O PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA NO DIREITO AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA NO DIREITO AMBIENTAL"

Transcrição

1 O PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA NO DIREITO AMBIENTAL Jordana de Oliveira Dorta* RESUMO: A constituição Federal em seu artigo 225 dispõe que é um direito de todos um meio ambiente ecologicamente equilibrado, visando uma vida saudável. Entretanto, como se pode observar, atualmente está cada vez mais difícil manter um ambiente tranqüilo, eis que a degradação ambiental vem se tornando constante. Neste sentido, será analisada a Lei de Crimes ambientais, que visa punir os que praticam atos lesivos ao ecossistema, gerando uma instabilidade no desenvolvimento sustentável. Ver-se-á que a referida Lei, prevê diversas sanções a fim de reparar, ou então prevenir ato lesivo ao bem juridicamente tutelado. Outrossim, o presente artigo almeja apresentar breves considerações acerca do Direito Penal Ambiental nacional, passando por um breve histórico do surgimento deste instituto. Será analisada a aplicabilidade do princípio da insignificância dentro do direito ambiental vigente, a partir da Lei de n /98. Palavras chave:. direito ambiental, princípio da insignificância, crimes ambientais. ABSTRACT: The article 225 of Brazilian Federal Constitution states that everyone has the right to a balanced environment, oriented by the aim of common welfare. However, as noticeable, it is becoming harder to achieve the alluded purpose, due to the increasing and constant environmental degradation. Therefore, it will be analyzed the Law of Environmental Crimes, which pursuits the punishment of those who practice harmful acts against ecosystem, engendering instability of the sustainable development. It will be evidenced that the mentioned law prescribes several penalties, in order to repair or even prevent a noxious act over protected legal interest. Furthermore, the current study craves the offering of succinct remarks about the Brazilian environmental criminal legislation, mentioning concise historic notes. It will be examined the applicability of the principle of insignificance to the current environmental law, according to the Law 9.605/98. Key words:. environmental law; principle of insignificance; environmental crimes. * Especialista em Ministério Público Estado Democrático de Direito pela Fundação Escola do Ministério Público do Estado do Paraná FEMPAR Londrina 1

2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 DESENVOLVIMENTO. 2.1 PROTEÇÃO CONSTITUCIONAL AO MEIO AMBIENTE. 2.2 O DIREITO PENAL AMBIENTAL. 2.3 O PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. 2.4 O PRINÍCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA NO DIREITO PENAL AMBIENTAL CONSEQUÊNCIAS DA APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA INSIGNIFIÂNCIA NO DIREITO PROCESSUAL PENAL. 3. CONCLUSÃO. BIBLIOGRAFIA. 1. INTRODUÇÃO O artigo será elaborado utilizando-se a pesquisa bibliográfica e documental, analisando-se o princípio da insignificância e sua aplicação no direito ambiental, segundo a legislação, doutrina e a jurisprudência. Visa considerar o princípio da insignificância no âmbito do direito ambiental, sendo que para tanto, serão analisadas doutrinas e jurisprudências atuais sobre o respectivo tema. Com a constante evolução, bem como o aumento caótico de complexos industriais e, uma gradação quanto aos seus efeitos nocivos bastantes variáveis, podendo atingir tão-só o meio local, o regional ou até comprometer o equilíbrio biológico do próprio planeta, é chegada à era ambiental. O referido tema encontra-se ligado ao Direito Penal e ao Direito Constitucional, repercutindo ainda, no processo penal. O direito ambiental, por estar em fase de desenvolvimento, necessita de adaptações e análises de cada caso concreto, buscando soluções para as agressões ao meio ambiente, tipificando as condutas humanas relevantes ao contexto. O presente estudo aborda ainda a viabilidade de se excluir a tipicidade nas infrações ambientais, que sendo mínimas, independentemente da situação econômica do agente ou da vítima, conduzem a concluir que em nenhum momento atingem o bem jurídico tutelado. 2. DESENVOLVIMENTO 2.1 PROTEÇÃO CONSTITUCIONAL AO MEIO AMBIENTE Primeiramente, deve-se atentar ao início do direito ambiental. No Brasil, com a revolução industrial, na Europa, e depois da segunda guerra mundial, houve um acúmulo de pessoas nas cidades, gerando grande preocupação em relação ao meio ambiente. Dessa forma, a sociedade passou a ter o pensamento de abandono dentro do contexto ambiental. Guiado pela idéia de desenvolvimento a qualquer custo, sem perceber que o maior 2

3 atingido pela má utilização dos recursos naturais seria ele próprio e as futuras gerações, fez-se necessária à criação de normas que tutelassem o bem ambiental e disciplinassem a relação do homem com a natureza. Diante este contexto, houve a necessidade de cada vez mais colocar limites à ação humana, freando dessa forma, a devastação do ambiente em escala planetária. A princípio, o direito ambiental era tutelado apenas no âmbito internacional, tendo como marco inicial a Declaração das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, no ano de 1972, firmado em Estocolmo, na Suécia. Nesse sentido, Fernando Magalhães Modé, apud Vânya Spagolla 1 A preocupação com a proteção do meio ambiente, seja tomada por motivações nacionais ou internacionais, atingiu maturidade com a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, realizada em Estocolmo, Suécia, no ano de A partir dessa Conferência das Nações Unidas emergiram tratados e convenções internacionais sobre o meio ambiente, bem como surgiu em âmbito nacional uma série de providências institucionais e legislativas que, nos últimos 30 anos, buscou tratar de forma sistematizada o tema. Em síntese, essa Declaração alega que o homem possui como direito fundamental a condição de uma vida satisfatória, ou seja, um ambiente adequado a se viver com dignidade. Outrossim, além dos direitos, informa que o ser humano tem por dever salvaguardar o ambiente em que vive. No ano de 1985, firmou-se a Convenção de Viena para a Proteção da Camada de Ozônio, visando a diminuição da emissão do gás clorofluorcarboneto (principal substancia causadora do buraco na camada que filtra os raios ultravioletas a incidirem sobre a superfície terrestre), seguida pelo Protocolo de Montreal sobre substâncias que destroem a camada de Ozônio em Em 1992, realizou no Brasil a Conferencia das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, conhecida como Rio/92. Essa Conferência firmou como primordial proteção o meio ambiental. Em 1997, realizou-se o 2º Congresso Internacional de Direto Ambiental, com a intenção de avaliar os resultados concretos da ECO-92, firmada cinco anos antes. 1 SPAGOLLA, Vânya Senegalia Morete. Marília, folhas. Tributação Ambiental: Proposta para Instituição de um Imposto Ambiental no Direito Brasileiro (tese defendida para obtenção de título de Mestre) Universadidade de Marília. 3

4 De modo recente, a Cúpula Mundial sobre o Desenvolvimento Sustentável, conhecida por Rio+10, reuniu-se na cidade de Johannesburgo, na África do Sul, no ano de 2002, para dar seguimento às discussões iniciadas trinta anos antes com a Declaração das Nações Unidas sobre Meio Ambiente Humano. Teve como objetivo primordial, encontrar medidas diligente para contribuir com a implementação do desenvolvimento sustentável, proteção da biodiversidade, e ainda, diminuição das conseqüências do efeito estufa 2. Falando-se do plano interno, tem-se que a proteção jurídica ambiental teve seu marco histórico através das ordenações do Reino, período este do descobrimento do Brasil. As primeiras normas dirigidas à tutela ambiental estiveram presente, inicialmente, na legislação portuguesa e espanhola que permaneceram vigente no país. Passados anos e com eles novas convenções, com a vinda da família real para o Brasil, intensificou-se a proteção ao meio ambiente na medida em que havia promessas de recompensas aos escravos, caso estes delatassem o contrabando, bem como o corte ilegal de árvores. Com o Código Civil de 1916, a Constituição Federal ganhou força pra criar mais legislação visando à proteção ambiental. Dessa forma, as constituições de 1934, 1937, 1946, 1967 e ainda a de 1969 outorgaram a proteção específica às belezas naturais, dentre outras. Em se tratando de normas infraconstitucionais, tem-se como exemplo o Código Florestal, sendo este a Lei 4771/65, o Código Das Águas, Código de Pesca e o Código de Mineração. Contudo, o Direito Ambiental teve sua grande importância com a entrada no ordenamento jurídico da Lei da Política Nacional do Meio Ambiente, Lei nº 6.938, de 31 de agosto de Segundo dispõe a referida Lei, estabeleceu-se padrões de qualidades a serem respeitados pelo homem, alertando que em caso de não se respeitar o meio ambiente, serão responsabilizados pelos prejuízos. A Lei nº 6.938/81, no inciso I, do seu artigo 3º, definiu o meio ambiente, como o conjunto de condições, leis, influências, alterações e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas 3. 2 SIRVINSKAS, Luis Paulo. Manual de Direito Ambiental. 2 ed. Saraiva: São Paulo, 2003, p SILVA, José Afonso. Direito Ambiental Constitucional. 6 ed. São Paulo: Malheiros 4

5 Pode-se ainda, ser definido como complexo de princípios e normas coercitivas reguladoras das atividades humanas que, direta ou indiretamente, possam afetar a sanidade do ambiente em sua dimensão global, visando à sua sustentabilidade para as presentes e futuras gerações 4. Ou ainda, um conjunto de normas e institutos jurídicos pertencentes a vários ramos do Direito reunidos por sua função instrumental para a disciplina do comportamento humano em relação ao seu meio ambiente. 5 A Lei 7343/85, lei esta que disciplinou ação civil pública, tornou-se um instrumento importante na medida em que colocou à disposição do homem o poder de exigir do poluidor a reparação específica e ainda, pecuniária dos danos ambientais causados. Igualmente, garantiu o direito em evitar que situações futuras venham acontecer. José Afonso da Silva nesse contexto afirma que As Constituições Brasileiras anteriores à de 1988 não traziam nada especificamente sobre a proteção do meio ambiente natural. A Constituição de 1988 foi, portanto, a primeira a tratar deliberadamente da questão ambiental. Pode-se dizer que ela é uma Constituição eminentemente ambientalista. Assumiu o tratamento da matéria em termos amplos e modernos. Traz um capítulo da ordem social. Mas a questão permeia todo o seu texto, correlacionada com os temas fundamentais da ordem constitucional 6. Ainda, Edis Milaré Nesta visão crítica, o traço mais marcante da nossa legislação ambiental é o seu perfil assistemático, gravíssimo pecado para um sistema normativo que, pela sua abrangência e caráter transdisciplinar (interno e externo), não se mantém de pé sem um mínimo de organicidade e sistematicidade. No emaranhado de normas existentes, difícil mesmo é encontrar matérias nas quais não existam conflitos normativos, em que os dispositivos, nos vários níveis legislativos, falem a mesma língua. Nada mais proveitoso para o degradador ambiental do que a existência de normas que se antagonizam, com isso deixando o terreno livre para o exercício de atividades altamente lesivas ao meio ambiente 7. Dessa forma, surge o interesse em codificar as normas ambientais, ou seja, reunir todas disposições legais sobre o mesmo assunto. Diante todo o contexto, há de se notar que as leis ambientais são esparsas e criadas em vários momentos. 4 MILARÉ. Edis. Direito do ambiente: doutrina, prática, jurisprudência, glossário. 2. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, MUKAI, Toshio. Direito ambiental sistematizado. Rio de Janeiro: Forense Universitária, SILVA, José Afonso da. Direito Ambiental. 2 ed. São Paulo: Malheiros, 1998, p MILARÉ, Edis. Direito do Ambiente a gestão ambiental em foco. 5 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007, p

6 Em suma, fundamentado na Constituição Federal em seu artigo 225, o direito ambiental promove a segurança de que todos os cidadãos sejam da presente ou da futura geração tenham um ambiente equilibrado: Art. 225 CF Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. Prevê, ainda neste mesmo artigo, que o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado traduz-se em um direito fundamental, uma vez que atua como essencial à qualidade de vida da população, o qual deve ser defendido e preservado pelo poder público e pela coletividade no sentido mais amplo de cooperação que a expressão pode alcançar. Trata-se, pois de direito difuso 8 - todo aquele que protege interesses que vão além dos individuais e atingem um número indeterminado ou indeterminável de indivíduos. Tais interesses tocam os indivíduos sem, necessariamente, exigir que os mesmos pertençam a grupos ou categoria determinada. Dessa forma, espalhado pela sociedade, do qual todos são titulares, enquadram-se como direito de terceira dimensão ou geração, ou seja, são os direitos que transcedem o ser humano a fim de se atingir outros grupos da sociedade. É neste contexto que surge a Lei Ambiental. Antigamente, esta Lei preocupava-se com a criação de normas jurídicas dispersas reguladoras das infrações penais contra o meio ambiente, fato que foi suprimido, com o surgimento da Lei 9.605/98, chamada de Lei Penal Ambiental. A Nova lei Ambiental (Lei n 9.605/98) tipificou como crime diversas condutas anteriormente tidas como ilícitos administrativos ou civis ou ainda, as que não eram objetivos de regulamento, assim, adequou as sanções penais à realidade, tendo por base a proporcionalidade, a significância e o resultado dos delitos. A Lei nº 9.605/98 sistematizou normas de Direito Ambiental, proporcionando o conhecimento pela sociedade, além de aprimorar o instrumento de execução pelos órgãos encarregados da defesa do meio ambiente. Ainda, a referida Lei fixou pressupostos para as responsabilidades das pessoas jurídicas, sendo que as condutas e atividades lesivas o ambiente têm tripla conseqüência 8 LEIGOS, Juristas. Direito Ambiental. Disponível em: <http://www.buscalegis.ufsc.br/revistas/index.php/buscalegis/article/viewfile/32493/31706>. Acesso em 28 de dezembro de

7 jurídica na mencionada Lei, ou seja, pode haver sanção na esfera administrativa, civil e penal, de forma alternativa ou cumulativamente. 2.2 O DIREITO PENAL AMBIENTAL Diante todo o exposto no capítulo anterior, surge o direito penal ambiental, na medida em que existindo a necessidade e a relevância do delito, deve-se aplicar sanções aos agentes, a fim de se punir e evitar novos acontecimentos. A intervenção do Direito Penal na área ambiental é autorizada por uma norma constitucional, prevista na Constituição de 1988, na medida em que, o artigo 225, em seu parágrafo 3º 9 assegura o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado e a sadia qualidade de vida, procurando em várias oportunidades fazer com que se possa assegurar a efetividade desses direitos: Art. 225, 3º: As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados. Ainda, no que se refere a este dispositivo, tem-se que o mesmo traz o que chamamos de Mandamento expresso de Criminalização, no que se fazer referência a ao meio ambiente. O mencionado mandamento destaca, de maneira expressa, a necessidade da intervenção penal para a proteção ambiental. Além disso, sobre o mencionado mandamento, pode-se afirmar que são um instrumento da Constituição para oferecer proteção adequada e suficiente a alguns direitos fundamentais, diante de lesões ou ameaças vindas de agentes estatais ou de particulares 10. Eles indicam sobre quais matérias o legislador deixa de ter a faculdade de legislar, passando a ter como primórdio a obrigação de tratar do assunto, protegendo os bens jurídicos indispensáveis ao meio ambiente e à sociedade. Nota-se que o mandado e criminalização dá ordens, a quais, vinculam o legislador a legislar sobre a proteção de um bem jurídico-penal. Assim, o legislador ordinário terá a competência para estabelecer as normas dessa proteção, tendo por base, um instrumento normativo adequado. 9 ANGHER, Anne Joyce. Vade Mecum Acadêmico de Direito. 8. ed., São Paulo: Rideel, 2009, p REIS, Adriana Tenório Antunes. Mandados de criminalização e princípio da codificação. Disponível em <http://jus.uol.com.br/revista/texto/14937/mandados-de-criminalizacao-e-principio-da-codificacao> Acesso em 26 de janeiro de

8 O mandado constitucional não define a conduta incriminada, nem lhe estabelece sanção, define apenas, e de forma nem sempre específica, a conduta por incriminar. Esse mandamento expresso faz com que a previsão penal perca seu caráter de subsidiariedade passando a ser obrigatória, ou seja, o que chama-se de questões de conveniência e oportunidade, não podem ser alegadas para justificar a omissão em dar cumprimento à Lei Maior. A exemplo do mandamento expresso na Constituição Federal de 1988 tem-se no artigo 5º, os seguintes: (1) racismo no inciso XLII; (2) tortura, tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, terrorismo e crimes hediondos no inciso XLIII; e (3) ação de grupos armados, civis ou militares contra a ordem constitucional e o Estado Democrático no inciso XLIV. No art. 7º, inciso X, está presente a retenção dolosa do salário dos trabalhadores. No art. 227, 4º, há o abuso, a violência e a exploração sexual de criança ou adolescente. E, por fim, no art. 225, temos as condutas lesivas ao meio ambiente. A gravidade e dimensão do problema ecológico, que coloca em risco a própria sobrevivência da humanidade, confrontado com o reconhecimento do direito ao meio ambiente sadio e equilibrado, enquanto direito fundamental do homem, exigiram a proteção desses valores na esfera penal. Por suas repercussões em tais direitos fundamentais explicitamente garantidos pela Constituição, de forma implícita, temos como princípio penal o da mínima intervenção do Direito Penal. No entanto, a aplicação do direito penal ambiental não pode se dar de maneira abusiva. Mesmo sendo utilizado na proteção penal ambiental, não pode o Direito Penal Ambiental deixar sua característica de ultima ratio, ou seja, deve-se recorrer ao direito penal ambiental somente depois de esgotados os outros meios disponíveis para a solução do caso concreto. O atual Direito Penal considera relevante a exigência da clareza na tipificação das condutas puníveis, como indispensável da segurança jurídica, definindo o tipo penal como uma descrição concreta, objetiva e neutra das condutas proibidas. A Lei nº. 9605/98, que regulamenta os Crimes Ambientais assinala possibilidades de aplicação de sanções tanto para pessoas físicas quanto para pessoas jurídicas, podendo estas ser de direito público ou privado, mostrando que as sociedades civilizadas estão se valendo das normas jurídicas de proteção ao meio ambiente, em especial as penais. 8

9 Em se tratando das sanções penais, nota-se que o artigo 21 da Lei 9065/98 faz referencia à pena de multa, restritivas de direitos e prestação de serviços á comunidade, podendo ser aplicada alternativamente ou cumulativamente. Ainda, o artigo 22 da mesma lei dispõe penas restritivas de direito aplicáveis as pessoas jurídicas, sendo suspensão parcial ou total de atividades, interdição temporária de estabelecimento, obra ou atividade proibição de contratar com o Poder Publico, bem como dele obter subsídios, subvenções e doações. A suspensão de atividade será aplicada quando estas não estiverem obedecendo às disposições legais ou regulamentares, relativas à proteção do meio ambiente. Em se tratando de pena de multa, tem-se que esta não possui um critério certo, embora a Lei estabeleça que sua fixação deverá observar as condições econômicas do infrator (artigo 6º) e calculada de conformidade com o estipulado no Código Penal, podendo ser aumentada em até três vezes. Pode-se dizer que o bem jurídico tutelado pela norma penal ambiental é o equilíbrio dos ecossistemas, buscando atingir a manutenção adequada da saúde pública e da dignidade da pessoa humana. Como já exposto anteriormente, a tutela penal só será usada nos casos em que as condutas provoquem ou possam provocar danos a bens jurídicos relevantes quando se constitui a única forma de impedir que o mesmo ocorra. 2.3 O PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA Derivado do latim principium que quer dizer origem, os princípios são a base do ordenamento jurídico e verdadeiros norteadores dos legisladores, dos aplicadores do direito no exercício da profissão e até mesmo das pessoas que se relacionam com o meio ambiente, seja explorando-o economicamente ou apenas usufruindo de seus bens naturais para o lazer. Assim, para que o Direito Ambiental tenha aplicabilidade e efetividade, é de suma importância que, além da ciência das leis e das demais legislações ambientais, sejam do senso comum seus princípios fundamentais, pois são estes as normas de valor genérico que orientarão sua compreensão, aplicação e integração ao sistema jurídico como um todo, estando tais princípios positivados ou não. 9

10 O Direito Ambiental está amparado por princípios próprios, específicos e interligados entre si, devido à relevância e à magnitude de seu objeto de proteção: o meio ambiente. Muito embora existam vários princípios de Direito Ambiental, optou-se por mencionar, neste trabalho, aquele que de maneira interligada ao direito penal, relaciona-se ao tema proposto: O Princípio da Insignificância no Direito Ambiental. Tratando-se do âmbito do direito penal, há de se observar que a finalidade deste instituto é proteger os bens jurídicos importantes, a fim de se atingir uma harmonia na sociedade. Entretanto, para que essa finalidade seja atingida, o legislador analisa o conjunto de fatos com os valores, ou seja, deve-se observar as condutas dos agentes, com a possibilidade de lesar os bens ou valores protegidos. No ordenamento jurídico pátrio é impossível que o legislador consiga prever todos os tipos penais que devam ficar sob sua tutela. Sendo assim, surgem casos em que o direito penal para verificar a tipicidade da conduta, deverá se ater em verificar se o fato praticado além de estar adequado à conduta descrita na legislação, causou também a lesividade ao bem jurídico. Quanto ao seu surgimento propriamente dito, há duas teorias que relatam a sua origem, sendo elas: a que acredita que o seu nascimento se deu no direito romano, a partir do brocardo mininus non curat praeto, e a outra afirma que surgiu na Europa durante a primeira Guerra Mundial diante da situação desesperadora da população que, sem alternativas, praticava pequenos furtos. Neste contexto, surge no Direito Penal o princípio da insignificância 11 - aquele que permite infirmar a tipicidade de fatos que, por sua inexpressividade, constituem ações de bagatela, desprovidas de reprovabilidade, de modo a não merecerem valoração da norma penal, exsurgindo, pois, como irrelevantes - que, uma vez aplicado, afasta a tipicidade material e, conseqüentemente, a tipicidade penal, tornando dessa forma, a conduta atípica em face de sua irrelevância. Sobre o referido princípio, Edílson Mougenot Bonfim e Fernando Capez afirmam que: 11 LOPES, Maurício Antonio Ribeiro. Princípio da Insignificância no Direito Penal. 2ª Edição revista, atualizada e ampliada. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2000, p

11 Na verdade, o princípio da bagatela ou da insignificância (...) não tem previsão legal no direito brasileiro (...) sendo considerado, contudo, princípio auxiliar de determinação da tipicidade, sob a ótica da objetividade jurídica. Funda-se no brocardo civil minis non curat praetor e na conveniência da política criminal. Se a finalidade do tipo penal é tutelar um bem jurídico quando a lesão, de tão insignificante, torna-se imperceptível, não será possível proceder ao seu enquadramento típico, por absoluta falta de correspondência entre o fato narrado na lei e o comportamento iníquo realizado. É que, no tipo, somente estão descritos os comportamentos capazes de ofender o interesse tutelado pela norma. Por essa razão, os danos de nenhuma monta devem ser considerados atípicos. A tipicidade penal está a reclamar ofensa de certa gravidade exercida sobre os bens jurídicos, pois nem sempre ofensa a um bem ou interesse juridicamente protegido é capaz de se incluir no requerimento reclamado pela tipicidade penal, o qual exige ofensa de alguma magnitude a esse mesmo bem jurídico 12. (grifo nosso). O Direito Penal não deve estender seu alcance, aplicando a mais grave das sanções, diante um fato que pode ser tutelado por maneira menos onerosa. Esse âmbito jurisdicional deve ser preservado a tutelar casos em que os demais ramos do direito são insuficientes para se atingir a pacificação. Ou seja, não há motivos para se aplicar o meio mais gravoso, quando se tem a possibilidade de se utilizar outros meios mais brandos. Assim, cada vez mais se acentua o caráter subsidiário do Direito Penal, reservado para as violações mais graves, consagrando, assim, seu aspecto de ultima ratio. Nesse sentido, segue decisão: PROCESSUAL PENAL. RECURSO ESPECIAL. FURTO SIMPLES. RECEBIMENTO DA DENÚNCIA. POSTERIOR REJEIÇÃO. ART. 43, I E III, DO CPP. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. MANUTENÇÃO DA REJEIÇÃO. PRESCRIÇÃO VIRTUAL. IMPOSSIBILIDADE. DEVIDO PROCESSO LEGAL. INSTRUMENTALIDADE. AMPLA DEFESA E CONTRADITÓRIO. LEGITIMAÇÃO DA PENA. RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO. 1. A extinção da punibilidade pela prescrição regula-se, antes de transitar em julgado a sentença, pelo máximo da pena prevista para o crime (CP, art. 109) ou, depois do trânsito em julgado para a acusação, pela pena efetivamente aplicada (CP, art. 110), conforme expressa previsão legal. Portanto, não existe norma legal que autorize a extinção da punibilidade pela prescrição em perspectiva. 2. O devido processo legal, ainda que instrumento do ius puniendi, é garantia constitucional do acusado de observância dos princípios da dignidade da pessoa humana, da nãoculpabilidade e da liberdade, uma vez que, ainda que advenha decisão condenatória, será justa, pois assegurado o direito de amplamente se defender. Legitima, portanto, a aplicação da pena pelo Estado. 3. O devido processo legal não pode servir como óbice à aplicação dos princípios que norteiam o direito penal, ultima ratio, que deve se ocupar do combate aos comportamentos humanos indesejáveis que gerem relevante lesão ou perigo de lesão ao bem jurídico tutelado. 12 BONFIM, Edílson Mougenot. Capez, Fernando. Direito Penal Parte Geral. São Paulo: Editora Saraiva, 2004, p

12 4. O princípio da insignificância, característica do princípio da intervenção mínima, tem incidência na tipicidade material do delito que, quando ausente a lesão ao bem jurídico tutelado, impõe a própria atipicidade da conduta. 5. A aplicação do princípio da insignificância, por importar em atipicidade, não impõe, obrigatoriamente, a instrução processual, podendo ser declarada, com o fim de absolvição, em qualquer fase do processo. 6. A tentativa de subtrair 1 bicicleta avaliada em R$ 80,00 (oitenta reais), embora se amolde à definição jurídica do crime de furto tentado, não ultrapassa o exame da tipicidade material, mostrando-se desproporcional a imposição de pena privativa de liberdade, uma vez que a ofensividade da conduta se mostrou mínima; não houve nenhuma periculosidade social da ação; a reprovabilidade do comportamento foi de grau reduzidíssimo e a lesão ao bem jurídico se revelou inexpressiva. 7. Recurso parcialmente provido para afastar a extinção da punibilidade e restaurar os fundamentos da decisão monocrática. (REsp /RS, Rel. Ministro ARNALDO ESTEVES LIMA, QUINTA TURMA, julgado em 18/02/2010, DJe 15/03/2010) (grifo nosso). Ou seja, leva em conta a tolerância da sociedade com relação à determinada conduta de pouca gravidade, estando regulada pelo desvalor do resultado. O princípio da insignificância encontra-se ligado aos princípios da ofensividade que informa que se não houver lesão não há crime. Para haver lesividade há necessidade de haver um sujeito ativo, o autor do crime, e de outro o sujeito passivo, a vítima, que sofreu algum abalo em seu patrimônio jurídico. Segundo este princípio não há como se punir os comportamentos de cunho imoral ou pecaminoso, mas apenas aqueles que causam lesão ao bem jurídico alheio... Este princípio mantém relação com o princípio da insignificância, no sentido de que, ainda que típica a atitude, ela não tem o condão de causar uma lesão relevante ao patrimônio jurídico do sujeito passivo, a vítima, por isso será considerado um crime de bagatela ou uma insignificância 13 ; 1 ao princípio da fragmentariedade, o qual "se concentra o direito penal não sobre um todo de uma dada realidade, mas sobre fragmentos dessa realidade de que cuida, é dizer, sobre interesses jurídicos relevantes cuja proteção penal seja absolutamente indispensável". E por conseguinte esta fragmentariedade traz em seu âmago imperfeições de ordem legislativa bem como de ordem técnica. Para corrigir estas imperfeições uma das ferramentas de a que se socorrem os operadores do direito é o princípio da insignificância, segundo Queiroz, "é para obviar os excessos da imperfeição da técnica legislativa, que acaba, na prática, por permitir incida o direito penal sobre condutas socialmente insignificantes, que se impõe a aplicação desse princípio 14 ; ao princípio da intervenção mínima 13 WILLEMANN, Zeli José. O Princípio da Insignificância no Direito Ambiental. Disponível em <http://jus.uol.com.br/revista/texto/6753/o-principio-da-insignificancia-no-direito-ambiental> Acesso em 27 de dezembro de Idem. 12

13 "estabelece que o direito penal só deve atuar na defesa dos bens jurídicos relevantes para os indivíduos e para a sociedade, bens imprescindíveis à convivência pacífica dos homens e que não podem ser protegidos de outra forma." Além da relevância do bem jurídico, o direito penal deve considerar a gravidade do fato, Muñoz, referido por Batista, alega que o "direito penal só deve intervir nos casos de ataques muito graves aos bens jurídicos mais importantes, e as perturbações mais leves da ordem jurídica são objeto dos outros ramos do direito." Por sua vez o princípio da insignificância vai verificar se estes bens jurídicos são realmente relevantes para os indivíduos e para a sociedade e se, portanto, carecem da proteção estatal 15 ; e por fim, ao da proporcionalidade é o justo equilíbrio que deve haver entre o resultado do delito e a pena; entre a gravidade do fato ilícito praticado e a pena cominada; é a relação entre a magnitude da lesão ao bem jurídico e a medida de segurança a ser aplicada. E o princípio da insignificância está intimamente ligado ao princípio da proporcionalidade, pois, como sugere Rebelo o fundamento do princípio da insignificância está, também na idéia de proporcionalidade que a pena deve guardar em relação à gravidade do crime nos casos de ínfima afetação ao bem jurídico o conteúdo do injusto é tão pequeno que não subsiste nenhuma razão para o pathos ético da pena de sorte que a mínima pena aplicada seria desproporcional à significação social do fato 16. Tem-se que os citados princípios auxiliam na interpretação da lei penal incriminadora, delimitando seu alcance àquelas condutas que realmente afetem de modo relevante o bem juridicamente protegido. Seguindo este entendimento, o Supremo Tribunal Federal entende que: 15 Idem. 16 Idem. E M E N T A: PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA - IDENTIFICAÇÃO DOS VETORES CUJA PRESENÇA LEGITIMA O RECONHECIMENTO DESSE POSTULADO DE POLÍTICA CRIMINAL - CONSEQÜENTE DESCARACTERIZAÇÃO DA TIPICIDADE PENAL EM SEU ASPECTO MATERIAL - DELITO DE FURTO - CONDENAÇÃO IMPOSTA A JOVEM DESEMPREGADO, COM APENAS 19 ANOS DE IDADE - "RES FURTIVA" NO VALOR DE R$ 25,00 (EQUIVALENTE A 9,61% DO SALÁRIO MÍNIMO ATUALMENTE EM VIGOR) - DOUTRINA - CONSIDERAÇÕES EM TORNO DA JURISPRUDÊNCIA DO STF - PEDIDO DEFERIDO. O PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA QUALIFICA-SE COMO FATOR DE DESCARACTERIZAÇÃO MATERIAL DA TIPICIDADE PENAL. - O princípio da insignificância - que deve ser analisado em conexão com os postulados da fragmentariedade e da intervenção mínima do Estado em matéria penal - tem o sentido de excluir ou de afastar a própria tipicidade penal, examinada na perspectiva de seu caráter material. Doutrina. Tal postulado - que considera necessária, na aferição do relevo material da tipicidade penal, a presença de certos vetores, tais como (a) a mínima ofensividade da conduta do agente, (b) a nenhuma periculosidade social da ação, (c) o reduzidíssimo grau de reprovabilidade do comportamento e (d) a 13

14 inexpressividade da lesão jurídica provocada - apoiou-se, em seu processo de formulação teórica, no reconhecimento de que o caráter subsidiário do sistema penal reclama e impõe, em função dos próprios objetivos por ele visados, a intervenção mínima do Poder Público. O POSTULADO DA INSIGNIFICÂNCIA E A FUNÇÃO DO DIREITO PENAL: "DE MINIMIS, NON CURAT PRAETOR". - O sistema jurídico há de considerar a relevantíssima circunstância de que a privação da liberdade e a restrição de direitos do indivíduo somente se justificam quando estritamente necessárias à própria proteção das pessoas, da sociedade e de outros bens jurídicos que lhes sejam essenciais, notadamente naqueles casos em que os valores penalmente tutelados se exponham a dano, efetivo ou potencial, impregnado de significativa lesividade. O direito penal não se deve ocupar de condutas que produzam resultado, cujo desvalor - por não importar em lesão significativa a bens jurídicos relevantes - não represente, por isso mesmo, prejuízo importante, seja ao titular do bem jurídico tutelado, seja à integridade da própria ordem social. (HC 84412, Relator(a): Min. CELSO DE MELLO, Segunda Turma, julgado em 19/10/2004, DJ PP EMENT VOL PP RT v. 94, n. 834, 2005, p RTJ VOL PP-00963) Sendo assim, tem-se que o legislador deve se atentar às condutas que produzam resultados relevantes ou que efetivamente prejudique o bem jurídico tutelado pela norma, ao invés de acumular ações insignificantes. 2.4 O PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA NO DIREITO PENAL AMBIEMTAL A respeito da aplicação do princípio da insignificância no direito penal ambiental, tem-se que a intervenção mínima justifica a aplicação da insignificância, posto que o direito penal só deve atuar na defesa de bens jurídicos imprescindíveis à coexistência pacífica dos homens e que não podem ser eficazmente protegidos de forma menos gravosa. Nesse sentido, a legislação penal só intervirá quando for extremamente necessária para a sobrevivência da comunidade. A Lei dos Crimes Ambientais determina em seu artigo 79, de forma expressa, a aplicação subsidiária do Código Penal e do Código de Processo Penal art 79: Aplicam-se subsidiariamente a esta Lei as disposições do Código Penal e do Código de Processo Penal 17. A subsidiariedade informa que o direito penal responde de forma secundária, ou seja, passa a substituir os demais ramos do direito. No caso ambiental, responde quando o direito administrativo e o direito civil não se apresentem satisfatórios resultados. Neste contexto, Maurício Macêdo dos Santos e Viviane Amaral Sêga, citando Muñoz Conde a intervenção do direito penal só ocorre quando fracassam as demais formas de tutela do bem jurídico predispostas pelos demais ramos do direito ANGHER, Anne Joyce. Op. cit., p

15 Assim, há de se notar que a deriva da idéia de que sua sanção deve ser aplicada em casos extremos, devendo ser ministrado apenas quando nenhum outro se mostrar suficiente para resolver o conflito. Ainda, a fragmentariedade penal informa que nem todos os atos e omissões eticamente considerados reprováveis serão objeto do direito penal (direito penal ambiental), apenas os mais relevantes, os mais graves; os demais podem até sofrer alguma sanção de natureza administrativa ou civil. (grifo nosso) Nesse sentido HABEAS CORPUS. PENAL. CRIME AMBIENTAL. ART. 34 DA LEI 9.605/98. TRANCAMENTO DA AÇÃO PENAL. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. INCIDÊNCIA. AUSÊNCIA DE TIPICIDADE MATERIAL. TEORIA CONSTITUCIONALISTA DO DELITO. INEXPRESSIVA LESÃO AO BEM JURÍDICO TUTELADO. ORDEM CONCEDIDA. 1. O princípio da insignificância surge como instrumento de interpretação restritiva do tipo penal que, de acordo com a dogmática moderna, não deve ser considerado apenas em seu aspecto formal, de subsunção do fato à norma, mas, primordialmente, em seu conteúdo material, de cunho valorativo, no sentido da sua efetiva lesividade ao bem jurídico tutelado pela norma penal, consagrando os postulados da fragmentariedade e da intervenção mínima. 2. Indiscutível a sua relevância, na medida em que exclui da incidência da norma penal aquelas condutas cujo desvalor da ação e/ou do resultado (dependendo do tipo de injusto a ser considerado) impliquem uma ínfima afetação ao bem jurídico. 3. A conduta dos pacientes, embora se subsuma à definição jurídica do crime ambiental e se amolde à tipicidade subjetiva, uma vez que presente o dolo, não ultrapassa a análise da tipicidade material, mostrando-se desproporcional a imposição de pena privativa de liberdade, uma vez que a ofensividade da conduta se mostrou mínima; não houve nenhuma periculosidade social da ação; a reprovabilidade do comportamento foi de grau reduzidíssimo e a lesão ao bem jurídico se revelou inexpressiva. 4. Ordem concedida para determinar a extinção da ação penal instaurada contra os pacientes. Em conseqüência, torno sem efeito o termo de proposta e aceitação da suspensão condicional do processo, homologado pelo Juízo da 5ª Vara Criminal da Comarca de Londrina/PR. (HC /PR, Rel. Ministro ARNALDO ESTEVES LIMA, QUINTA TURMA, julgado em 28/05/2008, DJe 04/08/2008) A segurança jurídica quanto à aplicação do princípio da insignificância decorre da observação criteriosa de alguns princípios do direito penal e do direito ambiental. Ainda, há de se observar que fica proibida a aplicação subsidiária aqui tratada quando houver a possibilidade de resultar em prejuízo à situação do transgressor, tendo em vista a proibição da analogia in malam partem (é aquela onde se adota lei prejudicial ao réu). 18 SANTOS, Maurício Macedo dos. e SÊGA, Viviane Amaral. Sobrevivência do princípio da insignificância diante das disposições da Lei 9099/95. Disponível em: <http://jus.uol.com.br/revista/texto/950/sobrevivenciado-principio-da-insignificancia-diante-das-disposicoes-da-lei > Acesso em 26 de janeiro de

16 O Estado responde apenas às lesões importantes, pois nem todos os bens jurídicos se colocam sob a proteção do direito penal. Se o direito penal não dá a proteção a todos os bens jurídicos, há a necessidade da intervenção estatal. É importante evidenciar-se que o princípio da insignificância, não obstante ausente da lei brasileira, tem sua aplicação assegurada por analogia ou por interpretação iterativa, até mesmo por ser um fato da vida, desde que não seja contrário à lei. Dessa forma, Francisco de Assis Toledo (...) segundo o princípio da insignificância, que se revela por inteiro pela sua própria denominação, o direito penal, por sua natureza fragmentária, só vai até onde seja necessário para a proteção do bem jurídico. Não deve ocupar-se de bagatelas 19. O art. 6º da Lei nº 9.605/98 indica a forma de aplicação da sanção penal, in verbis: Art. 6: Para imposição e gradação da penalidade, a autoridade competente observará: I - a gravidade do fato, tendo em vista os motivos da infração e suas conseqüências para a saúde pública e para o meio ambiente; II (...); III (...) ; (grifo nosso) Sendo assim, não havendo gravidade não há necessidade de ser considerado o fato como crime, embora possa ser aplicada uma sanção administrativa ou civil. Neste caso, há a possibilidade da aplicação do princípio da insignificância, aliado ao princípio da proporcionalidade insculpido no art do Código Penal e seus desdobramentos: adequação, necessidade e proporcionalidade estrito senso: Art O juiz, atendendo à culpabilidade, aos antecedentes, à conduta social, à personalidade do agente, aos motivos, às circunstâncias e conseqüências do crime, bem como ao comportamento da vítima, estabelecerá, conforme seja necessário e suficiente para reprovação e prevenção do crime. Confira-se o julgado abaixo HABEAS CORPUS. AÇÃO PENAL. CRIME AMBIENTAL. ART. 34 DA LEI N /98. AUSÊNCIA DE DANO AO MEIO AMBIENTE. CONDUTA DE MÍNIMA OFENSIVIDADE PARA O DIREITO PENAL. ATIPICIDADE MATERIAL. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. APLICAÇÃO. TRANCAMENTO. ORDEM CONCEDIDA. 1. Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, o princípio da insignificância tem 19 NOGUEIRA, Caroline Vilela de Faria Alves. A aplicabilidade do princípio da insignificância nos crimes de roubo. Disponível em <http://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=1151> Acesso em 29 de dezembro de ANGHER, Anne Joyce. Op. cit., p

17 como vetores a mínima ofensividade da conduta do agente, a nenhuma periculosidade social da ação, o reduzido grau de reprovabilidade do comportamento e a inexpressividade da lesão jurídica provocada. 2. Hipótese em que, com os acusados do crime de pesca em local interditado pelo órgão competente, não foi apreendido qualquer espécie de pescado, não havendo notícia de dano provocado ao meio-ambiente, mostrandose desproporcional a imposição de sanção penal no caso, pois o resultado jurídico, ou seja, a lesão produzida, mostra-se absolutamente irrelevante. 3. Embora a conduta dos pacientes se amolde à tipicidade formal e subjetiva, ausente no caso a tipicidade material, que consiste na relevância penal da conduta e do resultado típicos em face da significância da lesão produzida no bem jurídico tutelado pelo Estado. 4. Ordem concedida para, aplicando-se o princípio da insignificância, trancar a Ação Penal n , movida em desfavor dos pacientes perante a Vara Federal Ambiental de Florianópolis/SC. (HC /SC, Rel. Ministro JORGE MUSSI, QUINTA TURMA, julgado em 25/05/2010, DJe 14/06/2010). (grifo nosso) Zeli José Willemann 21, apud, Costa Neto adverte que ao se fazer o juízo de tipicidade deve-se levar em consideração o princípio da insignificância juntamente com o princípio da adequação social, na perspectiva da intervenção mínima do direito penal, alertando que a formação do juízo de tipicidade não pode prescindir hodiernamente da observância de dois importantes princípios, os quais sejam: o princípio da adequação social e o princípio da insignificância. Pelo primeiro, impõem-se aferir se a conduta tipificada configura ou não um comportamento socialmente permitido, considerando-se como parâmetro os padrões médios de ética e moralidade vigentes na sociedade. Quanto ao segundo, sob a perspectiva de um Direito Penal de intervenção mínima, recomenda-se verificar se o fato penalmente tipificado não constitui uma bagatela, em face da diminuta repercussão da conduta sobre o bem jurídico protegido. Ainda, citando Abreu 22, diz que só em casos excepcionais deve-se aplicar o princípio da insignificância, sugerindo que o reconhecimento do princípio da insignificância deverá ser reservado para as hipóteses excepcionais, principalmente pelo fato de que as penas previstas na Lei nº 9.605/98 são leves e admitem transação ou suspensão do processo (Lei nº 9.099/95, arts. 76 e 89). Dessa forma, pode-se concluir que o princípio em análise será utilizado apenas nos casos em que não há mais solução, eis que a própria legislação ambiental dispõe outras formas mais brandas para se punir um infrator, tais como a transação ou a suspensão do processo. 21 WILLEMANN, Zeli José. Op. cit. 22 Idem. 17

18 Assim, se alguém ou alguma empresa comete uma infração prevista nos crimes ambientais, havendo a possibilidade de aplicação das formas mais brandas, estas deverão ser utilizadas com o intuito de não deixar sem punição àqueles que cometem um ato ilícito Conseqüências da aplicação do princípio da insignificância no direito processual penal Para analisar a aplicação do princípio da insignificância no direito processual penal, deve-se primeiramente ter em mente que para haver crime é imprescindível a existência de tipicidade e antijuridicidade. Por tipicidade entende-se que é a descrição de uma conduta previamente considerada proibida, estabelecendo-se uma sanção para quem infringir, enquanto que a antijuridicidade pode ser definida como a contrariedade da conduta face ao ordenamento jurídico. A antijuridicidade limita-se a observar a existência da anterioridade da norma em relação à conduta do indivíduo. Assim, haverá crime quando o comportamento humano é, expressamente, descrito, e amolda-se ao tipo penal, o que incide sobre a proteção do princípio geral de direito, nullum crimen sine lege, ou seja, não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal (artigo 1º do Código Penal). Neste contexto, o princípio da insignificância tem como finalidade a interpretação restritiva do tipo penal, atendo-se à regra constitucional do artigo 1º do Código Penal, que nada mais faz do que revelar a natureza subsidiária e fragmentária do direito penal. Da análise do anteriormente exposto, tem-se que a incidência da insignificância exclui a tipicidade, mas só pode ser estabelecida mediante consideração da norma, ou, seja, o fato torna-se irrelevante, a partir do momento em que ao ser analisado o resultado, a conduta e a culpabilidade, verifica-se a desnecessidade da aplicação da sanção. O Direito Penal, com já dito, não se ocupa com todos comportamentos antijurídicos que decorrem das relações, mas, apenas daqueles que mais causam lesividade aos bens jurídicos tutelados. Com o reconhecimento da atipicidade do ato, são excluídos todos os efeitos processuais decorrentes da ação penal. Para alguns autores, o postulado atuaria como causa de exclusão da imputação objetiva do resultado, enquanto que, para outros, hipótese de exclusão do injusto típico. 18

19 Assim, pode-se concluir que a aplicação do princípio da insignificância é uma forma excludente da tipicidade impedindo a configuração do Injusto Penal e conseqüentemente a absolvição do infrator face ao fato de que não constituiu o fato infração penal, conforme dispõe artigo 386, III do Código de Processo Penal. 3. CONCLUSÃO Com a realização do artigo e após análise de doutrinas e jurisprudência, pode-se concluir que o princípio da insignificância ou delito de bagatela decorre da existência de um dano mínimo, que não impõe um prejuízo importante a outrem, não exigindo a inclemência do direito penal. Ainda, traz para o direito penal uma maneira de atenuar as conseqüências de se tipificar, por um fato que, devido à pouca lesividade ou ofensividade ao bem jurídico protegido, torna-se irrelevante. O princípio da insignificância na legislação ambiental, em especial, a Lei de Crimes Ambientais (Lei n 9.605/98) não evidencia a possibilidade de sua aplicação. Considerando o art. 6º em seu inciso I, ou seja, a gravidade do fato e suas conseqüências, se não há gravidade não há necessidade de ser considerado crime, ainda que possa ser aplicada uma sanção administrativa ou civil, passa a ser caso em que há a possibilidade da aplicação do princípio da insignificância. Constata-se que o princípio referido anteriormente merece aplicação na esfera do Direito Penal Ambiental devido o caráter subsidiário do direito penal. Entretanto, nota-se que a aplicação do mencionado princípio deve ser feita de maneira diversa daquela utilizada no âmbito penal, uma vez que neste, a preocupação maior repousa no desvalor imediato do dano, da ação e da culpabilidade. Deve-se ter em mente que nas questões referente ao meio ambiente não deve prevalecer, tão-só, uma preocupação imediata, mas sim as repercussões que possam ocorrer daquela ação. Ou seja, para que uma ação humana seja considerada típica, esta deve se ajustar formalmente a um tipo legal de delito previsto na legislação pertinente, e ainda, ser materialmente lesivo aos bens jurídicos tutelados. A aplicação do princípio da insignificância do direito ambiental, mais especificamente nos crimes ambientais, é sim possível e justa. Porém, por se tratar de um 19

20 assunto que envolve uma questão importantíssima e que interessa a toda a sociedade, a aplicação do princípio em estudo nos crime ambientais deve sofrer limitações. Somente pode ser adotado como exceção e em determinados casos, cabendo sempre ao intérprete analisar o caso concreto e constatar se houve dano ambiental, se o mesmo é de natureza grave, se tem reflexos no equilíbrio ambiental e capacidade de ser revertido. Concluiu-se então que o princípio da insignificância, auxiliado pela Lei de Crimes ambientais, e ainda, pelo princípio da intervenção mínima, almeja, pois, desafogar a máquina judiciária, onde processos sem o menor potencial jurídico de importância ocupam tempo e despesas processuais, de outros que, por comoverem bem mais a sociedade, deveriam andar mais celeremente. BIBLIOGRAFIA ADEDE y CASTRO, João Marcos. Crimes Ambientais: comentários à Lei n9.605/98. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris. Ed., ANGHER, Anne Joyce. Vade Mecum Acadêmico de Direito. 8. ed., São Paulo: Rideel, BONFIM, Edílson Mougenot. Capez, Fernando. Direito Penal Parte Geral. São Paulo: Editora Saraiva, FREITAS, Vladimir Passos e Giberto Passos. Crimes contra a natureza de acordo com a Lei 9.605/98. 7 ed., revista atualizada e ampliada. São Paulo: LEIGOS, Juristas. Direito Ambiental. Disponível em: <http://www.buscalegis.ufsc.br/revistas/index.php/buscalegis/article/viewfile/32493/31706>. Acesso em 28 de dezembro de LOPES, Maurício Antonio Ribeiro. Princípio da Insignificância no Direito Penal. 2ª Edição revista, atualizada e ampliada. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, MILARÉ. Edis. Direito do ambiente: doutrina, prática, jurisprudência, glossário. 2. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, MILARÉ, Edis. Direito do Ambiente a gestão ambiental em foco. 5 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, MUKAI, Toshio. Direito ambiental sistematizado. Rio de Janeiro: Forense Universitária,

Responsabilidade penal ambiental. A importância da reparação do dano ambiental

Responsabilidade penal ambiental. A importância da reparação do dano ambiental Responsabilidade penal ambiental A importância da reparação do dano ambiental Ideal: Meio ambiente sadio, preservado e equilibrado ecologicamente Realidade: Busca de solução jurídica diante de uma situação

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 221.913 - SP (2011/0248241-5) RELATOR IMPETRANTE ADVOGADO IMPETRADO PACIENTE : MINISTRO OG FERNANDES : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO : RICARDO LOBO DA LUZ - DEFENSOR PÚBLICO

Leia mais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais Capítulo II Princípios penais e político-criminais Sumário 1. Princípio da legalidade penal: 1.1. Previsão; 1.2. Origem; 1.3. Denominação e alcance; 1.4. Funções 2. Princípio da fragmentariedade 3. Princípio

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA Eladio Lecey Diretor-Presidente, Escola Nacional da Magistratura - AMB Diretor, Escola Brasileira de Direito

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO 13 Congresso Brasileiro de Direito Ambiental Mesa Redonda IX DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO Presidente: Damásio de Jesus Relator Geral: Eladio Lecey

Leia mais

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO Professor Márcio Widal 1. Introdução. A perseguição do crime pelo Estado não pode ser ilimitada no tempo, por força, inclusive, da garantia da presunção de inocência. Além disso, o Estado deve

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá.

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. Em sede do julgamento do habeas corpus n. 97.256/RS, o Supremo Tribunal

Leia mais

Conforme julgados em anexo, a venda de cigarros oriundos do Paraguai configura o crime do art. 334 1º, c do CP, de competência da Justiça Federal:

Conforme julgados em anexo, a venda de cigarros oriundos do Paraguai configura o crime do art. 334 1º, c do CP, de competência da Justiça Federal: Conforme julgados em anexo, a venda de cigarros oriundos do Paraguai configura o crime do art. 334 1º, c do CP, de competência da Justiça Federal: APELAÇÃO. ARTIGO 334 DO CÓDIGO PENAL. CONTRABANDO. CIGARROS

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL E O DIREITO AMBIENTAL. Rachel Lopes Queiroz Chacur

DA RESPONSABILIDADE CIVIL E O DIREITO AMBIENTAL. Rachel Lopes Queiroz Chacur 81 DA RESPONSABILIDADE CIVIL E O DIREITO AMBIENTAL Rachel Lopes Queiroz Chacur Docente da Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. RESUMO Toda e qualquer ação humana resulta em um impacto no meio ambiente,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990.

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990. A NOVA DISCIPLINA DA PROGRESSÃO DE REGIME TRAZIDA PELA LEI Nº 11.464/07. MAURICIO MAGNUS FERREIRA JUIZ DE DIREITO DO TJ/RJ No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

Sérgio Seabra DA FRONTEIRA ENTRE O CONCEITO DE BEM DE PEQUENO VALOR E DE BEM DE VALOR INSIGNIFICANTE, PARA APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA BAGATELA.

Sérgio Seabra DA FRONTEIRA ENTRE O CONCEITO DE BEM DE PEQUENO VALOR E DE BEM DE VALOR INSIGNIFICANTE, PARA APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA BAGATELA. Sérgio Seabra Defensor Público do Estado do Pará. Pós-graduando em Direito Penal e Processual Penal. DA FRONTEIRA ENTRE O CONCEITO DE BEM DE PEQUENO VALOR E DE BEM DE VALOR INSIGNIFICANTE, PARA APLICAÇÃO

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

A RESPONSABILIDADE AMBIENTAL E O PRINCÍPIO DO POLUIDOR PAGADOR

A RESPONSABILIDADE AMBIENTAL E O PRINCÍPIO DO POLUIDOR PAGADOR A RESPONSABILIDADE AMBIENTAL E O PRINCÍPIO DO POLUIDOR PAGADOR COSTA, Vanessa Aparecida 1 BRAATZ, Danielle Bimbati de Moura 2 RESUMO: os reflexos nocivos da atividade humana, que é realidade visível, é

Leia mais

Tendo em vista o artigo da Promotora de Justiça no Estado do Paraná, Dra. Suzane Maria Carvalho do Prado, disponibilizado por esse CAO-Crim, e as decisões proferidas pela Turma Recursal (Acórdão 71001890557)

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO.

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO. EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO. HABEAS CORPUS, COM PEDIDO DE LIMINAR PROCESSO Nº CONTROLE Nº - VARA CRIMINAL DA COMARCA DE, brasileiro, casado, membro

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 21.628 - SP (2007/0158779-3) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : AGOSTINHO FERRAMENTA DA SILVA JÚNIOR ADVOGADO : JULIANA FERRAMENTA DA SILVA RECORRIDO : TRIBUNAL DE

Leia mais

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: LEI DOS CRIMES HEDIONDOS Dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal, e determina outras

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ATRASO OU NÃO ENTREGA DE MATERIAL PERMANENTE

PROCEDIMENTOS PARA ATRASO OU NÃO ENTREGA DE MATERIAL PERMANENTE PROCEDIMENTOS PARA ATRASO OU NÃO ENTREGA DE MATERIAL PERMANENTE 1 - O servidor encarregado pelo recebimento deverá solicitar ao servidor lotado no Setor de Patrimônio de cada Unidade, que entre em contato

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004]

O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004] O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004] Salo de Carvalho Advogado e Professor da PUC/RS Após a tramitação dos Processos de Execução Penal

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes)

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) Dispõe sobre o conceito de trabalho análogo ao de escravo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Para fins desta Lei, a expressão "condição análoga à

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA QUESTIONAMENTO: Solicito pesquisa acerca do enquadramento típico de indivíduo que fora abordado pela Brigada Militar, conduzindo veículo embriagado (306 dp CTB) e com a CNH vencida, sendo que foi reprovado

Leia mais

DANO AMBIENTAL: SEM LEI NÃO HÁ DANO? Fúlvia Leticia Perego Silva 1, Munir Jorge Felício 2

DANO AMBIENTAL: SEM LEI NÃO HÁ DANO? Fúlvia Leticia Perego Silva 1, Munir Jorge Felício 2 86 DANO AMBIENTAL: SEM LEI NÃO HÁ DANO? Fúlvia Leticia Perego Silva 1, Munir Jorge Felício 2 1 Integrante do Núcleo de Estudos Ambientais e Geoprocessamento NEAGEO do Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 Hassan Souki Advogado Associado do Escritório Homero Costa Advogados. A Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, tipifica, em seu

Leia mais

Liberdade Provisória

Liberdade Provisória Liberdade Provisória CF, art. 5º, inciso LXVI: ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança; Natureza jurídica: trata-se de uma contracautela

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz da Vara Criminal de Medianeira/PR

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz da Vara Criminal de Medianeira/PR Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz da Vara Criminal de Medianeira/PR PONTE, por seu defensor que esta subscreve, vem, respeitosamente, perante Vossa Excelência, requerer a concessão de LIBERDADE PROVISÓRIA

Leia mais

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS COMO É HOJE VERSÃO DO PL ANTERIOR SUBSTITUTIVO APRESENTADO em 22 de setembro de 2015 Art. 141 - As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço, se qualquer dos crimes

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.901/99) Dá nova redação ao caput do artigo 32 da Lei nº 9.605, de

Leia mais

O PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA x A IMPUNIDADE DO AGENTE: LIMITES EXISTENTES ENTRE O CRIME DE BAGATELA E O DELITO DE PEQUENO VALOR

O PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA x A IMPUNIDADE DO AGENTE: LIMITES EXISTENTES ENTRE O CRIME DE BAGATELA E O DELITO DE PEQUENO VALOR O PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA x A IMPUNIDADE DO AGENTE: LIMITES EXISTENTES ENTRE O CRIME DE BAGATELA E O DELITO DE PEQUENO VALOR Michelle Felipe Camarinha de Almeida 1 Fernanda Dorini Fonseca 2 RESUMO:

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL GOMES, Alessandro. alefot@bol.com.br Resumo: O texto que se segue parte de uma rápida passagem

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Jerusa, atrasada para importante compromisso profissional, dirige seu carro bastante preocupada, mas respeitando os limites de velocidade. Em uma via de mão dupla,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 8ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE BELO HORIZONTE APELAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 8ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE BELO HORIZONTE APELAÇÃO EXMO.SR(a).DR(a). JUIZ(a) DE DIREITO DA 2 ª SECRETARIA CRIMINAL DO JUIZADO ESPECIAL DE BELO HORIZONTE -MG Réu: Autor: Ministério Público Processo n. APELAÇÃO O Ministério Público do Estado de Minas Gerais,

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

ASPECTOS CONTROVERSOS DA DELAÇÃO PREMIADA

ASPECTOS CONTROVERSOS DA DELAÇÃO PREMIADA SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.2, n.2, 77-84, nov. 2010 ISSN 2177-823X 77 www.fapam.edu.br/revista ASPECTOS CONTROVERSOS DA DELAÇÃO PREMIADA Sérgio Dayrell Ribeiro 1 Resumo Este artigo

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de Renata, mediante

Leia mais

Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção

Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção Em 19 de março de 2015, foi publicado o Decreto Federal nº 8.420, de 18 de março de 2015 ( Decreto ), que regulamenta a Lei Federal nº 12.846, de 1º

Leia mais

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES Perguntas/Respostas alunos Módulo 2 Seguem abaixo as respostas aos questionamentos elaborados pelos alunos. Bons estudos! PERGUNTA 1 Aluna: Talita Késsia Andrade

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS PROVA SIMULADA OAB - DIREITO PENAL PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS Peça - MEMORIAIS, com fundamento no art. 403, 3o, do Código de Processo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 197.783 - SP (2011/0034092-9) RELATORA : MINISTRA MARILZA MAYNARD (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/SE) IMPETRANTE : FABIANA JULIA OLIVEIRA RESENDE - DEFENSORA PÚBLICA IMPETRADO : TRIBUNAL

Leia mais

A PRESCRIÇÃO SOB A ÉGIDE DA NOVA LEI DE FALÊNCIAS

A PRESCRIÇÃO SOB A ÉGIDE DA NOVA LEI DE FALÊNCIAS A PRESCRIÇÃO SOB A ÉGIDE DA NOVA LEI DE FALÊNCIAS Com a entrada em vigor, em maio de 2005, da nova lei que regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência das empresas (Lei 11.101 de 09.02.2005),

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Mariza Giacomin Lozer Patrício Advogada (FESV).

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br (Artigos) considerações sobre a responsabilidade "penal" da pessoa jurídica Dóris Rachel da Silva Julião * Introdução É induvidoso que em se tratando da criminalidade econômica e

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

A DROGA ILÍCITA COMO OBJETO DOS CRIMES DE FURTO E DE ROUBO

A DROGA ILÍCITA COMO OBJETO DOS CRIMES DE FURTO E DE ROUBO 1 A DROGA ILÍCITA COMO OBJETO DOS CRIMES DE FURTO E DE ROUBO SANTOS, T. M. Resumo: No decorrer deste trabalho, buscou-se trazer ao leitor a problemática envolvendo os crimes praticados tendo como objeto

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA C O N T E Ú D O : N O Ç Õ E S D E D I R E I T O : I N T R O D U Ç Ã O A O E S T U D O D O D I R E I T O A M B I E N T A L C A R A C T E R Í S T I C A S D A L E G I S L

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL (D-11) Área: Ciências Sociais Período: Segundo Turno: matutino/noturno Ano: 2013-1 Carga Horária: 72 H; Créd.: 04

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.453.802 - SP (2014/0109774-1) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ AGRAVANTE : ROSEMEIRE CARFARO AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO EMENTA AGRAVO REGIMENTAL.

Leia mais

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe:

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe: 3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA 3.1 QUESTÕES PONTUAIS SOBRE EXECUÇÃO PENAL ÉRIKA DE LAET GOULART MATOSINHO Oficial do Ministério Público do Estado de Minas Gerais Bacharel em Direito 1. Escolha do acórdão

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br As Medidas de Segurança (Inconstitucionais?) e o dever de amparar do Estado Eduardo Baqueiro Rios* Antes mais nada são necessárias breves considerações acerca de pena e das medidas

Leia mais

Lei Anticorrupção: principais aspectos e como se preparar para este novo cenário

Lei Anticorrupção: principais aspectos e como se preparar para este novo cenário Lei Anticorrupção: principais aspectos e como se preparar para este novo cenário Marcelo Leonardo Cristiano Helena Marques de Souza Fernandes Como um dos resultados do compromisso assumido pelo Brasil

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.469.071 - GO (2014/0177520-3) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ROGERIO SCHIETTI CRUZ : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS : AGOSTINHO BADARÓ NETO : CLEBER FEITOSA

Leia mais

Processo nº : 2014021035535 : Goianápolis-GO : Danilo Rodrigues Iglesias e Maricelma Freitas de Moraes. Douto Subprocurador-Geral de Justiça,

Processo nº : 2014021035535 : Goianápolis-GO : Danilo Rodrigues Iglesias e Maricelma Freitas de Moraes. Douto Subprocurador-Geral de Justiça, Processo nº : 2014021035535 Comarca : Goianápolis-GO Indiciados : Danilo Rodrigues Iglesias e Maricelma Freitas de Moraes Infração : Art. 184, 2, do CPB Assunto : Artigo 28 do CPP EMENTA: Art. 28 do CPP.

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 FEBRABAN Arthur Lemos Jr Promotor de Justiça Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos Compliance A LEI PROVOCA

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

unanimidade, denegar a ordem. Os Srs. Ministros Arnaldo Esteves Lima, Felix Fischer e Gilson Dipp votaram com a Sra. Ministra Relatora.

unanimidade, denegar a ordem. Os Srs. Ministros Arnaldo Esteves Lima, Felix Fischer e Gilson Dipp votaram com a Sra. Ministra Relatora. Súmula Vinculante nº. 14: É direito do defensor, no interesse do representado, ter acesso amplo aos elementos de prova que, já documentados em procedimento investigatório realizado por órgão com competência

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br 1 Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br PROCESSO Nº 2008.85.00.001172-4 CLASSE: 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: MARIA DE LOURDES VIEIRA LIMA IMPETRADO:

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO ROBERVAL CASEMIRO BELINATI Desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Membro da 2ª Turma Criminal Professor

Leia mais

REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Aline Barandas 1 RESUMO: A atual Constituição Federal brasileira prega valores sociais,

Leia mais

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas.

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA IMPEACHMENT Fernando França Caron Especialista em Direito Constitucional pela Faculdade Damásio de Jesus Docente do Curso de Direito da UNILAGO RESUMO A Constituição Federal de

Leia mais

MATERIAL DE APOIO MONITORIA

MATERIAL DE APOIO MONITORIA INTENSIVO I DE TRABALHO SEMANAL Disciplina: ECA Prof. Guilherme Bassi Data: 23.02.2010 Aula nº. 02 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Artigos Correlatos 1.1Limitações ao trabalho do menor frente ao

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

EXECUÇÕES ESPECÍFICAS

EXECUÇÕES ESPECÍFICAS EXECUÇÕES ESPECÍFICAS Prof. Ms. Bernardo Ribeiro Câmara Advogado e sócio do Escritório Freire, Câmara & Ribeiro de Oliveira Advogados; Mestre em Direito Processual Civil pela PUC/MG Especialista em Direito

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS BARBOSA, Lenires Terezinha de Oliveira Toledo1 JARDIM, Edeveraldo Alessandro da Silva2 NASCIMENTO, Rogerio3 SILVA, Cristiane

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Acesso aos Tribunais Superiores. Habeas Corpus. Thiago Bottino. Conferência Nacional dos Advogados

Acesso aos Tribunais Superiores. Habeas Corpus. Thiago Bottino. Conferência Nacional dos Advogados Acesso aos Tribunais Superiores Habeas Corpus Thiago Bottino Conferência Nacional dos Advogados Rio de Janeiro, 21 de outubro de 2014 problema pesquisa propostas 2 problema 3 HC 109.956, 1ª Turma, STF

Leia mais

Dermeval Farias Gomes Filho Promotor de Justiça do MPDFT; Membro Auxiliar do CNMP; Professor de Direito Penal da Fundação Escola Superior do MPDFT.

Dermeval Farias Gomes Filho Promotor de Justiça do MPDFT; Membro Auxiliar do CNMP; Professor de Direito Penal da Fundação Escola Superior do MPDFT. Breves considerações sobre a proposta do novo Código Penal- Projeto de Lei do Senado n. 236 de 2012: o tratamento dos crimes de peculato, corrupção e enriquecimento ilícito. Dermeval Farias Gomes Filho

Leia mais

APELAÇÃO CRIMINAL 2005.38.03.003936-9 MINAS GERAIS RELATÓRIO

APELAÇÃO CRIMINAL 2005.38.03.003936-9 MINAS GERAIS RELATÓRIO APELAÇÃO CRIMINAL 2005.38.03.003936-9 MINAS GERAIS RELATÓRIO O EXMO. SR. DESEMBARGADOR FEDERAL CÂNDIDO RIBEIRO: O Ministério Público Federal ofereceu denúncia contra Marcelo Henrique Belonsi, imputando-lhe

Leia mais

CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS. César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo

CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS. César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo A figura do crime continuado surgiu na antigüidade por razões humanitárias, a fim de que fosse evitada

Leia mais

PARECER. LEI GERAL DA COPA (Lei nº 12.663/2012) E PL 728/2011

PARECER. LEI GERAL DA COPA (Lei nº 12.663/2012) E PL 728/2011 PARECER LEI GERAL DA COPA (Lei nº 12.663/2012) E PL 728/2011 ANÁLISE DA PARTE CRIMINAL Adriana Filizzola D Urso Advogada criminalista, graduada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP,

Leia mais

O FURTO FAMÉLICO NUM PAÍS DE MILHÕES DE MISERÁVEIS

O FURTO FAMÉLICO NUM PAÍS DE MILHÕES DE MISERÁVEIS O FURTO FAMÉLICO NUM PAÍS DE MILHÕES DE MISERÁVEIS RESUMO: O presente estudo tem por finalidade uma abordagem contextual sobre o furto famélico no ordenamento jurídico, com enfoque social sobre o tema

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA FRENTE AOS DIREITOS HUMANOS

PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA FRENTE AOS DIREITOS HUMANOS PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA FRENTE AOS DIREITOS HUMANOS MARINA PAULA ZAMPIERI BRAIANI 1 MAYARA MARIA COLAÇO TROMBETA 2 RAFAELA TREVISAN AVANÇO 3 Institución: Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de

Leia mais

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMENTÁRIOS DA PROVA Questões da prova de Oficial de Justiça PJ-H/2014 Questão 48 (art. 325) Questão 47 (art. 312 parágrafo segundo) QUESTÃO 48 - GABARITO: D QUESTÃO 47 - GABARITO: C CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO

Leia mais