GESTÃO PARA RESULTADOS: COMO GERAR INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAS, UTILIZANDO FERRAMENTAS BÁSICAS DE TI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO PARA RESULTADOS: COMO GERAR INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAS, UTILIZANDO FERRAMENTAS BÁSICAS DE TI"

Transcrição

1 Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 16, 17 e 18 de abril de 2013 GESTÃO PARA RESULTADOS: COMO GERAR INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAS, UTILIZANDO FERRAMENTAS BÁSICAS DE TI Ronaldo Rodrigues da Silva Costa

2 2 Painel 44/166 Planejamento da força de trabalho GESTÃO PARA RESULTADOS: COMO GERAR INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAS, UTILIZANDO FERRAMENTAS BÁSICAS DE TI Ronaldo Rodrigues da Silva Costa RESUMO Um dos grandes desafios dos especialistas do setor público é construir um sistema de indicadores de fácil manutenção, atualização e que seja relevante a ponto de subsidiar o gestor público na tomada de decisão. Em alguns casos o indicador é representativo e muito útil do ponto de vista estratégico, porém sua construção (base de cálculo) é tão complexa que o torna inviável do ponto de vista operacional. O trabalho aqui apresentado será de demonstrar como é possível, de maneira não tão complexa, criar um rol de indicadores e/ou de informações gerenciais a partir de variados ambientes de armazenamentos de dados provenientes da rotina dos processos pertinentes à gestão de pessoas no setor público. Partindo do pressuposto de que uma grande maioria dos técnicos e especialistas em recursos humanos das instituições públicas do país utiliza as ferramenta do Office da Microsoft, principalmente o Excel e o Access, explanaremos numa linguagem de passo-a-passo para facilitar o entendimento da metodologia adotada. Por fim será ilustrado parte do trabalho desenvolvido pela Coordenadoria de Monitoramento vinculada á Superintendência de Gestão de Pessoas, ambas pertencentes à SAD- Secretaria de Estado de Administração do Estado de Mato Grosso utilizando este meio alternativo para subsidiar o gestor na tomada de decisão. Palavras-chave: Indicadores. Informações gerenciais e gestão de pessoas.

3 3 INTRODUÇÃO Santos 2006 define que gestão pública refere-se às funções de gerência pública dos negócios do governo. DEMING 1992, sintetiza que não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. A função dos indicadores como instrumento de gerenciamento na administração pública é exatamente confirmar o que estes dois teóricos defende, principalmente quando se tem indicadores representativos que conseguem captar as alterações e as tendências dos processos/produtos pertinentes à gestão pública. Um dos grandes desafios dos especialistas do setor público é construir um sistema de indicadores de fácil manutenção, atualização e que seja relevante a ponto de subsidiar o gestor público na tomada de decisão. Em alguns casos o indicador é representativo e muito útil do ponto de vista estratégico, porém sua construção (base de cálculo) é tão complexa que o torna inviável do ponto de vista operacional. Graças ao avanço de soluções tecnológicas o que muitas vezes é considerado complexo tem sido superado por processos mais simplificados, tornando estes indicadores, que antes inviáveis do ponto de vista operacional, factíveis de serem mensurados e utilizados como instrumento de gestão. O grau de complexibilidade na elaboração de um indicador ou de uma informação gerencial pode ser analisado sobre vários prismas, porém nos ataremos às dificuldades enfrentadas por diversos Estados Brasileiros que é de armazenarem a matéria-prima fragmentada em diversas bases, resultado do uso desenfreado de diversos sistemas, com variados formatos e códigos de linguagem das mais diversas maneiras encontradas no mercado de soluções tecnológicas atualmente. O trabalho aqui apresentado será de demonstrar como é possível, de maneira não tão complexa, criar um rol de indicadores e/ou de informações gerenciais a partir de variados ambientes de armazenamentos de dados provenientes da rotina dos processos pertinentes à gestão de pessoas no setor público. Partindo do pressuposto de que uma grande maioria dos técnicos e especialistas em recursos humanos das instituições públicas do país utiliza as ferramenta do Office da Microsoft, principalmente o Excel e o Access, explanaremos numa linguagem de passo-apasso para facilitar o entendimento da metodologia adotada.

4 4 Considerando que alguns Estados, assim como Mato Grosso, utiliza o Sistema Ergon da empresa Techne, serão abordados alguns exemplos utilizando modelo praticado por Mato Grosso, no Sistema Estadual de Administração de Pessoas SEAP. Entendemos que o ideal, e por sinal é a tendência que se percebe, é implementar uma solução denominada de Business Intelligence, solução esta que tem condições de gerar, em tempo hábil, informações gerencias. Um dos grandes problemas enfrentados pelos envolvidos no processo é conseguir mapear todas as regras dos sistemas institucionas, principalmente a do Ergon, e fazer com que esta solução entenda as correlações das tabelas e assim gerar a informações de forma precisas. A experiencia de Mato Grosso é um exemplo desta complexidade, um dos motivos pelo qual ainda não foi validado para uso definitivo. Por fim será ilustrado parte do trabalho desenvolvido pela Coordenadoria de Monitoramento vinculada á Superintendência de Gestão de Pessoas, ambas pertencentes à SAD- Secretaria de Estado de Administração do Estado de Mato Grosso utilizando este meio alternativo para subsidiar o gestor na tomada de decisão. CONCEITO DE INDICADORES Acompanhando o raciocínio de VALARELLI, e incorporando algumas adaptações, podemos conceituar indicadores de forma objetiva como uma "marca" ou sinalizador, que busca expressar algum aspecto da realidade onde é possível observá-lo ou mensurá-lo. É importante deixar claro, que eles indicam, demonstram, mas não é a própria realidade, eles simplesmente ajuda a compreender a realidade e suas variações. Baseiam-se na identificação de uma variável, ou seja, algum aspecto que varia de estado ou situação, variação esta considerada capaz de expressar um fenômeno que nos é relevante. VALARELLI segue descrevendo que um bom sistema de indicadores para monitoramento e avaliação de resultados apresenta as seguintes características: É coerente com a visão da entidade observada; Considera as particularidades do produto/resultado;

5 5 Captam os efeitos atribuíveis às ações, serviços e produtos; Apresentam indicadores bem definidos, precisos e representativos; Está orientado para o aprendizado; Prevê e especifica os meios de verificação que serão utilizados; Combina, de modo adequado à natureza do projeto; É simples, capaz de ser compreendido por todos; É viável do ponto de vista operacional e financeiro; Fornece informações relevantes; Aproveita as fontes confiáveis de informação existentes, poupando recursos, tempo e energia do projeto. Para Sutter (2002), múltiplos indicadores podem ser utilizados por uma organização: uns para resolver problemas conjunturais, outros para assegurar que os procedimentos internos sejam aplicados; outros, ainda, para levantar aspectos econômicos da organização, qualidade de seus produtos e satisfação de sua clientela. Para MEYER (2000:96) a mensuração do desempenho deve maximizar a eficácia das equipes e, portanto, estas devem concentrar em processos capazes de melhorar o fornecimento de produtos e serviços aos clientes, através de indicadores de processo que monitorem tarefas e atividades geradoras de resultados. Segundo Araujo (2001:98), a mensuração de desempenho pressupõe a existência de um Sistema de Informação Gerencial (SIG). Nesse sentido convém destacar a importância de criar mecanismo capaz de absorver as informações das áreas de análises para que se crie um banco de dados suficiente para desenvolver um histórico que possibilite análises por indicadores de desempenho. Considerando os indicadores como um instrumento de avaliação e exatamente por isto, eles também podem ser considerados um instrumento de gestão. Partindo do pressuposto de que os indicadores também podem ser considerados um instrumento de gestão, a análise aqui apresentada será de extrema importância também aos gestores de recursos humanos. Considerando que um dos atributos dos indicadores é que seja de fácil mensuração e que aproveita as fontes confiáveis de informação existentes, poupando recursos, tempo e energia, a análise partirá de dados disponíveis do próprio SEAP e de outras fontes institucionais do Estado.

6 6 INTEGRAÇÃO DAS BASES DE DADOS ESTUDO DE CASO DE MATO GROSSO Nossas fontes de dados relacionados aos fatos funcionais e financeiros de pessoal estão fragmentadas em vários ambientes de armazenamentos, pertencentes aos diversos sistemas institucionais no Estado. Abaixo segue uma ilustração de como se encontra os insumos para a elaboração de informações gerenciais, e como utilizamos o Access na integração das bases, a fim de permitir a manipulação dos dados em um mesmo ambiente. Obviamente o diagrama representa de forma bem simplificada a relação do Access com as fontes de dados demonstrados no esquema. A linguagem/formato dos dados, independente da fonte, deve-se obedecer a certo padrão para que a ferramenta funcione de forma adequada. Dos principais formatos aceitos pelo Access estão o Excel, txt, Arquivo XML, entre outros, conforme figura abaixo.

7 7 É imprescindível que as tabelas/relatórios importados para o Access estejam padronizados e estruturalmente organizados a fim de que sejam acionados no assistente de consulta da ferramenta. Uma vez estruturados de forma regular, o Access desempenhará sua função juntando informações complementares de uma base secundária B a uma base primária A, originando assim uma base ajustada C, conforme figura simplificada abaixo: Extraindo dados do SEAP (ERGON) Cabe registrar que o Sistema SEAP possui diversos relatórios prontos desenvolvidos ao longo do processo de implantação ou originais do produto. O problema é que nem sempre estes relatórios desenvolvidos ou originais atendem as demandas do setor de monitoramento e do estratégico e quando atende os formatos dos relatórios são apenas

8 8 em PDF e XML, dificultando fazer quaisquer ajuste necessário. Informações dadas pela empresa Techne é de que a versão mais recente do Ergon já permite exportar até os relatórios em formatos tais como Excel e Access, como usamos uma versão mais antiga não podemos desfrutar deste Plus. Como alternativa para não dependermos tanto dos analistas de sistemas, utilizamos as transações de consulta que o Ergon possui. Abaixo segue uma figura que ilustra um caminho para gerar informações financeiras, consultando lista de servidores incluídos na folha de pagamento por tipo de rubrica. Neste ambiente de consulta pode-se listar grupos de servidores por determinada rubrica ou puxar toda a base de uma folha de pagamento de determinado mês ou a base completa desde a implantação do Sistema. Considerando que o número de vínculos processados em uma folha, entre ativos e inativo, chega em torno de (cem mil) vínculos, o número médio linhas geradas fica algo em torno de 2 a 3 milhões de linhas, isto significa que para trabalhar com uma folha inteira os formatos que poderemos utilizar seria Txt, tendo em vista que o formato csv (formatado para abrir em Excel) não suportaria, já que a capacidade máxima do Excel 2010 é de linhas, capacidade inferior ao volume de dados de uma folha mensal. Para entender o porquê do crescimento exponencial do número de registros em uma folha processada, tendo em vista que a folha possui algo em torno de vínculos no Estado, segue a figura abaixo onde demonstra o espelho a título de exemplo de um único servidor que possui até mais que vinte linhas, onde cada linha representa uma referencia com rubrica específica, competência e valor. As rubricas podem ser tanto de cunho funcional como pessoal.

9 9 Assistente de consulta do Access Uma vez importado para o Access os relatórios originais de fontes diversas, basta acionar o assistente de consulta para correlacionar as bases a partir de um campo em comum dos relatórios. É necessário que o campo escolhido para ser a referência da interligação de um relatório com o outro seja dotados de valores únicos, ou seja, pessoais, que represente uma identidade. Costumeiramente adotamos a chave que é a junção da matrícula com o Nº do vínculo separado por uma constante, em nosso caso escolhemos a letra A, a explicação pela escolha está no fato de que se não separa as duas referência por uma constante, originaria um outro número que poderia coincidir com uma outra combinação, como por exemplo, o servidor com matricula de número 1 e por ventura tivesse um N de vínculo 11 teria uma chave igual a 111, por outro lado haveria um outro servidor de matrícula 11 e Nº de vínculo igual a 1, gerando uma chave também com valor 111, porém são pessoas distintas com informações funcionais e financeira totalmente diferentes daí a necessidade de ser uma letra para incluir entre a matrícula e o nº de vínculo. Abaixo segue a imagem que mostra passo-a-passo como utilizar o assistente de consulta do Access versão 2010, considerando que a etapa da importação já fora concluída.

10 10 O modo padrão seguindo as etapas da figura acima é identificar dados não coincidentes, porém como vamos utilizar o inverso, a fim de incluir informações complementares a um determinado relatório, precisamos alterar o modo de consulta clicando com o botão de atalho do mause no resultado da consulta e marcar o modo design e em seguida alterar É Nulo para É Negado Nulo, e em seguida incluir no seu relatório primário quais campo pertencente ao relatório secundário, que é o SEAP Funcional no exemplo, dando um duplo click no campo desejado e por fim clicar em Executar, conforme figura abaixo.

11 11 Depois de salvar as alterações basta clicar com o botão de atalho do mause no relatório da consulta e escolher Exporta e em seguida Excel e escolher o local desejado para salvar sua base de dados ajustado com informações financeira e funcionais como mostra a figura abaixo.

12 12 Feito a integração das bases, a parte de elaboração das informações gerenciais e dos indicadores de gestão de pessoas é feita a partir do Excel, de preferencia aversão 2010 ou posterior, utilizando o ambiente de tabela dinâmica. A tabela dinâmica agrupa de forma simples os dados pertencentes à base que fora construída a partir das variadas fontes juntada pelo Access. Talvez seja necessário um aprofundamento no uso tanto do Access quanto do Excel. Abaixo segue imagens da capa, tabelas, gráficos e alguns indicadores do Boletim de Indicadores de Pessoal que é elaborado trimestralmente por nossa unidade a partir da metodologia aqui apresentada:

13 a) Capa 13

14 b) Evolução Real e Nominal 14

15 c) Remuneração Média por Escolaridade 15

16 16 d) Pirâmide Salarial e) Índice de Absenteísmo

17 f) Doenças mais frequentes de 2010 a

18 18 g) Índice de Rotatividade h) Flutuação de mão-de-obra

19 19 CONSIDERAÇÕES FINAIS Quando se pensa em criar indicadores é imprescindível basear-se nos aspectos de importância vital para a organização e para o cliente. Esses fatores dependem de cada organização, da sua estrutura organizacional, missão, visão e valores. Sob esse aspecto, nosso principal desafio é desenvolver um sistema de indicadores e de informações gerenciais que atenda a esses pré-requisitos. Seria perfeito se disponibilizássemos de uma solução tecnológica capaz de gerar indicadores de gestão e informações gerenciais, das mais diversas maneiras, de forma ágil e seguro. Frequentemente deparamos com algumas promessas que afirmam revolucionar esta área de negócio. Enquanto a promessa não torna realidade precisamos adotar alternativas viáveis do ponto de vista operacional e financeiro a fim de sempre termos como subsidiar o nível estratégico do setor público permitindo assim aos nossos gestores mais clareza e segurança na tomada de decisão.

20 20 REFERÊNCIAS ARAUJO, Aneide Oliveira Contribuição ao estudo de indicadores de desempenho de empreendimentos hoteleiros, sob o enfoque da gestão estratégica São Paulo: FEA/USP, p. Tese de Doutorado. DEMING, W. EDWARDS. Qualidade: A Revolução da Administração. São Paulo: Editora Saraiva, MEYER, Christopher. Como os indicadores adequados contribuem para a excelência das equipes, in Harvard Business Review, Medindo o desempenho empresarial. Rio de Janeiro: Campus, Santos, Clezio Saldanha dos. Introdução à Gestão Pública, Editora Saraiva, SUTTER, Éric. Documentation, Information, Connaissances: la gestion de la qualité. Paris: ABFF (Collection Sciences de l'information. Série Ètudes et Techiniques). VALARELLI, Leandro Lamas - Indicadores de resultados de projetos sociais_in_http://www.fcm.unicamp.br/cursos/indicadorescaps/textos/valarelli_indica dores_de_resultados_de_projetos_sociais.pdf - acessado em 20/03/2013. Boletim de Indicadores de Pessoal Dezembro de Cuiabá. Dezembro de Elaboração trimestral pela Coordenadoria de Monitoramento vinculada à Superintendência de Gestão de Pessoas da Secretaria de Estado de Administração de Mato Grosso.

21 21 AUTORIA Ronaldo Rodrigues da Silva Costa Governo do Estado de Mato Grosso - Secretaria de Estado de Administração/Técnico da área instrumental - coord. de monitoramento. Endereço eletrônico:

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE

OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE Guimarilza Barbosa de Souza João Gabriel Ribeiro Luiz Cláudio de Arruda Isoton II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 5:

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence)

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) RELATÓRIO DE ESTÁGIO: Tânia Cristina Leite RA: 046567 Orientador: Prof. Dr. Aurelio Ribeiro Leite de Oliveira FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) Universidade Estadual de Campinas Instituto

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

O Sistema mais completo. de Captura e GED. do Mercado. MegaGED

O Sistema mais completo. de Captura e GED. do Mercado. MegaGED O Sistema mais completo de Captura e GED do Mercado AutoStore O AutoStore é um software de captura e distribuição de documentos (Texto, Imagens e Arquivos Eletrônicos) Com o AutoStore é possível automatizar

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011 Workshop 2011 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011 Agência Nacional de Transportes Aquaviários O MAPA ESTRATÉGICO ANTAQ 2 Missão Assegurar à sociedade

Leia mais

2ª edição 2015. Manual das Reuniões de Acompanhamento da Estratégia

2ª edição 2015. Manual das Reuniões de Acompanhamento da Estratégia 2ª edição 2015 Manual das Reuniões de Acompanhamento da Estratégia ÍNDICE INTRODUÇÃO...03 ROTINA DE MONITORAMENTO...05 ANÁLISE CRÍTICA, PLANO DE AÇÃO E CONTRAMEDIDAS...09 REGISTROS DE PLANOS DE AÇÃO NO

Leia mais

Do SNA-PJPB deve resultar a descrição do funcionamento de cada processo de trabalho habilitando seus executores para o desempenho das suas atividades.

Do SNA-PJPB deve resultar a descrição do funcionamento de cada processo de trabalho habilitando seus executores para o desempenho das suas atividades. Código: DIR-PJPB-001 Versão: 01 Data de Aprovação: 28/03/2010 Elaborado por: Secretaria de Gestão Estratégica Aprovado por: Presidente do TJPB 1 Objetivo Definir a organização, a apresentação e o ciclo

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE DE DOCUMENTOS

SISTEMAS DE CONTROLE DE DOCUMENTOS SISTEMAS DE CONTROLE DE DOCUMENTOS 2 Apresentação O é uma ferramenta 100% via web, desenvolvida com a mais atual linguagem de programação e banco de dados, que tem como prinicipal função o armazenamento

Leia mais

BI Apex-Brasil. Manual do Usuário para Entidades Análise das Exportações Históricas. Versão 1.0 Sig v2.5.5

BI Apex-Brasil. Manual do Usuário para Entidades Análise das Exportações Históricas. Versão 1.0 Sig v2.5.5 BI Apex-Brasil Manual do Usuário para Entidades Análise das Exportações Históricas Versão 1.0 Sig v2.5.5 Sumário Conteúdo Este documento... 4 Fontes dos dados... 6 BI Apex-Brasil... 7 Visão Geral... 7

Leia mais

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos)

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Ministério da Fazenda Responsável: Adinilson Martins da Silva Técnico

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU)

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU) Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU) Alan Rodrigues da Silva Iuri Frederico de Oliveira Santos

Leia mais

Companhia de Processamento de Dados do Município de São Paulo. Acessando e manipulando Cubos OLAP Utilizando o MS Excel 2000/XP

Companhia de Processamento de Dados do Município de São Paulo. Acessando e manipulando Cubos OLAP Utilizando o MS Excel 2000/XP Companhia de Processamento de Dados do Município de São Paulo Acessando e manipulando Cubos OLAP Utilizando o MS Excel 2000/XP Setembro/2003 Para acessar e manipular os dados existentes nos denominados

Leia mais

MANUAL DO PVP SUMÁRIO

MANUAL DO PVP SUMÁRIO Manual PVP - Professores SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 6 2 ACESSANDO O PVP... 8 3 TELA PRINCIPAL... 10 3.1 USUÁRIO... 10 3.2 INICIAL/PARAR... 10 3.3 RELATÓRIO... 10 3.4 INSTITUIÇÕES... 11 3.5 CONFIGURAR... 11

Leia mais

CONFIGURAÇÕES PARA ENVIO DE ARQUIVO XML E PDF POR E-MAIL

CONFIGURAÇÕES PARA ENVIO DE ARQUIVO XML E PDF POR E-MAIL Sumário Apresentação... 1 1. Procedimentos iniciais... 2 2. Cadastrar e-mail do cliente... 4 3. Configurar Servidor NF-e... 8 4. Enviar DANF-e em XML e PDF... 11 5. Validar dados do configurador de e-mail...

Leia mais

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES SUMÁRIO 1. PREENCHIMENTO DA PLANILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS...3 1.1 Menu...3 1.2 Termo de Abertura...4 1.3 Plano do Projeto...5 1.4

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1 Sistema RH1000 Gestão de Pessoas por Competências Foco em Resultados Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987 Atualizado em 01Set2015 1 Implantação do RH de Resultados (RHR ) Solução Completa Metodologia

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Prova de Conceito Arquitetura BI

Prova de Conceito Arquitetura BI Prova de Conceito Arquitetura BI ANEXO V PROVA DE CONCEITO ARQUITETURA BI Pág. 1/22 1 Considerações Iniciais Essa Prova de Conceito POC será destinada ao fornecedor ganhador para comprovar o atendimento

Leia mais

BI Apex-Brasil. Manual do Usuário para Entidades Análise Histórica das Exportações

BI Apex-Brasil. Manual do Usuário para Entidades Análise Histórica das Exportações BI Apex-Brasil Manual do Usuário para Entidades Análise Histórica das Exportações Sumário Este documento... 4 BI Apex-Brasil... 6 Visão Geral... 6 Padrão de Interface... 6 Considerações sobre o desempenho

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE RESERVAS DE ÓLEO E GÁS

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE RESERVAS DE ÓLEO E GÁS DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE RESERVAS DE ÓLEO E GÁS Aluno: Julia Chueke Rochlin Orientador: Silvio Hamacher Introdução Reservas de óleo e gás são ativos estratégicos não somente para avaliação

Leia mais

Jose Luciano Virginio da Silva (FAVIP) IVANCIL TIBÚRCIO CAVALCANTI (UFRPE)

Jose Luciano Virginio da Silva (FAVIP) IVANCIL TIBÚRCIO CAVALCANTI (UFRPE) ISSN 1984-9354 OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS MEDIANTE USO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO SOBRE A NECESSIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA EMPRESA DE ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS ENERGÉTICOS NA CIDADE DE

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

O que há de novo. Audaces Idea

O que há de novo. Audaces Idea O que há de novo Audaces Idea Com o propósito de produzir tecnologia de ponta, o principal requisito da Política de Qualidade da Audaces é buscar a melhoria contínua de seus produtos e serviços. Inovadora

Leia mais

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas 1 de 5 21-08-2011 22:15 Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas Adição de Colunas com Valores Calculados: Vamos, inicialmente, relembrar, rapidamente alguns conceitos básicos sobre Consultas

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

QualiQuantiSoft Versão 1.3c

QualiQuantiSoft Versão 1.3c QualiQuantiSoft Versão 1.3c Qualiquantisoft v1.3c Pág.: 1/15 Índice Apresentação do programa... 3 Funções operacionais do programa... 3 Itens de menu... 6 Teclas de atalho... 6 Instrumento de Análise de

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - TI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - TI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - TI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Aula FAZENDO BI NO EXCEL FUNÇÕES ESTATÍTICAS DE TENDÊNCIA LINEAR E DE CRESCIMENTO Vocês já tiveram aulas de estatística,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO DOMICILIAR

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO DOMICILIAR MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO DOMICILIAR SAF SUL Qd. 02, Bl. E/F, Ed. Premium Torre II Auditório Sala 05 Telefone: (61) 3315 9052

Leia mais

Http://www.rnc.org.br

Http://www.rnc.org.br Sinopse... 02 Saudação... 03 Introdução... 04 Composição do banco de dados... 05 a 07 Criando um banco de dados pelo assistente... 07 a 10 Criando um banco de dados pelo modo estrutura... 10 a 16 Recursos

Leia mais

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Facilitando Negócios Conectando softwares com Magento Plataforma de E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Este documento

Leia mais

Revolucionando a atribuição eletrônica de notas

Revolucionando a atribuição eletrônica de notas Revolucionando a atribuição eletrônica de notas Redução de custos Redução dos prazos de execução Melhoria da qualidade Garantia do anonimato do candidato Simplificação da logística Melhoria da Segurança

Leia mais

Curso Desenvolvimento de Dashboards com o Excel 2007 e 2010

Curso Desenvolvimento de Dashboards com o Excel 2007 e 2010 Curso Desenvolvimento de Dashboards com o Excel 2007 e 2010 O mercado globalizado e altamente competitivo implica em que, as empresas que almejam serem líderes no mercado onde atuam, devem ter agilidade

Leia mais

Manual de utilização da Ferramenta de Envio e Gerenciamento de SMS. GFILA da OPS Network

Manual de utilização da Ferramenta de Envio e Gerenciamento de SMS. GFILA da OPS Network Manual de utilização da Ferramenta de Envio e Gerenciamento de SMS GFILA da OPS Network A OPS Network desenvolveu o GFILA visando atender todas as necessidades do cliente consumidor de SMS; desde o atacadista,

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento ELC1075 Introdução a Sistemas de Informação Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento Raul Ceretta Nunes CSI/UFSM Introdução Gerenciando dados A abordagem de banco de dados Sistemas de gerenciamento

Leia mais

Por que estudar sistemas de informação?

Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Isto é o mesmo que perguntar por que alguém deve estudar contabilidade, finanças, as, marketing, RH ou qualquer outra grande

Leia mais

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA VALIDAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL DE GC DOS CORREIOS POR MEIO DO PROCESSO PILOTO CEP Alceu Roque Rech CORREIOS 17.06.13

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

- Título da coluna: Produtividade Empresarial com o Windows SharePoint Services 3.0. - Nível (Básico/Intermediário/Avançado) sugerido: Básico

- Título da coluna: Produtividade Empresarial com o Windows SharePoint Services 3.0. - Nível (Básico/Intermediário/Avançado) sugerido: Básico Colunas TechNet Metadados para Publicação no Media Center Por favor, preencha os dados abaixo com as informações sobre sua coluna. Estas informações serão usadas para a publicação da mesma no Media Center.

Leia mais

OqueéBI? QualéoobjetivodeBI? 15/03/2009

OqueéBI? QualéoobjetivodeBI? 15/03/2009 Profª. Kelly Business Intelligence (BI) OqueéBI? É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazendo uso de acontecimentos (fatos) e sistemas baseados nos mesmos, apóia a tomada de decisões em negócios;

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

PowerPivot FÁBIO ÁVILA / THIAGO CARVALHO

PowerPivot FÁBIO ÁVILA / THIAGO CARVALHO PowerPivot FÁBIO ÁVILA / THIAGO CARVALHO Definição 2 O PowerPivot é um suplemento do Microsoft Excel que permite importar milhões de linhas de dados de várias fontes para uma única pasta de trabalho do

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS Aluno: Luiza Cavalcanti Marques Orientador: Silvio Hamacher Introdução A modelagem e a utilização de bancos de dados em atividades gerenciais têm sofrido um aumento significativo

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

Associação Brasileira de Educação Médica ABEM PROJETO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS MUDANÇAS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA ÁREA DE SAÚDE CAEM/ABEM

Associação Brasileira de Educação Médica ABEM PROJETO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS MUDANÇAS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA ÁREA DE SAÚDE CAEM/ABEM PROJETO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS MUDANÇAS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA ÁREA DE SAÚDE CAEM/ABEM Título: Projeto de Avaliação e Acompanhamento das Mudanças nos Cursos de Graduação da Área de Saúde

Leia mais

A barra de menu a direita possibilita efetuar login/logout do sistema e também voltar para a página principal.

A barra de menu a direita possibilita efetuar login/logout do sistema e também voltar para a página principal. MANUAL DO SISCOOP Sumário 1 Menu de Navegação... 3 2 Gerenciar País... 5 3- Gerenciamento de Registro... 8 3.1 Adicionar um registro... 8 3.2 Editar um registro... 10 3.3 Excluir um registro... 11 3.4

Leia mais

Diveo Exchange OWA 2007

Diveo Exchange OWA 2007 Diveo Exchange OWA 2007 Manual do Usuário v.1.0 Autor: Cícero Renato G. Souza Revisão: Antonio Carlos de Jesus Sistemas & IT Introdução... 4 Introdução ao Outlook Web Access 2007... 4 Quais são as funcionalidades

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Trabalhando com banco de dados

Trabalhando com banco de dados Avançado Trabalhando com Aprenda a manipular dados no Excel com a ajuda de outros aplicativos da suíte Office Armazenar e organizar informações são tarefas executadas diariamente por todos nós. Desde o

Leia mais

EXPORTANDO COORDENADAS PARA ESTAÇÕES TOTAIS GEOMAX ZOOM.

EXPORTANDO COORDENADAS PARA ESTAÇÕES TOTAIS GEOMAX ZOOM. EXPORTANDO COORDENADAS PARA ESTAÇÕES TOTAIS GEOMAX ZOOM. 1 Introdução: Este guia ensina como exportar um arquivo de ASCII de coordenadas para as estações totais GeoMax séries Zoom. Arquivo ASCII é um arquivo

Leia mais

GTDC. Monitor GTDC Web v 3.0

GTDC. Monitor GTDC Web v 3.0 GTDC Monitor GTDC Web v 3.0 Créditos Criação, Formatação e Revisão Documentação Colaboração Antonio Carlos Freire Rainho Fernando Hirata Marcelo Galhardo Marcos Lazarini Dados Técnicos Número de Revisões:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL MANUAL 2012 AV. Dr. Arnaldo, 351 3º andar - Pacaembu Cep: 01246-000 São Paulo - SP 1 Secretaria de Estado da Saúde São Paulo Grupo de Apoio ao Desenvolvimento Institucional

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 PLANEJAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO ORÇAMENTO DA SIA 07/2013 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 29 de julho de 2013. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani

Leia mais

Sistema Click Principais Comandos

Sistema Click Principais Comandos Sistema Click Principais Comandos Sumário Sumário... 1 1. Principais Funções:... 2 2. Inserção de Registro (F6):... 3 3. Pesquisar Registro (F7):... 4 3.1 Pesquisa por letras:... 5 3.2 Pesquisa por números:...

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC PERGUNTAS VIA WEB CAST: Dado que vamos ter necessariamente durante o período de transição que efectuar lançamentos manuais na contabilidade,

Leia mais

Manual de Utilização ao Módulo Rede Federal SIMEC - Versão 14/set/2015.

Manual de Utilização ao Módulo Rede Federal SIMEC - Versão 14/set/2015. Manual de Utilização ao Módulo Rede Federal SIMEC - Versão 14/set/2015. O Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do Ministério da Educação (SIMEC) é um portal operacional e de gestão do

Leia mais

Tutorial Gerar arquivo PDF. Gerando um documento pdf com várias imagens 1- Inserir imagem no Word

Tutorial Gerar arquivo PDF. Gerando um documento pdf com várias imagens 1- Inserir imagem no Word Tutorial Gerar arquivo PDF. Com o objetivo de simplificar e diminuir o tamanho de arquivos anexos nos projetos, elaboramos um pequeno tutorial mostrando como gerar um único arquivo no formato pdf contendo

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010 CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO DE PROCESSO PRODUTIVO E PRODUTO Contatos Luiz

Leia mais

Capítulo 1 Conceito Básico

Capítulo 1 Conceito Básico Capítulo 1 Conceito Básico O Forzip é um software de gerenciamento de produção de cartões de identificação, desde pequenas quantidades até volumes industriais, que vem sendo aprimorado constantemente com

Leia mais

Pré-requisitos : FIS Implantada, Folha do Mês Finalizada Passo 1 Implantação da FIS

Pré-requisitos : FIS Implantada, Folha do Mês Finalizada Passo 1 Implantação da FIS GEO Pré-requisitos : FIS Implantada, Folha do Mês Finalizada Passo 1 Implantação da FIS FIS Significa Ficha de Implantação de Serviços, e nela podemos inserir de forma bem objetiva os dados do serviço

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Versão 1.0 Setembro de 2015 Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Felipe de Souza Leão Gabinete do Secretário

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES SUMÁRIO Introdução... 2 O que é o izcode?... 2 Como funciona o izcode?... 2 Como é composto o izcode?... 2 Pré requisitos... 3 Explorando o software cliente... 3 Iniciando o software...

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial SAD Sistemas de Apoio à Decisão parte 1: a Tomada de Decisão Fontes: O Brien e Webaula Estácio Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO Beatriz Alves Paes CONSORTE 1 - RGM 071627 Benedito Fernando FAVARETTO¹ - RGM 028811 Daniel Gazal ZUPO¹ - RGM 085144 Kaleo Carlos Felix BARROSO¹ - RGM 071294

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS COMO ELABORAR ORIENTAÇÕES IMPORTANTES CARTA DE SERVIÇOS. 1) Carta de Serviços. 2) Finalidades

CARTA DE SERVIÇOS COMO ELABORAR ORIENTAÇÕES IMPORTANTES CARTA DE SERVIÇOS. 1) Carta de Serviços. 2) Finalidades COMO ELABORAR CARTA DE SERVIÇOS ORIENTAÇÕES IMPORTANTES 1) Carta de Serviços É um documento elaborado por uma organização pública que visa informar aos cidadãos quais os serviços prestados por ela, como

Leia mais

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO GTE

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO GTE SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTE 04 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO GTE

Leia mais

ESTE DOCUMENTO APRESENTA UMA VISÃO GERAL SOBRE A SOLUÇÃO NFC-e DA NDD

ESTE DOCUMENTO APRESENTA UMA VISÃO GERAL SOBRE A SOLUÇÃO NFC-e DA NDD NFC-e ESTE DOCUMENTO APRESENTA UMA VISÃO GERAL SOBRE A SOLUÇÃO NFC-e DA NDD NECESSIDADE PERCEBIDA As empresas possuem a necessidade de adequação quanto ao projeto de nível nacional, o qual tem o objetivo

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela.

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela. Esta é uma apresentação navegável. Uma maneira prática de conhecer a Academia da Estratégia. Para navegar siga as instruções abaixo. Esperamos que a sua viagem seja UAU! Quando quiser sair da apresentação,

Leia mais

Use a mala direta para criar e imprimir cartas e outros

Use a mala direta para criar e imprimir cartas e outros Página 1 de 19 Word > Mala direta Use a mala direta para criar e imprimir cartas e outros documentos Ocultar tudo É possível usar a mala direta quando deseja criar um conjunto de documentos, como uma carta

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada na construção de Data Warehouse/Data Marts, culminando na criação do SIS - Sistema de Informação

Leia mais

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Introdução ao BPM e CBOK Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR BPM CBOK O Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Como Gerar documento em PDF com várias Imagens

Como Gerar documento em PDF com várias Imagens Como Gerar documento em PDF com várias Imagens Para Gerar documento em PDF com várias Imagens, temos que seguir dois passos: 1. Inserir Imagens no Word 2. Gerar PDF a partir de documento do Word 1- Inserir

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Manual do Visualizador NF e KEY BEST

Manual do Visualizador NF e KEY BEST Manual do Visualizador NF e KEY BEST Versão 1.0 Maio/2011 INDICE SOBRE O VISUALIZADOR...................................................... 02 RISCOS POSSÍVEIS PARA O EMITENTE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA.................

Leia mais

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente.

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente. CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade Gerencial CUSTO PADRÃO O que significa ter um padrão de custos ou um custo-padrão? Como a empresa pode se beneficiar

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer

Leia mais