BuscaLegis.ccj.ufsc.br

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BuscaLegis.ccj.ufsc.br"

Transcrição

1 BuscaLegis.ccj.ufsc.br Tutela penal do meio ambiente (Lei Federal nº 9.605/98) Daniele Pereira Corrêa ÍNDICE CONSIDERAÇÕES GERAIS RESPONSABILIDADE PENAL AMBIENTAL DOS CRIMES AMBIENTAIS SANÇÕES PENAIS PESSOAS FÍSICAS PESSOA JURÍDICAS RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CONSIDERAÇÕES FINAIS CONSIDERAÇÕES GERAIS Esta lei nasceu de projeto enviado pelo Poder Executivo Federal. Inicialmente o seu objetivo era sistematizar as penalidades administrativas e unificar os valores das multas, mas, devido à amplos debates no Congresso Nacional, esta foi a tentativa de consolidar a legislação relativa ao meio ambiente no âmbito penal. Sua edição trouxe muitos benefícios, dentre eles há a transformação da maioria das contravenções penais, relativas à proteção da flora, em crimes. Dentre as inovações pode-se citar a não utilização do encarceramento como norma geral para as pessoas físicas criminosas, a valorização da intervenção da Administração Pública por meio de autorizações, licenças e permissões e, ainda, a responsabilização penal das pessoas jurídicas. A responsabilidade penal da pessoa jurídica está relacionada com o crescente índice de criminalidade na área do Direito Penal Econômico, que em sua maioria é realizado por um ente coletivo. Há uma estrita relação entre o aprimoramento técnico-científico, que serve para facilitar o convívio do ser humano em sociedade, com a forma de concretização dos fatos delituosos, utilizando-se, por vezes, a empresa para aperfeiçoar o ilícito penal.

2 Esta lei refere-se às sanções criminais e administrativas, mas estas ainda estão pendentes de regulamentação. Sofreu alterações pelo Executivo, isto em decorrência da pressão feita pelos grandes produtores agrícolas, alterando os pontos essenciais que atingiam a classe supra. No seu conjunto, trata-se de um diploma normativo moderno, estabelecendo coerentemente as condutas administrativas e criminais lesivas ao meio ambiente, sem prejuízo das sanções civis existentes em outras leis específicas. Esta sistematização proporcionou, às normas de direito ambiental, o conhecimento pela sociedade e possível execução pelos entes estatais. Trata-se de lei específica sobre crimes ambientais, mas nem todos os atos lesivos à natureza foram abrangidos na íntegra do seu texto; por isto há normas ainda em vigor no Código Penal, na Lei das Contravenções Penais e no Código Florestal. Temos como exemplo a contravenção referente à poluição sonora ou o delito de difusão de doença ou praga. Este diploma é semelhante ao Estatuto da Criança e do Adolescente, assim como ao Código de Defesa do Consumidor, nos aspectos de seu conteúdo, pois visa a promover a qualidade de vida e a dignidade humana, num país de marginalização social. O grande obstáculo está nos órgãos públicos responsáveis pelo fiscalização ambiental, em relação à institucionalização desses, pois falta recursos. (financeiros, organização, metas). Como exemplo da falta de recursos dos órgãos públicos supra, temos os problemas das queimadas no coração da floresta amazônica, em Roraima, onde o poder público mostra-se ineficaz em apagar o fogo; isto é decorrente não só da estiagem, mas também da falta de prevenção do poder público em relação às reservas ecológicas brasileiras. Renomados juristas criticaram a lei supra, por considerar que responsabiliza, com reprimenda elevada de detenção de três meses a um ano - art. 32 Lei 9605/98, àquele que maltrata animais silvestres, domesticados etc., enquanto o Código Penal prevê aos maus tratos, crime contra seres humanos, pena de detenção de dois meses a um ano ou multa (Art. 136 CP). No geral, a doutrina concorda que a lei supra foi positiva, tendo procurado trazer melhor exeqüibilidade das sanções penais, visto isso nas situações delituosas não tidas como de grave ameaça ou violência á pessoa, pois possuem a possibilidade de serem substituídas por penas restritivas de direitos. Com isso a nova lei não mais salvaguarda o intuito preventivorepressivo da pena, mediante a privação da liberdade do criminoso. Há nas normas modernas consonância com a problemática penitenciária do país. Por fim, para entender a evolução histórica da responsabilidade das pessoas jurídicas, vale lembrar as teorias que discutiam a sua capacidade de delinqüir: a) Teoria da Ficção: Tem suas raízes no direito romano e segue o princípio "societas deliquere non potest", tendo como seguidor Savigny, afirmando que apenas o ser humano é capaz de delinqüir, posto que só ele é dotado de vontade e capacidade de direcionar seus atos.

3 b) Teoria da Realidade: Tem origem germânica e é conhecida por teoria organicista. Afirma que a pessoa jurídica é um ser real com vontade própria, não sendo esta apenas o reflexo da vontade de seus associados, administradores e diretores. 1. RESPONSABILIDADE PENAL AMBIENTAL A Responsabilidade refere-se às conseqüências da conduta, sendo a obrigação de suportar as conseqüências jurídicas do crime. Procura-se tornar alguém obrigado a ressarcir o dano ou a sofrer determinada pena, por motivo daquele efeito a que deu causa. A Lei 9605/98 especificou, de forma clara e objetiva, a responsabilidade penal, tanto da pessoa física quanto da jurídica (ente coletivo). Transformou em crimes a maioria das condutas que antes eram tidas como simples contravenções penais. As penas estipuladas atingem, em média, de um a três anos. Corrigiu distorções existentes no Código de Caça; como exemplo disto temos o fato de um simples camponês, que abate um animal silvestre para consumo, ser submetido à alta punição, em crime inafiançável; enquanto os latifúndios são pulverizados com agrotóxicos e ficam isentos de sanções penais. A inovação da lei 9605/98 foi instituir tal responsabilidade às pessoas jurídicas, quando praticarem crimes contra o meio ambiente. Pode-se acreditar que tal fato foi decorrente das recomendações do " 15º Congresso da Associação Internacional de Direito Penal", no Rio de Janeiro, em O legislador, dentro deste assunto, optou pelo sistema da Responsabilidade Penal Cumulativa, onde a responsabilidade do ser coletivo não exclui a de seus diretores e administradores, considerando o nexo entre os fatos praticados pela pessoa jurídica e as vantagens que deles podem decorrer às pessoas físicas acima citadas.

4 2. DOS CRIMES AMBIENTAIS Os crimes ambientais dividem-se em: Crimes contra a Fauna; Crimes contra a Flora; Poluição e outros crimes ambientais; Crimes contra o Ordenamento Urbano e o Patrimônio Cultural e; Crimes contra a Administração Ambiental. Há ainda os casos de infração administrativa ambiental, sendo esta toda ação ou omissão que viole as regras jurídicas de uso, gozo, promoção, proteção e recuperação do meio ambiente. (Vide art.70 Lei 9605/98) As infrações encontram-se claramente definidas, contendo penas uniformes e graduação alternada. Há a possibilidade de extinguir a punibilidade, basta que seja apresentado laudo que comprove a recuperação do dano ambiental. Havendo constatação do dano ambiental, poderão ser imediatamente aplicadas a multa ou penas alternativas. A maioria das penas tem o limite máximo de 4 anos e há a possibilidade de obter o sursis, de forma mais benéfica ao beneficiário do que a norma geral prevista no Código Penal. Temos como exemplos de penas previstas na lei 9605/98: a) As penas de até 1 (um) ano, para aquelas aplicadas aos crimes de destruição, dano, lesão, maus tratos das plantas de ornamentação. b) As penas de 3 (três) anos, que cabem no caso de funcionário público agindo de má-fé em autorização ou licenciamento ambiental. c) A pena de 5 (cinco) anos aplica-se a quem dificultar ou impedir o uso das praias. A conduta irresponsável dos funcionários públicos passaram a ser previstas claramente, assim como outras inovações surgiram com a vigência deste texto legal supra citado. Vale lembrar o conflito entre os princípios da especialidade e o da consunção frente ao questionamento: Será o dano ao meio ambiente mero meio de alcançar ato que é crime ambiental? Diante disto, o princípio da especialidade define os crimes ambientais, gerando efeitos negativos ao meio ambiente, apenas. Já o da consunção especifica que os danos ambientais causados foram mero meio de aperfeiçoar crimes patrimoniais. 3. SANÇÕES PENAIS As sanções penais são impostas aos infratores das normas ambientais previstas na lei 9605/98.

5 Estas sanções não se confundem com a obrigação legal de reparar os danos causados(art º CF/88), tendo em vista que a reparação é de natureza civil e independe de culpa do autor da ação ou omissão; já para aplicar sanção penal ou administrativa, deve-se demonstrar a culpa do agente infrator. As penas poderão ser aplicadas isolada, cumulativa ou alternativamente. APLICAÇÃO: PESSOAS FÍSICAS GENERALIDADES A responsabilidade penal da pessoa física está presente na íntegra dos textos de ordem criminal. (Art. 27 e Art.13 CP) A lei 9605/98 reforça o entendimento sobre a responsabilidade penal das pessoas físicas, especificamente nas normas ambientais. Mesmo que haja a participação da pessoa jurídica em conjunto com a física, a responsabilização daquela não exclui a apuração da responsabilidade desta; pois, ainda que apuradas num mesmo processo penal, as responsabilidades são diferentes e poderão acontecer a condenação ou a absolvição em conjunto ou separadamente. (Art. 3º único Lei 9605/98) PENAS - PRIVATIVA DE LIBERDADE São aplicadas ás pessoas físicas e podem ser substituídas pelas penas restritivas de direitos. Há a possibilidade de ocorrer o sursis, isto é, a substituição condicional da pena privativa de liberdade, desde que esta não seja superior a três anos; tendo em vista o artigo 16 da lei 9605/98 que, sem dúvida, derrogou o art. 77 do CP ao tratar do prazo para poder ocorrer a citada substituição condicional. Em termos claros temos: O Código Penal aplica o sursis nos casos de crimes com pena privativa não superior a dois anos, já a Lei 9605/98 confere tal instituto, substituindo aquelas penas que não sejam superior a três anos. Esta lei confere dispositivo mais benéfico, apesar de seu caráter específico. Por fim revela-se como forma mais expressiva de sanção penal, apesar da tendência contemporânea de adotar as penas restritivas de direitos e de multa. - RESTRITIVA DE DIREITOS São penas autônomas e podem substituir as penas privativas de liberdade quando a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade do condenado indicarem

6 que a substituição seja suficiente para a reprovação e prevenção do crime. (vide art.7º e 10 Lei 9605/98). Pelo fato do Código Penal ser fonte subsidiária de aplicação, se houver reincidência do crime ambiental, haverá impedimento quanto a utilização do sistema de pena restritiva de direitos.(vide Art. 44,II CP c/c Art.79 Lei 9605/98). O Código de Defesa do Consumidor trata de direitos difusos, sendo também aplicado, nestes casos, no âmbito ambiental; assim será aplicada, às expensas do condenado, a sanção de publicar, em órgãos de grande circulação ou audiência, a notícia sobre os fatos e a condenação. (Art. 78 II CDC) Pode-se citar, a título de exemplo, alguns casos a respeito das penas restritivas de direitos, tais são: a)prestação DE SERVIÇOS À COMUNIDADE: Nesta o condenado prestará serviço gratuito nos parques, nos jardins públicos e nas unidades de conservação, sendo estas as Reservas Biológicas, Reservas Ecológicas, Estações Ecológicas, Parques Nacionais etc. (vide art. 40 1º da referida lei). De acordo com o Código Penal, o terceiro não poderá cumprir a tarefa conferida ao condenado e esta tem que ser conforme as aptidões deste, que irá cumpri-la em oito horas semanais, sem prejudicar a sua a jornada de trabalho. O serviço prestado à comunidade poderá consistir em restaurar o dano causado; esse pode ser em benefício da coisa particular ou pública. Dependendo do caso, haverá um sistema específico de reparação. b)suspensão DE ATIVIDADES: poderá ser total ou parcial. Ocorrerá desde que seja constatado que há desobediência às regras expressas nas leis federais, municipais e estaduais, apenas. (Art. 11 Lei 9605/98) c) PRESTAÇÃO PECUNIÁRIA: ocorre pelo pagamento em dinheiro àqueles que sofreram com o dano, podendo a vítima ser entidade pública ou privada com fim social. O valor será fixado pelo juiz. (Art. 12 lei supra). d)interdição TEMPORÁRIA DE DIREITOS: há um impedimento explícito de o condenado contratar com o Poder Público. Não poderá participar de licitações nem receber doações, subvenções e subsídios dos órgãos públicos, inclusive bancos e agências de financiamento estatais. A pena será de cinco ou três anos, sendo referente, respectivamente, a crimes dolosos e crimes de natureza culposa. e) RECOLHIMENTO DOMICILIAR: apresenta-se como meio de evitar o recolhimento carcerário comum nas sanções. O condenado trabalhará, sem vigilância, exercendo as

7 atividades autorizadas pelo juiz. Para garantir sua eficácia, segundo a maioria dos penalistas, esta pena restritiva de direitos deveria ser cumulada com outra pena de natureza restritiva, que seja voltada à recuperação do meio ambiente. - MULTA A pena de multa está prevista em etapas de aplicação, tratando-se de prestação pecuniária por parte do infrator ou referindo-se aos casos em que serão fixadas por instrumentos normativos, sendo calculadas com base nos critérios do Código Penal. (Art. 18 c/c Art. 8º, IV Lei 9605/98). O pagamento será feito à vítima ou à entidade pública ou privada com fim social, sendo este deduzido do montante de eventual reparação civil a que for condenado o infrator. A importância é fixada pelo juiz. (Art.12 Lei 9605/98). As multas, além de previstas como sanções penais, estão previstas como penas administrativas. (Art. 72 Lei 9605/98) PESSOAS JURÍDICAS GENERALIDADES A pessoa jurídica é uma organização destinada à atingir fins diversos, sendo atribuída a titularidade de direitos e obrigações pela ordem jurídica. Podem ser fictícias (teoria da ficção) ou ente real (teoria da realidade). A responsabilidade penal da pessoa jurídica decorre do fatos que comprovam a elevada participação das corporações nos crimes ambientais. É necessário adaptar o direito criminal e o conceito de vontade criminosa, que possuem aspectos subjetivos relacionados com a pessoa física, à realidade dos entes coletivos, para se poder trabalhar a imputabilidade da pessoa jurídica, sem ter de prescindir da culpa nos moldes de uma responsabilidade objetiva. O reconhecimento da pessoa jurídica como possível agente causador de dano ambiental contribui para a melhoria e recuperação do meio ambiente, caso contrário estar-se-ia aceitando a imprestabilidade ou inutilidade do Direito Penal nas matérias de cunho ambiental. Sendo assim a pessoa jurídica será responsabilizada administrativa, civil e penalmente quando a infração for por ela cometida, nas pessoas de seu representante legal(indicado no estatuto) ou contratual(diretor, administrador, gerente, preposto ou mandatário da pessoa jurídica), ou de seu órgão colegiado, quando estiverem agindo no interesse ou benefício de sua entidade. (O benefício não se confunde com o interesse, pois este reflete a idéia de lucro adicionada à importância dada ao fato para o ente).

8 As penas ambientais poderão ser aplicadas isolada, cumulativa ou alternativamente às pessoas jurídicas. (Art.3º c/c Art. 21 Lei 9605/98) Dentre as principais penalidades previstas, temos: multa, prestação de serviços à comunidade e a restrição de direitos. Por fim, nos artigos 173 3º e 225 3º há disposição acerca dos atos praticados contra a ordem econômica e financeira, e contra à economia popular em relação às atividades lesivas ao meio ambiente, gerando aos autores destas condutas as sanções penais e administrativas devidas, independentemente da obrigação de reparação dos danos causados; com isso comprova-se que a Carta Magna consagrou a responsabilidade penal da pessoa jurídica. PENAS - MULTA A pena de multa prevista para a pessoa jurídica será calculada seguindo os critérios presentes no Código Penal, ou seja, o pagamento da multa será feito com base em valor fixado na sentença e será calculado em dias-multa, sendo de no mínimo 10 e no máximo 360 dias-multa. O valor máximo, quando mostrar-se ineficaz frente ao valor da vantagem auferida, poderá ser aumentado em até três vezes. (Art. 18 Lei 9605/98 c/c Art. 49 1ºCP) O valor pago na multa é revertido ao fundo penitenciário. Os dias-multa tem por base o salário-mínimo vigente ao tempo do fato, não podendo ser inferior ao trigésimo nem superior a cinco vezes esse salário. Comparando-se o máximo da sanção penal de multa e da sanção administrativa de multa, constata-se gritante desproporção, podendo esta multa atingir até R$ ,00 (Art. 75 Lei 9605/98). A doutrina considera a pena de multa a mais característica para a punição das pessoas jurídicas - REDUÇÃO DOS DIREITOS (Art. 22 Lei 9605/98) São penas restritivas de direitos: a)suspensão PARCIAL OU TOTAL DE ATIVIDADES: Ocorre quando, no processo penal, comprova-se a desobediência às disposições regulamentares ou legais. Deve-se pesquisar não só a desobediência aos termos da autorização, licença ou permissão ambiental, mas ao acatamento ou não da íntegra do conjunto das disposições legais ou regulamentares.

9 A suspensão das atividades serão necessárias quando agirem intensamente contra a saúde humana e contra a incolumidade da vida vegetal e animal. O tempo mínimo ou máximo da pena será fixado pelo juiz, de acordo com o caso concreto. A suspensão de atividades poderá não ser temporária. b)interdição TEMPORÁRIA DE ESTABELECIMENTO, OBRA OU ATIVIDADE: Ocorre quando houver funcionamento, por parte do estabelecimento, obra ou atividade, sem a devida autorização ou em desacordo com a já existente. A pena de interdição só existe em caráter temporário, caracterizando-se com a paralisação ou embargo da obra, do estabelecimento ou atividade; sendo meio para impor a entidade a adaptar-se à legislação ambiental. Quanto, ao prazo, diante do silêncio da lei, aplicar-se-á o previsto para a interdição temporária de direitos das pessoas físicas (Art. 10 Lei 9605/98). c)proibição DE CONTRATAR COM O PODER PÚBLICO: Inclui também a proibição de obter subsídios, subvenções ou doações por parte do poder público. A pena deste dispositivo consiste em impedir que a empresa condenada apresentese às licitações públicas, isto porque o dinheiro arrecadado pelo fisco não pode ser repassado a quem age criminalmente, principalmente em relação ao meio ambiente. (Art. 12 Lei 6938/81). - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE A solicitação ao juiz para que este comine qualquer dos tipos de prestação de serviços, fica a critério do Ministério Público ou da própria entidade ré. Os custos do serviço devem ser levantados para que haja uma proporcionalidade entre o crime cometido, as vantagens auferidas por este e os recursos econômicos e financeiros da entidade condenada; assim o juiz determinará o quantum a ser despendido e o tempo de duração da referida prestação. De acordo com o artigo 23 da lei 9605/98, consistirá em : a) CUSTEIO DE PROGRAMAS E PROJETOS AMBIENTAIS b) EXECUÇÃO DE OBRAS E RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

10 c) MANUTENÇÃO DE ESPAÇOS PÚBLICOS d) CONTRIBUIÇÕES A ENTIDADES AMBIENTAIS OU CULTURAIS PÚBLICAS 4. RESPONSABILIZAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA A Responsabilidade penal da pessoa jurídica foi instituída com 3º do artigo 225 da CF/88, tendo esta norma adquirido plena aplicabilidade após o advento da Lei de Proteção Ambiental nº9605/98, ante a expressa previsão da responsabilidade penal da pessoa jurídica, na hipótese de violações de bens jurídicos ambientais. A responsabilização da pessoa jurídica atinge aquelas de direito público e as de direito privado; sendo assim, poderão ser incriminadas penalmente tanto a Administração Pública (direta e indireta), quanto as associações, fundações e sindicatos, respectivamente. A aceitação ou rejeição da possibilidade da pessoa jurídica ser responsável por crime ambiental varia de acordo com as tendências histórico-sociais. O CRITÉRIO DA DESPERSONALIZAÇÃO (Art. 24 Lei 9605/98) Constitui a mais grave sanção aplicada à pessoa jurídica, trata-se da liquidação forçada do ente coletivo que, em termos comparativos, assemelha-se à pena de morte da pessoa física que é permitida em alguns países. A despersonalização da pessoa jurídica ocorre quando esta é constituída ou utilizada com o fim de facilitar, permitir ou ocultar a prática de crime definido na lei ambiental. Neste caso o ente coletivo estará agindo de má-fé e contra o Estado que autorizou a sua criação. Com a liquidação da pessoa jurídica, seus bens serão perdidos em favor do Fundo Penitenciário Nacional, pois referido patrimônio é tido como instrumento do crime que levou à sua despersonalização. A despersonalização da pessoa jurídica é sanção decorrente da inovação advinda por esta lei supra citada, baseando-se esta no potencial de delinqüir inerente ao ente coletivo. CONSIDERAÇÕES FINAIS Analisando a tutela penal do meio ambiente sob a vista das inovações, temos a responsabilização da pessoa jurídica quando por esta há a prática de atos danosos ao meio

11 ambiente. Está ficando ultrapassada a idéia da responsabilidade individual baseada na dogmática tradicional, sendo as inovações tratadas em lei penais especiais. A responsabilidade por parte dos entes coletivos já foi tema polêmico na doutrina, sendo a sua aceitação fundamentada na necessidade de atender às exigências da sociedade atual emergente. Não há dificuldades para impor penas à pessoa jurídica, posto que, além da multa, há no direito penal moderno uma vasta quantidade de penas que podem ser utilizadas. A doutrina contrária à responsabilidade das pessoas jurídicas afirma: não há responsabilidade sem culpa, há o princípio da personalidade das penas, há penas inaplicáveis aos entes supra e, a incapacidade de arrependimento. Isto não prospera, pois a empresa tem capacidade para causar dano ambiental. Disponível em: Acesso: 15 de junho de 2007

Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais

Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais Dr. Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais 1. Leis esparsas, de difícil aplicação.

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS Camila Silvia Martinez Perbone 30* As penalidades, desde os primórdios da civilização, sempre tiveram a finalidade de punir de modo severo, apenas para restabelecer

Leia mais

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção.

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014 Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. Entrou em vigor no dia 29 de janeiro a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013,

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 FEBRABAN Arthur Lemos Jr Promotor de Justiça Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos Compliance A LEI PROVOCA

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO 13 Congresso Brasileiro de Direito Ambiental Mesa Redonda IX DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO Presidente: Damásio de Jesus Relator Geral: Eladio Lecey

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS. João Batista Machado Barbosa

O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS. João Batista Machado Barbosa O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS João Batista Machado Barbosa DIREITO PENAL AMBIENTAL OBJETIVO Fazer com que a audiência compreenda os princípios e normas que constituem o Direito Penal Ambiental

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL Atender às exigências internacionais de combate a corrupção Estimular a prática do compliance. Ética corporativa na administração.

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas. www.aceti.com.br

Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas. www.aceti.com.br Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas A Responsabilidade Ambiental Tutela Administrativa Tutela Criminal Tutela Cível Copyright Proibida

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SEGURANÇA DE BARRAGENS DE REJEITOS RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SIMEXMIN OURO PRETO 18.05.2016 SERGIO JACQUES DE MORAES ADVOGADO DAS PESSOAS DAS PESSOAS NATURAIS A vida é vivida por

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL DIREITO NO BRASIL CONTEXTO NACIONAL Ordenamento Jurídico; O meio ambiente na constituição federal; Política Nacional do Meio Ambiente; SISNAMA; Responsabilidades civil; Responsabilidade penal ambiental;

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB

AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB 1 BASE LEGAL LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 (Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das Autarquias

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

MODELO CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR

MODELO CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR MODELO CONTRATO N.º /20 CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR A (Órgão/Entidade Federal, Estadual ou Municipal), pessoa jurídica de direito público ou privado, com sede à Rua, n.º,

Leia mais

AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores

AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Mónica Oliveira Costa Portugal Outubro 2015 Recentemente

Leia mais

carácter intencional ou não intencional da sua violação.

carácter intencional ou não intencional da sua violação. NOVAS MEDIDAS, PROCEDIMENTOS E RECURSOS PARA ASSEGURAR O RESPEITO DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL No passado dia 1 de Abril foi publicado o Decreto-Lei nº 16/2008, que transpôs para a nossa ordem

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

MUNICÍPIO DE PANAMBI RS

MUNICÍPIO DE PANAMBI RS DECRETO MUNICIPAL Nº 064/2014, DE 02 DE JULHO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL 3.681/2013, INSTITUIDORA DO FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. Miguel Schmitt Prym,

Leia mais

Foto 10: Preenchimento 2. Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento. Foto 12: Acabamento final

Foto 10: Preenchimento 2. Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento. Foto 12: Acabamento final 49 Foto 10: Preenchimento 2 Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento Foto 12: Acabamento final 50 Foto 13: Utilização da esmiriradeira Foto 14: Armazenamento Foto 15: Acabamento final 51 Foto 16: Selo

Leia mais

A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE. Agosto, 2014

A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE. Agosto, 2014 A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE Agosto, 2014 Lei Anticorrupção Brasileira: Lei 12.846/2013 Aspectos Gerais: Vigência: Entrou em vigor em 29/01/2014; Será regulamentada. Objetivo: Responsabilizar

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA, CIVIL E PENAL NA SUPERVISÃO DOS FUNDOS DE PENSÃO. Rio de Janeiro, 11 de agosto de 2015

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA, CIVIL E PENAL NA SUPERVISÃO DOS FUNDOS DE PENSÃO. Rio de Janeiro, 11 de agosto de 2015 RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA, CIVIL E PENAL NA SUPERVISÃO DOS FUNDOS DE PENSÃO Rio de Janeiro, 11 de agosto de 2015 1 RESPONSABILIDADES TRIPARTITES RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA RESPONSABILIDADE CIVIL

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais

Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais Edimundo Almeida da Cruz Geógrafo, Analista Ambiental (GCA-SLM-IEMA) Contato: edimundo-cruz@hotmail.com IEMA-CLM: (27) 3636-2580, 3636-2583

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE

RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE Diz a Resolução 237/97 do Conama que o empreendedor e os profissionais que subscreverem os estudos necessários ao processo de licenciamento serão responsáveis

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais

A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho * Igor Oliveira Borges RESUMO: Este texto trata a respeito da Lei 9.605 de 1998, lei esta que

Leia mais

Medidas de Combate à Corrupção e à Impunidade

Medidas de Combate à Corrupção e à Impunidade Medidas de Combate à Corrupção e à Impunidade Âmbito de Discussão Medidas discutidas com: Casa Civil Ministério da Justiça Controladoria-Geral da União Advocacia-Geral da União Ministério do Planejamento,

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento Disciplinar é aplicável aos estudantes do ISAL - Instituto Superior de Administração e

Leia mais

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Material de apoio para estudo: slides trabalhados em sala de aula com acréscimo de

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988, CAPÍTULO VI - DO MEIO AMBIENTE

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988, CAPÍTULO VI - DO MEIO AMBIENTE CONSTITUIÇÃO FEDERAL Constituição Federal de 1988, CAPÍTULO VI - DO MEIO AMBIENTE Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros

Leia mais

CONSIDERANDO o que o Sr. João Lima Goes relatou ao Conselho Tutelar de Alto Piquiri Paraná, cuja cópia segue em anexo;

CONSIDERANDO o que o Sr. João Lima Goes relatou ao Conselho Tutelar de Alto Piquiri Paraná, cuja cópia segue em anexo; RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 05/2012 CONSIDERANDO que, nos termos do art. 201, inciso VIII, da Lei nº 8.069/90, compete ao Ministério Público zelar pelo efetivo respeito aos direitos e garantias legais

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA C O N T E Ú D O : N O Ç Õ E S D E D I R E I T O : I N T R O D U Ç Ã O A O E S T U D O D O D I R E I T O A M B I E N T A L C A R A C T E R Í S T I C A S D A L E G I S L

Leia mais

AGEOS Associação Gaúcha de Obras de Saneamento. Giovani Agostini Saavedra Saavedra & Gottschefsky Advogados Associados

AGEOS Associação Gaúcha de Obras de Saneamento. Giovani Agostini Saavedra Saavedra & Gottschefsky Advogados Associados AGEOS Associação Gaúcha de Obras de Saneamento Giovani Agostini Saavedra Saavedra & Gottschefsky Advogados Associados Breve panorama sobre a nova Lei Anticorrupção Giovani Agostini Saavedra Contexto da

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL LEGISLAÇÃO PERTINENTE AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL; RESPONSABILIDADE ÉTICA; RESPONSABILIDADE TÉCNICA; REPONSABILIDADE CIVIL; RESPONSABILIDADE

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

SUMÁRIO. NOTAÀ9. a EDIÇÃO... LISTA DE ABREVIATURAS... INTRODUÇÃO...

SUMÁRIO. NOTAÀ9. a EDIÇÃO... LISTA DE ABREVIATURAS... INTRODUÇÃO... SUMÁRIO NOTAÀ9. a EDIÇÃO... 5 LISTA DE ABREVIATURAS................................. 13 INTRODUÇÃO... 17 l. PROTEÇÃO JURÍDICA DO MEIO AMBIENTE... 19 l.1 Meio ambiente. Breves considerações...... 19 l.2

Leia mais

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Decorre da transgressão de normas administrativas pelo servidor,

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

TÍTULO: A INDENIZAÇÃO NA LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS LEI Nº 9.605/98

TÍTULO: A INDENIZAÇÃO NA LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS LEI Nº 9.605/98 TÍTULO: A INDENIZAÇÃO NA LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS LEI Nº 9.605/98 Adriana Jesus Guilhen 1 SUMÁRIO: I- O DIREITO AMBIENTAL; II- RESPONSABILIDADE CIVIL AMBIENTAL; III- RESPONSABILIDADE PENAL AMBIENTAL;

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO FINANCEIRA I CICLO DE APERFEIÇOAMENTO EM GESTÃO FINANCEIRA O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO Prof. Ariel Lopes Torres E-mail: ariel@unemat.br CÁCERES

Leia mais

PESSOAS JURÍDICAS E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS

PESSOAS JURÍDICAS E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS RÔMULO RESENDE REIS A RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS JURÍDICAS E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS RÔMULO RESENDE REIS I BREVE HISTÓRICO Se entende que desde os tempos mais remotos, quando os grupos primitivos

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas PL 5196/2013 Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas Medidas Corretivas: natureza jurídica. [redação original do PL] Art. 60-A. Sem prejuízo da sanções

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet Tendências em Privacidade e Responsabilidade Carlos Affonso Pereira de Souza Professor da Faculdade de Direito da UERJ Diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS) @caffsouza

Leia mais

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94):

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94): Thiago d Ávila Membro da Advocacia-Geral da União. Procurador Federal. Procurador do INCRA em Natal/RN. Ex-Procurador do INSS. Ex-Procurador do Órgão de Arrecadação da Procuradoria-Geral Federal. Dedica-se

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

DIREITO PENAL MILITAR

DIREITO PENAL MILITAR DIREITO PENAL MILITAR Objetivos: Definir direito penal e direito penal militar; Distinguir direito penal militar das demais denominações do direito e dos demais direitos e ciências afins; Distinguir lei

Leia mais

AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Professor Thiago Gomes

AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Professor Thiago Gomes AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Professor Thiago Gomes 1. NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... 2. CONTEXTUALIZAÇÃO O QUE VEM NA MENTE QUANDO OUVIMOS A PALAVRA CONTRATOS ADMINISTRATIVOS? 1. CONCEITO - CONTRATOS

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Texto compilado Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CTB- Parte Especial Art. 302. Praticar

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 6, ANO III JUNHO DE 2011 1 TRIBUTOS COM EXIGIBILIDADE SUSPENSA NÃO PODEM SER DEDUZIDOS DA CSLL De acordo com o CARF, os valores provisionados

Leia mais

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional?

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? L F Ladir & Franco A D V O G A D O S RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? Túlio Arantes Bozola Advogado - Ladir & Franco

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CORNÉLIO PROCÓPIO

CÂMARA MUNICIPAL DE CORNÉLIO PROCÓPIO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 002/2015 02/02/2015 EMENTA: Estabelece medidas com o intuito de se evitar a venda, oferta, fornecimento, entrega e o consumo de bebida alcoólica, ainda que gratuitamente,

Leia mais

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO DO PIS/PASEP MEDIANTE ALÍQUOTA DE 1% (UM POR CENTO) INCIDENTE SOBRE A FOLHA DE SALÁRIO

Leia mais

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 Cria o Fundo de Prevenção, Recuperação e de Combate às Drogas de Abuso, dispõe sobre os Bens Apreendidos e Adquiridos com Produtos de Tráfico Ilícito de Drogas ou

Leia mais

Gestão e Legislação Ambiental

Gestão e Legislação Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA Mestrado em Recursos Hídricos H e Saneamento Disciplina: Gestão e Legislação Ambiental Professora: Selêude Wanderley da NóbregaN Legislação Ambiental

Leia mais

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito Esses consórcios, a fim de poder assumir obrigações e exercer seus direitos perante terceiros, precisam de personalidade jurídica, assim, a citada lei dispôs que eles serão pessoas jurídicas de direito

Leia mais

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação 12) Revisão criminal contra sentença condenatória que for contrária ao texto expresso de lei penal T foi condenado por apropriação indébita previdenciária,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Prezada, NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Florianópolis, 18 de abril de 2012. Interessados: Secretarias

Leia mais