Elisabeth França da Silva (advogada, coordenadora da área de direito penal da. 1 Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elisabeth França da Silva (advogada, coordenadora da área de direito penal da. 1 Introdução"

Transcrição

1 CRIMES AMBIENTAIS E O PRINCÍPIO DA LEGALIDADE ESTRITA (ENFOQUE ESPECIAL AO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9605/98 E O TERMO FLORESTA, BEM COMO AO ARTIGO 40 E O DANO AOS PARQUES ESTADUAIS E MUNICIPAIS) Elisabeth França da Silva (advogada, coordenadora da área de direito penal da Valladao Sociedade de Advogados 1 Introdução O presente estudo objetiva examinar os crimes ambientais tipificados na Lei nº 9605/98, sob a ótica do princípio da legalidade estrita. Analisar-se-á, especificamente, a ausência de conceito para a expressão floresta, inserida no artigo 38 da referida lei, bem como a omissão, no artigo 40 da mesma lei, da referência à proteção aos parques estaduais e municipais. Para o alcance desse objetivo, primeiramente, faz-se mister uma digressão sobre os crimes ambientais de maneira geral, bem como uma breve explanação acerca do princípio da legalidade estrita no direito penal e a consequente proibição do uso da analogia. Por fim, será examinada a forma como estas falhas legislativas podem repercutir na subsunção do fato aos tipos penais em questão, bem como a necessidade de supri-las por meio da doutrina, da jurisprudência, ou até mesmo de uma reforma legislativa. 2 Os crimes ambientais Para melhor compreensão do que vem a ser um crime ambiental, vale lembrar, ainda que rapidamente, dos conceitos de crime e meio ambiente. 3

2 Na lição de Damásio de Jesus 1, tem-se que o conceito material de crime é a violação de um bem penalmente protegido e, sob o aspecto formal, o crime é definido como um fato típico e antijurídico. Neste diapasão, para que a tipicidade ocorra, faz-se mister o enquadramento de um fato concreto a uma norma penal. Já a antijuridicidade se dá diante da contrariedade entre o fato típico e o ordenamento jurídico. De outro lado, preleciona José Afonso da Silva 2 que: Meio ambiente natural, ou físico, constituído pelo solo, a água, o ar atmosférico, a flora, enfim, pela interação dos seres vivos e seu meio, onde se dá a correlação recíproca entre as espécies e as relações destas com o ambiente físico que ocupam. É este o aspecto do meio ambiente que a Lei n , de , define, em seu art. 3, quando diz que, para os fins nela previstos, entende-se por meio ambiente o conjunto de condições, leis, influencias e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas. Logo, conclui-se que crime ambiental é qualquer dano ou prejuízo causado aos elementos que compõem o meio ambiente, tutelados pelo ordenamento jurídico. Neste contexto, foi editada, em 13 de fevereiro de 1998, a Lei nº 9.605, apelidada de lei dos crimes ambientais, a qual trouxe uma série de novidades acerca da repreensão à degradação ambiental. Em síntese, a Lei nº 9.605/98 define como crimes ambientais os atentados contra a fauna, a flora, o ordenamento urbano e o patrimônio cultural, a administração ambiental, bem como a poluição acima do nível estabelecido por lei, conforme se confere no quadro abaixo: CRIMES CONTRA A FAUNA Art. 29. Matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida. Art. 30. Exportar para o exterior peles e couros de anfíbios e répteis em bruto, sem a autorização da autoridade ambiental competente.. Art. 31. Introduzir espécime animal no País, sem parecer técnico oficial favorável e licença expedida por autoridade competente.. Art. 32. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos. Art. 33. Provocar, pela emissão de efluentes ou carreamento de materiais, o perecimento de espécimes da fauna aquática existentes em rios, lagos, açudes, lagoas, baías ou águas jurisdicionais brasileiras. Art. 34. Pescar em período no qual a pesca seja proibida ou em lugares interditados por órgão competente. Art. 35. Pescar mediante a utilização de: I - explosivos ou substâncias que, em contato com a água, produzam efeito semelhante; 1 JESUS, Damásio de. Direito Penal. São Paulo:Saraiva, SILVA, José Afonsoda.Direito Ambiental Constitucional. São Paulo: Ed. Malheiros,

3 CRIMES CONTRA A FLORA POLUICAO E OUTROS CRIMES AMBIENTAIS II - substâncias tóxicas, ou outro meio proibido pela autoridade competente. Art. 38. Destruir ou danificar floresta considerada de preservação permanente, mesmo que em formação, ou utilizá-la com infringência das normas de proteção.. Art. 38-A. Destruir ou danificar vegetação primária ou secundária, em estágio avançado ou médio de regeneração, do Bioma Mata Atlântica, ou utilizá-la com infringência das normas de proteção. Art. 39. Cortar árvores em floresta considerada de preservação permanente, sem permissão da autoridade competente. Art. 40. Causar dano direto ou indireto às Unidades de Conservação e às áreas de que trata o art. 27 do Decreto nº , de 6 de junho de 1990, independentemente de sua localização. Art. 41. Provocar incêndio em mata ou floresta. Art. 42. Fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam provocar incêndios nas florestas e demais formas de vegetação, em áreas urbanas ou qualquer tipo de assentamento humano. Art. 44. Extrair de florestas de domínio público ou consideradas de preservação permanente, sem prévia autorização, pedra, areia, cal ou qualquer espécie de minerais. Art. 45. Cortar ou transformar em carvão madeira de lei, assim classificada por ato do Poder Público, para fins industriais, energéticos ou para qualquer outra exploração, econômica ou não, em desacordo com as determinações legais. Art. 46. Receber ou adquirir, para fins comerciais ou industriais, madeira, lenha, carvão e outros produtos de origem vegetal, sem exigir a exibição de licença do vendedor, outorgada pela autoridade competente, e sem munir-se da via que deverá acompanhar o produto até final beneficiamento. Art. 48. Impedir ou dificultar a regeneração natural de florestas e demais formas de vegetação. Art. 49. Destruir, danificar, lesar ou maltratar, por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em propriedade privada alheia. Art. 50. Destruir ou danificar florestas nativas ou plantadas ou vegetação fixadora de dunas, protetora de mangues, objeto de especial preservação. Art. 50-A. Desmatar, explorar economicamente ou degradar floresta, plantada ou nativa, em terras de domínio público ou devolutas, sem autorização do órgão competente. Art. 51. Comercializar motosserra ou utilizá-la em florestas e nas demais formas de vegetação, sem licença ou registro da autoridade competente. Art. 52. Penetrar em Unidades de Conservação conduzindo substâncias ou instrumentos próprios para caça ou para exploração de produtos ou subprodutos florestais, sem licença da autoridade competente. Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora. Art. 55. Executar pesquisa, lavra ou extração de recursos minerais sem a competente autorização, permissão, concessão ou licença, ou em desacordo com a obtida. Art. 56. Produzir, processar, embalar, importar, exportar, comercializar, fornecer, transportar, armazenar, guardar, ter em depósito ou usar produto ou substância tóxica, perigosa ou nociva à saúde humana ou ao meio ambiente, em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou nos seus regulamentos. Art. 60. Construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer funcionar, em qualquer parte do território nacional, estabelecimentos, obras ou serviços potencialmente poluidores, sem licença ou autorização dos órgãos ambientais competentes, ou contrariando as normas legais e regulamentares pertinentes. 5

4 CRIMES CONTRA O ORDENAMENTO URBANO E O PATRIMÔNIO CULTURAL CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL Art. 61. Disseminar doença ou praga ou espécies que possam causar dano à agricultura, à pecuária, à fauna, à flora ou aos ecossistemas. Art. 62. Destruir, inutilizar ou deteriorar: I - bem especialmente protegido por lei, ato administrativo ou decisão judicial; II - arquivo, registro, museu, biblioteca, pinacoteca, instalação científica ou similar protegido por lei, ato administrativo ou decisão judicial. Art. 63. Alterar o aspecto ou estrutura de edificação ou local especialmente protegido por lei, ato administrativo ou decisão judicial, em razão de seu valor paisagístico, ecológico, turístico, artístico, histórico, cultural, religioso, arqueológico, etnográfico ou monumental, sem autorização da autoridade competente ou em desacordo com a concedida. Art. 64. Promover construção em solo não edificável, ou no seu entorno, assim considerado em razão de seu valor paisagístico, ecológico, artístico, turístico, histórico, cultural, religioso, arqueológico, etnográfico ou monumental, sem autorização da autoridade competente ou em desacordo com a concedida. Art. 65. Pichar ou por outro meio conspurcar edificação ou monumento urbano. Art. 66. Fazer o funcionário público afirmação falsa ou enganosa, omitir a verdade, sonegar informações ou dados técnico-científicos em procedimentos de autorização ou de licenciamento ambiental. Art. 67. Conceder o funcionário público licença, autorização ou permissão em desacordo com as normas ambientais, para as atividades, obras ou serviços cuja realização depende de ato autorizativo do Poder Público. Art. 68. Deixar, aquele que tiver o dever legal ou contratual de fazê-lo, de cumprir obrigação de relevante interesse ambiental. Art. 69. Obstar ou dificultar a ação fiscalizadora do Poder Público no trato de questões ambientais. Art. 69-A. Elaborar ou apresentar, no licenciamento, concessão florestal ou qualquer outro procedimento administrativo, estudo, laudo ou relatório ambiental total ou parcialmente falso ou enganoso, inclusive por omissão. 3 O princípio da legalidade estrita no Direito Penal. Proibição do uso da analogia para ampliação conceitual dos tipos penais A respeito do princípio da legalidade, Alexandre de Moraes 3 ensina que: O art. 5, II, da Constituição Federal, preceitua que ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei. Tal princípio visa combater o poder arbitrário do Estado. Só por meio das espécies normativas devidamente elaboradas conforme as regras do processo legislativo constitucional, podem se criar obrigações para o indivíduo, pois são expressões da vontade geral. Com o primado soberano da lei, cessa o privilégio da vontade caprichosa do detentor do poder em benefício da lei. Conforme salientam Celso Bastos e Ives Gandra Martins, no fundo, portanto, o princípio da legalidade mais se aproxima de uma garantia constitucional do que de um direito individual, já que ele não tutela, especificamente, um bem da vida, mas assegura ao particular, a prerrogativa de repelir as injunções que lhe sejam impostas por uma ou outra via que não seja a da lei [...]. 3 MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. São Paulo: Atlas,

5 Conclui-se, daí, que o princípio da legalidade é o norteador de toda a ciência jurídica. Notadamente no Direito Penal, o princípio da legalidade está inserido no artigo 1º do Código Penal Brasileiro e deriva do comando constitucional segundo o qual não há crime sem lei anterior que o defina, nem há pena sem prévia cominação legal (art. 5º XXXIX CF/88). Conforme ensina Rogério Greco 4, a lei penal, no intuito de preservar a legalidade e a segurança jurídica, deve ser prévia, escrita, certa e estrita. Ao ser prévia, obsta a retroatividade in pejus; ao ser escrita, evita a utilização do costume incriminador; ao ser certa, acata o princípio da taxatividade, impedindo que sejam encaixadas condutas estranhas aos tipos penais; ao ser estrita, proíbe a ampliação conceitual dos dispositivos incriminadores. Como não podia deixar de ser, o princípio da legalidade tem, no Direito Penal Ambiental, a mesma força que possui no direito penal comum. Isto significa que as condutas tidas como criminosas pela legislação ambiental devem se revestir dos mesmos atributos de determinabilidade e certeza que permeiam todos os tipos penais. É que, conforme já explicitado, em matéria penal, as normas incriminadoras devem ser interpretadas restritivamente, sendo defeso, inclusive, o uso da analogia. Segundo Fernando Capez 5, a analogia "consiste em aplicar-se a uma hipótese não regulamentada por lei disposição relativa a um caso semelhante. Na analogia, o fato não é regido por qualquer norma e, por essa razão, aplica-se uma de caso analógico". O autor afirma, ainda, que "a aplicação da analogia em norma penal incriminadora fere o princípio da reserva legal, uma vez que um fato não definido em lei como crime estaria sendo considerado como tal. [...] Nesse caso, um fato não considerado criminoso passaria a sê-lo, em evidente afronta ao princípio constitucional do art. 5, XXXIX da Constituição Federal (reserva legal). Conclui-se, daí, que o princípio da legalidade estrita impede eventual aumento da abrangência das normas penais, tendo em vista que sua não observância concederia ao jurista o poder de definir crimes e penas não concebidas pelo legislador. 4 A ausência de definição para o termo floresta, inserto no art. 38 da Lei nº 9605/98 e a imprescindibilidade de sua conceituação em face do princípio da legalidade estrita 4 GRECO, Rogério. Curso de Direito Penal- Rio de Janeiro: Impetus, CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal - São Paulo: Saraiva,

6 Dispõe o art. 38 da Lei nº 9.605/98 que configura crime ambiental destruir ou danificar floresta considerada de preservação permanente, mesmo que em formação, ou utilizá-la com infringência das normas de proteção (g.n.). Analisando-se o referido tipo penal, nota-se o elemento normativo floresta, como objeto material do crime em questão. Acontece que a legislação ambiental não cuidou de conceituar tal termo. E, como visto acima, não se pode proceder à criação ou ampliação dos elementos normativos que compõem os dispositivos incriminadores, sob pena de violação do princípio da legalidade estrita. No caso do termo em questão, a ausência de um conceito traz como consequência a subsunção de casos de destruição ou danificação de quaisquer formas de vegetação, o que configuraria o uso da proibida analogia 6. Portanto, em razão do grave silêncio legislativo, é necessário buscar a limitação do vocábulo em apreço na doutrina e jurisprudência. Com efeito, doutrinadores e julgadores são unânimes em designar o termo floresta como vegetação cerrada, composta de árvores de grande porte. De fato, afirma o doutrinador Luiz Régis Prado que floresta é a formação arbórea densa, de alto porte, que recobre área de terra mais ou menos extensa 7. É o que se encontra também na jurisprudência do STJ: O elemento normativo `floresta', constante do tipo de injusto do art. 38 da Lei 9.605/98, é a formação arbórea densa, de alto porte, que recobre área de terra mais ou menos extensa. O elemento central é o fato de ser constituída por árvores de grande porte. Dessa forma, não abarca a vegetação rasteira. 8 Conclui-se, portanto, que, para que a conduta disposta no art. 38 da Lei nº 9.605/98 seja considerada criminosa, o objeto material do crime, ou seja, a floresta, deverá ser composta de vegetação cerrada, que cobre uma grande extensão de terras e é composta por 6 O crime do artigo 38 da Lei 9.605/1998 exige que a área desmatada seja de floresta de preservação permanente, mesmo que em formação. Se o acusado promoveu a aração em área considerada de preservação permanente, causando a supressão de vegetação rasteira, o crime não se caracteriza, pois, como cediço, não há como adotar no Direito Penal uma extensão analógica do termo floresta para abarcar outras formas de vegetação, sob pena de violação ao princípio da legalidade. (TJMG - Apelação Criminal nº /001 Rel.: Des. Flávio Leite DJ 21/03/2013) 7 PRADO, Luiz Régis. Crimes contra o meio ambiente, São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, STJ, Habeas Corpus nº /SP, Rel. Min. Felix Fischer, DJ 10/09/2007 8

7 árvores de grande porte, não sendo considerado criminoso, nos termos do referido dispositivo, o dano ocorrido em qualquer outra espécie de vegetação. 5 As conseqüências da omissão, no 1º do artigo 40 da Lei nº 9605/98, da referência à proteção aos parques estaduais e municipais, em face do princípio da legalidade estrita O caput do artigo 40 da Lei nº 9605/98 determina que será criminosa a conduta que causar dano direto ou indireto às Unidades de Conservação e às áreas de que trata o art. 27 do Decreto nº , de 6 de junho de 1990, independentemente de sua localização. E, de acordo com o parágrafo primeiro do dispositivo legal citado, entende-se por Unidades de Conservação de Proteção Integral as Estações Ecológicas, as Reservas Biológicas, os Parques Nacionais, os Monumentos Naturais e os Refúgios de Vida Silvestre (g.n). Note-se que o legislador tratou de determinar a abrangência do termo unidades de conservação, frisando que os parques tutelados são os chamados nacionais. É importante dizer que a Lei nº 9985/00, a qual instituiu o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza, dispõe que: Art. 11. O Parque Nacional tem como objetivo básico a preservação de ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico. [...] 4 o As unidades dessa categoria, quando criadas pelo Estado ou Município, serão denominadas, respectivamente, Parque Estadual e Parque Natural Municipal. (g.n.) Tem-se, ainda, que: Os parques constituem unidades de conservação, terrestres e/ou aquáticas, normalmente extensas, destinadas à proteção de áreas representativas de ecossistemas, podendo também ser áreas dotadas de atributos naturais ou paisagísticos notáveis, sítios geológicos de grande interesse científico, educacional, recreativo ou turístico, cuja finalidade é resguardar atributos excepcionais da natureza, conciliando a proteção integral da flora, da fauna e das belezas naturais com a utilização para objetivos científicos, educacionais e recreativo. Assim, os parques são áreas destinadas para fins de conservação, pesquisa e turismo. Podem ser criados no âmbito nacional, estadual ou municipal, em terras de seu domínio, ou que devem ser desapropriadas para esse fim. 9 (g.n.) 9 Disponível em: 9

8 Como se vê, a própria lei distingue o Parque Nacional dos Estaduais e Municipais, de acordo com o ente federativo responsável por sua criação. Neste contexto, conclui-se que o legislador foi omisso, ao suprimir do 1º do artigo 40 da Lei nº 9605/98, as expressões Parque Estadual e Parque Municipal. Portanto, extrai-se da interpretação da referida norma duas hipóteses: ou se considera que estes ecossistemas não estão tutelados pela lei de crimes ambientais; ou se amplia o conceito de unidades de conservação apresentado pelo legislador, inserindo-se por analogia a proteção aos parques estaduais e municipais. Entretanto, como já visto, o Direito Penal não admite o uso da analogia para ampliar o espectro de abrangência dos tipos penais 10. Vale a pena destacar que a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal, tratando de assunto relacionado ao tema, decidiu, de forma isolada, em sede de Habeas Corpus, que o dano a Parque Estadual está tutelado no âmbito do artigo 40 da Lei , que prevê como crime o dano às Unidades de Conservação, sejam de Proteção Integral, sejam de Uso Sustentável 11. Contudo, no precedente citado, o objeto material do crime é o Parque Estadual da Serra do Mar, o qual é considerado, pela Constituição Federal, um patrimônio nacional. Inclusive este foi o argumento usado pelo acórdão, para fundamentar a decisão que denegou a ordem de habeas corpus, impetrado em favor do suposto causador do dano ao ecossistema acima referido. Com efeito, consta do voto que: Quadro empírico, esse, suficientemente documentado, que sinaliza, ao menos em tese, a prática do delito do artigo 40 da Lei 9.605/98. Valendo lembrar que Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações ; sendo certo, ainda, que A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar [bem jurídico tutelado na concreta situação dos autos], o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua utilização far-se-á, na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais (caput e 4º do artigo 225 da CF/88, sem destaques no original). Tudo a impossibilitar o encerramento prematuro da persecução criminal. 10 A aplicação da analogia em norma penal incriminadora fere o princípio da reserva legal, uma vez que um fato não definido em lei como crime estaria sendo considerado como tal. [...] Nesse caso, um fato não considerado criminoso passaria a sê-lo, em evidente afronta ao princípio constitucional do art. 5, XXXIX da Constituição Federal (reserva legal). (CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal - São Paulo: Saraiva, 2008) 11 STF HC nº Rel. Min. Ayres Brito DJ 13/09/

9 Como se vê, tal precedente trata de um caso específico, em que o ecossistema atacado, em que pese ser um Parque Estadual, é considerado pela Constituição Federal um patrimônio nacional. Ora, isto significa que a corte suprema ainda não enfrentou a matéria, consubstanciada na taxatividade da lei, que define expressamente como unidades de conservação apenas os parques nacionais ( 1º art. 40 Lei nº 9605/98). É que a situação do Parque Estadual da Serra do Mar, protegido pela Constituição Federal, é distinta dos demais parques estaduais e municipais, que não encontram abrigo na lei. Logo, o referido precedente não é capaz de corrigir a atecnia legislativa, referente à ausência dos termos parque estadual e municipal da lei. Desta forma, conclui-se que, pelos menos em tese, tendo em vista a taxatividade da lei, os referidos ecossistemas estariam destituídos da tutela jurisdicional. 5 Conclusão O presente estudo revelou uma atecnia legislativa, mostrada sob dois aspectos, os quais, se não observados, violam o principio da legalidade estrita. Pois bem, com relação à ausência, na lei, de um conceito para o termo floresta, inserto no art. 38 da Lei nº 9605/98, torna-se imprescindível que o jurista observe a conceituação doutrinária e jurisprudencial do vocábulo, a fim de que se limite o objeto material do crime. É que, sob a ótica do princípio da legalidade estrita, não pode o tipo penal em comento ser flexibilizado, para estender a tutela penal ambiental a toda e qualquer forma de vegetação, situada em área de preservação permanente. Já com relação à omissão do legislador, que suprimiu os termos Parque Estadual e Parque Municipal, quando determinou a abrangência das unidades de conservação no 1º do artigo 40 da Lei nº 9605/98, a solução é a alteração do texto da lei, com a inserção dos termos omitidos. Isto porque, em que pese ser visível a intenção do legislador, no sentido de abranger todos os parques existentes no território nacional, não cabe ao jurista, em virtude do princípio da legalidade estrita, que pressupõe, também, a taxatividade do tipo penal, ampliar o conceito de parque nacional, para que se alcance os parques estaduais e municipais. 11

10 Vale repetir que a própria lei diferencia os três ecossistemas, classificando-os de acordo com o ente federativo que o cria. Neste contexto, acredita-se que os pontos aqui declinados deverão ser observados pelos operadores do direito, a fim de se preservar o princípio da legalidade estrita, já que referido princípio constitui um verdadeiro mecanismo limitador das ações do Estado e um pilar do garantismo penal. 12

11 Referências BRASIL. Congresso Nacional. Lei n de 12 de fevereiro de Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9605.htm> Acesso em: 01 novembro CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal Parte Geral. Vol. 1-14ª Ed. São Paulo: Editora Saraiva, p. DEUS, Teresa Cristina de. Tutela da flora em face do Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, p. DINO NETO, Nicolao; BELLO FILHO, Ney; DINO, Flávio. Crimes e Infrações Administrativas Ambientais. 3 ed. Belo Horizonte: Del Rey, p. FIGUEIREDO, José Guilherme Purvin de. Projeto do código florestal no senado e suas consequências. Disponível em Acesso em 30/11/2012. FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 7. ed. São Paulo: Saraiva, p. GOMES, Luiz Flávio; MACIEL, Silvio. Crimes Ambientais: comentários à Lei 9.605/98 (arts. 1º a 69-A e 77 a 82). São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, p. MARCÃO, Renato. Crimes Ambientais (Anotações e interpretação jurisprudencial da parte criminal da Lei n , de ). São Paulo: Saraiva, p. MILARÉ, Edis. Direito do Ambiente: a gestão ambiental em foco. Doutrina. Jurisprudência. Glossário. 7. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, p. 13

12 MIRABETE, Júlio Fabbrini. Manual de direito penal: parte geral. 21 ed. São Paulo: Atlas, PRADO, Luiz Regis. Direito penal do ambiente. 2 ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, p. SIRVINSKAS, Luís Paulo. Tutela penal do meio ambiente: breves considerações atinentes à Lei n , de 12 de fevereiro de ed. São Paulo: Saraiva, p. TOLEDO, Francisco de Assis. Princípios básicos de direito penal. 5 ed. São Paulo: Saraiva, p. 14

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 Hassan Souki Advogado Associado do Escritório Homero Costa Advogados. A Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, tipifica, em seu

Leia mais

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS San José, Costa Rica 11 y 12 de diciembre del 2013 Vania Tuglio Fiscal Criminal SP, Brasil GECAP Grupo Especial de Combate aos Crimes Ambientais Lei 9.605\98 Art.

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL AMBIENTAL SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação (Lei n 9.985, de 18 de julho de 2004) O Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) é o conjunto de diretrizes e procedimentos oficiais

Leia mais

2 - Como as penas são aplicadas

2 - Como as penas são aplicadas 1 de 8 10/16/aaaa 11:40 Meio Ambiente A Lei de Crimes Ambientais Nome A Lei de Crimes Ambientais Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Meio Ambiente Resenha Informações resumidas

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL DIREITO NO BRASIL CONTEXTO NACIONAL Ordenamento Jurídico; O meio ambiente na constituição federal; Política Nacional do Meio Ambiente; SISNAMA; Responsabilidades civil; Responsabilidade penal ambiental;

Leia mais

Notas Técnicas sobre a base de dados do Comando de Polícia Ambiental e o Relatório Trimestral Ambiental

Notas Técnicas sobre a base de dados do Comando de Polícia Ambiental e o Relatório Trimestral Ambiental Notas Técnicas sobre a base de dados do Comando de Polícia Ambiental e o Relatório Trimestral Ambiental A) Organização da base de dados Os dados digitados mensalmente pelas Unidades de Polícia Ambiental,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

Atualização em legislação ambiental

Atualização em legislação ambiental Atualização em legislação ambiental Lei de Crimes Ambientais Ilidia da A. G. Martins Juras Consultora Legislativa da Câmara dos Deputados Noções básicas Leis anteriores a 1998 que incluíam tipos penais

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98

Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98 Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98 29 Clara Maria Martins Jaguaribe 1 BREVE INTRODUÇÃO Antes da sistematização da responsabilidade penal em termos de meio ambiente, todos os tipos penais

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 Altera os arts. 1º, 8º e 9º da Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.901/99) Dá nova redação ao caput do artigo 32 da Lei nº 9.605, de

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS. João Batista Machado Barbosa

O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS. João Batista Machado Barbosa O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS João Batista Machado Barbosa DIREITO PENAL AMBIENTAL OBJETIVO Fazer com que a audiência compreenda os princípios e normas que constituem o Direito Penal Ambiental

Leia mais

Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais

Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais Dr. Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais 1. Leis esparsas, de difícil aplicação.

Leia mais

LEI DE CRIMES AMBIENTAIS: GUIA BÁSICO PARA O PRODUTOR RURAL

LEI DE CRIMES AMBIENTAIS: GUIA BÁSICO PARA O PRODUTOR RURAL LEI DE CRIMES AMBIENTAIS: GUIA BÁSICO PARA O PRODUTOR RURAL Antonio Carlos da Silva Zanzini 1 Jésus José de Oliveira 2 1 INTRODUÇÃO Com a promulgação da Lei de Crimes Ambientais n o 9605, que entrou em

Leia mais

Dispõe sobre a especificação das sanções aplicáveis às condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências.

Dispõe sobre a especificação das sanções aplicáveis às condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. DECRETO N o 3.179, DE 21 DE SETEMBRO DE 1999. Dispõe sobre a especificação das sanções aplicáveis às condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Lei de Crimes Ambientais Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998* Dispõe sobre as sansões penais e

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

Decreto 3179. DECRETO No 3.179, DE 21 DE SETEMBRO DE 1999.

Decreto 3179. DECRETO No 3.179, DE 21 DE SETEMBRO DE 1999. Decreto 3179 DECRETO No 3.179, DE 21 DE SETEMBRO DE 1999. Dispõe sobre a especificação das sanções aplicáveis às condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998. Mensagem de veto Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e

Leia mais

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII ANOTAÇÕES SOBRE A FAUNA Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: VI - florestas, caça,

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998

LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998 LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI DO MEIO AMBIENTE Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá

Leia mais

PARQUE NATURAL MUNICIPAL PROFESSOR JOÃO VASCONCELOS SOBRINHO MANUAL DE CONDUTA

PARQUE NATURAL MUNICIPAL PROFESSOR JOÃO VASCONCELOS SOBRINHO MANUAL DE CONDUTA PARQUE NATURAL MUNICIPAL PROFESSOR JOÃO VASCONCELOS SOBRINHO MANUAL DE CONDUTA HORÁRIO DE VISITA Todos os dias, de 6 h às 16 h Para visita às trilhas, agendar com um guia pelo telefone: (81) 3701-1549

Leia mais

CRIMES CONTRA A FLORA: ANÁLISE SUCINTA

CRIMES CONTRA A FLORA: ANÁLISE SUCINTA ESTUDO CRIMES CONTRA A FLORA: ANÁLISE SUCINTA Suely Mara Vaz Guimarães de Araújo Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 01/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA 1

NOTA TÉCNICA Nº 01/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA 1 NOTA TÉCNICA Nº 01/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA 1 Em, 16 de maio de 2012. 1. Referência Projeto de Lei Complementar n. 117/2011 que altera dispositivos da

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Lei de crimes ambientais

Lei de crimes ambientais Lei de crimes ambientais LEI N o 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998 - Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e da outras providencias.

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

LEI Nº 9605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998 LEI DE CRIMES AMBIENTAIS. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

LEI Nº 9605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998 LEI DE CRIMES AMBIENTAIS. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 9605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998 LEI DE CRIMES AMBIENTAIS. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências.

Leia mais

II - REQUISITOS LEGAIS

II - REQUISITOS LEGAIS II - REQUISITOS LEGAIS O presente capítulo visa detectar os aspectos legais que foram cumpridos e considerados no Plano de Manejo do Parque Estadual do Rio Guarani, criado pelo Decreto n 2.322 de 19 de

Leia mais

Projeto Verde - Lei 9605 98 Lei de Crimes Ambientais LEI DE CRIMES AMBIENTAIS. Lei 9.605/98. Capítulo I. Disposições Gerais

Projeto Verde - Lei 9605 98 Lei de Crimes Ambientais LEI DE CRIMES AMBIENTAIS. Lei 9.605/98. Capítulo I. Disposições Gerais Projeto Verde - Lei 9605 98 Lei de Crimes Ambientais LEI DE CRIMES AMBIENTAIS Lei 9.605/98 Capítulo I Disposições Gerais Art. 1. vetado Art. 2. Quem, de qualquer forma, concorre para a prática dos crimes

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

ASSUNTO: CRIMES AMBIENTAIS LEI 9605/98 Prof. RODRIGO VARELA

ASSUNTO: CRIMES AMBIENTAIS LEI 9605/98 Prof. RODRIGO VARELA ASSUNTO: CRIMES AMBIENTAIS LEI 9605/98 Prof. RODRIGO VARELA SUMÁRIO: 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. APLICAÇÃO DAS PENAS 3. APREENSÕES E SUA DESTINAÇÃO 4. CRIMES CONTRA FAUNA 5. CRIMES CONTRA FLORA 6. POLUIÇÃO

Leia mais

A NATUREZA JURIDICA DOS CRIMES PREVISTOS NOS ARTIGOS 40 E 48 DA LEI DE CRIMES AMBIENTAIS. Estabelece o artigo 40 da Lei 9.

A NATUREZA JURIDICA DOS CRIMES PREVISTOS NOS ARTIGOS 40 E 48 DA LEI DE CRIMES AMBIENTAIS. Estabelece o artigo 40 da Lei 9. A NATUREZA JURIDICA DOS CRIMES PREVISTOS NOS ARTIGOS 40 E 48 DA LEI DE CRIMES AMBIENTAIS ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado Estabelece o artigo 40 da Lei 9.605/1998: Art.

Leia mais

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA BRASILEIRA E OS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA BRASILEIRA E OS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL ESTRUTURA ADMINISTRATIVA BRASILEIRA E OS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL OLIVEIRA, Edivandro Araújo de. 1 Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT RESUMO O presente trabalho tem

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

II) Conceito de meio ambiente. Art. 3º, I da Lei da Política Nacional de Meio Ambiente (Lei 6.938/81).

II) Conceito de meio ambiente. Art. 3º, I da Lei da Política Nacional de Meio Ambiente (Lei 6.938/81). I) Princípios do Direito Ambiental 1.1 Princípio do Desenvolvimento Sustentável (Art. 170, CF, e Art. 41º, I, da Lei 6.938/81). 1.2 Princípio da Função-Sócio Ambiental da Propriedade (Art. 6º, da Lei 11.428/06).

Leia mais

Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas. www.aceti.com.br

Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas. www.aceti.com.br Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas A Responsabilidade Ambiental Tutela Administrativa Tutela Criminal Tutela Cível Copyright Proibida

Leia mais

Organismos de Regulação, Controle e Fiscalização Ambiental no Brasil. Profª MSc. Maria Bernadete Miranda

Organismos de Regulação, Controle e Fiscalização Ambiental no Brasil. Profª MSc. Maria Bernadete Miranda Organismos de Regulação, Controle e Fiscalização Ambiental no Brasil Apresentação e objetivos A presente aula tem por objetivo apresentar os organismos de regulação, controle e fiscalização ambiental no

Leia mais

Gestão e Legislação Ambiental

Gestão e Legislação Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA Mestrado em Recursos Hídricos H e Saneamento Disciplina: Gestão e Legislação Ambiental Professora: Selêude Wanderley da NóbregaN Legislação Ambiental

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

LEIS FEDERAIS ESPECIAIS

LEIS FEDERAIS ESPECIAIS VOL. 1 ATUALIZAÇÕES http://www.planalto.gov.br VOL. I TOMO II LEIS FEDERAIS ESPECIAIS E S TA D O D O R I O G R A N D E D O S U L PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Lei dos Crimes Ambientais Lei n. 9.605/1998

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.514, DE 22 DE JULHO DE 2008. Dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente, estabelece o processo

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011 PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011 (Do Sr. Neri Geller) Susta os efeitos dos dispositivos que cita do Decreto 6.514, de 22 de julho de 2008, o qual dispõe sobre as infrações e sanções administrativas

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Legislação Ambiental. Carlos Marcelo Pedroso http://www.eletrica.ufpr.br/pedroso

Legislação Ambiental. Carlos Marcelo Pedroso http://www.eletrica.ufpr.br/pedroso Legislação Ambiental Carlos Marcelo Pedroso http://www.eletrica.ufpr.br/pedroso Introdução Agenda Porque devemos ter uma lei ambiental? Alguns casos famosos Terminologia Básica Constituição Brasileira

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO 13 Congresso Brasileiro de Direito Ambiental Mesa Redonda IX DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO Presidente: Damásio de Jesus Relator Geral: Eladio Lecey

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

ALGUNS ASPECTOS SOBRE A FAUNA SILVESTRE NA LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS

ALGUNS ASPECTOS SOBRE A FAUNA SILVESTRE NA LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS ALGUNS ASPECTOS SOBRE A FAUNA SILVESTRE NA LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS 1. Introdução: ANELISE GREHS STIFELMAN Promotora de Justiça Titular da Promotoria de Justiça Especializada da Comarca de Viamão - RS

Leia mais

como ato ilícito e gera

como ato ilícito e gera Responsabili AMELIAA YOSHIKO HANAI BORTOLI: Engenheira Ambiental (PUC/PR). Advogada (UNICURITIBA). Especialista em Direito Socioambiental (PUCPR). Especialista E emm Processo Civil (PUCPR). Mestre em Gestão

Leia mais

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - "Minas Gerais" - 18/02/2005)

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - Minas Gerais - 18/02/2005) Page 1 of 10 Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005 Disciplina o cadastramento das unidades de conservação da natureza e outras áreas protegidas, bem como a divulgação periódica das informações

Leia mais

1. Específica: cometimento de infração ambiental da mesma natureza. 2. Genérica: cometimento de infração ambiental de natureza diversa.

1. Específica: cometimento de infração ambiental da mesma natureza. 2. Genérica: cometimento de infração ambiental de natureza diversa. SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO SMA N. 37, DE 09.12.2005 REVOGADA PELA RESOLUÇÃO SMA N. 32, DE 11.05.2010 O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, considerando os procedimentos de controle e fiscalização

Leia mais

LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS

LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS ! " LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS LEI Nº 9.605, DE 12 FEVEREIRO DE 1998 (*) Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências.

Leia mais

A LEI DA NATUREZA INOVAÇÕES DA LEI

A LEI DA NATUREZA INOVAÇÕES DA LEI A LEI DA NATUREZA Antes INOVAÇÕES DA LEI Depois Leis esparsas, de difícil aplicação A legislação ambiental é consolidada; As penas têm uniformização e gradação adequadas e as infrações são claramente definidas.

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade Série Legislação ICMBio Volume 2 Proteção em Unidades de Conservação Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 Decreto nº 6.514, de 22 de julho de

Leia mais

RESPONSABILIDADES DOS AGENTES NA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RESPONSABILIDADES DOS AGENTES NA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RESPONSABILIDADES DOS AGENTES NA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Antonio Fernando Pinheiro Pedro Pinheiro Pedro Advogados OBRIGAÇÕES LEGAIS As empresas de construção civil estão sujeitas a elaboração

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL Diego Antonio Saugo (FAHOR) ds001521@fahor.com.br Luis Fernando Poletto (FAHOR) lp001004@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) polacinskiedio@fahor.com.br

Leia mais

III. CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 E MEIO AMBIENTE

III. CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 E MEIO AMBIENTE III. CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 E MEIO AMBIENTE Seguindo tendências mundiais e fortemente influenciada pelas ideias apresentadas em Estocolmo-72, a Constituição Federal Brasileira de 1988 incluiu em

Leia mais

OFICINA 4: Lavra ilegal e apreensão de bens minerais

OFICINA 4: Lavra ilegal e apreensão de bens minerais OFICINA 4: Lavra ilegal e apreensão de bens minerais Salvador-BA, 9 de junho de 2010 Frederico Munia Machado Procurador Federal Coordenador de Assuntos Minerários da PF/DNPM Consideração iniciais Constituição

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

RESSOCIALIZAR PARA EDUCAR - NO EXERCÍCIO DE CIDADANIA E COMPROMETIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL

RESSOCIALIZAR PARA EDUCAR - NO EXERCÍCIO DE CIDADANIA E COMPROMETIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL RESSOCIALIZAR PARA EDUCAR - NO EXERCÍCIO DE CIDADANIA E COMPROMETIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL EVOLUÇÃO HISTÓRICA Depois da 2ª Guerra Mundial, com o aceleramento desordenado da produção agrícola e principalmente

Leia mais

PARTE ESPECIAL CRIMES EM ESPÉCIE. IV Dos crimes contra o patrimônio urbano e o patrimônio cultural;

PARTE ESPECIAL CRIMES EM ESPÉCIE. IV Dos crimes contra o patrimônio urbano e o patrimônio cultural; Prof: Silvio Maciel PARTE ESPECIAL CRIMES EM ESPÉCIE A parte especial da LA é dividida em cinco seções: I Dos crimes contra a fauna; II Dos crimes contra flora; III Da Poluição e outros crimes ambientais;

Leia mais

NORMA PENAL EM BRANCO

NORMA PENAL EM BRANCO NORMA PENAL EM BRANCO DIREITO PENAL 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. MACAPÁ 2011 1 NORMAS PENAIS EM BRANCO 1. Conceito. Leis penais completas são as que

Leia mais

O CONTÉUDO DO CAPÍTULO XI DA CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAZONAS CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAZONAS... CAPÍTULO XI DO MEIO AMBIENTE

O CONTÉUDO DO CAPÍTULO XI DA CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAZONAS CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAZONAS... CAPÍTULO XI DO MEIO AMBIENTE O CONTÉUDO DO CAPÍTULO XI DA CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAZONAS. CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAZONAS... CAPÍTULO XI DO MEIO AMBIENTE MEIO AMBIENTE Art. 229. Todos têm direito ao meio ambiente equilibrado,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VI DO MEIO AMBIENTE Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do

Leia mais

LEIS AMBIENTAIS PARA O PRODUTOR RURAL

LEIS AMBIENTAIS PARA O PRODUTOR RURAL LEIS AMBIENTAIS PARA O PRODUTOR RURAL FERNANDO DEL BON ESPÍRITO SANTO 1 TAÍS SANTOS SEBE 1 ANDRÉ FERREIRA DOS SANTOS 1 RÊMULO RICARDO 1 JOSÉ LUIZ P. REZENDE 2 1 Introdução As leis ambientais foram instituídas,

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Arnaldo Jordy) Altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, que dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio

Leia mais

A COEXISTÊNCIA DA PROPRIEDADE PRIVADA NA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

A COEXISTÊNCIA DA PROPRIEDADE PRIVADA NA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. A COEXISTÊNCIA DA PROPRIEDADE PRIVADA NA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Vanylton Bezerra dos Santos 1 As áreas protegidas detêm uma contribuição vital em relação à conservação dos recursos naturais

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

DICAS DE DIREITO AMBIENTAL PREPARAÇÃO PARA CONCURSOS PÚBLICOS E EXAME DA OAB

DICAS DE DIREITO AMBIENTAL PREPARAÇÃO PARA CONCURSOS PÚBLICOS E EXAME DA OAB DICAS DE DIREITO AMBIENTAL Elaborado pelo Prof. FREDERICO AMADO (www.fredericoamado.com.br) 01. Meio ambiente é o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica,

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

LICENCIAMENTO: ASPECTOS CRIMINAIS

LICENCIAMENTO: ASPECTOS CRIMINAIS LICENCIAMENTO: ASPECTOS CRIMINAIS ABRAMPA II Congresso Nordestino de Direito Ambiental, Salvador, 13/02/2014 Eladio Lecey Escola Brasileira de Direito e Política Ambiental Instituto O Direito por um Planeta

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART 225 - Todos tem o direito a um meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial a sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder

Leia mais

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente LEI Nº 4366 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E DE MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM-ES. A Câmara Municipal de Cachoeiro de

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. RESPONSABILDADE CIVIL DO DANO AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO Evolução da sociedade: séc. XX (novas tecnologias x modelo de vida); Inércia do Estado: auto-tutela;

Leia mais

OS ESPAÇOS ESPECIALMENTE PROTEGIDOS NA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE

OS ESPAÇOS ESPECIALMENTE PROTEGIDOS NA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE OS ESPAÇOS ESPECIALMENTE PROTEGIDOS NA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE ELADIO LECEY SUMÁRIO: 1 Espaços especialmente protegidos e unidades de conservação: distinção ou confusão?1.1 Espaços especialmente

Leia mais