Relatório do 1º ano do Projeto. Dezembro de 2012 a Dezembro de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório do 1º ano do Projeto. Dezembro de 2012 a Dezembro de 2013"

Transcrição

1

2 Relatório do 1º ano do Projeto Dezembro de 2012 a Dezembro de

3 Relatório Executivo Voluntários de Leitura é um projeto que visa potenciar a acção de voluntariado na promoção da leitura, mediante uma sensibilização da sociedade civil para o valor social do voluntariado de leitura e através de um sistema de gestão que possibilita a adesão de voluntários e o seu acolhimento por parte dos profissionais da leitura. A conceção e o desenvolvimento foram realizados pelo Centro de Investigação para Tecnologias Interativas da Universidade Nova de Lisboa (CITI - UNL) e pela Associação para o Voluntariado de Leitura (AVL), sob a coordenação de Isabel Alçada. O lançamento teve lugar em Dezembro de 2012 com a apresentação pública da infra-estrutura digital de suporte da qual constam um sítio electrónico e páginas nas principais redes sociais. O sítio do projeto visa estimular a adesão de voluntários e de instituições, graças à compreensão do potencial papel social do voluntariado na área da educação, da cultura e da saúde. Inclui conteúdos destinados a assegurar uma apreensão clara do projeto nas suas diferentes dimensões e a fornecer elementos que permitam a organização e o enquadramento dos voluntários de leitura nas organizações em que participam. Entre Dezembro de 2012 e Dezembro de 2013 o número de cidadãos, inscritos como voluntários, atingiu os 648, o que testemunha o interesse suscitado. Inscreveram-se ainda 32 estudantes da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL, que frequentaram uma unidade curricular que apoia o projeto. Graças à permanente participação e ao empenho do parceiro - Rede de Bibliotecas Escolares (REB) foi possível colocar os voluntários em escolas de todo o país. Para avaliar o impacto do trabalho realizado recorreu-se à análise: da audiência do sítio, através do Google Analytics; da audiência das páginas do Facebook; das respostas a um questionário online. As respostas dos participantes- voluntários, professores-bibliotecários, docentes, bibliotecários, cidadãos,- testemunham uma adesão e uma apreciação francamente positivas. O projeto celebrou protocolos e acordos com os seguintes parceiros: Fundação Calouste Gulbenkian; Fundação Montepio; Fundação Aga Khan; Rede de Bibliotecas Escolares; Direção- Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas; Plano Nacional de Leitura; Entrajuda; Lusitania; Fundação do Gil; RUTIS; Observatório da Língua Portuguesa e Câmara Municipal de Sintra. Estão a ultimar-se protocolos com as Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores e com um significativo conjunto de câmaras municipais do continente. 3

4 Executive Repport Volunteer Reading is a project that aims to potentiate the action of volunteering in promoting reading through a sensitization of civil society to the social value of volunteering and reading through out a management system that enhances and enables the adhesion of volunteers and their integration by professionals. The project design and development was conducted by Research Centre for Interactive Technologies, at Universidade Nova de Lisboa (C.I.T.I. - U.N.L.) and the Association for Volunteer Reading (AVL), and coordinated by Isabel Alçada. The launch took place in December 2012 with the public presentation of digital infrastructure support which contains an web site and pages on major social networks. The project site - - aims to encourage the participation of volunteers and institutions, based on the understanding of the potential social role of volunteering in education, culture and health. It includes contents to ensure a clear apprehension of the project in its different dimensions and to provide information to enable the organization and framework of voluntary reading in organizations in which they participate. Between December 2012 and December 2013 the number of citizens registered as volunteers, reached 648, which testifies to the interest raised by the project. Still enrolled 32 students from the Faculty of Social and Human Sciences UNL, who attended a curricular unit that supports the project. Thanks to ongoing involvement and commitment of the partner - School Libraries Network (RBE) it was possible to place volunteers in schools all across the country. To assess projects impact the following instruments were used: audience site via Google Analytics, audience of Facebook pages, answers to online questionnaires. The responses of the participating volunteers, teachers, librarians, teachers, librarians, citizens, - witnessed and a frankly positive assessment. The project signed protocols and agreements with the following partners: Fundação Calouste Gulbenkian; Fundação Montepio; Fundação Aga Khan; Rede de Bibliotecas Escolares, Direcção Geral do Livros, dos Arquivos e Bibliotecas; Plano Nacional de Leitura; Entrajuda; Lusitania; Fundação do Gil; RUTIS; Observatório de Língua Portuguesa e Municipalty of Sintra. New protocols are about to be signed with the Autonomous Regions of Madeira and the Azores and with a significant number of municipal councils of the continent. 4

5 1. Objetivos do Projeto Voluntários de Leitura O projecto Voluntários de Leitura foi iniciado em Setembro de 2012 com os seguintes objectivos: Sensibilizar as instituições promotoras de leitura para as vantagens de se abrirem para o acolhimento de voluntários; Apoiar iniciativas de escolas, bibliotecas e outras organizações na captação, no enquadramento de voluntários de leitura e na divulgação das atividades realizadas junto da sua comunidade; Sensibilizar a sociedade civil para o valor social do voluntariado de leitura e estimular a adesão de voluntários através de uma plataforma digital que facilite inscrições e funcione como instrumento congregador entre voluntários e profissionais; Disponibilizar informação e apoio técnico e científico sobre o valor e a prática do voluntariado de leitura; Assegurar recursos de formação a voluntários, bem como a responsáveis pela gestão de programas de voluntariado; Realizar investigação sobre o impacto das ações de voluntariado no desenvolvimento da literacia e na consolidação dos hábitos de leitura de crianças e jovens. 2. Equipa do Projeto A coordenação é assegurada pelos professores Isabel Alçada, Carlos Correia e Irene Tomé. No projecto estão envolvidos bolseiros e investigadores do CITI (licenciados, mestres, doutorandos e doutores), responsáveis pelo desenvolvimento das diferentes áreas: designers; especialistas em 3D; especialistas na estruturação de conteúdos, no desenvolvimento curricular para o e-learning, na construção de bases de dados, na videografia, na audiografia, na sonoplastia, no marketing digital e em programação. 5

6 3. Estratégia de lançamento Para o lançamento foram estabelecidos contactos pessoais diretos com potenciais instituições de acolhimento e potenciais candidatos a voluntários de leitura, na intenção de determinar as condições indispensáveis à credibilização do projecto, de modo a que tanto uns como outros pudessem ser atraídos. Este propósito levou à realização de visitas a escolas, públicas e privadas, para avaliar o interesse da parte de direções, professores bibliotecários, docentes de diferentes níveis educativos, associações de pais e encarregados de educação. No que respeita a potenciais voluntários, foram entrevistados cidadãos de vários grupos etários, desde alunos do Ensino Superior a profissionais em exercício, reformados e desempregados. A partir dos elementos recolhidos, determinou-se o conteúdo que seria necessário incluir num site, cuja estrutura final assumiu como público-alvo Voluntários, Docentes, Bibliotecários e Outros Profissionais, nomeadamente profissionais da área da saúde, bem como universidades e organizações que congregam cidadãos seniores. Estabeleceu-se posteriormente um relacionamento formal e celebraram-se protocolos de colaboração com o Plano Nacional de Leitura e a Rede de Bibliotecas Escolares, para integrar o projecto na rede de iniciativas que a nível nacional são lançadas no âmbito da promoção da leitura, e ainda com câmaras municipais para potenciar a inserção do projecto nos bancos locais de voluntariado e nas actividades locais de estímulo da leitura. Outras organizações com as quais se estabeleceram protocolos de colaboração foram a Entrajuda cuja actividade no domínio do Voluntariado permitiu que o projecto beneficiasse de um conhecimento inserido na prática, a Fundação do Gil e ainda a Rede de Universidades Seniores (RUTIS). Os apoios financeiros foram disponibilizados pela Fundação Calouste Gulbenkian, pela Fundação Montepio e pela companhia de seguros Lusitania. 6

7 4. Actividades realizadas no 1º ano (Dezembro de 2012 a Dezembro de 2013) 4.1 Construção da infraestrutura digital para suporte do projeto A estrutura digital para suporte do projeto inclui um sítio e presença nas redes sociais. Foi concebida para dar resposta aos seguintes objetivos: Divulgar o projeto junto de potenciais participantes e de organizações que se disponibilizassem a apoiá-lo; Recolher adesões de voluntários e de instituições de acolhimento; Gerir o relacionamento entre voluntários e instituições, mediante a construção de uma base de dados adequada; Proporcionar informação científica, exemplificação prática e troca de experiências sobre a promoção da leitura em diferentes contextos e sobre a natureza e formas do exercício do voluntariado; Gerir o relacionamento entre os cidadãos/voluntários de leitura e as instituições de acolhimento, nomeadamente escolas, bibliotecas, hospitais, centos de dia, universidades seniores. 7

8 A plataforma foi desenvolvida ao longo de 2012 e 2013, contou com a participação das entidades envolvidas e permitiu disponibilizar as seguintes modalidades de apoio técnico e científico: Fundamentação do valor e impacto do voluntariado de leitura no desenvolvimento da literacia e na consolidação de hábitos de leitura; Apresentação descritiva de diferentes modalidades de ação de voluntários de leitura, junto de crianças e jovens; Apoio à gestão de iniciativas de voluntariado nas instituições em que se venham a desenvolver; Definição do perfil dos voluntários de leitura e do regulamento de voluntariado de leitura, no quadro da lei do voluntariado; Organização do sistema de recrutamento, selecção, avaliação e acolhimento de voluntários para a promoção da leitura por parte das escolas, bibliotecas e outras organizações; Disponibilização de recursos de informação e de módulos de formação em e- learning, para voluntários de leitura, utilizáveis pelas escolas e bibliotecas e outras organizações que integrarem a rede; Apoio ao enquadramento de voluntários em iniciativas de promoção da leitura com crianças e jovens; Definição de parâmetros para o acompanhamento e a gestão dos programas de voluntariado a desenvolver nas escolas e bibliotecas; 8

9 Orientações para identificação precoce pelos docentes das crianças que deverão beneficiar de apoio de voluntários; Incentivo à ampliação de apoios institucionais e financiamento para as iniciativas de voluntariado Conteúdos incluídos no sítio do projeto Para o sítio do projeto o CITI procedeu à elaboração de conteúdos destinados a assegurar uma apreensão clara do projeto nas suas diferentes dimensões e a fornecer elementos que permitissem a organização e o enquadramento de voluntários de leitura. A informação disponibilizada visou também estimular a adesão de voluntários e de instituições, graças à compreensão do potencial papel social do voluntariado na área da educação. 9

10 Os conteúdos foram agregados às seguintes rubricas: Quem Somos - Missão/Apresentação do Projeto; Equipa; Parceiros; Contactos; Voluntários Papel dos Voluntários; Como tornar-se Voluntário de Leitura?; Integração dos Voluntários; Recursos: Informação e Formação; Docentes - Papel dos Voluntários nas escolas; Como organizar o voluntariado; Atividades de Voluntariado de Leitura susceptíveis de realização nas escolas; Coordenação/ Etapas da Organização; Beneficiários; Tempo e duração; Recursos: Informação e Formação; Bibliotecários - Papel dos Voluntários nas bibliotecas; Organizar Voluntariado; Atividades de Voluntariado de Leitura; Coordenação/Etapas da Organização; Beneficiários; Tempo e duração; Recursos: Informação e Formação; Outros Profissionais Centros de Saúde e Hospitais; Universidades Seniores; Formação Módulos de formação em e-learning sobre a leitura, a promoção da leitura e sobre a organização e gestão de atividades de voluntariado. 10

11 Legislação- Inventariação de diplomas legais sobre voluntariado. Galeria Vídeos; Imagens. Para atingir os diferentes públicos foram disponibilizados no site os seguintes elementos: Fichas de inscrição online: os dados dos participantes recaem directamente na base de dados do projeto o que permite uma gestão rigorosa da colocação de voluntários, em articulação permanente com a Rede de Bibliotecas Escolares e a Rede de Leitura Pública, cujos responsáveis são também gestores da base de dados; Orientações e sugestões de procedimentos destinadas aos diferentes grupos de potenciais participantes; 11

12 16 Módulos de formação em e-learning para os voluntários, bem como para os docentes e bibliotecários responsáveis pelo acolhimento; 12

13 16 Vídeos com testemunhos de personalidades sobre o valor da leitura e do voluntariado; 13

14 9 vídeos com exemplificação de procedimentos de leitura com crianças no quadro da acção de voluntariado em escolas. 14

15 4.3 Plataforma e Sistema de Gestão de Base de Dados Objetivos do Sistema Para interligar eletronicamente todas as entidades que participam no projeto, desenvolveu-se uma plataforma que foi denominada Sistema de Gestão do Voluntariado de Leitura (SGVL), recorrendo a um sistema de gestão de base de dados (SGBD). A plataforma convida as Escolas, os Voluntários, as Bibliotecas Municipais e outras entidades/organizações a utilizar um perfil electrónico para que a Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) e o CITI possam gerir a integração dos voluntários nas instituições que preferem, e aceder a todas as funcionalidades que tornam possível operacionalizar o voluntariado. A equipa formada conceber e desenvolver esta plataforma, com o grau de complexidade que se exigia, foi constituída por especialistas em arquitetura de informação, user experience, modelação de base de dados e programação Sistema de Gestão Voluntariado de Leitura (SGVL) O Sistema de Gestão do Voluntariado de Leitura (SGVL) é atualizado frequentemente e sofre alterações à estrutura e à navegação em função das necessidades e reorientações estratégicas dos Voluntários de Leitura. Trata-se de uma plataforma em constante evolução e que pretende ir ao encontro das exigências do Projeto, bem como responder a solicitações fundamentadas, por parte dos diversos intervenientes, que acrescentem valor à plataforma. Funcionalidades da plataforma Registo de participantes A partir do Website dos Voluntários de Leitura é possível efetuar o registo das seguintes entidades: Voluntários; Escolas/Agrupamentos; Bibliotecas Municipais; e Outras Instituições. O processo de registo é facilitado devido à utilização das tecnologias implementadas, recorrendo a bibliotecas específicas de JavaScript (jquery/json), que proporcionam 15

16 retorno imediato ao utilizador, quer dos estados de navegação, quer das opções tomadas. A agilização dos processos de registo e edição são fundamentais quando se pretende alcançar utilizadores com capacidades e aptidões muito variadas. A título de exemplo podemos indicar a página de registo das Escolas/Agrupamentos, que foi desenhada para orientar todo o processo de inscrição. Integração de voluntários em escolas e outras organizações A Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) tem a responsabilidade de integrar os voluntários inscritos em Escolas que se enquadram nas suas preferências. Quando o voluntário se inscreve na plataforma regista várias informações relativas à sua preferência, nomeadamente a área geográfica (concelhos) onde pretende desenvolver o voluntariado, tempo disponível, etc. Esta informação é utilizada pelo SGVL para filtrar automaticamente Escolas inscritas da área de interesse do voluntário. O utilizador RBE quando se autentica no SGVL tem acesso a 3 listagens distintas: voluntários por colocar; informação sobre o estado dos voluntários integrados em Escolas; informação sobre os Voluntários a desenvolver voluntariado ou que já tenham terminado. 16

17 Quando se consulta a informação acerca de um Voluntário não colocado surgem todos os elementos relevantes para o processo de colocação. 17

18 Os privilégios de administração da RBE permitem aos responsáveis pela gestão do projeto aceder aos dados das entidades registadas, com listagem imediata dos mais relevantes. Acolhimento de voluntários nas Escolas Depois de o Voluntário ser agregado a uma Escola, esta propõe uma data para a realização de uma primeira reunião a fim de aferir a aptidão do Voluntário, da sua disponibilidade e motivação. Ao Voluntário cabe aceitar ou rejeitar a reunião agendada. A qualquer momento a Escola pode remarcar a reunião ou cancelar a agregação. 18

19 Edição de Registos Todos os perfis de utilizador, correspondentes aos intervenientes participantes no projeto, podem editar os dados de registo. Estas alterações refletem-se de imediato nos processos de agregação. Os formulários foram concebidos com todas os recursos técnicos que garantem baixos tempos de preenchimento e submissões eficazes. 5. Divulgação/ formação presencial sobre o projeto Os objectivos e linhas gerais do projeto foram apresentados pelos coordenadores do projeto em sessões públicas realizadas por todo o país, especialmente dirigidas aos seguintes sectores do público-alvo: Direcções de agrupamentos de escolas; Professores bibliotecários; Bibliotecários da Rede Pública de Leitura; Potenciais voluntários; Associações de pais; 19

20 Responsáveis de Câmaras Municipais; Bancos de voluntariado dos municípios; Potenciais mecenas; Responsáveis por organizações seniores. 6. Atividades de gestão do projeto Na sequência do lançamento da plataforma digital, em Dezembro de 2012 e da realização de sessões presenciais preparatórias, passou-se à fase de gestão do projeto através de um conjunto de procedimentos que permitiram colocar voluntários nas instituições e iniciar o respetivo enquadramento. Angariação e recolha de inscrições de voluntários e de instituições de acolhimento, o que exigiu um processo diário de atendimento online; Gestão de contacto entre voluntários e instituições de acolhimento, com o apoio da Rede de Bibliotecas Escolares e da Direção-Geral do Livro; Formação presencial de coordenadores interconcelhios de bibliotecas escolares de todo o país e de professores bibliotecários para que pudessem enquadrar os voluntários da respectiva área de influência; Apoio presencial e online aos responsáveis diretos pelo voluntariado nas instituições de acolhimento; Apoio constante a voluntários através de comunicação online; Gestão de seguros de voluntários com o apoio da Companhia de Seguros Lusitania. 7. Protocolos e Acordos Foi possível celebrar protocolos e acordos com os seguintes parceiros: Fundação Calouste Gulbenkian; Fundação Montepio; Fundação Aga Khan; Rede de Bibliotecas Escolares; Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas; Plano Nacional de Leitura; Entrajuda; Lusitania; Fundação do Gil; RUTIS; Observatório da Língua Portuguesa e Câmara Municipal de Sintra. Estão a ultimar-se protocolos com as Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores e com um significativo conjunto de câmaras municipais do continente. 20

21 8. Voluntariado de Leitura, uma Unidade Curricular da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa O CITI desenhou e disponibilizou uma unidade curricular, de voluntariado de leitura, para os 1º e 2ºsemestres, que funciona, desde o ano lectivo desde , como oferta lectiva aos estudantes de licenciatura de todos os cursos da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da UNL, conferente de 6 ECTS. Esta unidade curricular é constituída por quatro unidades de aprendizagem em que são abordadas as seguintes temáticas: Apoio à Preparação de Voluntários de Leitura; Leitura a Par e Leitura em Voz Alta; Seminários Livres, com a participação de especialistas na área do Voluntariado e, finalmente, Leitura, Literacia e Políticas de Promoção da Leitura. No final de cada semestre, os alunos desta disciplina apresentam, um relatório referente à actividade de voluntariado que realizaram no terreno e apresentam o trabalho realizado em sessão pública na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa. 21

22 9. Balanço de um ano de projeto Ao longo do ano, o projeto não parou de crescer o que exigiu um esforço constante da equipa envolvida e dos parceiros que se associaram participando directamente na criação e consolidação da Rede de Voluntários de Leitura. Apresentam-se alguns números que traduzem o trabalho realizado até dezembro de Cidadãos inscritos no sítio do projeto como voluntários Voluntários colocados em escolas, bibliotecas e outras organizações Estudantes da FCSH UNL que realizaram voluntariado curricular nos anos lectivos 2012/13 e 2013/14 (1º semestre) Avaliação do projeto Voluntários de Leitura Para avaliar o projeto recorreu-se a três fontes de informação: Audiência do sítio Voluntários de Leitura Utilização da página Voluntários de Leitura do Facebook Respostas ao questionário online disponibilizado no site do projeto 10.1 Audiência do Sítio Voluntários de Leitura A análise de audiência do sítio foi realizada a partir do relatório Google Analytics, um instrumento estatístico de idoneidade consensual em toda a Internet, criado pela Universidade de Standford, onde o Google foi concebido. Este relatório disponibiliza a análise, a estruturação e a seriação de dados resultantes de uma leitura mundial recolhida em todos os motores de pesquisa disponíveis na Internet. Os resultados referentes ao sítio Voluntários de Leitura são os que abaixo se apresentam. 22

23 Análise Geral No período entre Dezembro de 2012, mês em que o sítio foi lançado e Dezembro de 2013, o site Voluntários de Leitura obteve um total de visualizações e visitas, sendo que dessas visitas foram feitas por diferentes utilizadores. A média do número de páginas abertas por visita foi de 3,63 e a duração média de cada visita ronda os 3,39 minutos. A bounce rate foi incorretamente traduzida pela Google por taxa de rejeição. Deveria ter sido traduzida por taxa de redirecionamento, pois contabiliza o número de utilizadores que visitam o sítio vindos a partir de visualização de outros sites. O sítio Voluntários de Leitura obteve uma taxa de redirecionamento de 53,78%. A percentagem de novos visitantes é de 73,21%, superior portanto à dos visitantes que regressam, que é de 26,7%. Localização /Origem das visualizações Como se pode observar no mapa e no quadro, o país com maior incidência de visitas é Portugal, com um total de 19,540 visitantes, seguido do Brasil, com 5,345 visitantes, dos Estados Unidos da América com 162 visitantes e de Espanha com

24 A taxa de novas visitas em Portugal (66,49%) é inferior à da taxa de novas visitas no Brasil (94,59%) e à taxa de novas visitas nos EUA que é de 96,91%. 24

25 Quanto à taxa de redirecionamento (aqui traduzida por taxa de rejeição), verifica-se uma percentagem de 45,96% em Portugal, uma percentagem de 76,69% no Brasil e uma percentagem de 87,65% nos EUA. A média do número de páginas abertas por visita é de 4,24 em Portugal, de 1,72 no Brasil e de 1,49 nos EUA. Relativamente à duração média das visitas, Portugal lidera com uma média de 4,30 minutos, seguido de 1,02 minutos no Brasil e de 34 segundos nos EUA. Em Espanha a duração média das visitas é de 2,32 minutos e em Angola de 3 minutos. Idioma A visita do sítio por utilizadores de língua portuguesa de Portugal (pt) é a mais frequente com um total de 11,614 visitas, seguida da visita por utilizadores que usam o português do Brasil com um total de 6,497 (pt-br). Em terceiro lugar está a visita por utilizadores de língua portuguesa em versão não especificada com um total de 4,831 visitas (pt). Em quarto lugar, está a o conjunto de utilizadores de língua inglesa dos EUA (en-us) com um total de 2,404 visitas seguindo-se utilizadores de língua inglesa não especificando a origem (en), utilizadores de língua inglesa da Grã-Bretanha (en-gr) e ainda utilizadores de língua espanhola (es). 25

26 A taxa de novas visitas de utilizadores de português do Brasil é superior à dos utilizadores de língua portuguesa de Portugal com uma percentagem de 88,09% em relação à de 60,33% da portuguesa. A percentagem de novas visitas de utilizadores de inglês dos EUA é de 58,40%. Relativamente à taxa de redirecionamento, verifica-se uma percentagem de 46,51% nos utilizadores de português de Portugal e uma percentagem de 73,91% de utilizadores de português do Brasil. A taxa de redicionamento de utilizadores de inglês dos EUA é de 53,33%. A média do número de páginas abertas por visita é de 4,10 por parte de utilizadores de língua portuguesa de Portugal, de 2,16 de utilizadores de português do Brasil e de 3,45 de utilizadores de inglês dos EUA. Por último, a média da duração de visita é de 4,14 minutos de utilizadores de português de Portugal (pt), 1,40 minutos de utilizadores de português do Brasil e de 4,18 minutos de utilizadores de inglês dos EUA. Tipo de visitantes A análise do tipo de visitantes do sítio Voluntários de Leitura, permite concluir que o número de novos visitantes ( visitas) é consideravelmente superior ao número de visitantes que regressam ao site (6 902 visitas). Este resultado indica que a captação de novos públicos tem vindo a realizar-se e que é legítimo prever que a tendência de crescimento se mantenha. Dispositivos utilizados É interessante verificar o tipo de dispositivo que os utilizadores usam na consulta do site 26

27 Voluntários de Leitura. Olhando para o quadro, podemos constatar que visitas são feitas a partir de computadores, 914 visitas são feitas a partir de tablets e 692 visitas são feitas a partir de telemóveis Utilização do Facebook: Página dos Voluntários de Leitura O sistema de estatística do Facebook proporciona ao utilizador informação permanente que lhe permite acompanhar a visibilidade da página através dos seguintes parâmetros: Alcance Nº de pessoas que viram as publicações; Nº de pessoas que falam sobre a página em diferentes periodicidades; Nº de pessoas que afirmaram gostar da página. Recorreu-se a esse sistema para apresentar as estatísticas da página Voluntários de Leitura de 1 de janeiro de 2013 a 1 de dezembro de Alcance semanal da página Voluntários de Leitura O alcance da página corresponde ao número de pessoas que viram qualquer conteúdo associado à página. 27

28 O alcance médio semanal, entre 1 de Janeiro e 1 de Dezembro, foi de pessoas. No 1.º trimestre, o alcance médio semanal foi de pessoas, variando entre as 97 que visitaram a página na primeira semana e as na semana de 11 de Fevereiro. Pode considerar-se bastante expressivo o interesse despertado desde o início pela área temática da promoção da leitura. No 2.º trimestre, o alcance médio semanal da página foi de pessoas. Com um máximo de pessoas na semana de 23 de Abril. No 3.º trimestre, o alcance médio semanal da página foi de pessoas, atingindo o ponto mais alto na semana de 3 de Setembro No 4.º trimestre, o alcance médio semanal da página foi de pessoas. Com um máximo de pessoas na semana de 26 de Outubro e um mínimo de a 1 de Dezembro. Como se pode ver pelo gráfico, o alcance apresenta picos acentuados, mas sempre numa tendência crescente. Depois 16 de Janeiro, não voltou a haver semanas com alcance abaixo dos visitantes; depois de 17 de Março, o alcance foi sempre superior a e desde 16 de Agosto que o alcance semanal da página nunca esteve abaixo das pessoas. Pessoas que falam sobre a página Voluntários de Leitura O item Pessoas que falam sobre a página dos Voluntários de Leitura corresponde a uma visão geral sobre a interacção, uma vez que contabiliza o número de utilizadores individuais que partilham histórias sobre os Voluntários de Leitura. Estas histórias incluem gostar da página, 28

29 publicar na cronologia, gostar de algum conteúdo, comentar ou partilhar uma das publicações da página, responder a uma pergunta, responder a um evento, mencionar a página, identificar a página numa foto ou visitar a localização. Ao longo do ano, o número de interacções variou entre duas, a 1 de Janeiro de 2013, e a 29 de Agosto de Os dados estatísticos permitem uma análise semanal deste item, que revelam tendências trimestrais. 29

30 No 1.º trimestre, a página recolheu, em média, 120 interacções/dia. A semana com maior número de interacções foi a de 9 de Fevereiro, com 2 275, e a semana com valores mais baixos foi a de 2 de Janeiro, com 170 interacções. No 2.º trimestre a página subiu para 314 interacções/dia. Neste trimestre, durante três semanas consecutivas, de 21 de abril a 4 de Maio, houve cerca de pessoas a falar sobre a página No 3.º trimestre houve, em média, 429 Interacções/dia. Na semana de 13 de Julho registaram-se interacções, valor mais alto desde o início do ano até esta data. Neste semestre, atingiu-se um dos máximos anuais, pessoas a falar sobre a página, na semana de 3 de Setembro de A semana de 28 de Setembro registou interacções. Os resultados do 4.º semestre correspondem apenas ao período de 1 de Outubro a 1 de Dezembro, não sendo ainda finais. Nestes meses, 543 pessoas falaram sobre a página diariamente. O máximo semanal (e anual) foi atingido na semana de 26 de Outubro de 2013 com pessoas a falar sobre os Voluntários de Leitura. Os mínimos de e atingidos nas semanas de 8 de Outubro e 15 de Novembro ilustram bem a tendência crescente dos valores de interacção. Os mínimos do terceiro semestre aproximam-se dos máximos do início do ano, o que revela a adesão bem expressiva à página, o que veio a potenciar o interesse pelo projeto e a reflectir-se na inscrição de um significativo número de cidadãos que se disponibilizaram para atuar como voluntários. Número de Pessoas que assinalaram gosto na página Voluntários de Leitura Para além dos visitantes que observaram ou recolheram informação para a sua própria página, muitas pessoas indicaram a sua adesão através da funcionalidade Gosto. 30

Relatório do 2º ano do Projeto. Janeiro de 2014 a Dezembro de 2014

Relatório do 2º ano do Projeto. Janeiro de 2014 a Dezembro de 2014 Relatório do 2º ano do Projeto Janeiro de 2014 a Dezembro de 2014 1 2 Sumário Executivo Voluntários de Leitura é um projeto que visa potenciar a acção de voluntariado na promoção da leitura, mediante uma

Leia mais

Apoio à Preparação de Voluntários de Leitura Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da promoção da leitura. Objectivos centrais Apoiar iniciativas;

Leia mais

Apoio à Divulgação do projeto nas escolas

Apoio à Divulgação do projeto nas escolas Apoio à Divulgação do projeto nas escolas A LEITURA Um bem essencial Estimular o gosto pelos livros Diversificar experiências de leitura Detetar dificuldades Intervir o mais cedo possível Um projecto de

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO

PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO REGRESSO À CASA Concurso para a selecção da REDACÇÃO e CONSELHO EDITORIAL do JORNAL ARQUITECTOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO I. RESPOSTAS Formatos: os formatos previstos são a edição online, o fórum na internet,

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO GRUPO DE TRABALHO Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010 O Plano de Acção da Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal é um instrumento de trabalho ao nível da organização e

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a otimização da seleção e recrutamento, a correta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a avaliação

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO 4.ª EDIÇÃO DO PEPAL INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO 1 Índice 1. DESTINATÁRIOS DO PEPAL...3 2. CANDIDATURAS DOS ESTAGIÁRIOS...4 2.1.

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 147 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 7.1 Considerações gerais Com vista a fomentar e facilitar

Leia mais

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos Regulamento n.º 663/2010 Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º Missão e Objectivos O CEAGP tem por missão propiciar uma formação generalista, de nível

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho.

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho. Índice 1. Introdução... 3 2. Atividades científicas, de formação e divulgação....3 3. Publicações.. 3 4. Internet... 4 5. Secções Temáticas e Núcleos Regionais 4 6. Outras atividades....4 2 1. Introdução

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

Linguagens oral/escrita/ digital

Linguagens oral/escrita/ digital Linguagens oral/escrita/ digital Linguagem oral -Aquisição universal sem ensino formal A partir do contacto com falantes, os seres humanos dispõem de potencialidades genéticas para formar mecanismos cerebrais

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 38% DAS PESSOAS COM IDADE ENTRE 16 E 74 ANOS CONTACTAM COM ORGANISMOS

Leia mais

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Aviso (extracto) n.º 23548/2011 Nos termos do disposto no n.º 6 do artigo 12.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de

Leia mais

Web Analytics. O Web Analytics é a medição, recolha, análise e comunicação de dados na Internet para compreender e otimizar a utilização da web.

Web Analytics. O Web Analytics é a medição, recolha, análise e comunicação de dados na Internet para compreender e otimizar a utilização da web. Web Analytics O Web Analytics é a medição, recolha, análise e comunicação de dados na Internet para compreender e otimizar a utilização da web. Digital Analytics Association Analytics já foi assim Contadores

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

enquadramento objectivos

enquadramento objectivos enquadramento O curso tem uma estrutura holística, integradora e procura trabalhar as competências da gestão de recursos humanos numa perspectiva de marketing interno no âmbito de temas marcadamente actuais,

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO OS ARQUIVOS DO MUNDO DO TRABALHO TRATAMENTO TÉCNICO ARQUIVÍSTICO RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Os arquivos do mundo do trabalho tratamento técnico arquivístico realizou-se

Leia mais

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros)

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros) CLEA Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas Pedro Reis _ Janeiro 2005 Caracterização Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/

Leia mais

em - Corporate Reporting (1.ª Edição) Executive Master

em - Corporate Reporting (1.ª Edição) Executive Master www. indeg. iscte-iul. pt EXPERIÊNCIA DE IMERSÃO AVANÇADA NO STATE OF THE ART E NAS ALTERAÇÕES MAIS RECENTES NAS TEMÁTICAS, NORMATIVAS E MÉTODOS DE REPORTE INTEGRADO DAS ORGANIZAÇÕES VISANDO UM DESEMPENHO

Leia mais

Serviço de Educação e Bolsas

Serviço de Educação e Bolsas Serviço de Educação e Bolsas CONCURSO DE APOIO A BIBLIOTECAS ESCOLARES/CENTROS DE RECURSOS 2005 REGULAMENTO A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo a apoiar projectos de criação, actualização e dinamização

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002 Plano de Comunicação para o QCA III Relatório de Execução de 2002 Após o período de lançamento do QCA III o ano de 2002 foi de consolidação dos projectos iniciados e de apresentação dos primeiros resultados.

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Homem tropeça anda, corre voará...

Homem tropeça anda, corre voará... Professora: Isabel Maria Ribeiro Madureira de Sousa Fonseca Escola Secundária com 3º Ciclo Padrão da Légua C445 - Projecto de Formação para o Novo Programa de Português do Ensino Básico Turma - D Maio

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10 Artigo 1º Objectivo e âmbito O Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Coordenação de Unidades de Saúde, adiante designado por curso, integra a organização, estrutura curricular e regras de funcionamento

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

apem associação portuguesa de educação musical

apem associação portuguesa de educação musical Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1º Ciclo do Ensino Básico RELATÓRIO 2009/2010 1 Introdução Visitas de acompanhamento Instrumentos e procedimentos metodológicos - Observação de

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008 1. INTRODUÇÃO Em apenas 5 anos os OPEN DAYS Semana Europeia das Regiões e Cidades tornaram-se um evento de grande importância para a demonstração da capacidade das regiões e das cidades na promoção do

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº 1 (150745) Actividades/Iniciativas Objectivos Intervenientes/ Público-alvo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº 1 (150745) Actividades/Iniciativas Objectivos Intervenientes/ Público-alvo Escola E.B. 2,3 de Toutosa Ano letivo: 2013/2014 PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR D Gestão da BE Actividades diárias: ü Orientação do serviço das Assistentes Operacionais ü Orientação do trabalho

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 06 de novembro de 2012 60% das pessoas dos 16 aos 74 anos utilizam Internet

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento 1. Apresentação do plano 2. Objectivos gerais 3. Orientações 4. Objectivos específicos 5. Actividades 6. Avaliação 1

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

REGULAMENTO DE PRÉMIO Linka-te aos Outros

REGULAMENTO DE PRÉMIO Linka-te aos Outros REGULAMENTO DE PRÉMIO Linka-te aos Outros 1. Apresentação O presente concurso é uma iniciativa promovida pela, no âmbito do Ano Europeu das Atividades Voluntárias que promovam uma Cidadania Ativa proclamado

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

Orientação de estudantes de enfermagem: Desafios e estratégias das tecnologias de informação

Orientação de estudantes de enfermagem: Desafios e estratégias das tecnologias de informação Opción, Año 31, No. Especial 6 (2015): 644-651 ISSN 1012-1587 Orientação de estudantes de enfermagem: Desafios e estratégias das tecnologias de informação João Neves-Amado Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

ESTÁ ao serviço das pessoas, das famílias e das comunidades, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do bem estar das populações.

ESTÁ ao serviço das pessoas, das famílias e das comunidades, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do bem estar das populações. O Voluntariado O Voluntariado traduz-se no conjunto de acções de interesse social e comunitário, realizadas de forma desinteressada por pessoas, no âmbito de projectos, programas e outras formas de intervenção

Leia mais

Programa de candidatura APEI com futuro 2013/2016

Programa de candidatura APEI com futuro 2013/2016 Programa de candidatura APEI com futuro 2013/2016 A presente candidatura pretende dar continuidade e consolidar o trabalho desenvolvido no triénio anterior e também o trabalho desenvolvido por todos quantos,

Leia mais

Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL

Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL Encontro Internacional de Negócios Lisboa, 29 de Novembro de 2013 INTRODUÇÃO As PME portuguesas têm vindo a atravessar bastantes dificuldades

Leia mais

Plano de atividades de 2012

Plano de atividades de 2012 Plano de atividades de 2012 Introdução A Confederação Portuguesa do Voluntariado (CPV) congrega, à data de votação do presente Plano de actividades, 18 associações, federações e confederações, de diferentes

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR THEKA Projecto Gulbenkian Formação de Professores Responsáveis pelo Desenvolvimento de Bibliotecas Escolares POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR A BIBLIOTECA E A ESCOLA O MESMO CAMINHO

Leia mais

COMO OS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS AVALIAM OS SEUS CUSTOS Tomás Patrocínio Universidade de Lisboa, Instituto de Educação

COMO OS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS AVALIAM OS SEUS CUSTOS Tomás Patrocínio Universidade de Lisboa, Instituto de Educação COMO OS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS AVALIAM OS SEUS CUSTOS Tomás Patrocínio Universidade de Lisboa, Instituto de Educação Resumo Como tem sido descrito na literatura (e.g., Johnstone, 1986;

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt EPALE ELECTRONIC PLATFORM FOR ADULT LEARNING IN EUROPE fevereiro e março de 2015 O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt Qual a

Leia mais

SESSÃO "SEMANA EUROPEIA DA ENERGIA SUSTENTÁVEL 2015" RELATÓRIO FINAL

SESSÃO SEMANA EUROPEIA DA ENERGIA SUSTENTÁVEL 2015 RELATÓRIO FINAL SESSÃO "SEMANA EUROPEIA DA ENERGIA SUSTENTÁVEL 015" RELATÓRIO FINAL ENQUADRAMENTO No âmbito da Semana Europeia da Energia Sustentável (15 a 19 de Junho de 015),, a Câmara Municipal de Lisboa e a Lisboa

Leia mais

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Mobilidade Internacional para Estudos REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

COMMUNITY MANAGER CERTIFICAÇÃO LISBOA E PORTO: 3 DE FEVEREIRO DE 2015 A 7 DE JULHO DE 2015 LISBOA: 18 DE SETEMBRO DE 2015 A 15 ABRIL DE 2016

COMMUNITY MANAGER CERTIFICAÇÃO LISBOA E PORTO: 3 DE FEVEREIRO DE 2015 A 7 DE JULHO DE 2015 LISBOA: 18 DE SETEMBRO DE 2015 A 15 ABRIL DE 2016 COMMUNITY MANAGER CERTIFICAÇÃO LISBOA E PORTO: 3 DE FEVEREIRO DE 2015 A 7 DE JULHO DE 2015 LISBOA: 18 DE SETEMBRO DE 2015 A 15 ABRIL DE 2016 18 DIAS / 90 HORAS MAXIMIZAR A SUA COMUNIDADE E ANIMAR EM COERÊNCIA

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Programa de Inserção Profissional Regulamento de Estágios Faculdade de Ciências Humanas Nos últimos anos, o ensino universitário tem vindo a integrar nos percursos formativos a realização de estágios curriculares

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros

REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros Página1 REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros 1. Apresentação O presente concurso é uma iniciativa promovida pela, no âmbito do Ano Europeu das Actividades Voluntárias que promovam uma Cidadania Activa

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

RELATÓRIO RELATIVO À ACTIVIDADE NO ANO 2011

RELATÓRIO RELATIVO À ACTIVIDADE NO ANO 2011 RELATÓRIO RELATIVO À ACTIVIDADE NO ANO 2011 A ENTRAJUDA prosseguiu em 2011 a sua missão estatutária de apoiar as instituições de solidariedade com instrumentos e ferramentas de gestão e organização, para

Leia mais

Introdução. a cultura científica e tecnológica.

Introdução. a cultura científica e tecnológica. Introdução A cultura científica e tecnológica é cada vez mais reconhecida como uma condição estratégica para o desenvolvimento de uma cidadania ativa, traduzindo-se numa sociedade mais qualificada e no

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

«CIÊNCIA NA ESCOLA» REGULAMENTO DO PRÉMIO. 9ª Edição 2010/11

«CIÊNCIA NA ESCOLA» REGULAMENTO DO PRÉMIO. 9ª Edição 2010/11 «CIÊNCIA NA ESCOLA» REGULAMENTO DO PRÉMIO 9ª Edição 2010/11 REGULAMENTO PRÉMIO FUNDAÇÃO ILÍDIO PINHO "CIÊNCIA NA ESCOLA CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º 1. A e o Ministério da Educação celebraram

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre).

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre). N.º 65 31 de Março de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 4928-(5) Despacho n. o 7287-B/2006 (2. a série). O regime jurídico dos graus académicos e diplomas do ensino superior prevê que os estabelecimentos

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

a)conteúdos do site e redes sociais Do Something (notícias, artigos, dicas de acção, etc.)

a)conteúdos do site e redes sociais Do Something (notícias, artigos, dicas de acção, etc.) GESTOR (A) DE COMUNICAÇÃO E IT DO PROJECTO DO SOMETHING Responsabilidades do Gestor(a) de comunicação e IT do Do Something: -Produzir, supervisionar e gerir diariamente todos os conteúdos do Do Something,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL GAPsi- Gabinete de Apoio Psicopedagógico Artigo 1º Objecto O Programa de Voluntariado na FCUL visa: a) Estimular a formação e educação dos estudantes

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Página 2 de 12 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO...

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado AEVA SERVIR

Regulamento Interno do Voluntariado AEVA SERVIR O presente regulamento interno tem como principal objetivo regular e facilitar o processo de gestão de voluntários na, sendo facultada informação no que concerne à caraterização e princípios do voluntariado,

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

SERVIÇOS PÚBLICOS ONLINE E PLANO TECNOLÓGICO

SERVIÇOS PÚBLICOS ONLINE E PLANO TECNOLÓGICO SERVIÇOS PÚBLICOS ONLINE E PLANO TECNOLÓGICO SÍNTESE DE RESULTADOS DO ESTUDO NOVEMBRO 2006 Sobre a Netsonda A Netsonda, em actividade desde Julho de 2000, é líder e pioneira em Portugal na recolha e análise

Leia mais