1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição setembro/2015. b. Contabilização agosto/15

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição setembro/2015. b. Contabilização agosto/15"

Transcrição

1 O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de setembro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em agosto/15. O boletim traz ainda um relatório executivo, com o resumo das principais informações, sendo que o histórico de dados e os resultados detalhados estão disponíveis em planilhas no InfoMercado - Dados Gerais. 1. SUMÁRIO EXECUTIVO a. Prévia de Medição setembro/215 Os valores da prévia de medição de setembro/15 apontam redução de 6% na geração e no consumo de energia, em comparação com o mesmo período de 214. Vale destacar que a partir de maio/215 passou a ser considerada a interligação plena do Sistema Manaus ao Sistema Interligado Nacional - SIN, que totalizou em setembro/ MW médios de geração e 1.47 MW médios de consumo. Em setembro/14 o montante considerado foi de 169 MW médios devido à situação provisória da modelagem, que considerava apenas os montantes líquidos consumidos do Sistema Interligado Nacional-SIN. Houve retração (-6%) no Consumo em set/215 ( MW méd) em relação a set/214 ( MW méd) b. Contabilização agosto/15 Os resultados de agosto/15 ratificam a tendência de redução de consumo e da geração no ano. Foi expressiva a variação do Preço de Liquidação das Diferenças PLD da primeira semana, com R$ 115,36/MWh (valor mínimo) e o valor máximo de R$ 279,3/MWh na última semana de agosto, resultando no preço médio de R$ 145,9/MWh, em agosto. Não houve diferença de preço entre os submercados. Em agosto/15 o total a ser liquidado pelos 2.85 agentes participantes da contabilização foi de R$ 4,27 bilhões. A liquidação financeira das operações do Mercado de Curto Prazo relativas a julho e agosto de 215 foi realizada de forma unificada, conforme deliberação da 35ª Reunião Pública Ordinária da Agência Nacional de Energia Elétrica Aneel realizada em (22/9). O total a liquidar foi R$ 4,27 bilhões Mercado tem R$ 928 milhões em encargos a pagar O Consumo/Geração atingiu MW médios A geração e o consumo de energia em agosto/15 tiveram um aumento de,1%, em comparação a agosto de 214, totalizando em agosto/15. Esses valores consideram a interligação plena de Manaus, que agregou em média ao SIN 782 MW médios de geração e 1.113,2 MW médios de consumo. A atividade industrial continua em queda, impactando o consumo de energia por ramo de atividade dos consumidores livres e especiais, com retração de 2,64% frente ao mesmo período de 214. O setor de veículos teve o pior resultado com retração de 16%, seguido pelo têxtil 13,2% e de saneamento com 7,9%. As chuvas ficaram significativamente abaixo da média histórica (ENA no SIN foi de 82% da Média de Longo Termo - MLT). Na análise por submercado, verifica-se que a ENA no Sudeste e Sul atingiram 92% e 79%, respectivamente da MLT. Houve intercâmbio de exportação do submercado Sul para o Sudeste, de 3.7 MW médios e do Sudeste e do Norte para o Nordeste de 213 MW Médios e 582 MW Médios, respectivamente. Porém, ocorreu diminuição do armazenamento em todas as regiões em relação ao nível verificado no mês anterior. Em agosto/215, a geração das usinas participantes do Mecanismo de Realocação de Energia - MRE foi 98,8% dos montantes verificados em julho/214. Na contabilização de agosto/15 não houve excedente financeiro, nem exposições financeiras. Não teve recursos para alívio de encargos de serviços de sistemas, cujo pagamento totalizou R$ 927,91 milhões. A maior parte dos encargos apurados (86%) foi decorrente de despacho por segurança energética. Os encargos por serviços ancilares totalizaram R$ 69,4 milhões e foram impactados financeiramente pelo Despacho Aneel nº 1.928/15, que determinou provisoriamente o ressarcimento dos custos de geração das usinas da Amazonas Distribuidora de Energia S.A. Não houve exposições financeiras de CCEAR, CCGF e CCEN.

2 Tabela 1 Comparativo da geração e representatividade por fonte MEDIÇÃO GERAÇÃO, CONSUMO E GARANTIA FÍSICA MW médios gerados, sendo participante do rateio de perdas, cujo percentual médio foi de 2,15% Redução de 6,55% na geração térmica em relação a de agosto/14. Com destaque para redução das térmicas a óleo (-49,3%) e bi-combustíveis (-27,8%). Nuclear e biomassa tiveram aumento de 114% e 9,4%, respectivamente. Geração eólica cresce 79,6% em comparação a agosto/14 Garantia física do SIN cresceu 7% frente a agosto/14, com destaque no aumento relativo das eólicas (+43%) Consumo atinge MW médios, sendo participante do rateio de perdas, cujo percentual médio foi de 2,2% 2. GERAÇÃO ; 28% % 6% Geração total MW médios ; 63% Hidráulica (>3 MW) Térmica Eólica Gráfico 1 Geração e representatividade por fonte 1.678; 1% 1.455; 9% 42 3% 1.721; 1% % 6.894; 41% Gráfico 2 Geração e representatividade por tipo de térmica PCH 49 3% Térmica a Gás Total MW médios Térmica a Biomassa Térmica a Óleo Térmica Nuclear Térmica a Carvão Mineral Térmica bi- Comb.- gás/óleo Térmica - Outros Geração (MW médios) Tabela 2 Comparativo da geração e representatividade por fonte hidráulica 3. GARANTIA FÍSICA ago/15 set/15 ago/15 - Hidráulica (>3 MW) ,54% ,6% PCH ,86% ,2% Térmica ,81% ,55% Eólica ,6% ,6% Total ,89% ,7% Geração Hidráulica (MW médios) ago/15 set/15 Gráfico 3 Garantia física por fonte e comparativo da geração x garantia física por fonte ago/15 - Hidráulica (>3 MW) não cotas ,32% ,75% Hidráulica (>3 MW) cotas ,11% ,81% PCH participantes do MRE não cotas ,89% ,71% PCH participantes do MRE cotas ,28% 75 34,39% PCH não participantes de MRE cotas ,23% 8 485,22% PCH não participantes de MRE não cotas ,34% ,7% Total ,37% ,72% % 18.35; 25% % % Hidráulica (>3 MW) Térmica PCH Eólica MW médios Hidráulica (>3 MW) Geração Garantia Física Térmica PCH Eólica Valores de setembro/15 são prévios e consideram todo o período de coleta de medição, sem eventuais ajustes 1 Os valores de consumo e geração estão no centro de gravidade, isto é, geração já descontada de eventuais perdas de rede básica e consumo sem abatimento de perdas.

3 4. MRE 5. CONSUMO 6. MW médios Tabela 5 Comparativo do consumo por ambiente de contratação Ajuste 84,84% Geração Ambiente ago/15 Representatividade (%) ago/215 set/15 Representatividade (%) ago/214 ago/15 - ACR ,72% ,52% ,18%,79% ACL ,28% ,42% ,82% -2,21% Total ,% ,8% ,%,9% Garantia Física Tabela 6 Consumo por ambiente de contratação e submercado Submercado 1. 1 Título do Eixo 2 Gráfico 4 Geração e Garantia física do MRE Tabela 3 Transferência de energia no MRE Déficit de energia no próprio submercado Cobertura do déficit no próprio submercado Excedente de energia para outros submercado Tabela 4 Balanço de Energia no MRE Total de sobra no próprio submercado SUDESTE , ,918, 4.254,918 SUL -24,376 24,376, 5.668,34 NORDESTE ,22 179,185, 179,185 NORTE -1.69,75 122,672, 122,672 Balanço de Energia no MRE (MW médios) 1 SUDESTE -3.13,815 SUL 5.463,928 NORDESTE ,35 NORTE -947,78 1 Diferença entre energia gerada e a garantia física ajustada no MRE. Submercado SE/CO S NE N Consumo (MW médio) Participação (%) - ago/15 ACR ACL Total Consumo , , ,164 Participação 73% 27% 1% Consumo 8.92, , ,945 Participação 81% 19% 1% Consumo 7.455, , ,279 Participação 8% 2% 1% Consumo 3.788, , ,275 Participação 73% 27% 1% Tabela 7 Consumo dos consumidores livres e especiais por ramo de atividade Ramo de Atividade ago/15 set/15 ago/15 - METALURGIA E PRODUTOS DE METAL ,78% ,25% QUÍMICOS ,8% 1.69,78% MINERAIS NÃO-METÁLICOS ,2% 93-5,15% MADEIRA, PAPEL E CELULOSE ,35% 954-2,1% MANUFATURADOS DIVERSOS ,59% 86-7,45% ALIMENTÍCIOS ,25% 823-1,6% EXTRAÇÃO DE MINERAIS METÁLICOS ,3% 752 4,85% VEÍCULOS ,6% ,2% SERVIÇOS ,14% 546 2,21% TÊXTEIS ,2% ,19% COMÉRCIO ,45% 219 4,45% TRANSPORTE ,52% 23-2,9% BEBIDAS ,3% 126,5% SANEAMENTO ,14% 121-7,86% TELECOMUNICAÇÕES ,18% 98 3,57% TOTAL ,48% ,64%

4 MCP MERCADO DE CURTO PRAZO MW médios contabilizados no MCP (exposição ao spot) PLD médio de 145,9 R$/MWh, resultou em R$ 1,4 bilhões de exposições ao PLD no MCP R$ 4,27 bilhões a liquidar. As distribuidoras com valores a pagar, somaram R$ 1,61 bilhões, geradores e PIEs somam R$ 1,81 bilhão. A liquidação financeira das operações do MCP relativas a julho e agosto de 215 foi realizada de forma unificada R$ 927,9 milhões em encargos a pagar. Os Encargos de Serviços Ancilares totalizaram R$ 69,4 milhões impactados pelo Sistema Manaus 6. MCP Não ocorreram diferenças de preços entre os submercados, em agosto/15, devido a esse fato não houve excedente financeiro. O total no MCP foi de MW médios, que culminou em R$ 1,415 bilhão a pagar pelos agentes expostos. O preço médio de referência para penalização por insuficiência de lastro é de 144,2 R$/MWh, que considera o máximo entre o preço médio de liquidação das diferenças para penalização (144,2 R$/MWh) e o valor de referência (14,13 R$/MWh). Para os distribuidores, o preço para penalização por insuficiência de lastro foi de 513,12 R$/MWh. R$ mil R$/MWh Segurança Energética Restrição Operação Serviços Ancilares Recebimento Alivio de ESS Pagamento Gráfico 5 Encargos de Serviços de Sistema 279,3 279,3 279,3 279,3 115,36 115,36 115,36 115,36 145,9 145,9 145,9 145,9 NORDESTE NORTE SUDESTE SUL Gráfico 6 Preço de Liquidação das Diferenças PLD PLD Médio Máximo Mínimo

5 CONTRATOS AMBIENTE REGULADO E LIVRE MW médios de contratos de consumidores livres e especiais de longo prazo (a partir de 2 anos) LEILÕES Energia de Reserva: R$ 231,8 milhões liquidados no MCP (M-2) 1.78 MW médios gerados Proinfa: MW médios gerados 975 MW médios de garantia física MW médios em contratos Cotas: R$ 193 milhões liquidados em cotas de energia nuclear R$ 261 milhões liquidados em cotas de garantia física 7. CONTRATOS 1.582; 2% 11.81; 13% 1.326; 11% 8.918; 1% 6.898; 7% 1.179; 1% associados a MW médios transacionados ; 56% CCEAL CCEAR-D CCEAR-Q CCEN CCGF Itaipu PROINFA Gráfico 7 Tipo e montante (MW med) dos contratos % 72 1% contratos com MW médios transacionados 178 1% % 721; 6% 2.48; 18% 1 mês 2 a 5 meses 6 meses a 1 ano Acima de 1 ano até 2 anos Acima de 2 anos até 4 anos acima de 4 anos ACL Consumidores Livres e Especiais Tabela 8 Contratação por classe e tipo de contrato (em MW médios) Classe CCEAL CCEAR-D CCEAR-Q CCEN CCGF Itaipu PROINFA Leilão de Ajuste Total Autoprodutor Comercializador Consumidor Especial Consumidor Livre Distribuidor Gerador Produtor Independente Total Tabela 9 Resultados de Energia de Reserva Energia de Reserva ago/15 Saldo CONER R$ ,27 Liquidação no MCP (m-2) R$ ,1 Total de Pagamentos aos Geradores R$ ,24 Receita retida R$ ,46 Fundo de garantia R$ ,43 Custos administrativos R$ ,82 Encargo R$ - Repasse aos usuários -R$ , Receita de Venda Total Receita em Atraso Receita Variável Receita Fixa Reapurações/Ajustes Gráfico 8 Duração e montante (MW med) dos contratos CCEAL de compra por consumidores livres e especiais no ACL Gráfico 9 Valores pagos de Reajuste de Receita de Venda (em milhões R$)

6 DEFINIÇÕES DOS PROCESSOS Lista de termos: MRE Mecanismo de Realocação de Energia CCEAR Contrato de Comercialização de Energia no Ambiente Regulado CONER Conta de Energia de Reserva RRV Reajuste de Receita de Venda CCGF Contrato de Cotas de Garantia Física CCEN Contrato de Cotas de Energia Nuclear Prazos para divulgação dos resultados dos processamentos: Contabilização: até MS+21 Liquidação do MCP: até MS + 26 d.u. (débito) e MS + 27 d.u. (crédito) MS: Mês seguinte d.u.: dias úteis 8. GLOSSÁRIO MRE Mecanismo de compartilhamento dos riscos hidrológicos associados à otimização eletro-energética do Sistema Interligado Nacional SIN por meio do despacho centralizado das unidades de geração de energia elétrica. CCEAR por Disponibilidade (CCEAR D) - Os Contratos de Disponibilidade de Energia são aqueles nos quais os custos decorrentes dos riscos hidrológicos são assumidos pelos compradores e eventuais exposições financeiras no Mercado de Curto Prazo - MCP, positivas ou negativas, são assumidas pelos agentes de distribuição, garantido o repasse ao consumidor final. CCEAR por Quantidade (CCEAR Q) - Os Contratos de Quantidade de Energia são aqueles nos quais os riscos hidrológicos da operação energética integrada são assumidos totalmente pelos vendedores, cabendo a eles todos os custos referentes ao fornecimento da energia contratada. Os riscos financeiros decorrentes de diferenças de preços entre submercados são assumidos pelo comprador. Cotas de Garantia física (CCGF) - As hidrelétricas que se enquadram nos critérios adotados na Lei /13 têm a totalidade de sua garantia física alocada, por meio de cotas, às distribuidoras de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional SIN, e recebem remuneração por tarifa regulada pela Aneel. Cotas de energia nuclear (CCEN) Regime de distribuição, em cotas, da energia elétrica proveniente das usinas nucleares de Angra I e II para atendimento do mercado das concessionárias, permissionárias e autorizadas de serviço público de distribuição de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional SIN, sendo rateado entre as mesmas o pagamento à Eletronuclear da receita decorrente da geração da energia nuclear. Cessão Transferência, por meio de Termos de Cessão, de direitos e obrigações inerentes aos montantes de energia elétrica de contratos regulados (CCEARs) do agente cedente para outro agente cessionário, proporcionalmente à sua energia contratada. Valor de Referência (VR) - Média dos preços dos leilões de energia nova A-3 e A- 5, ponderada pela energia contratada em cada leilão. Representa o valor limite que pode ser repassado aos consumidores cativos pelos agentes de distribuição em função da contratação de energia elétrica, sendo um dos possíveis valores aplicados na valoração das penalidades de energia. CONER A Conta de Energia de Reserva é uma conta corrente específica administrada pela CCEE para realização de operações associadas à contratação e uso de energia de reserva. RRV A CCEE é responsável por realizar os reajustes das receitas fixas e variáveis dos contratos regulados por disponibilidade (CCEARs-D) de acordo com as regras estipuladas pelo Ministério de Minas e Energia MME e pelos próprios CCEARs resultantes de cada leilão. Os reajustes serão realizados para os contratos regulados firmados na modalidade por disponibilidade a partir dos Leilões de Energia Nova (LEN), Leilões de Fontes Alternativas (LFA) e Leilões de Energia Existente (LEE). Além destes, o RRV promove reajustes para os CCEARs por quantidade provenientes de Leilões de Energia Nova realizados de 211 em diante, além das receitas das usinas comprometidas com Leilões de Energia de Reserva (LER). Excedente financeiro A soma dos valores pagos em decorrência da diferença de preços entre os submercados, por conta das restrições de intercâmbio de energia. Este é um resultado do mercado e não de um agente em específico.

1. SUMÁRIO EXECUTIVO R$ 388,48/MWh R$ 121/MWh 369,23/MWh R$ 123 milhões R$ 536 milhões R$ 2,532 bilhões

1. SUMÁRIO EXECUTIVO R$ 388,48/MWh R$ 121/MWh 369,23/MWh R$ 123 milhões R$ 536 milhões R$ 2,532 bilhões O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de junho/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em maio/15. O boletim traz ainda um relatório

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%.

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%. O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de fevereiro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

RESULTADOS DA CONTABILIZAÇÃO - FEV/15

RESULTADOS DA CONTABILIZAÇÃO - FEV/15 O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de março/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em fevereiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 fevereiro/2017. b. Contabilização Janeiro/17

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 fevereiro/2017. b. Contabilização Janeiro/17 O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de fevereiro de 2017 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro de 2017. O histórico

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 dezembro/2016. b. Contabilização novembro/16

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 dezembro/2016. b. Contabilização novembro/16 O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de dezembro e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em novembro de 2016. O histórico de dados

Leia mais

Nº 54 Fevereiro/

Nº 54 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 54 Fevereiro/212 8 1 8 O Info Mercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

Nº 84 Agosto/

Nº 84 Agosto/ www.ccee.org.br Nº 84 Agosto/214 8 1 8 O InfoMercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

Nº 90 Fevereiro/

Nº 90 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 90 Fevereiro/2015 0800 10 00 08 O InfoMercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da Câmara de Comercialização de Energia

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro

3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro 3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Alexandre Zucarato 24 de abril de 2012 Funcionamento do Sistema Físico 2 Sistema Elétrico Brasileiro 3 Sistema Elétrico Brasileiro Rede

Leia mais

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015 Visão Geral das Operações na CCEE Junho/2015 1. Visão do Sistema Elétrico 2. Modelo Institucional 3. Comercialização de Energia do SIN 4. Principais Regras de Comercialização 1. Visão do Sistema Elétrico

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.1 Apurações da energia ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 7. ANEXOS Revisão Motivo

Leia mais

Painel 4: Desafios do Mercado de Energia no Brasil

Painel 4: Desafios do Mercado de Energia no Brasil Painel 4: Desafios do Mercado de Energia no Brasil Fórum Pernambuco e o Setor Elétrico Nacional 04/11/2016 Ary Pinto Conselheiro de Administração Agenda A CCEE Crescimento do mercado livre Judicialização

Leia mais

Regras de Comercialização de Energia

Regras de Comercialização de Energia Regras de Comercialização de Energia Ricardo Grodzicki Agenda Medição Contratos Balanço Energético Encargos Custo devido ao descolamento entre PLD e CMO Liquidação Financeira do MCP Penalidade de Energia

Leia mais

Nº 003 Março/ Nº de usinas

Nº 003 Março/ Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

CCEE Situação Atual e Evoluções. Workshop Andrade&Canellas de agosto de Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE

CCEE Situação Atual e Evoluções. Workshop Andrade&Canellas de agosto de Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE CCEE Situação Atual e Evoluções Workshop Andrade&Canellas 2012 17 de agosto de 2012 Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE Responsabilidades da CCEE - Evolução 27) RRV usinas em atraso 28) Gestão

Leia mais

O Mercado Livre de Energia

O Mercado Livre de Energia O Mercado Livre de Energia Reunião do Conselho Empresarial de Energia Elétrica do Sistema FIRJAN Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 13/07/2017 Agenda A CCEE: operadora do mercado brasileiro

Leia mais

O consumidor de energia no Brasil: Presente e Futuro

O consumidor de energia no Brasil: Presente e Futuro O consumidor de energia no Brasil: Presente e Futuro 7º Encontro Nacional de Consumidores de Energia 03/10/18 Talita Porto Conselheira de Administração Agenda Migração de consumidores para o mercado livre

Leia mais

Comercialização no Novo Modelo de Energia Elétrica

Comercialização no Novo Modelo de Energia Elétrica Comercialização no Novo Modelo de Energia Elétrica Reestruturação do Setor Elétrico Seminário Internacional : Reestruturação e Regulação do Setor de Energia Elétrica e Gás Natural Antonio Carlos Fraga

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro www.ccee.org.br Nº 219 2ª semana de dezembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

2 Sistema Elétrico Brasileiro

2 Sistema Elétrico Brasileiro 2 Sistema Elétrico Brasileiro O setor elétrico brasileiro passou por diversas mudanças nos últimos anos. Tais mudanças foram necessárias para viabilizar a expansão da capacidade de geração e acompanhar

Leia mais

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Março de 2012 Agentes na CCEE Fevereiro 2012 1800 1650

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro www.ccee.org.br Nº 215 2ª semana de novembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Energia, o que esperar em 2.015

Energia, o que esperar em 2.015 Energia, o que esperar em 2.015 ABRAMAT Otávio Carneiro de Rezende Diretor Presidente Usina Hidrelétrica Ourinhos Surgimos para administrar a geração e o consumo do Grupo Votorantim. Hoje atendemos a diversos

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 4ª semana operativa de dezembro 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 135,43 166,69 145,9 263,7 24,8 227,4 212,32 22,87 149,49 134,33 11,1 14,15 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 221 4ª semana de embro/15

Leia mais

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Seminário Autoprodução de Energia Elétrica na Ponta Impactos e Perspectivas 8 de agosto de 2012 Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Leia mais

Comercialização de Energia ACL e ACR

Comercialização de Energia ACL e ACR Comercialização de Energia ACL e ACR Capítulo 5 Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) e Mecanismo de Contabilização de Sobras e Déficits (MCSD) Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida Universidade Tecnológica

Leia mais

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Palestra Apimec RJ 19/set/2011 Leonardo Lima Gomes Agenda 1. Visão Geral do Setor 2. Mercado de Energia Elétrica 3. Perspectivas Desenvolvimento Mercado 4. Perspectivas

Leia mais

Balanço Energético. Versão 1.0

Balanço Energético. Versão 1.0 ÍNDICE BALANÇO ENERGÉTICO 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento do Cálculo do 10 2.1. Cálculo do 10 2 Controle de Alterações Revisão Motivo da Revisão Instrumento

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 25 03 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2.

Leia mais

Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente

Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente Leonardo Calabró Conselho de Administração 05 de agosto de 2009

Leia mais

AGENDA SEMANAL. 3ª Semana de fevereiro/2018 COMPARATIVO

AGENDA SEMANAL. 3ª Semana de fevereiro/2018 COMPARATIVO AGENDA SEMANAL 3ª Semana de fevereiro/2018 RESUMO CLIMÁTICO: No início da semana de 03 a 09/02/2018 ocorreu chuva fraca a moderada nas bacias dos rios Tocantins e São Francisco e precipitação de intensidade

Leia mais

3º ENCONTRO JURÍDICO DA ABCE

3º ENCONTRO JURÍDICO DA ABCE 3º ENCONTRO JURÍDICO DA ABCE Convênio ICMS 15/2007 Análise Jurídica André Edelstein São Paulo, 13 de julho de 2007 INTRODUÇÃO MODALIDADES DE RELAÇÕES COMERCIAIS ENVOLVENDO A COMPRA E E VENDA DE ENERGIA

Leia mais

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Luiz Henrique Alves Pazzini Gerência de Acompanhamento de Mercado - GAM 25 de abril de 2007 Agenda Comercialização de Energia

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 2ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 98,49 35,66 3,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 147,5 2,21 218,98 122,42 148,4 11,24 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 3ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 5,59 46,2 35,76 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 224 3ª semana de

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MAI.2013

INFORMATIVO MENSAL MAI.2013 JAN JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN INFORMATIVO MENSAL.213 Preço de Liquidação das Diferenças 4, PLD Médio /213 6 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 35, 3, 25, 2, 15, 1, 5 4

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de outubro

Análise PLD 4ª semana operativa de outubro 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 75,93 61,32 83,43 166,69 115,58 147,5 263,6 287,2 213,29 214,32 193,41 165,81 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 265

Leia mais

Perspectivas para Aprimoramento da Formação de Preços no Brasil SINREM IV Simpósio Nacional de Regulação, Economia e Mercados de Energia Elétrica

Perspectivas para Aprimoramento da Formação de Preços no Brasil SINREM IV Simpósio Nacional de Regulação, Economia e Mercados de Energia Elétrica Perspectivas para Aprimoramento da Formação de Preços no Brasil SINREM IV Simpósio Nacional de Regulação, Economia e Mercados de Energia Elétrica Roberto Castro Conselheiro de Administração 24/08/2017

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado

Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado Reunião Plenária da ABRAGE Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 20/09/18 Grandes números CCEE e mercado de energia elétrica

Leia mais

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB)

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) 3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) Até 1995, o Setor Elétrico Brasileiro era formado por empresas verticalizadas, predominantemente estatais, detentoras das atividades de geração, transmissão e distribuição

Leia mais

Encontro Nacional sobre o Futuro das PCHs. Cenário e tarifas do mercado livre e regulado

Encontro Nacional sobre o Futuro das PCHs. Cenário e tarifas do mercado livre e regulado Encontro Nacional sobre o Futuro das PCHs Cenário e tarifas do mercado livre e regulado 22 de agosto de 2013 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Agenda Comercialização

Leia mais

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes Fórum Novas Oportunidades para os Consumidores Livres Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de setembro

Análise PLD 2ª semana operativa de setembro s 125,16 395,73 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 688,88 387,24 369,39 24,8 145,9 274,98 245,97 www.ccee.org.br Nº 26 2ª semana de setembro/215 8 1 8 O InfoPLD é uma

Leia mais

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Lei nº 10.848/2004 (Redação Original) Art. 2 o... 1 o Na contratação regulada, os riscos hidrológicos serão assumidos conforme as seguintes modalidades contratuais:

Leia mais

Plano da Apresentação. Formação de preços de energia. Tarifas de Energia. Encargos setoriais.

Plano da Apresentação. Formação de preços de energia. Tarifas de Energia. Encargos setoriais. Plano da Apresentação Formação de preços de energia. Tarifas de Energia. Encargos setoriais. Uma característica atualmente importante do setor elétrico brasileiro é a separação entre commodity e serviços.

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.5 Receita de Venda de CCEAR Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 Submódulo 3.5 Receita de venda de CCEAR ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica Élbia Melo 10/02/2010 Agenda Visão Geral da CCEE e do Mercado de Energia Comercialização de Energia de Eólica PROINFA ACL ACR Energia

Leia mais

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades Maio / 2005 CCEE Papéis e Responsabilidades Sistema Elétrico Brasileiro (Interligado) Dimensões Continentais Sofisticado Sistema de Supervisão e Controle Integrado Capacidade Instalada (dez/03) Hidráulica:

Leia mais

ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE

ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE Como reduzir custos sem comprometer a produção? MERCADO LIVRE DE ENERGIA MERCADO LIVRE DE ENERGIA Liberdade para escolher o fornecedor de energia, obter economia

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de novembro

Análise PLD 4ª semana operativa de novembro 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 75,93 61,32 83,43 166,69 115,58 147,5 263,6 287,2,21 233,1 238,84 231,48 24,92 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº

Leia mais

AGENDA SEMANAL. 5ª Semana de Setembro/2016 COMPARATIVO

AGENDA SEMANAL. 5ª Semana de Setembro/2016 COMPARATIVO AGENDA SEMANAL 5ª Semana de Setembro/2016 RESUMO CLIMÁTICO: Na semana de 17 a 23/09/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos rios Uruguai, Iguaçu, Paranapanema e na calha principal do rio Paraná. No decorrer

Leia mais

Papel e Perspectivas da CCEE para o Setor Elétrico Seminário Internacional Bolsa de Energia

Papel e Perspectivas da CCEE para o Setor Elétrico Seminário Internacional Bolsa de Energia Papel e Perspectivas da CCEE para o Setor Elétrico Seminário Internacional Bolsa de Energia ARY PINTO Conselheiro 28/02/2019 Agenda Sistema Elétrico Brasileiro e a CCEE Mercado Livre de Energia Elétrica

Leia mais

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas.

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas. XX Simpósio Jurídico da ABCE Os 10 anos da Lei 10.848/2004, reflexões e perspectivas. São Paulo Outubro de 2014 Ricardo Brandão Procurador-Geral da ANEEL Marcos normativos antecedentes à Lei 10.848/2004

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de julho

Análise PLD 2ª semana operativa de julho 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 75,93 61,32 72,94 82,14 166,69 263,6 287, 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 249 2ª semana de ho/16 1 8 O InfoPLD

Leia mais

O Atual Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Antônio Soares Diniz Superintendente

O Atual Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Antônio Soares Diniz Superintendente O Atual Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Antônio Soares Diniz Superintendente Junho/2005 Agenda Base Legal 2003 / 2004 As mudanças implantadas Objetivos do Novo Modelo CCEE Comercialização de Energia

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MAI.2014

INFORMATIVO MENSAL MAI.2014 JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ INFORMATIVO MENSAL.214 Preço de Liquidação das Diferenças 9, PLD Médio /214 8 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 8, 7, 6, 5, 4, PLD TETO 822,83 7 6 5

Leia mais

APERFEIÇOAMENTOS REGULATÓRIOS PARA O MERCADO LIVRE. 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. 6 de agosto de 2012

APERFEIÇOAMENTOS REGULATÓRIOS PARA O MERCADO LIVRE. 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. 6 de agosto de 2012 APERFEIÇOAMENTOS REGULATÓRIOS PARA O MERCADO LIVRE 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP 6 de agosto de 2012 Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE Funcionamento do Sistema Físico Funcionamento

Leia mais

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo:

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo: 02 2 3 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Dezembro de 203 Dezembro (30..203 a 06.2.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 309,49 309,33 Pesada 33,8

Leia mais

O Papel da CCEE Para um Mercado Competitivo e com Liquidez

O Papel da CCEE Para um Mercado Competitivo e com Liquidez O Papel da CCEE Para um Mercado Competitivo e com Liquidez 29 de Setembro de 2009 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico ENASE 2009 Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de maio

Análise PLD 4ª semana operativa de maio 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 86,45 8,39 74,51 73,31 166,69 263,6 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 243 4ª semana de o/216 8 1 8 O InfoPLD

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL ABR.2014

INFORMATIVO MENSAL ABR.2014 JAN MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN INFORMATIVO MENSAL.214 Preço de Liquidação das Diferenças 9, 8, 7, 6, 5, 4, PLD Médio /214 PLD TETO 822,83 8 7 6 5 4 PLD Médio

Leia mais

Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008

Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008 Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008 Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da

Leia mais

Gestão da Comercialização na CEMIG. Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga Diretor Comercial

Gestão da Comercialização na CEMIG. Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga Diretor Comercial Gestão da Comercialização na CEMIG Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga Diretor Comercial Situação atual da CEMIG no mercado de energia elétrica Recursos Próprios: Cemig GT Sá Carvalho Rosal Horizontes

Leia mais

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE www.ccee.org.br Nº 27 Fevereiro/2012 0800 10 00 08 O objetivo desse relatório é apresentar os valores associados ao encargo, fundo de garantia e saldo da CONER

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de agosto

Análise PLD 4ª semana operativa de agosto 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 75,93 61,32 83,43 166,69 117,58 117,44 115,63 94,51 263,6 287, 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 255 4ª semana de

Leia mais

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 5,59 46,2 35,76 3,25 3,25 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 226 5ª

Leia mais

Resolução ANEEL 514/ Alocação de Cotas de Garantia Física de Energia e Potência. Reunião ABRAGE 28/11/2012

Resolução ANEEL 514/ Alocação de Cotas de Garantia Física de Energia e Potência. Reunião ABRAGE 28/11/2012 Resolução ANEEL 514/2012 - Alocação de Cotas de Garantia Física de Energia e Potência Reunião ABRAGE 28/11/2012 Alocação das Cotas (AP 090/2012) Objetivos: manter inalterado o nível de contratação das

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de março

Análise PLD 3ª semana operativa de março 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 35,66 3,42 32,16 51,93 3,58 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 233 3ª

Leia mais

Contratos. Versão 1.1

Contratos. Versão 1.1 Contratos ÍNDICE CONTRATOS 5 1. Introdução 5 1.1. Lista de Termos 8 1.2. Conceitos Básicos 9 2. Detalhamento das Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 20 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

Caderno Algébrico. Regime de Cotas de. Física. Versão

Caderno Algébrico. Regime de Cotas de. Física. Versão Caderno Algébrico Regime de Cotas de Regime Garantia de Cotas Física de Garantia Física Versão 2013.1.2 ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 3 1. O Esquema Geral 3 2. Detalhamento das Etapas da Determinação

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 3ª semana operativa de fevereiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 94,28 35,66 3,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,2 2,21 166,5 122,19 121,44,64 111,91,97 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica Pequenas Centrais Hidrelétricas e Centrais de Geração Hidrelétrica PCHse CGHs

Mercado de Energia Elétrica Pequenas Centrais Hidrelétricas e Centrais de Geração Hidrelétrica PCHse CGHs Mercado de Energia Elétrica Pequenas Centrais Hidrelétricas e Centrais de Geração Hidrelétrica PCHse CGHs Curitiba - PR Turma 1: 21 de Agosto de 2018 Turma 2: 22 de Agosto de 2018 O Treinamento Objetivo:

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 94,28 35,66 3,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,2 2,21 166,5 122,19 121,44 1,64 111,91 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br

Leia mais

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Datas, aspectos gerais e sistemáticas 03/06/2013 Gerência de Leilões e Mercado Regulado Agenda Data dos leilões no 2º semestre de 2013 11º Leilão de Energia

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado

Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado 15º ENASE Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 23/05/2018 Grandes números da CCEE 7.062 agentes 13% crescimento no último ano

Leia mais

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração Câmara de Comercialização

Leia mais

III Conferência Nacional de PCH e CGH Cenário atual e Agenda Regulatória Efrain Pereira da Cruz

III Conferência Nacional de PCH e CGH Cenário atual e Agenda Regulatória Efrain Pereira da Cruz III Conferência Nacional de PCH e CGH Cenário atual e Agenda Regulatória Efrain Pereira da Cruz Diretor Curitiba, 10 de maio de 2019 Cenário Atual: Capacidade instalada e participação das CGH s e PCH s

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado ENASE 2017-14º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 17/05/2017 Agenda CCEE Mercado

Leia mais

Sistemáticas dos Leilões

Sistemáticas dos Leilões VIII Conferência Anual da RELOP Sistemáticas dos Leilões José Jurhosa Junior Diretor São Tomé 2 de setembro de 2015 Contexto atual Geração Aumento de 44% da capacidade instalada nos últimos 10 anos. Uma

Leia mais

Contratos Introdução. Regras de Comercialização. Contratos. 1 Versão Minuta. Versão 1.0

Contratos Introdução. Regras de Comercialização. Contratos. 1 Versão Minuta. Versão 1.0 Introdução Regras de Comercialização Contratos 1 Versão 1.0 - Minuta Versão 1.0 Introdução Índice Contratos 3 1 Introdução 3 1.1 Lista de Termos 5 1.2 Conceitos Básicos 6 2 Detalhamento das Etapas dos

Leia mais

Matriz elétrica brasileira e fontes de geração

Matriz elétrica brasileira e fontes de geração Matriz elétrica brasileira e fontes de geração Fernando Umbria LPS Consultoria Energética Agenda Características gerais e conceitos importantes Aspectos legais e regulatórios Os geradores e o mercado de

Leia mais

ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO LEILÕES DE ENERGIA DE RESERVA Metodologia de Contabilização da Produção de Energia de Pequenas Centrais Hidrelétricas e Centrais Geradoras Hidrelétricas Ministério de

Leia mais

III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico

III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico Regulação da Distribuição em Portugal e no Brasil Principais Riscos Regulatórios João Aguiar Presidente Compra de energia para venda

Leia mais

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais Seminário Internacional Desafios da Regulação do Setor Elétrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 12 de fevereiro de 2015 Universidade

Leia mais

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivos Fluxo Geral das Regras de Comercialização Definições e Interpretações (DI)...

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivos Fluxo Geral das Regras de Comercialização Definições e Interpretações (DI)... CONTABILIZAÇÃO DEFINIÇÕES E INTERPRETAÇÕES Versão 2010 Resolução Normativa ANEEL n 385/2009 ÍNDICE 1 Definições Gerais... 3 1.1 Objetivos... 3 1.2 Fluxo Geral das Regras de Comercialização... 4 2 Definições

Leia mais

Solange David. Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)

Solange David. Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) Solange David Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE: oportunidades e desafios

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de maio

Análise PLD 3ª semana operativa de maio 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 35,66 3,42 37,73 49,42 86,45 8,39 74,51 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br

Leia mais

PERSPECTIVAS DE PREÇOS E TARIFAS 2019/2020 NOS AMBIENTES LIVRE E REGULADO

PERSPECTIVAS DE PREÇOS E TARIFAS 2019/2020 NOS AMBIENTES LIVRE E REGULADO PERSPECTIVAS DE PREÇOS E TARIFAS 2019/2020 NOS AMBIENTES LIVRE E REGULADO PERSPECTIVAS DE PREÇOS NO AMBIENTE LIVRE EM 2019/2020 ANDRÉ DE OLIVEIRA O Ambiente de Contratação Livre - ACL Preços, montantes,

Leia mais

A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial /03/2015

A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial /03/2015 A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial 2015 19/03/2015 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração A CCEE e destaques

Leia mais

A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA

A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA Zilmar Souza Mesa Redonda: Energia Poços de Caldas - MG 21 de maio de 2015 BIOELETRICIDADE: CAPACIDADE INSTALADA EM 2015 3 o 7% 18% 62% Fonte de Combustíveis Utilizados

Leia mais

Painel 2: CCEE e a operação do mercado 22/03/2018 Agenda Setorial 2018: Reforma Setorial e Perspectivas 2018

Painel 2: CCEE e a operação do mercado 22/03/2018 Agenda Setorial 2018: Reforma Setorial e Perspectivas 2018 Painel 2: CCEE e a operação do mercado 22/03/2018 Agenda Setorial 2018: Reforma Setorial e Perspectivas 2018 Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração Agenda Institucional Mercado Livre Desafios

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL JUN.2015

INFORMATIVO MENSAL JUN.2015 JAN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN INFORMATIVO MENSAL.215 Preço de Liquidação das Diferenças 45, 4, 35, 3, 25, 2, PLD Médio /215 PLD TETO 388,48 8 7 6 5 4 PLD Médio Anual - Seco

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de março

Análise PLD 2ª semana operativa de março 1,16 37,61 13, 19,3 28,9 67,31 97,36 1,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 94,1,66 3,42 37,73 49,42 7,93 61,32 83,43 1,8 149,2,21 166, 122,19 121,44 128,43 184,49 18,6 287,2 39,73 689, www.ccee.org.br Nº

Leia mais

AGENDA SEMANAL. 5ª Semana de Dezembro/2016 COMPARATIVO

AGENDA SEMANAL. 5ª Semana de Dezembro/2016 COMPARATIVO AGENDA SEMANAL 5ª Semana de Dezembro/2016 RESUMO CLIMÁTICO: Na semana de 17 a 23/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias hidrográficas do subsistema Sul e no Paranapanema. Já as bacias do subsistema Sudeste/Centro-Oeste

Leia mais

Resposta da Demanda. Workshop Infraestrutura Energia - Setor Elétrico e Mecanismos de Resposta pela Demanda

Resposta da Demanda. Workshop Infraestrutura Energia - Setor Elétrico e Mecanismos de Resposta pela Demanda Resposta da Demanda Workshop Infraestrutura Energia - Setor Elétrico e Mecanismos de Resposta pela Demanda 21/06/17 Roberto Castro Conselheiro de Administração Agenda A CCEE Resposta da demanda Conceituação

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de abril

Análise PLD 4ª semana operativa de abril 1,16 37,61 13, 19,3 8,9 67,31 97,36 13,43 38,73 7,8 9,4 166,69 63,6 94,1 3,66 3,4 37,73 49,4 7,93 61,3 83,43 11,8 149,,1 166, 1,19 11,44 18,43 16,4 87, 39,73 46,1 36,68 3,66 331,1 689, www.ccee.org.br

Leia mais