosidered. 6.4 Product labelig The supplier must esure that all packages ad cotaiers have oly the curret labels/ tags. The cotets of the labels/tags must comply with the regioal idustry stadard ad are to be coordiated with the ZF customer s plat. The labels should be affixed so that they are visible ad ca be read with a bar code reader without havig to rearrage the packig uits. The attachmet of the labels/tags must be carried out o the pouches, clampig plates, card pockets or other devices provided o the cotaier. a maiores demadas houve uma alteração os volumes de etregas, o forecedor deverá solicitar à ZF que ajuste as quatidades ecessárias de embalages retoráveis Fucioalidade O forecedor assegura que as etregas sejam efetuadas exclusivamete em embalages retoráveis limpas, secas, em codições de uso e isetas de defeito. O forecedor sempre deverá cumprir as respectivas exigêcias específicas de limpeza. O forecedor deverá remover etiquetas atigas Gestão de estoques Tato a ZF como o forecedor comprometemse a efetuar a gestão cosistete do estoque de embalages retoráveis utilizadas. Em regra, estes dados deverão ser comparados e documetados mesalmete. Se a ZF for proprietária das embalages retoráveis, o forecedor receberá uma sítese da relação de embalages retoráveis. Após seu recebimeto, o forecedor deverá apresetar objeções o prazo de quatro semaas. Objeções posteriores ão serão mais cosideradas. 6.4 Idetificação da mercadoria O forecedor tem que garatir que todas as embalages e recipietes sejam providos de etiquetas válidas. O respectivo coteúdo das etiquetas tem que correspoder ao padrão idustrial regioal, devedo ser coordeado com a plata do cliete da ZF. As etiquetas sempre devem ser fixadas de forma que estejam visíveis e possam ser lidas por um leitor de código de barras sem que as embalages teham que ser reorgaizadas. As etiquetas têm que ser fixadas os respectivos dispositivos de fixação, prededores, porta-cartões ou outros mecaismos que se ecotram o recipiete. 7 Dispatch ad Trasportatio 7.1 Delivery coditio ZF uses the curret versio of the Icoterms as the stadard basis for the delivery terms. ZF geerally applies the followig delivery terms: FCA Poit of Departure Icoterms 2010 DAP Poit of Destiatio Icoterms Customs/foreig trade ZF is obligated to make reliable statemets to its customers with regard to the commercial origi as well as the legally preferetial status of the delivered goods. The desigatio of the commercial coutry of origi of products ad commodities delivered to ZF is therefore required for ZF s supplier as well. By request of ZF, the commercial origi must be verified with suitable certificates of origi. The legally preferetial status of goods that were delivered to ZF must be substatiated by the submissio of suitable preferece documets. The type of preferece documet is due i each case to the preferetial agreemets i effect. 7.3 Forwardig istructios, trasportatio documets, ad otificatio The versio of regioal ZF forwardig istructios valid at the time of delivery applies as well as ay specific forwardig istructios. ZF reserves the right to chage these forwardig istructios or to supplemet them. The versio valid at ay give time is available o the ZF homepage. 7 Remessa e trasporte 7.1 Codições de forecimeto A ZF utiliza a versão atualizada dos Icoterms como base padroizada para as codições de forecimeto. No geral, a ZF aplica as seguites codições de forecimeto: FCA Local de origem Icoterms 2010 DAP Local de destio Icoterms Alfâdega/comércio exterior A ZF tem a resposabilidade de oferecer a seus clietes iformações fidedigas com relação à origem comercial bem como sobre o status do tratameto preferecial das mercadorias forecidas. Portato, os forecedores da ZF também têm a obrigação de especificar o país de origem comercial das matérias-primas e dos produtos forecidos à ZF. Por solicitação da ZF, a origem comercial deverá ser comprovada por meio dos devidos certificados de origem. O status de tratameto preferecial das mercadorias forecidas à ZF deverá ser comprovado através da apresetação dos respectivos documetos comprobatórios da preferêcia. O tipo de documeto comprobatório do tratameto preferecial depede do respectivo acordo preferecial em vigor. 7.3 Istruções de remessa, documetos de trasporte e otificações Aplica-se a versão das respectivas istruções de remessa da ZF vigete as regiões o mometo da etrega bem como as devidas istruções específicas de remessa. A ZF reserva-se o direito de alterar ou complemetar estas istruções de remessa. A respectiva versão vigete ecotra-se à disposição o site da ZF

10 Logistical Supplier Assessmet Avaliação logística de forecedores 8 Logistical supplier assessmet ad developmet I lie with the philosophy of a cotiuous improvemet process, ZF is costatly workig to improve its logistical performace. ZF thus expects a high degree of process improvemet activities from suppliers ad their subcotractors. The logistical ehacemets of the suppliers ad their sub-cotractors accordigly have a high importace. Additioal iformatio o this subject is available at (search term core purchasig strategy ). 8 Avaliação e desevolvimeto logístico de forecedores Em coformidade com a filosofia do processo de melhoria cotíua, a ZF está costatemete empehada em melhorar seu desempeho logístico. Por este motivo, a ZF espera de seu forecedor e de seus subforecedores um elevado ível de atividades de melhoria de processos. Cosequetemete, o desevolvimeto logístico cotíuo do forecedor e de seus subforecedores desempeha um papel fudametal. Iformações adicioais sobre este assuto ecotram-se o site (termo para busca: estratégia cetral de compra ). Delivery Schedule QEP KANBAN KANBAN JIT/JIS JIT/JIS VMI VMI LAB with Cosigmet QEP com cosigação Quatity Tolerace Tolerâcia de quatidade Date Tolerace Tolerâcia de prazo +/- 10% +/- 1 Day +/- 10% +/- 1 dia +/- 0% Defied replacemet time (plat specific) + 0 Days (Hours) +/- 0% Prazo defiido para reposição do estoque (específico da plata) + 0 dias (horas) +/- 0% +/- 0 Days +/- 0% +/- 0 dias o-had quatity / Coverage rage withi defied limits Estoque/cobertura detro de limites míimos/máximos predefiidos +/- 10% Agreed time widow + 1 Day +/- 10% Jaela de tempo egociada + 1 dia 8.1 Measures for delivery reliability The measures for delivery reliability are carried out i a system that is stadardized throughout the ZF Group. I the process the followig toleraces for the assessmets are take ito accout for the differet schedulig procedures (the order poit cotrol is usually measured with the KANBAN toleraces): 8.1 Avaliação da performace de etrega A avaliação da performace de etrega é efetuada através de um sistema padroizado o Grupo ZF todo. Este processo cosidera as seguites marges de tolerâcia aplicadas a avaliação dos diferetes métodos de programação da produção (o cotrole do poto de reabastecimeto geralmete é avaliado com as tolerâcias previstas o KANBAN): Calculatio formula: Delivery Performace i % = Performace de etrega em % = Sum of the correct receipts withi the evaluatio timeframe Soma das avaliações idividuais corretas o período de aálise Fórmula de cálculo: Quatity of the total receipts withi the evaluatio timeframe Výpočtový vzorec: Quatidade total de avaliações durate o período de aálise A goods receipt ca be rated oly 0% or 100% per item umber: Um recebimeto de mercadorias somete pode ser avaliado com 0% ou 100% por item: Delivery Performace = 100% Performace de etrega = 100% Time ad quatity toleraces have bee met As tolerâcias de prazo e quatidade foram cumpridas Delivery Performace = 0% Performace de etrega = 0% Time ad/or quatity toleraces have ot bee met As tolerâcias de prazo e/ou quatidade ão foram cumpridas The result of the measures for delivery reliability will be commuicated to the supplier at least mothly, e.g. via SupplyO/ Performace Moitor. O resultado da avaliação da performace de etrega será comuicado ao forecedor o míimo mesalmete, por exemplo, através do SupplyO/Performace Moitor

11 Logistics Costs Custos logísticos The supplier must forward the measuremet result to the resposible fuctioal area. If there are udesirable developmets i delivery reliability ZF expects a immediate defiitio of coutermeasures from the supplier i order to brig the delivery reliability result back to the target value. 8.2 Supplier assessmet The supplier assessmet at ZF cosists of the evaluatios of purchasig, quality maagemet, developmet ad logistics. The logistical evaluatio icludes the delivery reliability characteristic (hard fact) as well as a soft fact assessmet that ca reflect the result of a logistics audit. To this ed, ZF retais the right to carry out a logistics audit of the supplier. Additioal iformatio o this subject ca be foud at (search term core purchasig strategy ). O forecedor deverá ecamihar o resultado da avaliação às respectivas áreas fucioais resposáveis. Em caso de desevolvimeto idesejável a performace de etrega, a ZF espera que o forecedor defia imediatamete um plao de ação destiado a recoduzir o resultado da avaliação à meta defiida. 8.2 Avaliação dos forecedores A avaliação que a ZF efetua dos forecedores abrage as avaliações de compra, gestão da qualidade, desevolvimeto e logística. A avaliação logística iclui a característica da performace de etrega (hard fact - fatores cocretos) bem como uma avaliação de fatores itagíveis (soft fact) que possa refletir o resultado de uma auditoria logística. A ZF reserva-se o direito de efetuar uma auditoria logística o forecedor. Iformações adicioais sobre este assuto ecotram-se o site (termo para busca: estratégia cetral de compra ). 9 Logistics Costs Supplier Forecedor A Price Preço A Offer Price of the supplier accordig to the RFQ with separate show costs for packagig Preço de oferta do forecedor segudo a cotação cotedo custos de embalagem discrimiados separadamete B Price Preço B Exteral costs for trasportatio ad hadlig accordig to the logistical requiremets (delivery frequecy) Custos exteros de trasporte e de mauseio de acordo com as exigêcias logísticas (frequêcia de etrega) Depedig o Icoterms De acordo com os Icoterms Icludig customs duties ad taxes Icluido tarifas alfadegárias e impostos to ZF s goods receipt Até o local de recebimeto das mercadorias a ZF D Price = A Price + B Price + C Price Preço D = preço A + preço B + preço C 9 Custos logísticos ZF C Price Preço C Costs for hadlig Custos de mauseio Costs for ivetory (warehouse + capital employed + depreciatio) Custos de estoque (custos de depósito + custos de capital ivestido + depreciação) Costs of complaits Custos de reclamação No-coformig deliveries Problemas o forecimeto 8.3 Logistical supplier developmet ZF reserves the right to iclude suppliers i a logistical developmet program if they have delivery reliability values that are usatisfactory or deviatig from the target values or if they have differetly deviatig logistics requiremets. 8.4 Escalatio model If performace problems are determied at a supplier for a loger period of time a escalatio process occurs by icorporatig logistics, supplier developmet ad ZF purchasig. 8.3 Desevolvimeto logístico de forecedores A ZF reserva-se o direito de icluir forecedores em um programa de desevolvimeto logístico caso seus valores de performace de etrega sejam isatisfatórios ou divergetes da meta ou aida se eles apresetarem exigêcias de logística diferetes. 8.4 Modelo de escaloameto Caso forem detectados problemas de desempeho com um forecedor durate um período prologado de tempo, será itroduzido um processo de escaloameto abragedo o departameto de logística, de desevolvimeto de forecedores e de compra da ZF. Figure 3: Cocept of the B/C price calculatio at ZF Figura 3: Coceito de cálculo do preço B/C da ZF ZF is dedicated to recordig (TCO priciple) ad optimizig the total costs of procuremet. I the cotext of the request for ew item umbers total costs are a importat selectio criterio for the placig of orders, i additio to other aspects. For this purpose, a method was developed for dividig the iput-side logistics costs by uit price. The details ca be take from the RFQ forms from ZF purchasig. A ZF procura registrar (pricípio TCO) e otimizar os custos totais de aquisição. No cotexto da solicitação de ovos ites, além de outros aspectos, os custos totais costituem um critério fudametal de seleção para a colocação de ordes. Para este fim foi desevolvido um método para efetuar o rateio dos custos logísticos de etrada pelo preço uitário das peças. Os detalhes poderão ser verificados os documetos de cotação do departameto de compras da ZF

12 Emergecy Case Cocept Plao de emergêcia No-Coformace, Cosequeces Não coformidade, cosequêcias 10 Emergecy case cocept If iterruptios occur withi the process chai at the supplier or their sub-cotractors that could jeopardize the deadlies plaed by ZF, the supplier is required to iform ZF immediately. Furthermore, a competet cotact must be amed for this emergecy situatio ad must be reachable at ay time. The supplier must coduct a appraisal of the risk of possible supply shortfalls to ZF usig their etire process/supply chai i the cotext of a suitable risk assessmet. The supplier must derive appropriate cotigecy strategies from this appraisal. The results of the risk assessmet ad the cotigecy cocept must be made available to ZF upo request. The cotigecy cocept icludes at least iformatio about the followig criteria: Root cause of the supply problem Maximum expected delivery failure (quatity) Remedial actios with resposibilities Quatities ad timelies of emergecy supplies The resposible persos as defied i the actio plas provide for the timely implemetatio of the stipulated measures ad their sustaiability. ZF retais the right to verify the cotets of the cotigecy cocept with the supplier upo request ad if eeded to implemet further cosequeces, e.g. troubleshootig o site. ZF s right to claim valid fiacial compesatio i idividual cases remais uaffected by the above regulatios. 10 Plao de emergêcia Se ocorrerem iterrupções a cadeia de processos do forecedor ou de seus subforecedores que puderem comprometer os prazos de etrega plaejados pela ZF, o forecedor tem a obrigação de iformar imediatamete a ZF. Além disso, uma pessoa de cotato competete deverá ser desigada para esta situação de emergêcia, devedo estar acessível a qualquer mometo. No cotexto de uma avaliação adequada de riscos, o forecedor deverá fazer uma estimativa do risco de possíveis gargalos o forecimeto para a ZF abragedo toda a sua cadeia de processos/forecimeto. A partir das coclusões, o forecedor deverá defiir as devidas estratégias para casos de emergêcia. Quado solicitados, os resultados da avaliação de riscos bem como o plao de emergêcia deverão ser apresetados à ZF. O plao de emergêcia deverá coter o míimo iformações sobre os seguites critérios: Causa do problema o forecimeto Iterrupção máxima esperada o forecimeto (quatidade) Medidas corretivas cotedo resposabilidades Quatidades e prazos dos forecimetos de emergêcia Os resposáveis defiidos os plaos de medidas resposabilizam-se pela rápida implemetação das medidas estipuladas e sua adequabilidade. Caso ecessário, a ZF reserva-se o direito de verificar o coteúdo do plao de emergêcia do forecedor e, se for o caso, de tomar medidas adicioais como, por exemplo, resolução de problemas o local. O direito da ZF de exigir ideização fiaceira em casos isolados ão é afetado pelas regulametações acima mecioadas. 11 No-coformace ad cosequeces I the case of o-coformace with these Logistics Directive, ZF reserves the right to demad compesatio from the supplier. Amog others, the followig abormalities preset examples of such o-coformace: No-adherece to supply deadlies ad quatities No-adherece to the determied packagig regulatios ad clealiess requiremets Icorrect or missig idetificatio of packages Icorrect or missig documets ad EDI commuicatios Prospects Perspectivas 12 Prospects As described earlier, ZF has ogoig efforts to make improvemets of the iboud ad outboud logistics processes. This will lead to chagig requiremets for the suppliers i the future. Therefore, a proactive collaboratio is expected i the sese of a partership developmet betwee the supplier, his supply chai ad ZF. 11 Não coformidade e cosequêcias Em caso de ão coformidade com a presete Diretriz de Logística, a ZF reserva-se o direito a exigir ideização do forecedor. As seguites violações, etre outras, costituem exemplos de ão coformidade: Descumprimeto dos prazos e quatidades o forecimeto Descumprimeto das regulametações de embalagem e exigêcias de limpeza determiadas Idetificação icorreta ou falta de idetificação das embalages Documetos icorretos ou falta de documetação e comuicação via EDI 12 Perspectivas Coforme descrito ateriormete, a ZF empreede esforços cotíuos o setido de aprimorar os processos logísticos iteros e exteros, o que futuramete também coduzirá a alterações as exigêcias feitas aos forecedores. Por esta razão, o setido de dar cotiuidade ao desevolvimeto da parceria, espera-se uma cooperação proativa etre o forecedor e a ZF abragedo toda a cadeia de forecimeto, desde o subforecedor até o cliete

13 ZF Friedrichshafe AG Corporate Headquarters Friedrichshafe Germay Phoe Fax

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

Greg Horine Rio de Janeiro 2009

Greg Horine Rio de Janeiro 2009 Greg Horie Rio de Jaeiro 2009 Sumário Resumido Itrodução...1 Parte I Dado partida ao gereciameto de projeto...5 1 Paorama de Gereciameto de Projeto...7 2 O Gerete de Projeto...19 3 Elemetos esseciais para

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

XXIV ENANGRAD. GDS Gestão da Sustentabilidade

XXIV ENANGRAD. GDS Gestão da Sustentabilidade XXIV ENANGRAD GDS Gestão da Sustetabilidade A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE: ESTUDO DE CASO EM UM SEGMENTO DA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Adré

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização Precificação orietada ao mercado: uma abordagem ecoométrica e de otimização Rodrigo Araldo Scarpel (ITA) rodrigo@ita.br Resumo A estratégia de determiação do preço sedo customizada por marca, categoria,

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbon Cataratas Foz do Iguaçu - PR. REF: Exposição Paralela

06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbon Cataratas Foz do Iguaçu - PR. REF: Exposição Paralela 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE ONDAS DE CHOQUE 06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbo Cataratas Foz do Iguaçu - PR REF: Exposição Paralela Motadora Oficial: Stads Solutios STTC Evetos e Turismo Telefoe: (45)

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET 20 MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET CONTRATANTE: TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, iscrito o CNPJ/MF sob o.º 00.509.968/0001-48, sediado a Praça dos Tribuais Superiores, bloco D, s/.º,

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Gestão da cadeia de suprimentos a partir de um processo de internacionalização de empresa: a percepção dos gestores

Gestão da cadeia de suprimentos a partir de um processo de internacionalização de empresa: a percepção dos gestores Gestão da cadeia de suprimetos a partir de um processo de iteracioalização de empresa: a percepção dos gestores Guilherme Cuha Malafaia Alex Eckert 2 Fábio Eberhardt Teixeira 3 Resumo A gestão da cadeia

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

[Type the document subtitle] Análise Técnica Principais conceitos, indicadores e formações gráficas

[Type the document subtitle] Análise Técnica Principais conceitos, indicadores e formações gráficas Aálise Técica Coceitos [Type the documet subtitle] Aálise Técica Pricipais coceitos, idicadores e formações gráficas A Aálise Técica (AT) tem por objetivo forecer idicações dos movimetos ou formação de

Leia mais

PROBLEMA DE DESLOCAMENTO DE VIATURAS MILITARES PELA REDE FERROVIÁRIA FEDERAL (UMA ABORDAGEM EM PROGRAMAÇÃO LINEAR)

PROBLEMA DE DESLOCAMENTO DE VIATURAS MILITARES PELA REDE FERROVIÁRIA FEDERAL (UMA ABORDAGEM EM PROGRAMAÇÃO LINEAR) PROBLEMA DE DESLOCAMENTO DE VIATURAS MILITARES PELA REDE FERROVIÁRIA FEDERAL (UMA ABORDAGEM EM PROGRAMAÇÃO LINEAR) NEI CARLOS DOS SANTOS ROCHA ALBA REGINA MORETTI 2 LUIZ HENRIQUE DA COSTA ARAÚJO CARLA

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZAÇÃO ÓTIMA E TRANSFORMAORES E OTIMIZAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEAES RURAIS *ROGÉRIO SILVA A CUNHA (BSC) - JOSÉ ROBERTO CAMACHO (PH) SEBASTIÃO CAMARGO GUIMARÃES JR. (R.) *UNIVERSIAE FEERAL

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO

ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO Rita Moura Fortes proeg.upm@mackezie.com.br Uiversidade Presbiteriaa Mackezie, Escola de Egeharia, Departameto de Propedêutica de Egeharia Rua da Cosolação,

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Estudo de um fluxo interno de materiais baseado na filosofia Lean Manufacturing

Estudo de um fluxo interno de materiais baseado na filosofia Lean Manufacturing Productio, xx(x), xx-xx http://dx.doi.org/0.590/003-653.232 Estudo de um fluxo itero de materiais baseado a filosofia Lea Maufacturig Alvaro Luiz Neuefeldt Júior a *, Julio Cezar Mairesse Siluk a, Elpidio

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO Dr. Olívio Novaski Uiversidade Estadual de Campias - UNICAMP - DEF CP 6122 CEP 13083-970 CAMPINAS - SP - BRASIL MSc.

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA?

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA? AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? Desevolvemos soluções para automação idustrial em idustrias gerais, telecomado e telemetria para supervisão e cotrole remotos, com desevolvimeto e fabricação de

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL THE SECTOR OF MARKETING RESEARCH,OPINION AND MEDIA IN BRAZIL RESUMO Com base em dados da ABEP, o artigo faz um relato da evolução do setor de

Leia mais

Mário Meireles Teixeira. Departamento de Informática, UFMA. mario@deinf.ufma.br. Técnicas de Modelagem. Técnicas de Avaliação de desempenho.

Mário Meireles Teixeira. Departamento de Informática, UFMA. mario@deinf.ufma.br. Técnicas de Modelagem. Técnicas de Avaliação de desempenho. Simulação Mário Meireles Teixeira Departameto de Iformática, UFMA mario@deif.ufma.br Técicas de Modelagem Técicas de Avaliação de desempeho Aferição Modelagem Protótipos Bechmarcks Coleta de Dados Rede

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade Código de Coduta Empresarial Fazedo a difereça com Itegridade Uma Mesagem do Presidete da Hospira Prezados Colegas da Hospira, Gostaria de lhes apresetar o Código de Coduta Empresarial da Hospira. Na Hospira,

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Na disciplia de sistemas digitais foram estudadas técicas de desevolvimeto de circuitos digitais ao ível da porta lógica, ou seja, os circuito digitais projectados,

Leia mais

Proposta de ferramenta de diagnóstico socioambiental empresarial Proposal of a tool for socio-environmental diagnostic of a company

Proposta de ferramenta de diagnóstico socioambiental empresarial Proposal of a tool for socio-environmental diagnostic of a company Proposta de ferrameta de diagóstico socioambietal empresarial Proposal of a tool for socio-evirometal diagostic of a compay RESUMO O presete artigo apreseta os pricipais resultados de pesquisa que teve

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

ANÁLISE DO RETORNO ELÁSTICO EM DOBRAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

ANÁLISE DO RETORNO ELÁSTICO EM DOBRAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS ANÁLISE DO ETONO ELÁSTICO EM DOBAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS Alexadre Tácito Malavolta Escola de Egeharia de São Carlos, Av. Trabalhador São-Carlese 400, CEP 13566-590, São Carlos

Leia mais

www.partnervision.com.br

www.partnervision.com.br www.partervisio.com.br SERVIÇOS E SUPORTE PROCESSOS E INICIATIVAS PRODUTOS DE SOFTWARE SOLUÇÕES PARA A INDÚSTRIA Software para o Desevolvimeto de Coteúdo e Processos Para Otimizar o Desevolvimeto de Produtos

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID XXIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES - SBrT 11, 2-5 DE OUTUBRO DE 211, CURITIBA, PR Um Protocolo Híbrido de Ati-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID Bruo A. de Jesus, Rafael C. de Moura, Liliae

Leia mais

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

FLUXO DE CARGA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS

FLUXO DE CARGA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS Aais do XIX Cogresso Brasileiro de Automática, CBA 2012. FLUXO DE CARA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS HEBERT AILA CARHUALLANQUI, DILSON AMANCIO ALES LASEP, DEE, UNESP Av.

Leia mais

Resumo. Palavras-chaves: Processo de Software, Melhoria de Processos, Tomada de Decisões, Qualidade de Software. Abstract

Resumo. Palavras-chaves: Processo de Software, Melhoria de Processos, Tomada de Decisões, Qualidade de Software. Abstract Cosequêcias e Características de um Processo de Desevolvimeto de Software de Qualidade e Aspectos que o iflueciam: uma avaliação de especialistas Jea M. Adrade, Adriao B. Albuquerque, Fábio B. Campos,

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING

PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING PROPOSAL FOR AN INFORMATION MANAGEMENT MODEL: CASE STUDY IN THE MARKETING RESEARCH FIELD RESUMO O propósito

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

Programando em C++ Joel Saade. Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br

Programando em C++ Joel Saade. Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br Programado em C++ Joel Saade Novatec Editora Ltda. www.ovateceditora.com.br Programado em C++ Capítulo 1 Itrodução Este capítulo trata, de forma breve, a história de C e C++. Apreseta a estrutura básica

Leia mais

do futuro A força de trabalho

do futuro A força de trabalho A força de trabalho do futuro Cotado com sua equipe para etregar a estratégia O plaejameto estratégico da força de trabalho ajuda as empresas a compreeder o taleto ecessário para etregar sua estratégia

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

1. INTRODUÇAO. 1. 1 Apresentação

1. INTRODUÇAO. 1. 1 Apresentação 1. Itrodução; 2. As fiaceiras - o modelo covecioal; 3. O modelo covecioal modificado e as caixas trasitórias; 4. Aproveitameto da caixa trasitória; 5. O modelo ótimo; 6. Implemetação do modelo de programação

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

LIVRETO. Armazenamento de Amostra, Manuseio e Gestão. Um armazenamento de amostra completo e rastreável para o seu laboratório

LIVRETO. Armazenamento de Amostra, Manuseio e Gestão. Um armazenamento de amostra completo e rastreável para o seu laboratório Um armazeameto de amostra completo e rastreável para o seu laboratório LIVRETO Armazeameto de Amostra, Mauseio e Gestão PRODUÇÃO NA HOLANDA E NOS ESTADOS UNIDOS MOLDE POR INJEÇÃO E MONTAGEM EM SALA LIMPA

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de 2004. que cria o título executivo europeu para créditos não contestados

Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de 2004. que cria o título executivo europeu para créditos não contestados 30.4.2004 L 143/15 REGULAMENTO (CE) N. o 805/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 que cria o título executivo europeu para créditos ão cotestados O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ MODELO MATEMÁTO ARA ANALAR O DEEMENHO DO MOTORE ELÉTRO EM MÁQUNA DE ROEAMENTO DE ARROZ LUZ G.. ORTO, RENATO. REE Departameto de Egeharia Elétrica, Faculdade de Egeharia de Bauru Uiversidade Estadual aulista

Leia mais

Economical viability of two plum ( Prunus domestica) production systems in a hailstorm-prone region. Científica, Jaboticabal, v.35, n.1, p.

Economical viability of two plum ( Prunus domestica) production systems in a hailstorm-prone region. Científica, Jaboticabal, v.35, n.1, p. Aálise de viabilidade ecoômica de sistema covecioal e sistema com uso de telado a produção de ameixa (Pruus domestica), em codições de risco de graizo, a região de Botucatu-SP Ecoomical viability of two

Leia mais

Desvendando a medição nos ensaios químicos: 1. A curva analítica ou de calibração

Desvendando a medição nos ensaios químicos: 1. A curva analítica ou de calibração Scietia Chromatographica 2011; 3(3):251-261 Istituto Iteracioal de Cromatografia DOI: 10.4322/sc.2011.015 ISSN 1984-4433 QUALIDADE Desvedado a medição os esaios químicos: 1. A curva aalítica ou de calibração

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

C O M P O S I T I O N No-break. S é r i e P r e m i u m. No-Break. para Rack CM COMANDOS LINEARES CM COMANDOS LINEARES

C O M P O S I T I O N No-break. S é r i e P r e m i u m. No-Break. para Rack CM COMANDOS LINEARES CM COMANDOS LINEARES C O P O S I T I O N No-break S é r i e P r e m i u m No-Break para Rack C E Iovação, qualidade, tecologia e cofiabilidade. arcas das soluções C Comados Lieares A E P R E S A Com mais de 30 aos de atuação,

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP n.º 032/2010 Processo n.º 01300.001447/2010-6

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP n.º 032/2010 Processo n.º 01300.001447/2010-6 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC PREGÃO ELETRÔNICO -

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

Código de Ética e Conduta Empresarial

Código de Ética e Conduta Empresarial Código de Ética e Coduta Empresarial 2015 RELX Group Código de Ética e Coduta Empresarial 2 Coteúdo Nosso compromisso com a itegridade Uma mesagem do osso diretor executivo Filosofia e valores de ossa

Leia mais

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, 3030 396 Coimbra Tel.: 239 403 666;

Leia mais

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas S W IFT-DUO SWIFT Sistemas de medição por vídeo para medição e ispeção precisas S W IFT-DUO Sistemas de medição por vídeo 2 eixos, ideais para medir recursos em 2D de peças pequeas e itricadas Variação

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 28 CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS CONTRIBUTION OF MARKETING RESEARCH

Leia mais

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso Detecção de Perdas com WaterGEMS usado AG - Case de Sucesso Ego. Jua Carlos Gutiérrez, M.Sc. Regioal Egieer - Water ad Wastewater Solutios Jua.Gutierrez@Betley.com Problema Mudial: cotrole e redução de

Leia mais

Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América. www.infosn.com 214 143 334. Edição Portuguesa

Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América. www.infosn.com 214 143 334. Edição Portuguesa Mais de 100 filiais e 800 profissioais a Europa e América www.ifos.com 214 143 334 Catálogo de Servicios Cosultoría Edição Portuguesa Catálogo de Serviços Área de Cosultoria Edição Portuguesa Catálogo

Leia mais

Modelo analítico de suporte à configuração e integração da cadeia de suprimentos

Modelo analítico de suporte à configuração e integração da cadeia de suprimentos Gest. Prod., São Carlos, v. 7,. 3, p. 447-463, 200 Modelo aalítico de suporte à cofiguração e itegração da cadeia de suprimetos Aalytical model of support for settig up ad itegratiig a supply chai Joseildo

Leia mais