UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE COMBATE AOS DANOS AMBIENTAIS: INOVAÇÕES DA LEI 9.605/98 Por: Vitor César Agostinho de Oliveira Orientador (a) Profª. Mônica Melo Rio de Janeiro 2010

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE COMBATE AOS DANOS AMBIENTAIS: INOVAÇÕES DA LEI 9.605/98 Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Direito Ambiental. Por: Vitor César Agostinho de Oliveira

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço a minha família que sempre apoiou meus estudos e encontra-se ao meu lado em todos os momentos.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a minha família, em especial a minha mãe.

5 5 RESUMO A Lei 9.605/98, conhecida como Lei de Crimes Ambientais, é sem dúvida um dos maiores avanços em relação à legislação ambiental Brasileira, contudo a sua aplicação prática não condiz com seus dispositivos. Os juristas ainda têm muita dificuldade em aplicar tal norma legal, muitos deles alegam ser a mesma Inconstitucional, o que não traduz a realidade, isso porque o próprio artigo 225 parágrafo 3º da Constituição Federal regulamentou as sanções Penais em relação à responsabilização das pessoas jurídicas e físicas que cometem danos ambientais. O presente trabalho monográfico buscou demonstrar, que a legislação penal Ambiental Brasileira pode se tornar um forte aliado no combate aos danos ao meio ambiente, entretanto ainda há muito a se caminhar para a aplicação de tal norma.

6 6 METODOLOGIA O tema analisado pelo presente trabalho teve como motivação os inúmeros Danos Ambientais provocados por grandes empresas no Brasil durante as últimas décadas e a possibilidade de se combater tais danos através de uma legislação ambiental mais rígida. Para o desenvolvimento da pesquisa foram utilizados livros, artigos, jurisprudência e Internet. Discorrendo sobre os conceitos de Dano Ambiental e aplicação da Lei 9.605/98, destaca-se o posicionamento dos autores Edis Milaré, José Goldemberg, Geraldo Ferreira Lamfreti, Vladimir Passos Freitas, Álvaro Luiz Valery, Fernando de Almeida Pedroso e Rogério Rocco, quanto à evolução da responsabilidade penal das Pessoas Jurídicas por crimes ambientais e sua aplicação as Pessoas Jurídicas de Direito Público, ressalta-se o posicionamento dos autores Eugênio Raul Zaffaroni, Érika Bechara, Luiz Regis Prado, Miguel Reale Júnior, Claus Roxin, Jose Carlos de Oliveira Robaldo, Paulo Bessa Antunes e Vladimir Passos Freitas, tratando-se do conceito jurídico de Meio Ambiente e Evolução normativa do Direito Ambiental, os doutrinadores Aloísio Ely, José Afonso da Silva, Ada Pellegrini Grinover e André Tostes discorrem com brilhantismo sobre o tema.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 8 CAPÍTULO I - Do Dano Ambiental e a Lei 9605/98 10 CAPÍTULO II - Da responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica por Crimes Ambientais 23 CAPÍTULO III Do papel do Direito na Sociedade como ciência capaz de reduzir os danos ambientais 41 CONCLUSÃO 57 BIBLIOGRAFIA 60 INDICE 62 FOLHA DE AVALIAÇÃO 64

8 8 INTRODUÇÃO Constata-se neste trabalho que a lei 9605/98 continua sendo de difícil aplicabilidade dentro do ordenamento jurídico brasileiro. Buscar-se-á demonstrar a necessidade latente de controlar o Meio Ambiente através dos instrumentos disponíveis no meio social, neste contexto o Direito é a ciência que mais pode contribuir com a melhoria do mesmo. No primeiro momento deste trabalho será data ênfase a criação da referida lei 9605/98, sua evolução histórica, a aplicação das penas, o procedimento penal, e o entendimento dos doutrinadores acerca da mesma. Verificando-se que os crimes ambientais se dividem em crimes contra a Fauna; crimes contra a Flora; Poluição e outros crimes ambientais; crimes contra o Ordenamento Urbano e o Patrimônio Cultural e Artístico, e ainda crimes contra a administração Ambiental. Observar-se-á com a edição da lei 9605/98, o surgimento da principal inovação em matéria penal dos últimos anos no Direito Brasileiro, a responsabilização penal das pessoas jurídicas por crimes ambientais. Muitas discussões surgiram no meio jurídico brasileiro sobre tal tema, de um lado a Doutrina clássica que não admite este tipo de responsabilidade, aplicável na visão destes somente as pessoas físicas, devido aos princípios que regem o Direito Penal, principalmente o da personalidade das penas.

9 9 De outro lado a doutrina mais moderna, entendendo que a responsabilidade penal possui sanções não pessoais que, por este fato, atingem inocentes e culpados (razão de não se poder falar em violação do princípio da personalidade das penas), as penas de prisão estão, a passos largos, colocadas à margem do sistema punitivo estatal, por maior razão, o legislativo poderá e deverá estabelecer penas apropriadas às pessoas jurídicas. No terceiro momento deste trabalho demonstrar-se-á como o direito pode atuar na sociedade no sentido de minimizar os danos ao meio ambiente, punindo os agentes que cometem ilícitos ambientais, e regulando as atividades que impliquem em impactos ambientais. Fica claro que o Direito é um instrumento capaz de reduzir tais danos, desde que os Tribunais Brasileiros passem a aplicar as normas ambientais em vigor, o que ainda encontra muita reluta por parte de nossos magistrados. O Direito não tem o poder de restaurar o mal que é causado a natureza, de toda forma poderia esta ciência funcionar como um meio punitivo e repressivo contra os danos ambientais.

10 10 CAPÍTULO I DO DANO AMBIENTAL E A LEI 9605/98 A palavra dano deriva do latim dammu e significa prejuízo, perda. Logo, considerando que toda e qualquer decisão envolve algum tipo de risco e que, na atual conjuntura social, impossível a concepção de vida sem qualquer interferência no meio natural, impõe-se ao Direito, juntamente com os demais ramos da ciência, a árdua tarefa de orientar o comportamento dos indivíduos sob a perspectiva do desenvolvimento sustentável. A doutrina ambiental pátria buscou estabelecer um conceito para dano ambiental, enunciado na lei 6938/81, a lei de Política Nacional do Meio Ambiente, considerando-o como sendo a lesão aos recursos ambientais com conseqüente degradação, ou seja, uma alteração adversa da qualidade de vida e do equilíbrio ambiental. Para Edis Milaré (2002), o conceito de dano ambiental, embora amplo e aberto, à semelhança do próprio conceito de meio ambiente é delimitado pelas noções de poluição e degradação da qualidade ambiental. (MILARÉ, 2002, p, 35). No Direito Ambiental, embora o princípio orientador da política ambiental consista em prevenir o dano a ter que remediá-lo, a atuação da lei 9605/98 sob o aspecto preventivo se dá somente de forma indireta, isto porque sua aplicabilidade surge a partir do dano ocorrido, tendo a mesma uma natureza direta repressiva e não preventiva.

11 11 A questão ambiental, que hoje aparece como um dos assuntos que devem ser discutidos tanto pelo Poder Público quanto pela coletividade, merece atenção especial, isso porque somente agora o homem teve idéia de que a sua sobrevivência está condicionada à administração racional dos recursos naturais. Para José Goldemberg (1999): A questão do dano ambiental surgiu há muitos anos, desde os tempos dos jardins de Éden, a expulsão do homem do Jardim se deu pela utilização predatória dos recursos naturais, o fato de o homem ter exaurido o solo e perturbado a sua capacidade de manter as macieiras produtivas é que destruiu o Jardim de Éden e redundou a sua expulsão de lá (GOLDEMBERG, 1999, p. A-2 ). Isso explica um pouco do que ocorre hoje em dia, grandes empresas visando os lucros e a produtividade, fazem dos nossos Jardins do Éden seu trampolim para o desenvolvimento, pouco importando os danos que venham causar em nosso Meio Ambiente. De acordo com as definições colocadas pelo Mestre Geraldo Lamfredi (2001): A lei de Política Nacional do Meio Ambiente, apenas delimitou as noções de degradação da qualidade Ambiental, a alteração adversa das características do meio ambiente e poluição, a degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente prejudiquem a saúde, a segurança e o bem estar da população, criando condições adversas às atividades sociais e econômicas, e afetando as

12 12 condições estéticas ou sanitárias do Meio Ambiente (LAMFREDI, 2001, p. 28). O dano ambiental, gravame típico da sociedade industrial, tem características próprias, que orientam o tratamento que as várias ordens jurídicas a ele conferem. O dano ambiental caracteriza-se de diversas formas, primeiro pela pulverização de vítimas, pois o mesmo afeta uma pluralidade difusa de vítimas, pois o bem ambiental é bem de uso comum do povo, depois por ser sempre de difícil reparação, deste surge o instituto da responsabilidade civil, que deve agir tanto na prevenção quanto na reparação, o que não ocorre diretamente com a lei de crimes ambientais, que age somente na repressão, ou seja, após consolidado o dano. Em se tratando de reparação, na maioria das vezes o interesse público é de obter a reparação indireta e em espécie do dano, mesmo porque quase sempre o dano é praticamente irreparável. Neste contexto a lei 9605/98 vem a suprir uma necessidade social de punição na esfera penal, visando punir aos agentes que degradam o meio ambiente, buscando não uma reparação mais uma repreensão para que não cometam mais estes ilícitos. O dano ambiental é quase sempre de difícil valoração e nem sempre é possível o cálculo da totalidade do mesmo (FREITAS, 1996). Com isso ao longo dos anos vem se descobrindo que toda a sociedade é responsável pela degradação do meio ambiente, o mais rico polui com sua atividade industrial e comercial e o mais pobre por falta de condições econômicas de viver condignamente, e pelo pouco acesso as informações ecológicas. Surgem a partir do dano novas formas de conduta frente à natureza, condutas que devem ser lideradas pelos diversos ramos da sociedade, sejam por engenheiros, médicos, professores, por estudiosos do Direito, ou por qualquer cidadão comum, estas condutas visam conscientizar o homem de que a natureza existe para proporcionar-lhe meios de sobrevivência, tendo em vista que o meio ambiente vinha sendo posto em último lugar na hierarquia de valores, isso devido a extrema valoração de direitos individuais.

13 13 Não há que se falar em dano ambiental, sem falar em desenvolvimento sustentável e impacto ambiental, o princípio do desenvolvimento sustentável, está amplamente ligado ao dano ambiental, isso porque os recursos naturais não são inesgotáveis, e portanto é imperioso que as atividades sejam planejadas de modo a possibilitar a coexistência harmônica, entre o homem e o meio onde está inserido, com isso o legislador constituinte demonstrou sua preocupação com o tema ao inserir no texto da Constituição Federal, que o desenvolvimento das atividades econômicas, embora não admitam a intervenção do poder público, deverão respeitar algumas diretrizes, entre elas a que impõe a preservação do meio ambiente. A aplicação do princípio do desenvolvimento sustentável justifica posturas que tendem a evitar a produção de bens agressivos ao meio ambiente, reduzindo a emissão de poluentes ou diminuindo o risco de ocorrerem danos ambientais significativos oriundos de atividades econômicas exploradas sem que haja a chamada consciência ambiental. O dano ambiental resulta sempre em um impacto ambiental, a qual o meio ambiente é afetado, às vezes de forma muito significativa, outras vezes de forma menos significativa. A Constituição de 1988 expressa o conceito de impacto ambiental, exigindo que, para ser considerada impactante, o fato ocorrido deve ter potencial de causar significativa degradação, como ensina o mestre Mitta (2002 ) nos termos da Constituição Federal, impacto ambiental não é qualquer alteração do meio ambiente, (MITTA, 2002, P, 57) por outras palavras, considera-se impacto ambiental a alteração drástica e de natureza negativa da qualidade ambiental.

14 A lei 9605/98 Em meados da década de 1990 a pressão internacional sobre o Brasil foi aumentando consideravelmente, isso porque repetidos danos provocados pelas indústrias nacionais e a conseqüente banalização destes danos fez crescer a idéia de que os responsáveis tinham que ser punidos de alguma forma, com isso começou a ser discutida no Congresso Nacional, a criação de uma lei de natureza penal com o intuito de punir todos aqueles que causarem danos ambientais, inclusive as pessoas Jurídicas. Após sete anos de tramitação no Congresso Nacional, foi sancionada a tão esperada Lei de Crimes Ambientais, que entrou em vigor, em seus aspectos penais, a partir de Como a lei não só cuida de sanções criminais, mas também administrativas, estas ainda estão pendentes de regulamentação. Assim, quando já aprovado o seu projeto na Câmara dos Deputados, ele teve que sofrer algumas alterações, ditadas pelo próprio Executivo, ante as pressões dos grandes produtores agrícolas. Banidos, de véspera, os pontos essenciais que atingiam a dita classe, como, por exemplo, o que previa reclusão de até quatro anos para certos danos contra a flora. Ao presidente da República coube apenas vetar, e ceder às pressões. Entretanto, no conjunto, a Lei é de bom quilate, caracterizando-se como um diploma normativo moderno, dotado de regras avançadas, estabelecendo coerentemente quase todas as condutas administrativas e criminais lesivas ao meio ambiente, sem prejuízo das sanções civis, já existentes em outras leis específicas. Neste contexto é necessário falar sobre responsabilidade, tendo em vista que a lei supra atribuiu novas responsabilidades para todos os poluidores do meio ambiente.

15 15 A responsabilidade surge como derivação de uma obrigação anterior, à qual o responsável deixou de observar. É uma noção peculiar a todas as relações jurídicas, visando assegurar a observância de alguma obrigação nela existente, ou porque se assumiu tal obrigação, seja em decorrência de um fato ou ato, ocorrido ou praticado (COSTA NETO, 1999, p.34-36). Um contexto geral a responsabilidade exprime a obrigação de responder por alguma coisa, revelando o dever jurídico em que se coloca a pessoa, seja em virtude de contrato, seja em face de fato ou omissão que lhe sejam imputáveis, para satisfazer a prestação convencionada ou para suportar as sanções legalmente previstas. No Direito Ambiental a responsabilidade poderá se dar em três esferas: cível, penal e administrativa, já no Direito penal devido ao bem indisponível que o regula, muitas vezes de caráter irreparável, devendo assim ser a responsabilidade subjetiva, personalíssima e atender aos ditames da teoria geral do delito, será um sujeito responsabilizado criminalmente quando sua conduta violar ou contribuir para a violação de um bem jurídico tutelado na esfera penal e ainda possuir culpabilidade. Detecta-se no Direito Ambiental, três esferas básicas de atuação, quais sejam: a preventiva, a reparatória e a repressiva. A preventiva está voltada para o momento anterior a consumação do dano, ou seja, o mero risco, atendendo ao objetivo fundamental do Direito ambiental. Importante aqui ressaltar que na prevenção ocorre ação inibitória, enquanto que nas demais, a reparatória e a repressiva, se limitam a tratar do dano já causado, que é quase sempre incerto, de difícil reparação e custoso. Antes, as regras para os crimes ambientais estavam embrenhadas num confuso emaranhando de leis, geralmente conflitantes entre si, após a criação da lei foram sistematizadas adequadamente, numa só ordenação, as

16 16 normas de direito penal ambiental, possibilitando o seu conhecimento pela sociedade e a sua execução pelos entes estatais. Contudo, mesmo no âmbito penal, nem todos os atos lesivos à natureza, foram abrangidos pela lei 9605/98, como era a intenção original de seus idealizadores. Assim, muitas normas do Código Penal, da Lei de Contravenções Penais e do Código Florestal permanecem em vigor, como é caso, respectivamente, do delito de difusão de doença ou praga, de poluição sonora e de proibição da pesca de certos animais marinhos, entre outros. Com certeza, a referida lei, lapidada por juristas de renome, assemelha-se, no seu formato, ao Estatuto da Criança e do Adolescente e ao Código de Defesa do Consumidor, que são leis de terceira geração, visando promover a qualidade de vida e a dignidade humana, em um País cheio de contrastes e marginalização social. De todo modo, a Lei de crimes ambientais com os seus 82 artigos (incluindo-se os vetados), distribuídos em oito capítulos, regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal de esta, na esfera do meio ambiente, é uma das mais avançadas do mundo. De principal novidade, a lei introduziu no nosso ordenamento jurídico, a responsabilidade penal da pessoa jurídica, prevendo para elas tipos e sanções bem definidos, diversas daquelas que só se aplicam à pessoa humana, tendo tal tema imensa discussão em nosso ordenamento pátrio, o que será abordado detalhadamente neste trabalho em capítulo posterior. Um grande obstáculo enfrentado por esta lei está nos órgãos públicos responsáveis pela fiscalização ambiental, em relação à institucionalização desses, pois faltam recursos. (financeiros, organização, metas). Como exemplo a falta de condições necessárias para combater as queimadas ocorridas na Amazônia durante todos os anos.

17 17 Renomados juristas criticaram a lei supra, por considerar que responsabiliza, com reprimenda elevada de detenção de três meses a um ano - art. 32, lei 9605/98, àquele que maltrata animais silvestres, domesticados etc., enquanto o Código Penal prevê aos maus tratos, crime contra seres humanos, pena de detenção de dois meses a um ano ou multa (artigo 136 CP). No geral, a doutrina concorda que a lei supra foi positiva, tendo procurado trazer melhor exeqüibilidade das sanções penais, visto isso nas situações delituosas não tidas como de grave ameaça ou violência à pessoa, pois possuem a possibilidade de serem substituídas por penas restritivas de direitos. Com isso a lei não mais salvaguarda o intuito preventivo-repressivo da pena, mediante a privação da liberdade do criminoso, sendo esta a exceção, pois há nas normas modernas consonância com a problemática penitenciária do país, levando-se em consideração a teoria do Direito Penal mínimo, que entende serem as penas de privação de liberdade aplicáveis somente para os casos de extrema gravidade nos delitos, ou seja, somente deverá ser privado de sua liberdade aquele que oferece algum risco real e direto para a sociedade como um todo. Os crimes ambientais dividem-se em: crimes contra a Fauna; crimes contra a Flora; Poluição e outros crimes ambientais; crimes contra o Ordenamento Urbano e o Patrimônio Cultural e Artístico, e ainda crimes contra a administração Ambiental. Há também os casos de infração administrativa ambiental, sendo esta toda ação ou omissão que viole as regras jurídicas de uso, gozo, promoção, proteção e recuperação do meio ambiente. (Vide art.70 lei 9605/98). Neste sentido o ilustre doutrinador Julio Fabbrini Mirabete (2001) define muito bem o conceito de crime omissivo: crimes omissivos são os que objetivamente são descritos com uma conduta negativa, de não fazer o que a lei determina, consistindo a omissão na transgressão da norma jurídica e não sendo necessário qualquer resultado naturalístico (MIRABETE, 2001, p. 46).

18 18 As infrações encontram-se claramente definidas, contendo penas uniformes e graduação alternada. Existe ainda de forma inteligente na lei, a possibilidade de extinguir a punibilidade, basta que seja apresentado laudo que comprove a recuperação do dano Ambiental. A maioria das penas tem o limite máximo de quatro anos. As penas privativas de liberdade de acordo com a lei 9605/98 são aplicadas apenas às pessoas físicas e podem ser substituídas por penas restritivas de direitos, existe ainda a possibilidade de ocorrer o Sursis, isto é, a substituição condicional da pena privativa de liberdade, desde que esta não seja superior a três anos, tendo em vista que o artigo 16 da referida lei que, derrogou o artigo 77 do código Penal ao tratar do prazo para ocorrer a citada substituição condicional. O código Penal aplica o Sursis nos casos de crimes com a pena Privativa não superior a dois anos, já a lei de crimes Ambientais confere tal instituto, substituindo aquelas penas que não sejam superiores a três anos, sendo certo que esta lei confere dispositivo mais benéfico, apesar de seu caráter especifico. Já as penas restritivas de direitos são penas autônomas e podem substituir as penas privativas de liberdade quando a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade indicarem que a substituição seja suficiente para a reprovação e prevenção do crime. (vide artigo 7º da lei 9605/98). A respeito de tal tema pode-se citar algumas das penas restritivas de direitos previstas na lei: a) Prestação de serviços à comunidade : Nesta o condenado prestará serviço gratuito nos parques, jardins públicos e unidades de conservação, sendo estas as reservas biológicas, reservas ecológicas, estações ecológicas, parques nacionais e etc. (vide artigo 40 parágrafo 1º da lei 9605/98), de acordo com o código Penal, o terceiro não poderá cumprir a tarefa conferida ao condenado e esta tem que ser conforme aptidões deste, que irá cumpri-la em oito horas semanais, sem prejudicar a sua jornada de trabalho. O serviço prestado a comunidade poderá consistir em restaurar o

19 19 dano causado, e esse poderá ser em benefício da coisa particular ou pública, dependendo do caso haverá um sistema específico de reparação; b) suspensão de atividades: poderá ser total ou parcial. Ocorrerá dede que seja constatado que há desobediência às regras expressas nas leis federais, municipais e estaduais, apenas. (artigo 11 da Lei 9605/98): c) prestação pecuniária : Ocorre pelo pagamento em dinheiro àqueles que sofreram com o dano, podendo a vítima ser entidade pública ou privada com o fim social. O valor deverá ser fixado pelo Juiz. (artigo 12 da lei supra); d) interdição temporária de direitos : Há um impedimento explícito de o condenado contratar com o poder público. Não poderá participar de licitações nem receber doações, subvenções e subsídios dos órgãos públicos, inclusive bancos e agências de financiamento estatais. A pena será de cinco ou três anos, sendo referente, respectivamente, a crimes dolosos e crimes de natureza culposa; e) recolhimento domiciliar: apresenta-se como meio de evitar o recolhimento carcerário comum nas sanções. O condenado trabalhará, sem vigilância, exercendo as atividades autorizadas pelo juiz. Para garantir sua eficácia, segundo a maioria dos penalistas, esta pena restritiva de direitos deveria ser cumulada com outra pena de natureza restritiva, que seja voltada à recuperação do meio ambiente; f) multa que poderá ser aplicada em duas etapas: tratando-se de prestação pecuniária por parte do infrator ou referindose aos casos em que serão fixadas por instrumentos normativos, sendo calculadas com base nos critérios do Código Penal. (Art. 18 c/c Art. 8º, IV lei 9605/98), o pagamento será feito à vítima ou à entidade pública ou privada com fim social, sendo este deduzido do montante de eventual reparação civil a que for condenado o infrator. A importância é fixada pelo juiz. (Art.12 lei 9605/98). As multas, além de previstas como sanções penais, estão previstas como penas administrativas. (Art. 72 da lei 9605/98). A pena de multa prevista para a pessoa jurídica será calculada seguindo os critérios presentes no Código Penal, ou seja, o pagamento da multa será feito com base em valor fixado na sentença e será calculado em dias-multa, sendo de no mínimo 10 e no máximo 360 dias-multa. O valor máximo, quando mostrar-se ineficaz frente ao valor da vantagem auferida, poderá ser aumentado em até três vezes. (Art.

20 20 18 lei 9605/98 c/c Art. 49 1ºCP), O valor pago na multa é revertido ao fundo penitenciário. Os dias-multa tem por base o salário-mínimo vigente ao tempo do fato, não podendo ser inferior ao trigésimo nem superior a cinco vezes esse salário. Comparando-se o máximo da sanção penal de multa e da sanção administrativa de multa, constata-se gritante desproporção, podendo esta multa atingir até R$ ,00 (cinqüenta milhões de reais, Art. 75 da lei 9605/98). A doutrina de uma forma geral considera a pena de multa a mais característica para a punição das pessoas jurídicas. Existe ainda uma punição prevista na lei que poderá ser considerada a mais grave em se tratando de pessoa Jurídica, é o critério da despersonalização, previsto no artigo 24 da lei 9605/98, trata-se da liquidação forçada do ente coletivo que, em termos comparativos, assemelha-se à pena de morte da pessoa física que é permitida em alguns países. A despersonalização da pessoa jurídica ocorre quando esta é constituída ou utilizada com o fim de facilitar, permitir ou ocultar a prática de crime definido na lei ambiental. Neste caso o ente coletivo estará agindo de má-fé e contra o Estado que autorizou a sua criação. Com a liquidação da pessoa jurídica, seus bens serão perdidos em favor do Fundo Penitenciário Nacional, pois referido patrimônio é tido como instrumento do crime que levou à sua despersonalização. A despersonalização da pessoa jurídica é sanção decorrente da inovação advinda por esta lei supra citada, baseando-se esta no potencial de delinqüir inerente ao ente coletivo. Diante do exposto pode-se observar algumas das principais inovações criadas junto com a lei 9605/98, realizando uma breve análise comparativa. Antes as legislações penais ambientais eram de difícil aplicação, isto porque as leis eram esparsas, com o advento da lei 9605/98 a legislação ambiental é consolidada, as penas têm uniformização e gradação adequadas e as infrações são claramente definidas; a pessoa jurídica não era responsabilizada criminalmente, hoje a lei define a responsabilidade da pessoa

21 21 jurídica - inclusive a responsabilidade penal - e permite a responsabilização também da pessoa física autora ou co-autora da infração; a pessoa jurídica não tinha decretada liquidação quando cometia infração ambiental, agora a pessoa jurídica pode ter liquidação forçada no caso de ser criada e/ou utilizada para permitir, facilitar ou ocultar crime definido na lei, e seu patrimônio é transferido para o Patrimônio Penitenciário Nacional; outra inteligência da lei é que antes a reparação do dano ambiental não extinguia a punibilidade, de forma inteligente hoje a punição é extinta com apresentação de laudo que comprove a recuperação do dano ambiental; havia a impossibilidade de aplicação direta de pena restritiva de direito ou multa, agora a partir da constatação do dano ambiental, as penas alternativas ou a multa podem ser aplicadas imediatamente; a aplicação das penas alternativas era possível para crimes cuja pena privativa de liberdade fosse aplicada até 02 (dois) anos, com o advento da lei supra é possível substituir penas de prisão até 04 (quatro) anos por penas alternativas, como a prestação de serviços à comunidade. A grande maioria das penas previstas na lei tem limite máximo de 04 (quatro) anos, dando tratamento de direito penal mínimo, levando-se em conta a situação carcerária do país; a destinação dos produtos e instrumentos da infração não era bem definida, hoje em dia produtos e subprodutos da fauna e flora podem ser doados ou destruídos, e os instrumentos utilizados quando da infração podem ser vendidos; matar um animal da fauna silvestre, mesmo para se alimentar, era crime inafiançável, mais uma vez levando-se em conta o direito penal mínimo se a pessoa matar um animal para saciar a fome dela mesma ou de sua família, a lei descriminaliza o abate, no entanto o fato de matar o animal simplesmente continua sendo considerado como crime; os maus tratos contra animais domésticos e domesticados era contravenção, hoje além dos maus tratos, o abuso contra estes animais, bem como aos nativos ou exóticos, passa a ser crime; não havia disposições claras relativas a experiências realizadas com animais, agora experiências dolorosas ou cruéis em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, são consideradas crimes, quando existirem recursos alternativos. A lei 9605/98 além de estabelecer os crimes contra o meio ambiente, estabelece também punições

22 22 para aqueles que de alguma forma danificam o patrimônio histórico e cultural do nosso país, e também para aqueles que continuam praticando ações que possam vir a destruir o meio ambiente e colocar em risco a vida de pessoas, como a soltura de balões, expressamente prevista na lei como um crime. Estes foram alguns exemplos das alterações ocorridas com o advento da lei, claro parece para os operadores do direito que a lei supra facilitou o trabalho em se tratando de danos ambientais, pois sintetizou de uma forma adequada os crimes que antes estavam espalhados em outras normas legais, que muitas vezes não eram aplicadas, ou careciam de regulamentação. Neste ano a lei 9605/98 estará completando doze anos de existência e ainda desperta críticas por parte de muitos doutrinadores, no sentido de que a lei em referência não prospera em seu conteúdo, quando por exemplo, responsabiliza penalmente a pessoa jurídica, ou tipifica culposamente o ato de "destruir, danificar, lesar ou maltratar plantas de ornamentação em propriedade privada alheia (.art. 49).", assim como, ao estabelecer reprimenda mais elevada (art.32, pena - detenção de três meses a um ano e multa), àquele que "maltrata animais silvestres ou domesticados, nativos ou exóticos", ao passo que ao próprio ser humano, a lei penal prevê a magra pena de detenção de dois meses a um ano ou multa ao delito de maus tratos.(art. 136, CP). Entretanto como visto suas inovações podem vir a se tornar um forte aliado contra os crimes praticados contra o meio ambiente.

23 23 CAPÍTULO II A RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA POR CRIMES AMBIENTAIS. A comunidade internacional somente despertara para a formação de uma consciência verde no momento em que a luta pelo desenvolvimento econômico a qualquer preço começou a ser mitigada. A convenção de Estocolmo, em 1972 foi um marco para os movimentos sociais, que terminaram por impor frutos na legislação brasileira, que timidamente começou a regulamentar a devastação desenfreada do nosso patrimônio ambiental. Neste sentido a lei 6938/81, que instituiu a Política Nacional para o meio ambiente, foi a certidão de nascimento do Direito Ambiental Brasileiro, apesar da lei de zoneamento industrial, de 1980, ter a primazia de enunciar primeiro a questão sob uma ótica holística de meio ambiente. O artigo 225 da nossa Constituição Federal de 1988 incorporou ao nosso ordenamento jurídico institutos então conhecidos por poucos segmentos sociais, desenvolvimento sustentável e meio ambiente ecologicamente equilibrado, passam a integrar o conceito de cidadania, influenciado pelos direitos humanos internacionalmente reconhecidos, como o direito ao desenvolvimento a saúde e à educação, a saúde do trabalhador, diretamente atingida pelos efeitos da poluição, sendo esta uma bandeira que interessava tanto ao poder público quanto ao empresariado. O caráter transdiciplinar do direito ambiental extrapola as fronteiras do público e do privado, ficando além de simples relações de direito entre

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Tutela penal do meio ambiente (Lei Federal nº 9.605/98) Daniele Pereira Corrêa ÍNDICE CONSIDERAÇÕES GERAIS RESPONSABILIDADE PENAL AMBIENTAL DOS CRIMES AMBIENTAIS SANÇÕES PENAIS PESSOAS

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais

Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais Dr. Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais 1. Leis esparsas, de difícil aplicação.

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais

A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho * Igor Oliveira Borges RESUMO: Este texto trata a respeito da Lei 9.605 de 1998, lei esta que

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br (Artigos) considerações sobre a responsabilidade "penal" da pessoa jurídica Dóris Rachel da Silva Julião * Introdução É induvidoso que em se tratando da criminalidade econômica e

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL DIREITO NO BRASIL CONTEXTO NACIONAL Ordenamento Jurídico; O meio ambiente na constituição federal; Política Nacional do Meio Ambiente; SISNAMA; Responsabilidades civil; Responsabilidade penal ambiental;

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas. www.aceti.com.br

Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas. www.aceti.com.br Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas A Responsabilidade Ambiental Tutela Administrativa Tutela Criminal Tutela Cível Copyright Proibida

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO 13 Congresso Brasileiro de Direito Ambiental Mesa Redonda IX DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO Presidente: Damásio de Jesus Relator Geral: Eladio Lecey

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

Foto 10: Preenchimento 2. Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento. Foto 12: Acabamento final

Foto 10: Preenchimento 2. Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento. Foto 12: Acabamento final 49 Foto 10: Preenchimento 2 Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento Foto 12: Acabamento final 50 Foto 13: Utilização da esmiriradeira Foto 14: Armazenamento Foto 15: Acabamento final 51 Foto 16: Selo

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS. João Batista Machado Barbosa

O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS. João Batista Machado Barbosa O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS João Batista Machado Barbosa DIREITO PENAL AMBIENTAL OBJETIVO Fazer com que a audiência compreenda os princípios e normas que constituem o Direito Penal Ambiental

Leia mais

Responsabilidade penal ambiental. A importância da reparação do dano ambiental

Responsabilidade penal ambiental. A importância da reparação do dano ambiental Responsabilidade penal ambiental A importância da reparação do dano ambiental Ideal: Meio ambiente sadio, preservado e equilibrado ecologicamente Realidade: Busca de solução jurídica diante de uma situação

Leia mais

REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Aline Barandas 1 RESUMO: A atual Constituição Federal brasileira prega valores sociais,

Leia mais

PESSOAS JURÍDICAS E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS

PESSOAS JURÍDICAS E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS RÔMULO RESENDE REIS A RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS JURÍDICAS E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS RÔMULO RESENDE REIS I BREVE HISTÓRICO Se entende que desde os tempos mais remotos, quando os grupos primitivos

Leia mais

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres:

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: Murillo José Digiácomo 1 Uma questão que sempre surge quando se discute o papel do Conselho Tutelar no Sistema de Garantias idealizado

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.901/99) Dá nova redação ao caput do artigo 32 da Lei nº 9.605, de

Leia mais

DANO AMBIENTAL: SEM LEI NÃO HÁ DANO? Fúlvia Leticia Perego Silva 1, Munir Jorge Felício 2

DANO AMBIENTAL: SEM LEI NÃO HÁ DANO? Fúlvia Leticia Perego Silva 1, Munir Jorge Felício 2 86 DANO AMBIENTAL: SEM LEI NÃO HÁ DANO? Fúlvia Leticia Perego Silva 1, Munir Jorge Felício 2 1 Integrante do Núcleo de Estudos Ambientais e Geoprocessamento NEAGEO do Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO E NO

Leia mais

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes)

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) Dispõe sobre o conceito de trabalho análogo ao de escravo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Para fins desta Lei, a expressão "condição análoga à

Leia mais

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO Professor Márcio Widal 1. Introdução. A perseguição do crime pelo Estado não pode ser ilimitada no tempo, por força, inclusive, da garantia da presunção de inocência. Além disso, o Estado deve

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais Capítulo II Princípios penais e político-criminais Sumário 1. Princípio da legalidade penal: 1.1. Previsão; 1.2. Origem; 1.3. Denominação e alcance; 1.4. Funções 2. Princípio da fragmentariedade 3. Princípio

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS. Artigo 1º Âmbito de aplicação

CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS. Artigo 1º Âmbito de aplicação PROPOSTA ESTATUTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES (Aprovada pelo Conselho Geral em reunião de 29.10.2012, órgão com competência para aprovar o regulamento, nos termos do disposto no artigo 90º, n.º 1 dos Estatutos

Leia mais

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas DIREITO PENAL Prof. Marcelo André de Azevedo TEORIA GERAL DO CRIME INTRODUÇÃO TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA RESULTADO NEXO DE CAUSALIDADE CONDUTA TEORIAS a) causal b) causal valorativa (neoclássica)

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES Perguntas/Respostas alunos Módulo 2 Seguem abaixo as respostas aos questionamentos elaborados pelos alunos. Bons estudos! PERGUNTA 1 Aluna: Talita Késsia Andrade

Leia mais

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL Atender às exigências internacionais de combate a corrupção Estimular a prática do compliance. Ética corporativa na administração.

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA ESTUDO POLUIÇÃO SONORA José de Sena Pereira Júnior Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO DEZEMBRO/2005 Câmara

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Mariza Giacomin Lozer Patrício Advogada (FESV).

Leia mais

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção.

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014 Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. Entrou em vigor no dia 29 de janeiro a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013,

Leia mais

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências Jurídicas e Ciências Sociais DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3 Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA 2013 2 DÉBORA DE

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL E O DIREITO AMBIENTAL. Rachel Lopes Queiroz Chacur

DA RESPONSABILIDADE CIVIL E O DIREITO AMBIENTAL. Rachel Lopes Queiroz Chacur 81 DA RESPONSABILIDADE CIVIL E O DIREITO AMBIENTAL Rachel Lopes Queiroz Chacur Docente da Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. RESUMO Toda e qualquer ação humana resulta em um impacto no meio ambiente,

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 Hassan Souki Advogado Associado do Escritório Homero Costa Advogados. A Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, tipifica, em seu

Leia mais

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA, CIVIL E PENAL NA SUPERVISÃO DOS FUNDOS DE PENSÃO. Rio de Janeiro, 11 de agosto de 2015

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA, CIVIL E PENAL NA SUPERVISÃO DOS FUNDOS DE PENSÃO. Rio de Janeiro, 11 de agosto de 2015 RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA, CIVIL E PENAL NA SUPERVISÃO DOS FUNDOS DE PENSÃO Rio de Janeiro, 11 de agosto de 2015 1 RESPONSABILIDADES TRIPARTITES RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA RESPONSABILIDADE CIVIL

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS BARBOSA, Lenires Terezinha de Oliveira Toledo1 JARDIM, Edeveraldo Alessandro da Silva2 NASCIMENTO, Rogerio3 SILVA, Cristiane

Leia mais

A MUDANÇA DA CULTURA JURÍDICA SOBRE DROGAS

A MUDANÇA DA CULTURA JURÍDICA SOBRE DROGAS A MUDANÇA DA CULTURA JURÍDICA SOBRE DROGAS Mirela Aparecida Xavier da Silva 1 Wagner Edemilson Mendonça Silva Melo 2 Resumo O presente artigo abordará assuntos relativos à nova lei de drogas, a Lei 11.343/2006,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: NORMALIZAÇÃO E AUDITORIAS AMBIENTAIS PROF a : NAZARÉ FERRÃO TURMA: 8-DADM

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: NORMALIZAÇÃO E AUDITORIAS AMBIENTAIS PROF a : NAZARÉ FERRÃO TURMA: 8-DADM 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: NORMALIZAÇÃO E AUDITORIAS AMBIENTAIS PROF a : NAZARÉ FERRÃO TURMA: 8-DADM RESPONSABILIDADES PROVENIENTES DE ACIDENTES AMBIENTAIS

Leia mais

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI Nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998 Dispõe sobre a proteção de propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências.

Leia mais

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS Camila Silvia Martinez Perbone 30* As penalidades, desde os primórdios da civilização, sempre tiveram a finalidade de punir de modo severo, apenas para restabelecer

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

Autor: Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Réu: Evanderly de Oliveira Lima. Vistos.

Autor: Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Réu: Evanderly de Oliveira Lima. Vistos. Fl..---- --- ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTO ARAGUAIA Tribunal do Júri Vistos. O Ministério Público estadual ofereceu denúncia contra o réu Evanderly de Oliveira Lima, por ter infringido

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

Lei Anticorrupção: principais aspectos e como se preparar para este novo cenário

Lei Anticorrupção: principais aspectos e como se preparar para este novo cenário Lei Anticorrupção: principais aspectos e como se preparar para este novo cenário Marcelo Leonardo Cristiano Helena Marques de Souza Fernandes Como um dos resultados do compromisso assumido pelo Brasil

Leia mais

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO Significado: Terminar, acabar. Importância: Termo inicial da prescrição e na competência territorial (não esquecer da teria da ubiqüidade quanto ao

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004]

O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004] O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004] Salo de Carvalho Advogado e Professor da PUC/RS Após a tramitação dos Processos de Execução Penal

Leia mais

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas.

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA IMPEACHMENT Fernando França Caron Especialista em Direito Constitucional pela Faculdade Damásio de Jesus Docente do Curso de Direito da UNILAGO RESUMO A Constituição Federal de

Leia mais

TÍTULO: A INDENIZAÇÃO NA LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS LEI Nº 9.605/98

TÍTULO: A INDENIZAÇÃO NA LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS LEI Nº 9.605/98 TÍTULO: A INDENIZAÇÃO NA LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS LEI Nº 9.605/98 Adriana Jesus Guilhen 1 SUMÁRIO: I- O DIREITO AMBIENTAL; II- RESPONSABILIDADE CIVIL AMBIENTAL; III- RESPONSABILIDADE PENAL AMBIENTAL;

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

CÓDIGO PENAL: PARTE ESPECIAL

CÓDIGO PENAL: PARTE ESPECIAL CÓDIGO PENAL: PARTE ESPECIAL Ataídes Kist 1 1 Docente do Curso de Direito da Unioeste, Campus de Marechal Cândido Rondon. E-mail ataideskist@ibest.com.br 10 ATAÍDES KIST RESUMO: Na estrutura do Direito

Leia mais

TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL/2000

TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL/2000 TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL/2000 01) A prestação de serviço militar é compulsória e não constitui sanção a ato ilícito, porém não tem a natureza de tributo porque não é prestação pecuniária. Os impostos,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas PL 5196/2013 Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas Medidas Corretivas: natureza jurídica. [redação original do PL] Art. 60-A. Sem prejuízo da sanções

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA Eladio Lecey Diretor-Presidente, Escola Nacional da Magistratura - AMB Diretor, Escola Brasileira de Direito

Leia mais

O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE. Ministério Público do Estado de Minas Gerais

O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE. Ministério Público do Estado de Minas Gerais O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE Ministério Público do Estado de Minas Gerais Fechamento de barragens Aspectos institucionais; Fechamento de mina X fechamento de barragem. Teoria da responsabilidade

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA C O N T E Ú D O : N O Ç Õ E S D E D I R E I T O : I N T R O D U Ç Ã O A O E S T U D O D O D I R E I T O A M B I E N T A L C A R A C T E R Í S T I C A S D A L E G I S L

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Aborto

Prof. José Nabuco Filho. Aborto Aborto Apostila 1. Introdução Sob o nomem juris de aborto, o Código Penal tipifica quatro crimes diferentes: 1 duas definidas no art. 124, tendo como sujeito ativo a gestante; outras duas, em que o sujeito

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes:

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes: 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito 3) Espécies de concursos de crimes 4) Natureza Jurídica 5) Sistemas de aplicação da pena 6) Concurso Material ou Real 7) Concurso

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd!

Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd! Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd! Leis de Software U M A V I S Ã O D O S A S P E C T O S R E G U L A T Ó R I O S D A T E C N O L O G I

Leia mais

Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues O QUE É GESTÃO AMBIENTAL? "O controle apropriado do meio ambiente

Leia mais

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas.

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. CONCURSO DE PESSOAS Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. Nos crimes unisubjetivos o concurso

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

AULA 06. CONTEÚDO DA AULA: Sistemas de Teoria do Delito. Sistemas Clássico, Neoclássico, Finalista e Funcionalista. TEORIA DO CRIME (cont.

AULA 06. CONTEÚDO DA AULA: Sistemas de Teoria do Delito. Sistemas Clássico, Neoclássico, Finalista e Funcionalista. TEORIA DO CRIME (cont. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 06 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 06 CONTEÚDO DA AULA: Sistemas de Teoria do Delito. Sistemas

Leia mais

2 - Como as penas são aplicadas

2 - Como as penas são aplicadas 1 de 8 10/16/aaaa 11:40 Meio Ambiente A Lei de Crimes Ambientais Nome A Lei de Crimes Ambientais Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Meio Ambiente Resenha Informações resumidas

Leia mais

Artigo: Legislação Federal Sobre Poluição Sonora Urbana e competência dos municípios

Artigo: Legislação Federal Sobre Poluição Sonora Urbana e competência dos municípios Artigo: Legislação Federal Sobre Poluição Sonora Urbana e competência dos municípios Roberto Ramalho é advogado e foi procurador da Secretaria Municipal de Proteção ao Meio Ambiente de Maceió I Introdução

Leia mais

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998.

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Lei de Software Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais