EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Ensino Fundamental. Ciências

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Ensino Fundamental. Ciências"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ensino Fundamenta Ciências 2012

2 Governador do Estado de Pernambuco EDUARDO HENRIQUE ACCIOLY CAMPOS Secretário de Educação do Estado ANDERSON STEVENS LEÔNIDAS GOMES Secretária Executiva de Desenvovimento da Educação ANA COELHO VIEIRA SELVA Secretária Executiva de Desenvovimento de Rede MARGARETH COSTA ZAPONI Secretário Executiva de Educação Profissiona PAULO FERNANDO VASCONCELOS DUTRA Gerente de Poíticas Educacionais de Jovens, Adutos e Idosos CLAUDIA MENDES DE ABREU Chefe de Unidade da Gerência da Educação de Jovens e Adutos MARIA CÂNDIDA SÉRGIO Equipe Técnica/Pedagógica da Unidade de Educação de Jovens, Adutos e Idosos - UEJAI CLAUDIA MENDES DE ABREU MARIA CÂNDIDA SÉRGIO ANAIR SILVA LINS E MELLO CÉLIA CRISTINA DE SIQUEIRA CAVALCANTI VERAS DANIELLE DE MOTA BASTOS DIEGO BRUNO BARBOSA FELIX ENILDO LUIZ GOUVEIA JANDY FEITOSA CARLOS DA SILVA JOSINETE FERREIRA DE ABREU MARIA AUXILIADORA DE ALMEIDA MONICA DIAS DO NASCIMENTO ROBERTO DE CARVALHO VENTURA ROSA MARIA DE SOUZA LEAL SANTOS THIAGO DE OLIVEIRA REIS MARQUES FREIRE VERÔNICA LUZIA GOMES DE SOUSA

3 Coordenação MARIA CÂNDIDA SÉRGIO GEJA - Chefe da Unidade da Educação de Jovens, Adutos e Idosos - UEJAI Equipe de eaboração ANA RITA FRANCO DO RÊGO Técnica Pedagógica da Gerência de Poíticas de Educação Infanti e Ensino Fundamenta (GEIF). MARIA DE FÁTIMA DE ANDRADE BEZERRA Técnica Pedagógica da Gerência de Poíticas Educacionais do Ensino Médio (GPEM). MARIA SOCORRO PINHEIRO DE CARVALHO Técnica Pedagógica da Gerência de Poíticas da Educação de Jovens, Adutos e Idosos (GEJA). RITA PATRÍCIA ALMEIDA DE OLIVEIRA Técnica Pedagógica da Gerência de Poíticas Educacionais do Ensino Médio (GPEM). ROBERTO DE CARVALHO VENTURA Técnico Pedagógico da Gerência de Poíticas de Jovens Adutos e Idosos (GEJA). SUELI TAVARES DE SOUZA SILVA Técnica Pedagógica da Gerência de Poíticas Educacionais do Ensino Médio (GPEM). VALDERÊS DA CONCEIÇÃO DO MONTE Té c n i c a P e d a g ó g i c a d a U n i d a d e d e Desenvovimento do Ensino da Gerência Regiona de Educação Metropoitana Su. VERÔNICA LUZIA GOMES DE SOUSA Técnica Pedagógica da Gerência de Poíticas da Educação de Jovens, Adutos e Idosos (GEJA). Revisão DANIELLE DA MOTA BASTOS DIEGO BRUNO BARBOSA FELIX ROSA MARIA DE SOUZA LEAL SANTOS

4

5 APRESENTAÇÃO A Secretaria de Educação de Pernambuco Gerência de Poíticas da Educação de Jovens, Adutos e Idosos (GEJA) votada para a garantia de uma Educação na perspectiva da formação ao ongo da vida para aquees(as) que não tiveram oportunidade em idade própria, em situação de privação de iberdade e pea incusão sociocutura, apresenta as Orientações Teórico- Metodoógicas (OTM) com a finaidade de subsidiar o processo de reorganização curricuar das escoas que atendem os estudantes da EJA. Em sua organização, este documento seeciona agumas orientações metodoógicas e conteúdos como sugestões para o trabaho do(a) professor(a) em saa de aua, contribuindo para a prática pedagógica no Ensino Fundamenta e Ensino Médio da EJA. Assim, as metodoogias apontadas buscam atender às necessidades e às especificidades desses estudantes, bem como às condições de trabaho dos(as) professores(as). Neste cenário, a oferta de um ensino de quaidade aos jovens, adutos e idosos é uma necessidade urgente para contribuir com a eevação da escoaridade para que esses estudantes possam ter mehores chances de inserção no mundo do trabaho e no seu contexto sociocutura. Para tanto, a construção das Orientações Teórico-Metodoógicas tomou como referência os documentos oficiais que norteiam os princípios da modaidade, tais como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Naciona LDB, Nº 9.394/96, Diretrizes Curricuares Nacionais para a Educação de Jovens e Adutos: Parecer Nº 11/2000 CNE 1/2000, Resoução CNE CEB 1/2000, Base Curricuar Comum do Estado de Pernambuco BCC, Parâmetros Curricuares para a EJA e as Orientações Curricuares para o Ensino Médio. Nesse processo, é importante saientar a participação dos(as) técnicos(as) de ensino das dezessete Gerências Regionais de Educação, da Gerência de Poíticas da Educação Infanti e Ensino Fundamenta, da Gerência de Poíticas Educacionais para o Ensino Médio, da Gerência de Poíticas da Educação de Jovens, Adutos e Idosos, dos Coordenadores(as) da EJA das dezessete Gerências Regionais de Educação e dos Educadores de Apoio que atuam na EJA no estado. Foram contribuições quaitativas e quantitativas ao ongo desse processo que resutaram neste documento em versão preiminar, mas que já apresenta a

6 identidade da referida modaidade de ensino eemento que contribui para o currícuo e para a prática pedagógica. Entendendo-se a reevância deste trabaho coetivo, as OTM representam um avanço para o nosso Estado, possibiitando aos(às) professores(as) mais um instrumento de apoio e possibiidades na reorganização curricuar para a EJA. Assim, esperamos contribuir para refexões e discussões no interior da escoa a serem reaizadas peos sujeitos educativos, no intuito de que a prática pedagógica seja de fato uma ação votada para o exercício da cidadania dos estudantes da Educação de Jovens e Adutos. GERÊNCIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS Caudia Mendes de Abreu

7 INTRODUÇÃO A procura incessante pea descoberta da origem da vida, quando ea se inicia, como mantê-a e proongá-a e, tavez, imortaizáa, são enigmas que a humanidade quer desvendar através do estudo das Ciências Naturais. Suei Tavares, Fátima Andrade e Verônica Gomes O desenvovimento científico e tecnoógico tem contribuído para mehorar o ambiente em que vivemos, através das reações que o homem estabeece com a Ciência, a Tecnoogia e a Sociedade, e estas nunca estiveram tão evidentes como nas útimas décadas. Desde o início das civiizações, a Ciência sempre despertou fascínio e interesse no homem. Este fato pode ser observado a partir da descoberta do fogo e, nos dias atuais, do desvendamento do genoma humano. Neste sentido, a estrutura da moécua do DNA, o deciframento do genoma e as invenções tecnoógicas (microscópio, avião, âmpada, computador, internet) são exempos de descobertas científicas. Segundo DUCHSL (1994), a Ciência corresponde a um processo dinâmico e perecedouro dos saberes científicos, nos quais sua transitoriedade, sua natureza histórica e cutura permitem a compreensão das reações estabeecidas entre a organização, o desenvovimento da ciência e a produção tecnoógica. No âmbito escoar, os estudantes percebem que fenômenos naturais e temáticas de caráter ético estão presentes em seu cotidiano, permitindo e adequando a utiização destes conhecimentos, às suas necessidades e, consequentemente, à mehoria da sua quaidade de vida. Desse modo, a discipina Ciências, pea sua natureza, deve contribuir para a formação do estudante de forma significativa, propiciando ao estudante da Educação de Jovens e Adutos (EJA) interagir e consoidar, na sua vivência, os conteúdos e assuntos abordados em saa de aua, oportunizando o contato com os processos de produção do conhecimento científico. Desta forma, o componente curricuar Ciências desenvove, no estudante, dois aspectos importantes em sua formação escoar: a afabetização científica e o desenvovimento de uma postura crítica e consciente. Em reação à

8 afabetização científica, esta permite que os mesmos estabeeçam reação entre os conteúdos apreendidos (conhecimentos científicos e tecnoógicos) e as utiizações e apicações no seu dia a dia. No que diz respeito à formação de uma postura crítica e consciente, os estudantes devem emitir juízo de vaor, a partir de discussões de caráter ético sobre aspectos igados à acessibiidade destes conhecimentos e aos efeitos que estes têm na vida de todas as casses sociais. Sendo assim, o ensino de Ciências Naturais, na EJA, contribui para a mehoria da quaidade de vida dos estudantes, a partir da compreensão que têm da sua própria organização bioógica, dos espaços que ocupam no ambiente e na sociedade, possibiitando interferir nesses processos dinâmicos, através de uma ação mais coetiva. Dito de outro modo, espera-se que os estudantes desta modaidade de educação, ao se apropriem dos conhecimentos da química, da física e da bioogia e de suas tecnoogias (saberes didáticos científicos), desenvovam uma sensibiização votada para uma responsabiidade socioambienta e ética, condição imprescindíve para formação de um cidadão crítico e participativo. Contudo, esses conteúdos didáticos corroboram com SELBACH et a. (2010), quando comentam que Aprender Ciências é importante para se construir certezas, para se encarar o presente com coragem e o futuro com esperanças. Estas transformações poderão ser perceptíveis peo o professor, a partir das mudanças das atitudes cotidianas dos estudantes. No ensino de Ciências Naturais, a abordagem dos conteúdos didáticos tem acontecido, de forma fragmentada e compartimentaizada (utiizando-se de estratégias didáticas, tais como: pesquisa de campo, confecções de murais e incursão pedagógica), distante da reaidade dos estudantes. Neste sentido, com a finaidade de superar estes desafios, o professor de Ciências da EJA, na sua prática pedagógica, deve considerar a natureza da discipina, as necessidades e especificidades deste púbico em reação ao aprender e os conteúdos científicos deste componente curricuar, partindo, por exempo, de indagações, como superar a fragmentação desta discipina abordando de forma contextuaizada e prazerosa estes conhecimentos? Que estratégias metodoógicas poderão ser utiizadas para reaizar esta finaidade? Com esses questionamentos, os professores desta modaidade de educação deverão aguçar a curiosidade e a participação ativa destes atores sociais, devendo tornar a aua dinâmica e interativa, propiciando a articuação e o

9 envovimento de todos na construção do conhecimento. Neste contexto, a aprendizagem em Ciências, na EJA, tem um perfi de redescoberta, ou seja, os estudantes reaizam reeituras e novas interpretações de mundo com base nas suas vivências e convivências, diferentemente dos estudantes da modaidade reguar, na qua a aprendizagem acontece a partir da exporação do mundo, descobrindo o universo. Diante do exposto, Angotti e Deizoicov (1994) consideram básicas as seguintes habiidades de Ciências Naturais, que devem perpassar todas as competências a serem desenvovidos com maior empenho nas auas: Observação Habiidade para direcionar o ohar, contempando de forma goba o objeto a ser anaisado. Cassificação Habiidade para estabeecer reação entre o objeto estudado com outros, segundo a sua semehança e diferença. Registro e tomada de dados, construção de tabeas Habiidade para organizar dados em forma de tabeas. Anáise Habiidade para se aprofundar na refexão sobre o comportamento do objeto de estudo. Síntese Habiidade para sintetizar o conhecimento produzido, a partir do tema estudado. Apicação Habiidade para transpor o conhecimento adquirido para as esferas vividas peo estudante, resutando em amadurecimento e na prática das habiidades citadas anteriormente e do seu uso na vida cotidiana. Assim, o presente documento tem a finaidade de orientar e subsidiar os professores de ciências que atuam na EJA, uma vez que esta modaidade de ensino apresenta estudantes com características próprias e diferenciadas dos aunos da modaidade reguar, que possuem objetivos e metas distintas. Outro aspecto a considerar, é que o documento apresenta também a intencionaidade de ajudar o(a) professor(a) a eaborar o seu panejamento, seus panos de auas diários e refetirem as suas práticas, aém de promover a atuaização de conhecimentos pedagógicos, reacionados, principamente, à transposição de saberem específicos (acadêmicos) em conhecimentos didáticos.

10 EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS - CIÊNCIAS ORIENTAÇÕES TEÓRICO METODOLÓGICAS Educação de Jovens e Adutos I Segmento I Fase de Escoaridade OBJETIVO: Reconhecer a Terra como componente do sistema soar e compreender as interações desse paneta com o sistema, bem como sua constituição e condições ambientais para a presença de vida, percebendo-se agente integrante e transformador do mesmo, contribuindo ativamente para a mehoria da quaidade de vida, buscando para isso, ainda, o conhecimento do corpo e dos recursos tecnoógicos. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES Reacionar diferentes fenômenos cícicos, como dia e noite, estações do ano, cimas, fases da ua, marés e ecipses aos movimentos da Terra e da Lua; Reacionar as mudanças na quaidade do ar às intervenções humanas; Identificar processos e substâncias utiizados na produção e conservação dos aimentos, e em outros produtos de uso comum, avaiando riscos e benefícios nees envovidos; Interpretar informações contidas em rótuos, embaagens, buas, receitas, manuais de instrumentos e equipamentos simpes; Identificar, em situações reais, perturbações ambientais ou medidas de recuperação. I BIMESTRE Reconhecimento da Terra como um corpo ceeste em movimento. Identificação dos eementos que formam o ambiente. Identificação das partes do corpo (cabeça, tronco e membros), reconhecendo suas respectivas funções; Identificação dos órgãos dos sentidos, seu funcionamento e cuidados 10

11 ORIENTAÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS necessários à sua preservação. Identificação das etapas e dos processos de produção de objetos artesanais ou industriais, reconhecendo sua matéria prima. II BIMESTRE Diferenciação entre corpos uminosos (estreas e cometas) e iuminados (panetas e satéites). Compreensão do ar como eemento indispensáve para os seres vivos e ainda como meio de transmissão de doenças. Identificação dos órgãos do sistema digestório e as funções que desempenham; Compreensão da transformação dos aimentos em substâncias que o corpo possa utiizar; Entendimento das necessidades específicas que as pessoas portadoras de deficiência possuem. Identificação das etapas e dos processos de produção de aimentos, reconhecendo a sua matéria prima. III BIMESTRE Locaização do paneta Terra no Sistema Soar, bem como reconhecimento de suas características. Compreensão da infuência exercida pea umidade do ar na saúde, com 11

12 EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS - CIÊNCIAS reação às possibiidades de chuvas. Reconhecimento da importância da água para a preservação da saúde dos seres vivos; Cassificação dos aimentos mais comuns, segundo critérios diversos (origem anima e vegeta, consumido cru ou cozido, fresco ou em conserva etc.); Compreensão de informações reativas ao prazo de vaidade, à composição e ao uso de conservantes nas embaagens de produtos aimentares industriaizados; Entendimento das necessidades aimentares específicas da primeira infância (particuarmente a importância do aeitamento materno). Compreensão da origem e de agumas propriedades de determinadas matérias e formas de energia. IV BIMESTRE Reação entre os movimentos da Terra e a formação dos dias, das noites e do ano. Identificação das principais formas de pouição do ar; Identificação das principais atividades humanas causadoras do aquecimento goba e reconhecimento das consequências desse fenômeno no meio ambiente. Identificação dos órgãos e das características dos sistemas reprodutores mascuino e feminino, considerando as mudanças ocorridas na puberdade, na fase aduta e na fase da pessoa idosa; Compreensão sobre como se dá a fecundação e o desenvovimento feta, reacionando esses processos à importância dos cuidados pré-natais; 12

13 ORIENTAÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS Conhecimento dos principais aspectos fisioógicos e psicoógicos característicos da terceira idade. Reação entre os diferentes tipos de energia e sua função no cotidiano. ORIENTAÇÕES TEÓRICO METODOLÓGICAS Educação de Jovens e Adutos I Segmento II Fase de Escoaridade OBJETIVO: Compreender a natureza como um todo dinâmico, sendo o ser humano parte integrante e agente de transformações do mundo em que vive, demonstrando conhecimento e cuidado com o próprio corpo, vaorizando e adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básicos da quaidade de vida e agindo com responsabiidade em reação à sua saúde e à saúde coetiva, sabendo, ainda, utiizar diferentes fontes de informação e recursos tecnoógicos para adquirir e construir conhecimentos. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES Reacionar características do paneta Terra aos fenômenos naturais ou induzidos pea atividade humana; Reacionar mudanças na quaidade da água às intervenções humanas; Compreender a natureza como um sistema dinâmico, e o ser humano em sociedade como um dos agentes de sua transformação; Compreender que os conhecimentos científicos e tecnoógicos estão a serviço da humanidade, identificando riscos e benefícios nees envovidos. I BIMESTRE Identificação do gobo terrestre e do panisfério (Mapa Mundi) como modeos de representação da terra. Compreensão da importância da água como recurso indispensáve à vida 13

14 EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS - CIÊNCIAS e dos tipos de água encontrados na natureza, entendendo como acontece o cico hidroógico, a partir de suas mudanças de estado físico; Compreensão da dependência dos seres vivos em reação à água, identificando as características da água potáve, a importância do uso raciona a partir de ações que protejam e revitaizem os mananciais e a necessidade de sua preservação, reconhecendo e associando a disponibiidade de água à presença de mata ciiar. Compreensão da importância da higiene da água e dos aimentos como formas de preservação da saúde; Reconhecimento dos processos de aimentação como forma de obtenção de nutrientes e energia para o funcionamento e crescimento do organismo; Identificação dos aimentos saudáveis; Conhecimento das formas de transmissão das parasitoses intestinais, bem como das medidas de tratamento e prevenção. Reconhecimento da importância da tecnoogia na produção e mehoria da quaidade dos aimentos. II BIMESTRE Percepção, a partir do gobo, da ocaização do interior, da crosta e da atmosfera terrestre. Compreensão da origem e da quaidade da água consumida na escoa e em casa, associando o tratamento da água à manutenção da saúde e à prevenção de doenças de veicuação hídrica. Conhecimento dos riscos reacionados à gravidez precoce e tardia; Reconhecimento da importância do panejamento famiiar; 14

15 ORIENTAÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS Conhecimento das vantagens e desvantagens do parto norma e do cesariano. Reconhecimento da necessidade do uso de tecnoogia para aperfeiçoamento do organismo humano. III BIMESTRE Observação e identificação dos fenômenos naturais que expicam a atração dos corpos (gravidade). Identificação das formas de pouição e contaminação das águas. Identificação das principais doenças sexuamente transmissíveis e conhecimento das formas de prevenção e tratamento deas; Anáise das formas de reacionamento saudáve entre crianças, adoescentes, jovens, adutos e idosos dentro e fora da famíia. Compreensão das reações estabeecidas entre as necessidades sociais e a evoução da tecnoogia, reacionando-as ao processo de transformação de matéria e energia, e vaorizando as condições de saúde e quaidade de vida. IV BIMESTRE Observação dos oceanos e continentes no gobo terrestre e no panisfério (Mapa Mundi). Entendimento da importância do saneamento básico como fator de 15

16 EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS - CIÊNCIAS proteção à saúde, ao enço freático e ao meio ambiente como um todo. Entendimento sobre métodos de contracepção, seu funcionamento e condições de uso. Conhecimento das reações entre as novas tecnoogias apicadas ao combate à fome e às doenças nos diversos grupos sociais. ORIENTAÇÕES TEÓRICO METODOLÓGICAS Educação de Jovens e Adutos II Segmento III Fase de Escoaridade OBJETIVO: Compreender a saúde como bem individua e comum que deve ser promovido pea ação coetiva, percebendo a tecnoogia como meio para suprir as necessidades humanas, distinguindo usos corretos e necessários daquees prejudiciais ao equiíbrio da natureza e do homem, e buscando organizar informações sobre cometas, panetas e satéites do sistema soar e outros corpos ceestes para eaborar uma concepção de universo. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES Empregar inguagem científica (nomes, gráficos, símboos e representações) para descrever a constituição ou a dinâmica da Terra e do Sistema Soar; Reacionar mudanças na quaidade do soo a intervenções humanas; Reacionar a saúde aos hábitos aimentares, à reaização de atividade física e ao uso de medicamentos e outras drogas, considerando diferentes momentos do cico de vida humano; Reconhecer a ocaização e as funções de diferentes órgãos ou sistemas do corpo humano, bem como suas disfunções e as doenças a ees reacionadas. 16

17 ORIENTAÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS I BIMESTRE Identificação dos astros do sistema soar e suas posições. Compreensão da importância da ação dos microorganismos na decomposição da matéria orgânica no soo; Características das principais doenças transmitidas peo soo e suas respectivas formas de transmissão. Compreensão da importância de uma aimentação equiibrada para a manutenção da saúde e prevenção de doenças; Reconhecimento da digestão como processo de transformação das substâncias aimentares para serem absorvidas peo organismo; Conhecimento dos riscos do consumo de drogas que provocam dependência física (tabaco, ácoo, psicotrópicos), conhecendo as formas de tratamento da dependência de drogas. Reconhecimento da importância dos foguetes e satéites para o desenvovimento tecnoógico da humanidade. II BIMESTRE Reconhecimento da terra como o paneta que habitamos. Compreensão da necessidade do tratamento de esgoto, da destinação correta do ixo e dos agrotóxicos para a preservação do soo. Identificação dos sistemas do corpo humano, reacionando suas funções; Locaização dos sistemas e órgãos do organismo humano, reacionando-os 17

18 EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS - CIÊNCIAS com os outros seres vivos. Compreensão dos diferentes meios de comunicação como uma tecnoogia faciitadora do conhecimento científico. III BIMESTRE Reconhecimento do So como uma estrea que fornece uz e caor para a terra. Compreensão de como ocorre a transferência de energia de um níve para outro dentro de uma teia aimentar, a partir das diversas cadeias aimentares que a compõem, identificando os seres produtores, consumidores e decompositores. Conhecimento das funções reguadoras, construtoras e energéticas dos aimentos; Cassificação dos aimentos mais comuns, segundo a função de seus nutrientes para o corpo; Compreensão do processo de envehecimento, apicando-a aos cuidados com a saúde da pessoa idosa. Diferenciação entre os recursos renováveis e os não renováveis, enfatizando o uso raciona dos recursos naturais e a necessidade de medidas para amenizar os probemas ambientais. IV BIMESTRE Reconhecimento da terra como um paneta do sistema soar, conhecendo os seus aspectos de biosfera, hidrosfera e atmosfera como condições para 18

19 ORIENTAÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS presença de vida. Identificação de atitudes de preservação do meio ambiente. Conhecimento dos tipos de nutrição dos seres vivos; Identificação das vantagens e desvantagens do consumo de produtos naturais e industriais. Identificação das tecnoogias produzidas peo homem a partir das transformações dos recursos naturais e da necessidade de medidas para amenizar os probemas ambientais. ORIENTAÇÕES TEÓRICO METODOLÓGICAS Educação de Jovens e Adutos II Segmento IV Fase de Escoaridade OBJETIVO: Vaorizar os conhecimentos de povos antigos para expicar os fenômenos ceestes, observando os instrumentos astronômicos enquanto tecnoogia da sociedade atua, identificando outras tecnoogias que permitem as transformações de materiais e de energia necessárias a atividades humanas essenciais hoje e no passado, compreendendo a história evoutiva dos seres vivos, reacionando-a aos processos de formação do paneta e vaorizando a conservação dos ambientes e a vida em sua diversidade. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES Compreender o Sistema Soar, enfatizando a Terra em sua constituição geoógica e panetária própria, situando o ser humano no espaço e no tempo em reação ao Universo; Reacionar diferentes seres vivos aos ambientes que habitam, considerando características adaptativas; Associar a quaidade de vida, em diferentes faixas etárias e em diferentes 19

20 EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS - CIÊNCIAS regiões, aos fatores sociais e ambientais que contribuam para isso; Anaisar o funcionamento de métodos anticoncepcionais, reconhecendo a importância de aguns dees para a prevenção de doenças sexuamente transmissíveis; Identificar variações em indicadores de saúde e de desenvovimento humano, a partir de dados apresentados em gráficos, tabeas ou textos. I BIMESTRE Conhecimento da importância dos instrumentos astronômicos (teescópio, unetas, satéites e sondas) para exporação do universo, enquanto tecnoogia da sociedade atua. Compreensão das teorias sobre a origem da vida, considerando os fósseis, seus processos de formação e a seeção natura, partindo de situações do cotidiano. Reconhecimento da importância de cuidados de higiene no consumo dos aimentos; Conhecimento das formas de transmissão de parasitoses intestinais, bem como das formas de tratamento e prevenção. Reconhecimento da uz, do caor, da eetricidade e do som como formas de energia, exporando os processos naturais e tecnoógicos de sua transformação. II BIMESTRE Compreensão das diferenças entre os modeos heiocêntrico e geocêntrico do sistema soar, vaorizando o conhecimento dos povos antigos para expicar os fenômenos ceestes. 20

21 ORIENTAÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS Identificação das características que diferenciam os seres vivos, compreendendo que indivíduos de uma mesma espécie não são exatamente iguais; Identificação dos diferentes modos de reprodução dos seres vivos, compreendendo que a diversidade entre os indivíduos de uma mesma espécie e sua evoução estão associadas à reprodução sexuada. Compreensão da importância do sistema urinário para o organismo; Compreensão do sistema cardiovascuar como conjunto de estruturas votadas ao transporte e à distribuição de substâncias peo corpo. Anáise e discussão sobre as vantagens e desvantagens de cada fonte de energia: hidráuica, eóica, térmica, soar e nucear. III BIMESTRE Identificação dos diferentes tipos de soo por meio do exame de suas características e sua composição. Conhecimento dos diferentes ecossistemas brasieiros, identificando os componentes bióticos e abióticos e a necessidade de conservá-os, buscando a manutenção do equiíbrio da vida no paneta. Reconhecimento das características do cico menstrua e da ejacuação, associando-os à gravidez; Compreensão dos processos de fecundação, gravidez e parto. Compreensão da sequência de transformações sofridas peos recursos 21

22 EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS - CIÊNCIAS naturais (minério de ferro, sa de cozinha, petróeo etc.), desde sua extração até a produção de diferentes bens. IV BIMESTRE Identificação das fases da ua e sua infuência na agricutura. Reconhecimento da diversidade bioógica dos seres vivos, compreendendo as reações que se estabeecem, ao ongo do tempo, entre as estruturas dos organismos e o comportamento adaptativo que possibiita sua sobrevivência, de acordo com as condições ambientais. Conhecimento dos métodos anticoncepcionais, estabeecendo reações entre o uso de preservativos, a contracepção e a prevenção das doenças sexuamente transmissíveis, com vaorização do sexo seguro e da gravidez panejada; Reconhecimento do idoso como pessoa constituinte de saberes sociocuturais. Identificação dos tipos de pouição e dos agentes pouidores, compreendendo que este fenômeno está reacionado à cutura e à economia de uma sociedade. 22

23 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BIZZO, N. M. V. Ciências: fáci ou difíci? São Pauo: Ed. Ática DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. P. Metodoogia do ensino de ciências. São Pauo: Cortez, DIAS, L. S. Interdiscipinaridade em tempo de diáogo: práticas interdiscipinares na escoa. São Pauo: Ed. Cortez GRUN, M. Ética e Educação: a conexão necessária. Campinas: Ed. Papirus MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Parâmetros Curricuares Nacionais para o Ensino Médio PCN+ Orientações Educacionais Compementares aos Parâmetros Curricuares Nacionais - Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnoogias. Brasíia/D.F: MEC Secretaria de Educação Média e Tecnoógica (SEMTEC), p. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Parâmetros Curricuares Nacionais para o Ensino Fundamenta PCN Orientações Educacionais Compementares aos Parâmetros Curricuares Nacionais. Brasíia: MEC/SEF, Disponíve em: < Acesso em 06 de fev PERNAMBUCO. Secretaria de Educação, Cutura e Esportes. Diretoria de Educação Escoar. Subsídios para organização prática pedagógica nas escoas: Ciências e Bioogia/ Secretaria de Educação, Cutura, e Esportes de Pernambuco. Recife: SECE, CURRÍCULO CIÊNCIAS E BIOLOGIA. 2. Programa Ciências e Bioogia. 3. Proposta Educaciona, POZO, J. I.; CRESPO, M. A. G. A aprendizagem e o ensino de Ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico; Tradução Naia Freitas. 5a Ed. Porto Aegre: Artmed, 2009.

24 SUGESTÕES PARA O PROFESSOR SITES LIVROS ANGELO, C. Ciências. Diemas e Desafios. São Pauo: Ed. Saesiano BARROSO,C.; BRUSCHINI, C. Sexo e Juventude: como discutir a sexuaidade em casa e na escoa. Ed. Cortez. São Pauo, BIZZO, N. M. V. Ciências: fáci ou difíci? Ed. Ática. São Pauo, CAMPOS, M. C. C.; NIGRO, R. G. Didática de Ciências. O ensinoaprendizagem como investigação. São Pauo: FTD, DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências: Fundamentos e métodos. São Pauo: Cortez, 2002.

25 DIAS, L. S. Interdiscipinaridade em tempo de diáogo: práticas interdiscipinares na escoa. São Pauo: Ed. Cortez, GRUN, M. Ética e Educação: a conexão necessária. Ed. Papirus. Campinas, KRASILCHIK, M. O. O professor e o currícuo das ciências. São Pauo: Editora da Universidade de São Pauo, SELBACH, S. Ciência e Didática. Petrópois: Vozes, IMAGEM EM MOVIMENTO: FILMES, DVD, DOCUMENTÁRIOS ENTRE OUTROS LEONARD, A. A história das coisas. [Fime vídeo]. Produção de Free Range Studios, Direção de Annie Leonard DVD, 20min. LUND, K. Biú e João. [Fime vídeo]. Produção de Kátia Lund, Caio Guane, Fabiano Guane, Débora Ivanov, Ricardo Aidar, Direção de Kátia Lund. São Pauo, nas ruas de São Pauo, DVD, 15 min. WALKER, L.; JARDIM, J.; HARLEY, K. Lixo extraordinário. [Fime vídeo]. Produção de Angus Aynsey e Hank Levine, Direção de Lucy Waker. Rio de Janeiro, Jardim Gramacho, DVD, 99 min REVISTAS EDUCAÇÃO. São Pauo: Ed. Segmento, Pubicação Mensa. ÉPOCA. Rio de Janeiro: Gobo, 2003 Pubicação Semana. GALILEU. Rio de Janeiro: Gobo, Pubicação Mensa GLOBO CIÊNCIAS. Rio de Janeiro: Gobo, Pubicação Semana. ISTO É: São Pauo: Três, Pubicação Semana.

26 NATIONAL GEOGRAPHIC Brasi. São Pauo: Abri, Pubicação Mensa. REVISTA SUPER INTERESSANTE. São Pauo: ABRIL, Pubicação Mensa. REVISTA NOVA ESCOLA. São Pauo: ABRIL, Pubicação Mensa

27

28

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida A U A UL LA O mundo da Física A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: aguns dizem que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer ou, ainda,

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Ensino Médio. Biologia

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Ensino Médio. Biologia EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ensino Médio Bioogia 2012 Governador do Estado de Pernambuco EDUARDO HENRIQUE ACCIOLY CAMPOS Secretário de Educação do Estado ANDERSON STEVENS LEÔNIDAS GOMES Secretária Executiva

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Comissão Própria de Avaiação Apresentação dos Resutados da Avaiação Gera da UCPe peos Aunos A tabuação abaixo foi feita a partir dos questionários sócio-econômicos do ENADE, dos anos de 01. Estado Civi?

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence)

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence) Rua Eucides da Cunha, 377 Centro de Osasco 0800 771 77 44 www.fipen.edu.br Centra de Informações Gestão Estratégica de Pessoas Gestão da Produção e Logística Gestão do Comércio e Negócios Gestão de Serviços

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Ciências Humanas

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Ciências Humanas EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ciências Humanas 2012 APRESENTAÇÃO A Secretaria de Educação de Pernambuco Gerência de Poíticas Educacionais de Jovens, Adutos e Idosos (GEJA) votada para a garantia de uma

Leia mais

Nesta aula, vamos identificar a Revolução

Nesta aula, vamos identificar a Revolução A energia vita: os recursos naturais são inesgotáveis? A UU L AL A Nesta aua, vamos identificar a Revoução Industria como responsáve pea grande mudança na utiização dos recursos naturais. Vamos avaiar

Leia mais

Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco

Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco Introdução As ações educativas de promoção da saúde nas escolas remontam ao século passado,

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO ADMISSÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL Nº 15/ 2012/ SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Tecnoogia Educaciona

Leia mais

Parceiros estratégicos

Parceiros estratégicos PROJETO Parceiros estratégicos Danie Ravioo - Júio Lira - Karina Mota ENSINANDO E APRENDENDO COM O JORNAL ESCOLAR REDE JORNAL ESCOLA 2006 Redação: Danie Ravioo, Júio Lira e Karina Mota Capa e Editoração

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INTEGRANDO SABERES EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ PB

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INTEGRANDO SABERES EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ PB EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INTEGRANDO SABERES EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ PB 1 Cláudia Patrícia Fernandes dos Santos, UFCG 2 Marcondes Fernando Pereira Carvalho, UFCG 3 Edson de

Leia mais

12 Por que o oxigênio do ar não acaba?

12 Por que o oxigênio do ar não acaba? A UA UL LA Por que o oxigênio do ar não acaba? O que você vai aprender Substância simpes Substância composta Cico do carbono na natureza Como as pantas transformam gás carbônico em oxigênio Decomposição

Leia mais

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI)

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) Diego Porto Rocha (Universidade Federal do Piauí - UFPI) Adelany Brena Cardoso de Oliveira (Universidade

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM José Cícero Santos (UFAL) [cjnego2007@gmail.com] Aldisío Alencar Gomes (UFAL) [aldisioalencar@gmail.com] Ana Paula Perdigão Praxedes

Leia mais

II Congresso Internacional de Educação Cientifica e Tecnológica Santo Ângelo 2012

II Congresso Internacional de Educação Cientifica e Tecnológica Santo Ângelo 2012 EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DE TRILHA INTERPRETATIVA NA O2 ECO ESPORTE COM ALUNOS DE ESCOLAS DE SANTO ÂNGELO E REGIÃO Alfieri Roberto Callegaro 1 ; Uberti Jesus O Campos Messina 2 1 URI/Santo Ângelo/Ciências

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME)

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (NEA) SEMED TÉCNICAS RESPONSÁVEIS: REGINA FREIRE ARNALDO DO NASCIMENTO (GESTORA AMBIENTAL) E SOLANGE ALVES OLIVEIRA (BIÓLOGA) LEI N o 9.795,

Leia mais

Palavras-chave: Turismo; Educação Ambiental; Escola. 1. Introdução

Palavras-chave: Turismo; Educação Ambiental; Escola. 1. Introdução A Educação Ambiental como Pressuposto para um Turismo Sustentável 1 Cristine Gerhardt Rheinheimer 2 Teresinha Guerra 3 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo Chegamos a um ponto de nossa trajetória

Leia mais

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento Desenvovimento e Design de Sistemas Web Probemas comuns Web Sites ma definidos e projetados Necessidade de atuaização constante das informações: eternamente em construção Evoução extremamente rápida da

Leia mais

Vamos reciclar plásticos?

Vamos reciclar plásticos? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Vamos recicar pásticos? O que você vai aprender Poietienos: tipos e obtenção Diferentes tipos de pástico Usos de pásticos Recicagem de pásticos Vantagens dos pásticos

Leia mais

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo!

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo! A UA UL LA Eu Química O que você vai aprender Ciência Química Matéria Substância Progresso tecnoógico Novos materiais Como faz o cientista Seria bom já saber Para inicar o seu curso de Química, procure

Leia mais

CONTEÚDOS DE BIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE BIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE BIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

As substâncias que formam o nosso planeta

As substâncias que formam o nosso planeta As substâncias que formam o nosso paneta Observe com bastante atenção esta iustração de uma casa, com seus diversos componentes e as substâncias ŒŒ utiizadas para fabricá-os. Œ Œ Œ Œ Œ Œ Ž Œ Œ A UU L AL

Leia mais

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo -

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Estudo do Meio 1º Ano 1º Período 2º Período 3º Período À descoberta de si mesmo - A sua identificação Conhecer a sua identificação Conhecer o seu nome

Leia mais

Orientadora: Profª Drª Telma Ferraz Leal. 1 Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPE.

Orientadora: Profª Drª Telma Ferraz Leal. 1 Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPE. A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES SOCIAIS DOS AFRO-DESCENDENTES NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS IMPLICAÇÕES DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA MOURA, Dayse Cabral de 1 UFPE mouradayse@yahoo.com.br

Leia mais

EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica

EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica FÓRUNS DE ESTUDOS: UMA ALTERNATIVA DE DISCUSSÃO DE NOVAS POSSIBILIDADES E AÇÕES NA MELHORIA DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

17 Como escolher um extintor de incêndio?

17 Como escolher um extintor de incêndio? A UA UL LA Como escoher um extintor de incêndio? O que você vai aprender Como apagar fogo Tipos de incêndios Tipos de extintores O que fazer em caso de incêndio? Seria bom já saber O que é fogo Composição

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio O Presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação, de conformidade

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Maria da Graça Valente Disciplina: Ciências Naturais Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Maria da Graça Valente Disciplina: Ciências Naturais Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Maria da Graça Valente Disciplina: Ciências Naturais Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação o Relacionar alimento

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS:

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: Art. 3º - A Escola oferece os seguintes níveis de ensino: I. Educação Infantil: de 0 a 05 anos de idade. Educação Precoce de 0 a 03 anos Educação

Leia mais

Simplificando o trabalho

Simplificando o trabalho A U A UL LA Simpificando o trabaho A simpificação do trabaho constitui outro meio que favorece diretamente a produtividade. Essa simpificação se reaciona com a mehoria de um método de trabaho, seja ee

Leia mais

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autor (1)Suzânia Maria Pereira de Araújo; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1)Denise Silva

Leia mais

O NOVO ENEM E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE FÍSICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MACEIÓ

O NOVO ENEM E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE FÍSICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MACEIÓ O NOVO ENEM E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE FÍSICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MACEIÓ Natalya Moacyra Bittencourt Queiroz (UFAL) natalya-bittencourt@hotmail.com Elton Casado Fireman (UFAL)

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Ensino Médio. Língua Portuguesa

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Ensino Médio. Língua Portuguesa EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ensino Médio Língua Portuguesa 2012 Governador do Estado de Pernambuco EDUARDO HENRIQUE ACCIOLY CAMPOS Secretário de Educação do Estado ANDERSON STEVENS LEÔNIDAS GOMES Secretária

Leia mais

Calculando engrenagens cilíndricas

Calculando engrenagens cilíndricas Cacuando engrenagens ciíndricas A UU L AL A Em uma empresa, o setor de manutenção mecânica desenvove um importante pape na continuidade do fuxo da produção. Após o diagnóstico do defeito, reaizam-se a

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

CURRÍCULO COM ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS 2015 II UNIDADE

CURRÍCULO COM ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS 2015 II UNIDADE CURRÍCULO COM ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS 2015 II UNIDADE Paulo Henrique Saraiva Câmara Governador do Estado de Pernambuco Raul Henry Vice-Governador do Estado Frederico da Costa

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA Bruna Tayane da Silva Lima; Eduardo Gomes Onofre 2 1 Universidade Estadual

Leia mais

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos 1. Nível de Ensino: Ensino Médio 2. Conteúdo Estruturante: Biogeoquímica 2.1 Conteúdo Básico: Matéria, Composição dos elementos químicos. 2.2 Conteúdo Específico:

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 2/213 A Presidente do Conseho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, consoante o deiberado na 99ª Reunião Ordinária, reaizada no dia 1 de dezembro

Leia mais

Aula 18 EDUCANDO PARA O PATRIMÔNIO. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima

Aula 18 EDUCANDO PARA O PATRIMÔNIO. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima Aula 18 EDUCANDO PARA O PATRIMÔNIO META Apresentar a Educação Patrimonial como possibilidade para o uso educativo do patrimônio. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: compreender a educação patrimonial

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: REALIDADE DOCENTE E A IMPORTANCIA DA EXPERIMENTAÇÃO PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM

ENSINO DE QUÍMICA: REALIDADE DOCENTE E A IMPORTANCIA DA EXPERIMENTAÇÃO PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM ENSINO DE QUÍMICA: REALIDADE DOCENTE E A IMPORTANCIA DA EXPERIMENTAÇÃO PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Ana Maria Gonçalves Duarte Mendonça 1 ; Darling de Lira Pereira 2 1 Universidade Federal de Campina

Leia mais

ENSINO MÉDIO INTEGRADO: analisando o currículo de matemática

ENSINO MÉDIO INTEGRADO: analisando o currículo de matemática ENSINO MÉDIO INTEGRADO: analisando o currículo de matemática Fernanda Pereira Santos 1 Profª. Drª. Célia Maria Fernandes Nunes 2 Profª. Drª. Marger Ventura Viana 3 Resumo Com esta pesquisa pretende-se

Leia mais

Universidade de São Paulo. Palavras-chave: Ciência/Tecnologia/Sociedade (CTS); Experimentação; Ensino Contextualizado; Água do Mar.

Universidade de São Paulo. Palavras-chave: Ciência/Tecnologia/Sociedade (CTS); Experimentação; Ensino Contextualizado; Água do Mar. ÁGUA DO MAR COMO FONTE DE MATÉRIAS PRIMAS E CONHECIMENTOS EM QUÍMICA ABORDANDO A INTERFACE CIÊNCIA/TECNOLOGIA/SOCIEDADE DE FORMA CONTEXTUALIZADA NO ENSINO MÉDIO Erivanildo Lopes da Silva (FM) 1 erilopes@iq.usp.br

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de CIÊNCIAS do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de CIÊNCIAS do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Gênero no processo. construindo cidadania

Gênero no processo. construindo cidadania Gênero no processo de educação: construindo cidadania Kátia Souto Jornalista e Executiva Nacional da União Brasileira de Mulheres A educação tem caráter permanente. Não há seres educados e não educados.

Leia mais

Nesta aula, vamos estudar a urbanização

Nesta aula, vamos estudar a urbanização Condomínios e faveas: a urbanização desigua A UU L AL A Nesta aua, vamos estudar a urbanização brasieira, que se caracteriza pea rapidez e intensidade de seu ritmo. Vamos comprender como o crescimento

Leia mais

GARANTIR ÀS NOSSAS CRIANÇAS MARANHENSES O DIREITO DE APRENDER IMPLICA TRABALHAR PARA UMA POLITICA DE GESTAO EFICAZ

GARANTIR ÀS NOSSAS CRIANÇAS MARANHENSES O DIREITO DE APRENDER IMPLICA TRABALHAR PARA UMA POLITICA DE GESTAO EFICAZ Experiências de Gestão: Educação e Direitos Humanos GARANTIR ÀS NOSSAS CRIANÇAS MARANHENSES O DIREITO DE APRENDER IMPLICA TRABALHAR PARA UMA POLITICA DE GESTAO EFICAZ Ana Karolina Salomão Estado do Maranhão

Leia mais

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO.

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. RESUMO QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. Francinilda Raquel Cardoso Silva (1); José Jorge Casimiro dos Santos (2) Faculdade São Francisco da Paraíba raquelmk06@gmail.com ¹

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE UM MAPA CULTURAL PARA O ENSINO DO TEMA BIOMAS E BIODIVERSIDADE NO BRASIL : UMA A PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA

A CONSTRUÇÃO DE UM MAPA CULTURAL PARA O ENSINO DO TEMA BIOMAS E BIODIVERSIDADE NO BRASIL : UMA A PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA A CONSTRUÇÃO DE UM MAPA CULTURAL PARA O ENSINO DO TEMA BIOMAS E BIODIVERSIDADE NO BRASIL : UMA A PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA JOÃO AUGUSTO DOS REIS NETO 1, JOÃO HENRIQUE OLIVEIRA PEREIRA 2, ANTONIO FERNANDES

Leia mais

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015 PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES VIVOS Trocas nutricionais entre o organismo e o meio: nos animais. 1. Compreender a importância de uma alimentação equilibrada e segura 1.1. Apresentar um conceito de

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PRESERVANDO O MEIO AMBIENTE 2012 I Nome do Projeto: Preservando o Meio Ambiente. II Público Alvo: Alunos da Educação Infantil e Ensino Fundamental I III Histórico e Justificativa:

Leia mais

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS Alyson Fernandes de Oliveira 1 Hanna Maia Marques de Mello 2 Ana Paula de Almeida Saraiva Magalhães 3 Renata Emiko Basso Hayashi 4 Resumo: Com o elevado

Leia mais

Descobrimos como fabricar soda cáustica!

Descobrimos como fabricar soda cáustica! Descobrimos como fabricar soda cáustica! O que você vai aprender Recicagem de pape Fabricação de pape Produção de hidróxido de sódio: eetróise Partícuas carregadas: íons Indicadores Seria bom já saber

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais

sumário AUDITORIA VOLUNTÁRIA O verbo é coletivizar 27 Visão, Missão, Crenças e Valores 03 Onde estamos 28

sumário AUDITORIA VOLUNTÁRIA O verbo é coletivizar 27 Visão, Missão, Crenças e Valores 03 Onde estamos 28 reatório anua 2010 sumário PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO Visão, Missão, Crenças e Vaores 03 Mensagem do Presidente do Conseho Deiberativo (Vountário) 04 Mensagem da Presidente (Vountária) 05 Disseminar a cutura

Leia mais

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ DIREITOS DA CRIANÇA CATARINA ALBUQUERQUE Técnica Superior no Gabinete de Documentação e Direito Comparado da Procuradoria-Gera da Repúbica AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ Documentação e Direito

Leia mais

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA Rogério Santos Grisante 1 ; Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: A prática da expressão corporal na disciplina de Artes Visuais no Ensino Fundamental II pode servir

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 A prática da cidadania constitui um processo

Leia mais

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI 1 HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI Roberto Kennedy Gomes Franco, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB, e-mail: robertokennedy@unilab.edu.br

Leia mais

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA SOCIAL SUPERINTENDÊNCIA DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE DIRETORIA DE REINTEGRAÇÃO SOCIAL METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Centra de Apoio e Acompanhamento

Leia mais

REDE DE EDUCAÇÃO SMIC COLÉGIO SANTA CLARA SANTARÉM-PARÁ RESUMO DOS PROJETOS

REDE DE EDUCAÇÃO SMIC COLÉGIO SANTA CLARA SANTARÉM-PARÁ RESUMO DOS PROJETOS REDE DE EDUCAÇÃO SMIC COLÉGIO SANTA CLARA SANTARÉM-PARÁ RESUMO DOS PROJETOS PROJETO SEMEANDO VIDAS: PLANTAS QUE ALIMENTAM BABY CLASS A e B Cristiane Repolho dos Santos¹ Talita Rocha de Aguiar² A escola

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CORONEL PACHECO Edital de Concurso Público nº 01/2014 com 2ªRetificação Organização: Reis & Reis Auditores Associados

PREFEITURA MUNICIPAL DE CORONEL PACHECO Edital de Concurso Público nº 01/2014 com 2ªRetificação Organização: Reis & Reis Auditores Associados COMUNICADO ALTERAÇÃO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA OS CARGOS DE PROFESSOR P-II _06 AO 09 ANOS GEOGRAFIA (ANTIGO 5ª E 8ª SÉRIE), PROFESSOR P-II _06 AO 09 ANOS CIÊNCIAS (ANTIGO 5ª E 8ª SÉRIE) E PROFESSOR

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa "Escola Aberta", sob orientação de Telma Ferraz Leal

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa Escola Aberta, sob orientação de Telma Ferraz Leal TÍTULO: OFICINA DE LEITURA: UMA PROPOSTA DINÂMICA PARA FORMAÇÃO DE LEITORES AUTORA: Andréa Carla Agnes e Silva 1 INSTITUIÇÃO: Universidade Federal de Pernambuco Escola Aberta ÁREA TEMÁTICA: Educação 1.

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Paulo Henrique Saraiva Câmara SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Frederico

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

PRATICANDO O RCNEI NO ENSINO DE CIÊNCIAS - A CHUVA EM NOSSA VIDA! RESUMO

PRATICANDO O RCNEI NO ENSINO DE CIÊNCIAS - A CHUVA EM NOSSA VIDA! RESUMO PRATICANDO O RCNEI NO ENSINO DE CIÊNCIAS - A CHUVA EM NOSSA VIDA! Roberta Soares de Vargas 1 e Suzane Maier França 1 Ricardo Antonini 2 RESUMO O trabalho aqui apresentado é o resultado de estudos e pesquisas

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Educação Física - Licenciatura

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Educação Física - Licenciatura EMENTÁRIO ANATOMIA I Ementa:. Estudo da forma, estrutura, função e localização de órgãos que compõem os sistemas que formam o aparelho locomotor: sistema esquelético, sistema articular, sistema muscular

Leia mais

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil INTRODUÇÃO Currículo e Educação Infantil A Educação Infantil é dever e obrigação do Estado e responsabilidade política e social da sociedade e não apenas daqueles que vivenciam a realidade escolar, utilizando-se

Leia mais

Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como?

Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como? Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como? Profª. Ms. Maria Cecília Nobrega de Almeida Augusto 26 e 27/10/2011 A aula de hoje: Situando a discussão sobre projetos interdisciplinares; O conceito

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria Municipa de Desenvovimento Urbano, apresenta esta cartiha

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

PEDAGOGIA SOCIAL DE RUA

PEDAGOGIA SOCIAL DE RUA PEDAGOGIA SOCIAL DE RUA Thainá Albertassi Eliane Fátima G. de Oliveira INTRODUÇÃO Dentro do contexto social encontrado hoje, a educação vem se propagando de variadas formas para atingir os grupos de indivíduos

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

PROJETO RIO MAMANGUAPE CAPACITA SUJEITOS SOCIAIS RESPONSÁVEIS PELO MANUSEIO DA ÁGUA EM SUA ÁREA DE ABRANGÊNCIA¹

PROJETO RIO MAMANGUAPE CAPACITA SUJEITOS SOCIAIS RESPONSÁVEIS PELO MANUSEIO DA ÁGUA EM SUA ÁREA DE ABRANGÊNCIA¹ PROJETO RIO MAMANGUAPE CAPACITA SUJEITOS SOCIAIS RESPONSÁVEIS PELO MANUSEIO DA ÁGUA EM SUA ÁREA DE ABRANGÊNCIA¹ ARAÚJO, Maria Zélia. Técnica - Coordenadora da área de Educação Ambiental/COOPACNE/professora

Leia mais

AÇÃO JOVEM: um estudo no município de Franca-SP.

AÇÃO JOVEM: um estudo no município de Franca-SP. 141 AÇÃO JOVEM: um estudo no município de Franca-SP. Samanta Antonio Gea Uni-FACEF Maria Zita Figueiredo Gera² Uni-FACEF 1. INTRODUÇÃO A presente proposta de pesquisa tem como objetivo realizar um estudo

Leia mais

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65)

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2010. Pano de Benefícios I NORDESTE em iquidação extrajudicia. (Cadastro Naciona de Pano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) - CNPJ: 27.901.719/0001-50 NOTAS EXPLICATIVAS

Leia mais

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA Marcos Leomar Calson Mestrando em Educação em Ciências e Matemática, PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

RELAÇÃO CTSA EM AULAS DE QUÍMICA: AVALIAÇÃO DE UMA PROPOSTA DE ENSINO PARA O CONTEÚDO DE GASES.

RELAÇÃO CTSA EM AULAS DE QUÍMICA: AVALIAÇÃO DE UMA PROPOSTA DE ENSINO PARA O CONTEÚDO DE GASES. RELAÇÃO CTSA EM AULAS DE QUÍMICA: AVALIAÇÃO DE UMA PROPOSTA DE ENSINO PARA O CONTEÚDO DE GASES. INTRODUÇÃO Maikon Bruno Maciel Barbosa¹ E-mail: maikonbruno94@hotmai.com Thiago Pereira da Silva² E-mail:

Leia mais

EMENTÁRIO: COMPONENTES DA BASE NACIONAL COMUM (BNC)

EMENTÁRIO: COMPONENTES DA BASE NACIONAL COMUM (BNC) SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL - SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EMENTÁRIO: COMPONENTES DA BASE NACIONAL COMUM (BNC)

Leia mais

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA 06 ANOS 07 ANOS 08 ANOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. Maria da Conceição da Cruz (PIBIX/PIBID-UFS) marynni@hotmail.com Tayane dos Santos (PIBIX -UFS) tayaneyat@gmail.com Resumo:

Leia mais

Subtítulo: O uso das ciências naturais na percepção das substâncias e processos envolvidos em uma alimentação saudável por crianças.

Subtítulo: O uso das ciências naturais na percepção das substâncias e processos envolvidos em uma alimentação saudável por crianças. Título: A importância de uma alimentação saudável. Subtítulo: O uso das ciências naturais na percepção das substâncias e processos envolvidos em uma alimentação saudável por crianças. Autores: Ravana Rany

Leia mais

Competências de Professores: um Fator Competitivo Darcy Mitiko Mori Hanashiro Doutora em Administração pea FEA-USP; Mestre em Administração pea Universidade Federa do Rio Grande do Su; Professora do Programa

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais

O TEMA TRANSVERSAL MEIO AMBIENTE E O LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA

O TEMA TRANSVERSAL MEIO AMBIENTE E O LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA O TEMA TRANSVERSAL MEIO AMBIENTE E O LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA Karine Machado Fraga de Melo 1 Claudia Lisete Oliveira Groenwald 2 Resumo Este artigo apresenta a análise de como o tema transversal Meio

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL: PRAZER EM CONHECER

EDUCAÇÃO SEXUAL: PRAZER EM CONHECER EDUCAÇÃO SEXUAL: PRAZER EM CONHECER COSTA, Alex Juvêncio Graduando em Ciência da Computação, Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências aplicadas e Educação, Departamento de Ciências Exatas. Email:

Leia mais